Issuu on Google+

Limitação  de  mandatos  –  por  Pedro  Froufe   Grande  Porto  –  08-­‐02-­‐2013     A   linguagem   jornalística   é,   por   vezes,   equívoca.   Não   atribuo   uma   especial   intencionalidade   aos   erros   gerados   e   massificados,   precipitadamente,   por   isso.   Muitas   vezes,   a   própria   necessidade   de   audiências   impõe   que   a   abordagem   de   assuntos   complexos   seja   feita   de   uma   forma   comercialmente   sedutora   e   redutora.   Vem   isto   a   propósito   de   algumas   manchetes   que   ontem   li   na   imprensa.   Reproduzo,   a   título   ilustrativo,   uma   delas:   “Juízes   dizem:   Menezes   e   Seara   não   se   podem   recandidatar”.   Consultando,  depois,  a  notícia  motivadora  daquela  manchete,  verifica-­‐se   que,  afinal,  quem  acha  aquilo  não  é  a  classe  profissional  dos  juízes,  mas   apenas  dois  comentadores  rádio  televisivos  que,  por  acaso,  também  são   juízes!  Ora,  os  “comentadores  –  juízes”  em  causa,  limitaram-­‐se  a  opinar   sobre   a   questão   da   limitação   dos   mandatos   autárquicos   e   da   sua   eventual  aplicação  aos  dois  políticos  nominados.   Meras   opiniões   até   certo   ponto   pouco   jurídicas   e   muito   mais   “epidérmico-­‐mediáticas”.  Mas,  a  este  respeito,  sem  ser  um  “comentador   –   juiz”,   permita-­‐me,   o   Leitor,   que   o   mace,   dando,   também,   a   minha   opinião.   O   diploma   em   causa,   de   2005,   não   é,   de   facto,   literalmente   límpido,   a   respeito   da   questão   suscitada.   No   entanto,   um   jurista   mediano   sabe   que   a   interpretação   legal   é   uma   das   tarefas   mais   complexas  da  aplicação  do  Direito  e  que,  dificilmente,  por  si  só,  a  “letra”   da   Lei,   pode   conduzir-­‐nos   à   determinação   rigorosa   da   vontade   do   Legislador.   Assim,   há   outros   elementos   e   contextos   que   devem   ser  


convocados,   para   percebermos   o   sentido   e   as   implicações   daquela   limitação.  Desde  logo,  há  um  elemento  decisivo:  a  capacidade  de  eleger   e   de   ser   eleito   é   um   Direito   fundamental.   Como   tal,   tem   tutela   quer   constitucional,  quer  através  de  importantes  instrumentos  internacionais   (e   europeus)   que   vinculam   o   Estado   português.   Ora,   as   limitações   aos   Direitos  

fundamentais  

devem,  

sempre,  

ser  

interpretadas  

mitigadamente.   Neste   caso,   sendo   as   autarquias   locais   pessoas   coletivas   de   território   (de   um   concreto   território)   e   população   (de   uma   determinada  população),  então,  as  limitações  ao  Direito  fundamental  de   poder   ser   eleito,   devem   interpretar-­‐se   de   um   modo   restritivo.   Ou   seja,   devem  reportar-­‐se  à  autarquia  concreta  –  e  apenas  a  essa  -­‐  onde  foram   já  cumpridos  três  mandatos.  Isso  mesmo,  de  resto,já  foi  declarado  pela   Comissão   Nacional   de   Eleições,   a   propósito   de   questão   análoga,   suscitada   relativamente   às   candidaturas   às   Juntas   de   freguesia,   recentemente  agregadas.   Ignorar   isto   –   nomeadamente,   por   parte   de   juristas   atentos   e   mesmo   de   jornalistas  interessados  no  assunto  –  não  me  parece  razoável,  nem  sério.   Parece-­‐me  mesmo  querer-­‐se  fazer  política,  de  qualquer  maneira,  longe   da  política…  ou  seja,  na  “secretaria”.       -­‐-­‐   Pedro  Madeira  Froufe  


A limitação de mandatos - por Pedro Froufe