Page 1

REVISTA PORTA DO SOL

|

1


Editorial

Ano de muito trabalho

C

omo diz o ditado, “ano novo, casa nova”. Para 2013 estão programadas novidades que, esperamos, possam trazer ao Residencial maior eficiência administrativa e mais tranquilidade e conforto aos associados. Fato importante que facilita a viabilização destas novidades foi a aprovação da proposta do plano de custeio e do plano de investimentos, que aconteceu durante a assembleia do último dia 16 de dezembro. Isso permitirá a continuidade do Plano Trienal e os investimentos em tecnologia, equipamentos e edificações, que em médio prazo, devem facilitar o trabalho e contribuir com a economia da administração do Residencial. Este novo ano também será o ano da Campanha da Boa Vizinhança. Estamos programando uma série de atividades visando desenvolver um melhor conceito de convivência. O intuito é conscientizar a população que ao festejar, não se deve esquecer que seu vizinho pode não apreciar ruídos altos. Também estamos alertando os proprietários que a Porta do Sol é uma área estritamente residencial, onde não é permitida a prática comercial em seu interior. Sendo assim, aluguel de chácaras para festas e finais de semana é uma prática proibida. Esta não é apenas uma exigência do Regulamento Interno, mas uma preocupação com nosso bem-estar, pois comumente nestas festas o ruído se prolonga noite adentro. Além disso, a circulação de pessoas desconhecidas no nosso perímetro pode vir a causar problemas de segurança. Como disse anteriormente, será um ano de muitas novidades. Trabalharemos duro para executá-las com sucesso. 2013 será o ano da: • Tecnologia - Com a Central de Monitoração de 14 câmeras, a automação das portarias e a administração da Internet banda larga; • Atualização da frota - Com a aquisição de uma nova ambulância e de equipamentos mais adequados à nossa realidade; • Continuidade da pavimentação - Acrescentando mais 10 km de ruas pavimentadas; • Campanha da Boa Vizinhança. Um Ano Próspero a todos nós portassolenses, e boa leitura. Renzo Bernacchi Presidente da Diretoria Executiva da APAPS Associação dos Proprietários Amigos da Porta do Sol

/ Nesta edição

3 4 6 10 14 15 16 18

obras e manutenção Obras do viaduto Km 64,5 e redes de Internet OPINIÃO Ações individuais afetam o coletivo meio ambiente Desassoreamento, ervas e coruja buraqueira capa Assembleia Geral apresenta as benfeitorias para 2013

NOSSAS RUAS Autor de Os Sertões é nome de rua em nosso Residencial clube e social Festas, cursos, exposição e visita do “bom velhinho” GENTE DA PORTA A artista plástica Cleide Vieira e seu amor pela cerâmica SEGURANÇA Atribuições da equipe instalada no Residencial

EXPEDIENTE: A Revista Porta do Sol é uma publicação bimestral da APAPS - Associação dos Proprietários Amigos da Porta do Sol. É enviada gratuitamente pelos Correios para os proprietários do Residencial Porta do Sol. A versão eletrônica da Revista está disponível no site da APAPS: www.portasol.com.br APAPS • Rodovia Castelo Branco, Km 63,5 • Porta do Sol • 18120-000 • Mairinque (SP) E-mail: adm@portasol.com.br • Fone: 11 4246-6464 Direção editorial: Diretoria de Marketing APAPS • Diretor responsável: Renzo Bernacchi • Foto capa: Alan Carvalho Coordenação e produção editorial: Newww.comm Comunicação Integrada - 15 3011.4599 www.newww.com.br Jornalista responsável: Juliana Antonangelo (MTb 64.198) • Editoração eletrônica: Daniel Guedes (Mtb 33.657) Publicidade: Alan Carvalho (15) 3011.4599 / 9115.2126 • email: publicidade@portasol.com.br

2

| REVISTA PORTA DO SOL


Obras e Manutenção Por juliana antonangelo

Foto: arquivo

Até quando? ViaOeste prevê retomar obras do viaduto no Km 64,5 a partir da segunda quinzena de janeiro

N

a edição 150 da Revista Porta do Sol que circulou em julho e agosto de 2012, foi noticiado que as obras do viaduto no KM 64,5 da Castello Branco estavam temporariamente paradas. Em dezembro, procuramos novamente os responsáveis da Concessionária ViaOeste, a fim de saber em qual estágio se encontra a construção. Através de nota, eles informaram: “Conseguimos a Licença Am-

VIADUTO no Km 64,5 com as obras paralisadas

biental, sendo assim não teremos mais impeditivos, porém a empresa já se manifestou que não poderá iniciar a obra neste mês (dezembro), pois logo no dia 20 entram em férias coletivas até a primeira semana de

Janeiro de 2013. Sendo assim acreditamos que tenhamos condições de reiniciar a obra após dia 15 ou 20 de janeiro”, afirmou em nota a assessoria de imprensa do Grupo CCR, responsável pela ViaOeste

A previsão é que as torres sejam instaladas até o final de janeiro”. O acesso à Internet está disponível a todos os moradores, mediante a adesão. De acordo com o presidente da APAPS, Renzo Bernacchi, a tecnologia que será disponibilizada no Residencial está sendo muito utilizada em muitos municípios que não possuem

cabeamento de fibra. Conforme informou, em um primeiro momento ela permitirá a conexão entre as portarias e a administração, e a implantação de um sistema de monitoração do perímetro da Porta do Sol através de câmeras. “Estamos falando de Banda Larga e telefonia IP. Numa segunda fase, aproximadamente fevereiro, disponibilizaremos a adesão desta Internet aos proprietários. Eles pagarão pelo serviço de Banda Larga e telefonia um valor menor do que pagam atualmente às operadoras convencionais”, afirma Renzo. Ele ainda cita que entre as vantagens do sistema está: a entrega de uma Banda Larga mais confiável e mais estável, além de serviço de telefonia com um custo de bilhetagem por minuto mais barato do que o cobrado por outras operadoras. “Como beneficio adicional teremos a implantação de interfones conectando a portaria às residencias”, assegurou Renzo. O custo deste serviço - que será cobrado dos moradores que aderirem a esta tecnologia - ainda não está definido, segundo o gerente geral da APAPS, Eduardo Messias.

Conexão O Residencial está recebendo uma nova estrutura de Internet. De acordo com o gerente geral da APAPS, Eduardo Messias, as obras de infraestrutura objetivando a rede de Internet já começaram. “As estruturas das bases das torres, que inicialmente irão trazer o sinal de Internet até a administração já estão em fase final.

Localização das torres

Torre da Praça Fernando Pessoa

Rua Pedro Alexandrino, Lt C7X Torre do Mirante

Torre da Portaria 2

Torre da Portaria 4

Torre da Portaria 5

REVISTA PORTA DO SOL

|

3


Opinião Por Jimena Verdaguer Puperi

As ações individuais afetam o coletivo: como assegurar qualidade de vida no presente e no futuro

4

| REVISTA PORTA DO SOL

desperdício do ‘Fulano’ hoje significa falta para o ‘Beltrano’. Lembre-se que o dinheiro nada mais é do que um meio de troca para obter algo que precisamos, mas se o que precisamos não está mais disponível, o dinheiro de nada serve. Nós fazemos parte do mundo animal, mas ainda não vi um animal que viva em competição ou em agressão com seu habitat, ao invés de estar em harmonia. Eles sabem que não podem nadar contra a correnteza, arriscar ou modificar um equilíbrio que é resultado de milhões de anos de evolução. Atuar irresponsavelmente compromete nossa própria existência, seja por sacrificar a vida em conjunto ou por exigir cada vez mais dos recursos disponíveis - caminhando para um colapso do sistema. Tentemos passar a usar os recursos com mais eficiência. Informe-se como poupar água, e usá-la de forma adequada. Temos a opção de proporcionar aos nossos descendentes uma vida melhor, de abrir a mente para acolher uma existência humana tranquila, assim como também a de todos os outros seres que compõem o planeta. Em 2013 e também em 2113. Foto: Rita Valente

P

oder observar o comporuma verdade inquestionável que tamento de espécies aninos sentimos mais amparados com mais no Residencial me a existência dessas figuras, mas se faz refletir sobre o comportodos fossem mais conscientes de tamento que as pessoas têm – não que preservando o acordo social meapenas aqui, mas em qualquer local lhorariam a qualidade da sua própria do planeta. existência, os advogados e juízes teDiversos animais possuem comriam mais tempo livre para usufruir portamento condicionado à vida a piscina. em grupo. Como exemplos, cito a Casos de comportamentos indematilha (coletivo de cães de caça) sejáveis são copiosos no Residencial. e a alcateia (coletivo de lobos). Esta Festas com música altíssima a noite conduta significa que eles, instintivatoda; cães esquecidos em chácaras, cujos donos apamente, reconherecem pouco, e cem que vivendo que por estresse em cooperação latem incessanteuns com os outros mente; motorispodem preservar Nós fazemos tas que desrespeisuas espécies de parte do mundo tam a velocidade forma eficaz. recomendada; O mesmo ocoranimal, mas maus tratos a re com o ser humaainda não vi um funcionários da no, que necessita segurança ou da estar integrado a animal que viva em APAPS; parar ou uma sociedade competição ou em estacionar em para ter equilíbrio agressão com seu locais proibidos e mental e garantir o desperdício de sua sobrevivência. habitat recursos naturais, Querendo ou não, como água e luz. somos todos interTodos são exemdependentes, obplos de comportemos vantagens ao vivermos em conjunto – e não são tamentos e ações individuais que poucas. Porém, esta vida interligada ameaçam o equilíbrio do coletivo. exige cuidados. O último exemplo – desperdício Volto aos animais. Já observou de recursos - é ainda mais importancomo se comporta uma alcatéia te, pois não toca apenas a questão quando caça? Auxiliam-se mutuado convívio pacífico, mas sim o futumente. Não há membros que invaro das próximas gerações. Você predam o espaço dos outros. Observem fere aconselhar o seu filho de que é os gansos no clube, eles têm commelhor ele não ter filhos, pois estes portamento semelhante. não terão água potável suficiente? E E os humanos? Precisam de tria questão não é “gastei muita água, bunais de justiça, advogados, figumas se pago a conta, o problema é ras a quem possam recorrer para meu”. Volto aqui à questão da matiproteger-nos do abuso e do deslha: somos um grupo. A ação de cada respeito cometido pelo próximo. É um compromete a vida do outro. O

Jimena Verdaguer Puperi é Conselheira da Porta do Sol


REVISTA PORTA DO SOL

|

5


Meio Ambiente Por juliana antonangelo

Desassorear nossos lagos tornou-se um desafio

serão efetivados, de acordo com Mário, em dois diques na Estação de Tratamento, e no lago da hípica. “Os diques serão prioridade, já que estão diretamente ligados à captação de água”, ressalta. O diretor de meio ambiente da APAPS, Gabriel Bitencourt, explana que esses locais estão nessa situação, pois “os corpos d’água já sofreram influência humana e necessitam de mata ciliar. Quando esta não está íntegra, o processo de assoreamento é acelerado, tornando-se necessária a intervenção do homem para que haja recuperação desses espaços degradados. Sem os devidos cuidados, há a possibilidade desses corpos d’água sumirem”, acrescenta. Ele ainda comenta que no caso dos diques, se o trabalho não for realizado, o Residencial perderá financeiro da APAPS, Mário Fontes, capacidade de captação de água e complementa que a prefeitura de por consequência, haverá crise de Mairinque está contribuindo, pois abastecimento. “Outro motivo para ofereceu um termo emergencial estas intervenções é preservar o hapara demonstrar a necessidade da bitat de diversas espécies e manter obra para ser apresentado no pedio equilíbrio entre as necessidades do de licença ambiental, documenda vida silvestre e humana”, frisa. to necessário para iniciar as obras. Para Minoru ainda não é possível “Sem ele, poderemos ser autuados estimar o tempo necessário para a e ter todos os conclusão dos equipamentos trabalhos, pois apreendidos”. não foi realizado Minoru acreOs diques o estudo de badita que as obras timetria, o qual serão prioridade, possam iniciar mede a profunjá que estão logo após o pedidade e volume ríodo de chuvas, de água em cada diretamente ligados posteriormente lago. Mário comà captação de água a março. Ele tamplementa: “os esbém considera forços serão conMário Fontes, diretor que 2013, pela centrados nas financeiro da APAPS possibilidade de áreas visivelmenser um ano de El te assoreadas. Nino (o último ocorrido entre 2009 Não vamos fazer aprofundamento da e 2010), “será um ano bem chuvoso calha do lago, pois exige outros equie isso, talvez, amenize problemas pamentos com custos exorbitantes”. como falta de água”. Em cada lago o desassoreamento A necessidade de realizar este será realizado com uma metodologia procedimento se dá por dois modiferente. “Nos diques desviaremos tivos: ampliar a capacidade de aro leito principal, para depois refazer mazenagem de água e por questão enchimento. Este é um método mais paisagística (estética). Os trabalhos barato”, alega Mário. Foto: Rita Valente

APAPS trabalha para obter as licenças necessárias e melhorar as condições dos lagos da Porta do Sol

E

m 2012 o Residencial iniciou um estudo a fim de conhecer a real situação dos lagos e apontar a metodologia de desassoreamento pertinente a cada situação. O consultor ambiental, Engº Minoru Iwakami Beltrão, afirma que este estudo está em fase de conclusão e será brevemente entregue à Cetesb, órgão responsável para avaliar e autorizar intervenções desta natureza. “Para realizarmos o desassoreamento é necessário autorização de acordo com a legislação vigente. Para dar entrada nos pedidos ao órgão responsável, precisamos informá-lo, de forma detalhada, o que será feito, os procedimentos e metodologias de desassoreamento, especificando cada local que necessita de intervenção. Por exemplo, em algumas áreas será necessário fazer pista de acesso ou esteio dentro do lago. O estudo de metodologia está em fase de conclusão. Estipulamos entregar o material à Cetesb ainda em janeiro”, explica. O consultor menciona que a maior dificuldade para colocar o projeto em prática é vencer a burocracia e morosidade do Estado. Já o diretor

6

| REVISTA PORTA DO SOL


/Eco-dicas Por Camen Bernacchi

O meu A

s ervas evocam feiticeiras com suas poções no caldeirão. As ervas são mágicas. Evocam pajés, está na origem da medicina, que tanto avançou negando as poções, mas que hoje credita o bem a elas. As ervas são remédios. As ervas evocam os mestres perfumistas extraindo óleos essenciais em suas boticas. As ervas são aroma. As ervas evocam grandes chefs de cozinha, incapazes de executar um bom prato sem o seu canteirinho. As ervas são alimentos.

As ervas tão pequeninas e tão fortes. Parecem frágeis, mas são resistentes. Pegam facilmente, crescem logo. Umas preferem sombra, outras o sol. A salsinha ora vai bem à sombra, ora vai bem ao sol. Tal qual matinho, quase sem valor, não desperta cobiça. São simples, como a vida deve ser. O meu canteirinho de ervas tem de tudo um pouco, manjericão, alecrim, manjerona, orégano, louro, hortelã, sálvia, tomilho, salsinha. O alecrim, por exemplo, vai muito bem em receitas com batatas, é

alecrim, hortelã e manjericão são algumas das ervas que se encontram em meu canteiro

Fotos: banco de imagem RPS

canteiro de ervas bom para circulação, digestão, rins e é sedativo. Outro dia minha vizinha e amiga me ensinou a fervê-lo em água, colocar em vidrinhos com palitos de madeira e espalhar pela casa. A casa dela é muito perfumada, a minha também. O meu canteirinho de ervas é meu cantinho de sossego, de paz e meditação. É o meu canto de pesquisa, de aprender o que dá certo e o que não dá. De treinar minhas mãos e minha cabeça. Lá não me sinto só. Sem as ervas a vida é muito sem graça. Para quem já tem ou quer ter um canteiro de ervas a dica é ler “As ervas do sítio” de Rosy Bornhausen.

Carmen Bernacchi, proprietária desde 1972 e moradora há quatro anos, mais uma vez divide conosco importantes dicas ecológicas. Se você também tem uma dica valiosa para compartilhar nesta seção, escreva para jornalismo@newww.com.br e participe! REVISTA PORTA PORTA DO DO SOL SOL REVISTA

|

7


Meio Ambiente/Bichos da gente Por juliana antonangelo | Colaboração: Luiz Custódio de Souza, morador

Tolerantes espectadores dos tenistas no clube Uma família de coruja-buraqueira vive no clube do Residencial Porta do Sol. Conheça mais sobre a espécie e sua tolerância com alguns esportistas

A

thene Cunicularia (pequeno mineiro). Este é o nome científico da coruja-buraqueira, ave que vive em buracos cavados no solo. Apesar de ter em média 23 centímetros, a espécie costuma viver mais de nove anos, quando em habitat selvagem. Habitam comumente campos, pastos, restingas, desertos, planícies, praias e aeroportos. Como característica física possui cabeça redonda sem penachos e olhos dispostos lado a lado, num mesmo plano. As sobrancelhas são brancas e os olhos amarelos. Possui um remendo branco no queixo, que se assemelha a uma boca grande desenhada. Seu tom é cor-de-terra, mas pode apresentar penugens em cor de ferrugem, devido ao fato de viverem em solos de terra roxa. As corujas jovens se assemelham às descritas acima, porém, são gorduchi-

8

| REVISTA PORTA DO SOL

nhas e desengonçadas. Seu peito é totalmente branco, sem as variações marrons, possuem uma barra amarela passando por toda asa superior. Os machos e as fêmeas são similares no tamanho e na aparência, entretanto os machos adultos são ligeiramente maiores e as fêmeas, normalmente, mais escuras que o macho. Seus olhos permitem que vejam objetos em três dimensões: altura, largura e profundidade. Os olhos da coruja-buraqueira são bem grandes, podendo, em algumas espécies, ser maior que o próprio cérebro. Além de uma boa visão, a ave possui uma ótima audição, conseguindo localizar a presa com apenas este sentido. O maior inimigo da coruja buraqueira é o homem, pois ao passar sobre a boca dos ninhos, pode soterrar o túnel, matando mãe e filhotes asfixiados. No residencial é possível observar

Elas nos observavam jogando. É verdade que muitas vezes, devido a baixa qualidade das nossas exibições, o par procurava algo mais interessante para apreciar Luiz Custódio de Souza, morador


Foto: Rita Valente

essas aves. Há um grupo que vive próximo à quadra de tênis, no clube. O morador Luiz Custódio de Souza, descreve esses animais como “espectadores muito tolerantes”. Ele conta que quando avistou as corujas pela primeira vez elas formavam um novo casal, já que seu buraco não parecia ser tão fundo. “Elas nos observavam jogando. É verdade que muitas vezes, devido a baixa qualidade das nossas exibições, o par procurava algo mais interessante para apreciar, mas elas sempre estavam por lá”, comenta. Luiz revela que ao chegar à quadra as aves os seguiam. Segundo ele, como se quisessem perguntar: “Hoje vocês vão caprichar um pouco mais?”. Tempos depois, ele diz ter ido ao canto da quadra para saudá-las, porém, as corujas-buraqueiras não estavam mais lá. “Fiquei me perguntando o que teria acontecido: teriam sido devoradas? Mudaram de casa,

ou simplesmente não suportaram mais nossas incertas raquetadas e nos abandonaram? Em uma sincera autocrítica, me parece que a terceira opção seja a resposta mais pertinente. Fiquei triste com a ausência do par”, salienta. Semanas mais tarde, ao chegar ao clube para mais uma partida, Luiz notou um movimento maior, conforme descreve, “de seres alados no morrinho atrás da quadra”. Ao se aproximar cuidadosamente, para sua surpresa, a família coruja havia crescido. “Naquele momento nos observavam papai, mamãe e três belos filhotes de corujas-buraqueiras, nossos velhos e novos espectadores”, afirmou e acrescentou: “Tomado de energia fui para o jogo e não sei bem por que, mas naquele dia muitas bolas entraram com qualidade e o nível do jogo subiu bastante, pude então imaginar”, satiriza: “mamãe e papai fa-

Também são conhecidas por: Caburé-de-cupim, caburé-docampo, coruja-barata, corujado-campo, coruja-mineira, corujinha-buraqueira, corujinhado-buraco, corujinha-do-campo, guedé, urucuera, urucuréia, urucuriá, coruja-cupinzeira (algumas cidades de Goiás) e capotinha. lando para os filhotes: crianças, não se deixem enganar, hoje as batidas estão boas, mas infelizmente poucos dias são como este. Vocês, assim como nós, terão de ser espectadores muito tolerantes”. Fonte: wikiaves

REVISTA PORTA DO SOL

|

9


Capa Por juliana antonangelo

Assembleia Geral coloca em pauta as benfeitorias que serão desenvolvidas em 2013 e apresenta a prévia da prestação de contas de 2012

10

| REVISTA PORTA DO SOL

Fotos: Alan Carvalho

Aprovação unânime


administração está exercitando um modelo de transparência novo na gestão do Residencial. Segundo explica, antigamente o Plano Diretor Orçamentário era apresentado sobre a perspectiva de aumentos percentuais dos reajustes, além disso, a população só tomava conhecimento das propostas no dia da votação. “Em 2011, fizemos uma audiência pública a fim de expor o Plano Diretor que seria votado para o próximo ano aos moradores. Este ano não conseguimos realizar a audiência antes da Assembleia, porém, assim que a diretoria da APAPS concluiu o Planejamento de 2013 e o Conselho Deliberativo aprovou o plano, foi enviado um boletim eletrônico aos condôminos no dia dez de dezembro informando-os que o Plano Diretor estava disponível no site do Residencial. Deste modo, puderam tomar conhecimento dos assuntos que seriam abordados no dia 16”, explana e afirma que o feedback desta ação de divulgar previamente o Plano Diretor aos moradores tem sido positivo, já que é uma maneira de abrir espaço para que todos expressem suas opiniões sobre os assuntos que serão abordados e também sugiram melhorias.

Francisco Zambrana Júnior, morador há dez anos e proprietário há 18: “reuniões de condomínio com poucas pessoas demonstram satisfação com o síndico” Foto: Rita Valente

R

ealizada no mês de dezembro, a Assembleia Geral do Residencial além de apresentar e por em votação o Plano Diretor, proposto pela APAPS para 2013, também exibiu uma estimativa da prestação de contas decorrentes de 2012, a qual será concretizada e exposta durante reunião em março. No dia 16, aproximadamente 40 pessoas, além da diretoria da associação, estiveram no evento que aconteceu no Ginásio de Esportes do Clube da Porta do Sol. A baixa frequência de moradores na Assembleia é encarada com bons olhos, já que isso frequentemente ocorre quando há uma boa aceitação da diretoria e também do Plano Diretor proposto. Para Francisco Zambrana Júnior, morador há dez anos e proprietário há 18, “reuniões de condomínio com poucas pessoas demonstram satisfação com o síndico. Em outros tempos, quando a população não estava satisfeita com as ações que vinham sendo tomadas, já presenciei assembleias com mais de 300 pessoas”. O presidente da APAPS, Renzo Bernacchi, considera que a atual

REVISTA PORTA DO SOL

|

11


Capa assembleia Geral. Entre os assuntos pautados no encontro, destacaram-se: Despesas Orçamentárias, Plano Diretor e Fundo de Pavimentação. Após a aprovação de todos os projetos por unanimidade, Renzo detalha cada uma das ações que serão desenvolvidas no próximo ano em prol do Residencial. Em relação às contribuições (veja quadro ao lado), ele comenta que nas Despesas Orçamentárias o aumento proposto sofrerá variação de 6,51%, inferior ao previsto se comparado ao mesmo período de 2012. Já o aumento tarifário de água, sofrerá variação de 7%. O Plano Diretor também terá redução de 9% em relação ao do ano passado. “Esses números resultam para a mensalidade de março um aumento de 4,3% inferior à inflação prevista”, complementa Renzo. Ele ainda menciona que nesta linha, diversos investimentos em tecnologia também estão constantemente sendo realizados na Porta do Sol. O presidente da APAPS acredita que melhorias tecnológicas no local resultarão em produtividade, eficiência e na redução de custos variáveis. Um dos exemplos citados por ele é a Internet que já está sendo instalada no local. O Plano Diretor também faz refe-

rência a um dos cumprimentos do planejamento trienal, sugerido pela diretoria: a pavimentação de todas as ruas com moradias. Renzo reforça que foi proposta a pavimentação de todas as ruas com mais de 50% de seus terrenos ocupados. “No total serão pavimentados em torno de 50 mil m² ou dez quilômetros lineares. Isso, além de benéfico aos moradores, eliminará a despesa que temos com a manutenção de ruas de terra” acrescenta. Ele esclarece que essas pavimentações, assim como todas, serão pagas pelos proprietários com imóveis nos respectivos

Em 2013 ma maNtErEI um s sÉrIO CO COmPrOmIssO CO COm O rEsIDENCIal. Pr PrEtENDO quE C CaDa VEz maIs ElE s sEja rECONhECIDO CO COmO um PONtO DE ENCONtrO ENtrE PE PEssOas quE CON CONtEmPlam a N NaturEza, mas sEm DEI DEIxar a tECNOlOGIa DE laDO renzo bernacchi, presidente da aPaPs

12

| REVISTA PORTA DO SOL

logradouros a serem pavimentados. Porém, Renzo destaca e anuncia uma novidade para 2013: O Fundo de Pavimentação. “A partir de agora todos passarão a contribuir com este fundo que será direcionado à implementação de asfalto. A verba será destinada a pavimentação das áreas comuns e também fará uma reserva em caso de possíveis inadimplências”, esclarece e menciona que as obras de pavimentação devem começar no segundo trimestre, com o fim das chuvas. Outro assunto de destaque na Assembleia foi no tocante às edifica-


Foto: Rita Valente

Félix Evandro Peres, proprietário há 24 anos e morador há 20, sempre que tem oportunidade participa da Assembleia Geral

Fotos: Alan Carvalho

ções. De acordo com o presidente da APAPS, no Plano Diretor está sendo projetada uma série de reformas em edifícios pertencentes à associação. A intenção é adequá-los para uma melhor utilização. Entre os patrimônios que receberão melhoria, está toda a área de almoxarifado. Também será construída a central de monitoramento de câmeras de segurança no complexo administrativo. “Ainda reformaremos o restaurante e vestiários. Será construída a sala

de convivência, auditório e um salão para o Conselho Administrativo”, completa. As obras devem ter início no mês de março. Equipamentos e maquinários igualmente foram citados no Plano Diretor. Renzo afirma que alguns maquinários estão obsoletos, portanto, tratores, caminhões e motos, são exemplos de patrimônios que serão renovados. Durante toda a Assembleia, as propostas da diretoria foram aprovadas por votos unânimes. Para o presidente da APAPS, isso é resultado de um trabalho que vem sendo aprovado pela maioria dos condôminos. “O que se vê hoje é decorrente de um trabalho em conjunto entre Conselho Administrativo, diretoria, funcionários e proprietários. Investimos e investiremos ainda mais na comunicação para que deste processo se constitua uma comunidade ainda mais participativa. Em 2013 manterei um sério compromisso com o Residencial. Pretendo que cada vez mais ele seja reconhecido como um ponto de encontro entre pessoas que contemplam a natureza, mas sem deixar a tecnologia de lado. Não é porque apreciamos a natureza que teremos que residir em ruas de terra. Trarei inovações, mas sempre preservando o meio ambiente”, pondera Renzo. Francisco se diz satisfeito com as propostas para o próximo ano. Despesas Segundo ele, em Orçamentárias 2012 a diretoria foi um dos assuntos cumpriu o que que chamou atenção no encontro havia planejado,

como a conclusão da pavimentação do anel viário e a nova bomba d’água para contribuir no sistema de abastecimento. Entre as propostas para 2013, ele destaca: “a pavimentação das ruas ainda sem asfalto, a renovação de maquinários - uma vez que temos veículos com mais de 20 anos de uso -, assim como o sistema eletrônico e de Internet que interligará as portarias e as residências. Já tivemos bons gestores, mas esta administração, em especial, está de parabéns”, salienta o morador. Proprietário há 24 anos e morador há 20, Félix Evandro Peres, sempre que tem oportunidade participa da Assembleia Geral. Assim como Francisco ele também se diz satisfeito com o Plano Diretor. “Quem conhece a Porta do Sol há muitos anos, assim como eu, sabe que o Residencial passa por uma ótima fase e está sendo muito bem cuidado. Apenas analiso que os moradores precisam ser mais ativos e participantes em decisões que impactarão no rumo da nossa sociedade. Temos hoje uma diretoria aberta, disposta a ouvir os condôminos e a receber sugestões, temos que usufruir mais disso e participar mais”, elucida. Renzo ainda frisa que 2013 será um ano de muito trabalho, no qual será continuada a tarefa considerada por ele fundamental: persistir com os trabalhos iniciados em 2010, criando um modelo de gestão simples, eficiente, participativo e transparente. Para conhecer na íntegra o Plano Diretor 2013 acesse: www.portasol.com.br/ pdfs/plano_diretor_2013.pdf

REVISTA PORTA DO SOL

|

13


Nossas Ruas Por juliana antonangelo

O homem d’Os Sertões Conheça a trajetória de Euclides da Cunha, escritor que contou a história do conflito comandado por Antonio Conselheiro: A Campanha de Canudos. Em homenagem, a Porta do Sol tem uma rua que leva seu nome

Bibliografia Obras: Os sertões, epopeia e ensaio (1902); Relatório da Comissão Mista Brasileiro-Peruana do Alto Purus (1906); Castro Alves e seu tempo, crítica (1907); Peru versus Bolívia (1907); Contrastes e confrontos, ensaio (1907); À margem da história, história (1909); Cartas de Euclides da Cunha a Machado de Assis, correspondência (1931); Canudos, diário (1939). Obra completa, org. Afrânio Coutinho, 2 vols. (1966). Fonte: ABL

14

| REVISTA PORTA DO SOL

veu dois artigos intitulados “A nossa Vendeia”, no qual compara a primeira batalha de Canudos com a luta ocorrida na França entre republicanos e defensores da monarquia. Após a produção dos textos, foi convidado pelo O Estado de S. Paulo para presenciar o final do conflito que acontecia no interior da Bahia, porém ele deixou Canudos quatro dias antes do final da guerra. Mesmo assim reuniu material e durante cinco anos elaborou “Os Sertões: campanha de Canudos” (1902). O livro foi lançado pela Livraria Laemmert no Rio de Janeiro, e o sucesso de foi tamanho, que todos os volumes da 1ª edição se esgotaram em dois meses. Sua posse na ABL aconteceu em 18 de dezembro de 1906. Dois anos mais tarde Euclides finalizou o livro “À margem da história”, no qual apresenta estudos sobre a Amazônia. A obra foi publicada após sua morte pela Livraria Chardron, de Portugal. Inconformado após sua esposa o Canudos. Durante a Campanha de abandonar para viver com o cadeCanudos (1896-1897), movimento de te Dilermando de Assis, com quem Antonio Conselheiro, Euclides escremantinha relação extra-conjugal há anos, no dia 15 de agosto de 1909 Euclides foi armado à residência de Dilermando. Ao tentar matá-lo, o cadete reagiu e acertou um tiro fatal no escritor. O corpo foi velado no Salão da ABL. RUA Euclides da Cunha, em nosso Residencial tão Ministro da Guerra. Apesar de ser perdoado por D. Pedro II, ele foi expulso do exército e dias depois se mudou para São Paulo - cidade considerada o quartel general das lutas republicanas, onde foi bem recebido. A partir de então passou a escrever para a Província de S. Paulo, atual jornal O Estado de S. Paulo, onde publicou seu primeiro artigo: “A Pátria e a Dinastia”. No ano seguinte, com a Proclamação da República, foi chamado de volta ao exército. Em 1900 casou-se com Ana Ribeiro e um ano mais tarde cursou Engenharia Militar e foi para a Escola Superior de Guerra, onde passou a ser Adjunto de Ensino na Escola Militar. Euclides também se tornou Bacharel em Matemática, Ciências Físicas e Naturais. No jornal, em 1902, Euclides escreveu o artigo “O Brasil no século XIX”, relatando uma análise dos cem últimos anos das atividades humanas no País.

Fotos: Rita Valente

E

uclides Rodrigues Pimenta da Cunha, entre as diversas profissões que exerceu ao longo de seus 43 anos (18661909), se tornou um dos autores mais conhecidos em todo País e foi imortalizado ao se tornar o segundo ocupante da cadeira de nº7 da Academia Brasileira de Letras (ABL). Nascido na cidade carioca de Cantagalo frequentou renomados colégios do Rio de Janeiro, como a Escola Politécnica e a Escola Militar de Praia Vermelha. Entre suas profissões, se destacou como escritor, sociólogo, repórter jornalístico, historiador e engenheiro. Em 1888 ele vivenciou o fato conhecido como “Episódio da baioneta”, quando durante desfile em homenagem ao Conselheiro Tomás Coelho, Euclides saiu da fila e atirou sua espada aos pés do mesmo, o en-


Clube e Social

Fotos: Rita Valente

Por juliana antonangelo

Festança Moradores e proprietários ocuparam os jardins do Clube no dia oito de dezembro. Na data foi realizado, durante toda a tarde, o Bazar de Natal do Residencial e também se oficializou o grupo de artesanato da Porta do Sol. Além disso, a partir das 14 horas foi promovido um workshop de fuxico. Já no início da noite houve a festa de encerramento dos alunos que frequentam as aulas de violão, sob a direção do professor Guilherme Ro-

ditis. Em seguida foi a vez dos jovens de 10 a 15 anos que, orientados pela professora Kétilyn Medeiros, os alunos de dança mix teen da academia apresentaram seu número. E a festança não parou por aí, após as apresentações de dança, o Grupo Sem Fronteiras, composto por moradores do Residencial, fez um show musical no restaurante. Foi um dia muito divertido, com diversas programações.

REVISTA PORTA DO SOL

|

15


Foto: Rita Valente

Clube e social

Cultura andina

a importância d na vida das pess Cleide aparecida Vieira realiza estudo com crianças do residencial. Baseada na arte educação e arteterapia, ela avalia o desenvolvimento do indivíduo através de suas expressões artísticas com o barro

m

No dia dois de dezembro o morador do Residencial e fotógrafo José Ibelli inaugurou uma exposição fotográfica no Salão Social do Clube. Com o tema “Sob o olhar da América: o trabalho, a família e a mulher”, quem visitou a mostra pode conhecer um pouco mais sobre a cultura andina e ainda apreciar um bom vinho chileno, iguaria oferecida pelo fotógrafo. As imagens encantaram tanto aos moradores, que a exposição precisou ser prorrogada. Inicialmente as exibições iriam até o dia 16 de dezembro, mas os condôminos puderam acompanhar os trabalhos até o dia 12 de janeiro.

oradora e proprietária do residencial Porta do sol há dois anos, a artista plástica Cleide Aparecida Vieira é graduada em Artes Visuais pela Universidade Belas Artes de São Paulo (SP) e pósgraduada em arteterapia. A cerâmica é o principal meio pelo qual Cleide expressa seus dotes artísticos. “Desenvolvo produções no ateliê construído na minha casa. Elaboro peças escultóricas contemporâneas inspiradas no universo feminino e peças utilitárias de um modo geral.

Ele chegou!

DE ACORDO com a ceramista Cleide Aparecida Vieira, o projeto com alunos da Escola Municipal Felipe Lutfalla terá duração de 30 encontros, realizados semanalmente durante duas horas

Dia de festa. Mais de 40 crianças presenciaram a chegada do Papai Noel no Residencial, o evento aconteceu no dia 15 de dezembro. Nem a forte chuva que caiu durante todo aquele dia desanimou a criançada. Mesmo sem poder passear pela Porta do Sol, o Papai Noel participou de diversas atividades com os pequenos. O Ginásio de Esportes ficou lotado e todas as crianças aproveitaram a oportunidade para conversar com o bom velhinho e já pedir seus presentes. As crianças ainda se deliciaram com muita pipoca, algodão doce e se divertiram com as apresentações circenses e também de um grupo teatral. Já no dia do nascimento do menino Jesus, 25 de dezembro, houve a tradicional Missa de Natal.

16

| REVISTA PORTA DO SOL

Também ensino técnicas de cerâmica, leciono na Faculdade Paulista de Artes e desenvolvo um projeto com crianças em fase escolar”, destaca. O projeto. Atualmente Cleide está cursando mestrado na Universidade Nove de Julho em São Paulo. Seu estudo tem como objetivo avaliar a importância que o barro e a cerâmica têm na vida das pessoas como forma de representação e reinvenção. Para esta pesquisa, a artista está desenvolvendo um projeto com algumas crianças da Escola Municipal Felipe Lutfalla, localizada no Residencial. Ela explica que todo o processo é baseado na arte terapia e na arte educação. “O benefício do trabalho com o barro é provado. Em escolas onde a cerâmica é utilizada em sala de aula, crianças com dificuldades de aprendizado e hiperativas tem


Gente da Porta Por juliana antonangelo

um ganho no aprendizado, além de auxiliar na educação desses indivíduos possibilita também o processo criativo e recreativo”, assegurou Cleide, que iniciou trabalhos com o barro em um momento delicado de sua vida. Conforme informou, a seleção das crianças foi realizada em conjunto com a direção pedagógica da escola. Foram indicados alunos com notas baixas, dificuldade de socialização e crianças com bons rendimentos. “A escola de imediato se prontificou a colaborar com este projeto, porém, como não possui uma sala específica para a atividade, o desenvolvimento do trabalho ficou difícil e demos continuidade em meu ateliê. Além do espaço físico, também forneço todo material necessário para o desenvolvimento completo do trabalho”. No total, o projeto tem duração de 30 encontros realizados semanalmente durante duas horas. Porém em 2012, o trabalho foi realizado de forma experimental, com seis encontros. “Tive alunos que gostaram da atividade e outros que não. Porém neste período de desenvolvimento é notório o ganho relacionado à percepção desses alunos que estão motivados e engajados a continuarem envolvidos com a cerâmica. Com o início do próximo ano letivo será realizada outra seleção e

o projeto será retomado do primeiro encontro”, frisou a artista. Cleide também participa de grupos de cerâmica. Entre eles, o Projeto de Cunha (SP) que tem como objetivo inserir aulas de cerâmica no currículo escolar do ensino fundamental no Brasil. “Nestes encontros participam ceramistas e artistas de diversas universidades brasileiras e também da Universidade Belas Artes de Lisboa (Portugal). Paralelo a esse trabalho, ainda está em estudo, um projeto em que as obras produzidas em cerâmica por crianças da cidade de Monte Mor (Portugal) deverão ser expostas aqui no Brasil, preferencialmente, em Mairinque. Já os trabalhos produzidos aqui no Brasil pelas crianças das escolas onde o projeto esta sendo desenvolvido, serão expostas em Monte Mor. Um verdadeiro intercâmbio cultural, que poderá se regionalizar e interligar as obras de crianças de diferentes regiões do País. Quem sabe futuramente teremos artistas

Fotos: Rita Valente

da cerâmica soas

A sELEçãO das crianças foi realizada em conjunto com a direção pedagógica da escola

que iniciaram suas atividades aqui na Porta do Sol. Eu sonho com isso, e é um projeto que tem tudo para dar certo”, acrescentou. REVISTA PORTA DO SOL

|

17


segurança Por juliana antonangelo

Por uma vida ainda mais segura Conheça as atribuições da equipe de segurança instalada no residencial e saiba o papel do morador na prevenção de incidentes que possam ocorrer sobre o patrimônio

18

| REVISTA PORTA DO SOL

Fotos: Rita Valente

C

ontrolar o acesso às portarias, zelar pelo cumprimento do regimento interno, cuidar das áreas de fronteira, zelar pela segurança patrimonial, da fauna e da flora e também a segurança física com o serviço de bombeiros e resgate, patrulhamento de ruas e atendimento a ocorrências. Estas são apenas algumas das atribuições da segurança em prol do Residencial Porta do Sol. Cerca de 60 funcionários atuam na segurança do local. De acordo com o gerente líder de segurança, Giovanni Baccaro Júnior, todos colaboradores são treinados em academias de vigilantes, instituições reconhecidas pela Polícia Federal, as quais lhes permitem portar armas de fogo. Eventualmente ocorrem casos de furto no local. De janeiro a novembro de 2012, ocorreram 32 furtos, todos em residência sem a presença de moradores. Uma forma de minimizar estes eventos é a adoção de cuidados preventivos com prestadores de serser viços. Esses, ao serem contratados pelo proprietário devem ser cadascadas trados na central de segurança. Já os condôminos, ao fazer a contratação, devem exigir a certidão criminal para conhecer o histórico do contratado. O presidente da APAPS, Renzo Bernacchi, destaca que o Residencial conta com a colaboração de funciofuncio nários próprios que gerenciam os serviços de uma empresa de segusegu rança. “O nível de conhecimento do que se passa dentro do nosso períperí metro e a colaboração dos órgãos de segurança pública faz com que pratiprati camente a totalidade dos furtos que ocorrem venham a ser solucionados num prazo muito curto e é comum a recuperação da mercadoria”, menmen

gIOVANNI bACCARO JúNIOR, gerente líder de segurança

ciona. Ele também comenta que o entorno da Porta do Sol degradou-se nos últimos anos, apresentando um crescimento da violência muito grande. Tendência esta que não se verificou dentro do Residencial. “Graças ao modelo de segurança que possuímos as ocorrências que tivemos internamente, foram no pior dos casos, furtos em residências sem moradores, sem cachorros e sem alarme”. Giovanni afirma que já no início de 2013 serão instaladas câmeras de vigilância de longo alcance por todo o Residencial, as quais serão monito-

radas e controladas por um departamento de segurança que operará 24 horas por dia. “Com isto, aumentará a segurança dos moradores, já que teremos monitoramento constante dos perímetros do Residencial, áreas mais vulneráveis a furtos. Nessas regiões de fronteiras já temos a ronda reforçada, mas com o uso de alarme sonoro o condômino pode aumentar ainda mais a proteção de seu patrimônio”, afirma. Giovanni ainda explana que há na Porta do Sol um serviço de monitoramento de alarme dentro do Residencial. As residências que possuem este alarme tem uma segurança a mais. Em caso de eventuais disparo de alarme, as rondas em veículos ou motocicletas conseguem chegar ao local em até dois minutos. Ao concluir, Renzo reforça que o Residencial é respaldado por uma equipe de segurança estruturada. E orienta aos moradores que é possível viver seguramente, bastando por em prática medidas simples, porém eficazes. “A primeira delas é o cadastro de todos os prestadores de serviço, se puderem contratem o serviço de monitoramento junto à empresa que presta este serviço e por último, e mais complicado, um bom cachorro ajuda muito. Portanto, seguir as recomendações da nossa equipe de segurança é fundamental para que vivamos em um ambiente ainda mais seguro”, finaliza.


REVISTA PORTA DO SOL

|

19


20

| REVISTA PORTA DO SOL


REVISTA PORTA DO SOL

|

21


22

| REVISTA PORTA DO SOL


REVISTA PORTA DO SOL

|

23


24

| REVISTA PORTA DO SOL

Revista Porta do Sol Edição 153  

Revista Porta do Sol Edição 153

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you