Issuu on Google+

Recorte nº 005 Índice – 7 de Janeiro de 2011 - Terminais de Barcelona ligados por bitola europeia - Porto de Setúbal superou sete milhões de toneladas - Miguel Sequeira preside ao Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) - Global Find disponível em novo formato e também em língua alemã - Canal do Panamá prevê mais tráfego - Grandes obras públicas não esperam pela avaliação das PPP - Transportadores de mercadorias aumentam fretes até 8% - Preços dos ‘ferries’ unem autarcas - Contestação a preços de transportes para Tróia - Navios cruzeiro pagam taxas até 10 mil euros - Transporte vai ficar mais caro - Automóveis lideram vendas portuguesas na China

1


Transportes em Revista, 7/01/2010 Terminais de Barcelona ligados por bitola europeia O Terminal de Contentores de Barcelona (TCB) vai ter ligação ferroviária em bitola europeia (UIC), a partir do dia 10 (segunda-feira), tornando-se no primeiro terminal portuário ibérico a estar dotado com este tipo de via. Ainda no trimestre deste ano, o Terminal Catalunya também vai passar a ter ligação ferroviária em bitola europeia. Para o efeito a Autoridade Portuária de Barcelona investiu cerca de 8,1 milhões de euros em obras para dotar os principais terminais de contentores catalães com bitola ferroviária europeia. O investimento permitirá a saída dos contentores em comboios directos para a Europa, sem necessidade de trocar de eixo ou de comboio nas estaçõesintermodais de Morrot, que estreou a bitola europeia no dia 21 de Dezembro, ou no terminal de Can Tunis. As obras realizadasno TCB permitiram aumentar o comprimento da via dos 450 para os 750 metros, possibilitando a operação de comboios ferroviário europeus standard. Porto de Setúbal superou sete milhões de toneladas O porto de Setúbal ultrapassou em 2010 a fasquia dos sete milhões de toneladas, batendo o anterior recorde de 6,8 milhões de toneladas movimentadas em 2007. "Atingir este patamar, torna 2010 um ano histórico para o porto e constitui um merecido prémio para toda a Comunidade Portuária de Setúbal, que demonstrou estar motivada e preparada para enfrentar e superar os desafios colocados pela conjuntura difícil que atravessamos,evidenciando um dinamismo que permite fixar o Porto de Setúbal na rota da competitividade," lê-se num comunicado da APSS– Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra. por: Carlos Moura

2


Cargonews, 7/01/2010 Miguel Sequeira preside ao Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Miguel Sequeira, presidente do Conselho Diretivo do Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos e membro da Direção do Forum Permanente dos Assuntos do Mar, é o novo presidente do Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR). Licenciado em Ciências Militares Navais, da Escola Naval e MBA em Gestão de Informação pela Universidade Católica Portuguesa, Miguel Sequeira, 50 anos, foi responsável, até 2010, pela Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar. A nomeação para a presidência do MAR tem efeitos a partir do passado dia 3 de janeiro. A nova situação de Miguel Sequeira, que já vinha sendo comentada nos meios afetos ao setor, foi alvo de um despacho assinado pelo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações António Mendonça, em documento que designa Miguel Sequeira, simultaneamente como representante do Ministério e presidente da comissão técnica do MAR, organismo que funciona na dependência conjunta dos Ministros da Justiça e das Obras Públicas, Transportes e Comunicações,incumbindo-lhe o registo de todos os atos e contratos referentes aos navios a ele sujeitos e o controlo dos requisitos de segurança exigidos pelas convençõesinternacionais. Global Find disponível em novo formato e também em língua alemã O serviço Web da aicep Global Parques, entidade que gere, entre outros, a Zona Industrial e Logística de Sines (foto), e o BlueBiz Global Parques em Setúbal, passou a ter um nível único, de acessogratuito e registo automático, agora também em língua alemã. O Global Find, um inovador serviço Web desenvolvido pela aicep Global Parques que permite aos investidores nacionais e estrangeiros a escolha da melhor localização em Portugal continental para instalaçõesempresariais, está desde hoje disponível também em língua alemã, idioma que se junta ao português, inglês e castelhano. Esta abertura do Global Find à língua alemã vem reforçar claramente a sua utilidade, pois a Alemanha, para além de ser um dos maiores paísesem origem de IDE na Europa, revela também uma forte tradição de investimento em Portugal. Registe-se igualmente a reformulação que, desde o passado mês de outubro, permite que o Global Find esteja disponível na Web num único formato de acessogratuito, agora com uma nova imagem dos relatórios e mais informação. No novo formato, o Global Find oferece ainda uma nítida melhoria da imagem dos relatórios, com fotos e gráficos de enquadramento, estando disponíveis três tipos de relatórios: de enquadramento socio-económico; de lote e comparativo. No quadro das melhorias contínuas recebidas pelo Global Find, inclui-se a disponibilização de uma password, com poderes de edição, que permite às entidades gestoras de Áreas de Acolhimento Empresarial a atualização da informação sempre que necessário. Com esta nova funcionalidade, a aicep Global Parques pretende garantir a permanente qualidade e rigor da informação disponibilizada.

3


Transporte e Negócios 7/01/2011 Canal do Panamá prevê mais tráfego O tráfego de mercadorias através do Canal do Panamá no primeiro trimestre do ano fiscal superou o previsto em quatro milhões de toneladas. A Autoridade do Canal do Panamá está, por isso, confiante em alcançar o objectivo para o corrente ano fiscal, que é de 305 milhões de toneladas. No último ano atingiram-se os 300 milhões de toneladas. A forte subida experimentada no primeiro trimestre (entre Outubro e Dezembro) é atribuída pela gestora do Canal à recuperação da indústria e ao aumento das exportações de cereais dos EUA. Apesar das incertezas que ainda pairam sobre o futuro da economia mundial (e, logo, sobre o transporte marítimo), o Canal do Panamá vai mesmo avançar com um aumento das taxas de passagem, numa percentagem que pode chegar aos 12%,mas que os responsáveis consideram ir ter um reduzido impacte nos custos finais dos operadores. Osaumentos das “portagens” visam também suportar o investimento na expansão do canal do Panamá. A crise que afectou o sector, e a pressãodos diferentes “lobbies” ditou, primeiro, o adiamento dos aumentos e, mais recentemente, alteraçõesnos critérios de cobrança. No último exercício fiscal as receitas da Autoridade do Canal do Panamá atingiram os dois mil milhões de dólares. Grandes obras públicas não esperam pela avaliação das PPP O Governo ainda não terá dado quaisquer instruções às empresasenvolvidas nas grandes obras públicas para alterarem o andamento dos trabalhos. A equipa liderada por Guilherme d’ Oliveira Martins tem seis mesespara avaliar as PPPprevistas para os Transportes. Mas enquanto isso, tudo indica que as obras continuarão a avançar normalmente. O que poderá dificultar, ou pelo menos tornar mais cara, uma eventual suspensão dos projectos. O “DE” cita hoje fontes não identificadas do sector das concessõese PPP,segundo as quais não terá havido qualquer indicação, nem do Ministério das Finanças, nem do Ministério das Obras Públicas, no sentido de travar, adiar ou alterar o cronograma das concessõesou PPPque vão ser alvo da avaliação por parte da equipa de Oliveira Martins. Na mesma edição, o economista Silva Lopes, que em 2009 defendeu a reavaliação de todas as grandes obras públicas, alerta para os eventuais prejuízos decorrentes do abandono ou suspensão de alguns projectos. O ex-ministro das Finançaslembra que nos casosem que as obras já estejam adiantadas haverá que considerar os custos já suportados, e que não deverão ser “atirados fora”!. Certo é que mesmo sem assumirem abertamente o cancelamento de nenhuma das grandes obras públicas, o anterior Governo e o actual já deixaram cair várias concessõesrodoviárias, que assim não chegaram a sair do papel. 4


Transportadores de mercadorias aumentam fretes até 8% Oscamionistas estão a aumentar os preços dos serviços devido à subida dos combustíveis, podendo o acréscimo atingir os 8%, disse hoje à “Lusa” o presidente da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram). "Neste momento, temos os nossosassociados a negociar nos mercados e a transferir para o consumidor final aumentos de preços que poderão atingir os 8%", devido à subida do preço dos combustíveis, afirmou António Mousinho. De acordo com o presidente da Antram, "os combustíveis aumentaram cerca de 20%no último ano" e "já pesam cerca de 40%na estrutura de custos das empresas". Precisamente, a dificuldade em repercurtir no preço dos serviços o aumento dos encargos (por pressão dos clientes e pela concorrência entre os operadores) é invocada por muitos transportadores para justificarem as dificuldades que o sector atravessae para reclamarem medidas de apoio do Estado. Entretanto os preços dos combustíveis continuam a subir, acompanhando a evolução da cotação internacional do petróleo e dos produtos refinados. Um mimetismo que se nota mais nas subidas do que nas descidas, sustenta a Anarec (associação dos revendedores de combustíveis). "A Autoridade da Concorrência diz-nos que há livre concorrência e que os preços acompanham as oscilaçõesdo mercado internacional, mas temos dúvidas sobre porque é que na Europa os combustíveis desceram muito mais do que em Portugal e subiram menos do que em Portugal. É a dúvida que temos. A bota não bate com a perdigota na maior parte das vezes", disse ao “DE” o vice-presidente daquela associação, António Amaral. Dúvidas que a “Bloomberg” sustenta no acompanhamento diário que faz das cotaçõesdos combustíveis. Segundo aquela agência, desde o início de Setembro do ano passado o preço médio do gasóleo na bomba subiu 13 semanas,desceu quatro e manteve-se inalterado uma, ao passoque a cotação internacional da tonelada cúbica do gasóleo subiu 11 vezes e desceu seis no mesmo período.

5


Diário de Notícias 7/01/2011, Pág 30

6


Jornal de Notícias 7/01/2011, Pág 17

7


Jornal de Notícias 7/01/2011, Pág 43

8


Jornal de Notícias 7/01/2011, Pág 42

9


Diário de Notícias 7/01/2011, Pág 7

10


Recortes 005 07-01-2011