Issuu on Google+

<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 1


2 > Plรกstico Sul > Outubro de 2011 >>


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 3


Editorial Divulgação

Expediente Conceitual - Publicações Segmentadas www.plasticosul.com.br Av. Ijuí, 280 CEP 90.460-200 - Bairro Petrópolis Porto Alegre - RS Fone/Fax: 51 3062.4569 Fone: 51 3062.7569 plasticosul@conceitualpress.com.br Direção: Sílvia Viale Silva Edição: Melina Gonçalves - DRT/RS nº 12.844 Redação: Gilmar Bitencourt Júlio Sortica Departamento Financeiro: Rosana Mandrácio Departamento Comercial: Débora Moreira, Leandro Salinos e Magda Fernandes Design Gráfico & Criação Publicitária: José Francisco Alves (51 9941.5777) Capa: imagem promocional - Tron movie Plástico Sul é uma publicação da editora Conceitual - Publicações Segmentadas, destinada às indústrias produtoras de material plástico de 3ª, 2ª e 1ª geração petroquímica nos Estados da Região Sul e no Brasil, formadores de opinião, órgãos públicos pertinentes à área, entidades representativas, eventos, seminários, congressos, fóruns, exposições e imprensa em geral. Opiniões expressas em artigos assinados não correspondem necessariamente àquelas adotadas pela revista Plástico Sul. É permitida a reprodução de matérias publicadas desde que citada a fonte. Tiragem: 8.000 exemplares. Filiada à

ANATEC - Associação Nacional das Editoras de Publicações Técnicas, Dirigidas e Especializadas

O Brasil vai bem?

C

om o final do ano batendo na nossa porta, começamos a refletir sobre o que fizemos em 2011. É o famoso balanço, onde avaliamos se cumprimos as metas impostas lá no início de janeiro passado, se ganhamos dinheiro, se tivemos prejuízo, se trabalhamos como gostaríamos. Da mesma forma que fazemos essa avaliação na nossa vida pessoal e na empresa, os setores chaves da economia também colocam no papel seu saldo final. E para surpresa de alguns e confirmação de outros, o Brasil não vai tão bem quanto aparece nos tablóides internacionais. Sim, somos um dos países mais bem preparados economicamente na atualidade e não tivemos sequer um respingo da crise que abala nações européias. Somos elogiados e cá entre nós, sabemos que temos lá nossos méritos e nossas conquistas. Entretanto, não podemos fazer vistas grossas: nossa indústria anda capenga e as balanças comerciais estão amargando déficits constrangedores. Não precisamos citar aqui o baixo desempenho da indústria automotiva. Esse resultado até era esperado já que os patamares de 2010 foram recordes e dificilmente alcançaríamos os mesmo números em 2011. Mas podemos falar sobre a indústria de máquinas e da própria indústria de transformação de plásticos. O déficit

da balança comercial do setor triplicou em três anos (2008/2011), crescendo 40% em 2011, em relação a 2010, um salto de US$ 1,36 bilhão para US$ 1,89 bilhão. Mais um ano se passou e nós teremos que colocar na lista de tarefas para 2012: exportar mais, gerar mais lucro, tentar não ser esmagado pela concorrência desleal, sobreviver. Mais um ano se passou e o governo precisa colocar no seu plano de metas: reduzir juros, fazer a reforma tributária, ser menos burocrático, criar estratégias para aumentar a competitividade das empresas, cuidar de quem está aqui dentro, investindo e apostando no país. Não se trata de um discurso nacionalista até porque a abertura dos mercados e a concorrência saudável estimulam competitividade, consumo e crescimento econômico, financeiro e social. Mas a disputa precisa ser leal e o apoio do governo na busca por caminhos que estimulem a industrialização do Brasil, e não apenas a intervenção do mesmo sobre empresas privadas, é fundamental para o crescimento de qualquer nação. Nós queremos que o mundo entre no país com seus produtos e serviços, mas também desejamos abastecer o mercado doméstico e levar a outras nações o que é nosso. Boa leitura!

Marca Registrada:

Melina Gonçalves / Editora melina.goncalves@conceitualpress.com.br 4 >04Plástico > Plástico Sul Sul > Outubro > Outubro de 2011 de 2011 >> >>


<<<<Outubro Outubrode de2011 2011< <Plรกstico PlรกsticoSul Sul< <05 5


PLAST VIP Gilmar Lima O diretor da MVC, Gilmar Lima, opina sobre os rumos da indústria automobilística nacional, aponta oportunidades e obstáculos dos fornecedores e fala sobre as consequências da nova legislação que aumenta o IPI dos carros com mais de 65% dos itens importados.

Nova legislação desafia fornecedores

E

stimativas apontam que um veículo de passeio no Brasil conta com aproximadamente 15 quilos de polímeros de performance, enquanto que esse índice varia de 28 a 30 quilos nos carros importados. Estes números demonstram um enorme avanço do material nessa indústria quando comparamos a décadas anteriores e ao mesmo tempo mostra o enorme potencial de crescimento do setor no país. Para crescer, entretanto, é preciso superar alguns desafios. Em busca de um melhor entendimento sobre a atual realidade dos fornecedores de plásticos para indústria automobilística, convidamos o diretor – geral da MVC, Gilmar Lima, para um bate-papo sobre o setor. Lima, que também é presidente da Associação Brasileira de Materiais Compósitos (Abmaco), aponta a necessidade do aumento da participação do plástico na parte externa dos automóveis, reforça a importância da nanotecnologia para o aumento do consumo do material nesta indústria e afirma que o crescimento das aplicações do plástico com fibra de carbono e fibras naturais, muito utilizados fora do país, deve ser tendência no Brasil. Muitas conquistas já foram feitas no que diz respeito à aplicações. Entretanto, os desafios não estão somente nos labora-

6 > >Plástico 06 PlásticoSul Sul> >Outubro Outubrode de2011 2011>>>>

tórios de pesquisa e sim no mercado. Com a regulamentação das mudanças na cobrança do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros importados, reina grande expectativa nos fornecedores das montadoras aqui no país. De acordo com o decreto presidencial, os processos de fabricação de veículos que tenham, no minímo, 65% de conteúdo nacional e regional, estão liberados da alta do IPI. Essa nova lei visa proteger os fabricantes nacionais em um momento de aumento da concorrência com os produtos importados. A legislação talvez mude o comportamento de compra da indústria automobilística pois estimula a aquisição de peças fabricadas por fornecedores nacionais. Será que essas empresas estão preparadas para absorver a demanda que provavelmente virá? Essas e outras questões são esclarecidas logo abaixo, na opinião de Gilmar Lima. Revista Plástico Sul - A MVC realizou recentemente o 5º Seminário Internacional de Tecnologia em Plástico (Sitep), em Curitiba (PR). Como avalia o evento? Gilmar Lima - Essa edição foi a que teve maior participação, com a presença de oito países. Mais de 300 profissionais e 78

FOTOS: DIVULGAÇÃO

da indústria automotiva

empresas. A maior concentração foi da indústria automotiva, mas também transportes em geral como caminhões e ônibus. A discussão não foi focada só no segmento: teve também debates sobre energia eólica, construção civil e assim por diante, sempre com direcionamento para a inovação e sustentabilidade. O resultado final foi muito bom. Todas as empresas participantes concordaram que cada vez aumentará mais a utilização do plástico principalmente na indústria automobilística devido principal-


mente ao peso, mas também a flexibilidade de design e resistência ao impacto. A indústria automobilística sempre trabalhou muito a segurança do veículo na parte interna, desde o cinto de segurança obrigatório, trabalhando muito em questão de segurança do passageiro. Acredito que nos últimos anos essa tendência mudou e passou a existir também uma preocupação muito grande com o pedestre em relação à acidentes e com isso os carros também utilizam cada vez mais plásticos na parte de fora, já que ele tem uma melhor absorção ao impacto . A indústria, portanto, está evoluindo e os plásticos estão vencendo as limitações que tinham. A própria nanotecnologia é um exemplo do avanço, pois hoje vemos plásticos resistindo altas temperaturas e sendo utilizados próximos ao motor, o que no passado era impossível. Hoje o material passa por todas as partes do veículo. Essa evolução é interessante e é impressionante a velocidade deste mercado. Plástico Sul - Informações divulgadas recentemente dizem que a produção de veículos no Brasil teve queda de 9,5% em relação ao mesmo período de 2010. O setor está mesmo perdendo o fôlego? Lima - Acredito que essa perda de fôlego seja normal até em reflexo da própria crise mundial anunciada. Esse é um ponto que não dá para desconsiderar. Outro fator é que a população brasileira, apesar de ter melhorado, está hoje mais endividada, isso é algo que a longo prazo preocupa. O Brasil está num momento onde precisa tomar alguns cuidados. O governo terá que cuidar de uma maneira que possa fortalecer não só a indústria automotiva, mas todos os segmentos. Outra questão é que o setor ficou sem saber o que vai acontecer com a própria mudança dos critérios do IPI. E neste ponto, a mudança da legislação pode até estar dando uma maquiada nos resultados já que tem gente antecipando muitas compras principalmente nos veículos pesados e nos carros que usam óleo diesel. Mas estamos otimistas e achamos que os desempenhos não cairão a ponto de piorar. Penso que isso é mesmo uma visão pessimista, pois confio que a situação irá se manter. Olhando para frente, nosso sentimento é de que teremos um primeiro bimestre de 2012 difícil onde terá uma queda de vendas dos

fornecedores, até porque a maioria das montadoras está programando férias para janeiro. Por outro lado teremos um trabalho forte em novembro e dezembro de 2011,quando os fabricantes de automóveis estarão fazendo estoque para vender no início de 2012. Essa inércia que teremos nos dois primeiros meses do ano, e aí eu acho que não para a indústria automobilística, pois ela estará vendendo seus estoques, mas para os fornecedores desta indústria, tende a normalizar. Acho que 2012 será um ano muito positivo. Plástico Sul - Os plásticos de engenharia são produtos com características especiais e valor agregado. O brasileiro está optando pela qualidade do produto ao invés de avaliar apenas o preço? Lima - Essa cultura ainda não existe no país. Há um desconhecimento muito forte da própria indústria do plástico. A ideia de plásticos que op Brasil tem ainda é a sacola de supermercados. Saber que um avião tem 40% ou 50% de compósitos, pouca gente sabe. Os materiais que estão sendo colocados hoje nas aeronaves, trens e carros de Fórmula 1, são de plásticos. Mas eu também acho que nesse mundo altamente competitivo o que acontecerá é que esse mesmo plástico de alto desempenho, no custo final dele, terá que oferecer um preço competitivo. Até porque hoje o leque de opções é muito grande. O Brasil ainda não está no nível de pagar mais para ter um produto mais seguro. Mas isso se deve também ao fato de que somente agora o brasileiro está tendo acesso a esse tipo de produto. Penso que as indústrias e as universidades têm que fazer a sua parte. É preciso investir mais em polímeros e plástico de engenharia. Plástico Sul - Como está o Brasil em termos de P&D na indústria automobilística? Lima - A maior parte da tecnologia vem com a receita pronta da Europa e dos EUA. Hoje os projetos estão vindo prontos. Tivemos um retrocesso muito grande com o conceito de globalização. Hoje há montadoras que não tem Engenharia, ou se tem Engenharia de Desenvolvimento de Produto ela é totalmente amarrada, dependendo da matriz de fora. Ela não pode mudar um parafuso, não pode definir um plástico novo pois tem que passar pela aprovação da matriz. Isso vai ter que mudar. E essa é a minha grande esperança

"A própria nanotecnologia é um exemplo do avanço, pois hoje vemos plásticos resistindo altas temperaturas e sendo utilizados próximos ao motor, o que no passado era impossível." com essa exigência de 65% de nacionalização, afinal eles terão que mudar a forma de atuação. Tem que haver uma mudança, os transformadores terão de se preparar para isso porque sem ir para esse caminho perderão a competitividade. Além disso, é preciso avaliar o custo final do produto e essa é outra conta que não se faz. Os próprios montadores vão ter que explorar mais isso: “Olha eu tenho um carro mais leve que o meu consumo de combustível é melhor.” E nós, usuários teremos que fazer essa conta. Então é toda uma cultura que em outros países já está avançada e que aqui não se tem. É todo mundo querendo comprar produto mais barato e apertando toda a cadeia. Com isso cada pedaçinho desta indústria vai perdendo qualidade. Nós temos que sair de sse círculo vicioso e começar a fabricar produtos melhores, com mais tecnologia, com custos competitivos, mas que gerem mais que só o custo. Plástico Sul - Como está a participação de plásticos de engenharia em veículos pesados como caminhões, ônibus e tratores? Lima - Aumenta a cada ano. E não só na parte interna do veículo, mas a parte externa está começando a apresentar aumento. E tende a crescer em função do peso, pois teremos cada vez mais legislações severas na questão da emissão de poluentes, portanto o consumo de combustível tem que ser menor. E como o plástico está aumentando suas características de resistência, acho que a tendência é de cada vez aumentar mais. Plástico Sul - Em comparação com grandes centros, como o Brasil se coloca na questão de quantidade de plásticos utilizados nos veículos? Lima - Ainda se tem muito a fazer e crescer neste mercado. E acredito que outros setores, como construção civil e indústria >>>> <<<<Outubro Outubrode de2011 2011<<Plástico PlásticoSul Sul<<07 7


PLAST VIP Gilmar Lima em geral é pior. Acho que como a indústria automotiva é global hoje, nós conseguimos estar num nível mais equilibrado com as grandes potencias. Mas ainda temos muito a melhorar. Plástico Sul - O aumento do IPI que será aplicado sobre os carros importados terá algum reflexo nos transformadores que atuam nesta área? Lima - Eu só vejo pontos positivos para os fornecedores. Até porque essa competição que estamos tendo com as empresas de fora é desleal. Enquanto nosso custo Brasil está cada vez maior, principalmente na parte de mão-de-obra e frete, os outros países trazem seus produtos fabricados com uma mão-de-obra praticamente escrava. Isso nos faz perder a competitividade. Além disso, o dólar favorecia muito a importação. Então eu acho que essa decisão sobre o IPI já devia ter sido tomada. Há empresas que já iniciaram sua nacionalização há mais tempo e isso é correto. Nós temos que fortalecer cada vez mais a indústria brasileira. E o que acontecerá agora é que todo mundo vai correr para não perder venda e as pessoas que tiverem essa visão terão uma velocidade mais rápida. Essa lei aumenta IPI para os carros que tenham menos 65% de produtos nacionais. O carro 100% estrangeiro pagará um IPI mais alto, aquele que importa o carro e faz algumas montagens no Brasil, mas que não tem o veículo com 65% de produto nacional também sofrerá aumento de IPI. Têm muitas empresas que estavam em uma situação muito cômoda e que continuavam importando peças a preços muito baixos que não conseguimos competir. Há caso em que o nosso custo da matéria-prima é mais alto que o preço da peça que estão importando. Isso não é uma questão de ineficiência das empresas nacionais, mas uma questão do nosso país pensar em ter um custo mais barato com uma carga tributária menor etc. Esse aumento favorecerá a indústria brasileira. A preocupação é a seguinte: como nos últimos anos os fornecedores da indústria automobilística foram praticamente esmagados, é preciso saber se agora eles estarão prontos para responder por essa demanda que está abrindo. Plástico Sul - E será que os fornecedores nacionais estão prontos para absorver toda essa demanda que provavelmente virá? 08 PlásticoSul Sul> >Outubro Outubrode de2011 2011>>>> 8 > >Plástico

Lima - Se eu for responder hoje digo que não. Mas penso que isso é perfil do brasileiro, que tem uma forte característica de se adaptar e superar as dificuldades. Acho que a princípio as empresas não estarão preparadas porque a maioria está com uma saúde financeira prejudicada pelo sofrimento dos últimos anos. Desta forma acredito que deveria ter recursos do governo através de financiamentos, por exemplo. Essas indústrias terão que estar realmente preparadas para atender essa demanda maior, pois que haverá dificuldade eu não tenho dúvida. Mas claro que isso poderia ter sido melhor planejado. Nós, e isso serve para todos, inclusive as montadoras, fizemos planejamentos muito em curto prazo e sempre acabamos indo pelo caminho mais fácil. Neste sentido acho que o mercado tem que mudar: temos que pensar em diferenciação, pensar em fortalecer os parceiros locais. Plástico Sul - Quais são as principais tendências nacionais e mundiais em termos de aplicações? Lima - A parte interna está muito bem, o nível de utilização está adequado. Na carroceria pode aumentar mais. Outra opção interessante de substituição por plástico de alto desempenho é o vidro. Essa é uma tendência. Mas eu falaria mais na parte externa. Quem sabe um carro completo de plástico com foco em reciclabilidade, com design mais arrojado e consumo menor de combustível? Isso já existe, entretanto para nichos específicos de mercado. Em outros países existem muitas peças estruturais de plástico próximas ao motor com resistência a alta temperatura, a tração, flexão e compressão. São peças estruturais que o aço estava dominando e que em algumas partes do mundo já está começando a ser substituídas pelo plástico, utilizando compósitos com fibra de carbono. Aliás, a aplicação de plástico com fibra de carbono no Brasil é muito pequena e focada para a indústria aeroespacial. Essa é uma tendência para a indústria automobilística: vai começar a se usar muita coisa com esse tipo de material, tanto fibra de carbono como fibras naturais. Plástico Sul - Há algum desafio técnico a ser vencido ainda pelo plástico? Lima - Na parte técnica precisamos aprimorar muito ainda a parte de acabamento

"...como nos últimos anos os fornecedores da indústria automobilística foram praticamente esmagados, é preciso saber se agora eles estarão prontos para responder por essa demanda que está abrindo." especial. Não só na peça injetada, mas é um desafio ter cada vez mais uma superfície perfeita. Até para podermos aumentar a substituição do aço pelo plástico nas partes externas. Melhorar a superfície é um dos grandes desafios porque no restante melhoramos em tudo, como resistência a temperatura, impacto, alongamento, inclusive em relação a intempéries. Todos esses problemas já foram resolvidos. Precisamos procurar fabricar peças com o acabamento superficial muito perfeito e com custo competitivo. Porque fazer uma peça com superfície maravilhosa até é tranqüilo, agora fazê-la para ser competitiva é outro desafio. Plástico Sul - Como avalia a participação do sul no mercado transformador de peças automobilísticas? Lima - A presença das grandes montadoras torna São Paulo um polo inquestionável. Mas a região sul tem um polo muito importante, está muito bem colocada e a tendência é aumentar e melhorar ainda mais com as montadoras que foram para o Rio Grande do Sul e Paraná. Estamos muito bem posicionados. E em relação a outros segmentos de transporte, agronegócio e ônibus, acho que aí o sul é o número 1. Plástico Sul - Para finalizar, o que este setor representa para os negócios da MVC? Lima - Este ano essa indústria irá representar 80% dos negócios da MVC. A empresa pretende crescer 15% em 2011 baseados no crescimento da construção civil e nos novos projetos na área automotiva da empresa. Já em 2012 a ambição é maior: a companhia pretende crescer 33%. Nosso faturamento líquido em 2011 será R$ 120 milhões. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 9


Plástico no Automóvel DIVULGAÇÃO

Aos que acreditam que a indústria automobilística está perdendo forças, não percam as esperanças: investimentos e novas perspectivas de quem vive o dia-a-dia do setor revelam que nem tudo está perdido e o futuro é repleto de boas oportunidades principalmente para os fornecedores de material plástico que atuam neste setor.

Nas curvas de uma indústria

R

ecentemente foram divulgados números do desempenho da indústria automobilística no Brasil. Os resultados inferiores aos do ano de 2010 apontam uma perda de fôlego do setor. Exagero? Até pode ser, embora a produção de veículos no Brasil tenha atingido 265,6 mil unidades no mês de outubro, quantidade que representa queda de 9,5% em relação ao mesmo mês de 2010. Mesmo produzindo menos, ainda há um acúmulo de estoque que pode persistir no próximo ano. O cenário afeta diretamente os produtores de material plástico para esta indústria, já que compromete a quantidade de itens fornecidos reduzindo os resultados finais das empresas. Mas atenção: este contexto não é específico da indústria automobilística, já que outros setores da economia também amargam a perda de dinamismo e previsão de crescimento próximo a zero. O sinal de desaquecimento de toda indústria merece cuidado. Paradas de montadoras em setembro aprofundaram a redução da produção da indústria brasileira, que já vinha sendo afetada pelo desaquecimento da economia, entrada de importados e paralisações em algumas atividades, afirmou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A atividade recuou 2% em setembro, a maior baixa desde abril, e con-

10 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

traiu 1,6% sobre igual mês de 2010. Com o resultado de setembro, a produção está 4% abaixo do pico de produção observado em março deste ano. Até agosto, essa distância para o recorde de produção era de 2,1%. O setor de veículos automotores tem peso de 11% na formação da produção industrial e, em setembro caiu 11% ante agosto. Foi o pior resultado desde dezembro de 2008, quando começaram a surgir os primeiros sinais da crise financeira mundial. Segundo especialistas, há perspectiva de que a produção da Indústria Automotiva Brasileira deverá crescer ao entre 3 e 5 % em 2012. O Diretor de Business Development e OEM Automotivo da SABIC Innovative Plastics para América do Sul, Edson Simielli acredita que, apesar do momento difícil para o setor global automotivo, o primeiro semestre de 2011 foi muito bom. “Porém, com a redução ao crédito e o aumento nas importações, sentimos uma desaceleração muito importante no 2º semestre, o que levou a indústria a terminar o ano num patamar muito similar, em nível de produção, ao do ano anterior”, diz Simielli. Os gerentes de conta do segmento automotivo da Braskem, Octávio Pimenta Reis Neto (PP) e Carlos Fernando Bergmann Carlucci (PE) também confiam no potencial desta indústria e não desanimam. Para eles o setor automotivo é muito impor-

tante no Brasil. “Há uma produção anual de 3,6 milhões de veículos, sugerindo um crescimento médio anual de 4,5% segundo os 4 últimos anos, empregando mais de 500 mil profissionais (diretos e indiretos), responsável por 23% do PIB Industrial e 5% do PIB Nacional”, afirmam os executivos.

Se por um lado a situação parece delicada, por outro as montadoras

injetam investimentos no país, apostando no crescimento do consumo nacional de bem duráveis. Um bom exemplo é o mercado de caminhões que demonstra pleno crescimento no Brasil fazendo com que as empresas instaladas aqui anunciem aportes substanciais nas operações brasileiras. A Ford, por exemplo, vai destinar R$ 450 milhões para o período 2011 a 2015 que, em sua maioria, serão gastos no desenvolvimento de produtos, principalmente de um caminhão extrapesado. Outra americana que prepara entrada no Brasil é a Navistar. Segundo informações publicadas em jornais de grande circulação, a montadora deve investir US$ 200 milhões (R$ 370 milhões) em uma fábrica no país. Além dos aportes financeiros, mais um acontecimento gera boas expectativas para os fornecedores da indústria automobilística, incluindo os fabricantes de plásticos. >>>>


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 11


Trata-se da portaria que regulamenta a elevação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis com menos de 65% de conteúdo nacional. A nova legislação estimula as montadoras a optarem por fornecedores “made in Brazil” e promete dar um gás na produtividade da indústria. Os dois fatores citados, portanto, demonstram que este mercado tem um enorme potencial de crescimento ancorado ainda pela fase econômica vivida pelo país e pela alta tecnologia incorporada nos veículos de transporte que atrai milhões de pessoas às concessionárias anualmente. Segundo o Rogério Colucci, gerente de Marketing Automotivo para a Divisão de Polímeros de Performance da DuPont América Latina, a indústria automotiva brasileira está passando por uma grande transformação. “Atualmente, existem números expressivos de desenvolvimentos para atender a uma nova demanda de produtos. A entrada dos importados a preços acessíveis eleva o nível de exigência dos potenciais compradores, que passam a procurar veículos

12 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

Neto e Carlucci, da Braskem, destacam a substituição do metal pelo plástico nos tanques de combustíveis

com pacote de opcionais a preços baixos”, avalia o executivo. Para Colucci os recentes lançamentos da linha 2012 comprovam uma mudança no perfil do produto nacional onde verifica-se que a indústria já está reagindo e que as perspectivas para os próximos anos são muito desafiadoras. “Principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento de novas tecnologias e na integração de sistemas por meio do crescimento do uso de polímeros de performance em substituição ao metal”, explica.

O céu é o limite

Os fabricantes de componentes plásticos que trabalham para a indústria automobilística acompanham atentos às tendências de mercado que apontam para um futuro cada vez mais promissor no que diz respeito à participação do material nes-

DIVULGAÇÃO

Plástico no Automóvel

te setor. Graças às inúmeras tecnologias e inovações dos produtores de matérias-primas, os convertedores de plásticos conseguem atender este exigente mercado, oferecendo qualidade e características especiais que nenhum outro material é capaz de suprir. Prova disso é o crescimento da participação de plásticos dentro de um automóvel de passeio e o aumento das possibilidades de aplicações. Desde painéis, capôs, faróis, até a parte interna que exige resistência à altas temperaturas, o plástico está em todo o lugar. Exemplo do quanto a cadeia do plástico brasileira tem avançado em tecnologia permitindo a ampliação de sua participa- >>>>


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 13


Plástico no Automóvel

14 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

Colucci, da Dupont: “os polímeros necessitam de um capítulo à parte nos manuais da indústria automotiva”

DIVULGAÇÃO

ção na indústria automotiva é a iniciativa da Braskem em produzir um novo tipo de plástico renovável: o polipropileno produzido a partir de etanol. O projeto deverá consumir, inicialmente, US$ 100 milhões e poderá agregar novos clientes à carteira da companhia, já que trata-se de uma resina mais resistente e, por conta disso, usada na fabricação de peças pesadas da indústria, como em automóveis. A montadora japonesa Toyota foi a primeira a se interessar pelos plásticos renováveis, tanto é que se tornou parceira da Braskem na empreitada. A grande vantagem do plástico verde está em sua matéria-prima. A cana é um recurso renovável e seu cultivo contribui para a captura do gás carbônico da atmosfera, o oposto do que ocorre com o petróleo, insumo tradicional dos plásticos. Apesar de não ter data prevista para o início da produção em larga escala, o relatório de 2010 de sustentabilidade da companhia informa que o objetivo é fabricar o polipropileno verde em meados de 2013. A produção inicial deve ficar entre 30 mil e 50 mil toneladas.

A busca por soluções menos agressivas ao meio ambiente e que economizem recursos naturais faz do plástico um grande aliado. Mas é preciso considerar que a diminuição de peso do veículo gerando

economia de combustível e a possibilidade da utilização de recursos sustentáveis nas diversas aplicações dos automóveis não são os únicos diferenciais atrativos do material plástico. “Também é possível, dependendo da aplicação, conseguir uma redução no investimento da construção do ferramental. Isso porque uma vez que na peça plástica é possível acoplar um número maior de componentes não há necessidade da construção de uma nova ferramenta”, lembra o especialista técnico da unidade de negócios SCP da Lanxess, Marcelo Correa. Um exemplo citado pelo executivo é o alojamento do estepe do Audi A8. “Em um novo projeto além de substituirmos o metal pelo Durethan (composto de PA6), conseguimos reduzir de 13 para 2 ferramentas necessárias para a produção desta peça”, explica Correa. Já para Simielli, da SABIC, os ter-


Simielli, da SABIC, aposta que a substituição do vidro pelo Lexan Glazing é tendência a médio prazo no Brasil

DIVULGAÇÃO

moplásticos de engenharia possibilitam ainda flexibilidade de design e redução de custos sistêmico através da integração de componentes/peças e eliminação de pinturas. Além disso, proporcionam melhoria da qualidade e produtividade bem como aumento da eficiência e redução de emissões. “A substituição de outros materiais pelo plástico é muito bem aceita, especialmente se resulta nesta redução de custo sistêmica (ao longo de toda a cadeia produtiva) impactando no custo final do produto automotivo”, avalia Simielli.

qualidade ao produto final. As empresas mais atentas ao mercado fazem suas apostas sobre as principais tendências onde o plástico, se ainda não entrou, em breve chegará lá.

O Marketing Development Manager da Kraton, Nei S. Domingues Jr,

Tendências

Estimativas de mercado apontam que os polímeros de performance representam atualmente entre 14 quilos e 15 quilos por veículo no Brasil. Nos importados, esse índice varia de 28 quilos a 30 quilos, dependendo da região de origem. Já se tratando de commodities, Octávio Pimenta Reis Neto, da Braskem, afirma que atualmente há 32 kg de PP em cada unidade automotiva produzida. “Com a entrada de novos projetos e monta-

doras, projeta-se um incremento de 5kg nos próximos 4 anos”, revela. Visando aumentar estes números, diversas multinacionais se debruçam em pesquisas para produção de matérias-primas eficientes e que agreguem

também acredita nas vantagens que a substituição de outros materiais pelo plástico podem proporcionar à indústria automobilística. Ele aposta inclusive que esta é uma tendência crescente e irreversível. “Estamos atingindo uma massa crítica de transformadores com o conhecimento suficiente para propor às montadoras soluções baseadas em TPEs na substituição dos materiais convencionais”, diz Domingues. O executivo revela que a empresa está com diversos projetos na área automotiva e destaca o uso de Kraton na área de filmes >>>>

<< Outubro de 2011 < Plástico Sul < 15


DIVULGAÇÃO

Plástico no Automóvel Nei Domingues e Rafael Zangarini, da Kraton: “nova tecnologia de co-extrusão filmes de proteção de superfícies”

mais avançada em polímeros adesivos para a produção de filmes de proteção de superfície. Ela permite que características únicas sejam formuladas em compostos adesivos cobrindo uma ampla extensão de processamento e propriedades adesivas. Entre os benefícios desta tecnologia está a Co-extrusão em uma única etapa; a eliminação de várias etapas da aplicação de adesivos convencionais; a resistência a ondulações, rugas e umidade; a preservação a integridade de superfícies acabadas e a proteção contra pequenos estragos, arranhões e raios UV. de proteção. “Oferecemos uma tecnologia única ao mercado, combinando aumento de performance com sustentabilidade e ainda aliada a redução de custos de produção. Sem dúvida é uma de nossas plataformas tecnológicas mais promissoras para o mer-

16 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

cado automobilístico e estamos em fase final de homologação para fornecimento às montadoras através de nossos clientes fabricantes de filme”, explica Domingues. A nova tecnologia de co-extrusão filmes de proteção de superfícies da Kraton é a

Outra tendência apontada

pela maioria dos especialistas é quanto a busca pela redução de peso no automóvel. Essa característica levou a DuPont a lançar recentemente o DuPont Zytel® Plus, poliamida convencional com tec- >>>>


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 17


DIVULGAÇÃO

Plástico no Automóvel Cresce participação de plásticos de engenharia e de commodities, como PP e PE, na parte interna dos carros

possui aplicação comercial na indústria automotiva mundial”, salienta Colucci.

nologia de trabalho em alta temperatura (210ºC - 220ºC). O produto tem potencial de substituir até 11 quilos de peças metálicas nos motores atuais. Em relação aos polímeros renováveis, a empresa ofe-

18 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

rece o Sorona® (PTT a base do milho com propriedades similares ao poliéster convencional), o Zytel® RS (base nálion 6.10 ou 10.10) e o Hytrel® RS (PTT elastomérico). “Toda a nossa linha de renováveis

Já a SABIC aposta em uma aplicação nos veículos nacionais que já está em uso em muitos carros no mundo. Trata-se da resina (PPO//PA) Noryl GTX, que substitui os para-lamas, antes feito em metal. “O uso de peças feitas de Noryl GTX reduz o peso do veículo, aumenta sua eficiência energética e reduz emissões”, revela Simielli. Para aplicação em médio prazo no país e que também já está em uso em alguns veículos ao redor do mundo, a empresa aponta a resina (PC) Lexan Glazing, que substitui vidros com as mesmas vantagens de redução de peso, aumento da eficiência energética e redução de emissões, possibilitando também designs mais arrojados com integração de componentes.“Outra aplicação em rápi- >>>>


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 19


Plástico no Automóvel da expansão global são os Modulos Frontais (Front End Modulus) 100% em Stamax (PP com reforço de fibra longa de vidro).

Os gerentes de conta do segmento automotivo da Braskem, Octávio Pimenta Reis Neto (PP) e Carlos Fernando Bergmann Carlucci (PE) citam como exemplo, a substituição do metal pelo plástico nos tanques de combustíveis. A empresa atende este mercado através do PEAD, que também é aplicado em bed liners (protetores de caçamba para pick-ups), reservatórios de partida à frio, reservatório de limpador de para-brisa e ductos de ar. Já o PP entra na fabricação de peças de acabamento interno e externo, tais como painéis de instrumentos, consoles, revestimentos de porta e para-choques. Como tendência no segmento automotivo em PE e PP no Brasil, os executivos da Braskem citam o cumprimento da Euro 5, visando a redução das emissões de poluentes. “Especificamente no caso do PP, já existem muitas aplicações em substituição ao aço nas pedaleiras de embreagem e acelerador, por exemplo”, explicam.

Oportunidades e Obstáculos

Todo o mercado, por mais promissor que seja, tem seus desafios a vencer. A indústria automobilística por sua vez possui suas peculiaridades. Para Colucci da Dupont, por exemplo, as principais oportunidades do plástico no mercado de veículos contemplam tecnologias que atendam as exigências técnicas de cada peça, principalmente os critérios de impacto, temperatura, ataques químicos e resistência à fadiga. Por outro lado, o principal obstáculo apontado pelo executivo consiste na necessidade de agilizar a mudança das especificações, desenhos e propriedades. “Os polímeros necessitam de um capítulo à parte nos manuais da indústria automotiva, especialmente no desenvolvimento de normativas para peças até então concebidas em metais”. Questões econômicas estão entre os principais desafios a serem vencidos pelo setor na opinião de Edson Simielli, da SABIC. O principal obstáculo, segundo o executivo, é o custo elevado devido à carga tributaria e também à valorização da moeda, fazendo com que o custo de produção local fique mais alto. “Porém, a necessidade cada vez maior das montado20 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

ras em lançar novos modelos ou mesmo de realizar atualizações (face lift) de modelos atuais num espaço de tempo menor, abrem ótimas oportunidades para os Termoplásticos de Engenharia”, explica. Já no caso dos TPEs, Nei Domingues, da Kraton, acredita que ainda existem alguns gaps técnicos a serem preenchidos antes que o material possa substituir mais amplamente a borracha vulcanizada em aplicações de maior demanda, principalmente com respeito a sua temperatura de serviço, deformação por compressão e desempenho em solicitações dinâmicas. “Quanto aos aspectos de mercado, a indústria automobilística ainda é muito focada na busca por redução de custo, e no caso da introdução de uma nova tecnologia nem sempre é possível conciliar ambos, o que gera uma resistência a mudança, mesmo que tecnicamente seja a solução ideal”, avalia. A Evonik investe continuamente na fabricação de produtos que atendam às constantes evoluções da indústria automobilística e de outros mercados. Conforme Haroldo Paganini Rodrigues, Chefe de Produto da área de Polímeros de Alta Performance da empresa, veículos sustentáveis, mais leves, que consumam menos combustível e sejam menos poluentes, estão entre os principais desafios do setor automotivo. Com foco nestas tendências, que prevêem a redução das emissões de poluentes e do consumo de combustíveis fósseis, entre outros aspectos, a Evonik trabalha na oferta de alternativas para as tubulações automotivas. “Como exemplo, uma grande variedade de tubulações multi camadas (MLT) para linhas de combustíveis que combinam nossas PA12, que podem ser condutivas ou não e diversos polímeros de barreira, como PVDF, EVOH e EFEP, desenvolvidas para as mais severas regulamentações de emissões de combustíveis e que estão disponíveis para as montadoras brasileiras”. A empresa desenvolve ainda soluções para todos as legislações de emissões de combustível como LEV, PZEV e EURO 6, e possui 2 tipos de poliamidas e 2 sistemas MLT para utilização com Biodiesel. “No segmento de caminhões, a Evonik tem 4 tipos de poliamidas e um sistema MLT desenvolvido para tubos de SCR (Selective Catalytic Reduction), aplicação que se popularizará no Brasil com a nova regulamentação de emissão de voláteis para caminhões”. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 21


DIVULGAÇÃO

Mercado

Braskem anuncia resultados

do terceiro trimestre Apesar do EBTIDA consolidado ser 9% inferior ao mesmo período de 2010, Companhia aumenta sua participação no mercado doméstico.

N

o terceiro trimestre, a indústria petroquímica foi marcada pela volatilidade dos preços das matérias-primas, associada a especulações do mercado de petróleo, e pelos menores preços de resinas e petroquímicos básicos, entre outros fatores. Mesmo nesse contexto, o EBITDA da Braskem alcançou R$ 3 bilhões no acumulado dos nove primeiros meses do ano, ou US$ 1,9 bilhão, com crescimento de 1% e 10%, respectivamente, sobre o mesmo período do ano anterior. No terceiro trimestre, o EBITDA consolidado foi de R$ 940 milhões, 9% inferior ao do 3T10. “Apesar das incertezas imediatas na economia internacional, estamos confiantes na força e resiliência do mercado doméstico, na consistência da estratégia de negócios adotada pela empresa e nas boas perspectivas para o mercado petroquímico global no médio prazo, o que nos leva a seguir com nossos projetos de expansão de capacidade produtiva”, diz Carlos Fadigas, presidente da Braskem. “Estamos entrando na reta final de construção da nova planta de PVC em Alagoas e a de butadieno no Rio Grande do Sul e 22 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

concluindo o projeto de engenharia para construção de um complexo integrado de polietileno no México, além de avançar na definição do projeto do Comperj com a Petrobras”, acrescenta. A economia brasileira, mesmo afetada pela conjuntura global, continuou a apresentar bom desempenho. Os aspectos sazonais do terceiro trimestre impulsionaram as vendas de resinas termoplásticas da Braskem no mercado doméstico, que totalizaram 857 mil toneladas, com alta de 12% em relação ao trimestre anterior. O volume de importados no mercado doméstico foi de 29% para as poliolefinas (polietileno e polipropileno) e de 35% para o PVC, patamares semelhantes aos verificados no segundo trimestre. Esse movimento reflete aspectos como a apreciação do real, que se reverteu em setembro, o crescente mercado de PVC e a entrada oportunista de material com benefícios fiscais via portos incentivados, que concedem crédito de ICMS ao importador. A receita líquida alcançou R$ 8,7 bilhões no terceiro trimestre, montante 15% superior ao obtido no mesmo período de 2010 e 4% acima do obtido no trimestre

imediatamente anterior. Em dólares, a receita líquida cresceu 23% e 1%, respectivamente. A receita com exportações teve alta de 51% no terceiro trimestre, atingindo US$ 1,9 bilhão, e de 59% nos 9M11, para US$ 4,9 bilhões, sobre os períodos equivalentes de 2010.

Ao final de setembro, a dívida líquida da Braskem somava R$ 10,8 bilhões. Em função de sua exposição ao dólar, o efeito da variação cambial no período fez com que a alavancagem financeira, medida pela relação dívida/EBITDA, saísse de 2,30x para 2,62x no terceiro trimestre. Medida em dólares, a alavancagem caiu 6%, para 2,32x, mantendo o compromisso da Braskem com o investment grade. Em julho, a Braskem emitiu US$ 500 milhões em bônus de 30 anos e alongou o prazo médio de sua dívida para 12 anos – ou 17 anos para os compromissos apenas em dólar. Ao final de setembro, foi anunciada a conclusão da aquisição dos negócios de polipropileno da Dow Chemical, divulgada no final de julho. Com a compra, a Braskem torna-se líder em polipropileno nos EUA. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 23


Expansão

Innova anuncia aumento da capacidade de estireno e prevê inicio das operações da primeira planta para o segundo semestre de 2014.

C

om os olhos voltados para 2015, a companhia Innova aumentará a capacidade de produção de estireno no polo petroquímico de Triunfo, passando das atuais 260 mil toneladas ao ano, para 520 mil toneladas anuais. Conforme divulgado na mídia, o aporte inicial nessa etapa será de US$ 250 milhões. Em um segundo momento, confirmando-se as perspectivas de crescimento do mercado, a empresa planeja realizar outro investimento similar para incrementar ainda mais sua capacidade produtiva. A perspectiva é de que a primeira planta comece as operações a partir do segundo semestre de 2014. “Vislumbramos um crescimento de mercado a partir de 2015 e deverá haver espaço para uma nova unidade”, relata a diretora-superintendente da Innova, Margareth Feijó Brunnet. O estireno é base para as resinas acrílicas, que servem para a produção de tintas acrílicas, resina poliéster utilizada no revestimento de piscinas, produção de borracha sintética, isopor, entre outros produtos. O insumo também é usado para a fabricação de poliestireno, aplicado, por exemplo, no revestimento de geladeiras, equipamentos eletroportáteis, gabinete de televisores, indústria de móveis e construção civil.

24 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

DIVULGAÇÃO

Produção de estireno será duplicada em Triunfo

Conforme Margareth, o início das obras da primeira unidade se dará assim que forem fechadas questões como a negociação de matéria-prima e os licenciamentos ambientais. Ela adianta que a Innova está desenvolvendo tratativas para que companhias que consomem seus produtos instalem-se no Rio Grande do Sul. Nesse sentido, o secretário estadual de Desenvolvimento e Promoção do Investimento, Mauro Knijnik, revela que já existem conversas com empresas do setor para atraí-las para o Estado. Contudo, ele prefere aguardar a definição dos grupos para divulgar os nomes. Quanto ao empreendimento da Innova, Knijnik detalha que o projeto contará com os incentivos previstos no Fundopem. O presidente da Agência de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), Marcus Coester, salienta que o complexo da Innova contribuirá para a consolidação do segmento petroquímico no Rio Grande do Sul. Ele reitera que o aumento de oferta de matéria-prima permitirá a ampliação de outras companhias do setor no Estado. Já a Petrobras informa que a duplicação da Innova é o segundo maior investimento da estatal no setor petroquímico. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 25


Resinas lideram as exportações em outubro Déficit em produtos químicos atinge recorde de US$ 25,5 bilhões.

O

déficit na balança comercial de produtos químicos, nos últimos 12 meses, até outubro, alcançou US$ 25,5 bilhões. O valor é recorde histórico. De novembro de 2010 a outubro deste ano, o Brasil importou US$ 41,1 bilhões em produtos químicos e exportou US$ 15,6 bilhões. Na comparação com os 12 meses anteriores (novembro de 2009 a outubro de 2010), as importações cresceram 27,4% e as exportações tiveram incremento de 24%. Em outubro, especificamente, fo-

26 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

ram importados US$ 3,6 bilhões em produtos químicos, valor 12,1% superior ao registrado no mesmo mês de 2010. As exportações, de US$ 1,3 bilhão, cresceram 18%, na mesma comparação. Frente a setembro deste ano, as importações recuaram 9,2% e as exportações declinaram 14,9%. No acumulado até outubro, as importações somaram US$ 34,9 bilhões e as exportações chegaram a US$ 13,2 bilhões. Em relação ao mesmo período de 2010, as compras externas cresceram 26,7% e as exportações aumentaram 24,1%. As importações de produtos químicos representaram 18,7% de todas as compras externas realizadas pelo País e 6,2% do total exportado. As resinas termoplásticas, com ven-

das de US$ 2 bilhões, foram os produtos químicos mais exportados pelo País, até outubro. Em relação ao mesmo período de 2010, as vendas externas de resinas cresceram 38,3%. As importações de resinas termoplásticas, no mesmo período, alcançaram US$ 3,6 bilhões, o que representa aumento de 34,4%, na mesma comparação. Os intermediários para fertilizantes permaneceram como o principal item da pauta de importações químicas. De janeiro a outubro, as compras desses produtos somaram US$ 7 bilhões, valor 80,4% superior ao de igual período de 2010. Os intermediários para fertilizantes responderam por 20% do total das importações de produtos químicos realizadas pelo Brasil de janeiro a outubro. PS

DIVULGAÇÃO

Balanço


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 27


Pré-Sal

SC mobiliza-se para receber investimentos

O

s US$ 55 bilhões que a Petrobras investirá no pré-sal até 2015 abrem a oportunidade para a indústria catarinense ser fornecedora dos 350 mil itens que a cadeia petrolífera demandará. Durante seminário realizado na Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), o diretor financeiro e de relações com investidores da Petrobras, Almir Guilherme Barbassa, afirmou que estão em fase de construção 19 plataformas que terão de 60% a 70% de conteúdo nacional. Até 2020 serão mais 35 plataformas que equipadas custam entre US$ 5 e 6 bilhões cada uma, disse ele. Barbassa, que ministrou o primeiro painel do evento disse que a estatal está solicitando que todos os fornecedores incluam nos seus bens e serviços uma quantidade de produto nacional. Também está em desenvolvimento programas para facilitar o crédito e permitir que quem esteja fornecendo até o quarto elo da ca-

28 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

deia possa ter acesso com custo menor. “Temos no pré-sal a grande alavanca. É uma demanda que estará presente por até 30 anos. O empresário quando faz investimento não é para curto prazo”, salientou ele, destacando que a demanda é consistente, de longo prazo e com escala. “Estamos falando de um programa real”, reforçou. Em seu discurso na abertura do seminário, o presidente do Sistema FIESC, Glauco José Côrte, afirmou que Santa Catarina tem uma indústria atualizada, diversificada e preparada para atender essa demanda. Ele lembrou que dentro dos 350 mil itens estão produtos que vão do setor de alimentos até o metalmecânico. “Temos uma cadeia de oportunidades. Vamos fazer um grande esforço para estar presente nessa fase admirável de investimentos no país”, afirmou Côrte. Ele chamou a atenção para os 200 mil novos empregos que a Petrobras vai criar até 2015 e ressaltou que o Sistema

FIESC, por meio do SENAI e do SESI, quer investir na formação da força de trabalho. “Estamos nos preparando para qualificar o jovem catarinense”, disse. Para o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann, um dos grandes desafios do pré-sal na fase atual é encerrar as discussões do projeto de lei dos royalties, que está no Congresso Nacional. “Com a regularização do aspecto dos royalties se completará o marco regulatório com relação ao pré-sal e será possível fazer as primeiras licitações no regime de partilha de produção”, disse ele. Durante o seminário, o secretário afirmou que na década de 80 o Brasil era o segundo maior produtor naval e depois essa indústria praticamente desapareceu, mas a partir de 2003 começou a ser revitalizada. Para Zimmermann, “Santa Catarina deve e muito se mobilizar para participar do programa de desenvolvimento da indústria local”. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 29


DESTAQUE Injetoras

Por Gilmar Bitencourt Mercado em alta exige máquinas que ofereçam redução de custos, alta produtividade e que agreguem valor às peças injetadas

30 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>


Ao mesmo tempo, volta à tona a discussão sobre o custo x benefício na comparação entre elétricas e hidráulicas.

DIVULGAÇÃO

Mercado brasileiro em expansão movimenta indústria de máquinas

C

onsiderado um dos principais processos de fabricação de peças plásticas, a injeção está em pleno crescimento tanto em volume de negócios como na sua participação na indústria da terceira geração.Um conjunto de fatores tem colaborado para o bom desempenho do segmento, entre eles o aquecimento da economia nacional e o aumento da participação do plástico em vários setores, substituindo outros materiais, como ocorre na indústria automotiva. A cada novo projeto de automóvel cresce o volume de peças plásticas embarcadas nos veículos. Outro fator importante que tem movimentado a indústria de máquinas é a renovação do parque industrial dos transformadores brasileiros. Conforme informações da Pavan Zanetti, o Brasil tem aproximadamente 30 mil injetoras em funcionamento e em torno de 65% destas máquinas tem mais de 10 anos de uso. Diante deste quadro e da necessidade dos transformadores de investir em novos equipamentos para ampliar e aprimorar o processo produtivo, os fornecedores de injetoras classificam o Brasil como um grande mercado. Isso inclusive tem atraído fabricantes de várias partes do mundo, ampliando a concorrência com as empresas nacionais. E uma das principais exigências do mercado é a redução do consumo de energia. A procura por máquinas com eficiência energética tem sido a tônica do setor.

Mas os fabricantes comentam que, apesar da tecnologia, o equipamento tem que ter preço competitivo, o que ainda é um fator determinante na maioria das vendas.

Ao analisar o segmento de injeção de plásticos, o diretor de comercialização da Pavan Zanetti, Newton Zanetti, comenta que o setor é sem dúvida um dos grandes motores entre os processos de transformação de materiais plásticos no mundo. Para respaldar a sua afirmação, o executivo destaca a grande participação de máquinas para este processo de moldagem nas feiras e exposições. “Atualmente, de 16 a 18 % de toda resina transformada no Brasil é pelo processo de injeção”, observa. Além do grande potencial do segmento, Zanetti também chama a atenção para a nova ordem do mercado de injeção, que é a redução do consumo de energia por kg de material transformado. Segundo

Atualmente, de 16 a 18 % de toda resina transformada no Brasil é pelo processo de injeção

ele, as barreiras de qualidade e a questão da repetibilidade já foram vencidas. “Agora vem a eficiência energética”, observa o diretor. Neste contexto, ao falar sobre as tendências de equipamentos, o Zanetti divide o setor de injeção no Brasil em duas grandes fatias, de uso geral e de especialidades. “Veja o exemplo mais comum da especialidade, o caso de pré-formas de PET, é hoje uma área em constante evolução nas grandes quantidades, redução de custos com automação”. No caso do uso geral ele comenta que a exigência é de “máquinas econômicas, robustas, com suporte garantido de assistência técnica e alta confiabilidade”. Ainda falando em tendências no país, na disputa com as hidráulicas, as injeto- >>>> << Outubro de 2011 < Plástico Sul < 31


Entre as características da Série Meglio, da Sandretto, está a grande passagem entre colunas e a mecânica robusta

ras elétricas estão longe de vencer este jogo, mesmo que um dos seus principais diferenciais seja a economia de energia. Conforme Zanetti, a cultura brasileira ainda está na máquina hidráulica. Ele fala que o número de máquinas elétricas no mercado brasileiro vem aumentando, mas em relação à economia de energia houve uma evolução muito grande das máquinas hidráulicas que estão apresentando um consumo energético muito próximo das elétricas e com custo menor. “Da bomba de vazão fixa à servo bomba, disponível hoje, a redução de consumo energético pode chegar aos 40, 50% dependendo do modelo e aplicação”, acrescenta. O executivo crê que as máquinas equipadas com servo bomba “ou algo similar” devem ganhar o mercado antes da totalmente elétricas. “Servo bomba com plastificação elétrica reduzindo ainda mais o consumo energético das máquinas hidráulicas”. Conforme o diretor, na atual conjuntura de mercado, as necessidades dos transformadores vão além de máquinas. “Entendemos na Pavan Zanetti que a máquina deve ser um produto ampliado, ou seja, máquinas e serviços”. Para atender este objetivo a empresa está investindo R$ 15.000.000,00 em uma nova fábrica, com 13.200 m2 “e pessoas que farão a diferença entre as injetoras e os commodities”, acrescenta. Ainda de acordo com o executivo o parque industrial brasileiro está em fase de renovação, mas além de novos equipamentos, os transformadores brasileiros sofrem com a falta de mão de obra especializada. Segundo ele, esta é mais uma razão para que o fabricante de máquinas se empenhe em ministrar o treinamento para seus clientes.. Para o fechamento de 2011 a empresa prevê uma performance semelhante a do ano passado, que foi considerado pela Pavan Zanetti um dos melhores períodos nas vendas de máquinas. “Não acreditamos ultrapassar esse valor esse ano, mas seguramente será maior do que em 2009”, observa o diretor. Para 2012 a meta é de crescer 20%, “pois o mercado brasileiro tem condições e necessidade de trocar 32 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

DIVULGAÇÃO

DESTAQUE Injetoras

máquinas antigas, inseguras e improdutivas para os modelos que fornecemos. O mais recente lançamento da empresa é a Série J5, composta por máquinas equipadas com servo bomba. Zanetti destaca que as injetoras produzidas pela empresa contam com tecnologia de ponta disponível no mercado, tanto as máquinas com bomba fixa como de bomba variável e máquinas com servo bomba (Sunitono, made in Japan). “Desta forma temos condições tecnológicas idênticas a máquinas do mundo todo, com injetoras de 58 a 2.200 toneladas de força de fechamento”, salienta.

O gerente de negócios da Husky, Paulo Carmo comenta sobre a mudança de perfil do setor de injeção de plásticos no país, que de uns anos para cá teve o ingresso de empresas multinacionais, através de aquisições de companhias nacionais ou por instalação de operações locais. “Em outras palavras, o mercado de injeção de plásticos no Brasil segue o quadro geral da indústria no país”, resume o executivo. Segundo Carmo, a entrada de competidores globais, somado a elevação de exigências por parte dos clientes finais, estes muitas vezes grandes players mundiais, tem acirrado a competitividade do setor. Neste cenário, a indústria da terceira geração tem que buscar reduções de custos e incrementos de produtividade, para garantir a sua participação no mercado. “Este ambiente competitivo é o mesmo que se observa em mercados mais

maduros, ou seja, estamos em sintonia em termos de exigência em relação à Europa e América do Norte”, acrescenta. Porém o gerente destaca que existem no Brasil muitas similaridades com a América do Norte em termos de volumes e distâncias de distribuição, “mas ao mesmo tempo também existe em nosso país o interesse pelo design europeu para os produtos injetados”, salienta. Neste ambiente competitivo, o gerente comenta que é possível observar que os transformadores começam a se voltar para atributos de qualidade, confiabilidade, velocidade, precisão e eficiência dos equipamentos, embora o quesito investimento inicial ainda tenha um peso considerável. Entretanto ele observa que o fator investimento preço tende a ser menos impactante na hora da compra, quando o convertedor já teve acesso a tecnologias de transformação mais avançadas e já reconhece seus benefícios. Além disso, Carmo frisa que outro ponto determinante é a confiabilidade do equipamento, seja pela capacidade de serviço do fornecedor ou pela busca por células integradas de produção, compostas por injetora, molde, câmara quente, periféricos e automação pós-moldagem. “A escolha por uma solução com um só fornecedor concentra a responsabilidade e permite a otimização da célula de produção”, reforça o executivo. Conforme o gerente uma tendência que se percebe no mercado é o crescimento das injetoras com tecnologia elétrica e híbrida (acionamentos elétricos e hidráulicos) em relação às máquinas pu-


ramente hidráulicas. Carmo diz que estas novas tecnologias são complementares e apresentam vantagens mais ou menos perceptíveis conforme a aplicação. Segundo ele a melhor metodologia de decisão deve levar em conta a peça que será produzida, os volumes requeridos de produção e qualquer demanda especial no projeto da peça. “A decisão da tecnologia da injetora deve se basear num critério muito mais amplo do que simplesmente o investimento inicial ou uma potencial economia de energia. Uma decisão baseada em qualquer destes conceitos pode parecer vantajosa no curto prazo, mas não interessante no longo prazo”, orienta. A Husky oferece ao mercado injetoras híbridas com força de fechamento entre 90 e 1000 ton e máquinas elétricas com força de fechamento entre 80 e 350 ton.

A Sandretto também confirma que o setor de injeção de plásticos é um mercado em expansão. Segundo o gerente de Marketing da empresa, Gilberto

Baksa Júnior, demanda por novos produtos, mudanças de design e novas aplicações têm impulsionado o segmento. “Comparado aos grandes centros mundiais é claro que temos sempre a crescer, porém no que diz respeito a tecnologias o mercado nacional ainda busca por soluções de automação”, acrescenta. O gerente fala que as vertentes da injeção são diversas, mas há uma forte tendência ao mercado automotivo, que busca sempre pela melhoria continua de seus produtos e processos, redução de custos, aumento da produtividade e qualidade. O executivo comenta que a máquina injetora define as melhorias nos quesitos ciclo, repetibilidade, qualidade, peso do produto final, economia de energia, entre outros. “Estes quesitos se atendidos pelos equipamentos são os diferenciais determinantes para a venda de uma nova máquina”, salienta. Na disputa entre as máquinas elétricas e hidráulicas, Baksa comenta que a injetora elétrica possui um custo eleva-

do de investimento inicial e nem sempre representa o ganho que o cliente poderia recuperar no tempo de vida do produto. “Já é conhecido por muitos que esta linha de equipamento economiza muita energia elétrica, porém em relações as máquinas hidráulicas com servo-motor, estes valores representam um percentual menor”, observa. A Sadretto do Brasil não possui uma linha totalmente elétrica, mas disponibiliza uma linha com servo-motor, “a Série ecológica, que atualmente tem superado as expectativas no que diz respeito a consumo de energia elétrica”, destaca o gerente. Conforme Baksa, a Sandretto do Brasil possui mais de 4500 máquinas no mercado nacional e desde 1989 tem produzido os equipamentos nacionalmente. A última novidade da empresa para o setor é Série Meglio, “que hoje reúne o que a Sandretto tem de melhor em apenas um equipamento, com grande passagem entre colunas, movimentos orientados por guias lineares, hidráulica precisa, rápida e repetiti- >>>>

<< Outubro de 2011 < Plástico Sul < 33


DIVULGAÇÃO

DESTAQUE Injetoras

va, mecânica robusta”, salienta. Entre os diferenciais do equipamento ele também cita a grande flexibilidade na aplicação em diversos segmentos, além de oferecer uma linha completa de soluções de processamento de qualquer tipo de produtos ou materias plásticos.

Com aproximadamente 4.500 máquinas injetoras horizontais instaladas no país, a FCS comenta que o mercado de injeção teve um bom desempenho no primeiro semestre de 2011. Na segunda metade do ano a empresa destaca que houve uma pequena queda nas vendas, mas o ritmo foi retomado a partir de outubro. Em 2010, a companhia registrou um crescimento de 14%, comparando com o ano anterior. Segundo o gerente comercial da FCS, Jonas Vogel, atualmente o Brasil se encontra em uma situação bem mais confortável do que a Europa e América do Norte. Se a economia do país se mantiver neste patamar, o gerente acredita que o mercado nacional deva fechar o ano “muito bem”. Ele destaca que o bom desempenho da indústria automotiva e de outros setores produtivos está impactando positivamente a economia do país. O aquecimento do mercado nacional e a valorização do real ampliaram a competitividade no setor de transformação de plásticos, motivado principalmente pela entrada de produtos importados. Neste sentido, Vogel fala que uma das principais exigências dos convertedores é o preço, devido à invasão de produtos chineses. Mas ele alerta sobre os riscos 34 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

de trabalhar só com a questão de valores, “devemos tomar cuidado para que o mercado não se nivele por baixo”. O executivo conta que uma das estratégias adotadas é oferecer a melhor relação custo benefício, “ter o melhor equipamento em tecnologia e oferecer o melhor apoio técnico aos nossos parceiros”. Referente às injetoras elétricas, Vogel comenta que há muito tempo estas máquinas são amplamente utilizadas nos países de maior poder aquisitivos. “Essa tecnologia vem crescendo em nosso país, porém depende muito da condição em que se encontra a empresa, pois esses produtos exigem um nível mais refinado de manutenção e processo”, observa. Para atender a demanda do mercado a FCS conta em seu portfólio com injetora hidráulicas, elétricas e híbridas, que combinam os dois sitemas. “Temos por princípio adequar o melhor produto para o processo do cliente, evitando gastos desnecessários”, salienta o gerente. Entre as últimas novidades da FCS, o executivo destaca a linha de injetoras da Série K, “com maior curso de abertura, comando automata e tecnologia de ponta”. Vogel salienta que essa máquina pode ser montada de acordo com as exigências técnicas do cliente, “ou seja, não são máquinas de prateleira e sim produtos para fornecer o maior desempenho”, acrescenta.

O diretor da Arburg no Brasil,

Kai Wender, faz coro com os demais produtores de máquinas ao afirmar que o mercado brasileiro de injeção de plásticos está em crescimento nos últimos anos devido

Allrounder, da Arburg, possui moldagem por injeção de múltiplos componentes e precisão em série

ao aumento da demanda interna. Mas ao mesmo tempo em que destaca que a economia do país está puxando as vendas do setor, ele salienta a dificuldade enfrentada pelas empresas na área de exportação. Wender aponta a questão do câmbio como uma das principais responsáveis pela perda da competitividade global das nossas indústrias.Outra constatação do executivo é referente a mudança de comportamento na área de injeção. Segundo ele, os transformadores passaram a investir mais em processos de automação na área de injeção, principalmente para driblar o alto custo da mão de obra qualificada, que está cada vez mais escassa. “É uma tendência criar pequenas células que trabalhem sem operadores e com autonomia. Nestas células são necessários equipamentos confiáveis, com funções de auto correção e integração dos periféricos no comando central da máquina”, comenta. Ainda falando sobre tendências, o diretor destaca que o número de injetoras elétricas no país ainda é pouco expressivo. “Conquistaram apenas uma pequena fatia do mercado nos últimos anos”, observa. Como são máquinas que exigem grandes investimentos, Wender comenta que não compensa optar pelo equipamento apenas pela questão da redução de consumo de energia. “A principal vantagem das máquinas elétricas ou híbridas é o potencial no aumento de produtividade e repetibilidade e a qualidade do produto injetado”, acrescenta. Ele explica que atualmente as máquinas com comando hidráulico ou híbrido contam com sistemas de regulagem sofisticados, que permitem a redução do consumo de energia, chegando próximo ou igual das injetoras totalmente elétricas. Sem em entrar em detalhes sobre números, o diretor da Arburg salienta que a empresa tem uma situação de vendas de máquinas estável nos últimos cinco anos, “estamos esperando um leve crescimento nos próximos anos”, informa. Atualmente a empresa alemã tem 850 máquinas instaladas no Brasil. Neste ano a Arburg lançou uma nova linha de máquinas elétricas, a Edrive, indicada para produção de peças técnicas. Se-


DIVULGAÇÃO

Em seu quarto ano de atividade, BPS conta com aproximadamente 200 máquinas instaladas no país

gundo Wender o lançamento complementa a linha Alldrive, composta por máquinas elétricas de alta performance, para ciclos rápidos. Na área de automação a empresa lançou o Multilift V select, um robô com três servo-eixos totalmente integrado no comando da injetora, que permite até fazer movimentos simultâneos do robô com a injetora, “todo programado via o comando Selogica”, complementa.

Em uma análise do mercado

de injeção de plásticos o gerente de vendas da Starmach, Samuel Vogel fala que o setor está em franca expansão. “Verificamos muitas empresas com investimentos em aquisição ou renovação de injetoras no país”, comenta. O executivo também observa que em comparação com outros centros mundiais, o Brasil ainda tem um

parque industrial muito defasado. Além disso, ele destaca que as indústrias nacionais investem pouco em periféricos, que otimizam o processo ou em “injetoras com qualidade diferenciada”. Vogel salienta que o mercado de plásticos vem crescendo em vários segmentos, mas observa que os transformadores que optarem por injeção de peças com design diferenciado, trazendo inovação para o consumidor, devem ter um retorno mais rápido. Ele comenta que o setor de peças plásticas comuns e de preço baixo encontra uma grande concorrência, muitas vezes desleal entre os fabricantes. “E para se diferenciar é preciso cada vez mais de injetoras com maior tecnologia”, complementa. Porém na hora do investimento em novas máquinas, o gerente comenta que itens como ciclo rápido, que permitem otimizar a produção, baixo consumo de energia e assistência técnica, pesam na decisão dos transformadores, mas nem sempre são determinantes. Vogel diz que existem muitas empresas interessadas em

Injetoras da Starmach contam com motor Siemens e comando Automata

preço. “Creio que componentes diferenciados, como é caso da Starmach, aliado a um CLP com o máximo de recursos disponíveis hoje, vão proporcionar um ciclo de injeção totalmente eficaz, com repetibilidade, a um preço justo”, comenta. A Starmach é uma empresa nova no mercado, mas de acordo com o Vogel, “vem apresentando níveis de crescimento surpreendente”. O executivo informa que o sucesso da empresa se deve principalmente a qualidade do seus equipamentos. Ele informa que a empresa desde o início de seu projeto optou por produzir máquinas com uma robustez em sua estrutura, colunas e placas . “A nossa máquina foi montada em cima de padrões europeus de engenharia”, salienta. As injetoras da empresa contam com motor Siemens, bomba variável ou servo-motor Rexroth Bosch, válvulas Festo, motor de dosagem Danfos, e comando Automata, “que estamos na 25ª edição de programa, que hoje proporciona o máximo em recursos para um processo diferenciado, como injeção sequencial, controle deaté 10 fases de injeção por tempo ou posição, entre outro”, conclui.

Segundo o diretor comercial

da BPS, Venceslau Salmeron, a indústria de transformação de plásticos sempre foi composta por muitos fabricantes de injetados nos diversos segmentos. O executivo comenta também que o setor cresce a cada ano, principalmente pelo aumento da utilização do plástico em substituição de outros materiais. Para ele o parque industrial do setor também está passando por uma renovação, mas o processo ainda é lento. “Há poucos anos atrás o segmento era composto por injetoras que chegavam à média de 20 a 25 anos de trabalho.Conseguimos baixar uns cinco anos nesta defasagem, mesmo assim ainda temos equipamentos com 15 a 20 anos, o que é uma quantidade muito significativa”, salienta. Salmeron observa que a tendência do setor é de continuar investindo em máquinas e moldes de novos produtos, substituindo gradativamente os equipamentos >>>> << Outubro de 2011 < Plástico Sul < 35


mais antigos. Mas ele comenta que a procura ainda é por valor. “Como comercializamos máquinas asiáticas de Taiwan e da China (Jon Wai e Tederic ) o sentimento em concorrências com máquinas o primeiro quesito ainda é o preço”, informa. Porém, segundo ele, atualmente os clientes já estão valorizando o pósvenda, a boa assistência técnica e também a configuração dos equipamentos, “as vezes descartando máquinas com componentes de segunda ou até terceira linha”. Quanto às máquinas elétricas, o diretor explica que estas injetoras ainda não têm a relação custo beneficio atrativa ao ponto de dar grande um salto em sua participação, tanto no Brasil como no exterior. Ele conta que uma prática que está sendo adotada com boa aceitação no setor, são as máquinas com servo motor e driver no motor principal e até no secundário dependendo do equipamento. “Todas as máquinas que colocamos no mercado este ano são dotadas de servo e driver, de origem européia, principalmente Rexroth (Alemanha). Diferencial significativo frente aos concorrentes, e garantia de 70% de economia em relação às máquinas com bomba de vazão fixa e 35 a 40% em relação as de bomba de vazão variável, mesmo em ciclos bem rápidos”, destaca. A BPS lançou em 2011 a linha Tederic M. As injetoras da série são dotadas de conjunto de injeção monobloco com um pistão central que atua na dosagem e na injeção, todas dotadas de servo motor. A empresa está no seu quarto ano de atividade e conta com aproximadamente 200 máquinas instaladas no país.

“O mercado está em alta”. A afirmação do gerente de marketing da Deb’Maq, Eduardo Trevisan resume o sentimento das indústrias e fornecedores de máquinas para injeção de plásticos no país. O executivo fala que o desempenho do setor reflete o bom momento da economia nacional. “Percebe-se uma preocupação dos clientes em aproveitar bem essa fase e realizar novos investimentos”, afirma. O executivo acrescenta que 36 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

DIVULGAÇÃO

DESTAQUE Injetoras

Trevisan, da Debmaq: empresa está investindo fortemente na estrutura técnica e na produção de máquinas

a indústria tem renovado o seu parque industrial e pode-se afirmar “que estamos em um nível tecnológico excelente com tendências inclusive de otimização de produção mediante muita automatização”, complementa. Atenta à boa fase que as indústrias do país está passando, a Deb’Maq está investindo fortemente na estrutura técnica e na produção de máquinas. Segundo o gerente, a empresa conta com dezenas de injetoras a pronta entrega na fábrica, localizada em Camanducaia (MG). O estoque conta com injetoras de 90 a 1250 toneladas. A área técnica, oferece assistência por pessoal qualificado e reposição de peças. No segmento comercial, “Temos uma equipe de vendedores em praticamente todos os estados do país e contamos com uma estrutura adequada para atender nosso grande mercado”, informa. A expec-

tativa da empresa é de encerrar o ano com um crescimento na ordem de 30% a 40%, comparado a 2010. Trevisan destaca que existe um otimismo no país na maioria dos ramos de atividade, neste sentido o mercado do plástico tende a ser impulsionado por segmentos representativos como a indústria automobilística e da construção. Isso deve promover a busca de tecnologia avançada de produção, a altura dos grandes centros mundiais. Para atender esta tendência os fornecedores de equipamentos têm que estar atentos as necessidades e exigências dos transformadores de plástico, que de acordo com o gerente são bem variadas. Ele explica que podem ser de ordem produtiva com máquinas de ciclos rápidos, como tecnológica com máquinas de alta repetibilidade , ou até econômica com máquinas equipadas com inversor de frequência de servo-motor.” Claro que o preço dos equipamentos pesam muito na hora de negociar assim como principalmente a disponibilidade rápida das máquinas e da assistência técnica a altura”, complementa. Com o objetivo de atender esta demanda a Deb’Maq está apostando na máquinas injetoras de baixo consumo (servo-motor), que de acordo com Trevisan possibilitam uma economia de 40% a 70%, no consumo de energia . O gerente diz que há de fato uma preocupação em economizar energia elétrica, sendo que a nossa é uma das mais caras do mundo. A atual tendência no Brasil para enfrentar essa realidade é de investir em máquinas injetoras com bomba de vazão variável ou equipadas de Servo-motor e inversor de frequência, “sendo que a alternativa da aquisição de injetora elétrica continua sendo onerosa”, comenta.

Melissa Casali, diretora da Steelmach fala que vários acontecimentos estão favorecendo o crescimento da indústria de transformação de plásticos, em especial, o setor de injeção, que “tem apresentando crescimento desde a enxurrada de máquinas chinesas no Brasil”.


DIVULGAÇÃO

Além disso, observa que existem muitos processos que devem ser substituídos pelo plástico e “muita tecnologia ainda será importada ao Brasil”. Em paralelo, comenta que todos os demais setores da indústria têm se beneficiado com a ascensão e imagem positiva que o Brasil tem frente aos demais países do mundo. “No ano passado, ficamos em quinto lugar entre os países que mais receberam investimentos estrangeiros diretos”, destaca. Ela acrescenta que existe um grupo

especial de estrangeiros querendo aportar aqui no país, a partir de 2012, como os asiáticos: XCMG, Hyundai, Suzuki, Chery e Lifan, Sumitomo Rubber, Toyota, entre outros. “O mercado já está se preparando para receber essa demanda e todos os setores estarão em crescimento, embora tenhamos passado por uma crise recente”, complementa. Para a diretora o mercado do plástico tem grandes particularidades, dentre elas o dinamismo com que os negócios acon-

Máquina da Steelmach, que planeja um crescimento de 100% no ano de 2012

tecem e a principal exigência do cliente na hora da compra é a relação custo benefício. “Obviamente que o preço também é fator importante, mas não decisivo na hora de fechar um negócio. O pós-venda também é fundamental”, salienta. E como tendência do segmento de transformação por injeção, ela destaca as máquinas ecologicamente corretas, híbridas ou 100% elétricas. Estas injetoras apresentam baixo consumo de energia, são livres de óleo e refrigeração do mesmo, “tudo graças ao acionamento por servo motor que substitui os motores hidráulicos, responsáveis pelos movimentos de abertura, fechamento e injeção”, explica. Apesar da opção pela grande maioria dos transformadores brasileiros pelas máquinas hidráulicas, este panorama deve sofrer mudanças de acordo com a executi- >>>>

<< Outubro de 2011 < Plástico Sul < 37


DESTAQUE Injetoras Meggaplástico salienta a globalização como um dos fatores que trouxeram expansão ao mercado nacional

A evolução do mercado de injeção também foi destacada pelo o gerente comercial da Milacron, Hercules Piazzo. Ele fala que atualmente muitos transformadores já contam em seu parque fabril com equipamentos de primeira linha, com 38 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

FOTOS: DIVULGAÇÃO

va. Ela estima que 75% do mercado é de equipamentos hidráulicos. A executiva explica que o custo da energia elétrica, aliado a crescente influência da questão ambiental e da necessidade de diminuir os contaminantes em operações de salas limpas, além da constante melhoria de ciclos das peças injetadas, vem aumentando a procura e interesse dos clientes pelas máquinas elétricas. A Steelmach está trabalhando no planejamento de 2012 e as expectativas da empresa, frente ao contexto atual é de que o crescimento seja de 100%. “Em 2010, fechamos o ano com 72 máquinas e até outubro de 2011 já estávamos com 82 equipamentos vendidos”, informa a diretora da companhia. Com 192 máquinas instaladas nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Ceará, no ano que vem a empresa vai disponibilizar ao mercado quatro séries de máquinas chinesas Rhino, como a Classic, que compreende as máquinas injetoras de bomba fixa, e Classic Eco, que são máquinas com servo motor acoplado a bomba hidráulica, que auxilia na redução de consumo de energia em até 50%.

dade, confiabilidade, baixos níveis de manutenção e de ruída, alta velocidade dos movimentos, entre outros. “Atualmente, com o aumento da escala fabril, os preços de elétricas e hidráulicas estão muito próximos, ao menos para equipamentos produzidos pela Milacron”, comenta. A Milacron possui mais de 720 unidades instaladas no mercado Brasileiro. Atua em vários estados do país, principalmente na região Sudeste. Para 2011, o gerente informa que a empresa deve fechar o ano com um crescimento em torno de 5% a 8% superior ao registrado em 2010. A previsão acima está baseada no aquecimento do mercado e nas inovações apresentadas pela empresa, como o aperfeiçoamento da linha de injetoras elétricas Powerline.

Piazzo, da Milacron, destaca a necessidade da aquisição de máquinas para aumento de competitividade

alta tecnologia incorporada, “oriundos dos EUA, Japão e Europa”. O gerente comenta que este processo renovação de máquinas e equipamentos vem de encontro com as necessidades atuais da indústria da terceira geração, de se tornar mais competitiva para enfrentar a grande concorrência internacional. Porém ele fala que a maioria das empresas do setor ainda conta com máquinas antigas e defasadas. Diante desta procura por novas tecnologias, Piazzo acredita que deve aumentar a procura por máquinas injetoras totalmente elétricas. Segundo ele a empresa já vende mais elétricas do que hidráulicas. Ele justifica que o equipamento prima pela economia de energia, além de oferecer outros benefícios como precisão, repetibili-

A Meggaplástico, empresa do Grupo MEGGA, destaca o crescimento do mercado de injeção, mas salienta uma nova característica do setor, que tem buscado máquinas de maior porte, na faixa de 350 a 1000 ton. De acordo com a empresa, isto ocorre devido a um mercado cada vez mais globalizado e a entrada de equipamentos asiáticos que tornou mais acessível para os transformadores a aquisição de injetoras de todos os portes. “Ficamos contentes por saber que fazemos parte deste avanço”, comenta. Falando sobre tendências do setor, a companhia destaca que a redução do consumo de energia é uma das principais exigências das empresas. Acrescenta que a maioria das indústrias da terceira geração querem adquirir equipamentos com alta tecnologia agregada, com valores menores e que consumam menos energia. “Com a chegada no Brasil, das injetoras equipadas com servo motor, tecnologia que economiza até 80% de energia, reduzir custos com a conta de luz ficou ao alcance de todos”, salienta a Meggaplástico. Outra tendência evidenciada pela empresa é o aumento de investimentos na automatização. “Além dos custos no passado serem altos para >>>>


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 39


este tipo de investimento, muitas injetoras não dispunham de espera para periféricos mais técnicos. Hoje, temos uma realidade totalmente diferente”, acrescenta. Assim como aumentaram os transformadores por injeção, houve um aumento no número de empresas que comercializam injetoras e periféricos. Isso tornou os transformadores mais exigentes, que além de produtos de qualidade, querem um atendimento mais personalizado. “Quando falamos de bom atendimento, não estamos nos referindo apenas no pós-vendas, mas principalmente no processo de venda”, frisa.

Para o gerente geral da Sumitomo Demag do Brasil, Christoph Rieker, o setor de injeção é o elo mais importante na cadeia de transformação de plásticos, representando mais de 60% do total de maquinas instaladas no país. Destaca que vários fatores estão colaborando para o crescimento do setor, como o aumento da quantidade de peças plásticas nos

40 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

DIVULGAÇÃO

DESTAQUE Injetoras

Christoph Rieker: “setor de injeção é o elo mais importante na cadeia do plástico”

automóveis em substituição de itens metálicos. Na área de embalagens, o gerente comenta que novas embalagens estão sendo produzidas com máquinas de ciclo rápido em substituição ao processo realizado por extrusão e termoformagem. Falando em investimentos, Rieker acredita que deva crescer o número de injetoras elétricas no país. Segundo ele,

hoje no Brasil a quantidade de máquinas elétricas vendidas versus máquina hidráulicas ainda é baixa, “não deve chegar a 10% do total de máquinas, mas este percentual vem crescendo de forma constante o que nos deixa bem otimistas”, observa. Para exemplifica o potencial deste mercado no país, o executivo faz uma comparação com o mercado japonês onde as injetora elétricas já absorvem 50% do segmento. “Certamente o alto custo da energia elétrica influencia e puxará cada vez mais este crescimento”, prevê. A Sumitomo Demag do Brasil prevê um crescimento em de 32%, para o fechamento de 2011, em comparação com o ano. De acordo com o gerente da indústria,“os últimos lançamentos da empresa estão focados em maquinas de ciclo rápido, na série El-Exis e no segmento de máquinas elétricas, com desenvolvimento em equipamentos cada vez mais econômicos, eficientes e precisas”, informa Rieker. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 41


Máquinas

Faturamento cai e déficit continua em plena ascensão Previsão é que o déficit ultrapasse os US$ 18,0 bilhões no fechamento de 2011, superando o recorde já alcançado no ano anterior.

A

Associação Brasileira da Indústria de Máquinas (ABIMAQ), divulgou dados do setor de bens de capital referente ao mês de Outubro. Seguindo o comportamento verificado em anos anteriores, o faturamento bruto real da indústria de bens de capital mecânicos registrou, no mês de outubro, queda de 5,8% comparado com o mês anterior. O faturamento acumulado de janeiro a outubro de 2011, alcançou o resultado de R$ 67.513 bilhões, o que representa um crescimento de 11,2% na comparação com o mesmo período de 2010, não obstante esse crescimento significativo se dá sobre uma base de comparação baixa, aquém do resultado obtido em 2008. Os setores de máquinas têxteis e válvulas tem se mostrado cada vez mais preocupante, o faturamento desses setores em 2011 ficou -48,2% e -20,8% abaixo dos valores verificados em 2010, respectivamente.Os resultados positivos foram destaques do setor de máquinas

42 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

agrícolas e bens sob encomenda, os quais têm importante participação no faturamento da indústria de bens de capital e apresentaram crescimento expressivo no acumulado de 2011 na comparação com o mesmo período de 2010.

Balança comercial

O resultado da balança comercial de máquinas e equipamentos continua impactante, os déficits vêm se ampliando expressivamente ao longo dos anos, notadamente a partir de 2008, e chegou a US$ 14.668 bilhões no acumulado de 2011. Esse resultado representa um crescimento de 13,6% na comparação com o período de janeiro a outubro de 2010, e a previsão é que o déficit ultrapasse os US$ 18,0 bilhões no fechamento de 2011, superando o recorde já alcançado no ano anterior. O expressivo déficit da balança comercial se deve à elevada diferença entre os níveis de importação e exportação de bens de capital mecânicos, os quais foram de US$

24.357 e US$ 9.689, respectivamente, no acumulado de 2011. O crescimento das exportações em 2011 foi influenciado, principalmente, por máquinas para logística e construção civil e infra-estrutura e indústria de base, setores esses que realizam um grande volume de transações intercompany, as quais dependem apenas das políticas estabelecidas entre matrizes e suas subsidiárias. Os principais destinos das exportações são os Estados Unidos, Argentina, Países Baixos (Holanda) e México. Já o crescimento das importações foi puxado por máquinas para logística e construção civil, máquinas para bens de consumo e máquinas para a indústria de transformação, e dentre as principais origens das importações cabe destacar os EUA, Alemanha e China, sendo que esse último país ocupava a 10ª posição em 2004 e atualmente já é o 3º principal em termos de valor e o 1º em termos de kg importado, o que ressalta o crescimento de sua participação no mercado nacional. PS


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 43


Foco no Verde

A The Dow Chemical Company comunicou que obteve, juntamente com a Mitsui & Co. Ltd., de Tóquio, Japão (NASDAQ: MITSY), todas as aprovações regulatórias governamentais necessárias para a conclusão da formação da joint venture previamente anunciada. Com isso, a Mitsui torna-se parceira com 50% de participação na operação da Dow em Santa Vitória, Minas Gerais, Brasil. O escopo inicial da joint venture inclui a produção de etanol derivado da cana-de-açúcar como matéria-prima e fonte de energia renovável, trazendo novas alternativas para a Dow com base em biomassa, substituindo, assim, os tradicionais recursos fósseis. A conclusão dessa transação dá continuidade ao anúncio feito pela Dow, em 19 de julho deste ano, sobre os planos de formar a nova joint venture e a assinatura de um Memorando de Entendimento com a Mitsui visando fornecer soluções de produtos inovadores e sustentáveis para os mercados mundiais de produtos médicos, de higiene e de embalagens flexíveis de alta performance. Isso representa a maior aposta de biopolímeros do mundo e é o maior investimento da Dow no Brasil, onde a companhia atua com sucesso há mais de 50 anos. A engenharia e a produção de equipamentos para uma nova unidade de cana-de-açúcar em etanol foram aceleradas durante o terceiro trimestre de 2011 e estão prosseguindo de acordo com o cronograma, com o início das operações previsto para o segundo trimestre de 2013.

Sustenplást lança revista infantil visando conscientização ambiental

O Programa Sustenplást – RS Plástico com Inteligência, do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do RS (Sinplast/RS), lança a revista educativa “A Turma dos R’s – É Brincando que se Aprende”. Voltada ao público infantil, a publicação orienta as crianças sobre a 44 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

DIVULGAÇÃO

Dow e Mitsui concluem a formação de Joint Venture no Brasil

conscientização ambiental e busca ensinar os pequenos sobre a importância dos três R’s: reduzir, reutilizar e reciclar. A revista mostra, de forma divertida, a importância do descarte correto de materiais como o plástico, o vidro, o papel e o alumínio, e ainda ensina a criança a montar um divertido brinquedo com estes materiais. Lançado em 2009, o Programa Sustenplást – RS Plástico com Inteligência tem como meta educar e conscientizar crianças e adultos acerca da reutilização, descarte e reciclagem total do plástico. Outras informações sobre a iniciativa podem ser obtidas pelo site www.sustenplast.org.br ou pelo Twitter @sustenplast.

Produção de PET une RS e Uruguai

Durante o Encontro Estadual de Empreendimentos Econômicos Solidários, ontem, na Igreja da Pompeia, em Porto Alegre, no RS, foi assinado um termo de cooperação entre os governos do RS e do Uruguai, com o objetivo de promover ações conjuntas para a construção da Cadeia Solidária Binacional do PET. A assinatura foi efetivada pelo titular da Secretaria da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sesampe),

Maurício Dziedricki, e pelo presidente do Instituto Nacional de Cooperativismo da República Oriental do Uruguai (Inacoop), Juan J. Sarachu Onetto. Conforme Dziedricki, o acordo representa um marco legal nas relações do RS com o Uruguai no desenvolvimento da economia solidária. “O termo prevê que a transformação do PET em flake seja feita por empreendimentos gaúchos, após enviada para a cooperativa uruguaia Coopima, que do flake faz a fibra. Essa fibra vai para uma cooperativa têxtil mineira, que, a partir dela, cria o fio e envia para as cooperativas do RS, que irão confeccionar os produtos. Serão instalados cinco polos de tratamento de transformação do PET em flake no Rio Grande do Sul.”

Plástico Verde da Braskem será usado nos assentos do Amsterdan ArenA

A Braskem fechou uma parceria com o Amsterdam ArenA e vai fornecer o seu Plástico Verde para a fabricação dos assentos do estádio multifuncional holandês. Já nos próximos meses serão instalados 2 mil bancos feitos com plástico de etanol da Braskem, em adição aos 52 mil existentes. Ao final dos próximos dois anos, todos os 54 mil assentos serão de plástico feito com matéria-prima 100% renovável e tecnologia brasileira. O anúncio está sendo feito nesta sexta-feira, dia em que a Holanda comemora nacionalmente o Dia da Sustentabilidade. A instalação dos “sugar seats”, como estão sendo chamados os assentos, faz parte da estratégia de fazer do Amsterdam ArenA o cartão de visitas da capital mais sustentável do mundo. O estádio foi inaugurado em agosto de 1996 e passa por obras de melhoria na parte destinada ao público, sem prejuízo para os espetáculos como o amistoso de hoje entre as seleções de futebol da Holanda e Suíça. Toda a reforma é norteada por diretrizes de sustentabilidade. Em 2015, o estádio será ecologicamente neutro, sem qualquer emissão de gás carbônico.


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 45


Bloco de Notas Maurício Groke assume diretoria de novos negócios da Cromus

SIMPEP e Braskem promoveram palestras econômicas e ambientais

O presidente da ABRE – Associação Brasileira de Embalagem, Maurício Groke, assumiu a Diretoria de Novos Negócios da Cromus Embalagens, uma das maiores empresas de embalagens decorativas do país. À frente da Diretoria de Novos Negócios, Maurício terá como um dos principais desafios fortalecer o segmento corporativo da empresa, gerenciando seu planejamento estratégico, ampliando os programas e iniciativas de desenvolvimento e geração de oportunidades e negócios, além de dar continuidade ao trabalho desenvolvido pela empresa. Outra missão da profissional é estreitar o relacionamento com clientes, parceiros e formadores de opinião por meio de múltiplos canais. Para Maurício, a Cromus é um exemplo a ser seguido. “Tenho grandes desafios pela frente, espero contribuir com seu sucesso e aprender muito nesta grande empresa” complementa o executivo.

O Sindicato da Indústria de Material Plástico no Estado do Paraná – SIMPEP – e a Braskem promoveram recentemente um café da manhã com palestras econômicas e ambientais. Uma das palestras foi ministrada pelo diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem, Jorge Soto, que mostrou a importância de um crescimento pautado em medidas sustentáveis. Segundo Soto, a Braskem decidiu oferecer as palestras para levar ainda mais informações aos seus clientes, com o objetivo de aumentar a competitividade deles no mercado. “Temos que dialogar as questões sobre sustentabilidade, porque é esse o futuro, além de ser uma excelente oportunidade de alavancar os negócios”, diz o diretor. Para a presidente do SIMPEP, Denise Dybas Dias, as palestras são importantes para que o setor plástico paranaense possa aprender com os palestrantes e se aproximar do principal fornecedor do Brasil. “Vejo nesses encontros a oportunidade de estreitar os relacionamentos entre os transformadores e a Braskem”, afirma.

Nord West – Industrial de casa nova

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Buscando melhor atender seus clientes, a Nord West está em novo local com área ampliada para 450 m2 e com novos equipamentos para ampliar nossa disponibilidade de atendimento às empresas parceiras. Adriano Francisco Reinert reforça os principais destaques da empresa em processos: injeção de peças plásticas com a cor final metálica sem a necessidade de pintura posterior, injeção de peças técnicas de precisão e injeção de materiais especiais, com forte embasamento técnico no mercado Europeu.

Mexichem Brasil é uma das 21 empresas-modelo em sustentabilidade

A Mexichem Brasil, por meio da sua marca comercial Amanco, foi escolhida pelo quinto ano consecutivo uma das 21 empresas-modelo em sustentabilidade no Brasil pelo Guia Exame de Sustentabilidade 2011. No Guia a matéria sobre a empresa destacará o curso técnico promovido pela marca Amanco em parceria com o Senai para formação de instaladores hidráulicos. A reportagem revelará que dos 32 mil profissionais que já passaram pelo curso em todo o país, 41% relataram melhoras na remuneração e outros 72% disseram ter aprendido a utilizar de forma mais eficiente os recursos hídricos durante uma obra. 46 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>


DIVULGAÇÃO

Jairton Dupont recebe homenagem no Prêmio Pesquisador Gaúcho

Os destaques da pesquisa gaúcha que estão contribuindo para o desenvolvimento da ciência mundial foram conhecidos duranteo Prêmio Pesquisador Gaúcho 2011. Neste ano, em comemoração ao Ano Internacional da Química, a Braskem fez uma homenagem especial a Jairton Dupont, único representante do Brasil e da América Latina a figurar entre os 100 maiores químicos do mundo. Dupont é pesquisador e professor da UFRGS e desenvolveu pesquisa para a aplicação na indústria petroquímica e química.

Plast Mix

<< Outubro de 2011 < Plástico Sul < 47


Bloco de Notas Lubrizol assina acordo para adquirir Merquinsa

A Lubrizol Corporation acaba de assinar um acordo para a compra da Merquinsa, líder em poliuretanos termoplásticos especiais. Esta aquisição irá expandir os negócios da Lubrizol polímeros de engenharia e fortalecer sua capacidade de atender às necessidades de seus clientes globais. Localizada em Barcelona, Espanha, a Merquinsa serve aos segmentos mais exigentes do mercado de polímeros especiais, como automotivo, esportes e mobiliário de lazer. “Estamos muito animados por adicionar as capacidades e produtos da Merquinsa aos nossos polímeros de engenharia. A empresa tem reconhecimento de marca global, juntamente com o seu sólido histórico de crescimento rentável, o que amplia nosso portfólio de produtos, aumenta nosso alcance global e reforça a nossa capacidades de fabricação “, disse Rocco Mango, vice – presidente da Lubrizol e gerente geral Engineered Polymers Estane. “No geral, esta aquisição permite-nos continuar a expandir nossa ofertas aos nossos clientes em todo o mundo. “

Importações gaúchas sobem 22,7%

As exportações da indústria gaúcha somaram US$ 1,48 bilhão, em outubro, um incremento de 11% em relação ao mesmo mês em 2010, enquanto as importações do segmento cresceram 22,7% e chegaram a 1,38 bilhão. As compras do setor industrial foram puxadas por pedidos dos segmentos de Coque e Produtos Derivados do Petróleo, com alta de 134%, e Extrativa Mineral, elevação de 104%. Entre os produtos mais adquiridos estão óleo diesel, naftas para petroquímica, petróleo e gás natural. A indústria gaúcha respondeu por 86,4% das vendas externas em outubro, US$ 1,71 bilhão. Esse índice chegou a 93,3% no mesmo mês de 2010. Os crescimentos mais significativos foram Veículos Automotores, Reboques e Carrocerias (59,2%), Químicos (39,7%) e Máquinas e Equipamentos (26,2%). Já as quedas mais expressivas ocorreram nos segmentos de Madeira (-75%), Tabaco (-15,4%) e Couro e Calçados (-11,7%). O RS foi o quarto estado que mais exportou em outubro, com 7,7% da pauta nacional. No que se refere a destinos, a China manteve a primeira colocação em outubro, apesar de ter reduzido de 22,3% para 16,7% a sua participação ante o mesmo mês de 2010.

Pós-graduação em materiais compósitos

A Universidade Positivo, em parceria com a Associação Brasileira de Materiais Compósitos (ABMACO) abrem as inscrições para o curso de Pós-Graduação em Materiais Compósitos, em Caxias do Sul (RS), um dos principais pólos de transformação de compósitos do País. O intuito do curso de pós-graduação é promover a capacitação e especialização dos profissionais na área de materiais compósitos para atender a crescente demanda por profissionais para este segmento. O curso é destinado aos profissionais graduados em Design, Administração, Engenharia, Arquitetura e áreas afins; executivos, consultores e todos os profissionais envolvidos com os materiais compósitos, além de docentes interessados em aprofundar seus conhecimentos na área.

48 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

Refrisat destaca Unidade de Água Gelada, com controlador CLP

A Refrisat está divulgando sua unidade de água gelada com o inédito controlador CLP Siemens programado por software com sua lógica desenvolvida pela própria empresa de refrigeração industrial. Desta forma, conforme informações da Refrisat, a companhia disponibiliza todos os recursos para proporcionar o melhor desempenho e maior eficiência do equipamento. Sua lógica foi elaborada para possibilitar a operação independente nos circuitos, realizando um rodízio automático dos compressores, para que o tempo de operação seja equivalente. “Considerando que na maioria das empresas há uma grande dificuldade na partida dos equipamentos de grande porte, a Refrisat desenvolveu uma partida aliviada, tendo um pequeno retardo entre os circuitos, e desta forma, torna-se possível reduzir o consumo elétrico excessivo ou possíveis quedas de tensão na rede elétrica utilizada”, explica o material divulgado pela companhia. Ainda segundo o conteúdo, os demais componentes do sistema são projetados e desenvolvidos para operar nesta mesma condição, sendo eles condensadores e evaporadores tipo shell and tube, além de válvulas de expansão, visor de líquido, e filtro secador. Já o quadro elétrico dos equipamentos é desenvolvido e projetado seguindo normas nacionais e internacionais de identificação, posicionamento dos componentes, segurança e temperatura interna.“O Sistema Touch de visualização e diagnóstico de falhas é totalmente inovador, dispondo de uma interface homem x máquina que possibilita a fácil compreensão e execução”, informa a empresa.


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 49


Agenda Nova Deli, na Índia

Activas Apema ARCR (Grupo) Argenplas Artek AX Plásticos Borbamec BPS Brasfixo Cabot Chiang Cilros Detectores Brasil Digitrol Étimo FCS Freewal G.A.M. Gabiplast Gedel Haitian IJ Plásticos Incoe Itatex Kraton Magga Steel Mecanofar Multi União MVC Nazkom NPE NZ Cooperpolymer NZ Philpolymer Pevelit Plastimaster Procolor Proquimil Radial Replas Rone Rosciltec Rulli Semana da Embalagem Shini

/ Página 11 / Página 28 / Página 41 / Página 49 / Página 12 / Página 40 / Página 47 / Página 52 / Página 20 / Página 15 / Página 29 / Página 23 / Página 42 / Página 47 / Página 43 / Página 25 / Página 46 / Página 40 / Página 27 / Página 46 / Página 26 / Página 47 / Página 24 / Página 16 / Página 09 / Páginas 02 e 03 / Página 47 / Página 14 / Página 51 / Página 37 / Página 39 / Página 12 / Página 16 / Página 14 / Página 17 / Página 33 / Página 19 / Página 37 / Página 21 / Página 40 / Página 47 / Página 13 / Página 45 / Página 18

50 > Plástico Sul > Outubro de 2011 >>

Agende-se para 2012 Interplastica - Feira Internacional de Plásticos e Borracha De 24 janeiro a 27 de janeiro Moscou (Rússia) www.interplastica.de PlástIndia De 01 a 06 de fevereiro Nova Deli – Índia www.plastindia.org NPE 2012 De 01 a 05 de abril Centro de Convenções de Orange County Orlando, Flórida – EUA www.npe.org Plastshow 2012 De 10 a 13 de abril Expo Center Norte – Pavilhão Azul São Paulo (SP) www.arandanet.com.br Plast 2012 – Salão Internacional do Material Plástico e da Borracha De 8 a 12 de maio Fiera Milano - Milão (IT) www.plastonline.org Argenplás 2012 - XIV Exposição Internacional de Plásticos De 18 a 22 de junho Centro Costa Salguero - Prédio de Exposição de Buenos Aires(AR) Buenos Aires(AR) www.argenplas.com.ar

Interplast 2012 - Feira e Congresso de Integração da Tecnologia do Plástico De 20 a 24 de agosto Pavilhões da Expoville Joinville (SC) www.messebrasil.com.br Euromold Brasil – Feira Mundial de Construtores de Moldes e Ferramentas, Design e Desenvolvimento de Produtos De 20 a 24 de agosto Pavilhões Expoville Joinville(SC) www.brasilmold.de E-mail: feiras@messebrasil.com.br Metalurgia – Feira e Congresso de Tecnologia para Fundição, Forjaria, Alumínio e Serviços 18 a 21 de setembro Pavilhões Expoville Joinville(SC) www.metalurgia.com.br Mercopar - Feira de Subcontratação e Inovação Industrial De 18 a 21 de outubro Centro de Feiras e Eventos Festa da Uva Caxias do Sul (RS) www.mercopar.com.br Powergrid Brasil – Feira e Congresso de Energia (consumo eficiente) 27 a 29 de novembro Centreventos Cau Hansen – Joinville/SC www.powergridbrasil.com.br

Divulgação

Anunciantes


<< Outubro de 2011 < Plรกstico Sul < 51


52 > Plรกstico Sul > Outubro de 2011 >>


Revista Plasticosul #125