Issuu on Google+

o pinheirinho

“Mascote da Escola” da autoria do aluno João Gonçalves do 8ºB

| NOTÍCIAS | ENGLISH CORNER | PRÉ-ESCOLAR| 1º CICLO | CRIAÇÃO LITERÁRIA | | CRÓNICAS TEMÁTICAS |

| PETIT COIN DU FRANÇAIS | CIÊNCIA PROJECTOS| DESPORTO|

ano dezasseis| número 3 | Maio 2010 | 1 pinheiro | agrup. de escolas da charneca de caparica


Editorial

o Sumári

o e fios… um ano lectiv Novos desa is a m e d l a n xima-se o fi inho.” Parece ir ro e p h A s in P ia ” o íc t im no sair o últ ue o o percurso q está prestes a re b so ir ct pancakerace e te refl o, pois, me importan eia ngo deste an lo o a u o liz a semana europ re esafios. nosso jornal lia ntou novos d e fr n e , visita à futurá o iã in udou, p na minha o do jornal m tico á m ra te o a d a m n e ru u rd o o kang m pouca A equipa co m, alguns co ática II ra m a te tr a n e m s a d pre to o n plan entanto, sem novos eleme o rt o e N lb a . a sé re jo á o esta carta a tegrarem experiência n itura sejo de se in le e e d d e o rs rm o cu n n e pre co velaram um fazerem sem re ia e e rr d co l, a u e rn m jo do ter de encontro na ro na dinâmica pouparem a se m se arte na escola s) r, ue são pouco ais e melho (q m o s tr a re te liv o s a o p a id os tem , que disponibilizar lho colectivo ze a n b a ro b tr e m d u z n a p o ra arem nseguiram para particip escola mica que co à â in m d ve a a n se ci n u ê a ci 7 se concretizo Escola, para lo a ic ri c p ró º p 1 na lar e possível implementar ola só assim é pré-esco sc e , à is o m p ve s a zo ci a ciên mprirem pra ção do jornal. a cu lic ia b n u za p id a k d à s” visita iming os em respeitar os “t o Nos vários an rã . fu m o ra d ce o re ct a je p a pro os al, nunca E os resultad ção deste jorn a n e rd o o nosso verde co a n io de que participo o a nível do env ri e d rá n e lit ra g o o rs tã cu con osta números tive uma resp que nos dois m co 25 de abril z fe e dos u abalhos, o q el integrar to tr ív o ss t o r p o im p o s d si de esse grá-los anteriores tiv s tentar inte BT T o e m d a V iio s. ss o a d p ia ter v a um o efeito, vai os artigos en ra s a p a , e ic u t q á tem número neste último crónicas e sa ro lo e cr e b e inas. actividades is quatro pág o jornal reflect a e m u e q d a e d rd e a ci lib n da consciê to da as revoluções Todos temos a Escola jun o ir ss e o b n ri a o n n ili o u d q a aliza espelho o trabalho re do, pois, um úde n sa se a a a v r ti a p ca e u o d educaçã a diversidade omunidade E C a d ca a si d ú , m te e n e ca felizm nem matemáti da EBICC. In s realizadas, ler e a d r a a id d iv ju a ct a o o ct proje rar todas n antidade de g u q te s in a d a s o ilh rt im a u conseg leituras p lidade sempre as lhorar a qua ca e ti a m m s o te a m m tá a n Te história d encontrando nosso jornal. rnal, água um pouco da jo a d o d o ã iç o lu çã o dos p a a impressão da apresenta z a que se deve fe s o alentejo n e fia qu a nossa uma tipogra res, dentro d co a s ro e agatha christie m ú tem sido em ltimos dois n a ú st E ia . r a á ir r ce e n t e fina dores riação li disponibilidad los patrocina e p a d a a amizade rt o p o nde parte su neste project ra m g ra u o ce b la o i co e s olh os ano s em que já há vári al nos molde r rn a jo m a o e ss d o e n rt o a a ais, pia. e, sem os qu ma mera uto u a ri a tua voz se s, o da m á ilidade revela que o imagin ib n o p is d amizade a ecer ano, Quero agrad abalhou este tr o ig adoro-te m co e de Fátima e la equipa qu e la p e u r n io a a M m r s, se Martin a esta a beta quer profs Helena s ento especial ra m v ci la e a d p s ra a g a e l, Um faltam-m ção do jorna a Céu Mantas. in g a p la e p a revolta nsável e ao última, respo teriormente n r a e ra n ze r fi o c ca nun english trabalho que kiss a mente. h it w f a e nte d edicou inteira d she was se l a u s, especialme q o fi sa is e a d ç s o n v o a i de n du fr alidade Sempre goste melhorar a qu ine ta is petit coin e cu m d o e m tt co ce em m une re que impliqu quando eles tê o sm e M . nos abalho do nosso tr os nossos alu e la o sc e a noss trabalhar por a r sacrifícios. A a u n ti n co Vamos o pinheirinho 2 merecem-nos. melhor? olar cada vez sc e l a rn jo m u ereira Prof. Teresa P

3

9 12

19

22


No dia 3 de Março de 2010 (quarta-feira), no pavilhão da minha escola, realizou-se a “Corrida das Panquecas” e participaram os 5ºs, 6º e 7º anos. Foi com os 6ºanos que se iniciaram as provas. Em cada , prova, havia obstáculos. Tínhamos de trazer um avental e uma frigideira pequena. Na primeira prova, tínhamos que saltar por cima de algumas barras de plástico e equilibrarmo-nos num banco. Na segunda

Semana Europeia No âmbito da Semana Europeia, que ocorreu entre 3 e 7 de Maio na EBICC, com o intuito de dar a conhecer aos alunos e comunidade escolar em geral, uma ideia do que é a União Europeia(UE) e quais os seus objectivos, foram realizadas várias actividades, como a disponibilização pelo CRE de um espaço com informações acerca desta Organização. Essas actividades foram levadas a cabo pelas turmas A e B do 7ºano e C do 9ºano,turmas estas que realizaram várias actividades, como elaboração de marcadores de livros, brochuras, livros de receitas, confecção de doçaria de países da UE, PP’s e visitas a turmas do 1ºCiclo. Portugal é membro da UE desde 1986 e isso impulsionou o seu desenvolvimento de uma forma bastante significativa.

Visita à Futurália Os alunos do 9ºB foram no dia 11 de Março visitar a Futurália, na FIL, em Lisboa ,com o intuito de ter uma visão geral dos Cursos profissionais e Cursos orientados para prosseguimento de estudos, que estão disponíveis depois do Ensino Básico. No geral, a visita foi interessante e bem estruturada. No entanto, grande parte das actividades eram só de observação, ou seja, observávamos os representantes

Sara Cardoso, 5ºA

Com as fronteiras abertas e com o Euro, a deslocação entre os países aderentes tornou-se muito mais fácil e com a moeda única é possível comprar produtos noutros países sem a preocupação de ter de trocar pela moeda local. Foi um passo em frente para Portugal que trouxe bastantes benefícios. O balanço da semana Europeia na nossa Escola foi positivo. Nuno Aveiro e Tomás Resende, 9ºB

de cada escola a desempenhar as actividades, o que não proporcionou o envolvimento dos alunos. De qualquer forma, a visita foi proveitosa. Nuno Aveiro, 9ºB

supervisão, edição e revisão de texto ceu mantas| helena martins |manuela de fatima| teresa pereira| núcleo jornalístico 4ºA diogo carvalha| filipa pereira, rita cordeiro| 9º A guilherme alferes| colaboradores profs. cecília almeida | ceu mantas| ceu oliveira| departamento de expressões| educadora célia (sala laranja)| élio santos| elizabete gomes| fátima pires| helena lopez| helena serôdio| horácio neri| ilda ribeiros| joão simões|manuela de fátima| maria josé monteiro| maria de lurdes çonçalves| orlanda pires| profs de matemática|sala laranja| sofia trindade| susana sousa| 2ºA joão diogo domingues| martim freches| 2ºB carolina cascão| 2ºA élio santos, nuria filipe| 4ºA filipa pereira, igor henriques, rita cordeiro| 4ºB carlota, diana, yara sinkovec| 5ºA sara cardoso, carlos pereira| 5ºB biancaa| inês bispo, joão filipe, joão rodrigues, leonor lopes| 5ºD rafaela polycarpo| 6ºB| 7ºs anos| 8ºA inês guimarães| 9ºA andreia durão, edney sultane, guilherme alferes, josé ramos, rodrigo nunes, tatiana amorim| 9ºB beatriz lopes, carolina mendonça, marcela jorge, nuno aveiro, sara antónio| 9ºC eugénia, teresa| m.g (enc.ed) | layout josé mendes | paginação ceu mantas | impressão sociedade gráfica de Vale Fetal| propriedade agrupamento de escolas da charneca de caparica | praceta frederico de freitas | 2819-504 charneca de caparica | tel 212 979 660 | fax 212 973 079 | e-mail ce@eb123-charneca. caparica.rcts.pt | tiragem 200 exemplares |março de 2010

notícias

Pancake Race

prova, tínhamos de passar por baixo de uma barreira e equilibrarmo-nos numa minhoca de plástico. A terceira prova consistia em circundar os pinos com uma trotineta. Na quarta prova, sentámo-nos numa bola de Pilates e, ao mesmo tempo era preciso atirar a panqueca ao ar. Em todas as provas, era necessário responder a perguntas em Inglês e, no caso dos 7ºs anos, em Francês também. A nossa turma, apesar de ter ficado em último lugar, continuou contente e alegre. O que eu gostei mais foi participar e de divertir-me com os meus colegas.


| Concurso Canguru Matemático sem Fronteiras 2010

A prova do Concurso Canguru Matemático sem Fronteiras realizou-se, pela primeira vez, na nossa escola, no dia 25 de Março. Os cento e vinte e um alunos que participaram no concurso distribuíram-se em três categorias: Escolar (5.º e 6.º anos), Benjamim (7.º e 8.º anos) e Cadete (9.º ano). Os três alunos melhores classificados em cada uma das categorias foram: Martim Freire Pereira, número vinte e um, do 6.ºC; Vicente Jorge Galego Almeida, número vinte e oito, do 5.º B; Diogo Cruz Tavares, número dez, do 6.ºA (Escolar); Miguel Bernardo Fernandes Real, número catorze, do 7.ºA; Valériya Zaruba, número vinte e cinco e Henrique Marques Augusto, número oito, ambos do 8.ºB (Benjamim); Rodrigo Correia Nunes, número vinte, do 9.ºA; Filipe Jorge Galego de Almeida, número nove, do 9.º B; Guilherme Nunes Alferes, número onze e José

Alberto Lopes Ramos, número catorze, alunos do 9.ºA, tendo ambos conquistado o terceiro lugar (Cadete). Os resultados das melhores classificações de cada categoria, por escola e a nível nacional, estarão disponíveis, brevemente, no site oficial do Canguru Matemático, www. mat.uc.pt/canguru. A experiência é para repetir! Os professores de Matemática agradecem a participação dos alunos! Prof. Orlanda Pires

Plano da Matemática II No dia 20 de Abril, pelas 14 horas e 30 minutos, realizou-se mais uma reunião de trabalho no âmbito do Plano da Matemática II, desta vez, na nossa escola. Estiveram presentes professores, de diferentes escolas, do concelho de Almada. O assunto abordado, neste encontro, incidiu sobre critérios de avaliação, indicadores e descritores para a apreciação da resolução de problemas. No final, houve um lanche e os participantes tiveram direito a uma linda flor feita em origami. Profs. Maria de Lurdes Gonçalves, Orlanda Pires, Sofia Trindade

CARTA AO JOSÉ ALBERTO RAMOS DO 9ºA Olá, Zé Ramos! Vimos dar-te uma novidade: pela segunda vez consecutiva, irás disputar a grande final do IV Campeonato superTmatik Cálculo Mental, que se realizará no próximo dia 24 de Maio no Centro Cultural de Cascais. Já és o nosso campeão, por teres alcançado o pinheirinho 4

um dos primeiros quatro lugares na classificação geral a nível Nacional (Top 10 Nacional disponível em www.eudactica.com). Estamos todos a torcer por ti, para que obtenhas uma classificação idêntica à do ano passado. Os Professores de Matemática


proeza de vencer um concurso em que a maioria das escolas apresentou só alunos do 9º ano.

NOTÍCIAS DA BE/CRE FINAL DISTRITAL DO CONCURSO NACIONAL DE LEITURA

Parabéns! Ficamos a torcer para que a nossa representante vença também o grande desafio que é a Final Nacional do Concurso Nacional de Leitura. Prof. Cecília Almeida

Decorreu, no dia 19 de Abril, no Cineteatro João Mota, em Sesimbra, a fase distrital do Concurso Nacional de Leitura. A EBI da Charneca de Caparica esteve representada pelos alunos Rita Carvalha (7ºA), Jessica Rocha (8ºA) e Guilherme Alferes (9ºA), apurados na primeira fase – Concurso de Leitura “online” da EBI. Na primeira prova, em Sesimbra, os alunos responderam oralmente, perante uma plateia entusiasta e atenta, a três questões de escolha múltipla. A Rita e a Jessica passaram à prova seguinte, que incluía os seis melhores que em três minutos apresentaram um dos livros propostos. Foi com muito orgulho e alguma emoção que ouvimos anunciar a grande vencedora – a Rita Carvalha – que irá representar as escolas do 3º Ciclo do distrito de Setúbal, na Final Nacional do Concurso, a realizar nos dias 29 e 30 de Maio. Não podemos deixar de salientar a excelente prestação dos nossos três alunos e muito em especial o 1º prémio atribuído à Rita que, com muita concentração e um perfeito domínio dos livros que tinha lido, conseguiu a

Encontro na Romeu Correia

(alunos) passámos à “aula prática”. Foi uma experiência fantástica observar a maneira como as pessoas de mais idade lidam com estes assuntos; ainda se nota o pouco à vontade. Este projecto deve continuar e, na minha opinião, faz imenso sentido (embora haja outros projectos muito importantes a desenvolver)! Para sempre, levarei a expressão da professora Helena Serôdio: “um professor(a) deve ser como um preservativo: maleável, protector, adaptável…” Beatriz Lopes, 9ºB

No passado dia trinta de Abril de 2010, as professoras Céu Oliveira, Ilda Ribeiros e Helena Serôdio juntaram um grupo de alunos, José Nascimento, José Ramos, Guilherme Alferes, André Ceitil, Mariana Patrício, Daisy Saavedra, Sara Oliveira, Carolina Mendonça, Sara António, Ana Carmo, Beatriz Lopes e João Zagalo, para o primeiro Encontro Concelhio de Educação para a Saúde que decorreu na Escola Secundária Romeu Correia, Feijó. Nós, alunos, fomos no âmbito do projecto RE… CONHECER/ À VONTADE COM O PRESERVATIVO. Após a apresentação do projecto que nos levou lá, nós o pinheirinho 5


Durante a semana de 26 a 30 de Abril, decorreu a actividade “Arte na Escola”, organizada pelo Departamento de Expressões, possibilitando aos alunos experienciar diferentes campos artísticos, da expressão plástica ao teatro, passando pela dança, vídeo, ilusionismo, pinturas faciais e música. No decorrer deste ano lectivo, nas aulas de E.V.T.(2ºCiclo) e de E.V.(3ºCiclo), todas as turmas do 2º e 3º ciclos, levaram a cabo o Concurso “Mascote

Ida ao Teatro – “O Professor que caiu da cadeira” No dia 23 de Abril de 2010, as turmas A e D do 5º ano foram ao Teatro. A peça chamava-se “ O Professor que caiu da cadeira”, produzida pelo Teatro Papa-Léguas, que se situa em Lisboa. A peça foi divertida e representava a época antes do 25 de Abril, durante a ditadura de Salazar. Vários temas foram abordados, como o receio que o senhor dos óculos escuros, que simbolizava a PIDE, provocava. As mulheres ficavam em casa a fazer tarefas domésticas e tinham de obedecer aos homens. Na peça, uma das personagens

para a Escola”, Os trabalhos que foram préseleccionados, para concurso, pelos professores das respectivas disciplinas, foram posteriormente avaliados por um júri durante esta semana. Aos três melhores trabalhos de cada ano, foram atribuídos certificados de mérito e o primeiro lugar também recebeu um cheque Fnac. O melhor trabalho de cada ano de escolaridade, foi posteriormente sujeito a um outro concurso, desta vez através de voto por toda a comunidade escolar, com o objectivo de encontrar a “Mascote para a Escola”. O nome da Mascote ficou a cargo dos alunos do 1º Ciclo. Nesta semana, decorreu também a “Celebração da cor”, actividade que continuou a contar com a adesão da grande maioria das pessoas. Mais uma vez o departamento agradece a todos

era um menino que, quando cresceu, foi mandado para a tropa. Quando foi a casa para se despedir dos pais e fazer a mala, estes não queriam que ele se fosse embora porque tinham medo de que ele morresse numa guerra que acontecia muito longe, além-mar. Mais tarde, em casa, o professor subiu à cadeira. Entretanto, apareceu a D. Maria que deu um berro e isto fez com que o professor se assustasse e caísse da cadeira. Depois, ele foi para o Hospital e as camponesas começaram a cantar e vieram as músicas da Revolução. E, assim, voltámos para a escola mais contentes porque tínhamos assistido a uma peça de teatro que correu muito bem.

“O rapaz de bronze” No dia 30 de Abril, no BE/CRE, os alunos dos sextos anos apresentaram os trabalhos realizados sobre a obra ”O Rapaz de Bronze”. Durante o 2ºperiodo os 6º anos leram a obra e desenvolveram diferentes projectos: o 6ºA elaborou os convites para a apresentação no dia da flor; o 6ºB dramatizou o último capítulo da obra; o 6ºC

os que participaram nesta actividade durante esta semana, (professores, alunos, auxiliares, administrativos, encarregados de educação, etc.), pois foi demonstrado que a vontade é capaz de mover grandes forças e de criar fortes laços de união. O Departamento de Expressões

5ºano

6º ano

7º ano

9º ano

8º ano

|Memória descritiva mascote vencedora

da

Carlos Pereira, 5ºA

O aspecto desta mascote tem como objectivo representar a envolvência, as preocupações e os projectos da nossa escola/ agrupamento. Esta mascote tem a aparência de um mocho em representação da Mata dos Medos, veste roupa desportiva para promover a actividade física. Na “T-shirt” tem estampado o símbolo da reciclagem porque a nossa escola é uma Eco Escola. Adora Os alunos do 6ºB ler e de forma a promover a leitura leva debaixo do braço um livro.

fez um PowerPoint para apresentar os três capítulos anteriores ao capítulo dramatizado e o 6ºD ajudou na realização dos adereços. No dia da flor foram feitas duas apresentações, uma para a comunidade escolar e outra para os encarregados de educação e famílias. O projecto envolveu quase todas as disciplinas. Nós achámos este trabalho diferente, divertido e trabalhoso, mas valeu a pena, pois tanto a comunidade escolar, como as famílias gostaram… e nós adorámos esta experiência!

João Gonçalves, 8ºA o pinheirinho 6


A Ciência vem à escola

Balanço do dia “ A Ciência vem à escola”

O propósito do Ensino Experimental das Ciências no 1º Ciclo, enquanto componente da experiência educativa global dos alunos, é prepará-los para uma vida satisfatória e completa no mundo do século XXI. Pretende-se estimular o entusiasmo e interesse pela Ciência desde os primeiros anos de escolaridade, de modo a que os alunos se sintam confiantes e competentes para se envolverem com matérias científicas e técnicas, que lhes irão aparecer ao longo do seu percurso escolar. Ao mesmo tempo, pretende-se contribuir para o desenvolvimento de competências científicas, necessárias ao exercício de uma cidadania interveniente e informada e à inserção numa vida profissional futura. Nesse sentido, e dando cumprimento às actividades de Ciências Experimentais definidas no PAA, decorreu, o Dia das Ciências na EB1/JI, subordinado ao tema “A Ciência vem à escola”. Todos os alunos, desde o pré-escolar ao 4º ano, puderam experimentar diferentes materiais e objectos e fazer experiências variadas, construir circuitos eléctricos, sombras chinesas, verificar as propriedades do ar, dos elásticos, etc… O entusiasmo e a ânsia de querer participar em tudo foi grande. Por vezes, foi difícil conter o entusiasmo dos alunos.

A participação de todas as turmas obedeceu a horários pré-definidos, que tiveram de ser alterados, a meio da manhã, para que os alunos pudessem assistir a uma demonstração dos Bombeiros de Almada. Houve alguma dificuldade no decurso desta actividade, dado que foi necessário inserir, no mesmo espaço, a maioria dos alunos da tarde. As actividades decorreram conforme o programado, sofrendo alguns ajustes nos horários sempre que necessário e, futuramente, as actividades deverão decorrer de maneira diferente. Em vez de ser o coordenador de Ciências Experimentais a desenvolver todas as actividades, cada professor preparará uma experiência para a apresentar aos colegas. O maior constrangimento foi a falta de espaço para a apresentação das experiências e para o visionamento dos filmes. Contudo, os objectivos programados foram plenamente atingidos. Prof. Horácio

Visita de estudo à Kidzânia O 1º ano realizou uma visita de estudo à Kidzânia. Foi muito divertido! Assim que entraram no mundo da Kidzânia, foram tratados como adultos. Geriram o seu próprio dinheiro, foram médicos, bancários, pintores, polícias, fotógrafos e muito mais .Foi uma experiência fantástica e enriquecedora para a vida dos nossos futuros alunos! Prof.Susana Sousa

o pinheirinho 7

pré-escolar e 1º ciclo

Paralelamente, noutro local, outros alunos assistiram a filmes sobre o planeta Terra e o ciclo da água.


Projecto do Furão

Como surgiu: O Projecto sobre o Furão surgiu a partir de uma história contada na sala que fala do Inverno e intitulase “Onde está a Primavera?” Conta a história de um coelho, cansado de estar na sua toca, resguardado do frio e da neve e decide fazer uma viagem pela floresta para procurar a sua amiga Primavera, cruzando-se com diversos animais, entre os quais, o Furão. Quando o Tomás questiona: - O que é um Furão? O que descobrimos: O Furão anda na água, trepa as paredes e come carne. (Fábio) O Furão não é um animal roedor. (Sofia) Nalguns países, o Furão é um animal doméstico. (Sofia) O Furão é muito dorminhoco. (Marcos) O Furão não gosta de estar sozinho. (Fábio) Os Furões, antigamente, eram utilizados para a caça. (Diogo) O Furão gosta de comer a ração dos gatos e dos cães e também come carne de galinha e de vaca. (Gabrielli) O Furão é da família das doninhas e das lontras. (Diogo) O Furão é um animal muito sociável. Gosta de fazer a dança da doninha, brinca à apanhada e também gosta de jogar às escondidas. (Beatriz e Diogo) O Furão é um animal que cheira mal e só deve tomar banho uma vez por mês. (Sebastião) Os Furões vivem pouco tempo - entre 3 e 6 anos.(Margarida F.) O Furão é um animal muito rápido, porque as suas pernas são curtas e o corpo alongado. (Tomás) O Furão tem os dentes afiados como um vampiro. (Diogo) Há Furões bons e Furões maus - domésticos e selvagens. (Margarida G.) O Furão tem 2 a 4 bebés furões. O bebé Furão nasce após um mês de gestação. São as mães furões que alimentam as suas crias sozinhas. JI / Sala Laranja

FESTA VERDE No dia 27 de Maio, os alunos do ATL da EB1/ JI participaram na Festa Verde, organizada pela Câmara Municipal de Almada, tendo recebido um prémio na modalidade de “relógio de sol”. PARABÉNS A TODOS !

o pinheirinho 8


|O nosso verde Hoje, sexta-feira, o 4ºB veio vestido de verde. Era o nosso dia. Hoje também é o dia das flores. Parece que temos um jardim na sala. O verde é a cor da Natureza, é a cor das plantas vivas e da relva viva. Quando chegámos à sala, a nossa professora pôs-nos umas flores e umas fitas ao pescoço e na cabeça. Estávamos giros! O verde é uma cor extraordinária! Na semana da cor, o nosso dia foi o último da semana; primeiro o vermelho, depois o amarelo, o laranja, o azul e, por fim, o verde, o nosso verde!!! Diana, 4ºB

Verde é a cor da Natureza!

A Natureza é verde, verdinha. A erva é verde, as árvores são verdes, as flores são verdes e eu estou de verde! Este dia está a ser fantástico! Já vos disse que hoje é o dia das flores? Na minha escola há uma tenda à entrada onde se vende flores. Ontem, eu, o Hugo, e a Madalena fizemos flores de papel crepe verde. O nosso lavatório da sala parece um jardim; só falta a relva! As flores de papel que preparámos ontem estão nos nossos cabelos, pescoços e mãos. Alguns rapazes têm uma fita na testa. Como já disse, O VERDE é a cor da Natureza, mas também do nosso PLANETA TERRA. Carlota, 4ºB

Amanhã, dia 12 de Março, vai ser um grande dia… - Boa noite, Mãe!… - Boa noite, filho!... Que chatice! O despertador nunca mais toca… trim! trim! trim! … até que enfim! - Mãe, mãe, acorda! Está na hora! Levanta-te e vem ajudar-me. Hoje, não posso chegar tarde ao passeio de BTT. Vai ser um dia em cheio. Preciso de uma mochila para levar os lanches e o almoço. A água está no frigorífico? E a fruta onde está? - Bom dia, filho! Tanta agitação… já estás vestido? - Claro, mãe, desde ontem à noite… Era para não perder tempo de manhã. Hoje, é o passeio de BTT e estou muito ansioso por esta actividade… Vá lá, despacha-te quero chegar a horas. Sabes, são 150 alunos e mais 12 professores e eu gostava de ser dos primeiros, porque estou responsável por reparar e verificar algumas bicicletas do pessoal da turma antes da partida. Sabias que a escola segura vainos acompanhar até à entrada da Herdade Apostiça? Vamos até à

Lagoa de Albufeira… Ainda são para aí uns 40 Km.Vai ser demais conviver com os colegas e com esta maravilhosa natureza! Beijinho, mãe! Hoje, não preciso da tua boleia. Vou mesmo de bicicleta… até logo! 8 horas mais tard!... - Olá, mãe… - Olá, filho, como correu o teu dia? - Foi o máximo! Espectacular! Logo à entrada da Herdade, fomos recebidos pelo Coronel Delgado Fonseca, o dono da Herdade… Foi um percurso longo, sinuoso e difícil com imensa aventura. Aconteceram inúmeras situações engraçadas, como, quedas para todos os gostos, “bicicletas” furadas, muitas avarias e outras peripécias. A Lagoa estava muito cheia e a sua mata envolvente continua maravilhosa. Foi um dia inesquecível onde aprendemos acima de tudo a ser mais responsáveis, mais amigos e solidários com os mais necessitados! Sabes, Mãe, aprendemos ainda que a chegada do último colega à escola é a nossa maior vitória!

DESPORTO

|Um passeio de BTT é muito mais que um passeio…

Nunca me vou esquecer deste passeio de BTT! Prof. Élio Santos o pinheirinho 9


pré-escolar e 1º ciclo

Concurso jornalístico No início do terceiro período, realizámos um concurso literário dinamizado pelo núcleo jornalístico do 1º Ciclo. O concurso consistiu em descobrir novos talentos literários no 1º Ciclo e em melhorar textos. Depois de termos feito uma leitura cuidadosa dos trabalhos recolhidos, os alunos premiados foram:

|Férias da Páscoa No primeiro dia das férias, fui jantar ao Almada Fórum e encontrei o Diogo Dinis. Houve outro dia em que fui almoçar com a minha madrinha, a Belém. Era um dia lindo, com muito sol. Logo a seguir ao almoço, fomos ao Museu da Marinha. No Museu da Marinha, encontrei barcos antigos e muitos torpedos e vi, também, o exterior de um submarino. Havia lá manequins com fatos de soldados, armaduras e outro tipo de armas. Ao lanche, comemos os famosos Pastéis de Belém.

|Férias da Páscoa Eu fui à terra da minha avó com a minha família e fomos ver um filme ao cinema com os meus avós, os meus tios, o meu mano, a minha mãe e o meu pai. No dia seguinte, fui à praia com a minha família toda. Até fui com o meu cão! Eu e o meu cão brincámos muito na praia, fui tomar banho com ele! No outro dia estava muito frio e fiquei o dia todo em casa. Foi muito aborrecido! No dia seguinte, estava calor e decidi ir à praia outra vez, com toda a minha família, e também

Nas minhas férias, fui a Inglaterra ver o jogo do Benfica contra o Liverpool. Fui com o meu pai e com uns amigos. Partimos de madrugada, e, quando chegámos, fomos visitar a cidade dos “Beatles”. Mais tarde, antes do jogo começar, andei numa roda gigante e, quando estava lá mesmo em cima, foi um pouco assustador, mas mesmo assim foi muito divertido. À hora do jogo, eu, o meu pai e os nossos amigos fomos para o estádio e, quando o jogo começou, eu fiquei muito concentrado e atento ao que se estava a passar. No regresso, no aeroporto, tirámos o pinheirinho 10

Carolina Cascão - 2º B (1º lugar) Núria Filipe - 3º A (1º lugar) Élio santos - 3º A (2º lugar) Yara Sinkovec - 4º B (1º lugar) Igor Henriques - 4ºA (2º lugar) No final foram atribuídos livros, lápis, cartas de jogar e uma caixa de origami aos vencedores. Parabéns a todos! Rita Cordeiro e Filipa Pereira 4ª A (núcleo jornalístico 1º ciclo) Durante as férias, também convidei um amigo do infantário para ir a minha casa almoçar e brincar comigo. Fomos a um parque, que fica atrás da escola, e levei a bola de futebol. Também lá encontrei um amigo da escola, que é o Daniel. No último dia das férias, que era Domingo, fui à praia com a minha mãe e a minha irmã. A água era gelada, mas eu tomei banho. A minha mãe ficou arrepiada! Depois, fomos almoçar à pastelaria do meu pai. Quando chegámos a casa, joguei no computador. Depois do jantar deitei-me cedo porqu, no dia a seguir começava a escola!!

Igor, 2ºB

com o meu cãozinho. No outro dia, parecia Verão! Estava muito calor. Aproveitámos para ir outra vez à praia com a família menos os meus avós que estavam doentes. Eu estava muito contente porque ia à praia, mas, de repente, começou a chover e tivemos de ir embora para casa, mas eu tive a ideia de esperar algum tempo e voltou de novo o sol! No último dia de férias, tive que vir embora para Lisboa, porque ela morava muito longe. Ela mora em Penalva! Carolina Cascão, 3ºA

algumas fotos com os jogadores do Benfica. Foi um dia fantástico e inesquecível! Nestas férias, também fui à praia, onde aproveitei para estar com a minha família e para me divertir. Nos restantes dias, estive a brincar com os meus amigos e a jogar futebol, mas algumas dessas tardes também serviram para fazer os trabalhos de casa. Foram umas férias de Páscoa para mais tarde recordar! Élio Santos, 3ºA


|Férias da Páscoa

As minhas férias foram fantásticas! Na maior parte dos dias, fiquei na casa da minha avó e, na quinta-feira fui com a minha avó e com o meu avô apanhar lenha. Na sexta-feira de Páscoa, fui ver o filme “Alice no País das Maravilhas” com a minha mãe. Outro filme que também fui ver foi o “Como treinares o teu Dragão”. Desta vez, fui com os meus amigos,

|Férias da Páscoa As minhas férias foram o máximo! Agora vou contar-vos... Tudo começou sábado à noite, quando fui à “ IV Gala Gímnica do Centro Cultural e Recreativo do Alto do Moinho (CCRAM)”, quando fui fazer Trampolim sincronizado e o Campeão Mundial de DuploMini-Trampolim assinou a minha

a Yara, o Lucas, a Andreia e o Artur. No dia 4 e 10 de Abril, os meus amigos Artur e Marinho fizeram anos e, foram duas espectaculares e prolongadas festas. No último fim-de-semana de férias, eu fui num passeio até ao Alqueva, passámos pela cidade de Évora onde visitámos a Capela dos Ossos. Lá estava escrito, por cima da porta de entrada, “Nós Ossos esperamos pelos vossos”. Por dentro, as paredes eram forradas de ossos e crânios, tinham um cadáver pendurado e uns móveis com vidros onde podíamos ver livros muito antigos em Latim. Não percebi nada! Em Portel, fomos até uma casa onde

se faz queijo. Comprámos queijos e eu até comi um fresquinho. Mnham! Mnham! Passámos também por Corval, uma terra que vende muitos pratos, panelas, canecas e outras coisas, tudo feito em barro. Eu aprendi que a Olaria é o nome que se dá a peças feitas de barro e quem faz é o oleiro. Numa casa, comprámos um íman para pôr no frigorífico. Estes foram alguns dos momentos das minhas férias, porque os outros foram também a fazer os trabalhos das férias. Gostei muito das minhas férias!!!

camisola! Continuando, na semana a seguir, fui ver o “Como treinares o teu Dragão”. Foi muito fixe! A seguir, fui para Espanha acampar no parque de Doñana com a minha prima Zélia e com o meu primo Tomás. No dia seguinte, fomos passear a uma aldeia que parecia o Faroeste ou o Texas; as pessoas andavam sempre a cavalo, elas nem saíam

do cavalo para beber cerveja, café, água… foi aí que comprei uma caneta com cabeça de veado. Depois fui andar num autocarro pequeno para ver veados, javalis e aves. Quando voltei para casa, fui logo para a festa do Marinho (que foi sábado na 2ª semana). Domingo fui à praia e dei… 5 mergulhos. Adorei as minhas férias! E tu? Também deves ter adorado as tuas! Yara Sinkovec, 4ºB

O Dia 25 de Abril 1- Sabe o que se comemora no dia 25 de Abril?

Núria, 3ºA

Pais: O símbolo deste dia é o cravo. Avós: O Símbolo deste dia é o cravo. 4- O que significa?

Pais: Comemora-se o dia da Revolução.

Pais: Significa liberdade, paz e as pessoas dizerem o que pensam.

Avós: A liberdade de um povo.

Avós: Significa a liberdade.

2- Em que ano aconteceu? Pais: Aconteceu no ano 1974. Avós: Em Abril no ano de 1974 3- Qual é o símbolo deste dia?

5- Que tipo de regime havia antes do 25 de Abril? Pais: Antes do 25 de Abril havia um regime de ditadura, em que as pessoas não eram livres de fazer o que queriam e como não existia democracia, não se podia contestar o poder. Avós: Havia uma ditadura que durou 50 anos. Martim Freches, 2ºA -Avô Mário: O símbolo deste dia é o cravo vermelho.

Entrevista a pais e avós...

1. Sabe o que se comemora no dia 25 de Abril? -Mãe: Comemora-se o dia da liberdade, que também é conhecido pela Revolução dos Cravos. 2. Em que ano aconteceu? -Avó Luísa: Aconteceu em 1974. 3. Qual é o símbolo deste dia?

4. O que significa? -Avô Mário: O cravo vermelho significa que a revolução foi feita sem recurso à violência e às armas. Foi uma revolução pacífica. 5. Que tipo de regime havia antes do dia 25 de Abril?

-Pai – O regime era a ditadura. João Diogo Domingues, 2ºA o pinheirinho 11


crónicas temáticas

1- Sabe o que se comemora no dia 25 de Abril? “Sim, sei. No dia 25 de Abril comemora-se a revolução.” 2- Em que ano aconteceu? “Aconteceu no ano de 1974.” 3- Qual é o símbolo deste dia? “O símbolo deste dia é o cravo.” 4- O que significa? “Significa que esta foi uma das únicas revoluções pacíficas no mundo inteiro.” 5- Que tipo de regime havia antes do 25 de Abril? “Antes do 25 de Abril havia uma ditadura, agora estamos numa democracia.”

ACTIVIDADES 2009|2010

BE/CRE Lorosae

Agrupamento de Escolas da Charneca de Caparica A Biblioteca Escolar assume na escola de hoje um papel importante para a melhoria do sucesso educativo dos alunos, pelo que as actividades desenvolvidas devem estar em articulação com as diferentes estruturas pedagógicas e com o Projecto Educativo da Escola/ Agrupamento. No balanço do trabalho que temos vindo a desenvolver na EBI, consideramos ter alcançado os objectivos atrás enunciados, não só pelo cumprimento das actividades que tínhamos projectado, mas principalmente pelo envolvimento de toda a comunidade educativa nessas actividades. O apoio e a orientação que a equipa de professores e funcionárias da BE/CRE sempre tem dado aos alunos contribuíram certamente para o desenvolvimento de competências no domínio das literacias e no acesso e uso crítico da informação disponível nos vários suportes. Por outro lado, julgamos ter dado passos firmes no caminho da construção de uma cultura de leitura como preconiza o Projecto Charneca aLer+ com a realização de actividades, como: Ler+ para vencer; Formação aos alunos; Casting para alunos monitores da BE/CRE; Sábados de leitura em Outubro; Feiras do Livro; Encontros com os Escritores Xico Braga, Gonçalo Pratas e António Mota; Encontro com o Contador de Histórias Maurício Leite; os Concursos de Leitura online, Escrever e Ilustrar o Natal, Apaixonados pela Poesia e a participação no Concurso Nacional de Leitura; Comemoração da Semana da Leitura e as actividades Ler e Falar de Livros, Leituras Partilhadas e Maratona da Leitura; e ainda as actividades a realizar até final do presente ano lectivo - Comemoração do Dia Mundial da Família, participação na Campanha Pilhas de Livros,

o pinheirinho 12

o Encontro com uma escritora da vossa idade e a Feira do Livro Usado. Também a animação dos espaços ao longo do ano e a afixação de cartazes e trabalhos foram outras formas de promoção do livro e da leitura. Quanto à EB1/JI, a queda do tecto e a demora da sua reparação, o elevado número de alunos que obrigou à sua ocupação com aulas de Actividades de Enriquecimento Curricular, a falta de recursos humanos, que não permite a permanência de uma funcionária ou de um professor com formação em Bibliotecas Escolares e a falta de recursos materiais inviabilizaram a realização de actividades naquele espaço. Apesar desses constrangimentos, foram dinamizadas algumas actividades, como a Campanha Seja Amigo da Biblioteca, a visita à Feira do Livro na EBI, os Encontros com… um escritor e um contador de histórias, a formação de utilizadores a todas as turmas, os Concursos Ler e escrever o Natal e Apaixonados pela Poesia e Ler e Falar de Livros… Estamos em crer que o facto de se colocar a leitura como uma prioridade dos esforços da escola para elevar os níveis de aprendizagem e sucesso dos alunos, bem como o empenho dos professores e o envolvimento de toda a comunidade educativa nas actividades têm sido factores determinantes na transformação da Biblioteca Escolar num espaço de aprendizagem e de construção do conhecimento.

Prof. Cecília Almeida


o pinheirinho 13


|As Revoluções da Liberdade… No passado dia 27 de Abril, o Departamento de Ciências Sociais e Humanas levou a cabo mais uma actividade no âmbito do Centenário da República, em conjugação com o 36º aniversário do 25 de Abril. Na Cerimónia, estiveram presentes a Directora da Escola, o Presidente da Junta de Freguesia, a Presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação, os representantes de todas as turmas da EBI da Charneca de Caparica, a professora de Ed. Musical, Ângela Morais, o Prof. Vasco da AEC de Música, o Coordenador do Departamento de Ciências Sociais e Humanas e todos os seus membros, os alunos que compõem o Coro da Escola e as turmas de 6º e de 9º ano com as respectivas professoras de História, Mª José Monteiro e Mª do Céu Oliveira. Deu-se início à actividade com o Coro Infantil a interpretar o Hino Eco-escolas, seguindo-se uma breve apresentação da História da República Portuguesa, desde a sua implantação até à Revolução de Abril de 1974, pelos alunos de 9º ano, Inês Saramago, Carolina Mendonça, João Zagalo, Jenniffer Cerlund, David Neves, e Ricardo Lopes, destacando-se as principais mudanças políticas, sociais, económicas e culturais. A plantação da árvore centenária, um pinheiro manso, foi um momento alto pelo envolvimento de todos os representantes da comunidade educativa. Seguiu-se um espaço dedicado ao 36ª aniversário do 25 de Abril, tendo os alunos de 5º ano, previamente aprendido a técnica de elaboração de cravos em papel, num workshop dinamizado pela monitora do ATL Helena Rocha. Os alunos estiveram presentes

o pinheirinho 14

e munidos dos respectivos cravos para assistirem ao trabalho desenvolvido pelos alunos de 6º ano na selecção e leitura de poemas de Abril, destacando-se os alunos do 6ºA – Catarina Silva, Tomás Martins e Catarina Rodrigues; do 6ºB – Mariana Tavares, Carolina Resende; 6ºC – Adriana Henriques, João Cardoso, Francisca Paiva , Sierra Marques, Luís Fernandes e Lucas Souza e do 6ºD – Carolina Rodrigues, Catarina Rosa, Joana Cavadas e Radu Filciu. Todos estão de parabéns pelo magnífico trabalho que desenvolveram. Um muito obrigada a todos os que contribuíram e participaram nesta iniciativa. Profs Mª José Monteiro e Mª do Céu Oliveira


|

AQUILINO RIBEIRO – o escritor republicano

Num ano em que se celebra o Centenário da Republica Portuguesa, valerá a pena relembrar uma incontornável figura e personalidade da nossa literatura – o escritor Aquilino Ribeiro. Dono de uma escrita peculiar e polémica do seu tempo, a sua estreia literária foi antecedida de alguns anos por uma intervenção na política activa, que marcaria desde logo o temperamento irrequieto do futuro escritor. Nasceu em Carregal de Tabosa, Sernancelhe, em 1885 e faleceu em Lisboa, em 1963. Com o objectivo de ser padre, frequenta o colégio jesuíta da Lapa, os seminários de Lamego, Viseu e Beja. Em 1906 abandona o seminário e fixa-se em Lisboa, dedicando-se à defesa da república através de textos conspiratórios. Preso após uma explosão de dinamite, que, por incumbência do Comité revolucionário, guardara no seu quarto, após sucessivas tentativas para se libertar da prisão, consegue exilar-se em Paris. Aí, frequenta a

|Educação para a Saúde Actividade: Acções com Encarregados de Educação A Equipa de Coordenação do Projecto “Re…Conhecer” desenvolveu, neste 3º período, acções para Encarregados de Educação de alunos de 4º ano das duas escolas do Agrupamento, no âmbito dos “Riscos da Internet”, no sentido de alertar para uma utilização da Internet pelos nossos alunos, de forma mais segura e com maior controlo parental. Esta acção será repetida no início do próximo ano lectivo, dada a sua pertinência. Destacamos a consulta do site: www.seguranet.pt. Em colaboração com a Psicóloga do Agrupamento, Dra. Ana Borges, foram também desenvolvidas acções para Encarregados de Educação dos alunos de 5º e 6º anos de escolaridade, nos dias 19 e 21 de Abril, subordinado ao tema “Competências Parentais: Contributo para a Promoção do Sucesso”, com o objectivo de reflectir sobre a nossa posturas de adultos face aos educandos, procurando relembrar regras essenciais para o desenvolvimento da autonomia, autoestima e responsabilidade das nossas crianças, em anos determinantes na aquisição de competências de estudo. Actividade: 1º Encontro Concelhio de Educação para a Saúde

universidade da Sorbonne e escreve os contos “jardim das tormentas” (1913). De volta a Portugal, em 1914, ingressou como professor no Liceu Camões, e dali transitou para a Biblioteca Nacional, onde se manteve, na qualidade de conservador, até 1927. Como escritor, foi autor de contos, novelas, romances, estudos etnográficos, biografias, ensaios, impressões de viagem, literatura infantil e traduções. As suas obras de ficção inspiraram-se, sobretudo na primeira fase, nos ambientes da Beira Alta, onde nasceu. São dela exemplo, obras como: Terras do Demo (1919); Aldeia A Casa Grande de Romarigães (1957) e Quando os Lobos Uivam (1958). Também se devem destacar as suas obras de cariz infantil e fabulares como Arca de Noé, Terceira Classe e O Romance da Raposa (1924). Prof. Céu Mantas Bibliografia e netgrafia: Prado Coelho, Jacinto do, Dicionário da Literatura Portuguesa, Ed. Figueirinhas, Porto, 1992 http://alfarrabio.di.uminho.pt/vercial/aquilino.htm http://sernancelhe.planetaclix.pt/Aquilino-Ribeiro.htm Naturais, com a Professora Helena Serôdio, em AP e FC com os Directores de Turma, professores João Cravidão e Mário Fortuna, sempre em colaboração com o Projecto “Re… Conhecer”. Aí os alunos presentes (José Nascimento, José Ramos, Guilherme Alferes, André Ceitil, Mariana Patrício, Daisy Saavedra, Sara Oliveira, Carolina Mendonça, Sara António, Ana Carmo, Beatriz Lopes e João Zagalo) desenvolveram uma dinâmica cujo título era “ Des…confortável/ à vontade com o preservativo”, mostrando de seguida os dois filmes elaborados no âmbito do Concurso interno “Efeito

SIDA”.

O balanço geral foi considerado muito positivo, quer pelos professores, quer pelos alunos, uma vez que foi uma oportunidade de partilhar experiências diversificadas na maioria das escolas do Concelho. Segundo uma aluna do 9ºB: “ Para mim, foi o projecto mais interessante: à vontade com o preservativo, à vontade com os professores...foi uma manhã espectacular!” (Beatriz Lopes) As Professoras Coordenadoras, Helena Serôdio, Ilda Ribeiros e Mª Céu Oliveira

No passado dia 30 de Abril, o Agrupamento de Escolas da Charneca de Caparica esteve presente no 1º Encontro Concelhio de Educação para a Saúde, realizado na Escola Secundária Romeu Correia – Feijó. A nossa participação consistiu numa breve apresentação, pelas professoras Mª Céu Oliveira e Ilda Ribeiros, do trabalho desenvolvido ao longo dos cerca de dez anos em que o Projecto está implantado na escola, tendo sido afixado o respectivo “poster”. Num segundo momento, foi apresentado o trabalho desenvolvido com as turmas de 9º ano, em Ciências o pinheirinho 15


Matemática e Música (conclusão) ...Portanto, toda a música ocidental que ouvimos actualmente utiliza uma escala de doze notas, criadas a partir de intervalos (fracções) acusticamente perfeitos, ajustados matematicamente, que vieram permitir assim ampliar o alcance da Música a horizontes que antes eram verdadeiramente impossíveis. Relativamente ao “ritmo”, sendo a contagem do tempo, por si só, uma concepção essencialmente matemática, não é difícil imaginar o quanto o ritmo está intimamente associado à Matemática. Os ritmos musicais possuem batidas com intensidades diferentes (acentuações), que se repetem dentro de algum padrão e é isso que permite classificar as diversas variedades de ritmos existentes na música. Os exemplos abaixo mostram alguns dos tipos de “medidas” de marcação do tempo de uma música, que são chamados de “compassos”: (os tempos “fortes” do compasso estão em negrito e sublinhados) compasso binário: 1 2 1 2 1 2 1 2 compasso ternário: 1 2 3 1 2 3 1 2 3 compasso quaternário: 1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4 No que se refere ao ritmo, a Música é organizada em “pedaços” contendo o mesmo número de tempos do |Literatura

Portuguesa início do Século XX

no

Como muitos sabem, Portugal ficou marcado, no início do século XX, pela Proclamação da República, no dia 5 de Outubro de 1910. Com esta revolução, passámos a ser um país com democracia e liberdade de expressão, mas não foi só na política (com a mudança da moeda, da bandeira e a implantação da república) que houve alterações. Também a literatura sofreu algumas modificações. Em princípios do século XX, surgiu o grupo da “Renascença Portuguesa”, em torno da revista “A Águia”, e ao redor do qual se integrava o movimento conhecido como Saudosismo, nostálgico e subjectivo, e cujo máximo representante era o poeta Teixeira de Pascoaes. No entanto, o grande poeta de começos do século é Fernando Pessoa, que não atingiu um grande sucesso em vida, mas que, depois da sua morte ficou conhecido como, a par de Camões, o melhor poeta português de todos os tempos. A sua obra poética baseia-se na invenção de diferentes vozes poéticas ou heterónimos (Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis ou Bernardo Soares, entre outros), cada um deles com uma personalidade e um estilo poético próprio. Outro poeta desta época, que o pinheirinho 16

compasso de referência. Por exemplo, numa música que utilize compasso quaternário, os pedaços (que também são chamados de “compassos”) contêm sempre 4 tempos. Para que se possa escrever a melodia de uma música dentro dessas medidas, foram então definidas as “figuras de tempo”, que mantêm relações fraccionárias entre si. São elas:

Com essas figuras, podemos posicionar e dar a duração que quisermos para as notas musicais dentro de um compasso. E é exactamente como as notas são posicionadas que podemos criar géneros musicais com características distintas de ritmos. Espero, com este artigo, ter contribuído para elucidar os leitores sobre o quão importante é estudar matemática e entender os seus conceitos, para uma melhor aprendizagem e percepção da música. Pois, se queremos “viver” da música, há que estudá-la e entendêla para podermos ser criativos e marcarmos, de alguma forma, a diferença que todo o artista procura… Prof. João Simões compartilhou páginas com Pessoa, na revista modernista Orpheu, foi Mário de Sá-Carneiro, poeta que se suicidou em Paris, em 1916. Também José Régio sobressaiu como poeta e dramaturgo. Modernismo em Portugal O Modernismo na literatura foi praticado por duas gerações de intelectuais, ligados a duas publicações literárias: um primeiro Modernismo, surgido em 1915, em torno da revista Orpheu; um segundo Modernismo, organizado em 1925, em torno da revista Presença. A revista Presença esteve ligada ao segundo Modernismo, em 1925. Continuou a luta pela crítica livre contra o academismo literário e, inspirados na psicanálise de Freud, os seus intelectuais bateram-se pela prioridade do individual sobre o colectivo, do psicológico sobre o social, da intuição sobre a razão. Além da produção nacional, a Presença também divulgou textos de escritores europeus, sobretudo franceses. Alguns dos escritores deste segundo Modernismo foram: Miguel Torga, Adolfo Casais Monteiro, Aquilino Ribeiro, Ferreira de Castro, Vitorino Nemésio, Pedro Homem de Mello, Tomás de Figueiredo e Eça Leal. Guilherme Alferes e José Ramos, 9ºA


|Projecto “Ajudar a Ler +” O projecto a que atribuí o nome de Projecto “Ajudar a Ler+” resultou da minha experiência como professora da turma de currículos alternativos, actual CEF-9ºC. Pensei: Por que não tentar motivar estes alunos para a leitura, fazendo-os incentivar colegas igualmente desmotivados ou com dificuldades como eles? E foi assim que nasceu o projecto…que se alargou em termos de conceito, passando a envolver outras actividades que não a leitura! É, pois, nesta turma que encontramos a semente que deu frutos positivos, quer em termos de reforço positivo para as alunas envolvidas no mesmo, o ano passado, quer para as crianças do 1ºCiclo com quem trabalharam. Posto isto, decidi alargar esta ideia às restantes turmas do 9ºano em jeito de desafio, definindo como objectivos motivar para a cooperação inter-pares, através de um trabalho colaborativo entre alunos de níveis etários e ciclos diferentes , e para a leitura e para o estudo, através do reforço positivo alcançado com a promoção de actividades de leitura e animação da mesma. As turmas do 1º Ciclo envolvidas foram o 2ºA,2ºB ,3ºA e 3ºB. Consegui que alguns alunos das três turmas do 9º ano se envolvessem ao longo do ano, tendo porém constatado que o número dos tutores envolvidos foi diminuindo, alegando falta de tempo e sobrecarga de tarefas escolares, lamentando, contudo, o facto e valorizando os ganhos de tal projecto, em termos de enriquecimento pessoal,

Leituras partilhadas … No dia 16 de Março, realizámos a actividade Leituras Partilhas, Eu fui uma das participantes dessa actividade. O livro que eu apresentei foi “ A Profecia Celestina”, de James Redfield. O livro fala sobre um antigo Manuscrito Peruano, que tem 9 revelações. Cada uma dessas 9 revelações foi uma descoberta por um povo de energias e coisas espirituais... Explicam o porquê de experimentarmos certos sentimentos que transmitem uma mensagem muito importante. A personagem principal, John, é que passa pela aventura das descobertas. Ele vai ao Peru estudá-las... Entretanto, no Peru, apaixona-se e vive experiências espectaculares. Depois de ser preso pelos soldados, é mandado de volta aos Estados Unidos

informações obtidas a partir dos relatórios/balanços por período pedidos aos mesmos sobre o seu envolvimento no projecto e através da comunicação mantida com as professoras titulares da turmas de 1º Ciclo. Em relação às estratégias/actividades sugeridas… Os tutores (alunos do 9ºano) ajudaram alunos do 1º Ciclo a ler textos indicados pelas professoras titulares, ajudando-os a preparar a leitura dos mesmos, que, depois leram perante a sua turma, o que certamente terá servido de reforço positivo para aqueles. Os professores titulares sugeriram aos tutores uma história do dia a propósito de alguma temática que estivessem a trabalhar ou uma obra qualquer/pequena história para prepararem e lerem à turma ,seguindose actividades de animação/expressão plástica onde auxiliavam a Professora titular como monitores ,caso solicitados. Os tutores também auxiliaram nas tarefas de sala de aula, contribuindo para um acompanhamento mais individualizado ,sobretudo junto de alunos que necessitavam. Posso concluir com uma frase de um dos relatórios acima referidos: ”Este trabalho como tutora enriqueceu-me , porque fezme ver como o trabalho de professor tem de ser muito árduo para que o aluno aprenda e também me ensinou que, para além de nós próprios ,há outras pessoas a precisarem de ajuda .” (Inês Levi , 9ºB) Um projecto a continuar, portanto!... Prof. Manuela de Fátima

da América a saber que ainda há uma Décima Revelação por ser descoberta. Os excertos que me “tocaram” mais foram: “Um livro que surge uma vez na vida, para mudar a vida para sempre” e “Tudo isto é consequência da nossa sensação de insegurança e de fraqueza e do facto de termos necessidade de tirar a energia aos outros para nos sentirmos bem”. Estes são os excertos por que eu mais me interessei porque as pessoas não deviam ter a necessidade de tirar a energia aos outros. Para quê gozar ou criticar as outras pessoas? E, por que é que não nos sentimos bem connosco próprios? Há várias perguntas que colocamos cujas respostas estão nos livros, basta só encontrá-las. E foi o que eu fiz. Sara António, 9ºB

o pinheirinho 17


| Um pouco de História da Matemática... O zero (0) Hoje em dia, utilizamos este símbolo frequentemente, por exemplo, quando nos referimos a zero graus numa escala de temperatura, a gravidade zero ou a zero horas. Mas, quer os Antigos Gregos, quer os Romanos, que vários avanços importantes imprimiram à Ciência e à Matemática, não possuíam um meio efectivo para lidar com o “nada”. Nenhum símbolo específico foi necessário enquanto o zero significou apenas a ausência de objectos contáveis, mas tornou-se fulcral quando surgiram os sistemas numéricos posicionais, embora primeiramente se tenha recorrido a um espaço em branco ou a uma pinta (Ÿ) para marcar a posição pretendida como a das centenas em 7Ÿ52 (hoje, 7052   sete mil e cinquenta e dois). Foi Brahmagupta, matemático e astrónomo indiano, nascido em 598, quem tratou o zero como um número inteiro, apresentando-o como a linha curva fechada que nos é familiar e estabeleceu algumas regras para trabalhar com ele.

Por volta de 1202, o já nosso conhecido Fibonacci, com o seu Liber Abbacci, introduziu a numeração com os dígitos 0 a 9 e a notação posicional, esclarecendo o sistema de posição árabe dos números, incluindo o número zero. O livro mostrou a importância prática do novo sistema numérico, aplicando-o à contabilidade comercial, conversão de pesos e medidas, o cálculo de juros, taxas de conversão e outras aplicações. O livro foi bem recebido em toda a Europa e teve um impacto profundo no pensamento europeu. Esse elegante sistema de sinais numéricos, em breve, substituiria o não mais oportuno

| A que se deve a poluição da água?

No nosso dia-a-dia, necessitamos de água para nosso consumo. Essa água que nós consumimos vem dos rios e lagos que têm apenas 0,015% de toda a água existente na Terra. As pessoas, mesmo sabendo que estão a poluir as águas, não se preocupam em conservá-la e o resultado é a poluição da água. As causas da poluição são várias, tais como: resíduos e detritos sólidos, produtos químicos, matéria orgânica e aquecimento das águas. Se todos nós pararmos de poluir a água, ela é tratada e pode ser novamente utilizada. Para que isso aconteça, o pinheirinho 18

sistema de algarismos romanos. Mas foi preciso esperar pelo matemático veneziano Luca Pacioli (1445-1517) para ser produzido o primeiro texto europeu sobre a utilização do zero: (1) 0 + a = a, para qualquer número a;

(2) 0 × a = 0, para qualquer número a;

(3) 0 ÷ a= 0, para qualquer número diferente de zero; (4) a ÷ 0= ∞,para qualquer número a.

Se os primeiros três resultados são de fácil compreensão para o leitor(basta pensar num caso concreto), menos provável de ser intuído é o resultado de a ÷ 0= ∞. Se pensarmos numa situação concreta, por exemplo 3 ÷ 0 = b, vem que, 3 = b × 0, isto é, 3 = 0, o que não tem sentido (é indefinível). Uma forma de contornar esta situação foi apresentada pelo matemático indiano Bhaskara (1114-1185), que sugeriu na sua obra Lilavati que um número dividido por zero é (o) infinito. Esta ideia poderá ser facilmente entendida se recordarmos que quanto menor for o número por que dividimos, maior é o resultado da divisão, por exemplo 3 ÷ 0,1 = 30; 3 ÷ 0,01 = 300; 3 ÷ 0,001 = 3000; e com divisores sucessivamente mais pequenos, o quociente é cada vez maior e maior... O zero teve ainda um papel fundamental na representação dos números negativos, pois fazendo: 4 – 0 damos como resposta “4”, solução que não serve para 0 – 4, que é igual a –4. Hoje em dia, sabemos que a invenção do zero revolucionou a Humanidade, e contribui todos os dias para avanços tecnológicos. Note-se que a linguagem dos computadores, assenta no sistema de numeração binário que é constituído unicamente por 0 e 1. Prof. João Simões

é preciso: moderar a utilização de pesticidas e adubos, moderar o tratamento de resíduos industriais, aperfeiçoar as redes e o tratamento de esgotos, construir mais estações de tratamento de águas residuais (ETAR) e exigir o cumprimento das leis. Rafaela Polycarpo , 5ºD


Agatha Christie

| O meu Alentejo…

Agatha Christie é a minha escritora favorita e, por conseguinte, a autora dos livros que eu recentemente tenho lido. Dentro de todos aqueles policiais indesvendáveis e muito bem engendrados, há também lugar para romances e adrenalina, nos seus livros.

Todas as férias lá vou eu para o Alentejo, mais precisamente para uma aldeia chamada Ervidel, que fica a 21 km de Beja, portanto é no baixo Alentejo. A palavra que quase toda a gente associa às aldeias é aborrecimento, mas, acreditem, naquela aldeia tudo se passa! Como todas as outras, logo pela manhãzinha, lá vai o padeiro a percorrer todas as casas com o pão acabado de fazer. Toda a gente conhece toda a gente. Este é sempre o grande lema das aldeias e a minha não é excepção! Somos considerados todos primos. Eu dou-me com todas as pessoas, desde crianças até idosos. São todos muito simpáticos e amáveis. Quando era mais nova, o meu passatempo eram as caminhadas: depois de uma longa jornada, sucedia-se a “apanha da cana”, como nós dizíamos. Depois da colheita das canas, voltávamos para casa e arranjávamo-las. Estas férias lá vou eu, mais uma vez, para Ervidel! Já só falta mais uma semana para me reencontrar com a minha gente!

A amizade A amizade consegue ser tão complexa... Deixa uns desanimados, outros bem felizes... É a alimentação dos fracos É o reino dos fortes Faz-nos cometer erros... Os fracos deixam-se ir abaixo Os fortes erguem a cabeça Os assim-assim assumem! Sem pensar, conquistamos

Para além de ler livros desta Autora, também vejo séries. Os livros são, obviamente, mais pormenorizados, embora tenhamos que imaginar muitas situações e personagens, o que nas séries não é necessário. Na minha opinião, imaginar cenários ou personagens é bastante interessante, pois podemos “pintá-los” da maneira que quisermos. Neste momento, estou a ler “Poirot salva o criminoso”. Ainda estou no início, mas já me está a empolgar! Carolina Mendonça, 9ºB

Marcela Jorge, 9ºB

OLHEI O CÉU …

nem por isso

E construímos o nosso pequeno lugar,

Olhei o céu, vi uma estrela

Mas nenhum igual,

Olhei o mar, vi uma musa

Isso nunca vi.

Deixando brilhar cada estrela

Olhei uma floresta, vi inspiração

Todos são únicos

Estrelas...

Olhei a humanidade, vi pessoas inspiradas

O mundo geral

Doces, sensíveis, frias, ternurentas... Mas sempre presentes em qualquer parte Os donos da Amizade Andreia Durão, 9ºA

Na maneira de pensar e de agir

Dentro delas vi:

Somos únicos e isso ninguém nos tira.

Praias e oceanos,

Rodrigo Nunes, 9ºA

Matas e florestas, Liberdade total Em todas as pessoas O conjunto era diferente, Uns sonhadores, outros tímidos Alguns geniais e outros o pinheirinho 19

Criação Literária

A personagem de que eu mais gosto é, sem dúvida, o fantástico e inteligente Hercule Poirot, o protagonista da maioria dos livros de Agatha Christie. Este é uma personagem bastante extravagante. Usa um bigode (a sua marca) e tem uma aparência elegante. Apareceu pela primeira vez no romance “O misterioso caso de Styles” (ainda não li). Anda muitas vezes acompanhado com o seu amigo Hastings. Enquanto os outros detectives procuram encontrar o criminoso através de pegadas ou impressões digitais, Poirot utiliza, como único método, a psicologia humana. Este não é um detective de acção, apenas encontra a maneira mais inteligente de apanhar o criminoso (ou criminosos), preparando, muitas vezes, armadilhas. Poirot refere que a mente de um assassino é sempre igual, o que explica toda a sabedoria deste detective. Pesquisei acerca da morte de Agatha Christie e descobri que esta morreu de causas naturais, deixando milhões de leitores inconsoláveis e uma fortuna de 20 milhões de dólares.


Amar |A Arte de

tensamente, Vive a VIDA in te doar, em em Tem prazer em da existência,t s re do as ra Supe r. mente perdoa doria, Age com sabe s e medos, io Elimina anse a tolerância, Não esqueças os teus erros. Aprende com lucidez, Não percas a plicidade m Com muita si erente, Sê seguro e co humildade. a Mantém a tu rvir, DE há que se P’ra ser GRAN r, respeita Todo o mundo alhar, ab tr Com afinco star. ife Gratidão man edimento Com este proc s no deserto, Crias um oási crescimento, Processas teu descoberto. Teu interior é , rte de pensar Não basta a A erar É preciso coop e o esqueças D nã e Junta tudo R. A M A E T NALMEN INCONDICIO M.G.

A tua voz!

|

| AMIZADE

r, é dar. Fecho os olho Não é recebe s . r, é incentivar Deixo o mundo Não é magoa todo para trás . Apenas a tua voz importa a descrer, é crer partir de Não é agora oi é ap ar. Não é criticar, Fazes-me sonh er. ar r, é compreend Acreditar Não é ofende . ar, é defender Que a vida ta Não é humilh mbém pode se r perfeita Acalmas-me o tar. espírito é julgar, é acei ão N Tranquilizas-m e a alma er, é perdoar. Não é esquec O anjo negro desceu à terr r, é acreditar. a Para me fazer Não é duvida sonhar E lutar por m ais Apenas ouvind ne, 9º A o a tua voz Edney Sulta Única, inesqu ecível Sinto a presen ça de sentimen tos nela Sentimentos sentidos por ti E por todos nó s Amor, amizad e, perda, dor Tudo se reflect e numa mensa gem de A palavra de que mais gosto é “adoroforça Para quem a te”! quer ouvir Ao abrir os ol hos A tua voz cont A palavra “adoro-te” transmite amor, inua na minha mente Uma voz que carinho, o que é algo de importante! me segue para todo o lado Quando oiço alguém dizer-me “adoroE me deixa fo te”, sinto-me amada. Num planeta rte para pode r continuar! gigantesco, não me sinto sozinha; um simples doce e verdadeiro “adoro-te” faz a diferença. Até mesmo quando Andreia Durã estou em baixo, consegue fazer-me o, 9ºA sentir mais feliz!

|Adoro-te

Teresa e Eugénia, 9ºC

Numa savana africana, vivia uma pequena girafa chamada Beta. Ela era a mais pequena da manada, mas não era devido à sua idade. Na verdade, tinha a mesma idade dos seus amigos. Um dia, a Beta encontrou uma bela macieira, mas era tão pequenina que não lhe conseguia chegar. - A Beta é pequena! - gritou o Jaime, que era o perturbador do grupo. - Não sou nada! - exclamou a pobre Beta. O dia acabou bem para todos os animais, excepto para a Beta, claro. - Mamã? - Diz meu filho! - Quero ser maior! o pinheirinho 20

- Que parvoíce, filha! - ralhou a mãe, aconselhando a filha a ir dormir. Não penses mais nisso! - aconselhou a mãe. Então, a Beta obedeceu à mãe e foi dormir. No dia seguinte, um cientista plantou uma árvore de crescimento rápido. Quem comesse o seu fruto ficaria gigantesco. Beta ouviu falar dessa árvore e, quando a encontrou, começou a crescer, a crescer. - Fixe! Como sou grande! - exclamava a Beta. Mas, para os animais, aquele animal do tamanho de uma baleia era uma ameaça e começaram a fugir dela. - Esperem, não fujam! - dizia a pobre girafinha. Mas acabaram todos por fugir e ela ficou assim para sempre. A conclusão que podemos tirar desta história é que “Quem tudo quer tudo perde.” Bianca, 5ºB


|Faltam-me as palavras … Se tento explicar algo complicado, faltam-me as palavras… Se te tento descrever, faltam-me as frases certas… Se tento exprimir em voz alta tudo o que sinto, grito o quanto te amo. E se grito, é o teu nome que chamo. Não me vou calar nunca, sem dizer o que penso! Sem colocar as “vírgulas” no sítio certo, e sem poder evitar a utilização do ponto final nesta história. Se alguma vez foste um contratempo, Então, hoje, considera-te como a minha maior vitória! Foi uma descoberta inesperada, sim Mas bem lá no fundo, já era bastante desejada sem sequer saber que te esperava E sim, só me apercebi que te procurava após te encontrar. Só senti que me fazia falta uma pessoa como tu na vida, quando te vi chegar Era incapaz de aguentar a tua ausência E sou incapaz de te ver partir sem sentir, uma última vez, a tua presença Mas pergunta-me: E se um dia eu desaparecer? A resposta será óbvia: Deixarei de viver. E pergunta-me novamente: E se um dia a distância nos afastar? Aí responderte-ei sem dúvidas: Correrei o mundo inteiro só para te reencontrar Pergunta-me: Serias capaz de me deixar para trás? - Tu bem sabes que não sou capaz E um dia, questionei-me a mim própria: Quanto tempo irá durar? Não tive dúvidas na resposta: Eu nunca te vou deixar! Não me perguntes o que sinto neste momento ao escrever isto, porque é provável que não o saiba explicar. O fácil é sentir, mais complicado será falar. Enfim, tudo começou a 17 de Outubro de 2009 Dizer que te amo torna-se cada vez mais repetitivo, mas eu não me canso

Afinal, limito-me a dizer o que sinto, porque não conheço outra maneira de o exprimir Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te mesmo é que te amo? Não posso ocultar sentimentos sem arranjar outra palavra que os possa definir, por isso digo que te amo. Somos nós, com os nossos passos, que vamos fazendo o nosso próprio caminho. Mas foste tu, desde o inicio que marcaste um lugar permanente no meu destino És tudo, e de tudo eu não sou grande coisa, sou apenas uma figurante da história que simplesmente guarda dentro de si o que é mais importante, o que realmente deseja preservar na vida. E o que mais desejo preservar na vida, é a data em que tudo começou, a tua presença, e toda esta história, com princípio e sem fim. Gostei de ti de uma maneira simples, adorei-te de uma maneira mais estruturada, e amo-te incondicionalmente de uma maneira “exagerada”. Encontrei-te, e não peço mais nada ao mundo Tatiana Amorim, 9º A

s.f. 1. Acto ou efeito de revoltar ou revoltar-se; 2. Rebelião contra a autoridade estabelecida, sublevação, insurreição, levantamento, motim; 3. Sentimento de indignação Há muitas coisas que me revoltam. Fico revoltada quando peço muito uma coisa, mas não a consigo. Quando estou a fazer um teste e não sei um exercício. Quando perco alguma coisa. Quando o meu pai vai passear os meus cães e eu não posso ir porque tenho tarefas para fazer ou acabar. Quando estou a surfar numa onda perfeita e tenho que cair porque estava alguém à minha frente Mas tudo isto, são pequenos aborrecimentos. Agora, o que é mesmo revoltante para mim é o preconceito; uma pessoa ser discriminada pela cor de pele, por ser invisual, deficiente, surda... Apesar de nunca ter visto, também me revolta muito ver uma pessoa mais forte a bater numa mais fraca. Inês Bispo, 5ºB

o pinheirinho 21


R

|REVOLTA-ME

ter imensos trabalhos de casa, pois, quando me lembro, só me apetece fazer uma participação à escola. REVOLTA-ME aqueles miúdos que já são mais velhos chamarem-me puto; eles, pelo que sei, já passaram por esta idade. REVOLTAME ter que me deitar cedo, embora sabendo que no outro dia vou estar com sono. REVOLTA-ME aquele tipo de pessoas que não se interessa pelo bem-estar deste planeta e está sempre a poluir. REVOLTA-ME a minha colega do lado estar sempre a ocupar a mesa toda. Até parece que sou uma formiga, queres ver! REVOLTA-ME que a comida da cantina seja uma porcaria (desculpem a expressão). REVOLTA-ME não ir mais vezes de férias. Hoje em dia, há tantos sítios para me divertir, como Caraíbas, cruzeiros, México…REVOLTA-ME estar hoje “liso” (sem dinheiro), pois estava preparado para ir ao “MegaSprint” e João Rodrigues, 5ºB foi adiado. Como é óbvio, não trouxe o material escolar e não lanchei. REVOLTAME que os fins-de-semana sejam tão curtos. A partir de hoje, vou exigir mais tempo para os alunos repousarem. NÃO ME REVOLTA nada fazer este texto, porque até agora foi a actividade mais “louca” de fazer neste período.

| EVOLTA-ME ter que escrever este texto. Revolta-me que o meu pai esteja sentado à mesa da cozinha quando nós estamos a levantar a mesa. REVOLTA-ME que os meus pais tenham que pagar impostos. REVOLTA-ME que amigos meus sejam do Sporting e, quando o Benfica ganha tenham sempre desculpas. REVOLTA-ME que a comida da minha escola seja tão má. REVOLTA-ME escrever muito quando estou nas aulas. REVOLTA-ME ter provas de aferição e testes. REVOLTA-ME que as horas passem tão devagarinho e que, quando tenho festas ou outras coisas que gosto de fazer, passem tão depressa. REVOLTA-ME ter que fazer trabalhos de casa. REVOLTA-ME que gozem comigo. Mas há uma coisa que não me revolta – é este texto estar a acabar.

|A qui vou eu. Estou sempre a revoltar-me! Mesmo ontem à noite,

a minha irmã estava zangada com uma colega de turma e adivinhem quem ela culpou? Claro! A irmã mais nova e, o mais incrível é que a minha avó está sempre do lado dela! Também tenho muitas revoltas com o meu gato; está sempre a morder-me mas, quando está com sono e não gosta da cama dele, vem logo para cima da minha cama! Ai! Como a vida é difícil, nem no dia 25 de Abril de 1974 a revolta foi maior do que as que eu tenho no meu dia-a-dia. No outro dia, saí da escola à 1:15 e fui comer a casa com a minha avó e ela disse-me que eu ia comer a minha comida favorita (carne). Mas, quando cheguei à mesa, adivinhem o que estava na mesa? O meu maior inimigo. O bacalhau! Bem, isto nem é um quarto da minha vida, ou seja “revoltas”! Ainda há muito mais! Leonor Lopes, 5ºB

João Filipe, 5ºB

english corner

|SHE WAS DEAF WITH A KISS A young Chinese woman was almost deaf after a passionate kiss from her boyfriend, according to the site Globo.com. This unusual case happened in the city of Zhuhai, southern China. According to the doctor who attended the woman, she had a ruptured eardrum in the right ear during the kiss. “The long kiss reduced the pressure in the mouth, forcing strongly the eardrum until it broke”, said the doctor, who explained the situation, “is not frequent, but it is normal”. The doctor who attended the woman said the patient will fully recover the hearing within three months, but will need to be careful with the kisses… Inês Guimarães, 8º A

petit coin du français

Na aula de Francês, os alunos realizaram uma pesquisa sobre receitas culinárias francesas. As mesmas foram apresentadas pelos alunos do 7º ano em sala de aula. Bon appétit! Alunos do 7º ano

Ingrédients : -

160 grammes de smarties 2 yaourts natures 3 petites tasses de farine 2 petites tasses de sucre 4 cuillères à soupe d’huile 1 sachet de levure chimique 3 oeufs 2 grosses tablettes de chocolat noir

o pinheirinho 22

Gâteaux aux smarties


A redacção d’ O Pinheirinho agradece a colaboração dos patrocinadores que tornaram possível esta edição. Agradece, também, o empenho e esp´rito de iniciativa do núcleo jornalísitico.

Muuuuuuuuuuito obrigada Ao longo de todo o ano, autorizados pelos Encarregados de Educação, estes alunos foram essenciais ao bom funcionamento deste espaço, demonstrando grande empenho na colaboração prestada.. De salientar que cada aluno só podia ajudar durante uma hora por semana,

o resto do tempo era dedicado ao estudo. Foi interessante verificar a responsabilidade e autonomia que demonstraram a ajudar os seus pares e os professores. A Estudoteca sem eles não teria sido a mesma coisa! Espero que no próximo ano continuem com essa energia e entusiasmo. Muito obrigada a todos! Prof. Fátima Pires

Notícia de última hora: mais uma vez, o aluno José Alberto Ramos do 9ºA, foi o vencedor do 4º campeonato “SuperTmatik Cálculo Mental”. Parabéns!

Boas Férias ... Com boas leituras ! o pinheirinho 23



Pinheirinho xvi 3