Page 1


respeitar... a paisagem natural; as crianças; o mar; os deficientes; os mais velhos; a autoridade; as praias; os professores; os sinais de trânsito; as opiniþes diferentes; os vizinhos; os espaços comuns...


CONSELHO MUNICIPAL DE CIDADANIA Câmara Municipal de Ponta Delgada Comando Regional da PSP/Açores


babysitting

c ri an รงa s

SOS


Coordenação . Superintendente-chefe Furtado Dias, Comandante Regional da PSP nos Açores Edição . Câmara Municipal de Ponta Delgada Grafismo e paginação . Magguy Lopes Fotografia . Álvaro Saraiva, Magguy Lopes e Claúdia Hipólito Textos . Maria das Mercês Pacheco Produção . XTEMPO - Arquitectura, Design e Publicidade, Lda. Impressão . Nova Gráfica, Lda. Depósito Legal . 252 900 / 07 2007


Í n d i c e Prefácio 11

Cidadania 13

O Cidadão Automobilista 15

Porquê um Guia de Cidadania? Conhecer bem o Guia de Cidadania O que é ser cidadão A importância da segurança O direito ao respeito As regras básicas Os direitos e deveres do automobilista Respeitar a liberdade de todos

17 Ser criança 19 Na rua A Segurança das Crianças 20 Na escola 21 Em casa 23 Babysitting Direitos e deveres

A Segurança dos Idosos 25 Na rua Em casa

O respeito pelo Direitos e deveres 27 Na vida do dia a dia Cidadão Deficiente 29 Choques eléctricos Conhecimentos Básicos de Primeiros Socorros 30

Intoxicações Galos e nódoas negras Cortes Queimaduras Febre Números de emergência


Í n d i c e

continuação

31 Apoio ao cidadão Problemas de saúde 32 Apoio a crianças e adolescentes 33 Apoio à mulher Apoio a idosos 34 Apoio a pessoas com dependência Outras linhas de apoio 35 Números urgentes da sua zona

Colaboração entre Cidadãos e a

O que é? E quem beneficia? Como pode melhorar? PSP 37 Melhor colaboração = mais liberdade e segurança E se tiver dúvidas sobre a actuaçao da PSP? 112: apenas para emergências

39 A quem e como o crime prejudica Prevenir o Crime e a

Colaborar na prevenção do crime A segurança dos lares e dos seus valores Violência 41 A segurança pessoal Como prevenir ou impedir certos crimes Como se proteger de fraudes Drogas: como se proteger do seu malefício

43 Pode a PSP abordar qualquer cidadão? Como agir

A Actuação da PSP Pode um agente da PSP abordar qualquer automobilista? junto dos Cidadãos 45 Como agir Pode a PSP dirigir-se a casa de qualquer cidadão? Como agir


Dicas para uma melhor vida em sociedade


P r e f á c i o

Porquê um Guia de Cidadania?

O Guia de Cidadania é um livro simples e directo que quer ajudar os cidadãos a viverem melhor em sociedade. Não se tratam de regras, mas sim de ideias úteis e conselhos amigos. Se todos colaborarem, a vida torna-se mais fácil e segura!

Conhecer bem o Guia de Cidadania

Hoje em dia, é cada vez mais complexo viver em sociedade: há muitas escolhas, muitas solicitações e as relações humanas pautam-se por outros valores. Conhecer bem o Guia de Cidadania é não só conhecer os seus direitos e deveres, mas também fazer o correcto uso desses mesmos direitos e deveres, vivendo em comunidade, com respeito por todos.

11


C i d a d a n i a

O que é ser cidadão? Um cidadão é um habitante de um país, independentemente de viver numa cidade, vila, aldeia ou freguesia. Ser cidadã ou cidadão é ser membro de pleno direito de uma comunidade, independentemente do tamanho ou localização desta, e em que todos se regem pelas mesmas normas e padrões, pois só assim podemos viver num estado de direito e democrático. É no equilíbrio entre direitos e deveres que nasce a nossa liberdade e o respeito pela dos outros.

A importância da segurança Para uma comunidade funcionar harmoniosamente, os cidadãos precisam de se sentir seguros. E a segurança funciona em círculo: para todos estarem seguros, cada pessoa tem de se sentir segura... e vice-versa! Portanto, para haver harmonia e segurança, é necessária a colaboração de todos - todos temos o dever de ser activos para que o outro tenha o direito de estar seguro e ser livre. Se todos pensarmos e agirmos assim, a segurança “movimenta-se” automaticamente, pois, ao darmos segurança, recebemos segurança. O direito ao respeito Num mundo com tantas diferenças, cada vez mais é necessário haver moderação e tolerância, pois todos têm direito ao respeito individual e colectivo: as crianças, os jovens, os adultos, os idosos; todos os homens e mulheres por igual; todas as culturas, nacionalidades, religiões e raças; todas as profissões e ocupações. Neste contexto, e para que o ser humano viva em perfeita sintonia com o ambiente, é cada vez mais urgente preservar e respeitar os elementos naturais que nos rodeiam - o nosso planeta! - para que o futuro nos sorria daqui a longos anos.

13


A solidariedade, a liberdade, o respeito e o civismo devem ser base de uma atitude de vida


O

C i d a d ã o

A u t o m o b i l i s t a

As regras básicas Apenas para relembrar: dar prioridade a quem se apresenta à direita; respeitar os sinais de trânsito, os semáforos e os limites de velocidade; fazer os piscas sempre que se muda de direcção; não estacionar em lugares reservados e em segunda fila; nao apitar à noite e ter um comportamento calmo e cívico. Mas a regra mais importante é lembrar um sábio ditado: não faças aos outros aquilo que não queres que te façam! Respeita os outros e serás respeitado. A solidariedade, a liberdade, o respeito e o civismo devem ser base de uma atitude de vida, em que os direitos e os deveres de cada um constróem a segurança final de todos.

Os direitos e deveres do automobilista Qualquer automobilista tem direitos e deveres, que estão interligados, pois os deveres de uns são os direitos de outros. Os automobilistas têm o dever de cumprir as regras exigidas a todos e têm o direito de exigir que os outros as cumpram. Como automobilista, o cidadão tem responsabilidades acrescidas perante a sua comunidade, pois basta um acto irreflectido ou maldoso para pôr em risco a vida humana. Respeitar a liberdade de todos Respeitar a liberdade de todos passa pelo respeito individual. Por exemplo, se houver um acidente, os automobilistas devem, primeiro que tudo, prestar assistência aos feridos; depois, devem dialogar com respeito e deslindar culpas calmamente. Por outro lado, os automobilistas só devem chamar a PSP quando a gravidade do acidente assim o determinar, de forma a que a PSP fique livre para socorrer aqueles que realmente precisam do seu apoio.

15


c ri an รงa s


A

S e g u r a n ç a

d a s

C r i a n ç a s

Ser criança

As crianças são a semente da futura sociedade. Por isso, os adultos têm o dever de lhes proporcionar os melhores valores num ambiente de crescimento favorável, para que se desenvolvam física, psíquica e moralmente em harmonia. Pais, professores, educadores e agentes policiais devem formar e informar as crianças, fomentando meios para que possam interiorizar e perceber uma série de Regras de Segurança fundamentais à sua integridade física e psicológica. A criança é observadora e necessita de respostas às suas questões; mesmo que estejam cansados de um dia de trabalho, os pais devem dar atenção às crianças, respondendo às suas perguntas com calma e sem ironias, pois as respostas que não encontrar em casa, a criança vai procurar noutro sítio. Há crianças, cujos pais de ambientes sócio económicos degradados não conseguem dar resposta às suas dúvidas, que a Polícia procura ajudar, através do diálogo e do carinho. Somente cooperando se pode esperar que as crianças de hoje sejam os adultos responsáveis de amanhã. Porque prevenir é proteger, a segurança das crianças começa em casa; prevenir e proteger passa pela noção que têm dos riscos a que estão sujeitas, pelos conselhos que lhes damos e pelo acompanhamento que fazemos. E como diminuir os riscos? Ensinando-lhes o que não devem fazer e o que sempre devem fazer.

17


O não da segurança: . afastarem-se de desconhecidos . não aceitarem boleias de estranhos . não brincarem em sítios públicos desertos . não brincarem lá fora depois de anoitecer . não brincarem longe de casa

O sempre da segurança: . avisarem sempre os pais ou professores se forem abordados por um estranho . contarem sempre aos pais os problemas que possam ter tido, pois serão ouvidos e compreendidos . não terem receio de fazer perguntas e falar com os pais sobre que assunto for . irem sempre directamente para a escola . irem sempre para casa sem se desviarem por atalhos . sempre que possível brincarem com amigos e não sozinhos . dizerem sempre aos pais para onde vão brincar

18


Na rua As crianças não devem andar sozinhas na rua, antes de demonstrarem alguma responsabilidade, capacidade de decisão e conhecimento da área em que transitam. Quando um adulto andar na rua com uma ou mais crianças, deve respeitar as passadeiras e os semáforos, dar a primazia do lado interior do passeio - para proteger dos automóveis - dar a mão e evitar obstáculos perigosos.

19


A

S e g u r a n ç a

d a s

C r i a n ç a s

ESC OLA Na escola

A segurança na escola envolve não só os cuidados a ter para evitar traumatismos físicos e psicológicos, como também evitar que as crianças saiam para a rua desacompanhadas ou sejam acompanhadas ou abordadas por estranhos, recebam ofertas de estranhos e sejam molestadas por adultos.

20


ATENÇÃO Em casa Devem evitar-se todas as situações que possam oferecer perigo imediato ou a longo prazo: janelas altas, escadas sem apoios, tomadas de electricidade, electrodomésticos ligados, etc. Mas também se deve ter em conta a segurança psicológica e não deixar uma criança pequena sozinha em casa, não lhe pedir para realizar tarefas demasiado complexas ou pesadas e, mesmo, ter cuidado com os programas de televisão que vê, pois podem não ser próprios para a sua idade jovem.

21


babysitting


A

S e g u r a n ç a

d a s

C r i a n ç a s

Babysitting

Uma babysitter é qualquer pessoa (amiga ou familiar) que tome conta de crianças, na casa destas ou em casa dos ou das babysitters, na ausência dos pais. Na escolha de babysitters, os pais devem ter em conta o seu perfil: honesto, responsável, carinhoso e paciente. As funções de um ou de uma babysitter incluem alimentar e vestir as crianças, assim como mantê-las seguras e felizes. Um ou uma babysitter deve conhecer bem o espaço onde as crianças estão, as regras e os horários, assim como ter os contactos dos pais e os números de emergência. Deve, também, ter alguns conhecimentos básicos de primeiros socorros.

23


a

s e g u r a n รง a

d o s

i d o s o s

ido sos


A

S e g u r a n ç a

d o s

I d o s o s

Direitos e deveres

Os idosos têm direitos e deveres como qualquer cidadão, de qualquer sexo, idade ou credo e, pela sua experiência de vida, pelos longos anos vividos, merecem todo o respeito e carinho da comunidade onde se inserem.

Na rua

É preciso ter em conta a segurança de um cidadão idoso na rua: por isso, deve-se ajudar a atravessar a rua quando necessário e dar a primazia do lado de dentro do passeio. Como automobilistas, devemos dar tempo aos idosos para se deslocarem e não apitar ou acelerar de forma a os assustar.

Em casa

Para além dos normais cuidados com a alimentação e a medicação que qualquer pessoa de mais idade deve ter, a segurança do cidadão idoso passa por ter atenção a escadas, pisos escorregadios ou obstáculos perigosos. Por outro lado, deve-se também facilitar o acesso ao telefone e aos números de socorro e de contacto dos familiares.

25


O

r e s p e i t o

p e l o

C i d a d ã o

p o r t a d o r

d e

d e f i c i ê n c i a

Direitos e deveres

Um cidadão portador de deficiência é um cidadão de pleno direito, com direitos e deveres como qualquer outra pessoa, independentemente do sexo, idade ou credo.

Na vida do dia a dia

Para além disso, a sua deficiência, seja motora, física ou mental, confere-lhe direitos acrescidos a nível da sociedade, como por exemplo: o direito ao acesso a locais públicos através de rampas ou elevadores; o direito a locais de estacionamento, que não devem ser utilizados por outras pessoas; nos cinemas, espaços para colocação de cadeiras de rodas; o acesso a todas as informações sociais e recreativas da sua comunidade. Para além disso, em casa, o bem estar do cidadão deficiente passa por ter atenção a escadas, pisos escorregadios ou obstáculos perigosos, facilitando o acesso ao telefone e aos números de socorro e de contacto dos familiares.

27


SOS


C o n h e c i m e n t o s

b á s i c o s

d e

p r i m e i r o s

s o c o r r o s

Choques eléctricos não tocar na pessoa ou no aparelho que causou o choque; desligar a electricidade geral ou apenas o aparelho, desligando-o da parede; ligar para a companhia de electricidade no caso de não conseguir desligar a electricidade geral; ligar para o 112.

Intoxicações ligar para o 808 250 143, explicar calmamente a situação e seguir as instruções; não tentar fazer a pessoa vomitar sem se ter a certeza se é esse o procedimento correcto.

Galos e nódoas negras colocar um pano frio ou um objecto gelado no local magoado; pedir ajuda imediata ao 112 se a pessoa bateu severamente com a cabeça e apresenta sintomas como inconsciência, dificuldade em respirar, vómitos, convulsões e dificuldade em ver ou mover-se; não mover a pessoa se apresentar suspeitas de se ter magoado severamente na cabeça, no pescoço ou nas costas.

Cortes se for um corte pequeno ou um arranhão, limpar a ferida e fazer pressão com um pano limpo ou um penso rápido; se for um corte mais profundo, pedir ajuda imediata, fazer pressão no local e elevar a ferida acima da altura do coração, apenas no caso de não haver ossos partidos.

29


C o n h e c i m e n t o s

b á s i c o s

d e

p r i m e i r o s

s o c o r r o s

Queimaduras para queimaduras menores, passar a queimadura por água fria e secar suavemente; para queimaduras mais graves, pedir ajuda e, entretanto, cobrir a queimadura com um pano limpo e seco.

Febre uma pessoa com febre mostra-se quente quando se toca e pode ter outros sintomas como o nariz molhado, diarreia ou dores no corpo; no caso de crianças, o melhor é ligar para os pais e pedir instruções.

N ú m e r o s

d e

e m e r g ê n c i a :

c o n h e ç a

q u e m

p o d e

a j u d a r

Existem várias entidades e organizações que podem e sabem ajudar no combate a diversos problemas.

Emergência SOS - 112 (24 horas) número nacional de pedidos de socorro, seja em casos de doença, assaltos, agressões ou acidentes.

Linha nacional de emergência social - 144 (24 horas)

Tribunal de Família e Menores de Ponta Delgada - 296 305 950

30


A p o i o

à s

c i d a d ã s

e

a o s

c i d a d ã o s

APAV - 214 688 368 - 296 285 399 - R. Luís Soares de Sousa, 21 - 1.º - 9500-217 Ponta Delgada a linha directa da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, dias úteis das 10 às 13 e das 14 às 17 horas e 30 minutos. AIA - Apoio aos Imigrantes nos Açores - 296 288 001 - R. do Mercado, 53-H-1.º Associação de consumidores da Região Açores funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h30m e das 14h às 17h30m. - São Miguel - 296 629 726 - R. S. João, 33-1.º A - 9500-107 Ponta Delgada - Terceira - 295 217 589 - Ladeira S. Francisco, 6 - 9700-181 Angra do Heroísmo SOS Solidão - 800 205 535 P r o b l e m a s

d e

s a ú d e

Hospital do Divino Espírito Santo - 296 203 000 (24 horas) Intoxicações - 808 250 143 (24 horas) número para auxílio em caso de qualquer tipo de intoxicação. Linha SIDA - 800 266 666 de chamada gratuita, esta linha está disponível da segunda a sábado, das 14h às 20h. SOS SIDA - 800 201 040 para informar, orientar e apoiar portadores, familiares e amigos de cidadãos portadores do vírus da Sida. Funciona todos os dias das 17h30 às 01h30m, incluíndo Sábados e Domingos. Abraço - 800 225 115 uma linha gratuita para apoio a pessoas com HIV Sida. Funciona nos dias úteis, das 10 às 19 horas.

31


A p o i o

a

c r i a n ç a s

e

a d o l e s c e n t e s

SOS criança Açores - 296 283 383 funciona de segunda a sexta, das 10h às 16h. SOS criança - 800 202 651 funciona de segunda a sexta, das 9h30 às 18h30. SOS adolescente - 800 202 484 Criança maltratada - 144 uma linha de apoio à família e à criança e que funciona de segunda a sexta, das 13h às 20h. Recados da criança - 800 206 656 um serviço de informação e reencaminhamento e que funciona de segunda a sexta, das 10h às 13h30m e das 15h às 17h30m. IAC/Instituto de Apoio à criança - São Miguel - 296 301 360 e Terceira - 295 628 356 Comissão de Protecção de Crianças e Jovens - 296 965 988 SOS Voz Amiga - 800 202 669 - 213 544 545 Centro Paroquial de Bem Estar Social de São José - 296 305 720 Centro de Bem Estar Social do Livramento - 296 385 184 Norte Crescente - Associação de Desenvolvimento Local de Sto. António - 296 918 821 Patronato de São Miguel - 296 305 640 Obra do Padre Américo - Casa dos Gaiatos - 296 298 321 Arcádia - Associação Juvenil - 296 282 833 Associação de Bem Estar Infantil de Sta. Clara - 296 282 090 Associação Juventude de Candelária - 296 295 006 Casa de Trabalho Jesus, Maria, José - 296 298 387 Centro de Bem Estar Social Lar da Mãe de Deus - 296 283 013

32


A p o i o

à

m u l h e r

SOS mulher - 808 200 175 fum serviço de informação, apoio e reencaminhamento a mulheres em situação problema, dias úteis das 11 às 18 horas. UMAR/União de Mulheres Alternativa e Resposta - Lisboa 218 867 096 - Almada 212 942 198 São Miguel 296 383 221 - Terceira 295 217 860 uma linha direccionada ao apoio à mulher. Centro de apoio à mulher - 296 628 540 o apoio à mulher feito a partir dos Açores. Comissão para a igualdade e para os direitos da mulher - 800 202 148 (24 horas) um serviço grátis de informação a vítimas de violência doméstica. - Associação Novo Dia - R. S. João, 3-1.º - 296 285 864/65 SOS Grávida - 213 862 020 ou 808 201 139 um serviço de informação e apoio que funciona em dias úteis das 10 às 18 horas. A p o i o

a

i d o s o s

Linha do cidadão idoso - 800 203 531 uma linha de informação e encaminhamento que funciona de segunda a sexta, das 9h30 às 17h30m. Santa Casa da Misericórdia de Ponta Delgada - 296 628 202 Lar Luís Soares de Sousa - 296 287 250 A p o i o

a

p e s s o a s

c o m

d e p e n d ê n c i a s

Famílias anónimas - 214 538 709 - 916 718 947 - 936 129 340 para apoio às famílias de toxicodependentes, dias úteis das 14h às 16h. Linha Vida - SOS Drogas - 1414 dias úteis das 10 às 24 horas. Alternativa/Associação Contra Dependências - R. Coronel Chaves, 42 - 296 652 788 Alcoólicos anónimos - 217 162 969 - 213 950 989 (Voice-mail) para quem tem problemas com o álcool e precisa de ajuda.

33


Sociedade anti-alcoólica Portuguesa - 213 571 483 dias úteis das 9h30m às 12h e das 14h às 18h. Associação Portuguesa de narcóticos anónimos - 800 202 013 - 219 477 970 um número de apoio e aconselhamento. CARA - Centro Alcoólicos Recuperados dos Açores - 296 283 790 Casa de Saúde de São Miguel - Clínica de São João de Deus - 296 201 600 O u t r a s

l i n h a s

d e

a p o i o

Linha SOS Imigrante - 800 257 257 ACAPO - R. de Santa Catarina, 53-A - 296 281 146 - 296 281 145 - 296 286 777 Associação de Surdos de São Miguel - R. Machado dos Santos, 67 - 2.º Andar - 296 281 006 Associação de Pais e Amigos de Crianças Deficientes do Arquipélago dos Açores - 296 301 410 Associação Portuguesa de Deficientes - 296 628 665 Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo - 296 288 290 Associação Seara de Trigo - 296 305 480 Aurora Social - 296 306 280 Associação Atlântica de Apoio a Doentes de Machado Joseph - 296 281 627 Associação de Doentes de Dor Crónica - 296 653 073 ILGA Portugal - 218 876 116 linha de apoio e informação sobre homossexualidade. Funciona às 6.as-feiras, das 21h às 24 horas. Espaço T - 222 088 298 linha da associação para apoio à integração social e comunitária, funciona dias úteis das 14h às 18h. SOS Voz amiga - 800 202 669 - 213 544 545 angústia, solidão e prevenção do suicídio. Funciona nos dias úteis, das 21h às 24 horas. Instituto de apoio ao Turista - 800 296 296 - 217 810 000 informações em diversas línguas aos povos que nos visitam. Amnistia Internacional - 213 861 652 - 213 861 664 - 213 861 782 Forum Justiça e Liberdade - 213 882 700

34


n ú m e r o s

u r g e n t e s

.

a p o n t e

o s

d a

s u a

l o c a l i d a d e

35


C

O

L

A

B

O

COM

A

PSP

R

E


C o l a b o r a ç ã o

e n t r e

c i d a d ã o s

e

a

P S P

O que é? É uma parceria entre os cidadãos e a PSP para prevenir o crime e resolver problemas, dando e pedindo informações, indicações e apoio, de uma forma objectiva e honesta.

E quem beneficia? Todos! Os cidadãos, porque podem beneficiar de uma relação de confiança e apoio; a PSP, porque fica mais conhecedora dos problemas da comunidade e pode actuar na altura certa e de uma forma correcta.

Como pode melhorar? A parceria entre os cidadãos e a PSP pode melhorar muito se os cidadãos relatarem os acontecimentos com objectividade, e contando sempre a verdade e nada mais que a verdade.

Melhor colaboração = mais liberdade e segurança Uma boa colaboração entre a PSP e os cidadãos traz mais qualidade de vida à comunidade, mais liberdade na vida quotidiana e mais segurança para todos!

E se tiver dúvidas sobre a actuação da PSP? Se alguém, como cidadão, tiver dúvidas sobre o comportamento, os conselhos ou as decisões da PSP, seja na rua, em casa ou numa esquadra, deve procurar um oficial de posto superior e relatar as suas dúvidas, com civismo e objectividade, procurando soluções.

112: apenas para emergências! São muitas as vezes em que o número 112 é usado para brincadeiras, partidas de mau gosto ou falsas emergências. O 112 é apenas para emergências, como acidentes, doenças súbitas, agressões, assaltos, situações de risco, etc.; utilizar o 112 para brincar é o mesmo que pôr em risco aquelas pessoas que realmente precisam de ajuda numa verdadeira emergência!

37


garantir a seguranรงa da sua casa...


P r e v e n i r

o

c r i m e

e

a

v i o l ê n c i a

A quem e como o crime prejudica O crime prejudica os cidadãos como indivíduos, as suas famílias, a sua comunidade e a sociedade em geral. O crime é um grave problema que afecta o equilíbrio físico, emocional e financeiro dos cidadãos, causando desconfiança e mal estar na comunidade.

Colaborar na prevenção do crime Cada cidadão pode fazer a diferença entre o bem e o mal, colaborando na prevenção de qualquer crime. Todo o cidadão deve ter voz activa de forma a ajudar na prevenção do crime. Em primeiro lugar, há um conjunto de medidas que qualquer pessoa pode pôr em prática para evitar - atrair - o crime: garantir a segurança da sua casa; codificar os objectos valiosos e mesmo fotografá-los, como o carro, que deve estar sempre devidamente fechado e sem objectos atraentes à vista; evitar andar à noite por sítios ermos, mal iluminados e com fraco movimento. Se ensinarmos aos nossos filhos a diferença entre o bem e o mal, assim como as consequências das nossas opções - praticar o bem é ter uma vida saudável e harmoniosa, praticar o mal é perder a liberdade e a dignidade - podemos libertar a sociedade de certos flagelos. Por outro lado, há crimes de que se fala menos, como a violência doméstica ou os maus tratos a menores, mas que são crimes públicos e muito graves. Devemos ser solidários e não consentir, não calar, ajudando quem sofre de espancamentos, agressões físicas e verbais ou de constante medo.

A segurança dos lares e dos seus valores Para prevenir roubos, existem algumas medidas de segurança fáceis de implementar: instale portas sólidas com boas fechaduras; evite que portas de correr sejam fáceis de abrir, através de fechaduras internas; instale grades nas janelas mais baixas e fechos nas mais altas; grave o seu nome nos televisores, vídeos, etc.; tenha um cofre em casa, bem escondido e seguro, para guardar pequenos objectos de valor; tenha o jardim bem iluminado; se for viajar, informe um vizinho de confiança; se necessário, instale alarmes.

39


S

E

G

U

R

A

N

Ç

A

P

E

S

S

O

A

L


P r e v e n i r

o

c r i m e

e

a

v i o l ê n c i a

A segurança pessoal Esteja alerta! Por exemplo, ao voltar para casa, tenha as chaves ou os comandos à mão; não dê informações sobre a sua vida ou dos outros a estranhos; se for importunado ao telefone, desligue ou comunique à companhia; não abra a porta a estranhos e, para maior segurança, fale pelo intercomunicador e instale um monóculo/ralo; na rua, desvie-se de estranhos ou situações suspeitas, evite áreas desertas e mal iluminadas; e a conduzir, tranque as portas do carro à noite e nunca dê boleias a estranhos.

Como prevenir ou impedir certos crimes Cabe a todos prevenir o crime: aos cidadãos, através da colaboração com a lei, e à PSP, através de técnicas preventivas e esclarecedoras. Através da prevenção os cidadãos podem sentir-se mais seguros.

Como se proteger de fraudes Apesar de existirem boas ofertas que chegam até si através do correio, do telefone ou de vendedores porta a porta, saiba distinguir as verdadeiras das fraudulentas. Evite ficar com pacotes que não encomendou; procure saber mais sobre grandes oportunidades de negócios, de compra de propriedades, seguros, etc.; ignore cartas ou mensagens em cadeia; não faça chamadas para números de valor acrescentado, mesmo que lhe prometam bónus; nunca dê o seu número de conta ou de cartão de crédito a desconhecidos; e no caso de vendas porta a porta, peça identificação e verifique bem os objectos a comprar.

Drogas: como se proteger do seu malefício Proteja-se, à sua família e à sua comunidade, dos malefícios da droga. O uso das drogas está ligado aos roubos, à violência e aos homicídios. Comece por dar o exemplo e não use drogas, mesmo das mais ligeiras. Ensine aos seus filhos os perigos das drogas e como resistir às ofertas dos colegas; estimule os seus filhos a praticar desporto. Participe no combate à droga no seu bairro, no seu local de trabalho, no seu círculo de amigos, nas escolas dos seus filhos. Apoie os grupos de combate à droga e de suporte aos toxicodependentes.

41


A c t u a ç ã o

d a

P S P

j u n t o

d o s

c i d a d ã o s

Pode a PSP abordar qualquer cidadão? Qualquer cidadão pode ser abordado por agentes da PSP: faz parte do seu trabalho diário. As razões podem variar: violação das regras de trânsito; comportamento suspeito; investigações criminais; oferta de ajuda. Mas, atenção, a PSP tem de respeitar os direitos dos cidadãos, por isso ninguém é obrigado a responder - a não ser perguntas sobre a sua identificação - ninguém pode ser preso sem causa provável e ninguém pode ser revistado de forma a que viole a sua intimidade.

Como agir No caso de um agente da PSP se dirigir a si, mantenha a calma, responda com objectividade e apresente a sua identificação, se assim for pedido. Não tome uma atitude defensiva, pois só irá causar complicações!

Pode um agente da PSP abordar qualquer automobilista? Quando está a conduzir, o agente da PSP pode mandar parar o seu automóvel. E as razões podem ser: excesso de velocidade; violação das regras de trânsito; condução perigosa; equipamento em falta; ou porque a descrição do seu veículo corresponde à de um procurado por furto ou usado num crime.

43


A c t u a ç ã o

d a

P S P

j u n t o

d o s

c i d a d ã o s

Como agir Encoste assim que for seguro, acenda a luz interior se estiver de noite, baixe o vidro da janela, espere dentro do carro... e mantenha a calma. O agente pode pedir os seus documentos e os do veículo, pode passar-lhe uma multa (e se achar que é injusta, pode expor o seu caso às instâncias apropriadas) ou pedir para revistar o seu carro. Você pode recusar, no entanto, como na vida existem excepções à regra, esta pode ser uma delas e o agente ter direito a fazer busca no seu veículo se se verificarem sérios indícios de que oculta, no carro, elementos probatórios que possam estar relacionados com um crime.

Pode a PSP dirigir-se a casa de qualquer cidadão? Sim, se houver queixas (de barulho, por exemplo), se alguém ligou para o 112, se houver algum envolvimento de um membro da casa numa investigação criminal ou se houver problemas na vizinhança.

Como agir Mantenha a calma e colabore com as forças da lei. Na maior parte dos casos, é necessário um mandato para entrar em sua casa, mas poderão entrar livremente se Você deixar, se alguém estiver em perigo, se houver provas em perigo ou em risco de serem retiradas, ou se houver actividade criminal visível. Se tiver dúvidas, faça valer os seus direitos.

45


respeitar é: acatar; fazer justiça a; reverenciar; honrar; venerar; ter em consideração; poupar; observar; suportar; pertencer a; dar-se ao respeito.


Guia de cidadania de Ponta Delgada  

Dicas para uma melhor vida em sociedade

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you