Page 14

14

Junho - 2013

SOCIAL

dona de casa Anair Arantes da Silva há três anos deixa as atividades domésticas de lado para levar o filho Gustavo para galopar no dorso de Apache, um cavalo manso acostumado a carregar os pacientes do Centro de Equoterapia do Grupamento de Infraestrutura e Apoio de São José dos Campos (GIA-SJ). Gustavo, portador de Síndrome de West, é um dos 24 pacientes atendidos todo mês pelo Centro. “O tratamento com equinos é eficaz para doenças neuromusculares, ortopédicas, cardiovasculares e respiratórias. Em muitos casos já é possível ver a melhora dos pacientes em seis meses”, comenta a Tenente Elizabeth Werneck Fontainha, coordenadora do projeto. A atividade é realizada desde 2008 pelo Núcleo de Serviço Social (NUSESO) em parceria com o Batalhão de Infantaria da Aeronáutica (BINFA-64) e as seções de fisioterapia e psicologia da Divisão de Saúde. O tratamento equoterápico é oferecido prioritariamente aos servidores do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), mas dependendo da demanda pode ser estendido

também ao público externo e a servidores de outras forças. Para dar início ao procedimento, é necessário passar por uma triagem. “Nessa seleção, avaliamos quais pacientes podem ser beneficiados pelo tratamento e priorizamos aqueles que terão efetivamente um ganho de qualidade de vida”, explica Maria Aparecida Coelho, voluntária em fisioterapia do projeto. A equoterapia apresenta bons resultados no tratamento de distúrbios neurológicos que impedem ou limitam a realização de atividades como andar, falar, escrever ou tomar banho. “Para realizar essas tarefas, os sistemas do corpo responsáveis pelas atividades ósseas, neurológicas e musculares precisam estar os mais íntegros possíveis”, explica Maria Aparecida. As sessões de reabilitação devem ser realizadas com um cavalo de passada específica, chamada de “ao passo”, que transmite ao praticante uma série de movimentos especiais. A atividade com os cavalos é reconhecida como ferramenta terapêutica pelo Conselho Federal de Medicina desde 1997, mas a propagação da técnica no Brasil é recente. Para realizar

FOTOS: LUCAS MARCO / DCTA

A

Equoterapia: o trote que trata

O garoto Gustavo é uma das crianças que faz tratamento no Centro de Equoterapia

a terapia com equinos é necessário reunir uma equipe multidisciplinar. Durante as sessões do Centro, que duram cerca de meia hora, dez profissionais, entre psicólogos, pedagogos fisioterapeutas e assistentes sociais se revezam no trabalho de equilibrar as crianças no dorso de cavalos. Nos próximos anos, o Centro de

Equoterapia do GIA-SJ deve ter a sua infraestrutura física ampliada. “O projeto de expansão das nossas instalações já foi aprovado pela Subdiretoria de Encargos Especiais (SDEE). Nosso objetivo agora é ter uma área coberta que possibilite a realização das nossas atividades mesmo em dia de chuva,” finaliza a Tenente Elisabeth.

Uma vitória a cada galope

O

s pais de Miguel Cheline de Oliveira procuraram o Centro de Equoterapia do GIA-SJ há um ano e meio. O garoto de sete anos também

é portador de Síndrome de West e viu algumas características da doença perderem força desde o início do tratamento. De acordo a Tenente Edilene Moreira, assistente social do Centro de Equoterapia, Miguel apresentava um quadro crítico quando iniciou as sessões terapêuticas. “Ele realizava as sessões deitado quando chegou aqui. Com as atividades realizadas pelo Centro, ele ganhou sustentação na coluna e hoje consegue montar de forma completamente ereta”, acrescenta.

A

atividade do GIA-SJ coloca ao alcance dos pacientes um tratamento considerado caro e inacessível para quem depende da rede pública e de planos de saúde – que nem sempre incluem essa especialidade nos pacotes mais básicos. “Um tratamento como esse fora daqui chega a custar R$ 500 reais por mês”, diz o aposentado Amarildo Ribeiro Silva, que leva a pequena Raquel Loreto, portadora de hiperatividade, para

realizar as sessões equoterápicas. “Se hoje Raquel evoluiu ao ponto de conseguir ler livros infantis e me contar a história depois, é graças à iniciativa do GIA-SJ”, comemora Silva.