Issuu on Google+

Recorte nº 054 Índice – 18 de Março de 2010 • APSS recebe certificado de qualidade e continua a requalificar o Porto de Sesimbra • Suplemento de «O Setubalense» - Vida Portuária • Gigante japonês estuda investimento no Porto de Sines • Bruselas apuesta por modernizar el transporte en su estratégia para 2020 • BMW vai lançar carro mais pequeno e prevê voltar aos lucros • Honda recolhe 412 mil carros nos Estados Unidos por falta no sistema de travões • Portugal explica à ONU ambição de mais mar

1


Jornal de Sesimbra – Fevereiro de 2010 – Pág. 6

2


O Setubalense – 17 de Março de 2010 – Pág. I

3


O Setubalense – 17 de Março de 2010 – Pág. II

4


O Setubalense – 17 de Março de 2010 – Pág. III

5


O Setubalense – 17 de Março de 2010 – Pág. IV

6


Diário Económico – 17 de Março de 2010 Conglomerado industrial nipónico

Gigante japonês estuda investimento no porto de Sines Nuno Miguel Silva e Catarina Beato

As negociações entre a Mitsui e a Agência Portuguesa de Investimento já duram há mais de um mês.

O conglomerado industrial japonês Mitsui está a estudar um investimento de grande volume no porto de Sines, apurou o Diário Económico junto de diversos responsáveis envolvidos no processo de negociações, que já dura há mais de um mês.

Em meados de Junho, uma delegação do grupo japonês, encabeçada pelo próprio embaixador nipónico em Portugal, Satoshi Hara, deslocou-se à ZAL – Zona de Actividades Logísticas de Sines, detida pela API Parques e pela APS – Administração do Porto de Sines, assim como aos vários terminais do porto alentejano. Segundo apurou o DE, os representantes da Mitsui mostraram-se interessados em efectuar um investimento de longo prazo na ZAL de Sines, tendo-se comprometido a voltar a contactar os

responsáveis da APS e da API Parques para apresentar os detalhes do projecto. A Mitsui é um grupo

com actividades nos ramos automóvel, agro-alimentar, das resinas e da distribuição, mas os membros da delegação terão mostrado particular interesse em obter dados sobre o circuito de recepção e abastecimento de gás natural. A Mitsui tem vindo a fazer investimentos neste sector na África Ocidental e procura uma porta de entrada no mercado europeu. Só que, neste processo, o porto de Sines sofre forte concorrência de outros portos do Mediterrâneo,

pelo que a API Parques e a APS estão a desenvolver vários esforços para garantir este investimento, que ninguém pretende quantificar por enquanto. Outra hipótese de investimento da Mitsui é para a própria área industrial. A deslocação da Mitsui a

Sines partiu de uma iniciativa do próprio embaixador nipónico em Lisboa, demonstrando a crescente actractividade do porto de Sines para os grandes grupos empresariais multinacionais. Sines é um dos

maiores portos de águas profundas da Europa, encontrando-se geograficamente na encruzilhada entre diversos continentes, designadamente entre as Américas, África e a Europa. Um grupo a caminho dos quatro séculos

Takatoshi Mitsui, comerciante e banqueiro japonês, transformou o seu negócio familiar num grupo de grandes dimensões. Em 1634, Takatoshi juntou-se aos irmãos num negócio de têxteis. Com 28 anos,

já tinha conseguido multiplicar por 16 o capital inicial do negócio. Os irmãos temeram a concorrência, obrigaram-no a regressar a casa para tratar da mãe doente. Volta com uma pequena fortuna que

decide engrandecer, tornando-se banqueiro, financiando mercadores a curto prazo por juros elevados. Daí em frente, nunca mais parou, sendo ainda hoje considerado um dos maiores precursores das mais modernas técnicas de ‘marketing’. No início do século XX, o conglomerado dava emprego a mais de

três milhões de pessoas. A Mitsui foi desmantelada e deu origem a mais de 200 empresas. Em 1959, ocorreu uma fusão, de que resultaria o actual grupo Mitsui. Projectos - A 16 de Maio, uma delegação do grupo indiano Tata visitou Sines com o presidente da API, Basílio Horta.

- Os russos da gigante estatal russa Gazprom aproveitam a visita oficial de José Sócrates a Moscovo para falar sobre o seu interesse na plataforma logística.

7


- Patrick Monteiro de Barros quis construir há pouco mais de um ano uma refinaria em Sines. O projecto ficou sem efeito devido ao impacto ambiental.

El Vigia – 8 de Março de 2010 – Pág. 21

Jornal de Notícias – 17 de Março de 2010 – Pág. 21

8


Diário Económico – 18 de Março de 2010 – Pág. 34

9


Diário Económico – 18 de Março de 2010 – Pág. 33

10


Jornal de Notícias – 18 de Março de 2010 – Pág. 34

11


Recortes 054 18-03-2010