Issuu on Google+

Recortes nº 94 Índice – 15 de maio de 2012 • Terminal XXI de Sines constrói 6º pórtico ‘super-post panamax’ • Porto de Lisboa realizou workshop para ‘stakeholders’ do projecto MIELE • Movimentação nos portos europeus continua limitada pelos efeitos da recessão • Jornada sobre crescimento marítimo sustentável assinalará o Dia Europeu do Mar • Opções portuguesas ferroviárias foram erro de informação ou falta de verdade? • Adfersit muda de Presidente nas eleições de 29 de Maio

APSS, SA Praça da República 2904-508 Setúbal Portugal Nº Reg. Comercial e NPC: 502256869 Tel.: +351 265 542000 Fax: +351 265 230992 Sítio Internet: www.portodesetubal.pt Email: geral@portodesetubal.pt


Público.Online - Carga & Transportes – 13 de maio de 2012 Investimento de 7 milhões de Euros

Terminal XXI de Sines constrói 6º pórtico ‘super-post panamax’ 13.05.12 - 10:06 A PSA Sines já iniciou a montagem do 6.º pórtico para o caís do Terminal XXI, prevendo-se a sua colocação em funcionamento no final do Verão. É mais um pórtico super-post panamax que se juntará aos cinco já em funcionamento e que irá tirar partido da expansão do caís recentemente inaugurada pelo Primeiro-Ministro, Pedro Passos Coelho, e pelos responsáveis da empresa, alguns vindos de Singapura. Com um investimento de 7 milhões de Euros por parte da concessionária de Singapura, a PSA Sines, este equipamento de última geração permitirá um alcance até 23 fiadas de contentores a bordo dos navios, estando assim vocacionado para operar os Ultra-Large Containers Ships (ULCS) inseridos nas principais rotas marítimas intercontinentais, bem como os de última geração de 16.000 e 18.000 TEU que estão agora a ser construídos. O equipamento em operação terá 112 metros de envergadura de lança, uma altura máxima de 84,5 metros acima do solo e um alcance útil de movimento vertical do spreader de 63,2 metros. Na actual fase de construção, o Terminal XXI tem uma capacidade máxima anual de 1.000.000 TEU, para um comprimento de cais de acostagem de 730 metros e fundos máximos de 17,5 metros, com uma área de armazenagem de 24 hectares. Com a instalação deste 6.º pórtico de cais ficará completa a 2.ª fase de expansão do terminal. Em curso decorrem ainda os trabalhos de expansão do molhe de protecção, sob responsabilidade da Administração do Porto de Sines (APS), que aumentará as condições de segurança nas manobras e operações dos navios, obra financiada pelo Fundo de Coesão, através do POVT.


Cargo News – 14 de maio de 2012

Porto de Lisboa realizou workshop para "stakeholders" do projeto MIELE Na passada quarta-feira, a Administração do Porto de Lisboa (APL) realizou um workshop para os "stakeholders" do projeto MIELE, um projeto estratégico e de interesse prioritário das Redes Transeuropeias de Transporte, no qual participam Portugal, Alemanha, Espanha, Itália e Chipre. No nosso país, os parceiros deste projeto são a APL, Administração do Porto de Douro e Leixões (APDL) e o IPTM, que é o coordenador nacional. O workshop foi muito participado e teve como objetivo informar os vários parceiros sobre os principais resultados alcançados e recolher contributos para a definição das novas soluções a construir até final de dezembro de 2013. Dessas novas soluções destaca-se o desenvolvimento dum demonstrador da Janela Única Logística, (JUL), a nível europeu. É também objetivo do projeto a construção de uma plataforma eletrónica de serviços comerciais a nível de cada porto, o Sistema de Comunidade Portuária (PCS- Port Community System) e de uma Janela Única Nacional (NSW – National Single Window), cumprindo a directiva 2010/65 da UE para a simplificação dos atos declarativos à chegada e partida de portos dos estados membros e a criação de um espaço marítimo europeu sem barreiras. Natércia Cabral, presidente da APL, destacou a importância para o porto de Lisboa deste projeto MIELE que sucede naturalmente ao projeto de que resultou o sistema Janela Única Portuária (JUP), sistema que já simplifica a relação entre privados e autoridades públicas, que evoluirá para um novo conceito de simplificação das relações entre as entidades privadas no porto, o Sistema de Comunidade Portuária (PCS). Com esta plataforma pretende-se tornar o porto mais transparente e mais simples de percepcionar pelos clientes mas também que ela seja o suporte de mais serviços comerciais. Entre outros, integrará serviços ligados ao meio de transporte (navio, comboio, camião e barcaça) e serviços à carga (rastreio e localização e de contentores e da carga, em geral, e agendamento de inspecções).


Cargo News – 14 de maio de 2012

Movimentação nos portos europeus continua limitada pelos efeitos da recessão Nos primeiros dois meses de 2012, as importações nos portos dedicados aos contentores na Europa caíram 1,1%, fruto dos problemas económicos que afetaram a procura do setor, de acordo com a Global Trade Tracker. Já as exportações a partir de portos europeus aumentaram 10,7%. No mês de março, o volume das importações subiu 0,5%, enquanto as exportações cresceram 4,2%. “O enfraquecimento dos indicadores, junto com as incertezas económicas e políticas na zona do euro, tem deixado os consumidores mais cautelosos”, refere a especialista Hackett. As previsões elaboradas pela Port Tracker dizem que as importações europeias vão aumentar 2,4% em 2012, sendo que os portos do norte da Europa deverão registar uma subida um pouco maior, de 2,8%, enquanto os portos do Mediterrâneo e do Mar Negro deverão subir 1,4%.


Cargo News – 14 de maio de 2012 – Pág. 6

Jornada sobre crescimento marítimo sustentável assinalará o Dia Europeu do Mar A Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) em estreita colaboração com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, o Fórum Empresarial da Economia do Mar (FEEM) e a Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR) vão realizar uma Jornada comemorativa do Dia Europeu do Mar, sob o tema “Crescimento sustentável dos oceanos, mares e costas: crescimento azul” a realizar na sede da SGL no dia 21 de maio, com início previsto para as 9.30h. A sessão de encerramento estará a cabo do Secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, numa jornada que contará com variados e prestigiados intervenientes e cuja finalidade passa por analisar as implicações para Portugal (nacionais e regionais) decorrentes do desenvolvimento de uma estratégia marítima para a região do Atlântico.


Público.Online - Carga & Transportes – 13 de maio de 2012

Cimeira Luso-Espanhola do Porto

Opções portuguesas ferroviárias foram erro de informação ou falta de verdade? Por Paulo Vilarinho Na passada quarta-feira, dia 9 de Maio, no Porto, realizou-se a XXV Cimeira luso-espanhola em que foram debatidos vários assuntos como a melhoria do actual serviço ferroviário Porto-Vigo, o pagamento das portagens nas ex-SCUT e a questão do “Céu Único”, só no sector dos transportes. O Ministro da Economia português, Álvaro Santos Pereira, e a Ministra de Fomento espanhola, Ana Pastor, voltaram a confirmar o projecto de construção do Corredor Ferroviário do Atlântico, que vai permitir o transporte internacional de mercadorias portuguesas e espanholas, em bitola europeia, para o resto da Europa, de uma forma eficiente e competitiva. O Corredor Ferroviário do Atlântico vai efectuar a ligação França-Irun-ValladolidPalencia, que bifurca para três direções: Vilar Formoso-Aveiro, que inclui o Eixo Norte-Sul de Portugal e o porto de Leixões, Galiza e Madrid por Ávila. Através da capital espanhola até Badajoz e do novo troço Poceirão-Caia, será efectuada a ligação, em bitola europeia, para mercadorias e passageiros, à região de Lisboa e aos portos de Setúbal e Sines. A ligação do Norte de Portugal ao corredor do Atlântico e à União Europeia (UE), através do troço Aveiro-Salamanca, só será possível com a comparticipação do próximo pacote financeiro 2014-2020. Em 2012, ainda nem sequer existe o projecto para esta infraestrutura. Até 2014, uma das prioridades passará por apresentar à Comissão Europeia o projeto de execução sem o qual não existe o respetivo financiamento. O troço Poceirão-Caia beneficia de fundos comunitários, no valor de 800 milhões de Euros, que pertencem ao pacote financeiro 2007-2013, para o Projeto Prioritário PP3 da linha de Alta Velocidade (AV) Lisboa-Madrid. Estas verbas não podem ser transferidas nem para outros projectos, nem para o próximo pacote financeiro 20142020. Se Portugal nada construir até 2013, perderia estas verbas para projectos de outros países. Seria uma situação inédita a nível europeu uma vez que todos os países da UE estão muito interessados nos futuros Corredores Ferroviários.


Erros de Sócrates e das empresas RAVE e REFER O principal erro estratégico do Governo de José Sócrates (e da empresas tuteladas RAVE e REFER) consistia em propor uma nova rede de bitola europeia só para passageiros e, além disso, pretendia realizar um outro investimento na rede existente, para que nela circulassem as mercadorias, em bitola ibérica. Esta solução seria muito mais dispendiosa e redundante e nem iria resolver o problema da interoperabilidade, para as mercadorias, por utilizar vias de bitola ibérica. Ou seja, a interoperabilidade só seria resolvida para passageiros. Portugal tem dois graves problemas a resolver: mercadorias e passageiros. Por esta razão, precisamos de uma nova rede, construída de raiz, mista para mercadorias e passageiros de bitola europeia. A justificação da estratégia adoptada pelo Governo do ex-Primeiro-Ministro José Sócrates foi conhecida no dia 23 de Dezembro de 2009, na Comissão de Transportes da Assembleia da República tendo sido afirmado que só daqui a 30 anos a Espanha se iria ligar a França, em bitola europeia, para mercadorias. Esta informação já tinha sido desmentida quando o porto de Barcelona iniciou, em Dezembro de 2010, o transporte de contentores para França, Alemanha e Itália em bitola europeia, através da nova linha de Alta Velocidade Barcelona-França. Na XXV Cimeira luso-espanhola, que se realizou no Porto, confirmou-se que nos próximos anos a Espanha se ligará ao resto da Europa para mercadorias, em bitola europeia, pelo que se conclui que, relativamente aos projectos ferroviários propostos no passado, em Portugal, só podem existir duas explicações: falta de verdade ou de informação Rui Rodrigues Email: rrodrigues.5@netcabo.pt Site: www.maquinistas.org


Público.Online - Carga & Transportes – 13 de maio de 2012

Vitor Caldeirinha substituirá Joaquim Polido

Adfersit muda de Presidente nas eleições de 29 de Maio 13.05.12 - 09:47 Por Paulo Vilarinho A Associação Portuguesa para o Desenvolvimento dos Sistemas Integrados de Transportes (Adfersit), vai passar a ser liderada pelo especialista em transportes Vitor Caldeirinha. Com eleições marcadas para o próximo dia 29 de Maio, uma só lista concorre para o próximo mandato. Como candidatos a Vice-presidentes estão o Professor Mário Lopes e o Engenheiro Vítor Martins da Silva. Os anteriores presidentes da direcção – quer Joaquim Polido, ainda em funções, quer o fundador, Arménio Matias – fazem também parte da lista candidata, bem como outros dirigentes e especialistas do sector membros da actual Direcção A Adfersit encontra-se num processo de alargamento do seu âmbito de actuação a todas as áreas dos transportes, com especial ênfase para a integração dos vários modos como forma de potenciar e servir o desenvolvimento da economia portuguesa.


Recortes Nº 94 de 2012