Page 1

INFORMAÇÃO  1  –  Limitação  de  mandatos   Face   à   adesão   popular   resultante   da   declaração   de   vontade   de   candidatura   de   Luís   Filipe   Menezes   à   Presidência   da   Câmara   do   Porto   levantaram-­‐se   de   imediato   algumas,   poucas   e   previsíveis,   vozes   suscitando   o   essencial   do   que   seriam   as   críticas   com   que   nos  próximos  meses  tentariam  inibir  o  lançamento  da  mesma.   Críticas  desesperadas  e  completamente  inconsistentes.     Para   esses   poucos,   o   candidato   seria   inadequado   a   um   projecto   de   sucesso   por   ser   “despesista”,   confundindo   realização   de   obra   concreta   com   efeitos   reprodutivos   na   economia  com  despesismo  estéril  e,  pasme-­‐se,  seria  inelegível  por  já  ter  três  mandatos   concluídos  na  autarquia  Gaiense.   Ora  a  chamada  lei  da  limitação  de  mandatos  (Lei  46/2005)  foi  aprovada  na  decorrência   de   um   acordo   político   entre   o   Governo   Socialista,   liderado   por   José   Sócrates   e   o   Partido  Social  Democrata,  liderado  por  Luís  Marques  Mendes.   A  intenção  e  a  letra  da  lei  são  bem  claras,  até  os  opositores  de  Menezes  se  lembrarem   de  a  esgrimir  como  arma  de  arremesso  político,   a  mesma  nunca  suscitou  dúvidas  de   interpretação.     Essa  lei  limita-­‐se  a  impedir  que  um  Presidente  de  Câmara  ou  um  Presidente  de  Junta   possam   fazer   mais   de   três   mandatos   consecutivos   na   comunidade   territorial   a   que   presidiam.   Tal   intenção,   positiva,   decorria   da   experiência   que   apontava   para   a   perenização   do   poder   sempre   que   o   mesmo   era   exercido   duradouramente   num   território  muito  circunscrito.   Ficou   à   época,   completamente,   claro   que   tal   nunca   impediria   que   o   cidadão   que   houvesse   sido   presidente   numa   determinada   área   pudesse   candidatar-­‐se   posteriormente   a   um   outro   território   onde,   obviamente,   não   detinha   qualquer   tipo   de   influência.   Pelo   PSD   participaram   na   construção   dessa   lei,   entre   outros,   Luís   Marques   Mendes,   Luís  Marques  Guedes  e  Pedro  da  Vinha  e  Costa.  Pelo  Governo  Socialista  participaram,   entre  outros,  Vitalino  Canas,  Vieira  da  Silva,  Augusto  Santos  Silva  e  Alberto  Martins.   Face   à   clareza   de   princípios   que   norteou   o   trabalho   destes   interventores   foi   com   espanto   que   se   viu   nascer,   acerca   de   um   ano,   nos   corredores   da   oposição   à   candidatura   de   Menezes,   a   tese   mirabolante   de   que   a   intenção   da   lei   era   atingir   individualmente   o   autarca   e   não   o   autarca   enquanto   líder   de   território.   Gato   escondido  com  rabo  de  fora!  A  única  intenção  da  dúvida  ardilosamente  suscitada  era  a   de   contrariar   a   vontade   da   maioria   do   povo   do   Porto,   que   desejava   ver   uma   candidatura   de   Luís   Filipe   Menezes   à   Presidência   da   Câmara   da   sua   cidade.   Tal   ficou  


patente   no   facto   de   nunca   terem   sido   referidas   outras   candidaturas   semelhantes   já   indiciadas  em  outros  locais  do  País.   Nas  últimas  semanas,  em  poucos  dias,  a  máscara  caiu.     Vieira   da   Silva,   Vitalino   Canas,   Augusto   Santos   Silva,   Marques   Mendes,   Marques   Guedes,  Pedro  da  Vinha  e  Costa,  ou  seja  os  “pais  da  lei”,  vieram  a  público  explicitar  de   forma   radical   a   interpretação   da   mesma,   tornando   evidente   qual   o   espírito   do   legislador  (Vieira  da  Silva  em  declarações  ao  Diário  Económico,  14  de  Agosto  de  2012,   Vitalino  Canas  em  declarações  ao  JN,  2  de  Novembro  de  2012,  Luís  Marques  Mendes   no  seu  comentário  semanal  da  TVI  24,  25  de  Outubro  de  2012,  Marques  Guedes  em   declarações   à   Lusa,   1   de   Novembro   de   2012,   e   Augusto   Santos   Silva   em   palestra   na   Universidade  Católica  do  Porto,  13  de  Outubro  de  2012).   Juristas  e  constitucionalistas  eminentes  como  Vital  Moreira,  Bacelar  Gouveia,  Vieira  de   Andrade,   João   Pacheco   de   Amorim,   entre   muitos   outros,   vieram   corroborar   insofismavelmente  a  mesma  tese  (através  do  Jornal  O  Público,  5  de  dezembro  de  2011,   e  de  pareceres  já  publicados).   Finalmente,  nos  últimos  dias,  com  a  publicação  da  colecção  de  textos  doutrinais  com   origem   na   Faculdade   de   Direito   da   Universidade   de   Lisboa,   em   homenagem   ao   Professor   Jorge   Miranda,   em   capítulo   dedicado   em   exclusivo   ao   tema,   o   prestigiado   Professor   e   especialista   de   Direito   Público,   com   especial   enfoque   no   Direito   das   Autarquias  Locais,  o  Professor  Doutor  António  Cândido  de  Oliveira,  coloca  uma  pedra   em  cima  da  ignorância  ignomiosa:  “Os  titulares  (dos  cargos  de  Presidente  da  Câmara   Municipal   e   de   Presidente   da   Junta   de   Freguesia,   que   tenha   completado   três   mandatos  consecutivos)  não  estão  impedidos  de  se  candidatarem  a  outros  órgãos  ou   a   outras   autarquias.   Na   verdade,   a   limitação   de   mandatos   regulada   nesta   lei   diz   respeito   ao   exercício   de   cargos   na   mesma   autarquia.   A   lei,   tendo   em   conta   a   sua   história   e   os   termos   em   que   está   redigida,   nomeadamente   do   número   2   do   artigo   1º   pretende   apenas   evitar   a   manutenção   de   uma   mesma   pessoa   no   mesmo   lugar   de   uma  dada  autarquia”.   Face   a   esta   panóplia   de   opiniões   unânimes   e   ilustres,   só   resta   aos   que   queriam   vencer   na  secretaria  defrontarem-­‐se  com  o  livre  arbítrio  do  voto  popular.   Por  nós,  consideramos  este  assunto  politicamente  encerrado.     Porto,  14  de  Novembro  de  2012.     O  Secretariado  de  Apoio  à  Candidatura  de  Luís  Filipe  Menezes  à  Câmara  do  Porto  


Limitação de mandatos - informação  

Informação sobre a Lei de Limitação de Mandatos. Com a indicação dos diversos pareceres de vários constitucionalistas. Novembro 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you