Issuu on Google+

Newsletter dos Portos de SetĂşbal e Sesimbra NÂş 18 - Outubro de 2008 - Trimestral


FICHA TÉCNICA Newsletter dos Portos de Setúbal e Sesimbra Número 18 – Outubro de 2008 Propriedade: APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA Morada: Praça da República - 2904-508 Setúbal Tel.: (+351) 265 542 000 - Fax: (+351) 265 230 992 Email: geral@portodesetubal.pt www.portodesetubal.pt Directora: Fátima Évora Edição: Departamento de Marketing e Documentação Coordenação gráfica: Paulo Simões Fotografia: Nuno Lobo Paulo Redacção: Maria João Bacalhau, Jorge Santos, João Gonçalves Colaboradores convidados: Frederico José Ferreira de Mesquita Spranger, António Segurado Concepção Gráfica: White Brand Services Impressão: CORLITO ISSN: 1645-913X Depósito Legal: 202330/03 Tiragem: 1.200 exemplares Periodicidade: Trimestral Distribuição: Gratuita APSS,SA - Todos os direitos reservados.


EDITORIAL

É com grande satisfação que, neste número da newsletter,

e dos oradores. O tema geral do seminário incide sobre um tópico

fazemos referência ao facto da APSS integrar o grupo de empresas

muito actual - “A Logística Sustentável e a Eficiência Energética”

cumpridoras dos Princípios de Bom Governo, até porque, no âmbito

– que, esperamos, seja um contributo para a divulgação destas

do sector empresarial do Estado, para além da APSS, apenas quinze

temáticas.

empresas figuram nesta lista. Entendemos que esta apreciação traduz o empenho e orientação estratégica que esta administração tem dedicado à prossecução dos objectivos assumidos, sustentada numa equipa de colaboradores dedicada e muito profissional. A gestão da qualidade tem sido alvo de uma aposta de importância crescente por parte da APSS. Neste âmbito, merece alusão a renovação da certificação atribuída ao Sistema de Gestão da Qualidade do Centro de Controlo de Tráfego Marítimo do Porto de Setúbal (Vessel Traffic Service – VTS), auditado recentemente pela entidade certificadora DET NORSKE VERITAS (DNV). Este processo levou à emissão do Certificado de conformidade do Sistema de Gestão do VTS do Porto de Setúbal com a norma ISO 9001:2000, para a “Prestação de Serviços de Tráfego Marítimo”. Com o presente número da revista, inicia-se um novo ciclo de “artigos de opinião”, que designamos por artigo de “empresa parceira”. Esta alteração no plano editorial visa dar a conhecer as empresas e respectivas actividades económicas que se desenvolvem em torno do porto, mostrando a dimensão e extensão do Porto de Setubal. Para encetar este ciclo de artigos, convidámos o CEO da Lisnave Estaleiros Navais, SA. Este estaleiro, situado na península da Mitrena, em Setúbal, goza de prestígio e credibilidade mundiais, posicionando-se como o maior e mais moderno estaleiro de reparação e manutenção naval da Europa e um dos melhores a nível mundial.

O Presidente, Engº Carlos Gouveia Lopes

Com o intuito de contribuir para a modernização do Porto de Sesimbra, a APSS, SA apresentou no passado mês de Setembro uma candidatura ao Programa Operacional Pesca (PROMAR) do Projecto “Ordenamento do Porto de Pesca de Sesimbra”. O conjunto de intervenções que integra a candidatura, com um valor de investimento superior a três milhões e novecentos mil euros, assume um carácter estruturante na organização dos espaços. O projecto reúne as principais propostas indicadas pela comunidade piscatória local para a resolução de problemas e carências, incluindo o aumento da capacidade do porto. Estas intervenções inseremse no “Plano de Intervenções Prioritárias”. Importa ainda referir a terceira edição do Seminário de Plataformas Logísticas Ibéricas, que se irá realizar no próximo dia 20 de Novembro, no qual a APSS assume os papéis de promotor e organizador. Face ao êxito alcançado nos anos anteriores, o evento mantém o mesmo formato e local de realização (Novotel de Setúbal), apostando designadamente na qualidade do programa

03


NOTÍCIAS

para o ferroviário, contribuindo para a sustentabilidade das cadeias logísticas, para a eficiência energética do país e para um melhor ambiente. Apesar do Porto de Setúbal possuir já uma importante quota relativa de utilização da ferrovia no seu interface terrestre, a APSS está a tomar diversas medidas para incrementar aquele indicador. Designadamente, está a proceder ao desenvolvimento do projecto da ligação ferroviária ao Terminal Termitrena (antiga Eurominas), projecto que se estima em 20 milhões de euros, incluindo expropriações.

O Terminal Termitrena movimenta, actualmente, mais de um milhão de toneladas de granéis sólidos (petcoke e clínquer), perspectivando-se um acréscimo no movimento, de cerca de um a um milhão e meio de toneladas por ano, caso a Siderurgia

APSS cumpriu Princípios de Bom Governo APSS consta do grupo de empresas que, em 2007, cumpriram a generalidade dos Princípios de Bom Governo, conforme é referido no Relatório de 2008 do Sector Empresarial do Estado. Destacando-se ainda o facto de, no âmbito do sector portuário, para além da APSS, apenas outra Administração Portuária figura incluída nesta lista. No mesmo relatório, pode ainda verificar-se que a APSS está incluída no conjunto das quinze empresas do sector empresarial do Estado que cumpriram integralmente as normas de divulgação da informação em 2007. Na mesma fonte, lê-se ainda uma referência aos resultados positivos da empresa em 2007: “(..) a APSS que já vem apresentando resultados líquidos positivos desde 2004, inverteu em 2007 a tendência dos resultados operacionais negativos, resultado do seu bom desempenho económico.”

Porto de Setúbal aposta na ferrovia Na linha das orientações que a Secretaria de Estado dos Transportes definiu para os portos, e divulgou publicamente, no sentido de se tomarem medidas incentivadoras da utilização da ferrovia nas acessibilidades terrestres aos portos, a APSS definiu um conjunto de objectivos estratégicos que deverão permitir com algum significado a transferência de cargas do transporte rodoviário

04

Nacional venha a utilizar este terminal, em consequência duma maior necessidade de matérias-primas, resultante do esperado aumento de produção. A satisfação deste aumento da procura do terminal só será alcançável através da utilização da ferrovia, cujo arranque operacional da ligação se pretende para 2013. A oferta de infra-estruturas portuárias direccionadas a este tipo de tráfego, potencial utilizador da ferrovia, também vai aumentar, com a construção, a montante daquele terminal, do Terminal Teporset, que deverá ficar concluído ainda em 2008. Numa primeira fase, este terminal deverá movimentar cerca de seiscentas mil


NOTÍCIAS

à Sadoport, e os diversos terminais de segunda linha que formam bipolaridades com o porto de Setúbal no segmento dos contentores. A aposta logística na ligação ferroviária aos terminais terrestres, é depois articulada com a distribuição e recolha capilar de contentores no hinterland, que se pretende alargar até Madrid, incluindo a Extremadura espanhola, com recurso às futuras plataformas logísticas do Poceirão e Elvas.

APSS comemora Dia do Mar A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA organizou, no dia 23 de Setembro, no auditório do edifício sede da empresa, uma conferência sob o tema “Profissões do Mar”, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Mar. O presidente do CA da APSS, Eng. Carlos Gouveia Lopes, deu as boas vindas aos participantes, recordando a importância toneladas de clínquer, valor que, posteriormente, poderá aumentar significativamente, de acordo com as previsões da empresa.

da Organização Marítima Internacional (IMO), agência da ONU que regula o transporte marítimo em toda a sua cadeia de actores, introdução que deu o mote às intervenções dos oradores.

No total, a nova ligação ferroviária à zona da antiga Eurominas possui um potencial para aumentar em 20% o actual movimento ferroviário nacional de mercadorias.

A primeira comunicação coube à Country Management da Safmarine Portugal, Drª Patrícia Sobreira, que deu uma interessante visão sobre “o papel do armador na economia do mar”. A Cmdte

Destaca-se ainda, o previsível aumento na exportação de concentrado de cobre e zinco – estimado em 20% para 2008 e em 38% para 2009 – através do Terminal Marítimo de Uso Privativo das Praias do Sado no Porto de Setúbal, que chega ao porto de Setúbal totalmente por via ferroviária. O Grupo Lundin Mining,

Cristina Alves, da Portline, teve por missão o desenvolvimento do tema “um dia no mar, contado por um navio de mercadorias”. A oradora focou, entre outros aspectos, a contradição entre os objectivos de gestão do armador, que procuram a redução do tempo de escala dos navios nos portos, e o maior desgaste da

accionista único da Somincor e da Pirites Alentejanas, está a investir cerca de 17 milhões de euros na ampliação e melhoramentos nas infra•'2destruturas portuárias. Refira-se que a Somincor foi eleita a Melhor Empresa do Ano, pela Revista Exame, em 2007. Uma outra vertente que está a ser estudada é a carga geral, nomeadamente a carga

contentorizada.

Considerando-se que tanto a carga Roll-On Roll-Off, como a carga fraccionada dispõem dum grau de penetração ferroviária significativo, destacando-se a ligação à AutoEuropa e a exportação de cimento da Cimpor, surge como principal aposta estratégica em análise, a aplicação de incentivos à ligação ferroviária entre o terminal Multiusos Zona 2, concessionado

05


NOTÍCIAS

do Porto de Setúbal com a norma ISO 9001:2000, para a “Prestação de Serviços de Tráfego Marítimo, de acordo com a Resolução A.857 (20) da IMO”. O Sistema de Gestão da Qualidade do VTS do Porto de Setúbal teve efeitos muito positivos a nível da eficiência dos seus processos internos, e melhorou não só a eficácia e rapidez na prestação de serviços aos seus clientes, mas também possibilitou atingir uma disponibilidade operacional dos seus sistemas de 99,78% nos últimos 3 anos. O Centro de Controlo de Tráfego Marítimo do Porto de Setúbal (VTS) encontra-se em funcionamento permanente (24 horas por dia) desde Novembro de 2001, sendo os seus serviços assegurados por tripulação do navio. Finalmente, o Director de Pilotagem da APSS,

uma equipa composta exclusivamente por Oficiais da Marinha

Cmdte Manuel Pedreiro, falou sobre a importância dos serviços de

Mercante nacional com formação neste tipo de serviço, através de

pilotagem no âmbito do transporte marítimo de mercadorias, tendo

cursos de especialização realizados em Espanha, Noruega e Portugal,

desenvolvido o tema “o serviço de pilotagem e a chegada a bom

e é operado de acordo com as orientações da “International Maritime

porto”.

Organization (IMO)” e da “International Association of Lighthouse Authorities (IALA)”, aplicáveis aos serviços de tráfego marítimo A conferência foi encerrada com um Moscatel de Honra

servido aos convidados. O evento contou com uma plateia de cerca de setenta pessoas, entre colaboradores da APSS, representantes de entidades oficiais e da comunidade portuária, incluindo a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Dra. Maria das Dores Meira.

APSS renova certificação da qualidade O Sistema de Gestão da Qualidade do Centro de Controlo de Tráfego Marítimo do Porto de Setúbal (Vessel Traffic Service – VTS), operado pela APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA, foi auditado pela entidade certificadora DET NORSKE VERITAS (DNV), com vista à renovação da certificação da qualidade. O resultado positivo da auditoria, levou à emissão, em 7 de Julho de 2008, pela DET NORSKE VERITAS, do Certificado de conformidade do Sistema de Gestão do VTS

06

(VTS).


NOTÍCIAS

“A Logística Sustentável e a Eficiência Energética” Setúbal, 20 de Novembro de 2008

Plano de investimentos da APSS para 2009 - 2012

Unidade: milhões de euros

Melhoria dos Acessos Marítimos ao Porto de Setúbal

24,0

Recuperação Ambiental/Funcional do Terminal Eurominas e Acessos Terrestres

12,0

Monitorização Ambiental dos Portos de Setúbal e Sesimbra

0,9

Reforço das Condições de Protecção do Porto no âmbito do ISPS

0,2

Melhoria do Assinalamento Marítimo

0,3

Equipamento de Pilotagem

0,8

Ordenamento do Porto de Sesimbra

4,0

Reabilitação do Edifício de 2ª venda (ex-lota) do Porto de Setúbal

1,2

Instalações dos Estaleiros de Sta. Catarina e de outros serviços de apoio à náutica de recreio

TOTAL

11,0 54.4

07


EMPRESA PARCEIRA

Depois de ter operado os Estaleiros da Rocha, em Lisboa, da Margueira, em Almada e de ter efectuado e concluído com sucesso, no final do ano 2000, uma gigantesca operação de transferência e concentração de toda a actividade no seu actual Estaleiro, situado na península da Mitrena, em Setúbal, a LISNAVE dispõe, não só do maior, mas também do mais moderno Estaleiro de Reparação e Manutenção Naval da Europa e é, na sua franja dimensional de mercado, navios acima de 30.000 toneladas de porte bruto, um dos “Top 5” a nível mundial. 4.INOVAÇÃO E CUIDADO AMBIENTAL Contrariamente à percepção que se estabeleceu a LISNAVE é um agente importante na defesa do meio Ambiente sendo das poucas empresas que dispõe duma licença Ambiental nos termos da legislação Ambiental europeia cuja actividade é fortemente controlada tanto pela Auditoria Técnica Interna, como pela obrigatoriedade de tornar pública toda a informação referente aos

A LISNAVE no Porto de Setúbal Frederico José Ferreira de Mesquita Spranger (*)

potenciais poluentes com que lida, nos termos EPER (European Pollution Emission Reports). De facto, fortemente preocupada com as questões de natureza Ambiental, a LISNAVE é, o único Estaleiro de Reparação

1.ORIGENS

e Manutenção Naval do Mundo que dispõe de um inovador sistema

Sucedendo à antiga LISNAVE, ESTALEIROS NAVAIS DE

de carenagem de navios, que utiliza a água como meio de elevação

LISBOA, S.A., criada em 1961 a actual LISNAVE, ESTALEIROS

e posicionamento de navios e que é ambientalmente amigável.

NAVAIS, S.A., foi criada em Julho de 1997, na sequência do Plano de Reestruturação de Indústria Naval, acordado com o Estado Português.

Este novo sistema de carenagem que a LISNAVE designou por “Hydrolift”, é merecedor de especial destaque, por se tratar de um protótipo, totalmente

Embora o encerramento do seu estaleiro mais emblemático

idealizado, concebido e

(na Margueira), efectuado em final do ano 2000, tenha criado nalguns

projectado para a LISNAVE,

sectores, em Portugal, a ideia de que a Empresa acabou, a LISNAVE

por Engenheiros portugueses,

está viva, a operar, com sucesso, o Estaleiro da Mitrena, em Setúbal,

e onde foram aplicados cerca

e a concluir a execução de um ambicioso Plano de Reestruturação.

de 50 dos mais de 100 milhões de Euros investidos na

2.ESTRUTURA ACCIONISTA ACTUAL A LISNAVE é uma Empresa maioritariamente detida por capitais portugueses, através da NAVIVESSEL, ESTUDOS E

modernização e “up-grading” do Estaleiro, no decurso da última década.

PROJECTOS NAVAIS, S.A., tendo ainda uma participação relevante do grupo alemão THYSSENKRUPP MARINE SYSTEMS AG e de

Este sistema permite docar simultaneamente 3 navios da

pequenas participações quer do Estado Português, quer de uma

classe “Panamax” que podem entrar ou sair de doca em momentos

série de pequenos Accionistas privados.

diferenciados. O sistema permite, ainda, para além de poupanças de tempo e diminuição de alguns custos, acima de tudo, proceder

3.EMPRESA EMBLEMÁTICA A LISNAVE é uma Empresa emblemática, com forte imagem de qualidade, prestígio e credibilidade mundial, e com uma boa reputação junto dos seus Clientes, em resultado da sua elevada experiência e saber tecnológico.

08

ao tratamento de resíduos e das águas contaminadas resultantes dos trabalhos de reparação, através de uma ETAR Industrial própria e que assim nunca estão em contacto com o Rio.


OPINIÃO

5.EMPRESA GLOBAL A LISNAVE opera no mercado global internacional, servindo Clientes sediados em mais de 50 países, dispondo de uma

Nenhum outro porto na Península Ibérica ou na Europa dispõe de uma unidade de manutenção / reparação com a dimensão da LISNAVE.

organização externa constituída por uma vasta rede de “marketing” que a representa em 17 Centros de “Shipping”.

O transporte marítimo e consequentemente os seus principais actores - os navios – são unidades complexas que

A par da atenção que mantém nos seus segmentos de

requerem uma manutenção sistemática dos seus equipamentos e

mercado mais tradicionais – navios transportadores de graneis,

estrutura por forma a poderem cumprir a sua missão sem prejuízo

líquidos e sólidos – que constituem uma parte significativa dos

para o meio Ambiente.

navios em que opera, a LISNAVE tem vindo a persistir na crescente procura de actividade noutros segmentos, constituindo os navios

Considerando que pelas regras internacionais comumente

transportadores de produtos refrigerados, os de carga geral, os

aceites os navios vêm ao estaleiro de manutenção para operações

navios de transporte de contentores, os navios transportadores de

mais ou menos complexas de 3 em 3 anos e que a LISNAVE repara

gás liquefeito (LNG e LPG) e os navios de passageiros, apostas que

por ano cerca de 135 unidades, podemos concluir que a LISNAVE

já representam mais de 25% da actividade da Empresa.

e o Porto de Setúbal garantem que cerca de 400 grandes navios, que asseguram a importação e a exportação de mercadorias,

6.IMPORTÂNCIA ECONÓMICO-SOCIAL A LISNAVE é uma empresa de características fortemente

graneis e energia para a Europa, são atendidos neste Porto representando mais de 30 milhões de toneladas de deslocamento.

exportadoras, a cuja actividade está associada um significativo Valor Acrescentado Nacional e um elevado nível de utilização de mão-de-obra especializada. Efectivamente, dos cerca de 110 milhões de Euros médios de Vendas anuais, em serviços especializados de manutenção e reparação de navios, cujo VAN se situa na casa dos 95%, exporta para o Mercado Externo, mais de 95% destes serviços. A empresa assegura trabalho diário médio a mais de 2.500 Trabalhadores, a maioria dos quais de elevada qualificação profissional. A LISNAVE é uma Empresa preocupada com o seu futuro enquanto referência internacional no mercado em que opera e com

(*) Engenheiro Mecânico pelo INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO (IST) Presidente da Comissão Executiva da LISNAVE ESTALEIROS NAVAIS S.A. – Portugal Vice Presidente e Administrador Delegado da LISNAVE INTERNACIONAL S. A. – Portugal Presidente do CA dos CHANTIERS NAVALS DE DAKAR – DAKARNAVE Senegal Presidente da ASSOCIAÇÃO DAS INDÚSTRIAS MARÍTIMAS (AIM) Vice Presidente para o grupo de Manutenção, Reparação e Conversão Naval da CESA, COMMUNITY OF EUROPEAN SHIPYARDS ASSOCIATIONS (Associação dos Estaleiros Europeus) Membro do TECHNICAL ADVISORY COMMITTEE da CESA (Comité de Aconselhamento Técnico) Membro do AMERICAN BUREAU OF SHIPPING (ABS)

a sua sustentabilidade e a da Indústria Naval em Portugal. Neste contexto, retomando a sua tradição de ser uma das maiores escolas profissionais do país, a LISNAVE está de novo a apostar na Formação activa de Jovens Quadros Engenheiros e de Jovens Operários. 7.A LISNAVE NO PORTO DE SETÚBAL Os Portos são considerados essenciais para a economia dos países onde se localizam. Sendo de facto interfaces importantes do ponto de vista da logística mais global do transporte marítimo, podem fazer realçar a sua contribuição para a economia nacional, através da qualidade e da quantidade dos serviços que disponibilizam aos seus Clientes - os operadores de navios. Daí a importância que para o Porto de Setúbal constitui a presença de um Estaleiro de Manutenção e Reparação de reputação mundial – a LISNAVE. De facto, esta presença deverá ser realçada porquanto não só do ponto de vista económico esta actividade traz ao país mais de 110 milhões de euros por ano com um VAN da ordem dos 97% mas também porque um estaleiro de manutenção e reparação naval é um garante da defesa da qualidade do mar cuja responsabilidade cabe a Portugal.

09


COLABORADOR APSS

A frente ribeirinha de Setúbal António Segurado (*)

Durante o séc. XIX, com o advento da era industrial e a revolução nos meios de transporte, o problema das infra-estruturas portuárias foi-se colocando com crescente acuidade.

Setúbal nasceu e cresceu na foz do Sado, abrigada na sua magnífica baía, à beira do Atlântico. A navegabilidade do rio e a facilidade de entrada na barra, estritamente relacionadas com uma inserção geográfica particularmente favorável, foram factores essenciais na formação e desenvolvimento da cidade. Na sua génese portuária estão as trocas comerciais por via fluvial ao longo do Sado, o aproveitamento dos recursos ligados ao rio, como o sal e a pesca, e também, a sua localização estratégica para a navegação costeira, com condições de abrigo únicas na costa ocidental portuguesa, que fez desta região um centro privilegiado de intercâmbio comercial e cultural com outras partes do mundo, desde os tempos dos fenícios e dos romanos. Construída sobre aterros sucessivos que foram sendo ganhos ao rio e aos primitivos sapais, a cidade foi crescendo e ganhando importância ao nível regional e nacional, essencialmente por força da sua vocação portuária, das actividades ligadas ao porto comercial e à exploração dos recursos marinhos. Fechada entre muralhas durante muitos séculos, a urbe sadina relacionava-se com o rio através da sua margem espraiada, aproveitando essencialmente as suas condições naturais. As embarcações de pesca recolhiamse na praia e os navios de maiores dimensões fundeavam ao largo, carregando e descarregando pessoas e mercadorias, através doutras embarcações mais pequenas. As estruturas de acostagem e abrigo eram praticamente inexistentes e eventualmente dispensáveis.

10

Apesar do esforço e da preocupação, as obras e projectos promovidos pelo município e por particulares não conseguiram concretizar uma resposta global adequadas às novas exigências resultantes do aumento do tráfego e do calado dos navios, bem como do desenvolvimento do sector da pesca, de modo a criar as infra-estruturas portuárias necessárias. No âmbito da política de desenvolvimento dos portos nacionais implementado pela primeira república portuguesa, foi criada em 1923 a Junta Autónoma dos Portos e Barra de Setúbal e do Rio Sado, que na primeira metade da década de 30 levou a efeito as primeiras obras do Porto de Setúbal, compreendendo a construção de terraplenos, docas, cais e obras de contenção marginal, que transformaram radicalmente a frente ribeirinha da cidade, originando um novo estádio de desenvolvimento das actividades portuárias e de progresso económico. Ao longo das décadas seguintes, as novas áreas


OPINIÃO

conquistadas ao rio serviram essencialmente as actividades relacionadas com o porto comercial e com a pesca, a que se vieram juntar, mais tarde, outras actividades relacionadas com a náutica de recreio e o transporte fluvial entre Setúbal e Tróia. Mas foram precisos apenas cerca de 50 anos para que o porto comercial se afastasse para zonas mais periféricas da cidade, em busca de espaços mais amplos e de melhores condições de acessibilidade marítima e terrestre, seguindo os passos de outras infra-estruturas portuárias de carácter industrial que foram surgindo ao longo da Península da Mitrena. Esta deslocalização da actividade portuária nas últimas décadas do séc. XX, veio libertar diversos espaços e edifícios na frente ribeirinha de Setúbal, numa época em que as relações porto-cidade e a requalificação das frentes ribeirinhas, se transformaram em temas de estudo e de discussão ao nível global.

áreas sem interesse portuário para a gestão da Câmara Municipal. Este desígnio aparece também já contemplado nas actuais orientações estratégicas para o sector marítimo portuário nacional, estando a ser dados os primeiros passos nesse sentido. Lisboa foi o primeiro caso, mas outros se seguirão, num processo que parece lógico e irreversível. No caso de Setúbal, por agora, na época Polis, a Administração Portuária vai continuar a manter a gestão de praticamente toda a faixa marginal entre a Doca das Fontaínhas e a Doca dos Pescadores, onde se mantêm ainda as actividades relacionadas com a pesca, a náutica de recreio, os serviços ligados ao Porto e os transportes fluviais para Tróia. À Sociedade SetúbalPolis, e em última análise à Câmara, caberá a responsabilidade de concretizar os objectivos de revalorização da frente ribeirinha de Setúbal, incluindo a revitalização da malha e dos espaços urbanos envolventes, da Av. Luísa Todi e da frente marginal para poente da Doca dos Pescadores. Mas mais importante do que quem faz, são os resultados, e todos esperamos e desejamos que esses sejam os melhores para a cidade, sem se perder a sua identidade portuária. E para que essa identidade seja preservada, é preciso perceber o passado histórico da cidade, respeitar a sua natureza marítima, e dar prioridade às actividades que precisam da água para existir, olhando para o rio como um vector de desenvolvimento económico e não apenas como um simples elemento de paisagem. Assim, para além da requalificação urbana que se impõe, de modo a conseguir ultrapassar os vazios e os obstáculos entre a cidade e o rio, no sentido do usufruto público da frente ribeirinha e do seu desenvolvimento sustentado, torna-se essencial apoiar, promover e integrar as actividades relacionadas com a pesca, com a náutica de recreio, com os transportes fluviais, com as actividades maritimo-turísticas e com os desportos náuticos.

Apesar do esforço e da preocupação, desta vez foram as obras e projectos promovidos pela administração portuária, enquanto responsável pela gestão da zona ribeirinha, que não conseguiram concretizar no terreno uma resposta global e adequada à requalificação urbana que lhe eram exigidas pelo tempo e pela cidade. E volta a ser com a interferência directa do Estado que, no início do séc. XXI, no âmbito da política nacional de revalorização das cidades, a frente ribeirinha de Setúbal é incluída no Programa Polis, preparando a passagem das

“Reimaginar a modernidade e identidade das cidades portuárias a partir de uma visão integrada cidade/porto é, pois, uma condição essencial para uma relação mais sustentada, porque mais competitiva, entre as particularidades locais e os actores e tendências globais.” (Jaime Ferrão, in conclusões da 9ª Conferência Internacional Cidades e Portos – Lisboa, Julho de 2004).

(*) Chefe de Divisão de Ordenamento, Projectos e SIG, licenciado em arquitectura pela Universidade Técnica de Lisboa.

11


SESIMBRA

Melhoramentos no Porto de Sesimbra

no plano de água para a pesca local, artesanal e industrial, resultará numa melhoria da qualidade do serviço prestado e num aumento da competitividade do Porto de Pesca de Sesimbra.

A APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA apresentou no passado mês de Setembro uma candidatura ao

A construção das pontes-cais nº 3 e 4 (a Nascente dos

Programa Operacional Pesca (PROMAR) do Projecto “Ordenamento

actuais nºs 1 e 2) proporcionará condições de abrigo de embarcações

do Porto de Pesca de Sesimbra”, com um valor de investimento

à agitação marítima proveniente do quadrante Sul. A montagem

superior a 3.900.000 euros.

de passadiços flutuantes quer para estacionamento quer para descarga de pescado, bem como o reordenamento dos terraplenos

O

conjunto

de

junto aos cais e dos acessos internos, entre outras intervenções de

intervenções que integram a

reordenamento de espaços,

candidatura assume um

irão dotar este porto de

carácter estruturante na

melhores

organização dos espaços,

organizacionais e espaciais

quer em terra, quer no plano

para o exercício da actividade

de água. Estas intervenções

piscatória e associadas,

inserem-se no “Plano de

fazendo face às carências

Intervenções Prioritárias”, que

estruturais actualmente

reune as principais propostas

existentes, de que fazem eco

indicadas pela comunidade piscatória local para a resolução de

os pescadores de Sesimbra.

condições

problemas/carências de curto prazo, incluindo o aumento da capacidade do porto.

Reciclagem de redes

A melhoria que se espera obter no ordenamento deste porto incide sobre os seguintes aspectos: o abrigo de embarcações

APSS tem promovido a recolha de redes de nylon no Porto de

à agitação marítima proveniente do quadrante Sul; o parqueamento

Sesimbra, que posteriormente são enviadas para reciclagem. Até

das embarcações e a entrada ou saída de bordo das mesmas; a

Outubro do presente ano já se procedeu à reciclagem de cerca de

definição e separação de áreas para actividades ligadas à pesca e

seis toneladas de redes.

para actividades relacionadas com o lazer e recreio náutico. O aumento da capacidade de estacionamento e zonas de descarga de pescado, o reordenamento dos espaços em terra e

12


BREVES

APSS melhora parque infantil do Jardim Luís da Fonseca

de França e do Norte da Europa, fazendo a ligação regular por barcaça fluvial de contentores até Paris. Tal facilidade poderá permitir aos clientes industriais e importadores do hinterland do Porto de Setúbal chegar à capital francesa de forma rápida, menos poluente

A APSS realizou recentemente uma obra de melhoramento

e com menores custos relativamente a outros modos de transportes.

do piso do parque infantil do Jardim Luís da Fonseca (Jardim da Beira Mar), que consistiu na substituição do material arenoso por um pavimento em borracha mais seguro, confortável e resistente,

APSS participa na Feira de Santiago

especialmente concebido para amortecer quedas, de acordo com as normas para parques infantis vigentes.

Decorreu, de 26 de Julho a 10 de Agosto, organizada pela Câmara Municipal de Setúbal, a Feira de Santiago, que contou, uma vez mais, com a presença da APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA, num estreitar de laços entre o porto e a cidade. A APSS participou com um stand sob o lema “Veja o que o Porto de Setúbal pode fazer pelo seu negócio”, no qual foi distribuído diverso material promocional, numa iniciativa que visou dar a conhecer aos visitantes as infra-estruturas portuárias e as suas variadas ofertas.

Formandos angolanos visitaram o Porto de Setúbal Um grupo de dez formandos angolanos do IPROF – Instituto de Formação Profissional, Ldª, visitou o Porto de Setúbal no âmbito da frequência de um curso de especialização de planeamento e segurança portuária. Os visitantes são funcionários da Administração Este jardim, construído pela Junta Autónoma do Porto de

Marítima de Angola, abrangendo Dirigentes e Quadros Superiores

Setúbal, durante a direcção do Engº Luís da Fonseca (1937-58), é

do Instituto Marítimo-Portuário, do Instituto Hidrográfico e de

um dos espaços verdes de maior beleza da cidade, muito apreciado

Sinalização Marítima e de capitanias de portos daquele país.

pelos setubalenses e turistas que dele usufruem com regularidade. O cuidado dispensado pela APSS na sua manutenção e renovação,

Os objectivos da visita de estudo visaram conhecer o Porto

torna-o num dos cartões-de-visita da cidade de Setúbal.

de Setúbal nas suas valências e áreas de intervenção, abrangendo as actividades portuárias e logísticas, assim como, as estruturas operacionais do porto relacionadas com o controlo e coordenação

Porto de Le Havre estuda ligação Setúbal-Paris O Director de Shipping de linhas de Contentores do Porto de Le Havre, Marc Laplace-Builhé, visitou o Porto de Setúbal, no

de tráfego, gestão e utilização do Domínio Público, prevenção e combate à poluição, e, segurança e protecção.

Porto de Setúbal presente na Expo São Mateus

dia 8 de Julho, com o objectivo de conhecer o potencial da respectiva infra-estrutura portuária e estudar a possibilidade de aumentar a

A Expo São Mateus teve lugar em Elvas, de 20 a 28 de

frequência e o tráfego de contentores entre os dois portos.

Setembro. O certame que reuniu importantes entidades da região da província espanhola da Extremadura, incluiu a presença de um

O porto de Le Havre é um dos maiores portos de contentores

stand promocional do Porto de Setúbal.

13


BREVES

Foi

mais

Alunos da ESE visitam o porto

uma

oportunidade de demonstrar, aos agentes económicos da região, o interesse, por parte

No âmbito da licenciatura

da APSS, SA, em participar

em Comunicação Social da

na plataforma logística

Escola Superior de Educação

transfronteiriça

de

do Instituto Politécnico de

Elvas/Badajoz e promover a

Setúbal (ESE/IPS), cerca de 12

ligação do Porto de Setúbal

alunos do 1º ano das vertentes

até Madrid.

de jornalismo, relações públicas marketing e publicidade visitaram as instalações da APSS

After Aulas visita Porto de Setúbal Cerca de três dezenas de crianças, com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos, que frequentam o Centro de Recursos Educativos After Aulas, visitaram, no dia 21 de Julho, o Porto de Setúbal, no âmbito da realização de ateliês temáticos que visam “estimular o conhecimento do meio local” o que se enquadra no Projecto Escolas criado pela APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA. Os alunos foram recebidos no auditório da APSS pela Chefe do StPCC, Maria João Bacalhau, onde visionaram o vídeo institucional do Porto de Setúbal, após o que, depois de colocadas

– Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra no dia 23 de Junho.

O objectivo da deslocação visou conhecer o gabinete de comunicação e relações públicas do porto, bem como, o trabalho aí desenvolvido. A comitiva foi recebida pela Chefe do StPCC, Maria João Bacalhau que fez uma resenha sobre a política de comunicação da APSS, passando pelas diversas actividades enquadradas na comunicação empresarial da empresa, tais como: publicações, comunicados de imprensa, folhetos informativos, organização de eventos e brindes.

APSS patrocina congresso da APLOG

algumas questões sobre o filme, visitaram os terminais portuários com grande animação suscitada pela curiosidade em conhecer uma realidade diferente do seu dia-a-dia.

A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA patrocinou o 11º Congresso de Logística da APLOG – Associação Portuguesa de Logística, que teve lugar nos dias 21 e 22 de Outubro, este ano, subordinado ao tema “A Logística e os Desafios do Mercado – Pessoas, Práticas e Performance”.

14


BREVES

com a participação de cerca de duzentos agentes sociais, económicos e políticos, visou contribuir para delinear uma estratégia partilhada, no sentido de transformar num modelo de desenvolvimento sustentado os grandes investimentos que vão beneficiar a região de Setúbal.

Inaugurado Tróia Resort No dia 8 de Setembro, decorreu a inauguração do Tróia Resort, que contou com a presença do Presidente da Sonae, Engº Belmiro de Azevedo, o Ministro da Economia, Prof. Dr. Manuel Pinho, o Secretário de Estado do Turismo, Dr. Bernardo Trindade, bem como, do Presidente da APSS, Eng. Carlos Gouveia Lopes. Trata-se de um empreendimento implantado numa área de 440 hectares, que engloba apartamentos de luxo, moradias em banda, vivendas unifamiliares e hotéis. É um complexo que constitui uma mais-valia para o desenvolvimento turístico da região e do Tratou-se de um evento que suscitou grande adesão por parte de profissionais de todo o país, e onde participaram

Porto de Setúbal, tornando-o mais aprazível aos habitantes e visitantes.

representantes dos mais diversos sectores de actividade, congregados pelo interesse em partilhar e desenvolver soluções na área da logística, tendo a APSS participado ainda como orador, com um a apresentação sob o tema ”Setúbal – Novas Soluções Logísticas”.

Conferência “Região de Setúbal Oportunidades de Desenvolvimento” Decorreu, no dia 19 de Setembro, na Estalagem do Sado, em Setúbal, a conferência “Região de Setúbal – Oportunidades de Desenvolvimento”. Iniciativa da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), organizada pela Sado 2000 e que teve como promotores: o Governo Civil de Setúbal; a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA-A); a Associação de Municípios da Região de Setúbal (AMRS); a Associação de Municípios do Litoral Alentejano

(AMLA);

a

Associação Empresarial da

Campanha de análise de sedimentos

Região de Setúbal (Aerset); a Associação das Empresas de

No âmbito do desenvolvimento do plano de monitorização

Construção e Obras Públicas

ambiental implementado pela APSS, SA, a componente associada

(AECOPS) e a Administração

à realização de dragagens incluiu estudos de análise de sedimentos,

dos Portos de Setúbal e

nomeadamente: Caracterização física, química e granulométrica

Sesimbra,

(APSS).

dos sedimentos a dragar; Caracterização da deposição de dragados

O evento, que contou

e Monitorização de comunidades macrobentónicas.

SA

15


BREVES

APSS prossegue implementação do Plano de Monitorização Ambiental A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA, dando seguimento à implementação do Plano de Monitorização Ambiental dos Portos de Setúbal e Sesimbra, irá instalar mais estações meteorológicas e de hidrodinâmica. Neste âmbito, será colocada no Porto de Sesimbra uma estação meteorológica na cabeça do molhe exterior; por sua vez, no Porto de Setúbal, os locais escolhidos são a zona da Lisnave e do Trem Naval, onde vão ser colocados dois marégrafos e duas estações meteorológicas.

APSS integra Programa SARAE A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA está a participar no projecto de criação do Sistema para Avaliação Os estudos, que decorrem do protocolo celebrado entre

da Responsabilidade Ambiental das Empresas: Concepção e

a APSS e o INIAP/IPIMAR, fazem parte de um conjunto de acções

Desenvolvimento de um Protótipo Operacional para as Empresas,

a elaborar para apoio aos trabalhos de dragagens de 2008/2009.

designado SARAE.

Foram efectuadas 46 colheitas, cujos resultados permitiram constatar que os sedimentos são maioritariamente limpos, no interior do

Este projecto, que

estuário, onde o hidrodinamismo é mais reduzido, aparecem

decorre da transposição para

materiais mais finos, com uma quantidade de poluentes absorvidos

o Direito Interno de uma

ligeiramente maior.

Directiva

relativa

à

responsabilidade ambiental das empresas baseada no princípio do poluidor/pagador, é apoiado pelo Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico e promovido pelo consórcio E.Value e Critical Software, SA. A equipa integra, igualmente, elementos da Agência Portuguesa para o Ambiente e da Autoridade Nacional para a Protecção Civil. A validação do projecto será efectuada através da aplicação a um caso de estudo, a Fábrica da Portucel, em Setúbal.

16


Valores Acumulados a Agosto

ESTATÍSTICAS

Movimento de Navios Unidade : Número Tipos de Navio Carga geral Transp. Especiais G. Líquidos Graneleiros Contentores Outros Total

Agosto 06 535 303 106 63 4 4 1.015

Agosto 07 554 251 91 61 6 0 963

Agosto 08 518 290 98 45 26 1 978

Var.07/06 3,6% -17,2% -14,2% -3,2% 50,0% -100,0% -5,1%

Var.08/07 -6,5% 15,5% 7,7% -26,2% 333,3% 100,0% 1,6%

Movimento de Mercadorias Mercadorias por modo de acondicionamento Mercadorias por modo de Graneis líquidos acondicionamento Mercadorias por modo de Graneis sólidos Graneis líquidos acondicionamento Carga geral sólidos Graneis líquidos Carga fraccionada Carga geral Graneis sólidos Carga contentorizada Carga fraccionada Carga geral Carga ro-ro Carga contentorizada fraccionada ro-ro Carga contentorizada Total Carga ro-ro Total Carga unitizada Veículos Contentores TEU’s

Unidade : Mil Tons Agosto 06 758 2.255 1.236 937 64 235

Agosto 07 627 2.477 1.519 1.229 79 211

Agosto 08 630 2.234 1.369 1.036 106 226

Var.07/06 -17,3% 9,9% 22,9% 31,1% 24,5% -10,1%

Var.08/07 0,4% -9,8% -9,9% -15,7% 33,7% 7,3%

4.248

4.623

4.233

8,8%

-8,4%

150.963 4.439 8.305

126.351 4.779 8.070

135.718 8.127 12.275

-16,3% 7,7% -2,8%

Agosto 06 727 226 150 53 120 515 11 29

Agosto 07 970 273 139 93 96 373 12 91

Agosto 08 837 312 138 126 95 55 20 631

Var.07/06 33,5% 21,0% -7,5% 77,5% -20,4% -27,6% 11,2% 213,8%

Var.08/07 -13,8% 14,3% -0,8% 35,1% -0,8% -85,1% 67,2% 596,2%

1.830

2.047

2.214

11,8%

8,2%

Agosto 06 377 540 252 394 158 115 0 81 200 54 248

Agosto 07 265 554 268 252 171 115 166 76 142 27 538

Agosto 08 429 409 263 247 155 132 108 78 47 24 128

Var.07/06 -29,8% 2,6% 6,5% -35,9% 8,4% 0,8% 100,0% -5,8% -29,1% -50,3% 117,4%

Var.08/07 61,7% -26,2% -1,8% -2,0% -9,6% 14,0% -35,4% 2,1% -66,9% -11,8% -76,2%

2.418

2.576

2.019

6,5%

-21,6%

Unidade : Número 7,4% 70,1% 52,1%

Unidade : Mil Tons Mercadorias carregadas Cimento Concentrado de Cobre e Zinco Pasta de Madeira P.Metalúrgicos Ro-Ro Clinquer Pedras Ornamentais Outros Total

Unidade : Mil Tons Mercadorias descarregadas Carvão e Coque P.Metalúrgicos Gasóleo e Gasolina Fuelóleo Adubos Ro-Ro Madeiras Ácidos P. Agrícolas Frutas Outros Total

Fonte: APSS, SA (DELOG)

17


CP da APSS

17º Torneio de Tiro aos Pratos O bonito campo de tiro de Sto. Isidro de Pegões, no concelho

Passeio à Hungria-Polónia-República Checa

do Montijo, foi novamente o local escolhido para receber, no dia 28 de Junho, os participantes no 17º Torneio Interno de Tiro aos Pratos.

Durante oito dias, de 6 a 16 de Agosto, um grupo de três dezenas de associados e familiares da Casa do Pessoal, visitou a Hungria, Eslováquia, Polónia e República Checa. Partindo de Lisboa, o avião aterrou na cidade de Praga, onde os nossos associados permaneceram 3 dias, rumando depois para Wroclaw, Cracóvia e, O torneio começou com a realização de uma prova de

finalmente, Budapeste.

ensaio (15 pratos). Após um breve intervalo, teve lugar a prova de honra (25 pratos), que determinou a seguinte classificação final:

Dos principais locais visitados destacam-se o

1º Classificado......Francisco Arimatea 2º Classificado......Pedro Nascimento 3º Classificado......Celestino Massano

castelo Konopiste e a catedral de São Vito em Praga, o castelo Wavel e a catedral, em Cracóvia, o campo de Auswitz,

No decorrer do almoço, que teve lugar no restaurante do complexo desportivo, procedeu-se à cerimónia de entrega de prémios e ao sorteio de uma

as minas de sal de Wieliczka, e a igreja de são Matias em Budapeste.

moeda em ouro, ganha pelo nosso colega Luís Carmona.

Passeio Fluvial pelo Tejo No passado dia 24 de Agosto teve lugar um Passeio Fluvial pelo Tejo, a bordo da embarcação tradicional “ALCATEJO”. Perto de quatro dezenas de associados e familiares da CPPSS partiram de Setúbal, em autocarro, rumo à simpática vila de Alcochete.

18


CP da APSS

Foram recebidos pelo mestre e tripulação da

Os 24 associados que se apresentaram a concurso reuniram-

embarcação típica do rio Tejo,

se no edifício sede da APSS, onde receberam os equipamentos e

de nome “ALCATEJO”, uma

as instruções sobre a prova. Deslocaram-se depois ao Castelo de

das mais belas embarcações

Palmela, local onde teve início a captação de imagens.

que actualmente navega naquele rio. Navegaram pela

Finalmente, no restaurante “O Mirante”, na Volta da Pedra,

cala norte, em rota dirigida ao

foram recolhidas as máquinas descartáveis e as fotos em formato

e s t u á r i o d o Te j o c o m

digital, seguindo-se o habitual almoço de confraternização.

passagem ao lado dos Flamingos Rosa que costumam permanecer por aquelas bandas. Ultrapassada a ponte Vasco da

Danças de Salão

Gama, a embarcação rumou ao caís de Alcântara,

As danças de salão já contam com dois anos de existência

atravessando todo o rio,

como actividade regular promovida pela CPPSS. Considerada por

permitindo observar Lisboa

muitos, um desporto muito completo, tem proporcionado

por um novo ângulo.

momentos de boa disposição, convívio e desafios de aprendizagem

Desembarcados na capital,

aos funcionários empenhados em aperfeiçoar as suas capacidades

seguiu-se um reconfortante

para dançar.

almoço,

servido

num

restaurante situado no cimo

Os ensaios têm lugar semanalmente, às quartas-feiras, nas

do Parque Eduardo VII.

instalações do Clube Setubalense. A CPPSS convida todos os sócios a experimentarem esta actividade, seja para descobrirem

Concurso de Fotografia Integrado na XVIII Semana Cultural da CPSS decorreu, dia

a dança ou para desenvolverem as capacidades já adquiridas.

Próximas actividades

11 de Outubro, o concurso de fotografia. O regulamento foi este ano alterado de forma a possibilitar o uso, não só das habituais máquinas descartáveis, mas também, de máquinas fotográficas

As actividades da CPPSS continuam em bom ritmo, as próximas

digitais.

serão: a noite de São Martinho; um passeio a Espanha e a Semana Cultural.

19



Newsletter_n18