Page 1

  Reabilitação  urbana  e  património   Sessão  organizada  pela  APPRU   4  de  Setembro  de  2013  


Reabilitação  Urbana  

•  “Fugiram  os  jovens,  ficaram  os  velhos”   •  Em  dez  anos,  menos  10%  de  residentes.     (voltamos  aos  anos  30  do  século  passado)   •  Centro  Histórico:  menos  30%  população.    


Reabilitação  urbana                    

•  Degradação  centros  históricos:  problemas  sociais  e   económicos  mas  também  desqualifica  a  cidade       •  Património  cultural,  arquitetónico  e  urbanísRco   •  Nem  parque  temáRco  nem  deserto  com  turistas  

 


Reabilitação  urbana  

PORTO:  centro  histórico   •  1796  ediZcios    860  ocupados    293  devolutos    575  em  mau  estado    78  em  ruína  


Reabilitação  urbana                  

Uma  sociedade  de  proprietários.  Ganhos  setor  bancário  e  imobiliário     ü  entre  1991  e  2010  construíram-­‐se  80.000  alojamentos/ano  =  uma   cidade  de  Coimbra  por  ano  durante  20  anos   ü  o  país  tem  50  mil  milhões  €  empatados  em  casas  vazias  (meio   milhão  de  fogos)       ü  crédito  hipotecário:  cresceu  de  5  mil  milhões  €  em  1990  para  104   mil  milhões  €  em  2008   ü  a  despesa  pública  em  beneZcios  fiscais  e  bonificação  de  juros  foi  de   mil  milhões  de  euros  por  ano   Prioridade  à  habitação  PRÓPRIA  e  à  construção  NOVA  deram  mau   resultado.    


Reabilitação  urbana                

•  1969:  “Estudo  de  Renovação  Urbana  do  Barredo” Fernando  Távora  

–  melhoria  das  condições  de  vida  da  população  e  a  conservação  do   património  urbano  são  indissociáveis.   –  parRcipação  das  populações  na  políRca  urbanísRca  e  habitacional    

      •  1985:  o  PRU  -­‐  primeiro  programa  nacional  de  apoio  à   reabilitação  urbana  

–  promoção  da  reabilitação  de  ediZcios  habitacionais  a  par  com  a   melhoria    das  condições  de  vida  das  populações  

(Despacho  nº  4/SEHU/85)  

 


Reabilitação  urbana                    

“Evitar  a  expansão  urbana,  dando  prioridade  ao   desenvolvimento  urbano  no  interior  dos  aglomerados,  através   da  recuperação  dos  espaços  degradados  e  assegurando   densidades  urbanas  apropriadas”     Compromissos  de  Aalborg  (5.2)  de  12  de  Junho  de  2004    

    2007:  “Declaração  de  Leipzig”   Ministros  do  urbanismo  dos  países  da  U.E.  apontaram  como   objeRvo  das  políRcas  públicas  “fortalecer  os  centros  das   cidades”.  A    meta  é  atrair  pessoas  e  aRvidades  e  parar  a   dispersão  das  aglomerações  que  tem  aumentado  o  tráfego   automóvel,  o  consumo  energéRco  e  a  área  do  solo  ocupada..  


Reabilitação  urbana                  

Portugal     •  6%  em  reabilitação  quando  a  média  europeia  é  mais  de   30%   •  Há  ou  não  instrumentos  legais  (e  fiscais)  para    combater  o   despovoamento  dos  centros  das  cidades,  a  degradação   urbanísRca,  o  desperdício  em  infra-­‐estruturas  e  a  ocupação   urbana  de  solos  com  apRdões  agrícolas?   •  Centro  Histórico  de  Guimarães  


Reabilitação  urbana                    

•  Decreto-­‐Lei  nº  307/2009:  impõe  aos  municípios,  de  forma   explícita,  o  dever  de  “promoção  da  reabilitação  urbana”   •  Lei  32/2012:  prevê  a  reabilitação  de  ediZcios,  mesmo  que   situados  fora  de  Áreas  de  Reabilitação  Urbana  (ARU),  desde   que  construídos  há  mais  de  30  anos.   •  uma  ideia  de  reabilitação  urbana  que  desvaloriza  a   dimensão  humana,  social  económica  e  cultural  da  cidade.    

–  concentra-­‐se  ediZcios  e  negócio  imobiliário   –  exclui  as  pessoas  (o  direito  de  parRcipação  pública  nem  sequer  é   expressamente  referido)   Decreto-­‐Lei  nº  104/2004  (que  também  criou  as  SRU)    


Reabilitação  urbana                  

SRU  Porto  Vivo:  uma  cidade  habitada?     •  SRU  Porto  Vivo:  consRtuída  em  27  de  Novembro  de  2004   com  um  capital  social  de  6  milhões  de  euros:  3,6  milhões   do  então  INH,  hoje  IHRU  e  2,4  milhões  do  município  do   Porto  (que  entregou  em  espécie  9  prédios  no  Centro   Histórico).   •  Área  de  intervenção  correspondia  à  ACRRU  (Área  CríRca  de   Recuperação  e  Reconversão  UrbanísRca):  10  km2,  quase   50.000  alojamentos  e  18.000  ediZcios  (80%  com  mais  de  75   anos).  Quase  70%  de  todo  o  arrendamento  da  cidade  do   Porto  está  ali  concentrado:  mais  de  30%  dos  inquilinos  são   pensionistas,  mais  de  20%  estão  no  desemprego…  


Reabilitação  urbana                  

SRU  Porto  Vivo:  uma  visão  integrada?   •  Dos  Estatutos  da  SRU  Porto  Vivo  nunca  constou  ser  a   enRdade  de  “gestão  integrada  do  Centro  Histórico”  que  a   Unesco  exige  a  todas  as  cidades  património  mundial  da   humanidade.       •  “a  SRU  será  uma  sociedade  de  prestação  de  serviços.  Em   princípio  não  reabilitará,  não  comprará  e  não  ficará   proprietária  dos  imóveis”  

Rui  Rio                      


Reabilitação  urbana                    

SRU  Porto  Vivo:  que  balanço?     •  Propôs-­‐se  renovar  5.785  ediZcios  da  Baixa  do  Porto.     •  Apenas  reabilitou  diretamente  um  único  ediZcio,  na  rua  das  Flores  nº  150.   •  EdiZcios  reabilitados:  que  preços?       •  Compare-­‐se  com  o  CRUARB,  que  apesar  das  limitações  legais    e   financeiras,    reabilitou  40  a  50  habitações  por  ano,  até  ser  exRnto  pela   coligação  PSD/CDS-­‐PP…      


Que  resposta?     1)  Prioridade  à  reabilitação  urbana  de  modo  integrado   • 

Capaz  de  revitalizar  a  cidade  e  dinamizar  aRvidades  económicas  e  sociais  de  âmbito   local  

• 

Convenção  para  a  Salvaguarda  do  Património  Arquitetónico  da  Europa,  não  se   idenRfica  com  conservação  ou  restauro,  abrange  também  a  renovação  e   requalificação  

  • 

   

Responda  a  vários  desafios:  técnico  (porque  reabilitar  não  é  restaurar),  económico   (como    financiar  as  operações  urbanísRcas  que  conduzam  ao  maior  grau  de   diversidade  de  aRvidades,  incluindo  lazer  e  trabalho)  e    políTco-­‐  administraTvo  (os   municípios  e  o  Estado  não  podem  fugir  às  suas  responsabilidades).  


2)  Reabilitação  urbana  tem  que  levar  em  conta  o   espírito  do  lugar  (genius  loci),    valorizando  a   diversidade  da  cidade  do  Porto  


3)  Alteração  da  lógica  de  intervenção  da  SRU  Porto   Vivo     •  parRcipação  de  capitais  do  Estado  (central)   •  reorientar  as  suas  finalidades  e,  como  prevê  o  arRgo  11º  da    Lei  nº   32/2012,  passando  a  executar  diretamente  as  operações  de  reabilitação   urbana  


4)  25  milhões  €/ano  para  reabilitação  urbana     •  40  milhões  cobrados  do  IMI   •  Baixa  do  Porto,  com  prioridade  para  o  Centro  Histórico  


•  Parar  a  venda  de  património   •  Recuperar  as  dezenas  de  casas  da  autarquia  no   centro  histórico   •  Punir  a  especulação   •  Tomar  posse  e  requalificar   •  Edi]cios  emblemáTcos:  Bolhão      


Reabilitação urbana  

Apresentação das nossas propostas sobre reabilitação urbana na tertúlia organizada pela APPRUP [Associação Portuguesa para a Reabilitação Ur...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you