Issuu on Google+

Ponte…na escena 8,9,10 e 11 de maio Gondomar

II FESTIVAL INTERNACIONAL DE TEATRO

Organiza:

Patrocinan:

Colaboran:


2º festival PONTE…NA ESCENA

A segunda edición do Festival Internacional de Teatro PONTE...NA ESCENA volta a ser unha realidade en Gondomar, con máis días e novas propostas e actividades para todos os públicos. Nos vinte anos de Ponte...nas ondas! o festival pretende consolidar unha ponte necesaria que ofreza ao espectador a posibilidade de asistir a diferentes propostas escénicas contadas nunha mesma lingua con sotaques diferentes. Un proxecto que une a proximidade cultural entre territorios que comparten unha expresión común. As artes escénicas teñen neste festival diferentes manifestacións para mostrar un abano diversificado de propostas chegadas desde diferentes territorios da lusofonía: Galiza, Portugal, Francia, Brasil.


ONDE FOI BARRIGA VERDE ?

8,9,10,11 maio CENTRO NEURAL-GONDOMAR

EXPOSICIÓN Asociación cultural para a recuperación do titere tradicional galego

EXPOSICIÓN: ONDE FOI BARRIGA VERDE ? 9 PANEIS de lona a toda cor GUÍA DIDÁCTICA en: www.barrigaverde.eu

Todos os públicos

A exposición pretende animar o/a visitante a reflexionar, a partir do esquecemento da figura de Barriga Verde en apenas 40 anos, sobre a perda do patrimonio inmaterial. A transmisión interxeracional, a perda de identidade e a importancia de manter referentes propios que se poden reelaborar e recrear son temas que complementan a propia historia de Barriga Verde e da familia Silvent. A mostra retrotráenos ao comezo das investigacións actuais sobre Barriga Verde, salientando a escaseza de material existente sobre a figura e amosando o proceso de esquecemento da mesma. As conexións europeas do espectáculo e do personaxe, a situación actual deste legado ou o mundo das feiras e a súa evolución son temas que tamén se abordan nunha linguaxe sinxela e complementados con ilustracións, mapas e fotografías. Ademais, o discurso expositivo pretende actuar o punto de partida no actual proceso de recuperación do personaxe. Con este fin, déixanse abertos moitos dos contidos e saliéntase a falta de información que existe en varios casos. .


MORREU O DEMO, ACABOUSE A PESETA

8 maio Auditorio Lois Tobío-20.00 hs.

DOCUMENTAL Asociación cultural para a recuperación do títere tradicional galego

Director: Pedro Solla EXPOSIC Guión: Marcelo Martínez, Pedro Solla Produción: Comba Campoy

Todos os públicos

Proxección do documental Morreu o Demo, acabouse a peseta, de 78’ de duración, dirixido por Pedro Solla e producido por Tintimán Audiovisual. O documental amosa o proceso de recuperación da barraca de Barriga Verde por parte dos membros da compañía Viravolta. Ao longo da súa investigación conversan cos descendentes da familia Silvent, creadores do personaxe de títeres de luva, así como con outros marionetistas europeos. Ademais realízase un achegamento ao títere de luva galego, e á tradición europea da que fai parte.


VIRAVOLTA TÍTERES

Escolares / Adultos : xoves 8 Auditorio Lois Tobío 12.00 hs. – 21.30 hs.

BARRIGA VERDE Lalín (Galiza)

Texto: Tradicional - Viravolta títeres Iluminación: Xulio Balado Vestiario: Pilar Álvarez Talla: Luis Iglesias Manipulación: Pilar Álvarez, Xulio Balado, Anxo García Dirección: Anxo García Produción: Viravolta Títeres

Todos os públicos

En 1982 Anxo García, Pilar Álvarez e Xulio Balado forman a compañía Viravolta títeres. Ademais da produción e distribución de espectáculos de monicreques realizan outras actividades: cursos, exposicións, programacións (Titerentroido, Titirideza e Cantos e contos do Nadal); sempre relacionadas co mundo da marioneta. Dentro de Viravolta títeres, xurdiu outra compañía, SEISDEDOS, especializada en espectáculos de pequeno formato, adaptados a calquera espazo escénico. “ Mesturando a tradición do títere galego coa europea, recollemos cinco situacións que Barriga Verde, coa axuda da súa cachaporra, resolve dun xeito que incomoda ao Demo, ao ver o seu inferno cheo de personaxes que non lle son gratos. Espectáculo baseado na investigación que a compañía Viravolta fixo sobre a figura de Barriga Verde e o títere tradicional galego. Preséntase coma unha homenaxe ao Barriga Verde que a familia Silvent representou por Galicia na primeira metade do século XX. “


Cía. Teatral BOCACCIONE

Escolares - venres 9 Auditorio Lois Tobío-12.00 hs.

O jovem teimoso que não queria morrer Ribeirao Preto (Brasil)

Bocaccione nace en 2006 en Ribeirao Preto (São Paulo ) e dende entón leva producido diversos espectáculos que foron presentados en numerosos festivais por todo Brasil. Dramaturgia, direção e concepção: Marcelo Ribeiro Texto: Inspirado livremente na obra de Ricardo Azevedo Adaptação: Marcelo Ribeiro Atores: Nathália Fernandes (Ela), Edevilson Juri (Ele) Duração do espetáculo: 40 minutos

Infantil

“Sabendo somente o que não queria, um jovem viajante faz uma escolha: decide partir pelo mundo afora em busca do lugar onde ninguém morre. O jovem, que acha a morte uma injustiça, se depara com conflitos e incertezas durante sua trajetória, passando por jogos e estratégias para encontrar o tal lugar. Como o tempo é vento que leva tudo, o jovem viajante então tem que tomar uma nova decisão, alterando de vez as tantas vezes contadas nesta história.


BOCACCIONE O jovem teimoso que n達o queria morrer


Cía Teatral BOCACCIONE

Venres 9 Auditorio Lois Tobío, 22h.

A igreja do diabo Ribeirão Preto - SP (Brasil)

Bocaccione nace en 2006 en Ribeirão Preto e dende entón leva producido diversos espectáculos que foron presentados em numerosos festivais por todo Brasil. Direção , Concepção e Adaptação: João Paulo Fernandes Texto: Machado de Assis Atores: João Paulo Fernandes, Michel Massom, Vilsinho Juri, Marcelo Ribeiro, Nayla Faria, Nathália Fernandes, Naná Bertchelly, Diego Freiria, Carol Nurza Duração: 60 minutos

Adulto

“Cansado de ser desorganizado, de ficar com as circunstanciais sobras das diferentes manifestações de fé, o Diabo tem a ideia de fundar uma Igreja com a promessa do paraíso na própria Terra. Sua religião corre aos quatro cantos do mundo e sua previsão de que as virtudes cairiam por terra se confirma. Mas, aos poucos, os homens vão exercitando virtudes, e o tiro sai pela culatra, pois para cada maldade realizada pelos seus adeptos, havia uma bondade praticada. Furioso, o Diabo vai falar com Deus, que dá o ultimato: maior que qualquer religião é a contradição humana”. Premio melhor espetáculo no 10º FESTEAPP


BOCACCIONE A igreja do diabo


Fafe cidade das artes

Rúas – sábado 10

Espectáculo de rúa -Baiona 17.00 hs. Gondomar 19.30 hs.

ZÉ DO PITO O MATA 7 Fafe (Portugal)

Texto e Encenação: Moncho Rodriguez Figurinos: Marília Martins Bonecos e Adereços: AlunosOficinas FAFE CIDADE DAS ARTES e Guilherme Castro. Elenco: Mariana Pires/ Wagner Kosisck/ Regianne Nogaroli/ Joana Gonçalves/ Ricardo Ferreira/ Maria Bastos. Produção: Carine Pimenta Realização: Fafe Cidade das Artes

Espectáculo de rúa

Fafe Cidade das artes é um projeto inédito em Portugal que visa promover e difundir a qualidade e criatividade artística, da tradição ao contemporâneo. Para tal, foram criadas residências Artísticas Temporárias com vista a acolher criadores do mundo inteiro, de diferentes áreas e saberes. ZÉ DO PITO O MATA 7 Uma versão livre da lenda popular da Serpente de 7 cabeças de Fafe. (conto recolhido por Artur Coimbra). Este espetáculo, que deverá ter a sua estreia já no próximo mês de Abril, do qual aqui se apresentam apenas algumas pequenas cenas, pretende ser apenas um exercício de linguagem do teatro popular “Minhoto”. Uma leitura contemporânea de uma lenda tradicional. Com este “brinquedo” cénico, Fafe Cidade Das Artes promove a integração de jovens alunos das Oficinas de Interpretação Teatral, desafiando-os para que participem num espetáculo que percorrerá diferentes palcos descentralizados nas freguesias do Concelho.


FAFE CIDADE DAS ARTES Zé do pito o mata 7


Foro Aberto

Sábado 10 Foro teatro- 11.00 hs. Centro Neural. Gondomar

PONTE…NO FORO

CONVERSAS COAS COMPAÑÍAS FORO ABERTO AOS GRUPOS E PERSOAS QUE AMAN E VIVEN O TEATRO

ENCONTRO COAS COMPAÑIAS

Actores de Bahía, directores de Portugal, actrices de Francia, cantantes de Portugal, titiriteiros de Galiza, músicos de Brasil, programadores e compañías de teatro afeccionado danse cita o sábado 10 de maio ás 11.00 hs. no Centro Neural de Gondomar para abrir camiños de colaboración e entendemento desde as diferentes propostas escénicas que o festival ofrece. A directora brasileira Maren Vargens. o director galego Fran Núñez, a directora Elena Diego de Goudú Theatre e o portugués Moncho Rodríguez moderarán un foro aberto a todas as persoas que queira debater, achegar propostas e establecer pontes de diálogo con outras compañías. Animamos a todas as persoas relacionadas coas artes escénicas a presentar os traballos artísticos neste foro para que sexan coñecidos e teñan oportunidade de ser trasladados a outros contextos favorecidos pola proximidade cultural e lingüística. Ao remate, no bar Catro Camiños, Maren Vargens porá "en escena" “Qualquer coisa a gente inventa". .


Maren Vargens

Sábado 10 Sesión Vermú - 13.00 hs. Bar Catro Camiños . Gondomar

QUALQUER COISA A GENTE INVENTA Bahia ( Brasil )

Dramaturgia, direção e concepção: Maren Vargens Cenografia, figurino e maquiagem: orientação de Rino Carvalho Confecção do figurino: Jacy Fonseca Iluminação: Joseane Almeida Fotografia e Vídeo: Zélia Uchôa Edição: Marcos Fias Duração: 50 minutos

Espectáculo de bar

Qualquer coisa a gente inventa. Concepção e atuação de Meran Vargens desenvolvido na pesquisa, ainda em processo, “A voz que escuta – interatividade” fruto das inquietações geradas após a conclusão do PosDoutorado realizado em 2009-2010 no IA- UNICAMP. Meran Vargens traz à cena sua contadora de histórias. O figurino é um macacão de retalhos que reflete a artesã das palavras, do jogo de criar mundos e tecer imaginários através da cena na arte de contar histórias. É um desafio à imaginação. Qualquer coisa a gente inventa é uma sessão de histórias inventadas na hora a partir de estratégias de narrativas cênicas, onde o público, se quiser, poderá interferir nas histórias e nas propostas de cena. Cada dia possui roteiro único mesmo que jogos sejam repetidos em diferentes sessões. A atmosfera é de encontro, intimidade e troca de experiências de vida que habitam nossas memórias, sonhos e o nosso rico universo imaginário.


TOCA DE TEATRO

sábado 10 Auditorio Lois Tobío. 22.30 hs.

AMNÉSIS Bahia (Brasil)

Dramaturgia, direção e concepção: Meran Vargens Direção cena: Elaine Cardim Atores: Daniel Calibam, Danilo Cairo, Joao Guisande. Em colaboraçao com o projeto PIBIC-UFBA “Contadores de Histórias vividas”. Duração do espetáculo: 50 minutos

Adultos

Depois do grande sucesso de público e crítica do espetáculo musical ATIRE A PRIMEIRA PEDRA, que recebeu 04 indicações ao Prêmio Braskem de Teatro incluindo a categoria Melhor Espetáculo do Ano sob direção do premiado Luiz Marfuz, o Grupo Toca de Teatro apresenta o seu novo trabalho. Trata ‑se da montagem AMNÉSIS. Uma busca intencional pela lembrança. (Direção: Meran Vargens).

“Amnésis. foi construído com a seleção de histórias reais que mais marcaram o ator no processo”


TOCA DE TEATRO Amnésis


JU

sábado 10 Musical no Bar Catro Camiños – 12.00 hs.

MUSICAL Fafe (Portugal)

Voz: Ju Guitarra: João Nobre Letras:João Monge

Adultos

A JU nasceu e vive em Fafe. Desde muito cedo demonstrou interesse pelas artes de palco. Tinha 4 anos quando decidiu o que queria fazer para o resto da sua vida! A música sempre a acompanhou pois a sua família é muito ligada a essa área. Começou o seu caminho como estudante de ballet clássico e seguiu esse percurso durante 15 anos. Na altura da faculdade optou pelo teatro e as artes performativas. Foi aí que conheceu o canto e nunca mais se quis separar dele. Numa viagem de tentativas para ser bem sucedida nessa área, acabou por encontar o João Nobre (fundador e baixista da banda "Da Weasel") e o João Monge (letrista de Rui Veloso, Ala dos Namorados, Camané, Rio Grande...) que tinham juntos um projeto fantástico no qual ela encaixou. Sente que o palco é o seu habitat natural e seja a dançar, representar ou a cantar, a JU precisa de estar em cima dele.


GOUDU Theatre

Domingo 11 Auditorio Lois Tobío, 12h.

Almanaque para uma viajem Paris (Francia)

GOUDU Théâtre, criada em 2012, tem a vontade de explorar a sensualidade através da exploração permanente dos cinco sentidos nas artes cênicas. Dessa forma, usa os recursos clássicos do teatro abrindo sempre um espaço para o cheiro, o tacto e o gosto.. Direção , Concepção e texto: Jo Atores: Elena Diego, Sarah Jamaleddin Espacio: Irene Tchernooutsan Iluminación :Vera Martíns Duração: 45 minutos

Infantil

“Fugindo do jogo monótono, uma criança entra num quarto ocupado unicamente por uma barraquinha. Abrindo-a encontra Peixe, metade menina, metade peixe, que, como ela, foge da discriminação que sempre sofreu para iniciar uma viagem fantástica. Desde uma simples pescadora espanhola a um homem incapaz de controlar suas mãos fofoqueiras, as duas meninas vivem encontros incríveis que as transformam. Ir para aonde? Até aonde? Até quando?.”.

Creado en residencia no Espaço Compasso en Porto (Portugal)


GOUDU Almanaque para uma viagem


Por volta de logo e depois

Domingo 11 Auditorio Lois Tobío, 22.30h.

Maria sou eu Piracicaba - SP (Brasil) O Grupo “Por Volta de Logo Depois” apresenta o espetáculo “Maria, sou eu”, monólogo com texto de Alessandra San Martin, também atriz do espetáculo, dirigida por João Nalão, diretor convidado para essa montagem, que conta a história de Maria, uma mulher que tenta recuperar seu nome e sua história, apagados pela ditadura militar Encenação: João Nalão brasileira. Texto: Alessandra San Martin O espetáculo é resultado de uma pesquisa corporal e vocal baseada no Atores: Alessandra San Martin Trilha Sonora Original : Teatro Físico, buscando uma linguagem cênica que exprima todas as Gabriel Mazon sensações vividas e experimentadas, formando uma dramaturgia Duração: 50 minutos corpóreo expressiva, para assim levar de forma clara ao público toda a inquietação da personagem em busca do direito de revelar a sua verdade. CENATA, Araçatuba . Prêmio de Melhor Espetáculo (Júri Popular), Melhor Texto, indi-cação de Melhor Atriz

Adulto

FESTAETT, Tupã . Prêmios de Melhor Texto, Melhor Atriz, 2º Melhor Espetáculo


POR VOLTA DE LOGO E DEPOIS Maria sou eu


PONTE…NA ESCENA – FESTIVAL INTERNACIONAL Domingo 11 Xoves 8 Auditorio Lois Tobío

Venres 9 Auditorio Lois Tobío

Viravolta Títeres Auditorio Lois Tobío 12.00 hs. – 21.30 hs. Barriga Verde Documental Auditorio Lois Tobío 20.00 hs.María Sou Morreu o demo, acabouse a peseta

Eu

Cía Bocaccione (Infantil) Auditorio Lois Tobío 12.00 hs. O jovem teimoso que não queria morrer Cía Bocaccione (Adulto) Auditorio Lois Tobío 22.30 hs A igreja do diabo PONTE…NO FORO: Encontro aberto. Centro Neural.11.00 hs.

Sábado 10 Auditorio Lois Tobío

Maren Vargens (Performance) Taberna Catro Camiños 13.00 hs. Sesión aperitivo

María Sou Eu19.30 hs. Fafe cidade das artes (Espect. rúa ) Baiona 17.00 hs.Gondomar Zé do pipo o mata 7 Toca de teatro (Adulto) Auditorio Lois Tobío 22.30 hs Amnésis Ju (Musical) Taberna Catro Camiños

Domingo 11 Auditorio Lois Tobío

24.00 hs

Goudu Theatre (Infantil) Auditorio Lois Tobío 12.00 hs. Almanque para uma viajem Por volta de logo e depois. (Adulto) Auditorio Lois Tobío 21.00 hs. María sou eu

EXPOSICIÓN : ONDE FOI BARRIGA VERDE ? – CENTRO NEURAL

Entrada única: 4 € Bono festival: 10 €


Ponte…na escena informacion@pontenasondas.org

0034 615029840

limiarteatro@gmail.com 0034 645444836


Ponte... na escena 2014