Page 1

Newsletter dos Portos de SetĂşbal e Sesimbra NÂş 22 - Outubro de 2009 - Trimestral


FICHA TÉCNICA Newsletter dos Portos de Setúbal e Sesimbra Número 22 – Outubro de 2009 Propriedade: APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA Morada: Praça da República - 2904-508 Setúbal Tel.: (+351) 265 542 000 - Fax: (+351) 265 230 992 Email: geral@portodesetubal.pt www.portodesetubal.pt Directora: Fátima Évora Edição: Departamento de Marketing e Documentação Coordenação gráfica: Paulo Simões Fotografia: Nuno Lobo Paulo / Paulo Simões Redacção: Maria João Bacalhau, Jorge Santos, João Gonçalves, Fátima Évora Colaboradores convidados: João Silva, Jorge Figueiredo Concepção Gráfica: White Brand Services Impressão: CORLITO ISSN: 1645-913X Depósito Legal: 202330/03 Tiragem: 1.200 exemplares Periodicidade: Trimestral Distribuição: Gratuita APSS,SA - Todos os direitos reservados.


EDITORIAL

O tema do tráfego Ro-Ro no Porto de Setúbal é sempre

O passado mês de Setembro deste ano ficou marcado pela

relevante e assume importância especial nos nossos objectivos de

disponibilização da JUP (Janela Única Portuária) no Porto de Setúbal,

gestão. Trata-se de um mercado tradicional do porto, no qual

um modelo simplificado de funcionamento que permite o despacho

mantemos a liderança destacada a nível nacional.

electrónico de navios e mercadorias, em substituição do anterior sistema de gestão portuária.

Com efeito, a notoriedade desta tipologia de carga, construída ao longo de várias décadas, dá-nos uma responsabilidade

Também no mês de Setembro, realizou-se no auditório da

acrescida na oferta de padrões de qualidade dos serviços portuários

APSS uma palestra que assinalou de forma simbólica o Dia Mundial

prestados aos clientes, que através dos seus exigentes critérios

do Mar, que contou com a prestação de dois destacados oradores.

têm preferido escalar este porto em detrimento de outros.

O evento integrou-se nas comemorações promovidas pela Organização Marítima Internacional, cujo tema, este ano, incidiu

Esta convicção levou-nos a efectuar, recentemente, um

sobre as “Alterações Climáticas: Um desafio também para a OMI”.

investimento de cerca de 840 milhares de euros na repavimentação do Terminal Ro-Ro, de forma a garantir as melhores condições de

No que se refere ao Porto de Sesimbra, foi adjudicado o

operacionalidade. A especificidade desta carga requer um pavimento

contrato da empreitada de fornecimento e montagem de passadiços

adequado, que possibilite o parqueamento ordenado dos veículos

flutuantes no porto de pesca. Trata-se de uma acção que se espera

em espera no terminal, que tem uma superfície de cerca de quinze

venha a melhorar significativamente a sua operacionalidade e o

hectares, incluindo a área dedicada à exportação dos veículos

seu ordenamento.

produzidos na AutoEuropa. Esta intervenção insere-se no “Plano de Intervenções No que se refere ao tráfego de contentores, assinala-se o

Prioritárias”, que reúne as principais propostas indicadas pela

seu significativo crescimento em TEU, na ordem dos 21 %, se

comunidade piscatória local para a resolução de problemas/carências

comparado com o ano anterior, no período de Janeiro a Agosto

do porto.

de 2009. A aposta dos operadores de transporte marítimo e ferroviário neste porto tem sido abraçada com grande determinação pelos vários elementos da Comunidade Portuária de Setúbal, facto que tem vindo a ser reconhecido pelos clientes, que nos têm dado um feed-back muito positivo, especialmente no que se refere à flexibilidade dos serviços portuários.

De facto, podemos dizê-lo, a atractividade do Porto de Setúbal é hoje reconhecida pelas empresas clientes e por aquelas

O Presidente, Engº Carlos Gouveia Lopes

que já encetaram contactos para associarem este porto às cadeias logísticas do seu negócio. Neste âmbito, assumem especial importância a ligação regular a alguns portos de destino africanos. Actualmente, julgamos que o Porto de Setúbal oferece os melhores serviços para a África Ocidental.

No caso dos contentores, destacam-se ainda dois elementos que reforçam esta crescente atractividade, a saber: a ligação directa a dois portos de transhipment (Algeciras e Las Palmas), que garantem o transporte de mercadorias de ou para qualquer porto a partir de Setúbal e a ligação por ferrovia, directa e regular, do terminal portuário ao porto seco da Bobadela, garantindo tempos de trânsito muito competitivos.

03


NOTÍCIAS

Investimento de 840 milhares de euros na repavimentação do Terminal Ro-Ro

máximo de cerca de 200 veículos por hora/por navio, durante a operação dos navios. A obra decorreu em duas fases e consistiu nos seguintes trabalhos:

O Terminal Roll-on Roll-off do Porto de Setúbal recebeu recentemente um investimento avultado, de cerca de 840 milhares de euros, designadamente na

1ª fase - 2008 – Área de uso privativo da AUTOEUROPA (6 hectares)

repavimentação do terminal. Este melhoramento,

• Fresagem da área, remoção dos produtos provenientes

efectuado pela APSS, resultou da necessidade de ajustar

desta acção e colocação em local de deposição autorizado;

a oferta de infra-estruturas portuárias às necessidades

• Execução de trabalhos de pavimentação do terminal e

operacionais do terminal e dos clientes deste segmento

beneficiações gerais nos sistemas de drenagem;

de mercado.

• Execução de pintura e sinalização horizontal e vertical no pavimento.

2ª fase - 2009 - Área de serviço público do Terminal Ro-Ro (9 hectares) • Recarga do pavimento em toda a área afecta ao terminal; • Execução de trabalhos gerais de reparação no colector unitário do sistema de drenagem; • Adaptação dos sumidores e caixas de visita às novas cotas do pavimento; • Execução de pintura e sinalização horizontal e vertical no pavimento. A importância do terminal Ro-Ro do Porto de Setúbal prende-se com o facto de este terminal portuário ser um dos elementos âncora para a instalação da unidade de produção da Volkswagen de Palmela, ligando aquela fábrica à respectiva rede logística a nível mundial, com a escala diária de navios de linha regular de grandes dimensões, especializados no transporte de veículos. A notoriedade do Terminal Ro-Ro, construída ao longo de

Em média, chega ao porto um navio Ro-Ro por dia com

várias décadas, tornou imprescindível a realização desta obra.

veículos de importação ou exportação. A esta oferta regular de

Tratou-se de assegurar os padrões de qualidade dos serviços

transporte marítimo adicionam-se a oferta portuária, na qual se

portuários prestados aos clientes, que através dos seus exigentes

destaca um parque de grandes dimensões, com pavimentação

critérios de preferência têm posicionado o Porto de Setúbal como

adequada ao parqueamento de veículos em espera, prontos para

líder destacado neste segmento de mercado, com uma quota de

embarcar logo que chegue o navio, ou para a recepção de veículos

mercado de cerca de 94%.

descarregados dos navios, parqueados até serem levantados pelos importadores. A esta oferta juntam-se ainda os serviços prestados

Esta infra-estrutura movimenta os veículos de exportação da AutoEuropa e de outras unidades industriais nacionais do sector

nos parques logísticos de segunda linha, associados à produção e logística de veículos.

automóvel, bem como os veículos de importação para o território nacional, visando-se, através do investimento realizado, a expansão do hinterland do porto até Madrid.

Em suma, trata-se dum pacote de serviços logísticoportuários especializados e direccionados ao segmento automóvel, que configuram o Porto de Setúbal como elo preferencial das

Actualmente, este terminal dispõe de 150.000 m2 de área total, 365 metros lineares de cais com fundos de -12 metros e capacidade para movimentar 300.000 veículos por ano, a um ritmo

04

cadeias de distribuição do sector automóvel.


NOTÍCIAS

Segmento de contentores em franco crescimento

com facilidade e custos reduzidos rumo ao porto de destino. Refira-se que a utilização da ferrovia no Porto de Setúbal atingiu a marca de 11%, segundo dados do primeiro semestre de

O Porto de Setúbal continua a registar um

2009. Trata-se dum indicador positivo, que reflecte uma orientação

crescimento significativo no segmento de contentores,

baseada em políticas de gestão sustentável, seguida pelos

que se cifra em cerca de 21 %, considerando valores em

intervenientes das cadeias logísticas actuais, que a APSS pretende

TEU de Janeiro a Agosto de 2009, comparativamente a

continuar a fomentar.

período homólogo do ano anterior. A este crescimento não é alheia a qualidade, reconhecida pelos clientes, quer dos serviços portuários, quer dos serviços de transporte

Porto de Setúbal oferece os melhores tempos de trânsito para a West Africa

marítimo e ferroviário. O Porto de Setúbal é competitivo na oferta de soluções A actual oferta de transporte marítimo do Porto de Setúbal conta com uma frequência regular e alargada de linhas de contentores e multi-purpose, representando uma oportunidade para as empresas que pretendam enviar mercadorias para a costa

para o continente africano no segmento dos contentores. As capacidades do Terminal Multiusos 2, operado pela Sadoport, têm vindo a ser reconhecidas por diversos operadores de transporte marítimo, que incluíram este porto nas suas linhas regulares.

ocidental africana, designadamente Cabo Verde, Mauritânia, Senegal, Gâmbia, Guiné-Bissau, Guiné-Conakry, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe e Angola.

Actualmente, escalam o Porto de Setúbal com destino aos portos de África os seguintes operadores: Maresk/Safmarine (três linhas regulares); Portline (linha Guiver); LNA Linhas de Navegação

Para além deste facto, a atractividade do porto foi melhorada

do Atlântico (uma linha); Eurocondal Shipping (uma linha).

com os novos serviços de ligação ferroviária diária de contentores entre o Terminal Multiusos Zona 2 (TMS2), gerido pela Sadoport, e o Parque Logístico da Bobadela, que se tornou o seu porto seco e a entrada na Zona Norte da Área Metropolitana de Lisboa (AML).

A linha WAF 9 da Maersk tem uma frequência quinzenal e liga o Porto de Setúbal aos seguintes portos africanos: Praia e Mindelo (Cabo Verde), Bissau (Guiné-Bissau), Nouadhibou (Mauritânia). Esta linha escala ainda o porto de Algeciras, um porto

Os contentores são entregues pelos clientes na Bobadela e, sem atravessamento de zonas urbanas, chegam rapidamente por comboio ao terminal TMS2 - um terminal com 20 ha de parque,

hub que liga Setúbal aos restantes portos do mundo. A partir de Setúbal é assegurado o seguinte transit time : Algeriras, 1 dia; Praia, 8 dias; Mindelo, 10 dias; Bissau, 14 dias.

descongestionado e com serviço costumizado - e daí embarcam A Linha Regular Guiver, da Portline, é outra boa solução, recentemente melhorada, com a introdução de alterações operacionais que permitiram reduzir a rotação da linha e aumentar a frequência das escalas, oferecendo, deste modo, um serviço mais rápido, em tempo de trânsito, aos clientes. Esta linha, que liga o Norte da Europa a Cabo Verde e à Guiné-Bissau, teve como principal alteração a utilização do Porto de Las Palmas como hub para as cargas com origem ou destino na Guiné-Bissau e na Guiné Conakry, que passarão a ser servidos por uma ligação feeder. A linha continua a ser servida pelos navios “Manx Lion” e “Setúbal”, passando agora a escalar os seguintes

05


NOTÍCIAS

portos: Roterdão (Holanda); Le Havre (França); Leixões, Lisboa e

A Comunidade Portuária de Setúbal, que inclui agentes de

Setúbal (Portugal); Las Palmas (Espanha), porto de transhipment;

navegação, despachantes oficiais, Capitania, Alfândega, Sanidade

Mindelo e Praia (Cabo verde); Banjul (Gâmbia). O navio feeder é

Marítima, Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, Posto de Inspecção

o “Port Tejo”, que escala os portos de Las Palmas; Bissau (Guiné-

Fronteiriço, empresas de amarração, empresas de rebocadores e

Bissau) e Conakry (Guiné-Conkry).

concessionários, está envolvida neste processo, embora continue a poder aceder ao histórico pelo Gespor.

Para além destas linhas que servem o continete africano, destacam-se ainda a linha da W.E.C. Lines B.V. que liga Setúbal ao

O princípio da Janela Única, que teve origem nos Centros

Norte da Europa com uma regularidade quinzenal, designadamente

de Despachos de Navios, é um sítio virtual para onde é canalizada,

aos portos de Vigo, Le Havre, Antuérpia, Felixtowe e Roterdão.

por parte da Comunidade Portuária, toda a informação sobre os navios e as mercadorias transportadas antes de atracarem no porto,

Porto de Setúbal disponibiliza Janela Única Portuária

permitindo aos intervenientes na operação portuária colherem e introduzirem os elementos necessários à passagem pelo porto. Todo este processo tem por base eficientes padrões de serviço e um despacho electrónico que funciona 24h por dia e 7 dias da semana.

O Porto de Setúbal tem disponível, desde 21 de Setembro, a JUP (Janela Única Portuária), um modelo simplificado de funcionamento referente a despachos electrónicos de navios e mercadorias, a utilizar por todas as entidades oficiais, em substituição do Gespor, anterior sistema de gestão portuária.

O resultado deste sistema de simplificação administrativa irá reflectir-se, principalmente, na redução do tempo de imobilização dos navios, decorrente do despacho aduaneiro e de outros procedimentos, o que se traduzirá, também, numa redução substancial do transit time das mercadorias, aumentando a atractividade do Porto de Setúbal.

A JUP é o resultado do projecto PIP’e (Projecto de Integração de Informação Portuária) que, entre outras virtualidades, permite a aceitação dos manifestos por via electrónica, reduzindo papel e desburocratizando os procedimentos de movimentação de cargas e navios. Este projecto insere-se num objectivo nacional que visa a simplificação, normalização e harmonização de procedimentos dos portos nacionais.

06


NOTÍCIAS

APSS participa em exercício de combate à poluição

da Agência Europeia de Segurança Marítima (EMSA), e o NRP «Bacamarte», nas acções de combate à poluição do mar, o Centro de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa), e ainda a Administração do Porto de Sines, a Administração dos Portos de

A APSS - Administração dos Portos de Setúbal e

Setúbal e Sesimbra, a Autoridade Nacional de Protecção Civil, as

Sesimbra, SA participou na organização dum exercício de

câmaras municipais de Grândola, de Santiago do Cacém e de Sines,

combate à poluição levado a cabo pela Marinha/Autoridade

a Ocean-Mergulhadores Profissionais, a Reboport, e o Troiaresort.

Marítima Nacional, enquadrado no Plano Mar Limpo, que

Associou-se a este evento o Centro Internacional de Luta contra a

teve lugar nos dias 07 e 08 de Outubro de 2009.

Poluição do Atlântico Nordeste (CILPAN). Devido à simulação de aparecimento de manchas de hidrocarbonetos junto à praia de Tróia-Mar, na área de jurisdição da APSS, foi activado o Plano de Contingência desta Administração Portuária, tendo sido deslocada para o local a embarcação especializada para o combate à poluição do mar por hidrocarbonetos «Golfinho do Sado». Para a praia de Tróia-Mar foram ainda deslocados por via terrestre, equipamento e três funcionários da APSS, para colaborar com o grupo de combate à poluição da Marinha na colocação das barreiras de contenção e na recolha de produto derramado. O exercício «Espadarte 2009» visou treinar os meios da Marinha/Autoridade Marítima Nacional e de outras entidades com responsabilidade ou interesse no combate à poluição do mar por hidrocarbonetos e testar a coordenação da sua acção num cenário concreto.

Este exercício de combate à poluição do mar por hidrocarbonetos, denominado «Espadarte 2009», simulou a contenção e a recolha de petróleo bruto derramado, após a colisão de um navio-tanque com outro navio a cerca de 35 milhas a Oeste do Cabo Espichel, e o posterior acolhimento do navio-tanque sinistrado no porto de Sines. O exercício «Espadarte 2009», enquadrado no Plano Mar Limpo (Plano Nacional de Contingência em caso de incidente de poluição em espaços marítimos sob jurisdição de Portugal), desenvolveu-se no 1º grau de prontidão deste Plano. Foi dirigido a partir do Centro de Operações Marítimas (COMAR), em Oeiras, pelo director-geral da Autoridade Marítima, vice-almirante Silva Carreira, apoiado pelo comandante Naval, vice-almirante Saldanha Lopes. O 1º grau de prontidão é o mais alto grau do Plano Mar Limpo e foi activado pela primeira vez. Participaram no «Espadarte 2009» a Shell, como armador do navio-tanque sinistrado (N/T «Enfraquecido»), que foi simulado pelo reabastecedor NRP «Bérrio», o N/T «Galp Marine», sob contrato

07


EMPRESA PARCEIRA

No sentido de ligarmos Setúbal, e assim quem queira utilizar este porto, a todo o mundo optámos por incluir no serviço uma escala em Algeciras. É, assim, possível aos exportadores e importadores desta vasta área carregarem a sua carga conectandoa com o network da Maersk Line em Algeciras. Esperamos que esta possibilidade permita a um alargado conjunto de empresas flexibilizar o seu fluxo logísitico reduzindo, em simultâneo, os custos associados aos transporte da sua mercadoria. Entendemos, no entanto, que há um caminho a percorrer para tornar o Porto de Setubal ainda mais competitivo principalmente a nível das restrições de calado que encerra. Não é possível ainda planear escalas de navios com calado superior a 11 metros sem estar sujeito a potenciais tempos de espera relativos a marés. Não penso, no entanto, que a curto prazo tal seja fundamental. O Porto de Setúbal adequa-se perfeitamente, na actualidade, a um trafego de feedering, short sea e corredores de nicho – como a Africa Ocidental. Aliás, tal é o caso de grande parte dos portos portugueses

Desenvolvimento do Porto de Setúbal: contributo da Maersk Line (*) João Silva Com uma localização privilegiada junto a grandes centros urbanos e com uma vasta rede de acessos o Porto de Setúbal tem-se tornado cada vez mais atractivo para os armadores a actuar em Portugal. A Maersk Line, o maior armador global, sentindo essa atractividade iniciou um novo serviço em Setúbal no passado mês de Julho. Como se pode facilmente entender a decisão de um armador global iniciar um novo serviço é complexa. Obedece não só a requisitos comerciais, de mercado, mas também a outros de cariz mais operacional e institucional. Na decisão tomada pela Maersk Line de escalar Setúbal, com o seu serviço WAF9 para Cabo Verde e Guiné-Bissau, pesaram numerosos aspectos, nomeadamente a produtividade do terminal Sadoport, a contínua assistência que os seus responsáveis prestam e a experiência acumulada pelos outros serviços do grupo APM previamente a escalar este porto (nomeadamente o serviço MPV da Safmarine para a Africa Ocidental). Sentimos então que a comunidade do Porto de Setúbal nos poderia proporcionar o necessário para tornar o novo serviço um sucesso. Não nos equivocamos. Uma produtividade elevada, flexibilidade operacional e uma pro-actividade no relacionamento e na procura conjunta de soluções para os nossos clientes são sentidos diariamente.

08

com a excepção de Sines. Terá, por conseguinte, o Porto de Setúbal e a sua comunidade de definir o objectivo estratégico, em que áreas pretende actuar e de aferir do interesse, ou não, em ter linhas de longo curso tirando

vantagem

localização

da

geográfica

principalmente no que


EMPRESA PARCEIRA

concerne ao Brasil e Estados Unidos. Se assim fôr novos investimentos terão de ser feitos. O que é importante realçar, na minha opinião, é que é possível ter sucesso quer com um objectivo mais abrangente – de tirar partido da “fachada Atlântica” e de potenciais ligações a Madrid – quer através de uma correcta execução de uma estratégia mais focada em nichos de mercado, short sea e feedering. Tal definição deverá ser articulada com os outros portos que servem razoavelmente a mesma zona de onde sobressai, indubitavelmente, o de Lisboa. Voltando um pouco ao inicio apraz-me afirmar que o novo serviço da Maersk Line a escalar Setubal tem sido um sucesso. Não só os volumes carregados para Cabo Verde e Guiné Bissau têm vindo a aumentar sustentadamente e de forma inequívoca

Estamos convictos que contaremos, como até agora, com

como também a carga para transbordar em Algeciras tem tido um

os stakeholders da comunidade do Porto de Setubal, para nos

resultado bastante positivo. Temos agora dois grandes objectivos

assistir nos nossos propósitos. Esperamos incrementar e estreitar

de curto prazo que confluem para um objectivo de médio prazo.

ainda mais a nossa cooperação podendo também a Maersk Line

Assim sendo trabalharemos para consolidar os volumes à exportação

contribuir cada vez mais para o desenvolvimento do Porto de

mas focando-nos também em encontrar mais oportunidades para

Setubal e, como tal, de toda a área económica circundante.

a importação. Isto irá permitir-nos um maior equilibrio e disponíbilidade de equipamento permitindo uma ainda maior

Gostaria de terminar afirmando que um dos factores

racionalização dos custos que poderemos repercutir nos clientes.

fundamentais para o sucesso de qualquer empresa ou projecto –

Ao atingirmos estes dois objectivos poderemos pensar então no

as pessoas – é, sem dúvida, um ponto forte de Setúbal e da sua

aumento do numero de escalas em Setubal ou em potenciais novas

comunidade marítima. Em cada

ligações.

momento e em cada desafio vemos pessoas empenhadas em

propôr

soluções,

melhorias e novas dinâmicas. É com este espirito que se ultrapassam os obstáculos e é com este espirito que se afirmam nos mundo as nossas qualidades. (* ) João Silva Country Manager da Maersk Portugal, Licenciado em Administração e Gestão Empresas, pela Universidade Católica, Pós Graduado em International Management, pelo ISCTE.

09


COLABORADOR APSS

Doca das Fontainhas (nascente), de 1998 a 2009 Jorge Montalvão Figueiredo (*)

dos interesses de quem representavam, colaborou activa e construtivamente para atingir o objectivo comum. O problema mais importante foi conseguir o consenso sobre o valor do tarifário e critérios de selecção para a atribuição de lugares, tendo em conta o número de embarcações de recreio existentes face à futura capacidade da doca. Acordados os referidos critérios de selecção, chegou-se ainda a um entendimento com a Comissão, no sentido dos utilizadores do futuro espaço ordenado passarem a pagar um tarifário equivalente a 45% do tarifário em vigor do lado poente, tendo em consideração não só a fraca capacidade económica dos Concluída a empreitada de requalificação do lado poente

mesmos como também as condições de utilização que seriam

da doca de recreio das Fontainhas, no ano 1997, impunha-se iniciar

disponibilizadas. Em princípios de 2007, estava alcançada a 1ª fase

um processo de reordenamento da restante doca. No dia 21 de

decisiva deste processo. Quanto às embarcações de pesca, foram

Maio de 1998, foi então publicada a OS nº 04/98 a informar que a

criados lugares específicos na doca dos pescadores, tendo ainda

APSS pretendia reordenar todas as embarcações estacionadas no

sido atribuídos cacifos aos respectivos proprietários com isenção

lado nascente da doca, aplicando um tarifário às embarcações de

de pagamento durante um ano. Todavia, a resistência foi fortíssima.

recreio. Em consequência, houve uma forte resistência por parte

Foram realizadas consultas a empresas da especialidade para a

dos utilizadores do referido espaço, tendo sido criada uma Comissão

elaboração do lay-out de distribuição de postos de amarração,

de Proprietários de embarcações de recreio na defesa dos seus

atendendo às medidas das embarcações que teriam direito a um

interesses. Muita tinta correu nos jornais e muito se escreveu sobre

posto de amarração. A solução proposta pela empresa seleccionada,

esta matéria.

baseou-se nos seguintes pressupostos – influência dos ventos, ondulação e marés a que a doca está sujeita, número e características

À APSS impunha-se, no âmbito dos seus poderes de autoridade e gestão dos espaços líquidos, disciplinar cerca de 300 embarcações que se encontravam no local, de forma completamente anárquica, ilegal e sem pagarem qualquer contrapartida pelo uso do espaço. O trabalho não era fácil de executar, pois durante vários anos tentámos fazer alguma coisa, embora sem sucesso, pois tratava-se de um problema social complicado dado que, na sua grande maioria, os utilizadores eram reformados e com capacidade económica reduzida. O desafio foi lançado pelo Sr Administrador, Dr. Francisco Gonçalves, no início de 2006, ao pretender que a doca em apreço ficasse, unicamente, afecta ao estacionamento de embarcações de recreio, incluindo marítimo-turísticas, o que implicava, no mínimo, a deslocalização das diversas embarcações de pesca para a doca dos pescadores, e a alteração do local das lanchas de amarração de navios. Iniciaram-se negociações regulares com a referida Comissão, a qual revelou uma maturidade notável pelo diálogo permanente mantido com a APSS pois, nunca esquecendo a defesa

10

das embarcações, minimização das possibilidades de movimento


OPINIÃO

horizontal das embarcações e maximização da ocupação do espaço

com um lay-out definido. Estava finalmente ultrapassada a 2ª fase.

disponível na doca (12.000 m2).Foi então implementada uma solução

Iniciaram-se os trabalhos de limpeza dos fundos e, com o recurso

única em Portugal (embora muito utilizada no estrangeiro) que,

a uma grua colocada num antigo ferry-boat, executaram-se os

genericamente, consiste num sistema complexo de poitas ligadas

trabalhos de colocação das poitas e correntes de fundo, sendo

a cabos elásticos (denominados seaflex, fabricados na Suécia) que

posteriormente instaladas as bóias de sustentação e de amarração,

ligam às bóias de sustentação, as quais estão ligadas entre si por

tendo os trabalhos sido concluídos com a colocação das correntes

meio de correntes onde ligam as bóias de amarração das

ao longo dos perrés. Dada a especificidade destes trabalhos, houve

embarcações.

ainda a necessidade de recorrer à prestação de serviços da Lindley – Marinas e Sinalização.

Foram lançadas numerosas consultas para a aquisição dos materiais necessários, inclusive em Espanha. Para conseguirmos

Em Maio de 2008, procedeu-se à ocupação da 1ª fila de

instalar o sistema de amarração, era necessário conhecer os fundos,

bóias com embarcações de recreio e, enquanto decorriam e se

dado que se tratava de uma área líquida que desconhecíamos se

concluíam as restantes obras, preenchiam-se os postos de amarração

alguma vez tinha sido dragada. Foi então efectuada uma inspecção

já concluídos (cerca de 170). Adquirimos dois pontões que foram

com a identificação, localização e caracterização dos obstáculos

transformados para o fim pretendido, nas instalações da Marina

existentes, através de um registo de vídeo e relatório escrito.

Marbella, tendo ainda sido reforçados os elementos de ligação às

Concluiu-se que, previamente, era necessário efectuar a limpeza

respectivas muralhas e reabilitada uma antiga escada no lado

dos fundos, de forma a permitir a sua regularização e remover as

nascente da doca para permitir a sua utilização pelos utentes.

diversas embarcações que se encontravam afundadas, há vários anos.

Na requalificação das áreas terrestres, colocaram-se duas portas com acesso condicionado através de cartão magnético, uma à entrada do pontão norte e outra na zona nascente (no acesso ao molhe), de forma a reforçar as condições de segurança da doca. Foram ainda realizadas diversas acções de limpeza, nomeadamente de aprestos marítimos que os pescadores teimavam manter no molhe. Já foi adquirido um módulo de fornecimento de água que será colocado no pontão sul. Foi aprovado um Regulamento de utilização da doca. Como notas finais deste assunto, refira-se que o problema social atrás referido era determinante para a solução que viesse a ser adoptada, com ou sem passadiços (embora seja inegável que se trata de uma doca bastante desprotegida), salientando-se a notável colaboração dos serviços do DeLC da minha área, da DEIA, DNS e DeA que, visando atingir um objectivo comum, conseguimos, todos, concluir com êxito, a tarefa a que nos obrigámos realizar, Dado que era urgente iniciar o processo de desocupação

com o apoio imprescindível e

da doca para podermos realizar os trabalhos, foi realizada uma

incondicional do Conselho de

notificação edital, no dia 20 de Abril de 2007, a divulgar o início

Administração.

das obras de reordenamento do lado nascente (dia 26 de Abril de 2007), pelo que as embarcações teriam de sair até ao dia 25 de

(*) Director de Gestão do Património Dominial na APSS, SA

Abril (encontravam-se na área líquida cerca de 300 embarcações).

Licenciado em Direito, pela Universidade Clássica de Lisboa

Sugerimos aos interessados locais alternativos, tendo sido criadas condições para o estacionamento de embarcações no interior do novo molhe da doca de pesca, tendo aqui permanecido durante vários meses cerca de 100 embarcações, ordenadas de acordo

11


SESIMBRA

Passadiços flutuantes melhoram operacionalidade do Porto de Sesimbra

Rubricaram o documento, por parte da APSS, o presidente do Conselho de Administração, Eng.º Carlos Gouveia Lopes, e o administrador, Dr. Francisco Gonçalves, a empresa contratada foi

A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e

representada pelo Engº Luís de Vasconcelos Dias.

Sesimbra, SA e a empresa Ahlers Lindley, Lda, assinaram, no dia 12 de Outubro, o contrato de empreitada de fornecimento e montagem de passadiços flutuantes, no porto de pesca de Sesimbra. A colocação destes passadiços tem por objectivo reordenar e optimizar o estacionamento das embarcações de pesca, com a correspondente melhoria das condições de segurança dos pescadores.

Sesimbra

Esta intervenção insere-se no “Plano de Intervenções Prioritárias”, que reúne as principais propostas indicadas pela

Zona Portuária

comunidade piscatória local para a resolução de problemas/carências de curto prazo, designadamente no que se refere aos melhoramentos na operacionalidade do porto. A empreitada consta do fornecimento e montagem de

2

1

passadiços flutuantes, com o respectivo sistema de fixação; do fornecimento e montagem de passarelas de acesso e reparação

3

do passadiço existente e recolocação do mesmo, incluindo estrutura de encabeçamento em betão, com um custo de cerca de quinhentos

5

e quarenta e oito mil euros e um prazo de execução de quatro meses.

4

6

Passadiços flutuantes Quebra-mar flutuante

Passadiços flutuantes

12 12

I


BREVES

Palestra assinala Dia Mundial do Mar A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA, organizou, no dia 23 de Setembro, uma palestra integrada nas comemorações do Dia Mundial do Mar, promovidas pela OMI, Organização Marítima Internacional, este ano, sob o tema

de “Remodelação do Pátio do Edifício do Mercado de 2ª Venda de Pescado, no Porto de Setúbal”, obra com um custo de cerca de 346 mil euros e um prazo de execução de cinco meses e meio. A remodelação do pátio do edifício da antiga lota de Setúbal, onde funciona o mercado de 2ª venda de pescado, tem por objectivo melhorar as condições do

“Alterações Climáticas: Um desafio também para a OMI”. O evento

espaço

contou com a presença de cerca de sessenta pessoas, entre individualidades com responsabilidades ligadas ao Mar e às

exigências higiénicas e funcionais decorrentes da

Foram oradores a Mestre Maria João Burnay e o Professor

legislação aplicável às

Doutor José Manuel Palma, peritos em questões ambientais. Na

actividades relacionadas com

palestra foram lançados diversos alertas sobre a irreversibilidade

o comércio de produtos

das consequências para o Mar, e para a Terra em geral, do

alimentares.

aquecimento global. Do mesmo modo, falou-se sobre a a novas tecnologias e, sobretudo, com uma mudança de atitude,

o

actividade, de acordo com as

actividades com ele relacionadas, bem como do poder local.

responsabilidade de fazermos algo, nomeadamente, com o recurso

para

desenvolvimento daquela

Visita de elementos do Porto de Emden

desde o poder político, passando pelo mundo empresarial e marítimo, até cada um de nós.

Uma delegação com representantes da Comunidade Portuária do Porto de Emden, Alemanha, visitou o Porto de Setúbal, no dia 16 de Setembro, no âmbito duma deslocação à fábrica de automóveis da Autoeuropa, a convite da Volkswagen Logistics. Foram recebidos no auditório da APSS pelos membros do Conselho de Administração, onde visionaram o vídeo institucional do Porto de Setúbal, tendo de seguida visitado os terminais portuários. O Porto de Emden está vocacionado, essencialmente, para a movimentação de carga Ro-Ro, sendo um dos principais pólos logísticos de veículos das fábricas da Volkswagen instaladas em todo o mundo.

Assinado contrato de remodelação do pátio do edifício do Mercado de 2ª Venda de Pescado A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA e a empresa BRERA – Sociedade de Construções e Representações, Lda, assinaram, no dia 18 de Setembro, o contrato

13


BREVES

APSS no 12º Congresso da APLOG A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA participou, mais uma vez, no 12º Congresso da APLOG – Associação Portuguesa de Logística, que se realizou, nos dias 13 e 14 de Outubro, no Centro de Congressos de Lisboa, na Junqueira. Este ano, o evento foi dedicado ao tema “Logística em tempos de Incerteza” e contou com cerca de 500 participantes de entidades e empresas ligadas ao sector da Logística. Nesta 12ª edição, o Congresso da APLOG teve uma novidade de realce, contou com a participação de um país convidado, a Holanda. Dispondo um programa muito completo, foi uma oportunidade de intercâmbio de pontos de vista com muito interesse, suportado em experiências e soluções enriquecedoras no vasto campo da actividade logística.

Porto de Setúbal na Feira de Santiago A Feira de Santiago, que decorreu de 25 de Julho a 9 Agosto, no Parque Sant’iago, em Setúbal, contou com a participação, à semelhança de anos anteriores, do Porto de Setúbal. Para além do stand institucional do porto, esteve presente, permanentemente, um colaborador da APSS, com o objectivo de distribuir material informativo, bem como, de prestar informações acerca do Porto de Setúbal. Trata-se de uma iniciativa que visou a aproximação do porto à população da cidade de Setúbal e aos seus visitantes, dando a conhecer o contributo que esta infra-estrutura confere à economia da região onde está integrada.

Porto de Setúbal presente na Expo São Mateus A Expo São Mateus, em Elvas, que decorreu de 20 a 27 de Setembro, contou com a presença, uma vez mais, da APSS, que participou com um stand promocional do Porto de Setúbal. Este evento teve, este ano, a sua quinta edição, constituindo uma excelente oportunidade de divulgação do porto num pólo estratégico de articulação peninsular ao nível da logística.

14


BREVES

projecto de produção de um guião para uma curta-metragem, cujo tema abarca o meio portuário. Assim, tornou-se relevante para os autores, tomarem conhecimento das actividades realizadas nos terminais portuários, através da observação “in loco” da dinâmica associada a estas operações.

Levantamento hidrográfico dos canais de acesso

Exposição sobre Cruzeiros e Náutica de Recreio A Secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino, inaugurou, no dia 8 de Setembro, a Exposição “O Presente e o Futuro – Cruzeiros e Náutica de Recreio “, organizada pela APP – Associação dos Portos de Portugal, que decorreu nas Instalações do Molhe Norte do Rio Douro, em Leixões. A exposição tem um carácter itinerante, pelo que poderá ser vista pela população das restantes cidades portuárias, durante as próximas semanas, incluindo Setúbal.

A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA lançou uma consulta para o levantamento hidrográfico dos canais de acesso ao Porto de Setúbal, acção integrada no âmbito

Trata-se de uma exposição que dá a conhecer todos os

da planificação da campanha de dragagens para o biénio 2009/2010.

projectos de modernização das instalações portuárias de Portugal, integrados numa óptica de modernização e requalificação das infraestruturas relacionadas com as vertentes da náutica de recreio e turismo de navios de cruzeiro. Trata-se de um investimento global de cerca de 200 milhões de euros, que visa o melhor aproveitamento das condições naturais e potenciar o desenvolvimento económico.

O Plano de Dragagens tem por objectivo a reposição dos adequados acessos marítimo-estuarinos aos terminais comerciais do Porto de Setúbal. Actualmente, assegura-se a recepção de navios até 10m de calado, em qualquer maré, e de 12m, condicionado à maré.

Uzi Filmes visita Porto de Setúbal Dois elementos da Associação Juvenil – Uzi Filmes visitaram, no dia 16 de Setembro, os terminais do Porto de Setúbal. A visita inseriu-se no âmbito de um

15


BREVES

Reparação das plataformas flutuantes da Doca de Pesca ´A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA adjudicou à empresa Silva & Fradique, Lda, a recuperação das estruturas flutuantes e pontes de acesso à Doca de Pesca do Porto de Setúbal, uma intervenção com um custo de cerca de 95 mil euros.

Melhoria da portaria de acesso ao Terminal Ro-Ro A portaria de acesso ao Terminal Ro-Ro recebeu melhoramentos ao nível da sinalética informativa. Foram colocadas, na portaria, uma placa com o logótipo do Porto de Setúbal e um conjunto de mastros e bandeiras com a imagem em uso na APSS, SA. A EN -10-4 também recebeu placas de sinalização direccional deste terminal, designadamente, junto aos semáforos de acesso à via portuária. Esta reformulação da sinalética informativa permite facilitar o acesso ao Terminal Ro-Ro dos utilizadores daquela infra-estrutura portuária, uma das mais movimentadas do Porto de Setúbal, assim como, melhorar a zona da portaria com informação mais adequada e de fácil leitura.

A obra consta da reabilitação dos passadiços, com a execução de peças metálicas galvanizadas por imersão a quente, substituição de cintas e cardans e dos apoios das pontes de acesso. Pretende-se, assim, assegurar a manutenção dos necessários níveis de segurança para os utentes da Doca de Pesca.

Reparação das defensas do Trem Naval A reparação das defensas e das respectivas estruturas do cais do Trem Naval do Porto de Setúbal foi adjudicada à empresa Silva & Fradique, uma obra com um custo de cerca 62 mil euros. A intervenção, lançada pela APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA, resultou da necessidade de proceder à reparação dos danos causados pelas embarcações que operam naquele cais.

16


17


Casa de Pessoal da APSS

Torneio interno de pesca de mar Após dois adiamentos (22 de Março e 10 de Maio) devido ao mau tempo, realizou-se finalmente no passado dia 12 de Julho o Torneio de Pesca de Mar de 2009. Vinte associados partiram de Setúbal, a bordo da embarcação “Emília”, pelas 6 horas, rumo ao pesqueiro “Malha Branca”, situado no enfiamento do parque de campismo da Galé.

polvos e os pampos. A classificação final do evento foi a seguinte: 1º Miguel Batista

- 21,7 kg

2º Eng. Paulo Aldeia - 20,0 kg 3º Eduardo Oliveira 4º Sixto Ferreira 5º Joaquim Gomes

- 17,0 kg - 15,3 kg - 13,0 kg

Maior exemplar: Joaquim Gomes – 0,800kg (sargo veado) Foi muita a quantidade e variedade de pescado, merecendo destaque os safios, os sargos veados, as bicas, as choupas, os

18


Casa de Pessoal da APSS

Passeio ao Douro Aproveitando o fim-de-semana prolongado de 5 de Outubro, a CPPSS organizou um passeio de autocarro pelas margens do rio Douro. Cerca de quarenta associados e familiares pernoitaram num Hotel em Amarante e puderam observar a Foz do Sousa, Crestuma, Meires, Rio Mau, Sebolido, Entre-os-Rios, Alpendurada, Avessadas e Marco de Canavezes.

Próximas actividades Até ao final do ano, estão previstas as seguintes actividades:

Torneio interno de tiro aos pratos (Novembro);

Concurso de fotografia (Outubro);

Festa de São Martinho (10 e 11 Novembro);

Semana Cultural (4 a 11 Dezembro);

Cruzeiro com partida de Málaga, passando por Tenerife,

Funchal e regresso a Málaga a bordo do paquete “NAVIGATOR OF THE SEAS” da companhia ROYAL CARIBBEAN INTERNATIONAL (15 a 20 de Outubro).

Concurso de fotografia Integrado na semana cultural, que irá ter lugar na segunda semana de Dezembro, realizar-se-à a jornada de captação de imagens. Este concurso decorre ininterruptamente desde 1991. Aqui recordamos algumas fotos vencedoras em anos anteriores.

19


/Newsletter_n22  

http://www.portodesetubal.pt/files_newsletter/Newsletter_n22.pdf

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you