Revista PoloUm Nº03

Page 1

Ano II - Nº 03 Revista do Núcleo de Tecnologias para Educação da Universidade Estadual do Maranhão A magazine from the Department of Techonologies for Education of Universidade Estadual do Maranhão

Maranhão implanta único

curso a distância de Meteorologia do Brasil Maranhão implements the only Meteorology distance course in Brazil

e mais: And more:

• O NOVO PAPEL DAS BIBLIOTECAS NA ERA DIGITAL The new role of libraries in the digital age

• APRENDENDO NA PRÁTICA Learning in practice


Editorial

N

o momento em que lançamos a segunda edição da nossa Revista PoloUm somos tomados por uma dupla alegria. A primeira delas relativa à inauguração da nova sede do Núcleo de Tecnologias para

Educação, o nosso UemaNet. E a segunda, por co-realizarmos no ano do quarto centenário da cidade de São Luís, o 18o Congresso Internacional da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed). O pioneirismo da Uema com a oferta de cursos a distância no Maranhão, aliado ao seu constante esforço por inovação nesse segmento estão materializados hoje nesse novo espaço para desenvolvimento de instrumentos para mediação da aprendizagem em ações educacionais que venham a prescindir de algum recurso tecnológico, independente de serem a distância ou mesmo presenciais. O almejar e alcance desse nível estrutural não teria sido possível sem a decisiva participação da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – SECTEC e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES, por meio da sua Diretoria de Educação a Distância. A essas instâncias governamentais, nosso reconhecimento e gratidão pelos investimentos realizados e, sobretudo, por depositarem em nós, a confiança no êxito do cumprimento da nossa missão. Destaque merecido para a nova estrutura e aparato tecnológico disponível em nosso novo estúdio. Certamente um avanço considerável em nossa trajetória evolutiva na mediação da aprendizagem pelas vias da tecnologia. Um espaço amplo, moderno e à altura do valor da educação para a nossa Uema, que sempre esteve imbuída por servir à sociedade maranhense, oferecendo formação educacional de excelência orientada para a cidadania, produzindo conhecimento e prestando serviços de qualidade, por meio de uma gestão participativa com responsabilidade social e ambiental. Por sua vez, alegra-nos também, tal como em 2009, quando sediamos o VI Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância (ESUD) em parceria com a Associação Universidade em Rede (Unirede), co-realizarmos agora em 2012, no mês de aniversário da capital maranhense, o Congresso Internacional da Abed com status de maioridade. A Uema reconhece a legitimidade e imprescindibilidade da Unirede e da Abed, consorciando-se a elas em prol da educação brasileira pelas vias da EAD. Ambas as entidades, por seus encontros periódicos e articulações, vêm propiciando ricas trocas e aprendizados para as instituições de ensino, além de cada vez mais, exercerem significativa influência sobre os destinos dessa modalidade educacional no Brasil. Sejamos todos bem-vindos! Prof. José Augusto Silva Oliveira Reitor da Universidade Estadual do Maranhão

2 | UemaNet • Revista PoloUm


Editorial

B

y the time we launched the second edition of our magazine, PoloUm, we are taken by a double joy. The first one is the inauguration of the new headquarters of the Center for Educational

Technologies, our UemaNet. And second, by co-accomplish in the year of the fourth centenary of the city of St. Louis, the 18th International Congress of the Brazilian Association for Distance Education (Abed). Uema is pioneering, by offering distance learning courses in Maranhão, together with its constant endeavor for innovation in this segment are now embodied in this new space for developing tools to mediate learning in educational activities that will waive any technological resource, regardless of being at a distance or present. The aim and scope of this structural level would not have been possible without the decisive contribution of the Secretary of Science, Technology and Higher Education - SECTEC and the Coordination of Improvement of Higher Education Personnel - CAPES, through its Board of Distance Education. To these government bodies, our recognition and gratitude for investments and especially for deposit in us the confidence in the success of fulfilling our mission. Distinction for the new structure and technological apparatus available in our new studio. Certainly a considerable advance in our evolutionary trajectory in mediating learning the by ways of technology. A spacious, modern and up to the value of education for our Uema, which has always been imbued to serve our society by providing educational excellence for citizenship, knowledge producing and providing quality services through a participatory management with social and environmental responsibility. In turn, we are glad too, as in 2009, when we hosted the VI Brazilian Congress of DE Higher Education (ESUD) in partnership with the University Network (Unirede), to coaccomplish now in 2012, in the month of anniversary of the capital city, São Luís, the ABED´s International Congress with all the acquired experience. The Uema recognizes the legitimacy and indispensability of Unirede and Abed, an association to them in favor of Brazilian education in the ways of DE. Both entities, and their periodic meetings and venture efforts, are providing rich exchanges and learning for educational institutions, and increasingly exert significant influence over the destinies of this type of education in Brazil. Welcome to all! Professor José Augusto Silva Oliveira Rector of the Universidade Estadual do Maranhão

UemaNet • Revista PoloUm | 3


Sumário

8 10

DEPOIMENTOS

30

FIQUE POR DENTRO

34

REALIDADE

Aprendendo na prática

REFERÊNCIA Performance da Inovação em EaD: O Caso UemaNet

18

Foto Wagner Moreira

Biblioteca Virtual na Era Digita

ENTREVISTA Reitor da UEMA fala sobre 52º Fórum da ABRUEM

22

METEOROLOGIA Maranhão implanta único curso a distância de Meteorologia do Brasil

4 | UemaNet • Revista PoloUm

38

REDES SOCIAIS Ambientes Pessoais de Aprendizagem


Content

8 10

30

TESTIMONIES

STAY INSIDE THE LOOP Learning by practicing

REFERENCE Performance of innovation in Distance Learning: The UemaNet Case

18

34

REALITY

38

SOCIAL NETWORKS

Foto Wagner Moreira

Virtual Library in the Digital Age

INTERVIEW Rector of UEMA talks about 52 Forum ABRUEM

22

Personal environments for Learning

METEOROLOGY Maranhão implements the only technical course of Meteorology

UemaNet • Revista PoloUm | 5


Sumário

42

CONHECIMENTO

44

PROFISSÃO

48

Dica de Leitura

Designer Educacional: Um profissional vital no processo de aprendizagem da Educação a Distância (EaD)

54

TECNOLOGIA M-Learning: Utilização das tecnologias emergentes na EaD para aumentar o acesso à educação

REFLEXÃO Será o fim da escrita à mão?

Expediente REITOR DA UEMA Prof. José Augusto Silva Oliveira; VICE REITOR Prof. Gustavo Pereira da Costa COORDENADOR GERAL DO UEMANET Prof. Antonio Roberto Coelho Serra; COORDENADOR ADJUNTO DO UEMANET Prof. João Augusto Ramos Silva; ASSESSOR DE MARKETING E COMUNICAÇÃO Prof. Fabio Abreu Santos; EDITOR Paula Lima; REVISOR Lucirene Ferreira Lopes;

Revista do Núcleo de Tecnologias para Educação da Universidade Estadual do Maranhão

REDATORES Paula Lima, Talita Dias; IMAGENS Ascom - UemaNet; TRADUTOR Alfredo Pinheiro; DIAGRAMADOR Aerton S. Oliveira; COLABORADORES Diego Mamede, Thagianne Costa, Edson Costa, Andriolli Araujo, Carlos Augusto Jr, Helayny Farias. TIRAGEM 5 mil exemplares CONTATO Núcleo de Tecnologias para Educação Campus Universitário Paulo VI - Tirirical CEP 65055-310 | São Luís - MA - Brasil Tel.: 98 2106-8970 | www.uemanet.uema.br | E-mail: ascomuemanet@gmail.com

6 | UemaNet • Revista PoloUm


Content

42

KNOWLEDGE

44

CAREER

48

Tip for reading

Educational Designer: a vital professional in the learning process for Distance Education (ODL)

54

TECHNOLOGIES MM-Learning: Use of emerging technologies in Distance Education to increase access to education

THINKING Will be the end of handwriting?

Expedient RECTOR UEMA Prof. José Augusto Silva Oliveira; VICE RECTOR Prof. Gustavo Pereira da Costa; GENERAL COORDINATOR OF UEMANET Prof. Antonio Roberto Coelho Serra; ASSISTANT COORDINATOR OF UEMANET Prof. João Augusto Ramos Silva; ASSESSOR THE MARKENTING AND COMMUNICATION Prof. Fabio Abreu Santos; PUBLISHING HOUSE Paula Lima;

A magazine from the Department of Techonologies for Education (UemaNet) of Universidade Estadual do Maranhão

REVISION Lucirene Ferreira Lopes; REPORTERS Paula Lima, Talita Dias; IMAGES Ascom - UemaNet; TRANSLATION Alfredo Pinheiro; LAYOUT Aerton S. Oliveira; COLABORACION Diego Mamede, Thagianne Costa, Edson Costa, Andriolli Araujo, Carlos Augusto Jr, Helayny Farias. IMPRESSION 5 mil exemplares CONTACT Núcleo de Tecnologias para Educação Campus Universitário Paulo VI - Tirirical CEP 65055-310 | São Luís - MA - Brasil Telephone: 98 2106-8970 | www.uemanet.uema.br | E-mail: ascomuemanet@gmail.com

UemaNet • Revista PoloUm | 7


Depoimentos

ANDREA ARAÚJO Coordenadora do curso técnico em Meio Ambiente do Centro de Ciências Exatas e Naturais - CECEN.

FRANCISMAR RODRIGUES DE SOUSA Coordenador do curso técnico em Segurança do Trabalho do Centro de Ciências Tecnológicas - CCT

KARINA PINHEIRO Coordenadora do curso técnico em Controle Ambiental do Centro de Ciências Exatas e Naturais CECEN

PAULO CUTRIM MARTINS Coordenador do curso técnico em Manutenção Automotiva do Centro de Ciências Tecnológicas - CCT

8 | UemaNet • Revista PoloUm

“Nesse rol de cursos técnicos fomos provocados a promover o curso técnico em Meio Ambiente porque entendemos que é uma área muito carente no nosso Estado, um Estado que está na préamazônia e que tem uma grande diversidade de ambientes e demandas de empresas e de empreendimentos, que têm sido um desafio para o Maranhão. Então, nesse contexto de profissionais aptos a atuar nesse mercado o curso vem com essa proposta de contribuir.”

“É uma profissão que exige muito esforço, muita responsabilidade, mas que tem um futuro promissor. Há pouco tempo foi divulgado que a Confederação Nacional da Indústria prevê, no período de 3 anos, a necessidade de contratação de 1 milhão e 100 mil técnicos e desses, com certeza, um percentual muito grande serão de técnicos em Segurança do Trabalho. Até porque a Legislação Brasileira prevê que determinadas empresas são obrigadas a contratar técnicos dessa área, o que garante um local seguro, preventivo e saudável para o trabalhador.”

“O curso técnico em Controle Ambiental tem a finalidade de formar profissionais para trabalhar no controle e nas análises dos impactos ambientais. E o mercado voltado para a área é muito receptivo visto a carência de profissionais que trabalham no controle dos impactos voltados ao meio ambiente e que, ao mesmo tempo, gerenciam esses problemas. Soma-se a isso o leque de possibilidades que se abre para esse profissional, que pode atuar no setor industrial, oficinas, estudos de impactos ambientais, enfim, em vários âmbitos da sociedade.”

“O mercado de trabalho voltado para o curso técnico em Manutenção Automotiva é bem amplo e acolhedor, principalmente, porque o Maranhão, recebendo grandes investimentos na área de refinaria, petróleo, energia e, claro, tem as grandes empresas como a Vale e a Alumar que necessitam desse profissional.”


Testemonials

"In this list of technical courses, we were provoked to promote the technical course in environment because we believe that it is a very needy area in our State, a State that is the preAmazon, and that has a great diversity of environments and demands of companies and enterprises, which has been a challenge. Then, in this context of professionals capable to operate in this market, the course comes with that proposal to contribute."

"It is a profession that requires much effort, a lot of responsibility, but that has a promising future. A little while ago, was disclosed that the National Confederation of Industry provides, in the period of 3 years, the need to hire 1 million and 100 thousand workers on this area, with certainty, a percentage too high will be technicians in job security. Because the Brazilian legislation provides that certain companies are forced to hire technicians on this area, which ensures safety, healthy and preventive measures on the work place."

"The technical course in Environmental Control has the purpose to train professionals who work in the control and analyzes of environmental impacts. The market focused and very receptive in that area, because of the lack of professionals working in the control of impacts focused on the environment, and that, at the same time, manage these problems. Add to this the range of possibilities that opens to this professional, who may act in the industrial sector, workshops, environmental impact studies, finally, in several areas of society."

“The labor market facing the technical course in automotive maintenance is very large and attractive, mainly because Maranhão is receiving large investments in the area of refinery, oil, energy, and of course, has large enterprises such as Vale do Rio Doce and Alumar, who need this professional."

ANDREA ARAÚJO Coordinator of the technical course in Environment of the Center of Exact and Natural Sciences – CECEN.

FRANCISMAR RODRIGUES DE SOUSA Coordinator of the technical course in Job Safety of the Center Science Technology.

KARINA PINHEIRO Coordinator for the technical course in Environmental Control of the Center of Exact and Natural Sciences - CECEN.

PAULO CUTRIM MARTINS Coordinator of the technical course in automotive Maintenance at the Center of Technological Sciences.

UemaNet • Revista PoloUm | 9


Referência João Augusto Ramos e Silva

Performance da inovação em EAD: O CASO UEMANET

Descreve-se com base nos estudos de aprendizagem tecnológica e performance competitiva (Figueiredo, Kim, Nelson, Winter e Dosi), a evolução da inovação tecnológica na Educação à Distância (Moore, Kearsley, Von Euler, Berg, André,Formiga e Nunes), contextualizando as principais experiências adquiridas (Alves, Fradkin e Oziris), até chegar a análise da performance da inovação tecnológica na Educação a Distância do Núcleo de Tecnologias para a Educação da Universidade Estadual do Maranhão (Oliveira, Costa e Serra). Performance, inovação, EaD, aprendizagem. Introdução A proposta deste artigo é descrever a performance tecnológica do Núcleo de Tecnologias para a Educação (UemaNet) da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), mas, pela própria definição do objeto de estudo e substanciado pelo modelo analítico utilizado por Figueiredo (2003, p. 50) em seu livro Aprendizagem tecnológica e performance competitiva - para alcançar-se a terceira etapa deste modelo (aprimoramento da performance técnica e econômica) , têm-se obrigatoriamente que ser antecipado pelas seguintes etapas: numa primeira fase, pelas principais características dos processos de aprendizagem subjacentes (variedade, intensidade, funcionamento e interação), analisado por Costa (2008); e, num segundo estágio, pela descrição das trajetórias de acumulação de competências tecnológicas, estudadas por Serra (2008), ambos sobre o Núcleo de Tecnologias para Educação - Uemanet e que não fazem parte deste artigo. Contexto tecnológico da inovação em EAD A Educação á Distância é a modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em tempo real, ou seja, lugares ou tempos diversos. (BRASIL, 2005). Para Moore e Kearsley (2007), a “Educação a distância é o aprendizado planejado que ocorre normalmente em um lugar diferente do local de ensino, exigindo técnicas especiais de criação do curso e de instrução, comunicadas por várias tecnologias e disposições organizacionais e administrativas especiais”. Para os autores, é comum a utilização das palavras 'tecnologia' e 'mídia' como sinônimas, o que não é correto, pois em EaD “a tecnologia é que constitui o veículo para comunicar mensagens, e estas são representadas em uma mídia”. As mídias podem ser: textos, imagens (fixas e em movimento), sons e dispositivos. A tecnologia e a mídia marcaram a evolução inovadora

10 | UemaNet • Revista PoloUm

da EaD ao longo de cinco gerações, como propõe Moore e Kearsley (2007): 1ª. Geração (correspondência), 2ª. Geração (transmissão por rádio e TV), 3ª. Geração (universidades abertas), 4ª. Geração (teleconferência) e 5ª. Geração (Internet/web). O modelo ganha importância por ter sido elaborado por estes mesmos autores que, segundo um estudo bibliométrico de André (2009), são os autores mais referenciados, internacionalmente, em livros e artigos sobre EaD. De acordo com Figueiredo (2003, p.39), a aprendizagem tecnológica é o “resultado da conversão de conhecimentos adquiridos pelos indivíduos para o nível organizacional”. Esse processo de aprendizagem está repleto de elementos de transmissão de saberes, e é o que permite a uma empresa ou a um país, acumular competência ao longo dos anos para tornarse competitivo. Depois de contextualizar historicamente a evolução tecnológica da EaD pode-se perceber, como diria Rosenberg (2006), um forte domínio tecnológico dos Estados Unidos na educação a distância. Não tão somente na Educação, mas seu substrato de junção da tecnologia da informação com a comunicação, as TIC's, é por onde Rosenberg (2006, p. 427) vê evidências de que “as formas de conhecimento científico, com maior probabilidade de serem úteis para os setores de alta tecnologia, devem ser pesquisadas em moldes cada vez mais interdisciplinares”. Os americanos ainda dominam a indústria de computadores e mantém uma superioridade em software, a alma dos microcomputadores. Não se pode também esquecer os produtos oriundos dos programas militar e espacial, responsáveis entre outras coisas, pelo nascimento da Internet, inegavelmente a invenção mais avançada e que delimitou a quinta geração da EaD. O próprio conceito de aprendizagem tecnológica é e faz parte do processo educativo, que, em suma, trabalha com a mesma moeda, o conhecimento. Os conceitos de acumulação de competências descritos por Kim (2005) e Figueiredo (2003 e 2004) provêm da área educacional. Nesta contextualização, percebe-se também claramente o que Figueiredo (2003) descreve para as economias recémindustrializadas que, de fato, diferemse na maneira e na velocidade em que acumulam suas competências tecnológicas no tempo. Isso foi facilmente percebido na evolução da EaD, quando comparamos o desenvolvimento de EaD dos países em desenvolvimento, com aqueles que estão em uma tecnologia de fronteira. Buscou-se em Moore e Kearsley (2007), subsídios para análise da inovação tecnológica por onde passa a educação a distância. Tais subsídios representam o percentual de uso comparativo da tecnologia na educação a distância e das mídias de aprendizado nos países em desenvolvimento e


Reference PINNOVATION PERFORMANCE IN ODL: João Augusto UemaNet Case Ramos e Silva It is described on the basis of the studies of learning technology and competitive performance,(Figueiredo, Kim, Nelson, Winter and Dosi), the development of technological innovation in Distance Education,(Moore, Kearsley, Von Euler, Berg, André Formiga and Nunes), contextualizing the main experience acquired,(Alves, Fradkin and Oziris), until you reach the analysis of the performance of technological innovation in Distance Education of the Core Technologies for the education of the Universidade Estadual do Maranhão (Oliveira, Costa and Serra). Performance, innovation, ODL, Learning. Introduction The proposal of this article is to describe the technological performance of the Núcleo de Tecnologias para Educação – UemaNet, of the Universidade Estadual do Maranhão, but, by the very definition of the object of study and substantiated by analytical model used by Figueiredo (2003, p. 50) on his book Aprendizagem Tecnológica e Performance Competitiva - to reach the third step of this model (improvement of technical and economic performance) , has necessarily to be anticipated by the following steps: in the first stage, by the main characteristics of the learning processes underlying (variety, intensity, functioning and interaction), analyzed by Costa (2008); and, in a second stage, by the description of trajectories of accumulation of technology skills, studied by Serra (2008), both on the Núcleo de Tecnologias para a Educação - Uemanet and which are not part of this article. Technological context of the innovation In ODL (Open Distance Learning) The Distance Education is a educational modality in which the mediation didactic-pedagogical in the processes of teaching and learning occurs with the use of resources and information technologies and communication, with students and teachers developing educational activities in real time, i.e. places or different times. (BRAZIL, 2005). For Moore and Kearsley (2007), the "distance education is the planned learning that normally occurs in a different place from the place of teaching, requiring special techniques for the creation of the course and instruction, communicated by various technologies and organizational arrangements and special administrative". For the authors, is common to use the words 'technology' and 'media' as synonyms, which is not correct, because in ODL "technology is what is the vehicle to communicate messages, and these are represented in a media". The media may be: texts, images (still and moving), sounds and devices. The technology and the media have marked the

innovative development of EaD over five generations, as proposes Moore and Kearsley (2007): 1st. Generation (written letter), 2nd. Generation (transmission by radio and TV), 3rd. Generation (open universities), 4th. Generation (teleconference) and 5th. Generation (Internet/web). The model is gaining importance by having been drawn up by these same authors that, according to a bibliometric study of Andrew (2009), are the authors most referenced, internationally, in books and articles on ODL. According to Figueiredo (2003, p. 39), the learning technology is the "result of the conversion of knowledge acquired by individuals to the organizational level". This learning process is full of components of the transmission of knowledge, and is what enables a company or a country, accumulate skill over the years to become competitive. After contextualize historically the technological developments in the ODL can be noticed, as would say Rosenberg (2006), a strong technological domination of the United States on the distance education field. Not just in education but, its substrate of junction of information technology with the communication, the ICT's (Information and Communication Technology), it is where Rosenberg sees evidence that "the forms of scientific knowledge, with more likely to be useful for the sectors of high technology, must be investigated in molds increasingly interdisciplinary." The Americans still dominate the computer industry and maintains superiority in software, the soul of microcomputers. We cannot forget the products that come from the military and space programs, responsible among other things, by the birth of the Internet, undeniably the invention more advanced and that delimited the fifth generation of ODL (Open Distance Education). The very concept of thecnological learning is part of the educational process, which, in short, works with the same asset, the knowledge. The concepts of accumulation of powers described by Kim (2005) and Figueiredo (2003 and 2004) come from the educational field. In this context, we can perceive clearly what Figueiredo (2003) describes for the newly industrialized economies that, in fact, they differ in manner and speed in which accumulate their technological expertise in time. This was easily perceived in the development of ODL, when we compare the development of Distance Education in developing countries, with those who are in a cutting edge technology stage. We sought in Moore and Kearsley (2007), subsidies for analysis of technological innovation in which the distance education system is going through. Such allowances represent the percentage of comparative use of technology in the distance education system and of the learning media in developing and industrialized countries.

UemaNet • Revista PoloUm | 11


Referência industrializados. De sua análise denota-se que a tecnologia inicial de primeira geração, como o correio, ainda é utilizada, preponderantemente, nos dois casos e de forma intensa. As tecnologias de segunda geração (rádio e TV), pelo visto, estão em franco desuso nos países industrializados, exceto as transmissões terrestres por TV. Por fim, quando se trata da utilização das tecnologias digitais de quarta e quinta gerações, até mesmo por conta das grandes inversões de recursos iniciais de instalação, estas ainda estão defasadas nos países em desenvolvimento. Em relação ao uso da mídia de aprendizagem, essas grandes diferenças já não são percebidas, sendo ainda preponderante o uso de textos impressos nos dois casos, além das mídias de áudio e vídeo. O diferencial fica tão somente na utilização de mídia para arquivos multimídias, ainda em desvantagem para os países em desenvolvimento. No que se refere à trajetória de acumulação de competências, Moore e Kearsley (2007) e Formiga (2009), descreve o espaço centenário abrangido pela primeira geração do ensino por correspondência e, depois, a forma como as demais gerações e tecnologias foram sendo acumuladas ao longo de cada década em particular. Provavelmente, esta característica seja bastante marcante para explicar o processo de aprendizado no acúmulo de competência por cada país. Para exemplificar, toma-se a TV como representante da segunda geração. Nos Estados Unidos, a TV iniciou sua utilização na década de 1930, enquanto que aqui no Brasil, somente chegou à educação no fim da década de 1960 - inclusive no Maranhão, com três décadas de atraso. Contexto da inovação tecnológica em EAD no Maranhão Dentro do contexto estadual pode-se dizer que a educação a distância no Estado do Maranhão inicia, solenemente, na segunda geração de EaD, com a TVE do Maranhão (Fundação Maranhense de Televisão Educativa), em 1º de dezembro de 1969 - uma das nove emissoras educativas instaladas no país entre o período de 1967 e 1974, sem nenhum planejamento de política setorial do governo federal (FRADKIN, 2008). Destas, somente três, entre elas a TVE do Maranhão, se voltaram para a educação, fazendo com que a partir daquele ano fossem ministradas aulas da 5ª a 8ª séries do 1º. Grau, no Centro Educativo do Maranhão (CEMA). A TVE do Maranhão foi a primeira emissora a elaborar um sistema próprio de televisão educativa, que teve origem nas necessidades detectadas por um diagnóstico que apontava a baixa frequência escolar e a falta de professores qualificados no Estado. Funcionou, inicialmente, como circuito fechado de televisão (depois ficou em aberto), com televisores em branco e preto instalados nas salas de aula, acompanhado de um orientador de aprendizagem, que auxiliava os alunos nas atividades agendadas no material didático impresso (OZORIS, 2001). Foi criada pela Lei 3.016/69 e chegou a atuar em 32 municípios maranhenses, com um total de 59.402 alunos. Em 2000, o número de matrículas foi de 47.977, em 2002, caiu

12 | UemaNet • Revista PoloUm

para 42.925 e, em 2005, somente 8.703 alunos foram matriculados. Por fim, passou por um processo de desestruturação, motivada pela falta capacitação continuada do corpo docente, técnico e administrativo, falta de material educativo e não aquisição de equipamentos de TV, televisores e peças, deixando claro que o Governo do Estado não tinha mais nenhum interesse em continuar com o Sistema de Televisão Educativa, desativado em 2007. A Unesco considerou a TVE do Maranhão como a melhor experiência de televisão educativa na America Latina, tendo seu modelo copiado para o restante do país e para o continente africano. Ainda hoje é referenciada nacional e internacionalmente como uma experiência brasileira única e pioneira em EaD e, certo, até mereceria um estudo a cerca do seu processo de inovação (OLIVEIRA, 2002). Outra incursão maranhense na educação a distância ocorreu através da Universidade Estadual do Maranhão (Uema). A Uema definiu seus objetivos através da Resolução nº 73/98 do Cepe/Uema, quando buscava “ampliar o espaço de atuação da Uema, frente aos desafios geográficos limitadores da oferta de cursos presenciais” (UEMA, 1998). A implantação deste programa contou com a consultoria da Universidade Federal de Mato Grosso (Ufmt), uma das universidades pioneiras na oferta de cursos a distância no país. Iniciou com a autorização para o funcionamento do Curso de Magistério em Nível Médio (Magistério 2001), aprovado segundo Parecer nº. 246/98 e Resolução nº. 192/98 do Conselho Estadual de Educação (CEE). Esta primeira experiência com a modalidade de ensino a distância, tratava-se de uma concessão extraordinária do CEE, que permitiu à Uema atuar no nível da educação básica no Estado do Maranhão (CEE, 1998). O curso contava com fascículos impressos adquirido da Ufmt e era acompanhado de tutoria presencial, com tutores formados pela própria Ufmt. Em 2000, esta experiência proporcionou a criação do Núcleo de Educação a Distância (Nead) da Uema, seguido em 2001, pelo credenciamento do MEC na oferta de cursos na modalidade a distância (Portaria nº 2.216, de 11/10/2001) e mudança para o atual nome de UemaNet, em maio de 2008 (MEC, 2001). Um maior detalhamento deste processo será descrito no item referente à performance institucional do UemaNet, objeto final deste artigo. Performance competitiva do UEMANET Foi somente em 2005 que houve uma das grandes mudanças com a criação do primeiro bacharelado: o curso de Administração na modalidade a distância do projeto piloto da Universidade Aberta do Brasil (UAB). O projeto piloto da UAB construiu um consórcio nacional de instituições públicas (17 universidades federais e cinco estaduais) denominado de Fórum de Coordenadores do curso de Administração da UAB, composto pelos coordenadores de curso e coordenadores de EaD de cada instituição. O Fórum se reúne nacionalmente a cada três meses, para discussões e apresentações de resultados, pois mantém em comum o mesmo currículo, a produção de todo material didático (com edital nacional para professores conteudistas) e proporciona a permanente troca de experiências, além de tomar deliberações em suas assembléias.


Reference From his analysis, we can denote that the initial technology of the first-generation, such as snail mail, is still use, predominantly, in both cases and in intense form. The technology of second generation (radio and TV), by the visa, are in rapid disuse in industrialized countries, except the terrestrial TV transmissions. Finally, when it comes to the use of digital technologies in fourth and fifth generations, even for the account of the great reversals of initial resources for installation, these are still lags behind in developing countries. In relation to the use of media for learning, these large differences are no longer perceived, and are still the predominant use of texts printed in the two cases, in addition to the audio and video media. So, the differential is only on the use of multimedia archives for some kind of media, it still at a disadvantage for the developing countries. As regards the trajectory of a combination of skills, Moore and Kearsley (2007) and Formiga (2009), describes the centenary area covered by the first generation of teaching by correspondence and then how the other generations and technologies were being accumulated over each decade in particular. Probably, this feature is quite remarkable to explain the process of learning in the accumulation of proficiency by each country. To illustrate, take the TV as a representative of the second generation. In the United States, the TV began its use in the 30s, while here in Brazil, only came to education in the late 60s - including in Maranhão, with three decades of delay. Context of technological innovation In ODL In Maranhão Within the context of the state it can be said that distance education in the State of Maranhão starts, solemnly, in the second generation of DL (Distance Learning), with TVEMaranhão (Fundação Maranhense de Televisão Educativa), on December 1, 1969 - one of nine educational stations installed in the country between the period of 1967 and 1974, without any planning of sectorial policy of the federal government (FRADKIN, 2008). Of these, only three, among them the TVEMaranhão, turned to education for High School at Cenro Educacional do Maranhão-CEMA. The TVE of Maranhão was the first broadcaster to formulate its own system of televised education, which had its origin in the needs detected by a diagnostic that pointed to the low school attendance and the lack of qualified teachers in the State borders. It worked, initially, as closed circuit television (later it was open), with black & white TV sets, installed in classrooms, accompanied by one educational supervisor, that aided the students in the activities scheduled in the printed didactic material (OZORIS, 2001). It was established by Law 3,016/69 and was functional in 32 municipalities in the state, with a total of 59,402 students. In 2000, the number of registrations was 47,977, in 2002, dropped to 42,925 and, in 2005, only 8,703 students were enrolled. Finally, has gone through a process of deconstruction, motivated by the lack continuous training of the teaching faculty,

technical and administrative, lack of educational material and lack of new equipment for the TV station, TV sets and parts, making it clear that the State Government had no more interest to continue with the system of Televised Education, and was discontinued 2007. UNESCO considered the TVE of Maranhão as the best experience of televised education television in Latin America, having its model copied for the rest of the country and for the African continent. Today it is still referenced nationally and internationally as a Brazilian unique and a pioneer experience in Distance Learning and, deserves, up to merit, a study about their process of innovation (OLIVEIRA, 2002). Another foray of Maranhão in distance education was through the State University of Maranhão (Uema). The Uema has defined its objectives through Resolution no. 73/98 of Cepe/Uema, when it sought "to expand the space of action of Uema, facing geographical limiting the courses offer” (UEMA, 1998). The implementation of this program was attended by the advice of the Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), one of the pioneer universities in offering distance learning courses in the country. It started with the authorization for the operation of the High School level Course (Teaching 2001), second by legal opinion #246/98 and Resolution #192/98 by the State Education Council (CEE). This first experience of distance education was an extraordinary grant from the CEE, which allowed the Uema act at the level of basic education in the State of Maranhão (EEC, 1998). The course operated with printed material bought from the UFMt, and was accompanied by mentors in the classroom, with mentors trained by the UFMt. In the year 2000, this experience led to the creation of the Distance Education Center (NEAD) at UEMA, followed in 2001 by MEC accreditation of the offer of courses in a distance (Decree no. 2,216 , 11/10/2001 ) and change to the current name of UemaNet, in May 2008 (MEC, 2001). More details of this process will be described in the item concerning the performance of institutional UemaNet, focal point of this article. Competitive performance of UEMANET It was only in 2005 that there was one of the major changes with the creation of the first bachelor's degree: the Administration course modality in the distance from the pilot project of the Open University of Brazil (UAB). The pilot project at UAB has built a national consortium of public institutions (17 federal and five state universities) called Forum of Coordinators of Administration Course at UAB, composed by course coordinators and coordinators of EaD of each institution. The Forum meets nationally every three months, for discussions and presentations of results, because all have in common the same curriculum, the production of all educational material (with notice for national certified teachers) and provides the permanent exchange of experience, in addition to make decisions in their assemblies. In 2008, with the approval of courses of Pedagogy

UemaNet • Revista PoloUm | 13


Referência Em 2008, com a aprovação dos cursos de Pedagogia e Filosofia no edital 02/2008 da UAB e a criação dos novos projetos do curso de Administração Pública e a pós-graduação em Gestão Pública, acredita-se que novas e intensas mudanças virão. Na tentativa de determinar a performance do UemaNet buscou-se em Moore e Kearsley (2007) a apresentação de um modelo de entradas e saídas da educação a distância. Nele, os autores apresentam uma forma de examinar as inter-relações da EaD. Assim e desta forma, todos os fatores descritos na saída seriam afetados pelos relacionados na entrada e, como se pode perceber, para um real e completo dimensionamento desse processo. Ter-se-ia, então, a necessidade de levantar dados ao longo de quatro anos que, em média, os cursos duram. Necessariamente e por estas circunstâncias, não foram estas as variáveis escolhidas em seu todo para calcular a performance do UemaNet. Procurou-se por dados secundários e documentais que já existissem sobre o UemaNet, sem uma preocupação definida de quem seriam as entradas, pois a limitação temporal não permitiria a aplicação de um planejamento de coleta de dados primários, que deveria ser precedido por outro processo de levantamento das variáveis representativas e pela criação de índices ou indicadores de performace da educação a distância. Fez-se uma análise de indicadores gerenciais de EaD, tendo como unidade o semestre, período ou módulo semestral (seis meses) e o custo aluno. Desta análise podem ser extraídas algumas interpretações de performance em EaD para o UemaNet: a) o crescimento do número de matrículas representado pelo número de alunos matriculados a cada ano denota um crescimento exponencial da expansão do UemaNet, fato bem característico da EaD, ainda mais se comparado ao número de alunos regulares matriculados nos cursos de graduação dos 18 campi da Uema que alcançou 8.684 alunos, em 2008; b) o número de graduados também irá crescer, pois dependerá diretamente da duração dos cursos (em média quatro anos), subtraído das evasões, outro fato comum a EaD,

até mesmo pela falta de adaptabilidade dos estudantes diante de uma nova realidade de auto-aprendizagem; c) outro incremento relaciona-se ao aumento do número de polos que, embora localizados fisicamente na sede dos municípios e em unidades da própria Uema, atendem aos demais municípios de sua microregião; d) o incremento do número de cursos sempre será mais lento, pois dependerá de todos os procedimentos burocráticos acadêmicos de criação de novos cursos por parte da Uema; e) o crescimento do número de tutores (um tutor para cada 25 alunos), diretamente, e da equipe técnica, indiretamente, será uma função do número de alunos matriculados nos cursos; f) outro indicativo que aparece apenas nos dois últimos anos é a produção científica de artigos apresentados nos eventos nacionais de EaD, oriundos da descrição da própria experiência empírica dos trabalhos do UemaNet; g) em relação ao custo aluno, os indicadores utilizados tomaram por base o orçamento de 2008 e o previsto para 2009, conforme o semestre letivo; h) outra característica da EaD pode também ser percebida nesta comparação orçamentária, na qual a economia de escala que se pratica incrementa o número de alunos - mesmo com o acréscimo de algumas despesas - e o custo aluno decai. E os números, por si sós, são capazes de mostrar as diferentes contribuições de cada componente dos custos, no valor final do custo aluno. E para se ter uma ideia desta dimensão, um cálculo do custo aluno, relacionando ao orçamento anual da Uema com o número de alunos matriculados em todos os cursos, aponta um custo aluno de R$ 330,94/mês, o que numa primeira aproximação, é o dobro do custo aluno de EaD.

Levantamento das tarefas desempenhadas no uemanet no ano de 2012

Nº ALUNOS

Nº TUTORES

13

6000

1044

36

10

2400

101

6 3

4462 3861

32

16.723

CURSOS

Nº CURSOS

TÉCNICO APERFEIÇOAMENTO GRADUAÇÃO PÓS‐GRADUAÇÃO TOTAL

14 | UemaNet • Revista PoloUm

Nº DOCENTES

Nº PÓLOS

Nº FASCÍCULOS

Nº PROVAS

Nº VIDEO AULAS

12

25 ‐‐‐‐‐‐

21 ‐‐‐‐‐‐

256 ‐‐‐‐‐‐

122 ‐‐‐‐‐‐

54 ‐‐‐‐‐‐

232 ‐‐‐‐‐‐

102 80

93 26

32 18

11 FASE TCC

261 FASE TCC

177 FASE TCC

164 04

253 172

1327

167

36 em funcionamento

32

517

299

222

657

Nº VIDEO Nº ATIVIDADES CONFERENCIAS NO AVA


Reference c) Another increase is related to the increase in the number of centers which, although physically located in the headquarters of the municipalities and at Uema´s units at large, attend to other cities of its micro-region;

and Philosophy in the public notice 02/2008 at UAB and the creation of new projects of the course of Public Administration and the post-graduate degree in Public Management, it is believed that new and intense changes will come. In an attempt to determine the performance of UemaNet was sought in Moore and Kearsley (2007) the presentation of a model of inputs and outputs of distance education. Therein, the authors present a way to examine the inter-relations of ODL. So is this way, all the factors described in the output would be affected by related in the entry and, as you can hear, for a real and complete sizing of this process. It would have, then, the need to raise information over the four years that, on average, the courses last. Necessarily and for these circumstances, those were the variables chosen not in a whole to calculate the performance of UemaNet. We tried to by secondary data and documentary that already exist on the UemaNet, without a concern set of who would be the inputs, because the temporal limitation does not allow the implementation of a planning of primary data collection, which should be preceded by another process for removal of variables representing, and the creation of index or indicators of regulators of distance education. An analysis of indicators was made of managerial distance education, having as its unit a semester, period or biannual module (six months) and the cost per student. From this analysis may be extracted certain interpretations of performance in EaD for the UemaNet:

h) Another characteristic of ODL can also be perceived in this comparison budget, in which the practiced economy of scale, increases the number of students - even with the addition of some expenses - and the student cost drops.

a) The growth in the number of registrations represented by the number of students enrolled each year denotes an exponential growth of the expansion of UemaNet, a fact well characteristic of ODL, even more when compared to the number of regular students enrolled in undergraduate courses of the 18 campuses of the Uema that reached 8,684 students in 2008;

The numbers, by themselves, are able to show the different contributions of each component of the cost, in the final value of student cost. And, just to have an idea of this, an estimate of student cost, relating to the annual budget the UEMA with the number of students enrolled in all courses, indicates a student cost of R$ 330.94 /month, which in a first figure, is twice the cost of an ODL student.

d) The increase in the number of courses will be slower, because it will depend on all the academics bureaucratic procedures by the Uema for the creation of new courses; e) The growth in the number of tutors (one for every 25 students), directly, and the technical team, indirectly, will be a function of the number of students enrolled in the courses; f) Other indicative that appears only in the past two years, is the scientific production of articles presented in national events of ODL, from the description of their own empirical experience of the work of UemaNet; g) In relation to the cost pupil, the indicators used were based on the 2008 budget and the planned for 2009, depending on the school semester;

b) The number of graduates will also grow, as will depend directly on the duration of the courses (on average four years), subtracted the dropouts, another common fact in ODL, even by the lack of adaptability of the students in front of a new reality of self-learning; Survey of the tasks performed at the uemanet in the year 2012 COURSES

No. Courses

No. Students

No. Tutors

No. Activities No. Video on the Virtual Learning Conferences Environment

No. Teacher

No. Learning Centers

No. Fascicles

No. Tests

No. Video Classes

21 ‐‐‐‐‐‐

256 ‐‐‐‐‐‐

122 ‐‐‐‐‐‐

54 ‐‐‐‐‐‐

232 ‐‐‐‐‐‐

11

261

177

Final Work Phase Final Work Phase Final Work Phase

164 04

253 172

517

222

657

TECHNICAL

13

6000

1044

36

TRAINING COURSES

10

2400

101

12

25 ‐‐‐‐‐‐

UNDER GRADUATE POST‐GRADUATE

6 3

4462 3861

102 80

93 26

32 18

TOTAL

32

16.723

1327

167

36 in full operation

32

299

UemaNet • Revista PoloUm | 15


Referência Considerações finais As primeiras conclusões decorrem da própria análise do contexto da inovação da EaD, a partir dos países industrializados, que como toda tecnologia e tendo como subjacente as próprias TICs, se assemelham bastante, pois a educação a distância contribui para o desenvolvimento sócio-econômico. O que é preconizado por Dosi (2006), em relação às forças motoras do crescimento e do progresso técnico, toma por base a evolução tecnológica explicada por Nelson e Winter (2005). A peculiaridade de tratar neste artigo somente da performance, enquanto os dois artigos anteriores de Costa (2008) e Serra (2008) já tratem, respectivamente, do processo de aprendizagem tecnologia e da própria trajetória de acumulação tecnológica, restringiu a discussão destas temáticas no âmbito deste artigo. A carência de dados sistematizados para realizar um

estudo mais adequado da performance competitiva, temática que ainda está em busca de maior precisão quanto aos indicadores e que, por sua vez, são inerentes a cada tecnologia (EaD), foram os fatores limitantes deste estudo. Como relatado por Kim (2005), a força das políticas públicas e as influências das decisões governamentais são muito marcantes na educação e, consequentemente, na EaD, quando esta observa tanto a adoção de novas tecnologias, quanto a desativação de outras. Enfim, espera-se que, de alguma forma, a discussão da evolução tecnológica da EaD, em seu contexto de países industrializados e emergentes, assim como as nuances nacionais e domésticas, sirvam para aprimorar o conhecimento e despertar o interesse em aprofundar outros na educação a distância, no geral, e no UemaNet, em particular.

Referências ALVES, João Roberto Moreira. A história da EAD no Brasil. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (Orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. ANDRÉ, Claudio Fernando. Aspectos bibliométricos da EAD. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Superior. Portaria nº 2.216, de 11. out. 2001. Brasília, DF, 2001. BRASIL. Presidência da República. Decreto 5.622, de 19.12.2005. Brasília: GPR, 2005. CEE. Parecer nº. 246/98 do Conselho Estadual de Educação do MA. São Luís: CEE, 1998. CEE. Resolução nº. 192/98 do Conselho Estadual de Educação do MA. São Luís: CEE, 1998. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MARANHÃO. Parecer nº 246/98 do CEE. São Luís, 1998. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MARANHÃO. Resolução nº 192/98 do CEE. São Luís, 1998. COSTA, Gustavo Pereira da. Aprendizagem e acumulação tecnológica: a trajetória do órgão de educação a distância da Universidade Estadual do Maranhão. In: SERRA, Antonio Roberto Coelho; SILVA, João Augusto Ramos e (orgs.). Por uma educação sem distâncias: recortes da realidade brasileira. São Luís: Editora UEMA, 2008. DOSI, Giovanni. Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Campinas: UNICAMP, 2006. FIGUEIREDO, Paulo N. Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Rio de Janeiro: FGV, 2003. FIGUEIREDO, Paulo N. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos

empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, jul./dez. 2004. FORMIGA, Marcos. A terminologia da EAD. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. FRADKIN, Alexandre. História da televisão pública/educativa. 2008. Disponível em: <http://www.fndc.org.br/arquivos/HistoriaTVEducativa.doc>. Acessado em: 13 out. 2008. KIM, Linsu. Da imitação à inovação: a dinâmica do aprendizado tecnológico na Coréia. Campinas: Unicamp, 2005. MOORE, Michael; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learning, 2007. NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: UNICAMP, 2005. NUNES, Ivônio Barros. A história da EAD no mundo. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (Orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. OLIVEIRA, Maria Eline Barbosa. Educação a distância: perspectiva educacional emergente na UEMA. Florianópolis: Insular, 2002. OZORIS, Marcus Vinicius Pasini. Tecnologia e educação um estudo sobre a TV escola no Estado do Amazonas. 2001. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2001. ROSENBERG, N. Por dentro da caixa-preta: tecnologia e economia. Campinas: UNICAMP, 2006. SERRA, Antonio Roberto Coelho. A trajetória de acumulação tecnológica do Núcleo de Tecnologias para Educação – UemaNet. In: SERRA, Antonio Roberto Coelho; SILVA, João Augusto Ramos e (orgs.). Por uma educação sem distâncias: recortes da realidade brasileira. São Luís: Editora UEMA, 2008.

16 | UemaNet • Revista PoloUm


Reference Final considerations The first conclusions result from its own examination of the context of the innovation of the ODL, from industrialized countries, which, with all the technology, and having as underlying the ICTs, resemble enough, because distance education contributes to the socio-economic development. What is recommended by Dosi (2006), in relation to the driving forces of growth and technical progress, based on the technological evolution, explained by Nelson and Winter (2005). The peculiarity of dealing with in this article only the performance, while the two previous articles of Costa (2008) and Sierra (2008) already deal with, respectively, of the process of learning technology and of own trajectory of technological accumulation, it restricted the discussion of these themes in the context of this article. The lack of systematic data to carry out a study more

appropriate of competitive performance, a theme that is still in search of greater accuracy regarding the indicators and that, in turn, are inherent to each technology (ODL), were the limiting factors of this study. As reported by Kim (2005), the strength of public policies and the influences of governmental decisions are very striking in education and, consequently, in ODL, when it observes both the adoption of new technologies, as well as the disabling of others. Finally, it is expected that, in some way, the discussion of technological developments in Distance Education, in its context of industrialized and emerging countries, as well as the national and domestic nuances, can serve to improve the knowledge and accelerate interest in deepening others in distance education, in general, and at UemaNet, in particular.

References ALVES, João Roberto Moreira. A história da EAD no Brasil. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (Orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. ANDRÉ, Claudio Fernando. Aspectos bibliométricos da EAD. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Superior. Portaria nº 2.216, de 11. out. 2001. Brasília, DF, 2001. BRASIL. Presidência da República. Decreto 5.622, de 19.12.2005. Brasília: GPR, 2005. CEE. Parecer nº. 246/98 do Conselho Estadual de Educação do MA. São Luís: CEE, 1998. CEE. Resolução nº. 192/98 do Conselho Estadual de Educação do MA. São Luís: CEE, 1998. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MARANHÃO. Parecer nº 246/98 do CEE. São Luís, 1998. CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MARANHÃO. Resolução nº 192/98 do CEE. São Luís, 1998. COSTA, Gustavo Pereira da. Aprendizagem e acumulação tecnológica: a trajetória do órgão de educação a distância da Universidade Estadual do Maranhão. In: SERRA, Antonio Roberto Coelho; SILVA, João Augusto Ramos e (orgs.). Por uma educação sem distâncias: recortes da realidade brasileira. São Luís: Editora UEMA, 2008. DOSI, Giovanni. Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Campinas: UNICAMP, 2006. FIGUEIREDO, Paulo N. Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Rio de Janeiro: FGV, 2003. FIGUEIREDO, Paulo N. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos

empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, jul./dez. 2004. FORMIGA, Marcos. A terminologia da EAD. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. FRADKIN, Alexandre. História da televisão pública/educativa. 2008. Disponível em: <http://www.fndc.org.br/arquivos/HistoriaTVEducativa.doc>. Acessado em: 13 out. 2008. KIM, Linsu. Da imitação à inovação: a dinâmica do aprendizado tecnológico na Coréia. Campinas: Unicamp, 2005. MOORE, Michael; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learning, 2007. NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: UNICAMP, 2005. NUNES, Ivônio Barros. A história da EAD no mundo. In: LITTO, Fredric Michael.; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (Orgs.). A educação a distância – o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008. OLIVEIRA, Maria Eline Barbosa. Educação a distância: perspectiva educacional emergente na UEMA. Florianópolis: Insular, 2002. OZORIS, Marcus Vinicius Pasini. Tecnologia e educação um estudo sobre a TV escola no Estado do Amazonas. 2001. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2001. ROSENBERG, N. Por dentro da caixa-preta: tecnologia e economia. Campinas: UNICAMP, 2006. SERRA, Antonio Roberto Coelho. A trajetória de acumulação tecnológica do Núcleo de Tecnologias para Educação – UemaNet. In: SERRA, Antonio Roberto Coelho; SILVA, João Augusto Ramos e (orgs.). Por uma educação sem distâncias: recortes da realidade brasileira. São Luís: Editora UEMA, 2008.

UemaNet • Revista PoloUm | 17


Entrevista “O curso técnico em Controle Ambiental tem a finalidade de formar profissionais para trabalhar no controle e nas análises dos impactos ambientais. E o mercado voltado para a área é muito receptivo visto a carência de profissionais que trabalham no controle dos impactos voltados ao meio ambiente e que, ao mesmo tempo, gerenciam esses problemas. Soma-se a isso o leque de possibilidades que se abre para esse profissional, que pode atuar no setor industrial, oficinas, estudos de impactos ambientais, enfim, em vários âmbitos da sociedade” Karina Pinheiro Costa - coordenadora do curso técnico em Controle Ambiental do Centro de

18 | UemaNet • Revista PoloUm


Interview

UemaNet • Revista PoloUm | 19


Entrevista

20 | UemaNet • Revista PoloUm


Interview

UemaNet • Revista PoloUm | 21


Meteorologia

Maranhão implanta único curso a distância de Meteorologia do Brasil

O

trabalho dos meteorologistas vai além do que você vê no dia a dia, nos jornais, TVs, rádios ou portais. A informação da previsão do tempo, que nos ajuda a escolher que tipo de roupa se vai usar em determinado dia, ou se devemos levar o guarda-chuva ou não, é apenas uma vertente do amplo trabalho desses profissionais. Os meteorologistas trabalham, ainda, no estudo de mudanças do clima – conjunto de elementos que caracterizam o meio ambiente atmosférico de uma região ao longo do tempo –, no monitoramento de queimadas e da poluição nas grandes cidades, além da elaboração de previsão estendida para uso na agricultura, aviação civil e militar, lançamento de foguetes e registro de temperaturas e condições para estudos futuros. E foi pensando nas várias vertentes dessa área, que a Universidade Estadual do Maranhão, por meio do Núcleo de Tecnologias para Educação – UemaNet e execução do Centro de Ciências Agrárias – Núcleo Geoambiental, iniciou, recentemente, o único curso técnico a distância de Meteorologia no Brasil. “Esse é um grande desafio. Até porque para nós o ensino a distância também não deixa de ser uma novidade. Só que quando você encontra um desafio você quer é enfrentá-lo, superá-lo”, diz o Coordenador do curso técnico em 22 | UemaNet • Revista PoloUm

Meteorologia da UEMA/UemaNet, Pof.Gunter de Azevedo. O professor, ainda, completa: “Hoje em dia, praticamente todos os meios de comunicação já divulgam a previsão de tempo e clima para o público e setores específicos da sociedade, como empresas de geração e distribuição de energia, instituições de gestão e pesquisa agropecuária, concessionárias de serviços públicos e sistemas públicos de defesa civil dependem diretamente de informações meteorológicas atualizadas e constantes para suas atividades. Então, as mudanças climáticas e equipamentos de alta tecnologia estão, destacando cada vez mais o trabalho dos profissionais dessa área”. Mas, Gunter alerta: “Engana-se quem pensa que a área trabalha apenas com a previsão do tempo, boletins meteorológicos e climáticos. É muito mais que isso. Hoje em dia ela auxilia principalmente o planejamento de plantios, safras agrícolas, a parte do turismo, eventos (de pequeno ou grande porte), o planejamento de abastecimento de energia através das grandes hidrelétricas. Então, tem um arsenal de investimentos que são influenciados pela Meteorologia. Portanto, ela é muito importante na questão do planejamento até na economia de um estado ou país”.


Meteorology

Maranhão implements the only Meteorology distance course in Brazil

T

he work of meteorologists goes beyond what you see in day to day, in the newspapers, TVs, radios or web portals. The information on weather forecast, which helps us to choose which type of clothes if you are going to use in a given day, or if we should take the umbrella or not, and only one part of a broad work of professionals. The meteorologists are working, also, in the study of climate change a set of elements that characterize the environment naturally aspirated a region over time, - in the monitoring of burned and pollution in large cities, in addition to the creation of extended forecast for use in agriculture, civil aviation and military, launching rockets and record of temperatures and conditions for future studies. And was thinking about in the various aspects of this area, that led the State University of Maranhão, through the Center for Technologies in Education – UemaNet, and implementation by the Center of Agrarian Sciences - core compartment, started recently, the only technical course of Meteorology, the distance, in Brazil." This is a great challenge, because for us, the distance education ceases to be something new. So, when you face a challenge you want and meet it,

overcome it", says the coordinator of the technical course in Meteorology of the UEMA/UemaNet, Professor Gunter de Azevedo. The Professor also says: "Today, virtually all media already disclose to weather and climate forecasting for the public and specific sectors of society, such as energy generation and distribution, management institutions and agricultural research, public service grants and public systems of civil defense directly depend on weather information updated and listed for their activities. So, the climate changes and high technology equipment are highlighting increasingly the work of professionals in this area". But, Günter warns: "it would be mistaken to think that the area is working only with the weather forecast, weather reports and weather conditions. It is much more than that. Today it helps especially the planning of the plantations, agricultural harvests, tourism, events (small or large), the planning of energy supply through the large hydroelectric plants. Then, it has an arsenal of investments that are influenced by the weather. Therefore, it is very important for the planning and the economy of a state or country".

UemaNet • Revista PoloUm | 23


Meteorologia ciência foi 'fatiada' em várias atividades. Ela vai desde a meteorologia aeronáutica, a meteorologia naval, a meteorologia sinótica (que estuda a atmosfera terrestre), meteorologia agrícola, até a meteorologia espacial. Então, existem várias linhas de pesquisa. É por esses e outros motivos que o Técnico em Meteorologia é de suma importância, uma vez que ele auxilia o meteorologista desde a captação, filtragem dos dados, por meio das instalações de estações meteorológicas, operação e, principalmente, manutenção desses equipamentos, para que estes estejam sempre bem aferidos. O curso técnico veio em boa hora para o Maranhão, como forma de suprimir a demanda desse profissional na área. “Aqui, no Maranhão, só existem cinco profissionais da área de Meteorologia e esses estão na Universidade Estadual do Maranhão – UEMA. E esperamos formar, ao final do curso, cerca de 200 técnicos”, ressalta a coordenadora adjunta do eTec/UemaNet, Eliza Flora Muniz. Estações meteorológicas O Maranhão conta com diversas estações que auxiliam a elaboração das previsões regionais e enviam dados de monitoramento do tempo para institutos nacionais de meteorologia, como o CPTEC/INPE (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos / Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e o INMET (Instituto Nacional de Meteorologia). Uma das estações está localizada na área do Observatório Espacial de São Luis no Campus da UEMA em São Luis, que pertence ao Laboratório de Meteorologia (LABMET) do Núcleo Geoambiental (NUGEO) da Universidade. A estação fica na Cidade Universitária Paulo VI, no Tirirical, em São Luís. Mas, ao todo, são 22 estações espalhadas pelo Maranhão. Desde o ano de 2010, o LABMET conta com uma parceria com o objetivo de obter dados registrados pelo radar meteorológico do Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM), localizado no aeroporto de São Luís. "No Brasil, poucos Estados têm um radar para operar, como o que nós usamos hoje. Não é

24 | UemaNet • Revista PoloUm

nosso, mas nós temos essa parceria com o governo federal, por meio do SIPAM, que nos dá condições de, pelo menos, usar, monitorar e até avaliar com eles, fazer trabalhos e publicá-los. De olhar por dentro da nuvem, porque o radar te dá o perfil dessa nuvem, se ela tem descarga atmosférica, raios, se ela tem granizo, se ela tem água precipitável no interior", conta Gunter. Nesse ano, o LABMET começou a usar um novo sistema de satélite, o EUMETcast. Este sistema é uma contribuição da EUMETSAT cujo objetivo é permitir uma melhor disseminação, aplicação e exploração de dados ambientais e produtos para diversos benefícios sociais definidos pelo Grupo de Observações da Terra – GEO (Group on Earth Observations em inglês), incluindo agricultura, energia, saúde, clima, tempo, amenização dos efeitos de desastres, biodiversidade, recursos hídricos e ecossistemas. Esse serviço de disseminação de informação de baixo custo, direcionado ao usuário e de fácil utilização tem como objetivo fornecer informações completas que possam servir como subsídio para tomada de decisões conscientes em várias áreas, incluindo clima, desastres naturais, agricultura e ecossistemas. O início As previsões de tempo começaram a ter grande importância na II Guerra Mundial, pois se descobriu que esse tipo de informação era indispensável no planejamento dos ataques, principalmente os aéreos. Após o final da guerra, começaram a ser desenvolvidos modelos matemáticos para se fazer previsões meteorológicas. As primeiras previsões que aplicaram modelos matemáticos com o uso de um supercomputador (ENIAC) foram realizadas em 1948-1949 na Universidade de Princeton (EUA). Na época, os computadores disponíveis eram ainda muito lentos. As previsões numéricas de tempo se tornaram operacionais a partir da década de 1950, e eram realizadas pelo antigo NMC (National Meteorological Center) dos Estados Unidos, hoje denominado NCEP (National Center for Environmental Prediction). Um grande salto ocorreu durante a década de 1960 quando começou a serem utilizados dados de satélites meteorológicos para auxiliar na previsão do tempo. O primeiro satélite meteorológico polar do mundo, o TIROS-1 (Television and Infrared Observation Satellite), foi lançado pelos Estados Unidos em 01 de abril de 1960. A partir de então, foi possível receber imagens da cobertura de nuvens sobre a Terra e observar fenômenos meteorológicos, tais como, frentes frias, furacões, ciclones, etc. O uso de satélites para meteorologia, navegação e telecomunicação tornou-se cada vez mais importante e, em 1967 e 1968, começou o planejamento do primeiro satélite especificamente dedicado à observação de recursos terrestres. O primeiro satélite de recursos terrestres foi o ERTS-1, mais tarde denominado LANDSAT. Seu lançamento ocorreu em 23 de julho de 1972. A partir de então, os meteorologistas começaram a acompanhar os sistemas meteorológicos com maior exatidão, de forma sequencial, do mesmo local, e em uma base repetitiva ao longo de meses e anos. Finalmente, estávamos aptos a ver as feições do nosso ambiente mudando. Durante a década de 80, com a evolução dos computadores, vários Centros Meteorológicos puderam gerar as chamadas previsões numéricas de tempo, que consistem em modelos matemáticos que contêm as leis da dinâmica dos fluidos


Meteorology Meteorologia That is, the Meteorology has various aspects. Science was 'sliced' in several activities. It goes from the Aeronautical meteorology, the naval meteorology, synoptic meteorology (which studies the earth's atmosphere), agricultural meteorology, up to the space weather. Therefore, there are several lines of research. It is for these and other reasons that the technician in meteorology is of utmost importance, because it helps the meteorologist from shooting, to filtering of the data, by means of meteorological facilities, installation, operation and, mainly, maintenance of such equipment, for which they are always well measured. This technical course came at a good time for the Maranhão, as a way to suppress the demand of this professional in the area. "Here, in Maranhão, there are only five professionals in Meteorology and these are at the Universidade Estadual do Maranhão - UEMA. And we hope to graduate, at the end of the course, about 200 technicians", emphasizes the associate coordinator of the e-Tec/UemaNet, Eliza Flora Muniz. Weather Stations Maranhão account with several stations that produce forecasts regional and send data for monitoring the time for national institutes of meteorology, such as the CPTEC/INPE (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos/ Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) and the Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). One of the stations is at the Laboratory of Meteorology (Labmet), which belongs to the Center Compartment (Nugeo) of the University. The station is located at the Cidade Universitária Paulo VI, in São Luís. But, in all, there are 22 stations throughout the Maranhão. Since last year, the Labmet account with a partnership with that aims of obtaining data recorded by weather radar of the system of protection of the Amazon (Sipam), located at the airport of São Luís. "In Brazil, few States have a radar to operate, which, today, we already have it. We do not, but we have this partnership with the federal government, through the Sipam, that we can monitor and evaluate up with them, doing work, publish them, etc., to look on the inside of the cloud, because the radar gives you the profile of this cloud, if it has atmospheric discharge, lightning, if it has hail damage, if it has water inside", states Günter. More recently, the Laboratory began using a new satellite system, the Metcast, result of a partnership between England, Germany and France, which will last until August 2014.

A big step occurred during the decade of the 1960s when they began to use data from weather satellites to assist in forecasting the weather. The first meteorological satellite polar of the world, the TIROS-1 (Television and Infrared Observation Satellite) was launched by the United States in April 1st, 1960. From then on, it was possible to receive images of cloud cover on Earth and observe weather phenomena, such as, cold fronts, hurricanes, cyclones, etc. The use of satellites for weather forecasting, navigation and telecommunication has become increasingly important and, in 1967 and 1968, start the planning for the first satellite specifically dedicated to the observation of terrestrial resources. The first satellite of terrestrial resources was the ERTS-1, later called LANDSAT. Its launch occurred in July 23, 1972. From then on, the meteorologists began to monitor the weather systems with greater accuracy, in a sequential manner, the same place, and on a repetitive basis over months and years. Finally, we were able to see the faces of our changing environment. During the decade of 80, with the evolution of computers, several meteorological Centers could generate numerical estimates calls of weather, which consist of mathematical models that contains the laws of dynamics fluid applied to the atmosphere, the so-called numerical models to weather forecast. A huge step forward was given. These models consider that the state of the atmosphere and the result of complex interactions with all the other terrestrial systems that are, for example, the oceans, rivers and lakes, the topography and the ice cover and vegetation, the natural emission of gases to form natural or anthropogenic (generated by man), etc. These models are "fed" with weather information (wind, temperature, pressure, humidity, etc. ), coming from all the earth, from weather stations, ships, ocean buoys, airplanes, balloons and atmospheric data collected by sensors on board of satellites. Land system information captured by satellites help in the construction and improvement of these numerical models. From this period on, it was possible to make predictions with some days in advance.

The Beginning The predictions of time began to have great importance in World War II, because it was discovered that this type of information was essential in the planning of the attacks, mainly aerial. After the end of the war, began to be developed mathematical models for making weather forecasts. The first forecasts that have applied mathematical models with the use of a supercomputer (ENIAC) were performed in 1948-1949 via Princeton University (USA). At the time, the available computers were still very slow. The numerical weather predictions have become operational from the 1950s, and were made by former NMC (National Meteorological Center) of the United States, today called NCEP (National Center for Environmental Prediction). UemaNet • Revista PoloUm | 25


Meteorologia aplicadas à atmosfera, os chamados modelos numéricos de previsão. Um enorme salto foi dado. Estes modelos consideram que o estado da atmosfera é o resultado de complexas interações com todos os outros sistemas terrestres que são, por exemplo, os oceanos, rios e lagos, o relevo e a cobertura de gelo e de vegetação, a emissão de gases de forma natural ou antropogênica (gerada pelo homem). Esses modelos são “alimentados” com informações meteorológicas (vento, temperatura, pressão, umidade, etc.), vindas de toda a Terra, provenientes de estações meteorológicas, navios, boias oceânicas, aviões, balões atmosféricos e dados obtidos por sensores a bordo de satélites. Informações do sistema terrestre captadas por satélites ajudam na construção e aperfeiçoamento desses modelos numéricos. A partir desse período, foi possível fazer previsões com alguns dias de antecedência. Na década de 1990, os computadores foram aperfeiçoados ainda mais, juntamente com os modelos numéricos e os sensores a bordo de satélites. Atualmente, as informações obtidas de satélites meteorológicos permitem a geração de produtos, tais como: monitoramento de chuvas, temperatura do ar, temperatura da superfície do mar, radiações solar e terrestre, queimadas, ventos, classificação de nuvens, índice de vegetação, monitoramento de sistemas convectivos e tempestades, etc. Todos esses produtos podem trazer benefícios significativos para a sociedade e, é importante ressaltar, em muitos casos tais informações estão disponíveis sem custos ou burocracia através da Internet. O Brasil ainda não tem um satélite meteorológico

radar meteorológico

26 | UemaNet • Revista PoloUm

geoestacionário. Para a previsão de tempo são utilizados principalmente os dados do satélite americano GOES e do europeu METEOSAT. Existem planos para o lançamento de um ainda nesta década. Os satélites brasileiros desenvolvidos pelo INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) são de observação da Terra e coleta de dados ambientais, portanto, são de órbita baixa. Um Centro moderno e avançado para previsão numérica de tempo, clima e monitoramento ambiental foi planejado desde o fim da década de 80 e implementado pelo INPE em 1994. Até então, a previsão de tempo no Brasil era feita subjetivamente e tinha utilidade de até no máximo 36 horas. O Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do INPE, operacionalizou modelos matemáticos de grande complexidade para a previsão de tempo (até 15 dias) e previsões climáticas (1 a 6 meses). Os progressos alcançados pelo CPTEC nas áreas de previsão numérica de tempo e de clima e monitoramento ambiental de várias naturezas aproximaram o Brasil dos países desenvolvidos. Os dados ambientais e prognósticos numéricos rotineiramente gerados no CPTEC tornaram-se indispensáveis para diversos setores socioeconômicos, tais como: agricultura, defesa civil, geração e distribuição de energia elétrica, transportes, meio ambiente, turismo, lazer, entre outros, e também para milhões de habitantes que os recebem através da mídia. Além de operacionalmente disponibilizar previsões de tempo, clima e ambientais, o CPTEC recebe e processa dados meteorológicos e ambientais do Brasil e do mundo para monitorar a situação climática e ambiental. Nesse contexto, foram implantadas, em várias regiões do território nacional, estações meteorológicas automáticas que são denominadas de Plataformas de Coleta de Dados (PCD). Essas plataformas são equipamentos eletrônicos de alto nível de automação, que têm a capacidade de armazenar e transmitir para satélites ou sistema de computadores parâmetros ambientais, hidrológicos, meteorológicos ou agrometeorológicos, captados por sensores específicos para esse fim, que estão conectados às plataformas. Apesar de o estudo relacionado a meteorologia não ser considerado por todos como de muita importância, mas vem crescendo consideravelmente no país e no mundo, pois é bastante utilizado na agricultura onde auxilia na programação de eventos que vai desde o plantio, o controle de paga e manejo até a colheita do produto. A Aeronáutica também utiliza esses recursos, as previsões do clima são realizadas devido a esses estudos que são repassados à sociedade, o mesmo acontece com a defesa civil, que é avisada com antecedência sobre riscos de enchentes e desabamentos. A meteorologia é um campo vasto que se estende ainda mais no decorrer dos tempos. “A Uema, por meio do UemaNet, visa, com a implantação desse curso, um trabalho preventivo, onde o técnico atua, colaborando no planejamento do aproveitamento de águas, de acordo com os dados meteorológicos, a fim de evitar inundações; emitindo informações sobre poluição e contaminação da atmosfera, preservando, assim, a saúde e sobrevivência da população; ainda, informando condições meteorológicas, a fim de garantir a segurança dos transportes: aéreo, marítimo, fluvial e terrestre”, finalizou a coordenadora adjunta do e-Tec, Eliza Flora Muniz.


Meteorology In the 90s, computers were improved even more, together with the numerical models and the sensors on board of satellites. Currently, the information obtained from meteorological satellites allow the generation of products, such as monitoring of rainfall, air temperature, sea surface temperature, solar radiation and terrestrial, burned, winds, clouds, vegetation index, monitoring blast systems and storms, etc. All these products can bring significant benefits to society and, it is important to emphasize, in many cases such information is available without cost or bureaucracy through the Internet. Brazil does not have a meteorological satellite geostationary. For the forecasting of time are mainly used the data from the american satellite GOES and european METEOSAT satellite. There are plans for the launch of a meteorological satellite geostationary in this decade. The Brazilian satellites developed by INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) are for Earth observation and environmental data collection, therefore, are of low orbit. A modern Center and advanced to numerical forecast of weather, climate and environmental monitoring was planned since the end of the 80s and implemented by the INPE in 1994. Until then, the weather forecast in Brazil was made subjectively and had useful up to maximum 36 hours. The Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos – CPTEC, of the INPE, we have operated mathematical models of great complexity for the prediction of time (up to 15 days) and climate forecasts (1 to 6 months). The progress achieved by CPTEC in the areas of numerical forecast of weather and climate and environmental monitoring of various natures, has put Brazil close to developed countries. The environmental data and numerical prognostic routinely generated at CPTEC have become indispensable for various socio-economic sectors, such as agriculture, civil defense, electricity generation and distribution, transport, environment, tourism, leisure, among others, and also for millions of people that receive them through the media. In addition to operationally provide forecasts of weather, climate and environmental, the CPTEC receives and processes meteorological and environmental data from Brazil and the world to monitor the situation climate and environment. In this context, were implanted, in various regions of the national territory, automated meteorological stations which are called Data Collection Platforms (PCD). These platforms are electronic equipment of high level of automation, which has the ability to store and transmit to satellites or computer system environmental parameters, hydrological, meteorological and Agro meteorological models for predicting, captured by specific sensors for this purpose, that are connected to the platforms. Although the study related to the weather has not been regarded by many as of much importance, it has been growing considerably in the country and in the world, it is widely used in agriculture where it will assist in scheduling of events that goes from the plantation, the control of plague and management, until the harvest of the product. The Aeronautics also uses of these resources, the forecasts in the climate are performed due to these studies being passed on to society, and the same happens with the civil defense, and warned in advance about the risk of flooding and landslides. The meteorology field is a vast and that extends further in the course of time. The Uema, by means of UemaNet, aims, with the deployment of

this course, a preventive work, where the technical works, collaborating in the planning of the exploitation of waters, according to the weather data, in order to prevent flooding; issuing information about pollution and contamination of the atmosphere, while preserving the health and survival of the population; still, informing weather conditions, in order to ensure the safety transportation, in the air, sea, river and land", completed the associate coordinator of the e-Tec, Eliza Flora Muniz.

radar meteorológico

UemaNet • Revista PoloUm | 27


Meteorologia PERFIL DO PROFISSIONAL O técnico em Meteorologia deverá estar apto a uma atuação profissional que conduza ao um permanente desenvolvimento, devendo apresentar habilidade e desenvoltura para (não necessariamente de forma simultânea em uma mesma empresa): conduzir a instalação, recuperação, manutenção e instalação de estações meteorológicas; operar sistemas específicos de telecomunicações; operar estações de aquisição de informações meteorológicas; operar, comparar e calibrar instrumentos e equipamentos meteorológicos; realizar o controle de qualidade das observações e dados meteorológicos; participar da organização de banco de dados meteorológicos; participar de trabalhos de pesquisa meteorológicos; elaborar relatórios e pareceres técnicos; levantar dados meteorológicos para estudos, projetos e pesquisas, de tal forma que possa desenvolver as atividades inerentes a sua competência profissional. Onde atuar: empresas públicas e privadas, universidades, centros de pesquisa, portos e aeroportos, consultorias que fazem previsão do tempo, climatologia, meteorologia ambiental, agrometeorologia, hidrometeorologia, radiometeorologia e fornecem serviços as emissoras de rádio e televisão.

PROFESSIONAL PROFILE The technician in Meteorology should be able to a professional performance that will lead to a continuous development, and present ability and resourcefulness for (not necessarily simultaneously in the same firm): lead to installation, recovery, maintenance and installation of weather stations; operate specific systems of telecommunications; operate stations for the acquisition of meteorological information; operate, compare and calibrate instruments and meteorological equipment; to carry out the quality control of observations and meteorological data; participate in the organization of meteorological data bank; participate in weather research studies; prepare reports and technical opinions; look for meteorological data for studies, projects and research, in such a way that can develop the activities inherent to their professional competency. Where to act: public and private companies, universities, research centers, ports and airports, weather forecast consulting firms, climatology, meteorology environmental, Agricultural meteorology, hydrometeorology, radiometeorology and provide services to radio and television stations.

28 | UemaNet • Revista PoloUm


Meteorology

UemaNet • Revista PoloUm | 29


Fique por Dentro

Aprendendo na prática Núcleo de Tecnologias para Educação – UemaNet, estão a todo vapornas aulas práticas e visitas técnicas. Cursos como Edificações, Meio Ambiente, Guia de Turismo, Alimentos e Serviços Públicos já iniciaram as suas atividades fora da sala de aula. “Os conceitos associados à prática são interessantes para que os alunos consigam compreender aqueles conceitos teóricos que são desenvolvidos em nossas aulas”,disse o professor de Edificações Aldo Silva.

O

s alunos dos cursos técnicos, modalidade a distância, da Universidade Estadual do Maranhão, intermediados pelo Núcleo de Tecnologias

30 | UemaNet • Revista PoloUm

Para Rodrigo Farias, aluno de Edificações, a experiência foi ótima. “Esses momentos de experiência são ótimos para o aprendizado do aluno. E observar o que aprendemos em sala de aula in loco, como funciona e o que fazer em uma construção, por exemplo, é muito importante e até estimulante”, destacou ele.


Stay Inside the Loop

Learning by practicing

T

he students of technical courses, modality distance education, from the Universidade Estadual do Maranhão, intermediated by the Núcleo de Tecnologias para a Educação - UemaNet, are in full swing in the practical classes and technical visits. Courses such as Civil Engineering Technician Construction, Environmental Technician, Tourism Guide, Food Technician and Public Services have already started their activities outside the classroom. "The concepts associated with the practice are interesting, so the students can comprehend those theoretical concepts that are developed in our classes", said the professor for the Civil Engineering Technician Construction course, Aldo Silva. For Rodrigo Farias, pupil of Civil Engineering Technician Construction course, the experience was great. "These moments of experience are excellent

for learning for the student. And to observe on the spot what we learned in the classroom, how it works and what to do in a building, for example,is very important and even stimulating", said he. UemaNet • Revista PoloUm | 31


Fique por Dentro A coordenadora do Polo Ribamar I, na cidade de São José Ribamar, Graça Scrivener fala da importância desses encontros: “Eu observo um grande potencial nesses alunos. E sentir na prática o que eles veem em sala de aula, nos livros, é muito importante para cada um deles. Com certeza, essas

32 | UemaNet • Revista PoloUm

práticas, essas visitas técnicas, é um momento de vislumbrar o leque de possibilidades e expectativas para o futuro profissional do aluno”. Opinião compartilhada pelo aluno de Controle Ambiental, Jarbas Maciel. “Sem dúvida são experiências que farão com que futuramente exerçamos nossas funções com qualidade, além de promover a interação entre turmas e alunos”, ressalta ele.


Stay Inside the Loop The coordinator of Polo Ribamar I, in the city of São José de Ribamar, Grace Scrivener talks about the importance of these meetings: "I see a great potential in these students. And feel in practice what they see in the classroom and in the books, is very important for each one of them. To be sure, these practices, these technical visits, are a moment to glimpse the range of possibilities and expectations for the professional future of the student".

exert our functions with quality, in addition to promoting interaction between classes and students", he emphasizes.

Opinion shared by the student of Environmental Control Technician, Jarbas Maciel. "Without doubt are experiences that will make future

UemaNet • Revista PoloUm | 33


Realidade

O novo papel das bibliotecas na era digital

E

m uma realidade repleta de tecnologias surge a questão a respeito do futuro dos suportes tradicionais da informação, que tem o seu maior exemplo o livro. Segundo o Blog eBook Reader (2010), em cinco anos, mais usuários vão preferir acessar a Internet por celular, por exemplo. Isso indica que as bibliotecas terão que disponibilizar seus conteúdos a usuários por meio de celulares e de outras tecnologias de informações móveis – que se desenvolvem aceleradamente. Embora o número de publicações ou de digitalizações de livros, ainda, não seja tão relevante no Brasil, como já é em outros países, a exemplo dos Estados Unidos, os estudantes e bibliotecários começam a conhecer o novo papel das bibliotecas. Para os especialistas em biblioteconomia, as unidades que não se antenarem com as novas tendências se inclinam a ter um número de frequentadores cada vez menor.

frequentar cursos de aperfeiçoamento para lidar com as novas tecnologias e suas novas atividades em uma biblioteca virtual ou online, mas isso não quer dizer que o livro em papel terá vida curta”. A verdade é que o livro eletrônico ganhará cada vez mais espaço nas bibliotecas, principalmente na educação. Haverá busca cada vez maior através dos computadores, onde o aluno poderá imprimir partes que ele quiser, pesquisar em bancos de dados maiores, comparar documentos de diversas origens. No Núcleo de Tecnologias para Educação UemaNet já tem um projeto em andamento, em que por meio da internet será possível acessar, além dos livros, toda a produção científica do Núcleo, como teses, dissertações e artigos, uma forma de preservar o conhecimento produzido na universidade.

“Atualmente podemos ler obras completas na tela do computador, além de termos acesso aos audiobooks – gravação do conteúdo do livro. Com o advento do computador e da internet, a leitura não se restringiu apenas aos livros impressos, mas também se estendeu para outros suportes digitais. Um novo acesso aos textos e um novo modo de ler se estruturou, o virtual onde a tela e o leitor se insere em um ciberespaço. Assim, frente às tecnologias uma nova relação entre leitor e texto se configura. É uma realidade o crescimento cada vez mais rápido do mercado de e-books e o bibliotecário precisa se atualizar”, disse a Bibliotecária da Biblioteca do UemaNet, Katia Soares.

É como diz o Gerente de Marketing e Produto da The Pearson Education, Tiago Scaff, instituição considerada a maior empresa de soluções educacionais do mundo e possui uma Biblioteca Virtual, que atende a mais de 70 instituições de ensino e quase um milhão de usuários diariamente: “Que aluno hoje não acessa a internet? São números muito pequenos. Nos Estados Unidos, por exemplo, o digital já superou o impresso. Isso vem num ritmo muito forte. Cada vez as instituições estão aderindo à tecnologia. É difícil você fechar os olhos pra isso. Porque a geração atual já nasceu com olhos digitais”.

Ainda, de acordo com Katia, “é necessário ficar atento às tendências do futuro do livro e das bibliotecas. Os profissionais precisam se preparar e

No futuro, a tendência das bibliotecas é disseminar a informação filtrada, selecionar o que existe no ambiente online e não apenas esperar que

34 | UemaNet • Revista PoloUm


Reality Interaction

The new role of libraries in the digital age documents of various origins.

A

lthough the number of publications or digitalize of books, still not so important in Brazil, as it is in other countries, for example in the United States, students and librarians are starting to get to know the new role of libraries. For the specialists in librarianship, the units need to be updated with the new trends otherwise, are inclined to have less attendee. "Today we can read complete works on the computer screen, in addition to having access to audiobooks - recording of the contents of the book. With the advent of the computer and the internet, reading is not restricted only to printed books, but also extended to other digital media. A new access to the texts and a new way of reading is structured, the virtual, where the screen and the reader is part of a cyberspace. Thus, forward the technologies a new relationship between reader and text is configured. IT is a reality the ever faster growth of the market of ebooks and the librarian needs to be up to date," said the librarian at the Library of UemaNet, Katia Soares. Still, according to Katia, "it is necessary to be attentive to the trends of the future of books and libraries. Professionals need to prepare and attend training courses for dealing with new technologies and their new activities in a virtual library or online, but that does not mean that the book on paper will have short life". The truth is that the electronic book will gain ever more space in the libraries, especially in education. There will be search increasingly through computers, where the student may print parts that he wants to, search in larger databanks and compare

Here in the Center of Technologies for Education, that is already a project in progress. By means of the internet, it will be possible to access, besides the books, the whole scientific production of the Center, such as theses, dissertations, and articles, a way of preserving the knowledge produced at the university. As says Tiago Scaff, the manager of Marketing and Product for Pearson Education, the institution considered the largest company of educational solutions in the world and that has a Virtual Library, which serves more than 70 educational institutions and nearly one million users daily: "What student today does not access the internet? The numbers are very small. In the United States, for example, digital has already surpassed the printed. This comes at a pace very strong. Each time the institutions are adhering to the technology. It is difficult to look the other way, because the current generation was born with digital eyes". In the future, the trend of libraries is disseminate filtered information out, select what exists in online environment and not only hope that the students come to the library, currently, it is already turning past. Hoa about the printed stuff? Despite all the excitement caused by tablets and other mobile devices, there are readers who do not want to abandon the printed material at all. Their arguments are relevant. Read on a computer is not as comfortable as read a work printed (on the other hand, a whole library fits in an e-reader, which weighs much less than a normal book). It is difficult to read a UemaNet • Revista PoloUm | 35


Realidade os alunos venham à biblioteca, ficar entre quatro paredes, atualmente, já está virando passado. E como fica o impresso? Apesar de toda a excitação provocada pelos tablets e outros dispositivos móveis, não faltam leitores que pretendem não abandonar o papel por nada. Seus argumentos são pertinentes. Ler num computador não é tão confortável como ler uma obra impressa (por outro lado, uma biblioteca inteira cabe num e-reader, que pesa muito menos do que um livro normal). É difícil ler um livro na tela porque os olhos se cansam da luminosidade (aparentemente não os das novas gerações, habituadas desde cedo às telas do computador). As baterias acabam, enquanto os livros são eternos (em compensação os livros impressos não podem ser baixados para o seu e-book justamente quando se está horas esperando na ante-sala do médico). Assim como toda a história tem os seus prós e contras. E os bibliotecários se encaixam nessa nova realidade? A definição da função do bibliotecário, sempre esteve atrelada a biblioteca em sua forma ''física'', quanto a isso não há dúvida. Assim, os bibliotecários tinham sua imagem associada aos edifícios de bibliotecas, servindo a sociedade apenas para adquirir, organizar, e preservar coleções. Com a explosão documentária na década de 80, juntamente com o advento da Internet (rede das redes), na década de 90, o profissional bibliotecário começou a se preocupar com o futuro de sua profissão. É natural que com o advento da era virtual, digital e a automação de acervos impressos, houvesse certa insegurança quanto ao futuro do profissional bibliotecário, pois faltava uma certa visão futura das aplicações de nossa profissão nesse novo momento que se enunciava. Mas, essa visão está ultrapassada na atualidade. “O que acontece hoje é justamente o contrário. O profissional da informação tem cada vez mais oportunidade de ser um multiplicador de suas funções, tendo em vista as várias direções que podem ser seguidas, quando nos referimos ao tratamento e a disseminação da informação. Onde houver 36 | UemaNet • Revista PoloUm

informação registrada, independente do tipo ou suporte, haverá campo de trabalho para o bibliotecário, que deve buscar estar sempre em contato com atuais ferramentas tecnológicas através da formação continuada”, destacou a auxiliar de Biblioteca Tatiana Ferreira. Exatamente como diz Mic helângelo Mazzardo Marques Viana, no seu artigo A Internet e o bibliotecário: a adequação de habilidades profissionais frente aos novos serviços: “O bibliotecário será um dos responsáveis por unir as pessoas e colocar à disposição delas recursos de comunicação, informação e produção de conhecimento. Será o gerenciador do mundo virtual e digital, reunindo todas as suas habilidades do moderno profissional da informação”. Resta ao bibliotecário estar continuamente se aperfeiçoando, tornando-se um profissional multidisciplinar, em condições cada vez maiores de estar a frente desse mercado tão promissor, que é o mercado da informação. Seja no setor econômico, social, político e educacional, temos a visão clara da importância do profissional da informação.

V

a m o s lembrar que o livro impresso também foi uma tecnologia da leitura, que já desbancou outras, no passado: os rolos de pergaminho e os livros manuscritos, mesmo que sob severos protestos de seus defensores. Da descoberta da escrita até o codex (que é o formato atual do livro), passaramse 4.300 anos; do codex ao tipo móvel, 1.150 anos; do tipo móvel para a internet, 524 anos; da Internet para os mecanismos de busca, 17 anos; deles para o Google, 7 anos; e quem sabe o que estará ali na esquina ou vindo na próxima onda?


Reality book on the screen because the eyes get tired of brightness (apparently not this new generation, because they grow in front of a computer screen). The batteries run out, while the books are forever (on the other hand, printed books can not be downloaded to your e-book, precisely when we are hours in a doctor´s waiting room). Well, like everything else, it has its pros and cons. And the librarians, do they fit in this new reality? The definition of the role of the librarian, was always linked to the library in its "brick and tar" form, no doubt about that. That way, the librarians had his image associated with the buildings, serving the society only to acquire, organize, and preserve books. With the explosion documentary in the 80s, along with the advent of the Internet (network of networks), in the 90s, the librarian began to worry about the future of their profession. It is natural that with the advent of virtual, digital, and the automation of printed collections, there was some uncertainty about the future of the professional librarian, because it lacked a certain vision of future applications of our profession in this closer new moment.

L

et's recall that the printed book was also a technology of reading, which already supplanted other, in the past: the rolls of parc hment, and the manuscript books, even under severe protests of its d e f e n d e r s. Fro m t h e discovery of writing up to the codex (the current format of the book), it took 4,300 years; the codex to the movable type, 1,150 years; from the mobile type to the internet, 524 years, and from the Internet to search mechanisms, 17 years; of them to Google, 7 years; and who knows what will be around the corner or coming in the next wave?

But this view is outdated in the present time. "What happens today is exactly the opposite. The information professional is having increasingly more opportunity to be a multiplier of their functions, in view of the various directions that can be followed, when we refer to the dealing and the dissemination of information. Where there is information recorded, regardless of type or support, there will be a work field for the librarian, who must seek always be in contact with current technological tools through continued training", said the Library assistant, Tatiana Ferreira. Exactly how says Michelangelo Mazzardo Marques Viana, in his article A Internet e o bibliotecário: a adequação de habilidades profissionais frente aos novos serviços“: The librarian will be one of the factors responsible for uniting the people and place available to them resources for communication, information and knowledge production. Will be the manager of the virtual world and digital, bringing together all the abilities of modern professional information". All that remains is the librarian be continually improving, becoming a multidisciplinary professional, increasing the chances to be at the forefront of this so promising market, which is the information market. Whether in the economic, social, political and educational, we have a clear vision of the importance of the information professional.

UemaNet • Revista PoloUm | 37


Redes Sociais Ambientes Pessoais de Aprendizagem: como as universidades podem competir com as redes sociais? notório hoje o imenso espaço que os Ambientes Pessoais de Aprendizagem ganharam. Os também chamados de PLE (Personal Learning Environment) vem unindo milhões de pessoas. E a dúvida é: como as universidades podem competir com as redes sociais? Para o professor Paulo Guilherme Domingos Ferreira Simões, da Força Aérea/Portugal, é impossível. “É muito complicado para as universidades competir com as redes sociais, como o Facebook, porque elas são demasiadamente interativas para os jovens. A solução? A universidade e escolas têm que perceber esse problema e conseguir criar motivações nas redes criadas pelas instituições, tornando-as tão agradáveis quanto as redes sociais. Competir não podem, mas podem tentar aproveitar o melhor que as redes tem”, conta ele. Paulo Guilherme, ainda, enfatiza a formação do professor de educação a distância para que se tenha um ensino mais dinâmico e interativo. “Há vários níveis de professores, mas a complicação torna-se maior quando há uns que sabem muito e há outros que sabem muito pouco. Mas, é sempre possível o professor aprender do ponto de vista informal e não somente esperar por uma capacitação, por exemplo, de uma universidade ou do governo. Hoje é possível qualquer pessoa aprender na Internet. Claro que é necessário ter algumas competências para se está na rede, para interagir dentro dela. Mas, dando esse passo, rapidamente a pessoa perceberá que consegue retirar dali muito mais aprendizado do que retiraria, provavelmente, numa formação de professores”, ressalta Guilherme. Mas, qual o real papel das redes sociais, principalmente quando se trata da educação a distância? Para o professor Rogério Melzi, da Estácio de Sá, “como é necessário se adaptar e usar ao seu favor, a melhor forma de utilizar este espaço virtual é criar uma rede social própria, com ferramentas digitais direcionadas para as necessidades da

É

38 | UemaNet • Revista PoloUm

instituição, o que possibilitará, além do contato direto dos alunos, um espaço de acesso a livros digitalizados e estreitamento da distância entre os professores da modalidade EaD”, explica. O professor Argemiro Karling, da INSEP (Faculdade Instituto Superior de Educação do Paraná), vai mais além: “O uso das redes sociais em EaD também deveria ser aplicado para crianças do ensino fundamental. Elas já navegam em celulares, tablets, tendo conhecimento e domínio das novas tecnologias, anteparo para o uso das redes sociais. Quanto mais velho for o aluno, mais dificuldade ele encontrará para se adaptar ao uso das redes sociais”. Os PLE's são uma realidade a ter bem em conta no futuro da educação, quer pela possibilidade de expandir o campo da aprendizagem durante o tempo formal de aprendizagem, quer pela possibilidade de apoiar e possibilitar a aprendizagem ao longo da vida. A isto acresce a mais-valia de um PLE poder acompanhar o indivíduo ao longo da vida, das suas transições acadêmicas, profissionais e pessoais.


Social Networks Personal Environments for Learning: How universities can compete with social networks?

I

t is well known today the vast space that the personal environments for learning gained. The so called PLE (Personal Learning Environment) has been uniting millions of people. And the question is: how universities can compete with social networks? For Professor Paulo Guilherme Domingos Simoes Ferreira, (Air Force/Portugal), it is impossible. "It is very complicated for the universities to compete with social networks such as Facebook, because they are too interactive for young people. What is the solution? Universities and schools must realize this problem and create motivation in the networks created by the institutions, making them pleasant as the social networks. Again, to compete is impossible, but could try to take advantage of the best that the networks have" he says. Paulo Guilherme emphasizes the training of the teacher in distance education, so to have a more dynamic and interactive teaching. "There are several levels of teachers, but it is harder when the knowledge

diference between them is a lot, some knowing much more than the others.” But, it is always possible the teacher learns from the informal point of view and not only waits for a formal training, for example, from a university or the government. Today it is possible any person learn on the Internet. Of course it is necessary to have some abilities to connect to the network and to interact within it. But, taken this step, soon the person you will understand that will withdraw from thence much more learning than he or she would, probably, in a formal training with teachers," says Guilherme. But, what is the real role of social networks, especially when it comes to distance education? For professor Rogério Melzi (Universidade Estácio de Sá) “As it is necessary to adapt and use to your favor, the best way to use this virtual space is to create a social network for the institution itself, with digital tools targeted to the needs of the it, which will, in addition to the direct contact with the students, an area of access to digitized books and narrowing the distance between the teachers of the modality", explains. Professor Argemiro Karling, INSEP (Institute for Higher Education of Parana), goes further: "The use of social networks in Distance Education (DE), should also be applied to elementary school. Children are already surfing the internet in mobile phones, tablets, having knowledge and know-how of new technologies, shield for the use of social networks. The older the student, the harder will be for them to adapt to the use of social networks". The PLE's are a reality to take well into account in the future of education, either by the possibility of expanding the field of learning during the time of formal learning, either by the possibility of support and enable life-long learning. In addition, the added value of a PLE to be able to monitor the individual throughout the life of their transitions academic, professional and personal. UemaNet • Revista PoloUm | 39


Conhecimento

D i Diccaa a Dic

Di ca Dica a

D D ica i c a a Dic

Dica a c i D

Dica ic D A

Bibliotecária Katia Soares indica o “O Livro, a Literatura e o Computador”, do professor Sérgio Luiz Prado Bellei. “O livro retrata muito bem a importância tanto do livro, da literatura, do computador, da biblioteca. Ele faz muitas analogias a respeito da função de cada um deles, sempre demonstrando que todas as tecnologias que surgem são específicas e importantes para uma determinada área, para uma determinada era e que uma não substitui a outras, mas que uma agrega à outra”, diz ela. No livro, publicado em 2002, o autor Prof. Sérgio Luiz Prado Bellei, reflete a respeito do livro, como objeto simbólico, instituição e tecnologia. Expõe inquietações em relação ao futuro do livro impresso além de traçar um breve histórico da entidade livro. A obra analisa perspectivas diante das inovações tecnológicas e digitalização das mais diversas fontes de informação. Vale ressaltar que a obra publicada em 2002 e as questões levantadas por Bellei, descritas a seguir, se referem a poucos anos atrás em um período de transformações vertiginosas. Ainda assim, confrontado com o momento atual, os temas expostos são relevantes e realistas, principalmente porque o autor prever possíveis soluções e aponta novos problemas para estudo e pesquisa.

40 | UemaNet • Revista PoloUm

“O Livro, a Literatura e o Computador” se detém no livro impresso, explorando pouco, o conceito ainda muito novo, de conteúdo digital de livros, como ocorreu com a distribuição de música que se desprendeu da mídia para ser ouvida e consumida sob um novo formato, mais livre e democrático, ainda que, causando significativos prejuízos às gravadoras. A obra aborda e analisa, ainda, conceitos como “virtual” e “ciberespaço”; questiona o que o autor chama de “celebração utópica” do computador e das novas tecnologias; discute o acesso e questões de poder relacionadas à produção e ao acesso ao conhecimento; e os efeitos de tudo isso sobre a informação, conhecimento e sabedoria. Falando de livros, linguagem, literatura, computador, a perspectiva de Bellei é sempre, o homem. Com texto interessante, fluido e conceitualmente bem embasado, a obra é de interesse de estudiosos ligados à literatura, linguística, tecnologias da informação e comunicação, antropologia; ciências da informação e demais áreas afins.


Knowledge

T i Tipp Tip

Ti p Tip

p Tip i T Tip Tip

T Tipip Tip

T

he Librarian Katia Soares suggests the book "The Book, the literature and the Computer", by Professor Sergio Luiz Prado Bellei. "The book portrays very well the importance of books, literature, computer, and library. He makes many analogies with regard to the function of each one of them, always demonstrating that all the technologies that emerge are specific and important for a given area, for a given era and that one does not replace the other, but that adds to another," she says. In the book, published in 2002, the author Prof. Sergio Luiz Prado Bellei reflects about the book as symbolic object, institution and technology. Exposes concerns in relation to the future of the printed book in addition to trace a brief history of the book as an entity. The work examines perspectives in front of technological innovations and scanning of the more diverse sources of information. It is worth noting that this work published in 2002 and the issues raised by Bellei, described below, refer to a few years ago in a period of dizzying changes. Even so, faced with the current moment, the issues are relevant and realistic; mainly due to the author provide some possible solutions and point out several new problems for study and research.

"The Book, the literature and the Computer" talks about printed book, exploring just a little, the still very new concept, digital content of books, as occurred with the distribution of music that has separated from media to be heard and consumed under a new format, more free and democratic, even causing significant damage to the record companies. The work addresses and still analyzes concepts such as "virtual" and "cyberspace"; questions what the author calls "utopian celebration" of the computer and new technologies; discusses access and issues of power related to the production and access to knowledge; and the effects of all this on information, knowledge and wisdom. Speaking of books, language, literature, computer, the prospect of Bellei is always the man. With text interesting, fluid and conceptually well based, the work is of interest to scholars linked to literature, linguistics, communication and information technologies, anthropology; information science and other related areas.

41 | UemaNet • Revista PoloUm


Profissão

Designer Educacional: Um profissional vital no processo de aprendizagem da Educação a Distância (EaD)

C

om certeza já ouviu falar em designer de interiores, moda, gráfico, web designer, etc. E você conhece o designer educacional? Ele é o profissional responsável por articular, planejar e elaborar um curso ou processo de aprendizagem para a modalidade a distância.

como os produtos chegarão aos tutores e alunos.

Por exemplo, se a instituição de ensino superior tem o desejo de ofertar cursos EaD, é o setor de design instrucional que planeja, desenvolve e utiliza peculiaridades didáticas, visando a aprendizagem através de uma ação sistemática. Ou seja, é pela ação do designer educacional que resultam as condições adequadas ao processo de aprendizagem.

A coordenadora pedagógica também esclarece que o profissional pode ser conhecido como designer instrucional, desenhista instrucional ou projetista instrucional. “Porém, algumas instituições vêm substituindo termo o instrucional por educacional, por entender que essa não é uma função meramente técnica. À medida que esse profissional é o especialista que orienta o pensamento pedagógico a fim de formular e reformular os elementos necessários para concepção de um curso a distância, ele 'pensa', 'planeja', 'organiza', assim ele não está apenas projetando, mas espera algum resultado mais efetivo daquilo que elaborou”, elucida Isis Monteles.

De acordo com a supervisora pedagógica de Design Educacional (D.E.) do Núcleo de Tecnologias para Educação da Universidade Estadual do Maranhão (Uemanet), Isis Monteles, o designer não pensa apenas o fórum, as atividades e a avaliação, mas também articula todos os recursos e objetos de modo que atenda aos propósitos do curso conforme a clientela alvo, isto perpassa desde a orientação dos professores até a forma

No cotidiano, o trabalho do designer está atrelado ao planejamento, que não é feito de forma aleatória. Por isso, ele precisa conhecer a sua clientela, ou seja, o público alvo com que trabalha. Então, é preciso conhecer o curso, seus objetivos, a modalidade, carga horária, entre outros itens necessários para elaboração, a partir de uma matriz didática, de todos os objetos que estão diretamente ligados à proposta daquele curso,

42 | UemaNet • Revista PoloUm


Profession

Deducational Designer: a vital professional in the learning process for Distance Education (ODL)

Y

ou certainly already heard about interior designer, fashion, graphic, web designer, etc. But, do you know the educational designer? He is the professional responsible for articulate, plan and prepares a course or learning process for the modality the distance. For example, if the institution of higher education has the desire to offer Distance Education courses, the department of instructional design is the one that plans, develops and uses didactic peculiarities, aiming at learning through a systematic action. That is, and is by the action of the educational designer that results the appropriate conditions to the learning process. According to UEMANet´s pedagogical Design Educational (D.E.) supervisor, Isis Monteles, the designer not only think the forum, the activities and the evaluation, but also articulates all resources and objects in order to meet the goals of the course to please the target clientele, that permeates since the coaching of the teachers up to how the products will arrive to tutors and students.

The pedagogical coordinator also clarifies that the professional can be known as instructional designer. "However, some institutions have been replacing the term instructional by educational, because it is believed that this is not a purely technical position. To the extent that this professional is the specialist that guides the pedagogical thinking in order to formulate and reformulate the elements necessary for the design of a distance course, he 'thinks', 'plans' and 'organizes', so he is not only designing, but expects some more effective results of what was draw up", says Isis Monteles. In daily life, the work of designer is coupled to the planning, that is not done at random. For this reason, he needs to know his customers, i.e. the target audience. Then, it is need to know the course, its objectives, modality workload among other items needed for preparation, from a didactic matrix, of all the objects that are directly related to the proposal of that course, discipline or module to be truly performed. "If it is compared by similarity with the method of teaching in class, the matrix didactics would be planning

UemaNet • Revista PoloUm | 43


Profissão Capacitação disciplina ou módulo para que seja verdadeiramente, realizado.

objetos de aprendizagem, conhecimento sobre planejamento e vontade de que o outro aprenda – isso facilitará o desenvolvimento de suas competências”.

“Se for comparada por semelhança com o método de ensino presencial, a matriz didática seria o planejamento didático do professor, por isso a sua relevância para o designer. Nela, consta detalhadamente, o que será abordado, a finalidade da disciplina, quais objetos e recursos serão utilizados, o tipo de fórum e os itens de avaliação que deverão ser aplicados e a relação existente entre esses recursos”, acrescenta a supervisora pedagógica. A diferença é que quando se pensa o planejamento presencial, vem primeiramente o conteúdo e, a partir daí, os objetivos é que vão definir esse conteúdo, a avaliação vai estar de acordo com que o professor deseja para esse conhecimento. Já na matriz didática será o inverso: é sabido aquilo que se quer que o aluno aprenda. Para tanto, se desenvolve o objeto melhor adequado para essa aprendizagem e determina-se os instrumentos mais adequados ao processo e a avaliação, isso é o que define a matriz. Entre os desafios enfrentados por quem escolheu ser designer educacional estão: a profissão que, ainda, não é regulamentada; os estudos na aérea que são recentes, implicando diretamente no volume de referências bibliográficas; e o entendimento por parte de outros profissionais sobre a prática do designer educacional, caso contrário, se a instituição de ensino não estiver preparada para receber sugestões e indicações, as intervenções propostas nem sempre serão positivas. Na função também de auxílio aos professores que ministram as disciplinas ou módulos a distância, o designer educacional estaria em equivalência aos supervisores, orientadores e coordenadores pedagógicos do ensino presencial, que ajudam os docentes no desenvolvimento do trabalho, com a complementação de que, no ensino a distância o seu foco não é apenas o professor, mas principalmente o aluno. O coordenador de Design Educacional do Uemanet, Mauro Carozzo Todaro, esclarece quais são as qualificações necessárias para se tornar designer educacional no Núcleo, por exemplo. “Não há obrigatoriedade em uma graduação específica, mas preferencialmente da área de educação. Algumas características também se fazem necessárias a quem almeja a profissão, como organização, capacidade de articulação para os

44 | UemaNet • Revista PoloUm

Uma dica para evitar erros. É comum olharmos o empr e go inadequado de “Design Educacional” e “Designer Educacional”. Os dois termos existem e possuem definições distintas. Portanto vale a pena entender quando cada um deve ser empregado. Design é uma metodologia de planejamento educacional. Ex.: eu faço design; eu estudo design; eu adoro design. Designer é o profissional. Ex.: eu sou designer; eu trabalho como designer.


Profession the didactic of the professor, so its relevance to the designer. In it, in detail, which will be dealt with, the purpose of discipline, which objects and resources will be used, the type of forum and the evaluation items that should be applied and the relationship between these resources," adds the educational supervisor.

The difference is that when you think the planning presential class, comes first the content, and from there, the objectives and that will define this content, the assessment will be in agreement with what the teacher wants for this knowledge. But in the didactics matrix will be the opposite: you know what you want students to learn. For both, develops the object better suited for this learning and determines the most appropriate tools to process and evaluation, this is what defines the matrix. Among the challenges faced by those who have chosen be educational designer are: the profession that, still, is not regulated; the studies on the field that are recent, implying directly in the volume of references; and the understanding by other professionals about the practice of educational designer, otherwise, if the educational institution is not prepared to receive suggestions and directions, the proposed interventions are not always positive. In the function also of aid to the teachers who teach the disciplines or modules to the distance, the educational designer would be in equivalence to supervisors, tutors and educational coordinators classroom, that help the teachers in the development of the work, with the complementation of which, in distance teaching his focus is not just the teacher, but mainly the student.

A tip to avoid errors. It is common to you look at the inadequate use of "Educational Design" and "Educational Designer". The two terms exist and have distinct definitions. Therefore it is worth understanding when each should be used.

The coordinator of Educational Design of UEMANet, Mauro Caruzzo, explains what are the qualifications needed to become educational designer at UEMANet, for example. "There is no requirement in a specific graduate degree, but preferably in the area of education. Some characteristics are necessary for those who aspire to profession, such as organization, capacity of articulation for the learning objects, knowledge about planning and desire for the other to learn - this will facilitate the development of their skills".

Design is a methodology of educational planning. Ex.I do design; I study design; I love design. Designer is the professional. Ex.: I am a designer; I work as a designer.

UemaNet • Revista PoloUm | 45


Tecnoligias

M-Learning: Utilização das tecnologias emergentes na EaD para aumentar o acesso à educação

O

conceito de aprendizagem móvel (MLearning) - entendido como a aprendizagem facilitada por dispositivos móveis - está ganhando força no mundo em desenvolvimento. E informação e tecnologias de comunicação móvel são importantes facilitadores da nova estrutura social. Estamos vivenciando a primeira geração de informações verdadeiramente portátil e tecnologia de comunicações (TIC), com o advento relativamente recente de pequenos dispositivos portáteis móveis que fornecem telefone, Internet, e armazenamento de dados e gestão de produtos, tais como: i-Mate, O2, Palm, HP, Bluetooth e (todas as marcas registradas) que combinam telefonia móvel, chips de memória removíveis, diários, e-mail, Web, processamento de texto básico e planilhas, e entrada de dados, armazenamento e transferência. O que podemos chamar também de tecnologias emergentes. Para o professor canadense Mohamed Ally (Athabasca University), as tecnologias emergentes podem contribuir muito para os aprendizados. “Especialmente os jovens, eles utilizam essas tecnologias emergentes, eles podem ensinar e na escola podem interagir com os professores. Então, as tecnologias emergentes são uma realidade, ajudam a mudar não só o mundo, mas o indivíduo também utiliza as tecnologias para se tornar uma pessoa muito melhor”, diz. Mohamed, ainda, ressalta como usar as tecnologias no ensino: “Eu digo geralmente para os professores que eles têm que desenvolver o aplicativo, as tecnologias para usar em todos os aparelhos tablets, celulares, computadores. Com o desenvolvimento de uma tecnologia você pode alcançar vários tipos de mídia. Além de desenvolver essa tecnologia para usar na mídia você tem que treinar os professores a usá-la de outra forma. O uso vai ser benéfico para a sociedade”. O alcance dessas tecnologias é tamanho, que as escolas, universidades do século XXI têm que se adaptarem ao uso dessas novas tecnologias. “Ou se adapta ou então o aluno vai ficar em desvantagem em relação aos outros. E a maioria dos postos de trabalhos é baseada no uso da tecnologia. Se a escola não ensinar esse aluno ele vai ter dificuldade profissionalmente 46 | UemaNet • Revista PoloUm

também, porque ele não está acostumado a fazer uso da tecnologia. Então, tem que começar na escola porque quando ele chegar para trabalhar deve estar preparado para tal ou então esse aluno e futuro profissional vai ficar para trás”, enfatiza o professor canadense. Ele, também, completa: “Precisamos seriamente pensar no aprendizado do professor porque esse profissional ensina hoje o que ele aprendeu, e ele aprendeu, usando o quadronegro ou quadro-verde, e é isso que ele vai passar. Já a criança, está usando tecnologia em casa, conflita com a cultura do professor e com o aluno que tem o uso da tecnologia. Por isso, o professor tem que ter um treinamento sério para enfrentar um aluno com tecnologia, sendo que esse treinamento deve ensinar a ele os benefícios do uso da tecnologia para ele poder entrar de cabeça”. A verdade é que, de acordo com Mohamed, e que com certeza muitos estudiosos e profissionais da área compartilham é que “deveria ter um curso de ética do bom uso dessas tecnologias. Se você ensinar a criança ela vai crescendo, fazendo o uso da ética com tecnologias, ela vai fazer bom uso disso e não mau uso”.


Technologies

M-Learning: Use of emerging technologies in Distance Education to increase access to education develop the application, the technologies for use on all apparatus such as tablets, cell phones and computers. Beyond the development of a technology, you can achieve multiple types of media. In addition to developing this technology for use in the media, you have to train the teachers to use it in different ways. The use will be beneficial to society”.

he concept of mobile learning (M-Learning) understood as learning facilitated by mobile devices - is gaining strength in the developing world. Information and mobile communications Technologies are important facilitators of the new social structure.

The scope of these technologies is such that schools and universities of the XXI Century have to adapt to the use of these it. "Or adapts or their students will be in disadvantage in relation to others. Also, the majority of jobs created are based on the use of technology. If the school does not teach this student, he will be professionally hard, because he is not accustomed to the use of technology. Then, they have to start learning at the school, and when he goes to work, will be prepared for it, or that student, a future professional, will be left behind", emphasizes the Canadian professor.

We are experiencing the first generation of information truly portable and communications Technology (ICT), with the advent relatively recent of small portable devices mobile that provide phone, Internet, and data storage and management of products, such as: i-Mate, O2, Palm, HP, Bluetooth, and (all trademarks) that combine mobile telephony, memory chips removable, daily, e-mail, Web, basic word processing and spreadsheets and data entry, storage and transfer, that we can also name as emerging technologies.

He, also, adds: "We need seriously thinking in the learning of the teacher because this professional teaches today what he has learned, and he learned using the blackboard, and that is what he is going to pass on. Differently, today´s child is using technology at home, will conflict with the culture of the teacher. There must be a serious training for the teachers to face a student that uses the technology, so the training should teach them the benefits of the use of technology, for them to “sink their teeth” on it".

For the Canadian professor Mohamed Ally (Athabasca University), the emerging technologies can contribute much to the learning. "Especially young people, they use these emerging technologies to can teach and at school they can interact with the teachers. Then, emerging technologies are a reality, help to change not only the world, but the individuals also uses technologies to become a person much better," says.

The truth is that, according to Mohamed, and certainly many scholars and professionals in the area share is that, "There should be a course in ethics for the good use of these technologies. If you teach the child, she will grow up making the use of technologies with ethics she will make good, and not a bad use of it”.

T

Mohamed still emphasizes how to use the technology in education: "I usually tell to the teachers, that they have to

UemaNet • Revista PoloUm | 47


Seminário do Polo Ribamar leva conhecimento e integração aos alunos

V

ivemos hoje na era da globalização, onde o acesso à informação e socialização de conhecimento é desafiador, mas essencial para a formação de profissionais competentes para atuar na exigente sociedade globalizada.

Módulo I dos cursos técnicos, modalidade a distância da UEMA.

“Gosto muito de uma frase de Davenport& Prusak (1998), a qual diz o conhecimento tem origem e é aplicado na mente dos conhecedores e nas organizações, ele não está embutido apenas em documentos e repositórios, mas também em rotinas, processos, práticas e normas organizacionais. Por isso, o seminário foi pensando e será repetido após cada módulo”, disse a coordenadora do Polo Ribamar I – Mirititiua, profª Graça Scrivener.

Alunos de todos os cursos técnicos, ofertados no polo, expuseram atividades produzidas nas disciplinas do primeiro módulo: Controle Ambiental: Rede e-Tec X Aula Passeio: uma nova possibilidade para cursos a distância; Guia de Turismo: São José de Ribamar e seus atrativos turísticos; Serviços Públicos: Ética no Serviço Público; Alimentos: Por que os alimentos estragam?; Contabilidade: A origem da contabilidade; Informática e Rede de Computadores: MSOffice e BrOffice: um comparativo dos seus principais componentes (processadores de texto e planilhas eletrônicas).

Com o tema “Produzindo e Socializando Conhecimento”, o Seminário teve como objetivo promover um momento de socialização de conhecimento, por meio das atividades realizadas nas disciplinas ofertadas mo

“Esse foi um momento de conhecimento e integração. Foi muito gratificante poder ver a forma de organização, atenção de cada aluno e desmistificar essa história de que na educação a distância as pessoas tem

48 | UemaNet • Revista PoloUm


Seminar at Ribamar Center brings knowledge and integration to students

T

oday we live in the era of globalization, where access to infor mation and socialization of knowledge is challenging, but essential for the formation of competent professionals to work in demanding globalized society. "I really like a sentence of Davenport& e Prusak (1998), which says the knowledge originates and is applied in the minds of the knowledgeable and in organizations, it is not only embedded in documents and repositories, but also in routines, processes, practices and organizational rules. Therefore, the seminary was thinking and will be repeated after each module", said the coordinator of Polo Ribamar I - Mirititiua, Professor Grace Scrivener. With the theme "Producing and Socializing Knowledge", the seminar aimed to promote a moment of socialization of knowledge, by means of the activities

performed in the disciplines offered in the Module I of technical courses, modality to distance of the UEMA. Students of all the technical courses, offered at the center, exposed activities produced in the subjects of the first module: Environmental Control: Network e-Tec X Classroom Tour: a new possibility for distance courses; Tourism Guide: São José de Ribamar and its tourist attractions; Public Services: Ethics in the Public Service; Food: Why the food deteriorate?; Accounting: The origin of accounts; Information Technology and Computer Network; MSOffice and BrOffice: a comparative of their main components (word processors and spreadsheets). "This was a moment of knowledge and integration. It was very gratifying to see the form of organization, attention to each student and demystify this history that in distance education people have difficulty in learning. The Seminar proved quite the contrary, there was a break

UemaNet • Revista PoloUm | 49


dificuldade em aprender. O Seminário provou totalmente o contrário, foi uma quebra de paradigmas mesmo. Todos se empenharam bastante nas atividades e, sinceramente, não me senti diante de alunos e sim de verdadeiros profissionais”, destacou a coordenadora adjunta do eTec/UemaNet, profª Eliza Flora Muniz. Eliza Flora, ainda, continua: “O Polo de Ribamar é bastante ativo e participativo. E essas qualidades a coordenação já vem analisando há muito tempo, principalmente porque quase não tem evasão de alunos. É uma motivação e exemplo para outros polos porque em muitos falta a proatividade”. O aluno do curso de Rede de Computadores, Ródino Machado Braga, contou sobre a agregação de conhecimento. “É um projeto muito especial e de fundamental importância. Aqui compartilhamos ideias e nos integramos com outros cursos. Com certeza agregará muitos valores na nossa caminhada profissional”, ressaltou ele. A coordenadora do polo aproveitou a oportunidade para parabenizar a todos os alunos: “Tivemos aqui apresentações cheias de conhecimento e informação. Estou gratificada por cada um dos meus alunos. São eles que fazem esse polo existir. E quero dizer a todos que o curso técnico não é somente um título, mas uma experiência que valerá lá fora”.

50 | UemaNet • Revista PoloUm


paradigms. Everyone have been very much in the activities and, frankly, I did not feel I was in front of students, but of true professionals," said the associate coordinator of the eTec/UemaNet, Professor Eliza Flora Muniz. Eliza Flora continues: "The Center at São José de Ribamar is very active and participatory. And these abilities, the coordination has already been analyzing for a long time, mainly because it has almost no evasion of students. It is a motivation and example for other centers because in many others there is lack of proactivity". The network of computers student, Rodino Machado de Braga, spoke on the aggregation of knowledge. "It is a very special project and of fundamental importance. Here we share ideas and we integrate with other courses. With certainty will add many values in our professional walk", he stressed. The coordinator of Center took the opportunity to congratulate all the students: "We have had presentations full of knowledge and information. I am profoundly gratified by each one of my students. They are the reason of the existence of this Center. And I want to say to all that the technical course is not only a title, but an experience that will be worth it out there".

UemaNet • Revista PoloUm | 51


Reflexão

Será o fim da escrita à mão? É preciso se preocupar com a perda do nosso hábito de escrever à mão? Alguns estudiosos, como Philip Hensher, acham que sim.

N

uma era em que textos e notas são digitados em celulares, tablets ou ipads, estamos perdendo a habilidade necessária para escrever à mão e com rapidez uma frase que seja ao mesmo tempo inteligível e atraente. O tempo dedicado ao ensino da caligrafia nas escolas diminuiu. É claro que, vez ou outra, continuamos rabiscando listas de coisas, fazendo anotações em reuniões. Mas, seja sincero, qual foi a última vez que você preencheu uma página de papel inteira com frases ininterruptas, tentando expressar um argumento ou defender um ponto de vista? Qual foi a última vez que usou caneta e papel para escrever e não só para anotar? Faz um tempo, não é? Imaginem que daqui a algumas décadas ou séculos, a população da Terra não vai mais saber escrever no papel. Apenas nos seus dispositivos móveis. Isso não é

52 | UemaNet • Revista PoloUm

ficção científica, nem previsão apocalíptica, mas pode acontecer. Inclusive, alguns alunos de escolas particulares de grandes estados, como São Paulo, levam para a sala de aula notebooks para anotarem as tarefas e estudarem. Em casa, o ritual se repete na hora de concluir as tarefas. Se você tiver um tempo leia o livro The Missing Ink (A Tinta Desaparecida), do britânico Philip Hensher, que faz uma defesa que provavelmente demorou demais para sair. Ele inicia o livro com a seguinte pergunta: “Devemos nos preocupar? Devemos aceitar que a escrita à mão é uma habilidade do passado? Ou ela tem um valor que nunca será substituído pelo mundo digitalizado?” Alguns homens e mulheres modernas da atualidade talvez digam não para a primeira pergunta e sim para a Segunda. E nem pensam na luta que foi fazer que essa arte chegasse até às classes menos favorecidas, já que antes da revolução industrial, a habilidade da escrita era restrita à elite. Com o desenvolvimento do comércio, uma classe de trabalhadores passou a frequentar escolas de caligrafia para escrever de maneira clara, correta e com rapidez.


Thought

Is this the end of handwriting? Should we worry about losing our habit to write by hand? Some scholars, such as Philip Hensher, believe so.

I

n an era in which texts and notes are typed into cell phones, tablets or ipads, we are losing the skills necessary to handwrite with celerity, a phrase that is at the same time, readable and attractive. The time devoted to the teaching of handwriting in schools decreased.

Paulo, take to the classroom notebooks to write down the tasks and studying. At home, the ritual is the same at home work time. If you have time read the book The Missing Ink, by British writer Philip Hensher, which makes a defense that probably took too long to be edited. He begins the book with the following question: "Should we worry about? We must accept that the handwriting is a skill of the past? Or it has a value that can never be replaced by digitized world" Some trendy men and women nowadays perhaps say no to the first question and yes to the second.

Of course that, once in a while, we still jotting down lists of things, making notes in meetings. But, let us be honest, when was the last time you filled a whole paper page with uninterrupted phrases, seeking to express an argument or defend a point of view? When was the last time you use a pen and paper to write a piece and not only to jot things down? It has been a long time, hasn't?

And not say how hard was for this art to reach the lower classes, since before the industrial revolution the skill of writing was restricted to the elites. With the development of trade, a class of workers started to attend schools of calligraphy to write clearly, correctly and quickly.

Imagine that in a few decades or centuries, the population of the earth will no longer know how to write on paper, only on their mobile devices. This is neither sci-fi, nor apocalyptic prediction, but it is possible. Also, some students from private schools in wealthy states, such as SĂŁo

But, let's admit, there is nothing more clear and easy to read than a typed text, in addition to being practical. Besides, all innovation in handwriting was aimed at improving the speed and clarity of human communication. And there is nothing more clear than a typed text.

UemaNet • Revista PoloUm | 53


Reflexão Mas, vamos combinar que não há nada mais claro e fácil de ler do que um texto digitado, além de ser prático. Até porque toda inovação da escrita manual teve por finalidade aprimorar a velocidade e clareza da comunicação humana. E não há mais clareza do que um texto digitado. Mas, devemos defender, sem dúvida alguma, que a escrita não deve ser extinta e creio que nem teria como. Anotações à mão sempre são necessárias. E apesar de quase não existir, é gostoso receber uma carta que foi fisicamente tocada e trabalhada pelo remetente.

comunicação e registro. É um exercício cerebral. E, além de tudo, dá perfeitamente para aprender e sobreviver com as duas coisas, não precisa ser uma em detrimento da outra. E você pode até não sentir saudades da sua letra, da escrita, se deixar de usá-la, mas, com certeza, sentirá falta de cadernos, lápis, lapiseiras e blocos de anotações. E os cadernos escolares, então? Como serão os adultos de amanhã, sem os cadernos da adolescência? Sei não. Talvez um pouco de nostalgia não faça mal. Mas, há dois lados em questão. Pense nisso!

É, parece impossível, mas imaginem no futuro um mundo onde nenhum ser humano saiba escrever à mão. Algo que até para se imaginar é difícil. Até porque há um conjunto de aprendizado que vem junto com o aprendizado da escrita que é imprescindível para o desenvolvimento das crianças, que tem a ver com a motricidade, com a organização espacial, é muito mais que uma forma de

54 | UemaNet • Revista PoloUm


Thought But, we must defend, without a doubt that the handwriting should not be extinguished and I believe that there is no way it could be. Jotting things down are always necessary. And despite being rare, it is always nice to receive a letter that was physically touched and worked by the sender.

pencils and blocks of annotations, school notebooks. How will be the adults of tomorrow, without the notes of adolescence? I doubt. Perhaps a bit of nostalgia will be good. But, there are two sides in question. Think about it!

It seems impossible, but think in the future a world where no human being knows how to write by hand. Something that is even difficult to imagine. And because there is a set of learning that comes along with the learning of handwriting which is essential for the development of children, which has to do with the motricity, with the coordinated movements of the hands, and much more than a simple way of communication and record. It is a cerebral exercise. And, above all that, it is possible for the two things to get along. And you may even not miss your handwriting, writing, if you stop using it, but, for sure, you will miss pens,

UemaNet • Revista PoloUm | 55