Page 1

REVISTA PORTA DO SOL

|

1


Editorial

/ Nesta edição

4 5 7 8 10 13 14 16 17 18

ESPECIAL MEIO AMBIENTE Preservação é, cada vez mais, prioridade na Porta do Sol MEIO AMBIENTE Audiência pública discute boas práticas bicho da gente Pegadas de lobo-guará são encontradas na Porta do Sol segurança Portarias terão novo controle de acesso e biometria na entrada do clube capa Temos tudo em nossa volta. Inúmeras cidades próximas que atendem a todas as nossas necessidades convivência É preciso respeito às regras gente da porta Flávia, que hoje mora nos Estados Unidos, já foi campeã de tênis clube e social Novidades no restaurante e na hípica. Associado toma posse na OAB obras Construção de muro, tijolos para montar paredes verdes e mais ruas asfaltadas nossas ruas Catulo da Paixão Cearense é um sossego só

Boa convivência exige cooperação

C

onvivência é um tema constante nas nossas conversas. Este número da revista continua com a discussão sobre como podemos realmente praticar a convivência aqui no nosso Residencial. Convivência entre nós moradores, mas também entre os moradores e a natureza. Aliás, as coisas não são separáveis, é comum percebermos pessoas com problemas de convivência com o seu vizinho ter também um comportamento inadequado com o meio ambiente. Os nossos problemas de convivência se manifestam em cinco grandes grupos: • Barulhos inaceitáveis ao longo da madrugada é um tema que estamos tratando junto ao Conselho Deliberativo e junto a Prefeitura de Mairinque. • Cães soltos pelo Residencial, boa parte deles sem dono, mas alguns de proprietários que têm que exercer a posse responsável. • Agressões ao meio ambiente com aterros mal feitos e ilegais • Comércio dentro do Residencial • Lixo 2013 é um ano dedicado a tentarmos corrigir estes problemas. Por um lado, vamos investir pesadamente na educação ambiental, a coleta de lixo reciclável tem que ser ampliada, e o lixo doméstico deve ser acondicionado corretamente - e não abandonado como infelizmente ocorre em alguns pontos do Residencial. Por outro lado devemos aumentar a fiscalização e as multas pecuniárias. Estamos discutindo com o Conselho Deliberativo a alteração dos valores das multas de infração ao Regulamento e atuando junto a Prefeitura de Mairinque para que exerça fiscalização dentro do nosso Residencial. Este número da nossa revista aborda alguns destes pontos. Boa Leitura

Renzo Bernacchi Presidente da Diretoria Executiva da APAPS Associação dos Proprietários Amigos da Porta do Sol

EXPEDIENTE: A Revista Porta do Sol é uma publicação bimestral da APAPS - Associação dos Proprietários Amigos da Porta do Sol. É enviada gratuitamente pelos Correios para os proprietários do Residencial Porta do Sol. A versão eletrônica da Revista está disponível no site da APAPS: www.portasol.com.br • APAPS - Rodovia Castelo Branco, Km 63,5 - Porta do Sol - 18120-000 - Mairinque (SP) - sap@portasol.com.br - Fone: 11 4246-6464. Direção editorial: Diretoria de Marketing APAPS • Diretor responsável: Renzo Bernacchi Coordenação e produção editorial: Newww.comm Comunicação Integrada - 15 3011.4599 - www.newww.com.br Jornalista responsável: Helena Gozzano • Editoração eletrônica: Daniel Guedes (Mtb 33.657) • Publicidade: Alan Carvalho (15) 3011.4599 / 9115.2126 email: publicidade@portasol.com.br

2

| REVISTA PORTA DO SOL


REVISTA PORTA DO SOL

|

3


Especial Meio Ambiente

preservação reservação do meio ambiente é, cada vez mais, prioridade na porta do sol um dos eixos norteadores das ações educativas é a informação

O

s últimos resultados da pesquisa “O que o Brasileiro pensa do Meio Ambiente e do Consumo sustentável”, considerado o mais amplo painel sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável existente no País, mostra que os brasileiros estão mais conscientes sobre a importância do meio ambiente. Durante a Rio 92, 47% dos entrevistados não sabiam identificar os problemas ambientais. Em 2012, apenas 10% ignoravam a questão. O principal problema ambiental citado pelos brasileiros é, desde a primeira pesquisa, em 92, o desmatamento de florestas. Em sintonia com essa conscientização, o Residencial Porta do Sol tem dedicado cada vez mais esforços para preservar o espaço riquíssimo que representa em termos de fauna e flora. Gabriel Bitencourt, diretor de Meio Ambiente da APAPS, está em plena campanha desde que assumiu o cargo visando a educação para a preservação ambiental. “Temos procurado promover ações com o objetivo de obter mudanças de comportamento que estejam em consonância com as necessidades socioambientais”, comenta Bitencourt. Ele explica que um dos eixos norteadores dessa ação educativa é a informação. “Por exemplo: nem todo mundo sabe sobre os malefícios socioambientais (para os seres humanos, para a fauna silvestre e para os animais de estimação) do hábito de se soltar fogos. Em nosso “Informativo” e em nossa revista procuramos divulgar estas informações. Como resultado, não se eliminou esse danoso hábito no âmbito do Residencial, porém, foi significa-

4

| REVISTA PORTA DO SOL

tiva a diminuição dessa atividade”. lificação de nosso viveiro de mu muA Campanha pretende, assim, o das de tal forma que possamos fortalecimento dos comportamenfornecê-las e, principalmente, usar tos sintonizados com os princípios de o viveiro para a Educação Ambiengestão socioambiental e a mudança tal, ensinando técnicas de plantio e de hábitos que não se harmonizam cultivo de vegetais. com estes mesmos princípios. “As ações educativas geram reHá ações programadas para sultados importantes e duradouros, crianças, jovens e adultos distintaporém, pouco se deve esperar em mente? curto prazo. Portanto, em termos É nossa intenção desenvolver uma imediatos, estamos procurando deparceria com a “Let’s” - empresa que senvolver parcerias com o governo promove atividades de lazer no clumunicipal de Mairinque e com a Políbe - e com a Escola Municipal situacia Ambiental para da no Residencial que se coíbam as para atuarmos ações agressivas diretamente com ao meio ambienesse público que TEMOs prOCurAdO te”, enfatiza Bitené especialmente court. sensível às deprOMOvEr O objetivo da mandas socioamAçõEs COM O Diretoria do Meio bientais - crianças OBjETIvO dE OBTEr Ambiente é que e jovens. possam habitar o Independente MudANçAs dE mesmo ambiente de faixa etária, COMpOrTAMENTO os seres humanos temos concebiquE EsTEjAM EM e os demais anido as atividades mais domésticos da Festa da PriCONsONâNCIA COM e silvestres com mavera e, neste As NECEssIdAdEs o menor nível de ano, a Semana sOCIOAMBIENTAIs conflito possível. do Meio Ambien“Para isso é prete com objetivo ciso, não apenas de sensibilização respeitar a fauna, socioambiental. mas também promover seu bemAlém de nosso Clube de Obserestar e, entre as atitudes está a vadores de Aves, estamos desende se evitar ruídos em excesso, de volvendo um projeto para que nostrafegar em nossas vias em velociso Residencial seja qualificado pela dade compatível com a segurança Secretaria de Estado de Meio Amde pessoas e animais e, também, biente para ser uma área de soltura intensificar a arborização através de animais silvestres, especialmende plantas nativas - que são os ‘reste aves, apreendidos pelos órgãos taurantes’ dos animais, especialde fiscalização ambiental. mente, as aves”. Teremos, ainda, brevemente, trilhas por dentro da mata com a Quais são as ações efetivas proidentificação das principais espégramadas dentro da campanha? cies de árvores que possam ser obEstamos em processo de quaservadas durante o percurso.


Meio Ambiente

Audiência pública enfatiza dedicação da p porta do sol às questões ambientais

Foto: Rita Valente

várias árias sugestões de moradores serão incorporadas ao planejamento

GabrIEl bITENcourT, T T, diretor de Meio Ambiente da APAPS

A

importância da democracia na convivência motivou uma audiência pública realizada dia 23 de março no salão social do clube, para apresentar as ações que a Porta do Sol tem feito em prol do meio ambiente, e a partir disso, ouvir críticas e sugestões. “O resultado foi muito bom. Foram várias sugestões que serão incorporadas em nosso planejamento”, informa Gabriel Bitencourt, diretor de Meio Ambiente da APAPS. “Entretanto, apesar de uma divulgação ampla, o número de participantes ficou aquém do esperado”, diz. O encontro teve início com uma apresentação da Porta do Sol como área de especial interesse ambiental - um patrimônio a ser preservado. Gabriel salientou as iniciativas que se fazem necessárias para os moradores, tais como o descarte de resíduos sólidos nos postos de coleta já existentes no Residencial. Isso inclui orientar também os caseiros das chácaras, geralmente aqueles que juntam os resíduos. Também é preciso realizar um descarte correto dos entulhos de construção civil. “Deveremos, brevemente, conversar com o prefeito de Mairinque e sua equipe sobre a possibilidade de uma parceria com a finalidade de dar um tratamento adequado (reciclagem) aos resíduos sólidos oriundos da construção civil - que é um grande problema em todas as cidades e, no Residencial não é diferente”, explica Gabriel. sobre essas questões, os participantes da audiência sugeriram incluir

A prEsENçA dE ANIMAIs sOlTOs NO rEsIdENCIAl é TAMBéM MOTIvO dE prEOCupAçãO E dEvErá gErAr uMA CAMpANhA dE CONsCIENTIzAçãO E dE AdOçãO. pOr OuTrO lAdO, é prECIsO ENFATIzAr A prOIBIçãO lEgAl dE CAçA, EspECIAlMENTE dE pássArOs nas orientações as crianças do Residencial e os prestadores de serviço. Outro assunto abordado foi a necessidade de prosseguir com a cam-

panha contra o uso de fogos de artifício em quaisquer circunstâncias. A presença de animais soltos no Residencial é também motivo de preocupação e deverá gerar uma campanha de conscientização e de adoção. Por outro lado, é preciso enfatizar a proibição legal de caça, especialmente de pássaros. Gabriel informou ainda que está em processo a obtenção de licenciamentos para o desassoreamento dos lagos do Residencial. E também será implantado um novo padrão de caixas de instalação e registros para evitar os “gatos”, ou seja, o furto de água. Finalmente, o diretor de Meio Ambiente da APAPS informa que em breve será realizada uma ação conjunta de coleta de sementes no Residencial, com a Prefeitura de Mairinque. “Sairemos pelo interior da mata para a identificação das árvores e para a coleta das sementes. Creio que será uma ótima atividade que une o lazer, o lúdico e a educação ambiental”, finaliza. REVISTA PORTA DO SOL

|

5


Meio Ambiente

Boas práticas em relação ao meio ambiente têm se tornado permanentes Esterco dos animas da hípica é usado como adubo

6

| REVISTA PORTA DO SOL

processo. Mas utilizamos mesmo o esterco no processo de compostagem: toda semana rastelamos o gramado do clube e retiramos muito material orgânico que deixamos reservado em um local ao lado do viveiro. Quando conseguimos cerca de 10 caminhões de material orgânico, acrescentamos a esse material mais 10 caminhões de esterco da hípica e reviramos com a retroescavadeira para que o material seja homogêneo. Deixamos este material descansar por cerca de 5 meses pois trata-se de uma quantidade muito grande de compostagem. Após este

Mudas

tempo de descanso o composto está pronto para ser consumido, peneiramos e ensacamos a cada 50 kg para facilitar o transporte até a praça ou jardim”. Este material não está disponível para o uso dos associados, a produção é para consumo no viveiro e nas praças da APAPS. Mas o esterco - não a compostagem - é vendido. O associado interessado paga no seu boleto R$ 35,00 para um caminhão de 5 m3 e R$ 15,00 para uma carretinha de 3 m3. A solicitação deve ser feita através do e-mail: sap@portasol.com.br

Foto: Rita Valente

A

porta do sol tem atividades permanentes em defesa do meio ambiente e programa novas iniciativas, especialmente pela passagem do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho. No dia 1º daquele mês, haverá a primeira coleta de sementes do Residencial, informa Janete Gonçalves, encarregada administrativa da APAPS. Será em parceira com o viveiro municipal de Mairinque e a ideia é percorrer as áreas verdes preservadas da Porta do Sol e coletar o maior número possível de sementes de espécies nativas. “Sairemos pelo interior da mata para a identificação das árvores e para a coleta das sementes. Creio que será uma ótima atividade que une o lazer, o lúdico e a educação ambiental”, comenta Gabriel Bitencourt, diretor de Meio Ambiente da Apaps. Vale lembrar, porém, que outras atividades têm sido realizadas. Uma delas é o reaproveitamento do esterco dos animas da hípica como adubo. Janete explica, porém, que “para podermos utilizar o esterco precisamos deixá-lo para curtir por cerca de 3 meses, para que todas as ervas daninhas sejam descartadas no

O viveiro de mudas da Porta do Sol, por sua vez, tem como objetivo primordial a sustentabilidade das praças e jardins do condomínio. “Preparamos cada muda com terra do próprio Residencial, retiramos as mudas de plantas matrizes também dos jardins locais. Possuímos cerca de 60 espécies diferentes e cerca de 10 mil mudas prontas para o plantio. Em algumas datas durante o ano distribuímos algumas gratuitamente aos associados, normalmente no dia das mulheres e Festa da Primavera”, informa Janete.


Bicho da Gente

Pegadas de lobo-guará são encontradas na Porta do Sol

O

s moradores do Residencial Porta do Sol têm mais um motivo de alegria, mais uma prova da importância da reserva ambiental que existe no local. Samuel Zanetti de Traglia Amancio, ao realizar seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) de Biologia da PUC em Sorocaba, encontrou pegadas de lobo-guará no Residencial. “A identificação da presença do animal em nosso Residencial é um motivo de nos encher de orgulho. Esta espécie de animal é considerada em risco de extinção e, portanto, pode ser considerada um indicador da boa qualidade ambiental do local. Significa que temos

uma área com condições para sua sobrevivência”, analisa Gabriel Bitencourt, diretor de Meio Ambiente da Porta do Sol. “O trabalho que fiz foi um levantamento de mastofauna, ou seja, fauna de mamíferos. A metodologia do trabalho foi a procura de vestígios: marcas na vegetação, pegadas e fezes. As pegadas são os vestígios mais importantes pois permitem uma identificação a nível de espécie. Encontrei marcas na vegetação, como trilhas animais, pegadas e um caso de apêndices corpóreos, espinhos de ouriço. Identifiquei 6 espécies animais, sendo cachorrodo-mato, lobo-guará, mão-pelada ou guaxinim, ouriço-cacheiro, esquilo e tatu-galinha, e houve uma pegada sem identificação, mas deu para afirmar que era de um felino de porte pequeno”, conta Samuel. O biólogo explica que a presença de um animal como o lobo-guará assim tão próximo pode e deve permitir a compreensão da necessidade de proteger o meio ambiente e o habitat desse e de outros seres da fauna. “Sabemos que animais em risco de extinção precisam de proteção, mas quando o animal faz parte da nossa realidade acabamos dando mais importância a ele. Preservar sua presença creio que será possível graças à preservação do ambiente, ao se manter corredores ecológicos para o livre deslocamento dos animais e áreas de mata”. Ele ensina ainda que o lobo-guará alimenta-se de roedores, tatus e perdizes, além de frutos de plantas oriundas do cerrado, ou seja, apresenta papel de predador, com isso mantendo um equilíbrio das espécies de que se alimenta, e papel de dispersor de sementes.

O encontro do sinal do lobo foi totalmente casual e uma grande surpresa para Samuel: “eu não imaginava que poderia haver um guará na região, quando encontrei a pegada pensei que se tratava algum tipo de cachorro-do-mato. Durante a identificação com o auxilio de um guia de campo custei a acreditar que se tratava mesmo de um lobo-guará.” A presença de muitos outros animais nas matas é uma certeza. A metodologia do trabalho adotada pelo biólogo dribla a dificuldade do avistamento (ação ou atividade de mostrar, em passeios, excursões, expedições, animais no seu ambiente natural), porém esbarra em um problema: se o animal não passar por um terreno propício para a formação de pegadas ou não houver o encontro de fezes não há como saber quais animais se encontram no local. “Conversando com moradores ou com o pessoal da segurança ouvi relatos da presença de vários outros animais”, finaliza. A respeito disso tudo, Gabriel comenta que “fico contente em poder constatar a possibilidade concreta que temos - seres humanos - de conviver com animais silvestres. A presença notada de animais como veado-catingueiro, onça-parda e tantos outros que por aqui habitam ou nos visitam, já nos mostrava nossa responsabilidade para com a preservação ambiental do local, porém, agora, com a identificação deste novo morador ou visitante, esta responsabilidade se amplia”. E finaliza propondo uma reflexão: “nosso desafio é continuar dando a atenção necessária para que essas condições perdurem a fim de que a fauna silvestre possa coabitar o espaço que escolhemos para viver com qualidade”.

REVISTA PORTA PORTA DO DO SOL SOL REVISTA

|

7


Foto: arquivo RPS

Segurança

A APAPS está terminando a infraestrutura necessária e ainda em maio começará o cadastramento dos proprietários da Porta do Sol para utilização da biometria para acesso ao clube do Residencial. Considerado um dos métodos mais seguros de identificação, a biometria está cada vez mais presente na vida das pessoas. Aeroportos, agências bancárias, urnas eletrônicas e até parques temáticos fazem uso desta técnica de reconhecimento

8

| REVISTA PORTA DO SOL

Foto: Rita Valente

Biometria é implantada no clube

das características únicas de cada pessoa. Com isso, o clube ganha ainda mais segurança e privacidade.

Portarias terão novo controle de acesso Os moradores e proprietários do Residencial Porta do Sol devem contar em breve com um novo controle de acesso nas portarias. Tratase do uso de um cartão magnético que acionará as cancelas, ao mesmo tempo em que o condutor do veículo é identificado. De acordo com o gerente geral da APAPS, Eduardo Messias, “estamos na fase de orçamento da infraestrutura necessária para a implantação. Teremos o início do sistema provavelmente em julho”.


REVISTA PORTA DO SOL

|

9


Capa

Temos tudo em nossa volta são roque, Mairinque, Itu, sorocaba e são paulo. Que cidades frequentam os moradores da Porta do Sol?

u

m verdadeiro paraíso, um oásis, um recanto. é isso que a porta do sol representa para a maior parte das famílias do residencial. Muitos deixaram para trás uma metrópole como São Paulo ou mesmo cidades menores em troca de uma vida mais saudável, com mais qualidade, mais natureza ao redor, mais sossego. E, ao fazerem essa escolha, ainda levaram a vantagem de estarem cercados por inúmeras cidades que atendem a todas as necessidades, sejam de compras, serviços ou lazer. E depois podem voltar às suas casas, cercadas de verde, paz e tranquilidade. O Residencial, em sua maior par-

10

| REVISTA PORTA DO SOL

te, está geograficamente situado em Mairinque cidade que um dia pertenceu à São Roque mas que, independente, teve um enorme progresso, especialmente depois da instalação do parque industrial. Houve um rápido crescimento urbano, a vinda de novos estabelecimentos bancários e o desenvolvimento do comércio. Recentemente a Prefeitura da cidade, através de sua assessoria de Comunicação, comunicou à população uma importante notícia: o prefeito Binho Merguizo e o diretor da unidade de formação profissional do Senai de Sorocaba, Jocilei Oliveira, assinaram o projeto de restauração da Estação Ferroviária de Mairinque e revitalização das edificações históricas. O projeto visa

restaurar além da estação ferroviária, as casas antigas em torno dela, que se encontram na região central da cidade, resgatando a identidade cultural e patrimonial do município. A Estação Ferroviária de Mairinque é considerada Patrimônio Nacional pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), pelo seu avanço arquitetônico em relação à época que foi construída, como o uso do concreto armado, e com o acesso para os passageiros por baixo, sendo a construção em forma de ilha. Já a cidade de São Roque, utilizada por muitos moradores da Porta do Sol, para suas compras (muitos fazem compra no supermercado Estância ou no São Roque, por


Foto: Rita Valente

moraDor José Ibelli Filho usa serviços em Sorocaba

Foto: Rita Valente

exemplo), tem a seu favor também a gastronomia e o turismo. E o Roteiro do Vinho, que reúne os dois aspectos. Com hotéis de alto nível, como o Alpino e o Villa Rossa, entre outros, a cidade tem vários eventos ao longo do ano, como a já famosa Expo São Roque. E lugares como o Ski Mountain Park, conhecido nacionalmente e que é opção para um dia agradável, com aventura e boa gastronomia. Itu, também próxima da Porta do Sol, é cheia de charme. Cidade histórica e turística, tem comércio bem variado, incluindo o Plaza Shopping, faculdades, inúmeras atrações culturais, restaurantes famosos como o Bar do Alemão e para quem gosta de futebol, o estádio Novelli Junior. Há inúmeras lojas de antiguidades para quem curte decoração, além de igrejas centenárias e museus. Depois de São Paulo, a maior cidade no entorno do Residencial Porta do Sol é Sorocaba, onde é possível encontrar tudo em comércio, educação, saúde e serviços de maneira geral. Afinal, trata-se da quarta cidade mais populosa do interior de São Paulo sendo uma capital regional. O município conta com setenta quilômetros de ciclovias criadas nas

ZENNy Gallucci de Freitas encontra lazer no próprio residencial

avenidas principais da cidade, sendo possível atravessá-la somente utilizando-se bicicletas como meio de transporte. Tem universidades, hospitais, shoppings, teatros, cinemas, enfim, toda infraestrutura de uma cidade grande. dicas dos moradores Zenny Gallucci de Freitas é de São Paulo e divide suas semanas: passa metade na Capital e metade no Re Residencial Porta do Sol. Faz isso há 13 anos e por conta dessa escolha, resolve suas questões em São Pau Paulo. “Tenho muitos amigos lá, muitas coisas que ainda faço por lá”, conta. Mas em um caso de necessidade, em geral opta por São Roque, que consi considera uma cidade próxima e “comple “completa”, com tudo que seja preciso. Assim como grande parte dos moradores, Zenny conta que no próprio Residencial encontra suas opções de lazer. Frequenta o clube e a academia. Katia Francisca Alves mora no Residencial Porta do Sol há dez anos, e também opta pela convivência com os amigos e vizinhos como forma de la lazer. Eventualmente, encontra amigos e familiares em Sorocaba também. Ela conhece o local desde 1989. “Meu marido instalou uma rede de telefonia lá e também temos família em Sorocaba, por isso a gente sem sempre passava em frente e sonháva sonhávamos viver ali”, conta. Para serviços, como consultas

médicas, por exemplo, vai a Sorocaba; para compras, São Roque tem tudo que precisa: “é mais perto e a gente não paga pedágio. É preciso pensar nisso tudo”. O morador José Ibelli Filho também usa serviços de advocacia, consultas médicas e escolas em Sorocaba. Ele mora na Porta do Sol desde 1993. Depois de trabalhar por 13 anos em Sorocaba, ele hoje exerce a profissão em Jundiaí,

dEpOIs dE sãO pAulO, A MAIOr CIdAdE NO ENTOrNO dO rEsIdENCIAl é sOrOCABA, ONdE é pOssívEl ENCONTrAr TudO EM COMérCIO, EduCAçãO, sAúdE E sErvIçOs “mas todo final de semana volto para o Residencial”. Ibelli diz que normalmente faz suas compras em Sorocaba e às vezes frequenta os restaurantes da cidade. “Sorocaba tem característica de cidade do interior, mas com um comércio intenso. São muito atrativos na área de lazer: o zoológico, por exemplo, é bem organizado; a estação de trem foi recentemente reformada; REVISTA PORTA DO SOL

|

11


Foto: Rita Valente

Capa

não tenho uma só referência para as minhas compras. Minhas pesquisas de qualidade e preços são em São Paulo, Alphaville, Itu, Sorocaba e São Roque Álvaro Bruno Vesco, morador da Porta do Sol o teatro do Sesi tem muitas peças a um custo muito barato; o Sesc, construído neste ano, ficou muito bom. Quem quiser assistir peças ou consertos gratuitos, pode frequentar a Fundec (Fundação de Desenvolvimento Cultural), na rua Brigadeiro Tobias, Centro”, informa José. Na área de gastronomia, José indica o Cafe da Villa, “é comandada por uma rapaziada bem prestativa e tem comida de qualidade. Fica na esquina da rua Capitão Nacimento Filho com a rua Joaquim Barbosa”. E para quem gosta de cerveja caseira ou chopp ele indica a Cervejaria Burgman, na av. Eng Carlos Reinaldo Mendes, 5025, Alto da Boa Vista. Para as baladas, recomenda as casas noturnas do bairro Campolim. Quando se trata de problemas de Saúde, considera o Hospital Unimed de qualidade - “fui bem atendido todas as vezes que precisei”. E, finalmente, para as compras, José indica o Coop, localizado no bairro Árvore Grande. “Tem cereais, frutas e queijo com preço bom, além do pão francês, muito gostoso, feito na hora”. “A gente usa muito a cidade de São Roque”, conta, por sua vez, a moradora Maria Aparecida Quadrini Baldassarri. Ela tem imóvel na Porta do Sol há décadas, mas mora lá faz 8 anos. Ainda mantém casa em São

12

| REVISTA PORTA DO SOL

Paulo e vai pra Capital toda semana, mas enfatiza: “digo que hoje São Paulo não me faz falta”. Diverte-se na academia do Residencial e no encontro com a família e os amigos. O neto estuda em São Roque, onde a família também faz compras. Serviços bancários, o marido de Maria Aparecida usa em Mairinque. E Sorocaba também é opção no caso de exames médicos, por exemplo. Álvaro Bruno Vesco é nascido em São Paulo e já viveu em Santos (SP), Estados Unidos, Alphaville (Barueri) e agora mora na Porta do Sol. Ele conta: “não tenho uma só referência para as minhas compras. Minhas pesquisas de qualidade e preços são em São Paulo, Alphaville, Itu, Sorocaba, São Roque. Mairinque não, por causa da via de acesso (terra) e pouca oferta de produtos. Com relação aos serviços, eu utilizo, em Mairinque, a Oficina Mecânica e Elétrica Rosseti & Zanluqui Ltda”. Uma dica apresentada por Vesco é o Road Shopping do Km 72,5 da rodovia Castello Branco, informando que o local está sendo remodelado e com várias opções para compras e lazer. Recomenda também o restaurante/padaria/posto de gasolina Quinta do Marquês, no Km 57 da Rodovia Castelo Branco, sentido interior São Paulo.

Álvaro lembra que na portaria II do Residencial Porta do Sol há dois “mercados” que fornecem pão fresco, frios, carnes e outros produtos não perecíveis. Em São Roque, continua, “temos vários supermercados bons”. Uma sugestão dada por ele é a criação de serviços como “van pool” ou “bus pool” para levar os moradores para peças teatrais, por exemplo. “Isso facilitaria muito as nossas idas a apresentações de teatro, musicais e outros diversos shows”.

QUER TROCAR DICAS? A Revista Porta do Sol convida seus leitores a contribuírem com dicas para seus vizinhos a respeito de comércio, lazer, escolas, serviços, médicos, restaurantes etc. A ideia é trocar informações úteis que possam facilitar a vida uns dos outros. Reunidas as sugestões dos leitores publicaremos na própria Revista. Entre em contato pelo email comunicacao@portasol.com.br


Foto: arquivo RPS

Convivência

Boa convivência exige respeito a regras

É

do poeta Mário Quintana a frase “A arte de viver é simplesmente a arte de conviver ... simplesmente, disse eu? Mas como é difícil!”, que merece reflexão. Especialmente para quem escolhe viver em espaços em que a vida em comunidade e a defesa dos bens comuns está entre as prioridades. Lugares em que aspectos como o respeito e a gentileza são completamente indispensáveis. No Residencial Porta do Sol há inúmeros bons exemplos do quanto a convivência em uma área preservada faz bem às pessoas e à natureza. Mas, infelizmente, há um outro lado também, como o fato de eventualmente proprietários de chácaras estarem alugando seus imóveis para

Quem vive em comunidade tem seus direitos e deveres - e um dos mais importantes é justamente respeitar os seus vizinhos

festas ou finais de semana, contrariando o regulamento interno do Residencial. Quem vive em comunidade tem seus direitos e deveres - e um dos mais importantes é justamente respeitar os seus vizinhos. Uma das piores consequências do aluguel das chácaras é a perturbação do sossego da vizinhança, especialmente por causa do barulho causado, um incômodo gerado por gritarias e música alta, muitas vezes em horários também inconvenientes. O gerente da APAPS, Eduardo Messias explica que a proibição está prevista no texto: “III - USO E FRUIÇÃO DO SOLO Artigo 15º -As edificações terão fins exclusivamente residenciais, ficando expressamente proibido qualquer tipo de exploração ou atividade com fins lucrativos ou não ...... g- qualquer outro tipo de uso e fruição que se possa praticar que não tenha clara evidência de ser uma residência familiar”. Evidentemente, a locação de chácaras não é compatível com o ítem g. O Residencial já obteve um mandato de segurança junto à Prefeitura Municipal de Mairinque que proíbe a administração municipal de conce-

Foto: Rita Valente

Chácaras têm sido locadas para festas e geram desconforto. É proibido e infratores serão punidos

placa encontrada em uma casa do Residencial que oferece locação para finais de semanas, festas e temporadas

der alvará para qualquer tipo de comércio na Porta do Sol. Eduardo informa que quando ocorre a locação indevida de algum imóvel faz-se um boletim de ocorrência interno e um dossiê documentando os fatos. O proprietário é notificado e punido com o pagamento do valor equivalente a um mês da taxa de manutenção mensal. Mas a APAPS já está levando ao Conselho uma proposta para um aumento significativo da multa. Além disso, outras iniciativas deverão ser tomadas. Eduardo diz que o Residencial está em contato com a Prefeitura de Mairinque para estudar soluções para a questão. Já está certo que haverá aumento na fiscalização dessa prática.

REVISTA PORTA DO SOL

|

13


Gente da Porta

Campeã de tênis A menina Flávia é hoje universitária nos EUA

Com quantos anos começou a jogar tênis? Por que a escolha desse esporte? Comecei a jogar tênis entre os meus 11, 12 anos, na Porta do Sol, com o meu pai e meus inúmeros “tios”, grandes amigos. Meu pai, Flávio Araújo, sempre jogava com os amigos nos finais de semana e de tanto assistir, criei gosto e comecei a brincar com eles. Logo, resolvi começar as aulinhas com o professor Sandro Machado (professor de Educação Física e responsável hoje pelas atividades recreativas no clube) e a cada fim de semana, eu queria mais e mais! Como foram seus treinos na Porta do Sol? O espaço era legal? Foi bastante incentivada? Eu adorava ir ao clube brincar! Passava a semana inteira pensando nisso e quando co-

14

| REVISTA PORTA DO SOL

mecei a treinar, ficou até melhor! Os treinos eram divertidos, sempre com exercícios de coordenação e técnica. Quando comecei a jogar melhor, passávamos mais tempo trabalhando as pernas, batendo bola e jogando pontos. O legal do pessoal do clube é que eles se preocupam demais com a boa estrutura, e o pessoal do tênis sempre lutou pelas reformas das quadras, o que fazia o espaço melhorar constantemente. Os torneios internos eram a melhor parte do ano e fizeram de mim uma competidora. Não tinha incentivo melhor do que estar fazendo algo que amo com pessoas queridas, que sempre torceram por mim e me fizeram batalhar mais a cada jogo e torneio. O importante foi ter pessoas que acreditavam em mim. Você gostava de lá? Ainda tem amigos no Residencial? Eu amo a Porta do Sol e tudo que ela me proporciona! Tenho casa e muitos amigos vivendo lá, inclusive os meus “tiozinhos”, então é sempre uma delícia voltar e recordar os bons momentos. Infelizmente, nesses últimos anos não tive muitas oportunidades de passar

Foto: Rita Valente

M

uito tempo passou desde que a menina Flávia Dechandt Araújo jogava tênis nas quadras do Residencial, estimulada pelo pai, por amigos e professores. Alguns anos se passaram e hoje ela é motivo de orgulho para a vizinhança. E vice-versa, como ela conta nesta entrevista.


Fotos: Rita Valente

Eu adorava ir ao Clube brincar! Passava a semana inteira pensando nisso e quando comecei a treinar, ficou até melhor um tempo lá, e agora, estudando nos EUA fica ainda mais difícil, mas com certeza voltarei nas férias pra curtir minha casa maravilhosa e meus amigos. O engraçado é que uma das coisas que eu mais sinto falta é da floresta, sempre fui muito ligada à natureza e valorizo muito a da Porta do Sol. Desde a infância qual foi sua trajetória profissional? Comecei no clube com o Sandro. Depois de melhorar muito o meu desempenho, comecei a treinar com o professor Luís Carlos de Oliveira Cruz, o “Nenê” (proprietário que ensina tênis na Porta do Sol), lá mesmo no Residencial. O Nenê foi importante porque, além de corrigir meus movimentos, me mostrou que eu tinha talento e aí então decidi que queria o tênis para minha vida. Em São Paulo, busquei por centros de treinamento até conhecer o Carlos Omaki. Treinei com o Carlos e sua equipe por 6 anos e foi uma época inesquecível na minha vida, onde fiz os meus melhores amigos e treinei num ambiente que me proporcionou não só um nível tenístico elevado, mas principalmente aprendizados de vida. Com eles, disputei torneios estaduais, nacionais e internacionais, com viagens por toda a América do Sul e até mesmo Turquia! Aprendi a me virar com outras culturas, passei por situações difíceis, aprendi com derrotas e conquistei grandes vitórias, como meus dois títulos profissionais em duplas. O mais importante foi continuar alimentando o sonho, junto de um grupo que me fez uma pessoa mais forte e preparada para o amanhã. Já mais madura, surgiu a oportu-

nidade de treinar com um renomado ex-tenista e hoje grande técnico, Carlos Alberto Kirmayr. Em um ano morando em Serra Negra, no Centro de Treinamento Kirmayr, trabalhei com profissionais que me ensinaram muito sobre tênis, sobre o circuito e o que é necessário para chegar ao topo. Os treinos me levaram a outro patamar: treinei com tenistas experientes que estão se destacando pelo mundo e meu condicionamento físico, minha saúde nunca estiveram tão bem. Por estar longe de casa e lidar com uma rotina especifica e muito ativa, desenvolvi muita disciplina e adotei uma vida mais saudável e alegre por morar com o querido “Kirma”, sua família e nossa equipe de amigos. Lá mesmo, uma nova oportunidade surgiu. Universidades americanas estavam interessadas em mim por causa da minha carreira, e como os EUA investem muito mais do que o Brasil e qualquer outro país, decidi vir para

cá e ter uma nova experiência. Estou estudando na University of Arkansas e competindo com jogadoras de todo o mundo, em um nível incrível de tênis. Acredito que somando essa experiência com todo o conhecimento que adquiri até hoje, terei bagagem e maturidade para enfrentar qualquer desafio, seja no tênis ou na vida. Também acho importante ter um futuro acadêmico. Estudar durante uma rotina pesada de treinos me ajuda a buscar minhas melhores performances em ambos, com foco, determinação e muita paixão pelo que estou vivendo. Com o tênis, abri portas, realizei sonhos, aprendi outras línguas; e sigo conhecendo o mundo e pessoas que farão parte da minha história e desenvolvimento. Agradeço por quando criança ter tido minha família e meus amigos da Porta do Sol me incentivando e acreditando no meu potencial. Junto a mim, eles criaram uma vida de oportunidades.

REVISTA PORTA DO SOL

|

15


Foto: Rita Valente

Clube e Social

Com 18 anos de experiência no ramo gastronômico, William Alfred Gazal passa a ser o responsável pelo restaurante da APAPS, o Caffé Coretto. A escolha da nova administração foi feita após um processo liderado por uma comissão de associados da APAPS. Entusiasmado com o empreendimento, William conta que o cardápio inclui pizzas, panquecas, pastéis, lanches e porções, entre outros pratos. “Conforme os frequentadores se manifestarem, vamos ampliando as opções”, diz. Entre as novidades que os frequentadores do restaurante já elogiaram, conta William, está a pizza de costela no bafo. “Eu uso farinha e tomates italianos”, conta o

pizzaiolo. Também tem agradado a clientela a própria costela preparada no bafo por 12 horas e o filé mignon à parmegiana. Por ora, o funcionamento se restringe ao período de sexta a domingo, mas William pretende ampliar o número dos dias de atendimento. O Caffé Coretto já teve sede em Mairinque e São Roque e agora atenderá exclusivamente na Porta do Sol. Paralelamente, William se dedica a cursos de gastronomia e sua especialidade: arte em pizzas. O Delivery atende pelo número (11) 4708.1598. Mais informações no site: http://caffecoretto.webnode.com/

Associado toma posse na OAB O primeiro secretário da Mesa do Conselho Deliberativo da APAPS, advogado Marcio Cammarosano, tomou posse no último mês de março como membro do Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/ SP). O mandato segue até 2015. Cammarosano tem chácara no Residencial Porta do Sol desde 1989 e frequenta-a todo final de semana, sendo um participante ativo da APAPS.

16

| REVISTA PORTA DO SOL

Hípica vence mais uma prova Marina Zambrana, 20 anos, 16 deles morando na Porta do Sol, conquistou o segundo lugar na categoria amadora com seis balizas na Copa Oeste do Campeonato Paulista de Hipismo, realizada recentemente. Com isso, mantém-se em primeiro lugar na categoria do Campeonato, que terá sua quarta etapa dentro de dois meses. Foto: Rita Valente

Caffé Coretto já atende na Porta do Sol e oferece pratos inéditos


Obras

Foto: Rita Valente

Construção de muro reforça segurança Mais da metade da construção do muro da rua Anita Malfatti já está concluída. Trata-se de uma divisa do Residencial, com mais de seiscentos metros de comprimento. A cerca no local estava danificada e havia risco de invasões. Antes da ocorrência de qualquer incidente, a obra começou a ser realizada e deve ser concluída em breve.

SUSTENTABILIDADE

Mercado tem tijolos próprios para montar paredes verdes Para quem curte jardins verticais, que permitem aproveitar cada canto da casa, do apartamento ou da chácara, chegaram ao mercado tijolos de cerâmica que substituem as comuns treliças, fibras de coco ou vasos para formar paredes verdes. O design das peças facilita o crescimento das raízes de plantas e flores lateralmente. A irrigação é feita por gotejamento automático e instalada na horizontal, o que controla a quantidade de água e evita superfícies úmidas. O sistema distribui a água de maneira uniforme, evitando que as plantas localizadas embaixo fiquem encharcadas ou que as de cima sequem rapidamente. Até hortas podem ser colocadas no sistema. Vale lembrar que a presença da vegetação pode reduzir em até 3 graus a temperatura ambiente, gerando conforto térmico. Saiba mais: http://www.greenwallceramic.com.br/

Mais quatro ruas recebem asfalto O Residencial Porta do Sol passa a contar com mais quatro ruas asfaltadas, cumprindo o planejado em seu Plano Diretor. A primeira delas - rua Catulo da Paixão Cearense - foi asfaltada dia 11 de abril, seguida da rua Faisão, no dia 12 e rua Antonio Sales, dia 15. Entre os meses de maio e junho, deve receber asfalto a rua Osório Duque Estrada.

O design das peças facilita o crescimento das raízes de plantas e flores lateralmente

REVISTA PORTA DO SOL

|

17


Nossas ruas

Catulo da paixão Cearense é um sossego só A Catulo da paixão Cearense foi asfaltada no dia 11 de abril

“N

Fotos: Rita Valente

ão há, oh gente, ó não , luar como esse do sertão. Se a lua nasce por detrás da verde mata, mais parece um sol de prata prateando a solidão! E a gente pega na viola que ponteia e a canção é a lua cheia a nos nascer do coração!”

marIa Cecília Mendes Cordeiro Garcia, reside há 5 anos na rua Catulo

caT a ulo aT morreu pobre, em 1946, porque cedeu seus direitos autorais a um amigo

Conhecida no Brasil inteiro mesmo décadas depois de sua composição, esta música é de Catulo da Paixão Cearense (em parceria com João Pernambucano), mais um entre os artistas que denominam as ruas do Residencial Porta do Sol. Catulo nasceu em São Luís do Maranhão a 8 de outubro de 1863. Ain-

MárIO dE ANdrAdE ClAssIFICOu-O COMO “O MAIOr CrIAdOr dE IMAgENs dA pOEsIA BrAsIlEIrA” da menino, muda para o sertão do Ceará, que o marca profundamente e seria tema principal de sua obra. Muda novamente, desta vez para o Rio, aos 17 anos, onde anos mais tarde funda um colégio no bairro da

Piedade e leciona línguas. Porém, é como flautista e violonista que se torna conhecido pelos recitais e serestas. Cantores famosos gravam suas modinhas e seus versos espalham-se pelo país. Ele também escreveu nada menos que 15 livros de poesias. Foi ainda teatrólogo. Ganhou fama e dinheiro, mas morreu pobre, em 1946. Porque cedeu seus direitos autorais a um amigo. Mário de Andrade classificou-o como “o maior criador de imagens da poesia brasileira”. Pois a rua que leva esse nome na Porta do Sol, faz por merecê-lo. “É uma rua bem sossegada, sem saída, só com o movimento dos moradores mesmo”, conta Maria Cecília Mendes Cordeiro Garcia, que ali reside há 5 anos. Antes, morou na rua Olegário Mariano, mas quis mudar-se para uma casa maior.

rua Catulo Cearense é bem sossegada

18

| REVISTA PORTA DO SOL


Informações úteis Nova recepção da ApAps

Confira os novos horários de atendimento: ■ Segunda: 08 - 17h ■ Terça a sexta: 07 - 22h ■ Sábado: 08 - 21h ■ Domingo: 08 - 17h Informações: (11) 4246.6464 ou sap@portasol.com.br ■ clube de campo - (11) 4246-6467 ■ Escola - (11) 4708-1556 ■ Hípica - (11) 4708-1831 ■ Polícia Florestal de Sorocaba (15) 3228-2525 ■ Posto da Polícia rodoviária km 25 (11) 4136-4425 ■ Posto da Polícia rodoviária km 46 (11) 4163-7221/4163-7224 ■ Posto da Polícia rodoviária km 74 (11) 4026-9010 ■ Posto da Polícia rodoviária raposo Tavares km 45 (11) 4158-3910 ■ Posto da Polícia rodoviária raposo tavares km 77 (11) 4715-1161 ■ Posto da Polícia rodoviária raposo Tavares km 110 (15) 3221-1609/3221-1590 ■ Delegacia de mairinque (11) 4708-2011 ■ Polícia militar de São roque (11) 4712-3322 ■ DEPrN (Proteção de recursos Naturais) (15) 3244-2778 ET - 194 ■ cET Energia Elétrica ■ cerim - 0800-7706280 ■ cerim/SoS Energia - 0800-7708220 ■ cPFll - 0800-102570 Emergências ■ bombeiros de São roque (11) 4712-3386 ■ Hospital de mairinque (11) 4718-1500 ■ Hospital de Sorocaba (15) 3332-9100 ■ Santa casa São roque (11) 4713-5400 ■ unimed São roque (11) 4784-8484 / 4713-5200 (Sede Unimed) central de Segurança 24 horas central@portasol.com.br (11) 4246-6463 / 4708-1364

REVISTA PORTA DO SOL

|

19


20

| REVISTA PORTA DO SOL


REVISTA PORTA DO SOL

|

21


22

| REVISTA PORTA DO SOL


REVISTA PORTA DO SOL

|

23


24

| REVISTA PORTA DO SOL

Revista Porta do Sol Edição 155  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you