Page 1

Edição 14 mar/abr/mai 16

Afasia: uma muralha para a comunicação www.pluralesingular.pt


ÍNDICE

Pág 26

Afasia: uma muralha para a comunicação Sabe o que é a afasia? A sociedade em geral desconhece que a afasia é uma perturbação da linguagem. Ou seja, existe quando, em resultado de uma lesão cerebral, a capacidade de uma pessoa comunicar está comprometida. Quer seja ao nível da compreensão do que os outros dizem ou do que lê, quer seja ao nível da expressão dos conceitos que tem na cabeça, portanto, tem dificuldades a falar e a escrever…

Pág 42

Próximo passo: Soluções digitais para comunicar Em entrevista à Plural&Singular a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes deu a conhecer a mais recente medida protocolar com vista a desenvolver soluções digitais para as pessoas com deficiência. A governante falou também do “Percursos pela Inclusão” que a tem levado de cidade em cidade para “tomar o pulso” das instituições e projetos ligados à área.

Pág 56

Miguel Vieira O primeiro judoca português nos Jogos Paralímpicos Já tinha sido o primeiro atleta português a participar numa competição internacional de judo para cegos. Agora é o primeiro judoca luso a marcar presença nos Jogos Paralímpicos. Para Rio de Janeiro 2016 Miguel Vieira não promete medalhas mas garante “empenho, espirito de sacrifício e trabalho”.

Pág 78

O Parque Biológico da Serra da Lousã, o Espaço da Mente e o Templo Ecuménico: Um trivium acessível

O trivium da liberdade, igualdade e fraternidade faz parte de um inovador projeto social destinado a criar postos de trabalho para pessoas vítimas de exclusão laboral e com deficiência ou doença mental. Atualmente o Parque Biológico da Serra da Lousã emprega e ocupa 75 pessoas com necessidades especiais. António Amaral é uma delas, tem doença mental e trabalha como guia no Espaço da Mente.

2


03 04 08 09 10 12 14 16 17

Índice

EDITORIAL

Índice e Editorial

A comunicação acessível é o tema escolhido pela Plural&Singular e projeto InMyShoes para apresentar no próximo TEDx Guimarães. O provérbio diz que “é a falar que a gente se entende”, mas o TEDxGuimarães quis ‘virar do avesso’ este ditado popular e decidiu que o tema para o próximo evento de conferências, marcado para 7 de maio na Plataforma das Artes e da Criatividade, é “a falar nem sempre se entende”. O TEDxGuimarães vai ter 12 talks que nas áreas da dança, música, desporto, cinema vão abordar o tema “A falar nem sempre se entende” com o intuito de enquadrar uma reflexão sobre as diversas formas de comunicação entre as pessoas e as diferentes maneiras de partilhar ideias inovadoras capazes de transformar o mundo. O tema escolhido emergiu da proclamação de 2016 como “Ano Internacional para o Entendimento Global – Construindo pontes entre os pensamentos globais e as ações locais”. Este anúncio, conforme se pode ler no site da Comissão Nacional da UNESCO, visa “a promoção de um melhor entendimento sobre o impacto global das ações locais para estimular políticas inovadoras que respondam aos desafios globais”. Foi assim criado o fio condutor para este TEDxGuimarães procurar estratégias que contribuam para esse mesmo entendimento. O TEDxGuimarães é um evento local organizado de forma independente mas que pretende recriar a experiência das conferências TED, um evento anual que, em 2016, se realizou na semana passada em Vancouver, no Canadá. Este espaço de partilha de ideias tem como objetivo fundamental juntar as pessoas, as instituições e as empresas que querem ser agentes da mudança.

Notícias

A Plural&Singular n’A Tarde é Sua de Fátima Lopes Um desfile de moda inclusivo em Guimarães

Opinião APD

Saúde e Bem-estar Opinião APTO Opinião Fisioterapeuta Carlos Sá Opinião Psicóloga Marta Figueiredo Dia Mundial do Rim na Augusto Lessa Escola Referência do ensino bilingue a alunos surdos

20 26 38 40 42 45 48 50

Zika e microcefalia uma dupla perigosa?

Capa Afasia: uma muralha para a comunicação Opinião Pró-Inclusão ANDEE Opinião Rui Machado

Tecnologia e Inovação Próximo passo: Soluções digitais para comunicar

Opinião Engenheiro Mecânico Mário Ferreira

Desporto Notícias Nasceu o “PASEC Geo”… Primeira rede europeia de soluções inovadoras de desporto inclusivo

53 58

Funchal é Capital Europeia de Natação Adaptada 2016

Perfil Miguel Vieira – O primeiro judoca português nos Jogos Paralímpicos

63 63 66

Opinião ANDDI Opinião PCAND

Cultura

FICHA TÉCNICA

“Era um vez… Teatro!” O gosto especial de fazer a magia do teatro acontecer… a

70

Sugestão de Leitura

71

Lugar Galeria Inklusa Arte e Inclusão

78

Sede e redação: Avenida D. João IV, nº 1076, Blc C, 4.º Esq. 4800-534 Guimarães Tel.: 913 077 505 Email: geral@pluralesingular.pt Site: www.pluralesingular.pt Colaboradores: Catarina de Castro Abreu (geral@pluralesingular.pt), Paula Fernandes Teixeira (paulateixeira@pluralesingular.pt), Sofia Pires (sofiapires@pluralesingular.pt) Rita Machado Publicidade: Tel.: 913 077 505 Email: publicidade@pluralesingular.pt Webdesign: Pedro Teixeira (jpdteixeira@gmail.com) Design gráfico: Ricardo Oliveira (oliveira_315@hotmail.com)

Plural & Singular Um trivium acessível & Um objetivo inclusivo

Foto de capa gentilmente cedida por

3


NOTÍCIAS

Revisão da estratégia europeia para Pessoas com Deficiência

A consulta pública acerca da revisão intercalar da estratégia europeia para Pessoas com Deficiência (2010/2020) está aberta até 18 de março. A presente estratégia europeia fornece as linhas orientadoras para a implementação da Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e identifica como principais áreas de ação ao nível da União Europeia: a acessibilidade, a participação, a igualdade, o emprego, a educação e formação, a proteção social, a saúde e a ação externa. A consulta aberta pela Comissão Europeia pede a sua opinião acerca dos resultados alcançados até à presente data, dos desafios que se apresentam às pessoas com deficiência e da forma como da União Europeia deve abordar esses desafios.

Governo inclui “estratégia nacional para a deficiência ou incapacidade” no Orçamento de Estado de 2016

O Governo socialista de António Costa entregou a 5 de fevereiro na Assembleia da República a proposta de Orçamento de Estado para 2016, na qual inclui a criação de uma “nova estratégia nacional para a deficiência ou incapacidade”. O documento assume como recomendações os princípios da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, da ONU, e as conclusões de um Livro Branco para a Inclusão das Pessoas com Deficiência. A tutela planeia envolver os diferentes atores no cumprimento das quotas de pessoas com deficiência no setor público e privado e promete apostar nas ações de formação profissional e fala em aumento da oferta de estágios profissionais.

O Governo também quer promover a participação política e o acesso a cargos dirigentes e vai promover o programa “Territórios Inclusivos” no âmbito de apoio comunitário. A reformulação das prestações sociais é outras das apostas/promessas do Governo socialista que sucede ao PSD/CDS-PP de Pedro Passos Coelho. A regulamentação do Código do Trabalho, para promover o emprego de pessoas com deficiência ou incapacidade, é outro dos objetivos. A ideia de “escola inclusiva” também está presente nesta proposta, bem como metas ligadas ao combate à violência e discriminação contra pessoas com deficiência e incapacidade.

Diretório sobre Acessibilidade em Espaços Culturais e Artísticos do Distrito de Lisboa A Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência (ANACED), com o cofinanciamento do Instituto Nacional para a Reabilitação, no âmbito do seu Programa de Financiamento a Projetos, apresentou em fevereiro o Diretório sobre Acessibilidade em Espaços Culturais e Artísticos do Distrito de Lisboa editado em 2015. “Esta publicação, a par das já lançadas em 2012, 2013 e 2014, constitui um primeiro passo de um proces4

so dinâmico, no sentido de dar a conhecer as condições de acessibilidade de todos os espaços culturais e artísticos do nosso país, de apontar o caminho para a eliminação das barreiras que impedem a plena fruição do património cultural e de promover a partilha de experiências e conhecimentos entre os diferentes espaços e seus utilizadores”, refere nota enviada à Plural&Singular.


NOTÍCIAS

Governo Regional dos Açores anuncia apoios para cidadãos com necessidades O secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia afirmou em fevereiro, na Madalena, Ilha do Pico, que o Governo dos Açores quer “assegurar a todos os cidadãos uma base comum de acesso à informação e ao conhecimento”, não considerando a deficiência como uma fatalidade impossível de combater. Fausto Brito e Abreu falava durante uma visita ao Centro de Atividades Ocupacionais para Pessoas com Deficiência da Santa Casa da Misericórdia, onde anunciou a abertura de um concurso para apoiar instituições particulares sem fins lucrativos e escolas públicas da Região na aquisição de equipamentos e de software na área das tecnologias da informação e comunicação para pessoas com deficiência. O concurso lançado, no âmbito do programa PRO-SCIENTIA, tem previsto um investimento total de 150 mil euros, o triplo do valor do concurso do ano passado, e passou a abranger instituições particulares sem fins lucrativos que tenham como finalidade estatutária o apoio a cidadãos com deficiência. “As tecnologias da informação e comunicação podem melhorar a qualidade de vida dos cidadãos com deficiência, esbatendo diferenças e facilitando a sua integração na sociedade, na escola ou no local de trabalho”, defendeu Brito e Abreu,

frisando que “o Governo dos Açores preocupa-se, especialmente, em promover vias de inclusão”. “Queremos que as pessoas que estão de alguma forma limitadas encontrem nas tecnologias respostas para essas limitações e que os nossos apoios contribuam também para a sua autonomia e emancipação”, acrescentou. O secretário Regional da Ciência e Tecnologia defendeu ainda que “é preciso garantir que os jovens com necessidades especiais têm as melhores condições possíveis para se integrarem na sociedade”, sublinhando o “papel fundamental” dos equipamentos informáticos adaptados para a autonomia dos jovens com deficiência. Os 150 mil euros disponíveis no âmbito deste concurso destinam-se a instituições particulares sem fins lucrativos e a escolas públicas da Região, tendo em vista a aquisição de equipamentos informáticos, nomeadamente computadores portáteis e de secretária, tablets, periféricos adaptados e software específico para cidadãos com deficiências motoras, mentais, visuais, auditivas ou com multideficiência. As candidaturas a estes apoios do Governo Regional decorrem até 24 de março, através do endereço eletrónico http://idia.azores.gov.pt

Plataforma Nacional de Autorrepresentantes No dia 21 de dezembro de 2015 foi constituída formalmente a Plataforma Nacional de Autorrepresentantes (PNAR), um dos produtos do projeto PAR – Promover a Autorrepresentação, desenvolvido com o cofinanciamento do Instituto Nacional de Reabilitação. A PNAR conta já com 15 membros, que representam 235 autorrepresentantes de todos o país. Foi também o eleito o grupo dinamizador

da PNAR, que é constituído por três autorrepresentantes. Candidataramse a este cargo seis autorrepresentantes, tendo sido eleitos a Carla Gonçalves, o Albino Silva e o João Pereira.

5

Fundo D. Leonor contempla residência para pessoas com deficiência

A Santa Casa de Misericórdia de Lisboa (SCML), através do Fundo Rainha Dona Leonor, vai apoiar quinze Misericórdias portuguesas no total de 2,2 milhões de euros, sendo que entre as candidaturas encontram-se projetos ligado à deficiência. Este fundo visa “projetos socialmente prioritários para a população”, sobressaindo obras de reabilitação, remodelação ou finalização. Os alvos mais comuns são lares para idosos e centros de dia e entre as candidaturas escolhidas há projetos de reabilitação de um jardim-de-infância, uma residência para pessoas com deficiência e espaços de apoio a uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados. As 15 Misericórdias apoiadas são de Alandroal, Aljubarrota, Borba, Boticas, Campo Maior, Celorico de Basto, Constância, Crato, Gáfete, Lousã, Madalena do Pico, Penacova, Portalegre, Sabrosa e Vila de Pereira. A SCML, que é presidida por Pedro Santana Lopes, e a União das Misericórdias Portuguesas criaram este fundo em 2014. Com as 15 atribuições divulgadas no final de janeiro o apoio sobe para 21 instituições abrangidas, num total superior a três milhões de euros.


NOTÍCIAS

Vídeo-dança VINDINÓS exibido em Miami

Resultado de uma coprodução da Associação dos Amigos da Arte Inclusiva - Dançando com a Diferença (AAAIDD), em Portugal, e da Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia, no Brasil, o vídeo-dança VINDINÓS, de Joana Laranjeira, foi exibido em janeiro no Screendance Miami 2016, em Miami, Estados Unidos da América. As filmagens e produção deste vídeo foram feitas na Região Autónoma da Madeira, sob a responsabilidade da AAAIDD que localmente contou com os apoios de várias entidades, entre elas a Escola Secundária Jaime Moniz cujos alunos finalistas (12º ano em 2015) do Curso Técnico Profissional de Multimédia da Escola Secundária Jaime Moniz, realizaram estágios curriculares na associação e agora têm a oportunidade de ter algum reconhecimento internacional.

Bilhetes mais baratos nos comboios para pessoas com deficiência

O Instituto Nacional para a Reabilitação (INR) e a CP – Comboios de Portugal assinaram no início de março um acordo que possibilita que as pessoas com deficiência beneficiem de um desconto de 75%, na compra de bilhetes em segunda classe para viajar nos comboios. Também os acompanhantes das pessoas com deficiência vão beneficiar de um desconto de 25% nas viagens. Em causa está qualquer percurso em segunda classe, dos comboios Alfa Pendular, Intercidades, Regionais, Inter-regionais e Urbanos da CP e a medida abrange as pessoas com deficiência com um grau de incapacidade igual ou superior a 80%, e os deficientes das Forças Armadas.

Na base deste acordo estiverem os princípios orientadores do INR, que se baseiam “na garantia de igualdade de oportunidades, no combate à discriminação e na valorização das pessoas com deficiência” e o compromisso da CP com “o desenvolvimento de uma política de cidadania empresarial, nomeadamente em matéria de responsabilidade social”. A medida teve também em consideração as orientações e recomendações da União Europeia, as medidas aplicadas por outros Estados-membros nesta área, e a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência.

Governo Regional decide retomar obras do Centro de Apoio à Deficiência Motora do Funchal As obras do Centro de Apoio à Deficiência Motora do Funchal, espaço que terá capacidade para 120 utentes, vão ser retomadas, anunciou o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque. A empreitada tinha sido interrompida em 2012 devido ao Plano de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF). 6

Localizado na freguesia do Imaculado Coração de Maria, no Funchal, o Centro de Apoio à Deficiência Motora é fruto de um investimento de sete milhões de euros.


NOTÍCIAS

Governo anuncia prestação social única na área da deficiência O anúncio foi feito na Covilhã, a 3 de março, na inauguração das novas instalações da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM)… O Governo vai criar uma prestação social única na área da deficiência. A secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Nunes, disse que esta medida deve avançar durante o primeiro semestre do ano. “Estamos empenhadamente a trabalhar para a criação, ainda durante o primeiro semestre de 2016, de uma prestação social única na área da deficiência, que possa combater a pobreza e combater a exclusão social nesta área”, referiu a governante. A secretária de Estado também falou do trabalho que está a ser feito no que se refere a candidaturas a apoios comunitários e avançou quais os objetivos do Governo para esta área está também o da diminuição da taxa de desemprego.

Recorde-se que no que diz respeito às pessoas com deficiência a taxa de desemprego é duas vezes e meia superior à média global do país, daí que Ana Sofia Antunes refira que o Governo tem “como principal prioridade encontrar formas de abrir a comunidade empresarial, e também dando o exemplo por parte das entidades públicas, para que se possa acolher, o mais possível, pessoas com deficiência no seio do mercado de trabalho”. Em casos em que a inclusão no mercado de trabalho não é viável, é convicção do Governo que existem “soluções no sentido de que estas pessoas possam desenvolver atividades socialmente úteis e em que lhe possam dar alguma compensação monetária”. Sobre a APPACDM da Covilhã, trata-se de um empreendimento que implicou um investimento global de 2,5 milhões de euros.

Atrasos do POISE prejudicam pessoas com deficiência As organizações que integram o Fórum para a Integração Profissional estão preocupadas com o atraso na implementação do Programa Operacional da Inclusão Social e Emprego (POISE). De acordo com informação da Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI), “uma resolução do Conselho de Ministros de janeiro, permitiu amenizar o problema, mas a verba que foi disponibilizada apenas cobre os custos com os primeiros dois meses de funcionamento”. Prejudicadas ficam as pessoas com deficiência que beneficiam destas ações que acabam por ver as suas expetativas adiadas, mas também as

organizações que em pouco tempo ficam com situações de rutura, com consequência imprevisíveis ao nível da sua estabilidade e condições de funcionamento. “As Organizações do Fórum têm previstas várias iniciativas caso a solução não apareça nos próximos dias, onde se poderá incluir a realização de uma reunião nacional com as estruturas formativas e a partilha do problema com a opinião pública”, pode ler-se no comunicado enviado à Plural&Singular que data de final de fevereiro.

7

Sensibilização para o daltonismo nas escolas de Valongo abrange 824 alunos

Mais de 800 alunos do 4.º ano das Escolas Básicas de Valongo participaram em janeiro em sessões de sensibilização sobre o daltonismo, numa iniciativa promovida pela Área Metropolitana do Porto (AMP), em parceria com a câmara local e a ColorADD.Social – Associação. As ações de sensibilização tiveram como missão dar a conhecer em que consiste o daltonismo e os constrangimentos que acarreta na qualidade de vida dos seus portadores, bem como divulgar o ColorADD – código gráfico que ajuda os daltónicos a identificar as cores e que foi criado pelo designer português Miguel Neiva. À semelhança do ano anterior, a ação em Valongo contou com a colaboração de empresas óticas concelhias, que disponibilizam meios técnicos e humanos, e com o patrocínio do Instituto Técnico de Alimentação Humana (ITAU), e da Be Water, Águas de Valongo, S.A., que apoiaram na aquisição de alguns dos ColorADD School Kit. O conteúdo destes kits é um conjunto de 12 lápis da Viarco, devidamente identificados com o código ColorADD e um caderno para colorir com informações sobre o daltonismo, oferecidos num saco/mochila a cada aluno participante.


PORTUGAL

A Plural&Singular n’A Tarde é Sua de Fátima Lopes A Tarde é Sua, um programa em direto nas tardes da TVI, apresentado por Fátima Lopes, na rúbrica “Começar uma vida de Novo”, deu a conhecer no dia 3 de fevereiro a história de vida de Sara Coutinho e o momento em que se cruzou com a Plural&Singular e o projeto Sexualidade&Afetos. Texto: Sofia Pires Fotos: Gentilmente cedida

Sara Coutinho é de Guimarães e depois de uma queda acidental que a deixou paraplégica começou a ficar mais atenta às questões da deficiência. A vimaranense gostava que todos os que, como ela, tiveram que começar uma vida do zero, pudessem encarar a vida como ela e para tentar contagiar todos com esta alegria de viver criou o Projeto Sara Coutinho onde conta o percurso que tem feito deste o acidente. “Foi uma batalha árdua de reabilitação física, emocional, recuperar novamente a minha autoestima como ser humano”, refere na página do facebook do projeto. Depois da desorientação, desilusão e sofrimento, Sara Coutinho assume que sentiu “uma força fora do normal” e encarou este episódio da vida dela “como uma segunda oportunidade”. “Hoje sou uma mulher super ativa, batalhadora, sonhadora e crente, que posso sempre fazer a diferença “sem tabus”. Não é uma cadeira de rodas que me travou de viver, aprendi a viver com ela e a encarar a vida com um otimismo glorioso e glamoroso”, acrescenta. Sara Coutinho adora moda, desporto, socializar, viajar, tecnologia, o mar (a sua grande paixão)… “Em suma, adoro viver”, diz. Ao conhecer a Plural&Singular Sara Coutinho desde cedo quis contribuir para o crescimento deste órgão de comunicação e a secção de Sexualidade&Afetos, disponível desde 1 de janeiro de 2016, foi o projeto que melhor encaixou com o que pretendia fazer: ajudar a acabar com os preconceitos existentes, promover a socialização das pessoas com deficiência e contribuir para que possam viver a respetiva sexualidade e os afetos sem medo, nem vergonha. “Não desistam, batalhem sempre, a vida vale mesmo a pena. Saiam de casa, divirtam-se, estamos neste mundo de passagem e cada minuto perdido faz toda a diferença nas nossas vidas”, refere.

Foi sem dúvida um grande orgulho levar a público a minha história de vida e receber tanto incentivo e afeto de toda a gente. O Projeto Sara Coutinho é isto. Uma história a ser contada e sentida na primeira pessoa, mas sempre com uma mensagem positiva”, escreveu no facebook junto das imagens que partilhou. 8


PORTUGAL

Um desfile de moda inclusivo em Guimarães O Moda Guimarães Primavera Verão 2016 começa com o pé direito ao promover desde a 1.ª edição um desfile inclusivo inédito no Museu Alberto Sampaio, localizado no centro histórico vimaranense. A noite de glamour é já a 19 de março, a partir das 21 horas. Texto: Sofia Pires Fotos: Gentilmente cedidas

A organização, uma equipa composta pela agência de modelos All Management e profissionais da área, convidou o estilista vimaranense, Rafael Freitas, para padrinho desta iniciativa. O envolvimento do estilista vimaranense é importante naquilo que a organização aponta como sendo “o momento alto da noite”. “O Rafael Freitas teve a ideia de, em conjunto com os nossos jovens, desfilarem com roupas feitas e manufaturas aqui na Cercigui [Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados do Concelho de Guimarães]”, diz o presidente da instituição, Rui Leite. A abertura do desfile dos utentes da instituição é realizada pela impulsionadora desta vertente inclusiva do Moda Guimarães: Sara Coutinho, uma vimaranense com paraplegia apaixonada pela moda. “Vi no facebook o evento e decidi enviar um email a dizer que achava interessante fazer um apontamento de moda inclusiva. Eles gostaram da ideia, ligaram-me no dia a seguir e convidaram-me para participar”. Não é propriamente uma estreia nas passerelles, nem dos desfiles de Rafael Freitas. Já em 2010 Sara Coutinho tinha desfilado para o estilista e agora vai apresentar novos modelos adaptados para utilizar em cadeira de rodas. “É preciso muitos ajustes a nível de conforto”, refere o designer de moda. Rafael Freitas diz que, com este apontamento, pretende também apresentar “peças feitas por pessoas que têm algumas limitações mas que fazem coisas extremamente bonitas e criativas”. “A minha ideia é pegar em todos os laboratórios da Cercigui, desde a parte de carpintaria, de estamparia e confeção e conseguir ir buscar o máximo de componentes possíveis para se realizar algumas peças”, revela. Já o presidente da Cercigui considera que esta é “uma moda verdadeiramente inclusiva” e diz que tanto os clientes que vão desfilar como os que vão manufaturar as peças “estão vaidosos e super motivados”. “Este evento é mais uma maneira de divulgarmos à comunidade vimaranense as capacidades dos nossos jovens e mostrar que essas pessoas também fazem parte da comunidade e que também podem desfilar”, conclui Rui Leite.

9


OPINIÃO

Os objetivos de desenvolvimento sustentável e as pessoas com deficiência

Fonte: https://nacoesunidas.org/pos2015/

Em Setembro de 2015, a cimeira das Nações Unidas fixou 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que vêm substituir os 8 Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, aprovados em 2000. Embora, segundo as Nações Unidas, tenha havido progressos com a aplicação dos ODM, sobretudo ao nível da redução da pobreza, esta organização reconhece que a situação está longe de ser satisfatória. Entretanto, um estudo da ONG britânica Oxfam de 2015 revela que, pela primeira vez, a riqueza dos 1% mais ricos do planeta ultrapassou a riqueza dos 99% restantes. O relatório conclui que as 62 pessoas mais ricas do mundo detêm mais riqueza que 50% da restante população mundial. São dados sinistros, sobretudo porque demonstram que a tendência é para que se acentue cada vez mais o fosso entre ricos e pobres. Por isso é fundamental que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável sejam assumidos como um desiderato por todos os governos, pela sociedade em geral e por cada um de nós, mas exigindo que a sua execução não seja suportada pelos mais pobres. Segundo a ONU, os ODS vieram introduzir melhoramentos aos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio. Um destes melhoramentos é a referência à situação das pessoas com deficiência, que os ODM ignoravam. São estes os objetivos que os países se propuseram alcançar até 2030: Objetivo 1. Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares Objetivo 2. Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável Objetivo 3. Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades Objetivo 4. Assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos Objetivo 5. Alcançar a igualdade de género e empoderar 10

todas as mulheres e meninas. Objetivo 6. Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos Objetivo 7. Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos Objetivo 8. Promover o crescimento económico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos Objetivo 9. Construir infraestruturas robustas, promover a industrialização inclusiva e sustentável e fomentar a inovação Objetivo 10. Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles Objetivo 11. Tornar as cidades e as comunidades inclusivas, seguras, resistentes e sustentáveis Objetivo 12. Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis Objetivo 13. Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e os seus impactos Objetivo 14. Conservar e usar sustentavelmente os oceanos, os mares e os recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável Objetivo 15. Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade Objetivo 16. Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis Objetivo 17. Fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável As pessoas com deficiência são especialmente citadas na educação (objetivo 4), no emprego (objetivo 8), na redução das desigualdades (objetivo 10), na construção de cidades e comunidades sustentáveis (objetivo 11).


SaĂşde e bem-estar

Zika e microcefalia uma dupla perigosa?


OPINIÃO

Nilzo Fialho Terapeuta Ocupacional e membro da direção da APTO

A Intervenção do Terapeuta Ocupacional em Situações de Crise Occupation sits at the nexus between society and the natural word (Rushford & Thomas 2015). Os profissionais de Terapia Ocupacional possuem o conhecimento de como as pessoas, o ambiente e a ocupação humana (ou atividade), estimula a participação e a saúde (WFOT 2012). A Ocupação refere-se às atividades da vida diária que sustentam a vida e que lhe dá significado e propósito. A Ocupação inclui as coisas que as pessoas necessitam, que querem e o que é expectável que façam. A Ocupação abrange e serve todas as funções de ajuda humanitária e de desenvolvimento. Como demonstrado na Figura 1, a Ocupação num desastre e no seu desenvolvimento tem dois papéis principais. Em primeiro lugar, é uma característica definidora nos contextos de desastre e de desenvolvimento. É a rutura, a reconstrução posterior e a transformação das atividades ocupacionais e processos que caracterizam os contextos de desastres e de desenvolvimento. Em segundo lugar, a Ocupação é o meio pelo qual a resposta à catástrofe, recuperação, preparação contínua da comunidade para eventos futuros e o desenvolvimento duradouro da resiliência, ocorre e é alcançado. Como tal, os terapeutas ocupacionais estão potencialmente bem colocados para responder ao desastre e trabalhar em ajuda humanitária e em contextos de desenvolvimento. O surgimento da disciplina da Ciência Ocupacional juntamente com termos como “injustiça ocupacional” (Townsend & Wilcock 2004), “privação ocupacional” (Whiteford 2000, Wilcock 1998) e “apartheid ocupacional” (Kronenberg & Pollard 2005) serviu para ampliar os conceitos de ocupação humana e da atividade ao longo das dimensões sociais e orientá-la para os direitos humanos. Em particular, essas mudanças de perspetiva chamam à atenção para as escolhas e oportunidades que as pessoas têm na vida, para desenvolver e promover a sua saúde e bem-estar (através da ocupação). Isso também espoletou a necessidade para a profissão se direcionar para a justiça ocupacional, para a ação social e para a mudança.

12

A profissão de terapeuta ocupacional ao adotar uma definição mais alargada de justiça ocupacional, relacionada com o risco de catástrofes, resiliência e sustentabilidade, faz com que as intervenções se estendam para além da saúde individual e do bem-estar, para passarem também a abordar as desigualdades sociais, o seu impacto sobre as escolhas individuais, as opções disponíveis para a sua recuperação e o aumento da resiliência. Os terapeutas ocupacionais, envolvidos em esforços de resposta a catástrofes têm relatado, que as vidas das pessoas afetadas foram viradas do avesso ... devastadas ... mudaram para sempre, a desorganização e o sofrimento causados por eventos extremos podem durar anos, ficando longo tempo em recuperação. Os terapeutas ocupacionais estão a melhorar a sua capacidade para apoiar as intervenções e ações, de acordo com as capacidades humanas e contextos socioculturais que promovam o desenvolvimento sustentável. Temos de evoluir nas formas de facilitar as mudanças transformadoras nos padrões de recuperação e de viver promovendo uma sustentabilidade ecológica, adaptabilidade e resiliência. Acima de tudo precisamos de o fazer ao nível individual, familiar, comunitário e social. Europa e a Crise dos Refugiados A Europa depara-se como uma crise, como não há memória nos últimos tempos, uma avalanche de pessoas a fugir de suas casas, dos seus países no médio oriente, para a Europa tentando sobreviver a situações de guerra. Estes refugiados, homens, mulheres, idosos e crianças, que buscam asilo nos países europeus, arriscam a sua vida a atravessar o mar mediterrâneo, andam milhares de quilómetros para conseguirem ter hipótese de uma vida dita normal. É fácil perceber que a vida destes refugiados, tal como nas catástrofes naturais, está destroçada e que estas pessoas estão desesperadas. O medo é o sentimento que nos torna vulneráveis, e é este medo, o de perderem as suas vidas, que os refugiados sentem.


OPINIÃO

Figura 1 – Conceptualização da perspectiva ocupacional de uma catástrofe.

deficiência e idosos, no desenvolvimento de atividades para as crianças e os jovens, que irá promover a inclusão participação e envolvimento em ocupações. Todas assim terão papéis, atividades e rotinas que ajudarão a aumentar a resiliência e a diminuir o tempo de recuperação. Finalmente o terapeuta ocupacional não pode deixar de advogar pelos direitos e pela Justiça Ocupacional de todas as pessoas que estão a sofrer os efeitos de uma catástrofe, seja ela qual for, trabalhando na mitigação de situações futuras. Em Portugal, a inclusão de Terapeutas Ocupacionais em equipas de trabalho e apoio aos refugiados será sem dúvida uma vantagem.

O papel do terapeuta ocupacional nos campos de refugiados é de especial importância, para promover uma normalização da Ocupação, através de atividades significativas para os refugiados. Nos grandes campos de refugiados a principal preocupação do terapeuta ocupacional deverá ser as crianças, os idosos e as pessoas com deficiência, pois são os mais desprotegidos e frágeis. O Terapeuta Ocupacional deverá fazer uma lista das pessoas mais com necessidades especiais, para assegurar que que estas são tratadas da mesma forma que os restantes refugiados, promovendo assim a Justiça Ocupacional. Sempre que possível, a identificação de líderes e a organização de grupos e apoio, que fiquem responsáveis por ajudar os restantes refugiados, será uma maisvalia promovendo o seu envolvimento em ocupações, a integração e coesão do grupo. Este envolvimento poderá ser no levar da ajuda humanitária às pessoas com

13


OPINIÃO

César Sá Fisioterapeuta na CERCI Moita-Barreiro ft.cesarsa@gmail.com

A importância do Fisioterapeuta em contexto escolar Tradicionalmente, os Fisioterapeutas que trabalham em contexto escolar centram-se essencialmente no tratamento individualizado dos défices dos alunos com limitações motoras, assumindo que as melhorias na estrutura e função do corpo vão normalizar a criança e provocar alterações funcionais que melhoram a sua participação na escola. No entanto são vários os estudos e autores que demonstram que qualquer aspecto da função está fortemente influenciado por factores contextuais, concluindo que as alterações no desenvolvimento da criança resultam da interacção desta com o contexto e da sua capacidade de auto-organização para dar uma resposta motora mais adequada às exigências do ambiente. É referido que as práticas individuais e isoladas têm uma incidência mais pequena nas alterações e aquisições de habilidades. Assim, é sugerido novos modelos de intervenção em que devem ser considerados os factores intrínsecos da criança, bem como o ambiente em que se encontra e desenvolve, criando novos programas de intervenção na escola. Os Fisioterapeutas em contexto escolar estão plenamente imersos neste meio, e de algum modo “obrigados” a retirar o máximo proveito, trabalhando dentro do mesmo, para que as crianças e jovens com alguma alteração motora, se desenvolvam, participem e funcionem melhor. Apesar disso, grande parte dos fisioterapeutas continua a basear-se somente na prática individual e isolada, atuando só ao nível das capacidades físicas que consideram necessárias e essenciais para o seu desenvolvimento motor, e esperando que a criança ponha essas aquisições em prática posteriormente nas suas rotinas e atividades na escola e no seu dia-a-dia. Segundo McWilliam (1996), a prática clinica com estas crianças torna-se mais eficaz e benéfica para as mesmas, se o trabalho for realizado de uma forma personalizada e integrando a criança dentro das rotinas e atividades realizadas pela turma em plena sala de aula, e não atuando somente de forma individual com as mesmas. Para poder levar a cabo este tipo de intervenção com êxito é necessário e essencial (Palisano, Chiarello, King, et al., 2012):

14

• Um trabalho em conjunto de colaboração mútua entre técnicos e profissionais da escola, construindo objetivos, metodologias, suportes e tarefas para que a criança mantenha uma boa funcionalidade na sala de aula e no seu dia-a-dia, cabendo ao fisioterapeuta instruir o professor sobre o posicionamento e postura a manter pela criança, bem como orientá-la na selecção e uso de equipamentos de suporte, adaptação e facilitação dos padrões posturais mais perto do normal, tanto na sala de aula, como fora dela. É importante referir que a família e a escola são muito importantes para o desenvolvimento e crescimento da criança, e são estes que melhor conhecem as suas necessidades e potencialidades. • Ter em conta os pontos fortes e fracos, as necessidades e os interesses da criança, da família e da escola, sendo compreensivos e tolerantes, não emitindo juízos de valor. As relações positivas fomentam a confiança e a educação responsável; • Ter em conta o espaço envolvente, materiais e normas existentes de forma a facilitar uma melhor adaptação da criança ao contexto escolar e vice-versa; • Incorporar e adaptar os objectivos de intervenção de forma global junto dos seus colegas, realizando as rotinas de atividades da turma; • Fazer um seguimento e avaliação contínua da intervenção e dos resultados obtidos com essa mesma intervenção; • Ser flexível, adaptando objetivos, estratégias e atividades de acordo com os resultados obtidos e as exigências pedidas; • Incorporar a flexibilidade de horários para poder valorizar e apoiar as atividades em que a criança apresenta mais barreiras para a participação e/ou aquelas que podem favorecer o seu desenvolvimento motor; • Saber ir eliminando os apoios dados à criança e retirá -los adequadamente, de forma a torná-la o mais independente e integrada possível na sua turma. Por último, referir que, qualquer intervenção deverá incorporar sempre as chamadas “F-Words” (Function, Family, Fitness, Fun & Friends) de Rossenbaum & Gorter (2011), oferecendo propostas funcionais, que têm em


OPINIÃO

conta as necessidades e desejos da família e da escola, que promovem a atividade física e a participação ativa, que são divertidas e estimulantes a partir dos interesses e desejos das crianças e jovens, e realizadas junto dos seus pares. Não menos relevante é a vertente educativa fornecida à família da criança por parte do Fisioterapeuta, que irá proporcionar um apoio na aceitação dos problemas da criança, tal como fomentar a sua colaboração na recuperação da mesma, com um apoio pró-ativo e essencial ao bem-estar da criança, na programação de estratégias e na promoção da comunicação da família com os diversos serviços que auxiliam a criança. É assim importante fornecer aos pais estratégias para lidar e cuidar do seu filho, para que promovam as capacidades da criança, estimulem padrões normais de movimento e para que se previna ou reduza deformidades e/ou encurtamentos musculares. Concluindo, o Fisioterapeuta em contexto escolar é uma peça importante na inclusão da criança na escola, atuando ao nível da reabilitação, da integração da criança na sala de aula e na educação aos pais, ajudando-os também a lidar com as dificuldades e limitações motoras do seu filho/a. Este tipo de intervenção converte-se assim num apoio muito mais real e efetivo para os professores, que expressam sentir-se mais acompanhados e mais dotados de estratégias, ficando mais capacitados para facilitar e promover a participação e a inclusão do aluno.

Bibliografia: Cruz SPdl. Tratamento e avaliação das deficiencias motoras na sala de aula. Guia prático para os pais. Rev Iberoam Fisioter Kinesiol. 2007 Jan 25;: p. 55-64. Durce K, Ferreira C, Pereira P, Souza B. A atuação da fisioterapia na inclusão de crianças deficientes físicas em escolas regulares : uma revisão de literatura. O Mundo da Saúde São Paulo. 2006 Jan/Mar: p. 156-159. Fernández I, Mourelle M. El Fisioterapeuta en la escuela : el porqué del trabajo basado en rutinas y centrado en el entorno. Àmbits de Psicopedagogia y Orientacion. 2015 Apr. McWilliam, RA. (1996). A program of research on integrated versus isolated treatment in early intervention. En RA. McWilliam (Ed.), Rethinking pull-out services in early intervention: A Professional resource (49-70). Baltimore: Paul H. Brookes. McWilliam, RA. I Casey, AM. (2008). Engagement of every child in the preschool classroom. Baltimore: Paul H. Brooks. Palisano, RJ., Chiarello. LA., King, GA., Novak, I., Stoner, T., Fiss, A. (2012). Participation-based therapy for children with physical disabilities. Disability and Rehabilitation, 34(12), 1041-1052. Rosenbaum, O. i Gorter, JW. (2011). The “F-words” in childhood disability: I swear this is how we should think!. Child: care, health and development, 38, 457-463.

15


OPINIÃO

Marta Figueiredo Psicóloga Clínica m.ffigueiredo12@gmail.com

As emoções, os afetos e os sentimentos – relações e diferenças. Todos nós vivenciamos desde muito cedo os afetos, as emoções e os sentimentos. No entanto nem todos experienciam, da mesma forma ou intensidade, existem grandes diferenças e relações entre os três. As emoções são consideradas experiências subjetivas desencadeadas por algo ou um acontecimento, por uma pessoa, uma situação, podendo ser acompanhadas por reações orgânicas, gestos, movimentos e expressões vocais. Estão relacionadas com os nossos princípios, valores e experiências vividas. Refletem significados e o sentido que atribuímos às coisas, aos momentos. Tem como características principais o tempo, a sua intensidade, as alterações corporais, versatilidade, polaridade e interpretação. Tem como definição particular, uma reação psíquica e física (agradável ou desagradável) em face a determinada circunstância ou objeto, por vezes traduzindo-se em modificações da respiração ou da circulação. Os afetos exprimem-se através das emoções, são organizados pelas experiências “emocionais”. Constroem-se e repetem-se ao longo do tempo e são estruturadores da nossa vida mental. Ligam-nos uns aos outros e enquanto os afetos remetem para o passado, a emoção concretiza-se no presente, manifestando-se de forma intensa e através de modificações fisiológicas. O afeto tem como significado um sentimento de apego, ternura e afeição (…). Os sentimentos divergem das emoções, remetem-se ao nosso interior, são particulares e prolongam-se no tempo, não estando relacionados, com as emoções, ao imediato. As emoções são dirigidas para o exterior, são públicas, tendo uma dimensão comunicacional. A sua duração é breve, caraterizando-se pela intensidade da sua expressão.

Sentimento tem como significado o ato ou efeito de sentir, estado afetivo que tem por antecedente imediato uma representação mental, disposição afetiva, sensibilidade, afeto e consciência (…). Na atualidade, investigações explicam que as emoções são fundamentais para a tomada de decisão, estão aliadas à razão. Os sentimentos nascem das emoções (como por exemplo o medo) e tal como outros sentimentos é relevante percebê-los, apreendê-los e dar-lhes significado, pois assim estaremos a contribuir para relações mais saudáveis. Tanto com os outros como connosco. Referências Bibliográficas Dicionário da lingua Portuguesa com acordo ortográfico. Porto: Porto Editora. Acedido a 2016-02-08. Disponível: http ://www.infopedia. pt/dicionarios/lingua-portuguesa. Moreira, P. (2006). Eu controlo as Emoções!: gestão de emoções. Porto Editora.

Publicite Aqui (+351) 913 077 505 publicidade@pluralesingular.pt Av. D. João IV, 1076, Blc C, 4º Esq 4810-534 | Guimarães | Portugal

16


SAÚDE E BEM-ESTAR

Dia Mundial do Rim na Augusto Lessa Escola Referência do ensino bilingue a alunos surdos Imagens cedidas pela Sociedade de Nefrologia Pediátrica

Com 240 alunos, 39 dos quais surdos, a Escola Básica Augusto Lessa, concelho do Porto, é escola de referência do ensino bilingue a alunos surdos desde a educação pré-escolar até ao 4.º ano. Este estabelecimento de ensino acolhe todo o tipo de ações que, como refere a subdiretora do Agrupamento de Escolas Eugénio de Andrade, ao qual pertence a Básica Augusto Lessa, Sónia Cruzeiro, “servem para enriquecer os alunos”. Assim, partindo da convicção de que “a informação transmitida por profissionais especializados e com credibilidade” é importante, esta escola – que é também frequentada por uma dezena de alunos com outras necessidades educativas especiais – decidiu acolher a ação que a Sociedade de Nefrologia Pediátrica (SPN), entidade que integra a Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), desenhou para o Dia Mundial do Rim que se assinala a 10 de março. Com o lema “Doença Renal e a Criança – Agir cedo para prevenir”, a SNP, em colaboração com a Sociedade Portuguesa de Nefrologia, estará presente em 26 agrupamentos escolares de todo o país, 24 cidades, abrangendo 25.000 crianças e adolescentes, entre as quais a Escola Básica Augusto Lessa. À SPN caberá assinalar o Dia Mundial o Rim através da sensibilização de alunos, professores e encarregados de educação para a importância da adoção de hábitos alimentares saudáveis na prevenção de diabetes, hipertensão e obesidade, factores de risco de doença renal. Vão ser distribuídos folhetos, autocolantes e água.

Mais sobre a Escola Básica Augusto Lessa

O trabalho com crianças surdas nesta escola, no ano letivo de 2015/16, envolve as seguintes situações: - frequência bilingue precoce de alunos Surdos (até aos 3 anos) - dois grupos bilingues de jardim de infância - três turmas bilingues do 1º ciclo - alunos integrados em turmas de ouvintes A Escola Básica Augusto Lessa integra o Agrupamento de Escolas Eugénio de Andrade, sendo diretor Emídio Isaías e subiretora Sónia Cruzeiro que é também responsável pelo acompanhamento da educação especial, da educação pré-escolar, primeiro ciclo entre outros. 17


SAÚDE E BEM-ESTAR

18


SAÚDE E BEM-ESTAR

Mais sobre o Dia Mundial do Rim A Organização Mundial de Saúde recomenda uma ingestão diária de sal inferior a cinco gramas mas os portugueses cada vez consomem mais sal, às vezes mais do dobro, daí que a SNP queira reforçar a mensagem sobre alimentação saudável. “Uma em cada dez pessoas no mundo sofre de doença renal. A doença renal crónica nas fases iniciais pode não ter qualquer sintoma. É importante estarmos atentos para diagnosticar e melhorar o tratamento, quanto mais precocemente melhor”, alerta a responsável pela coordenação da organização do Dia Mundial do Rim em Portugal, Ana Teixeira. “Quando bebemos água os rins trabalham melhor e ficam mais satisfeitos. Devemos beber 1 a 1,5 litros de água por dia. Quando temos sede, água é o que devemos beber” – é uma dos conselhos que consta do folheto que a SNP preparou para distribuir nas escolas. Também integrado nas comemorações do Dia Mundial do Rim está a ser lançado um concurso de artes plásticas e cada agrupamento de escolas pode selecionar um trabalho para enviar até 15 de abril para a sede da SPP, estando a entrega do prémio agendada para 17 de maio, Dia Mundial da Hipertensão. As ações contam com a colaboração da Associação Internacional de Nefrologia Pediátrica e da Associação Portuguesa de Insuficientes Renais. A SNP tem como “grande meta” a prevenção dos fatores de risco de doença renal e a melhoria dos cuidados a todas as crianças com doença renal, sendo outro “grande objetivo” desta sociedade o desenvolvimento e a promoção da atualização de bases de dados nacionais de doença renal em idade pediátrica, bem como uma comunicação e cooperação inter-hospitalar eficiente, com vista no desenvolvimento de estudos multicêntricos futuros.

Já a Escola Básica Augusto Lessa terá a missão de fazer com que essa mensagem chegue também aos alunos surdos…“Sempre que se trata de ações/atividades em que estão envolvidas crianças ou adultos surdos recorrese ao trabalho das intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (LGP) do agrupamento. Para facilitar o seu trabalho é importante que elas disponham, a priori, de informações sobre o conteúdo das ações”, explica à Plural&Singular o coordenador de Educação Especial, Carlos Afonso. Sobre esta escola de referência, admitindo que o trabalho que desenvolvem é “difícil resumir”, os responsáveis apontam as expressões “projeto em construção” e “ir até ao infinito para fazer melhor”. Carlos Afonso, que é professor de educação especial de alunos surdos há cerca de 30 anos, refere que este é um “projeto em construção” porque “não está acabado, mas permanentemente em reinvenção, procurando novos caminhos”. A segunda expressão deriva da primeira e tem sido, acrescenta o coordenador de Educação Especial, “um lema de vários anos, de toda a equipa”: “ir até ao infinito para fazer melhor”. E ainda sobre o porquê da ação Dia Mundial do Rim… “Este tipo de ações ajuda a esclarecer os nossos alunos, fazendo uma ligação entre as suas aprendizagens e a realidade”, aponta Sónia Cruzeiro.

19


SAÚDE E BEM-ESTAR

Zika e microcefalia uma dupla perigosa? O surto de Zika levou a Organização Mundial de Saúde a declarar emergência internacional aos casos de microcefalia que surgiram no Brasil. Portugal tem seis casos importados do vírus confirmados, mas não há razões para alarme a nível nacional tendo em conta que o país não tem o mosquito responsável por propagar a doença. Quanto à microcefalia, a médica neuropediatra, Eulália Calado, em entrevista à Plural&Singular, contou como se vive com essa condição neurológica rara. Texto: Sofia Pires Fotos: Gentilmente cedidas

A microcefalia existe quando a cabeça e o cérebro das crianças são menores que o normal para a sua idade. É uma consequência de uma malformação do feto durante a gravidez que pode ter várias causas, entre elas, uma causa genética. “A microcefalia quer dizer um perímetro craniano abaixo do percentil cinco mas uma pessoa que tenha uma micro ou uma macrocefalia, só por si, não quer dizer que tenha, necessariamente, uma perturbação do desenvolvimento cognitivo”, salienta a diretora do Serviço de Neuropediatria do Hospital Dona Estefânia, Eulália Calado. Aliás, a neuropediatra diz que quando uma criança vai à consulta da especialidade com uma microcefalia que, sendo ligeira, pode ser compatível com um padrão familiar e, naturalmente, mede-se a cabeça da mãe e a do pai. “Há famílias que têm cabeças pequenas”, afirma Eulália Calado. O que acontece a uma criança com microcefalia é que os ossos da cabeça, que, normalmente, estão separados à nascença, unem-se mais cedo e impedem o cérebro de crescer e desenvolver as suas capacidades. Quando os ossos do crânio se fecham, durante a gestação, antes 20


SAÚDE E BEM-ESTAR

dos sete meses de gravidez a microcefalia é classificada como primária e significa que há mais complicações. Se os ossos do crânio fecharem quase no final da gravidez ou após o nascimento, a microcefalia é secundária e o comprometimento das funções do cérebro será menor. “Felizmente, neste momento, as mulheres fazem ecografias morfológicas e este é um dos parâmetros que são sempre vigiados. Se virmos que o perímetro craniano está diminuído elas são logo encaminhadas para consultas de alto risco e fazem ressonâncias fetais para ver o está em causa”, explica a neuropediatra. Se as alterações morfológicas ocorrerem durante o primeiro trimestre gestacional, quando a estrutura básica cerebral está a ser formada, embora não se consigam prever os distúrbios neurológicos que essa microcefalia pode causar, é de se esperar que a criança venha a apresentar sequelas neurológicas severas. “Se for antes das 24 semanas, pela lei portuguesa, claro que tem uma comissão de ética a decidir, desde que haja um risco superior a 25% de dar uma dependência para a vida de terceira pessoa, o casal pode decidir interromper a gravidez. Depois das 24 semanas só se for incompatível com a vida da criança, ou seja, a criança pode morrer logo após o nascimento e aí pode-se poupar os pais ou se puser em risco a vida da mãe”. Além do tamanho da cabeça, também há outros sinais que apontam para uma condição de microcefalia: dificuldade na amamentação e alimentação, a espasticidade e convulsões. Nos anos seguintes, pode ser notada a deficiência intelectual e o comprometimento da visão, da fala e da locomoção. “A parte cognitiva e a epilepsia é aquilo que afeta mais a interação escolar e agrava a dependência. Se a restrição for apenas motora com as tecnologias e as ferramentas disponíveis conseguem atingir objetivos que permitam a integração na sociedade e no mercado do trabalho”, compara Eulália Calado. O primeiro ano de vida da criança com microcefalia é essencial para perceber o grau de comprometimento do cérebro. Não há tratamentos específico para a doença, mas os sintomas podem ser reduzidos, através do acompanhamento da fisioterapeuta, do fonoaudiólogo, da terapeuta ocupacional e do pediatra. 21


SAÚDE E BEM-ESTAR

O Zika em Portugal O infeciologista do Centro Hospitalar de Gaia, Tiago Teixeira, que terá sido o primeiro médico a detetar um caso de Zika em Portugal em junho de 2015, explicou à Plural&Singular que esta doença “em termos de saúde é muito benigna, não tem riscos graves de saúde”. “Desde que a criança nasce temos que otimizar todas as potencialidade da criança, mas há crianças que têm epilepsias gravíssimas, há crianças que precisam de cuidados permanentes e que em termos familiares são uma sobrecarga para as famílias”. A neuropediatra é da opinião que os pais precisam de muito mais apoio do que aquele que lhes é dado porque, em geral, os casos de microcefalias dão quadros de deficiência com um grau de dependência enorme, sobretudo cognitiva. “Não podemos tirar a esperança aos pais. Por muito mau que seja o caso nós não podemos desistir”, frisa. A neuropediatra considera que estas crianças devem ter o maior número de experiências, não ficarem fechadas em casa ou nas instituições. “Devemos tentar otimizar o mais possível estes cidadãos e deixar de olhar para aquilo que eles não podem fazer”, salienta. Nota para algo que Eulália Calado considera fundamental ter em consideração: o excesso de peso. “Se já têm dificuldades na marcha, dois ou três quilos fazem a diferença e podem ser a dicotomia de andar ou não andar. Para quem não percebe digo para meterem numa mochila quilos de arroz. É preciso andar em cima das crianças para que elas tenham a melhor qualidade de vida possível”, conclui.

O que pode causar microcefalia? .Malformações do sistema nervoso central .Diminuição do oxigênio para o cérebro fetal: algumas complicações na gravidez ou parto podem diminuir a oxigenação para o cérebro do bebê .Exposição a drogas, álcool e certos produtos químicos na gravidez .Desnutrição grave na gestação .Fenilcetonúria materna .Infeções como rubéola, citomegalovírus e toxoplasmose; .Síndrome de Rett; .Envenenamento por mercúrio ou cobre; .Meningite; .HIV materno; .Exposição à radiação durante a gestação.

Plural&Singular (P&S) - O primeiro caso em Portugal foi diagnosticado por si, na altura deve ter sido uma surpresa? Tiago Teixeira (TT) - Eu apenas conhecia a doença porque recebemos reports diários sobre doenças infeciosas emergentes em várias partes do mundo, havia poucos casos notificados e pensei que aquele casal que veio de férias que teria uma outra doença chamada Dengue. No meu Hospital não temos a capacidade de fazer os diagnósticos todos em relação à Dengue, então enviei para o Instituto Ricardo Jorge, em Lisboa, para fazerem a testagem daquele sangue. Qual não é o meu espanto que uns dias depois ligam à minha colega de laboratório a dizer que acham que não seja Dengue e que seja o vírus novo que está a aparecer no Brasil, o vírus Zika. Foi um pouco ao acaso que fizemos o diagnóstico. P&S - Na altura, em termos de sintomas foi possível confundir o Dengue com o Zika? TT - Sim, o Zika tem sintomas muito parecidos com a Dengue, que é a febre, a dor nas articulações, erupções cutâneas, manchas na pele que aparecem, tipo borbulhas e depois e têm quadros de conjuntivite. As pessoas referem também mialgias, dores musculares generalizadas e dores de cabeça. Naquele casal, já tinham tido o quadro mais agudo, porque normalmente demoram uma semana os sintomas e depois passam, já não tinham febre, apenas tinham dores nas articulações e as manchas na

22


SAÚDE E BEM-ESTAR

P&S - Em termos reprodutivos também entre os mosquitos? TT - Não, o vírus não se transmite dessa maneira.

pele. Mas 80% das pessoas permanecem assintomáticas quando são infetadas. Mas em relação aos 20% é o que nós chamamos uma doença autolimitada porque ao fim de uma semana os sintomas passam e as pessoas ficam bem.

P&S - E em relação à microcefalia? TT - A microcefalia já existia. Por alto, no Brasil havia 300 casos por ano de microcefalia e nos últimos seis meses teve 3000 mil casos. Então, a única coisa que mudou neste contexto foi o Zika. Então pensa-se que este aumento de casos de microcefalia esteja associado à infeção de grávidas com o vírus Zika. Mas é uma relação apenas provável, mas não está nada comprovado. Sabemos que o vírus se transmite durante o parto e até ao fim da gravidez pode ser transmitido da grávida para o feto, mas não se sabe bem ainda se é muito frequente ou pouco frequente e, por outro lado, não se sabe ainda a relação causa/efeito em estudos de biologia propriamente dita qual é a origem dessa microcefalia. Esses estudos ainda não estão feitos porque ainda é tudo muito precoce. Há um alerta forte que faz com que a OMS recomende que as grávidas não viagem para a América do Sul e Central enquanto este surto estiver a decorrer.

P&S - Em termos de consequências posteriores? TT - Das poucas pessoas que têm sintomas, no geral as pessoas até ficam bem e nem sequer precisam de ir ao hospital. Em algumas pessoas e é um fenómeno muito raro pode haver complicações neurológicas, síndrome de Guillain Barré, que dá uma fraqueza muscular generalizada que depois se pode resolver, mas também pode ser fatal. Cerca de 80% não tem sintomas, em casos muito raros dos 20% que têm sintomas podem ter complicações neurológicas e em casos muito mais raros as pessoas podem morrer. P&S - Quais são os fatores de risco para acontecer complicações? TT - Não está definido. P&S - Como se contagia? TT - Não é uma doença contagiosa de homem a homem, é uma doença contagiosa através de um vetor apenas que é o mosquito. Em casos raros transmite-se por via sexual entre casais de homens que têm sexo com homens. Ou seja, não está documentada nenhuma transmissão entre casais heterossexuais. Não se sabe se a mulher não é capaz de transmitir o vírus, sabe-se que o homem é capaz de transmitir a um outro homem. São os únicos casos documentados, e que está comprovado, mas é raro acontecer. Não é uma evidência muito forte. O principal é através do mosquito que durante o dia pica as pessoas e inocula no sangue o mosquito.

P&S - Então o risco real de Portugal como é que o avaliaria? TT - Em Portugal continental é nulo, não existe, não há o mosquito, existe algum risco na Madeira. P&S - E destes seis casos importados? TT - As pessoas estão curadas. P&S - Os profissionais e os serviços estão preparados para lidar com o vírus? TT - Estão, hoje em dia qualquer pessoa que venha do Brasil e tenha estes sintomas, nós recolhemos o sangue e enviámos para o Instituto Ricardo Jorge.

P&S - Como é feito o diagnóstico? Que exames são feitos? TT - O diagnóstico clínico é análise ao sangue.

P&S - Quer deixar uma mensagem às pessoas? TT - É uma mensagem não alarmista, a doença só se contagia do mosquito para a pessoa e é uma doença que em termos de saúde é muito benigna, não tem riscos graves de saúde. O único alerta é em relação ao risco de microcefalias nas grávidas. As pessoas podem estar sossegadas e viajar para estes destinos com a exceção das grávidas.

P&S - Em termos de propagação em Portugal? TT - Em Portugal continental não corremos nenhum risco, não há o mosquito. Mas na Madeira existe o Zika e se chegar uma pessoa infetada com o vírus no sangue e se for picada por este mosquito que existe na Madeira podemos criar um ciclo de transmissão na ilha da Madeira porque esse mosquito pode inocular o vírus noutra pessoa que seja picada.

23


OPINIÃO

Ana Catarina Candeias, Médica Clínica Geral Andreia Rocha, Fisioterapeuta* Andreia Fernandes, estudante de fisioterapia Cátia Candeias, Fisioterapeuta

Caídos do ninho da cegonha – como pode o fisioterapeuta ajudar em os bebés prematuros O nascimento prematuro é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a nascimento antes de 37 semanas completas de gestação. Os bebés prematuros podem então ser divididos em três grupos (Campbell, Palisano, & Orlin, 2012; Trindade & Lira, 2006): (1) Pré-termo limítrofe - nasce com 1501 a 2500 gramas e/ ou entre as 33 e as 36 semanas de idade gestacional; (2) Pré-termo moderado - nasce com 1000 a 1500 gramas e/ ou entre as 28 e as 32 semanas de idade gestacional; (3) Peso extremamente baixo – com menos de 1000 gramas e/ou antes de ter completado as 28 semanas de idade gestacional. Atualmente, cerca de 13 milhões de crianças nascem prematuramente em todo o mundo e o número de partos prematuros tem aumentado nos últimos anos. A taxa de prematuridade em Portugal tem vindo a aumentar e, em 2007, cifrava-se em 9,1%. Nesse ano, nasceram 9.296 bebés prematuros, o que representa um crescimento de +31,5% quando comparado com o ano de 2000 (Instituto Nacional de Estatística, 2015). A Etiologia da Prematuridade A etiologia da prematuridade é de natureza multifactorial (Margo S. Harrison, Robert L. Goldenberg, 2015) e varia de acordo com a idade gestacional (IG). Aproximadamente 14% dos casos podem ser explicados por fatores maternos e 11% por fatores genéticos fetais. O tabagismo, a má alimentação, o consumo de cafeína, as gestações gemelares e história prévia de parto pré-termo são também outros fatores de risco para o nascimento antes do tempo (Campbell, Palisano, & Orlin, 2012; Keeling & Khong, 2007). Os problemas maternos como a hipertensão arterial, a diabetes e a hemorragia uterina são também fatores importantes para parto pré-termo. As infeções maternas predominam como causa de nascimento prematuro entre 24 e 32 semanas de gestação, e o stresse e a distensão abdominal excessiva são predominantes entre 32 e 37 semanas (Imad T. Jarjour MD, 2015).

24

Consequência da Prematuridade O período entre as 20 e as 32 semanas de idade gestacional (IG) caracteriza-se por um rápido crescimento e desenvolvimento cerebral. O nascimento pré-termo altera este processo, e, em estudos de neuroimagem, verificaram-se alterações estruturais como diminuição do volume total do cérebro, do córtex e do cerebelo e alterações da mielinização, aparentemente relacionadas com défices cognitivos a médio e a longo prazo (Mamiko Koshibaa,c, Hiroko Kakeia, Masakazu Honda, 2015). A prematuridade é causa reconhecida de sequelas major, como a paralisia cerebral, o défice cognitivo e alterações neurossensoriais moderadas a graves (Willrich, Azevedo, & Fernandes, 2008). No entanto, sobretudo em idade escolar, é observada maior prevalência de disfunções mais subtis em ex-prematuros, tais como dificuldades de aprendizagem, perturbações da linguagem, hiperactividade e défices de atenção, bem como outras alterações do comportamento. Estas perturbações parecem persistir na adolescência e idade adulta. Consequências mais graves da prematuridade, e que muitas vezes exigem o internamento, estão diretamente relacionados com a idade gestacional como (Campbell, Palisano, & Orlin, 2012; Keeling & Khong, 2007) condições pulmonares: síndrome de distress respiratório, displasia broncopulmonar / doença pulmonar crónica e síndrome de aspiração do mecónio. Sequelas neurológicas mais frequentemente observadas são a hemorragia ventricular, a encefalopatia hipóxica isquémica e convulsões neonatais (Ying Dong &Shao-jie Chen, 2012). Condições cardíacas habitualmente encontradas nos bebes pré-termo são o canal arterial persistente, atresia pulmonar e a coartação da aorta. Menos frequentemente podem ser verificadas a enterocolite necrótica (inflamação intestinal); refluxo gastroesofágico; retinopatia e hiperbilirrubinemia (Rodrigues OMPR & Bolsoni-Silva, 2011).


OPINIÃO

Intervenção da fisioterapia nos bebes pré-termo Como referido, a prematuridade, por si só, pode comprometer o normal desenvolvimento da criança, aumentando a probabilidade de alterações no desenvolvimento neuropsicomotor. O fisioterapeuta, conhecedor das várias etapas de neurodesenvolvimento do bebé e da criança, estará atento à aquisição de competências e desperto para um desenvolvimento que possa ser atípico ((Formiga, Pedrazzani, Silva, & Lima, 2004). As etapas do desenvolvimento sensoriomotor infantil servirão, então, como modelo no processo de diagnóstico e intervenção em fisioterapia. Ao fisioterapeuta caberá a sensibilidade de ajustar a sua intervenção mais próxima da idade corrigida da criança e não a idade real, ou seja considerando as 40 semanas de gestação como o valor padrão para o nascimento, deve-se descontar da idade cronológica do prematuro as semanas que faltaram para sua idade gestacional atingir 40 semanas ((Rugolo, 2005; Willrich, Azevedo, & Fernandes, 2008). Pelas patologias e complicações pulmonares associadas à prematuridade, advém daí a possibilidade de intervenção do fisioterapeuta logos nos primeiros dias de vida, nomeadamente através da fisioterapia respiratória (Silva & Formiga, 2010). Os fatores ambientais são considerados durante a estadia do prematuro na incubadora, pelo que a simulação de um ambiente intra-uterino é fundamental para potenciar o desenvolvimento do recém-nascido e evitar o “choque” com o mundo exterior, nomeadamente, através da diminuição da luz, dos ruídos sonoros e do posicionamento do bebé em forma de “ninho” como se estivesse ainda “abraçado” pelo útero da mãe (Forti-Bellani & Castilho-Weinert, 2011). Geralmente a intervenção do fisioterapeuta inicia-se ainda em fase de internamento e prolonga-se após alta hospitalar (Forti-Bellani & Castilho-Weinert, 2011). Numa fase inicial, O fisioterapeuta, integrado numa equipa multidisciplinar, procurará ajudar nas questões do foro respiratório e no posicionamento do bebé. Ainda na Unidade de Neonatologia o diálogo com a família é fundamental de forma a tornar claro que a estimulação deve ser adequada ao estádio de desenvolvimento do bebé e por isso deverá o fisioterapeuta explicar a família como deverá interagir e a razão pela qual deverá fazê-lo

daquele modo (Forti-Bellani & Castilho-Weinert, 2011). A educação à família é peça chave para o sucesso da intervenção (Campbell, Palisano, & Orlin, 2012). A tríade (pai-mãe-bebé) poderá assim aproveitar as atividades do dia a dia como oportunidades únicas para aprofundar as relações e potenciar o desenvolvimento típico. Na sessão seguinte o fisioterapeuta estará disponível para escutar as dúvidas dos pais e a sugerir novas atividades (Figueiras, Souza, Rios, & Benguigui, 2005). Bibliografia Campbell, S., Palisano, R., & Orlin, M. (2012). Physical Therapy for Children (4th ed.). Missouri: Elsevier. Figueiras, A. C., Souza, I. C., Rios, V. G., & Benguigui, Y. (2005). Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Organização Pan-Americana da Saúde Formiga, C. K., Pedrazzani, E. S., Silva, F. P., & Lima, C. D. (2004). Eficácia de um programa de intervenção precoce com bebês pré-termo. Paidéia, 14(29), 301-311. Forti-Bellani, C. D., & Castilho-Weinert, L. V. (2011). Desenvolvimento Motor Típico, Desenvolvimento Motor Atípico e Correlações na Paralisia Cerebral. Fisioterapia em Neurologia. Imad T. Jarjour MD. Neurodevelopmental Outcome After Extreme Prematurity: a Review of the Literature. Pediatric Neurology 52 (2015) 143-152. Instituto Nacional de Estatística. (2015). INE Keeling, J., & Khong, T. (2007). Fetal and Neonatal Pathology (4th ed.). London: Springer Mamiko Koshibaa,c, Hiroko Kakeia, Masakazu Hondaa, Genta Karinoa,Mamoru Niitsub, Toru Miyajia, Hirohisa Kishinod, Shun Nakamurae, Tetsuya Kunikataa, Hideo Yamanouchia. Early-infant diagnostic predictors of the neuro-behavioral development after neonatal care. Behavioural Brain Research 276 (2015) 143–150. Margo S. Harrison, Robert L. Goldenber (2015). Global burden of prematurity. Seminars in Fetal & Neonatal Medicine xxx (2015) 1-6 Rodrigues OMPR; Bolsoni-Silva AT. Efeitos da prematuridade sobre o desenvolvimento de lactentes. Rev. Bras. Cresc. e Desenv. Hum. 2011; 21(1): 111-121. Rugolo, L. M. (2005). Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. Jornal de Pediatria, 81(1 Supl), 101-110. Trindade, C., & Lira, J. (2006). O recém-nascido pré-termo. Perinatologia Básica, 1 - 6. Willrich, A., Azevedo, C. C., & Fernandes, J. O. (2008). Desenvolvimento motor na infância: influência dos fatores de risco e programas de intervenção. Revista Neurociências, 17(1), 51-56. Ying Dong a Shao-jie Chen b Jia-lin Yu, A Systematic Review and Meta-Analysis of Long-Term Development of Early Term Infants. Neonatology 2012;102:212–221.

25


CAPA

Afasia: uma muralha para a comunicação

Sabe o que é a afasia? A sociedade em geral desconhece que a afasia é uma perturbação da linguagem. Ou seja, existe quando, em resultado de uma lesão cerebral, a capacidade de uma pessoa comunicar está comprometida. Quer seja ao nível da compreensão do que os outros dizem ou do que lê, quer seja ao nível da expressão dos conceitos que tem na cabeça, portanto, tem dificuldades a falar e a escrever… Texto: Sofia Pires Fotos: Gentilmente cedidas

26


CAPA

Afasia não é um problema de fala. Afasia é uma perturbação da linguagem provocada por uma lesão cerebral. Saiba que, por exemplo, uma pessoa com demência de Alzheimer, ou com Parkinson, ou com Esclerose Lateral Amiotrófica não tem afasia.

27


CAPA

29 de julho de 2003. Marlene Oliveira estava a tomar o pequeno-almoço quando teve o Acidente Vascular Cerebral (AVC). “Deixei de falar, não sabia o que estava a acontecer”, lembra. Tinha 17 anos, fazia 18, quatro dias depois, a 3 de agosto. “Nos meus anos, quando estava internada as pessoas visitaram-me e eu ouvia e repetia o que diziam, a pensar que lhes estava a responder”, descreve a jovem. “Mais tarde a minha mãe chamou-me à atenção”, acrescenta. Tinha um mixoma no coração, talvez de nascença, que já lhe andava a provocar sintomas de mal-estar, vómitos, as mãos e os pés vermelhos, mais “pareciam roxos”. “Quando fui às urgências queixei-me a um médico que sentia a parte direita dormente, mas não deram importância. Fiz análises, mas nunca fiz exames”. Marlene Oliveira foi operada no Hospital de Vila Nova de Gaia em agosto para retirar o tumor benigno e em dezembro começou o processo de reabilitação. “É complicado…sentia-me mal, muito mal mesmo. Sentiame sozinha, isolada, não queria estar com ninguém, queria morrer”, admite. À saída do hospital foi reencaminhada para o Centro de Reabilitação Profissional de Gaia, onde foi acompanhada por psicólogos, terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas. A jovem faladora, tinha que recuperar de uma afasia anómica, que embora seja o mais leve tipo de afasia,

28

obrigou-a a adiar a ida para a faculdade. Marlene Oliveira ia ingressar em setembro no ensino superior para tirar fisioterapia. “Fiz os pré-requisitos para entrar na Universidade de Aveiro, fiz os exames todos”, acrescenta. Agora, com 30 anos, diz que “a vida tem que continuar”, e ainda não retomou o sonho de voltar a estudar. “Estou a caminhar para melhorar e vou conseguindo, pouco a pouco”, diz. Em 2012 começou a fazer natação para, juntamente com outros tratamentos, a diminuir a espasticidade. A competição nesta modalidade talvez seja o próximo passo. É uma das embaixadoras do Places4all, um projeto ligado às acessibilidades, e dinamiza um grupo sobre deficiência no Facebook. “Estou a estagiar no secretariado de uma creche desde 14 de setembro. Faço coisas que me sinto bem a fazer. Sinto-me feliz agora. Eu sinto-me feliz a falar e é bom para mim e faz-me bem. É gratificante dizer as palavras”. Marlene Oliveira é a prova de que um AVC pode ocorrer em qualquer idade, mas a responsável pelo projeto do Instituto Português de Afasia (IPA) e terapeuta da fala, Paula Valente, revela que a afasia é mais frequente nas pessoas idosas, porque nestas pessoas há maior ocorrência desta lesão cerebral.


CAPA

Também os traumatismos crânio-encefálicos, os tumores e as infeções cerebrais podem provocar afasia, fazendo com que se perca subitamente as capacidades linguísticas que se tinham. A reabilitação varia de pessoa para pessoa, mesmo havendo, em termos neurológicos uma recuperação espontânea do cérebro perante aquele problema que lhe surgiu. Durante esse processo e dependendo sempre da profundidade da lesão, mesmo que a pessoa não tenha estimulação nenhuma, verificam-se algumas melhorias. “É por isso que, na fase inicial, quando o cérebro ainda está a autorregular-se, é muito importante fazer terapia da fala porque vai-se ajudar o próprio organismo a fazer aquilo que já está a fazer que é recuperar-se”, explica Paula Valente. Calcula-se que essa recuperação neurológica espontânea, passado um ano da lesão, diminua dando lugar a uma estagnação. “Mas a terapia e todos os estímulos que possam ser feitos são muito importantes porque vão continuar esse trabalho para que os mecanismos neurológicos se reponham ou se construam outras vias”, considera a responsável pelo IPA. Depois de uma operação de risco ao coração, Eduardo Martins, nome fictício, teve um AVC nos cuidados intensivos do hospital privado onde decidiu fazer a cirurgia. Embora a vigilância fosse apertada, ou pelo menos se considerasse que era, segundo a ficha clínica terá tido sinais de afasia por volta das sete da manhã, mas o alerta foi dado às 11 horas pelo filho quando o foi visitar. Ainda assim, só de tarde, por volta das 17 horas, se fez os exames de diagnóstico. A lesão cerebral, segundo a irmã de Eduardo Martins, era “uma macha

negra enorme”, e apesar do AVC ter sido extenso não teve danos físicos, embora ela considerasse que tudo indicava que iria ficar em estado vegetativo. Neste momento o hospital em questão responde por um processo de negligência médica porque Eduardo Martins e a família entendem que decorreu demasiado tempo entre o início dos sintomas e o início do tratamento. A rápida assistência evitaria tantos danos ao nível da linguagem. “Ele é um homem super esforçado e apesar de ter tido um AVC grande, faz um imenso esforço por retornar à sua vida”, afirma Paula Valente. A irmã de Eduardo Martins diz que ele passa horas em frente ao computador a fazer exercícios e que, de dia para dia, vê progressos significativos na recuperação do irmão. A sensação de impotência em não conseguir ajudá-lo a comunicar, nem compreender o que diz foi sempre o que a perturbou mais. “Independentemente do historial ou da situação socioeconómica das pessoas o que se verifica em quase todos os casos é que é um choque tremendo para a família, sobretudo se aquela pessoa dava um apoio grande em termos familiares”. A responsável pelo IPA diz que a orgânica familiar fica perturbada, tem tendência a desorganizar-se, embora a família mais próxima se mantenha presente. “Quase todos relatam afastamentos dos familiares e dos amigos”, revela. Eduardo Martins é médico de medicina do trabalho, viúvo e tem um filho a viver no estrangeiro mas que esteve sempre presente. Vive rodeado de família, tem muitos irmãos, e amigos que, garante a irmã, nunca se afastaram. 29


CAPA

A irmã acha que o irmão não ficou mais afetado e está a ter uma boa reabilitação por ser uma pessoa profissionalmente ativa e empenhada. É por isso que “varia muito de pessoa para pessoa”. “Dependendo da localização e da extensão daquela lesão cerebral é que vão aparecer sintomas diferentes com características diferentes e depois são descritos, com base nesses sintomas, quadros de afasia e, claro, graus de gravidade”, esclarece Paula Valente.

Eu conheço inúmeros casos em que as pessoas recuperaram totalmente do ponto de vista físico mas ficaram com afasias graves e continuam a ser dependentes por causa disso. Porque não conseguiram do ponto de vista da comunicação ser funcionais e a própria família não está informada, apoiada e tem medo”. Terapeuta da fala, Paula Valente

Camilo Correia estava em casa, sozinho, a descansar quando teve o AVC. Desceu as escadas e conseguiu pedir ajuda. Embora não se lembre de nada, foi isso que o salvou. Foi há sete anos e ficou com uma afasia global mas funcional. “Ou seja, em contexto e conversação tem um desempenho melhor do que nos testes”, descreve a terapeuta da fala. Além da afasia, Camilo Correia ficou afetado na mobilidade da perna e do braço direito. “Senti-me sem chão”, diz a esposa, Graça Coimbra. Casaram em meados de 2008 e seis meses depois acontece o AVC. O marido sentiu-se “frustrado” e “impotente” e depois de muito chorar acabou por aceitar o novo Camilo com afasia… Para comunicar com ele, e em geral com os afásicos, é importante falar calmamente, dar tempo para responder e ter o apoio de objetos e papel para escrever. “Comigo bastava um olhar e eu percebia o que ele queria, ele fazia entender-se bem e depois por palpites chegava-se lá”, conta Graça Coimbra. A primeira coisa que disse foi Marta, o nome da enfermeira que vinha escrito na bata. “Depois a partir daí foi fácil puxar mais por ele. É um caminho longo, até hoje é… As ideias estão todas lá dentro, ele sabe o que quer e há alturas em que tem mais dificuldade em se expressar, mas percebe sempre bem o que lhe dizemos. Claro que não mantém uma conversa fluente”, afirma. Durante os 120 dias em que Camilo Correia esteve no Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, Graça Coimbra diz que chegou a ser alimentado com sonda porque não deglutia, não conseguia andar, nem falar, mas “sabia bem o que tinha tido, embora tivesse as ideias muito baralhadas”.

30

Fez fisioterapia e terapia da fala e o apoio que teve do psicólogo de serviço foi pontual e porque não queria usar cadeira de rodas. “Não queria sair. Ele esteve lá de março a junho e esteve um tempo ótimo e os outros doentes vinham passear ao jardim e ele não queria passear porque não queria a cadeira de rodas”, recorda. O antigo motorista internacional agora anda com o auxílio de um tripé. “Mas está dependente logicamente”, diz a esposa. “Toma banho sozinho, veste-se mas as meias são mais complicadas, eu ajudo, não tem muita noção do dinheiro”, enumera. Graça Coimbra, sente-se desamparada. Tanto a sua mãe como a de Camilo Correia, devido à idade e aos problemas de saúde, pouco conseguem ajudar e, “os amigos não foram amigos”. “Isto não é nenhuma doença contagiosa. Telefonavam, mas até hoje nunca apareceram”, lamenta. Foi na unidade de reabilitação que encontrou forças para enfrentar esta situação.


CAPA

de contacto que entretanto faleceu e fica sozinha. Os filhos já não davam apoio direto e afastam-se ainda mais e a pessoa acaba por ter uma vida muito sozinha sem apoio”, refere Paula Valente. Jorge Reis Cruz é mais um sobrevivente de um AVC que “veio do nada”, já que não tinha antecedentes familiares e era, aparentemente, saudável. Ficou com uma afasia transcortical motora e, por isso, tem a fala espontânea comprometida mas a compreensão está preservada e, como tal, é possível manter uma conversa com ele. O segundo casamento de Jorge Reis é que não sobreviveu ao AVC. Agora vive com os pais. Mas ainda antes de se divorciar, a então esposa ofereceulhe tinta e uma tela para pintar. Nunca mais parou. E a vida, apesar de tudo, ganhou um novo sentido. O pintor de Aveiro pinta de tudo um pouco e já expôs várias vezes.

“Desde que a unidade abria, até que fechasse, estava lá o dia inteiro. Não só estive com ele, mas estive com outros. O pessoal de enfermagem e o pessoal auxiliar foi todo maravilhoso. Foi esse o apoio que eu tive e que lhe consegui dar a ele”. Mas no final da reabilitação e com o regresso à rotina do dia-a-dia a esposa de Camilo Correia diz que “nada é igual”. As preocupações são todas para mim, o que tiver que decidir, nem o vou estar a preocupar”. Graça Coimbra tem uma filha “que é muito amiga dele e sempre deu muito apoio” e a neta de quatro anos a viveram com eles provisoriamente, enquanto remodelam a casa onde moram. “A menina é uma boa companhia para o meu marido, estimula-o. Eles a falar entendem-se [risos]. Ele brinca muito com ela e ela tem consciência que o avô tem um problema”, conta. “Existem situações dramáticas de pessoas que acabam por se divorciar e há pessoas que têm apenas uma pessoa

31


CAPA

32


CAPA

A terapia convencional versus a terapia do IPA

Depois desta avaliação o IPA propõe um trabalho em conjunto com a pessoa e com aqueles que a rodeiam com terapia individual e com terapia em grupo e treinando inclusive os parceiros de comunicação. “Há metodologias focadas na melhoria da interação e passam essencialmente por avaliar a interação comunicativa entre os parceiros e juntamente com eles analisar as estratégias que estão a funcionar e as que não estão a funcionar tão bem”. Como é que isso se faz? “Treinar com eles, fazer roll playing, filmar em casa e depois analisar na sessão, treinar nos sítios o tipo de comunicação que a pessoa precisa de ter e é importante para ela”, explica Paula Valente. A intervenção do IPA pode passar por conquistar coisas mais complexas como voltar a ter um papel mais ativo na vida familiar, porque as pessoas são, tendencialmente, afastadas de decisões financeiras e gestão da casa e dos seus papeis familiares. Ou pode simplesmente passar por conquistar o bem-estar do ponto de vista emocional, porque a comunicação até pode ser funcional, mas do ponto de vista emocional a pessoa ainda não aceitou a afasia. É fundamental aceitar a afasia e para o efeito, é dado apoio psicossocial e emocional para o afásico aceitar a nova pessoa que é e a nova forma de estar na vida. Também é preciso acompanhar a família e garantir que haja a aceitação da afasia também pelos familiares. Este trabalho inclui o terapeuta, o psicólogo, a família… É um trabalho para se realizar em grupo, ou em sessões individuais de acordo com a necessidade da pessoa. No entanto sabemos que o grupo é um contexto excelente para facilitar todo esse trabalho. “No grupo as pessoas acabam por encontrar parceiros, pessoas que vivem o mesmo problema que eles, e também estão a lutar contra barreiras, estão a lidar com questões emocionais e na partilha eles encontram soluções comuns”, defende a terapeuta da fala. O AVC é a principal causa de morte e incapacidade em Portugal e a afasia estará como uma das incapacidades. Não existem dados estatísticos que digam quantas pessoas há com afasia em Portugal. Por isso apenas se estimativa de que surjam, todos os anos, oito mil novos casos. Isto porque, por hora existem três portugueses que sofrem um AVC, um terço deles morre e, dos dois que sobrevivem, metade pode ficar com afasia. “Portanto a prevalência é bastante grande, mas são estimativas”, conclui Paula Valente. E agora já sabe o que é a afasia?

Os tratamentos que existem em Portugal acessíveis a estas pessoas são focados no tratamento da afasia, ou seja, na estimulação e reabilitação das faculdades linguísticas que a pessoa perdeu. E as pessoas afásicas têm acesso a esses tratamentos em contexto hospitalar, em contexto de cuidados continuados ou, depois mais tarde, quando vão para casa, fazem os tratamentos nas clínicas onde existem terapeutas da fala. Mas de uma forma geral, estes serviços, com a crise, sofreram sérias alterações, diminuindo o número e a duração das consultas. Neste processo, os familiares são envolvidos apenas para reproduzirem em casa a terapia que se efetua na sessão numa tentativa de facilitar a reabilitação. “É uma modalidade de estímulo resposta e toda a responsabilidade é do terapeuta e o objetivo final é que aquela pessoa fale melhor ou consiga compreender melhor. A terapia não é dirigida à pessoa, mas à afasia, à melhoria da linguagem”, aponta Paula Valente. Segundo este modelo a afasia é um problema de linguagem e os tratamentos focam-se em tentar remediar esse problema. A responsável pelo projeto do IPA diz que fica a faltar a questão do habilitar. “Se virmos a afasia como algo mais abrangente que tem impacto psicológico, social, familiar, que é um problema crónico e as pessoas vão viver muitos anos com ela uma abordagem focada nos problemas da linguagem não chega”, explica Paula Valente. As metodologias que estão agora a ser postas em prática pelo Instituto Português de Afasia [Texto página 40] procuram obter resultados que sejam significativos para as pessoas através de tratamentos baseados nos resultados ao nível da vida da pessoa e não só nos resultados observáveis e mensuráveis nos processos linguísticos. “O que se pretende é um trabalho que resulte em melhoria da qualidade de vida e resulte numa maior atividade e participação daquela pessoa apesar de ela continuar a ter afasia”, acrescenta. As metodologias propostas pelo IPA focam-se na participação da pessoa com afasia nas atividades que são significativas para ela. Primeiro avalia que atividades são essas e quais são as barreiras que a pessoa encontra na sua vida que a estão a impedir de as realizar: “Se são barreiras relacionadas com o ambiente, com a falta de acesso à informação, porque ela não é acessível do ponto de vista comunicativo. São barreiras relacionadas com as atitudes das outras pessoas que não sabem comunicar com ela por ela ter afasia. São barreiras relacionadas com os serviços que não estão adaptados para serem acessíveis”, enumera a terapeuta da fala.

33


CAPA

Instituto Português de Afasia

O desconhecimento do que é a afasia tem um impacto tremendo ao nível económico, de políticas, há menos investimentos, há menos investigação, há menos dinheiro para serviços de apoio, há menos empatia” Terapeuta da fala, Paula Valente.

Paula Valente sempre trabalhou com pessoas com afasia em contexto clínico e ao tomar conhecimento destas metodologias, quis tentar trazê-las para Portugal. “Há um ano propus-me, com o apoio do Instituto de Empreendedorismo Social e a Associação para o Desenvolvimento integrado de Matosinhos, a realizar um projeto piloto. O projeto começou em fevereiro, com nove famílias para perceber o interesse neste tipo de abordagens e a capacidade de pagamento das pessoas. “No final os resultados foram muito positivos, as pessoas acharam que o projeto complementava as terapias que tinham, que tinha sido dada informação que nunca ninguém lhes tinha dado, tinha sido proposto uma reflexão sobre temas importantes para eles e nunca tinham pensado sobre aquilo”.

34


CAPA O Instituto Português de Afasia “nasceu” deste projeto piloto chamado “Afasia 3D” que decorreu de fevereiro a maio de 2015, em Matosinhos. Paula Valente deixou para trás a atividade profissional convencional que exercia como terapeuta da fala para abraçar este novo método de trabalho que, além de trabalhar a pessoa com afasia para desenvolver atividades que sejam significativas para ela, pretende também envolver a família e os amigos para que tenham também acesso a tratamento, apoio e informação. “Vamos também trabalhar a sociedade, informar e capacitar os agentes da sociedade para uma maior facilidade comunicativa sobretudo ao nível das interações porque a sociedade também precisa de se adaptar a essas pessoas”, acrescenta. Mas antes de tudo, Paula Valente considera que é preciso informar o que é a afasia e mostrar que os afásicos existem. “Porque apesar de ser um problema mais prevalente que muitas doenças que conhecemos muito bem, como por exemplo as doenças de Parkinson ou Alzheimer, se perguntarmos a uma pessoa na rua o que é a afasia ninguém sabe”, revela. É por isso que a comunicação junto dos profissionais de saúde é muito importante, porque, por serem as pessoas que estão mais sensibilizadas para a existência da afasia, farão a ponte deste serviço que é novo, diferente da terapia da fala tradicional, para as pessoas que necessitem de recorrer a ele. “É importante perceber que os profissionais têm achado que o projeto faz sentido, que esta metodologia faz sentido, complementa, sem dúvida alguma, aquilo que já existe. Nós não vamos substituir a terapia da fala tradicional, vamos trabalhar em conjunto e complementar esse trabalho”. Se a Paula Valente e o IPA surgissem há 13 anos atrás, quando a Marlene Oliveira teve o AVC aos 17 anos, o percurso de reabilitação ia, provavelmente, ser menos complicado. Pelo menos a jovem considera que ia-se sentir mais apoiada. “Ao falar com outras pessoas que têm afasia, senti-me melhor”, refere. E é este apoio que Eduardo Martins pretende e, por isso, procurou o IPA porque está empenhado em comunicar mais para poder voltar a trabalhar como médico. E foi esse o apoio que Camilo Correia encontrou como participante do projeto Afasia 3D. Paula Valente define a participação do marido de Graça Coimbra como sendo a de um “homem dinâmico, capaz de comunicar sem barreiras e fonte de motivação para os outros”. “Nestas sessões do IPA, sempre foi diferente. Está tudo para o mesmo, centrados na comunicação, eles vão trocando ideias uns com os outros. Quando ele vai para essas sessões, ele vai radiante e vem bem”, conta a esposa de

Camilo Correia. Do ponto de vista da comunicação Paula Valente diz que o potencial de grupo é “tremendo”, porque os afásicos chegam com “limitações, receios e com vergonha” e, ao fim de algum tempo, já estão a ajudar-se uns aos outro e a complementar-se na conversa. “Aumenta o potencial de cada um, a autoestima, a vontade de participar, a iniciativa… É incrível ver isso de sessão para sessão”, enfatiza. A primeira sessão de acolhimento é gratuita e serve para dar a conhecer os programas e os serviços do IPA. Na primeira fase de intervenção pretende-se redescobrir e reconhecer as necessidades comunicativas e sociais que se encontram “escondidas” pela afasia. Enquanto na segunda fase, a pessoa com afasia vai treinar as respetivas estratégias e competências comunicativas em conversação mas também na simulação de atividades concretas e relevantes para ela. “Apesar do acolhimento ser gratuito, os programas terapêuticos que nós fazemos têm um custo ajustado às possibilidades económicas das pessoas, é um custo muito abaixo do que pagariam no mercado”, sublinha Paula Valente. Os profissionais desta instituição estão prontos a formar uma equipa com a pessoa com afasia na liderança, com os familiares, com os amigos quando pertinente, com os profissionais de saúde que acompanham a pessoa no seu processo de recuperação, e ainda com outros profissionais ou pessoas que possam contribuir para que os resultados sejam significativos. “O IPA trabalha com organizações internacionais e o conselho científico envolve especialistas de outras áreas e a ideia é trabalhar com os profissionais que já trabalham com as pessoas para se otimizar os resultados, trabalhamos em equipa, em complementaridade”, acrescenta Paula Valente. Embora sejam serviços pagos Paula Valente garante que não existem critérios de exclusão para o IPA. “Qualquer pessoa com afasia pode beneficiar dos nossos serviços e em qualquer altura podemos avaliar e perceber se podemos contribuir de alguma forma”.

35


CAPA

Dicas para comunicar com alguém com afasia: .Não ignore a pessoa com afasia e fale diretamente com ela. Relaxe e não tenha medo dos silêncios. .Permita que a pessoa com afasia converse sobre o que quer e decida quanto a continuar ou terminar uma conversa. .Seja um bom ouvinte. Dê tempo e deixe a pessoa com afasia terminar. Não fale por ela. .Evite atitudes de condescendência ou paternalismo e tenha atenção ao tom de voz natural. É uma conversa de adultos. .Partilhe a responsabilidade quando algo falha . seja paciente. .Faça perguntas simples de resposta sim e não e garanta um meio para confirmar (por exemplo escreva sim e não para apontar) .Pense que coisa podem ajudar durante a conversa e coloque à disposição (imagens, objetos, calendário, mapa, informação escrita, etc…) .Tenha sempre à mão papel e lápis. Encoraje o uso do desenho e da escrita e use-os também. .Faça pequenos resumos e vá confirmando aquilo que compreendeu até ali na conversa. .Diga-lhe sempre quando não percebe para não levar a mal entendidos mais tarde. Tenha paciência, dê tempo. .Utilize a voz expressiva e adeque a sua velocidade da fala .Observe a cara e a linguagem corporal da pessoa com afasia que possa indicar que ela não está a compreender .Fale de uma coisa de cada vez. Se vai mudar de assunto, que tal fique claro. .Use linguagem comum. Evite terminologia técnica. .Saliente a palavra mais importante em cada frase (oralmente ou por escrito) Use gestos de apoio ou aponte simultaneamente à fala

Algumas pessoas recuperam quase a 100% mas dependendo de diversos fatores relacionados com a gravidade inicial da afasia, a extensão da lesão, a resposta à estimulação entre outros, mas uma grande parte das pessoas fica com afasia crónica. Ou seja, vivem para toda a vida com defeitos linguísticos e com a perturbação da comunicação. Isto pode ter um impacto grande na vida pessoa e impedi-la de fazer coisas muito básicas como perguntar, dizer o que pensa, o que sente, retomar papeis sociais, voltar a trabalhar…” Terapeuta da fala, Paula Valente 36


CAPA

A 17 de outubro de 2015 decorreu o 1.º Encontro IPA para Pessoas com afasia, familiares e amigos. Neste encontro nacional e estiveram cerca de 40 pessoas presentes vindas de todo o país. O Jantar de Gala IPA, o primeiro evento de angariação de fundos para o projeto realizou-se a 28 de novembro de 2015. Este evento serviu também para celebrar o início das atividades do IPA, um projeto que visa ser autossustentável. Além de, promover atividades dirigidas ao público em geral, de formação e workshops de informação, o IPA pretende, no espaço de três a cinco anos, ter uma rede de pelo menos cinco núcleos do norte a sul do país para estar o mais próximo das pessoas.

37


OPINIÃO

David Rodrigues Presidente da Pró-Inclusão drodrigues@fmh.utl.pt

Subir a escadaria O pleno exercício dos direitos da pessoa com condição de deficiência é uma longa e íngreme escadaria. Ao subi-la podemos olhar para os degraus que já foram transpostos e ficar reconfortados com o que que fizemos ou olhar para os degraus que faltam subir e ficar (talvez) desanimados. Por vezes parece-nos que o patamar onde chegamos é já o fim do caminho e só uma segunda impressão nos lembra que há mais escadas para subir. Lembro-me que há alguns anos, fui a um congresso a uma cidade do Sul de Espanha. Era um congresso sobre desporto paralímpico e a cidade assumia-se como anfitriã orgulhosa de uma cidade que tinha abolido as barreiras arquitetónicas e era portanto uma cidade completamente acessível para pessoas em cadeira de rodas e outras dificuldades de locomoção. Quando cheguei ao fantástico auditório onde se ia passar o congresso, logo vi todo o cuidado que tinha sido posto na acessibilidade. Estávamos – parecia – num micromundo sem barreiras. Mas… quando subi para o palco reparei que a pessoa que usava cadeira de rodas e me fazia companhia na mesa de comunicações, tinha entrado por outro lado. Perguntei: “Por onde entrou?” e ele respondeu “Por uma porta que há por trás do palco”. Mas então, uma cidade tão acessível, um auditório tão acessível, destina o acesso das pessoas com cadeiras de rodas pelas traseiras do edifício? Talvez as pessoas que conceberam este auditório tenham pensado que as pessoas com deficiência vêm cá para ouvir, mas não para falar e, por isso, não valorizaram a acessibilidade ao palco. Este episódio levanta-nos uma reflexão importante e que se prende com o conceito que temos sobre a participação das pessoas com deficiência na sociedade. Muitas vezes esta reflexão só nos leva a considerar que estas pessoas podem ser participantes passivos, espectadores, assistentes do que se passa. Não é imediatamente concebível que estas pessoas possam assumir a palavra, a conceção, assumir a liderança de palavras e projetos. Lembro o grande choque que se passou no Reino Unido quando em 1997 David Blunkett, um homem cego congénito, se tornou Secretário de Estado da Educação e do Emprego no Governo Trabalhista de Tony Blair. Não era politica-

38

mente correto uma oposição frontal mas soaram muitos silêncios e “vamos ver” à volta desta nomeação. Um cargo que foi, no seu final, unanimemente reconhecido como tendo sido exercido com grande qualidade. Hoje vivemos em Portugal momentos inéditos sobre a visibilidade e protagonismo de pessoas com condições de deficiência na nossa política e na nossa governação. Lembro o deputado Jorge Falcato e a Secretária de Estado da Inclusão de Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes. Estas pessoas assumem um protagonismo que vai para além do mundo em que muitas vezes queremos isolar as pessoas com condições de deficiência. Estas pessoas, representam muitas outras e assumem sem problemas a sua função de tratar e representar todos os seus concidadãos tenham deficiência ou não. Estas pessoas pela afirmação da sua cidadania, lembramnos que podemos estar mais próximos do cimo desta escadaria e que os direitos das pessoas com deficiência estão indissoluvelmente ligados à afirmação e concretização dos direitos de todos os cidadãos. Por tudo isto só nos podemos sentir orgulhosos por termos cidadãos de tanta qualidade a nos representarem e desejar-lhes as maiores felicidades para o exercício dos seus cargos. E vamos subindo a escadaria.


PUBLICIDADE

39


OPINIÃO

Rui Machado r.lucas.machado@gmail.com

Mais um pequeno passo Estávamos no final de 2013 um ano importantíssimo para a luta da Vida Independente em Portugal. Finalmente, várias pessoas com diversidade funcional decidiram avançar para a luta da sua liberdade e autonomia. Os (d)Eficientes Indignados, depois de acompanharem a greve de fome mais rápida da história protagonizada por Eduardo Jorge, tiveram promessas do então Secretário de Estado Agostinho Branquinho para o avanço do início do processo de implementação da Vida Independente com a participação ativa e efetiva dos principais interessados: nós. Mentiram. Mas antes de sabermos que não lidávamos com gente séria, os (d)Eficientes Indignados continuaram o seu trabalho de divulgação do paradigma perante a sociedade portuguesa. Nesse contexto surgiu a ideia de fazermos a 1º Conferência sobre Vida Independente. Tive a oportunidade de participar nessa organização, enquanto membro coordenador do movimento, com muito gosto e até confesso, com algum orgulho. Sucedeu que, por problemas pessoais daqueles que ninguém devia ter, não consegui estar presente fisicamente. Digo fisicamente porque tive honra de abertura da conferência através da leitura da atriz São José Lapa de uma carta aberta ao cidadão “normal” que escrevi. Depois mandaram-me o vídeo para que eu visse que tinha estado lá. E estive, sim. Como esteve a comoção do Jorge Falcato que o forçou a interromper os trabalho depois da leitura. E como estiveram também as lágrimas de Manuela Ralha e o grito “Obrigado Rui” do João Pessoa. Quando vi o vídeo disse para mim que um dia o Porto haveria de ter uma Conferência assim. E aconteceu, mais de dois anos depois, mas aconteceu. Foi dia 5 de Março e a adesão foi surpreendentemente alta. Depois de várias semanas de trabalho em que as últimas foram particularmente intensas, foi extraordinário perceber que finalmente as pessoas com diversidade funcional querem/exigem ter direito a assumir o controlo das suas vidas. É essencial a participação e união de todos porque todos somos muitos e assim a luta do que está ao nível dos direitos humanos mais básicos, não poderá ser negada por quem tem o poder de implementar. Ninguém nos dará nada e falta-nos conquistar ainda quase tudo. Estar calado e quieto não a forma de conquistar seja o que for. É a nossa vida que está em jogo. É isto que começa a ser entendido. É aqui que a minha esperança cresce.

40

Publicite Aqui

(+351) 913 077 505 publicidade@pluralesingular.pt Av. D. João IV, 1076, Blc C, 4º Esq 4810-534 | Guimarães | Portugal


tecnologia e inovação

Próximo passo: Soluções digitais para comunicar


TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Próximo passo: Soluções digitais para comunicar Em entrevista à Plural&Singular a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes deu a conhecer a mais recente medida protocolar com vista a desenvolver soluções digitais para as pessoas com deficiência. Texto: Sofia Pires Fotos: Gentilmente cedida

Para o efeito será criado um grupo de trabalho composto pelo Instituto Nacional para a Reabilitação, pela Fundação Portugal Telecom, pela secretaria de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência e pela Secretaria de Estado das Infraestruturas, em parceria com a Fundação Portugal Telecom, para estudar novas soluções que promovam a acessibilidade digital das pessoas com deficiência e que possam ser financiadas pelo programa Portugal 2020. O objetivo primordial deste projeto é dar às pessoas com deficiências as ferramentas necessárias para conseguirem comunicar, particularmente soluções tecnológicas, tanto para deficiências visuais, auditivas ou motoras ou outras necessidades que venham a ser identificadas. Para este trabalho também são convocadas algumas associações representativas das pessoas com deficiência, que já possam ter identificado exemplos de as soluções tecnologias que as pessoas com deficiência precisam.

42


TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

P&S - Quais são os próximos passos? O que se pode esperar deste projeto ainda este ano? ASA - Com a assinatura do memorando, foi já definido o primeiro passo que dele resultará, face às transformações das ofertas convergentes recentemente ocorridas: uma atualização da oferta associada ao “Programa Aladim”, e em particular o seu alargamento aos pacotes TV. Em relação às soluções especiais, estão a ser estudadas, ainda para este ano, atualizações em várias áreas, nomeadamente a versão 2.0 da APP Android “PT MagicContact”.

Plural&Singular (P&S) - Em que medida este é um projeto considerado estratégico para a inclusão das pessoas com deficiência? Ana Sofia Antunes (ASA) - A capacidade de comunicação é uma das mais importantes faculdades que os seres humanos possuem. Trata-se de um fator essencial para podemos transmitir informação, ideias, desejos … e, por isso, este projeto assume extrema importância na inclusão das pessoas que, sem apoio tecnológico, não conseguem simplesmente comunicar. P&S - De que tipo de soluções digitais estamos a falar? ASA - A Fundação PT mantém um portfólio de soluções especiais - softwares e tecnologias, selecionadas do mercado ou desenvolvidas internamente - que devolvem às pessoas com necessidades especiais a capacidade de utilização dos telemóveis, tablets, telefones fixos, computadores e até mesmo a TV. Estas soluções têm uma subsidiação de pelo menos 70% do custo, sendo nalguns casos gratuitas. Para além da existência deste portfólio a Fundação PT disponibiliza ainda o “Programa Aladim”, através do qual são subsidiados os próprios serviços de telecomunicações para pessoas com uma incapacidade superior ou igual a 60%.

P&S - Quais são as expetativas em relação a este projeto? ASA - Contribuir para tornar a comunicação acessível a todas as pessoas, para o que é essencial desenvolver parcerias a nível tecnológico, mas também financeiro e operacional. Pretende-se, também, que a nível escolar sejam ultrapassadas diversas barreiras com que diariamente as crianças e os jovens com necessidades educativas especiais se deparam, sobretudo pela falta de equipamento e financiamento para o adquirir.

43


TECNOLOGIA E INOVAÇÃO P&S – Na área da deficiência o quê é que mais a preocupa? ASA – Os apoios especiais nas escolas e o ensino inclusivo, é uma matéria que tenho, realmente, necessidade de trabalhar com os colegas de pastas porque acho que precisam de revisões. A intervenção precoce, há de facto algumas temáticas cujo funcionamento na prática e na realidade me levanta algumas questões e que acho que merecem uma intervenção minha. P&S - Qual a intenção do programa “Percursos pela Inclusão”? Porque entendeu que era uma boa forma de começar o seu trabalho? ASA - Conhecer, conhecer, conhecer, falar, andar no terreno. Eu também estou em formação, também preciso de conhecer mais, de falar com as pessoas e aprender mais especificamente como algumas áreas das quais não estava tão debruçada.

O Governo está no percurso pela inclusão O programa “Percursos pela Inclusão”, é um périplo pelo país, que a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, delineou para “conhecer, conhecer, conhecer, falar, andar no terreno”… Plural&Singular (P&S) - Quando foi convidada a integrar a lista do PS para as legislativas, imagina que passados alguns meses estaria no Governo, na Secretaria de Estado para a Inclusão? Ana Sofia Antunes (ASA) - Não fazia a mais pálida ideia. Quando aceitei candidatar-me aceitei ir para o Parlamento e fazer o meu trabalho ali e acho que é um trabalho muito importante, um trabalho de representação de todos os cidadãos portugueses. Mas de facto pensava que poderia ir para lá se fosse eleita, nunca fiz qualquer tipo de especulação e transposição na minha vida. Nunca foi uma vida política ativa nessa base. P&S - A criação da Secretaria de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência é um passo importante no caminho da inclusão? ASA - Eu espero que sim, para isso é que eu trabalho. Mas quem te dar um feedback, não é agora, é depois de algum tempo passado e de algum tempo feito, são as pessoas que podem vir eventualmente a beneficiar diretamente com a sua existência e o seu trabalho. P&S - O que se espera da Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência? ASA – Temos agora uma série de medidas aí na calha que eu não posso falar muito aprofundadamente que serão apresentadas nos cem dias de Governo, mas posso dizer que são medidas que vão abranger a área do emprego, a área da autorrepresentação e a consagração de direitos através da legislação e na área das acessibilidades e das novas tecnologias. Vamos começar a pegar aí num conjunto de aspetos estratégicos, vem por aí notícias, mas não posso falar antes do tempo. 44

P&S - Destes périplos que tem feito, no contacto no terreno com as entidades…com que impressão tem ficado? ASA – Levo um conjunto de preocupações sobre alguns aspetos que me parece que precisam de ser mexidos urgentemente. São coisas que vão aqui registadas e já me preocupavam e preocupam mais agora. Também levo a força de que já existem coisas a funcionar no terreno e a funcionar muito bem e que infelizmente e imerecidamente não são conhecidas. Que mereciam ser mais conhecidas e se eu puder ajudar a divulgar aquilo que se faz, iniciativas bonitas, úteis, verdadeiramente integradoras que existem e estão a funcionar… nem sempre as questões da deficiência andam nos nossos jornais e nas nossas televisões, se eu puder ajudar nisso… P&S - O programa “Percursos pela Inclusão”, agora em março ainda vai estar “na estrada”? Que locais estão previstos visitar? ASA – Em março a iniciativa “Percursos pela Inclusão” visitará os distritos de Leiria, Coimbra, Aveiro, Viseu, Guarda, Porto e Castelo Branco, sob o mote “Respostas Sociais Inovadoras no âmbito da Inclusão”.


OPINIÃO

Mário Ferreira Engenheiro Mecânico mario_ferreira_eng@outlook.pt

Próteses acessíveis a todos

Era eu um rapaz de 10 anos na década de 90 quando vi pela primeira vez a Guerra das Estrelas. Nesta trilogia, o protagonista Luke Skywalker usava uma mão biónica para manusear com grande destreza um sabre de luz (uma espécie de espada laser para os menos familiariz dos com o filme). Recordo-me de ficar maravilhado com uma prótese 100% funcional e para todos os efeitos - toque incluído igual à mão perdida. Fantástico! Na altura imaginei um futuro distante em que a Ciência estaria tão avançada que permitisse visitar Planetas exóticos, “cultivar” água no deserto e repor membros perdidos. No que concerne aos membros biónicos já existiam protótipos em laboratório na década de 70. Havia, contudo, além dos entraves técnicos, limitações económicas consideráveis com estas tecnologias a ascender a custos proibitivos. É necessário avançar uns anos desde a década de 90 para o advento da impressão 3D permitir vencer os entraves económicos e tecnológicos à produção barata de próteses funcionais adaptadas a cada utilizador.

A impressão 3D já existia na indústria, sobretudo para criar protótipos sólidos rapidamente. Foi, todavia, nesta década de 2010 que começaram a surgir impressoras 3D a preços acessíveis para produzir objectos em Casa. Esta tecnologia permite criar talheres, brinquedos, armações para óculos.. qualquer objecto que se possa imaginar em apenas algumas horas. E não demorou muito até alguém imaginar a impressão 3D de próteses. Para o leitor ter uma ideia, uma mão robótica conve cional feita por medida pode chegar, actualmente, a um valor próximo dos 40.000 €. A impressão 3D permite baixar os custos acentuadamente até os 5 € (!) - sim, leu bem, por 5 € já é possível imprimir uma mão biónica funcional. O modelo de 5 € que refiro é, obviamente pelo preço, um produto bastante básico criado pela “Zero Point Frontier” e divulgado ao público em 2013. Ainda no mesmo ano foram oferecidos gratuitamente na internet os ficheiros criados por dois investigadores - Owen e Van As - que permitem a qualquer Pessoa criar uma prótese biónica numa impressora 3D. 45


OPINIÃO

Publicite Aqui Nesse mesmo ano, um Pai surge nas notícias por criar uma mão biónica, baseada nesses ficheiros gratuitos, para o filho de 12 anos por apenas 10 €. O processo foi evoluindo e dois anos depois surge um modelo melhor por cerca de 25 €, criado pela empresa “Atomic Labs” que além de oferecer gratuitamente os seus ficheiros para produção por impressão 3D, põe também em contacto amputados com engenheiros qualificados para produzir uma prótese por medida. Um dos meus projectos preferidos e, em minha opinião, mais estruturados em termos de acesso e personalização de produto, nasceu também de uma iniciativa de partilha gratuita de ficheiros para fabrico por impressão 3D. Se digitar “Open Hand Project” no Google será encaminhado para uma página onde pode fazer download dos ficheiros a custo zero. Seguidamente é só contactar uma empresa de impressão 3D em Portugal - há várias - e pagar o serviço de impressão. Particularmente útil para adolescentes e crianças que crescem rapidamente e que, por isso, precisam de uma mão prostética nova todos os anos. Em 2014, é criada a Empresa Open Bionics que, baseada nos ficheiros gratuitos do “Open Hand Project”, começa a desenvolver braços e mãos prostéticos especificamente desenhados para crianças e adolescentes com vista à redução do estigma social de usar uma prótese, para tal comercializam, em parceria com os estúdios da Disney, Lucasfilm e Marvel, braços e mãos de Heróis conhecidos - como o Homem-de-Ferro, Homem-Aranha ou mesmo Luke Skywalker da Guerra das Estrelas. O Futuro que conheci quando era miúdo é hoje!

(+351) 913 077 505 publicidade@pluralesingular.pt Av. D. João IV, 1076, Blc C, 4º Esq 4810-534 | Guimarães | Portugal

46


desporto

Miguel Vieira O primeiro judoca portuguĂŞs nos Jogos ParalĂ­mpicos


NOTÍCIAS

Atletas portugueses rumo aos Paralímpicos Rio2016

São várias as modalidades, tanto individuais como coletivas presentes nos Jogos Paralímpicos que se realizam este ano no Rio de Janeiro, Brasil… Resta aguardar para saber que atletas vão representar Portugal em cada uma delas. Entre as modalidades estão, nas individuais, a Equitação, Esgrima em cadeira de rodas, Halterofilismo, Judo, Paracanoagem, Paraciclismo, Para-ténis de mesa, Para-triatlo, Remo, Ténis em cadeira de rodas, Tiro, Tiro com arco, Vela. O Atletismo, Boccia e Natação estão integrados do Rio 2016 a nível individual e coletivo. As modalidades coletivas presentes são o Basquetebol em cadeira de rodas, Futebol de 5, Futebol de 7, Goalball, Rugby em cadeira de rodas e Voleibol sentado.

Câmara do Porto lança Programa Municipal de Apoio ao Desporto Adaptado A câmara do Porto lançou em janeiro o Programa Municipal de Apoio ao Desporto Adaptado, cuja dotação é de meio milhão de euros, destinando-se a associações e clubes da cidade. O objetivo deste programa é “promover o alargamento do desporto adaptado através do alargamento das respostas ou a qualificação de respostas já existentes” e podem concorrer instituições do Porto que realizem atividades adaptadas há pelo menos cinco anos ou instituições que atuem na área a nível federado. Em análise vão estar projetos de quatro vertentes: melhoramento de infraestruturas existentes, aquisição ou remodelação de equipamento, aquisição ou melhoria de viaturas para promover a mobilidade de pessoas com deficiência e atividades concretas. A autarquia do Porto tem expectativa de que em abril já seja possível fazer transferências para as instituições contempladas. O vereador da Ação Social, Manuel Pizarro, apontou, quando questionado sobre quantas pessoas poderão vir a beneficiar deste programa que 20 clubes usam atualmente os equipamentos municipais para desenvolver atividades de desporto adaptado e que durante 2015 foram realizadas 250 ações que abrangeram esta área. “Temos a ideia que este número tem de aumentar. Nenhuma dessas pessoas deve ser privada de ativida-

de desportiva por não haver resposta à altura das suas necessidades”, disse Pizarro. Já o presidente da câmara, o independente Rui Moreira prometeu “continuar a tornar o Porto uma cidade mais confortável para todos” e aproveitou para desejar que o Governo “ajude as autarquias a fazer com que a igualdade de oportunidades não se fique por palavras de circunstância mas se materialize em políticas”. Rui Moreira garantiu que “o Porto se tem empenhado no desenvolvimento de políticas de inclusão efectiva” e recordou que “Portugal é hoje reconhecido internacionalmente a nível paralímpico”. O lançamento deste programa decorreu nas Piscinas da Constituição com a presença da secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, com a governante a louvar “o grande impulso [da câmara do Porto] à área do desporto adaptado”, apoiando “uma série de iniciativas verdadeiramente inclusivas em parceria com clubes e associações da cidade”. “A isto chama-se inclusão: não ter as pessoas dentro de portas, trazê-las para fora, fazer com que frequentem os sítios e pratiquem novas modalidades e façam o que as outras pessoas fazem”, referiu Ana Sofia Antunes.

Gondomar acolhe Dia Paralímpico O Comité Paralímpico de Portugal (CPP) anunciou que vai estar em Gondomar nos dias 9, 15 e 16 de março, com os Agrupamentos de Escolas Rio Tinto, Santa Bárbara e À Beira Douro num movimento de sensibilização, para os valores do

48

Movimento Paralímpico e para a prática desportiva por todos. Em comunicado enviado à Plural&Singular o CPP avança que da ação fazem parte quatro atividades complementares dirigidas ao público escolar.


NOTÍCIAS

João Correia apura-se para Campeonato da Europa

João Correia, primeiro atleta português a ganhar uma medalha internacional para o atletismo em cadeira de rodas, apurou-se para o Campeonato da Europa de Atletismo Adaptado, que vai decorrer em Grosseto, Itália, de 10 a 16 de junho deste ano. Natural de Santo Tirso, o atleta português regressou à competição após uma grave lesão que o afastou das pistas durante cerca de dez anos e no final de fevereiro garantiu os mínimos para o Europeu, numa jornada dupla que decorreu na Póvoa de Varzim. “É uma grande alegria conseguir o apuramento da forma em que o consegui. Estive quase dez anos parado, só no ano passado voltei a pisar as pistas e nas últimas semanas até estava com dificuldades em

treinar, porque desenvolvi uma lesão na mão”, conta João Correia em nota remetida às redações. O vice-campeão Europeu diz que “apesar de todos os constrangimentos” nunca desistiu de “alcançar o primeiro objetivo do ano”. João Correia nasceu em 1983 e, aos dois, anos, sofreu um acidente que o deixou numa cadeira de rodas. Em 1991, começou a praticar desporto, tendo-se tornado no primeiro atleta português a ganhar uma medalha internacional, para o atletismo em cadeira de rodas. Atualmente estava a lutar pelo apuramento para o Europeu e espera apurar-se para os Jogos Paraolímpicos que terão lugar no Rio de Janeiro.

Sporting e OZ lançam projeto “Adaptar para Integrar” O Sporting anunciou que quer contribuir para o crescimento do desporto adaptado em Portugal e apresentou no início de fevereiro uma parceria com a empresa de distribuição de energia OZ. A parceria chama-se “Adaptar para Integrar” e a empresa de distribuição vai inicialmente disponibilizar 35.000 euros, dos quais 5.000 serão entregues em combustível.

O projeto tem como objetivo, entre outros, apoiar os atletas nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro.

49

Candidaturas ao Prémio Jornalismo Desportivo do CPP abertas até setembro

As candidaturas ao Prémio Jornalismo Desportivo “Igualdade, Inclusão e Excelência Desportiva” lançado pelo Comité Paralímpico de Portugal (CPP), em parceria com a Associação dos Jornalistas de Desporto (CNID), estão abertas até setembro. Informação publicada no ‘site’ do CPP aponta que este prémio tem como objetivo o reconhecimento daquilo que melhor se faz na Comunicação Social, bem como a atividade de todos os agentes desportivos na área paralímpica e surdolímpica, em termos singulares e/ou coletivos, projetada no território nacional ou no estrangeiro. Para além do Prémio Jornalismo Desportivo “Igualdade, Inclusão e Excelência Desportiva” o júri poderá ainda atribuir outras distinções, nomeadamente menções honrosas e o “Prémio de Jornalismo Desportivo – Jovem Revelação”. Podem candidatar-se a este prémio trabalhos na área da imprensa escrita, rádio, televisão, online e fotojornalismo. O Prémio terá uma periodicidade anual, sendo que poderão submeterse trabalhos realizados entre 1 de outubro de um ano e 30 de setembro do ano seguinte. As candidaturas para a primeira edição devem ser remetidas até ao dia 30 de setembro. Em dezembro, na “Gala do Comité Paralímpico de Portugal” realizar-se -á a cerimónia de entrega da primeira edição do prémio.


DESPORTO

Nasceu o “PASEC Geo”… Primeira rede europeia de soluções inovadoras de desporto inclusivo A ideia parte do conceito de “Desporto para Todos” e do princípio integrador “Ninguém a Menos”, desenvolvendo-se em três dimensões que à partida não seriam acessíveis a pessoas em maior risco de exclusão: o desporto aventura, o desporto adaptado e os desportos comunitários ou de bairro Texto: Paula Fernandes Teixeira Fotos: PASEC

A Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural, com sede em Vila Nova de Famalicão, lançou no final de janeiro o projeto “PASEC Geo” que envolve cinco países e estabelece como meta, até ao final de 2016, ter mais de 1.300 praticantes de desporto de base inclusiva. São três as vertentes: desporto aventura, desporto adaptado e desportos comunitários. E o resultado final é o primeiro projeto português apoiado pelo Programa Erasmus + Desporto da União Europeia, daí que esta seja a primeira rede europeia de soluções inovadoras de desporto inclusivo. Segundo o secretário-geral da Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural, Abraão Costa, “a ideia passa por ir buscar uma resposta fora da caixa para incluir a comunidade com um todo”. “As comunidades com que a plataforma trabalha são normalmente vítimas de situações de pobreza e de fenómenos de exclusão não só de âmbito escolar mas também de âmbito comunitário”, explicou Abraão Costa. Refira-se que são consideradas pessoas em maior risco de exclusão pessoas com deficiência, desempregados, “jovens NEET” (sem emprego e que não estão em formação nem na escola), situações de pobreza extrema, bem como minorias ou etnias. 50


DESPORTO

A bolsa de animadores da Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural é superior a 80. Em Portugal estão 27 no terreno desde educadores, a técnicos e professores de educação física, entre outros.

A nível nacional os responsáveis estimam ter como participantes diretos 250 pessoas, enquanto a nível internacional – já que além de Portugal a “PASSEC Geo” vai desenvolver-se em Itália, Espanha, Lituânia e numa experiência-piloto na Turquia – pelo menos 1.300. Mas a verdade é que serão muitas mais pessoas envolvidas e beneficiadas com uma ideia que tem efeito multiplicador… O “PASEC Geo” procurará, através do desporto, alcançar objetivos… Por exemplo, um grupo NEET ao mesmo tempo em que está a praticar desporto poderá estar a vivenciar todo um processo de reaproximação à escola. Em causa está sempre desporto de base comunitária, ou seja integrado, porque desporto puro e duro pode ser praticado simplesmente em casa e o secretário-geral da Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural, principal agente português deste projeto, vinca que “nada pode estar desgarrado do que existe no terreno”, aliás os dinamizadores do “PASEC Geo” estão a avançar com parcerias com os municípios e com as associações de referência locais. Explicadas as três dimensões, eis as duas vertentes do “PASEC Geo”: uma local com a criação dos chamados “clubes de desporto comunitários” que acolherão os grupos e cada um terá um animador, uma espécie de “gestor de caso”, e a ‘online’ que consiste na criação de uma base de dados que vai reunir as respostas que existem e aquelas que vão surgir no âmbito do projeto. Portanto qualquer pessoa, independentemente de estar associada, pode procurar a solução de desporto comunitário que lhe interessar através da plataforma ‘online’, daí que não se consiga quantificar o número de participantes indiretos. Ainda dentro desta rede europeia de soluções inovadoras de desporto inclusivo existe o objetivo de criar um guia pedagógico que reúna as melhores experiências. A ideia é que o projeto possa ser replicado em outros países ou localidades. Ora, aqui está outra vez o efeito multiplicador… A organização também quer realizar eventos de grande escala para divulgar o desporto adaptado, nomeadamente o boccia, e os desportos de natureza como o pedestrianismo, o arvorismo e o geocaching.

O “PASEC Geo” pretende ser uma rede europeia de soluções inovadoras de desporto inclusivo de combate aos fenómenos de extrema exclusão social através de uma resposta integrada de alcance europeu que encontra nos desportos de natureza, desporto adaptado e dinâmicas de desporto comunitário, respostas sociais inteligentes de inclusão e integração social para comunidades com populações em risco de pobreza extrema, portadores de deficiência e franjas da população vítimas do desemprego ou fenómenos raciais.

51


DESPORTO

Na Casa das Ideias de Famalicão participaram, a 29 de janeiro, na apresentação da “PASEC Geo”, além dos responsáveis da Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural, o diretor do Programa Erasmus + da União Europeia, Pedro Soares, o diretor do Instituto Português do Desporto e da Juventude, Manuel Barros e o vereador do Desporto da Câmara Municipal de Famalicão, Mário Passos. No ‘site’ da Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural lê-se que “os resultados serão alvo de partilha e disseminação através de um Kit Pedagógico, o Geo ToolKit”.

Qualquer pessoa independentemente da condição social, do peso, das condições físicas, etc., pode praticar um desporto e usar o desporto como fator de inclusão social, fator de emancipação, de capacitação” – secretário-geral da Plataforma de Ação Socioeducativa e Cultural, Abraão Costa

52


DESPORTO

Funchal é Capital Europeia de Natação Adaptada 2016 O Campeonato Europeu de natação adaptada do Comité Paralímpico Internacional (IPC) vai decorrer de 30 de abril a 7 de maio no Funchal, sendo a última prova de apuramento para os Jogos Paralímpicos Rio2016. As braçadas de várias centenas de atletas poderão ser acompanhadas através de transmissões pela Internet, estimando-se uma assistência de mais de um milhão de espetadores Texto: Paula Fernandes Teixeira Fotos: Federação Portuguesa de Natação / Pedro Vasconcelos

com a máxima velocidade e estamos a assistir superando todas as expetativas. Temo-nos batido pela igualdade, inclusão e excelência desportiva. Chegou o momento de concretização desse sonho com a realização deste evento”, referiu Humberto Santos. António José Silva interpreta a confiança quer do CPP, quer as instituições internacionais, como “um reconhecimento importante do trabalho” da FPN pela sua capacidade organizativa mas também “pelo trabalho de integração que está a ser feito a nível nacional” já que a FPN foi pioneira na integração das deficiências. “Em Portugal a FPN foi das poucas, se não a única até ao momento, que fez a integração plena de todas as valências da deficiência. Tudo o que é representação desportiva internacional, regulamentos de atividade de nadadores com deficiência de todas as classes da deficiência está sob a tutela da FPN”, disse o dirigente. A FPN começou o processo em 2014/15 e fez a plena integração em 2015/16.

Será a primeira prova de natação adaptada à escala europeia organizada em Portugal e a Federação Portuguesa de Natação (FPN), organizadora do evento, sabe que as atenções estarão voltadas para si. À Plural&Singular, o presidente da FPN, António José Silva, admitiu mesmo que este será “um teste, se não mesmo uma prova de fogo” para esta entidade que entretanto também já se candidatou à organização do Campeonato do Mundo de 2017. O dirigente promete proporcionar a todos os países e a todas as seleções que vão estar no Funchal “as melhores condições de estadia e de acolhimento” para que este possa ser um Campeonato da Europa “ao melhor nível”. Já o presidente do Comité Paralímpico de Portugal (CPP) falou, na conferência de imprensa, que a meio de janeiro marcou os últimos 100 dias antes do início do evento, em “sonho tornado realidade”. “Há sete anos que lançamos o repto à FPN para candidatura a eventos de natação adaptada. Repto que avançou 53


DESPORTO

Campeonato com categoria “open” incluirá extra -europeus

Mas o grande objetivo do Campeonato da Europa de natação adaptada é a obtenção de resultados para os Jogos Paralímpicos de 2016 que se realizam no Rio de Janeiro, Brasil. Este evento terá a categoria ‘open’ e vai contar com nadadores de fora da Europa que procuram mínimos para o Rio2016, oriundos de países como China, Brasil, África do Sul e México. No Funchal António José Silva quer de Portugal “medalhas, resultados de relevo, recordes nacionais e mínimos Paralímpicos”. “O que se quer de uma Seleção de um país que acolhe uma prova de importância europeia é melhorar as marcas”, atirou sem hesitar. Já Agnes Szilak, do IPC, referiu na conferência de apresentação do evento que “este Europeu Open é de máxima importância a nível internacional” porque “terá uma assistência estimada pela transmissão via Internet em mais de um milhão de espetadores” e “será a derradeira oportunidade para muitos dos nadadores obterem mínimos de participação para os Jogos”. “Pela capacidade demonstrada pela organização, pelas condições apresentadas tudo aponta para que seja um dos melhores europeus realizados”, concluiu.

Portugal estará representado no Funchal com uma Seleção numerosa. Cinco dos nadadores que irão estar presentes já obtiveram as marcas mínimas para os Jogos Paralímpicos do Rio2016. São eles Simone Fragoso, David Grachat, David Carreira, João Pina e Nelson Lopes. No histórico de Portugal nesta competição, destacam-se duas medalhas de bronze conquistadas em 2014 por Nelson Lopes (S4) e David Grachat (S9).

54

O Complexo Olímpico de Piscinas do Funchal, inaugurado a 25 de setembro 2004, é composto por um edifício de cinco pisos e inclui uma piscina de competição olímpica, uma piscina de saltos, uma piscina de 25 metros e uma piscina de treino. Essas piscinas sediaram em 2005 o Multinations Youth Meet e mais recentemente, em 2015, o Internacional Open Masters. As piscinas, com uma área bruta de 19.500 metros quadrados, estão localizadas no coração do Funchal, junto à Universidade da Madeira e ao Centro de Congressos. A piscina principal de 50 metros está equipada com uma plataforma amovível, que permite realizar outras competições, para além das de 50 metros, transformando-a em duas piscinas de 25 metros. A gestão do complexo é da responsabilidade do Governo Regional da Madeira, através da Direção Regional de Juventude e Desporto. O edifício está preparado para receber pessoas com mobilidade condicionada e/ou reduzida, não só no que diz respeito aos praticantes como também em relação a espetadores.


DESPORTO

O IPC Swimming European Open Championship vai decorrer durante uma semana no Complexo Olímpico de Piscinas do Funchal, no centro da capital da Madeira, sendo considerado um dos mais importantes eventos de natação organizados em Portugal. Todas as seleções europeias estarão representadas com os seus melhores atletas como será o caso da formação inglesa que já anunciou a presença de uma seleção com 25 nadadores e onde se destacam Ollie Hynd, Jessica-Jane Applegate e Josef Craig, medalhados nos Jogos Paralímpicos Londres2012. Os últimos Europeus foram realizados em Eindhoven, na Holanda, onde a Ucrânia terminou no topo da tabela de medalhas com 37 de ouro, 29 de prata e 28 medalhas de bronze. A Rússia ficou em segundo lugar com 34 medalhas de ouro, 32 de prata e 29 de bronze, enquanto a Grã-Bretanha terminou em terceiro lugar com 30 medalhas de ouro, 27 de prata e 16 de bronze.

Eis a mascote do Campeonato Europeu de natação adaptada IPC… Com óculos de proteção na cabeça, t-shirt e calções de banho, a mascote é o ‘lobo marinho’, uma espécie única que vive em território português, nas Ilhas Desertas do arquipélago da Madeira. “Funcho” foi o nome escolhido para o ‘lobo marinho’ que é mascote do evento. Após a votação dos fãs nas redes sociais “Funcho” – o nome de uma planta da ilha da Madeira –, recebeu 51%dos ‘likes’ e retweets no facebook do IPC Swimming, refere nora da FPN. O nome da cidade do Funchal tem a sua origem nesta planta medicinal que é frequentemente usada para fazer chá, doces e bolos. As outras opções eram “Caco”, um pão tradicional conhecido pelo uso na culinária local e “Poncha”, uma bebida que pode ser feita com frutas locais, como o maracujá, a banana ou o ananás. “Caco” recebeu 29% dos votos e Poncha 20%, numa votação realizada para marcar a data a seis meses da competição.

55


DESPORTO

Esta competição tem um cariz muito importante: primeiro – é em Portugal, o que eleva a fasquia, segundo – os melhores da Europa vão estar cá a nadar. Depois é ‘Open’ e vamos ter interação com os melhores do mundo. Tudo reunido vai ser um grande espetáculo. Vai ser uma festa do desporto e da natação em particular”, Emanuel Gonçalves Os atletas na primeira pessoa… O nadador madeirense Emanuel Gonçalves e o atleta paralímpico já apurado para Rio2016 David Grachat comentaram a realização do Campeonato da Europa no Funchal, Madeira, com orgulho quer na Ilha, quer na capacidade portuguesa de realização de uma prova desta envergadura… “A participação neste evento é a cereja no topo do bolo na minha carreira desportiva”, disse mesmo Emanuel Gonçalves que está a cumprir 10 anos de atividade na natação de competição. E o facto da prova se realizar na Madeira não podia ser indiferente a Emanuel Gonçalves… “Temos condições extraordinárias, por poder competir num espaço maravilhoso que é o complexo de piscinas da Penteada, assim como a oportunidade para retribuir a todos aqueles que ao longo destes anos sempre apoiaram a minha carreira”, referiu. Já David Grachat apelida de “sonho” poder competir em Portugal num Europeu de Natação: “Estão reunidas todas as condições para que seja um grande evento desportivo. Pessoalmente vou encarar esta prova como sempre faço: a mais importante, como se fosse a última da minha carreira”, prometeu. O nadador paralímpico quer “dar” o “melhor” de si e no Europeu e só depois pensará nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, garantiu. 56


DESPORTO

O nível competitivo elevado sente-se imenso. É uma prova que tem ser encarada como a mais importante porque é disputada em casa. Todos temos de estar focados naquele momento e dar o melhor. Numa competição tenho três objetivos: primeiro melhorar o tempo; segundo ir às finais; e terceiro ir às medalhas. Se todos cumprirmos esses objetivos o saldo será positivo. É isso que espero de mim e dos meus colegas”, David Grachat

54

Países

600

Nadadores

200

Pessoas ligadas ao staff

1.200

Participantes incluindo voluntários e acompanhantes

57


PERFIL

Miguel Vieira O primeiro judoca português nos Jogos Paralímpicos Já tinha sido o primeiro atleta português a participar numa competição internacional de judo para cegos. Agora é o primeiro judoca luso a marcar presença nos Jogos Paralímpicos. Para Rio de Janeiro 2016 Miguel Vieira não promete medalhas mas garante “empenho, espirito de sacrifício e trabalho”. Por Paula Fernandes Teixeira “Ser o primeiro a estar nos Jogos é bom mas também exige muita responsabilidade. O mérito pode ser meu mas atribuo a todos que têm trabalhado comigo” – foi assim que Miguel Vieira começou por resumir, à Plural&Singular, a concretização de um sonho, a conquista de uma meta, a confirmação de um percurso. Já o Comité Paralímpico de Portugal (CPP) escreveu no seu portal oficial: “É um feito histórico e inédito. Pela primeira vez Portugal vai ter um judoca luso nas Paralímpiadas”. E o Mestre Jerónimo Ferreira, treinador de Miguel Vieira, descreveu repetindo palavas como “entusiasmo” e “alegria”, como a notícia foi recebida no clube lisboeta Judo Total onde Miguel Vieira treina e se forma todos os dias. “Não tínhamos a certeza se conseguiríamos ou não e assim que recebemos a confirmação foi uma festa para todos. Não só para o Miguel ou para mim, mas para a equipa toda”, contou. Mas nenhum deles deixou de lado o sentido de responsabilidade… Miguel Vieira procura, aliás, ser cauteloso quando questionado sobre o que poderá trazer para Portugal dos Jogos que vão realizar-se no Rio de Janeiro, Brasil.

Fiquei muito feliz. É o resultado daquilo que temos feito. Para conseguir esta classificação foi necessária muita dedicação da equipa. Não fui só eu. Foi o clube em geral, os treinadores, os meus companheiros, os meus colegas da Seleção, os técnicos” – Miguel Vieira, o primeiro judoca cego a representar Portugal nos Jogos Paralímpicos

58


PERFIL

Miguel Vieira treina no Clube Judo Total desde que chegou a Portugal já sem ver, mas em Angola, de onde é natural, também praticava judo, uma modalidade que descreve com paixão e à qual diz entregar-se “de corpo e alma”, sem nunca esquecer que nos feitos que tem alcançado está uma equipa a apoia-lo. Há cerca de quatro anos é acompanhado pelo mestre Jerónimo Ferreira que, por sua vez, à Plural&Singular, descreveu Miguel Vieira com a expressão: “Espirito de sacrífico, empenho total”.

59


PERFIL

“Vamos trabalhar muito. De modo geral espero representar bem Portugal e mostrar tudo o que sei fazer. Quero um bom resultado mas não prometo medalhas. Quero medalhas e trabalhei para elas mas prefiro não colocar a fasquia muito em alta”, referiu. Também Jerónimo Ferreira deseja lugares de pódio mas por agora promete “trabalho” e “empenho nos melhores resultados possíveis” ao “menino” que descreve como “muito afável” e que “tenta dar sempre o máximo seja nos treinos, seja em outras atividades”. É que além de apaixonado pelo judo, o atleta luso-angolano também é músico e compõe. “Tudo o que faz, faz sempre com grande entusiasmo. Põe sempre o máximo das suas energias em tudo. Procura ajudar muitos os outros”, descreveu o treinador. O judoca do Clube Judo Total que em 2013 ganhou a medalha de Ouro num Open Internacional de Judo Paralímpico e em novembro participou no Campeonato Europeu de Judo para Cegos realizado em Odivelas, cumpre agora o seu grande sonho. Rumo aos Jogos Rio2016!

Enquanto Chefe da Missão aos Jogos Rio2016 é para mim um enorme orgulho saber que o Judo estará presente. Este momento histórico que viveremos em conjunto é a recompensa do trabalho desenvolvido pela Federação Portuguesa de Judo, mas principalmente pelo atleta, demonstrando que o esforço, dedicação e superação compensam sempre. Juntar à nossa Missão a modalidade do Judo, em que Portugal participará pela primeira vez, será certamente um ânimo acrescido para todos aqueles que integrarão a Missão”, Chefe de Missão aos Jogos Paralímpicos Rio2016, Rui Oliveira, em declarações publicadas no ‘site’ do CPP.

A primeira participação do Judo Português nos Jogos Paralímpicos é resultado do desenvolvimento de um processo sinérgico, em que muitos trabalharam arduamente para que se concretizasse, nomeadamente a Federação Portuguesa de Judo, treinador e em particular o atleta a quem saúdo efusivamente. Estendo esta saudação aos que com ele diretamente contribuíram para este resultado”, presidente do Comité Paralímpico de Portugal, Humberto Santos, em declarações publicadas no ‘site’ do CPP

60


PERFIL

6161


PERFIL

BI Nome: Miguel Vieira Idade: 30 anos Tipo de deficiência: visual Modalidade: judo Naturalidade: dupla nacionalidade, Angolana e Portuguesa Residência: Lisboa Clube: Judo Total Principais conquistas: 1.º lugar Open de Vilnius, Lituânia, 2.º lugar Open de Heidelberg, Alemanha Principal meta/sonho: Classificar-se nos Jogos Paralímpicos Rio2016

Miguel Vieira, descrito pelo Mestre Jerónimo Ferreira como “muito dedicado” e que “não gosta de ficar com os louros e técnicas só para si” treina uma hora e meia por dia, mais de oito horas por semana.

A presença do Judoca Miguel Vieira nos Jogos Paralímpicos do Rio2016 representa um marco histórico no Judo Nacional e, na generalidade, do Desporto Português. O Miguel Vieira, cego total, já representa um número muito significativo dos Judocas cegos totais e de baixa visão, de quem muito se espera a nível nacional e internacional. A Federação Portuguesa de Judo está particularmente orgulhosa pela ida do Miguel Vieira aos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro comprovando, de forma inequívoca, toda a grande dimensão do Judo, modalidade em que todos podem progredir e se sentir bem na sua prática. O Miguel é o início de um grande e glorioso futuro”, Federação Portuguesa de Judo pela voz do seu presidente, José Manuel A. Costa e Oliveira, em declarações publicadas no ‘site’ do CPP. 62


OPINIÃO

Mário Emídio Oliveira Mestre de Judo Técnico Nacional de Judo da ANDDI-Portugal

O Judo adaptado na ANDDI O Judo assenta nos princípios da formação e da educação, num equilíbrio entre o corpo e a mente, é um desporto Olímpico, fundado no Japão, pelo Mestre Jigoro Kano em 1882. A ANDDI interiorizou este valor ao propor aos seus atletas a oportunidade de em igualde de oportunidades e de direitos praticarem um desporto de elevados benefícios físicos para o corpo, de transformação positiva do seu carácter, de associação a uma disciplina mental, e sobretudo o incutir do respeito por si próprio e pelos outros na inevitável consequência a integração e inclusão social através do desporto O Judo Adaptado para praticantes com deficiência intelectual tornou-se desde acerca de 9 anos uma realidade no nosso país, foram feitas propostas inclusivas às instituições, e seus utentes, desta área da deficiência. Desmistificaram-se alguns preconceitos, quebraram-se algumas barreiras e motivaram-se educadores e familiares para pertinência desta prática desportiva. Sensibilizaram-se clubes e treinadores para o acolhimento destes atletas no seu Dojo numa prática em perfeita normalidade com os restantes atletas. Da incrementação da prática do Judo levou naturalmente à progressão e à evolução natural para a competição adaptada, realizando-se assim em 2008 os primeiros torneios nacionais. No ano 2009 efetuou-se em Portugal o primeiro Campeonato Nacional em absolutos, na cidade de Guimarães, e foi também convocado o primeiro atleta português com deficiência intelectual para representar Portugal numa competição internacional que se realizou na Republica Checa (GLOBAL GAMES). Em 2010 foi em França o primeiro Campeonato da Europa INAS, em 2011 em Itália os Campeonatos Internacionais, em 2012 novamente em França o 2º Campeonato da Europa. Em todas estas competições Portugal atingiu o Pódio através do atleta JOSE ALBERTO ROCHA. Com o crescimento acentuado de praticantes organizaram-se os primeiros torneios e competições específicos para atletas com SINDROME DE DOWN e em 2013 realizou-se o primeiro Campeonato de Portugal desta especialidade, sendo que no ano seguinte surge também a primeira competição internacional - o Challenge Europeu que a ANDDI realizou em Portugal.

O pioneirismo do Judo Adaptado na ANDDI, manifestou-se novamente no ano 2014, ao realizarem-se o primeiro Campeonato Nacional de equipas mistas e a primeira Taça de Portugal também de equipas mistas. A adesão a esta realidade do Judo para a deficiência é agora transversal ao norte, ao centro, e ao sul do nosso país, havendo permanentemente eventos e competições durante todo ano. No Judo Adaptado mais importante do que ganhar ou não ganhar um combate, a vitória, essa, já está garantida, pois na realidade, é a vitória sobre nós mesmo e as adversidades que nos impõem que importa e nessas saímos sempre vencedores. IPON!!!

Projetos de formação e desenvolvimento da PCAND Decorrente de três candidaturas bem sucedidas por parte da PCAND (Paralisia Cerebral – Associação Nacional de Desporto) ao Programa de Financiamento a Projetos do Instituto Nacional de Reabilitação, I.P. (INR) 2016, irão ser realizadas diversas ações de formação e desenvolvimento desportivo no âmbito do desporto adaptado para pessoas com deficiência. Apesar das suas especificidades e objetivos, os projetos contemplam pontos comuns como a promoção da participação desportiva de pessoas com deficiência, a formação de recursos humanos pertinentes e enquadrados, e a divulgação das boas práticas desportivas, a nível local e nacional. PROJETO DESPORTO SEM MAS… Este projeto visa essencialmente potenciar o conhecimento sobre modalidades desportivas adaptadas, aumentando o interesse pela actividade física e prática desportiva regular entre as pessoas com deficiência, se possível, de forma enquadrada.

63


OPINIÃO

Terá como principal objetivo a promoção da participação desportiva, divulgando a nível nacional as modalidades de Boccia, Futebol, Tricicleta e Slalom. A PCAND irá procurar essa promoção e implementação junto de várias entidades, nomeadamente de agrupamentos de escolas, autarquias e outras instituições, dando a conhecer essas modalidades e incentivando a sua prática, ressalvando as questões de práticas saudáveis e benéficas para uma melhor qualidade de vida. PROJETO SEMEAR O BOCCIA Na sequência do êxito do projeto de 2015 Semear o Boccia Sénior, a PCAND recebeu várias solicitações para a realização de ações semelhantes, e para outros públicos -alvo para além dos idosos, a fim de colmatar as necessidades de formação de recursos humanos da modalidade de Boccia. O projeto Semear o Boccia comtemplará doze ações de formação, que terão como principal objetivo consciencializar os atores sociais sobre os benefícios da prática da modalidade, para além da já referida formação de técnicos e recursos humanos. Os principais destinatários serão técnicos e professores de associações, clubes, escolas, IPSS e autarquias, que procuram recolher conteúdos básicos ou intermédios relacionados com regulamentos, estruturas competitivas (locais e nacionais), planeamento desportivo, metodologias de treino e organização de provas. PROJETO TODOS POR UM Garantindo a continuidade e aumento de impacto do projeto anteriormente dirigido pela Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral, a PCAND irá desenvolver este projeto tendo a Associação de Paralisia Cerebral de Almada Seixal (APCAS) como parceiro determinante, através da difusão de boas práticas no âmbito da participação ativa das pessoas com deficiência, promovendo a prática de desporto adaptado e de atividades recreativas, artísticas e culturais. Todas as atividades assentarão em três eixos gerais: 1) capacitação e promoção desportiva: demonstrações de diferentes modalidades adaptadas, formações nível 0 e creditadas, torneios de Boccia em parceria com o Desporto Escolar, desenvolvimento da plataforma e-learning; 2) Atividades artísticas e criativas: dinamização do grupo de dança Wheeldance, composto por pessoas com e sem deficiência, adaptação de brinquedos, atividades de leitura e escrita criativa inclusiva; 3) Atividades recreativas, culturais e de lazer, inclusivas, na interrupção letiva de verão.

64

ERASMUS + SPORT: SLALOM EM CADEIRA DE RODAS No âmbito deste programa, a PCAND será parceira num projeto europeu, promovido pela Federação Catalã de Desporto para Pessoas com Paralisia Cerebral (FCDPC), com o objetivo de promover a prática do Slalom entre as crianças dos 6 aos 14 anos, com deficiências motoras, como forma inovadora de promover a sua integração social. Os 3 eixos deste projeto são 1) Aumentar a base de evidências sobre como a prática de Slalom cadeira de rodas contribui para a integração social destas crianças; 2) Desenvolver um programa de Formação e Sensibilização para promover o Slalom cadeira de rodas entre os organismos desportivos e outras organizações que trabalham com este grupo-alvo e 3) Testar o Programa, a fim de avaliar a forma como a prática do Slalom influencia social, fisica e psicologicamente as crianças que participam no programa.


cultura

O gosto especial de fazer a magia do teatro acontecer‌


CULTURA

O gosto especial de fazer a magia do teatro acontecer… Integrado na Associação do Porto de Paralisia Cerebral (APPC), o grupo “Era uma vez... Teatro” já produziu ao longo de 18 anos de existência mais de três dezenas de peças. E ganhou prémios como recentemente um internacional de Inclusão Social na Arte atribuído pela Fundación Anade, de Espanha Texto: Paula Fernandes Teixeira Fotos: APPC

Foi a 11 de dezembro do ano passado: o grupo “Era uma vez… Teatro”, representado por Fábio Guedes, membro da direção da APPC e por Mónica Cunha, diretora artística, recebeu em Lugo, Espanha, o Prémio Internacional de Inclusão Social. À Plural&Singular Mónica Cunha contou que a notícia foi recebida “com entusiasmo”, mas “sem euforia” dado que “a maturidade da companhia” permite “compreender que este prémio foi apenas uma alavanca” para “aumentar a responsabilidade de qualidade artística”, mergulhando-a “num trabalho que já se tornou rotina, com um gosto especial de fazer a magia do teatro acontecer”. O Prémio Internacional de Inclusão Social atribuído pela Fundación Anade é, portanto, interpretado pelo grupo “Era uma vez… Teatro” como “importante” pelo “reconhecimento internacional de um processo ao nível da participação nas artes”, um reconhecimento de todo o trabalho da APPC e do porquê desta instituição ter investido nesta área. “Sem esquecer que este reconhecimento foi possível também porque tantas pessoas e entidades ao longo destes anos têm apreciado, avaliado e encorajado de uma forma calorosa o desempenho desta companhia”, disse Mónica Cunha. A encenadora trabalha atualmente com um elenco fixo de nove atores, com e sem deficiência, mas a companhia já formou mais de 60 artistas ao longo de 18 anos de vida. Em 2009 o grupo foi galardoado com o “Prémio Talma” atribuído anualmente a homens, mulheres, instituições ou organismos que contribuíram para o prestígio do teatro de amadores e o engrandecimento do teatro associativo, bem como para o desenvolvimento sociocultural. “Apesar destes prémios o sentimento dos elementos que compõem esta companhia é um bocadinho de ‘missão’. No sentido de que no final de cada espetáculo podemos receber mais um prémio de cada espetador e que este

66


CULTURA

prémio poderia chamar-se ‘reconhecimento do papel das pessoas com deficiência, aliado ao poder da arte, como pilares de uma sociedade inclusiva’”, descreveu a diretora artística do “Era um vez… Teatro”. Questionada sobre se o reconhecimento de projetos como o da companhia da APPC é importante de forma a colocar o tema da inclusão na ordem do dia, Mónica Cunha disse acreditar que “como qualquer construção humana, só terá valor se acrescentar valor aos outros”. “Assim através da arte e da cultura procuramos esbater e até combater pré-conceitos sociais marginalizantes e por isso libertar barreiras que todos temos na mente. Hoje em dia conseguimos ter públicos entusiastas da performance da companhia, e que muitas vezes, nunca contactaram com pessoas com deficiência”, apontou. É que… “No final dos espetáculos acontece-nos que estas pessoas nos vêm falar do impacto que sentiram e que de alguma forma se sentem transportados para uma realidade mais completa. Todas as pessoas têm valor. Mas temos que aprender isto, observando tudo o que nos envolve”, acrescentou a também responsável pelo festival Extremus, cuja 14.ª edição juntou no Porto, em outubro do ano passado, 13 grupos de teatro, música, dança e ‘performance’. Foi aliás nesse festival que estreou a peça “Estradas de Xadrez” que junta atores com e sem deficiência a abordar a loucura, partindo de “Diário de um louco”, de Nikolai Gógol. A peça centra-se na existência solitária e no amor visceral pela vida e fala de causas sociais, do amor, do individualismo, da loucura. “A grande mensagem que pretendemos passar é que, às vezes, a loucura é a vida, é o nosso dia-a-dia. Às vezes, sem loucura, não conseguimos viver numa sociedade como é a nossa, também louca. Temos de ser todos um bocadinho loucos”, descreveu Mónica Cunha sobre uma peça que depois de estrear no Extremus voltou ao palco para mais três sessões em janeiro na Fábrica Social / Fundação Escultor José Rodrigues, também no Porto.

O prémio atribuído pela Fundación Anade poderá possibilitar que a peça “Estradas de Xadrez” faça uma itinerância também no país vizinho.

67


CULTURA

A “Estradas de Xadrez” é uma criação coletiva, porque “cada personagem deu o seu contributo”, ou seja, os textos acabaram por resultar “muito das vivências de cada uma das personagens”, tendo vindo a “amadurecer” ao longo do tempo. Com encenação de Mónica Cunha, a cenografia e figurinos são de Marta Silva, o desenho de luz de Cláudia Luena e o espaço sonoro e multimédia de Gustavo Alvarim. O elenco é composto por Ariana Sousa, António Carvalho, Patrícia Vitorino, Marta Silva, Inês Almeida, Paulo Fonseca, Paulo Cruz, Nate Sam, Henrique Tavares e Jorge Ribeiro. Sobre espetáculos futuros, ainda que sem levantar por completo o véu, a encenadora apontou que a companhia já está a trabalhar numa próxima produção baseada em textos de Oscar Wilde, prometendo abordar a sexualidade, a homossexualidade e a igualdade de género, entre outros temas.

A Fundación Anade tem como missão promover a integração social e emprego das pessoas com deficiência através da arte e atividades criativas, com particular enfoque no teatro. A APPC é membro da Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral e membro da International Cerebral Palsy Society

68

Mónica Cunha em discurso direto… Plural&Singular (P&S) – Qual o próximo grande desafio do “Era uma vez... Teatro””? Mónica Cunha (MC) – Iremos continuar a desenvolver trabalhos que apostem na qualidade e na divulgação das capacidades artísticas e criativas das pessoas com deficiência. Por isso estamos já a preparar uma nova produção que contamos estrear em maio deste ano. Mas estamos a equacionar alargar a nossa atividade para envolver os estudantes do Ensino Superior, com e sem deficiência, quer como voluntários nas áreas técnicas de luz e som, produção, cenografia, quer como atores. P&S – Essa nova aposta surge para “criar futuro”, multiplicar a mensagem? MC – Nos tempos que correm, pode-se e devese “fabricar” a inclusão. Para esta fabricação precisamos de chegar aos mais novos, aos que vão pensar e agir no futuro próximo. Pode ser que tenhamos sorte e que, no tal futuro próximo, possamos passar da fabricada inclusão para a absorvida inclusão. E que nem precisemos de falar sobre ela ou dar-lhe nomes difíceis. Porque fará naturalmente parte de todos, entender e aceitar a diferença de cada um de nós.


CULTURA

Sobre a “Estradas de Xadrez”: A existência solitária é apresentada por cada uma das personagens, simbolizada por um amor visceral pela vida. Uma metáfora sobre a alienação. O texto mergulha profundamente nas causas sociais, questionando a cisão entre realidade e desejo, entre o mundo que se oferece para ser vivido e o mundo ao qual não se tem acesso, criando-se um abismo que cinde a personalidade metafórica de cada uma das personagens.

69


SUGESTÃO DE LEITURA

Título: A não ser Autor: Giovanni Venturini Género: Poesia

Título: O mar e a pesca Autor: Francisco Portela Editora: Vianapesca OP

“A não ser” é o primeiro livro de poesia de Giovanni Venturini, um brasileiro de 24 anos com nanismo que atua em diversas áreas artísticas e é também modelo da agência Kica de Castro - exclusiva para profissionais com alguma deficiência. “Como proposto pelo título, a obra reúne versos que refletem as vivências do autor com toques de ludicidade e descoberta”, pode ler-se no comunicado enviado à Plural&Singular. O poema que dá nome ao livro emerge como um manifesto, clamando à sociedade que olhe para baixo e o enxergue. Venturini e seus versos retratam a real altura do seu ser:

O Apoio da Íris Inclusiva veio permitir que, o livro “O mar e a pesca”, da autoria de Francisco Portela Rosa, e lançado em novembro do ano passado pela Vianapesca, tenha uma versão em Braille. Na apresentação desta obra, que pretende dar a conhecer as atividades ligadas à pesca e incentivar o consumo de peixe entre os mais novos, uma criança com deficiência visual leu um excerto do texto. Este livro foi apoiado pelo Governo de Portugal, bem como pelo Grupo de Ação Costeira do Litoral Norte. A primeira edição conta com 2.500 exemplares.

“[...]E anão nada mais é que um ser gigante por dentro, alguém que esqueceu de crescer por fora, que inverteu o sentido e o significado de vir e ir embora, de crer e de ser, de crescer. [...]” Foto: Kica de Castro

70

Título: Coleção Jovens Autores de Histórias Ilustradas 2014/2015 Autor: Vários Editora: Leya O concurso de Jovens Autores de Histórias Ilustradas (JAHI), o único de âmbito europeu que permite a alunos das escolas secundárias portuguesas escrever e ilustrar uma história original com base num tema dado pela empresa nipónica Nissan vai “descansar” um ano. A suspensão tem como objetivo preparar um regresso inovador depois de três edições consecutivas. Para fechar este ciclo e a pensar nos leitores cegos, a Biblioteca Nacional associou-se ao projecto JAHI e editou em Braille as dez melhores histórias do concurso de 2014/2015. Com esta edição em Braille “a Nissan pretende tornar o concurso o mais inclusivo possível, procurando consciencializar alunos invisuais ou com deficiências visuais mas aptos para a escrita e para a ilustração, inseridos em escolas regulares, para a participação no JAHI”. “Simultaneamente damos o nosso contributo para o prazer dos livros e da literatura a crianças, adolescentes e adultos com deficiência visual. Através Julio Barulho FOTOGRAFO da leitura promovemos a cidadania, proporcionando um olhar crítico que possibilita formar cidadãos conscientes e contributivos para um futuro mais sustentável”, sublinha em comunicado Guillaume Masurel, director-geral da Nissan Portugal.


LUGAR

Galeria Inklusa Arte e Inclusão Dividindo-se em duas vertentes – a plataforma física e a virtual – a galeria Inklusa, inaugurada em dezembro pelo Espaço t, no Porto, acolhe arte de pessoas com defic iência e potencial artístico. A Inklusa é um Luga r para todos… Texto: Paula Fernandes Teixeira Fotos: Espaço t

De início ninguém fica a perceber que se trata de uma galeria com esta especificidade. Claro que depois percebe e é objetivo que perceba, mas tentamos evitar o simbolismo muito negativo”, explicou Jorge Oliveira.

71


LUGAR

A plataforma virtual da Inklusa está em www. inklusa.espacot.pt Neste ‘site’ é possível encontrar uma área de exposição, bem como a loja e contactos para compra e envio de candidaturas para utilização do espaço. Estão ‘carregadas’ na galeria ‘online’ dezenas de obras de arte que podem ser admiradas e compradas por todos. A plataforma inclui um espaço para encomendas e parcerias..

72


LUGAR

Divulgar, expor e vender peças artísticas de pessoas com deficiência é o grande objetivo da Inklusa que fisicamente abriu portas no segundo andar do número 14 da Rua do Sol, no Porto, e virtualmente nasceu no endereço http://inklusa.espacot.pt/. O espaço é um dos projetos da Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária Espaço t e as obras de arte expostas podem ser vistas e compradas, sendo que o artista recebe 80% do valor da peça. “Queremos promover a inclusão social e mostrar que as pessoas com deficiência têm capacidades e qualidades que, muitas vezes, não são valorizadas”, explicou à Plural&Singular o presidente do Espaço t, Jorge Oliveira, apontando que em causa também está a “auto-estima” dos artistas que encontram na Inklusa “um espaço com dignidade para mostrarem o seu trabalho”. A galeria desde a sua inauguração, além de um espaço permanente que acolhe materiais desenvolvidos nas atividades do Espaço t, já soma duas exposições e tem uma programação com 12 mostras agendadas. Na Inklusa é possível admirar pintura, escultura, entre outras formas de arte. Questionado sobre o “retorno” deste arranque, Jorge Oliveira contou ter percebido aquele brilho nos olhos não só do artista que expõe mas também dos amigos e familiares: “Sentem que são ouvidos, visitados, procurados, admirados. São importantes e podem ser tratados por igual porque são artistas como os artistas”, descreveu. Quanto à resposta de compradores, Jorge Oliveira já começa a sentir “algum efeito positivo” principalmente através da plataforma virtual e avança que tem como objetivo “fazer crescer” a Inklusa para que esta se torne “se não sustentável, pelo menos mais materializável”. O espaço serve para os alunos do Espaço t exporem mas também para outras pessoas que estejam referenciadas a nível nacional em outras instituições ou mesmo a nível individual. “Não há qualquer estigmatização de que quem está na galeria é aluno do Espaço t. Não! Todas as pessoas que queiram apresentar propostas podem fazê-lo”, vincou Jorge Oliveira. O presidente do Espaço t descreveu o projeto como “catalisador pela capacidade de agregar, difundir, estimular e incentivar a criação artística” das pessoas com deficiência, vincando que as obras de arte expostas e disponíveis para venda têm qualidade e transmitem mensagens.

O nome “Inkusa” foi escolhido com o objetivo de numa palavra se conseguir sintetizar o projeto mas sem que essa palavra tivesse uma conotação pesada, mostrasse que em causa está uma galeria só e exclusivamente de e para pessoas especiais. A Inklusa acolhe todos! A Inklusa foi inaugurada a 30 de dezembro de 2015 com a “IluminAr-t”, uma exposição de assemblage, mostra de diversos materiais como papéis, tecidos, madeira “colados” dentro de um cubo de madeira… O artista consegue ultrapassar as limitações da superfície, rompendo assim o limite da pintura, criando uma junção da pintura com a escultura. O princípio que orienta a construção de assemblages é a “estética da acumulação”: todo e qualquer tipo de material pode ser incorporado à obra de arte. O trabalho artístico visa romper definitivamente as fronteiras entre arte e vida quotidiana.

73


LUGAR

A Galeria Inklusa é financiada pelo BPI Capacitar e a exposição “IluminAr-t” foi co-financiada pelo programa de financiamento a projectos pelo Instituto Nacional de Reabilitação. Nascido em 1994, o Espaço t – Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, conta atualmente com cerca de 500 alunos “alguns com problemas de toxicodependência, outros seropositivos, outros portadores da síndroma de Down, doentes do foro psiquiátrico e também os ditos ‘normais’”, lê-se na página oficial da instituição. “O Espaço t surge num contexto social no qual a necessidade de novos instrumentos no combate à exclusão se torna premente”, acrescenta a descrição da associação do Porto. GALERIA INKLUSA Rua do Sol, 14 2º andar Escola EB1 do Sol 4000 - 527 Porto Portugal 917 122 396 | 916 782 792 dci@espacot.pt www.espacot.pt 74


LUGAR

Rua do Sol podia chamar-se ‘Rua para Todos’ O espaço onde a Galeria Inklusa mora fisicamente é partilhado com o mais recente projeto do Espaço t, um Conselho Consultivo para a Interculturalidade. Na prática estamos a falar de um Lugar com iniciativas que facilitam a integração dos imigrantes em Portugal, um Lugar para todos… Jorge Oliveira conta que a ideia surgiu do projeto multicultural “O meu país no teu” que o Espaço t dinamizou e que consistiu em criar atividades com vários países… Do Japão à China, Rússia, Cazaquistão, Brasil, países Africanos… “Expúnhamos e tínhamos um espaço de colóquios, debates, festas e até um ‘comida na rua’ no Dia da Multiculturalidade. Criou-se uma relação com cerca de 15 a 20 instituições que existem e têm força junto dos seus grupos associados, uma relação muito forte. Muitos deles não estavam habituados em trabalhar em conjunto e agora querem-no”, contou o presidente da Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária. Terminado o projeto a ideia ficaria condenada a remeter-se para as várias minorias e comunidades, ou seja os brasileiros voltariam a estar com brasileiros por exemplo… Mas dar-se-ia um recuar… É que antes africanos e asiáticos, eis outro exemplo, tinham iniciado caminhos comuns. Surgiu então o Conselho Consultivo para a Interculturalidade, algo que não podia, aliás e admite-o Jorge Oliveira, estar mais atual nos dias de hoje. “As questões da imigração e da integração de pessoas na Europa estão na ordem do dia e são vistas com enorme preocupação. A fraca resposta das autoridades competentes e o enorme fluxo que se tem gerado no último ano, permite-nos afirmar que é de suma importância criar locais facilitadores e integradores dos imigrantes que nos procuram”, defendeu o responsável. Com reuniões ao longo do ano este conselho desenvolve-se também na Rua do Sol, onde mora a Galeria Inklusa. Ali as várias associações fazem tertúlias e debates com autonomia, ainda que com a coordenação do Espaço t. Há aulas de árabe, aulas de dança africana, está a ser realizado um filme e prestado apoio pelo Consulado de Marrocos a marroquinos que necessitem. “Ao contrário das associações de imigrantes, que trabalham para os seus conterrâneos, este projeto é agregador”, descreveu Jorge Oliveira, vincando a ideia de que o Conselho Consultivo para a Interculturalidade quer ter “uma visão ampla e alargada das respostas às necessidades dos imigrantes”. “Damos espaço para que tenham o seu espaço. Damos força a cada um para em conjunto sermos mais fortes”, concluiu.

75


AGENDA

O quê? XI edição do Congresso de Neurociência e Educação Especial Quando? 14 e 15 de maio Onde? Viseu Mais… O subtema do evento é “Novos olhares para novos desafios – criatividade, emoção e neurociência”, visando assim trazer temas e profissionais capazes de atualizar conteúdos e informações, apresentando abordagens, e projetos diferenciados, que serão uma maisvalia para a prática de benchmarking dos diversos profissionais que marcarão presença no evento. O quê? Jornadas sobre igualdade, deficiência e prevenção de violência Quando? de 07 e 11 de março Onde? Serpa Mais… Esta semana é edicada à igualdade e incluirá a exposição “O brincar e o género: Menino Brinca com Boneca?”, uma ação de sensibilização sobre igualdade de género, uma tertúlia e um chá poético no feminino, além de uma ação de formação sobre prevenção da violência de género. O quê? Palestra sobre Autismo e o The Son-Rise Program® Quando? 16 de março às 18h30 Onde? Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães Mais… Os certificados podem ser solicitados no ato da inscrição para a palestra e serão entregues no final da mesma. Têm um custo de 5€ (pagos no dia da palestra) O quê? Candidatura a concurso para apoiar IPSSs na aquisição de equipamentos e de software na área das tecnologias da informação e comunicação para pessoas com deficiência Quando? Até 24 de março Onde? Açores Mais… O concurso lançado hoje, no âmbito do programa PRO-SCIENTIA, tem previsto um investimento total de 150 mil euros, o triplo do valor do concurso do ano passado, e passou a abranger instituições particulares sem fins lucrativos que tenham como finalidade estatutária o apoio a cidadãos com deficiência. O quê? 3.ª edição do Include Day da CI&T Quando? 12 de março das 08h30 às 13h00 Onde? Brasil Mais… O evento propõe o desafio de criação de uma rede social conectada a um dispositivo produzido numa impressora 3D, por meio da qual os cidadãos podem fazer um alerta sobre algum risco iminente em sua região. O quê? 7.º Encontro da Diferença Quando? De 31 de março a 2 de abril Onde? Teatro Miguel Franco e Escola Superior de Gestão de Leiria Mais… O tema para este evento é “Cores da Vida – Vidas com cor...! Conta com a participação de um leque diversificado de especialistas como Júlia Formosinho, Carlos Neto, Padre Vítor Coutinho, Paulo Sargento, Hernâni Carvalho, entre outros que, com o seu saberes e experiencia, enriquecem as temáticas apresentadas. Este ano, o encontro na Diferença inclui também Workshop, no dia 2 de Abril, que abordarão diversas temáticas como: dança; música; emoções; contos e yoga …

76


AGENDA

O quê? Participação da Plural&Singular e InMyShoes no TEDx Guimarães Quando? 7 de maio Onde? APlataforma das Artes e Criatividade, em Guimarães Mais… O próximo TEDxGuimarães vai ter 12 talks que nas áreas da dança, música, desporto, cinema vão abordar o tema “A falar nem sempre se entende” com o intuito de enquadrar uma reflexão sobre as diversas formas de comunicação entre as pessoas e as diferentes maneiras de partilhar ideias inovadoras capazes de transformar o mundo. O quê? IV Congresso Iberoamericano sobre Síndrome de Down Quando? De16 a18 de março Onde? Salamanca, Espanha Mais… “Direito ao Futuro, Futuro de Direitos” é o tema deste evento que conta com a coorganização da Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI) enquanto membro da Federação Iberoamericana de Síndrome de Down, e que ao longo de três dias vai reunir mais de quatrocentos familiares e especialistas para discutir temáticas diversas associadas à afirmação plena dos direitos das pessoas com síndrome de down. O quê? Jantar de solidariedade “O Soneca” Quando? 11 de março às 20h00 Onde? Quinta Vila Marita em Guimarães Mais… Promovido pel’Os Incríveis, um grupo informal de pessoas que se juntaram para ajudar crianças com necessidades especiais, em parceria com a Escola Profissional Cisave e a Quinta Vila Marita, este evento tem como finalidade angariar fundos para conseguir ajudar duas crianças com deficiência vimaranenses a conseguirem ter mais qualidade de vida. O quê? Desfile inclusivo no Moda Guimarães Quando?19 de março às 21h30 Onde? Museu Alberto Sampaio, em Guimarães Mais… O evento conta com um desfile dos jovens da Cercigui, com roupas feitas e manufaturas aqui na Cercigui. A abertura do desfile dos utentes da instituição é realizada pela impulsionadora desta vertente inclusiva do Moda Guimarães: Sara Coutinho, uma vimaranense com paraplegia apaixonada pela moda. O quê? 6.º Encontro de Famílias T 21 Quando? 19 de março Onde? Universidade do Algarve, Faro - Campus da Penha (Complexo Pedagógico) Mais… Este encontro pretende reunir famílias, amigos e todos os interessados de norte a sul do Pais, de forma a criar um momento de convívio, reflexão e apoio. As actualizações á programação são regularmente feitas através do evento criado no facebook O quê? Palestra “Ferramentas para identificar novas oportunidades de financiamento para o terceiro sector” Quando? 8 de março, às 17h30 Onde? Instituto Português do Desporto e da Juventude de Beja Mais… Este workshop tem por objetivo explorar as linhas de financiamento e prémios na área social, bem como os instrumentos de pesquisa e de apoio à análise de regulamentos.

77


PLURAL

O Parque Biológico da Serra da Lousã, o Espaço da Mente e o Templo Ecuménico:

Um trivium acessível Vamos agora conhecer um projeto sustentável em termos económicos e ambientais, que aposta na coesão social e que integra vários espaços dedicados à natureza animal, à natureza humana e, por assim dizer, à natureza espiritual. De destacar da oferta deste lugar em Miranda do Corvo, uma espécie de trilogia espelhada nos valores de liberdade, de igualdade e de fraternidade… Texto: Sofia Pires Fotos: Gentilmente cedidas

Para acabar com o suspense é preciso desmontar o puzzle. Jaime Ramos dá o nome ao Centro Social Comunitário de que é presidente do conselho de administração. É também ele o responsável pelo conceito subjacente ao trivium em questão e é quem vai dar a conhecer todas as “peças” deste puzzle. O Parque Biológico representa a igualdade do homem em relação a todos os seres vivos. O Espaço da Mente mostra a evolução do homo habilis e representa a Liberdade. O Templo Ecuménico vai representar a Fraternidade. “Ou seja, essa ideia da espiritualidade mas também o dever que sentimos de ser bons e termos um reconhecimento fraterno em relação a todos os homens e em relação aos seres vivos. E essa ideia de fraternidade alargada é possível com o nosso espiritualismo de sapiens”, começa Jaime Ramos. Agora desde o início. Tudo começou com um Centro Hípico pensado para criar emprego para pessoas com deficiência ou doença mental e, ao mesmo tempo, proporcionar equitação adaptada e hipoterapia. “Tivemos tanto sucesso nesse aspeto, que a primeira vez que Portugal está presente nos Jogos Paralímpicos na equitação adaptada é com um cavaleiro deste Centro Hípico”, revela. 78

O Parque Biológico da Serra da Lousã integra, com o Espaço da Mente e o futuro Templo Ecuménico Universalista, o Trivium dedicado à liberdade, igualdade e fraternidade: - O Parque Biológico representa o corpo e a igualdade do Homem perante todos os seres vivos (Australopithecus). - O Espaço da Mente, o desenvolvimento da mente e a liberdade de pensar (Homo Habilis). - O Templo Ecuménico representa o espírito e a fraternidade, independentemente da fé de cada um (Homo Sapiens). Em janeiro o Parque Biológico da Serra da Lousã atingiu os 170 mil visitantes desde a abertura.


PLURAL

À procura de uma rentabilidade maior surgiu o Parque Biológico da Serra da Lousã. Com o objetivo principal de promover a biofilia e a paixão pela natureza, este espaço foi, intencionalmente, pensado para criar postos de trabalho ou atividades ocupacionais para pessoas com deficiência ou doença mental. Além dos cavalos passou a ter uma amostra de animais de agropastorícia lusitana com raças autóctones e uma amostra da fauna em Portugal dos tempos atuais e de alguns já passados. “Significa que temos ursos, que já não existem em Portugal ou linces que existiam há décadas atrás”, acrescenta Jaime Ramos. Seguiu-se a criação do Museu Vivo de Artes e Ofícios Tradicionais – onde se produz calçado e todos os trabalhos de couro, vidro de fusão, tapeçarias com teares tradicionais, trabalhos de olaria e também de cestaria e o mobiliário de vime. Há ainda um Centro de Informação, um Parque de Vida Selvagem, uma Quinta Pedagógica, um Labirinto de Árvores de Fruto, um Roseiral, uma Loja de Artesanato e um Museu da Tanoaria. “E depois, já em 2015, decidimos inaugurar o Espaço da Mente que é o centro de um ecomuseu etnográfico onde mostramos uma seleção sobre o início da vida até à mor-

te da pessoa”, adianta o mentor do projeto. A ideia é dar a conhecer a diferenciação da espécie humana e como é que ela evoluiu, nomeadamente, através do Homo habilis, o primeiro primata a tirar as mãos do chão e que começa a fabricar. Neste ecomuseu é feita uma homenagem aos hominídeos e, em particular, a essa capacidade manual do Homo habilis de trabalhar com as mãos. Jaime Ramos refere ainda que o Espaço da Mente, aberto desde 11 de março do ano passado, é conotado com o conceito de liberdade porque essa capacidade do habilis exige a noção de liberdade de poder inventar, criar e inovar diferentes objetos. Da primeira liberdade de amar, este museu apresenta também a liberdade política, de pensamento e religiosa culminando na última liberdade relacionada com a morte, a liberdade de alma. O museu inclui um planetário para reflexão sobre a imensidade do universo e um filme que leva os visitantes da partícula de Deus à especulação sobre a pedra filosofal. O museu é “puxado” à realidade local através das peças expostas relacionadas com a Serra da Lousã e com Miranda do Corvo.

79


PLURAL

O Templo Ecuménico dá seguimento a essa liberdade de alma porque o homem na sua evolução acaba por ter uma noção de espiritualidade. “É um monumento de homenagem ao respeito pela diferença e o que Homo sapiens acabou por gerar: a ideia de Deus”, contextualiza. Este Templo Ecuménico, que vai completar o Trivium dedicado à liberdade, igualdade e fraternidade, é inaugurado ainda este ano. Já só falta falar do Hotel Parque Serra da Lousã. A “bem receber” desde novembro de 2015, esta unidade de alojamento vai complementar o Restaurante Museu da Chanfana. “Queremos que os turistas venham, mas também queremos ficar com a mais-valia da visita. Interessa-nos o conjunto como um parque temático à americana, a aproximarmo-nos deste conceito no sentido de conseguirmos rentabilizar”, confessa Jaime Ramos. Embora o hotel dos 40 quartos disponíveis tenha nove preparados para pessoas com mobilidade reduzida, Jaime Ramos admite que, como o Parque Biológico está numa zona de serra bastante inclinada, há algumas dificuldades para pessoas com limitações motoras. Os restantes espaços são acessíveis e existem audioguias para cegos.

80


SINGULAR

Um objetivo inclusivo O trivium da liberdade, igualdade e fraternidade faz parte de um inovador projeto social destinado a criar postos de trabalho para pessoas vítimas de exclusão laboral e com deficiência ou doença mental. Criado propositadamente para este efeito, atualmente o Parque Biológico da Serra da Lousã emprega e ocupa 75 pessoas com necessidades especiais. António Amaral é uma delas, tem doença mental e trabalha como guia no Espaço da Mente. Texto: Sofia Pires Foto: Gentilmente cedida

António Amaral tem esquizofrenia paranoide, é poeta e recebeu um prémio recentemente por uma obra que publicou. No Espaço da Mente conjuga a função de guia com a função de vigilante. A oportunidade de trabalhar no Espaço da Mente veio garantir a António Amaral a possibilidade de receber uma remuneração, num ambiente de trabalho em que se sente integrado e em que pode receber o apoio psicossocial de que necessita. O guia gosta do que faz e considera que fazer visitas guiadas é o mais compensador. “Gosto de conversar com as pessoas, aprender com elas para transmitir conhecimentos aos visitantes seguintes e incluir na explicação algum do humor ou fascínio que certas peças englobam. Tenho também que perceber, sobre cada grupo, se estou a ser exaustivo demais ou se estão a receber bem as minhas informações”, explica António Amaral. Diz que desde cedo compreendeu a “filosofia” do Espaço da Mente e atesta que o ambiente de trabalho é ótimo. “Somos uma família. Somos todos muito unidos e percebemos haver algo que nos atravessa a todos”. Atualmente, além de António Amaral, há mais dois vigilantes/guias a trabalhar no Espaço da Mente. Uma colaboradora com mobilidade reduzida em virtude de uma doença neuromuscular degenerativa e outro colaborador com doença mental crónica que chegou a frequentar o ensino superior até lhe ser diagnosticada a doença. “Nós englobamos aqui uma atividade agrícola e de jardinagem complementares e estamos a falar de mais de 70 pessoas neste momento. Muitos dos nossos colaboradores com deficiência ou doença mental vêm de muitos locais, de toda a região centro e de várias instituições. Nós neste momento temos a viver connosco cerca de 440 pessoas”. Há dois tipos de colaboradores no Parque Biológico da Serra da Lousã: pessoas com deficiência ou doença mental e desempregados de longa duração que têm um contrato de trabalho e pessoas que exercem atividades ocupacionais porque já estão em situação de incapacidade e têm apoios da Segurança Social, estando considerados como inaptos para um trabalho efetivo.

81

Profile for Sofia  Pires

14.ª edição da revista trimestral Plural&Singular  

A Plural & Singular é um orgão de comunicação digital dedicado à temática da deficiência que lançou a 1.ª edição no início de dezembro de 20...

14.ª edição da revista trimestral Plural&Singular  

A Plural & Singular é um orgão de comunicação digital dedicado à temática da deficiência que lançou a 1.ª edição no início de dezembro de 20...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded