Issuu on Google+

de Ant贸nio Mota Gui茫o de Teatro


Personagens_______________________ Contador de hist贸rias (narrador) Galinha Cantores-Galinhas Galo Cantores-Galos Porco Cantores-Porcos Gato Poetas-Gatos Pato Patos-Poetas Raposa Raposas Contadoras de Hist贸rias Cabra Cabras-Jogadoras Ovelha Ovelhas-Poetas C茫o Velha M煤sicos


Cenários______________________ • Desenho de um galinheiro com uma parede em cal branca em papel cenário. – Ana Isabel Carvalho • Uma cama velha

Muito boa tarde! Agradecemos a todos os pais e restantes convidados a vossa presença. Hoje vão assistir à representação de um conto de António Mota que se intitula “A Galinha Medrosa”. Espero que se divirtam!


Narrador: Era uma vez uma galinha muito medrosa. Era tão medrosa que a própria sombra a assustava. (Aparece a galinha com o seu disfarce a cacarejar toda assustada e a passear pelo palco. De seguida, vai fazendo tudo o que o narrador diz. O cenário é o desenho de um galinheiro e uma parede de cal branca.) Narrador: Um dia, a galinha saiu do galinheiro e pôs-se a esgravatar no chão a ver se conseguia uma minhoca para meter no papo vazio. E, enquanto ela esgravatava, as suas amigas galinhas cantavam. (Os alunos que fazem de Cantores- Galinhas, estão disfarçados com algumas características dos animais como patas, cristas, bicos…. Fazem gestos apropriados à cantiga.) Cantores – Galinhas: Doidas Andam as Galinhas Doidas, doidas, andam as galinhas Para pôr o ovo lá no buraquinho Raspam, raspam, raspam P'ra alisar a terra Picam, picam, picam Para fazer o ninho Arrebita a crista o galo vaidoso Có-có-ró-có-có Canta refilão E todo emproado com ar majestoso É o comandante deste batalhão.


Narrador: O dia começou a aquecer e a galinha, para não apanhar sol na cabeça, encostou-se a uma parede. Ainda mal se tinha encostado e já um bocadinho de cal saía da parede branca e caía em cima da cabeça da galinha. A galinha ficou muito assustada e desatou a correr. Um galo, ao ver a galinha a correr, perguntou-lhe: Galo: Porque é que foges tão depressa, comadre galinha? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Galo: Que desgraça, que desgraça! Narrador: Para acalmar a galinha e o galo, os amigos galos que eram os cantores da capoeira começaram a cantar e eles puseram-se logo a dançar. (Os alunos estão disfarçados com algumas características dos animais como patas, cristas, bicos…. Fazem gestos apropriados) Cantores- Galos: O nosso galo O nosso galo é bom cantor É bom cantor tem boa voz Está sempre a cantar Có-có-ró, có-có-ró Está sempre a cantar Có-có-ró, có-có-ró Está sempre a cantar Có-có-ró, có-có-ró-có-có


Mas veio um dia e não cantou Outro e mais outro e não cantou Nunca mais se ouviu Có-có-ró, có-có-ró Nunca mais se ouviu Có-có-ró, có-có-ró Nunca mais se ouviu Có-có-ró, có-có-ró-có-có Narrador: Um porco que andava a apanhar bolotas, ao ver a galinha e o galo a dançarem, perguntou-lhes… Porco: Posso dançar com vocês? Galinha e Galo: Não! Temos de fugir! Porco: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços! Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Porco: Que desgraça, que desgraça! Narrador: O porco também desatou a correr atrás do galo e da galinha. Então os porquinhos amigos do porco, começaram e cantar e todos começaram a dançar. (Os alunos estão disfarçados com algumas características dos animais … Fazem gestos apropriados)


Cantores- Porcos: O porquinho foi à horta – Letra O porquinho foi à horta e comeu uma bolota o cão também lá quis ir mas fecharam-lhe a casota é bem feito porque o cão tem a mania que é espertalhão Narrador: Um gato que andava a caçar ratos, ao ver a galinha, o galo e o porco a dançarem, também quis dançar. Gato: Porque é que estão a dançar? Galinha, galo e porco: Não podemos continuar a dançar. Temos de fugir. Gato: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Gato: Que desgraça, que desgraça! Narrador: O gato desatou a correr atrás do porco, do galo e da galinha. Os gatinhos poetas amigos do gato viram aquela confusão toda e começaram a dizer uma lengalenga.


Gatos-Poetas: (Os alunos estão disfarçados com algumas características dos animais … Fazem gestos) Era uma vez Um gato maltês Tocava piano E falava francês Queres que te conte outra vez? Era uma vez Um gato maltês Saltou-te às barbas Não sei que te fez Queres que te conte outra vez? Era uma vez Um gato maltês Tocava piano Falava françês A dona da casa Chamava-se Inês O número da porta era o 33! Queres que te conte outra vez?


Narrador: Um pato que andava a nadar num lago, ao

ver

a galinha, o galo, o porco e o gato, perguntou-lhes: Pato: Que é que os gatos poetas vos estavam a contar? Também gostava de aprender! Galinha, galo, porco e gato: Agora não! Temos de fugir! Pato: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Pato: Que desgraça, que desgraça! Narrador: O pato desatou a correr atrás do gato, do porco, do galo e da galinha. Os patos amigos do pato viram aquela confusão toda e começaram a dizer uma lengalenga: Patos-Poetas: (Os alunos estão disfarçados com algumas características dos animais … Fazem os gestos) O pato Cimpa pulou na tinta virou a lata sujou a pata espalhou a tinta de tanta cor pintou o bico pintou as penas pintou o papo pintou o sapo e haja tinta! No pato Cimpa.


Narrador: Uma raposa que estava a descansar na sua toca, ao ver a galinha, o galo, o porco, o gato e o pato, perguntou-lhes: Raposa: Também posso brincar com vocês? Galinha, galo, porco, gato e pato: Agora não! Temos de fugir! Raposa: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Raposa: Que desgraça, que desgraça! Narrador: A raposa desatou a correr atrás do pato, do gato, do porco, do galo e da galinha. As raposas amigas da raposa, ao verem aquela confusão toda, gritaram: Raposas contadoras de histórias: Tenham calma! Querem ouvir uma história? Sentem-se por favor! (Os alunos estão disfarçados com algumas características dos animais …) (As raposas contadoras de histórias começam a contar uma história com apresentação de slides com desenhos dos alunos) (Cada aluno lê uma frase da história, por exemplo)

O corvo e a raposa Um corvo pousou numa árvore, com um bom pedaço de queijo no bico. Atraída pelo cheiro do queijo, aproximou-se da árvore uma raposa. Com muita vontade de comer aquele queijo, e sem condições de subir na árvore, afinal, não tinha asas, a raposa resolveu usar sua inteligência em benefício próprio. __ Bom dia amigo Corvo!- disse bem matreira a raposa. O corvo olhou-a e fez uma saudação balançando a cabeça. __Ouvi falar que o rouxinol tem o canto mais belo de toda a floresta.


Mas eu aposto que você, meu amigo, acaso cantasse, o faria melhor que qualquer outro animal. Sentindo-se desafiado e querendo provar seu valor, o corvo abriu o bico para cantar. Foi quando o queijo caiu-lhe da boca e foi direto ao chão. A raposa apanhou o queijo e agradeceu ao corvo: __ Da próxima vez amigo, desconfie das bajulações! Narrador: Uma cabra que estava a pastar num prado, ao ver a galinha, o galo, o porco, o gato, o pato e a raposa, perguntou-lhes: Cabra: Também posso ouvir a história? Galinha, galo, porco, gato, pato e raposa: Agora não! Temos de fugir! Cabra: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Cabra: Que desgraça, que desgraça! Narrador: A cabra desatou a correr atrás da raposa, do pato, do gato, do porco, do galo e da galinha. As cabras jogadoras amigas da cabra, ao verem aquela confusão toda, gritaram: Cabras-jogadoras: Tenham calma! Nós temos um jogo para vos ensinar. Venham jogar! CABRA-CEGA Para essa brincadeira são necessárias, no mínimo, 3 pessoas. Um dos participantes deve ser a cabra-cega e ter os olhos vendados com um lenço. É importante definir o espaço onde acontecerá a brincadeira, pois se a


área for muito grande, a pessoa que tem a venda nos olhos não vai conseguir achar ninguém. Todos devem tentar fugir, pois o objetivo da cabra-cega é achar alguém e adivinhar quem é essa pessoa. Enquanto a brincadeira acontece, os participantes fazem um jogo de perguntas e respostas, o que ajuda a cabra-cega a localizar os outros pela audição. - Cabra-cega, de onde vens? - Do moinho. - O que trouxeste? - Um saco de farinha. - Dás-me um pouquinho? - Não. - Cabra-cega, de onde vens? - Venho da serra. - O que me trazes? - Trago bolinhos de canela. - Dá-me um! - Não dou. - Cabra-cega de onde vens? - Do Castelo - Trazes ouro ou trazes prata? - Trago ouro! - Vai dar ao touro - Não dou. -Cabra-cega de onde vens? - Do Castelo - Trazes ouro ou trazes prata? - Trago prata! - Vai dar à barata.


No momento em que a cabra-cega pega alguém, ela deve dizer o nome da pessoa que ela acha que pegou. Caso acerte, o encontrado vira a cabra-cega, senão, deve continuar tentando. Narrador: Uma ovelha que estava à sombra de uma árvore, ao ver a galinha, o galo, o porco, o gato, o pato, a raposa e a cabra, perguntoulhes: Ovelha: Também posso jogar? Galinha, galo, porco, gato, pato, raposa cabra - Agora não! Temos de fugir! Ovelha: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Ovelha: Que desgraça, que desgraça! Narrador: A ovelha desatou a correr atrás da cabra, da raposa, do pato, do gato, do porco, do galo e da galinha. As ovelhas-poetas amigas da ovelha, ao verem aquela confusão toda, gritaram: Ovelhas-poetas: Tenham calma! Nós temos uma lengalenga para vos ensinar. Querem ouvir? A comer no campo está uma ovelha gosta de ervinha e coça a orelha Anda devagar também faz mé mé quando está zangada dá um pontapé


Narrador - Um cão que estava deitado à porta olhando para a lua, ao ver a galinha, o galo, o porco, o gato, o pato, a raposa a cabra e a ovelha, perguntou-lhes: Cão: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Ovelha: Que desgraça, que desgraça! Cão: Também posso jogar? Galinha, galo, porco, gato, pato, raposa cabra ovelha - Agora não! Temos de fugir! Cão: Porque é que fogem tão depressa? Galinha: O céu está a cair aos pedaços. Já caiu um bocadinho na minha cabeça! Cão: Quem é que viu o céu a cair aos pedaços? Ovelha: Eu não! A galinha é que contou Cabra: Eu não! A galinha é que contou Raposa: Eu não! A galinha é que contou Pato: Eu não! A galinha é que contou Gato: Eu não! A galinha é que contou Porco: Eu não! A galinha é que contou Galo: Eu não! A galinha é que contou


Galinha: Eu vi! Cão: Acabem com essa correria e venham meter-se debaixo da cama da minha dona, até ver em que as coisas param. (A galinha, o galo, o porco, o gato, o pato, a raposa, a cabra, a ovelha e o cão metem-se debaixo de uma cama velha.) Narrador: E lá ficaram muito quietinhos a ver o que acontecia. Depois adormeceram. A meio da noite, a velha mexeu-se, a cama rangeu e os animais sobressaltaram-se. Com medo que lhes caísse o céu aos pedaços, ficaram muito agitados. (todos os animais andam de um lado para o outro. A galinha cacareja, o galo cantarola, o porco ronca, o gato mia, o pato grasna, a raposa regouga, a cabra berra, a ovelha bale e o cão ladra.) Velha: Todos lá para fora! Narrador: A galinha, o galo, o porco, o gato, o pato, a raposa, a cabra, a ovelha e o cão saíram debaixo da cama da velha. E quando chegaram à rua olharam para o céu e disseram: Galinha, o galo, o porco, o gato, o pato, a raposa, a cabra, a ovelha e o cão- Oh! Afinal o céu não caiu! (os animais começam a cantar ao som das violas. Fazer o pedido ao professor Felisberto para ele cantar e tocar e a outros alunos que toquem viola) http://www.youtube.com/watch?v=yuoC_53py6c


É o Fungagá, Fungagá da bicharada, É o Fungagá, Fungagá da bicharada, Lalalalala, Lalalalalala, Vamos falar de animais e de como eles são, Do periquito, do gato e do cão, E outros mais também virão, Talvez uma girafa um macaco ou um leão, É o Fungagá, Fungagá da bicharada, É o Fungagá, Fungagá da bicharada, Lalalalala, Lalalalalala, Vamos todos aprender como vive a bicharada, o cardume e uma manada, E vamos ver não tarda nada, quem é que afinal tem a voz bem afinada, É o Fungagá, Fungagá da bicharada, É o Fungagá,


Fungagá da bicharada, Lalalalala, Lalalalalala, Vamos também descobrir uns amigos bestiais, Bem diferentes dos habituais, E vamos rir até não poder mais, É o Fungagá, Fungagá da bicharada, É o Fungagá, Fungagá da bicharada, Lalalalala, Lalalalalala,


Guião «A Galinha Medrosa»