Page 1

Recortes nº 088 Índice – 12 de maio de 2014  PSD debate importância do mar para a região de Setúbal  Exportações da Secil sobem 43% até Março  Metalurgia nacional sem mãos a medir  Porto deep sea no Barreiro: A inacreditável ‘aposta’ na irrealidade  Contentores no Barreiro. A oportunidade do ambiente  Operadores atribuem “descalabro do negócio” ao líder sindical dos estivadores  Linha regular “Mediterranean Pacific Service (MPS)” regressa a Lisboa

APSS, SA Praça da República 2904-508 Setúbal Portugal Nº Reg. Comercial e NPC: 502256869

Tel.: +351 265 542000 Fax: +351 265 230992 Sítio Internet: www.portodesetubal.pt Email: geral@portodesetubal.pt


Setubalense, 12 de maio de 2014


Jornal de neg贸cios, 12 de maio de 2014


Expresso, 12 de maio de 2014


Revista Cargo, marรงo/abril de 2014


Expresso, 9 de maio de 2014


Cargo News, 12 de maio de 2014

Porto de Lisboa: Operadores atribuem "descalabro do negócio" ao líder sindical dos estivadores Os operadores portuários apontam o presidente do Sindicato dos Estivadores como "responsável pelo descalabro do negócio" no porto de Lisboa devido às sucessivas greves convocadas, acusando-o de, por desejo de "notoriedade mediática", prejudicar os próprios trabalhadores. "Tem V. Exa. desenvolvido nos últimos meses uma muito visível campanha mediática visando evidenciar o mérito político da sua liderança desse sindicato, chamando à sua pessoa a responsabilidade pelo que classifica de histórico resultado da `luta` dos trabalhadores da estiva de Lisboa. Em nome de quantos nas empresas desenvolvem com sentido de responsabilidade a sua vida profissional, lamentamos ter de aceitar cidadãos politicamente obcecados e atraídos pela notoriedade mediática", sustentam os operadores portuários numa carta enviada esta semana a António Mariano, a que a agência Lusa teve acesso. Contactado pela agência Lusa, o presidente do Sindicato dos Estivadores disse tratar-se de uma carta "absurda", "descabida" e "fora de tempo", considerando "surpreendente" que estas acusações surjam precisamente na altura em que operadores e sindicato se "sentaram à mesa" para negociar o acordo alcançado em fevereiro. Assinada pela Associação dos Operadores do Porto de Lisboa (AOPL), Associação Marítima e Portuária (AOP) e Associação de Empresas de Trabalho Portuário de Lisboa (A-ETPL), a carta critica a "tão aparente felicidade" do presidente do Sindicato dos Estivadores e o facto de se mostrar "muito satisfeito com as ações de greve ocorridas" em 2012 e 2013 no porto da capital. "Com este gesto destrutivo, a situação operacional do porto de Lisboa chegou a tal nível de degradação e foi-se tão longe na perda de confiança dos clientes que só com a intervenção do IMT [Instituto da Mobilidade e dos Transportes] e do IDC [Conselho Internacional de Estivadores, no qual está filiado o Sindicato dos Estivadores português] foi possível chegar a um entendimento", recordam. Sustentando que "este acordo laboral foi obtido com o esforço dos operadores portuários", os signatários dizem ter sido, contudo, insuficiente para superar a "desconfiança total e inultrapassável nos agentes económicos, que não regressaram nem dão sinais de querer regressar com as suas cargas a Lisboa". É que, garantem, "os armadores cansaram-se dos prejuízos registados durante dois anos e ainda não conseguiram entender as greves de 2013", levando a uma "degradação dos níveis de atividade" no porto de Lisboa, que, só em 2012, "teve um decréscimo de 60%". Como consequência, alertam os operadores portuários, a A-ETPL chegou a uma "perigosa situação financeira" que tem levado a que os salários não sejam "pagos nas datas habituais" e as obrigações com a Segurança Social e a Autoridade Tributária registem também "cumprimento irregular". Lamentando as acusações "pessoais" que lhe são feitas, o presidente do Sindicato dos Estivadores estranha que esta carta surja numa altura em que operadores e sindicato se sentaram "à mesa" para "falar da execução do acordo" de fevereiro e admite que, na sua origem, estejam "razões de ordem estratégica para algo que se pode vir a passar a seguir", mas que "desconhece". Em declarações à Lusa, António Mariano rejeitou qualquer responsabilidade de sindicatos ou trabalhadores na redução da atividade em Lisboa, sustentando que "os navios, muitas vezes, são desviados por interesse das próprias empresas, que estão instaladas nos diversos portos e o fazem deliberadamente". "Em 2013 estivemos em greve entre zero e duas horas diárias, o que não afeta nada o movimento do porto, que trabalha 24 horas", assegurou, defendendo que, "se alguém tem razões de queixa quanto ao comportamento das empresas, são os trabalhadores, porque continuam diariamente a ser violadas as regras de contratação coletiva e desde o início do ano que a A-ETPL não paga atempadamente o salário ao fim do mês". "[Que é devido à situação financeira da empresa] é a história que eles contam, para mim eles estão deliberadamente a atrasar-se com o pagamento dos salários para criar atritos e provocar desgaste", acusou.


APP, 12 de maio de 2014

Linha regular «Mediterranean Pacific Service (MPS)» regressa a Lisboa

O Porto de Lisboa congratula-se com o regresso da linha regular MPS a qual é de interesse estratégico e havia sido descontinuada em consequência das greves que assolaram o bom funcionamento do porto. Este serviço resulta de uma joint-venture da Hamburg Sud e da Hapag Lloyd, sendo constituído no seu total por 11 navios, nove deles da Hapag Lloyd e os dois restantes da Hamburg Sud. Esta linha regular é agenciada pela Garland Navegação e HAPAG-LLOYD Portugal, Lda, e tem escala semanal no Terminal de Contentores de Alcântara concessionado ao operador LISCONT. A linha permite melhores ligações para vários destinos diretos na exportação, a partir de Lisboa, como sejam, Tanger Med, Valência, Cagliari, Livorno, Génova e For-sur-mer. Ainda através de Valencia e Cagliari, permite chegar a outros destinos como Far East, USA, Canadá, México, Middle East e Mediterâneo. Na importação, permite uma rápida ligação aos mercados da costa Oeste dos EUA, México e das Caraíbas, criando boas opções para ligações à costa Oeste da América Latina via Canal do Panamá. O retorno desta nova linha confirma o porto de Lisboa como uma referência para os principais armadores mundiais.

Recortes 088 12 05 2014  

• PSD debate importância do mar para a região de Setúbal • Exportações da Secil sobem 43% até Março • Metalurgia nacional sem mãos a medir •...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you