Issuu on Google+

Recortes nº 136 Índice – 19 de Julho de 2011 APSS pagou cerca de 3 milhões ao Estado referentes ao exercício de 2010 Estado recebe da APSS cerca de 3 milhões de euros Porto de Setúbal pagou três milhões de dividendos Estado fica com 905 dos lucros de 16,8 milhões dos portos Tapete de relva para chegar ao mar sem magoar os pés nas pedras Porto de Sines cresce 23 por cento Porto de Lisboa: Quebra de 6% na carga movimentada em Maio Porto de Leixões volta a registar crescimento nos cruzeiros Fórum do Mar lança fundo de 100 milhões para o financiamento de projectos Fórum do Mar lança fundo de 100 milhões de euros Fórum do Mar cria fundo de investimento de 100 milhões EU quer cortar enxofre emitido pelos navios em até 90% Governo defende que revisão da política de pescas ‘pode ser melhorada’ por Bruxelas

1


Cargo News – 18 de Julho de 2011

APSS pagou cerca de 3 milhões ao Estado referentes ao exercício de 2010 A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA pagou ao Estado, referente ao exercício de 2010, cerca de 3 milhões de euros de dividendos, concretamente 2.995.691,68€ (tendo sido pago 2.351.617,97 euros de dividendo líquido e 644.073,71 euros a título de IRC), pela participação do Estado português no capital desta Administração Portuária. A distribuição foi feita na Assembleia Geral, que ocorreu em 31 de março de 2011, tendo o pagamento sido efectivado nos trinta dias seguintes, conforme estabelece a Lei das Sociedades Comerciais. Não obstante, a APSS tem vindo a distribuir e a pagar dividendos ao accionista referentes a exercícios anteriores, com as seguintes importâncias: 1.507.274,30 euros, de 2007; 2.368.755,24 euros, de 2008; 1.202.654,59, de 2009.

2


Newsletter APP – 19 de Julho de 2011

PORTO DE SETÚBAL

Estado recebe da APSS cerca de 3 milhões de euros A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA pagou ao Estado, referente ao exercício de 2010, cerca de 3 milhões de euros de dividendos, concretamente 2.995.691,68€ (tendo sido pago 2.351.617,97 euros de dividendo líquido e 644.073,71 euros a título de IRC), pela participação do Estado português no capital desta Administração Portuária. A distribuição foi feita na Assembleia Geral, que ocorreu em 31 de Março de 2011, tendo o pagamento sido efectivado nos trinta dias seguintes, conforme estabelece a Lei das Sociedades Comerciais. Não obstante, a APSS tem vindo a distribuir e a pagar dividendos ao accionista referentes a exercícios anteriores, com as seguintes importâncias: 1.507.274,30 euros, de 2007; 2.368.755,24 euros, de 2008; 1.202.654,59, de 2009.

3


Transportes & Negócios – 18 de Julho de 2011

Porto de Setúbal pagou três milhões de dividendos Afinal, também o Porto de Setúbal pagou dividendos ao Estado relativos ao exercício de 2010, o que eleva para 13,8 milhões de euros os pagamentos das administrações portuárias ao seu accionista único.

4


Jornal de Negócios – 19 de Julho de 2011 – Pág. 14

5


Diário de Notícias – 19 de Julho de 2011 – Pág. 22

6


Sem Mais – 16 de Julho de 2011 – Pág. 14

7


Cargo News – 18 de Julho de 2011

Porto de Lisboa: Quebra de 6% na carga movimentada em maio O mês de maio trouxe resultados negativos ao porto de Lisboa no que à carga movimentada diz respeito, com um total de 1,1 milhões de toneladas, o que representa um decréscimo de 6% face aos números de maio de 2010. Durante o mês em questão, o porto de Lisboa apenas cresceu na movimentação de granéis líquidos, que subiu 22%, para perto das 172 mil toneladas. Os granéis sólidos, que têm sido grandes dinamizadores do porto, registaram uma quebra acentuada de 15%, para cerca das 430 mil toneladas. Também a carga contentorizada regrediu (quase 4% em termos homólogos), ficando-se pelas 447 mil toneladas. Em maio movimentaram-se 45 149 TEU (foram 47 283 há um ano). Nos números acumulados, o porto da capital somava no final de maio 5,2 milhões de toneladas processadas, mais 6% que nos primeiros cinco meses do ano transacto. A carga contentorizada era o principal agregado, com 2,2 milhões de toneladas, a subir 4%. O total de contentores atingia os 215 012 TEU (207 498 no mesmo período de 2010).

8


Newsletter APP – 19 de Julho de 2011

Porto de Leixões volta a registar crescimento nos cruzeiros No mês de Junho, os números das operações Cruzeiros no Porto de Leixões voltaram a aumentar em todos os indicadores. O Número de Passageiros registado, foi de 2.844, o que correspondeu a um aumento de 34% quando comparado com Junho de 2010. Este crescimento foi acompanhado ao nível de escalas e, particularmente da tonelagem desses navios. Nesta altura, contando apenas dois meses de operação do novo cais de cruzeiros, inaugurado em finais de Abril, registamos no final do primeiro semestre 25 Navios, 13.268 Passageiros, dos quais 12.907 em trânsito, 242 embarcados e 149 desembarcados o que se traduz num aumento de escalas na ordem dos 20%, de Passageiros 23% e da tonelagem dos navios acima dos 26%. Esta tendência é resultado da aposta que a Administração do Porto de Leixões vem a fazer na área de Cruzeiros, quer ao nível infra-estrutural e comercial, quer no fomento de redes com os agentes regionais com vista à capacitação do Norte de Portugal para capitalizar os futuros fluxos de procura.

9


Cargo News – 18 de Julho de 2011

Fórum do Mar lança fundo de 100 milhões para o financiamento de projetos O Fórum Empresarial da Economia do Mar anunciou, esta segunda-feira, o lançamento de um fundo de investimento que, numa primeira fase, terá um valor de 100 milhões de euros. O objetivo do Fundo passa por angariar fundos "que permitam financiar os projetos empresariais adequados a desenvolver a economia do mar sustentados pelo estudo coordenado por Ernâni Lopes", segundo o comunicado do Fórum. Em declarações à CARGO, o presidente do Fórum Empresarial da Economia do Mar, Bruno Bobone, confirmou "conversações com potenciais investidores" que têm tido uma "reação bastante positiva", destacando o papel "proativo que o Fórum tem mantido na procura de formas de financiar os seus projetos". Bruno Bobone referiu, ainda, que "a comissão de acompanhamento do Fórum vai definir quais serão os projetos onde irão ser usadas as verbas deste fundo", prevendo que "as três linhas que estão a ser desenvolvidas pelo Fórum, do setor da produção de peixe, do turismo náutico associado a diversas entidades autárquicas e um terceiro relacionado com o armamento" sejam apoiadas pelo Fundo. O Fórum Empresarial do Mar "vai iniciar imediatamente os passos burocráticos necessários para a constituição deste fundo de investimento junto da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM)", pode ler-se ainda no comunicado da entidade.

10


Transportes & Negócios – 18 de Julho de 2011

Fórum do Mar lança fundo de 100 milhões de euros Tentando passar das palavras aos actos, o Fórum Empresarial da Economia do Mar propõe-se dinamizar um fundo de investimento, com uma dotação inicial de 100 milhões de euros, para apoiar projectos prioritários no âmbito do hipercluster da economia do mar.

11


Público – 19 de Julho de 2011 – Pág. 21

12


Cargo News – 18 de Julho de 2011

UE quer cortar enxofre emitido pelos navios em até 90% A CE adotou na passada sexta-feira uma proposta de revisão da directiva de enxofre de 1999 e prometeu cortar as emissões de dióxido de enxofre de transporte em até 90%. A adoção da nova proposta de directiva significa que a medida - o que também reduziria as emissões de partículas finas, em até 80 % - pode ser apresentado ao Conselho Europeu e Parlamento Europeu no âmbito da UE, um processo legislativo denominado "codecisão”. Não houve nenhuma indicação por parte da CE, no entanto, de quanto tempo será necessário esperar antes que a directiva - que deverá ter efeito entre 2015 e 2020 - se tornará lei. Fontes CE admitiram recentemente que o processo pode ser longo, a tendo em conta a oposição dos transportadores contra algumas das propostas da medida. A directiva propõe, nomeadamente, que o nível máximo de enxofre permitido nos combustíveis usados ??no transporte em áreas vulneráveis ??como o Mar Báltico, Mar do Norte e Canal da Mancha seja reduzido de 1,5% para menos de 0,1 % já a partir de janeiro de 2015. Outras áreas terão de registar reduções ainda maiores de 4,5% para 0,5%, o mais tardar em 01 de janeiro de 2020. Associações de armadores expressaram grande preocupação sobre a viabilidade dos limites, mas a CE insistiu que a indústria deve desempenhar um maior papel na redução da poluição do ar. Segundo Bruxelas, os benefícios do ponto de vista da saúde pública são estimados entre 15.000 e 34.000 milhões de euros, o que é muito maior do que os custos esperados, variando entre 2.600 e 11.000 milhões de euros. "Esta proposta é um passo importante na redução das emissões do sector marítimo, em rápido crescimento," disse o presidente da comissão de ambiente da EU, Janez Potocnik. "Vai ajudar a resolver os problemas persistentes de qualidade do ar que continuam a afetar milhões de europeus ", previu Potocnik.

13


Jornal de Negócios – 19 de Julho de 2011 – Pág. 29

14


Recortes Nº136 de 2011