Page 1

Newsletter dos Portos de SetĂşbal e Sesimbra NÂş 11 - Julho de 2006 - Trimestral


FICHA TÉCNICA Newsletter dos Portos de Setúbal e Sesimbra Número 11 – Julho de 2006 Propriedade: APSS - Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA Morada: Praça da República - 2904-508 Setúbal Tel.: (+351) 265 542 000 - Fax: (+351) 265 230 992 Email: geral@portodesetubal.pt www.portodesetubal.pt Directora: Fátima Évora Edição: Departamento de Marketing e Documentação Colaboradores convidados: Pedro Ponte, José Augusto Felício Concepção Gráfica: N design_integrado Impressão: Armazém de Papéis do Sado, Lda. ISSN: 1645-913X Depósito Legal: 202330/03 Tiragem: 1.200 exemplares Periodicidade: Trimestral Distribuição: Gratuita APSS,SA - Todos os direitos reservados.


EDITORIAL

É com grande satisfação que divulgamos neste número da

de 1923, altura em que foi criada a Junta Autónoma das Obras do

newsletter, entre outras notícias, duas novidades que, esperamos,

Porto e da Barra de Setúbal e do Rio Sado. Com esta iniciativa

irão potenciar o desenvolvimento do Porto de Setúbal e da região

simbólica pretendeu-se homenagear as gerações de colaboradores

em que se insere ao longo dos próximos anos. Referimo-nos à

q ue contrib uí ram par a o desenvol vimento do porto e,

nova linha de contentores da MAERSK Line, o primeiro armador

consequentemente, para a realização daquele record, bem como

mundial, e ao anúncio da Tutela sobre o projecto de plataformas

o p ap el do s a ctuai s co l ab or ad o res d a AP SS e d as

logísticas que irão beneficiar em muito a oferta deste porto.

empresas/instituições parceiras.

A captação da linha da MAERSK Line é uma prova das

Finalmente no Porto de Sesimbra decorre em bom ritmo

vantagens competitivas do Porto de Setúbal e representa uma

o estudo de ordenamento, agora em fase de apresentação de

oportunidade de crescimento do tráfego de contentores deste

propostas, após aprovação do diagnóstico de situação. A hora de

porto. Este acontecimento vem, precisamente, ao encontro de um

divulgação do cenário escolhido

dos objectivos definidos no âmbito do Plano Estratégico dos Portos

começa a estar próxima.

de Setúbal e Sesimbr a, desenvolvido sob a égide desta administração.

Estamos certos que, na decisão de escolha do Porto de Setúbal por aquele operador mundial, terão pesado razões diversas designadamente as excelentes vantagens deste porto, a determinação da Sadoport, operador portuário que gere o Terminal

O Presidente, Engº Carlos Gouveia Lopes

Multiusos 2, e os esforços e empenho de todos os colaboradores da APSS.

No dia 9 de Maio, o Senhor Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Engº Mário Lino, anunciou a construção duma plataforma logística na localidade de Poceirão, a maior do País, com uma extensão de 420 hectares, que corresponderá a um investimento total de 307 milhões de euros.

Para além da plataforma do Poceirão, que dista do Porto de Setúbal cerca de 15 km, este porto irá ainda beneficiar da plataforma transfronteiriça Elvas/Caia, ambas incluídas na Rede Nacional de Plataformas Logísticas, permitindo o alargamento do hinterland do porto até Espanha.

A adição de serviços logísticos aos portuários representa uma oportunidade para o Porto de Setúbal e o aumento da sua competitividade nas cadeias logísticas da Península Ibérica, designadamente nas que servem as regiões até Madrid.

Importa também aqui referir a comemoração, realizada durante o mês de Março, do record de 150 milhões de toneladas movimentadas no Porto de Setúbal, a contar desde 18 de Dezembro

03


NOTÍCIAS

APSS comemora 150 milhões de toneladas movimentadas no Porto de Setúbal A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA comemorou, durante o mês de Março, o record de 150 milhões de toneladas movimentadas no Porto de Setúbal, a contar desde 18 de Dezembro de 1923, altura em que foi criada a Junta Autónoma das Obras do Porto e da Barra de Setúbal e do Rio Sado. Com a realização desta iniciativa, a APSS visou os seguintes objectivos: homenagear as gerações de colaboradores que co ntr i b uí r a m pa r a o d esenv o lv i mento d o po r to e, consequentemente, para a realização daquele record; destacar o p ap el d o s a ctu a i s c o l ab o r a d or es d a A P SS e da s empresas/instituições parceiras na “construção do porto”, envolvendo a “grande equipa” do porto no evento; dar a conhecer o porto aos colaboradores e à população da região de Setúbal.

a conhecer as actividades portuárias ao público em geral e promover a abertura do porto à cidade. As comemorações encerraram no dia 10 de Abril com uma cerimónia simbólica, realizada no Terminal Multiusos 2, a que assistiram mais de duzentos convidados, entre entidades oficiais, clientes, comunidade portuária, fornecedores, ex-administradores da APSS, jornalistas e colaboradores da empresa. A comissão de honra integrou, além do presidente do CA da APSS, Engº Carlos Gouveia Lopes, a Senhora Secretária de Estado dos Transportes, Engª Ana Paula Vitorino, a Senhora Governadora Civil, Arquitecta Teresa Almeida, e o Senhor Presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Carlos Sousa. O presidente do CA da APSS no discurso de abertura da cerimónia, agradeceu o contributo das gerações de colaboradores e parceiros de negócio que, “ao longo de 83 anos, deram o seu melhor em prol do desenvolvimento do Porto de Setúbal, tornando-o no porto atractivo que hoje conhecemos”. Como prémio simbólico do record deste porto na movimentação de 150 milhões

O programa incluiu várias actividades, iniciando-se com as “Tardes do Porto de Setúbal”, que compreendeu quatro palestras temáticas, a saber: “Um Porto com História”, pela Profª Doutora Conceição Quintas; “Um Porto Moderno”, pelo Prof. Doutor Crespo de Carvalho; “A Náutica de Recreio”, pelo Dr. António Capoulas; “As Pescas”, pelo Dr. Eurico Monteiro. As apresentações proporcionaram a troca de pontos de vista e o convívio entre os oradores e os convidados da assistência. Outra das iniciativas consistiu na realização de visitas guiadas em autocarro aos terminais portuários, que pretendeu dar

04

de toneladas acumuladas, atingido em meados de Março, foi oferecida uma escultura de cristal ao representante da Grimaldi, Marcello Di Fraia, armador que completou esta marca. A Secretária de Estado dos Transportes, Engª Ana Paula Vitorino, encerrou a cerimónia sublinhando a importância dos portos portugueses enquanto portas de entrada e saída da Península Ibérica e enunciou as transformações que estão em curso no sector, que visam reforçar o papel dos nossos portos como pontos de referência nas rotas intercontinentais.


NOTÍCIAS

APSS apresentou Plano Estratégico No dia 28 de Março, no âmbito do programa das comemorações do record das 150 milhões de toneladas movimentadas no Porto de Setúbal, a APSS, SA apresentou o Plano Estratégico dos Portos de Setúbal e Sesimbra à comunidade portuária, tendo-se divulgado as principais linhas estratégicas que irão balizar o desenvolvimento comercial e dominial dos dois portos durante os próximos anos. O documento foi elaborado pela consultora IN/OUT Global, com a participação dos membros do Conselho de Administração da APSS, dos quadros da empresa e dos principais membros da comunidade portuária, do qual resultou um instrumento participado e colectivamente assumido.

plano comercial agressivo e internacional, a executar com os concessionários; definição de serviços ferroviários de transporte combinado até Madrid; integração na logística ibérica em parceria com uma plataforma em Madrid; adequação da estrutura do porto, orientado-a para os grandes clientes e para a concorrência com os portos espanhóis.

Porto de Setúbal atrai número um mundial O Porto de Setúbal vai receber a primeira linha semanal de navios de contentores da Maersk Line, o maior operador global de linhas de contentores. O serviço efectua a ligação entre a Europa e a costa ocidental africana, com passagem em Algeciras, efectuando escalas semanais no Porto de Setúbal. Após um período de negociações que envolveu a Sadoport, o operador portuário com a concessão do Terminal Multiusos zona 2, e a APSS, SA, a Maersk Line acordou com este operador a prestação de serviços de operação portuária semanais neste terminal do Porto de Setúbal. A captação de linhas é uma prova das vantagens competitivas deste porto e representará um crescimento significativo do tráfego de contentores no Porto de Setúbal. A primeira escala em Setúbal está prevista para o final de Julho do ano em curso. Na opinião do Presidente do Conselho de Administração da APSS, na decisão de escolha do Porto de Setúbal terão sido valorizados a localização estratégica, os acessos marítimos, a rede

Vigo Leixões O Plano Estratégico preconiza uma visão de futuro, que

Setúbal

posiciona o Porto de Setúbal como a solução ibérica mais

Algeciras

interessante (em tempo e custos), para uma qualquer ligação até Madrid que pretenda utilizar Setúbal como entrada/saída da Península Ibérica, com navios até doze metros livres de calado, em qualquer condição de maré.

Dakar

O plano aposta no reconhecimento do Porto de Setúbal como líder nacional no segmento Ro-Ro, na diversificação de mercados, na subida de valor através da carga contentorizada e

Point Noire

ainda em cadeias logísticas iberizadas. Luanda Das principais acções previstas no Plano Estratégico destacam-se as seguintes: concepção e operacionalização dum

Walvis Bay

05


NOTÍCIAS

RNPL inclui mega plataforma logística no Poceirão

Vigo Leixões Setúbal

A Rede Nacional de Plataformas Logísticas, anunciada no

Algeciras

dia 9 de Maio deste ano pelo Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Engº Mário Lino, prevê a construção duma plataforma logística na localidade de Poceirão, que será a maior do País, com uma extensão de 420 hectares. Trata-se dum

Dakar

investimento de 307 milhões de euros. A plataforma logística do Poceirão tem subjacente o conceito Point Noire

de multimodalidade (rodo e ferroviária) e será vocacionada para apoiar as necessidades logísticas e de transporte da Área

Luanda

Metropolitana de Lisboa, designadamente das mercadorias que utilizam os portos de Lisboa, Setúbal e Sines. Dentre os objectivos

Walvis Bay

estratégicos, destacam-se a articulação dos fluxos logísticos internacionais, nacionais e regionais e o alargamento do hinterland do s po rtos, atrav és d a oferta d e acti vidades l ogísticas

de acessos terrestre, a dimensão do terminal e a flexibilidade e

complementares.

qualidade garantidas pelo operador portuário. O serviço que integra a linha West Africa escala os seguintes portos: Vigo, Leixões, Setúbal, Algeciras, Dakar, Pointe Noire, Luanda, Walvis Bay (nas saídas em semanas pares); Vigo, Leixões, Setúbal, Algeciras, Mindelo, Luanda e Walvis Bay (nas saídas em semanas ímpares). A Maersk é um operador global com serviços em todo o mundo, com cerca de 325 escritórios, localizados em 125 países. Dispõe duma frota superior a 500 navios de contentores e mais de 1.400.000 contentores. Entre as diversas distinções atribuídas à Maersk, destacamse a nomeação para "Best Global Shipping Line", no 20th Asian Freight and Supply Chain Awards (AFSCAs), em Kuala Lumpur, a 27 de Abril de 2006, e a nomeação para “Best Global Carrier 2006”, atribuído na cerimónia de comemoração dos 50 anos de contentorização, “Containerisation International Awards Ceremony”, realizada em Nova York, em 23 de Março de 2006.

Esta plataforma conta com um investimento total estimado de 307 milhões de euros, dos quais 17 milhões em acessibilidades. De acordo com a Secretária de Estado dos Transportes, Engª Ana Paula Vitorino a plataforma "usufrui de bons acessos rodoviários (IP1, IP7 e IC11) e a nível ferroviário tem ligação às linhas do Sul e do Alentejo e futuramente à linha de Alta Velocidade LisboaMadrid prevista para tráfego misto". Para além da plataforma do Poceirão, que dista do Porto de Setúbal cerca de 15 km, este porto irá ainda beneficiar da plataforma transfronteiriça Elvas/Caia, permitindo o alargamento

06


NOTÍCIAS

do seu hinterland. O projecto tem um investimento de 59 milhões

Na apresentação do plano, o Ministro das Obras Públicas,

de euros, ocupando uma área de cerca de 60 ha, que inclui áreas

Transportes e Comunicações sublinhou o papel da designada Janela

de logística especializada, multifunções, serviços de apoio às

Única Logística, que consiste na interligação das plataformas logísticas por um sistema informático que integre as autorizações

empresas, veículos e um terminal multimodal.

alfandegárias à exportação e importação de mercadorias, bem A Rede Nacional de Plataformas Logísticas tem por objectivo transformar Portugal numa Plataforma Atlântica de entrada de

como as restantes autorizações administrativas à saída e entrada de bens no país.

mercadorias internacionais no mercado ibérico e europeu e servir as necessidades nacionais e regionais. O projecto, que representa um investimento total de 1.038 milhões de euros e uma área total de 844 ha, distribuída por onze plataformas, visa a captação de novos tráfegos (2 milhões de tons), uma redução em cerca de 10% dos custos logísticos, bem como a redução de emissões poluentes. A rede de plataformas contempla quatro tipologias, a saber: (1) Plataformas urbanas nacionais, que visam reordenar o sistema logístico e os fluxos de transporte, previstas para Maia/Trofa e para Poceirão; (2) Plataformas portuárias, que visam incrementar a actividade portuária e expandir a sua área de influência, a construir em Leixões, Aveir o, Bob adela e Sines; (3) Pl ataformas transfronteiriças, direccionadas para o desenvolvimento da economia regional e para a expansão do hinterland dos portos portugueses, a criar em Valença, Chaves, Guarda e Elvas/Caia; (4) Plataformas regionais, que irão contribuir para a coesão da rede, a construir em Tunes, na região algarvia.

Plano de investimentos da APSS,SA em 2006 Acessos

Porto Comercial

Financiamento

Extensão do Terminal Ro-ro para montante 1ª fase (Estudos)

Investimento FC PIDDAC APSS, SA

187 159

Recuperação Ambiental/Funcional do Terminal Investimento Eurominas e Acessos Terrestres FC PIDDAC 1ª fase (Estudos) APSS, SA

368 313

28

Plano de Monitorização Ambiental dos Portos de Setúbal e Sesimbra

Reparação do caminho-de-ferro no Terminal Multiusos

1500 1500

Investimento F. Comunit. PIDDAC APSS, SA

191

Investimento F. Comunit. PIDDAC APSS, SA

383

Investimento FEDER/MARE PIDDAC APSS, SA

50

191

Pesca Investimento FEDER PIDDAC APSS, SA

322 115 100 105

Instalações de Apoio ao Trem Naval de combate Investimento à poluição e reboques FEDER PIDDAC APSS, SA

4.292 2.380 800 1.112

Equipamento de Pilotagem

Dragagens de Manutenção no Porto de Setúbal Investimento F. Comunit. PIDDAC APSS, SA

55

Ambiente e Segurança

Financiamento

Investimento F. Comunit. PIDDAC APSS, SA

800 800

Ordenamento do Porto de Sesimbra

Reabilitação do Edifício da Lota do Porto de Setúbal 1ª fase - Projecto TOTAL

Investimento F. Comunitários PIDDAC/OE APSS,SA

303 80

50

8.094 2.967 1.203 3.924

UN:1000 Euros

07


OPINIÃO

organizacional interligada em rede, associada a exigências de vocação e racionalidade. O porto moderno é uma entidade complexa que envolve infra-estruturas e equipamentos que possibilitam o interface do navio com outros modos de transporte, dotada de condições para a prestação de serviços à carga e ao navio, com zonas para a localização de outras organizações associadas ao transporte marítimo e espaços para o desenvolvimento de concentrações empresariais, especialmente indústrias. Na perspectiva mais abrangente o porto moderno transforma-se num centro de negócios. Por razões de índole económica, é importante conhecer o tipo de serviços que certo porto pode realizar tão bem ou melhor que outros e com tarifas ou preços mais vantajosos. Por sua vez, o conhecimento dos agentes deste ou daquele porto tem significado económico, que decorre da sua identidade e denominação ou marca. O porto dispõe de certos requisitos diferenciados que lhe confere posicionamento.

O Porto de Setúbal nas áreas metropolitanas

per ceber o po rto co mo

J. Augusto Felício*

ec onó mi co s

É da maior importância organização, com objectivos e

de

rendibilidade, em competição

Nas áreas metropolitanas de Lisboa e Setúbal, localizam-

com outras organizações.

se cerca de 3,2 milhões de habitantes e compreende um dos

Quem acompanha o sector

principais pólos de concentração industrial e comercial do país,

portuário nacional reconhece

num raio de cem quilómetros centrado entre as duas cidades, onde

a existência de défice de

se realizam cerca de 31% do PIB industrial nacional.

competição intra e entre portos

O porto de Setúbal dista 40 km a sul de Lisboa, com uma

nacionais. Dentro do porto

larga tradição de porto comercial, considerando-se a região

porque é insuficiente o volume de actividade para sustentar a

circundante ao porto como local ideal para a localização de

competição entre operadores. Entre portos pelas mesmas razões,

investimentos industriais e logísticos (APSS, Handbook). Ou seja,

com consequências no tipo de investimentos.

nesta imensa área, à dimensão do país, existem dois dos maiores portos nacionais, com histórias muito diferentes. Desde a antiguidade que o porto de Lisboa tem tradição comercial, como porto nacional. O Director deste porto, até recentemente, possuiu estatuto e prerrogativas equivalentes a Ministro de Estado. Ao invés, o porto de Setúbal, muito embora, desde longa data, seja um importante centro de comércio marítimo, apresenta história comercial com maior significado económico em período bem mais recente. Porventura, esta realidade estará ainda a criar obstáculos ao seu desenvolvimento. Tem-se vindo a assistir a grandes mudanças económicas e sociais. Nesta perspectiva, para compreender o desenvolvimento actual e futuro dos portos de Lisboa e Setúbal, torna-se necessário colocar três questões essenciais: a) o que se entende hoje por porto moderno; b) como assegurar a rendibilidade dos enormes investimentos em capital intensivo num porto moderno, eficiente e eficaz; c) como entender a cidade como entidade multi-

08

Será que é possível e recomendável que os portos nacionais estejam em competição entre si? Será que realizando-se investimento público este não tem um preço? Será que o mercado nacional dispõe de massa crítica para suportar a competição entre os portos principais? Será que cada porto, per si, dispõe de condições competitivas entre terminais? Cada porto deveria especializar-se. Trata-se da vocação. Na União Europeia existem mais de mil portos. Percebendo que a UE pretende reduzir o seu número, por questões de racionalidade de investimento e de internalização de custos, por que razão o sistema portuário nacional não se adapta à sua dimensão crítica? Optar por vocacionar os portos e apostar a nível nacional pela sua complementaridade parece ser, porventura, o caminho adequado. Apostar na vocação do porto de Setúbal antecipa o futuro. Qual deverá ser a sua vocação? Deverá competir com outros portos


OPINIÃO

n o mesmo mercad o p er ti nen te ou d ev er á ap ostar na

próximas das áreas metropolitanas – mercado – e porque o porto

complementaridade das suas actividades essenciais – core? Quem

dispõe de condições para explorar terminais dedicados. Os terminais

determina as complementaridades? Quem se dispõe a investir nos

multiusos e roll-on roll-off são muito utilizados.

portos se não forem rendíveis? – Apenas o Estado. Porquê e com que propósito? Neste caso, tenha-se em atenção que os preços ou tarifas deverão basear-se no mercado internacional. Quando se lêem os relatórios e contas de entidades públicas

A rede nacional de plataformas logísticas que, segundo o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, permitirá ‘transformar Portugal numa Plataforma Atlântica de entrada de movimentos internacionais no mercado ibérico e europeu’, apresenta

ou se assiste à publicitação de planos estratégicos os portos

na área de influência do porto de Setúbal a Plataforma multimodal,

apresentam elevadas taxas de crescimento baseadas, por exemplo,

rodo e ferroviária do Poceirão, de apoio à A.M. de Lisboa e aos

no hinterland de Madrid. Será que as projecções são realistas? Os

portos de Lisboa e Setúbal. Este facto privilegia naturalmente o

portos de Valência, Algeciras, Vigo, Santander ou Bilbau têm ou

porto de Setúbal como porto industrial e comercial. Por sua vez,

não grande interesse competitivo em relação ao hinterland de

é um porto com vocação comercial. Em que actividades deverão

Madrid? Não deveriam os portos nacionais competir com os portos

apostar?

ibéricos e europeus? A ambição desmedida afecta a credibilidade. Observe-se

O porto é condição necessária mas não suficiente para o desenvolvimento da cidade. Não é suficiente porque são necessárias

que um dos papéis dos gestores é o de assegurar a sua própria

condições logísticas e outras para que as indústrias numa economia

credibilidade e a credibilidade das organizações que dirigem.

moderna e competitiva façam a opção pela localização. Não basta

A análise orienta o porto de Setúbal no sentido de o vocacionar

o porto. Qual é hoje o papel da cidade moderna?

como porto industrial e porto comercial. Porto industrial porque

Observe-se a relação entre o porto e a sua cidade. Que influência

dispõe de terminais dedicados devido a residirem na sua área de

tem o porto no desenvolvimento da cidade de Setúbal? Em que

influência indústrias que deles necessitam para operar. Porto

medida o seu desenvolvimento depende do porto? Hoje e no futuro

comercial porque dispõe de condições para servir o mercado

a cidade crescerá dependente, no essencial, das opções e vocação

diverso das áreas metropolitanas de Lisboa e Setúbal.

determinados para o porto industrial e porto comercial.

A vocação do porto torna-se visível na análise dos seus

Esta avaliação é da maior importância e liga-se com o novo

tráfegos. O porto movimentou cerca de 6,6 milhões de toneladas,

conceito de cidade e de terminais dedicados. Que condições deverão

em 2005. A carga de cabotagem, com cerca de 1,3 milhões de

proporcionar as cidades aos cidadãos e às empresas para que estes

toneladas, representa 19,4% do total da carga movimentada. A

optem por escolher esta ou aquela cidade? As cidades competem

carga com destino fora da União Europeia representa cerca de 37%

ou não entre si? Se sim, quais são as condições que deverão

do total movimentado e com destino à EU cerca de 44%.

desenvolver para atrair os investidores e as pessoas?

São os terminais multiusos, terminal RO-RO e terminais

A cidade passou a ser uma entidade multi-organizacional

dedicados os mais usados. Por modo de acondicionamento, os

interligada em rede, o que implica consequências profundas nos

granéis sólidos registaram cerca de 3,2 milhões de toneladas,

conceitos adoptados. As pessoas cada vez mais concentram-se

equivalente ao conjunto dos granéis líquidos e à carga geral, com

em aglomerações urbanas para beneficiar de condições de serviço

cerca de 3,4 milhões de toneladas.

e de infra-estruturas, o que coloca as cidades em competição entre

A car ga d e co nten to r es

si. Daqui inferem-se diferentes graduações, conforme as condições

continua a evoluir. Entretanto,

oferecidas, o que leva os cidadãos a escolher onde viver e onde

a Ma er sk tr an sf er i u -se

trabalhar. Os fluxos e refluxos de imigração espelham à escala de

recentemente para o porto de

um país pouco desenvolvido o fenómeno.

Setúbal. Por sua vez, os terminais de uso privativo movimentam cerca de 60% do total do porto, claramente em cr escimento face aos terminais públicos. Entretanto, a actividade dos terminais associados a indústrias tem vindo a crescer, porque a região é atractiva, nomeadamente

Assumindo alguns destes factores como sustentáveis, compreende-se a importância que tem a cooperação entre si dos responsáveis pela cidade e pelo porto, o que confere vantagem para o desenvolvimento da região. (*) Doutor em Gestão Director do curso de Pós-graduação em Gestão do Transporte Marítimo e Gestão Portuária

porque as indústrias aproveitam as infra-estruturas logísticas

09


OPINIÃO

Os desafios da Segurança “Protecção“ na sustentação da visão estratégica do Porto de Setúbal Pedro Ponte (*)

A segurança é um pré-requisito para o desenvolvimento

incremental, passando a abordar o porto como uma unidade,

económico sustentado. Os conflitos não só destroem estruturas,

integrando os vários planos de segurança das instalações portuárias

incluindo as sociais, como também encorajam a criminalidade,

num plano de segurança do porto e surgindo a figura do oficial de

detêm o investimento e impossibilitam a normal actividade

segurança do porto.

comercial. Alguns países europeus, apanhados indirectamente em ciclos de conflitos, insegurança e pobreza, tornam-se focos de movimentos migratórios e acções terroristas difíceis de eliminar.

Tenta-se por via da gestão integrada e do reforço da segurança atingir os seguintes benefícios :

Os portos representam um dos elos mais sensíveis da

1. Garantir a continuidade do fluxo comercial do Porto e

cadeia de abastecimento, pelo facto de, por estes passar uma

proporcionar um enquadramento uniforme para o reforço

percentagem enorme de todas as mercadorias do comércio internacional (90 % do volume), são pólos em torno dos quais gravitam actividades de expedição de mercadorias perigosas e ainda são o ponto de encontro de múltiplos interfaces públicos e privados.

da segurança nos portos; 2. Reduzir a probabilidade de incidentes e aumentar a eficiência da gestão de crises; 3. Reduzir os tempos de resposta por via do planeamento, si mul açã o, tr ei no, co mu ni caçõ es e netw or kin g; 4. Reduzir o impacto económico por via da identificação das

Reconhecendo a relevância e vulnerabilidade do transporte

infra-estruturas críticas para a continuidade operacional;

marítimo e das instalações portuárias, as entidades e agentes

5. Mitigar as repercussões socio-económicas visando diminuir

económicos viram-se obrigados a reforçar a sua segurança através da regulamentação internacional estabelecida pela Organização Marítima Internacional (OMI), com a implementação, a 1 de Julho de 2004, do Código ISPS e do regulamento nº 725 do Parlamento E ur op eu e d o C on sel ho , d e 31 d e Ma rço d e 2004.

os tempos de recuperação; 6. Melhorar a credibilidade e a imagem públicas dos portos e diminuir os prémios das seguradoras; 7. Promover o relacionamento e cooperação interna nas comunidades Portuárias, partilhando responsabilidades na prossecução da segurança;

Considerando que a legislação existente estava limitada

8. Promover o relacionamento e cooperação externa entre

ao interface navio/instalação portuária e que cobria apenas parte

entidades reguladoras, autoridades e shipping mundial,

das medidas necessárias para garantir um nível de segurança

proporcionando o mútuo reconhecimento e a diminuição de

adequado em toda a cadeia de transporte conexa, surge a directiva

formalidades;

nº65 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 26 de Outubro de

9. Promover uma abordagem pluridisciplinar, com particular

2005, relativa ao reforço da segurança nos portos, apresentando-

enfoque na relação entre a segurança e o ambiente natural

se como um segundo patamar de medidas com exigência

das zonas portuário-marítimas e não marítimas, num quadro

10


OPINIÃO urança portuária;

seguras, que beneficiarão de maior facilitação aduaneira na entrada

flexibilidade e polivalência de actuação em

nos Estados Uni dos, Canadá e Austrál ia, entre outr os.

cidentes de causa natural, quer para o transporte r para as populações contíguas, quer ainda para ho e terrestre.

A segurança dos transportes tornou-se numa questão mundial de importância vital para a competitividade dum porto e das cadeias logísticas associadas, onde o fulcro está em encontrar

emento da segurança tem um investimento

o equilíbrio dinâmico entre segurança e livres trocas comerciais.

a aquisição de tecnologia, na formação dos rocesso logístico ou simplesmente na entropia

Face à premência dos desafios, o Porto de Setúbal está,

nto, aumentar a segurança das cadeias logísticas

conjuntamente com outros dezasseis parceiros, envolvido no

ra a eliminação de formalidades supérfluas e

projecto Europeu SOBCAH – Surveillance of Borders, Coastlines

ficações, promovendo uma maior fluidez das

and Harbours, o qual visa aferir o potencial da utilização de tecnologia de ponta no reforço da segurança das fronteiras terrestres e

citamente mais comércio.

marítimas. > Maior Flu idez

> Mais co mé rcio CONCLUSÃO O terrorismo é uma das maiores ameaças à democracia

que os benefícios associados à harmonização

e à liberdade. O risco de um ataque terrorista dirigido contra o

rmitirão reduzir e economizar entre 0,2

transporte de mercadorias mantém-se

das mercadorias transaccionadas. O

elevado. Os danos potenciais, em termos de vidas e de actividade económica são

deste processo deverá ser o contributo

i n comensur á vei s e imp r ev i sív ei s.

dade do desenvolvimento económico entes, social, económica e ambiental

O porto moderno também é sinónimo

peração e a complementaridade entre

de porto seguro. Deste modo e no seio da

do sector.

feroz concorrência portuária, a segurança zinha o terceiro patamar de medidas missão Europeia que irá abranger a ias logísticas e consiste nos seguintes apresenta-se cada vez m sistema obrigatório que exige aos Estados-

mais como factor de

ção de um rótulo de qualidade em matéria de

diferenciação positiva e

erador seguro"), concedido a operadores da ecimento que satisfaçam níveis de segurança eus, permitindo o reconhecimento mútuo do ado interno; adores da cadeia de abastecimento responsáveis penho em matéria de segurança no transporte rcadorias; operadores seguros" beneficiar de facilidades

como arg umento na angari ação de novas linhas comerciais. Em suma, a visão estratégica gizada para o Porto de Setúbal “ ....porto internacional ibérico com futuro, reconhecido como porto líder e inovador no movimento de veículos, ligeiros e com carga em sistema roll-on roll off.....” só será alcançada se garantirmos segurança

ização de controlos de segurança, distinguindo-

e estiver assegurada a protecção das pessoas, dos transportes

sitiva dos seus concorrentes, dando-lhes assim

ma rítimos e terrestres e das respectiv as mercad ori as.

termos comerciais e de competitividade. A segurança não é apenas um custo, também é uma mento só existem dois tipos de portos: os que não cumprem. Em breve surgirá uma marca de fety, security) que permitirá aos operadores nciarem-se dos operadores menos eficientes, abelecimento de cadeias de abastecimento

oportunidade e uma opção estratégica. Pedro Ponte Licenciado em Engenharia Naval pelo IST Pós graduado em Gestão do Transporte Marítimo e Gestão Portuária ( ISEG ) Pós graduado em Empreendorismo, VECTOR-E ( IST ) Oficial de Segurança da APSS,S.A. ( Security )

11


SESIMBRA

Clube Naval de Sesimbra quer crescer O porto de recreio de Sesimbra está a beneficiar da construção de uma rampa que irá permitir a qualquer utente a possibilidade de colocar ou retirar as suas pequenas embarcações na água.

atribuído pela Assembleia Municipal de Sesimbra (2005). Como é natural na vida de qualquer colectividade, o dia a dia faz-se de dificuldades e sucessos, o CNS conseguiu construir com o apoio da APSS, uma marina que actualmente tem 170 lugares de acostagem, espaço que se mostrou ser exíguo para a forte procura por parte dos sócios da colectividade e visitantes de Sesimbra, que encontram na costa, entre o Cabo Espichel e a praia da Arrábida, o prazer de navegar em águas calmas, na maior parte do ano. Os dirigentes do CNS trabalham para superar a dificuldade causada pela falta de lugares na marina, pois têm mais de trezentas inscrições em lista de espera, o que os leva a pensar numa segunda fase que permita a implantação de mais cem postos de amarração para o recreio. No entender do presidente da Direcção do Clube Naval de Sesimbra, Eng. Lino Correia, “procura-se que o porto de recreio seja a grande sala de visitas de Sesimbra, mas para isso é necessário que o Plano de Ordenamento da Arrábida o contemple e que a Docapesca também colabore”. O desabafo daquele dirigente associativo vai mais longe quando pede “que as limitações do PNA não entravem a náutica de recreio, pois onde se diz que é interdita a presença humana, estamos a falar da proibição de fundear a menos de um quarto de milha da costa, onde se chega a ter fundos

No desenvolvimento da náutica de recreio no Porto de Sesimbra, o Clube Naval assume um papel de significativa importância, designadamente no trabalho desenvolvido junto das escolas do concelho, com as quais celebrou um protocolo que proporciona aos alunos a prática da canoagem. O sucesso destas iniciativas está patente na internacionalização de Marta Cabral, que esteve recentemente na 38ª Regata Internacional de França; de Guilherme Cabral, presente nos Europeus de Canoagem, em Atenas, e da equipa deste clube que participou na Taça do Mundo Oceânica, em Lisboa. Tão

ou

mais

i mp o r tan tes q ue estes recentes sucessos, são a divulgação e apoio à prática do remo, na tação , ca ça submarina, pesca desportiva e v el a, a cti vi dad es que mereceram o reconhecimento do papel do Clube Naval desde que foi fundado em 3 de Setembro de 1930, em iniciativas como a Distinção de Bons Serviços pelo Governo da República, a atribuição do galardão de Mérito Municipal, grau prata, pela Câmara Municipal de Sesimbra (1966), o galardão de Mérito Turismo pela Região de Turismo Costa Azul (1999) e com o Prémio Espichel

12

a mais de cinquenta metros”. Com boas instalações ao nível de sede, o CNS proporciona aos seus associados e demais população de Sesimbra boas condições para a prática da actividade física, não se limitando às decorrentes da náutica.


BREVES

Dragagens de manutenção no Porto de Setúbal Os cuidados e preocupações ambientais que a APSS procura incutir nas suas acções, levaram a que a segunda campanha, inserida no plano de dragagens 2004/2007, tivesse decorrido de Outubro do ano passado a Março, dado que este período corresponde ao de menor actividade biológica da maioria das espécies existentes no estuário do Sado. As dragagens foram realizadas nos canais da Barra, Norte e Sul, e nas bacias de rotação e de estacionamento dos diferentes terminais do Porto de Setúbal, tendo o volume total da presente campanha atingido os 190.000 metros cúbicos. Todo este esforço, procura dotar o Porto de Setúbal de adequados e eficazes acessos marítimos, melhorando as suas condições de competitividade, a par da garantia de excelentes condições de segurança marítima. Com a conclusão destas dragagens o Porto de Setúbal

APSS colabora com Marinha

passou a receber navios com calado até 10 metros, em qualquer condição de maré e de 12 m condicionados à maré.

Portugal foi a nação responsável, no seio das comunidades das marinhas da NATO, pela introdução da doutrina experimental

Japoneses visitaram porto de Sesimbra Uma delegação de japoneses, da qual fizeram p ar te Yo shi no r i Ugaj i n, d i recto r d a D i vi são d e

para defesa contra ameaças terroristas e a APSS colaborou, como sempre acontece, nos exercícios que visaram promover e reforçar as condições de segurança de navegação, durante o exercício que decorreu, na primeira quinzena de Maio, entre os cabos Espichel e de S. Vicente. A colaboração da APSS vi sou prevenir po ssíveis interferências entre as actividades económicas marinhas e as operações navais.

Construção das Infra-estuturas das Pescas do Departamento de Agências de Pesca do Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas do Japão, e Yuji Nishi, engenheiro civil para as Infra-estruturas da Pesca, daquele Departamento nipónico, visitaram o Porto de Sesimbra, onde foram recebidos pelo comandante António Ribeiro, director do Porto de Sesimbra. Os visitantes começaram por se inteirar de toda a actividade do Porto de Sesimbra e realizaram uma visita pormenorizada à área da Docapesca, onde foram acompanhados por António Teixeira. Seguiu-se uma visita à Artesanal Pesca, cooperativa de congelação de pescado, guiada por Manuel Pólvora Santos e Manuel Fernandes, respectivamente presidente e administradordelegado, que mereceu a atenção especial dos visitantes.

13


BREVES

Empresários britânicos visitaram Porto de Setúbal

APSS coloca GESPor Web ao serviço de clientes A APSS-Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, S.A. colocou ao serviço dos clientes e das várias entidades com que se relaciona no âmbito portuário, uma solução de gestão

Uma delegação comercial,

portuária via Internet, o GESPor Web. Esta aplicação, ao ser suportada por procedimentos informáticos, conduz a uma

composta por elementos de

flexibilização total da comunicação entre os vários intervenientes

i n s ti t u i ç õ e s

da comunidade portuária.

b r i tâ n i c a s

relacionadas com a Segurança-Security, visitou o Porto de Setúbal com o propósito de estreitar relações e salvaguardar a segurança

É neste âmbito de afirmação do Porto de Setúbal e de

nas trocas comerciais com Portugal.

persecução dos conceitos de simplificação e harmonização de processos, que alicerçam o princípio da janela única portuária, que

Jack Leyland, inspector-chefe da Polícia de Liverpool e Risto

a aplicação GESPor Web se reveste de maior importância para o

Talas, promotor das exportações britânicas, integraram a comitiva,

Conselho de Administração da APSS.

na visita que foi solicitada pela Embaixada de Inglaterra, ao nosso país, e concertada com a UK Trade & Investment, organização governamental inglesa que visa potenciar oportunidades de negócio às empresas que pretendam internacionalizar-se e expandir o seu mercado alvo.

Comunidades Portuárias analisam práticas em uso nos portos nacionais

Com o GESPor Web os procedimentos administrativos e documentários são tratados ao nível electrónico e de forma coordenada entre diversas entidades. Esta aplicação permite, assim, agilizar procedimentos administrativos e reduzir o tempo necessário para cumprir as formalidades inerentes ao processo de gestão de navios e de cargas. A tecnologia via internet, factor potenciador da mobilidade, com o subsequente abandono do conceito de escritório como

O Workshop que teve lugar na sede da APSS, em Setúbal,

posto fixo de trabalho, apresenta-se cada vez mais como elemento

reuniu as Comunidades Portuárias dos portos de Viana do Castelo,

facilitador da gestão.

Aveiro, Setúbal e Faro com a PricewaterhouseCoopers, empresa à qual foi adjudicado o trabalho correspondente ao estudo e

14


BREVES

levantamento da situação actual e práticas em uso nos portos nacionais do PIP’e – Procedimentos e Informação Portuária electrónica – que é um projecto assumido pela APP – Associação

Gestão de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos

dos Portos de Portugal - e que tem por objectivo a normalização de informação, simplificação e harmonização de procedimentos nos portos portugueses.

A APSS, S.A. recebe anualmente um Certificado de Tratamento de Lâmpadas fluorescentes e de descarga de mercúrio, o qual confirma a recepção e tratamento das mesmas pela empresa

O PIP’e contempla um diagnóstico da situação actual, uma

Ambicare. No âmbito desta boa prática ambiental recolheram-se,

proposta de solução normalizada e simplificada e um plano para

nos anos de 2004 e 2005, cerca de cem quilos desta tipologia de

atingir essa meta. Está em conclusão a primeira fase dos trabalhos

resíduos.

e os contributos decorrentes desta apreciação que permitirão elaborar o relatório final desta fase.

O envio destes resíduos perigosos para reciclagem possibilita a valorização dos seus materiais constituintes, numa óptica de

Regata de galeões do sal

maximização de recursos naturais e diminui os impactes ambientais associados, principalmente à libertação de vapores de mercúrio, em caso de quebra.

A APPM – Associação Portuguesa do Património Marítimo levou a cabo, com o patrocínio da APSS, nos finais de Abril, uma regata de Galeões do Sal entre Setúbal e Sesimbra. A iniciativa teve como objectivo atrair um número considerável de participantes

Preservação da memória do galeão ‘Fundação de Portugal’

e realçar a importância do património naval português, em especial a do estuário do Sado.

Uma parceria entre a APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, S.A., e o MAEDS – Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal/Assembleia Distrital de Setúbal, com vista à avaliação e recuperação do património arqueológico naval da área de jurisdição da APSS, teve início com a preservação da memória do galeão «Fundação de Portugal». Com a construção das instalações de apoio às embarcações e equipamentos de segurança do Porto de Setúbal e aos rebocadores em Santa Catarina, na península de Mitrena, considerou-se

A edição deste ano incluída no programa municipal Jogos do Sado ficou marcada pela realização de outra regata, “Wintermantel”, que ligou Lisboa/Setúbal/Sesimbra, com quarenta e três veleiros, o que permitiu conferir uma imagem rara ao estuário, com uma qualidade inusitada de veleiros.

15


BREVES

necessár i o per petuar a memória daquele galeão, que se encontrava abandonado no local e que veio a ser alvo da elaboração dum projecto técnico, que permitirá a futura reconstrução, e de recolha de el em en to s té cn i co s

e

Crianças visitam o Porto de Setúbal Oitenta e oito crianças da Escola Básica 1/ Jardim de Infância de Montalvão, de Setúbal, com idades compreendidas entre os sete e os oito anos, acompanhados por oito professores, estiveram no Porto de Setúbal, onde puderam aprender mais sobre as actividades do porto, assistindo à projecção de um vídeo explicativo, seguind o-se uma visita aos

artísticos da embarcação.

termina is ond e pu der am observar a movimentação de

O projecto de recuperação da memória do Fundação de

carga.

Portugal foi promovido e patrocinado pela APSS e contemplou a concretização de um programa de acções coordenadas e

A v i si t a i n ser i d a no

operacionalizadas pelo MAEDS.

“Projecto Escolas” teve como o b j ec ti v o tr a ns mi t i r a

APSS, SA apoia congressos do sector

importância do papel do Porto de Setúbal ao longo da história e nos dias de hoje.

A APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA apoiou recentemente três eventos ligados ao sector portuário: o 8º Ciclo de Seminários da Transportes & Negócios – O Transporte Marítimo, que se realizou dia 30 de Março, na cidade do Porto, que contou com a intervenção do Presidente do Conselho de Administração da APSS, SA, Engº Carlos Gouveia Lopes, entre outras; o 31º Congresso da Associação Internacional de Navegação, que teve lugar no Centro de Congressos do Estoril, de 14 a 18 de Maio; O Transporlog 2006 – Salão e Conferência Ibérica para o Transporte de Mercadorias e Logística, que se realizou de 31 de Maio a 3 de Junho em Alcântara, com a participação da APSS num stand, uma acção conjunta dos cinco principais portos nacionais.

Recolha de óleos A APSS, S.A. está a reestruturar a rede de oleões distribuídos ao longo da sua área de jurisdição, no sentido de melhorar a recolha selectiva dos óleos usados resultantes da manutenção dos motores das embarcações e, simultaneamente, a segurança dos utentes. Como complemento e ainda no âmbito das boas práticas ambientais, incentiva-se a deposição selectiva de filtros usados e desperdícios, em bidões, devidamente identificados, localizados junto aos oleões. A APSS, S.A. pretende ainda reforçar a mensagem da importância ambiental da recolha selectiva desta tipologia de resíduos, através de placas informativas.

Visita à SLEM Uma delegação da APSS, de que fazia parte os Drs. José Sacoto, Vitor Caldeirinha e Fátima Évora, respectivamente Director de Gestão de Concessões e Património Dominial; Director de Desenvolvimento Estratégico e Logístico e Chefe de Departamento de Marketing e Documentação, esteve nas instalações da SLEM – Sociedade Luso-Espanhola de Metais, Lda, em Palmela, no âmbito do programa de visitas a clientes de produtos metalomecânicos, previsto no Plano Comercial do Porto de Setúbal. A SLEM dedica-se ao armazenamento e corte de chapas de aço, tendo produzido no ano passado 160.000 toneladas e prevê chegar este ano às 200.000 toneladas.

16


Valores Anuais

ESTATÍSTICAS

Movimento de Navios Tipos de Navio Carga Geral Transp. Especiais Graneis líquidos Graneleiros Contentores Outros Total

Unidade : Número Var.05/04 Var.06/05 -23,8% 2,4% 0,5% -5,6% 28,1% -12,3% -23,8% 21,9% 100,0% -100,0% -80,0% 100,0% -13,8 -0,9%

2004 442 196 57 42 3 5 7451

2005 337 197 73 32 2 1 642

2006 345 186 64 39 0 2 636

Mercadorias por modo de acondicionamento Graneis líquidos Graneis sólidos Carga geral Carga fraccionada Carga contentorizada Carga ro-ro Total

2004 356 1.566 930 708 67 156 2.853

2005 742 1.312 738 522 59 157 2.792

2006 505 1.315 757 568 41 149 2.578

Var.05/04 108,1% -16,2% -20,7% -26,2% -11,6% 0,6% -2,1%

Mercadorias carregadas Cimento Clinquer Conc. de cobre Ro-Ro Pasta de Madeira P.Metalúrgicos Adubos Pedras Ornamentais P. Agrícolas Fuelóleo Frutas Madeiras Ácidos Carvão e Coque Gasóleo e Gasolina Outros Total

2004 358,5 346,1 195,9 85,2 88,0 24,5 15,1 8,2 8,5 1,6 0,5 1,1 0,0 0,0 0,0 44,1 1.177

2005 322,3 248,6 166,9 82,5 100,2 14,2 10,3 2,6 17,9 3,1 0,0 0,02 0,0 0,0 0,0 34,0 1.003

2006 458,0 262,6 130,9 75,9 90,9 29,1 4,7 5,4 8,8 0,0 0,02 0,1 0,0 0,0 0,0 25,5 1.092

Unidade : Mil Tons Var.05/04 Var.06/05 -10,1% 42,1% -28,2% 5,6% -14,8% -21,6% -3,2% -8,0% 13,9% -9,2% -42,2% 104,9% -31,9% -54,1% -68,0% 106,9% 112,2% -50,8% 93,8% -100,0% -100,0% 100,0% -98,0% 272,1% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% -23,1% -25,0% -14,8% 8,9%

Mercadorias descarregadas P.Metalúrgicos Carvão e Coque Fuelóleo P. Agrícolas Adubos Gasóleo e Gasolina Ro-Ro Ácidos Cimento Frutas Madeiras Pasta de Madeira Pedras Ornamentais Clinquer Conc. de cobre Outros Total

2004 368,2 372,2 116,2 168,8 166,2 151,8 70,5 62,7 53,7 40,8 29,3 10,0 0,7 0,0 0,0 64,8 1.676

2005 331,2 235,1 528,1 87,7 173,1 123,7 74,1 70,5 67,6 40,5 1,1 3,1 0,2 0,0 0,0 53,1 1.789

2006 319,9 166,6 268,8 147,5 127,7 168,2 73,1 49,0 96,3 38,6 0,02 0,0 0,2 0,0 0,0 30,1 1.486

Unidade : Mil Tons Var.05/04 Var.06/05 -10,1% -3,4% -36,8% -29,1% 354,6% -49,1% -48,0% 68,2% 4,2% -26,3% -18,6% 36,0% 5,1% -1,4% 12,5% -30,5% 26,0% 42,4% -0,7% -4,6% -96,2% -98,1% -68,5% -100,0% -62,8% -23,4% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% -18,0% -43,3% 6,8% -17,0%

Movimento de Mercadorias Unidade : Mil Tons Var.06/05 -31,9% 0,2% 2,6% 8,7% -31,4% -4,9% -7,7%

Fonte: APSS, SA (DELOG)

17


CP da APSS

Passeio Carnavalesco a Badajoz

Cerca de uma centena de associados assistiram, num

A Casa do Pessoal da APSS, SA continua a proporcionar

a mb i en te

aos seus associados, familiares e amigos, momentos de lazer e

de

anim ado

convívio, às actuações do

cultura, num ambiente carnavalesco.

Grupo Típico Setubalense “Xico da Cana”, do “Hiper

No dia 26 de Fevereiro, cerca de 40 pessoas visitaram a

Cómico Tony” e de um duo

cidade espanhola de Badajoz, onde assistiram a um magnífico

de bailarinas.

desfile de Carnaval.

Honraram-nos com a sua presença o Presidente do Conselho de Administração da APSS, SA, Engº Carlos Gouveia Lopes, e o Administrador, Dr. Ricardo Roque.

Torneio de Snooker 2006 Dando cumprimento ao plano de actividades para o ano em curso, a CPPSS realizou o torneio de snooker 2006, no dia 14 de Março. O torneio, disputado na modalidade de eliminatórias, teve lugar na sala “Ora Bolas”, em Setúbal. A final foi disputada entre os associados Jorge Borda d’Água e António Martins, tendo o Toni vencido o torneio.

1º Torneio Interno de Pesca de Mar 2006 As actividades da CPPSS não param, no dia 25 de Abril realizou-se o 1º Torneio Interno de Pesca de Mar de 2006.

XVII Aniversário

Dezasseis associados participaram neste torneio que decorreu, entre as 7h00 e as 19h00, num ambiente de convívio e

A Casa do Pessoal

divertimento que a todos agradou.

festejou mais um ano de vida, com o tradicional jantar de

Foram variadas as espécies capturadas, das quais se

aniversário, no dia 21 de Abril,

destacaram diversos safios, bicas, sargos, besugos e sarguetas,

que teve lugar no Hotel

entre outros.

Campanile.

18


CP da APSS

A classificação final do torneio, que decorreu a bordo da embarcação “Emilia”, foi a seguinte: 1º Octávio Costa – 5,600 kg 2º Paulo Aldeia – 5,500 kg 3º Luis Durães – 5,250 kg 4º Fernando Felismino – 5,100 kg 5º Sixto Ferreira – 4,200 kg Maior exemplar: Octávio Costa – 1,700 kg O torneio culminou com uma excelente caldeirada, preparada pela tripulação e servida a bordo, aguçando o paladar de todos os pescadores.

teve lugar no bonito campo de tiro de Sto. Isidro de Pegões, no concelho do Montijo, no passado dia 10 de Junho. Chegados ao local os associados realizaram uma prova de ensaio (15 pratos). Após um breve intervalo teve lugar a prova de honra (25 pratos) que determinou a classificação final: 1º Classificado – Pedro Nascimento – 22 pratos 2º Classificado – Francisco Arimateia – 20 pratos 3º Classificado – Octávio Nunes – 17 pratos O torneio culminou com um almoço servido no restaurante do complexo desportivo, após o qual se procedeu à cerimónia de entrega de prémios e ao sorteio de uma moeda em ouro, cujo feliz contemplado foi o nosso colega, Rui Ferreira.

Passeio à Serra do Gerês A CP promoveu um passeio à Serra do Gerês, entre os dias 29 de Abril e 1 de Maio, numa viagem que decorreu de forma animada para meia centena de associados, familiares e amigos.

Próximas actividades Entre as próximas actividades da CPPSS encontram-se um Passeio de Barco no Rio Sado, um Passeio às “Pérolas da Europa Central – Hungria, Áustria, Eslováquia”, e o já conhecido Concurso

15º Torneio de Tiro aos Pratos

de Fotografia.

A CPPSS promoveu mais uma edição do Torneio de Tiro aos Pratos, a 15ª, que

19


GREEN AWARD P ORT

/Newsletter_n11  

http://www.portodesetubal.pt/files_newsletter/Newsletter_n11.pdf

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you