Issuu on Google+

Recortes nº 123 Índice – 30 de Junho de 2011 Setúbal –Algeciras – Maersk tem serviço semanal Maersk introduziu nova ligação ao porto de Setúbal Sesimbra – Cais do Ouro está concluído Porto de Sines recebeu serviço SILK da MSC Novo governo admite renegociação das concessões portuárias Senhorio estatal em ‘maré baixa’ quer renegociar concessões

1


Logística Moderna . Online – 30 de Junho de 2011

Setúbal - Algeciras

Maersk tem serviço semanal A Maersk arrancou com um novo serviço semanal de transporte de contentores entre os portos de Setúbal e Algeciras. O F03 – Tenerife Feeder, assim denominado, tem capacidade para cerca de 500 TEU e tem como rotação Algeciras – Setúbal – Algeciras – Las Palmas – Tenerife – Agadir – Algeciras. Com este novo serviço no segmento da carga contentorizada, concretamente no Terminal Multiusos Zona 2, concessionado à Sadoport, o porto de Setúbal passa a dispor de ligação semanal directa ao porto de Algeciras (nos sentidos Norte e Sul), o que permite às indústrias exportadoras e importadoras localizadas no hinterland do porto beneficiar de uma ligação feeder a este porto hub para expedição/recepção de cargas, de onde podem obter ligações a qualquer parte do mundo. Os tempos de trânsito são os seguintes: Algeciras (2 dias); Las Palmas (5 dias); Tenerife (6 dias); Agadir (8 dias). Os navios no loop são o “Skirner” e o “Concordia”.

2


Transportes em Revista – 26 de Junho de 2011 Com serviço semanal

Maersk introduziu nova ligação ao porto de Setúbal

A Maersk Line passou a disponibilizar um novo serviço semanal de transporte de contentores - FO3 Tenerife Feeder - que faz a ligação entre os portos de Setúbal e Algeciras. Utilizando navios porta-contentores com capacidade de 500 TEU oferece uma rotação que inclui os portos de Algeciras, Setúbal, Algeciras, Las Palmas, Tenerife, Agadir e Algeciras. Com esta oferta no segmento da carga contentorizada, concretamente no Terminal Multiusos Zona 2, concessionado à Sadoport, o porto de Setúbal passa a dispor de ligação semanal direta ao porto de Algeciras (nos sentidos Norte e Sul), permitindo às indústrias exportadoras e importadores localizadas no hinterland do porto beneficiar de uma ligação feeder a este porto hub para expedição/recepção de cargas, de onde podem obter ligações a qualquer parte do mundo. A nova linha representa uma vantagem competitiva, permitindo poupar tempo e custos aos clientes. Os tempos de trânsito são os seguintes: Algeciras (2 dias); Las Palmas (5 dias); Tenerife (6 dias); Agadir (8 dias). Os navios no loop são o “Skirner” e o “Concordia”. por: Carlos Moura

3


Correio da Manhã – 30 de Junho de 2011 – Pág. 24

4


Transportes em Revista . Online – 26 de Junho de 2011

Nova ligação ao Oriente

Porto de Sines recebeu serviço SILK da MSC O porto de Sines recebeu pela primeira vez o serviço SILK da MSC, que estabelece a ligação entre a Europa e o Extremo Oriente, para fazer o escoamento de um enorme volume de contentores, resultante do acréscimo de carga. O serviço foi assegurado pelo navio MSC Laurence, com uma capacidade de 12.400 TEU, que utilizou Sines como plataforma giratória plataforma giratória de carga entre a Europa e América do Norte (costa atlântica) com o Extremo Oriente. O serviço SILK, no Extremo Oriente, faz escala nos seguintes portos: Ningbo, Shanghai, Xiamen, Hong Kong, Yantian e Singapura. Atualmente, o porto de Sines dispõe de uma ligação semanal ao Extremo Oriente através do Lion Service, que toca os portos de Qingdao, Pusan, Ningbo, Xangai, Nansha, Hong Kong, Yantian, Chiwan e Singapura. Ainda neste mês está previsto o início de um serviço direto entre Sines e o Brasil, que permitirá reforçar o papel que o porto português representa enquanto plataforma giratória de transhippment, capaz de receber os maiores navios em operação no mundo. por: Carlos Moura

5


Cargo News – 29 de Junho de 2011

Novo governo admite renegociação das concessões portuárias O Programa de Governo, que será debatido em plenário na quinta e sexta-feira, tem um capítulo dedicado ao setor dos portos, onde se compromete a “avaliar e renegociar, sempre que tal se justifique, os contratos de concessão existentes tendo em vista a redução do custo da movimentação das cargas, quer na exportação, quer na importação”. O programa refere ainda uma necessidade de “melhorar o modelo de governação do sistema portuário”, mas sem confirmar se tal passa pela criação de uma “holding” que junte os maiores portos portugueses. Outra das medidas, que já havia constado no memorando assinado com a troika, passa por “rever e modernizar o quadro jurídico que rege o trabalho portuário, tornando-o mais flexível e coerente com as disposições do Código do Trabalho”. “Melhorar a efetiva integração dos portos no sistema global de logística e transportes”, “prosseguir e intensificar a modernização tecnológica dos instrumentos de gestão portuária, tendo em vista aumentar a eficiência dos portos portugueses (Janela Única Portuária, Janela Única Logística, etc. )” e “melhorar a atratividade dos portos portugueses, com vocação adequada, para o reforço da captação dos fluxos turísticos internacionais, promovendo a existência de terminais de cruzeiro”, são objetivos presentes no programa.

6


Jornal de Negócios – 30 de Junho de 2011 – Pág. 28

7


Jornal de Negócios – 30 de Junho de 2011 – Pág. 28

8


Recortes nº123 de 2011