Page 1

CANAL AZUL ANO 6 • N⁰18 • Junho | Julho | Agosto 2013 • INFORMATIVO TRIMESTRAL

INFLAÇÃO

ELA PODE VOLTAR A NOS ASSOMBRAR? Alta constante e resistente dos preços assusta os brasileiros e preocupa os economistas Pág. 03

Entenda a polêmica por trás da MP dos Portos Pág. 05 Pinho revoluciona LI’s com o novo sistema IELI Pág. 04 Descubra tudo o que a Ginástica Laboral pode fazer por você Pág. 07

CUSTOM LOGISTICS | WE KNOW HOW!


FRASES

2

SOBRE O

Boa leitura. Sávio Ferreira de Souza Vice-presidente da Pinho

Gabriel Goldschmidt, diretor do International Finance Corporation (IFC), destaca que a situação do sistema de transportes é a questão mais urgente a ser resolvida em termos de investimentos para aumentar a competitividade do país.

Este acordo reconhece o Brasil como um líder global em redução da pobreza e da desigualdade, e como um país do qual o mundo pode obter uma grande aprendizagem.

Vivemos um momento de incertezas no âmbito da logística e do comércio exterior no Brasil. Depois de vivenciarmos a maior greve das agências reguladoras de todos os tempos, no ano passado – abordada na edição nº 16 do Canal Azul –, todos os profissionais envolvidos com o setor acompanham mais um momento delicado, com a entrada em vigor de uma nova Medida Provisória para regulamentação das concessões e contratações nos portos brasileiros – a polêmica MP dos Portos. Com mais de 600 sugestões de emendas, a medida segue criando um contexto de dúvida sobre o futuro da exportação e importação no Brasil. Além das questões de infraestrutura, outro aspecto que preocupa investidores e economistas no país é a alta resistente da inflação. Para trazer um olhar analítico e entender estes dois importantes temas, esta edição do Canal Azul traz reportagens sobre ambos, além da matéria que discute outro importante peso nas costas da importação nacional: a burocracia protecionista e a quem verdadeiramente ela afeta. E é com uma nova roupagem que a edição de nº 18 do Canal Azul apresenta estas e outras importantes notícias. Com quase uma década de história, o jornal da Pinho passou por uma reestruturação gráfica, com o objetivo de ficar ainda mais atrativo e contemporâneo. Agora, nosso público conta com uma leitura mais dinâmica, com mais infográficos e recursos para tornar o correr das páginas ainda mais fácil e agradável. O conteúdo, no entanto, permanece com o mesmo teor aprofundado e analítico apreciado pelos leitores, sempre trazendo assuntos de relevância para a economia, o Comex e a logística de todo o Brasil.

Transporte é a carência mais urgente. É necessário ampliar a oferta de infraestrutura de transporte de todo tipo: aeroportos, portos, rodovias, ferrovias, metrôs, e tudo o que tem a ver com logística. Há necessidades de investimentos urgentes em outras áreas? Sim. Mas, devido ao crescimento do Brasil nas últimas décadas, logística é o que se faz mais necessário. E não é de hoje.

EDITORIAL

COMEX

Jim Yong Kim, presidente do Banco Mundial, sobre o acordo que o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), Banco Mundial (BM) e o governo do Brasil assinaram, mediante o qual se comprometem a promover, em nível global, os planos sociais que tiraram da pobreza cerca de 40 milhões de brasileiros.

“Confira no blog da Pinho as edições anteriores do Canal Azul! Acesse pinho.com.br/blog/canal-azul/

PINHO NAS REDES SOCIAIS

Acompanhe as novidades da Pinho pela internet, é só curtir e seguir!

/pinhologistics

@grupopinho

www.pinho.com.br/blog

linkedin.com/company/pinho-international-logistics

Embora as previsões sejam levemente positivas, governo e Banco Central temem que iniciativas para reduzir preços possam frear a economia

epois de assombrar os brasileiros nas Ddécadas de 80 e 90, a inflação voltou

a preocupar economistas e o governo. No ano passado, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 5,84%, e a projeção do mercado é que 2013 apresente um índice parecido. Embora o aumento dos preços não chegue aos níveis de descontrole registrados antes do Plano Real, quando o IPCA chegava a ter variação de mais de 50% ao mês, a alta pode trazer prejuízos para a economia. Ainda mais diante de um cenário de fraco desempenho do PIB, que cresceu apenas 0,9% em 2012. “A inflação elevada corrói o poder de compra do consumidor, que tem sido o motor do crescimento. Com a renda das famílias comprometida, os empresários se sentem menos estimulados para fazer investimentos”, explica Carlos Magno Andrioli Bittencourt, membro do Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon-PR). O economista observa também que o consumo interno foi o principal fator a impedir que o PIB brasileiro tivesse resultados negativos.

Impasse econômico

/pinhologistics

Acompanhe, compartilhe, curta e retweet!

ONDE

ESTAMOS?

3

Alta da inflação ameaça o crescimento do país

Posto avançado – Manaus - AM Posto avançado – Viracopos - SP Posto avançado – Guarulhos - SP Posto avançado – Santos - SP FILIAL – PARANAGUÁ – PR

Av. Portuária, s/n, Terminal de Contêineres de Paranaguá – Sala 2 Porto Dom Pedro II – CEP: 83221-570 Caixa Postal: 169 Fone: +55 (41) 3424-2090

FILIAL – ITAJAÍ - SC

Rua Cônego Tomáz Fontes, 144, Sala 01 Centro – CEP: 88301-060 Fone: +55 (47) 3241-3800

MATRIZ – CURITIBA – PR Rua Marechal Deodoro, 503, 16º Andar Centro – CEP: 80020-320 Fone: +55 (41) 3219-4300

A situação forçou o Banco Central a interromper uma sequência de quase 2 anos de redução da taxa básica de juros, que se encontrava no menor nível de sua história, aumentando a Selic em 0,25% para 7,5%. O Comitê de Política Monetária (Copom) justificou a decisão do aumento sutil em comunicado, reconhecendo “a dispersão de aumentos de preços”, mas ponderando sobre “incertezas internas e, principalmente, externas” nos cenários futuros. O receio do governo é que uma elevação acentuada dos juros poderia frear a economia, que já caminha mais lentamente do que se esperava, o que seria pior do que manter o atual nível inflacionário. Além disso, a queda no preço das commodities também deve contribuir para a redução da inflação. Apesar da má fase recente, há espaço para otimismo para o ano de 2013. Analistas

Veja o que falam as autoridades: “Eu não concordo com políticas de combate à inflação que olhem a questão da redução do crescimento econômico. Até porque, nós temos uma contraprova dada pela realidade. Nós vemos um baixo crescimento no ano passado, e houve um aumento da inflação, porque teve um choque de oferta devido à crise.” Dilma Rousseff (27/03/2013)

“A alimentação é o principal componente do IPCA. Pesa 23% no índice. Eu acredito na disposição do setor em reduzir os preços. Todos os empresários falaram que vão repassar [as desonerações de tributos] o mais depressa possível para os produtos.” Ministro da Fazenda Guido Mantega (11/03/2013)

“Gostaria de deixar bem claro que não existe hoje no país risco de descontrole da inflação, não obstante o fato de o Brasil ter conseguido alcançar um novo patamar para as taxas de juros em geral, e, em particular, para a taxa de política monetária [a Selic].” Presidente do Banco Central Alexandre Tombini (19/02/2013)

Evolução nos preços consultados pelo Banco Central por meio das pesquisas Focus divulgadas desde o começo do ano apontam para um crescimento de 3% a 3,5%, levando em conta uma oscilação para cima da Selic nos próximos meses.

1995

FEIJÃO

1,23 R$/Kg

0,61 R$/Kg

América Latina

Entre os vizinhos latino-americanos, há alguns exemplos de bons resultados no PIB aliados a baixos índices de inflação. O México, por exemplo, cresceu 3,9% em 2012, com inflação de 3,2%; e o Chile cresceu 5,6% com inflação de 1,8%. A maior abertura para o comércio exterior é uma das explicações fundamentais para a diferença de resultados entre o Brasil e os países vizinhos bem sucedidos. As relações internacionais tendem a intensificar os investimentos, que chegam a 27% do PIB no Chile, 22% no México, e é de apenas 18% no Brasil. “O México, por exemplo, já passou a ser mais interessante que o Brasil e, nessa situação, pode atrair mais capital estrangeiro”, destaca Bittencourt, para quem a própria inflação brasileira poderia

2013

5,12 R$/Kg

ARROZ

2,56 R$/Kg

CAFÉ EM PÓ

3,20 Pac. 500g

7,39 Pac.500g

MARGARINA

0,63 Pote 250g

3,92 Pote 250g

Fonte: Instituto de Economia Agrícola

afugentar investidores que não estariam acostumados a trabalhar com um cenário deste tipo, e ainda têm que enfrentar velhos problemas do país, como a tributação elevada e a infraestrutura precária.

Confira os itens que mais tiveram aumento nos preços desde o início do PLANO REAL Posto avançado – Rio Grande - RS

*WCA Member, a Pinho está presente em mais de 2 mil localidades espalhadas pelo mundo, para efetuação de rotas logísticas exclusivas.

Aluguel/Taxas

741,97%

Combustível

851,36%

Transporte Público

678,73% fonte: IPCA/IBGE


Sistema IELI - mais segurança e facilidade no licenciamento de importação

Software da Pinho revoluciona o processo de obtenção da licença ao reunir toda a documentação em um único ambiente

A

Pinho International Logistics desenvolveu um novo sistema que simplifica os trâmites burocráticos para as empresas interessadas em realizar importações. O IELI (Instruções para Elaboração de Licenciamento de Importação), como é chamado o software, reúne em um só ambiente todas as etapas necessárias para dar andamento ao processo de Licenciamento de Importação (LI). A ferramenta torna o preenchimento dos dados mais rápido e prático, permitindo que o cliente possa dedicar mais tempo às questões operacionais e estratégicas, aumentando a produtividade e a lucratividade do negócio. De acordo com o Business Intelligence da Pinho, Eduardo Campos Costa, a principal vantagem que o programa oferece para o importador é a segurança. “Dificilmente, quando temos problemas com LI, se resolve somente pela velocidade. O LI é um processo prévio, cuja execução em tempo garante tranquilidade. O que não pode acontecer é cometer equívocos no registro dos licenciamentos. Estes, geralmente, são descobertos em momento impróprio”, pontua. Os erros no preenchimento de formulários são uma das maiores causas de prejuízos para os importadores brasileiros. Costa explica que, nestes casos, “inicia-se uma correria contra a burocracia, extremamente desgastante e exaustiva, em que cada dia aumentam as despesas. Nesta hora, quem garante a execução, garante o prazo e a tranquilidade”. De acordo com ele, esta é uma das facilidades que o IELI oferece: a redução dos erros e falhas de preenchimento.

NO RODAPÉ

DO COMEX

Processo seguro

As dificuldades com a parte burocrática são uma das principais causas de problemas em importações e exportações. Nessa hora, buscar o auxílio de uma empresa especializada na execução de processos aduaneiros é a dica número um para evitar prejuízos. No caso da Pinho, o sistema automatizado oferece ainda uma segurança extra: todos as informações preenchidas são verifi-

cadas pelo próprio software e também por um consultor da Pinho. A dupla checagem facilita que os dados enviados ao Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX) estejam corretos. “Sempre que houver alguma incongruência ou estiver faltando algum dado, o IELI alerta para o problema, evitando o desperdício de tempo por falhas ou falta de documentação”, completa. As empresas podem ainda consul-

Entenda como é mais fácil e prático o Licenciamento de Importação através do IELI

Preenchimento dos dados no IELI

4

tar pelo IELI o andamento do processo de LI e fazer o controle dos prazos de importação. Outra facilidade é que o programa permite o preenchimento das informações através do upload (envio eletrônico) de uma planilha. Confira no infográfico como o IELI facilita o acompanhamento do Licenciamento de Importação.

QUER SABER

IELI COMO É CADA PASSO DO

Acesse o link abaixo e conheça de maneira clara e fácil como ele funciona:

IELI envia os dados para verificação na PINHO

A PINHO envia o processo para a SISCOMEX

MP dos Portos pode transformar a logística 5 no Brasil

Medida que tem a intenção de aumentar a concorrência e a agilidade do setor causa polêmica entre empresários e trabalhadores

s gigantescas filas de caminhões que se formam todos os anos Anos portos brasileiros, especialmente nos períodos de escoa-

mento da safra de soja, são um claro indicativo de que é preciso melhorar a infraestrutura portuária. Em dezembro do ano passado, o governo federal editou a Medida Provisória 595/2012, conhecida como MP dos Portos, que faz mudanças profundas na forma como funcionam os terminais brasileiros. No Congresso Nacional, a MP recebeu ainda emendas parlamentares e teve alguns pontos alterados. As negociações truncadas entre os parlamentares e o Poder Executivo transformaram a aprovação do texto em uma corrida contra o tempo, com a aprovação da nova lei faltando poucas horas para que ela perdesse a validade. Hoje, apenas os portos públicos, também chamados de portos organizados, podem movimentar carga de terceiros, enquanto os portos privados funcionam apenas com carga própria e demandas limitadas de cargas de outras empresas. Com a nova regra, os portos privados passam a poder vender o serviço de embarque e desembarque de mercadorias de terceiros sem restrições. A intenção é aumentar a concorrência e dar maior agilidade logística para os empresários brasileiros. A proposta encontrou oposição mais intensa entre os sindicalistas do setor. Atualmente, os portos são obrigados a contratar funcionários avulsos, sem vínculo empregatício, através dos Órgãos Gestores de Mão de Obra (Ogmo). A nova lei determina que apenas os portos públicos permaneçam funcionando sob esse regime, enquanto os privados poderiam contratar trabalhadores com carteira assinada ou funcionários avulsos livremente. Os trabalhadores argumentam que, como os portos privados não precisarão pagar pela concessão dos terminais, os custos operacionais serão consideravelmente menores, podendo levar à quebra dos portos públicos. Especialistas do setor apontam ainda que a alta descentralização pode aumentar os custos logísticos. De acordo com esta visão, as operadoras perderiam volume de cargas e passariam mais tempo com equipamentos e pessoal ociosos, elevando o custo operacional.

Portos Privados

Antes da MP

Licitação

Autorizados pela Lei dos Portos, exigido um volume de carga própria suficiente para justificar sua operação

Submetidos a chamada pública (autorização)

Outorga

Sem pagamento de outorga

Mantido

Empresa vencedora

Sem processo licitatório

Vence a licitação a empresa que cobrar o menor preço pelo transporte da maior quantidade de carga

Tempo de contrato

Contrato de 25 anos, renováveis indefinidamente

Contrato por tempo indeterminado

Cargas

Movimentam preferencialmente carga própria, podendo, subsidiariamente, oferecer serviços portuários a terceiros

Ficam autorizados a movimentar cargas próprias e de terceiros

Operam fora dos limites do Porto Organizado. Mas há casos de terminais privados operando irregularmente dentro dos portos públicos

Operam fora dos limites dos Portos Organizados e os casos de terminais operando dentro de portos públicos serão regularizados

Trabalhadores CLT

Trabalhadores CLT e avulsos sem necessidade de contratação pelos Ogmo

Área de atuação Mão de Obra

Portos Públicos

Antes da MP

http://www.youtube.com/watch?v=FN9cX8FjFqk

A empresa acompanha o andamento do processo pelo IELI

ASSINE O CANAL DA PINHO

/pinhologistics

O LI é deferido e os prazos podem ser controlados pelo IELI

Acompanhe. Cargas sem Follow-up? Conheça mais sobre o Portal do Cliente Pinho e descubra como funciona o gerenciamento completo de cada processo: centraldocliente.pinho.com.br/

Depois da MP

Licitação

Submetidos a processo licitatório (concessão)

Mantido

Outorga

Pagamento de outorga

Sem pagamento de outorga

Empresa vencedora

Vence a licitação a empresa que oferecer maior valor de outorga

Vence a licitação a empresa que cobrar o menor preço pelo transporte da maior quantidade de carga

Tempo de contrato

Contrato de 25 anos, renováveis por mais 25

Mantido

Movimentam cargas de terceiros, prestando serviços portuários a armadores, exportadores e importadores

Mantido

Cargas

Área de atuação

Atuam dentro do limite do Porto Organizado

Mantido

Mão de Obra

Trabalhadores CLT e avulsos contratados por meio dos Órgãos Gestores de Mão de Obra (Ogmo)

Mantido

Vetos presidenciais

Apesar de aprovada no Congresso Nacional e de já estar em vigor, a MP dos Portos ainda poderá sofrer alterações, já que segue para a sanção da Presidência da República, onde o texto deve sofrer vetos parciais, como já adiantaram ministros que participaram das negociações. Uma das emendas feitas na Câmara dos Deputados que encontra mais resistência no Palácio do Planalto é a criação da modalidade “Porto Indústria”, que seriam terminais operados por empresas que tenham interesse apenas em transportar exclusivamente cargas próprias. Também está incerta a forma como acontecerão as concessões de áreas para o funcionamento dos portos. O texto original previa a realização de uma chamada pública simplificada, mas o Legislativo determinou que os portos públicos ainda passem por processos licitatórios tradicionais.

Depois da MP

Fonte: Câmara dos Deputados do Brasil


Entenda como medidas de proteção e valorização da produção nacional influenciam o processo de importação

m todos os processos relativos ao comércio exterior, a Eburocracia é apontada como o grande entrave. A quanti-

dade exorbitante de documentos, formulários, autorizações e comprovações exigidas para importar e exportar produtos cria um caminho extenso, moroso e cansativo às empresas interessadas. “O grande volume de formalidades, e muitas delas na prática não oferecem as garantias que pretendem, impõe uma série de custos relacionados ao atraso do negócio. Como se não bastasse, para cada formalidade há uma multa cujo valor pode prejudicar severamente o empreendimento ou o custo final do produto. Não se ganha em nenhuma hipótese”, explica o advogado Luiz Ricardo Baptista Boppré. O resultado é a demora para obtenção de determinados produtos, o encarecimento dos preços e até mesmo o desaparecimento de determinadas mercadorias das prateleiras “Além do encarecimento e do desabastecimento, vemos, por consequência, o sucateamento dos produtos oferecidos no mercado. Por causa de uma política inadequada para o setor, pagamos mais por produtos inferiores”, completa.

O caminho dos custos

DO COMEX

ENTRAVES DA IMPORTAÇÃO Barreiras não tarifárias, como a falta de armazéns alfandegados nos portos para desova de contêineres que oneram as importações com demurrage (permanência do navio no terminal por tempo superior ao considerado razoável); O alto custo portuário; Aplicação de multas com base no valor da carga; A demora nas concessões de licenças aos importadores; O despreparo dos órgãos anuentes nas importações;

As medidas que tornam a importação um longo e demorado processo também abrem margem para o surgimento de taxas e multas, que podem recair tanto sobre a empresa que importa, quanto sobre os prestadores de serviços – despachantes aduaneiros, advogados, transportadores, entre outros –, que fazem o intermédio de cada importação. Definir quem arca com estas despesas é um processo que exige avaliação do contrato e de cada situação específica. Independentemente de qual empresa investe no pagamento destes “custos punitivos” por erros, atrasos ou falha de documentação, teoricamente o valor gasto é direcionado para o tesouro nacional e posteriormente investido de acordo com as prioridades da administração no momento. “Salta aos olhos o montante a que algumas multas podem chegar por erros ou omissões que não causam nenhum prejuízo à fiscalização e mesmo denunciadas pelo próprio importador. É praticamente impossível explicar o que ocorre sem apelar para meras ficções jurídicas”. Quando a motivação para o surgimento destas despesas é um erro ou falha do prestador de serviços, os custos em geral são repassados a estes. Quando os custos do processo são com impostos, taxas e outras cobranças, as empresas importadoras absorvem o valor investido, que de uma forma ou outra é repassado ao preço final, o que chega ao consumidor.

NO RODAPÉ

6

O excesso de leis, decretos, portarias, regulamentos, instruções normativas, que criam a necessidade de uma análise detalhada de todo o processo antes de iniciá-lo; A falta de segurança jurídica sobre o direito adquirido.

Desestímulo econômico

Incentivar o consumo de produtos nacionais é uma forma de garantir a movimentação interna da economia e o crescimento das indústrias e empresas locais. Mas para cumprir este objetivo, os sucessivos governos brasileiros acabaram transformando a importação em um processo desnecessariamente extenso, demorado e altamente burocrático. A longa lista de regulamentações, taxas e impostos – que chegam a duplicar os preços finais das mercadorias – freiam a importação, prejudicando tanto os importadores quanto os prestadores de serviços intermediários, além do próprio consumidor, por conta do atraso da chegada dos produtos e do encarecimento do preço final. “Quando as sanções, não raras vezes, atingem os prestadores de serviço ou os consumidores finais, seu caráter pedagógico perde o sentido esvaziando a razão de ser da penalidade, tornando-a simplesmente arrecadatória. Há que se restituir o efeito moral da sanção”, pontua.

7

Pausa para o relaxamento no trabalho A ginástica laboral ajuda a melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores e traz benefícios que você nem imaginava

a produtividade, reduzir o nível de estresse, aprimorar Maelhorar qualidade do seu trabalho, aumentar o tônus muscular, evitar

doenças por esforço repetitivo, prevenir lesões e fadiga muscular. Você pode estar a apenas 15 minutos diários de chegar mais perto de todos estes resultados, sem precisar correr até a academia. Com eficácia comprovada em diversas pesquisas e por especialistas de todo o mundo, a Ginástica Laboral permite aos trabalhadores ficar mais longe do sedentarismo por meio de práticas preventivas no ambiente de trabalho. É mais fácil e menos polêmico do que se fala – basta organizar a sua agenda e reservar alguns minutos para desenvolver uma série de atividades elaboradas por fisioterapeutas com o objetivo de reduzir a ocorrência de doenças ocupacionais e elevar a qualidade da saúde e de relaxamento dos funcionários; De acordo com Rodrigo Azevedo de Oliveira, da SEFIT (Serviços Especializados de Fisioterapia do Trabalho), a ginástica laboral torna o sistema osteomuscular mais preparado para as sobrecargas diárias. “Essa atividade atua diretamente na saúde do trabalhador, aumentando seu tônus muscular, realizando uma melhoria do fluxo sanguíneo e acelerando o metabolismo, favorecendo a recuperação tecidual”, diz. Além do bem-estar físico e de evitar lesões por esforços repetitivos (LER/DORT), a ginástica laboral aumenta a integração entre os trabalhadores, por proporcionar um momento descontraído no expediente, melhorando as relações interpessoais.

No início da jornada – é uma forma de aquecimento do corpo. Aumenta a produtividade e previne lesões e acidentes.

No meio da jornada - atua na quebra de rotina gestual utilizada. Colabora na descontração dos músculos e melhora a oxigenação.

No fim da jornada – para relaxamento da musculatura, que foi sobrecarregada durante todo o dia. Ajuda a reduzir os níveis de stress.

Para cada trabalho, um exercício Cada função ou cada grupo de indivíduos exige rotinas de exercícios físicos diferentes. Confira algumas dicas: Para quem passa o dia todo sentado: Movimente as pernas e a coluna no decorrer do dia. Caminhadas e alongamentos nesses membros são essenciais.

Para quem trabalha em pé: Alongue a musculatura da panturrilha e da coluna, movimente o tronco e relaxe as pernas, elevando-as no fim do dia.

Para quem executa movimentos repetitivos: Alterne a atividade com momentos de pausas. Abuse dos alongamentos nos braços, pernas e coluna, especialmente na região do corpo que realiza os movimentos repetitivos.

Bê-a-bá logístico. Compilado por Silvia Rosmarie Lehmann Gauch, o Dicionário de Logística e Comércio Exterior é leitura muito útil para quem deseja dominar o inglês nas situações relacionadas à logística. O dicionário apresenta também as expressões e abreviaturas mais utilizadas e sugere alguns sites importantes para os profissionais da área. À venda em livrarias especializadas.

Uma atividade para cada horário

Além da formação de uma cultura de prevenção, a ginástica laboral alivia os efeitos causados pelo stress, melhora o tônus muscular e a flexibilidade

Comércio Exterior na defensiva

Rodrigo Azevedo de Oliveira

Mova-se!

Você não precisa vestir bermuda e camiseta para se exercitar no trabalho nem observar a carga e o tempo mínimo sugeridos para as academias. Os movimentos de aquecimento, flexibilidade, alongamento e relaxamento voltados à prática laboral não causam cansaço, suor e possuem uma curta duração, de em média de 10 a 15 minutos. A frequência varia conforme as características do trabalho e as demandas apresentadas pela empresa. “Em geral, pode ser realizada de 2 a 3 vezes por semana em ambientes administrativos; e de 3 a 5 vezes por semana para setores de produção”, comenta Oliveira, que observa que a ginástica laboral pode ser feita em qualquer momento da jornada de trabalho – variam apenas os objetivos para cada horário [ver infográfico].

Confira no blog da Pinho sugestões de exercícios para cada tipo de rotina e como realizá-los. www.pinho.com.br/blog


Os meses mais frios são um convite para programas agradáveis e intimistas, como o teatro, o cinema e a companhia de um bom livro. Confira quais são as nossas dicas!

PARA VISITAR

PARA VER

Unilivre

Nos dias em que o inverno abrir espaço para um solzinho em Curitiba, vale a pena escolher um parque para visitar. Menos conhecido do que pontos como o Jardim Botânico ou o Parque Barigüi, a Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre) fica no Bosque Zanielli, em uma área de 37 mil m² cercada por mata nativa. Construído em uma antiga pedreira de granito, o espaço tem, entre seus atrativos, um lindo lago e um mirante de 15 m de altura, onde é possível observar a beleza do local de um ponto privilegiado. Inaugurada em 1992, a Unilivre foi criada para divulgar ideias de ecologia e noções de meio ambiente à população em geral. Fica na Rua Victor Benato, 210, no bairro Pilarzinho, em Curitiba. Informações pelo telefone (41) 3254-5548 ou no site www. unilivre.org.br.

PARA

RIR

À procura da felicidade (The Pursuit of Happyness - 2006)

Chris Gardner (Will Smith) é um pai de família que enfrenta muitas dificuldades financeiras. Gardner torna-se obstinado na luta pela sustento de sua família. Ele consegue uma vaga de estagiário não remunerado, porém, persiste, pois acredita que poderá ser futuramente contratado. A mulher o abandona e ele é obrigado a tomar conta sozinho do filho de apenas cinco anos de idade. Em meio a todos os problemas, eles são despejados do apartamento onde vivem. Mesmo assim, ele ainda acredita que dias melhores virão.

8

PARA LER A velocidade da luz

Autor: Javier Cercas Editora: Biblioteca Azul | Número de páginas: 248 O enredo fala sobre a relação entre um escritor espanhol e um veterano norte-americano da guerra do Vietnã, Rodney Falk, que ele conheceu na Universidade de Urbana, uma cidadezinha próxima a Chicago. Com base nas lembranças de Falk e nas cartas que este mandava do front ao pai, o escritor/narrador pretende entender os enigmas do amigo americano e produzir um livro a respeito.

Que tal se divertir um pouco agora mesmo? A Copa do Mundo vem aí e tanto as cidades-sede quanto os empresários estão se preparando para receber visitantes do mundo todo, adequando suas estruturas e até mesmo a comunicação e identificação dos lugares. E se os brasileiros decidissem adaptar os nomes das principais ruas e bairros para o idioma mais utilizado no mundo, o inglês? Surgiriam algumas nomenclaturas divertidas! Confira como ficariam em inglês os nomes de algumas das famosas regiões de algumas das cidades-sede – com uma dose de humor:

Rio de Janeiro (RJ)

São Paulo (SP)

Curitiba (PR)

Manaus (AM)

Morro do Alemão – German guy’s Hill Irajá – Will go now Andaraí – To walk there Botafogo – Setfire Freguesia – Customers Santíssimo – Very very holy Livramento – Setting free Ilha do Fundão – Very Deep Island Coelho Neto – Grandson Rabbit Cascadura - Hard Cover / Hard Shell Recreio dos Bandeirantes – Flagmen Funtime Rocinha – Small Farm Jacarepaguá – Alligator to the water

Socorro – Help! Cidade Tiradentes – Extract Teeth City Bom Retiro – Good retreat Barra Funda – Deep Bar Higienópolis – Hygiene Land Praça da Sé – The “if” Square Mandaqui – Bosses’ Neighborhood Vila Formosa – Pretty Lady Village Tatuapé – Foot’s Tatoo

Boqueirão – Big Mouth Água Verde – Green Water Portão – Big Gate Jacarezinho – Little Alligator Santa Felicidade – Holy Happiness Campo Comprido – Long Field Sítio Cercado – Surrounded Farm Pilarzinho – Little Column

Morro da Liberdade – Liberty Hill Praça da Saudade – “I Miss you” Square Cachoeirinha – Tiny Waterfall Planalto – Plateau Nova Esperança – New Hope Lírio do Vale – Lily of the Valley Vila da Prata – Silver Village Coroado – Guy With a Crown Crespo – Curly

NO RODAPÉ

DO COMEX

Conectado. Informações rápidas, esclarecimentos de dúvidas sobre logística e artigos de profissionais da área. Para você que quer estar por dentro do mundo dos transportes e do Comex, o site Logística Total é sempre uma boa leitura. Acesse em www.logisticatotal.com.br.

Jornal Canal Azul - Edição 18  

Confira a 18ª edição do jornal Canal Azul, publicação trimestral da Pinho International Logistics.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you