Issuu on Google+

U N I VER SI DAD E

FUMEC/ FEA

MESTRADO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Coordenador Eduardo Chahud

Disciplina Obrigatória

Tecnologia e Durabilidade Dra.Edna Alves Oliveira

Aluna: Polyanna Lima Veras Arquiteta e Urbanista

Período: 2009


2

VI TMCC- FUMEC- Belo Horizonte,MG.Brasil,2009 “Sistemas Construtivos Inovadores para a Construção Civil” Polyanna Lima Veras (FUMEC) polyannalimaveras@yahoo.com.br

1 Introdução As novas normas de desempenho têm como objetivo atender as exigências dos usuários para edifícios habitacionais de até cinco pavimentos, quanto ao comportamento da edificação em uso independente dos materiais e do sistema construtivo utilizados. O método de avaliação é a maneira mais adequada para obter um bom desempenho qualitativo e quantitativo esperado. Essa norma incentiva e acelera o processo de renovação tecnológica e coloca em prática vários estudos e pesquisas realizadas na tentativa de encontrar soluções adequadas para atender as exigências do usuário e evitar as patologias mais comuns. As normas de desempenho traduzem as exigências dos usuários para atender os quesitos durabilidade do sistema, manutenção da edificação, conforto tátil e antropodinâmico dos usuários. Na parte I da norma, refere às exigências dos usuários e aos requisitos gerais comuns dos diferentes sistemas e estabelece as diversas interações e interferências entre estes. Assim, o processo para renovação tecnológica se encontra cada vez mais acelerado pelas empresas construtoras, que buscam as inovações, melhoria qualitativa e também produção que impõe novos desafios aos métodos convencionais. Métodos que contabilizam tudo, materiais de alto desempenho, baixo custo de implantação, manutenção e rapidez de execução.


3

Avaliação de desempenho Para avaliar o desempenho, analisa se a utilização de um sistema ou processo construtivo destinado a cumprir uma determinada função independente da solução técnica adotada. E para isto, realiza se uma investigação sistemática totalmente baseada em métodos consistentes que são capazes de interpretar com objetividade e com base científica cada aspecto funcional e do comportamento esperado do sistema. A avaliação técnica ou avaliação de desempenho de novos materiais, componentes e sistemas construtivos para habitações hoje é assunto sério no Brasil. Grupos de especialistas do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo), SINAT (Sistema Nacional de Avaliações Técnicas), DATec (Documentos de Avaliação Técnica) apoiados pelo BNH (Banco Nacional da Habitação), hoje extinto e parcialmente incorporado à Caixa Econômica Federal, trabalham as normas e diretrizes

para

o

desempenho

desenvolvimento, implantação

da

e

construções

aplicação,

habitacionais

para

o

das normas de desempenho

sistematizando a avaliação técnica de novos produtos, e sistemas construtivos de âmbito e validade nacional. Estas normas são concebidas de forma clara, objetiva, regras e bem definidas entre o setor produtivo e o setor público promotor da habitação e devem atender a critérios básicos de qualificação para garantir o controle de qualidade do produto final.

A sistemática de avaliação de desempenho tem gerado algumas barreiras e entraves

ao

desenvolvimento

tecnológico

das

construções

habitacionais,

principalmente no setor produtivo, que encontra dificuldades em avaliar o mesmo produto mais de uma vez, de formas diferentes. No setor público, as dúvidas estão relacionadas à escolha de metodologia mais adequada, o que dificulta o trabalho de análise e financiamento de novos produtos. A adoção de um sistema de avaliação técnica de novos produtos destinados a edifícios habitacionais de âmbito nacional são

justificáveis

principalmente

para

se

evitar

fracassos

do

passado,

o

comprometimento da imagem da construção habitacional industrializada e o desperdício de recursos financeiros, principalmente públicos.

Os novos sistemas construtivos inovadores (não necessariamente as "novidades" lançadas no mercado brasileiro), são para os produtos que não há uma normalização prescritiva brasileira, que especifique em detalhes dimensões,


4 características físicas e químicas elaboradas a partir da utilização

do produto. A

normalização de desempenho elaborado pelo CB 02 (Comitê Brasileiro da Construção Civil) e da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), não é exclusivamente para soluções inovadoras, mas na aplicação de qualquer sistema ou processo construtivo, mesmo o convencional pela dificuldade de caracterizar o que é convencional. Este sistema construtivo deve ter como base o desempenho, atender a requisitos e critérios de desempenho para poder

satisfazer exigências

dos usuários.

Minha casa minha vida Projeto padrão – casa popular Especificação do empreendimento Casas térreas ou prédios de acordo com as características, especificações e custos pré definidos. Com limites de até 500 unidades por módulo, ou condomínios segmentados em 250 unidades. Não incidem custos de comercialização e incorporação. Especificação padronizada • Tipologia 1 – casa térrea – 35 m2. • Tipologia 2 – apartamento – 42 m2. Especificação da tipologia 1 (casa térrea com 35 m2) • Compartimentos: sala, cozinha, banheiro, 2 dormitórios, área externa com tanque. • Área da unidade: 35 m2. • Área interna: 32 m2. • Piso: cerâmico na cozinha e banheiro, cimentado no restante. • Revestimento de alvenarias: azulejo 1,50m nas paredes hidráulicas e box. Reboco interno e externo com pintura PVA no restante. • Forro: laje de concreto ou forro de madeira ou pvc. • Cobertura: telha cerâmica. • Esquadrias: janelas de ferro ou alumínio e portas de madeira. • Dimensões dos compartimentos: compatível com mobiliário mínimo. • Pé-direito: 2,20m na cozinha e banheiro, 2,50m no restante.


5 • Instalações hidráulicas: número de pontos definido, medição independente. • Instalações elétricas: número de pontos definido, especificação mínima de materiais. • Aquecimento solar/térmico: instalação de kit completo. • Passeio: 0,50m no perímetro da construção.

Exemplo da tipologia 1 – Apartamento

Especificação da tipologia 2 (apartamento com 42 m2) • Compartimentos: sala, cozinha, área de serviço, banheiro, 2 dormitórios. • Prédio: 4 pavimentos, 16 apartamentos por bloco – opção: até 5 pavimentos e 20 apartamentos. • Área da unidade: 42m2. • Área interna: 37 m². • Piso: cerâmico na cozinha e banheiro, cimentado no restante. • Revestimento de alvenarias: azulejo 1,50m nas paredes hidráulicas e box. Reboco interno e externo com pintura PVA no restante. • Forro: laje de concreto. • Cobertura: telha fibrocimento. • Esquadrias: janelas de ferro ou alumínio e portas de madeira. • Dimensões dos compartimentos: compatível com mobiliário mínimo.


6 • Pé-direito: 2,20m na cozinha e banheiro, 2,40m no restante. • Instalações hidráulicas: número de pontos definido, medição independente. • Instalações elétricas: número de pontos definido, especificação mínima de materiais. • Aquecimento solar/térmico: instalação de kit completo. • Passeio: 0,50m no perímetro da construção.

Exemplo da tipologia 2 – Apartamento

Novos sistemas construtivos Como já foi dito anteriormente produtos, processos e sistemas construtivos inovadores não são necessariamente as novidades lançadas no mercado brasileiro, por este fato vários sistemas construtivos estão se adaptando às novas exigências mostrando suas vantagens na escolha do sistema construtivo a ser utilizado para construção de habitação de interesse social. Alguns dos sistemas já conhecidos são utilizados com freqüência em outros países e com uma resposta muito positiva o que não significa ser completamente apropriada para a utilização de casas populares no Brasil. O Steel Frame é um destes sistemas construtivos que destaca a facilidade e rapidez na construção, quatro vezes menor que alvenaria convencional, reduz o desperdício de material, bom isolamento termo-acústico, ausência de mofo, bolor e fungos, economia de energia. Mas este sistema requer uma mão de obra qualificada que é um dos grandes problemas encontrados.


7

Fig 01 rutura montada steel frama

Fig. 02 licação dos fechamentos placas de gesso acartonado

O Wood Frame é um sistema muito utilizado na América do Norte, são casas de estrutura leve de madeira a grande vantagem está na rapidez e na sustentabilidade deste sistema construtivo. Outra grande vantagem que torna o sistema competitivo é a maior estabilidade do preço da matéria-prima diferente do Steel Frame onde o preço do aço está sempre flutuando em função da valorização e desvalorização das commodities. O sistema construtivo é concebido em ambiente industrial que reduz significativamente desperdícios, que ocorre em sistemas de construção tradicionais. O índice de perdas no wood frame é inferior a 10%, valor que pode ser menor conforme a experiência adquirida. Este sistema também requer mão de obra especializada.

Fig.03 Nos EUA, sistema é utilizado para construção de prédios de até cinco pavimentos

Painéis de concreto moldado com fôrma tipo banche

É um sistema construtivo que

molda as paredes de concreto armado utilizando fôrmas metálicas e as lajes com fôrmas


8 de madeira. A vantagem da utilização da formas tipo banche está relacionada com a possibilidade do controle geométrico das peças prontas para receberem acabamento sem falar nos painéis com medidas padronizadas, de fácil montagem e com alto índice de reutilização É uma construção rápida para a construção por volta de vinte e sete dias para um edifício de treze pavimentos-tipo, considerando quatro apartamentos por pavimento. A julgar pelas características próprias da solução - painéis com medidas padronizadas, de fácil montagem e com alto índice de reutilização. Este sistema também requer mão de obra especializada.

Fig.04 Execução em um pavimento tipo

Fig. 05 Fôrmas de aço

Painéis de concreto moldado com fôrmas plásticas Sistema construtivo constituído de painéis pré-fabricados de concreto armado com plenum interno, com função estrutural. O sistema é industrializado e pode ser aplicado a diversos projetos arquitetônicos. A fábrica produz no mínimo, uma unidade residencial por dia. Após o término das fundações, o tempo necessário para a conclusão da obra é de aproximadamente três dias para uma casa de 42 m2. Este sistema também requer mão de obra especializada.

Fig.06 Sistema de fôrmas plásticas

Fig.07 Conjunto completo pronto para receber concreto

Painéis estruturais pré-moldados de concreto armado O sistema construtivo InMax é formado por painéis pré-moldados estruturais de concreto armado, produzidos no


9 próprio canteiro de obras, constituem paredes estruturais internas e externas dos edifícios.

Fig. 08 Sistema construtivo pré-fabricado com miolo "plenun"

Fig 09. Vista parcial da fachada

Paredes estruturais com painéis de EPS - Poliestireno Expandido Plástico celular rígido é um material

isolante, leve, resistente, fácil

manuseio e baixo custo. Os

sistemas construtivos em EPS é atualmente o que há de mais avançado na construção civil na Europa, Estados Unidos e Canadá, com aplicação alcança índices de crescimento acima do normal para economias estáveis como os países do primeiro mundo. Sistemas monolíticos, considerado uma solução para a construção civil moderna, não agride o meio ambiente, reduz custo, racionaliza energia alem de proporcionar um excelente conforto térmico acústico dos usuários. A edificação fica muito mais leve (98% do seu volume é constituído de ar), tem alta resistência à compressão, à vibração mecânica e baixa absorção de umidade. Mas o grande atrativo está na queda dos custos para edificação de uma laje, seja ela de cobertura ou piso.

Fig.10 Sistema construtivo EPS paredes monoliticas

Fig.11 Vista da fachada

Casas de PVC É um sistema construtivo utilizado em vários países como o Canadá. Este sistema pode proporcionar uma redução de 30% de desperdício, é uma construção rápida, as paredes são compostas com colunas ocas de PVC auto-encaixáveis, e preenchidas com concreto leve. O telhado e o piso não são de PVC. O valor médio do


10 metro quadrado da casa de PVC natural (sem pintura) é de R$ 350,00 e texturizado, o preço do metro quadrado sobe para R$ 431,00, enquanto na construção padrão (alvenaria) é cerca de R$ 400,00. Este sistema também requer mão de obra especializada.

Fig.12 Sistema construtivo EPS paredes monoliticas

Fig.13 Casa Pré fabricada em PVC

2 Sistema construtivo mais adequado para habitação de interesse social Justificativa

Além destes sistemas relacionados acima, o sistema composto por paredes estruturais com painéis monolíticos de EPS - Poliestireno Expandido se destaca pela semelhança na execução do sistema convencional mais utilizado no Brasil, o concreto armado. O painel é muito leve entre 2,5 e 4 kg/m² para paredes simples auto-portantes. O sistema monolítico em EPS representa um dos maiores avanços tecnológicos para a construção civil em todos os pontos, ambientais, técnicos, qualitativo e principalmente econômico. Este sistema é seguro, excelente isolante térmico e de rápida execução que atende as normas de desempenho estrutural, conforto térmico e de impermeabilização. O painel de EPS consiste entre duas malhas de arame de aço eletros soldadas com espessura mínima de 55 mm podendo chegar a 110 mm após o revestimento, este processo permite a construção de casas sofisticadas a casas mais simples como casas, sobrados, prédios, escolas, hotéis, etc. Uma característica vantajosa é estabilidade da edificação suporta abalos sísmicos. A carga é distribuída na fundação baixa o custo da obra. O peso do painel industrializado, depois de montado no canteiro de obras com argamassa dos dois lados, fica entre 110 kg/m² e 120 kg/m².


11 Compatibilidade com outros materiais O EPS é compatível com a maioria dos materiais atualmente utilizados na construção civil, mas como todos os tipos de sistema, o EPS requer cuidados, pois é sensível a alguns materiais que contenham solventes. Nestes casos deve ser evitado o contato ou exposição a vapores destes materiais. A estrutura celular é danificada pelos solventes e acelera com temperaturas elevadas. No quadro abaixo mostra a relação de solventes:

Água, água do mar, soluções de sais + Materiais de construção correntes (cal, cimento, + gesso) Soluções alcalinas + Soluções ácidas fracas + Ácido clorídrico 35% + Ácido nítrico 50% + Ácido sulfúrico 95% Sais, adubos + Betumes, produtos betuminosos diluídos com + água Produtos betuminosos com solventes Produtos asfálticos Gasóleo, gasolina, fuel Álcool +/Solventes orgânicos Hidratos de carbono alifáticos

-

Um ponto importante é em relação ao fogo, o EPS é um material combustível, mas existe um EPS denominado "auto-extinguível" ou "retardante a chama" , (EPS tipo F), que não é inflamável. O EPS tipo F contém um inibidor de combustão que em contato com chama dificulta a ignição. O que deve ser levado em conta para avaliação do EPS em caso de incêndio é todo o conjunto dos materiais da construção que irá trabalhar em conjunto. Para maior segurança, o revestimento da edificação deverá ser revestido com materiais não combustíveis e caso o material do revestimento não for incombustível, o EPS deverá ser do tipo F, eliminando qualquer risco complementar de incêndio. A


12 grande preocupação é sobre as toxinas que os gases geram pela combustão que é monóxido de carbono em relação ao meio ambiente. Quanto ao limite de exposição a temperaturas elevadas varia em função do tempo de exposição e das cargas que o produto for sujeito. A temperatura máxima a estrutura celular do EPS começa a fundir e permite a saída do ar, conseqüentemente causa a perda de espessura e das propriedades isolantes. A temperatura máxima pode ultrapassar os 100° C em exposição curta, e baixar para 80-85° com exposição prolongada com a aplicação de cargas elevadas.quanto a baixas temperaturas é sem limite

Aplicação do EPS EPS pode ser aplicado por diversas formas, 

Regularização e enchimento de sacadas, lajes e áreas a impermeabilizar;

Painéis de fechamento lateral: prédios, residências e galpões pré-fabricados;

Elementos Pré-Fabricados: lajotas, blocos vazados, calçadas;

Muros, elementos decorativos: elementos vazados, fachadas e jardins;

Elementos como bancos para ambientes externos

Áreas de Lazer

Comportamento biológico

O EPS tem as seguintes características: 

Que não apodrece,


13 

Nem ganha bolor, só em caso de acumulo de sujeira sobre a placa,

Não é solúvel em água

Não libera substâncias tóxicas para o ambiente.

É reciclável

Não constitui substrato ou alimento para o desenvolvimento de animais ou microrganismos.

Pode ser atacado por roedores ou outros animais, para prevenir, é necessário aplicar revestimentos para impedir o acesso desses animais.

Características técnicas do EPS O sistema tem avaliações apresentado neste trabalho foram realizadas no Laboratório de Materiais de Construção Civil da Universidade Federal de Santa Maria e no IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo), a pedido da empresa HiTech Materiais de Construção Ltda .

Resistência da argamassa Foi realizado um ensaio-33112 de resistência mecânica da argamassa na Universidade Federal de Santa Maria em maio de 2006 na tabela abaixo o resultado.


14

Resistência à compressão da parede Para o teste de verificação à compressão de uma parede foram utilizados os seguintes componentes:  Argamassa de 8 MPa ou de 15 MPa, e 3 cm de espessura em cada face,  Altura do painel variando de 2,10 m a 2,50 m,  EPS de 8 cm de espessura,  Tela de aço com malha de 5 cm x 5 cm, fio de 2,7 mm, em cada face, e  Treliças metálicas a cada 15 cm para painéis estruturais, fio de 3,4 mm, A carga de ruptura média à compressão axial da parede varia de 16 a 27 tf/m. Desempenho térmico O ensaio para verificação das características térmicas 32906, mostrou resultados favoráveis. O ensaio foi realizado com os seguintes componentes:  parede de 14 cm de espessura, com  miolo de 8 cm de EPS e  duas camadas de argamassa de 3 cm, cada uma


15 Isolação sonora De acordo com o relatório de ensaio 32911,verificou se que para mesma parede acima citada, a isolação sonora é de Rw = 37,0 dB

Impacto de corpo duro e corpo duro Na tabela abaixo mostra os resultados dos testes de impacto corpo duro conforme o relatório de ensaio 33110 realizado pela UFSM em maio de 2006, e resultados relacionados ao Impacto de corpo mole conforme o relatório de ensaio 835.642 realizado pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo) em abril de 1996.

Ponto A

+

Ponto B

+

Face do impacto Ponto do impacto Fig.14 Esquema dos pontos de impacto referente tabela abaixo.


16


17 Permeabilidade à água O resultado do ensaio 33113 feito a permeabilidade in situ, com caixa de água acoplada ao painel, o resultado é apresentado foi o seguinte:

Durabilidade

O relatório 33115

traz informações fundamentalmente quanto à

proteção das armaduras. Considerando ambientes de baixa agressividade, a proteção contra corrosão é suficiente nas seguintes condições:  tela de aço galvanizado e o  cobrimento de 2 cm por uma argamassa de elevado consumo de cimento, da ordem de 400 kg/m³, Resistência ao fogo De acordo com o relatório de ensaio 836187 do IPT, de 1996, têmse os seguintes resultados:  Resistência mecânica: perda da capacidade portante aos 50 minutos.  Estanqueidade: aos 25 minutos apresentou desenvolvimento de fumaça e aos 50 minutos chamejamento junto à lateral.  Isolamento térmico: aos 41 minutos foi ultrapassado o limite de elevação da temperatura na face exposta ao fogo.  Resistência ao fogo: 40 minutos. Durabilidade Não é conhecido o limite de idade do EPS, mas a aplicação correta garante um desempenho esperado. Alguns cuidados devem ser tomados para a garantia do desempenho como já foi exposto anteriormente. As principais delas estão relacionadas à radiação solar direta, e outros tipos de radiações ricas em energia que podem comprometer a composição do EPS como os solventes e os vapores destes.


18 Como em todos os sistemas as radiações e as intempéries aceleram o processo deterioração. Propriedade mecânica As propriedades mecânicas do EPS estão relacionadas com as seguintes condições:  Condições de manuseio,  Aplicação,  Resistência à compressão,  Resistência à flexão,  Resistência à tração e  Fluência sob compressão. Abaixo os gráficos mostram o aumento dos valores de maneira linear com densidade. Obs.: para melhor compreensão dos gráficos: 1MPa = 1.000KPa = 101.971,6Kg/m²

O comportamento da compressão do EPS trabalha de maneira elástica até a deformação atingir 2% da espessura da placa. Nesta situação, retirada a força que provocava a deformação, a placa recupera a espessura original como mostra o gráfico abaixo:


19 Aumentando a força de compressão, supera-se o limite de elasticidade e verifica-se uma deformação permanente de parte das células que, no entanto, não se rompem. Em aplicações de deformação permanente do EPS, deve-se escolher a densidade para que se obtenham valores de compressão inferiores a 1% , a longo prazo.

A absorção de água O EPS não é higroscópico, ou seja, não absorve a umidade do ar e quando molhado seca facilmente, sem perder suas propriedades. Abaixo o gráfico mostra a relação de umidade x tempo


20

Concreto leve Concreto leve é o nome dado à mistura do cimento, areia, água e flocos ou pérolas de EPS. Denominado assim, pois, não é utilizado para atender as obrigações estruturais de projeto, apenas no preenchimento de vazio e que não exija grandes esforços. Tem a vantagem termo-acústica, além da baixa densidade, variando de 400 e 1.600kg/m³.

Aplicação do EPS EPS pode ser aplicado por diversas formas 

Regularização e enchimento de sacadas, lajes e áreas a impermeabilizar;

Painéis de fechamento lateral: prédios, residências e galpões pré-fabricados;

Elementos Pré-Fabricados: lajotas, blocos vazados, calçadas;

Muros, elementos decorativos: elementos vazados, fachadas e jardins;

Elementos como bancos para ambientes externos

Áreas de Lazer

Processo de preparação e mistura do EPS como concreto leve. O que se deve levar em conta para o preparo do EPS O concreto leve com EPS é feita com o uso de betoneira em movimento é importante um aglomerante solúvel a base de


21 água pode ser cola branca, cimento, água e areia. A composição é diferente para cada finalidade. Obs.: 1 saco de flocos da Tecnocell = 250 litros = 0,25 m³

Fig.15 A mistura do Concreto Leve

Fig. 16 Concreto leve já pronto

Fig.17 Nivelando a base

Controle de qualidade As dimensões solicitadas e a densidade especificada, para cada lote de fornecimento pode ser verificada, o controle da qualidade para os painéis industrializados é visual é feito segundo as normas e de acordo com o projeto. O controle da qualidade para argamassa requer um valor máximo de 11 MPa para a argamassa, e para a resistência à compressão de 8 MPa. A figura abaixo mostra a planta, o corte e um detalhe.


22

Fig.18 Planta, corte e detalhe

Impacto ao meio ambiente O EPS é um material sintético derivado do petróleo como o vidro, a cerâmica e os metais, como isolamento térmico tem um impacto positivo. Quimicamente, consiste do carbono e o hidrogênio, não é tóxico não apresenta riscos para o ambiente e camada de ozônio (está isento de CFCs). O gás contido nas células é o ar. Por ser um material bastante leve consome pouca energia e gera pouquíssimos resíduos sólidos ou líquidos.

O EPS é 100% reciclável nas seguintes formas: 

Mecânica - pode ser transformado em matéria prima para a fabricação de novos produtos.

Energética - para recuperação e geração de energia, devido ao alto poder calorífico.

Química - para obtenção de óleo e gases.

Classificação do resíduo: conforme a Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente) 307 de 05 de julho de 2002, os resíduos podem ser considerados de classe A (argamassa) e de classe B (metais e EPS). Destinação do resíduo:  Classe A - destinados a aterros de resíduos da construção civil, ou são reciclados como agregados,  Classe B - devem ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário para futuro uso ou reciclagem. Tempo de obra


23 Para produzir cinco unidades de 35 m2 de área construída é necessário uma produção de aproximadamente 400 m2 a 500 m² de painéis estruturais EPS, telas e treliças, e que pode ser feito em um dia, em galpão de 200 m2 de área construída. Para a execução é necessária uma equipe com:  Um mestre de obras,  Dois pedreiros e  Três ajudantes Para habitações de interesse social, é necessário o período de uma semana, esse prazo é para a montagem estrutural e acabamentos.

Conclusão Toda tentativa para conseguir uma solução que melhore a qualidade da construção civil, principalmente para habitações de interesse social é muito válido. Pesquisas e estudos desenvolvidos tem sido de grande valia para esta evolução na construção civil. Hoje no mercado existem muitas empresas investindo em novas tecnologias que busca novos sistemas construtivos para atender a todos os quesitos da norma de desempenho ABNT NBR 15575. E em todos os sistemas existem grandes vantagens que também apresentam grandes desvantagens. O que deve ser levado em consideração para a escolha de um novo sistema, é o tipo de sistema construtivo é mais adaptável à cultura brasileira. No Brasil existem muitos trabalhadores na construção civil e que desconhecem outros tipos de sistemas que não seja o concreto armado. E mesmo assim muito deles nunca tiveram algum tipo de treinamento o que agrava mais as patologias no geral. Para que haja uma melhora significativa neste contexto, o ideal seria um treinamento. E para conhecer novos sistemas construtivos, começar com um sistema bem próximo ao utilizada no Brasil, o concreto armado. O sistema construtivo com EPS apresentados neste trabalho, aparentemente é o mais próximo da realidade Brasileira. Consegue atender as exigências das normas, parece ser bastante viável, econômico, resistente, de rápida execução, leve, ecologicamente correto e reciclável. É


24 um sistema construtivo já utilizado na Europa, Estados Unidos e Canadá, com índices de aplicação de crescimento acima do normal inclusive para economias estáveis como os países do primeiro mundo.

Referências Bibliográficas www.casadeisopor.com.br e e-mail: casaeps@attglobal.net - acessado em novembro de 2009 Metroform System Tecnologia em Formas Plásticas www.metroform.com.br - acessado em novembro de 2009 Brasitherm Engenharia Ltda. www.brasitherm.com.br - acessado em novembro de 2009 InMax Tecnologia de Construção Ltda.www.inmax.com.br - acessado em novembro de 2009 Construtora Sequência Ltda.www.construtorasequencia.com.br - acessado em novembro de 2009 Tecnocell Industrial Ltda. www.tecnocell.com.br - acessado em novembro de 2009


25


26

U N I VER SI DAD E

FUMEC/ FEA


Sistema construtivo EPS