Page 1

Edição 35

junho/12

A Revista do Taxista www.revistataxi.com.br

Sua Saúde Adote uma rotina saudável para preservar sua qualidade de vida em meio ao caos do trânsito Lazer e Cultura

Programa CEU é Show leva arte e cultura de qualidade para toda a cidade

Manutenção Aumento da frota intensifica busca por manutenção de qualidade

e mais

Durante o mês de junho o mundo caipira invade a cidade Uso correto da seta pode evitar muitos acidentes


A revista do Taxista

EXPEDIENTE

Diretoria

Edição 35

H

Saúde é tudo

á formas de se perder a saúde que podem ser irreparáveis, com danos e sequelas que comprometem nossa qualidade de vida de maneira definitiva. A própria opção ou necessidade de viver em uma grande metrópole como São Paulo cobra um preço significativo pela exposição ao estresse continuado, a crescente poluição ambiental, a dificuldade para estabelecer uma alimentação equilibrada, a permanente correria no dia a dia atrás de diferentes compromissos. Para quem, como o profissional do táxi, fica mergulhado nesse caldo de cultura durante suas extensas jornadas de trabalho, o impacto é ainda maior e exige providências sérias e cuidadosas, num esforço por preservar o que tem de mais precioso: a saúde. É comum ver a preocupação e o cuidado que o taxista tem em relação ao seu carro, o que é muito justo, pois se trata de sua principal ferramenta de trabalho. Contudo, é preciso que todos os profissionais da categoria assumam esse mesmo compromisso com a sua própria qualidade de vida, incluindo na sua rotina de

trabalho medidas de proteção contra todo esse desgaste. Segundo os vários especialistas consultados pela Revista Táxi!, as providências básicas necessárias para garantir uma diminuição dos impactos, mais do que qualquer outra coisa, requerem disposição e disciplina para serem colocadas em prática. Pense nisto como o principal investimento que estará fazendo para o seu negócio e para sua vida. Pensando também em qualidade de vida, levamos também aos nossos leitores duas importantes alternativas que estarão em destaque neste mês de junho: as atrações do programa realizado pela Secretaria Municipal de Educação, CEU é Show, que leva grandes nomes do cenário artístico nacional para os 46 Centros de Educação Unificados e um breve roteiro de algumas das mais tradicionais festas juninas realizadas na cidade. Fique de olho nas dicas sobre manutenção, garantindo o melhor para o seu carro e acompanhe na nossa agenda os principais eventos da cidade, onde você poderá ganhar muito mais.

Boa viagem e boa leitura. Os Editores

ESPAÇO DO LEITOR

Comentários e sugestões sobre a Revista Táxi! e sua cidade

Adilson Souza de Araújo Davi Francisco da Silva Fábio Martucci Fornerón Isabella Basto Poernbacher (editora@portodasletras.com.br)

Redação Editor Waldir Martins MTB 19.069

Edição de Arte Carolina Samora da Graça Mauro Bufano Reportagem Arnaldo Rocha, Estela Guerreiro, Marina Schmidt e Miro Gonçalves Fotografia de Capa Davi Francisco da Silva Fotografias Davi Francisco da Silva Projeto Gráfico Editora Porto das Letras Revisão Naira Uehara

Publicidade Diretor Fábio Martucci Fornerón Fone: (11) 3392-1524 publicidade@portodasletras.com.br

Assessoria jurídica

Paulo Henrique Ribeiro Floriano

Comercial Suporte Administrativo Ana Maria S. Araújo Silva Bruna Donaire Bissi, Jayne Andrade Assinaturas e mailling assinatura@portodasletras.com.br

Impressão Wgráfica

As Mulheres

Cuidados com alimentação

A força das mulheres está cada dia mais evidente e não é diferente em nenhum segmento de trabalho. Sempre precisam fazer mais e melhor para serem reconhecidas. Outro dia - também em um táxi - li uma matéria dizendo que as mulheres conseguem uma rentabilidade 34% maior que os homens à frente de franquias. Por isso, fiquei muito contente em ver a matéria sobre as mulheres taxistas. São mesmo umas guerreiras. Marisa Alvarez

Acho que um dos maiores desafios de quem trabalha fora é conseguir ter uma alimentação equilibrada. Mesmo que você vá a um restaurante por quilo, as variadas opções de frituras e com excesso de gordura são uma verdadeira tentação. Sem falar nas sobremesas. Estou fazendo regime com orientação médica - tenho diabetes e colesterol alto - e quase toda noite sonho com comida. Patrício Araújo

Tiragem

20.000 exemplares Distribuição Gratuita edição 35 , é uma publicação da Editora Porto das Letras Ltda. Redação, publicidade, administração e correspondência: Rua do Bosque, 896, casa 24, CEP 01136-000. Barra Funda, São Paulo (SP). Telefone (11) 3392-1524. E-mail revistataxi@portodasletras. com.br. Proibida a reprodução parcial ou total dos textos e das imagens desta publicação, exceto as imagens sob a licença do Creative Commons. As opiniões dos entrevistados publicadas nesta edição não expressam a opinião da revista. Os anúncios veiculados nessa revista são de inteira responsabilidade dos anunciantes.


sumário Mundo Táxi

06 Mundo Táxi 08 Administre 10 Lazer e Cultura 12 Mais informações e serviços para o taxista

Sua Saúde

capa 16

Vermelho e Branco

Adote uma rotina saudável para preservar sua qualidade de vida em meio ao caos do trânsito

Aprenda a aprender

Programa CEU é Show

Capa Adote uma rotina saudável para preservar sua qualidade de vida em meio ao caos do trânsito

Lazer e Cultura

Volante Seguro

CEU é Show

Faça o correto uso da seta

Programa da prefeitura leva arte e cultura de qualidade para toda a cidade

12

Agenda O que vai agitar a metrópole nas próximas semanas

No Ponto Shopping Morumbi

Manutenção Frota circulante cresce 7% em 2011

36

Aumento da frota intensifica busca por manutenção de qualidade

tÁxi! EDIÇÃO 35

Manutenção Frota circulante cresce 7% em 2011 Aumento da frota intensifica busca por manutenção de qualidade

Exercício da cidadania no táxi

38

22 23 28 34 36

38 Perfil Taxista 40 Roda Solta 42 Restauração social

Restauração social

4

Festa Junina O mundo caipira invade a capital

Marcha à Ré

Marcha à Ré Projeto ensina a arte da restauração de carros antigos para grupos de jovens carentes

Guias e Roteiros

16

Curiosidades e humor


Mundo Chip federal começa a ser instalado em 2013

Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) já definiu que todos os veículos (carros, motos, ônibus e caminhões) deverão possuir um chip de identificação até junho de 2014. Contudo, a instalação, que deve ter início já no próximo ano, terá seus custos bancados pelo proprietário do veículo e deve encarecer o licenciamento, uma vez que será cobrado na mesma ocasião. Embora os valores ainda não tenham sido estabelecidos, é possível que haja diferença de região para região. Utilidades O chip federal é um dos principais mecanismos do Siniav (Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos) e tem seu funcionamento semelhante ao do sistema Sem Parar, para cobrança eletrônica de pedágios. A diferença é que, além dessa cobran-

Bernardo Barlach

O

Táxi

ça, o chip tem função de auxiliar a gestão do tráfego e permitir que os veículos sejam identificados de forma mais eficiente, especialmente em relação a irregularidades ou ocorrências como um roubo, por exemplo. A transmissão de dados, mais ágil, permitirá que as informações sobre cada veículo integrem um banco de dados, que poderá ser facilmente acessado graças a antenas instaladas ao longo de ruas, avenidas e estradas, que farão o alerta para a fiscalização local sobre o tráfego de carros irregulares. A fiscalização também será informada quanto aos veículos que estiverem circulando pelas vias sem a utilização do chip. Há outra aplicação que pode ser favorecida com o chip: o controle da velocidade do automóvel. O governo paulista já estuda a possibilidade de controlar a velocidade mé-

dia atingida por veículos em determinados trechos graças ao uso do chip. Neste caso, o condutor deve ser multado ao ultrapassar o limite estabelecido no percurso, de um ponto ao outro.

D

6

epois de aprovada no Senado, conforme divulgado na edição 34 da revista Táxi!, a lei que isenta cooperativas de rádio táxi do pagamento da contribuição para o PIS/Pasep e Cofins foi sancionada pela presidente Dilma Rousseff neste mês.

Godoy destaca os benefícios conquistados com a sanção da Lei 12.649/2012. “As cooperativas estão autorizadas a deduzir da base de cálculo das contribuições sociais (PIS/Cofins) os valores que são repassados aos motoristas de táxi cooperados”, comenta.

Essa conquista consagra uma luta que concentrou a articulação de representantes da categoria com o poder público. “É uma excelente notícia para toda a categoria de radiotaxistas do Brasil”, afirmou Jorge Spínola, diretor da Artasp (Associação das Rádios Táxis de São Paulo). “Não podemos nos esquecer do fundamental empenho e dedicação do advogado Fábio Godoy e do deputado federal Carlos Zarattini (PT/SP), que insistentemente e depois de vários contatos, reuniões, alianças e muita conversa, nos auxiliaram a obter êxito”, destacou, estendendo os cumprimentos ao diretor presidente da Chame Táxi, Paulo de Oliveira, “que iniciou toda essa cruzada”.

De acordo com o advogado, a legislação ainda concede a remissão dos créditos tributários e a anistia às multas e aos encargos legais. “Em outras linhas, as associações civis e as sociedades cooperativas de rádio táxi que já foram autuadas pela Receita Federal do Brasil receberam o perdão da dívida em relação a todos os valores que ingressaram nos seus caixas e foram repassados aos motoristas, assim como de todas as multas decorrentes da atuação. Além disso, aquelas associações civis e cooperativas que ainda não foram fiscalizadas e autuadas igualmente se beneficiaram”, explica.

tÁxi! EDIÇÃO 35

Divulgação

Dilma sanciona lei que isenta rádios táxis de impostos

Reunião de representantes da categoria com o deputado Marco Maia do PT/SP

Cumprimentos do DTP Em carta destinada ao presidente da Artasp, Luiz Maranhão, o diretor do DTP (Departamento de Transporte Público), Helder Pereira, parabenizou a categoria pela conquista. “Com certeza o bom resultado foi fruto de um profícuo trabalho calcado em valores como ética, paciência, conhecimento, relacionamento, convicção, esforço e determinação”, declarou. “Com as isenções tributárias e anistias de débitos para vossas associações e cooperativas, os taxistas de São Paulo e de toda a nossa Pátria poderão propiciar uma melhor qualidade de prestação de serviços ao povo, que em simbiose também estará sendo beneficiado”, acrescentou.


Táxi

Davi Francisco

Por Waldir Martins

Davi Francisco

Mundo

Nova padronização do Vermelho e Branco epois de um longo processo de negociação, a cooperativa de táxi Vermelho e Branco alcançou uma importante vitória e conseguiu junto ao DTP - Departamento de Transporte Público de São Paulo, uma maior flexibilidade em relação à portaria que regula a padronização visual dos táxis da cidade. Com a autorização do órgão regulador da categoria, o Vermelho e Branco passou a adotar um layout alternativo nas suas faixas de identificação. Em nota divulgada no dia 09/05, a Secretaria Municipal dos Transportes informa que as mudanças no visual dos táxis da categoria especial atendem a uma solicitação do Vermelho e Branco, ressaltando que cerca de 70 automóveis que já haviam adotado o novo visual terão de fazer adequações conforme o novo padrão da cooperativa. O comunicado especifica ainda as alterações realizadas, como a inclusão de uma faixa vermelha na parte inferior das portas do veículo e a mudança da cor da faixa quadriculada, que passa a ser vermelha e preta (antes era amarela e preta). Ressalta também que não há um prazo para promover as alterações na padronização, uma vez que os 8

tÁxi! EDIÇÃO 35

taxistas só são obrigados a adotar a nova identidade visual ao substituir o veículo ou na troca de categoria. Preservar a marca Segundo Ismael Nogueira, presidente do Vermelho e Branco, a polêmica gerada pela obrigatoriedade das novas faixas se converteu em uma possibilidade para renovar o layout dos carros, tendo como desafio, preservar a imagem da sua marca junto aos passageiros e clientes empresariais. “Logo que a prefeitura colocou a determinação em vigor, foi um choque, porque todo mundo estava muito ligado nas cores vermelha e branca; houve aquela reação enorme, no sentido de que a mudança acabava com o nosso negócio. Mesmo assim o poder público mandou cumprir. Então, já que estava com o limão na mão, porque não fazer uma limonada?”, explica. Ainda segundo Nogueira, após o desenvolvimento de diversos modelos, foi possível estabelecer um consenso com a direção do DTP com relação às mudanças solicitadas pelos

representantes da cooperativa. “Depois que conseguimos estabelecer esses parâmetros, fizemos uma votação entre os nossos cooperados, que puderam escolher entre os modelos da sua preferência. Hoje você vê o carro e já o identifica como o vermelho e branco. Para nossa surpresa, até o pessoal que era contra achou mais simpática essa versão, que ficou menos poluída”, afirma Nogueira. De acordo com o DTP, atualmente, cerca de 7.000 táxis já circulam com o novo visual, entre veículos das categorias Comum, Comum Rádio e Especial. A nova identificação consta do “Manual de Identidade Visual da Modalidade Táxi”, que estabelece os padrões de letras, cores e tamanhos. Waldir Martins

D

Novo layout renova a marca e confere muito mais estilo ao tradicional táxi Vermelho e Branco


Administre

seu negócio

Por Arnaldo Rocha

Aprender a aprender! Informação e qualificação profissional podem transformar o taxista em um empreendedor de sucesso

E

Divulgação

m um mercado cada vez mais competitivo e em permanente transformação, quem se dispõe a investir em inovação e criatividade geralmente alcança os melhores resultados. Vale lembrar que, muitas vezes, inovar não significa necessariamente investir em parafernálias tecnológicas, mas sim, identificar com clareza as reais necessidades do seu negócio e encontrar as melhores formas para supri-las. Para a consultora do SEBRAE e coordenadora do programa “Taxista Nota 10”, Maísa Blumenfeld, este é o desafio colocado para o profissional que quer deixar de ser apenas o condutor de um veículo e encarar sua atividade como um negócio capaz de render excelentes frutos. Mas, para isso, é preciso investir em dois pontos prioritários: conhecimento e capacidade de realização. “É fundamental que o profissional busque capacitar-se para incorporar novas boas práticas à sua atividade, de modo a levar ao seu cliente um serviço diferenciado. O próprio SEBRAE oferece cursos de empreendedorismo, qualidade de vida e administração do tempo”, argumenta Blumenfeld. “Ele pode também buscar outros temas diretamente relacionados à sua atividade como a legislação que regulamenta o trabalho do táxi e direção defensiva”, continua.

Como formar um empreendedor? Divulgação

Para desenvolver estas novas competên-

Maísa Blumenfeld, consultora do Sebrae é coordenadora do Programa Taxista Nota 10

cias, o empreendedor precisa estabelecer o foco e implementar um programa de estudo capaz de atender as suas maiores carências. “Para incorporar o papel da pessoa jurídica, o novo empresário deve identificar quais as modalidades de formação que irá realizar, seja para aprender a planejar o dia a dia ou cuidar da parte financeira”, orienta. Para ajudar na formatação desse projeto de empreendedorismo, apresentamos a seguir alguns tópicos que podem contribuir para uma gestão competente do seu negócio. Depois identifique as suas principais demandas e mãos à obra.

O espírito empreendedor

Um número crescente de taxistas tem investido na qualificação profissional

10

tÁxi! EDIÇÃO 35

Pior do que fazer e não dar certo é não fazer nada e ficar reclamando de tudo. Aprenda a colocar as coisas em prática, boas ideias que não saem do papel não tem nenhum valor. Quem aprende fazendo não esquece nunca mais.

Marketing pessoal Vender uma imagem pessoal positiva, bem humorada e dinâmica pode contribuir muito para o sucesso de um empresário. Claro que é preciso ter um serviço ou produto de qualidade para oferecer aos clientes, mas, com certeza, ninguém gosta de se relacionar com pessoas ranzinzas e mal educadas.

Foco no cliente Aprender a utilizar o contato direto com o passageiro como fonte de informação pode ser diferencial impagável para quem quer perceber as tendências do mercado e o perfil dos seus clientes.

Marketing de relacionamento Não basta oferecer um serviço bom e eficiente, é preciso que o seu passageiro perceba isso e o diferencie em relação à concorrência. Por isso, além de se certificar se o seu cliente desceu satisfeito do seu carro, você pode investir em pequenas ações para conquistá-lo ainda mais, como cumprimentá-lo pelo aniversário ou entregar flores no Dia das Mulheres.


Lazer & Cultura

Por Miro Gonçalves

CEU é Show: cultura na periferia. E grátis! Em sua terceira temporada, o projeto leva centenas de shows e apresentações teatrais de alto nível para os 46 Centros Educacionais Unificados espalhados pela cidade

Outro ponto que, segundo a representante da SME, fortalece a interação com a comunidade é a participação de um artista local, como atração de abertura nos shows dos grandes nomes da música popular brasileira. “Cada CEU recebe três artistas consagrados por semestre e os Núcleos de Cultura de cada unidade articulam com os artistas locais, aqueles que irão participar do espetáculo”, relata Tamburu. Uma programação privilegiada Mas a programação não conta apenas com atrações musicais e abre espaço para espetáculos teatrais como: Ensina-me a Viver - que mostra, nas delicadas interpretações de Glória Menezes e Arlindo Lopes, o amor entre duas pessoas com idades muito 12

tÁxi! EDIÇÃO 35

Daniel Marques da Silva João Caldas

Denise Fraga protagoniza o espetáculo Sem Pensar

Adultérios é estrelado por Fábio Assunção João Caldas

Segundo Margarete Tamburu, coordenadora dos projetos especiais da SME, o programa foi idealizado como uma alternativa para a difusão cultural e formação de novos públicos. “Todo o trabalho tem se realizado de forma transparente e democrática, contando com a efetiva participação das comunidades. Antes de iniciarmos o projeto, realizamos uma pesquisa junto aos frequentadores dos 46 CEUs sobre os gêneros musicais e espetáculos com que mais se identificavam. De posse destes dados, formatamos a programação e viabilizamos a contratação dos artistas”, explica.

diferentes; A Voz do Provocador - espetáculo multimídia escrito, dirigido e interpretado por Antonio Abujamra; e Deus da Carnificina - atração estrelada por Deborah Evelyn, Julia Lemmertz, Paulo Betti e Orã Figueiredo. O grupo Parlapatões também estará em cartaz com Parapapá! e Clássicos do Circo.

Reynaldo Gianecchini volta aos palcos com a peça Cruel Adilson Francelino

S

eguindo uma direção contrária ao tradicional roteiro cultural da cidade, o projeto CEU é Show, realizado pela Secretaria Municipal da Educação, chega à sua terceira edição cumprindo de maneira muito satisfatória o desafio de levar o melhor da arte e cultura para todas as regiões da cidade, particularmente aquelas localizadas nas periferias.

12 Homens e Uma Sentença também está na programação

Entre as novidades estão Hell, uma trágica história de amor entre dois jovens, estrelada por Bárbara Paz e dirigida por Hector Babenco; Estranho Casal, com Carmo Dalla Vechia, que mostra a divertida história de dois amigos que passam a dividir um apartamento depois que um deles se divorcia; Sem Pensar, com Denise Fraga, que mostra um olhar irônico dos conflitos, ausências e falta de percepção de si e do outro no cotidiano de uma família; e Adultérios, estrelado por Fábio Assunção, uma adaptação da peça de Woody Allen que gira em torno da infidelidade. A grande dama do teatro brasileiro, Fernanda Montenegro, também entra pela primeira vez nos palcos dos CEUs, com o espetáculo Viver Sem Tempos Mortos, monólogo, que apresenta fragmentos de pensamentos da escritora, pensadora e ensaísta Simone de Beauvoir, que revolucionou a visão do universo feminino do século 20. O ator Reynaldo Gianecchini também subirá aos palcos para interpretar o vilão Gustavo, no espetáculo Cruel, ao lado de Erik Marmo vivendo o pintor Adolfo. O Pacto, com montagem do grupo Teatro Jovem; Doze Homens e Uma Sentença e Espectros também estão na programação deste ano. Há ainda uma programação especial para as crianças com os infantis Quem Tem Medo do Curupira?, com texto e direção de Zeca Baleiro, Villa-Lobos das Crianças e Os Saltimbancos.


tÁxi! EDIÇÃO 35

13


Alexandre Moreira

Dentro dos ritmos dos CEUs Dentre os representantes da MPB vale ressaltar a presença de Toquinho, que fará sua segunda temporada nos CEUs de São Paulo com shows intimistas, em formato voz e violão. Um dos destaques da atualidade, Luiza Possi também se apresenta pelo segundo ano no projeto. Mariangela Zan, com seu sertanejo que encantou a rainha da música de raiz Inezita Barroso, Luiz Melodia, com seu samba-tradição, e Ângela Ro Ro, com sua voz rouca e grave, continuam no CEU é Show deste ano.

Ângela Ro Ro e a dupla Max de Castro e Simoninha prometem fazer festa nos palcos dos CEUs Rafael Kent

A revelação da MPB Tulipa Ruiz passa a fazer parte da programação com repertório quase todo composto por músicas autorais, entre elas Só sei dançar com você, Do amor, Pedrinho, Cada Voz e Pontual. Unindo o rap com o samba, Rappin Hood também chega ao CEU é Show, juntamente com a batucada feminina das moças do Samba de Rainha. Max de Castro e Simoninha prometem fazer festa nos palcos dos CEUs com o Baile do Simonal, enquanto Thunderbird e a Banda Devotos de Nossa Senhora Aparecida apresentarão uma mistura de rock, blues, rockabilly, hard rock setentista e punk rock. Tendo como ponto de partida sempre apresentar trabalhos de qualidade, este ano também tem muita moda de viola com Yassir & Rodrigo Sater, jazz instrumental com Raul de Souza, sambarock com Os Opalas e até música autoral brasileira contemporânea com 5 a seco, que vai do samba de raiz ao indie rock, do hip hop à música folclórica, passando pelo jazz contemporâneo e pelos ritmos caribenhos.

Daniel Marques da Silva

A programação completa do CEU é Show 2012 está disponível no Portal da Secretaria Municipal de Educação (www.portalsme. prefeitura.sp.gov.br/ceueshow).

Sempre com casa cheia, os espetáculos têm mobilizado as comunidades de diferentes regiões da cidade

14

tÁxi! EDIÇÃO 35


tÁxi! EDIÇÃO 35

15


Sua

Saúde Davi Francisco

Capa

Sua saúde no trânsito

Por Waldir Martins

Taxistas precisam incorporar práticas saudáveis à sua rotina para minimizarem os impactos decorrentes do trabalho Divulgação

E

O presidente da Abramet, Dr. Dirceu Rogrigues Alves, alerta sobre a insalubridade da atividade

16

tÁxi! EDIÇÃO 35

xpostos a uma longa jornada de tra-

ção. “Esse profissional está sujeito a uma gra-

balho, onde se misturam altos índices

ve exposição a diferentes tipos de bactérias,

de poluição ambiental, uma rotina de

fungos e bacilos, que encontra pela rua e leva

movimentos repetitivos, excesso de decibéis,

consigo, através de suas roupas e sapatos”.

estresse e violência, os taxistas são poten-

A dificuldade para processar uma rigorosa

ciais candidatos a diferentes problemas de

limpeza no interior do veículo e no ar-condi-

saúde, desde lesões articulares e de coluna,

cionado, aliada aos crescentes índices de po-

passando por danos aos pulmões e vias respi-

luição ambiental são aspectos que, segundo

ratórias, até cardiopatias graves.

Rodrigues Alves, aumentam a condição de

Segundo o Dr. Dirceu Rodrigues Alves,

risco da atividade. “Os gases, vapores, poeiras

presidente da Abramet - Associação Brasilei-

e fuligem que são eliminados na queima de

ra de Medicina do Tráfego, a própria especifi-

combustíveis são resíduos que podem causar

cidade da função - transportar pessoas - e a

problemas de pele e até lesão ocular. Agridem

sua ferramenta de trabalho - o automóvel - já

também o sistema respiratório, provocan-

se caracterizam como fontes de problemas

do rinites, faringites, bronquites e doen-

que pedem um criterioso trabalho de preven-

ças pulmonares obstrutivas crônicas”.


tÁxi! EDIÇÃO 35

17


O taxista Orlando Neves de Azevedo tem ponto na Rua Oscar Freire

Cuidados com o coração Taxista há 28 anos, Orlando Neves de Azevedo, 72 anos, que tem ponto na Rua Oscar Freira com Artur de Azevedo, sentiu na pele e no coração os impactos dessa jornada extenuante. “Hoje trabalho uma média de oito a nove horas, porque já tenho uma certa idade, mas, quando era mais jovem trabalhava das 7h até às 2h. É uma profissão desgastante, eu já tive até um infarto, por isso estou maneirando; na época, trabalhava mais de 10 horas por dia”, relata.

Divulgação

De acordo com o Dr. Carlos Pastore, cardiologista e Diretor do Serviço de Eletrocardiologia do Incor - Instituto do Coração do Hospital das Clínicas, as doenças cardiovasculares estão entre aquelas que mais podem atingir os profissionais que trabalham no trânsito e serão ainda as principais causas de

“Vamos morrer do coração até 2040, isso por uma série de fatores de risco que não recebem o devido cuidado em países como o nosso, a China e a Índia. E uma grande dificuldade que esses países enfrentam é o tráfego. No caso dos taxistas, os desafios ainda são maiores, pois os fatores que podem ser utilizados para minimizar os efeitos desses problemas também são comprometidos. Uma alimentação saudável, que é importante, como ele vai fazer? Uma parcela expressiva tem uma alimentação desregrada. Ficam horas sem comer e depois comem muito no final do dia”. Fatores de maior risco Essa posição é corroborada por Rafael da Silva, 29 anos, taxista há 10 anos no ponto do Metrô Carrão, mas, que, aos poucos vai tentando estabelecer uma rotina mais equilibrada para preservar sua saúde. “Antes de ser taxista eu era magro, praticava esporte, tinha uma saúde melhor. Agora eu engordei, estou mais sedentário, com hipertensão e diabetes. O que eu tenho feito para melhorar é dieta mesmo, eu comia muita tranqueira. Agora, não abro mão do meu horário de almoço e faço uma refeição equilibrada, cortei refrigerante, tomo mais sucos e como mais frutas. Só isso já fez uma diferença enorme nos meus exames; o diabetes está controlado. Só a hipertensão que depende do remédio”.

Davi Francisco

Rafael da Silva é taxista do Metrô Carrão

problemas emocionais: podem repercutir de forma muito severa por todo o corpo. “Esse ambiente de permanente tensão e irritação pode levar o indivíduo a sofrer falhas de memória, problemas na percepção de tempo e espaço, dificuldades para dormir, problemas gástricos, dores de cabeças e muitos outros”, aponta. Essa exposição a situações de estresse no trânsito termina, em certa medida, por mobilizar os profissionais do táxi a encontrarem alternativas para minimizar os seus efeitos. “Eu ficava mais nervoso no começo da profissão. Hoje, encaro os problemas de forma diferente. Eu já sei como funcionam as coisas, sei que tem trânsito, que posso ficar parado um tempão, conheço as dificuldades, e sei que não adianta me voltar contra isso; então, eu não me estresso mais”, relata Marco

Ainda segundo Dr. Pastore, os dois fatores mais agressivos para a saúde do coração do taxista são a permanente situação de estresse e os crescentes índices de poluição ambiental. “O estresse no trânsito é muito pesado, as pessoas ficam extremamente ansiosas, se desgastam e isso promove uma aceleração na ocorrência das doenças cardiovasculares. A isso você soma a poluição, que é extremamente agressiva, e não só para o pulmão, mas também para doenças das artérias do coração”, alerta.

Divulgação

Davi Francisco

morte em países emergentes, como o Brasil, por pelo menos mais trinta anos, e o principal motivo para isso é o trânsito.

O estresse como foco de doença

Dr. Carlos Pastore, Diretor de Eletrocardiologia do Incor

18

tÁxi! EDIÇÃO 35

Para a Doutora em psicologia do trânsito pela universidade de Estocolmo, na Suécia, e coordenadora da área de psicologia da Abramet, Raquel Amqvist, os impactos do estresse estão como ponto de partida para uma variedade de problemas e não se restringem a

Raquel Amqvist é Dra. em psicologia do trânsito e cuida do setor de psicologia da Abramet


tÁxi! EDIÇÃO 35

19


Ainda segundo Amqvist, para conseguir estabelecer uma condição de trabalho menos insalubre, o motorista precisa aprender eliminar as fontes de estresse. “Inclua aí aquelas situações que não se relacionam diretamente à rotina de trabalho, mas que ocupam parte importante da vida, como desentendimentos familiares, separações, mudança de residência e tantos outros. Estabelecer uma relação amigável e gentil entre os colegas de trabalho também é uma importante alternativa para minimizar esses problemas”, avalia. Ruídos e audição Outro problema enfrentado por quem percorre todos os dias as ruas de São Paulo é o continuado ruído do trânsito que, além de ser um foco de irritação e estresse, pode provocar deficiência auditiva em algumas pessoas. Vale lembrar que os ruídos podem causar danos quando o indivíduo é exposto de forma contínua na faixa dos 85 dB (decibéis), como o barulho de uma avenida movimentada ou escutar música em fones de ouvido, por muito tempo e num volume alto.

Divulgação

Estudo realizado pela UNESP sobre doenças do trabalho destaca que o organismo humano já começa a sentir os impactos do ruído acima de 50 dB, sendo que entre 55 e 65 dB, índice que pode ser medido dentro de uma agência bancária, já provoca uma diminuição na capacidade de concentração. Se isso for aumentado para algo entre 65 a70 dB, que pode significar estar dentro de um bar lotado, pode

ocorrer um aumento de cortisona no sangue e também reduzir a resistência imunológica. E acima dos 70 dB, como via de tráfego intenso, aumentam os risco de um infarto. Segundo Dr. Fábio Tadeu Moura Lorenzetti, da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia é preciso uma exposição grave para a ocorrência significar uma Marco Antonio Teixeira Fernando trabalha no ponto do Shopping Metrô Tatuapé perda auditiva no futuro. “Se o individuo permanecer mais de 8 horas Acompanhe a seguir algumas dicas contínuas exposto a um ruído com intensipara melhorar sua qualidade de vida dade superior a 85 dB ele poderá apresentar e preservar a sua saúde. perda auditiva no futuro. Se este ruído for de 1. Divida seu dia em turnos de trabalho. 90 dB, o tempo máximo de exposição diminui Por exemplo: trabalhe quatro horas, pare para 4 horas. A uma intensidade de 95 dB o tempo máximo reduz para 2 horas, e assim o carro e realize uma caminhada de 15 sucessivamente”. minutos ou meia hora (evite vias com muita poluição); Os impactos do sedentarismo As dores na coluna e articulações estão entre as queixas mais comuns dos taxistas e, geralmente, são decorrentes do longo tempo que os profissionais passam sentados executando movimentos repetitivos e a vida sedentária. Para a Dra. Raquel Casarotto, representante do Conselho Regional de Fisioterapia de São Paulo, isso acontece porque nesta posição, a região lombar, que corresponde à parte inferior da coluna, sofre uma sobrecarga maior, provocada pelo peso da região superior do corpo e impactos causados por transitar em ruas com buracos e lombadas. “Região do pescoço, ou seja, da coluna cervical, também pode sofrer dores que, em geral estão relacionadas também aos movimentos repetitivos no ato de manobrar. As hérnias de disco e os bicos de papagaio correspondem às alterações mais comumente encontradas. Podem ocorrer, embora de forma menos frequente, tendinite e bursites nestes trabalhadores”, alerta Cassarotto. Minimizar impactos

Dra. Raquel Casarotto, do Conselho Regional de Fisioterapia de São Paulo

20

tÁxi! EDIÇÃO 35

Davi Francisco

Antonio Teixeira Fernando, 45 anos, taxista há 17 anos e que trabalha no ponto do Shopping Metrô Tatuapé.

De maneira geral todos os especialistas apontam para cuidados simples, mas que podem garantir a manutenção da saúde do taxista, em meio à sua jornada diária: alimentação equilibrada, prática de atividades esportivas, jornadas de trabalho não tão longas, com intervalos para relaxar, além de lazer e férias.

2. Faça a manutenção do seu ar-condicionado (troque o filtro no mínimo a cada 06 meses); 3. Faça várias refeições durante o dia e coma menos em cada uma delas. Evite frituras, refrigerantes e gorduras; 4. Ajuste o banco com relação ao volante e os pedais. Os pés devem ficar bem apoiados. As pernas e os braços não podem ficar muito esticados. 5. O ajuste correto de espelhos também garante uma boa postura do pescoço. 6. Reserve um espaço na sua semana para descanso e lazer com amigos e família. 7. Assuma o compromisso de praticar atividades esportivas de forma periódica. 8. Tenha cuidado com a saúde primária (doenças crônicas, como hipertensão e diabetes) e siga os tratamentos necessários. 9. Pratique a ginástica laboral quando estiver parado no engarrafamento. Estique braços e pernas, debruce a cabeça sobre o volante, alongue-se o quanto puder. Isso favorece o trabalho muscular, melhora a oxigenação e reduz a tensão. 10. Quando dirigir, ouça músicas agradáveis e que sejam reconfortantes e em volume adequado. O ideal é que não ultrapasse 70 decibéis.


tÁxi! EDIÇÃO 35

21


Volante

seguro s iv

a

OA

aZ

Por Miro Gonçalves

da d

i re ç ã o d e

fe n

Atenção à seta Divulgação

Rodrigo Gianesi

Negligência com o uso da seta no trânsito causa mais acidentes do que a distração ao volante

O

uso das setas é uma das atitudes mais simples para prevenção de acidentes de trânsito. Duvida? Um estudo recente, realizado pela Sociedade de Engenheiros Automotivos dos Estados Unidos, identificou que 48% dos condutores não usam as setas para indicar mudança de faixa ou direção. De acordo com a pesquisa, essa negligência é responsável por até dois milhões de acidentes por ano. Não existe uma pesquisa com esse enfoque no Brasil, mas quem está diariamente no trânsito percebe logo que por aqui o uso da seta não é unanimidade, embora seja lei, que sujeita o motorista à multa e perda de pontos na carteira. E, se vale a experiência norte-americana, o estudo realizado constatou que o número de acidentes pela falta de uso da seta é mais do que o dobro dos que são causados por distração do condutor. Campanhas Mesmo sem um número nacional, o Brasil tem se voltado, de alguma maneira, para importância do uso da seta com a realização de diversas campanhas de conscientização. Em Vitória, no Espírito Santo, entre 13 e 21 de março deste ano, foi promovida uma cam22

tÁxi! EDIÇÃO 35

panha com intenção de minimizar as ocorrências registradas pela falta do uso da seta, que figurou entre as infrações mais comuns no trânsito da capital capixaba em 2011. Batizada como “Campanha pelo uso da seta: mais segurança em todos os sentidos”, a iniciativa interrompeu a passagem em determinadas faixas de algumas vias, com o uso de cones, o que forçava os motoristas a seguirem para outra faixa. Em várias ocasiões, a mudança de direção ocorreu sem que fosse feita a sinalização, provando que a seta, realmente, anda esquecida. Mudanças em São Paulo A capital paulista também tem estudado a segurança no trânsito, especialmente em relação ao respeito ao pedestre. Uma pesquisa realizada em São Paulo pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), entre 24 de abril e 4 de maio deste ano, mediu o índice de utilização das setas indicadoras de mudança de conversão. O estudo teve como base os dados do início do PPP (Programa de Proteção ao Pedestre), lançado há um ano. De acordo com o levantamento, o respei-

to aos pedestres aumentou 16%, e o uso da seta para sinalizar conversão, 8% a mais do que no início do Programa. A CET tem feito ciclos de pesquisa há um ano para avaliar as mudanças promovidas a partir da campanha, sempre nos mesmos campos de medições: nos cruzamentos das ruas Haddock Lobo com Luís Coelho; Álvaro de Carvalho com João Adolfo com Alfredo Gagliotti; Quintino Bocaiúva com Riachuelo; e Maria Paula com Francisca Miquelina. Além dos números constatados pelas medições, há, ainda, a pesquisa de percepção com pedestres e motoristas sobre o respeito à prioridade na travessia e o uso da seta nas conversões. As conclusões obtidas a partir das entrevistas apontam que os pedestres percebem que o seu direito à travessia está sendo 12,7% mais respeitado e que os motoristas também estão dando a seta 37% a mais do que no começo do programa.


O que vai agitar a metrópole nas próximas semanas

eventos em junho Confira a agenda dos principais eventos da cidade que é tudo de bom! Programe-se para aproveitar o melhor de São Paulo. Para mais informações, acesse o site: visitesaopaulo.com

sexta

sábado

1 a 3 de junho III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM NEUROCIÊNCIAS Hospital Israelita Albert Einstein Local: Auditório Kleinberger

2 de junho 4º SKOL SENSATION Local: Arena Anhembi

terça

3 a 5 de junho 4º SALÃO MODA BRASIL Local: Expo Center Norte 5 a 9 de junho 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE GASTROENTEROLOGIA PEDIÁTRICA Local: Centro Fecomercio de Eventos

sexta

sábado

domingo

segunda

terça

7 de junho 12ª FEIRA CULTURAL LGBT Local: Vale do Anhangabaú 8 e 9 de junho 1º CONGRESSO PAULISTA DE COLOPROCTOLOGIA Local: Caesar Business São Paulo Faria Lima

06

1 de junho PEOPLE.NET IN EDUCATION - II CONGRESSO DE REDES SOCIAIS APLICADAS À EDUCAÇÃO Local: Universidade Anhembi Morumbi

2 de junho JIGG - IV JORNADA INTERDISCIPLINAR DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA Local: Hospital Sírio Libanês - IEP - Instituto de Ensino e Pesquisa

5 a 10 de junho FEIRA DA GESTANTE, BEBÊ E CRIANÇA Local: Expo Center Norte

07 7 a 9 de junho SOCESP - XXXIII CONGRESSO DA SOCIEDADE DE CARDIOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO Local: Transamerica Expo Center

09 10 11 12

11 a 16 de junho SPFW - 33ª SÃO PAULO FASHION WEEK Local: Pavilhão da Bienal do Ibirapuera

até 22 de julho 26ª CASA COR / 6º CASA HOTEL / CASA TALENTO FASHION / CASA KIDS Local: Jockey Club de São Paulo

04

08

11 a 13 de junho REDES SUBTERRÂNEAS - 8ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE PRODUTOS, SERVIÇOS E TECNOLOGIAS PARA REDES SUBTERRÂNEAS DE ENERGIA ELÉTRICA * Local: Centro de Convenções Frei Caneca

11 a 15 de junho FEICORTE - 18ª FEIRA INTERNACIONAL DA CADEIA PRODUTIVA DA CARNE Local: Centro de Exposições Imigrantes

02

05

quarta

quinta

01

03

domingo

segunda

Uma parceria com o taxista e um serviço a mais para o passageiro

10 de junho 16ª PARADA DO ORGULHO LGBT DE SÃO PAULO Local: Avenida Paulista

8 a 10 de junho INTERNAL DERANGEMENTS OF JOINTS Local: Golden Tulip Paulista Plaza

12 de junho DIGITAILING - 2º FÓRUM INTERNACIONAL DE VAREJO DIGITAL Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel

12 a 15 de junho FISPAL TECNOLOGIA - 28ª FEIRA INTERNACIONAL DE EMBALAGENS, PROCESSOS E LOGÍSTICA PARA INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS E BEBIDAS Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi tÁxi! EDIÇÃO 35

23


eventos em junho 13 a 16 de junho 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA / 11º CONGRESSO LATINO AMERICANO DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA Local: Centro Fecomercio de Eventos

13 de junho 5º CONGRESSO VALUE INVESTING BRASIL Local: Caesar Park São Paulo Faria Lima

quarta

13 a 16 de junho ABF FRANCHISING EXPO - 21ª FEIRA INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS DE FRANQUIAS Local: Expo Center Norte

sábado

domingo

13 14

quinta

sexta

13 de junho 2º WORKSHOP VISUAL TURISMO Local: WTC Convention Center

14 a 16 de junho ABROSS - ENCONTRO INTERNACIONAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE OSSEOINTEGRAÇÃO Local: Palácio das Convenções Anhembi

15 e 16 de junho III ENCONTRO BRASILEIRO DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA Local: Renaissance São Paulo Hotel

15 16 17

17 a 20 de junho 1ª FEIRA DA INDÚSTRIA DE FUNDAÇÕES E GEOTECNIA / SEFE7 - 7º SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES ESPECIAIS E GEOTECNIA Local: Transamerica Expo Center

tÁxi! EDIÇÃO 35

15 a 18 de junho EXPO PARQUES & FESTAS 6ª FEIRA INTERNACIONAL DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA PARQUES TEMÁTICOS, BUFFETS E FESTAS INFANTIS / NATAL SHOW 4ª FEIRA INTERNACIONAL DE ARTIGOS E DECORAÇÃO DE NATAL Local: Expo Center Norte

17 de junho 43º FESTIVAL DA NOIVA Local: Paulista Wall Street Suítes

17 de junho 18ª MARATONA INTERNACIONAL DE SÃO PAULO Local: Largada na Ponte Estaiada Chegada no Parque do Ibirapuera

24

14 e 15 de junho 14º CONGRESSO FEBRABAN DE RECURSOS HUMANOS Local: Maksoud Plaza Hotel


eventos em junho 18 a 20 de junho TECOBI EXPO - EVENTO INTERNACIONAL DE TELHADOS, COBERTURAS E IMPERMEABILIZAÇÃO/ TECOBI SUMMIT Local: Expo Center Norte

18 de junho 8º FESTIVAL DE BELEZA IKESAKI Local: Palácio das Convenções do Anhembi

18 a 20 de junho PHARMANAGER - FÓRUM NACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR FARMACÊUTICO E COSMÉTICO Local: Expo Center Norte

segunda

terça

quarta

quinta

sexta

20 a 23 de junho I CONGRESSO PAULISTA DE MEDICINA LEGAL E PERÍCIAS MÉDICAS Local: Centro de Convenções Rebouças

18 a 20 de junho RTD6 - 6ª CONFERÊNCIA SOBRE TURISMO RESPONSÁVEL EM DESTINAÇÕES Local: Escola de Artes, Ciências e Humanidades - USP

18 a 20 de junho 15ª CONFERÊNCIA ANUAL DO DEPARTAMENTO JURÍDICO Local: Hotel Paulista Plaza

19 de junho 5ª E-COMMERCE EXPO BRASIL Local: Hotel Tivoli São Paulo Mofarrej

20 a 22 de junho 11º SALÃO SÃO PAULO DE TURISMO / XII CONGRESSO DO TURISMO PAULISTA Local: Centro de Eventos São Luis

20 e 21 de junho FA SÃO PAULO - 74ª FEIRA DE JÓIAS FOLHEADAS, PRATA, AÇO, BIJUTERIAS E ACESSÓRIOS DE MODA Local: WTC Convention Center

18

19 a 21 de junho MACEF BRASIL - FEIRA INTERNACIONAL DA CASA Local: Transamerica Expo Center

19 20 e 21 de junho SPECIAL MANAGEMENT PROGRAM HSM - PHILIP KOTLER 2012 Local: Espaço Rosa Rosarum

20 21

20 a 23 de junho CBNC - V CONGRESSO BRASILEIRO DE NUTRIÇÃO E CÂNCERGANEPÃO / ICNO III CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ONCOLOGIA NUTRICIONAL Local: Centro Fecomercio de Eventos

22 23

sábado 21 e 22 de junho ECONOFARMA - 10º ENCONTRO ECONÔMICO DE FARMÁCIAS Local: Palácio das Convenções do Anhembi

23 de junho POP MUSIC FESTIVAL Local: Arena Anhembi

20 a 22 de junho CIAB FEBRABAN - 22º CONGRESSO/EXPOSIÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Local: Transamerica Expo Center

21 a 24 de junho 2º RALLYE INTERNACIONAL 1.000 MILHAS HISTÓRICAS BRASILEIRAS Local: Ponto de partida: Shopping Iguatemi

tÁxi! EDIÇÃO 35

25


eventos em junho 26 a 29 de junho FRANCAL - 44ª FEIRA INTERNACIONAL DA MODA EM CALÇADOS E ACESSÓRIOS Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi

domingo segunda

24 a 27 de junho EMF - 43º ENCONTRO DA MODA Local: Centro de Convenções Frei Caneca

26 a 28 de junho AUTOCOM - 14ª EXPOSIÇÃO E CONGRESSO DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL, SERVIÇOS E SOLUÇÕES PARA O COMÉRCIO Local: Expo Center Norte

24 25

26 e 27 de junho ESC BRAZIL - EMBEDDED SYSTEM CONFERENCE Local: Transamerica Expo Center

27

26 de junho a 1 de julho FEIRA MEGA ARTESANAL Local: Centro de Exposições Imigrantes

28

quinta sexta

25 a 28 de junho FISPAL FOOD SERVICE - 28ª FEIRA INTERNACIONAL DE PRODUTOS E SERVIÇOS PARA ALIMENTAÇÃO FORA DO LAR / TECNOSORVETES - 9º FEIRA INTERNACIONAL DE TECNOLOGIA PARA A INDÚSTRIA DE SORVETERIA PROFISSIONAL / FISPAL HOTEL - 3ª FEIRA DE NEGÓCIOS PARA O SETOR HOTELEIRO / FISPAL CAFÉ - 6ª FEIRA DE NEGÓCIOS PARA O SETOR CAFEEIRO / SIAL BRAZIL LATIN AMERICAN FOOD MARKET PLACE Local: Expo Center Norte

26

terça quarta

25 a 27 de junho 52º CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO DO TRABALHO / 31º CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Local: Centro de Convenções Rebouças

26 e 27 de junho MD&M - MEDICAL DESIGN & MANUFACTURING Local: Transamerica Expo Center

29 30

sábado 26 a 28 de junho 23º CONGRESSO BRASILEIRO DO AÇO / EXPO AÇO 2012 Local: Transamerica Expo Center

28 a 30 de junho XII CONGRESSO BRASILEIRO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Local: Maksoud Plaza Hotel

29 e 30 de junho I INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON PATIENT SAFETY AND QUALITY Local: Hospital Albert Einstein Auditório Moise Safra

27 a 30 de junho SASBE - 4TH CIB INTERNATIONAL CONFERENCE ON SMART AND SUSTAINABLE BUILT ENVIRONMENT - SASBE Local: Centro Britânico Brasileiro

30 de junho 3º SOCIAL MEDIA DAY Local: Expo Center Norte

Agenda de eventos: O São Paulo Convention & Visitors Bureau é uma Fundação sem fins lucrativos mantida pela iniciativa privada, sua missão é promover, captar, gerar e incrementar eventos que aumentem o fluxo de visitantes a São Paulo. As datas e locais dos eventos podem ser alterados, consulte sempre a agenda de eventos no site do São Paulo Convention & Visitors Bureau: visitesaopaulo.com - atendimento@visitesaopaulo.com 26

tÁxi! EDIÇÃO 35

Uma parceria com o taxista e um serviço a mais para o passageiro


ponto

Davi Francisco

No

Por Marina Schmidt

Trinta anos bem vividos Completando 30 anos, o ponto do Shopping Morumbi cresceu junto com toda a região e oferece hoje um serviço de excelente qualidade a seus clientes

A

região do Morumbi não para de crescer. Prédios comerciais e residenciais ganham cada vez mais destaque na paisagem, cenário que os taxistas do Ponto de Táxi do Shopping Morumbi conhecem bem. “O shopping mudou muito, era muito diferente e melhorou demais”, lembra Nivaldo José Ribeiro, 64 anos, que trabalha no ponto desde que ele foi criado para atender os frequentadores do local. Ribeiro é o único que acompanhou a criação do ponto e ainda faz parte da equipe. “Estou aqui desde o começo, fui coordenador cinco vezes e, desde aquela época, sempre lutamos para melhorar o ponto”, comenta. “Nós começamos com 50 táxis, depois passamos para 75, pouco tempo depois esse número já não dava mais conta do serviço e a quantidade de carros foi aumentando, e hoje, estamos com 105”, detalha o taxista.

28

tÁxi! EDIÇÃO 35

Gestão que busca o entendimento O atual coordenador do ponto, José Nilton de Souza Lima, 36 anos, está na segunda gestão com um mérito que considera um diferencial no trabalho que vem realizando. “Estou como coordenador desde 2009 e não tenho inimizade com ninguém, converso bem com todos”, destaca. “Sei que não existe unanimidade, mas tenho conseguido resolver tudo com diálogo”, conta o coordenador, que é taxista há oito anos. “Posso não ter amizade forte com todos, mas sou respeitado como coordenador.” “Até hoje eu nunca precisei levar nenhum taxista ao DTP (Departamento de Transporte Público), isso é uma grande vantagem, pois, todos os problemas que surgiram foram solucionados aqui, entre a gente, sem maiores dificuldades, e isso é bom para todo mundo”, revela Lima. Outro destaque que chama a atenção é a organização e o bom


tÁxi! EDIÇÃO 35

29


“Temos mais de cem taxistas; é um número grande e que poderia demandar mais auxiliares da coordenação, mas, somos três: eu e mais dois auxiliares, que estão comigo desde a primeira gestão e com quem posso contar o tempo todo”, reforça Lima. “Eles trabalham tanto quanto eu e quando existe algum problema que eu não posso resolver, eu sei que posso deixar nas mãos deles, porque vão dar conta”. Marcelo Carlos de Souza, 40 anos, é um dos auxiliares e destaca que a união na liderança e o bom relacionamento com toda a equipe têm promovido melhorias no ponto, conquistas que geram benefícios para os taxistas e para os clientes. “O nosso ponto é maravilhoso, as coisas que precisam ser melhoradas são poucas”, comenta. “Estou aqui há 11 anos, desde que comecei a trabalhar como taxista, e nos últimos anos as coisas melhoraram muito, recebemos muitos elogios dos passageiros e o trabalho da coordenadoria é elogiado pelos taxistas”, afirma Souza. “O nosso objetivo é sempre oferecer um atendimento melhor e, com relação a isso, sempre há o que melhorar”, pondera. Profissionalizar e estabelecer um padrão de qualidade Entre os méritos da gestão está a padronização das roupas dos taxistas do ponto. “Esta foi uma conquista com bons resultados: a uniformização dos nossos condutores, que usam calça preta, camisa branca e gravata vermelha”, detalha Lima. “Virou uma marca do nosso ponto e os clientes gostaram bastante e já nos reconhecem, chegam a esperar nossos taxistas e recusam entrar em carros quando identificam que não é do ponto”, acrescenta. “Temos a confiança dos nossos passageiros, eles sabem que caso esqueçam algum objeto no carro, ele será devolvido se for encontrado pelos nossos motoristas”. O bom relacionamento vai além do contato com os colegas do ponto e os clientes. “Desde que estamos aqui, sempre tivemos um ótimo relacionamento com a administração do shopping”, afirma Ribeiro. O atual coordenador confirma que manter o diálogo positivo com o estabelecimento onde o ponto está instalado é parte do bom serviço prestado. 30

tÁxi! EDIÇÃO 35

Davi Francisco

Claro que nem tudo é perfeito, e os problemas começam a ser apontados depois de alguns minutos de conversa, mas eles estão longe de ser exclusividade do ponto. “Só o trânsito mesmo que é muito parado na região”, reclama Souza. “Nos horários mais críticos, nós perdemos muito tempo para voltar das viagens; às vezes, falta táxi no ponto e temos que contar com a paciência nossa e a dos passageiros”, completa. “A gente passa as corridas, na hora do trânsito, pelo Nextel para tentar contornar um pouco essa dificuldade”, conclui o auxiliar. Aprendizado compartilhado Mais do que um benefício na convivência, a harmonia entre os colegas de ponto tem promovido mais vantagens para todos. Uma das iniciativas mais recentes que demonstra essa característica é o curso de inglês, uma oportunidade oferecida a todos que querem aprender o idioma. As aulas, que começaram no final de maio, são dadas pelo taxista Cesar Augusto Santos, 42 anos. Há sete meses no ponto, Santos resolveu compartilhar o aprendizado com os colegas e, por consequência, melhorar a qualidade do atendimento prestado no ponto. “A ideia surgiu para facilitar mais o trabalho dos colegas, que acabavam me pedindo ajuda quando atendiam algum estrangeiro”, explica. Familiarizado com o idioma, tanto pela

Nivaldo José Ribeiro acompanhou a fundação do ponto e ainda hoje faz parte da equipe

profissão anterior quanto pela vivência, e habituado a dar aulas de inglês, Santos acredita que em pouco tempo, todos vão conseguir manter um diálogo mais coerente com turistas estrangeiros. “Eu trabalhava com hotelaria e morei fora por seis anos (quatro, nos Estados Unidos, e dois, na Europa), além disso, eu já dei aula anteriormente”, conta. “Eu gosto muito do idioma e os colegas estão bastante animados, isso é muito bom”, finaliza. Davi Francisco

relacionamento mantido no local, características que fazem com que o ponto não precise de mais do que três pessoas na coordenadoria para funcionar adequadamente.

Nilton Lima, Marcelo Carlos e Elvis Nascimento destacam a excelência no atendimento ao cliente


tÁxi! EDIÇÃO 35

31


32

tÁxi! EDIÇÃO 35


tÁxi! EDIÇÃO 35

33


Guias & Roteiros É tempo de arraiá, sô!

Por Marina Schmidt

No mês de junho, o caminho da roça também passa pela capital, com suas tradicionais festas juninas

78ª Festa Junina da Paróquia Nossa Senhora da Candelária

Neste ano, o Clube Esperia promove a festa junina nos dias 23 e 24 de junho. A diversão está garantida, para adultos e crianças. Na praça de alimentação, produtos tradicionais, como milho verde, pamonha, pipoca, curau, doces caseiros diversos, vinho quente e o melhor quentão da cidade, são as estrelas. E tem mais: comida portuguesa, lanche de pernil, churrasquinho, pastéis. Além do forró e da música sertaneja, ao vivo, a diversão fica por conta das barracas e dos brinquedos infláveis.

Divulgação

Na Vila Maria, a Paróquia Nossa Senhora Candelária realiza a tradicional festa junina, que completa 78 anos, convidando o público a participar dos jogos, se divertir no parque e saborear as delícias das barracas. Tem vinho quente, quentão, pinhão, milho verde, churrasco, crepe, macarrão com polenta, caldo verde, pernil, pastel, pizza, hot dog e doces.

Clube Esperia

Divulgação

A

lém dos dias e noites frios, o mês de junho chega com as suas tradicionais festas juninas. Para quem gosta dos festejos, a capital oferece opções para espantar o frio e curtir os prazeres e sabores do interior. Veja a seguir algumas das alternativas que a cidade oferece.

Dias 23, a partir das 18h, e 24 de junho, a partir das 12h. Avenida Santos Dumont, 1.313 - Santana - Tel.: (11) 2223-3342 Esporte Clube Pinheiros

42ª Festa de São Pedro Apóstolo

Divulgação

A tradicional homenagem ao padroeiro, que ocorre a partir das 14h do dia 29 de junho, é o ponto alto da festa realizada na paróquia São Pedro Apóstolo. Mas não é preciso esperar até o fim do mês para curtir a sua festa junina, que começa já no primeiro fim de semana de junho e se estende por todos os finais de semana do mês. O destaque, além da homenagem ao padroeiro, fica por conta da tradicional fogazza, que faz sucesso entre os frequentadores.

O Esporte Clube Pinheiros promete fazer uma das melhores festas juninas de todos os tempos e aposta em grandes nomes da música sertaneja para atrair o público. No dia 21 de junho, o show fica por conta da dupla Edson e Hudson; no dia seguinte (22), quem sobe ao palco é o cantor Daniel; no sábado (23), Luan Santana; e para fechar a festividade, no domingo (24), Renato Teixeira e Sérgio Reis retomam as modas de viola. Fora isso, há ainda as tradicionais barracas de comidas e bebidas e as brincadeiras comuns ao período, como argola, pescaria, bola na lata, entre outras. No ano passado, mais de 60 mil pessoas prestigiaram a festa junina do tradicional clube paulistano. Divulgação

De 2/6 a 1/7, todos os finais de semana. Praça Nossa Senhora da Candelária, 1 - Vila Maria - Tel.: (11) 2954-3566

De 2/6 a 1/7, todos os fins de semana. Rua Ibitinga, 838 Alto da Mooca - Tel.: (11) 2965-0425 34

tÁxi! EDIÇÃO 35

De 21 a 24 de junho. Rua Angelina Maffei Vita, 493 Jardim Europa. Tel.: (11) 3598-9700


tÁxi! EDIÇÃO 35

35


Manutenção 100% Davi Francisco

Divulgação

Sindirepa

* Por Antônio Carlos Bento

Frota circulante cresce 7% em 2011 A frota circulante de veículos no Brasil tem crescimento médio de 7% ao ano desde 2007 e intensifica procura por manutenção de qualidade

N

o ano passado, segundo o levantamento da frota circulante do Sindipeças, rodaram pelo país 34,8 milhões de veículos, entre automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, 7% a mais do que em 2010. Esse aumento contínuo fez com que o número de veículos em circulação no Brasil passasse de 8,4 para 5,5 unidades por habitante. Mais carros nas ruas significam aumento de congestionamentos e também uso dos veículos em condições severas, principalmente nos grandes centros como São Paulo. No caso do motorista de táxi, que roda muito mais e enfrenta o trânsito pesado em horários de pico, a manutenção preventiva é essencial para evitar quebras inesperadas e prejuízo no bolso no final do mês.

Prevenir-se para enfrentar condições severas O anda e para dos congestionamentos força o sistema de arrefecimento do veículo e a embreagem sofre desgaste prematuro. Deve-se ficar atento à deficiência de lubrificação no motor, porque quando os veículos são submetidos a condições extremas é necessário que estejam em bom estado. Não se pode arriscar e contar com a sorte. Para que o veículo não sofra as consequências do tráfego intenso, é necessário ter cuidados redobrados com o sistema de arrefecimento, embreagem e também com o óleo de lubrificação do motor, que deve estar no nível e as trocas seguindo as recomendações do manual do fabricante. Portanto, o motorista não pode prolongar os períodos de troca de óleo do motor e deve fazer revisões periódicas em uma oficina de confiança.

Optar sempre por profissionais qualificados Motorista que sabe da importância da manutenção preventiva e dos benefícios que essa prática oferece busca a oficina para fazer revisão 36

tÁxi! EDIÇÃO 35

antes de o carro apresentar algum problema, uma prática que garante economia para o bolso, para o bolso, pois cuidar preventivamente custa, em média, 30% mais barato do que fazer reparos corretivos. O programa Carro 100% deve intensificar o trabalho para estimular a conscientização do motorista sobre os cuidados para manter o veículo em boas condições de uso. Afinal, a frota brasileira em ascensão, com crescimento médio anual de 7%, precisa estar bem cuidada. O motorista deve fazer a sua parte, cuidando bem do veículo para garantir a segurança no trânsito. *Antônio Carlos Bento é coordenador do GMA - Grupo de Manutenção Automotiva Programa Carro 100% - www.carro100.com.


tÁxi! EDIÇÃO 35

37


Marcha Uma viagem ao passado do

a ré transporte urbano

Restauração social

Projeto ensina a arte da restauração de carros antigos para grupos de jovens carentes da comunidade do Jabaquara Divulgação

Por Arnaldo Rocha

E

les sempre chamam a atenção por onde passam. Seja pela importância histórica, beleza ou valor afetivo, os carros antigos atraem olhares. E quanto mais bem conservados, melhor. O brilho nos olhos aumenta diante da lataria e da pintura intactas, do acabamento interno primoroso e do funcionamento impecável do motor. Nesse instante, o carro deixa de ser veículo e se transforma em obra de arte. Restaurar carros antigos é uma atividade que requer conhecimento, treinamento e especialização, defende Ricardo Luna, presidente da Accasc - Associação Clube do Carro Antigo do Brasil. “O carro antigo é uma área especializada e não existe um curso de formação específico para ela no Brasil”, comenta.

Divulgação

Com intenção de suprir a necessidade de mão de obra especializada para o segmento

e, de quebra, contribuir socialmente com a formação de jovens, a Accasc criou um curso de restauração que já rendeu bons resultados com as duas primeiras turmas, mas que ainda depende de investimento para crescer mais. “Nós percebemos que não existia esse curso e inscrevemos o nosso projeto para conseguir patrocínio. O iDort - Instituto de Organização Racional do Trabalho nos apoiou e bancou essas duas primeiras turmas”, relata Luna. A proposta foi oferecida, primeiramente, a alunos dos cursos de funilaria e pintura do Senai. Os participantes recebem treinamento prático e são capacitados para o mercado de trabalho, além de participarem de palestras e visitas didáticas e culturais a ateliês especializados em restauração, feiras e museus de antigos. Também recebem ajudas para custear alimentação e transporte da empresa apoiadora. “Pretendemos ampliar nossa proposta e criar um curso específico para restauração, independente do Senai”, detalha Luna, destacando a intenção de consolidar a iniciativa como o primeiro curso do segmento no país.

38

tÁxi! EDIÇÃO 35

Mercado de Trabalho “O profissional formado pelo curso é único”, reforça o presidente. Como não há uma qualificação voltada exclusivamente para antigos, o aluno que participa do projeto obtém um diferencial no mercado de trabalho. “A mão de obra para funilaria e pintura já é escassa e, para carros antigos, é pior ainda”, acrescenta Luna. Depois de passarem pela capacitação, que dura cerca de três meses, os alunos podem seguir tanto para o mercado formal quanto para o de antigos. “Na primeira turma, no meio do curso, dois jovens foram contratados”, destaca Luna. “Fazemos um monitoramento dos alunos após a conclusão do curso e, no último monitoramento, constatei que mais dois jovens também estão trabalhando, um deles, na Nissan”. “O participante vai obter o conhecimento inicial para desenvolver todo seu potencial no mercado de trabalho”, finaliza o presidente.


Perfil Taxista Por Marina Schmidt

Exercício de cidadania no táxi Nascido em Portugal, Alfredo Ribeiro Velho chegou a São Paulo há exatos 50 anos, adotou a cidade e sabe de suas ruas e avenidas como poucos

C

om 61 anos e taxista há 16, Alfredo define-se paulistano e vivencia, diariamente, as mesmas dificuldades que os demais colegas de profissão. “A gente enfrenta vários problemas: a segurança; os gastos com seguro; a desvalorização do carro. Não sabemos quem entra no carro, mas eu tenho sorte de nunca ter sofrido um assalto em todos esses anos”, admite. Além das críticas comuns, Alfredo reforça as dificuldades que a categoria enfrenta por estar, segundo ele, enfraquecida em seus embates. Aliás, o taxista carrega o espírito cidadão desde que resolveu assumir a profissão. Depois de deixar o cargo de gerente de padaria para atuar como taxista, ele teve sua trajetória pautada por lutas. A primeira delas foi contra as frotas de táxis. “Eu comecei nas frotas, mas sofríamos, naquela época, muitas injustiças. Hoje, sei que as coisas estão melhores, que as empresas estão investindo mais nos taxistas”, revela. Cansado da situação que encarava no início da profissão, Alfredo foi um dos taxistas que encabeçou às solicitações para liberação de mais alvarás durante a gestão da prefeita Marta Suplicy. “Nós ficamos acampados na frente da Câmara”, lembra. 40

tÁxi! EDIÇÃO 35

“Foram concedidos 700 alvarás e eu fui um dos sorteados”, acrescenta. “Eu pedi para a Marta autografar a minha carta de alforria”, conta com alegria. Longe de ser um militante, o taxista encara a profissão com senso crítico. “Nós temos que exercer a nossa cidadania, afinal, a gente vive em um regime democrático”, defende. E, neste aspecto, ele pondera que o segmento taxista se beneficiaria com uma gestão melhor compartilhada. “Eu acho que a presidência do sindicato deve ser alternada, com tempo definido de mandato”, argumenta.

O lado bom As críticas que Alfredo faz têm um único objetivo, melhorar o que já considera bom. “Eu falei dos ossos do ofício, mas há coisas muito boas na profissão”, comenta. “Sempre conheço pessoas maravilhosas, que sempre têm alguma coisa importante para ensinar, para dizer”, detalha o taxista. Entre as pessoas que conduziu no táxi, alguns nomes se destacam. É o caso do ex-jogador Raí, do ator Raul

Quando fala da profissão que escolheu e que o leva a conhecer São Paulo e seus ilustres filhos, Alfredo demonstra gratidão a tudo que o táxi lhe proporcionou, fosse ajudando-o a enfrentar problemas financeiros, conhecendo pessoas que fizeram a diferença em sua vida ou melhorando as condições para a criação dos dois filhos, Aline, 23 anos, e Alan, 21 anos. “O meu filho também é taxista, começou a trabalhar quando ainda tinha carteira de habilitação temporária, aos 19 anos”, comenta. “Ele é um dos mais jovens taxistas da cidade”, acrescenta com orgulho. Davi Francisco

Davi Francisco

Cortez, do ex-ministro da Fazenda Rubens Ricupero e do locutor esportivo José Silvério, de quem acabou tornando-se um amigo. “Ele é uma pessoa sensacional, fantástica e que eu aprendi a gostar não por ser o José Silvério famoso, mas pelo homem, pelo avô, pelo passageiro, pela pessoa maravilhosa que ele é em relação à vida dele”, revela.


Importante via da cidade, e também uma das mais movimentadas, a Avenida 23 de Maio compunha uma região conhecida, até os finais do século 19, como “Vale do Itororó”, que dividia os bairros da Liberdade e da Bela Vista. Pelo vale, corria a céu aberto o Ribeirão do Anhangabaú. Um dos córregos que desaguava no Anhangabaú chamava-se Itororó e, com as aberturas de ruas na região, uma das principais, localizada entre as atuais ruas Condessa de São Joaquim e Pedroso, ganhou o nome de “Itororó”. Começava aí a história da 23 de Maio. Em 1928, a Itororó foi ampliada, passando a ocupar o trecho que vai da Rua João Julião até a Rua Paraíso. Nesse período, ela também

Apenas em 22 de maio de 1954 a via ganhou o nome de Avenida 23 de Maio. A mudança representa mais um vínculo da cidade com a Revolução de 1932. De acordo com o Dicionário de Ruas, do Arquivo Público de São Paulo, o Projeto de Lei que solicitou a alteração do nome justificava a sua importância histórica. Depois disso, a avenida passou por modificações. A construção de cinco viadutos também acompanhou as mudanças, como é o caso dos viadutos Dona Paulina, Brigadeiro Luís Antonio, Jaceguai, Condessa de São Joaquim, Pedroso e o Viaduto da Rua Julião. Todas as transformações pelas quais a ave-

Você sabia?

O Brasil é um dos poucos países que não comemora o Dia dos Namorados em 14 de fevereiro - dia de São Valentim para os católicos. Na Idade Média, esse também era o primeiro dia de acasalamento dos pássaros, fato que motivou os namorados da época a trocarem mensagens de amor. Aqui, a data em que se comemora do Dia dos Namorados foi instituída em 1950 pelo publicitário João Doria.

Piada

Durante o jantar, Joãozinho conversa com a mãe: - Mamãe, porque é que o papai é careca? - Ora, filhinho, porque ele tem muitas coisas para pensar e é muito inteligente! - Mas, mamãe, então porque é que você tem tanto cabelo? - Cala a boca e come logo esta sopa, menino!

Quadrinho

42

tÁxi! EDIÇÃO 35

Alexandre Diniz_SPTuris

Avenida 23 de Maio, mais uma homenagem à Revolução de 32

ficou conhecida como “Avenida Anhangabaú”, por ser vista como um prolongamento do “Parque do Anhangabaú”.

nida passou durante meados do século 20 foram feitas com o objetivo de fazer dela uma avenida expressa, evitando cruzamentos. Historicamente, o dia 23 de maio de 1932 é considerado o estopim da revolta armada que caracterizou a Revolução Constitucionalista de 1932. Fontes: Arquivo Histórico de São Paulo

Curiosidades Herança jurássica

Muito se fala do aquecimento global, consequência direta do efeito estufa. O que ninguém imaginava é que esse processo, vinculado à emissão de poluentes na atmosfera, também fosse resultado do período em que os dinossauros viveram na Terra. Pois é: assim como as vacas, que também contribuem com a emissão de gases que provocam o efeito estufa, a flatulência dos nossos conterrâneos jurássicos também ajudou a aumentar a temperatura do planeta. De acordo com cálculo feito por cientistas, os dinossauros, em sua totalidade, produziam 520 milhões de toneladas de gás anualmente, mais de cinco vezes a quantidade produzida pelas vacas. Toda a emissão de gás dos nossos dias, incluindo as indústrias, chega a 500 milhões de toneladas por ano.

Michal Zacharzewski

Sampa Street

Roda Solta


Revista TÁXI! - Edição 35  

A Revista do Taxista

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you