Page 1

ANO XIII - Nº 47 2º TRIMESTRE - 2004 FLORIANÓPOLIS/SC

Impresso Especial 68001055/02-DR/SC Editora Sophos

CORREIOS

Jornal da Filosofia no Ensino Fundamental - Centro de Filosofia Educação para o Pensar

CONGRESSOS POR TODO BRASIL

O Centro de Filosofia organiza junto com os seus Núcleos Congressos Regionais tendo por finalidade a formação dos professores, a preparação ao III Congresso Nacional e para o conhecimento do nosso Programa Filosófico-Pedagógico

FILOSOFIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÁG. 8

CONGRESSOS REGIONAIS E AMPLIAÇÃO DOS TRABALHOS PÁGs. 6 E 7

FILOSOFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PÁGs. 9, 10 e 11


2

EDITORIAL

CONGRESSOS PELO BRASIL 18 de julho de 2004 - completamos 5.475 dias pensando, agindo e vivendo intensamente a essência da condição humana - O Filosofar. Estamos comemorando as grandes conquistas, vitórias, aprendizagens e histórias pessoais e de grupos (alunos, professores, escolas) pelo Brasil. É o início das comemorações dos anos de trabalhos em comunidade, socializando reflexões, ações e projetando sonhos. As comemorações começaram com a abertura do Congresso de Educação para o Pensar e Educação Sexual de Florianópolis (20 a 23/07) e irão até o dia 18 de julho de 2005 quando da abertura do III Congresso Nacional de Educação para o Pensar que acontecerá em Florianópolis em 2005, fechando com chave de ouro as comemorações e trabalhos. Por isso vale relacionarmos os motivos para comemorarmos, as grandes ações e realizações do Centro. Essa é nossa história e uma visão do que fizemos e faremos nos próximos quinze anos vindouros: · Quatro Encontros Estaduais de Alunos e Professores de Filosofia (199091-92-93) reunindo em Florianópolis/Curitibanos/Tubarão e Joinville um total de 8.000 crianças e adolescentes e mais de 1.000 professores participantes. · Encontros Regionais em Santa Catarina dos Alunos com Filosofia Aconteceram em 1994, em média de 300 alunos em cada um dos encontros por regiões. · I Encontro Nacional de Educação para o Pensar - Florianópolis Julho/94 reunindo 500 profissionais do Brasil todo com a presença do Dr. Matthew Lipman e Dra. Ann M. Sharp (EUA). · I e II Congresso Nacional de Educação para o Pensar e Educação Sexual – local: Florianópolis/SC em 2001 e 2003, congregando 1.500 professores e pesquisadores do Brasil em torno de reflexões feitas por Dr. Enrique Dussell (México); Dr. Rubens Alves (Unicamp); Dr. Demerval Saviani (Unicamp); Dr. César Nunes (Unicamp); Dr. Nivaldo Alves de Souza (FURB); Dr. Cipriano Luckesi (UFBA); Dra. Madalena Freire (Espaço Pedagógico); inúmeras oficinas pedagógicas, sessões especiais, pôsteres, relatos orais e atividades paralelas, lançamentos de inúmeros livros. · Festival Viva Musica Viva de Canções Filosóficas (1996). · Revista Brasileira de Filosofia Fundamental (semestral com 20 revistas publicadas). · Jornal da Filosofia Fundamental - Corujinha (4 edições desde 1991). · Produção em parceria com a Editora Sophos de 39 livros nas coleções: Filosofia Fundamental (8 livros); Filosofia o Inicio de uma Mudança (12 livros); Novo Espaço Filosófico Criativo (8 livros); De Educador para Educador (7 livros); Pais e Filhos: Companheiros Reflexivos (3 livros); Paradidáticos Filosóficos (1 livro) - publicando desde 1994. · Formação de Professores em mais de 300 cursos oferecidos pelo Brasil todo, totalizando uma media de 12.000 profissionais atingidos, reconhecidos pela SEE/SC. · Uma estimativa em torno de 90.000 crianças, adolescentes e jovens que fizeram Filosofia em Escolas e Instituições educacionais nestes 15 anos. · Desenvolvimento junto aos professores e Colégios de uma Rede Educação para o Pensar, com filiações ao Centro. · Realizações de Projetos filosófico-pedagógicos como: Uma aula que deu certo; Pensando e Agindo pela Paz - PEAPAZ; Espaço do Professor; Projeto L.E.R. - Leitura para Educadores Reflexivos; Corujas Itinerantes; Autor nas Escolas; Café com Idéias; Socializar e Construir. · Organização de Núcleos de Filosofia Educação para o Pensar/NUFEP por diversas partes do Brasil. Está em andamento (até 31 de agosto) com enorme sucesso, a pesquisa A Filosofia no Ensino da Filosofia, feita em carta-resposta e também pela Internet. Contamos com expressivo número de respostas vindas de várias partes do Brasil A partir das respostas iremos sinalizar os nossos próximos passos e projetos junto aos professores e colégios. Diante dessas e futuras realizações, a certeza de que os nossos sonhos e esperanças continuam vivos e pulsantes pelo Brasil, atingindo um enorme grupo de educadores preocupados e esperançosos em uma educação emancipatória. Por tudo o que já fizemos, a certeza de que é só o começo do que estaremos fazendo daqui pra frente. Nesta edição é essencial que cada leitor se detenha nas matérias colocadas e, principalmente nas páginas 6 e 7 referentes ao Congresso de Florianópolis e aos próximos Congressos. Estamos em festa, queremos que você, de modo especial, participe conosco. Boas leituras e reflexões e participe conosco das comemorações dos 15 anos! Direção do Centro de Filosofia Educação para o Pensar

www.centro-filos.org.br

ESPAÇO OPINIÃO DOS LEITORES O Jornal Corujinha é um ótimo jornal. Tem vários assuntos que ajudam e enriquecem o ser humano no seu relacionamento familiar e social. Aos pais, orienta para refletirem como desejam que seus filhos sejam educados. Aos professores, as idéias e os caminhos para um melhor ensinar. Aos alunos, para refletirem e pensarem sobre as várias idéias e assuntos conflitantes levando-os a uma melhor educação e fazendo-os seres humanos dignos e equilibrados. E a todos nós, alerta como a nossa morada Terra é tão frágil e como estamos destruindo-a. Depende de todos nós que isto não aconteça. Milton, pai da ValériaYumi Y. Maeda (1ª série) Transformando pipas em sementes: Acho importante ensinar as pessoas a pensarem antes de agir. Se as sementes forem plantadas nas crianças e forem cultivadas, com certeza um futuro melhor as espera. Um mundo com indivíduos mais equilibrados, conscientes e que sabem respeitar o próximo. Elizabete, mãe do Danilo Wakabayashi (1ª série). Filosofia e Educação para a Paz: De fato, o que diz o artigo é verdade, pois quando eu tive contato com a disciplina Filosofia, isso na faculdade, a idéia que ficou foi que há vários pensadores, com vários livros bastante complicados. Lendo o Jornal Corujinha, vemos uma forma prática da aplicação da Filosofia. Chego a conclusão seguinte: A Filosofia está presente no nosso cotidiano, só não a identificamos, pois acabamos dando a ela outra definição, tal como respeito ao semelhante, moral, sentimentos, responsabilidade. Rosangela, mãe da Bruna Rye Shimizu (1ª série).

A REDE EDUCAÇÃO PARA O PENSAR A concretização da Rede Educação para o Pensar - Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens é importante porque a educação não pode ser mera repetição de conhecimentos, porque não é possível haver um trabalho de reflexão filosófica que seja transformador da realidade, se não houver constantemente a socialização dos saberes e fazeres. Acreditamos numa educação construída nos conhecimentos e alavancada pelas experiências pessoais e comunitárias, um fazer na ação e reflexão. Defendemos uma educação comprometida com a emancipação do homem, na qual ele seja autônomo no seu pensar e cooperativo no seu agir. O Centro de Filosofia Educação para o Pensar desenvolve há 15 anos trabalhos com colégios da Rede Pública e Particular, em diversos estados brasileiros. Elaborou o Programa Filosófico-pedagógico Educar para o Pensar: Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens, o qual abrange os segmentos da educação infantil, do ensino fundamental e médio e produz materiais filosófico-pedagógicos que constituem as produções teóricas e práticas no trabalho junto às escolas. O Centro de Filosofia Educação para o Pensar estabelece parcerias, mediante um contrato com as instituições de ensino em diversas partes do Brasil. Nossa organização em Rede Educação para o Pensar concretiza-se pela associação do colégio com o Centro, por meio de um contrato de prestação de serviços educacionais (para obter mais detalhes e o modelo do contrato, entrar em contato com a Secretaria do Centro, pelo e-mail: secretaria@centro-filos.org.br. Outra forma de trabalho e parceria é assessorar os colégios quando somos solicitados, organizando Cursos de Formação para todos os professores e oferecendo palestras. Também, realizamos Congressos (I e II Congresso Nacional de Educação para o Pensar e Educação Sexual - 2001 e 2003); encontros regionais com alunos e professores; e projetos envolvendo toda a comunidade escolar.

EXPEDIENTE

Jornal da Filosofia no Ensino Fundamental Publicação Trimestral do Centro de Filosofia Educação para o Pensar Florianópolis/SC

ENDEREÇO Av. Osmar Cunha, 183 Ed. Ceisa Center - Bl. B, sala 701 88015-900 - Florianópolis/SC Fone/Fax: (48) 224-5671 www.centro-filos.org.br centro@centro-filos.org.br DIAGRAMAÇÃO E EDITORAÇÃO ARTH&MÍDIA • arthmidia@arthmidia.com.br

Fone/Fax: (48) 241-2441 • 9953-7722


ENTREVISTA

www.centro-filos.org.br

3

COMUNIDADE DE APRENDIZAGEM INVESTIGATIVA FAMILIAR - CAIF Dr. Emery Oscar Valentim – Nosso entrevistado desse trimestre é um amigo, incentivador e companheiro desde o início dos trabalhos do Centro de Filosofia. Jurisconsulto, estudioso das letras, da filosofia, poeta e educador, um grande espírito altruísta. Casado com Neusa, companheira de todas as horas e em todos os tempos. Ambos autores do livro “Pais Filosofam... refletindo sobre as relações”. Corujinha: Primeiramente uma apresentação aos nossos leitores espalhados pelo Brasil. Emery: Olá, Amigos e Amiguinhos de todo o Brasil. Sou Emery Oscar Valentim, o Póló da nossa obra “Pais Filosofam”, o menino que era só, mas agora conta com uma multidão de meninos e meninas e seus pais, os quais convido para fazermos uma viagem. Embarquem juntos, na “Canoinha Saudades”, segure o leme, a retranca, a escota e icemos as velas pois vamos velejar de vento em popa e no calçado pela vida a fora. Enquanto velejamos por esses mares azuis, no interior da Canoinha formemos uma micro sociedade, uma CAIF; a propósito sabem o que é uma CAIF? É uma Comunidade de Aprendizagem Investigativa Familiar, um termo pensado e construído por nós, para designar relação familiar e aprendizagem com a sua vivência, cujos dados vocês encontram nas páginas alegres de “Pais Filosofam”. Pois bem, Póló era menino e cresceu, não muito, mas o bastante para estudar, ser advogado, Juiz de Direito, Professor Universitário e Pai da Adrianinha, do Rodrigo Miguel, sogro do Rubens, avô do Leonardo. A Filha e o neto, fizeram uma viagem longa e se tornaram parte dessa natureza que nos cerca - São os nossos anjos. O Rodrigo está conosco, alegre e brincalhão e às vezes muito sério. Gosta muito de velejar. É um grande Amigo e Companheiro. O Rubens também está conosco. Minha Esposa é Neuza Teresinha Pinto Valentim, companheira de longa data, mui leal e competente. Moramos em uma Ilha - Florianópolis e, por isso o Mar nos olha de todos os lados. Corujinha: O senhor é autor do livro - “Pais filosofam...: refletindo sobre as relações”,quais são os projetos futuros? Emery: Ao longo de seis meses Neuza Teresinha e eu escrevemos “Pais Filosofam”...Refletindo sobre as Relações”. Ou seja, o Póló, quando menino vivia em uma colônia de pescadores, às margens da Lagoa Imaruí e vivia muitas emoções, como fazer arapucas de bambu e armá-las para pegar canarinho da terra, contar o primeiro dia

de aula, construir com suas próprias mãos as gaiolas sem usar prego, construir a canoinha Saudades, enfim fatos reais vividos por ele, que são questionados e refletidos á luz da Educação para o Pensar. Pretendemos escrever outro livro, mais diretamente para os Pais, sua importância, juntamente com a Esposa no encaminhamento dos filhos para os desafios da Vida. O que se busca, na realidade é que as pessoas se engajem na luta grandiosa pela família unida e reunida.

Corujinha: Qual sua opinião sobre a escolha que diretores e professores fazem ao colocarem a disciCorujinha: Como pensar e re“(...) quando a Direção plina de filosofia na estrutufletir com nossos alunos, nosde uma Escola opta por ra escolar? sos filhos, sobre cidadania, étiEmery: A Filosofia é sábio e efica, educar para a sensibilidaintroduzir a Filosofia caz instrumento para que as cride.. em nossos dias? podem estar certos, anças e jovens aprendam a penEmery: O livro trata de Valores, mudanças para melhor sar e quando a Direção de uma da importância de serem discuocorrerão; realmente Escola opta por introduzir a Filotidos em família, com pais e fidesenvolve a construção sofia, podem estar certos, mulhos; de respeitar a Natureza... danças para melhor ocorrerão; reo Outro que vive ao nosso lado... da inteligência para almente desenvolve a construção a individualidade de cada um. apreciar o belo, para as da inteligência para apreciar o O livro leva à discussão em faatitudes éticas e belo, para as atitudes éticas e primília com o objetivo de formar primordialmente, mordialmente, desenvolve o olhar a CAIF para desenvolver as hadesenvolve o olhar sensível. Será, através da Educabilidades do pensar. ção para o Pensar que se irá ressensível”. gatar uma sociedade justa, harCorujinha: Como pai e mônica e equilibrada. como educador, é possível buscar uma educação emancipatória na escola que temos? É possível uma educação para uma vivên- Corujinha: Uma mensagem final para todos os que escolheram escolas com uma perspectiva cia comunitária mais justa? Emery: Como pai vivi muitas experiências, não de Educação Reflexiva! só com meus filhos, mas com alunos, pois lecio- Emery: Pessoalmente, busco viver a filosofia esnei em universidades ao longo de 15 anos. A dife- pírita, na qual a humildade é básica. rença de idade, por exemplo é um desafio para a Aos Senhores Professores e Pais, como primeiros convivência. Conversando nos entendemos, ape- educadores: nós somos mestres, como o foi Jesus sar de termos linguagens bem diferentes. Isto é e Educar para o Pensar é o caminho certo para um valor para a CAIF - desenvolver uma educação formarmos melhores cidadãos, úteis, cônscios de para o Ser, logo, Emancipatória. O importante é seus deveres e direitos, emancipados para a vida. conversarmos. A essência da Educação para o Pen- Espero que tenham aproveitado bem a nossa viasar são o diálogo e a reflexão. Sonhar uma Socie- gem na “Canoinha Saudades”. Até um próximo dade fraterna, sem as exclusões cabe em nossa passeio, Amigos (Pais e Professores) e Amiguinhos (Crianças e Jovens) e boa viagem! mente e com muita humildade é possível.

RELAÇÃO DOS NUFEPs - (Núcleos de Filosofia Educação para o Pensar) e seus responsáveis O Programa filosófico-pedagógico construído, apresentado e defendido pelo Centro de Filosofia Educação para o Pensar em todo o Brasil é sério, envolvente e condizente com a realidade, como comprovam centenas de escolas. Por isso o Programa Educação para o Pe n s a r F i l o s o f i a c o m C r i a n ç a s , Adolescentes e Jovens quer oportunizar a todos um estudo reflexivo, crítico e emancipatório, e lançar-nos para o estudo com mais afinco, dentro da filosofia e de outras disciplinas, tornarnos atentos para aprender com as crianças e os jovens naquilo que eles têm para nos dizer e, juntos, maravilharmo-nos, fazermos filosofia, uma filosofia viva, encharcada de vida, em todas as dimensões. CONHEÇA mais sobre os núcleos e sobre o Centro no site:

www.centro-filos.org.br.

Entre em contato com o NUFEP mais próximo de você e de sua escola.

NUFEP/Distrito Federal - DF ................... Lia .......... NUFEP/Grande São Luís - MA .................. Isabel ....... NUFEP/Ceará - CE ............................... Jayme ...... NUFEP/Sul Fluminense - RJ .................... Tereza ...... NUFEP/Norte - SC ............................... Yara ......... NUFEP/Manaus - AM ............................. Manoel ..... NUFEP/Área Central - SP ....................... Geny ........ NUFEP/Mato Grosso do Sul - MS ............... Elizzete .... NUFEP/Noroeste - RS ........................... Oldair ...... NUFEP/Espirito Santo - ES ...................... Elizabeth ... NUFEP/Grande Rio - RJ ......................... Ângela ...... NUFEP/Mato Grosso - MT ....................... Sérgio ...... NUFEP/Bahia - BA ............................... Holdaque .. NUFEP/Grande Florianópolis - SC ............. Alberto ..... NUFEP/Vale do Tijucas - SC .................... Piva ......... NUFEP/Região Serrana - RJ .................... Márcio ...... NUFEP/Região Médio e Alto Uruguai - RS .... Vicente ..... NUFEP/Grande Natal - RN ...................... João ........

(61) (98) (85) (24) (47) (92) (19) (67) (55) (27) (21) (65) (73) (48) (48) (24) (55) (84)

7812.3660 ..... 9131.9686 ..... 231.3479 ...... 9845.2183 ..... 9107.3081 ..... 624.4535 ...... 9758.8798 ..... 384.3655 ...... 3537.2055 ..... 3315.9627 ..... 2426.8379 ..... 644.8068 ...... 613.0108 ...... 9102.6430 ..... 9952.7020 ..... 9811.7177 ..... 3744.3187 ..... 9985.9644 .....

liapapelaria@liapapelaria.com filocoruja@hotmail.com jaopai@uol.com.br teresaborges@speedwave.com.br yara@eliasmoreira.com.br manoeldejesus@yahoo.com.br pegorari@claretianas.com.br domboscolivraria@hotmail.com oldair@cfcbianchi.com.br papelaria.montardi@globo.com nufep.rio@globo.com sdecezaro@ig.com.br nedicoesitabuna@uol.com.br althomal@ig.com.br edgar@unetvale.com.br marcioe@compuland.com.br vicentesandeski@brturbo.com.br pires.joão@uol.com.br


4

PROJETOS DA REDE

www.centro-filos.org.br

ESCOLA NOSSA SENHORA DA GLÓRIA EDUCANDO PARA A COMUNIDADE AMIGOS DA FILOSOFIA

A Escola Nossa Senhora da Glória, de Apucarana (Pr), sente-se lisonjeada em comemorar seus 50 anos de existência, juntamente com o Centro de Filosofia “Educação para o pensar”. Em quatro anos de parceria com o Centro de Filosofia, buscamos dentro de nossa filosofia institucional oferecer uma Escola – com um coração sempre aberto para acolher, amar e formar o educando, a fim de prepará-lo para uma sociedade mais humana, justa e fraterna. É com gratidão e reconhecimento que parabenizamos o Centro de Filosofia pelos seus 15 anos de trabalho e que há quatro anos nos auxilia com seu material, apoio e visita do presidente, professor Dr. Silvio Wonsovicz a nossa escola. Fazemos votos que esta parceria se solidifique cada vez mais a fim de proporcionar uma visão mais crítica, criteriosa, criativa e consciente anos nossos educandos. Cumpre vivenciar estas datas tão significativas ressaltando e compartilhando com vocês algumas experiências, perfazendo na reminiscência o caminho que trilhamos e na confiança de que é possível formar “novos homens e novas mulheres” para uma nova sociedade. É nesse sentido de reciprocidade que alguns de nossos educadores e educandos escrevem a todos os amigos da Filosofia. Ir. Teresa Denisczwicz - Professora de Filosofia

CHÁ DAS FAMÍLIAS Col. Integrado Claretiano – Rio Claro/SP Com a finalidade de intensificar e enriquecer o Projeto Educativo e Filosófico do Colégio, onde prezamos pela presença, simplicidade, a participação, o trabalho e a vida em família, realizamos uma grande integração. Os alunos da Educação Infantil e do Ensino Fundamental durante o mês de maio desenvolveram uma atividade homenageando a todas as mães e avós da nossa comunidade educativa. Dentro do espírito de integração escola x família tornando assim a convivência harmoniosa através de apresentações no auditório e oferecendo um saboroso chá para os alunos, professores e familiares. Estes momentos de confraternização e reflexões ocorreram nas seguintes datas: Alunos e suas Famílias do turno Matutino 07/05 – sexta-feira – Educação Infantil 13/05 – quinta-feira – 2ª séries 14/05 – sexta-feira – 1ª séries 18/05 – terça-feira – 3ª séries 25/05 – terça-feira – 4ª séries Alunos e suas Famílias do turno Vespertino 12/05 – quarta-feira – 1ª séries 14/05 – sexta-feira – Educação Infantil 21/05 – sexta-feira – 2ª séries 24/05 – segunda-feira – 3ª e 4ª séries

PHELICIDADE

Uma Língua própria 1 Alexandre Ari Monich A felicidade é uma possibilidade. Ela é uma construção possível aliada a recordação, não recordação como fruto do saudosismo, mas enquanto capacidade de comemorar e reconstruir constantemente aquilo com o qual nos comprometemos. Meu pai era farmacêutico. Um prático. Aprendeu a manipular os remédios na lida diária. Como aprendiz de feiticeiro, encontrou ali um lugar para construir sua profissão e seu sustento. Ele iniciou seu aprendizado num tempo em que farmácia era ainda escrita com “ph”. Para os gregos, “pharmacon” é simultaneamente remédio e veneno. O vocábulo permitiu a Platão associa-lo com o próprio conhecimento. No diálogo Fedro, Platão dizia que a linguagem é um pharmakon que contém três sentidos principais: remédio, veneno e cosmético. O conhecimento pode curar, matar ou mascarar. Longe de dar ouvidos a Platão, há aí uma reflexão que ajuda a compreender a complexidade existente nas coisas. A felicidade é uma palavra de muitos significados. Desejada e anunciada por todos, a felicidade serviu e serve também como um veneno, remédio e cosmético. Sem respeitar cronologia nem análise histórica, pode-se afirmar que felicidade é um cosmético, uma felicidade harmoniosa para além do caos. Aqui entendo aquela felicidade que é alcançada só no futuro. Mascarada pela ilusão de vida após a morte, a felicidade permitiu o sacrifício de muitos corpos, almas, riquezas. Em busca da felicidade futura, muitos foram iludidos, levados a abominar o corpo para salvar a alma. Numa rápida viragem, já no capitalismo a felicidade precisa ser imediata. Felicidade é algo que se pode comprar. “Compre logo, pois o estoque é pouco”. Esse veneno faz confundir felicidade com satisfação perversa na destruição da alma e do corpo. Comprar felicidade como se fosse um remédio, é atribuir ao outro um serviço que me cabe. Felicidade para alguns é ainda o exercício da força. Levar o outro a fazer aquilo que me cabe, na escravidão, no imperialismo é assim. A campanha antiterrorista ilude e mata em nome da felicidade dos sobreviventes. A felicidade de uns é o terror do outro. O estupro, o acúmulo de riqueza, a obsessão, a conquista são manifestações de uma felicidade que se vale da tristeza do outro. Acredito que a felicidade humana é uma conquista. Mas não uma conquista violenta, ou de dominação. A felicidade é decorrente do conhecimento, do desejo de saber, da integração. Mas é preciso que se leve em consideração o alerta de Platão. Também o conhecimento pode ser um pharmakon, uma desintegração. Para Epicuro, o essencial para a felicidade é a nossa condição íntima. O desejo precisa ser controlado, para que a serenidade nos ajude a suportar a dor. A vida se torna agradável com o sábio raciocínio, que investiga a causa. Seguindo sua tradição, seriam quatro os pharmakon: Não precisamos temer os deuses; Não precisamos nos preocupar com a morte; É fácil alcançar o bem; É possível suportar a dor. Freud discutiu o tema no Mal estar da Civilização. Segundo ele, o homem civilizado trocou uma parcela de suas possibilidades de felicidade-satisfação por uma parcela de segurança. Não devemos esquecer, contudo, que na família primeva apenas o chefe desfrutava da liberdade instintiva; o resto vivia em opressão servil. Naquele período primitivo da civilização, o contraste entre uma minoria que gozava das vantagens da civilização e uma minoria privada dessas vantagens era, portanto, levado a seus extremos.Contudo é preciso cuidar, pois há um veneno possível nessa lógica. Hoje, longe de ser uma luta contra o corpo, o desejo, contra o amor, a felicidade é uma costura possível que fazemos entre os nossos desejos e o limite do outro de modo que não entrem em conflito. Bertrand Russell nos ajudou a olhar a felicidade nessa direção. No livro A conquista da Felicidade faz uma apologia da felicidade. Toda infelicidade se baseia em algum tipo de desintegração ou falta de integração. Há desintegração quando falta a coordenação entre a mente consciente e subconsciente. Há falta de integração entre o eu e a sociedade quando ambos não estão unidos pela força de interesses e afetos objetivos. O homem feliz é aquele que não sofre de nenhuma dessas duas falhas de unidade, aquele cuja personalidade não está cindida em si mesma nem em confronto com o mundo. Um homem assim sente-se cidadão do mundo e goza livremente do espetáculo que este lhe oferece e das alegrias com que lhe brinda, sem temer a idéia da morte, por que na verdade não se sente separado dos que virão depois dele.Nesta união profunda e instintiva com a corrente da vida é que se encontra a suprema bem-aventurança. A felicidade é um ofício que construímos sobre o legado dos nossos antepassados. Por isso, a felicidade é uma conquista coletiva. Ela é a integração com o ciclo vital. Como aprendizes não apenas repetimos os modelos construídos. Ela é como uma profissão, uma confissão das nossas convicções. Também por isso precisa ser cúmplice com o outro. O outro ausente, aquele que ainda não está presente para requisitar seu direito. Felicidade é uma conquista adquirida pelo esforço do passado, mas que se estrutura no presente com o cuidado com aqueles que estarão aí no futuro. Assim como um eu expandido. Nietzsche considerava que o homem é uma ponte entre o animal e o além-homem. Assim como me emociono enquanto recordo o legado de meu pai, sei o quanto esse pharmacon me afeta. Essa possibilidade me faz comprometido com esse legado.Por isso me pus a escrever, reconstruindo. Meu pai era um prático que enquanto manipulava remédios construiu sua história. Eu o segui, não professando a mesma fórmula, mas me fazendo nisso que faço. E assim, da linguagem que aprendi com meu pai, integro e escrevo na minha língua: Phelicidade. Talvez meus philhos possam se livrar do pharmakón e construam a sua phelicidade sobre o que foi construído até aqui. Pois a felicidade é uma recordação, uma construção, e nunca repetição. Um texto que iniciei em 2000, durante o curso de ética no curso de psicologia. Após a leitura de Epicuro e os tetrafarmacos, me aproximei do texto de Jacques Derrida – a Farmácia de Platão. Em meados de 2004 fui presenteado com o livro de Berthand Russel – A conquista da felicidade. O desafio de escrever veio da amiga Lúcia Schneider Hardt. Uma publicação no jornal local, no caderno sobre educação e professor, teria como tema central a felicidade. O artigo não chegou a ser publicado.

1


www.centro-filos.org.br

NOTÍCIAS DA REDE

LER, ESCOLHER, REFLETIR E OPINAR

5

CONQUISTA POLÍTICA PELA EDUCAÇÃO SEXUAL

COLÉGIO UNIVERSITÁRIO – Londrina/PR O Jornal Corujinha é entregue para os alunos nas aulas de Filosofia. Eles têm um tempo para dar uma olhada em todo jornal, depois elegemos um texto para lermos e discutirmos em sala. Uma aula nunca é suficiente, principalmente para as turmas de 3ª e 4ª série. Acostumados a ler o jornal desde a 1ª série, desenvolveram seus hábitos de leitura. Alguns gostam de começar pela página do Projeto P.E.A.PAZ, outros, pelo Espaço Opinião do Leitor, há os que preferem procurar artigos enviados pela nossa escola. Até aí, nenhum problema, acontece que todos querem dar sua opinião sobre o que acabam de ler, e quando a aula termina, os que não tiveram tempo para falar, ficam aborrecidos comigo. Antes, sugeria que guardassem o jornal no armário para que prosseguíssemos com a leitura na aula seguinte, mas a sugestão não era bem aceita pela maioria dos alunos. Argumentavam que os pais também gostavam do Corujinha, que já estavam perguntando quando o jornal chegaria. Combinar de levar para os pais lerem e trazer na aula seguinte, também não dava certo. Várias crianças esqueciam, outras diziam que seus pais haviam levado o Corujinha para o trabalho... Conclusão: o que era prazer acabava transformado em motivo de cobranças. Para evitar que essas situações se repetissem, este ano, pedi que pensassem sobre o assunto e que sugerissem o que fosse melhor para a turma. Na 4ª série, ficou decidido que após lermos e discutirmos um dos textos, cada aluno escolherá um artigo ou uma reportagem do jornal e registrará sua opinião no Espaço Anotações (Novo Espaço Filosófico Criativo). A idéia foi muito boa, além de todos poderem compartilhar suas opiniões, ficamos com tudo registrado. Opiniões sobre artigos publicados no Jornal Corujinha nº 46:

Educação para o Pensar – Uma realidade com crianças da Educação Infantil: As crianças da préescola são bem pequenas. Eles, daquele tamanho, já tendo aula de Filosofia! Eu acho que eles são muito pequenos para ter aula de Filosofia. Filosofia é uma matéria complicada. Cada aula fala de uma coisa e deve ser difícil o prézinho acompanhar todas as aulas. Mas, eu achei interessante a idéia da dobradura de coruja e gostaria de ter um quintal na escola. Giuliana C. Pipolo (4ª série). Construção e índios: Eu achei muito bacana o acróstico que os alunos: Grazielle, Asha, Francieli, Paula e Renan elaboraram, pois gosto muito de acróstico em forma de poema. É muito difícil e fica muito bonito. Heloísa Storniolo Adegas (4ª série). O pensamento do Jean-Yves Leloup (p. 11) é muito interessante porque diz coisas certas e que são verdades. Se todos pensassem igualmente, não haveria novas idéias. Vanessa Monani (4ª série). Achei o poema “Galdino” arrepiante e muito triste. Na minha opinião, os meninos deviam ficar a vida inteira na cadeia, porque o que eles fizeram não tem desculpas, ou melhor, eles deviam trabalhar duro que daí eles aprendiam. Jamyle Cristina Geha (4ª série). O Espaço Opinião dos Leitores é muito interessante, pois todos podem falar o que acham e o que aprendem com a Filosofia. Eu achei legal que até a nossa professora deu seu palpite. Mayara de Alencar Almeda (4ª série).

INVESTIGANDO SOBRE AMIZADE COLÉGIO UNIVERSITÁRIO – Londrina/PR Partindo das questões propostas no Novo Espaço Filosófico Criativo 3ª série, a amizade foi tema de várias de nossas aulas e das conversas familiares. Chegar a um consenso sobre o conceito de amizade até que foi fácil, mas, o mesmo não aconteceu em relação a amizade pela internet, ou seja, o “amigo virtual”. Os bons argumentos, tanto a favor quanto contra, tornavam o debate cada vez mais interessante. Terminada a aula, as discussões prosseguiram em casa. Na semana seguinte, vários alunos trouxeram por escrito as opiniões de seus familiares sobre as questões que estávamos discutindo. Foi muito gratificante poder coordenar essas discussões, saber que elas oportunizaram momentos de reflexões em família e acompanhar as demonstrações de amizade que ocorreram entre as crianças. A seguir, alguns relatos feitos pelos alunos das

3as séries comprovando que “amigo é coisa pra se guardar dentro do coração”: Gustavo Gameiro: Fiquei contente porque o meu amigo Lucas me convidou para dormir na sua barraca no acampamento da escola. Bruno Henrique Trigo: Um dia eu estava andando de bicicleta quando caí, meu amigo me ajudou a levantar e levou minha bicicleta para minha casa. André N. Abumussi: Me perdi no Zerão e meu amigo conseguiu me achar. Isso foi há muito tempo e eu me lembro até hoje. Larissa Hitomi Matsuzaki: Quando eu fiquei doente, internada no hospital, meus amigos foram me visitar para fazer companhia para mim. Bianca Veronesi: O Igor a Nathalia e o João sempre me deixam feliz. Quando estou triste eles me elogiam. Sempre me escolhem para alguma coisa e estão sempre comigo. Sou muito sortuda de ter esses amigos.

Para não esquecermos que a sexualidade é uma importante dimensão humana queremos lembrar aqui os Direitos Sexuais como Direitos Humanos. Por isso estamos apresentando abaixo a declaração oficial dos mesmos. A Declaração dos direitos Sexuais foi aprovada em 1999 na China/Hong Kong por ocasião do XV Congresso Mundial de Sexologia. Estes direitos refletem a possibilidade de igualdade entre os sexos e a seriedade da luta política que devemos empreender em favor de um espaço para que se trabalhe a Educação Sexual Emancipatória nas escolas. 1) Direito à liberdade sexual. A liberdade sexual diz respeito à possibilidade de os indivíduos expressarem seu potencial sexual. Aqui, no entanto, excluem-se todas as formas de coerção. Exploração e abuso em qualquer época ou situação da vida. 2) Direito à autonomia sexual, integridade sexual e à segurança do corpo sexual. Este direito envolve a habilidade de uma pessoa para tomar decisões autônomas sobre a própria vida sexual num contexto de ética pessoal e social. Também inclui o controle e o prazer de nossos corpos livres de tortura, mutilação e violência de qualquer tipo. 3) Direito à privacidade sexual. O direito às decisões individuais e aos comportamentos sobre intimidade, desde que não interfiram nos direitos sexuais dos outros. 4) Direito à igualdade sexual. Liberdade de todas as formas de discriminação independentemente de sexo, gênero, orientação sexual, idade, etnia, classe social, religião, deficiências mentais ou físicas. 5) Direito ao prazer sexual. O prazer sexual, incluindo o auto-erotismo, é uma fonte de bem estar físico, psicológico intelectual e espiritual. 6) Direito à expressão sexual. A expressão sexual é mais que um prazer erótico ou atos sexuais. Cada indivíduo tem o direito de expressar a sexualidade através de comunicação, toques, expressão emocional e amor. 7) Direito à livre associação sexual. Significa a possibilidade de casamento ou não, ao divórcio e ao estabelecimento de outros tipos de associações sexuais responsáveis. 8) Direito às escolhas reprodutivas livres e responsáveis. É o direito de decidir ter ou não filhos, o número, o tempo entre cada um, e o direito total aos métodos de regulação da fertilidade. 9) Direito à informação baseada no conhecimento científico. A informação sexual deve ser gerada através de um processo científico e ético, disseminando em formas apropriadas em todos os níveis sociais. 10) Direito à educação sexual compreensiva. Este é um processo que dura a vida toda, desde o nascimento pela vida afora, e deve envolver todas as instituições sociais. 11) Direito à saúde sexual. O cuidado com a saúde sexual deve estar disponível par a prevenção e tratamento de todos os problemas sexuais, preocupações e desordens. Os direitos sexuais são direitos humanos fundamentais e universais. Declaração aprovada pela Assembléia Geral Da Associação Mundial De Sexologia. WAS, em 26 de agosto de 1999. ABRADES/FLORIANÓPOLIS - Fone/Fax: (48) 3025-6664 - Home Page: www.abrades.org


6

MATÉRIA DA CAPA

www.centro-filos.org.br

CONGRESSOS POR T DEPOIMENTOS - Os conteúdos, as vivências nas oficinas podem sim ser aplicados em minha sala de aula, em minha escola. A Educação para o Pensar tem uma característica próxima da filosofia e melhor se adequa ao trabalho com crianças e adolescentes. Os trabalhos foram excelentes pois os contatos foram constantes pela coordenação do evento. Saio deste Congresso com a certe-

za de que é possível trabalhar a filosofia com outra dimensão mais acessível aos alunos. (Prof. Vicente de Paula Sousa – Herval D’ Oeste/SC) - Este Congresso contribuiu em minha vida pessoal pois espero que quando trabalhar em sala de aula e fora dela eu possa usar esses conhecimentos fantásticos aqui aprendidos. O ponto positivo foram os conhecimentos, pessoas novas para contatos futuros..., o ponto negativo foi o pouco tempo para muitas coisas importantes. (Prof. Daniel Trapani – São José/SC)

- Com certeza tudo o que vivenciei através das atividades práticas e do conhecimento que adquiri durante estes dias poderão ser aplicados em minha sala de aula, em minha escola. Em minha vida pessoal senti que houve uma contribuição pois fez eu parar para pensar em mim, na minha sala de aula, na escola. Destaco como pontos positivos as amizades, a integração, troca de experiências, vivências diárias com os amigos. O conhecer de outras realidades escolares. (Janete Aparecida Nunes da Silveira – Osório/RS)

- Todos os conteúdos trabalhados no Congresso podem e devem ser aplicados na escola através da criatividade e dos critérios que conduzem a aprendizagem investigativa, como? Utilizando cada vez mais o material didático produzido e que é espetacular, visto nas oficinas. Este Congresso contribuiu muito para minha vida pessoal pois tive oportunidade de conviver com outras pessoas, com práticas, oficinas do Programa e principalmente ouvir depoimentos, sugestões e experiências diversas. (Profª Lia – Brasília/DF)

DEPOIMENTOS A RESPEITO DOS COORDENADORES DAS OFICINAS: Oficina 1 – “Crianças brincam, falam, perguntam e pensam: A Educação Infantil e o começo do filosofar” (Responsável: Profª Neuza Teresinha Pinto Valentim) . Ela é especial, capaz, competente, entusiasmada e comprometida com a Filosofia e com o mundo das crianças que sempre estarão precisando pensar, refletir e agir. . Amei! A paixão de Neuza pelo assunto é contagiante, me faz crer que, ou melhor, me dá a certeza que estamos no caminho certo. Oficina 2 – “Crianças e filósofos tem algo em comum pensam sobre os conceitos – 1ª e 2ª série” (Responsável: Profª Sandra Magalhães Albertino) . Foi “super” organizada, mostrou vários materiais, foi dedicada e demonstrou conhecimentos. . Clara dinâmica, questionadora. Enfim, uma pessoa preocupada com o grupo como um lugar com pessoas diferentes. Buscou satisfazer o anseio de todos. Oficina 3 – “Uma investigação fundamental para o entendimento do mundo: Investigação Analógica – 3ª e 4ª série” (Res-

ponsáveis: Profª Yara M.S.Daniele e Profª Emanuelle S.Dalri) . Achei as coordenadoras ótimas, muito bem preparadas, transmitindo os conteúdos com muita segurança. . Pessoas experientes que demonstraram paciência, carinho, amizade, sabendo partilhar o que trazem como projetos, planos na mente e no coração. Oficina 4 – “Pharmokon palavra que possui três significados: remédio, veneno e cosmético. Investigando sobre Teoria do Conhecimento” (Responsável: Profª Ângela Paiva) . Ângela é carismática, o seu trabalho foi muito bem elaborado e muito dinâmico . Uma profissional que gerou momentos de uma reflexão para que reformulemos nossos conceitos em nossa prática pedagógica, quebrando conceitos e paradigmas prontos. Oficina 5 – “Uma vida que não é examinada não merece ser vivida: investigando sobre Ética” (Responsável: Prof. Francisco Evangelista) Oficina 6 – “Em busca de uma cultura da sensibilidade: investigando sobre Lógica” (Responsável: Prof.Alberto Thomal)

. Muito boa a coordenação dos trabalhos e também os conteúdos que trabalhamos. . Os trabalhos foram ótimos por diversos motivos, acolhida, conhecimento do tema e a competência da coordenação e do grupo como um todo. Oficina 7 – “As ações são éticas enquanto escolhas e política e estética enquanto realizações” (Responsável: Prof. Carlos A. Alves) . O coordenador como dinamizador é muito competente, mas devemos estar atento ao material e fundamentação filosófica dos conceitos dentro da linha do Centro de Filosofia. . Muito bom. Soube ouvir e partilhar as opiniões. De forma simples conseguiu manter a reflexão continuada dentro do grupo. Oficina 8 – “Em nossa cultura: O ‘Abuso’ e violência sexual contra crianças e adolescentes” (Responsável: Profª Vera Marques) . Achei ótima a oficina, a coordenadora foi clara, segura na transmissão dos conhecimentos, boa pronuncia. . A oficina foi muito boa. Fizemos de maneira objetiva e democrática a síntese entre a teoria e a prática.

JUSTIFICATIVA

tética é uma condição fundamental para as nossas crianças, adolescentes e jovens, portanto essencial numa escola e em uma educa;ao que queremos e sonhamos. Por isso o CENFEP (Centro de Filosofia Educação para o Pensar) e a ABRADES (Associação Brasileira de Educação Sexual), oportunizaram que educadores e colégios de todo Brasil estivessem participando deste Congresso Regional. Assim, neste Congresso Regional houveram oportunidades de aprendizagem, aprofundamento, trocas de experiências e vivências de novos paradigmas educacionais dentro do nosso Programa filosófico-pedagógico emancipatório. Neste Congresso Regional lançamos oficialmente no Sul

do Brasil o III Congresso Nacional de Educação para o Pensar e Educação Sexual, o qual irá realizar-se de 18 a 21 de julho de 2005 aqui em Florianópolis e irá desenvolver reflexões, aprofundamento, trocas de experiências sobre – “Educar para a Sensibilidade: por uma estética dos relacionamentos”.

O Congresso de Educação para o Pensar e Educação Sexual foi um encontro de Educadores que acreditam no valor da Educação que leva à Reflexão. Ao estarmos manifestando esta nossa crença queremos que nossos alunos sejam autônomos, que pensem por si mesmos, que sejam gestores e não só repetidores daquilo que outras pessoas dizem, pensam e agem. Pensar por si mesmo é fazer julgamento baseado em critérios. Pensar por si mesmo é formar sua própria visão de mundo e desenvolver concepções acerca do tipo de indivíduo que se quer ser e do tipo de mundo que se pretende viver. Isto tudo melhor construído em Comunidade de aprendizagem Investigativa, transformando a sala de aula em uma “cultura do pensar”. A filosofia contribui significativamente para este desejo por ser uma disciplina que melhor desenvolve a mente através de um raciocínio aperfeiçoado, de um exame da linguagem e ação, da formação de conceitos e para uma postura ética e estética. Educar para o Pensar e Educação Sexual por meio da investigação ética, política e es-


MATÉRIA DA CAPA

www.centro-filos.org.br

TODO BRASIL RESULTADOS DO CONGRESSO

UNINDO E AMPLIANDO AÇÕES As professoras Neuza Teresinha Pinto Valentim do CENFEP (Florianópolis), e Sandra Maria Albertino do NUFEP (Londrina) que trabalharam os temas Crianças brincam, falam, perguntam e pensam (Ed. Infantil) e Crianças e Filósofos tem algo em comum: pensam sobre conceitos,(1ª série) tendo sido responsáveis pelas Oficinas de nº 1 e nº 2 e produzido suas atividades através das obras “O Meu Quintal” e o “Menino e a Caboré”, no Congresso Educação para o Pensar e Educação Sexual Educação Infantil, que ocorreu em Florianópolis, nos dias 20,21,22 e 23 de julho p/ p, estarão desenvolvendo um trabalho de acompanhamento á distância, via-internet, aos participantes das duas oficinas. Já iniciaram, enviando uma lista de endereços eletrônicos e brevemente estarão enviando textos e sugestões de planejamentos, bem como um breve relato das atividades dos dois dias das Oficinas. As referidas Professoras, poderão, também, estar visitando as escolas e participar de uma atividade que se denomina: “O Escritor vai à Escola” , envolvendo o NUFEP local; A referida atividade já foi apresentada em algumas escolas de Santa Catarina, sendo decisiva para que as atividades desenvolvidas na Educação Infantil e nas Séries Iniciais, apresentassem um resultado bastante positivo, tanto a nível de Escola, como para as crianças e professores que trabalham com a Educação para o Pensar e principalmente, com os Pais que sentiram a grande diferença que faz quando se trabalha a Educação para o Pensar desde a Educação Infantil. Se tiverem dúvidas sobre como operacionalizar o trabalho com “O Meu Quintal” e O “Menino e a Caboré”, enviem e-mail, detalhem as suas dúvidas. Na medida do possível, dessa forma, estaremos contribuindo para que os Educadores e as Crianças das escolas que fazem parte dos NUFEPs possam estar construindo um correto pensar desde a Educação Infantil. E-mails: Professora - Neuza Teresinha Pinto Valentim emenete@terra.com.br Professora Sandra Maria Albertino sanndra@sercomtel.com.br

“Estamos construindo Elos e Pontes, fortalecendo, sempre mais a idéia de uma educação emancipatória, a partir da Educação Para o Pensar, em todo o nosso País”

Nosso mais carinhoso abraço: Professoras Sandra e Neuza. (unindo Florianópolis e Londrina com o Brasil, através do nosso entusiasmo)

7

PROGRAMAÇÃO 2º SEMESTRE 2004. CENTRO E NÚCLEOS

AGOSTO

27 e 28/08 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em Brasília/DF (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 28/08 (sábado) - Café com Idéias em São José Realização: Centro e NUFEP da Grande Florianópolis Local: Auditório da SMEC de São José/SC 30 a 3/09 - II Seminário de Filosofia dos professores do Ensino Básico em São Luis/MA (Mesa Redonda e Oficina – Participação do Centro e NUFEP/São Luís) 27/08 – PhiloS – Revista Brasileira de Filosofia Fundamental - 1º semestre/04

SETEMBRO

2 e 3/09 - Palestra na Faculdade de Filosofia São Boaventura – Curitiba/PR (Centro de Filosofia) 3 e 4/09 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em Curitiba/PR (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 18/09 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em Rio das Ostras/RJ (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 25/09 (sábado) - Café com Idéias em São José Realização: Centro e NUFEP da Grande Florianópolis Local: Auditório da SMEC de São José/SC 30/09 – Jornal Corujinha do 3º trimestre

OUTUBRO

11 a 15/10 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em Fortaleza/CE (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 15 e 16/10 - Encontro de Educação para o Pensar e Educação Social em Campinas/SP – (Participação do NUFEP/Campinas, Col. São José e UNISAL) 18 e 19/10 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em São Luís/MA (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 21 e 22/10 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em Manaus/AM (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 26/10 - Palestra na UNOESC em Xaxim/SC - (Participação do Centro). 30/10 (sábado) - Café com Idéias em São José Realização: Centro e NUFEP da Grande Florianópolis Local: Auditório da SMEC de São José/SC

NOVEMBRO

12 e 13/11 - Congresso Regional de Educação para o Pensar e Educação Sexual em Barra Mansa/RJ (Participação do Centro, Abrades e Núcleo). 15/11 – Jornal Corujinha do 4º trimestre 27/11 (sábado) - Café com Idéias em São José Realização: Centro e NUFEP da Grande Florianópolis Local: Auditório da SMEC de São José/SC 30/11 – PhiloS Revista Brasileira de Filosofia Fundamental - 1º semestre/04


8

FILOSOFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

www.centro-filos.org.br

FILOSOFIA COM CRIANÇAS “EU SOU FELIZ”

Por meio da ação educativa, num ambiente lúdico e afetivo, oferecemos condições adequadas ao desenvolvimento da criança, favorecendo sua autonomia e estimulando novas formas de pensar e agir. Ao trabalharmos a reflexão, queremos que nossos alunos sejam autônomos, que pensem por si mesmos, que sejam gestores e não só repetidores daquilo que outras pessoas dizem, pesam e fazem. Através de uma história, refletimos sobre o tema “Eu sou feliz”e os alunos perceberam que felicidade é algo muito especial... é sentir-se bem, estar

FILOSOFANDO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Escola N.S. da Glória Apucarana/PR

Nós, professores da Educação Infantil da Escola Nossa Senhora da Glória, sob orientação da irmã Teresa, estamos trabalhando a Filosofia de uma forma alegre e criativa. As aulas estão cada dia mais interessantes. No início, as crianças não estavam familiarizadas com os personagens do livro “O Meu Quintal”, mas através de dramatizações, brincadeiras com fantoches e confecção de máscaras, tudo foi se tornando mais prazeroso. Houve até um dia, ao trabalharmos a cena III no pátio da escola, pudemos contar com a presença de pintinhos cedidos pela granja do pai de um aluno. Foi inesquecível. Todos se entusiasmaram ao ver as criaturinhas de perto e até mesmo alimentá-las. Com isso podemos perceber que é muito importante saber o quê, por quê, onde e como ensinar as crianças a filosofar ou melhor, juntos participarmos de uma Comunidade de Investigação Filosófica. Professora Silvinha Alves de Oliveira - Jardim II

contente, com bom humor, é a alegria que borbulha dentro de cada um e que muitas coisas fazem com que nos sintamos bem, como as indicadas pelas crianças: ter amigos; brincar com os seus brinquedos, com os animais e com os colegas; cuide da natureza; respeitar as pessoas; ter uma casa para morar; ter alimento para comer; ir ao parque; passear; dividir algo com alguém; ajudar alguém; ter uma família; dar muitos beijinhos em quem amamos e por quem somos amados. Perceberam também que com as suas atitudes podem fazer alguém feliz e que todos gostam muito de vê-los felizes. Assim, trabalhamos com o autoconhecimento, a auto-estima e a identificação de sentimentos e atitudes, fazendo com que a criança adquira autoconfiança e independência, desenvolvendo concepções acerca do tipo de indivíduo que se quer ser e do tipo de mundo que se pretende viver. Profª Danielle A.Zumpato Educação Infantil – Turma Pré II

Col. Integrado Claretiano – Rio Claro/SP

“TEMPO PARA AS MUDANÇAS” Acompanhando os acontecimentos dentro da história do livro “O Meu quintal”, um momento de muita expectativa foi a espera do nascimento da ninhada do galo Fi. No galinheiro de nossa escola as galinhas também chocavam, o que proporcionou aos alunos a vivência real da situação. As visitas ao galinheiro foram envolvidas por uma gostosa ansiedade de quando sabemos que algo bom está para acontecer: - “o que os pintinhos comem den-

tro do ovo, antes de nascer?” - “quanto tempo vai demorar?” - “quando a gente come o ovo, come o pintinho que estava lá dentro?” - “esse pintinho vai nascer macho ou macha?” Foram algumas das muitas perguntas feitas pelas crianças que demonstram enorme interesse por aquilo que fascina e tem algo de misterioso. E nesse clima de curiosidade, finalmente chegou o dia do nascimento... Motivados com essa experiência, confeccionamos pintinhos de lã, que as crianças levaram para suas casas com muita alegria. Profª Maria Helena Basso e Vivian C. Santos - Educação Infantil – Turma Pré III

REFLETINDO A EDUCAÇÃO SEXUAL NAS AULAS DE FILOSOFIA E ATUANDO NA SOCIEDADE Escola Divina Pastora – Uraí/PR O Professor Carlos Alberto Alves, da Escola Divina Pastora, Uraí - PR, nas aulas de Filosofia, direcionou uma reflexão sobre o abuso sexual infanto-juvenil, questão abordada na “SEMANA NACIONAL DE COMBATE AO ABUSO E À EXPLORAÇÃO SEXUAL INFANTO JUVENIL”

Trabalhando os Ritos de Passagem com a 3ª série da Escola Divina Pastora, Uraí – PR, as alunas Simone Teixeira Xavier, Nathalia Akemi Koga e Ariely Passos Geraldo, orientadas pelo professor Carlos Alberto Alves, representaram através de desenho alguns ritos que ocorrem na sociedade em que vivem. Eis os desenhos:

na qual a comunidade Uraiense muito se mobilizou. No trabalho de reflexão, o professor enfocou que este também é um problema filosófico e, que desde Sócrates, o comportamento e o bem estar humano é uma preocupação dos filósofos.

Além das reflexões realizadas de 2ª a 8ª séries, os alunos e professores participaram de uma passeata em protesto a este tipo de violência, da qual também participaram as escolas e creches municipais. Confira a seguir algumas fotos do evento.


www.centro-filos.org.br

FILOSOFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENTUSIASMO CONTAGIANTE Colégio Universitário – Londrina/PR

Os alunos de 1ª a 4ª série ficaram intrigados ao lerem no Espaço Opinião dos Leitores (Jornal Corujinha n° 46), o texto de uma menina de sete anos. Questionaram-me sobre o fato de não ter “saído” nada escrito por eles: “- Esta prof.ª Sandra é você, não é?; - Por que não saiu nada da gente?; - Também podemos escrever para o Corujinha?” Em meio a tantas perguntas, alguém concluiu: “- Nós somos leitores do Corujinha, então também podemos escrever!” Entusiasmados com a iniciativa da menina Alice, logo partiram para a ação. Recebi muitos textos tecendo elogios, comentários sobre o Corujinha, sobre a aula de Filosofia e o Novo Espaço Filosófico Criativo: Fico muito feliz quando levo o Corujinha para casa porque o meu pai lê-o de cabo-a-rabo e comenta sobre o que está escrito nele. Comenta sobre o que a professora Sandra escreve dos livros novos, e fala a contribuição que esses livros dão na aprendizagem para nós alunos, quando a gente estuda e pesquisa com amor e carinho. Enfim, meu pai elogia bastante o simpático Corujinha. Rhawany P. Guergolette (8 anos). No começo eu até estranhava a palavra Filosofia, mas agora depois de tantas aulas dessa matéria, posso dizer que ela para mim está no 1° lugar (das minhas 12 matérias). Graças a Filosofia eu aprendi a ver uma coisa de várias maneiras diferentes. Agora eu sei que antes de julgar alguma situação, tem que pensar e refletir bastante. Bianca Veronesi (8 anos). Eu gosto de Filosofia porque é uma matéria que me faz pensar melhor em vários assuntos como a paz no mundo, a amizade entre as pessoas e as regras que existem na sala de aula. Wilson Marvulle Neto (8 anos). O Centro de Filosofia está fazendo 15 anos. Estou muito feliz com o aniversário do Centro. A professora Sandra fez os livros de Filosofia que ela dá aula. É muito legal. Ela é a minha única professora que faz os livros. Júlia Tanus.(8 anos). O meu livro de Filosofia é muito legal. Ele tem perguntas que me fazem pensar o dia inteirinho. Ele tem muitas curiosidades interessantes. Gosto muito dele. Adoro a Filosofia! Heitor Storniolo Adegas (8 anos). Eu gostei muito do novo livro, também porque foi feito por minha professora Sandra. Gostei do tema “pichadores”, mas os outros também são bons. A Filosofia é uma das minhas matérias preferidas. A Filosofia me ajuda a pensar mais. Até estou indo melhor em outras matérias. Amanda Toma (10 anos). Gostei muito do Novo Espaço Filosófico Criativo 3ª série, pois ele discute idéias sobre o mundo e sobre o relacionamento das pessoas. Gostei muito do novo livro a capa está muito melhor que antes. Mas acho que o livro devia falar mais sobre o mundo e como as outras pessoas vivem. Henrique Kasai (3ª série). O Jornal Corujinha traz assuntos interessantes para a família. A Filosofia nos faz pensar sobre a paz e outras coisas boas. Luis Henrique Soares Steffen (3ª série). Prof.ª Sandra Magalhães Albertino

9

A PEQUENA GRANDE MARÍLIA UM SUCESSO ENTRE OS ALUNOS As estrelas brilham no céu... Na terra cada pessoa têm seu brilho Col. Integrado Claretiano – Rio Claro/SP Nosso Colégio está participando do Projeto Socializar e Construir, idealizado pelo Centro de Filosofia. Este projeto tem por objetivo a participação de cada professor de sala de aula na organização e criação das atividades reflexivas com as crianças. Participaram os alunos das 2ª séries, fazendo atividades, desenhos, criações e muitas discussões filosóficas. Seguem alguns depoimentos dos alunos: - O livro e a história são criativos, aprendemos que não importa o seu tamanho, o que importa é o seu amor pelos outros. (Alunos da 2ª A – Manhã) - Nós achamos os personagens bonitinhos, principalmente a estrelinha. Este livro nos mostrou a importância de se respeitar as diferenças individuais. (2ª série B – Manhã) - Nós achamos o livro muito interessante porque nos ensinou que náo importa o tamanho e sim a bondade e o amor que estão dentro de nós. (2ª série A – Tarde) - O autor foi genial porque criou um livro que fala da importância de termos respeito pelos nossos semelhantes. (2ª série B – Tarde). O autor Clóvis Geyer e a equipe filosófico-pedagógica do Centro de Filosofia ficam muito satisfeitos com o trabalho que as professores estão realizando com seus alunos. Acreditamos como vocês que nossas crianças filosofam e conseguem refletir com bastante competência. Basta que nós oportunizemos espaços e condições para que isto aconteça. Ficamos muito felizes por vocês estarem utilizando e aproveitando desse livro. Continuem e informem a todos o que vocês estão criando, refletindo, buscando... para serem felizes.

PENSAR E CRIAR É SÓ COMEÇAR... Col. Integrado Claretiano - Rio Claro/SP Acreditando no grande potencial das crianças, apostando que elas podem realizar coisas maravilhosas, para tanto basta que haja incentivo e um bom caminho para que possamos trabalhar. Assim, utilizando o Fio Condutor do Programa Educar para o Pensar: Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens, do Centro de Filosofia de Florianópolis, conseguimos muitas coisas neste 1º semestre de 2004. Em especial as 1ª séries do nosso Colégio, desenvolveram os conteúdos de Filosofia propostos no material O Menino e a Caboré. Os resultados foram muito satisfatórios entre alunos e professores, sendo notável o entusiasmo, interesse e participação das crianças ao estarem envolvidas nas propostas de trabalho. Buscando uma constante interdisciplinaridade, a qual os alunos já estão sentindo, e diante dos temas trabalhados, em especial a reflexão sobre “O nome das coisas”, utilizamos como complemento e aprofundamento a leitura do livro “Marcelo, marmelo, martelo” de Ruth Rocha. Assim, dentro da discussão que foi feita e ampliação pela leitura, os alunos expressaram com criatividade suas idéias.

Através do pensar e refletir, os alunos representaram a compreensão e o significado dos nomes e de uma forma lúdica e criativa pensaram muito mais. Professoras: Lucimara / Renata Alves / Renata F. / Valéria


FILOSOFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

10

www.centro-filos.org.br

FILOSOFANDO COM A REALIDADE Escola N.S. da Glória – Apucarana/PR

Os alunos das 5ª a 8ª série desenvolvem, junto com seus professores o Programa Educar para o Pensar: Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens, sistematicamente. A seguir alguns resultados da reflexão e discussão em sala de aula, abordando outras disciplinas. São jovens que pensam e filosofam sobre a realidade em que estão inseridos.

ÁGUA, FONTE DE VIDA Água, fonte de vida é preciso ter cuidado pois não há outra saída. Na cidade água poluída, nos rios, nos lagos e mares quando vai ter fim essa grande crueldade.

O VITORIOSO PENSAR Chuta a bola pra cá! Chuta a bola pra lá! É o pensar aqui! É o pensar lá!

Água, Castigada pela população que a desperdiça sem mera conscientização

Toda a bola para o pensar ... É o gol da inteligência!

É fundamental! Mudar os hábitos da criação! E tornar constante a luta pela preservação.

O pensar está em todas as cabeças e em todas as nossas sentenças. Com a Filosofia aprendemos sobre o pensar bem, para melhor viver.

Bruna Luiza B. Santos - 6ª A Milena Marques da Cruz - 5ª A

NOSSO ANIVERSARIANTE Glorinha, 50 anos, fazendo a diferença na educação em Apucarana, educando e formando jovens e crianças para uma sociedade melhor. E agora a 4 anos em parceria com o Centro de Filosofia Educação para o Pensar. Educando com paz, alegria, união, Perspectiva e muita dedicação, Construindo um alicerce para uma vida feliz, fazendo a sua história, espalhando sabedoria e determinação a todos que estão ao seu redor. Competência, paciência e amor são palavras que exprimem o sucesso dos 50 anos da Família Glorinha e dos 15 anos do Centro de Filosofia Educação para o Pensar. Izabella Monique Avanci e Natália Rocon de Oliveira - 7ª B

MISSÃO Como nós podemos ... Adorar mais de um Deus? Amar e pensar só em si mesmos? Amar um e não o outro? Deixar-se levar pelo pecado? Seguir o caminho errado, sabendo das conseqüências? Água ... Como pode o homem poluí-la? Como pode o homem estragá-la? Como pode o homem destruí-la? Homem ... “Se toca”! A água está acabando! Vida ... Por que matamos o que nos faz viver? Nunca se esqueça dessa lição! Pois a partir de hoje será SUA MISSÃO! Cassiel Custódio, Juliane P. de Souza, Loraine K. Vieira e Thais F. Caetano - 6ª A

PROJETO DISPUTA DE VALORES No primeiro semestre, nós alunos da 8ª série da Escola Nossa Senhora da Glória, de Apucarana, desenvolvemos um projeto sobre valores, tais como: responsabilidade, respeito, amizade, solidariedade, tolerância, justiça, honestidade e humildade. Realizamos muitos debates em mesa redonda sobre esses valores em sala de aula, nos quais cada grupo defendeu seu valor, trabalhando sempre unidos e com argumentos filosóficos. Concluímos que apesar da validade dos argumentos para a defesa do seu valor, todos os valores têm sua essencial importância e que nenhum é melhor que o outro, mais juntos estão presentes em nosso dia a dia, nos assegurando a conquista de nossos direitos e deveres de cidadãos. A partir desses debates decidimos alastrar nosso projeto até a Cooperativa dos Catadores de Papel de Apucarana (COCAP), na qual estão associadas em torno de 38 famílias, que sobrevivem do trabalho realizado junto à cooperativa. Conhecemos seu ambiente de trabalho, ajudamos com cestas básicas, falamos de nossos objetivos e ouvimos seus anseios, angustias e sobre suas esperanças. Apresentamos um teatro onde demonstramos o valor da esperança. No segundo semestre, daremos continuidade ao projeto, aonde em grupo iremos até a Cooperativa trabalhar os valores com o intuito de crescermos e aprendermos uns com os outros. Ana Carolina da S. Nogueira, Camila G. de Quadros, Érica D.A. Koslik e Vanessa de A. Ribeiro - 8ª A


PROJETO P.E.A.PAZ

www.centro-filos.org.br

11

PROJETO PENSANDO E AGINDO PELA PAZ “Sei que meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele, o oceano seria menor...” Madre Teresa de Calcutá O Projeto Pensando e Agindo pela Paz, quer colaborar para que seus participantes, desde crianças, tornem-se, pouco a pouco, cidadãos plenos, conscientes, esclarecidos, criativos, críticos, participativos, capazes de realizar ações em equipe, solidários, autônomos e, sobretudo, éticos. Tem como um de seus pressupostos valorizar o contexto e a realidade de cada comunidade escolar, sugerindo e incentivando o desenvolvimento de projetos filosófico-pedagógicos que promovam a cultura da paz.

TAPETE ITINERANTE DA PAZ Num dos intervalos da oficina “Crianças e Filósofos têm algo em comum...” a professora Maristela surpreendeu-nos com o belo Tapete da Paz. Ficamos encantados e fizemos questão de sermos fotografados ao lado de uma peça tão significativa.

CONTATOS:

Organizamos uma lista das escolas interessadas em receber o Tapete Itinerante acrescentando uma mensagem de Paz. Antes de traçarmos o roteiro, queremos convidar outros colégios a participarem dessa viagem.

Escola Primeiros Passos: e.primeirospassos@conection.com.br Centro de Filosofia: centro@centro-filos.org.br Coordenação do Projeto PEAPAZ: sanndra@sercomtel.com.br

HISTÓRIA DO TAPETE ITINERANTE DA PAZ A idéia surgiu no ano de 2002, quando uma turma de 4ª série depois de aderir ao projeto P.E.A.PAZ juntamente com os demais alunos da Escola Primeiros Passos, decidiu confeccionar o Tapete Itinerante da Paz, tendo como objetivo levar mensagens de “esperança e paz” ao maior número de pessoas possível. Após traçar um mapa da cidade de Caçador e nele localizar todas as escolas, fez um roteiro que deveria ser seguido pela instituição que recebesse o Tapete, respeitando data e o compromisso de enviar para a escola seguinte. Foi encapada uma caixa e nela

colada a palavra Paz em várias as línguas faladas no mundo. A turma era composta por: Gabriela Crespo, Leandra Muller do Prado, Gustavo Löeff Zardo, Leandro Vinicius Bareta, Keila Weber Longo, Camila Ferlin, Gustavo Elicker Coelho, Pâmela Simas, Natalia Marceli Stefanes, Jéssyka Luiza Turra Euriques e a Professora Andréa de Moura. Dando seqüência ao Projeto que almeja “QUE A CELEBRAÇÃO PELA VIDA SEJA CONSTANTE E A PAZ ENTRE OS POVOS UMA REALIDADE”, sugerimos envolver outras escolas e outras cidades. Prof.ª Sandra Magalhães Albertino

SER E TER DIFERENTES ENFOQUES SOBRE UM MESMO TEMA Colégio Universitário – Londrina/PR Este ano, enquanto investigávamos a idéia relevante Propriedade, a televisão noticiava conflitos entre fazendeiros e integrantes do MST (movimento sem terra), tribos indígenas e garimpeiros, pichadores e policiais. Vários alunos assistiram essas reportagens e complementaram com outros acontecimentos referentes a nossa cidade, como a destruição dos telefones públicos, os “orelhões” de Londrina. Concordamos que nossa cultura coloca uma relevância muito acentuada na idéia de possuir algo, e que o ter não deve estar acima do ser. As contradições começaram a aparecer quando trouxemos essas questões para as experiências dos alunos. Vivendo numa sociedade consumista, com tantas ofertas, o querer ter também é grande. Afinal, precisamos ter tantas coisas? O que é mais importante, ser ou ter? Intrigados com a diversidade opiniões levaram as questões para casa. O assunto foi discutido em família e retomado na aula seguinte. A participação dos pais ajudouos a perceber que ao investigarmos essas idéias também estávamos trabalhando o tema gerador do 2° bimestre: “Respeitar a vida”. ATIVIDADE EM FAMÍLIA: Para enriquecemos nossas próximas aulas, converse com seus familiares sobre a questão do Ser e do Ter, assunto trabalhado nesta semana, e peça para um deles escrever o que pensa a respeito. A sociedade incentiva o ser humano desde criança a ter. A importância do ser é relevada a um segundo plano. O ter pode passar; o dinheiro pode acabar com o tempo; o poder é substituído por outra pessoa e assim por diante. O ser é pessoal e intransferível. Você será sempre o que o estudo, o convívio, a bondade e amizade fizeram a você. Avó da Mariana Vieira Marcondes

Realmente a sociedade moderna, especialmente a ocidental, valoriza enormemente o TER, a propriedade sobre “algo”. Isso é o mais correto? Na minha opinião não. Para mim o ser humano deveria ter como principal característica valorizar o SER, isto é, o desenvolvimento de ações que promovessem as qualidades “íntimas”, o que resultaria em uma sociedade mais justa, fraterna e em local muito melhor de se viver. Fernando Storniolo Adegas, pai da Heloísa Acho muito importante trabalhar o “ser” em nossas crianças. Hoje em dia o ser humano prioriza o “ter”, adquirindo mais e mais bens materiais e está se esquecendo de moldar o ser. É importante humanizar mais o convívio entre as pessoas, aguçar o lado bom das pessoas, se isso acontecer, sem dúvida teremos um mundo mais justo e com muita paz. Sirlene, mãe da Nicole Lumi Tsukamoto Atualmente vivemos num mundo extremamente materialista, onde todos querem conquistar cada vez mais propriedades. Um mundo em que quantidade significa sucesso e poder. Perderam-se os verdadeiros valores das propriedades. Terra significa lucro, então derrubam-se árvores, queimam-se matas, aplicam-se toneladas de agrotóxicos sem pensar nas conseqüências. Casas tornam-se símbolo de ostentação ou simplesmente dormitórios, ao invés de convivência harmoniosa com a natureza. Se pensarmos em uma condição ideal de convivência, veremos que sempre a coletividade será vantajosa. Então, as propriedades seriam usadas em favor da comunidade. Porém, este sistema não funcionaria no mundo atual, onde imperam o egoísmo e conquistas a qualquer custo. Ricardo, pai do Nicholas Makita Fujimoto.


MATERIAL - FILOSÓFICO PEDAGÓGICO

12

www.centro-filos.org.br

EDITORA SOPHOS: UMA HISTÓRIA DE SUCESSOS! Ao completar 10 anos, a editora que nasceu de uma idéia, um sonho, ganha espaço junto aos colégios, professores, alunos e seus familiares. É hoje a editora, sem dúvida nenhuma, uma referência nacional na produção e distribuição dos livros para uma Educação para o Pensar Emancipatório, de Filosofia com Crianças, Adolescentes e Jovens.

Todas as Coleções (Filosofia Fundamental / Filosofia o Início de uma Mudança / Novo Espaço Filosófico Criativo / De Educador para Educador / Pais&Filhos: Companheiros Reflexivos e Paradidáticos filosóficos) atendem as necessidades de uma Educação para o Pensar em todos os níveis e em todos os segmentos escolares.

EDUCADOR! Você que busca um ensino-aprendizagem condizente com o nosso momento atual, que quer seus alunos pensando, refletindo, sendo criativos e críticos, ANALISE a Coleção Filosofia o Início de uma Mudança (Ed. Infantil até o Ensino Médio) e adote em 2005 com suas turmas, seus educandos, em seu colégio.

COLEÇÃO FILOSOFIA O INÍCIO DE UMA MUDANÇA

661

Atividades para os alunos ampliarem e aprofundarem suas reflexões

194

Explicações e Fundamentação filosóficopedagógica para os professores

Educação Infantil

1ª série

3ª série 2ª série

4ª série

Ensino Médio

5ª série

7ª série 6ª série

8ª série

T

odas as Coleções da Editora Sophos contam com um suporte filosófico-pedagógico do Centro de Filosofia Educação para o Pensar. O professor que adotar os livros junto aos seus alunos poderá com seu Colégio ter acesso a:

• Roteiros de Planejamento/2005; • Chat de conversação com sala especial para os professores, para os alunos e para os pais; • Cursos de aperfeiçoamento; • Palestras; • Congressos Regionais e o III Congresso Nacional de Educação para o Pensar e Educação Sexual, que acontecerá em julho de 2005 na cidade de Florianópolis/SC; • Acesso a projetos filosófico-pedagógicos; • Informativos (Corujinha e Philó online);

• Revista Brasileira de Filosofia Fundamental - PhiloS • Projetos de pesquisas; • Assessorias online e presencial, oferecidas pelo Centro e seus Núcleos; • Possibilidade de sua escola fazer parte da Rede Educação para o Pensar; • Divulgação da página do colégio em nosso site; • Participação em projetos comuns como Café com Idéias, Corujas Itinerantes, Projeto L.E.R; Autor na escola...

ENCOMENDE JÁ OS SEUS LIVROS ENTRE EM CONTATO PELO FONE (48) 222-8826 Veja o Catálogo 2004 no site www.editorasophos.com.br

jornal_corujinha47  

Jornal da Filosofia no Ensino Fundamental - Centro de Filosofia Educação para o Pensar Impresso Especial organiza junto com III Congresso Na...

Advertisement