Page 1

EDIÇÃO 171

|

QUARTA-FEIRA, 23 DE JUNHO DE 2010 WWW.PLACAR.COM.BR

OS SEM-COPA

(1 )

Mesmo sem ser convocado pra seleção, Neymar fatura uma bolada com a Copa da África

FALTAM

5

JOGOS PARA O

HEXA

PÁG. 15

Kaká incorpora Dunga

Até ele, que era calmo, entrou na pilha do técnico e se irritou com dois assuntos: púbis e religião Uruguai pega teta nas oitavas e joga o México pra Argentina

Vexame sem fim: técnico francês deixa Parreira no vácuo

(1 ) D OUGL AS ABY SA BER /FOTOAR ENA | (2) RICA RDO NOG UEIR A / FOLHAP RE S S

(2)


JO R NAL PL ACA R | QUA RTA-FEIR A , 23 D E J U N HO D E 2010

02

ENVIADOS À ÁFRICA DO SUL

aquecimento da copa

SÉRGIO XAVIER

não melhora em nada o humor do distímico. O doente só enxerga o lado ruim de tudo e de todos, não sente prazer nem nos momentos de glória. Um chato de galocha, enfim. O tratamento é à base de medicamento e terapia. Por que será que eu lembrei disso agora?

esse comportamento negativo pode ser uma doença, um transtorno mental. Chama-se distimia. É um tipo mais brando depressão. Não é incapacitante como a depressão, mas torna a pessoa rabugenta, irritada, insatisfeita e infeliz. A superação de um eventual problema

JONAS OLIVEIRA

FERNANDO VALEIKA

ALEXANDRE BATTIBUGLI

FOTO

VAI PASSAR NA TV

PLACAR.COM.BR

Leia a entrevista que Parreira concedeu logo depois da eliminação da África do Sul. Depois de oito Copas do Mundo (seis como técnico), ele reclama da sorte e diz que não trabalha mais fora do Brasil. Acompanhe também os apuros de Ismael dos Anjos (foto), enviado ao reality show Makarapas na África do Sul (www.abrilnacopa.com.br/hotsite).

José Vicente Bernardo Não faz muito tempo, fiz uma matéria sobre mau humor para a TV Bandeirantes, onde eu era repórter. A ideia surgiu porque todo mundo conhece pessoas insuportáveis, inimigas da alegria, da simpatia e da boa educação. Não sei se isso serve como atenuante, mas descobri que

RICARDO PERRONE

TEXTO

PLACAR NA REDE

CHUTÃO

ARNALDO RIBEIRO

ESLOVÊNIA x INGLATERRA 11h: SporTV, SporTV HD, ESPN Brasil, ESPN HD, Globo e Bandsports ESTADOS UNIDOS x ARGÉLIA 11h: SporTV2, SporTV 2 HD, Band e ESPN GANA x ALEMANHA 15h30: SporTV, SporTV HD, Band, ESPN

Em seu blog, o diretor de redação de PLACAR, Sérgio Xavier Filho, fala sobre a polêmica Dunga x imprensa — coisa que nunca viu em 16 anos de cobertura de Copas. “Dunga não precisa de tanto inimigo. Está conseguindo a antipatia até de quem acha que seu trabalho está certo.” Basta acessar http://placar.abril.com.br/blogs/blog-do-serginho.

ZÉ VICENTE É EDITOR EXECUTIVO DO JORNAL PLACAR.

Brasil, ESPN HD, Globo e Bandsports AUSTRÁLIA x SÉRVIA 15h30: SporTV2, SporTV2 HD e ESPN

TABELA - FASE DE GRUPOS Jogo: 1 Local: Joanesburgo

Data: 11/6

Hora: 11h00

Jogo: 3 Local: Joanesburgo

Jogo: 2 Local: Cidade do Cabo

Data: 11/6

Hora: 15h30

Jogo: 4 Local: Port Elizabeth

Data: 16/6

Hora: 15h30

Data: 17/6

Jogo: 33 Local: Rustemburgo

Hora: 15h30 Hora: 11h00

Data: 22/6

Hora: 11h00

PG 7 4 4 1

J 3 3 3 3

SG 4 1 -2 -3

Data: 14/6

Hora: 8h30

Jogo: 10 Local: Bloemfontein

Data: 14/6

Hora: 11h00

Jogo: 25 Local: Durban

Data: 19/6

Jogo: 26 Local: Pretória

Hora: 8h30

J 3 3 3 3

SG 6 -1 -3 -2

Hora: 15h30

Data: 24/6

x

HOLANDA

Data: 24/6

CLASSIFICAÇÃO 1 HOLANDA 2 JAPÃO 3 DINAMARCA 4 CAMARÕES

OITAVAS DE FINAL

Data: 15/6

PG 6 3 3 0

Hora: 15h30

Jogo: 41 Local: Joanesburgo

J 2 2 2 2

SG 3 0 -1 -2

Hora: 11h00

Data: 24/6

J 2 2 2 2

SG 1 0 0 -1

Hora: 11h00

x

NOVA ZELÂNDIA

Data: 24/6

SEMIFINAIS

26/6 - 11h Port Elizabeth

Hora: 11h00

PG 4 2 2 1

Data: 15/6

Jogo: 14 Local: Joanesburgo

Hora: 11h00

Data: 15/6

Jogo: 29 Local: Joanesburgo

J 2 2 2 2

SG 2 0 0 -2

Hora: 8h30

Jogo: 39 Local: Joanesburgo Jogo: 40 Local: Nelspruit

Data: 25/6

Hora: 11h00

BRASIL

x

COSTA DO MARFIM

Data: 25/6

CLASSIFICAÇÃO 1 BRASIL 2 PORTUGAL 3 COSTA DO MARFIM 4 COREIA DO NORTE

J 2 2 2 2

SEMIFINAIS

Data: 16/6

Jogo: 16 Local: Durban

J 2 2 2 2

Hora: 11h00

Data: 21/6

Hora: 11h00

CHILE 1 x 0 SUÍÇA Jogo: 32 Local: Joanesburgo

Data: 21/6

Jogo: 47 Local: Pretória

Hora: 15h30

SG 3 7 -2 -8

Data: 25/6

x

Jogo: 48 Local: Bloemfontein

SUÍÇA

CLASSIFICAÇÃO 1 CHILE 2 ESPANHA SUÍÇA 4 HONDURAS

QUARTAS DE FINAL

Hora: 15h30

ESPANHA Data: 25/6

x

Hora: 15h30

HONDURAS PG 6 3 3 0

J 2 2 2 2

OITAVAS DE FINAL 27/6 - 15h30 Joanesburgo

3/7 - 11h Cidade do Cabo

ARGENTINA MÉXICO 27/6 - 11h Bloemfontein

6/7 - 15h30 Cidade do Cabo

1º do Grupo D

7/7 - 15h30 Durban

2º do Grupo C 29/6 - 11h Pretória

2/7 - 11h Port Elizabeth

10/7 - 15h30 Port Elizabeth

1º do Grupo G

3/7 - 15h30 Joanesburgo

1º do Grupo F 2º do Grupo E 29/6 - 15h30 Cidade do Cabo

1º do Grupo H

DECISÃO DO 3º LUGAR

SG 1 3 0 -4

Hora: 8h30

Data: 16/6

Jogo: 31 Local: Port Elizabeth

28/6 - 11h Durban

2º do Grupo H

Hora: 15h30

SÉRVIA PG 4 3 3 1

CHILE Hora: 11h00

PG 6 4 1 0

2/7 - 15h30 Joanesburgo

2º do Grupo D

28/6 - 15h30 Joanesburgo

Data: 23/6

x

Jogo: 15 Local: Nelspruit

11/7 - 15h30 Joanesburgo

1º do Grupo C

2º do Grupo F

Hora: 15h30

ALEMANHA

CLASSIFICAÇÃO 1 GANA 2 ALEMANHA 3 SÉRVIA 4 AUSTRÁLIA

26/6 - 15h30 Rustemburgo

1º do Grupo E

Data: 23/6

x

ESPANHA 2 x 0 HONDURAS

x

Jogo: 46 Local: Nelspruit

FINAL

Hora: 11h00

ESPANHA 0 x 1 SUÍÇA

Hora: 15h30

Data: 21/6

Jogo: 45 Local: Durban

COREIA DO NORTE

Data: 19/6

HONDURAS 0 x 1 CHILE Hora: 15h30

Data: 20/6

Jogo: 30 Local: Cidade do Cabo

PORTUGAL

Hora: 8h30

GRUPO H

Jogo: 13 Local: Port Elizabeth

PORTUGAL 7 x 0 COREIA DO NORTE

ITÁLIA

CLASSIFICAÇÃO 1 PARAGUAI 2 ITÁLIA NOVA ZELÂNDIA 4 ESLOVÁQUIA

QUARTAS DE FINAL

PG 4 2 2 1

Hora: 11h00

Data: 18/6

Jogo: 24 Local: Rustemburgo

AUSTRÁLIA

BRASIL 3 x 1 COSTA DO MARFIM

x

Jogo: 42 Local: Polokwane

PARAGUAI

Hora: 11h00

BRASIL 2 x 1 COREIA DO NORTE

Hora: 8h30

Data: 20/6

Jogo: 21 Local: Port Elizabeth

GANA

COSTA DO MARFIM 0 x 0 PORTUGAL Hora: 8h30

Data: 20/6

Jogo: 28 Local: Nelspruit

ESLOVÁQUIA

JAPÃO

Jogo: 44 Local: Cidade do Cabo

Hora: 15h30

ITÁLIA 1 x 1 NOVA ZELÂNDIA

Hora: 15h30

x

Hora: 11h00

ARGÉLIA

CLASSIFICAÇÃO 1 ESLOVÊNIA 2 ESTADOS UNIDOS 3 INGLATERRA 4 ARGÉLIA

ESLOVÁQUIA 0 x 2 PARAGUAI

Data: 19/6

x

Data: 13/6

GANA 1 x 1 AUSTRÁLIA

GRUPO G Data: 14/6

Jogo: 27 Local: Bloemfontein

Jogo: 8 Local: Pretória

INGLATERRA Data: 23/6

ESTADOS UNIDOS

NOVA ZELÂNDIA 1 x 1 ESLOVÁQUIA

CAMARÕES 1 x 2 DINAMARCA Jogo: 43 Local: Rustemburgo

Jogo: 38 Local: Pretória

Hora: 15h30

ALEMANHA 0 x 1 SÉRVIA

Hora: 15h30

Data: 23/6

x

Data: 13/6

SÉRVIA 0 x 1 GANA Hora: 11h00

Data: 18/6

Jogo: 37 Local: Port Elizabeth

ESLOVÊNIA

Hora: 15h30

PG 9 4 3 1

Jogo: 12 Local: Rustemburgo

HOLANDA 1 x 0 JAPÃO

Data: 18/6

Jogo: 23 Local: Cidade do Cabo

ITÁLIA 1 x 1 PARAGUAI

JAPÃO 1 x 0 CAMARÕES

COREIA DO SUL

Hora: 15h30

Data: 22/6

Jogo: 11 Local: Cidade do Cabo

HOLANDA 2 x 0 DINAMARCA

Hora: 8h30

INGLATERRA 0 x 0 ARGÉLIA

GRUPO F

Jogo: 9 Local: Joanesburgo

URUGUAI

Hora: 8h30

GRÉCIA 0 x 2 ARGENTINA

CLASSIFICAÇÃO 1 ARGENTINA 2 COREIA DO SUL 3 GRÉCIA 4 NIGÉRIA

Jogo: 7 Local: Durban

ALEMANHA 4 x 0 AUSTRÁLIA

ESLOVÊNIA 2 x 2 ESTADOS UNIDOS

Data: 22/6

Jogo: 36 Local: Polokwane

Hora: 15h30

Data: 13/6

Jogo: 22 Local: Joanesburgo

NIGÉRIA 2 x 2 COREIA DO SUL

GRUPO E

CAMARÕES

Hora: 11h00

Data: 17/6

Jogo: 35 Local: Durban

FRANÇA 1 x 2 ÁFRICA DO SUL CLASSIFICAÇÃO 1 URUGUAI 2 MÉXICO 3 ÁFRICA DO SUL 4 FRANÇA

Jogo: 6 Local: Polokwane

ARGENTINA 4 x 1 COREIA DO SUL

Data: 22/6

Data: 12/6

ARGÉLIA 0 x 1 ESLOVÊNIA

Data: 17/6

Jogo: 20 Local: Joanesburgo

MÉXICO 0 x 1 URUGUAI Jogo: 34 Local: Bloemfontein

Hora: 8h30

GRÉCIA 2 x 1 NIGÉRIA

FRANÇA 0 x 2 MÉXICO

GRUPO D

Jogo: 5 Local: Rustemburgo

INGLATERRA 1 x 1 ESTADOS UNIDOS

Data: 12/6

Jogo: 19 Local: Bloemfontein

ÁFRICA DO SUL 0 x 3 URUGUAI Jogo: 18 Local: Polokwane

Hora: 11h00

COREIA DO SUL 2 x 0 GRÉCIA

URUGUAI 0 x 0 FRANÇA Jogo: 17 Local: Pretória

Data: 12/6

ARGENTINA 1 x 0 NIGÉRIA

ÁFRICA DO SUL 1 x 1 MÉXICO

DINAMARCA

GRUPO C

GRUPO B

GRUPO A

2º do Grupo G

SG 2 1 0 -3


Q UARTA- FE IR A , 2 3 DE J U NHO DE 2 0 1 0 | J O R NAL P L ACAR

SELEção

15 03

OS DUELOS DESDE A COPA DE 2002 29/3/2003 Amistoso (Porto) Brasil 1 x 2 Portugal 6/2/2007 Amistoso (Londres) Brasil 0 x 2 Portugal 19/11/2008 Amistoso (Brasília) Brasil 6 x 2 Portugal

Liédson, um dos três brasileiros de Portugal, joga na sexta

Brasil teme que lusitanos queiram devolver goleada de 2008 DOS ENVIADOS À ÁFRICA Arnaldo Ribeiro Ricardo Perrone

U

m adversário mordido pelo último resultado entre os times (6 x 2 para o Brasil, em novembro de 2008, em Brasília), com jogadores talentosos no grupo — incluindo os brasileiros Deco, Pepe e Liédson — e contando com um dos principais craques do planeta em grande forma (Cristiano Ronaldo). Portugal é encarado pelos jogadores brasileiros hoje como um dos principais rivais no mundo futebolístico, talvez atrás apenas de Argentina e Uruguai.

“Existe sim uma rivalidade recente entre Brasil e Portugal. Foi uma das equipes que mais enfrentamos nesses últimos anos. Goleamos em Brasília, perdemos em Londres... Eles têm jogadores brasileiros e nos conhecem bem”, afirmou Kaká, sem se importar com a vantagem do empate na partida de sexta-feira, em Durban. Em caso de resultado igual, o Brasil passa como primeiro colocado do Grupo G. “Terminar em primeiro do grupo é importante. Vamos para vencer e, se possível, dar espetáculo”, acrescentou Kaká, que está suspenso e não enfrenta os portugueses.

Kaká disse que tem conversado com o colega de Real Madrid Cristiano Ronaldo nos últimos dias. Segundo ele, Cristiano disse que a expulsão do brasileiro contra a Costa do Marfim foi injusta. E é Cristiano Ronaldo o grande temor do goleiro Júlio César. “Ele bate muito bem na bola. E ainda cabeceia também. Precisamos estar muito atentos”, disse.

Elano joga? Dunga define no treino de hoje, que deve ser fechado à imprensa, o substituto de Kaká. Júlio Baptista é o favorito, mas Daniel Alves, Ramires e Nilmar correm por fora.

Dia decisivo também para saber se Elano terá condições de atuar. Ele deixou o jogo contra os marfinenses mancando, depois de uma entrada fortíssima que atingiu a sua canela e afetou até o tornozelo. Ontem, foi o único atleta a não treinar com o resto do elenco. Ficou fazendo tratamento no hotel. A CBF não deu detalhes sobre sua situação Se Elano não puder atuar, Daniel Alves deve começar a partida em seu lugar. SELEÇÃO NO CELULAR envie a mensagem: GOLSELECAO para 22745 NOTSELECAO para 22745

▼▼

FOTO: ALE X ANDRE BAT T IBU GLI

Rivalidade acende duelo contra Portugal

VOCÊ SÓ PAGA R$ 0,31 POR MENSAGEM RECEBIDA.


jo r nal pl aca r | qua rta-feir a , 23 d e j u n ho d e 2010

04

seleção

Kaká incorpora Dunga e fala grosso Diante de 200 jornalistas, meia perde a paciência com pubalgia e religião DOS enviados À áfrica

(1 )

Arnaldo Ribeiro Ricardo Perrone

PARADA PREJUDICIAL “A expulsão prejudica, sim. Atrapalha a evolução de jogos que eu vinha tendo. Posso ter uma semana para trabalhar fortalecimento, potência, força. Melhorar a forma física, para estar pronto para jogar as oitavas de final. A recuperação vinha sendo muito boa. Consegui dar minhas arrancadas carac-

terísticas contra a Costa do Marfim, me sentindo mais confortável dentro de campo. Realmente senti alívio depois da última partida. Nos amistosos não estava tão à vontade. No primeiro jogo, pela ansiedade, também. No segundo, já fiz várias coisas que estou acostumado a fazer.”

BALEADO “Passei por muitas dificuldades físicas nesta temporada. Isso pra mim é o pior.

Sempre procurei ter a vida de atleta. Sei da importância de um bom condicionamento físico. E incomodava não atingir o meu auge físico. Quanto às cobranças, atingi um patamar onde tenho de estar preparado para elas.”

NERVOS À FLOR DA PELE “Daqui pra frente, vou me policiar mais... Não quero correr riscos. Mas ninguém tem sangue de barata. Nosso grupo é tranquilo. Minha atitude não foi violenta, mas

nunca vão ver a seleção retroceder quando tiver confronto físico. Não vai dar porrada, mas não vai fugir de divididas, de um contato mais forte, essas coisas”, disse o meia, numa demonstração de que incorporou o estilo Dunga. Ele afirmou também que achou sua expulsão contra a Costa do Marfim injusta. “Se eu tivesse tido culpa, falaria ao grupo: ‘Desculpe, fui irresponsável num jogo de Copa do Mundo’. Mas não foi isso

o que aconteceu. É só ver o relatório da Fifa: ele diz que tomei o segundo cartão amarelo, por isso tomei o vermelho. Um jogo de suspensão. Nada de cotovelada ou agressão. Não sou de dar porrada, carrinho, mas levantar, discutir, faz parte. É de alguém que quer ganhar de qualquer jeito.”

PUBALGIA “A grande maioria dos médicos não aconselha a cirurgia [o São Paulo não

opera seus atletas com pubalgia há anos]. Quando terminar a Copa, farei uma avaliação profunda do problema para decidir [se faz a cirurgia]. Sinto dores após as partidas, mas dores normais que todos sentem, não na região do púbis. Não me atrapalha e não interfere em nada nos jogos.” Dessa maneira, Kaká admite que sua pubalgia é crônica e demonstra que já procurou muitos médicos para tentar solucioná-la. Mesmo

foto: Caetano Bar r eir a /Fotoa rena / Fo lha p re s s

K

aká, o principal jogador da seleção, falou para mais de 200 jornalistas sem fugir de nenhuma pergunta, nem daquelas sobre os dois assuntos que o tiram realmente do sério: religião e contusão no púbis. Resultado: a entrevista mais quente de um jogador brasileiro na África do Sul até agora. Pressionado para voltar a jogar como um dos melhores do mundo, apesar de uma lesão que vai e volta, e desgastado por um mês de clausura, o astro que foi expulso na partida passada exala tensão. Por isso, revelou um lado que a torcida não está acostumada a ver. Como um dos fiéis soldados do comandante Dunga, mostrou que sabe bater com as palavras e, se preciso, bater de verdade, em campo. Veja os principais trechos da entrevista.


Q UARTA- FE IR A , 2 3 DE J U NHO DE 2 0 1 0 | J O R NAL P L ACAR

05

DEPOIS DO JOGO, VI IMAGENS DE COPACABANA. É PRA ESSAS PESSOAS QUE A GENTE JOGA. Kaká, ao falar sobre o que o motiva a jogar mesmo com dores. assim, ele se irrita quando alguém diz que ele tem um problema crônico no púbis.

FOTO: VAND ER LEI ALMEIDA /A FP PH OTO

RELIGIÃO O momento mais tenso aconteceu quando o jornalista André Kfouri, da ESPN, perguntou sobre a suposta pubalgia crônica que o faria jogar com dores. Demonstrando nervosismo, o meia atacou o jornalista Juca Kfouri, pai de André, que, em artigo na Folha de S.Paulo, comparou a lesão de Kaká à lesão que prejudicou a carreira do tenista Gustavo Kuerten. “Gostaria de responder à coluna do teu pai. Há algum tempo os canhões de teu pai têm me atingido. Infelizmente, o motivo pelo qual teu pai me ataca não é profissional, deixou claro que o problema dele é dizer da minha fé. Do mesmo jeito que respeito seu pai como ateu, eu quero que ele me

respeite como um cara que crê em Jesus Cristo, como milhões de brasileiros que acreditam em Jesus Cristo.”

FORA CONTRA PORTUGAL Mesmo suspenso, Kaká viajará de Joanesburgo a Durban para o jogo contra Portugal, na sexta-feira. “Vou tentar ajudar sendo um exemplo ativo de trabalho e também falando, motivando quem for entrar no meu lugar no jogo tão difícil contra Portugal. Vou falar e agir.”

O RIVAL DO MATA-MATA “Tenho acompanhado os jogos do outro grupo. Muito equilíbrio. O Chile joga mais. A Suíça é mais fechada, explora o contra-ataque. E a Espanha tem jogadores maravilhosos. Mas o principal é que o Brasil seja o Brasil. O Brasil que enfrentou a Costa do Marfim.”

ENTREVISTAS RESTRITAS Kaká explicou o fato de a seleção não dar entrevistas exclusivas. “Todo mundo, jogadores e comissão técnica, conversou e a gente decidiu que seria dessa forma. Muitos já foram a Madri, não tem problema lá e é assim”. Se todos combinaram não dar entrevistas exclusivas, Robinho feriu a regra ao falar para o Jornal Nacional na última folga.

JOGANDO PARA A TORCIDA “Depois do jogo contra a Costa do Marfim, vi imagens de Copacabana. Foi uma emoção indescritível. É pra essas pessoas que a gente joga. Na Copa de 94, eu tinha 12 anos e torcia. Meu filho tem 2 anos, veste a camisa da seleção e grita: ‘Brasil’. As crianças, às vezes, nem sabem o que está acontecendo, mas torcem. É isso que motiva o jogador a entrar em campo com dores.”


jo r nal pl aca r | qua rta-feir a , 23 d e j u n ho d e 2010

06

seleção

CBF tenta apagar incêndio com a Globo Chefe da delegação brasileira, Andrés Sanchez vai até redação da emissora conversar com desafeto de Dunga

A

Fifa concluiu que não tem provas para punir Dunga por ter xingado o árbitro francês Stéphane Lannoy no jogo de domingo contra a Costa do Marfim e nem por ofender um jornalista da TV Globo. Mas a dor de cabeça da CBF não terminou. Ontem a entidade ainda tentava apagar o incêndio provocado pelo treinador, que soltou palavrões durante a entrevista coletiva organizada pela Fifa após reclamar com o jornalista Alex Escobar. Depois, de dedo em riste, Dunga discutiu com João Ramalho, também da TV Globo. O chefe da delegação brasileira, Andrés Sanchez, foi até a redação montada pela emissora ao lado da concentração para falar com Ramalho. O presidente corintiano nega que foi pôr pa-

nos quentes no entrevero. Mas sua versão mostra uma política de boa vizinhança com a turma que virou a inimiga número 1 do técnico. “Fui conversar com o João Ramalho sobre uma festa de aniversário surpresa que vamos fazer para o [repórter] Mauro Naves”, disse ele. Questionando se estava lá para apagar o incêndio, devolveu com mais uma de suas tiradas: “Aí eu já gastei toda a minha água e não consegui apagar”. O cartola disse que não comentaria a briga do treinador com a Globo. “Só acho que nessa história as duas partes [treinador e imprensa] têm que chegar a um meio termo para uma convivência melhor”, declarou o dirigente. Ele chegou a pedir para que Dunga, em vez de retirar os jornalistas dos treinos, permitisse a entrada só no fim. Assim, evitaria a imagem antipática da “expulsão” da imprensa. Não foi atendido.

De acordo com um membro da delegação brasileira, Ricardo Teixeira, influente vice-presidente da Fifa, acompanhou de perto a análise das atitudes de Dunga na entidade para, se preciso, tentar evitar uma punição ao técnico. Apesar disso, Teixeira não gostou do comportamento de Dunga em relação aos jornalistas da Globo. Parceiro da emissora, ele fala até em lançar como seu sucessor na CBF Marcelo Campos Pinto, diretor da Globo Esportes (que cuida dos contratos de transmissão). A CBF negou ontem informação do UOL de que Teixeira tivesse prometido entrevistas exclusivas (canceladas em tese por Dunga) de três jogadores para a Globo no domingo. Esse teria sido o estopim para o conflito. Com a imprensa, Dunga gastou todo o seu estoque de palavrões

Na concentração da seleção, técnico é “piadista”

k

O Dunga pilhado, nervoso e com o sorriso sarcástico, armado sempre para o confronto com adversários e jornalistas, não existe na concentração da seleção brasileira. Pelo menos é o que dizem os jogadores. “Ele é tranquilo, brinca com a gente, conta piada... As motivações que o Dunga tem com a gente são outras”, afirmou o meia Kaká, que disse não ter acompanhado a repercussão da polêmica entrevista coletiva do treinador, depois do jogo

contra a Costa do Marfim, quando ele se desentendeu e ofendeu o jornalista da Rede Globo Alex Escobar. Kaká tentou explicar o comportamento do treinador em relação à imprensa, sem dizer se essa rixa acaba tendo algum tipo de influência negativa no ambiente da seleção. “O Dunga, por todas as críticas que recebeu ao longo de sua carreira, como jogador e técnico, tem seus motivos para se comportar assim.” Dos enviados à África

Concorrente de patrocinador da Fifa leva ‘vitrine’ amarela

(2)

k

Dunga, com um membro da seleção: “Sabe aquela do português?”

As entrevistas coletivas dos jogadores da seleção brasileira em Joanesburgo ilustram uma das brigas de marcas que acontecem na Copa do Mundo. Ao lado de uma lata de guaraná Antarctica, um dos mais antigos patrocinadores da CBF, passou a ser colocada perto do jogador uma garrafa de Gatorade. A bebida isotônica, que pertence à Pepsico, foi

a última marca a fechar contrato com a confederação. O produto concorre com o Powerade, isotônico patrocinador da Fifa, com muita visibilidade no Mundial da África do Sul. Ele é da Coca-Cola, concorrente da AmBev, parceira da seleção por meio do guaraná. Marca conhecida internacionalmente, o produto entrou no mercado brasileiro somente neste ano. Ricardo Perrone

(1 ) Marcio Jo se Sanche z /AP P hoto | (2) a le x and re bat tibugli

DOS enviadoS À áfrica Arnaldo Ribeiro Ricardo Perrone

(1 )


JO R NAL PL ACA R | QUA RTA-FEIR A , 23 D E J U N HO D E 2010

08

grupo g

BRASIL COREIA DO NORTE COSTA DO MARFIM PORTUGAL

Portugal quer a ‘independência’ contra o Brasil DO ENVIADO À ÁFRICA Jonas Oliveira

E

stá para nascer um povo recebido com uma simpatia quase unânime como o brasileiro. Uma das poucas exceções é Portugal. Mais de três séculos de colonização deixaram marcas profundas demais na cultura dos dois países. O movimento migratório e a dominação cultural mudaram de direção. Brasileiro virou carne de vaca em Portugal, e o futebol não poderia ficar alheio a isso.

Na sexta, Portugal poderá entrar em campo com um time “independente” de seus três brasileiros naturalizados. O zagueiro Pepe, desde o fim do ano passado com uma grave lesão no joelho, está sem ritmo de jogo e não tem sido utilizado por Carlos Queiroz. Liédson, que naturalizou-se às pressas no ano passado para os últimos jogos das Eliminatórias, estreou como titular, mas perdeu a vaga para Hugo Almeida contra a Coreia do Norte. Entrou no 2º tempo e marcou um gol, mas não tem seu retorno garantido contra o Brasil.

Deco, com lesão no quadril, é carta quase fora do baralho na seleção lusitana

Já o meia Deco, ausente na goleada contra a Coreia do Norte, fez ontem uma ressonância magnética, que confirmou uma “lesão tendinosa e reação inflamatória ao nível da anca [quadril] direita” — ainda que a assessoria de imprensa do jogador diga que a lesão é na parte posterior da coxa direita. O boletim não informa se ele poderá se recuperar a tempo para o jogo contra o Brasil. A lesão coincide com as reclamações do jogador por ter sido substituído na primeira partida e com a atuação brilhante de seu substituto contra a Coreia, Tiago.

Ontem, após um treino só com os reservas, em Magaliesburg, Carlos Queiroz não quis dar pistas sobre a escalação. Nas entrevistas coletivas de Portugal, aliás, os jornalistas brasileiros costumam receber alguns olhares atravessados. Há quem garanta que tudo começou na última Copa, quando a seleção portuguesa era treinada por Luiz Felipe Scolari. Depois das quartas de final, a cobertura do time português se tornou um tremendo caos, devido a um grande aumento do número de jornalistas. Não é preciso dizer de que país eles eram.

A F U N DA Ç Ã O A R M A N D O A LVA R E S P E N T E A D O A P R E S E N TA A EX P O S I Ç Ã O

Venha conferir o melhor dos 40 anos da Revista Placar. As fotos espetaculares, as capas inesquecíveis, os infográficos surpreendentes. Desde 1970, Placar conta o futebol brasileiro de uma maneira original. As Copas, os craques e os momentos mais marcantes. Estão todos lá. DE 2 DE JUNHO A 18 DE JULHO DE 2010 MUSEU DE A RTE BRASILE IRA | M E ZANINO

FUTEBOL HISTÓRIA

RUA A L AGOAS, 903 . PRÉ D IO 1 HIG IEN ÓPOLIS . SÃO PAULO

» De terça a sexta-feira, das 10h às 20h » Sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h

RE A LI Z A Ç Ã O

& PA I X Ã O ★

www.f aap.br

w w w.p lacar.co m.br

FOTO: ALE X ANDRE BAT T IBU GLI

Time de Carlos Queiroz pode enfrentar o de Dunga sem seus jogadores brasileiros


Q UARTA- FE IR A , 2 3 DE J U NHO DE 2 0 1 0 | J O R NAL P L ACAR

ÁFRICA DO SUL

MÉXICO

URUGUAI

grupo a

FRANÇA

09

Vitória salva a honra sul-africana Torcida empurra anfitriões, mas vitória sobre a arruinada França não evita eliminação (1 )

DO ENVIADO À ÁFRICA Fernando Valeika

C

om três gols negativos de saldo, a África do Sul sabia que só uma vitória por boa diferença sobre a França seria capaz de mantê-los vivos na Copa. A torcida acreditou no milagre e tratou de fazer sua parte. O apoio à seleção foi irrestrito. E explodiu quando, aos 20min, Lloris saiu mal do gol, em uma cobrança de escanteio de Tshabalala. O zagueiro Khumalo pulou, venceu Diaby e cabeceou para o gol. O estádio quase veio abaixo quando Mphela aproveitou cruzamento de Masilela, dividiu na área com Diaby e marcou o 2 x 0. O sonho parecia mais perto. Até porque boas notícias chegam de Rustemburgo: o uruguaio Suaréz abriu o placar contra o México. Com

o resultado, a África do Sul voltava a ter chances, desde que ampliasse o placar. E ela tentou. No início do 2º tempo, Tshabalala teve a bola do jogo nos pés. Entrou sozinho e chutou bem colocado, mas a bola bateu na trave. Aos 17min, Mphela aproveitou o vacilo de Clichy e mandou a bomba. Lloris espalmou. Dois minutos depois, Parker apareceu sozinho na frente de Lloris, mas chutou para fora. Domenech mexeu no time e a coisa mudou. Pôs Henry e Malouda. A França ficou mais perigosa. Na única chance que teve, Ribéry aproveitou a defesa aberta e tocou pra Malouda descontar aos 25min. Primeiro (e único) gol francês na Copa. O ânimo da torcida e do time foi esfriando, o tempo foi passando e a África do Sul mostrou que tinha chegado ao seu limite. Eliminada, restou o orgulho de ter feito uma despedida digna.

FRANÇA ÁFRICA DO SUL

1 2

22/6/2010 - Free State (Bloemfontein) J: Oscar Ruiz (COL) P: 39 415 CA: Diaby CV: Gourcuff G: Khumalo (20/1º), Mphela (37/1º) e Malouda (25/2º) FRANÇA: Lloris (4), Sagna (5), Gallas (5), Squillaci (5) e Clichy (4); Alou Diarra (5) (Govou 36/2º (5)), Diaby (3), Gignac (5) (Malouda int. (5,5)), Ribéry (5) e Gourcuff (4); Cissé (5) (Henry 10/2º (5)). T: Raymond Domenech ÁFRICA DO SUL: Josephs (6), Ngcongca (5) (Gaxa 12/2º (5)), Mokoena (5), Khumalo (5) e Masilela (5); Sibaya (5), Khuboni (5) (Modise 32/2º (5)), Pienaar (5) e Tshabalala (5,5); Mphela (6) e Parker (5,5) (Nomvethe 23/2º (5)). T: Carlos Alberto Parreira

“Estou triste pela eliminação, claro, mas uma vitória contra um campeão mundial é sempre uma vitória”, disse Mphela. O sonho dos Bafana Bafana e de seus torcedores acabou. Mas a Copa continua na África do Sul.

OPINIÃO DO JOGO

m MPHELA

O mais perigoso atacante sulafricano finalizou sete vezes e marcou um gol. Perdeu muitos, mas nunca desanimou.

Khumalo marcou o primeiro gol e reacendeu a esperança de classificação dos anfitriões

k TSHABALALA q CLICHY Talento ele até tem. Mas também possui defeitos. Dois deles: é fominha e desliga-se do jogo quando o time mais precisa dele.

O defensor francês esteve — sempre mal — nos lances dos gols. Seria o mapa da mina, se a África do Sul não fosse tão limitada.

(1 ) THEMBA H AD EBE /AP P HOTO | (2) HAS SA N A MMA R /A P PH OTO | (3) FR A NC OIS MORI/A P PHOTO

(2)

Parreira: “Entendi por que ninguém gosta dele”

k

Depois de uma semana de crise brava, a derrota para a África do Sul colocou um ponto final na desastrosa campanha da França. “É claro que tudo o que aconteceu durante esta competição causa decepções, mas fiz questão de cumprimentar cada um dos jogadores por continuarem lutando, mesmo quando já estávamos com dez em campo”, disse o técnico Raymond Domenech.

“A festa continua”, dizem os eliminados

k

Técnico francês não deu a mão ao brasileiro

Minutos antes, no gramado, ele recusou-se a estender a mão para cumprimentar Parreira, técnico da África do Sul. Na entrevista coletiva, irritou-se com a insistência no assunto e ameaçou ir embora. “Não entendi nada, o inglês dele é muito

ruim. Parece que ficou chateado porque eu teria dito que a França nem deveria estar na Copa, por causa do gol de mão do Henry, contra a Irlanda [nas Eliminatórias]. Não me lembro de ter falado isso”, garantiu o técnico brasileiro.

Nunca um anfitrião foi eliminado na primeira fase da Copa. Aconteceu agora, com a África do Sul. Uma triste marca no currículo de Carlos Alberto Parreira, que, por ironia, conquistou ontem sua primeira vitória em Copas à frente de uma das quatro seleções estrangeiras que dirigiu. Sem os donos da casa em campo, a empolgação diminui? “Acho que não, esta é a grande festa do futebol, afinal de contas”, disse ao Jornal PLACAR o atacante Mphela. Segundo ele, apesar da eliminação, o time saiu em alta, com a vitória sobre a França. “As pessoas estão entusiasmadas em terem uma Copa do Mundo no país, e isso não acabará”, acredita. “A decepção de não estarmos nas oitavas passará diante dos grandes jogos que acontecerão a partir de agora”, concorda Pienaar.

(3)

Gourcuff expulso: a fé sul-africana aumentou


JO R NAL PL ACA R | QUA RTA-FEIR A , 23 D E J U N HO D E 2010

10

grupo a

ÁFRICA DO SUL

MÉXICO

URUGUAI

FRANÇA

Uruguai deixa México com os argentinos

No estranho jogo de Rustemburgo, vitória da Celeste reforça a ótima Copa de Forlán (1 )

Forlán (10) comemora com os uruguaios o gol que deu a eles o 1º lugar do grupo

Sérgio Xavier

U

m jogo estranho. Olhos na bola e ouvidos em Bloemfontein, onde acontecia simultaneamente um África do Sul x França. Assim Uruguai e México começaram a partida. Estavam praticamente classificados, sabiam disso. Bastava um empate. DisputaMÉXICO URUGUAI

0 1

22/6/2010 - Royal Bakofen (Rustemburgo) J: Viktor Kassai (HUN) P: 33 425 CA: Hernandéz, Castro e Fucile G: Suárez (43/1º) MÉXICO: Pérez (6,5), Osório (4,5), Rodriguez (5,5), Moreno (5) (Castro 11/2º (s/n)) e Salcido (5,5); Rafa Márquez (5,5), Torrado (6) e Guardado (4,5) (Barrera int. (5)); Giovanni dos Santos (5,5), Blanco (4) (Hernández 17/2º (6)) e Franco (5). T: Javier Aguirre. URUGUAI: Muslera (6), Maxi Pereira (6), Lugano (6,5), Victorino (5,5) e Fucile (5,5); Pérez (6), Arévalo (5,5) e Álvaro Pereira (5,5) (Scotti 31/2º (s/n)); Forlán (7), Suárez (6,5) (Alvaro Fernández 39/2º (s/n)) e Cavani (6). T: Oscar Tabárez.

vam somente o “privilégio” de pegar ou não a Argentina nas oitavas. O Uruguai tinha a vantagem do empate, mas tentou pressionar desde o começo. O México, com aquele jeito de sempre, deixando a vida levar o time... Já aos 37min do primeiro tempo, a situação tinha mudado. A África do Sul vencia por 2 x 0 e jogava com um a mais contra uma sonolenta França. O objetivo mudava. Não se tratava mais de escoOPINIÃO DO JOGO

lher o rival das oitavas, mas de garantir a sobrevivência no Mundial. Aos 43min, Forlán dividiu no meio campo e, como tem acontecido nesta Copa, ficou com a bola. Arrancou pela direita, abriu na ponta para Cavani que cruzou para Suárez marcar o gol do jogo. O México foi para o vestiário com esse “probleminha”. A imensa vantagem que tinha antes de começar a partida tinha ido

para o vinagre. Estava a dois gols do desastre. Se a África do Sul marcasse 4 x 0, voltaria mais cedo para o México. Se tomasse dois gols do Uruguai, fim de papo. O 2º tempo começou do jeito que terminou o primeiro. Os uruguaios mais fortes, com Forlán comandando de novo a equipe. O lourinho, filho do ex-beque são-paulino Pablo Forlán, foi justamente escolhido pela Fifa como o craque

dos dois primeiros jogos uruguaios. Como não marcou contra o México, perdeu o prêmio de melhor para o companheiro Suárez. Até Suárez deve admitir que Forlán foi mais uma vez o “man of the match”. O México demorou para perceber que deveria, ao menos, tentar escrever seu destino. A passividade era exagerada, os jogadores pareciam torcer que os franceses segurassem suas pontas.

Só aos 18min do 2º tempo o veterano Blanco, o Iarley mexicano, deu lugar a Hernandes. E aí o jogo começou a mudar. O México teve suas chances, empurrou o Uruguai para o seu campo e segurou a derrota mínima. Quando os jogadores souberam que a França tinha marcado, a partida se acomodou. O México está pronto para enfrentar os argentinos agora. Maradona não deve ter achado ruim.

(2)

(1 )

m FORLÁN

Ele não é Messi nem Cristiano Ronaldo. Mas, se a Copa terminasse hoje, deveria ser eleito o melhor jogador. Arma, combate, finaliza. É o cara.

k LUGANO

Entra ano e sai ano e o uruguaio de Canelones (não é piada, é a cidade onde o beque nasceu) segue como o xerifão celeste. Quase fez um golaço de cabeça.

q BLANCO

Certo, PLACAR mesmo já deve ter escrito isso. Mas agora Blanco terminou. Chega. Aos 37 anos, não dá mais no couro.

Torcedor mexicano fura a segurança e invade o campo

O xerife Lugano (2) faz um carinho no queixo do mexicano Franco

(1 ) P IER GIAVELLI | (2) IVA N SEKR ETA REV

DO ENVIADO À ÁFRICA


Q UARTA- FE IR A , 2 3 DE J U NHO DE 2 0 1 0 | J O R NAL P L ACAR

ARGENTINA

NIGÉRIA

grupo b

COREIA DO SUL GRÉCIA

(1 )

11

Nem Messi deixa mistão mais bonito Hermanos jogam mal, mas vencem a Grécia. Craque do Barça sumiu do jogo DO ENVIADO À ÁFRICA Sérgio Xavier Filho

S

O argentino Palermo, autor do segundo gol contra a Grécia, corre para abraçar Diego Maradona OPINIÃO DO JOGO

m

TEVEZ E HIGUAÍN Tevez e Higuaín foram poupados para a entrada de Milito e Aguero. E os reservas não funcionaram contra a Grécia.

k A DEFESA

Entra jogador, sai jogador, e a defesa argentina mantém o padrão. Mesmo quando enfrenta ataques de um homem só, um desespero só...

q MESSI

Após duas atuações convincentes em que parecia lembrar o grande craque do Barcelona, Messi foi dominado pelos gregos boa parte do jogo.

NA COLA DA ARGENTINA

im, o jogo não tinha grande importância. A Argentina estava praticamente classificada e com o primeiro lugar no grupo quase assegurado. Sim, era uma equipe mista, apenas com metade dos titulares. Tudo verdade. Mas, depois de ver o time contra a fraca Grécia, até o torcedor hermano mais milongueiro deve ter repensado a vida. A Argentina que chegou a empolgar nas primeiras duas rodadas não compareceu ao jogo de Polokwane. Foi tudo feio demais: o jogo, a Grécia e sobretudo a Argentina. O esquema não mudou. Um zagueiro (Burdisso) ficou na lateral direita e na esquerda entrou Clemente Rodríguez. Demichelis só não recebeu uma nota mais baixa na avalia-

Sul-coreanos esperam Uruguai

ARGENTINA GRÉCIA

2 0

22/6/2010 - Peter Mokaba (Polokwane) J: Ravshan Irmatov (UZB) CA: Katsouranis G: Demichelis (33/2º), Palermo (43/2º) GRÉCIA: Tzorvas (7,5), Kyrgiakos (6), Vyntra (5,5), Papadopoulos (5) e Torossidis (5,5) (Patsa 9/2º (5)); Tziolis (5,5), Moras (4,5), Sokratis (5), Katsouranis (5,5) (Ninis 9/2º (4,5)) e Karagounis (5,5) (Spyropoulus int. (5)); Samaras (6). T: Otto Rehhagel ARGENTINA: Romero (6), Burdisso (4,5), Demichelis (5), Otamendi (5) e Clemente Rodríguez (5); Bolatti (6), Verón (5,5), Maxi Rodriguez (5) (Di Maria 18/2º (5,5)) e Messi (6); Aguero (5) (Pastore 31/2º (s/n)), Diego Milito (4,5) (Palermo 35/2º (6)). T: Diego Maradona

o jogador comum que ele não é. Seus melhores lances aconteceram quando o marcador já tinha sido aberto e os espaços abundavam. Mesmo assim foi considerado o melhor em campo. Coisas da Fifa.

NIGÉRIA COREIA DO SUL

2 2

22/6/2010 - Moses Mabhida (Durban)

(2)

Por Alexandre Salvador

J: Olegário Benquerença (POR) P: 61 874

UM GÊNIO INCOMPREENDIDO (1 ) R ICA RDO MA Z A L AN/AP P HOTO | (2) LEE JIN-MAN/AP PH OTO

ção PLACAR porque marcou o primeiro gol. Ele tomou um baile do grandalhão Samaras, da Grécia. O meio-campo pouco criou, e a decepção maior ficou por conta do ataque que tanto fez nas rodadas anteriores. Aguero foi inoperante. Nos 60 minutos em campo, não fez um décimo do que tinha feito nos poucos minutos que teve contra a Coreia do Sul. A jogada mais contundente de Diego Milito na partida foi evitar o primeiro gol argentino ao “salvar” a cabeçada de Demichelis antes do próprio zagueiro botar o rebote para as redes. Messi até aparecerá bem nas estatísticas. Chutou algumas, conseguiu dribles, carimbou a trave, criou a jogada que resultou no segundo gol, de Martín Palermo. Os números podem mentir, de vez em quando. Messi jogou pouco, anulado pela marcação grega. Pareceu

Festa com sabor especial na metade azul e amarela

eram um fiasco: 14 partidas e apenas 8 gols.

de Buenos Aires. Um de seus ídolos mais queridos

Veterano, Martín foi ressuscitado na seleção

teve ontem a noite dos sonhos. Martín Palermo

por Maradona, e já tinha retribuido à altura a

marcou em sua primeira partida de Copa do Mundo.

oportunidade: nas Eliminatórias, Palermo havia

O gol foi “à la Palermo”: de rebote, chute meio

feito um gol decisivo, contra o Peru (aos 47min do

desengonçado. Mas marca a volta por cima de

2º tempo), quando a presença na África também

El Loco com a camisa da Argentina. Palermo é o

era um sonho. “Isso é impagável”, disse Martín.

maior artilheiro da história do Boca Juniors, com

Depois dos impagáveis três pênaltis perdidos em

220 gols marcados. Com a seleção, seus números

1999, Palermo teve seu momento de redenção.

ALEXANDRE SALVADOR É REPÓRTER DA VEJA E ESCREVE A CONVITE DO JORNAL PLACAR SOBRE A ARGENTINA NA COPA (E NÃO, ELE NÃO TEM MEDO DE SER XINGADO PELOS BRASILEIROS).

Asiáticos conseguiram a vaga graças à ruindade do ataque nigeriano

CA: Enyeama, Ayila, Obasi e Kim Nam-Il G: Uche (12/1º), Lee Jung-Soo (38/1º), Park Chu-Young (3/2º) e Yakubo Aiyegbeni (23/2º) NIGÉRIA: Enyeama (5), Odiah (6,5), Yobo (6) (Echiejile int.), Shittu (5,5) e Afolabi (5,5); Ayila (5,5), Etuhu (5,5), Obasi (6,5) e Uche (6,5); Kanu (5) (Martins 12/2º (5,5)) e Yakubo Aiyegbeni (5,5)

k

A Nigéria apertou a Coreia do Sul até os 49min do 2º tempo, mas não conseguiu desempatar. Com grande atuação de Park Ji-Sung, os asiáticos garantiram os 2 x 2. Odiah cruzou pra Uche finalizar rasteiro: 1 x 0. O mes-

mo Uche deu na trave aos 36min. No contra-ataque, Lee Jung-Soo igualou de cabeça. Park Chu-Young virou de falta. Depois, Yakubo perdeu gol feito sem goleiro. Mas o próprio empatou de pênalti. A Coreia do Sul pega o Uruguai nas oitavas.

(Obinna 25/2º (6)). T: Lars Lagerback. COREIA DO SUL: Jung Sung-Ryong (5,5), Cha Du-Ri (5), Cho Yong-Hyung (5,5), Lee Jung-Soo (6,5) e Lee Young-Pyo (6); Ki Sung-Yueng (5,5) (Kim Jae-Sung 41/2º (s/n)), Kim Jung-Woo (6), Lee Chung-Yong (5,5) e Park Ji-Sung (7); Yeom Ki-Hun (5,5) (Kim Nam-Il 19/2º (5,5)) e Park Chu-Young (6,5) (Kim Dong-Jin 47/2º (s/n)). T: Huh Jung Moo.


jo r nal pl aca r | qua rta-feir a , 23 d e j u n ho d e 2010

12

grupo c

eua

inglaterra

eslovênia

argélia

Ingleses apelam para a superstição Em crise por “porre”, English Team vai usar velho uniforme vermelho

Terry versus Capello A semana foi tumultuada. No último domingo, John Terry, que perdeu a braçadeira de capitão após o envolvimento com a esposa de Bridge, criticou o treinador Fabio Capello. O zagueiro disse que Joe Cole teria que ser titular e, de quebra, delatou a bebedeira de nomes como Lampard, Gerrard, Rooney e do técnico após o 0 x 0 com os argelinos. “Você tem que falar de

maneira privada, não à mídia. Provavelmente um ou dois jogadores não estão felizes, mas a maioria está. Um jogador não é tão importante comparado a todos os outros. O grupo é mais importante”, explicou o italiano Capello, treinador mais bem pago da Copa (ganha cerca de 17,5 milhões de reais por ano). Ontem, Terry justificou. “Fizeram uma pergunta sobre Joe Cole e fui longe demais. Mas minha intenção nunca foi prejudicar o técnico ou os jogadores”, falou o defensor, que terá a companhia de Matt Upson na zaga, já que Jamie Carragher está suspenso.

Defesa eslovena O técnico Matjaz Kek confirmou Mavric como titular na zaga. O dono da posição, Marko Suler, sente dores no tórax e está vetado. “Os jogadores precisam apenas acreditar na própria qualidade, na própria capacidade”, ensinou Kek.

As desculpas de Terry (à esq.), que acusou Capello e colegas de bebedeira

Técnico: Matjaz Kek 1 Handanovic 2 Brecko 5 Cesar 22 Mavric 13 Jokic 10 Birsa 8 Koren 18 Radosavljevic 17 Kirm 9 Ljubijankic 11 Novakovic

Eslovênia

13

Técnico: Fabio Capello

18

22

9

1

8

17

5

11 2

10

k

O atacante Altidore teve problemas estomacais, mas vai pra partida

James Glen Johnson Upson John Terry Ashley Cole Barry Lampard Gerrard Lennon Rooney Defoe

2

4 19

15 1

14

8

6

10 3

7

Hoje • 11h • Nelson Mandela Bay (Port Elizabeth) • J: Wolfgang Stark (ALE)

Exército americano quer matar inoperante Argélia (2)

1 2 15 6 3 14 8 4 7 10 19

Inglaterra

Para garantir a classificação à fase de mata-mata, os Estados Unidos sabem que precisam triunfar hoje diante dos argelinos, que vêm de empate com a poderosa Inglaterra. Os argelinos não sabem o que é marcar um gol em Copas há 24 anos — fora dos últimos cinco Mundiais, fez o último tento na estreia em 1986, no empate com a Irlanda do Norte por 1 x 1. “É a oportunidade. Uma vitória permitirá que entremos pra história pela porta da frente”, explicou o atacante Djebbour. Os americanos, que em-

pataram os dois jogos, nunca tiveram tanto apoio de seu povo no futebol. A estreia contra a Inglaterra foi vista por 17 milhões de telespectadores, um recorde desde 1994, quando o país sediou o evento. Sem falar que 120 000 ianques viajaram à África do Sul pra acompanhar as partidas. “Estamos muito conscientes do que cada resultado pode representar. Se perdermos, estamos fora da Copa. Se vencermos, seguimos”, disse o meia-atacante Donovan. Ele terá a companhia de Altidore, que se recuperou de problemas estomacais.

Técnico: Bob Bradley 1 6 5 15 3 4 16 14 10 8 17

Howard Cherundolo Onyewu DeMerit Bocanegra Bradley Torres Buddle Donovan Dempsey Altidore

Estados Unidos 3

14

15 1

17 4

10

5

8 6

16

Técnico: Rabah Saadane 23 M’Bolhi 2 Bougherra 5 Halliche 4 Yahia 21 Kadir 3 Belhadj 7 Boudebouz 19 Yebda 10 Saifi 13 Matmour 11 Djebbour

Argélia 2 19 5

13

11

23

3

10

4 7

21

Hoje • 11h • Loftus Versfeld (Pretória) • J: Frank De Bleeckere (BEL)

(1 ) Micha el R eg an/ Get t y Im age s | (2) Kevork Dja nse zian/ Get t y Image s

A

pós o péssimo desempenho contra EUA e Argélia, a Inglaterra precisa de uma vitória sobre a Eslovênia. Como o futebol do time não tem ajudado, os atletas resolveram apelar pra superstição: irão vestir um uniforme todo vermelho. Em toda a história do English Team, o traje idêntico ao do Liverpool foi usado quatro vezes, a última num amistoso com a Bélgica (3 x 1, em 1970). A seleção nunca perdeu (três vitórias e um empate).

(1 )


J O R NAL P L ACAR | Q UARTA- FE IR A , 2 3 DE J U NHO DE 2 0 1 0

ALEMANHA

SÉRVIA

AUSTRÁLIA

13

grupo d

GANA

Alemanha corre pra não passar vexame (1 )

Declaração de Podolski incendiou o time, que precisa vencer Gana

U

O brasileiro naturalizado alemão Cacau, autor de um gol na estreia, está escalado pelo técnico Joachim Low como titular hoje

Técnico: Milovan Radejac 22 4 19 8 2 6 9 13 12 21 3

Kingson Pantsil Addy Mensah Sarpei Annan Kevin Boateng Dede Ayew Tagoe Asamoah Gyan

Gana

2

22

12 6

19

21 8

3

9 4

13

Técnico: Joachim Low 1 16 3 17 14 6 7 13 8 10 19

Neuer Lahm Friedrich Mertesacker Badstuber Khedira Schweinsteiger Mueller Ozil Podolski Cacau

Alemanha

16

13

3

6 19

8

1

7 17

10

14

Hoje • 15h30 • Soccer City (Joanesburgo) • J: Carlos Eugênio Simon (BRA)

(2)

(1 ) P IER GIAVELLI | (2) DA RKO VOJINOVIC/ AP PH OTO

Irmãos não se falam Os africanos, que só precisam de um empate, contam com Kevin-Prince Boateng. O jogador da equipe ganesa, que chegou a atuar por seleções alemãs de base, quebrou Ballack na final da Copa da Inglaterra (entre Portsmouth e Chelsea) e tirou o craque alemão do Mundial. Seu irmão, Jerome Boateng, é reserva da tricampeã mundial, mas não quer papo. “Ele continua sendo meu irmão e eu lhe desejo o melhor, mas no momento não temos nada a dizer um ao outro”, avisou Jerome. “Já me desculpei duas vezes enquanto Ballack ainda estava recebendo tratamento, agora é a terceira”, lembrou Kevin-Prince.

Sérvios estão confiantes diante dos desfalcados australianos

k

Stankovic (à dir.) celebra ausências de Kewell e Moore

Low. “Eu posso fazer alguma alteração de posicionamento no time e aí teria como opções o Mario Gomez ou o Stefan Kiessling. Mas tenho uma tendência a favor do Cacau”, revelou o comandante.

ma estreia fulminante, um segundo jogo decepcionante. A trajetória da Alemanha na Copa é uma grande interrogação. A prova de fogo é hoje, diante de Gana. Uma vitória classifica o Nationalelf. Se empatar, a qualificação vai depender da partida entre Sérvia e Austrália. “A possibilidade de irmos pra casa tem que passar longe daqui. Uma desclassificação seria uma vergonha enorme pra Alemanha. Gana tem jogadores velozes, de qualidade. Mas a derrota não passa pela cabeça. Nossa obrigação é nos classificarmos sem sustos e na primeira colocação”, disse o meia-atacante Podolski, que desperdiçou um pênalti contra os sérvios. Podolski não terá a tradicional parceria com Klose, que foi expulso no último jogo. Cacau, brasileiro naturalizado alemão, é o mais cotado pra atuar como centroavante, de acordo com o técnico Joachim

A surpreendente vitória sobre os alemães encheu a Sérvia de confiança. Um resultado positivo hoje, diante da desfalcada Austrália, coloca o time nas oitavas. “Poucos acreditavam na gente contra a Alemanha, porém, mesmo com a pressão, sabíamos que poderíamos derrotá-los. Não ganhávamos deles havia 37 anos”, disse Jovanovic, autor do gol do triunfo. Com um ponto, os australianos esperam pouco do jogo, ainda mais sem os suspensos Kewell e Moore. “São grandes nomes. Vamos tentar usar isso a nosso favor”, analisou Stankovic, capitão sérvio. A situação australiana piorou com as declarações de Frank Lowy, presidente da Federação local, que pediu o fim das lamúrias pelas expulsões de Cahill e Kewell.

(2)

Técnico: Pim Verbeek

Austrália

8

14

23

Sérvia

6

10 18

2

16

1

4

5 1

22

15

21

5 7

Técnico: Radomir Antic

14 11

20 17

3

1 Schwarzer 8 Wilkshire 2 Neill 21 Carney 11 Chipperfield

1 Stojkovic 6 Ivanovic 5 Vidic 20 Subotic 3 Kolarov 17 Krasic

5 Culina 4 Cahill 16 Valeri 7 Emerton 19 Holman 23 Bresciano

22 Kusmanovic 18 Ninkovic 10 Stankovic 14 Jovanovic 15 Zigic

Hoje • 15h30 • Mbombela (Nelspruit) • J: Jorge Larrionda (URU)


JO R NAL PL ACA R | QUA RTA-FEIR A , 23 D E J U N HO D E 2010

14

copa

Mau humor de Dunga faz escola na África Técnicos de outras seleções agem como o brasileiro

N

ão é “privilégio” do Brasil ter um técnico nervoso, que distribui patadas a torto e direito. Outras seleções são treinadas por homens de “personalidade forte”. França, Inglaterra e Portugal também têm técnicos chiliquentos. Raymond Domenech, técnico francês, já chegou à África do Sul envolto em polêmicas — principalmente por seus critérios de convocação, que envolviam os signos dos jogadores. Mas foi durante a Copa que ele se destacou. Brigou com Anelka, foi coadjuvante na confusão entre o capi-

tão Evra e seu preparador físico e ainda se recusou a cumprimentar o técnico da África do Sul, o brasileiro Carlos Alberto Parreira. Fabio Capello, comandante da Inglaterra, criticou o ex-capitão John Terry, que falou à imprensa que havia ambiente ruim e bebedeira dentro do grupo inglês. Vladimir Weiss, técnico eslovaco, abandonou sua última entrevista coletiva, irritado com os jornalistas. E Carlos Queiroz, de Portugal, não gostou das críticas de Deco a seu trabalho e o deixou na reserva contra a Coreia do Norte. Bernardo Itri

OS PITIS DOS TÉCNICOS

Domenech

Fábio Capello

Vladimir Weiss

Carlos Queiroz

Desentendeu-se com Anelka, que acabou cortado do Mundial. No dia seguinte ao corte, seu preparador físico quase agrediu Evra. Ontem, após a derrota para a África do Sul, protagonizou uma grosseria: virou as costas para Parreira, negandose a cumprimentá-lo.

Embora na primeira fase a Inglaterra não tenha ido tão bem, o treinador estava contido. Mas, na segundafeira, Capello criticou Terry. O zagueiro disse que o ambiente no grupo estava ruim e que Joe Cole deveria ser titular. Capello retrucou: “Espero que deste grande erro venha um grande desempenho”.

O treinador da Eslováquia é um dos que mais se aproximam de Dunga. O motivo? Seu alvo é a imprensa. Anteontem, Weiss deu entrevista por apenas 40 segundos e abandonou a coletiva. Ele se irritou com perguntas sobre a derrota para o Paraguai. Fez a mesma coisa no sábado passado.

A birra do técnico de Portugal foi com Deco. Depois da estreia na Copa, o jogador criticou Queiroz por tê-lo escalado em posição errada e foi retaliado. Após a declaração, o meia ficou treinando em separado e amargou a reserva da equipe na partida contra a Coreia do Norte.

Este mês na Placar: Copa do Mundo Como Dunga comanda a Seleção Brasileira Libertadores São Paulo ou Inter: quem vai se dar melhor na volta da Copa? Copa do Brasil O Santos não vai ter moleza contra o Vitória Isso e muito mais na Placar de junho. Não perca. Já nas bancas!

Placar. Muito além das quatro linhas. www.placar.com.br


q uarta- fe ir a , 2 3 de j u nho de 2 0 1 0 | j o r nal p l acar

O goleiro do Corinthians, Felipe, não participou do treino da manhã de ontem, em Águas de Lindoia,

FORA DA ÁFRICA

com dores no braço e nos ombros.

Neymar lucra longe da África do Sul Empresas oferecem grana para associarem suas imagens à do craquinho

15

VICTOR CIVITA (1907-1990)

Fundador: Editor:

Roberto Civita

Presidente Executivo:

Jairo Mendes Leal Conselho Editorial:

Roberto Civita (Presidente), Thomaz Souto Corrêa (Vice-Presidente), Giancarlo Civita, Jairo Mendes Leal, José Roberto Guzzo Diretor de Assinaturas: Fernando Costa Diretora de Mídia Digital: Fabiana Zanni

(1 )

Diretor de Planejamento e Controle:

Auro Luís de Iasi

Diretora Geral de Publicidade:

Thaís Chede Soares

Diretor Geral de Publicidade Adjunto:

Rogerio Gabriel Comprido

Diretor de RH e Administração:

Dimas Mietto

Diretor de Serviços Editoriais:

Alfredo Ogawa

Diretora Superintendente: Elda Müller Diretor de Núcleo: Marcos Emílio Gomes

Diretor de Redação: Sérgio Xavier Filho

Redator-Chefe: Arnaldo Ribeiro; Editor-Executivo: José Vicente Bernardo; Editor: Marcos Sergio Silva; Editor de Arte: Alex Borba; Repórter: Bruno Favoretto; Estagiário: Ewerton Araujo; Designers: Eduardo Ianicelli e Everton Prudêncio; Colaboradores:

Bernardo Itri (reportagem), Heber Alvares e Luís Eduardo Ratto (designers); Tratamento de imagem: Eduardo Ianicelli; Coordenação: Silvana Ribeiro; Atendimento ao leitor: Sandra Hadich; PLACAR Online: Marcelo Neves (texto); Colaborador: Pedro Pracchia (texto). www.placar.com.br Em São Paulo: Redação e Correspondência: Av. das Nações Unidas, 7221, 7º andar, Pinheiros, CEP 05425-902, tel. (11) 3037-2000, fax (11) 3037-5597; Publicidade São Paulo www.publiabril.com.br; Classificados tel. 0800-7012066, Grande São Paulo tel. (011) 3037-2700. JORNAL PLACAR é uma publicação da Editora Abril com distribuição diária em São Paulo, pelo sistema de distribuição do Jornal Destak. PLACAR não admite publicidade redacional. IMPRESSO NA TAIGA Gráfica e Editora

Av. Dr. Alberto Jackson Byington, 1808, Cep 06276-000, Osasco, SP

(1 ) Le a ndro Ama r a l / Futur a P re s s | (2) ROG ér io pall at ta | (3) Mister Sh ad ow/F olhap re s s | (4) thiag o b er na nde s | (5) r enato pizz ut to

TIRAGEM 80.000 EXEMPLARES AUDITADA PELA BDO TREVISAN

O craque do Santos recebeu ofertas de 100 000 reais para ir à África do Sul

O

cachê de 1 milhão de reais prometido pela CBF para os comandados de Dunga — caso eles vençam a Copa — não causou inveja aos que ficaram de fora. Tanto jogadores que estavam brigando por uma vaguinha na seleção quanto veteranos de outros Mundiais estão lucrando neste período de Copa. Aclamado por admiradores para ser lembrado por Dunga, Neymar não foi à África do Sul para jogar, (2)

Denílson comenta na Band

mas poderia ter ido para engordar suas economias. Uma empresa que patrocina atletas de vários esportes convidou a revelação santista para ir ao país da Copa e ficar cerca de uma semana fazendo eventos. Segundo uma pessoa que trabalha com Neymar, o valor da proposta passava dos 100 000 dólares. Mas o jogador recusou, alegando cansaço. Mesmo assim, no Brasil, Neymar não deixou de lucrar. O atacante participou (3)

Cafu não sai da África do Sul

de eventos e, em alguns, recebeu um cachê cujo valor é igual ao salário de jogadores profissionais. Só pela presença de Neymar, algumas empresas pagaram 40000 reais ao santista. Mas ele foi a eventos por outras quantias — e, para os que ele tinha algum interesse pessoal, até de graça. “Muita gente ligava para pedir a presença de Neymar oferecendo 40000 reais. É bom para o marketing da empresa e dele”, diz uma pessoa do estafe do jogador.

Seu companheiro de clube Paulo Henrique Ganso também tirou uma casquinha em eventos. E ainda foi convidado pela mesma empresa que quis levar Neymar à África do Sul para estar presente a uma festa em São Paulo, mas não foi. Até ex-atletas usaram a Copa para fazer marketing (e dinheiro). Cafu fez aparições na África. No Brasil, Emerson, Denílson e Vampeta comentam o Mundial para a TV Bandeirantes.

Rober­to Civi­ta Giancarlo Civita Vice-Pre­si­den­tes: Arnaldo Tibyriçá, Douglas Duran, Marcio Ogliara, Sidnei Basile Presidente Executivo:

www.abril.com.br

SANTOS

Tricolor nega oferta do Peixe pelo volante Arouca (5)

Arouca e o Tricolor: proposta negada

Bernardo Itri

(4)

O técnico Vampeta: palpiteiro

Presidente do Conselho de Administração:

(5)

Ganso tirou casquinha

k

Para ficar com Arouca em definitivo, o Santos vai ter que pagar os 3,5 milhões de euros (cerca de 8 milhões de reais) pelos 60% dos direitos federativos que pertencem ao São Paulo — o restante é de uma empresa. O prazo é 31 de agosto. Ontem, o clube do Mo-

rumbi, que pretende reaproveitar o jogador se não conseguir negociá-lo com o exterior, negou a proposta do Peixe. “O contrato do Arouca tem algumas clausulas pré-estabelecidas. A presidência está vendo se é possível abaixar o valor”, disse o gerente de futebol do Santos, Paulo Jamelli.


JO R NAL PL ACA R | QUA RTA-FEIR A , 23 D E J U N HO D E 2010

16

PLACAR.COM.BR

personagens

JORNALPLACAR@ABRIL.COM.BR

Uma Copa da caça, outra do caçador Ronaldo e Roberto Carlos estiveram em 2002 e 2006. Por que um é herói e o outro é vilão?

x

VILÕES Alemanha - 2006

(1 )

(5)

Nas quartas de final contra a França, Roberto Carlos, em vez de marcar Henry, parou para arrumar o meião. O atacante ficou sozinho para fazer o gol da França que selou a eliminação brasileira.

HIGUITA

ESCOBAR

(2)

(4)

Paulo Rossi foi o herói da Itália. Artilheiro da competição, garantiu a vitória da Itália sobre o Brasil na segunda fase, ao marcar três gols da vitória por 3 x 2. Na semifinal, fez os dois gols contra a Polônia e marcou o primeiro da final contra a Alemanha Ocidental, vencida pelos italianos por 3 x 1.

(3)

Andrés Escobar marcou um gol contra, ainda na fase de grupos, contra os EUA. O colombiano foi assassinado dez dias depois — especulase que por apostadores colombianos que perderam muito dinheiro. (4)

Brasil - 1950

Em 1950, quando o Brasil perdeu a Copa em casa para o Uruguai, o goleiro Barbosa foi considerado o maior culpado. O jogo terminou 2 x 1 para a Celeste. Barbosa foi acusado de falhar no segundo gol, de Ghiggia.

PAOLO ROSSI 1982 - Espanha

Estados Unidos -1994

BARBOSA

2002 - Coreia/Japão Depois da pane na final de 1998, depois de ficar parado por quase dois anos e depois de romper o ligamento do joelho direito, Ronaldo foi o destaque da seleção brasileira em 2002. Marcou oito gols, sendo dois na final contra a Alemanha. O resultado, de 2 x 0, definiu o título.

Estados Unidos -1994 O goleiro acabou com a chance de a Colômbia ir para as quartas de final. No jogo contra Camarões, recebeu bola recuada na intermediária, foi tentar sair driblando e perdeu a bola para Roger Milla, que fez o gol.

RONALDO

EUSÉBIO

1966 - Inglaterra (4)

Artilheiro da Copa, com nove gols, Eusébio se destacou por seus dribles e incrível arranque. O atacante, conhecido como Pantera Negra, nasceu em Moçambique, então colônia de Portugal, e jogava no Benfica.

(1 ) ALE X A NDR E BAT TIBUGLI | (2) STAFF | (3 ) ROMEO G ACAD | (4) REP ROD UÇÃO | (5) R ICAR DO C ORR E A

ROBERTO CARLOS

HERÓIS

jornal placar edicao 171  

jornal placar edicao 171

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you