Page 1

ANO XIII - Nº 48 3º TRIMESTRE - 2004 FLORIANÓPOLIS/SC

Impresso Especial 68001055/02-DR/SC Editora Sophos

CORREIOS

Jornal da Filosofia Fundamental - Centro de Filosofia Educação para o Pensar

EDUCADORES E ESCOLAS EM BUSCA DE UMA EDUCAÇÃO FILOSÓFICA

PÁG. 4

PÁG. 6 e 7

PÁG. 8/9 e 10

Núcleos de Filosofia cada vez mais atuantes

Congressos Regionais: grande procura para implantar a Filosofia em todos os níveis

Notícias mostrando reflexões e criações dos alunos


2

EDITORIAL

EDUCADORES E ESCOLAS EM BUSCA DE UMA EDUCAÇÃO FILOSÓFICA Quando fazemos um caminho e junto conosco muitos outros começam a caminhar sentimos a sensação de fazer um grande trabalho que precisa de todos e que consegue ampliar as perspectivas de alunos, professores e pais. Vivemos, enquanto estrutura de Centro, um momento muito importante e muito rico de reflexões, trabalhos, produções e visão de futuro. Sabemos da nossa importância e da responsabilidade por todas as frentes que estamos abrindo. Por isso uma grande preocupação do Centro junto aos parceiros dos Núcleos em nos organizarmos e ampliarmos os trabalhos junto aos professores, colégios e atividades junto aos alunos. Basta vermos as brilhantes atividades que estão sendo realizadas nos colégios pelos alunos. Também é destaque de louvor o esforço e o sucesso dos Congressos Regionais que acontecem neste segundo semestre. Julho em Florianópolis (SC), um sucesso com participação de qualidade dos profissionais de diversas partes do nosso país. Em agosto o Congresso Regional de Brasília, um sucesso com muita participação, organização e um desejo de que haja mais trabalhos deste porte junto as escolas que se fizeram presentes. O Congresso Regional de Curitiba que contou com um grupo de professores e estudantes de alto nível. Tivemos também em Curitiba a coordenação das oficinas pelos Núcleos de Joinville, da Grande Florianópolis e de professores do Norte do Paraná. Estamos preparando junto aos Núcleos os Congressos Regionais de Fortaleza, São Luís, Rio de Janeiro e Barra Mansa, todos com certeza momentos de grande reflexão e vivência prática do nosso Programa. Nesse informativo um convite muito especial para que você continue sabendo das notícias e matérias em nosso site. Por isso, devido ao pequeno espaço que temos e muitas notícias e materiais formativos que vem dos colégios e professores, estamos abrindo um outro canal, em nossa página www.centro-filos.org.br você terá continuidade das diversas matérias e outras que não puderam ser colocadas neste informativo. Vale a pena cada um ler com atenção o que se passa pelas escolas que trabalham nosso Programa filosófico-pedagógico. Também é um convite para que a partir destas informações você e sua escola venham a trabalhar conosco no próximo ano. Aguardem outras novidades relacionadas ao nosso Portal da Filosofia, aos Roteiros de Planejamento 2005, aos Projetos junto aos professores, alunos e pais. Muitas novidades e a certeza de que ao trabalhar conosco, você e sua escola, estarão fazendo parte de uma grande equipe preocupada com um ensino filosófico e reflexivo, voltado para a sensibilidade das relações. Boas leituras e reflexões filosóficas Equipe do Centro de Filosofia

EXPEDIENTE

Jornal da Filosofia no Ensino Fundamental Publicação Trimestral do Centro de Filosofia Educação para o Pensar Florianópolis/SC

ENDEREÇO Av. Osmar Cunha, 183 Ed. Ceisa Center - Bl. B, sala 701 88015-900 - Florianópolis/SC Fone/Fax: (48) 224-5671 www.centro-filos.org.br centro@centro-filos.org.br DIAGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO

www.centro-filos.org.br

ESPAÇO OPINIÃO DOS LEITORES CAIF - ENTREVISTA DR. EMERY É bom saber que existem iniciativas como esta, porque através delas semeia-se pequenas mudanças que podem frutificar. Pais do João Vitor Bueno É muito importante a família ficar unida, conversando sempre para nos entendermos melhor e assim aprendermos respeitar uns aos outros. Elizabete, mãe do Danilo Wakabayashi

EDUCAÇÃO PARA O PENSAR A vida de uma criança não é só receber informações dos pais e professores, e sim as experiências vividas por ela e os ensinamentos dos adultos. Kéia, mãe do Pedro Luiz Garcia Tezone Acho o jornal Corujinha muito legal e quando eu não entendo alguma coisa eu pergunto para a minha mãe. Gosto de ler as coisas que a tia escreve. É legal porque tem espaço para os alunos colocarem suas opiniões também. Hanna Yumi Ueda (1ª série) Gosto muito da aula de Filosofia, pois faz a gente pensar e meditar sobre nossa vida, onde aprendemos a respeitar e amar as pessoas. Também gosto muito da professora Sandra, pois ela nos ensina com muito amor e dedicação. Beatriz Roveri de Abreu (2ª série)

PROJETO PENSANDO E AGINDO PELA PAZ No mundo em que estamos vivendo hoje, em que a paz é uma palavra tão esquecida é imprescindível e de vital importância qualquer iniciativa neste sentido. Achei muito criativa e interessante a idéia do Tapete Itinerante da Paz, pois além da mensagem central que é de levar mensagens de paz as pessoas, incentiva a participação, solidariedade e trabalho em equipe nas crianças em prol de um objetivo nobre e tão essencial num mundo que está vivendo tão alheio a ela. Mãe do Victor Henrique Prison Gostei do Tapete Itinerante da Paz porque faz parte do que nós estamos estudando desde o começo do ano aqui no Colégio Universitário. Paulo Henrique Tartarotti (4ª série) Eu achei muito criativa a idéia do Tapete Itinerante da Paz. Gostaria de participar desse projeto e escrever no tapete minha mensagem de paz. Bárbara Gonzalez Pascoal (4ª série)

A REDE EDUCAÇÃO PARA O PENSAR A concretização da Rede Educação para o Pensar - Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens é importante porque a educação não pode ser mera repetição de conhecimentos, porque não é possível haver um trabalho de reflexão filosófica que seja transformador da realidade, se não houver constantemente a socialização dos saberes e fazeres. Acreditamos numa educação construída nos conhecimentos e alavancada pelas experiências pessoais e comunitárias, um fazer na ação e reflexão. Defendemos uma educação comprometida com a emancipação do homem, na qual ele seja autônomo no seu pensar e cooperativo no seu agir. O Centro de Filosofia Educação para o Pensar desenvolve há 15 anos trabalhos com colégios da Rede Pública e Particular, em diversos estados brasileiros. Elaborou o Programa Filosófico-pedagógico Educar para o Pensar: Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens, o qual abrange os segmentos da educação infantil, do ensino fundamental e médio, produz materiais filosófico-pedagógicos que constituem as produções teóricas e práticas no trabalho junto às escolas. O Centro de Filosofia Educação para o Pensar estabelece parcerias, mediante um contrato com as instituições de ensino em diversas partes do Brasil. Nossa organização em Rede Educação para o Pensar concretiza-se pela associação do colégio com o Centro por meio de um contrato de prestação de serviços educacionais (para obter mais detalhes e o modelo do contrato, entrar em contato com a Secretaria do Centro, pelo e-mail: secretaria@centro-filos.org.br. Outra forma de trabalho e parceria é assessorar aos colégios quando somos solicitados, organizando Cursos de Formação para todos os professores e oferecendo palestras. Também, realizamos Congressos (I e II Congresso Nacional de Educação para o Pensar e Educação Sexual - 2001 e 2003); encontros regionais com alunos e professores; e projetos envolvendo toda a comunidade escolar.

ARTH&MÍDIA • arthmidia@arthmidia.com.br

Fone (48) 9953-7722

Mais informações acesse: www.centro-filos.org.br/corujinha48




ENTREVISTA

www.centro-filos.org.br

3

NUFEP/DF – UM TRABALHO ORGÂNICO JUNTO AOS COLÉGIOS E PROFESSORES Profª Lia – Nossa entrevistada desse trimestre é uma grande liderança, educadora e entusiasta por uma Educação para o Pensar. Responsável pelos trabalhos do Núcleo de Filosofia Educação para o Pensar – NUFEP/DF. Um Núcleo que está com uma atuação muito presente em inúmeros colégios do Distrito Federal e Goiania. Responsável pelo Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual do Distrito Federal e de vários encontros dos professores no Projeto Café com Idéias. Corujinha: Quem é a Educadora Maria Concei- gios, ao responder recentemente pela organização de um grande Congresso Regional de ção A. Bazzo? Lia: Carinhosamente conhecida como Lia, é bata- Educação para o Pensar e Educação Sexual do lhadora, apaixonada pelo que faz e por tudo que Distrito Federal, que aconteceu em 27 e 28 se empenha. Professora normalista, como era cha- próximo passado, o que a senhora tem a dimada, fez Administração Escolar. Aos 18 anos, quan- zer sobre a Educação que estamos buscando do começou alfabetizando adultos preocupada para todas as escolas? demais com a responsabilidade no educar, surgiu Lia: A Educação para o Pensar é uma grande neuma grande vontade de interagir com a comunida- cessidade. Precisamos virar a página e deixar de de escolar. Para ela, lidar com o crescimento pes- lado a imposição de idéias e conteúdos e prepasoal de cada aluno e de cada família tornou-se uma rar o indivíduo para a reflexão, para ser mais missão e não um trabalho. Ao longo de sua carrei- participativo, mais atuante e ter consciência do seu valor como parte de uma ra, desempenhou diversas funsociedade na qual as pessoções na unidade escolar, entre ... quando apresentamos as precisam viver bem. Conelas a de professora alfabetisidero também que a proposzadora, coordenadora, assiso Educar Para o Pensar e ta Educar para o Pensar é tente de direção e bibliotecáouvimos de diretores, muito bem elaborada e o proria. Dentro ou fora de sala de coordenadores e fessor tem todo o acompaaula, com os filhos ou alunos, professores frases do nhamento para aplicá-la em com crianças ou adultos, tem sala de aula. O Centro de Fium respeito muito grande petipo: “Precisamos disto. losofia, com uma história de las pessoas e uma vontade Estávamos a procura de 15 anos com depoimentos imensa de ajudar, transmitinum caminho seguro e verídicos, está preocupado do otimismo para todos. Falanparece que a porta se também com o resultado do do, ouvindo, respeitando e traprograma, estando sempre balhando muito tudo é possíabriu”. “Queremos saber presente, oferecendo recurvel. Hoje, aposentada pela esmais sobre esta proposta. sos como livros, página na cola, continua envolvida no Queremos nos preparar internet e uma equipe atumesmo ideal de trabalho por para uma educação ante. É um excelente camimeio da livraria que possui e nho para quem deseja ter dos trabalhos em parceria com emancipatória.” alunos mais reflexivos e o Centro de Filosofia. conscientes. Corujinha: Como a senhora vê seu trabalho junto aos professores e alunos nas escolas do Dis- Corujinha: Como mãe, avó, educadora e grande entusiasta de uma escola mais crítica e critrito Federal? Lia: Vejo a abertura muito grande que tenho nos ativa perguntamos: é possível uma educação Colégios como uma conseqüência da minha inte- emancipatória na escola que temos atualmenração. Sou muito bem recebida, respeitada e sin- te? É possível sonharmos e vislumbrarmos com to-me agradecida pelas oportunidades que sur- uma educação para uma vivência comunitária gem. Procuro estar sempre presente, fazendo mais justa? parcerias, colaborando, trocando idéias e experi- Lia: Só consigo vislumbrar uma educação emancipatória, uma educação para uma vivência coências que nos fazem crescer. munitária mais justa, a partir do momento em Corujinha: Ao estar à frente de um NUFEP bas- que a escola começa a se preocupar, a se questitante dinâmico junto aos professores e colé- onar e a procurar meios para que atinja estes

objetivos. Isto está acontecendo agora e a satisfação é grande quando apresentamos o Educar Para o Pensar e ouvimos de diretores, coordenadores e professores frases do tipo: “Precisamos disto. Estávamos a procura de um caminho seguro e parece que a porta se abriu”, “Queremos saber mais sobre esta proposta. Queremos nos preparar para uma educação emancipatória.” A sociedade já está exigindo este tipo de educação das escolas e, por isso, elas estão procurando caminhos para a sua concretização. Corujinha: O que a senhora tem a dizer para os diretores, coordenadores e professores que optam por colocarem a disciplina Filosofia desde os primeiros anos escolares? Lia: Acredito que estão no caminho certo. É uma inovação necessária e mostra que eles realmente estão preocupados em dar à sua comunidade escolar uma educação de qualidade. Estão também preocupados em mudar a nossa história, proporcionando uma sociedade mais justa, com cidadãos mais conscientes e participativos. Corujinha: Uma mensagem final para os alunos que tem a disciplina Filosofia desde os primeiros anos, seus professores e para todos os familiares. Lia: Aos professores, tranqüilidade, sentimento de estar fazendo o melhor, de estar colaborando com o futuro de seus alunos e para um mundo melhor. Aos alunos, a valorização, o reconhecimento pelo que estão construindo junto com a escola e a consciência de que estão saindo na frente neste nosso tempo e que levem isto adiante. Às famílias, o participar continuamente para que tudo realmente viabilize-se.

RELAÇÃO DOS NUFEPs - (Núcleos de Filosofia Educação para o Pensar) e seus responsáveis O Programa Filosófico-pedagógico construído, apresentado e defendido pelo Centro de Filosofia Educação para o Pensar em todo o Brasil é sério, envolvente e condizente com a realidade, como comprovam os inúmeros professores e centenas de escolas de todo o país. Por isso o nosso Programa Educar para o Pensar: Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens quer oportunizar a todos um estudo reflexivo, crítico e emancipatório. Lançar-nos para o estudo com mais afinco, dentro da filosofia e de outras disciplinas, tornar-nos atentos para aprendermos com as crianças e os jovens naquilo que eles têm para nos dizer e, juntos, maravilharmo-nos, fazermos filosofia. Uma filosofia viva, encharcada de vida em todas as dimensões. CONHEÇA mais sobre os núcleos e sobre o Centro no site: www.centrofilos.org.br/nucleos Entre em contato com o NUFEP mais próximo de você.

NUFEP/Distrito Federal - DF .................. NUFEP/Grande São Luís - MA ................. NUFEP/Ceará - CE .............................. NUFEP/Sul Fluminense - RJ ................... NUFEP/Norte - SC .............................. NUFEP/Manaus - AM ............................ NUFEP/Mato Grosso do Sul - MS .............. NUFEP/Noroeste - RS .......................... NUFEP/Grande Rio - RJ ........................ NUFEP/Mato Grosso - MT ...................... NUFEP/Bahia - BA .............................. NUFEP/Grande Florianópolis - SC ............ NUFEP/Vale do Tijucas - SC ................... NUFEP/Região Serrana - RJ ................... NUFEP/Região Médio e Alto Uruguai - RS ... NUFEP/Grande Natal - RN ..................... NUFEP/Região Metropolitana Curitiba-PR .. NUFEP/Espírito Santo - ES .....................

Lia ............ (61) 7812.3660 ......liapapelaria@liapapelaria.com Isabel ........ (98) 9131.9686 ......nufepma@hotmail.com Jayme ....... (85) 231.3479 ........ jaopai@uol.com.br Tereza ....... (24) 9845.2183 ......teresaborges@speedwave.com.br Yara .......... (47) 9107.3081 ......yara@eliasmoreira.com.br Manoel ....... (92) 624.4535 ........ manoeldejesus@yahoo.com.br Elizzete ...... (67) 384.3655 ........ domboscolivraria@hotmail.com Oldair ........ (55) 3537.2055 ......oldair@cfcbianchi.com.br Ângela ....... (21) 2426.8379 ......nufep.rj@globo.com Sérgio ........ (65) 644.8068 ........ sdecezaro@ig.com.br Holdaque .... (73) 613.0108 ........ nedicoesitabuna@uol.com.br Alberto ...... (48) 9102.1467 ......althomal@ig.com.br Piva .......... (48) 9952.7020 ......edgar@unetvale.com.br Márcio ....... (24) 9811.7177 ......marcioe@compuland.com.br Vicente ...... (55) 3744.3187 ......vicentesandeski@brturbo.com.br João .......... (84) 9985.9644 ......pires.joao@uol.com.br Mana ......... (41) 9165.8073 ......mana@posbagozzi.com.br Fátima ....... (27) 3347.1079 ......piagetassessoria@ig.com.br


4

NOTÍCIAS DOS NÚCLEOS

A FILOSOFIA EM MOSSORÓ/RN

www.centro-filos.org.br

NÚCLEOS EM AÇÃO

NUFEP - Grande Natal/RN

NUFEP / Sul Fluminense - RJ O Núcleo já está se preparando para o Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual. Este evento acontecerá nos dias 19 e 20 de novembro de 2004, no Colégio Verbo Divino em Barra Mansa. Alguns Colégios da Região estarão expondo seus trabalhos. O Colégio Nossa Senhora do Rosário de Volta Redonda, o Colégio Nossa Senhora do Amparo de Barra Mansa e outros estarão participando ativamente deste Congresso. (Teresa – Barra Mansa) NUFEP / Norte - SC

O Programa “Educar para o Pensar: Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens”, ocupou espaço no rol das atividades da “X Semana Universitária” promovida pela Universidade Estadual do Rio Grande do Norte – UERN. O Programa foi apresentado e discutido com alunos dos Cursos de Filosofia e Pedagogia, pelo Prof. Dr. João Maria Pires do Departamento de Filosofia – UERN. O professor Pires também representa, no Rio Grande do Norte, o Centro de Filosofia Educação para o Pensar – CENFEP, através da Coordenação do Núcleo de Filosofia Educação para o Pensar -NUFEP/RN. A convite do professor Pires, as professoras Vanuza, Socorro e Lenira, da Escola Estadual Monsenhor Raimundo Gurgel, comentaram a experiência que tiveram, em 1997, com aplicação do Programa Filosofia com Crianças nas turmas de 1a série. As professoras ressaltaram a importância da Filosofia na Educação para o Pensar, oferecendo detalhes das mudanças de comportamento e posturas das crianças em salas de aula. O depoimento reforçou os

argumentos apresentados pelo professor Pires, em favor de uma maior expansão e aplicação do Programa junto às escolas. Na opinião do Professor Pires e dos participantes da Oficina Filosófico-pedagógica, o sucesso da Filosofia na X Semana Universitária, representa apenas o começo de um amplo espaço que se abre em Mossoró e região, para a projeção do Programa Educação para o Pensar. Neste sentido, visando atender solicitações para visitar escolas interessadas, o Prof. Pires, enquanto Coordenador do NUFEP e professor de Filosofia da UERN, está somando esforços para, em parceria com o CENFEP, desenvolver uma ampla campanha de divulgação e aplicação do Programa junto aos alunos, professores, coordenadores e diretores das escolas públicas e particulares, em todo o Rio Grande do Norte. Os contatos poderão ser feitos através do e-mail: pires.joao@uol.com.br e dos fones: (84) 608 – 5526. (Parnamirim RN) e (84) 315 – 2194 (Mossoró/RN / Dep. de Filosofia – UERN).

Aconteceu a 8ª Noite da poesia, do desenho e da canção filosófica, nos dias 20 e 21/09, no anfiteatro do Colégio Cenecista José Elias Moreira em Joinville/SC. - Nos dias 17 e 18/09 professores que fazem parte do Núcleo (Profª Emanuelle, Profª Rosane e Prof. José Roberto) colaboraram coordenando oficinas no Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual de Curitiba. - As professoras Edna Santana e Emanuelle S. Dalri estão preparando uma oficina para os professores da Educação Infantil, com a novela filosófica ”O Meu quintal”. (Yara – Joinville) NUFEP / Região Metropolitana de Curitiba - PR Uma parceria que promete muitas outras frentes. Na metade de agosto aconteceu uma reunião em Curitiba (Centro e Pós-Graduação do Bagozzi) para re-alinharmos

forças para a divulgação do Congresso Regional de Curitiba, pensarmos em estruturar o NUFEP. Após algumas semanas a continuação da reunião aconteceu em Florianópolis, na sede do Centro. Desta reunião oficializamos o Núcleo da Região Metropolitana de Curitiba. O Núcleo está sob a coordenação da Profª Mana que está visitando colégios que trabalham com nosso Programa e outros interessados. Planeja ações para ampliação das atividades junto aos professores como: Grupo de estudos, Café com Idéias, Partilha de ações entre escolas... Junto com a Pós do Bagozzi estamos amadurecendo idéias para uma Pós-Graduação. Aguardem informações! (Mana – Curitiba) NUFEP / Mato Grosso do Sul – MS Demos início ao nosso trabalho. Realizamos dia 20/08 o primeiro Café com Idéias, com sucesso. Foi um momento para nos conhecermos e falarmos um pouco do que cada um vem realizando em sala de aula. Os colégios de Campo Grande que trabalham com nosso Programa e materiais tiveram uma participação importante. Grandes destaques e muita vontade de ampliar os trabalhos junto aos alunos. Marcamos o nosso segundo encontro para setembro onde faremos uma Oficina e o convite se estenderá às demais escolas que queiram conhecer a proposta de trabalho do Centro através do Núcleo. Em breve mais notícias... (Elizzete – Campo Grande)

QUEREMOS LEMBRAR! Existem pessoas que passam por nossas vidas e deixam marcas. Pessoas que estiveram em nossa convivência, mesmo por curto espaço de tempo, e conseguem mostrar-se em toda sua integridade, sua liderança, postura ética, emprendedorismo ... Elizabeth foi uma pessoa que continua viva em cada trabalho que os Núcleos estão organizando e realizando junto aos colégios, professores e alunos. Elizabeth o que você plantou no estado do Espírito Santo continua crescendo tendo presente seu esforço... Todos somos muito agradecidos por você ter estado conosco. Fique em paz junto aos anjos no paraíso em que você está e que construiu em sua vida e passagem junto a nós. Sofreu acidente de carro no começo de agosto voltando de trabalhos do Núcleo de Espirito Santo

Centro de Filosofia Educação para o Pensar


NOTÍCIAS DA REDE

www.centro-filos.org.br

5

CAFÉ COM IDÉIAS no Ensino Médio - novas mentalidades Col. Elias Moreira – Joinville/SC

“O sábio fala porque tem alguma coisa a dizer; o tolo, porque tem que dizer alguma coisa.” (Platão, filósofo grego) Sabedoria superior é o que pretendemos no projeto, tão necessária para quem sai da escola para o mundo. TEMAS DISCUTIDOS NO CAFÉ

Denominado pelos alunos Café Consciência, este projeto pretende reunir grupos de pessoas interessadas em discutir assuntos de Política, Ética, Estética, Fenomenologia, Existencialismo, Natureza Humana e Filosofia Contemporânea com mais profundidade, deixando a superficialidade usualmente utilizada. “O outro se descobre, antes de tudo, na preocupação das ocupações.” (Heidegger) Envolver-se no interesse da filosofia nos dias de hoje é difícil, mais difícil ainda é sentir o quanto ela é útil para o esclarecimento e a “fabricação” da existência humana no mundo. Nós, do Café Filosófico, pretendemos envolver os futuros pensadores no interesse da linguagem, aprendendo a fazer discursos, conversações que comprometem para a aprendizagem. Ler, ouvir, falar, raciocinar e escrever, são exercícios da aprendizagem que devem desenvolver o cultivo do pensamento, ou seja, a arte de pensar.

A felicidade – Pablo Casals; A crise contemporânea – Neylor J. Tonin; A história da filosofia – Sócrates; Filosofia grega e cristã; Humanismo; Racionalismo; Filosofia cientificista; A angústia – Heidegger; O medo – Heidegger e Pascal; A coragem – Gonçalves Dias e Sócrates; A admiração – Descartes; O pensamento – Descartes e Kant.

METODOLOGIA DO CAFÉ Interpretar textos; Consciência de si mesmo; Focos de percepção; Atitudes de espanto; Perceber o Universo diferente do Eu objetivo; Investigação filosófica; Atitude filosófica; Debate; Argumentação; Análise da tradição; Decodificar textos; Evidência e ambigüidade; Memória histórica; Intenção comunicativa; Construção analógica e analítica; Síntese; Etapas compreensivas; Liberdade de pensamento filosófico; Posicionamentos e opiniões; Reflexão empática e crítica; Comentário e resenha.

PENSADORES Adriane – 2ºA; Amanda – 2ºA; Carolina – 2ºA; Daniel – 2ºA; Willyan – 2ºA; Alexandre – 2ºB;

RESULTADO DE ALGUMAS REFLEXÕES ENSAIO SOBRE FEIJÕES

Quem me dera fosse um feijão Feijões não necessitam de mamadeira. Feijões precisam de terra fofa, água e uns poucos raios de sol matinal, que os deixem mornos, mas que não os sequem. Você já ouviu falar em feijõezinhos rebeldes com falta de afeto? Feijões não discutem com seus pais, não matam aula e nem levam suspensão por passar cola na hora da prova. Feijões não ameaçam se jogar pela janela do quinto andar, não roubam bala na loja e não pintam o cabelo de vermelho. Feijõezinhos não fazem xixi nas calças. Quem me dera eu fosse um feijão e não soubesse o que é felicidade. Quem me dera eu fosse um feijão inerte na terra absorto no movimento da seiva pelo meu corpo, e não deixasse que o mundo me influenciasse e me fizesse mudar de opinião a cada cinco minutos. Por que feijões geralmente não têm sua própria opinião, quem diria a dos outros. E o que diriam os outros feijões quando vissem um feijão com opinião formada? Nada, porque feijões também não falam. Quem me dera que em vez de sangue, eu tivesse a seiva concentradora de atenção; que

Felipe – 2ºB; Talita – 2ºB; Aldana – 2ºD; Daiane – 2ºD; Diego – 2ºD; Francislaine – 2ºD; Gabryella – 2ºD; Kauê – 2ºD; Leila – 2ºD; Lorena – 2ºD; Luiz Delfino – 2ºD; Ronaldo – 2ºD; Cindy – Tupy; Danielle – Energia.

alegria fosse uma chuva de verão; que temor fosse uma vaca pastando próxima. Porque feijões não trabalham das 9 às 5, não tem estress nem depressão. Feijões não tomam pílulas azuis no café da manhã, verde no almoço e vermelhas no jantar. Porque feijões não sabem o que é a dor de perder um filho, a mulher e o sobrinho em um acidente provocado por um jovem alcoolizado, ou a vitória de ganhar na Mega–Sena. Porque feijões cariocas não discriminam feijões enlatados. Pergunto-me, se talvez, um feijão não desse uma vida de fotossíntese por um minuto de felicidade. O que ele escolheria? Um banho de praia num dia quente de rachar, saber que seu filho nasceu e está bem, um Red Bull com uísque, ou a final da copa com a seleção? Creio que nem um deles. Mesmo porque, um feijão tem a amplitude emocional digna de um feijão, e não gostaria de tanta emoção. Feijão que é feijão gosta de fotossíntese que faz e não se preocupa se o vizinho ganhou um ramo novinho. Ah, quem me dera eu fosse um feijão! Kauê 2ºD Mais informações acesse: www.centro-filos.org.br/corujinha48



CAFÉ FILOSÓFICO COM FAMÍLIAS DESFAVORECIDAS NUFEP - Sul Fluminense/RJ

Tem sido realizado mensalmente “Café Filosófico” com famílias carentes que participam do Programa “Escola de Pais” na ONG Construindo Sonhos”. Vários temas são debatidos e os participantes dia a dia vem demonstrando mais interesse em participar.


6

MATÉRIA DA CAPA

www.centro-filos.org.br

CONGRESSO REGIONAL DE EDUCAÇÃO PARA O PENSAR E EDUCAÇÃO SEXUAL - 27 e 28 Agosto - Brasília / DF - Fiquei muito satisfeita por encontrar pessoas que pensam sobre este tema com responsabilidade e maturidade. Esta proposta é de importância vital para a nossa sociedade. Parabéns a toda equipe. (Prof. Ana Maria Mafre DF) - Sinto-me esperançosa por ver que há ainda resistência ao caos e que a sociedade ainda tem chances de sobreviver numa ótica civilizatória e humana. Espero que novos encontros aconteçam para que eu possa participar. (Alcione Pimenta Goiânia)

O Congresso Regional do Distrito Federal que aconteceu em Brasília no Col. Marista João Paulo II foi um trabalho de parceria muito forte entre Núcleo/DF (coordenado pela Profª Lia e sua equipe), o Centro de Filosofia, a Abrades e os inúmeros Colégios que trabalham com nosso Programa no Distrito Federal. Um Congresso com participação significativa de educadores em número (mais de 300) e em qualidade. Uma certeza de todos os organizadores: “estamos no caminho certo, atendendo as expectativas, proporcionando espaços e eventos de reflexão, aprendizagem e troca de conhecimentos. Os inúmeros Colégios de Brasília e de todo Distrito Federal, também de Goiás e de outros estados (MG,SP que estiveram presentes perceberam e sabem da seriedade dos trabalhos do Centro e do Núcleo. Agora é só ampliarmos as parcerias e respondermos as necessidades dos professores com trabalhos e projetos locais”- Profª Marta B.

- O Congresso fortaleceu meus conhecimentos, minha concepção sobre o assunto. Estou levando muita bagagem para poder trabalhar. (Maria Aparecida Viana Cabrobo Araguari) - Foi ótimo para a minha prática, pois trabalho com a educação infantil. Pretendo começar a buscar esta forma de questionadora com meus alunos. (Raquel Mendes Diniz DF)) - Sensibilizada e com muita vontade de dar continuidade a esta proposta que iniciamos em nossa escola. (Magaly B. de Araújo Barbosa DF) - Maravilhada com o Dr. César. Fora de série. Relacionamento do grupo foi ótimo. Prof. Lia muito atenciosa. Não vou abandonar as oportunidades de estar com vocês. (Sonia Soares de Azevedo Araguari/MG)

DEPOIMENTOS

- Muito positivo. Gostaria que fossem a Minas, em especial no Colégio Benloar Sagrado Coração de Jesus em Araguari. (Irmã Valéria Cristina Penido Araguari/MG) - É bom saber que existem pessoas tão capacitadas e tão inteligentes e que estão preocupados com um bem comum e maior: o saber de todos. Palestras, oficinas, recursos, locais, tudo muito positivo. (Edmar Lopes dos Reis Guará /DF) - Novos incômodos surgiram e percebo uma necessidade de me aprofundar e conhecer melhor os temas. As dinâmicas foram enriquecedoras e demonstram novas formas de abordar a filosofia e a sexualidade em sala de aula. (Gisele Ferreira Tacca DF)

- Participar deste Congresso, me deixou muito feliz e com vontade de aprender sobre este tema. Achei organizado e muito criativo. Parabéns e voltem sempre. (Prof. Caroline Kochenberger Rodrigues CEAC)

CONGRESSO REGIONAL DE EDUCAÇÃO PARA O PENSAR E EDUCAÇÃO SEXUAL - 17 e 18 Setembro - Curitiba / PR Em parceria com o Col. Bom Jesus e a Faculdade de Filosofia São Boaventura, o Centro de Filosofia e a Abrades realizaram em Curitiba um significativo Congresso Regional preparatório ao III Congresso Nacional. Um evento com participação significativa de educadores e alunos das mais diversas instituições de Ensino da Região Metropolitana de Curitiba e também de outros estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro). Além das Conferências dos professores doutores César Nunes (Unicamp/SP) e Silvio Wonsovicz (CENFEP/SC), as presenças dos coordenadores das oficinas dos Núcleos do Norte/SC, da Região Metropolitana de Curitiba e da Grande Florianópolis. Após esse Congresso o Núcleo da Região Metropolitana de Curitiba (recentemente estruturado junto com a EIDOS/Posgraduação

Bagozzi) começou um trabalho sistemático de divulgação e ampliação dos colégios que trabalham com nosso Programa filosófico-pedagógico, organização de grupo de estudos entre os professores e interessados e outras iniciativas que em breve estarão sendo noticiadas. DEPOIMENTOS - Buscar e desenvolver uma reflexão sobre a necessidade de um pensar filosófico representa um ponto positivo neste contexto de individualidade, consumismo e conceitos prontos. Este processo deve continuar.

- Obrigada a comissão organizadora deste evento, me sinto orgulhosa em estar aqui e posteriormente ter uma idéia diferenciada dos demais, já que tratamos de um assunto tão polêmico. (Cristiane Borges Netto Medeiros - Curitiba / PR)

- Tudo que diz respeito a formação do indivíduo para melhorar nossas relações humanas é fundamental e urgentíssimo. Portanto, tudo que vimos nesse congresso é essencial para a preservação da espécie humana. (Tânia Mara Moraes Rego - Curitiba / PR)

(Marcia Vidal Candido Frozza - Lages / SC)

- O evento contribuiu muito para uma nova visão das ações nas escolas, enquanto a sexualidade.

- Espero que se repita muitas vezes e seja também levado a outras faculdades.

(Maria Inês Kovalski - Curitiba / PR)

(Anna Fábia Lisboa - Campo Largo / PR)

- Parabéns pelas explicações e palestras. Fo-


www.centro-filos.org.br

MATÉRIA DA CAPA nhecimentos a outros lugares. Pois é pena que poucas pessoas como educadores tenham acesso ou interesse sobre asuntos referidos. Que bom vocês terem vindo! (Irene de Fátima dos Santos Vieira - Araucária / PR)

- Gostei muito das palestras e oficinas. Espero participar de outros congressos. Parabéns pelo empenho de todos.

7

- Estou fascinada com as descobertas e as possibilidades. Com certeza, minha participação neste evento será pontuada como um marco dentro de minha trajetória profissional, isso pela falta de formação nesta área. É um grande desafio que quero levar adiante. (Ana Cláudia da Silva Caleffi - São Gabriel / RS)

(Gisele Maria Bonato - Curitiba / PR)

- Espero que haja muitas outras oportunidades de participar em congressos como este. Parabéns! (Rosângela Rodrigues da Silva Mendes - Almirante Tamandaré / PR)

- Este evento foi muito importante para refletir sobre a educação moderna. (Ana Beatriz Salgado Narloch - Curitiba / PR)

- Foi muito interessante, pois com certeza sairemos daqui com muitas idéias e com outro olhar perante a filosofia. (Daniele Miranda de Oliveira - Petrópolis / RJ)

ram válidas para a vida profissional e exercício do pensar filosófico nas escolas.

- Só tenho a agradecer a oportunidade de grande esclarecimento que tive nesse congresso. (Carla Cristina de Oliveira Ramos - Petrópolis / RJ)

(Juliana Alves Martins - Araucária / PR)

- Acho importante todo o conteúdo falado, se possível, seria interessante levar estes co-

CARTA DE SÃO LUÍS 1 – Estivemos reunidos de 30 de agosto a 3 de setembro de 2004 no Auditório Central da UFMA (Universidade Federal do Maranhão) 110 participantes. Filósofos, Sociólogos, Pedagogas, Educadores e Estudantes de Filosofia de vários estados do Brasil, durante o II SENAFEB (Seminário Nacional de Filosofia e Educação Básica), discutimos e aprofundamos o tema – “Filosofia e Educação: do como ao para onde?”. Portanto, ao manifestarmos nossos princípios e propósitos, registrarmos aqui as diretrizes e proposições que fortalecem nossas convicções e nossas intenções de lutas e esperanças de efetivar o ensino de Filosofia e Sociologia na Educação brasileira em todos os níveis de ensino. 2 – Proclamamos nossa convicção na educação

- Muito bom, muitas pessoas da sociedade deveriam ter acesso a este tipo de temática. (Sergio Fernando Maciel Corrêa - Campo Largo / PR)

humanística, que considera o homem e sua condição subjetiva e social como fundamento de toda educação. Defendemos um ensino filosófico com as crianças, adolescentes e jovens que venha prepará-los para a vida, que vincula a comunhão da cultura e do conhecimento, princípios éticos emancipatórios, com a elevação estética da vida, com a responsabilidade social e a promoção da participação política democrática libertadora. 3 – Defendemos uma educação e escola que procure formar a pessoa humana em todas as suas potencialidades e identidades, buscando partir da realidade inalienável de cada ser, de modo a integrar todos, educadores e educandos, nos mais elevados ideais éticos, cívicos, culturais e políticos da humanidade. 4 – Associamos nossa luta e esforço nacional por um ensino filosófico e sociológico com todo projeto social e político que busque superar a realidade difícil e injusta em que vive a grande maioria do povo brasileiro. Herdeiros que somos de uma tradição de exclusão, de exploração, de negação dos mais elementares direitos sociais, sobretudo no acesso à educação e reflexão filosófica e sociológica. 5 – Expressamos nossa convicção e luta em prol de uma educação que tenha a participação do ensino da filosofia e sociologia, para termos uma educação que forme sujeitos históricos, autônomos, críticos, esclarecidos, colocando o acesso à cultura e educação escolar como forma de humanização plena para a vivência das dimensões coletivas mais elevadas, principalmente aquela que prepara para o trabalho criador e realizador. 6 – Firmamos o compromisso com a educação da criança, do adolescente e do jovem para o pensar criativo, para a convivência solidária, para o respeito à alteridade, para a conquista da cultura e formação da pessoa emancipada, reflexiva, responsável e livre. Defendemos que a formação filosófica e reflexiva na escola fundamental e média é o espaço do debate criativo, da aproximação pedagógica dos recursos da lógica, da aquisição subjetiva da linguagem e do pensamento criativo em investigativo, da produção da consciência investigativa e metódica na direção da formação para a plenitude da ação na escola e na sociedade atual.

7 – Buscamos superar uma forma de pensar a sociedade, a cultura e a escola como determinações autoritárias, repressivas ou mediadas pelos valores do sucesso, da competição e da acumulação material. Optamos por uma concepção política democrática e pluralista, por uma concepção de conhecimento e saber que esteja a serviço da vida e da felicidade, por uma filosofia e sociologia que almejem a emancipação e a autonomia. 8 – Por fim, em nossas utopias e proposições, reflexões e críticas, debates e informações trocadas, conhecimentos e vivências da experiência rica e exigente do convívio coletivo e generoso neste II Seminário, onde comungamos esperanças e desafios, busca-se afirmar a cultura elaborada como a matriz da humanização, o espaço da escola como lugar de formação para o agir consciente no mundo, de modo a anunciar a novidade institucional e histórica da cultura da emancipação e da pluralidade. 9 – Para tanto, reafirmamos nosso propósito de mantermos unidas as disposições para produzir mediações, a celebrar a beleza e originalidade da vida, a manifestar a cultura do diálogo, a constituir a ética da alteridade, a promover o pensamento que esclarece e sente, a construir a educação que ama e, ao mesmo tempo, cultivar o amor que educa. 10 – Para realizar tais propósitos, lutamos pela aprovação do projeto de lei nº 1641/2003 que torna a Filosofia e Sociologia disciplinas obrigatórias em todas as escolas brasileiras. E lutamos para que a implantação das aulas de Filosofia e Sociologia em toda a estrutura escolar seja feita com carga horária compatível com o desenvolvimento de um raciocínio critico, criativo e criterioso. São Luís, 03 de setembro de 2004 Carta-documento aprovada por unanimidade na sessão de encerramento do II Seminário Nacional de Filosofia e Educação Básica. Na mesma sessão ficou acertado que haverá ampla divulgação da carta, uma mobilização Nacional de lutar para que nosso pleito junto as autoridades educacionais e dirigentes do nosso país sejam sensibilizados e nossa reivindicação seja vitoriosa.


8

FILOSOFIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

www.centro-filos.org.br

SUGESTÕES DE AULAS FILOSÓFICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Dom Bosco – Campo Grande/MS

RESOLVENDO SITUAÇÃO-PROBLEMA Esta dinâmica tem como objetivo reconhecer a necessidade do trabalho em equipe. Este era o ponto principal da cena oito no livro Meu Quintal. Depois de lermos a cena oito e discutirmos sobre a satisfação de se fazer algo bem feito, listamos as coisas que as crianças faziam bem feito e elas disseram: - desenhar; fazer bagunça; brincar; guardar os brinquedos; tomar banho; guardar meus brinquedos; jogar bola; andar de bicicleta; cuidar do meu peixinho; recortar; escovar os dentes; etc. Depois de cada um expressar o que sabe bem feito, fizemos a proposta da dinâmica. As crianças deveriam pegar uma caixa surpresa do outro lado da varanda sem tirar a mão do portão. As idéias borbulhavam, a principio cada um teve uma idéia e queria tentar sozinho, mas logo desistia, porque via que não ia dar certo. Fui questionando e fazendo com que eles trocassem hipóteses entre si, tentando encontrar uma saída. Não demorou muito e uma aluna teve a idéia de fazer uma corrente de crianças, um seguraria no portão e os outros iam dando as mãos até chegar na caixa. A idéia era perfeita, porém, eles tiveram que refazer várias vezes por soltarem das mãos uns dos outros ou por querer pegar na mão do colega sem passar pelo portão. Até que um aluno sugere que um de cada vez vai tocando no portão com uma mão e com a outra segura a mão do colega. Dessa forma dá certo e em pouco minutos a corrente chega até a caixa, porém, encontram outro problema, como estão segurando um na mão do outro, não tem como pegar a caixa, então outro aluno sugere que chutem a caixa até chegar no primeiro, ou seja, naquele que está segurando no portão. Quando isto acontece as crianças fazem uma festa e o aluno que chegou primeiro tem o direito de abrir a caixa. Antes dele abrir peço para cada criança dizer o que acha que tem na caixa e as hipóteses foram: • é uma bala, um brinquedo, uma bola, um livro, uma boneca, um lápis, um jogo, etc, etc, e ninguém adivinha.

Dentro da caixa tinha uma caixa de BIS (chocolate 20 unidades), logo já querem comer e eu questiono: • Mas será que tem para todos? • Tem sim é só olhar aqui na caixa. Leio e confirmo a hipótese de uma das alunas. Distribui-o um pra cada criança e sobram 5 BIS, logo questiono: • E agora o que faremos? Aluno: • “Dividi no meio e dá um pra cada”. Aluna: • “Não dá 5 dividido no meio da 10 e somos mais que 10”. Aluna: • “Vamos dar para as professoras”. • “Quantas professoras são? Eu questiono”. Eles começam a falar os nomes das professoras e concluem também que não dá e então resolvem dar para: coordenadora, auxiliar e para as duas tias que limpam nossa sala. Voltamos para sala e fechamos a atividade com a seguinte questão: Será que sozinho algum de nós conseguiria pegar a caixa? Unanimente eles dizem que não, que precisava de um ajudar o outro, um trabalho junto e se alguém não quisesse ajudar eles não conseguiram, pois a distancia do portão até a porta da sala (no outro lado) era do tamanho da corrente que eles fizeram juntos. Concluo a atividade refletindo com eles sobre: • O objetivo que eles tinham (pegar a caixa). • O compromisso e responsabilidade (todos participarem). • A importância do trabalho em equipe. Esta atividade foi muito produtiva em relação a participação e envolvimento das crianças e principalmente porque consegui atingir o objetivo proposto ao desenvolvê-la. Percebo, que a filosofia cada vez mais colabora com o “pensar” das crianças, nas soluções de sintuações-problema, que ocorrem dentro da prática educativa. Pré III C - Professora: Silvia Regina da S. Pereira

TÉCNICA PARA AULAS DE FILOSOFIA Com a finalidade de enriquecer e contextualizar a aula de Filosofia no trabalho com a cena da novela “O Meu Quintal”, cujo objetivo como citado acima, era de fazer com que as crianças percebessem a importância da ajuda mútua, organizei uma dinâmica, apresentando ao grupo um quadro com uma gravura de uma linda gatinha. Exploramos a imagem e eu disse que iria dar o quadro para a turma. Cada um queria o quadro pra si, argumentei então que só tinha um, mas que poderia dar um jeitinho. Comecei aí, a recortar o quadro em partes (18, igual ao número de alunos). As crianças ficaram desapontadas quando me viram cortando o quadro e entregando um pedaço para cada uma. Reclamaram dizendo que estraguei “a gatinha”, o que iam fazer só com um pedaço da gata? Deixei que discutissem e pensassem o que fazer. Perceberam então, que estavam com um quebra-cabeça nas mãos. Começaram a discutir quem seria o dono do quebra-cabeça, e não chegaram em um acordo. Propus então um desafio ao grupo. Dei um tempo para que juntos pudessem montar o quebra-cabeça. Se conseguissem fazê-lo no tempo determinado, com a participação de todos, o jogo ficaria para a sala, caso contrário, daríamos o jogo para a sala do Pré II, assim não teria mais brigas. Concordaram. Deixei bem claro que todos deveriam participar da montagem da figura em um prazo de 15 minutos. Houve muita discussão. Alguns choravam porque não queriam entregar suas partes para o grupo. Outros queiram controlar tudo e todos dando ordens. Durante um tempo a confusão foi grande. Quando perceberam que o tempo estava terminando, organizaram-se e conseguiram montar o quebra-cabeça com ajuda de todos. Na avaliação da atividade, as crianças apontaram a falta de união e cooperação por isso demoraram tanto com o trabalho, teve choros e brigas, disseram que com união ficaria mais fácil conseguir as coisas. Refletiram sobre aspectos importantes como a união, a colaboração e o trabalho em equipe. Valeu a atividade! Professora do Pré III A

MUDANÇAS E TRANSFORMAÇÕES Escola Pinheiros – Londrina/PR

A partir da observação e manuseio de uma folha de papel as crianças da Educação Infantil construíram alguns conceitos sobre mudanças e transformações. Dobrando o papel, modificando sua forma construíram um barquinho. Depois, rasgando a popa, a proa e o mas-

tro transformaram o barco em uma camiseta. Entre as dobras do papel muitas idéias foram “desdobradas”: A origem do papel, árvore, semente, lagarta e borboleta, crianças e bebês... Observe um flash dessa vivência.


www.centro-filos.org.br

FILOSOFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

QUEM PRIMEIRO:: UEM NASCEU PRIMEIRO OO VO OU A GALINHA? OV

9

INTERDISCIPLINARIDADE:

FOLCLORE E EDUCAÇÃO PARA A PAZ Colégio Universitário – Londrina/PR

Colégio Cristo Rei – Horizontina/RS

Trabalhando com a novela filosófica O Menino e a Caboré, os alunos da 2ª série do Colégio Cristo Rei de Horizontina questionaram de onde teria vindo aquela ave (a coruja), como teria nascido. Foi então que realizamos um trabalho interdisciplinar a partir da questão filosófica: Quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha? Primeiramente debatemos sobre o assunto onde cada aluno contribuiu defendendo seu

posicionamento. Não satisfeitos, os alunos foram investigar pesquisando em livros, na internet e conversando com outros professores. Como tema filosófico refletiram com seus familiares, o que foi muito interessante, pois gostaram de filosofar com a sua família. Foi após a realização deste tema filosófico que realizamos um segundo debate, onde cada aluno relatou a reflexão que fez em casa sobre o assunto. Optamos em não colocar a resposta para que os leitores sintam-se motivados em investigar.

ESCREVENDO NOSSA HISTÓRIA

O Folclore brasileiro foi tema de um grande trabalho interdisciplinar realizado pela equipe de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental. Alguns resultados deste trabalho foram apresentados na Feira Cultural 2004. A 1ª série havia pesquisado cantigas, parlendas, frases de caminhão e provérbios. Depois de cantar e refletir sobre a letra de algumas cantigas e parlendas, as crianças identificaram vários trechos que em nada contribuem para a paz que queremos ter. Dispostas a contribuir com a construção de uma cultura de paz, assumiram o desafio de modificar e ilustrar a letra das cantigas. O trabalho, inicialmente apresentado em sala de aula, acabou por compor um bonito painel exposto na Feira Cultural. Letras das cantigas modificadas pelos alunos das 1as séries:

Colégio Universitário – Londrina/PR

Acompanhando as aventuras dos personagens Trigão e Potim, refletimos sobre a bela amizade que os une. Imaginamos como seria não saber nosso passado, não conhecer nossas origens. A decisão de deixar o único lar que conheciam, partindo em busca de um sonho, foi um momento que consideramos muito importante. A história seria bem diferente se os dois permanecessem na aldeia. Enquanto levantávamos hipóteses sobre esta situação, fomos recordando muitos momentos vividos nas aulas de Filosofia, desde que iniciamos a leitura da novela Irmãos de Sangue. Esses momentos onde investigamos, discutimos, tomamos decisões fazem parte da história que estamos construindo como estudantes da 3ª série. - Será que também fazemos parte da história da nossa professora? “- Claro que vocês fazem parte da minha história de vida. Uma parte importante que certamente não esquecerei.” - esta foi a resposta que a professora Sandra nos deu. Também falou que nós fazemos parte da história do Centro de Filosofia. Isso nos deixou intrigados. Como podemos fazer parte da história do Centro se nunca fo-

Fiz carinho no gato-tô E o gato to Adormeceu-ceu-ceu Dona Chica-cá Admirou-se,se Do ronco, do ronco que o gato deu Minhau!!! Bruna Rye Shimizu Amigos de Jó Jogavam cachangá Tira, põe, deixa ficar Meninos com menicas Fazem zig-zig- zá! Danilo Gionelli Molin

mos lá? O Centro de Filosofia está fazendo 15 anos e a maioria de nós só tem 9 anos... Nessa mesma semana, tivemos como tarefa, conversar com nossos familiares para juntos relembrarmos acontecimentos interessantes da nossa vida. Escolher um desses acontecimentos para compartilhar com os colegas. Esta atividade ajudou-nos a compreender o que a professora havia dito ao final daquela aula. Conversando com nossos pais, olhando álbuns fotográficos, certidão de batismo, Livro do bebê, ficamos sabendo de lugares, objetos, pessoas e até algumas travessuras que nem pareciam fazer parte da nossa vida. Foi muito divertido compartilhar essas histórias na aula de Filosofia. Combinamos que juntos escreveríamos esta vivência e enviaríamos para o Jornal Corujinha. Se for publicada, guardaremos nosso exemplar com muito carinho, pois ele também fará parte da nossa história. E agora? Será que também fazemos parte da história do Jornal Corujinha? 17 de setembro de 2004.

Boi, boi, boi Boi da cara malhada Brinca com essa criança Que gosta de coalhada. João Victor de Souza Bobroff Lá em cima do piano tem um copo de amor Quem bebeu gostou e se apaixonou. João Vitor Bueno

RITOS DE PASSAGEM Centro Educacional Luar- São José/SC

Alunos da 4ª série do centro Educacional Luar, localizado no Bairro Luar, no Município de São José, representaram o rito de passagem da aldeia de Potim e do Trigão, orientados pelo professor José Emílio de Medeiros Filho. Um trabalho que contou com a criatividade, alegria e muito entusiasmo por parte de todas as crianças.


10

FILOSOFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

www.centro-filos.org.br

ADOLESCENTES PENSANDO EM SI, NOS OUTROS E NO MUNDO Col. Verbo Divino – Barra Mansa/RJ

REFLEXÕES A PARTIR DA ARTE Aquelas coisas o deixaram desesperado e de repente ele gritou.E aquele grito foi tão grande, tão alto que a cidade inteira parou. Flávio continuou andando como se nada tivesse acontecido. Por um momento ele achou que tudo aquilo tinha acabado, mas não.” Paula Menezes Marassi “Para mim, esse quadro representa o desespero desta “pessoa”, Parece que está querendo fugir da realidade de sua vida, fugir de seus conflitos com a família, tentando esquecer os seus reais problemas, até porque o pintor utilizou cores muito escuras neste quadro. Por ele estar perto da ponte, me parece que ele queria se matar por tanto desespero e depressão profunda.” Liz Campos Magacho de Andrade

Os alunos de 7ª série do Colégio Verbo Divino se interessaram muito em discutir a proposta do livro Aprendendo a Viver Juntos sobre: A Ética e a análise metafísica como fundamento. Várias reflexões foram feitas na busca do significado das coisas, acontecimentos, relíquias, etc. Alguns alunos fizeram uma análise do quadro “O Grito” do norueguês Munch. Aqui vão algumas histórias criadas a partir do quadro: “Flávio estava andando na ponte quando foi surpreendido por dois meninos de rua, eles levaram o que Flávio tinha de valor. Assustado, continuou andando, e viu pessoas pedindo esmola, pessoas doentes e sem querer viu um menino de uns 10 anos vendendo drogas.

“A má distribuição de renda, ou seja pouca gente com muito dinheiro, e muita gente com pouco. Um filho tendo que trabalhar para sustentar a família, e/ou a morte de alguém da família, ou amigo,bem como o desemprego. Esses fatores podem gerar o desespero de um pai, ou trabalhador honesto.. Essa figura mostra a realidade, o desespero de uma pessoa que tenta ser normal e não consegue.” Vitor Marques “Na minha opinião o homem do quadro está gritando de desespero, pois o pintor transmite isso através das cores fortes e escuras em que o quadro foi pintado. Dá uma sensação de tristeza. Parece que o homem da pintura foi para aquele lugar por estar em depressão profunda pensando até em suicídio.” Andressa Pazzini

ALUNOS CRIATIVOS E CONSCIENTES Desta vez os alunos construíram um boneco que passou a ocupar um lugar na sala de aula.Segundo eles esse boneco é um aluno muito diferente dos demais. Cheio de problemas e com a vida muito complicada. E daí, como a turma trata esse novo colega? Muitos debates já aconteceram e a garotada se divertiu, refletiu e mostrou maturidade diante dos relacionamentos.

NÓS E O MUNDO Estudando a unidade III, O Homem É Um Ser Político, do livro “Somos Filhos da Polis” os alunos da 8ª série do Colégio Verbo Divino discutiram sobre cidadania e os avanços já conseguidos neste campo. Cada aluno listou 5 motivos para acreditar que o mundo está melhorando. 1) Existe uma consciência maior sobre o que é necessário mudar, uma comunicação maior que abrange todo tipo de pessoas. 2) Maior interesse em ajudar e poder ser útil ao outro, tendo pessoas que sempre dão exemplos às outras, aumentando assim o número de interessados. 3) Mesmo que a situação esteja ruim em vários sentidos, há uma consciência maior de que nós, assim como causadores, somos capazes de transformar. Depende de cada um. 4) Há maior preocupação das pessoas em mostrar às outras as necessidades, a educação está muito voltada a ajudar. 5) Pessoas cada vez mais jovens são orientadas, educadas desde cedo a agir com tal comportamento adequado e ético. Patrícia Araújo Rios 1) Olhar para si mesmo: olhando para si mesmo e vendo suas qualidades aumenta sua auto-estima e faz com que tenhamos disposição para fazermos um mundo melhor. 2) Seja realista: saiba enxergar a realidade do mundo pensando em possibilidades de melhorá-lo. 3) Seja paciente: a paciência é a palavra chave para que sejamos mais amigos um dos outros, sabendo perceber suas qualidades além dos seus defeitos. 4) Enxergar o mundo: Veja o lado bom do mundo e como podemos aproveitá-lo. 5) Seja confiante: acredite que tudo pode melhorar apesar das barreiras que tornam as coisas mais difíceis. Tainá


PROJETO P.E.A.PAZ

www.centro-filos.org.br

11

PROJETO PENSANDO E AGINDO PELA PAZ “O hábito é o grande sedutor que empurra para a acomodação e a inércia, para que não seja mais preciso se esforçar nem ficar atento.” Eva Pierrakos

O Projeto Pensando e Agindo pela Paz, quer colaborar para que seus participantes, desde crianças, tornem-se, pouco a pouco, cidadãos plenos, conscientes, esclarecidos, criativos, críticos, participativos, capazes de realizar ações em equipe, solidários, autônomos e, sobretudo, éticos. Tem como um de seus pressupostos valorizar o contexto e a realidade de cada comunidade escolar, sugerindo e incentivando o desenvolvimento de projetos filosófico-pedagógicos que promovam a cultura da paz.

QUANDO A PAZ NOS SOLICITA O mundo está cada vez mais impaciente, cada vez mais competitivo, cada vez mais globalizado, esquecendo que o homem é um ser individual que vive no coletivo, contudo continua a ser um ser individual, suas angustias, seus medos, suas raivas, suas fobias, suas neuroses, suas alegrias, seus sonhos, seus conceitos e pré-conceitos são individuais. É a soma dos seres que dá o coletivo e não ao contrário. Parece que os nossos governantes esquecem disso e muitas vezes tratam os homens como manadas, e não rebanhos. Quando o coletivo sofre atentados como o Onze de setembro de 2001, nos Estados Unidos da América, a decepção e angústia pessoal ecoa: - Como alguns homens tiveram coragem?; Como?; Como e como?... Lembrando Jean-Yves Leloup: “nós ficamos decepcionados na medida de novas expectativas. E se esta expectativa é infinita, ficamos desiludidos infinitamente. Um homem desiludido é um homem perigoso... Porque quando estamos decepcionados queremos, algumas vezes, fazer com que o outro pague pela amargura que está em nós. Por isso precisamos ficar vigilantes, sobre nossas expectativas, sobre o que projetamos sobre os outros...”. Certamente, se começarmos a tratar as pessoas como pessoas, como seres individuais que são, e o coletivo como um aglomerado de seres que têm sua individualidade, seus amores, sua cultura, sua crença, enfim, suas diferenças, começaremos a mudar o mundo. A Paz nos solicita quando necessitamos sobreviver. Não somos apenas nós que solicitamos a paz, que necessitamos da paz para sobreviver, quando a paz nos solicita é porque o homem, no coletivo, já não conse-

gue encontrá-la mais, o homem no nos chame para fazer algo, devemos coletivo não dá conta das frustrações parar de esperar ter companhia para individuais, quando o mito de que sair, para caminhar, parar de espeum fala por todos cai. Quando o ho- rar aquele amigo para sair à noite, mem percebe que, se seu líder está devemos parar de esperar que Deus doente ou fora do seu eixo interior nos solicite a fazer a nossa parte, todos perdem, e apenas quando ele pois à medida que estamos no muncomeça a voltar para si, para o seu do Ele já solicitou, devemos parar ser completo é que a paz reina. A de ter medo do julgamento alheio e paz solicita isso, um encontro con- buscar fazer o melhor por nós e pelo sigo mesmo, um encontro diário, nosso semelhante. sem utopias, sem medo de se enQuando a paz nos solicita decontrar. Hoje muitas vemos agir, reagir, pessoas já se dão devemos movimen“Cada ser humano é o conta disso, aumentar. A paz é isso, um depositário de uma tam assustadoramovimento consparcela do universo. mente o número de tante rumo a nós É nossa primeira pessoas que buscam mesmos e ao outro. tarefa mantê-la em se encontrar através Não devemos penordem, cuidando-a dos grupos de medisar que agindo aspara que dê tação, de relaxasim estaremos sentestemunho de mento, de auto-ajudo egoísta. A medisanidade, integração da, enfim, de grupos da que buscamos e harmonia. É no como UNIPAZ, ONGs, nossa paz interior interior de cada um entre tantos outros. encontrarmos o oude nós que é travada A PAZ solicita que tro, a medida que a batalha definitiva cada um faça a sua só queremos o oupela qualidade total parte para que o tro, auxiliar o oude vida. É também aí que a transformação todo se reúna novatro, pensar para o do mundo tem início, mente. outro etc... fugimos para que na desolada Chega de utopide nós mesmos, terra dos jogos e as, de achar que o descentralizamos e manipulações, um outro é responsável projetamos no ouReino plenamente por nossa felicidatro nossos medos e humano possa ser de, por nossa paz, angústias que nem edificado.” por nossa seguransempre, ou quase Roberto Crema ça, por nossa estanunca ele têm resbilidade. Todos sopostas, o outro é mos, eles e nós, e se não levantar- nosso companheiro de caminhada mos a cada dia nos sentindo res- e não nossa caminhada. ponsabilizados pelo nosso espaço Quando a Paz nos solicita é preno mundo, pelo bom andamento de ciso agir. cada coisa desde nossa casa pessoO que você já fez hoje por você al (o corpo) a nossa casa universal mesmo? Para encontrar-se consigo e (a terra), seremos meros robôs fi- com tua Paz? siológicos onde viver é uma conseqüência e não uma ação. José Orlando Rodrigues Devemos parar de esperar que o Presidente UNIPAZ outro tome a iniciativa, que o outro Núcleo Londrina

SEMANA DA PAZ

A Semana da Paz faz parte do calendário oficial de comemorações da cidade de Londrina desde 2001, sendo o último domingo de setembro o Dia Municipal da Paz, quando ocorre o encerramento das atividades da semana. Um dos principais objetivos da Semana da Paz é mobilizar a sociedade para discutir e propagar a cultura da paz. O Movimento pela Paz e Não Violência- Londrina, propôs para as escolas a coletânea de textos para a produção de um livro com o tema: “Idéias dos Estudantes de Londrina para a Construção de uma Cultura de Paz”. Nós, do Colégio Universitário, ficamos felizes ao saber que o desenho do Gustavo Gameiro, aluno da 3ª série do Ensino Fundamental, ilustrará a capa do livro Londrina Pazeando 2004 e também estampará os Cartões Telefônicos da Sercomtel. Gustavo nos fala sobre seu desenho intitulado: Paz em Londrina. “A paz está dentro de cada um. No meu desenho eu quis demonstrar que se vivermos de acordo com a vontade de DEUS, em união, respeitando-nos como irmãos, sendo amigos, solidários, não tendo preconceitos e aceitando as diferenças, teremos a paz aqui em Londrina e em qualquer lugar do mundo.” Gustavo R. Gameiro.

Prof.ª Sandra Magalhães Albertino


MATERIAL FILOSÓFICO - PEDAGÓGICO

12

www.centro-filos.org.br

UMA HISTÓRIA DE SUCESSOS: EDITORA SOPHOS Ao completar 10 anos, a editora que nasceu de uma idéia, um sonho, ganha espaço junto aos colégios, professores, alunos e seus familiares. É hoje a editora uma referência nacional na produção e distribuição dos livros para uma Educação para o Pensar Emancipatório, em Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens.

Todas as Coleções (Filosofia Fundamental / Filosofia o Início de uma Mudança / Novo Espaço Filosófico Criativo / De Educador para Educador / Pais&Filhos: Companheiros Reflexivos e Paradidáticos filosóficos) atendem as necessidades de uma Educação para o Pensar em todos os níveis e em todos os segmentos escolares.

EDUCADOR! Você que busca um ensino-aprendizagem condizente com o nosso momento atual, que quer seus alunos pensando, refletindo, sendo criativos e críticos, ANALISE a Coleção Filosofia Fundamental (Ensino Fundamental - 1ª a 8ª série) e adote em 2005 com suas turmas em seu colégio.

COLEÇÃO FILOSOFIA FUNDAMENTAL (1ª a 8ª série)

519

Exercícios Filosófico-pedagógicos

149

Idéias Relevantes para professores aprofundarem suas reflexões

1ª e 2ª série e Material do Professor

5ª e 6ª série e Material do Professor

3ª e 4ª série e Material do Professor

7ª e 8ª série e Material do Professor

T

odas as Coleções da Editora Sophos contam com um suporte filosófico-pedagógico do Centro de Filosofia Educação para o Pensar. O professor que adotar os livros junto aos seus alunos poderá com seu Colégio ter acesso a:

• Roteiros de Planejamento/2005; • Chat de conversação com sala especial para os professores, para os alunos e para os pais; • Cursos de aperfeiçoamento; • Palestras; • Congressos Regionais e o III Congresso Nacional de Educação para o Pensar e Educação Sexual, que acontecerá em julho de 2005 na cidade de Florianópolis/SC; • Projetos filosófico-pedagógicos; • Informativos (Corujinha e Philó online);

• Revista Brasileira de Filosofia Fundamental - PhiloS • Projetos de pesquisas; • Assessorias online e presencial, oferecidas pelo Centro e seus Núcleos; • Possibilidade de sua escola fazer parte da Rede Educação para o Pensar; • Divulgação da página do colégio em nosso site; • Participação em projetos comuns como Café com Idéias, Corujas Itinerantes, Projeto L.E.R; Autor na escola...

ENTRE EM CONTATO PELO FONE (48) 222-8826 Veja nosso Catálogo 2004 no site www.editorasophos.com.br

Profile for Admin Sistema de Ensino Reflexivo

jornal_corujinha48  

PÁG. 4 Jornal da Filosofia Fundamental - Centro de Filosofia Educação para o Pensar Notícias mostrando reflexões e criações dos alunos ANO X...

jornal_corujinha48  

PÁG. 4 Jornal da Filosofia Fundamental - Centro de Filosofia Educação para o Pensar Notícias mostrando reflexões e criações dos alunos ANO X...

Profile for portalser
Advertisement