Page 1


, `


Sonho feito por muitas mãos É com grande prazer e satisfação que concretizamos este sonho e apresentamos aos/às pejoteiros/ as do Regional Sul 1 a primeira edição da Pejotação, um espaço de comunicação e partilha dos trabalhos da Pastoral da Juventude (PJ) em nosso Regional. A ideia surgiu da Coordenação Regional da PJ (CRPJ), junto com a Comissão Regional de Assessores/as (CRA), que no intuito de desenvolverem um projeto de animação pastoral que alcançasse e cativasse os/as jovens paulistas, dos grupos de base às equipes de coordenação, aproveitam a celebração dos 40 anos de história da PJ e lançam esta publicação! A revista é também um espaço de visibilidade para os Projetos Nacionais da PJ, que são organizados no regional em grupos de lideranças. São estes/as jovens que articulam a construção das matérias da Pejotação. Temos no Regional Sul1 jovens pensando e refletindo os seis Projetos Nacionais. São eles: Caminhos de Esperança: Potencializar as iniciativas de formação de coordenadores/as, lideranças e assessores/as, tendo em vista a opção da PJ de trabalhar com a formação integral. Mística e Construção: Alimentar os grupos de jovens com os elementos da espiritualidade e do seguimento a Jesus Cristo. Uma espiritualidade libertadora que fortalece a identidade da PJ. A Juventude quer viver: Posicionar-se publicamente sobre temas que afetam diretamente a vida da juventude, como também potencializar a participação e intervenção política buscando mobilizar a juventude pela garantia dos seus direitos. Teias da Comunicação: Favorecer a articulação e fortalecimento das redes de comunicação da PJ de forma criativa, inovadora e democrática. Ajuri: conhecer, respeitar e defender a realidade social e cultural dos povos tradicionais, garantindo a dignidade e a vida destas comunidades. Tecendo Relações: colaborar na construção da identidade de jovens que desejam aprofundar as temáticas da sexualidade, afetividade, diversidade e corporeidade. Quem faz a Pejotação Direção: Coordenação Regional da Pastoral da Juventude (CRPJ) e Comissão Regional de Assessores (CRA) do Regional Sul 1 Reportagens: Grupos de Trabalho (GTs) A Juventude Quer Viver; Ajuri, Caminhos da Esperança; Mística e Construção; Tecendo Relações e Teias da Comunicação Representantes dos GTs: Aline Alcaraz (A Juventude Quer Vi-

Fernando Diegues

4 PejotAç@o

Hoje a Pejotação é dividida em oito seções: Entrevista: Um bate papo com uma personalidade ligada à PJ. O Que é: Vamos “desvendar” expressões e símbolos que aparecem em nosso cotidiano pastoral. No Grupo: Traremos elementos que ajudarão na preparação de encontros, rodas de conversa, etc. Matéria da Capa: Uma matéria especial do que há no momento, assuntos ligados a temática juvenil. Dicas Culturais: Dicas para aprofundar temáticas com filmes, livros, lugares... Aqui se faz PJ: Nosso Estado é grande e diverso! Vamos explorar os cantos onde a PJ acontece. Aconteceu: Vamos mostrar atividades da PJ deste nosso Regional. PJ é você quem faz: Espaço para os jovens mostrarem sua cara e partilhar suas ações. Acreditamos estar diante de um instrumento que, além de contribuir para animação pastoral, estimulará e valorizará os Grupos de Jovens como lugares de vida, privilegiados para a formação, vivência e experiência da fé. A Pejotação é uma revista virtual e trimestral. Ela traz nestas páginas o trabalho de pejoteiros/as comprometidos/as com a causa da Juventude e sua evangelização. Ela retrata a força de um imenso sonho bom que, assim como esta revista, é fruto da construção coletiva. Compartilhamos este dom com você agora! A todos/as uma boa leitura! Coordenação Regional da PJ e Comissão Regional de Assessores ver); Denise Lima(Ajuri), Ir. Flávio Lima (Caminhos da Esperança); Elaine Lima (Mística e Construção) e Marco Júnior (Teias da Comunicação) Redação virtual: Tiago Motta, Lívia Lima da Silva, Fernando Diegues e Lucas Araújo Contato: www.pjsul1.org Pejotação é uma publicação trimestral da PJ do Regional Sul 1


5 PejotAç@o

Papo da vez: Márcio Camacho A espiritualidade e a mística compõem uma das dimensões do processo integral de formação da Pastoral da Juventude. A espiritualidade é “o que nos alimenta e nos dá vida. É o sopro de Deus que age em nosso ser”. É o que anima para a defesa da vida. E a mística por sua vez, vem do grego “escondido”. Sim é algo que não se vê apesar de ser real. Ela é a “alma da espiritualidade”. A espiritualidade e a mística, como um verdadeiro caminho trilhado pela PJ ao longo de 40 anos de história no Regional Sul 1, é o que trataremos com o Márcio Camacho na primeira entrevista da PEJOTAÇÃO!

Fernando Diegues

Divulga

ção

Diegu Fernando

es

Fernando Diegues

Divulga

ção

Por GT Mística e Construção


6 PejotAç@o

Ao longo dos 40 anos da PJ no Regional Sul 1, a espiritualidade tem sido uma forma de resistência e também um jeito de reafirmar a identidade da PJ?

Divulgação

Percebo a espiritualidade “pejoteira” como um jeito jovem de viver a espiritualidade cristã, com as características, anseios, gritos, sofrimentos e sonhos próprios dos jovens. Espiritualidade cristã é experiência: seguir Jesus e viver a vida “segundo o Espírito” dEle (o Espírito Santo), ou seja, segundo o jeitão, as opções, e à maneira de Jesus de Nazaré. A vivencia dessa espiritualidade encarnada na vida da juventude suscita, naqueles que a experimentam, o compromisso com o projeto evangélico e humanista de “vida plena pra todos” (Jo 10,10). É, por isso, sim, uma espiritualidade da resistência frente aos desafios, que fortalece a convicção de que vale a pena lutar/viver por um mundo mais justo e solidário. Mas tudo vivido na alegria militante, não num sacrifício estéril, sem sentido, e nem de um ativismo com fim em si próprio, ou em nome de uma “moda militante”. Esse jeitão de viver a espiritualidade, de forma jovem e comprometida, não alienada nem alienante, a meu ver, marca a identidade da PJ. Não é uma outra espiritualidade: é a própria espiritualidade cristã, encarnada/inculturada na realidade juvenil. Mas, é bom que se saiba: quando a nossa identidade é revelada, quando a gente mostra a cara, tem gente que “vai com a nossa cara”, e tem gente que não. É o preço que se paga por ser autêntico, o que não deve nos fazer presunçosos, nem arrogantes, mas seguros de ser o que se é. É comum ouvirmos comentários do tipo “a PJ não reza, não tem espiritualidade”. Na sua opinião, qual a razão para esta falta de compreensão da maneira como a PJ vive esta dimensão? A quem afirma que a PJ não tem espiritualidade, devemos perguntar, respeitosamente: o que é espiritualidade prá você? Se a resposta for “espiritualidade é o quanto se reza”, ou “momentos de espiritualidade são momentos de forte emoção que nos levam a sentimentos religiosos”, ou coisa parecida, esta opinião/experiência merece nosso respeito, mas teremos que reconhecer que a PJ não tem esse tipo de espiritualidade. Porque a espiritualidade cristã vivida por quem participa dos grupos da PJ pode ser compreendida como aquela experimentada nos momentos de oração pessoal, de oração comunitária (celebrações, ofícios

divino, etc.), nos retiros, romarias, cantos, dança, na reflexão a partir da Palavra de Deus, nas partilhas, mutirões, na indignação frente as injustiças, no exemplo deixado pelos mártires, na opção/ação junto aos excluídos, inspirada e temperada no exemplo e companhia de Maria, no afeto expressado entre os companheiros e companheiras, na alegria da vivência em grupo, nas brincadeiras... Assim, sem nenhuma presunção, nem pretensão de ser melhor que ninguém, creio que a PJ tem espiritualidade “a mais”, e não “de menos”. E isso não quer dizer que a oração não é importante. Pelo contrário: os momentos de oração pessoal e comunitária são momentos especiais de toda essa vivência espiritual... só não são o único, e nem medimos pela quantidade. De qualquer forma, vale a pena lembrar uma frase do D. Angélico Bernardino: “Quem não reza vira bicho”. Entendo que medir a espiritualidade pela quantidade de reza é reduzir a espiritualidade a uma expressão religiosa, a momentos, e não compreendê-la como uma experiência de vida. Não cabem aqui generalizações do tipo “a espiritualidade é a vida”, nem “a espiritualidade é a oração”. Mas é experiência, com momentos de oração e momentos de ação, momentos de reflexão e momentos de tomar atitudes, motivados pela mesma força mística do Evangelho, do Reino, do seguimento de Jesus, e da missão. Como você entende a PJ como ação evangelizadora de Jovens? Quais os desafios dessa ação evangelizadora hoje? Uma ação que procura, inspirada na convocação do Evangelho, lutar para que a juventude tenha vida, inspirada pelos valores do Reino e pela justiça. É uma ação evangelizadora naquilo que de mais explícito se pode pensar a respeito. Ainda que a forma e a expressão, o modo próprio de fazê-lo, incomode a alguns; ainda que não seja uma ação perfeita; que existam mil contradições; que se enfrente crises; ainda que “se pise na bola” muitas vezes; que não se esteja sozinho (graças a Deus) nessa tarefa, e justamente por isso tudo, é uma autentica ação evangelizadora. Também aqui há que se lembrar que tem gente que entende “ação evangelizadora” a partir de outros referenciais como, por exemplo, estilo “pregação”, ou “proselitismo” (ir buscar gente pra aderir à religião para aumentar o numero de adeptos), ou estilo mais moralista ou moralizante, buscando uma “purificação” dos jovens... enfim, sem querer desqualificar qualquer outro entendimento sobre “evangelização”, o fato é que fica difícil desqualificar a ação evangelizadora da PJ, taxando-a de ideológica, ou política (como se política fosse coisa errada quando se trata de viver a


7 PejotAç@o

fé). Ora, a busca pela vida plena, e pelo bem comum (sentido mais básico de fazer política) está no cerne de toda missão profética e evangelizadora. Desafios? Muitos... de ser uma ação cada vez mais inculturada na realidade juvenil, de muitas vezes não contar com apoio institucional (da Igreja, dos párocos, dos bispos), de lidar com nossas fragilidades humanas, de não compreender os sinais dos tempos, de ir constantemente ao encontro do sofrimento de tantos irmãos injustiçados (o que causa sofrimento, mas também alegria), de não se acomodar, de não se deixar levar por modismos, de não fraquejar diante das dificuldades, de não perder a fé, de não se tornar “uns chatos”, e ao mesmo tempo, não abrir mão das convicções evangélicas; de não se sentir superior ou presunçoso, de saber somar respeitando as diferenças, de compreender quais as prioridades, de não ser autoritário, de ter que lutar contra a corrente quase o tempo todo, de nunca perder a esperança, e ao mesmo tempo ter sensibilidade de saber a “hora de parar” (“sob o céu há tempo pra tudo..”, como diz o Eclesiastes), de... quantos desafios ainda cabem nesse papel? Mas, desafios são exatamente a matéria prima que impulsiona toda missão libertadora. Se vale uma dica, sugiro: menos reuniões, menos ativismo, mais momentos de comunhão, partilha, amizade, festa, oração, convivência e tolerância com o estilo que cada um molda para fazer sua experiência e, assim, acumulando energia para os momentos de luta. O excesso de reuniões e atividades “preparatórias” pode ser sinal de que nossa metodologia está equivocada e pode levar, inclusive, a uma ineficácia e imobilidade. Como viver uma espiritualidade libertadora e encarnada, voltada pra defesa da vida, no atual contexto em que o individualismo e consumismo são marcas predominantes na nossa sociedade? A pergunta já contém a resposta: Como viver isso? Vivendo!!! Testemunhando que é possível, encantados e, ao mesmo tempo, encantando com esse modo de viver um “outro mundo possível”, com profundidade e leveza. Além do individualismo e do consumismo, e também por causa desses e de outros fatores, hoje estamos vivendo um momento de grande intolerância com as diferenças, de moralismo exacerbado (não caridoso, mas excludente), de uma retomada de certos valores conservadores, cheios de violência simbólica, excomunhões, de negação de direitos já conquistados, e bloqueio no acesso a novos direitos, ou aqueles ainda não conquistados... O Evangelho da Vida continua

a nos interpelar a construir relações de tolerância, de respeito. Ser, assim, sinal de contradição, defendendo a vida plena, autônoma, livre das amarras e das misérias. Que os tantos desafios a enfrentar e lutas prá encarar não nos impeçam de repetir e experimentar aquela mensagem do poeta: a vida “é bonita, é bonita e é bonita”. Sem medo de ser feliz! Estamos às vésperas dos 40 anos da PJ no regional e tendo você participado ativamente da PJ nos anos 90 conte-nos um pouco desta história! Algo que marcou a espiritualidade da PJ naquela época foram as primeiras romarias da juventude. Houve alguma resistência, inclusive por membros da coordenação do regional, de realizar um evento como esse, de massa. Mas se tornou o ponto alto anual da espiritualidade no regional. O deslocamento da moçada de todo o estado para se encontrar “na casa da Mãe”, com todas as dificuldades logísticas e de organização/comunicação (na época não contávamos com a internet) que enfrentávamos, era, no final, um momento de profunda espiritualidade. As duas primeiras romarias, das quais lembro mais efetivamente, foram muito especiais, de grande emoção, caminhadas pela madrugada, levando luzes e cantando... Lembro ainda do momento final da primeira romaria: com fios de lã coloridos sobrevoando as cabeças, formamos uma gigante rede, simbolizando nossa comunhão. Depois a depositamos aos pés de Nossa Senhora, para que ela seguisse com a gente na jornada. Em algumas edições houve também um momento de vigília na madrugada, dentro da Basílica Nacional... momentos de oração muito profundos, inesquecíveis. Outra marca da espiritualidade dos anos 90 foi a redescoberta da Ofício Divino das Comunidades (ainda não tínhamos o ofício da juventude), e os retiros à moda da leitura orante da Bíblia. Esses métodos de oração foram assumidos pela PJ Nacional na “Onzima” (11ª Assembleia Nacional da PJ, em 1995). Finalmente, vale lembrar também que nessa época começou a experiência das Missões Jovens, tendo como pioneira a PJ da Diocese de Assis, que após se tornou uma referência para outras dioceses. Quanta vivência de espiritualidade as missões jovens proporcionaram? Quantas vidas jovens foram marcadas por essas experiências?

Divulgação

Márcio foi da Coordenação Nacional da PJ entre 94 e 98, por São Paulo.É autor de “Canta Latino América Jovem” (http://is.gd/hPTnh7). Atua no Instituto Paulista de Juventude - IPJ.


Matéria da Capa

PejotA

A vida começa aos quar Por Rogério Oliveira*

Fotos: Fernando Diegues Imagens: Divulgação

Gosto de observar o fascínio que as pessoas têm por números redondos. Eles representam uma virada, uma nova possibilidade, um marco. Senão vejamos: “uma década de sucessos”, “balzaquianas, as mulheres de 30”, “a vida começa aos quarenta”, “50 anos, bodas de ouro”, “100 anos, o centenário”. Se um aniversário que termina com um zero não representa de fato tudo isso, as ideias por trás destas afirmações são muito boas. Olhemos para a PJ do Regional Sul 1, década a década para perceber as mudanças de seu jeito de ser e a formação e estruturação de características próprias para um agir pastoral no meio e com a juventude. A bebezinha pejoteira e paulista nasce em 1973. Herdeira das experiências da Ação Católica Especializada, ela nasce no meio das CEB’s, colhendo a experiência de vários grupos. O contraponto do cenário eclesial de então, no que se refere ao trabalho com a juventude, vinha dos grupos massivos de encontros, carregados de muita emoção. É um contexto de ditadura, mas também de busca por libertação. Os bispos latino-americanos já apontavam isso desde 1968 quando se reuniram em Medellin. Para isso era preciso se organizar, articular-se enquanto forças vivas de uma Igreja comprometida com a causa do Reino. A bebezinha pejoteira foi uma criança planejada. Nasceu no tempo certo e cresceu neste ambiente, absorvendo e aprendendo com os contextos e conjunturas daquela época. Daí veio a primeira virada. Quando completou dez anos já era uma garotinha que enxergava um cenário mais amplo. Percebia a necessidade de estar articulada organicamente no estado, buscava fortalecer onde estava mais fraca e apoiava as iniciativas de

onde estava mais forte. Os cenários de Igreja e de sociedade também apontavam para isso. As forças vivas clamavam por redemocratização e participação plena. As pessoas se juntavam em pastorais, associações, sindicatos e partidos. E a garotinha pejoteira ia firmando passos, construindo sua própria metodologia, maturando a tal da formação integral, acumulando experiências e forjando o futuro. Chega a crise da juventude, quando a garo-

ta pejoteira completa vinte anos. As contradições batiam em sua porta e ela não sabia muito bem para onde ir. O mundo já não era tão maniqueísta quando ela pensara. O muro caíra, o presidente caíra. Um ano antes, ela saíra com os cara-pintadas na rua, no mesmo ano em que a Igreja celebrara uma Campanha da Fraternidade falando da juventude. A sua organização já não apontava novos rumos, havia certa incerteza no ar. Mas era preciso continuar caminhando, ora para frente, ora recuando. Para os recém-chegados, ela ainda apresentava o fascínio da organização, da metodologia, da formação, da vida nova. Nós nos conhecemos em Bauru, no ano de 1996. Ambos estávamos 2001 a 200 por completar 23 anos. Por causa DNJs sobre PP deste encontro, pela primeira vez tive a sensação de pertencer realmente a algo grande, organizado, com tantos rostos diferentes e tanta vontade de semear o Reino de Deus. Nesta década de contato, fui entendendo sua história, conhecendo seu passado para poder compreen-


Aç@o

renta... Concílio Lins, em julho de 1998, reuniu jovens de todo o Brasil

der as opções que tinha naquele momento presente. Senti que a PJ neste regional estava às buscas dos sentidos de suas raízes e que ao tentar entender o fenômeno juvenil de então, também enveredava pelos caminhos das artes, da missão jovem e da espiritualidade. Foram as primeiras romarias da juventude que aproximaram mais os grupos de base desta dimensão regional, por exemplo. Lembro bem da festa que foi a comemoração dos 30 anos. Novamente repetia-se o ciclo: celebrava-se o passado e projetava-se o futuro. Já tínhamos uma metodologia, um modelo de formação, um processo de educação na fé. Contudo, firmava-se neste tempo o real sentido de ser PJ: sermos cuidadores da vida dos jovens. Era preciso olhar o mundo juvenil além dos muros eclesiais. Muitos jovens morriam (e morrem) por nada. Outros tantos eram largados à margem da educação, saúde e cultura. Era preciso se empe06: nhar e pressionar as autoridades PJs por políticas públicas para a juventude (PPJs). A PJ foi uma das pioneiras neste sentido. Quantas moças e rapazes, contemporâneos meus (outros nem tanto), hoje engrossam as fileiras daqueles que querem construir um mundo mais justo

PJ NACIONAL TAMBÉM FICA QUARENTONA

Além da galera do Regional Su 1, a PJ Nacional chegou na “casa dos 40” e criou um símbolo para celebrar a data histórica. O mapa do Brasil foi pano de fundo. Seus contornos estilizados compõem o chão onde a PJ escreveu sua história nesses 40 anos e onde estão gravadas as lutas, o rosto juvenil e toda a ação realizada em prol da juventude. O 40 é formado por fitas coloridas em movimentos que não se prendem. São abertas e contínuas indicando que é tempo de festa, mas que a história não termina aqui. Os desenhos em preto e branco ressaltam a espiritualidade e o engajamento. O preto simboliza a reunião de todas as outras cores juntas. e solidário. Sinto a alegria de saber que foram estes 40 anos de PJ que contribuíram para moldar a história de tanta gente. Quarenta anos. Um aniversário redondo. Uma opção de virada, de novas perspectivas, de nova missão. Quarenta é um número bastante simbólico. Foi o tempo em anos que o povo de Deus peregrinou no deserto, o tempo em dias em que Jesus jejuou no deserto e os dias e noites de duração do dilúvio. É um número que para o povo hebreu revela completude, fim de um ciclo e início de outro. Não. A PJ não está velha. Está novinha e, de novo, começa outro ciclo, mais madura, mais experiente, com mais história e com muito mais energia. Afinal, a vida começa aos quarenta, não é? * Rogério é membro da Comissão Regional de Assessores da PJ Sul 1. É autor do livro “Pastoral da Juventude - E a Igreja se fez jovem”. Atua no Instituto Paulista de Juventude - IPJ.


10 PejotAç@o

O que é... ...Essa cruz “torta” dentro de um círculo?

Por GT Ajuri

“Traga a bandeira de luta, deixa a bandeira passar, essa é a nossa conduta, vamos unir pra mudar.” (Zé Vicente) então jovem Cristiano, aqui do Regional Sul I, hoje já adulto e casado. O símbolo da PJ representa uma cruz estilizada, como se ela estivesse deitada no chão, servindo de estrada, um caminho, rumo à “Civilização do Amor” tão citada em nossos documentos e proferida pelo saudoso Papa Paulo VI para os jovens de todo planeta. O Arco em volta simboliza o compromisso com os pobres, indígenas, excluídos e com o Reino de Deus. A cor vermelha do nosso símbolo é a cor da paixão. Paixão pelo novo, pelo protagonismo juvenil, pela utopia. E quando realmente estamos apaixonados, a gente respeita, a gente cuida, a gente ama e amar nos leva a “Civilização do Amor”. Com o passar dos anos o símbolo foi se modificando e tomando varias formas até chegar neste que hoje temos como sendo o oficial (abaixo). Mas mesmo assim, alguns grupos de jovens fazem uma releitura própria ao confeccioná-lo, mas sem nunca perder sua formação original e sua essência.

Logotipos retirados da internet

Quantas vezes você já exibiu orgulhoso este símbolo acima em alguma camiseta, em bandeiras agitadas fervorosamente ou já pulou horas ao lado de quem nem conhecia, mas que também tinha o mesmo amor que você por este símbolo? Essa imagem tem o poder de unir e fazer com que pjoteiros e pjoteiras do país todo se reconheçam. Mas você sabe o real significado deste símbolo? Ou como foi que ele surgiu? Não? Então fique sabendo agora. O símbolo da Pastoral da Juventude surgiu de um concurso nacional realizado entre o final dos anos 80 e início dos anos 90. Foi criado pelo

Que saber mais coisas? Dá uma olhada em http://www.pjsul1.org/site/pastoral-da-juventude.php Fernando Diegues


11 PejotAç@o

Para grupos Pejoteiros são pioneiros na discussão das Políticas Públicas para Juventude Por GT A Juventude Quer Viver...* minho é pisar o chão com insistência e fidelidade, o GT A Juventude Quer Viver... traz uma dica para você, animador de grupo de base. O roteiro na próxima página convida a fazer memória da opção pastoral que fez com que a PJ, junto a diversas outras entidades, contribuísse para que no Brasil houvesse o reconhecimento da Juventude como uma fase peculiar e relevante da vida, e para os direitos específicos de que essa parcela da população precisa para alcançar uma vida plena. *Colaborou Marcos Dantas (assessor na PJ e membro do Instituto Paulista de Juventude - IPJ)

Fernando Diegues

Era uma vez uma Pastoral da Juventude em crise (sim, parece incrível, mas a PJ já esteve em crise!), e a experiência lhe mostrou que ficar discutindo a situação de crise não estava ajudando a resolver as coisas. Então, a Sra. PJ decidiu tomar uma atitude, apostar em levantar uma bandeira que estava começando a ser discutida em todo o Brasil. Era início de 2001, e o tema das PPJ’s (Políticas Públicas de Juventude) arrebatou o coração de tod@s os pejoteir@s que, naquela época, sonhavam com uma nova Pastoral e com uma nova sociedade. Como sinal desse novo compromisso, os Sub-regionais SP1 e SP2 realizaram um Congresso que teve como eixo central as tais das PPJ’s. Foi a primeira atividade com essa temática que rolou no nosso Regional. E os frutos dessa história de amor, estão espalhados por todo o país: Conselhos Municipais dos Direitos da Juventude, Secretarias e Coordenadorias de Juventude foram criadas com a participação protagonista de pejoteir@s; ocupamos a cadeira “Segmento Religioso” no CONJUVE (Conselho Nacional de Juventude) e sua grande contribuição na construção das duas Conferências Nacionais de Juventude (2008 e 2011). Além do mais, como mensurar a transformação que a militância politica (leia: Fé posta em prática) gerou no coração de tant@s pejoteir@s? Certamente, esse processo iluminou e reforçou a opção preferencial pelos pobres e pelos jovens rumo à Construção da Civilização do Amor. Assim, certos de que essa história de amor entre a Pastoral da Juventude e a luta pelos direitos juvenis precisa continuar sendo cativada nos corações de tod@s os pejoteir@s, e certos, também, de que construir um ca-


12 PejotAç@o

No encontro! Objetivos e reflexões: somos convidados a discutir com a sociedade, mas principalmente com a nossa comunidade, a vida da juventude. Materiais: recortes de jornais e/ou revistas relatando/ilustrando situações que evidenciem tanto a vida como a falta dela para a juventude, bíblia, vela, panos e outros objetos que sirvam para a ambientação do local do encontro Acolhida: Cada jovem que chega é acolhido/a com um abraço e direcionado para o ambiente. Ao fundo a música “Ideologia” do Cazuza (link para o clipe: www.youtube.com/watch?v=jfw7XVkLqlY ) Mantra: “Vidas pela vida” (escute a música em www.youtube.com/watch?v=v4AfrLKO1VA ) Convidar os/as jovens a perceber o cenário, recordar a música do Cazuza, e recordar sua realidade, a de seus amigos, a que vê na TV, etc. Primeiro em silêncio, depois algumas pessoas podem partilhar. Dinâmica: (Objetivo - Compreender que a libertação é nossa missão como cristãos e cristãs) Apresentar uma pessoa com os olhos vendados, boca lacrada, os ouvidos fechados, os pés amarrados, as mãos amarradas e convidar os/as participantes a olharem um pouco em silêncio para ela. Passado um tempo, convidar algumas pessoas para retirar suas amarras, uma por uma, dizendo o porquê estão fazendo isso. O que deseja libertar ao tirar a amarra? Quando o jovem estiver totalmente livre, dirá como está se sentindo. Iluminação com a Palavra: Is 6,8 “Ouvi, então, a voz do Senhor que dizia: ‘Quem é que vou enviar? Quem irá de nossa parte?’ Eu respondi: ‘Aqui estou. Envia-me!’” (trecho em: www.pnsbspombal.com.br/web/index.php/biblia-pastoral-online.html ) Reflexão: O projeto de Deus, do Jesus Cristo Libertador, nos convida à superação das injustiças e de todas as formas de escravidão, em favor, assim, da construção de um mundo justo e solidário. O evangelho nos remete à disposição à construção do Reino. Hilário Dick nos diz: “Não somos justos sozinhos; Não somos solidários sozinhos; Não somos cidadãos chaveados em nosso quarto. Feliz quem sai de si.” Partilha: Nossa comunidade tem discutido as responsabilidades e formas de, enquanto cristãos/ãs, assumirmos uma prática libertadora? A luta pela construção e efetivação de PPJ’s é um caminho de prática que liberta e contribui para a Construção do Reino do qual podemos/devemos fazer parte. Leitura para reflexão: Feliz quem sai de si - Hilário Dick (anexo do link: http://xa.yimg.com/kq/groups/22313370/1532026293/name/SUBSIDIO-MISSAO-JOVEM ) Oração final: Benção mariana

Internet

“A Divina Mãe nos abençoe e nos proteja. Encha os nossos pés de dança e os nossos braços de força. Cumule os nossos corações de ternura e nossos olhos de alegria. Povoe os nossos ouvidos de música e nosso nariz de perfume. Inunde nossa boca de júbilo e nossa alma de felicidade. Conceda-nos sempre os dons do deserto: silêncio, confiança e água pura. Inunda em nós energia, para dar um rosto novo à esperança. A Divina Mãe nos abençoe!”


13 PejotAç@o

Aqui se faz PJ Guarulhos e Limeira movimentam a juventude Por GT Caminhos da Esperança Aproximadamente 155 quilômetros separam as cidades de Guarulhos (sub regional SP2) e Limeira (Sub de Campinas), mas a distância não impede que elas tenham coisas em comum. Além de serem as sedes de suas respectivas dioceses, nos dois locais a Pastoral da Juventude segue fazendo história. Lá em Guarulhos, a PJ abusa da criatividade para construir atividades que cativam e ofereçam um processo de formação contínuo aos, aproximadamente, 20 grupos de base em atividade. Vamos conhecer? Fest Jovem: já na 23ª edição, o “Fest” é o maior evento da PJ diocesana e celebra a comunhão entre os pejoteiros. Os grupos de base se inscrevem para apresentar composições musicais próprias e/ou coreografias organizadas dentro de um tema e um lema. A Equipe Diocesana produz um subsídio de estudo “pré-festival” e jurados avaliam as apresentações considerando quesitos como teologia, pastoral e técnica. Assim, o Fest Jovem também serve como avaliação da caminhada dos grupos.

Divulgação

Galera de Guaulhos reunida durante o tradicional festival

meiros, ou uma avaliação e partilha de experiências para os últimos. Há também um momento de formação comum. Escola Bíblica: o projeto já está no seu quarto ano e busca garantir um estudo mais aprofundado sobre as bases da nossa fé. São realizadas, anualmente, quatro escolas bíblicas voltadas aos jovens participantes dos grupos de base.

Antes do Carnval, momentos de reflexão sobre a realidade

Além das atividades permanentes, a PJ de Guarulhos tem, ainda, um projeto de divulgação de músicas pastorais: a banda “PJ e Raiz”. Ela atua para popularizar músicas da base de nossa espiritualidade e trazê-las para o meio dos grupos.

Acampamento de Carnaval: realizado em um sítio e uma semana antes do Carnaval, o Acampamento está em sua quinta edição e busca provocar o olhar para a realidade social e individual dos jovens. Formação de Coordenadores: a atividade foi pensada para o preparo e “reciclagem” dos coordenadores dos grupos de base e é preparada pela Equipe Diocesana. Os participantes são divididos em dois grupos, novos e veteranos, cada qual com o seu enfoque, sejam as bases da PJ, para os pri-

Divulgação

Banda pejoteira produziu CD para divulgar seu trabalho


14 PejotAç@o

Divulgação

Chegando mais pro “interiorrr” do estado, encontramos em Limeira uma experiência de sucesso no processo de formação integral que fundamenta a prática da PJ. A Escola de formação para líderes, coordenadores e assessores (Escolica) da Pastoral da Juventude, surgiu na Diocese de Limeira em 2001 como um projeto focado na formação integral. Ela busca garantir um processo continuado no desenvolvimento dos jovens das bases e propiciar uma vivência prática da espiritualidade e mística pastoral. Partindo do princípio do Processo de Educação na Fé (PEF), os alunos da Escolica vivenciam, em etapas bimestrais de dois dias, os temas: “Afetividade, Sexualidade e Autoconhecimento”; “Bíblia”; “História da Igreja e da PJ”; “Metodologia Pastoral e o papel do Coordenador”; “Espiritualidade, Mística e Liturgia”; “Militância, Fé e Política”. Há também uma oficina permanente de Projeto de

Em 12 anos, mais de 500 jovens participaram da Escolica

Vida (PDV) onde, em cada etapa, os jovens recebem ferramentas para a construção de seu projeto pessoal de vida. Eles tambêm contam com acompanhamento dos assessores, que contribuem conforme as necessidades individuais dos participantes. Hoje, após 12 anos de

Divulgação

O projeto trabalha a partir do Processo de Educação na Fé (PEF)

construção de uma bela história, que perpassa pela história pessoal de vida de mais de 500 pessoas, a Escolica é reconhecida como Escola de Formação Diocesana, assim como as escolas de Catequese e Teologia, porém se mantendo vinculada diretamente à coordenação diocesana da PJ. O projeto é um dos maiores orgulhos d@s pejoteir@s de Limeira por conseguir atingir, de forma direta, as juventudes dos cinco cantos da diocese e conseguir disseminar a espiritualidade Cristocêntrica libertadora da Pastoral da Juventude, formando jovens conscientes e engajados nas lutas pela vida da juventude

Se liga! distância entre 155 Km asé aduas cidades sede

facebook.com/groups/213356655378304/?fref=ts

facebook.com/pj.diocesedeguarulhos

Diocese de Limeira - Sub-região Campinas - 37 grupos de PJ Diocese de Guarulhos - Sub-região SP2 - 20 grupos de PJ


15 PejotAç@o

Dicas culturais Tecendo relações entre Juventude e Educação Por GT Tecendo relações qual o/a jovem leva estas necessidades de diálogo é a escola. Entretanto... Como a escola pauta esses debates, essa construção de valores? Dá para eles a prioridade que têm na vida dos/as jovens? Será que um dia já deu? Em algum lugar do nosso extenso país as escolas estão focadas em contribuir neste debate? Para lançar luzes a estas questões e refletir “juventude e educação” como ponte e parte importante das relações humanas, propomos dois documentários que poderão fortalecer nosso diálogo. Bora assistir!!!

1) Vocacional – uma aventura humana (Toni Venturi) http://is.gd/TeYKLh www.youtube.com/watch?v=kxlrQokWeqo

Internet

Celebrar 40 anos de Pastoral da Juventude no Regional é, também, fazer memória do sistema de educação que temos à disposição dos/as jovens, afinal, esta é uma temática que integra o projeto de vida e está sempre presente na construção dos horizontes. Durante a juventude muitos valores são questionados, reafirmados e construídos. Nos deparamos constantemente em nossas rodas e grupos juvenis com questionamentos sobre o futuro envolvendo sonhos, angústias, decepções, perguntas e curiosidades. E um dos principais ambientes para o

O documentário detalha a forma covarde como a ditadura militar abortou o projeto de desenvolver (nos anos 60) uma escola em que os alunos eram incentivados a pensar, debater, a assumir atitudes críticas diante da realidade. Ou seja, uma escola subversiva, pelo visto, não só para os padrões da época. Pressões para forçar a matrícula dos filhos da elite sem passar pelo processo de seleção, perseguições políticas, desafetos acusando colegas de engajamento em movimentos de esquerda acabaram por levar à demissão de Maria Nilde Mascellani, considerada pelos entrevistados a maior responsável pelo projeto de escola libertária, Depois ela foi presa no DOPS, onde sofreu torturas psicológicas durante dois meses. Em 1969 houve, inclusive, uma invasão militar em todos os Ginásios Vocacionais, levando à prisão de orientadores e professores. 2) Pro dia nascer feliz (João Jardim) www.youtube.com/watch?v=g5W7mfOvqmU

Internet

Um documentário sensacional e angustiante. Mostra a educação brasileira em um ângulo pouco visto, dentro da sala de aula, abordando os dramas dos jovens e professores de diferentes regiões do Brasil. A precariedade das instalações, o preconceito, a violência e o abandono são temas presentes. O filme é fundamental para jovens estudantes, pois perceberão que, apesar dos cenários e classes sociais diversificadas, os dramas são, em alguns aspectos, semelhantes tanto no sertão nordestino quanto nas grandes metrópoles do sudeste, guardadas as devidas proporções. Para educadores, é extremamente válido, pois demonstra os abismos da educação brasileira, os dramas dos professores que abdicam de lazeres e se dedicam à educação. A angústia que e o filme passa é que o problema da educação é profundamente grave, abrange todo o Brasil e, infelizmente, sem perspectivas de melhoras.


16 PejotAç@o

Aconteceu SUB REGIÃ0 CAMPINAS Visitas Pastorais Fernando Diegues

A Sub Campinas este ano está em constante “pé na estrada”, pois após a Ampliada do ano passado se percebeu que é necessário conhecer e fincar o pé na realidade das Dioceses. Por isso, a equipe da sub iniciou em janeiro encontros com as dioceses. Em 18 de maio a visita foi para a Arquidiocese de Campinas, que ficou um tempo desarticulada pastoralmente. Hoje ela está em processo de reestruturação, chamando os grupos e articulando atividades. Ver o esforço e a vontade de manter viva a PJ naquelas terras deixou a Sub Região com mais esperança e vontade de seguir na luta. SUB REGIÃ0 RP 1

SUB REGIÃ0 SP 1

Reaproximação

Tardes de Formação

Fernando Diegues

Durante o final de semana dos dias 25 e 26 de maio a Coordenação Regional (CR) da PJ esteve reunida na Diocese de Jaboticabal. A ideia da reunião acontecer na Sub Região RP 1 tinha um propósito claro: Reaproximação da sub que passa por um momento de desarticulação. Os membros da CR puderam conhecer a realidade da PJ local e algumas das lideranças das dioceses de Jaboticabal e Ribeirão Preto (Franca e São João da Boa Vista são as outras dioceses da sub). E durante os papos, todos/as juntos/as, começou-se a pensar um caminho possível para a integração entre as dioceses e a rearticulação da sub. SUB REGIÃ0 SOROCABA Assembleia

Divulgação

A assembleia da PJ da Sub Região aconteceu em Itapetininga, entre 5 e 7 de abril, e foi um momento de pensar a sub de forma conjunta. Com exceção da Diocese de Registro, as outras dioceses da sub (Itapetininga, Sorocaba, Jundiaí e Itapeva) estiveram presentes. A atividade teve a colaboração do assessor da PJ no Regional Sul 1, Rogério Oliveira, que trabalhou o sentido e o papel da sub região e a importância de se fortalecer esse espaço.

Teve inicio em 20 de abril o projeto Tarde de Formação da PJ São Paulo, junto com o Anchietanum, o Centro de Capacitação da Juventude (CCJ) e o Instituto Paulista de Juventude (IPJ). Para abrir o projeto o tema tratado foi Direitos Juvenis. Alex Piero contribuiu na reflexão, trazendo a questão “o que é ser jovem?” Para aprofundar a temática com mais dinamismo, os/as jovens foram divididos em cinco oficinas: Direitos Humanos e Cidadania, Direito à Diversidade, Mobilidade Urbana, Educação e Trabalho e Cultura. A tarde foi encerrada com uma provocação feita pelo Pe. Alexandre, do Anchietanum, mostrando que não se deve sonhar sozinho e que existem pessoas ao nosso redor que sempre podem nos ajudar. Divulgação


17 PejotAç@o

Pj é você quem faz!


Revista Pejotação_Ed.01  

Publicação Trimestral da Pastoral da Juventude do Regional Sul 1 (Estado de São Paulo)

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you