__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Quarta-feira • 2 de junho 2021 • 1.00€

Portimonense SAD destaca apoio dos adeptos Rodiney Sampaio promete continuar a apostar no crescimento de estruturas e num plantel de qualidade. P12

UFAD Judo Alvor é projeto vencedor há dez anos

Quinzenário • Ano 1 • Nº25 Diretor: Rui Pires Santos

Sucesso assenta na dedicação e entusiasmo de um professor, e dos alunos que o seguiram, na concretização de uma identidade baseada no respeito pela modalidade. P8-9

VERÃO

Afro Nation adiado para 2022 Um dos eventos de grande dimensão agendado para julho, depois de ter sido suspenso em 2020, voltou a ser remarcado para 2022. Promotores decidiram não avançar com o festival e, apesar de ainda não haver certezas quanto a outras iniciativas, estas podem ter de ser readaptadas. P16

AMBIENTE

RESTAURO

EMARP celebra duas décadas de atividade com nova imagem P4

‘Enviada Moira’ será atracada junto ao Museu para preservar memória P4 PUB

TURISMO Concelho promove-se no mercado nacional P3

Fábrica de Janelas e Portas PVC e ALUMÍNIO Área de Exposição 200m2

CULTURA

‘Rosa do Mundo’ alia música antiga a património religioso P2

Centro Industrial Vale da Arrancada, Lt.49 Coca Maravilhas - Portimão Tel.: 282 475 065 Email: geral@silvestre-e-sousa.pt

António Torrado:

Um empresário que vive a Volta ao Algarve por dentro Desde cedo que tem uma paixão pelas bicicletas a pedal, estando a sua vida ligada ao ciclismo há vários anos. Participou em competições, foi treinador, técnico e presta apoio aos atletas que correm na ‘Algarvia’. P6-7

PUB


P2

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

ATUALIDADE Palestras e sessões nas escolas integram programação

‘Rosa do Mundo’ divulga locais históricos com concertos

Espetáculos serão na Igreja do Colégio e na Matriz da Mexilhoeira Grande.

O

festival ‘Rosa do Mundo - Música Antiga em Portimão’ prossegue até 12 de junho com mais dois concertos, palestras e sessões nas escolas. O próximo concerto será no dia 5, às 19h00, na Igreja do Colégio, em Portimão, com o grupo vocal ‘Ensemble Equaliter’, da Basileia, na Suíça, que apresenta um programa de polifonia franco-flamenga, numa alusão ao contexto vivido por Josquin des Prez. O último espetáculo consiste na apresentação do programa II de uma série de dois dedicados às sonatas de Johann Sebastian Bach pelo agrupamento ‘Contágio Barroco’, com Filipa Oliveira, flautas de bisel, e João Paulo Janeiro, cra-

vo, na Igreja Matriz de Mexilhoeira Grande, no dia 12, às 19h00. O evento iniciou-se a 29 de maio com a atuação do agrupamento algarvio ‘Projecto Armilar’, na Matriz de Alvor. Terão ainda lugar duas palestras, sendo a primeira no sábado, dia 5, às 18h30, na Igreja do Colégio. Terá como tema ‘A música no tempo de Josquin des Prez’, com o orador António Alves Pereira, maestro. Já no dia 12, também às 18h30, será a vez do músico e investigador João Paulo Janeiro apresentar ‘A música de câmara de Johann Sebastian Bach’, na Igreja da Mexilhoeira Grande. Na estreia deste festival, estão ainda agendadas duas sessões

D.R.

'Ensemble Equaliter' atua na Igreja do Colégio este sábado, dia 5 de junho para crianças que frequentam o ensino básico. O acesso aos concertos e às palestras é gratuito e aberto ao público, mas, uma vez que os

lugares são limitados, deve ser realizada uma reserva prévia por telefone (914 406  015) ou email (geral@maac.pt). O projeto é promovido pela

associação Música Antiga e pela Academia de Música de Portimão / Grupo Coral Adágio, com direção artística de Filipa Oliveira e o apoio da Câmara Municipal. PUB


P3

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

ATUALIDADE ANA SOFIA VARELA

Há prémios do ‘Valorizar o Comércio Local’ a reclamar

Vales atribuídos a crianças no Natal podem ser descontados até julho A Câmara Municipal de Portimão prolongou o prazo para os vales que foram atribuídos aos alunos do concelho possam ser descontados, devido ao facto de muitos dos estabelecimentos aderentes terem estado encerrados. Assim, os 'vouchers' podem ser utilizados até 3 de julho, nos espaços comerciais aderentes. Os interessados podem consultar a listagem completa no site da autarquia. Na mesma iniciativa do ‘Valorizar o Comércio Local’ há ainda prémios que não foram reclamados e que podem ser levantados até à próxima sexta-feira, 4 de junho, no Balcão Único, situado na Rua do Comércio, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00. D.R.

‘Portimão. Sempre Perfeito’ está na rua até 6 de junho

Autarquia lança campanha turística Serão 68 'spots' televisivos, além de inserções online e na imprensa, para atrair visitantes nas próximas duas 'pontes'.

A

Câmara Municipal de Portimão lançou uma campanha publicitária de dimensão nacional, na segunda-feira, 31 de maio, para convidar os portugueses a visitar o concelho nos próximos dois fins de semana prolongados. Retomar o hábito de viajar para Portimão e ‘matar saudades’ do que o concelho tem de melhor para oferecer, como as praias, a gastronomia, hotelaria, comércio

local e espaços de lazer, dão corpo à nova campanha. Intitulada ‘Portimão. Sempre Perfeito’, visa atrair os portugueses para uma ‘escapadinha de fim de semana’, estando, numa primeira fase, em vigor até domingo, 6 de junho. Será direcionada para canais televisivos, meios online e imprensa nacional, com destaque nos suplementos sobre férias no Algarve. São 68 'spots' televisivos, alguns em horário nobre,

e impressões nos canais online, que realçam o facto de Portimão manter todos os atributos que o tornam um dos mais preferidos destinos turísticos do país. A iniciativa pretende atrair o mercado nacional, dinamizando a economia local, que muito tem sido prejudicada pelos efeitos negativos da covid-19, com sucessivos planos de confinamento, avanços, recuos e encerramentos da atividade laboral do concelho.

Concelhia critica falta de estratégia da Câmara

PSD desafia executivo a pronunciar-se sobre eventos de grande dimensão A Comissão Política do Partido Social Democrata (PSD) de Portimão, através da bancada municipal, na última Assembleia, questionou o executivo socialista sobre a realização de grandes eventos nos meses de Verão. A estrutura partidária considera que a resposta foi “vazia”, tendo os responsáveis justificado que não tinham informações mais

concretas. Esta é uma das razões que leva ainda o PSD a criticar a falta de estratégia, calendário e trabalho conjunto com outras entidades para que o concelho acolha eventos entre junho e agosto. A estrutura quer ainda que a autarquia diga quais são as diretivas a ter em conta para a realização de qualquer grande evento e que dê garantias “aos comercian-

tes locais de que qualquer aposta política não terá repercussões no comércio com possíveis aumentos de casos de covid-19 que levassem, por exemplo, Portimão a recuar no desconfinamento”, refere. O PSD considera ainda que é possível realizar eventos em escalas diferentes e respeitando as medidas de saúde pública em vigor.

Sessão a 19 de junho com entrada livre

‘Bezaranha’ apresenta ‘Sótão, S.A.’ no Jardim 1º de Dezembro A história de uma insólita ‘empresa’ especializada em recuperar documentos danificados será contada no dia 19 de junho, a partir das 17h30, em pleno Jardim 1º de Dezembro. A criação coloca em cena duas funcionárias dedicadas e zelosas que, de forma muito metódica e compenetrada, levam a cabo a tarefa de recuperar essas ‘relíquias’. A peça está incluída na programação do ‘Bezaranha’ e conta com o apoio da Junta de Freguesia de Portimão.

João Vasconcelos visitou mata, convento e Abicada

Bloco de Esquerda promoveu roteiro cultural e ambiental O Bloco de Esquerda promoveu um roteiro sobre o património cultural e ambiental no concelho de Portimão, com visitas do deputado João Vasconcelos e outros elementos do partido à mata da Praia da Rocha, ao Convento de São Francisco e às ruínas romanas da Abicada. No primeiro local onde a comitiva parou, os bloquistas mostram-se preocupados com a possibilidade de avançar um “megaprojeto imobiliário”, com 26 hectares, que contempla “a construção de 700 fogos habitacionais e outros edifícios para fins turísticos e comerciais”. O BE opõe-se a este projeto, por achar que será “mais uma frente de betão numa zona nobre”. O atual estado do Convento de São Francisco, ainda naquela zona, também motiva criticas. “É lamentável a degradação avançada em que se encontra este imóvel de interesse público (propriedade de particulares)”, abandonado há décadas, “em que nem os sucessivos Governos, nem a Câmara Municipal foram capazes de requalificar”, acusa. O último monumento visitado foi o espaço onde estão inseridas as ruínas romanas da Quinta da Abicada, na Figueira. “Aqui, o abandono e a degradação é ainda maior e confrangedora”, porque envolve um monumento de interesse nacional, recorda o BE, que acrescenta que houve inação do Governo, não isentando a autarquia local de responsabilidade, pois deveria ter intercedido junto da tutela.


P4

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

SOCIEDADE Serviços Municipalizados foram criados em 1951

EMARP celebra 20 anos de atividade com nova imagem

Espetáculo no Teatro Municipal

Conceito, apesar de manter a forma característica da antiga marca, surge com um design contemporâneo.

Banquete foi servido pelos alunos

Mala Voadora leva ‘Off’ à cena a 19 de junho A peça de teatro ‘Off’, criada a partir do texto de Chris Thorpe, está agendada para 19 de junho, às 21h30, no Teatro Municipal de Portimão. A sessão decorre no âmbito de uma temporada de criações que o concelho recebe no âmbito da Rede Eunice Ageas. Esta é uma peça com encenação de Jorge Andrade, diretor artístico da Mala Voadora, que gira à volta de uma mulher com uma doença degenerativa e terminal.

D.R.

A

necessidades atuais de um universo cada vez mais presente no digital, com públicos mais atentos e exigentes”, justificam os responsáveis. Esta revitalização tem o objetivo de “promover um maior alinhamento entre a missão, a visão e o posicionamento da empresa e a forma como comunica, apresentando uma nova hierarquia de conteúdos, construindo um caminho de maior proximidade e apresentando ferramentas como o site, a aplicação digital e a própria fatura, com uma linguagem visual atual, apelativa e uma navegação mais dinâmica e interativa”, acrescenta a EMARP. Será um novo fôlego que não descaracteriza a essência da empresa, mas eleva-a a um patamar

'Moira' vai acostar junto ao Museu ser valorizado. O bom estado de conservação e as poucas transformações em relação ao original permitem que possa ser utilizada em futuras recriações de descarga do peixe, no âmbito do Festival da Sardinha, e que seja criado mais um ponto de interesse junto ao pontão do Museu, local onde será instalada uma

PUB

superior, refletindo da mesma forma o rigor e a excelência a nível de gestão, mas também de “um desenvolvimento sustentável, que se preocupa em ‘Cumprir no presente, Cuidar do futuro’”, argumenta ainda. Esta mudança gráfica foi efetuada pelo Gabinete de Comunicação da EMARP, criado há pouco tempo, em estreita colaboração com outros setores da empresa. A identidade visual será ativada nos canais de comunicação, online e offline, de forma gradual, evitando desta forma custos adicionais, situação que levará à coexistência de ambas as marcas, antiga e nova, durante um período de tempo, esclarece a empresa.

APS doou ‘enviada’ à Câmara Municipal

A Administração dos Portos de Sines e do Algarve doou a embarcação ‘Moira’, para que fosse recuperada e preservada, pois a sua história funde-se com a da indústria pesqueira local. De construção tradicional em madeira, é um dos últimos exemplares do género, pelo que constitui um testemunho social e cultural que deve

vestiu-se com espírito medieval Os alunos do 2º ano do curso de Técnico de Restaurante Bar, da Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão, escolheram o tema ‘História Medieval’ para um projeto integrador que realizaram no mês de maio. O evento consistiu na recriação de um banquete medieval em que todos os detalhes foram pensados e criados pelos alunos. O espaço escolar foi decorado a rigor e todos os convidados usaram roupas e adereços da época, que foram cedidos pelo grupo de teatro Boa Esperança. Além de jogos tradicionais, recriaram uma ementa própria, empratando à frente dos convidados, utilizando as técnicas de trinchar e desossar carnes que aprenderam na disciplina de 'Arte Cisória'. No final, brindaram os convidados com uma pequena performance teatral que contou com um momento musical, de ’flair bartending’ e pirofagia. Para a realização deste evento, os alunos protagonistas, contaram com o apoio da turma de Gestão e Produção de Cozinha, do segundo semestre, que confecionou todas as iguarias servidas no banquete. 

Empresa Municipal divulga à população grafismo moderno Empresa Municipal de Águas e Resíduos de Portimão (EMARP) celebra este ano duas décadas de criação, tendo assinalado o facto com uma mudança da identidade gráfica, que será apresentada à população a partir deste mês. É também neste ano que são celebrados 70 anos de trabalho dos Serviços Municipalizados da cidade, que em 2001 deram origem a esta empresa municipal. “Os dois marcos, de incontornável importância para a história portimonense, contribuíram para a decisão de repensar a marca” EMARP, pois “considerámos que este era o momento oportuno para olhá-la de uma forma integrada e definir uma estratégia de comunicação clara e ajustada às

Escola de Hotelaria e Turismo

doca seca para acostagem e amarração da ‘Moira’. De acordo com alguns testemunhos, esta embarcação serviu como ‘enviada’ de apoio a traineiras e terá realizado várias viagens a Marrocos, para a pesca do biqueirão. De momento, está no estaleiro a ser reparada e restaurada.

www.abracadabra.pt O nosso MUITO OBRIGADO a todos aqueles que contribuíram para completarmos mais um ano de existência!

282 070 772

Avenida São João de Deus, lt 1, lj 1 Portimão


PUB


P6

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

PESSOAS António Torrado é empresário e presta apoio técnico aos ciclistas da Volta ao Algarve

A vida fez-se para pedalar

As bicicletas são a sua grande paixão. Durante muitos anos participou em competições como ciclista, treinador, técnico e até… como cozinheiro. FOTOS: JORGE EUSÉBIO

Jorge Eusébio

A

vida de António Torrado tem estado, praticamente desde sempre, ligada às bicicletas a pedal. Conta que começou a participar em provas de duas rodas “aos seis anos de idade”. O ‘bichinho’ ficou, foi evoluindo e levou-o a participar em competições cada vez mais exigentes e com bons resultados, tendo sido federado até aos 19 anos. Por essa altura, o azar acabou por bater-lhe à porta sob a forma de um acidente que lhe provocou a fratura de uma perna, mas isso não foi suficiente para deixar para trás a sua paixão de sempre. Resolveu então tirar o curso de treinador e ligou-se a vários clubes de ciclismo, alguns já existentes e outros que ajudou a fundar. Passou, então, a transmitir os seus conhecimentos a jovens que começavam na modalidade e a outros que já competiam a sério. Como este não é um desporto com muitos meios, muitas vezes acumulava a função de treinador com as de massagista, técnico de manutenção, enfim, “fazia o que fosse preciso”. Inclusivamente, andava com fogão e frigorífico na carrinha para poder confeccionar as refeições dos seus ciclistas. Isto porque “as provas dos escalões mais jovens começavam logo por volta das 11 horas, pelo que havia a necessidade de lhes preparar as refeições com tempo para fazerem a digestão, e como a essa hora os restaurantes ainda não estavam abertos, tinha também de me ‘armar’ numa espécie de cozinheiro”. Apoio aos craques que correm na Volta ao Algarve Essa experiência permitiu-lhe que, numa fase posterior, passasse a acompanhar provas de ciclismo, mas dando assistência técnica aos ciclistas. Uma das competições em que participa nessa condição é a Volta ao Algarve, onde está integrado na equipa de apoio neutro, que apoia ciclistas de qualquer equipa. Por exemplo, quando há a queda de um corredor que não tem o carro da sua equipa junto a si, é António Torrado e os seus colegas que o vão ajudar. O mes-

As bicicletas têm feito parte da vida de António Torrado mo acontece quando há furos, avarias ou é necessário mudar uma roda, a corrente da ‘viatura’ ou qualquer outra componente da bicicleta. Por exemplo, na edição deste ano, uma das quedas mais mediáticas foi a do português Rui Costa, que era um dos favoritos. O infortúnio aconteceu na etapa da Fóia, António Torrado foi o primeiro a chegar ao corredor e, de imediato, apercebeu-se que a situação não iria permitir que o antigo campeão do Mundo se mantivesse em prova, o que, infelizmente, veio a confirmar-se. Este tipo de trabalho, que é pouco visível para o grande público, mas muito importante para os ciclistas, exige uma planificação ao pormenor, um sentido de ‘colocação’ entre os outros carros da corrida muito preciso, uma atenção constante e muita rapidez quando é preciso intervir. Há que ter sempre a perceção de que o atraso de uns segundos na assistência a quem se depara com um problema técnico pode ter impacto imediato na classificação da etapa ou da geral. Ao longo dos 13 anos que leva de ligação à Volta ao Algarve tem prestado apoio a alguns dos me-

lhores corredores do mundo pois a prova é composta por um pelotão de luxo, uma vez que faz parte do circuito das grandes equipas internacionais. António Torrado diz que isso se deve ao facto de – com exceção desta edição, devido à pandemia – “a Volta ao Algarve se disputar no início de cada ano, sendo, portanto, uma boa oportunidade para os atletas começarem a sua preparação”. O traçado da prova, com “etapas muito diversificadas, umas para os sprinters e outras para os trepadores” também ajuda, tal como o bom tempo que se faz sentir na região, em comparação com as condições meteorológicas adversas que, nessa altura do ano, existem em muitos países.

bem mais escasso do que era hábito. Por um lado porque há cada vez maior apetência por este tipo de desporto, que nem a covid-19 conseguiu travar. Pelo contrário, a procura até aumentou, o que atribui ao facto de “se tratar de

Quase não há bicicletas de menos de mil euros para vender O apoio técnico a ciclistas em competições desta dimensão dá um visível prazer a este apaixonado das duas rodas. E quando as provas terminam e regressa à ‘base’ tem mais bicicletas à sua espera. São dezenas as que expõe na sua loja, a Torrado Bikes, situada na zona da Pedra Mourinha. E, nesta altura, o stock até é

uma atividade física que é feita ao ar livre e pode ser realizada sem contacto com outras pessoas, como nesta fase convém”. Por outro lado, a oferta diminuiu, devido à pandemia. Isto porque, a nível internacional, muitas fábricas tiveram que fechar ou diminuir a sua atividade e a entrega também se tornou mais complicada e demorada. A conjugação destes fatores

leva a que “atualmente quase não haja para venda bicicletas de custo inferior a mil euros, que são as mais procuradas”. Com o avançar do processo de desconfinamento, António Torrado espera que a situação volte ao normal e que os muitos adeptos das duas rodas

O aumento de procura e a diminuição da oferta fazem com que atualmente quase não haja para venda bicicletas de custo inferior a mil euros, que são as mais procuradas possam aceder a bicicletas à medida das suas necessidades e capacidade financeira. O empresário considera que o Algarve podia aproveitar melhor as condições naturais que tem para a prática do ciclismo e do BTT, bem como o facto de haver cada vez mais praticantes. Uma das lacunas que identifica é a da falta de sinalização e de informação em muitos pontos dos circui-


P7

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

PESSOAS Futebol de formação do Portimonense

João Paulo Rebelo visitou Campo Major David Neto  O secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, visitou na semana passada as instalações do futebol de formação do Portimonense, tendo aproveitado esta 'visita de cortesia' para descerrar uma placa alusiva, no Campo Major David Neto, na sequência da atribuição dos fundos de requalificação aos espaços desportivos, no âmbito dos apoios à pandemia. O governante, acompanhado de responsáveis do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), foi recebido pelo presidente do clube, Fernando Rocha, e pela presidente da Câmara, Isilda Gomes, mostrando-se algo preocupado com o facto de alguns clubes algarvios e alentejanos estarem em risco de fechar portas. O caso do Portimonense é bem diferente e as inscrições até aumentaram.  

Alvinegros dependem de si próprios

No último ano registou-se um forte aumento da venda de bicicletas tos que foram criados. Outro dos problemas é “a existência de poucos pontos, áreas e estruturas de apoio, por exemplo, de albergues, junto a rotas como a Via Algarviana”. Essa circunstância obriga a que quem faz esses percursos, todas as noites tenha de percorrer muitos quilómetros para encontrar o apoio de que precisa. António Torrado nota que,

ao longo dos últimos anos, tem havido um incremento muito forte das atividades de duas rodas com o número de pessoas que compram bicicletas a registar um substancial acréscimo. Em muitos casos, o que se pretende não é a participação em provas, mas a realização de uma atividade de lazer saudável, em contacto com a natureza que tanto pode ser levada a cabo de for-

ma isolada ou em família e grupos de amigos. Quanto ao investimento necessário para o efeito, ele é muito variado, podendo começar com uma verba de umas centenas de euros ou até menos. Para quem leva a atividade mais a sério, a fatura acaba por ser mais alta, uma vez que qualquer bicicleta para competição custa mais de mil euros.

Basquetebol tem mais três jogos para alcançar um lugar no ‘play off’ O fim de semana não correu de feição ao basquetebol do Portimonense, que perdeu em Santo André e em Almada (85-83 e 79-70, respetivamente), depois de cinco vitórias consecutivas, mas, mesmo assim, a equipa continua a depender apenas de si própria para garantir um lugar no ‘play off’ de acesso à subida de escalão. Assim, os próximos encontros, com Montijo, Moscavide (em casa) e Algés (fora), são determinantes na classificação final da Zona Sul do Campeonato Nacional, liderada pelo ABC Santo André e com o Portimonense no 3º lugar. PUB


P8

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

CENTRAIS Uma história de sucesso assente na dedicação de um professor e dos alunos que o seguiram

Força inquebrável do Judo Alvor soma dez anos a fazer campeões Cristian Bernal nasceu no Chile, mas há 15 anos que vive na vila do concelho de Portimão, lutando pelo crescimento e implantação de uma modalidade já com muitas taças nas vitrinas do clube. FOTOS: EDUARDO JACINTO

prossegue Cristian, que dá aulas a cerca de meia centena de praticantes, de Alvor, Portimão e até de Lagos. “Agora, face à pandemia, tem sido diferente, mas chegámos a treinar todos os dias. Temos um polo em Odiáxere, onde também evoluímos”, diz ainda, explicando que o Judo Alvor se dedica à competição, formação e recreação, neste caso para os mais miúdos e para os graúdos que não entram em competição.   A proveitosa parceria com a Académica  O Judo Alvor vem-se destacando pelos seus inúmeros resultados

com a Académica. Treinam lá, graças a um sistema criado pela federação, que faz testes e permite que haja esses treinos” em condições deveras satisfatórias, quer do ponto de vista desportivo quer, também, assegurando o cumprimento das normas impostas em tempo de covid-19. A UFAD Judo Alvor é, pois, a concretização de um projeto comum a inúmeros judocas, que tudo fizeram para fundar um clube vocacionado para o judo. Um clube que, naturalmente, assumisse a sua preferência por esta modalidade, à qual se quer dedicar em todas as suas vertentes,

“É bom dizer que os campeões acabam e o que fica é a parte académica, o que eles são como pessoas. O objetivo é crescer a cada dia, na modalidade e na formação de indivíduos”

Cristiana Fonseca, Cristian Bernal e Catarina José com a Taça de Campeões Nacionais

Hélio Nascimento

A

s grandes histórias do desporto nacional fazem-se também à base de superação e entusiasmo. Para as pequenas e mais modestas coletividades, a vontade é o que mais conta. O Judo Alvor é um desses bons exemplos, assente na resiliência do fundador e dos atletas que lhe seguiram as pisadas, rumo a um lugar de destaque, assente, naturalmente, na proporção do meio onde se insere. É que Alvor tem pouco mais de seis mil habi-

tantes e respira entre Portimão e Lagos, duas cidades de maior porte e tradição desportiva. O clube completa dez anos em novembro e denomina-se UFAD Judo Alvor, sendo que as siglas correspondem a Umbreakable Force (força inquebrável) Associação Desportiva, um nome pouco comum, mas que foi adaptado face à urgência de então em constituir a associação e levá-la para a competição. “Pertencíamos a outro clube, o Judo Clube Portimão, quando resolvi criar um projeto diferente. Primeiro, fomos para

um espaço no Externato Ti-Té, onde treinávamos. Muitos atletas vieram comigo”, conta Cristian Bernal, um chileno que fez do nosso país a sua segunda pátria, que foi o fundador e é o responsável técnico e a alma do clube.   “Sou o único professor, mas há alguns judocas que ajudam e trabalham com os petizes. Depois do Ti-Té passámos uma sala no Centro Comunitário de Alvor, até chegarmos a este espaço, na zona central da vila. É alugado, mas é nosso e permite-nos treinar a todas as horas e mais à vontade”,

e pelas muitas e enriquecedoras experiências ao longo dos últimos anos, durante os quais o esforço, a dedicação e o trabalho em equipa têm ajudado a crescer em todos os aspetos, dos desportivos aos sociais e até aos estruturais. Assim sendo, tal como a associação faz gosto em frisar, “temos conseguido criar uma identidade própria que se caracteriza pelo respeito, amor pela modalidade e muita dedicação nos treinos e competições”. Por falar em competição, são vários os títulos nacionais conquistados, por equipas e individuais. Cristian destaca o ouro no Nacional de Cadetes em femininos (2013), o primeiro para a região, que antecedeu um outro (2016), bem como as diversas medalhas ganhas em campeonatos nacionais e internacionais. “Temos vários campeões que agora vivem, estudam e treinam em Coimbra, fruto de uma parceria

nomeadamente lúdica, de manutenção e competitiva. Apesar da óbvia vocação para o judo, os estatutos e o regulamento interno desta coletividade legitimam ainda o fomento e a realização de atividades de índole diferente. Caráter e cidadania para lá dos títulos  A instituição vive das mensalidades e do incansável apoio dos pais, “que investem em nós, depois de alguns anos sem apoios”. A Câmara Municipal, com a chegada de Isilda Gomes, bem como o Junta de Alvor, começaram, entretanto, a fornecer algum auxílio. “As coisas mudaram, é verdade. Estamos nestas instalações há quase cinco anos e estes apoios são fundamentais para o nosso funcionamento. Realizávamos um estágio internacional, que ajudava imenso a nossa gestão financeira, mas, por causa da pandemia, foi suspenso o ano passado e este Ve-


P9

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

CENTRAIS Aulas ‘especiais’ para ‘craques’ de três e quatro anos Aulas de judo para crianças de três e quatro anos? Pois é, mas são aulas de todo ‘especiais’, implicando muita paciência e uma série de jogos que cativem os petizes, para lá, é claro, de começarem a aprender os princípios básicos da modalidade. Não admira, por conseguinte, que quem se desloque às instalações do Judo Alvor e queira deitar um olho a estas aulas possa vir a deparar com a miudagem à procura de bolas de diversas cores, ou a ‘rastejar’, ou mesmo a fazer pequenas corridas. Tudo para que a brincadeira acompanhe estes primeiros passos de um eventual futuro campeão de judo. E por falar nisso: “Judo no Algarve? Não é pelo Cristian estar aqui, mas ele elevou a modalidade a outro patamar. Creio que sem ele não íamos a torneios internacionais. Os seus ideais são outros e trouxe consigo os que acreditaram no trabalho dele”, sustentam, em uníssono, Catarina José e Cristiana Fonseca, que o conhecem como poucos. 

A história do chileno campeão que trabalhou em cruzeiros

Cristian dedica atenção muito especial às aulas dos mais pequenitos rão ainda não sabemos. Vinham muitos atletas de fora, e em 2019, na última edição do Alvor Judo Camp, contámos com 250 participantes”, salienta Cristian Bernal.   A notoriedade e impacto da modalidade junto da população, devido aos êxitos desportivos entretanto alcançados, bem como a riqueza motora e educativa, são premissas fundamentais para o desenvolvimento de um projeto articulado entre o sistema educativo e desportivo.  Não admira, portanto, que a bandeira de princípios do Judo Alvor aponte para a  “sensibilização para a modalidade, promovendo e apoiando a continuidade e abertura de mais projetos desta natureza;  possibilidade de uma nova experiência no sentido de um enriquecimento psico-motor de índole variada; e, claro, o aumento do número de jovens praticantes. 

deixam o Algarve e vão estudar. Querem seguir uma carreira universitária, e, daí, a parceria com Académica. Mas é bom dizer que os campeões acabam e o que fica é a parte académica, o que eles são como pessoas”, destaca o professor, consciente de um papel que extravasa a componente desportiva. O objetivo “é crescer a cada dia, não só na modalidade, mas, também, na formação de indivíduos no seu carácter, personalidade e cidadania”.  Duas campeãs de corpo inteiro  A reportagem do Portimão Jornal e a conversa com Cristian Bernal foi acompanhada de perto por duas judocas que fazem parte da história do clube: Catarina José e Cristiana Fonseca contribuíram com títulos e com uma dedicação ímpar nestes passos seguros dados pela associação nos últimos

O Alvor Judo Camp, um estágio internacional que reunia muitos atletas vindos de fora e que se tornou um bom auxiliar na gestão financeira, juntou 250 participantes na última edição Cristian realça o facto de dois judocas, campeões em todos os escalões de formação e presentes em Mundiais, Europeus e no Festival Olímpico, terem sido formados no Judo Alvor, casos de Miguel Gago e Teresa Santos. “Mantemos o contacto, mas é certo e sabido que alguns atletas

anos. Hoje treinam pouco, não competem, mas continuam a ajudar e até a dar aulas aos mais miúdos sempre que as circunstâncias o permitem. “Comecei aos dez anos, porque o meu irmão já tinha praticado. Fazia natação, mas optei pelo judo, primeiro em Portimão,

e, depois, vim para Alvor com o Cris (Cristian). Sou muito competitiva e ele puxava imenso por nós, propiciando mais competições, inclusive lá fora, face aos seus conhecimentos em Espanha. O treino tinha outro nível”, confessa Catarina José, 24 anos, 1º dan da modalidade e uma campeã de corpo inteiro. O curso de enfermagem obrigou-a a viajar para o Porto e ficou “mais desligada do judo”. Componente da equipa campeã nacional de cadetes, Catarina trabalha agora nas urgências do Hospital de Portimão e o tempo não abunda. “Um turno de 12 horas é complicado e não nos deixa grande margem de manobra. Já dei aulas aqui, no Judo Alvor, mas de momento estou focada na minha profissão. Sou muito ambiciosa e para estar no judo tinha de ser a cem por cento”, garante, como quem diz que só os treinos não chegam, uma vez que é competitiva por natureza.  Cristiana Fonseca, 23 anos e igualmente 1º dan, fez parte da equipa ganhadora de Catarina, e de outras, como Marta, hoje personal trainer em Portimão. “Comecei aos cinco anos e também acompanhei o Cris. Os seus treinos eram mais puxados, com competição a sério e resultados que ficaram à vista. Nesta altura treino pouco. Tirei o curso de Línguas e Comunicação, embora trabalhe, agora, numa empresa de segurança”, ressalva Cristiana, que disputou provas em Espanha, França e Escócia e ajuda o mentor do Judo Alvor em algumas aulas. “Voltar mais a sério? Já não vai ser o mesmo”, atira, resignada com o passar dos anos e com as circunstâncias da vida.  

Cristian Bernal, o responsável técnico do Judo Alvor, tem uma história de vida a todos os títulos curiosa e notável. Nasceu no Chile, tem 45 anos, é 3º dan e, além do judo, é empresário em nome individual. A esposa é portuguesa, certamente a principal razão por se ter radicado na vila algarvia há cerca de 15 anos. “Fui campeão várias vezes e atleta de seleção no Chile. Mas, vivendo num país com ditadura, o desporto é sempre a última coisa a ser apoiada”, reconhece. Por isso, arregaçou as mangas e foi “trabalhar em cruzeiros, onde conheci a minha mulher”. Cristian já tinha deixado de competir, procurando “outras coisas na vida”. Em Madrid, onde viveu alguns anos, recomeçou então a treinar e a participar em provas, “como na liga espanhola, onde tudo correu bem”. O casal veio depois para o Algarve – o professor de judo tem já a nacionalidade portuguesa – e tem vivido sempre em Alvor.

Cristiana e Catarina prontas para mais um 'combate'


P10

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

RAIO-X A foto

Política em Off

D.R.

As conversas, os rumores e as tricas da política portimonense que não são notícia

Viva a polícia… mas não à hora do jantar

BOMBEIROS • O mais novo elemento do corpo de Bombeiros Voluntários de Portimão é a Freyja e tem como missão fazer equipa com o bombeiro de 3ª Nuno Silva para criar o binómio ‘Bravo’ do Grupo de Salvamentos Especiais no âmbito da busca e salvamento. Será um passo para preparar a unidade para o salvamento de soterrados em exigentes situações de exceção.

A frase

Estamos neste momento a avançar para uma nova faixa etária de autoagendamento [maiores de 50 anos] e estamos com uma preocupação muito grande de não deixar ninguém para trás” Marta Temido, ministra da Saúde

PRAIAS

CHUA

TURISMO

Os espaços balneares Alvor nascente e poente, Barranco das Canas, Careanos, Prainha, Rocha, Três Castelos e Vau foram classificados como ‘Praia com Qualidade de Ouro 2021’, pela associação ambientalista Quercus. O principal critério para a atribuição desta distinção é a obrigatoriedade de qualidade da água ‘excelente’ nas últimas cinco épocas balneares, neste caso de 2016 a 2020.

O Centro Hospitalar Universitário do Algarve está a operacionalizar a nova Unidade de Hospitalização Domiciliária de Portimão. Este será um serviço que permitirá que os doentes possam ficar em casa, com comodidade e conforto, sem que sejam colocados em causa os cuidados de saúde necessários. Será como se estivessem internados no hospital, acompanhados por equipas de profissionais de saúde.

Apesar da retoma económica começar a ganhar agora novo alento, o concelho ainda não sente os efeitos da chegada dos turistas. A covid-19 prejudicou as empresas do setor nos meses de inverno e a esperança é a de que a época alta, que está aí à porta, salve ainda muitos negócios. Para já, o movimento no concelho está aquém de outros anos, ainda que possa animar com os dois próximos feriados de junho.

O Chega é um partido que adora as forças de segurança. E consta que detesta, com idêntico vigor, os ‘bandidos’ e quem, de alguma forma, coloca em causa a atividade dos profissionais da PSP e GNR. O amor do partido de André Ventura pelas forças da ordem é válido em todo o país e, obviamente, também se aplica em Portimão, mas aqui… com conta, peso e medida. Uma das primeiras iniciativas do candidato do Chega à presidência da Câmara foi pôr a correr nas redes sociais um vídeo a informar ter apresentado queixa contra agentes da PSP. Carlos Natal conta que se encontrava a jantar num restaurante – que, tal como todos os outros, nesta fase tem como hora limite de funcionamento as 22h30 - quando, por volta das 22h45, entraram agentes da PSP a solicitar aos clientes que saíssem e ao restaurante que cessasse a sua atividade. O candidato do Chega recusou-se a acatar a ordem e insistiu em acabar a refeição, o que levou a que os agentes instaurassem um auto ao estabelecimento, decisão que Carlos Natal considerou ser um “abuso de autoridade”. Portanto, e em resumo, parece que o Chega local também adora a polícia desde que, obviamente, isso não interfira com as sagradas refeições do seu candidato.

Mas quem são os pais dos cartazes? A campanha eleitoral em Portimão promete ser muito animada, a avaliar pelo ‘cheirinho’ que, a largos meses das autárquicas, já se começa a sentir. Primeiro surgiu um outdoor não assinado de ‘ataque’ a Isilda Gomes e depois uma montagem digital do mesmo com outro alvo, tendo a indicação de ser da autoria da Iniciativa Liberal. Contudo, na sua página de Facebook, aquele partido já veio garantir que tal informação é falsa. Então ninguém dá a cara por tamanhas ‘obras de arte’ urbanas? Será preciso mandar fazer testes de paternidade para descobrir quem são, afinal, os progenitores dos cartazes?


PUB


P12

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

DESPORTO

Garantida a quinta presença consecutiva na I Liga, Rodiney Sampaio agradece apoio dos adeptos e da cidade

Todos juntos num só propósito… por um Portimonense mais forte! 

O presidente da SAD promete que a aposta no crescimento e no desenvolvimento das estruturas vai continuar, a par da construção de um plantel com “muitas soluções” para a época de 2021/22. PORTIMONENSE SAD

salientando sempre que a segurança do público está em primeiro lugar. Ainda estamos na luta contra o vírus que assombra o mundo, protejam-se e cumpram as regras de higiene”, alerta. O líder da SAD expressa também um sentimento de gratidão para com as forças vivas da cidade, “desde a responsável máxima, a doutora Isilda Gomes, a todos os seus colaboradores”. Em conjunto, vinca Rodiney, “sempre apoiaram a SAD e o Portimonense, e hoje, reconhecidos, temos de agradecer, bem como aos adeptos que respiram futebol no dia a dia, porque Portimão merece futebol de primeira e a administração da SAD promete que vai continuar a apostar no crescimento e a desenvolver as estruturas”.

Rodiney Sampaio sustenta que os projetos e os bons resultados têm reforçado a imagem do clube Hélio Nascimento

A

época foi “dura e cansativa”, mas o Portimonense carimbou a desejada permanência e garantiu a quinta presença consecutiva entre os grandes do futebol português. O registo levou o Portimão Jornal à conversa com Rodiney Sampaio, o presidente da SAD, que, logo à cabeça, destacou o papel dos adeptos numa época de todo atípica. “A atitude deles em juntarem-se à equipa foi fundamental, o que ainda mais contribuiu para que toda a estrutura se sentisse na obrigação, digamos assim, de obter bons resultados, visando alcançar o objetivo maior, que era a manutenção, tal como planeado desde o início da campanha”. Com este forte apoio dos adeptos, toda a equipa técnica, jogadores e 'staff' quiseram “re-

dobrar o esforço e valorizar o trabalho diário”, prossegue o dirigente. “Venham mais apoios positivos, porque são destes apoios que a equipa necessita. Todos juntos num só propósito! Só assim o Portimonense ficará mais forte!”, considera Rodiney, lamentando não ter sido possível “contar com a força dos adeptos nas bancadas”, mas justificando com a obrigatoriedade de “preservar a saúde das pessoas e fazer cumprir as regras impostas pela Direção-Geral da Saúde”. Apesar disso, o calor nunca faltou, “já que os nossos sócios e simpatizantes esperavam pela equipa no portão de saída do Centro de Estágio Dois Irmãos e acompanhavam o autocarro até ao estádio, apoiando também na rotunda da saída da cidade, quando jogávamos fora de casa, e, por estas atitudes, repito, todos os adeptos estão de parabéns”.

Portimão merece futebol de primeira Rodiney Sampaio sustenta que a empatia entre a cidade e o clube é agora significativa, depois de um período de “alguma desconfiança”, quando a SAD mudou de mãos. “Os bons resultados da equipa de futebol, o título de campeão da II Liga, as estruturas do estádio e do centro de estágio… e agora vamos a caminho da quinta época seguida no principal escalão do futebol português. E mais quatro épocas com o melhor relvado. A cidade já vê o Portimonense com outros olhos e o futebol mexe com o coração de quem gosta”. Quanto à presença do público para a próxima época, já estão sendo analisadas algumas propostas, a nível geral, o que leva o responsável a transmitir confiança, embora com toda a prudência. “Vamos aguardar o desfecho,

Aposta nos jovens virou bandeira Num sucinto balanço sobre a época, Rodiney Sampaio admite um “sentimento de alegria” por ter sido alcançado o principal objetivo, o da permanência. “Podíamos ter resolvido mais cedo, mas estão todos de parabéns e a imagem do clube saiu reforçada”. Neste aspeto, como tem sido noticiado, merece destaque a ascensão de vários jovens oriundos da equipa de sub-23, casos de Fali Candé, Beto, Anderson, Luquinha e até Samuel. “O Paulo Sérgio foi o responsável pelo lançamento destes valores. O mérito é todo dele”, diz, sem assumir os louros de um projeto que constituiu uma bandeira da SAD de há dois anos

MAIS JOGOS Aylton   34 Maurício 33 Dener   32 Willyan   32 Anzai  31 MAIS MINUTOS  Maurício 2937 Dener  2784 Samuel  2672 Anzai  2576 Aylton 2573 MAIS GOLOS Beto 11 Aylton 5 Fabrício 4 Dener 4 Lucas e Fali 2 a esta parte.  “A partir deste mês vamos começar a planear a próxima época, em conjunto com o míster”. O reforço do plantel está algo dependente das saídas e do que o treinador mais precisar. “É cedo para falar de possíveis vendas, inclusive porque o mercado está repleto de especulações, mas não nego que temos recebido várias sondagens e contactos a propósito de alguns jogadores”.  Nesta sequência de ideias, um bom negócio está, naturalmente, na mira do clube. “Dependemos também das vendas de jogadores para alimentar toda esta estrutura e pagar e ter os vencimentos em dia. Queremos ter um bom orçamento, contratar bons jogadores e dispor de muitas soluções, mas, para isto ser possível, é preciso equilíbrio na gestão”.  

Beto é o mais cobiçado Na lista dos jogadores do Portimonense mais cobiçados o nome do ponta de lança Beto (melhor marcador, ver quadros) é o mais falado. Já foi associado, inclusive, a Sporting, Porto e Benfica, mas Rodiney Sampaio sublinha que não vale a pena fazer desenhos. “Há muito interesse e algumas abordagens, mas nada de concreto. Os italianos insistem no Samuel, também nos pediram indicações do Aylton, do Lucas, do Fali Candé, do Willyan. São situações que vamos analisar com calma”, garante, sendo de lembrar que todos estes atletas têm contratos em vigor e estão blindados por cláusulas de rescisão.


PUB

Deve evitar acumular dívidas e ofertas milagrosas de crédito fácil, como por exemplo “limpe o seu nome sem pagar as dívidas” ou “resolvemos o seu problema financeiro, mesmo com o seu nome sujo”


P14

OPINIÃO

Pedro Manuel Pereira Historiador

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

Banca Formal versus Banca Informal - A Guerra

A guerra financeira mundial, ou seja, a que resulta do combate entre a banca formal e a banca informal, espraia-se, neste momento, por todos os continentes. Qualquer destes sistemas tem uma existência de mais de oito séculos, sendo que o precursor das transferências bancárias transnacionais e transcontinentais foi a Ordem dos Templários. Os muçulmanos por sua vez ter-lhes-ão seguido as pisadas, se não foram – provavelmente – seus contemporâneos.

das nações do MERCOSUL (Mercado Comum do Sul), ou seja, o  mercado económico regional para a América Latina, de que se destaca o Brasil e o mercado asiático (China, Índia, Japão,  Singapura, Coreia do Sul,  Indonésia,  Malásia,  Filipinas, Tailândia), cujo eixo é regulado pela China e pela  Índia  enquanto as velhas potências europeias aglutinadas na União Europeia se afundam como o  Titanic, ao som de choros e gritos, acompanhadas por uma orquestra de violinos trajada de fraque, que ataca impávida e serena uma valsa manhosa composta por uma valquíria alemã.

um lado, a banca formal com existência física, detida maioritariamente por tradicionais famílias oligarcas judaicas ou por elas controlada, e por outro lado, a banca informal, sem existência física, controlada por muçulmanos.

Ao longo dos séculos estes dois sistemas de transações de dinheiro coabitaram num mundo em construção global, aparentemente sem atritos (note-se que afirmamos: aparentemente). O panorama de conflitos abertos nos dias de hoje é o de países como a Líbia, Síria, Iémen, Ira-

O mundo que conhecíamos, esboroa-se rapidamente em cada dia, em cada hora que passa, perante a – aparente – impotência de todos nós. Independentemente da crise das economias mundiais por via do covid-19, por detrás deste cenário, como fundamental gerador, existe um

Chegados a este ponto, é tempo de relatarmos ao leitor como funciona a base da banca informal muçulmana: - Trata-se do sistema Hundi – de transações financeiras – que se baseia no conceito da confiança total, sem papéis, sem documentos, selados com a palavra de honra e um aperto de mão. Funciona na perfeição, porque qualquer um que faça lavagem de dinheiro e traia o seu cliente, será rapidamente ‘suprimido’ do negócio. Por exemplo, no caso de transferências, o depositante entrega a quantia em dinheiro vivo – em qualquer moeda – ao homem  hundi  no ponto A e pede que uma pessoa de sua confiança, familiar ou amigo, que receba o mesmo valor no ponto B, menos a percentagem do homem hundi, percentagem essa bastante inferior à cobrada na banca formal pelo mesmo tipo de transação, refira-se.

“Para quem pretenda ocultar a proveniência do dinheiro, constitui um erro fatal transferir elevadas quantias através do sistema bancário formal, logo, a banca informal revela-se a melhor solução” que, Somália e Afeganistão, mais Israel/ Palestina e Egipto, enquanto outros, por exemplo, encontram-se em guerra larvar, num conflito cujas faces visíveis são as fações xiita e sunita. Se há marca distintiva desde o primeiro ano do século XXI até aos dias presentes, é a dos conflitos sociais, políticos, económicos e militares permanentes, resultantes de uma reordenação geoestratégica política e económica global em curso, de onde emergem novas potências a partir

combate, uma velha guerrilha de séculos, transformada hoje em guerra financeira que se trava na sombra entre a banca formal e a banca informal. Todos os cenários bélicos e económicos atualmente em curso decorrem assim, em primeira instância, dessa guerra entre ‘bancas’. Os grandes conflitos atuais - Iraque, Afeganistão, Síria e outros – têm sobretudo por rastilho o velho combate de sombras pelo controlo pelo domínio exclusivo mundial das transações financeiras. De PUB

AULAS PARTICULARES DE

MÚSICA em PORTIMÃO GUITARRA - PIANO - ACORDEÃO Também com opção online

PARA TODAS AS IDADES Prof. LUÍS FONSECA - 938859761 luisfonseca@sapo.pt

Há pouco mais de uma década, por razões complexas e extensas para serem relatadas neste pequeno artigo, a oligarquia bancária decidiu aniquilar a rede ‘bancária’ internacional muçulmana que tem vindo a conquistar e desempenhar um crescente e preponderante papel nas transações financeiras mundiais.

O homem hundi tem um parceiro de confiança, geralmente um parente no ponto B, a quem instrui da forma de disponibilizar a quantia depositada ao amigo do pagador, que se irá identificar junto dele de forma pré-combinada, ou seja, uma senha acordada na origem da transferência.

tema; atendendo às importâncias/valores decorrentes de transações comerciais que se contam por milhares ou milhões diários; considerando que neste processo não existem computadores ou extratos bancários; considerando ainda que todas as quantias são transacionadas em dinheiro vivo e que tanto pagantes quanto receptores podem usam pseudónimos, a movimentação é virtualmente impossível de ser intercetada ou rastreada. Atente-se também, que para quem pretenda ocultar a proveniência do dinheiro, constitui um erro fatal transferir elevadas quantias através do sistema bancário formal, logo, a banca informal revela-se a melhor solução. Para além disso, desconhecem-se organizações centralizadas para as operações financeiras da banca informal. Neste sentido, torna-se evidente que a banca formal está condenada a perder esta guerra a médio prazo e com ela, o descapitalizado sistema capitalista nos moldes em que tem existido, mau grado vá esbracejando no mar encapelado dos dias que correm, assumindo posturas de desespero trágico/grotescas. Com a crise pandémica, a fuga de capitais para outras bandas do mundo acelerou nestes meses passados. A banca europeia afunda-se, assim, na descapitalização e no desnorte. A banca formal torna-se violenta, assaltando coercivamente o dinheiro dos depositantes com o respaldo armado dos governos das nações em cujos bancos metem o gadanho. * artigo escrito sem a aplicação do novo acordo ortográfico

Tendo em conta as dezenas de milhões de muçulmanos, que enviam dinheiro para as suas famílias nos seus países de origem, bem assim como tantos outros milhões de não muçulmanos (hindus, chineses…) entre outros, que trabalham com este sisPUB

PUB


P15

Portimão Jornal • 2 JUN 2021 • Nº25

ÚLTIMAS

CM PORTIMÃO

De 25 a 27 de junho a proposta é promover música

Dias da Percussão enchem cidade de sons e ritmo

Representante visitou Museu e Bairro Cruz da Parteira

Teatro Municipal, Museu, centro histórico, zona ribeirinha, Praia da Rocha e Alvor são os locais por onde o festival passará. JOÃO CATARINO

O

s ritmos contagiantes e as batidas sincopadas vão agitar diversos pontos da cidade com a realização do festival Dias da Percussão Portimão 2021, entre 25 e 27 de junho. A programação desta edição inclui concertos, desfiles, oficinas e masterclasses, apostando na aproximação desta linguagem artística à comunidade local. O festival reúne percussionistas de renome nacional e internacional, dos quais se destacam Vasco Ramalho e Nuno Aroso (marimba e vibrafone), Eduardo Cardinho (vibrafone), Marcos Cavaleiro (bateria), Sérgio Almeida (percussão africana), o Bomboémia - Grupo de Percussão da Universidade do Minho  (percussão luso-brasileira), João Guimarães Grupo (sob direção de João Guimarães no saxofone) e o duo Isabel Vaz (violoncelo) e Vasco Dantas (piano). A proposta é que estes artistas se juntem aos músicos da região algarvia e aos alunos do curso integrado e do curso profissional de Jazz do Agrupamento de Escolas da Bemposta. Na programação é destacada a encomenda musical ao compositor João Pedro Oliveira, que estreará a obra ‘In  the  House  of  the  Glass  King’, com Nuno Aroso, Vasco Ramalho e o Algar-

da Diversidade Cultural no concelho Sónia Pereira, alta comissária para as Migrações, celebrou o Dia Internacional da Diversidade Cultural, no dia 21 de maio, em Portimão. A representante abriu as celebrações da Semana Intercultural no concelho, tendo visitado a exposição ‘Somos todas as Cores’, no Museu, que reúne uma importante parte do conjunto das obras do escultor, ceramista e pintor alemão Hein Semke. Esteve ainda no Bairro da Cruz da Parteira, onde coexistem diversas culturas e, está em curso a revitalização artística de um muro, com 120 metros de comprimento, pelos artistas locais Tars8two e APC do Laboratório de Atividades Criativas, com o mote ‘Interculturalidades’.

Galardão foi atribuído pelo IPDJ

Judo Clube de Portimão recebe Bandeira da Ética 2020 Algarve Grupo de Percussão Contemporâneo é um dos convidados ve Grupo de Percussão Contemporâneo, formado por jovens percussionistas da região. Há ainda a estreia de uma obra musical para marimba e ‘sardinhofone’, ao abrigo do Fundo de Fomento Cultural do Ministério da Cultura, com direção e interpretação de Vasco Ramalho, composição de Tiago Cutileiro, a qual terá a indústria conserveira de Portimão como principal inspiração criativa. Além dos concertos, está agendada uma conversa online no pré-evento, que tem como objetivo a reflexão sobre todos os desafios inerentes à criação e

programação da percussão contemporânea na atualidade portuguesa. No final haverá desfiles pelo Bomboémia, além de quatro oficinas e masterclasses de percussão, sobretudo direcionadas para o público infantojuvenil. Este é um projeto d’O Corvo e a Raposa Associação Cultural, apoiado pela Direção-Geral das Artes, tendo a Câmara como parceira estratégica. Conta com o apoio do Agrupamento de Escolas da Bemposta, das Juntas de Freguesia de Portimão e de Alvor, bem como da Antena2 e da Rádio Portimão.

Segundo Bootcamp da StartUp premiou empreendedores locais bém para um projeto que está incubado na StartUp Portimão, sendo da autoria de Pedro Esteves, Ana Teresa e Maria Joana. Chama-se Link-a-Ring e é um laboratório para novos conceitos de restauração nas áreas de take away e delivery. A construção de pequenos espaços para trabalho, lazer ou criatividade através do sistema de

A Direção Regional do Algarve do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) distinguiu o Judo Clube de Portimão com a Bandeira da Ética 2020, no dia 21 de maio, em Faro, no âmbito do Programa Nacional para a Ética no Desporto (PNED). O clube portimonense tinha sido o primeiro a receber este galardão, renovando-o agora por mais dois anos. Segundo o IPDJ, este é o reconhecimento do mérito na atuação deste clube em ações e campanhas junto dos associados, atletas, treinadores e dirigentes visando o ‘fair play’, a promoção de boas práticas, os valores e a ética no desporto. Foram ainda distinguidos com esta bandeira a Academia de Judo de Faro, o Clube de Futebol Esperança de Lagos e a Associação de Ginástica do Algarve. Já David Livramento, do Clube de Ciclismo de Tavira, foi galardoado por ter auxiliado outros atletas que caíram na segunda etapa da Volta a Portugal, tendo deixado a corrida, enquanto a Associação de Futebol do Algarve foi a entidade escolhida para ser homenageada pela criação do cartão branco nos escalões de formação, fomentando o ‘fair play’. O selo digital da Bandeira da Ética foi entregue ao Sporting Clube Olhanense e ao Clube Desportivo Recreativo Quarteirense.

FARMÁCIAS COM SERVIÇO NOTURNO

Projeto de reutilização de águas cinzentas foi o vencedor

O projeto distinguido na segunda edição do Bootcamp de Aceleração Online no Algarve, promovido pela StartUp Portimão, na semana passada, com o primeiro lugar foi o ‘SWRS’, do empreendedor Pedro Glória. Consiste num sistema de reutilização de águas cinzentas em descargas sanitárias. A segunda posição foi tam-

Alta comissária assinalou o Dia

JUNHO 2 Pedra Mourinha • 3 Moderna • 4 Carvalho • 5 Rosa Nunes 6 Amparo • 7 Arade • 8 Rio • 9 Central 10 Pedra Mourinha • 11 Moderna • 12 Carvalho • 13 Rosa Nunes 14 Amparo • 15 Arade • 16 Rio

alojamento local, intitulado ‘The Escape Artists’, de Ben Sullivan, ficou em terceiro, tendo ainda sido distinguido com uma menção honrosa o projeto ‘Atlas’, que pretende oferecer passeios culinários a bordo de uma embarcação, e que é promovido por Miguel Godinho e Beatriz Almeida, alunos da Escola Secundária Poeta António Aleixo.

FICHA TÉCNICA DIRETOR Rui Pires Santos REDAÇÃO Ana Sofia Varela, Hélio Nascimento e Jorge Eusébio • DESIGN E PAGINAÇÃO Vanessa Correia FOTOGRAFIA Eduardo Jacinto e Kátia Viola DEPART. COMERCIAL Hélder Marques, 914 935 351 PROPRIEDADE E EDITOR PressRoma, Edição de Publicações Periódicas, Unip. Lda., Rua Dr. João António Silva Vieira, Lote 3, 3º Dto, 8400-417 Lagoa CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Rui Pires Santos • DETENTOR DO CAPITAL 100% Rui Pires Santos • NIF 508 134 595 • Nº REGISTO ERC 127433 • DEPÓSITO LEGAL Nº 470747/20 • SEDE DE REDAÇÃO Rua Dr. João António Silva Vieira, Lote 3, 3º Dto., 8400-417 Lagoa EMAIL portimaojornal@gmail.com • TELEFONE 282 381 546 | 967 823 648 IMPRESSÃO LUSOIBÉRIA, Av. da República, nº 6, 1.º Esq. 1050-191 Lisboa • TIRAGEM 3.750 exemplares • PERIODICIDADE Quinzenal • ESTATUTO EDITORIAL: https://algarvevivo.pt/ sobre-nos/


A FECHAR

Quarta-feira • 2 junho 2021

ANA SOFIA VARELA

Autarquia estuda moldes da animação de Verão

‘Afro Nation’ adiado para 2022 Pandemia condicionará eventos, mas poderá estar em cima da mesa a realização de alguns desde que em ambiente controlado. ANA SOFIA VARELA

Praia da Rocha não será palco de enchentes de festivais Ana Sofia Varela

A

organização do festival ‘Afro Nation’ divulgou na sexta-feira, 28 de maio, que a realização da edição deste ano na Praia da Rocha, será adiada para 2022. Aliás, já tinha sido suspensa a promoção do evento, em 2020, devido à propagação da covid-19. Apesar de ainda não existir uma decisão formal quanto aos concertos de grande dimensão

por parte do Governo, há promotores que já optaram pelo adiamento. Para já, em Portimão, este festival é o único cujo adiamento foi tornado público. Ao que o Portimão Jornal apurou, a Câmara Municipal ainda não tomou uma posição quanto a este tema, por não existir também, pelo menos até ao fecho desta edição, na segunda-feira, 31 de maio, uma orientação para a organização destes eventos. Ainda assim, a autarquia está

a estudar algumas soluções, como é o caso de alguns concertos se realizarem em recinto fechado e controlado a nível de acessos. Estas alternativas e soluções vão ser divulgadas à medida que haja diretrizes mais sólidas, quer dos responsáveis do Governo, quer da Direção-Geral da Saúde, e consoante o plano de desconfinamento e a evolução tanto da pandemia, como da vacinação contra a covid-19 que está a ser implementada em todo o território nacional. Não está, por isso, para já, descartada a hipótese de se realizar o Festival da Sardinha e outros eventos de animação de Verão, em recintos controlados. Segundo fonte da autarquia, há cinco concertos comprados pela Câmara que eram para ter decorrido na edição de 2020 do Festival da Sardinha. Com a pandemia a limitar as iniciativas no ano passado, este evento foi suspenso, na esperança de que se concretizasse em agosto de 2021. Não há ainda certezas, mas mesmo que a decisão seja a de adiar o Festival mais um ano, esse facto poderá não colocar em causa a realização dos espetáculos contratados, em recintos fechados, à semelhança do que aconteceu com o concerto que a fadista Mariza deu em outubro de 2020, na zona ribeirinha de Portimão, no âmbito da animação paralela ao Grande Prémio de Portugal em Fórmula 1.

Centro de Vacinação chama cidadãos com mais de 54 anos O Centro Municipal de Vacinação está a agendar as vacinas de maiores de 50 anos, mas apela aos cidadãos com 54 anos, caso ainda não tenham sido chamados para a inoculação da covid-19, para que contactem a Proteção Civil Municipal. Ou seja, quem ainda não foi referenciado e esteja nesta faixa etária deve telefonar para a ‘Proteção 24’ (808 282 112) e agendar a ida ao espaço de saúde. Também no dia 28 de maio, o Centro de Vacinação Municipal, instalado no Pavilhão Gimnodesportivo da cidade, bateu recordes ao administrar 1121 doses da vacina contra a covid-19.

CHUA venceu prémio ‘Bolsa Capital Humano em Saúde’ O Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) recebeu, a 27 de maio, o prémio ‘Bolsa Capital Humano em Saúde’, com o projeto o ‘Centro de (Des)Envolvimento Humano para a Saúde’, durante a nona Conferência de Valor da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares. Na sessão participaram Ana Castro, presidente do Conselho de Administração do CHUA, e Rita Neves, diretora do serviço de Capital Humano. O projeto está inserido numa estratégia de reconhecimento do valor humano do hospital. A distinção dará acesso a consultoria que permitirá acelerar a implementação deste projeto, que prevê o desenvolvimento de iniciativas de humanização das relações laborais, promoção de um contexto de trabalho saudável e de uma cultura institucional que prima pela satisfação dos profissionais.

Canto alentejano e fado sobem ao palco com ’Portugalex’ O espetáculo ‘Portugalex’ está agendado para dia 9 de junho, às 21h30, no Teatro Municipal de Portimão, e conta com as atuações de Buba Espinho, Luís Trigacheiro e Luís Espinho, trio de Beja, acompanhados por Bruno Chaveiro, na guitarra portuguesa. O concerto junta fado e cante alentejano, dois géneros musicais classificados como Património Imaterial da Humanidade. O trio é responsável por este projeto e os músicos que o compõem têm um percurso musical que já passou por diversos eventos e concursos nacionais. PUB

CENTRO DE JARDINAGEM Garden Center Parchal - Lagoa Construção e Manutenção de Jardins Garden Maintenance & Landscaping

282 094 787 +351 916 846 990 paulo@pgs-gardens.com www.pgs-gardens.com

Profile for Portimão Jornal

Portimão Jornal nº 25 | 02.06.2021  

Portimão Jornal nº 25 | 02.06.2021  

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded