Page 171

170

Seqüência D' (continuação da Escala Pessoal) Depois do quinto passo (com o pé direito cruzado na frente), caio em direção a baixo esquerda frente, com peso leve e tempo desacelerado (estado próximo), guiada pelo cotovelo e joelho esquerdos (em organização corporal homolateral). Repito o rolamento no chão, mas agora com uma diminuição da velocidade e do peso, completando somente dois rolamentos (na seqüência D completo 7 rolamentos em 15 segundos; desta vez eu realizo um rolamento em 25 segundos). A desaceleração é mais evidente no começo do rolamento, mas depois o ritmo permanece uniforme, apesar de bem mais devagar que quando realizado na seqüência D. Estes rolamentos acontecem em geral na forma fluida, enquanto os da seqüência D acontecem em forma tridimensional. Nesta seqüência D', o ritmo exageradamente lento adicionado ao peso leve (estado próximo), me faz sentir como se eu estivesse terrivelmente magoada, e agora estou muito vulnerável. Sinto que é um momento bastante íntimo que estou dividindo com o público. Por outro lado, me sinto bem por estar me dando a chance de respeitar meu próprio tempo. Tenho tempo para ouvir meu corpo, sensações e sentimentos.

Seqüência B' Do estado próximo, retorno ao estado onírico e forma fluida, em preparação para a próxima seqüência. Repito a seqüência B, mas um pouco mais rápido, conectando mais os movimentos e com as transições mais fluidas. Além disso, é realizada numa relação diferente na sala ou palco, para que o público a veja de outra perspectiva (ênfase na relação artista-público: internoexterno). Adiciono bastante suporte respiratório no balanço das pernas no plano horizontal, o que então se torna mais expressivo que na seqüência B. É um momento de transformação. O balanço tende a começar com um impulso direto e leve na perna que abre (estado estável) seguido de um foco indireto e fluxo livre ao abrir (estado remoto), e controle e desaceleração aproximando-se do chão (estado móvel). Do terceiro ao sexto balanço, o peso leve progressivamente se torna forte, mantendo ainda as outras qualidades expressivas. Nesta fase, como no movimento da “cauda de baleia” que se segue, utilizo fluxo livre e o balanço para aumentar

Gipe cit 19 (tradução de artigo)  

Ciane Fernandes Tradução: Melina Scialom SEM PERDA DE MEMÓRIA: UMA EXPLORAÇÃO COREOGRÁFICA

Advertisement