Page 62

61

Nesse ponto pode-se destacar uma das principais tensões com que nosso estudo se depara: como articular um sistema de molde estruturalista, como o taoísmo, com questões da filosofia contemporânea pós-estruturalista? Como agenciar noções a princípio tão díspares como unidade (ou dualidades) e multiplicidade; centro e descentramento; equilíbrio e instabilidade; tradição e desconstrução, etc.? Aqui cabe remeter à pesquisadora Ciane Fernandes orientadora de nossa tese, que se coloca questão parecida na introdução de seu estudo sobre Pina Bausch, resultado de sua tese de doutorado (2000). Ela percebe como disturbador - mais que complementar - o encontro entre o pós-estruturalismo lacaniano e o estruturalismo do sistema Laban de análise de movimento (LMA), mas nem por isso se furta ao confronto. Fernandes entende que “dentro do Anel de Moebius, LMA e a cadeia significante de Lacan se desafiam e se redefinem, numa constante busca pela linguagem da dança” (2000, 36). O Anel de Moebius, ou lemniscate, ou ainda a figura oito, orienta nossa perspectiva de análise e de criação.

Essa imagem é criada pela junção de duas extremidades invertidas de uma faixa, cujas faces passam a ser simultaneamente internas e externas (Fernandes, 2000, 34). A dinâmica implicada nessa figura é de tal ordem que os limites entre os pólos de uma dupla original (fora e dentro, ou lado A e lado B) se diluem até borrar a própria idéia de dualidade. Assim, a partir de um par-parâmetro se multiplicam configurações e se descortinam noções como reversibilidade, transformação, interdependência. Estas são, ainda, similares às propriedades que descreveremos, oportunamente, das dinâmicas yin yang, uma de nossas matrizes taoístas. Do ponto de vista cronológico, as primeiras sementes da tradição taoísta são atribuídas ao I ching tratado ou livro (ching) das mutações (I) - que pode remontar há até três mil anos. O conceito de mutações, basilar ao I ching,

Gipe cit 19 (tradução de artigo)  

Ciane Fernandes Tradução: Melina Scialom SEM PERDA DE MEMÓRIA: UMA EXPLORAÇÃO COREOGRÁFICA

Advertisement