Page 94

93

estados expressivos do movimento manifestos entre Estados, Impulsos e modos de Forma. Esta forma ajuda a localizar os aspectos expressivos de um movimento muito específico, suas relações com os estados emocionais contidos no movimento. Ainda assim, nenhuma forma de representação do movimento dá conta de comunicar aquilo que só o movimento melhor faz (LABAN, 1976). É preciso partir deste ponto para iniciar esta viagem rumo à utilização de uma linguagem como esta. Ou para citar Paul Ricoeur (apud CHEVALLIER, Jean- Frédéric, 2004), “o símbolo não resguarda nenhum ensinamento dissimulado que bastaria desmascarar e que tornaria caduca a roupagem da imagem. O símbolo dá; mas o que ele dá é algo para pensar, algo de que pensar” (1960, 480).

A primeira Mesma Coisa: análise pessoal de movimento Em minha formação como CMA no LIMS recebi alguns motifs para mover e trabalhamos sobre a compreensão de algumas formas de escrita e alguns símbolos sem muito aprofundamento. Entre tantas demandas para o trabalho de conclusão escrito que devemos produzir ao final desta formação, o motif é um elemento que deve estar presente ilustrando alguma seqüência de movimento que esteja sendo analisada. Como meu trabalho envolvia criação e análise pessoal de movimento, pedi a um colega que escrevesse um motif para que eu movesse em cinco diferentes seqüências e a partir delas então tentaria fazer uma análise pessoal de movimento, passando por perguntas como teatralidade, abstração e expressão do movimento. 1 motif = 5 seqüencias, improvisando um motif para uma análise pessoal que visa respostas maiores foi o título dado ao trabalho. Nesta proposição coloquei todas as minhas perguntas de então sobre teatralidade, expressividade, abstração e forma, e realizei uma análise minuciosa do meu movimento para descobrir minhas características pessoais de movimento. O material de movimento analisado foi as cinco seqüências movidas em criação e fixadas para este fim. Duas delas eram codificadas sobre as questões propostas: uma onde eu consegui construir uma narrativa utilizando uma contracenação com uma mosca imaginária, que foi a seqüência “teatral”, e outra onde eu busquei trabalhar com a forma do movimento numa organização dita “abstrata” (abstração da emoção do intérprete). Outra

Gipe cit 19 (tradução de artigo)  

Ciane Fernandes Tradução: Melina Scialom SEM PERDA DE MEMÓRIA: UMA EXPLORAÇÃO COREOGRÁFICA

Gipe cit 19 (tradução de artigo)  

Ciane Fernandes Tradução: Melina Scialom SEM PERDA DE MEMÓRIA: UMA EXPLORAÇÃO COREOGRÁFICA

Advertisement