Page 1

dezembro de 2013

Jornal Escolar do Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades

Natal Solidário

I’m a Rock Star sob ao palco para uma noite de solidariedade

SUPLEMENTO: Textos premiados no concurso Página da escola: http://joomla.aepinhalfrades.pt/ http://joomla.aepinhalfrades.pt/index.php/o-pinhao

“Vou escrever um Conto de Natal”


Gala Solidária Por Maria do Carmo Branco

Os tempos estão difíceis, todos sabemos, e a palavra solidariedade anda de boca em boca como já há muito não se ouvia. Na rádio, na televisão, nos jornais e revistas, nas nossas casas, não há dia que passe sem que que a palavra solidariedade se ouça, várias vezes, muitas vezes. Também no Agrupamento a solidariedade é um valor que promovemos. Não apenas hoje, mas todos os dias, desde há já muito tempo. Mas é importante não esquecer o verdadeiro sentido desta palavra. É que às vezes, de tanto a repetir, corre-se o risco de perder o verda-


deiro significado da mesma. É preciso não esquecer que a solidariedade é um ato de bondade para com todas as pessoas à nossa volta, com especial prioridade para as que apresentam mais dificuldades, quer sejam ao nível alimentar, financeiro e/ou físico. E é por isso que o Agrupamento pôs mãos à obra e, desde há dois anos a esta parte, conta com a ação da Brigada Solidarius que neste Natal, entre outras iniciativas, promoveu, em conjunto com o projeto

I´m a Rock Star uma Gala de Solidariedade. Foi no passado dia 20 de dezembro, no pavilhão multiusos do Colégio Atlântico, que connosco colaborou e agiu, também, solidariamente, na angariação de “ e strelas ” para as famílias mais carenciadas do nosso Agrupamento. A sala estava cheia de gente solidária, com cerca de 500 pessoas a assistir a um espetáculo de qualidade incontestável e em que os nossos alunos, acima de tudo, brilharam tanto quanto brilham as estrelas de Natal. E se elas brilham! As luzes, as vozes, a alegria contagiaram todos os que tiveram o privilégio de assistir a este espetáculo que aqueceu os nossos corações, nestes frios dias de Inverno, e que certamente irá levar algum conforto aqueles que mais necessitam, por estes dias, do nosso contributo, da nossa ação solidária. A todos os que contribuíram, o agradecimento merecido. Bem hajam! 


A magia das estrelas Brigada Sulidarius

Na passada sexta-feira, dia 20 de dezembro, as estrelas brilharam! Na sala multiusos do Colégio Atlântico, o “I´m a Rock Star de Natal”, uma parceria do coro de alunos, antigos alunos da Escola Carlos Ribeiro e o grupo Chá dos 5, (en)cantou cerca de 500 espetadores, entre os quais o Professor Doutor Carlos Ribeiro, patrono da nossa escola, com um magnífico concerto de Natal. Tal como a letra da canção que a fabulosa maestrina Cristina Pereira adaptou para Christmas Time de Brian Adams, o objetivo deste espetáculo era pôr “crianças a sorrir e famílias a festejar”. Tudo isso possível graças à iniciativa, ao trabalho e à devoção dos professores Cristina Pereira, Paulo Rodrigues, alunos do projeto “I’m a Rock Star” e de todos aqueles que se deixaram levar por esta corrente de solidariedade. Na passada sexta feira, todos deram as mãos e agora… vamos seguir em frente!... Muitas famílias irão festejar com a contribuição de todas as estrelas! A Brigada Solidarius do agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades encarregar-se-á de fazer chegar os bens necessários às casas de quem mais precisa. Um especial agradecimento a todos os que tornaram possível esta iniciativa. Para a professora Cristina Pereira, professor Paulo Rodrigues, alunos do Projeto “I´m a Rock Star de Natal”, “Chá dos 5”, Colégio Atlântico e para toda a comunidade Educativa, o nosso muito obrigado.

Professor Doutor Carlos Ribeiro e sua esposa


Uma turma, um Cabaz Por Amélia Costa e Ana Ferreira

A Brigada Solidarius do Agrupamento, em articulação com os diretores de turma e com os professores do 1º ciclo tornaram possível, de novo, o projeto “ Uma turma, um Cabaz ” , que tem como finalidade a recolha de bens alimentares a distribuir por famílias do Agrupamento. Contámos com a boa vontade e generosidade de todos os alunos do Agrupamento e “ construímos” 25 cabazes repletos de bens alimentares, assim como de amor, paz, carinho, esperança… Solidariedade!!! Para a concretização desta iniciativa, contámos com a incansável e preciosa colaboração dos alunos que frequentam o clube “ Brigada Solidarius ” , assim como de alguns alunos que, embora não frequentem o clube, se juntaram a nós nesta época tão especial. Destacamos também a preciosa colaboração dos professores que, após o período árduo das avaliações, se disponibilizaram para nos ajudar. Muito obrigada a todos!


Brigada Solidarius

colabora com o Banco Alimentar

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades em 1º lugar no ensino do Português no Ranking das Escolas do concelho

Amélia Costa

Amélia Cabral

Nos passados dias 30 de no-

Houve, no presente ano letivo, um total de 148 agrupamentos de escolas ou

vembro e 1 de dezembro, a Briga-

escolas não agrupadas que receberam um crédito de horas por terem sido par-

da Solidarius da Escola Carlos Ri-

ticularmente “ eficazes ” . A esse crédito o ministério chama “ i ndicador de efi-

beiro – Agrupamento de Escolas

cácia educativa — EFI ” e é nele que se baseia para atribuir, como prémio,

de Pinhal de Frades – associou-

créditos horários que as escolas gerem, visando um maior apoio aos seus alu-

se novamente ao Banco Alimentar

nos, no sentido de os ajudar a ultrapassar as suas dificuldades e a obter me-

Contra a Fome na recolha de ali-

lhores resultados.

mentos e distribuir pelas famílias

Ora, o nosso agrupamento encontra-se entre os 148 agraciados com este

carenciadas do distrito de Setúbal.

crédito horário, proveniente do EFI, tendo-lhe sido atribuídas um total de 10

Este ano, contámos com uma bri-

horas.

gada de alunos muito jovens, mas

No que se refere aos resultados do 6.º ano, a escola sede do nosso agru-

muito dinâmicos e cheios de boa

pamento ficou em 2.º lugar, no que se refere às escolas de ensino público do

vontade!...

concelho do Seixal, apenas ultrapassado pela Escola Básica dos 2.º e 3.º Ci-

A Brigada Solidarius agradece

clos de Vale de Milhaços, no que diz respeito aos resultados gerais. Olhando

não só à população de Pinhal de

para os resultados por disciplina, constatamos que, no Português, a escola se-

Frades como também a todos os

de alcançou o melhor resultado, comparativamente, às escolas de ensino pú-

voluntários – alunos, professores,

blico do nosso concelho.

assistentes operacionais e encarregados de educação que ajudaram a alimentar esta ideia! 

Temos, pois, motivo para festejar e felicitar, pelo trabalho desenvolvido e pelo empenho demonstrado, quer alunos quer professores. 


“Conhecer a Cidade” leva os alunos do 8º ano a visitar a cidade do Seixal

Um passeio de bicicleta que levou à descoberta do património local.


O projeto “ Conhecer a Cidade ” levou

Arrentela e Paio Pires, um pelotão de ci-

mais de 80 alunos do 8º ano a visitarem

clistas muito animados visitou a Arrentela

a Arrentela e o Seixal num percurso que

e os seus recantos mais típicos, a marginal

os levou aos núcleos antigos destas po-

entre a Arrentela e o Seixal, o pólo da

voações.

Mundet do Ecomuseu Municipal e toda a

Este é um projeto da Rede de Bibliotecas

zona mais antiga do Seixal.

Escolares e da Ordem dos Arquitetos

Cumprindo as diferentes etapas de um jo-

que a nossa biblioteca implementou na

go de pistas, os nossos “ turistas ” identi-

Escola Básica Carlos Ribeiro, procurando

ficaram, fotografaram e filmaram edifícios

assim alertar os nossos jovens para a im-

de interesse público, elementos arquitetó-

portância do património e reconhecer as

nicos, esculturas… e registaram em mapas

suas características tão particulares.

e plantas da cidade a sua localização.

Partindo da escola, em bicicleta, acom-

O projeto não se esgota nesta visita turísti-

panhados pela “ Brigada de Trânsito ” ,

ca e pretende levar os nossos alunos a re-

Escola Segura e uma carrinha da Junta

fletirem sobre o território onde vivem. 

da União das Freguesias de Seixal,


eG nio ó t uís n L A é , os uto J o ê, T aC i s ,M rlo u a bre os, C A nt de a s o ir os im d s y a Ar ,C , a de a sso r e nd A oP d e an dd n r n Fe mo , sa m o i o u g é nh Dr u R r s b o sé A arl Jo ro C d , ão Pe e e d co o n Ti

Uma noite especial, na nossa biblioteca, para mais de 80 convidados dos “nossos artistas”. Esta iniciativa da Biblioteca Escolar e da professora Elsa Mouzinho teve como ponto de partida o workshop “Como dizer Poesia” que decorreu no mês de outubro. O “ Pinhão ” esteve à conversa com a Raquel Rei e o Bruno Barata.


O que sentiram ao se apresentarem em público, para declamarem poesia? Bruno: Sentimos um grande nervosismo, no início, mas quando começamos a declarar o nervosismo desapareceu e sentimo-nos bem. Raquel: Quando começamos a apresentar e como gostávamos daquilo que estávamos a fazer continuámos… Bruno: Soltámos tudo o que tínhamos cá dentro! Frequentaram o pequeno workshop “Como dizer poesia” que decorreu durante o mês de outubro. Qual é a avaliação que fazem desse workshop? Valeu a pena esta preparação? Raquel: Sim, primeiro aprendemos a interpretar poemas, a senti-los, a saber o valor de cada palavra, a saber como a dizer e segundo também nos ajuda no dia-a-dia a ser mais expressivos. Bruno: Temos de sentir as palavras, cada palavra de sua vez. Como ela disse, ao sentir o poema conseguimos declamar de melhor forma. Sentiram que evoluíram durante o workshop? Bruno: Sim, comparando a primeira sessão com a última evoluímos bastante. Mas a preparação não se ficou apenas pelo tempo em que frequentaram o workshop… Raquel: Em casa, treinei em frente ao espelho. Para os meus pais não. Bruno: Para decorar os poemas, também treinei em casa… Mas tu já conhecias o poema, já o sabias praticamente de cor… Bruno: Sim, mas treinar algumas palavras, melhorando a minha dicção. Treinei as pala-

Raquel: Aplausos, caras de espanto e alegria. Estavam a sentir o mesmo que nós! Estavam a sentir o poema! O que sentiram quando foram aplaudidos? Felizes por saber que as pessoas gostaram dos que estávamos a fazer, que sentiram o que nós dissemos, que é o mais importante. Ultima pergunta. Estão prontos para mais eventos deste género? Vamos a isso! 

Ilustração de

Qual foi a resposta do público?

Mónica Leonardo

vras, a dizê-las, para serem maias diretas… mais expressivas.


D

ANIELA SILVA GANHA

H

ALLOWEEN

Se n達o tiveste oportunidade de assistir ao desfile podes ver algumas fotos no blog da biblioteca.

CONTEST


No dia 30 de outubro comemorou-se, aqui na nossa escola, o Halloween. As professoras Adélia Torres e Lurdes Lopes, com a ajuda da biblioteca escolar, organizaram um desfile temático aberto aos alunos do 5º ano. A apresentação ficou a cargo das “bichinhas” Lígia Rosário e Maria Rocha. Mais de 60 criaturas, bruxas, magos, monstros e mortos-vivos, absolutamente horríveis, desfilaram pela biblioteca ao som de músicas aterradoras. O ambiente ficou pesadíssimo, em especial quando a Daniela Silva do 5ºB entrou na sala. Que cena… ARREPIANTE! E foi precisamente a Daniela, a eleita pelo nosso júri constituído pela Ana Marta Carvalho, João Pinto e Mariana Frunza do 9ºE. Fomos entrevistar a Daniela Silva, a vencedora do concurso. Olá Daniela. Muitos parabéns pela tua apresentação. Estiveste absolutamente horripilante! Como te surgiu a ideia de escolher aquela máscara? Foi uma máscara muito engraçada que vi numa pesquisa na internet e que achei que poderia ajudar a vencer o concurso. A pintura do teu rosto estava muito bem feita! Quem é que te pintou? Foi o meu irmão. O meu irmão viu no youtube um vídeo onde ensinavam a pintar e ele foi vendo e ia pondo o vídeo em pausa e ao mesmo tempo pintava-me. A tua apresentação foi fantástica. Conseguiste surpreender e emocionar a assistência. Como te lembraste de desfilar daquela maneira, em movimentos muito lentos e depois a “caminhar em ponte”, o que obriga a uma ginástica incrível? Vi num filme de terror. Mas tu fazes ginástica? Não, nunca fiz ginástica. O que sentiste quando soubeste que ganhaste o concurso? Senti-me feliz! 


combater a indisciplina na nossa escola e o Clube “Viagens na minha Terra” que pretende dar a conhecer aos nossos alunos o património local .

Tutoria Este projeto constitui uma resposta educativa no tratamento e prevenção da indisciplina e, também, na melhoria do rendimento escolar dos alunos onde o tutor utiliza estratégias no sentido de promover competências / atitudes / valores no seu tutorando nos domínios da aprendizagem, do relacionamento interpessoal, no sentido de responsabilidade, na auto estima, etc. O Projeto Tutoria nos últimos anos, apesar das mudanças ocorridas na Escola, manteve na sua essência os mesmos objetivos e o mesmo modus operandis. Principais objetivos: -Tratar ocorrências de caráter disciplinar na sala de aula ou noutros espaços da escola que motivam o encaminhamento do aluno para o Gabinete de Tutoria onde, numa reflexão conjunta, professor-aluno infrator é analisado o incumprimento dos deveres e normas

instituídas no

Estatuto do Aluno e Ética Escolar e no Regulamento Interno; - Impedir os alunos que por questões disciplinares tiveram “ordem de saída da aula” fiquem em situação de menor vigilância, facto que poderia de alguma forma provocar novas ocorrências de caráter disciplinar; - Acompanhar regularmente alunos que, reconhecida

pontualmente alunos com baixo

rendimento escolar. Para operacionalizar este projeto são constituídas anualmente duas equipas de professores: A Equipa Alargada, composta por catorze professores no presente ano letivo, tem como finalidade o atendimento dos alunos encaminhados para ao Tutoria e cobre toda a mancha horária letiva de segunda a sexta-feira; A Equipa Restrita, este ano constituída por seis professores, faz o acompanhamento de alunos que revelam dificuldades ao nível da integração escolar, da indisciplina e do rendimento escolar. Cada professor tutor é responsável por seis ou sete turmas. Nos últimos anos, registaram-se algumas mudanças que otimizaram o modelo de atendimento dos alunos, melhoraram a comunicação com os diretores de turma e deram visibilidade ao trabalho realizado através dos relatórios trimestrais e anuais que refletem os níveis de indisciplina e fazem análises comparativas com anos anteriores. No mandato da atual Direção foi aprovado o Regimento do Gabinete de Tutoria que estabelece os procedimentos a adotar quando ocorrem atos de indisciplina dentro e fora da sala de aula. Este ano letivo contamos ainda com a colaboração de uma psicóloga, a Dra. Sónia Pereira, que constitui uma mais-valia no acompanhamento especializado das situações mais problemáticas e ainda na orientação e formação dos professores tutores. 

Manuel Gonçalves

trabalho do projeto” Tutoria” que visa

- Acompanhar

Professor

Nesta edição iremos apresentar o

mente, são potenciadores de ações indisciplinares;

oordenador da Tutoria –

namizados na nossa escola.

Projeto

c

amos a divulgar os Projetos/Clubes di-

O

Tal como na edição anterior continu-


VIAGENS NA MINHA TERRA Isabel Caldeira—professora responsável pelo Clube

Ilustração de

Flávio Martins

O concelho do Seixal, desde sempre teve o seu lugar na história do país, considerando a sua localização geográfica junto ao Atlântico, ao Tejo e a Lisboa. O crescimento rápido do concelho levou ao surgimento de núcleos populacionais que se caracterizam pela diversidade cultural das famílias, algumas vezes desenraizadas, não sentido esta terra como sua. É neste sentido que o projeto “ Viagens na minha terra ” se propõe, de forma lúdica, estudar e divulgar o passado e o presente da região; estimular a curiosidade e a sensibilidade para o estudo da História; contribuir para a construção de uma identidade local e criar uma consciência cívica e de preservação dos valores ambientais e patrimoniais. Este período começámos com um trabalho de pesquisa sobre os terras de onde os antepassados dos alunos que frequentam o clube são originários, sobre as freguesias que formam o concelho do Seixal e iremos fazer uma visita de estudo à Arrentela e Seixal. No próximo período iremos visitar a outra margem, mais propriamente a baixa lisboeta. O clube conta com dez alunos e como tal as visitas serão feitas recorrendo aos transportes públicos. Entretanto, vamos dando notícias. 


O Problema do mês é uma atividade do Clube da Matemática. Ao longo do ano podes ir respondendo aos vários desafios e ganhando pontos que te podem levar ao top +.

2ºCICLO

3ºCICLO

Cinco amigos colecionam figurinhas.

Resolve o seguinte problema:

Descobre o número de figurinhas que cada um possui. - o Rui tem o dobro de figurihas de Ari mnais 8.

Considera a seguinte sequência de figuras.

- o Pedro tem o dobro das figurinhas de Júlio. - o Rafael tem as figurinhas de Rui, menos os de Ari. - o Júlio possui duas dúzias de figurinhas.

Qual das alternativas abaixo apresentadas corresponde à quinta figura da sequência? Explica o teu raciocínio.

Ana Patrícia Lapa

- o Ari tem o número de figurinhas de Pedro menos 17.

Ilustração de

LUBE MA

PROBLEMAS DO MÊS DE NOVEMBRO


Carsoscópio

Visita de Estudo ao Centro de Ciência Viva

Nos dias 23 e 24 de outubro, as turmas do 7º ano realizaram uma visita de estudo ao centro de Ciência Viva do Alviela – Carsoscópio, no âmbito das disciplinas de Ciências Naturais e Físico-Química. O Centro Ciência Viva do Alviela - Carsoscópio é um espaço de ciência e tecnologia integrado na Rede Nacional de Centros Ciência Viva localizado em pleno Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros e junto à nascente do rio Alviela. Os nossos alunos viajaram pelo Maciço Calcário Estremenho ao longo de 175 milhões de anos, desvendaram os percursos subterrâneos da água a 3D, "colocaram-se na pele" de um morcego, realizaram um percurso pedestre pela nascente e envolveram-se entusiasticamente na atividade de Orientação pela Nascente, tudo isto com o S. Pedro a abençoar-nos com a chuva, fundamental na Paisagem Cársica, tão bem estudada pelos nossos alunos. Foi um dia cansativo mas muito emocionante! 


A janela do 1 ciclo

Ao longo do primeiro período, os nossos alunos participaram com muito entusiasmo em várias atividades . O Pinhão foi espreitar algumas delas, bem divertidas! Acompanha-nos!

Dia da Alimentação

Conto Contigo leva

No dia 16 de outubro comemorou

a “A Nuvem e o Caracol” às bibliotecas do 1º ciclo

-se o Dia da Alimentação nas escolas do 1º ciclo e foi MUITO DIVERTIDO!! Brincámos com imagens de alimentos e construímos o Sr. Hortaliça. Descascámos legumes variados, juntámos tudo numa panela com água e cozinhámos uma deliciosa sopa. Estava mesmo uma delícia!!!! Por fim comemos gelatina em casca de laranja. Mnhã, mnhã, … 

Durante o mês de novembro, os alunos do 3º ano foram até à Biblioteca Escolar da sua escola para ouvir contar “ A Nuvem e o Caracol ” , uma história de António Torrado. De seguida, cada aluno construiu o seu caracol: recortaram o molde em cartolina, desenharam a cara e usaram uma castanha para fazer a ” casa ” do caracol. 


Outono no Jardim As turmas 3.A, 3.B, 3.D e

3.4.E comemoraram o início do outono com uma exposição de trabalhos de Expressão Plástica, realizados pelos alunos, na sala de aula. Todos puderam observar os belos bancos de jardim, construídos com cartão e molas de madeira. 

Ilustração de

Marta Costa


SUPLEMENTO UPLEMENTO DA DA EDIÇÃO EDIÇÃO DE DE DEZEMBRO

Vou escrever

um

Conto de

Ilustração de Constança Silva Guedes, 4ºA - Pinhal de Frades


UM NATAL FELIZ

Vencedor “Vou escrever um conto de Natal” Prémio Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades

Joana Pinheiro Gonçalves, 4ºA . Escola Básica Quinta dos Morgados O Natal estava à porta. Vera, uma menina de seis anos de estatura baixa, estava deitada na sua cama a imaginar como seria o seu Natal. Vera, como toda a gente, tinha um sonho – ver a neve a cair. Certa tarde, estava Vera a falar com a sua mãe quando lhe perguntou: - O Natal das outras crianças é igual ao meu? Também recebem brinquedos? A mãe respondeu-lhe: - Não Vera! Há meninos que não têm comida, eles nem querem brinquedos, querem é comer! Vera ficou espantada. Subiu até ao seu quarto e ficou a pensar no que a sua mãe lhe acabara de contar. No dia seguinte, Vera só saiu do seu quarto ao meio dia. - Vera, não tomaste o pequeno almoço! – ralhou-lhe a mãe. - Desculpa mãe, mas eu vou iniciar um projeto. A campanha do beijinho! – disse Vera entusiasmada – eu dou um beijinho e as pessoas dão roupa, comida ou qualquer coisa que não lhes faça falta! A mãe ficou com a boca escancarada. Vera saiu com o seu carrinho de brincar e com alguns folhetos na sua malinha à tiracolo. Tocava às campainhas e dizia: - Campanha do beijinho! Dou um beijinho em troca de algo que não precisa para doar à igreja! Outras vezes dizia: - Fazia o obséquio de doar uma coisa que não precisa em troca de um beijinho? As coisas são para os meninos que não têm nada. Assim, Vera dava o seu beijinho e davam-lhe uma coisinha e ela ainda dava um folheto que continha a seguinte informação:


UE VENHA PARQ S O IM D PE , RO B EM EZ NO DIA 22 DE D RMOS UMA ZE FA A R PA A H N PA M A C TICIPAR NA NOSSA ANSPORTAR TODAS TR E D M FI A A N A M U H CORRENTE 1-B NA RUA 25 01 º1 N SA A C DA S A ID LH AS COISAS RECO ORRER PEEC D Á IR . A EJ R IG A SS O DE ABRIL ATÉ À N LAS TRÊS DA TARDE. ENÇÃO. OBRIGADA PELA SUA AT

O CAMPANHA DO BEIJINH

E assim foi. No dia 22 de dezembro, muita gente se reuniu à porta da casa da Vera. Vera subiu a uma cadeira e falou pelo altifalante: - Olá a todos! – Toda a gente se calou – Vamos fazer uma fila até à igreja! A casa da Vera ficava a um quilómetro daquele local. E assim levaram as coisas todas. No final a igreja agradeceu vezes sem conta à menina. Quando ia para casa, Vera viu sair da sua moradia um senhor idoso de barbas brancas. Logo desconfiou quem seria aquele senhor. Quando entrou em casa, Vera viu que a sua mãe estava com um olhar horripilante mas ficou aliviada ao ouvir dizer: - Muito bem querida, foste muito generosa! - Obrigada mãe! Vera entrou na sala e observou que no sítio onde tinha armazenado as coisas para doar à igreja, estava um embrulho muito pequenino, delicado e diferente de todos os outros. Meticulosamente abriu-o e quando viu o que era ficou branca como a cal. O seu sonho tinha-se realizado. Era um pequeno globo que, se o virassem viam a neve a cair. Vera teve um Natal muito feliz e, nessa mesma noite sonhou com o Natal das outras crianças, agora muito mais felizes. Quem é mais feliz é quem faz os outros felizes. E foi assim que uma menina tão pequena fez um gesto tão grande.


O NATAL DOS ANIMAIS

Vencedor “Vou escrever um conto de Natal” Prémio Escola Básica Fernão Ferro

Maria José da Silva Marquês, 4ºA - Escola Básica Fernão Ferro

Era uma vez uma tartaruga chamada Carapaças que adorava o Natal. Montou a sua árvore de Natal e, quando acabou, foi para a cama. O Pai Natal não vinha. A Carapaças foi à sua fábrica desesperada. - O que se passa? Porque não entregas as prendas? – perguntou a Carapaças. - Os meus duendes fizeram greve e não tenho ninguém para me ajudar – respondeu o Pai Natal. - Eu ajudo Pai Natal! – disse a Carapaças. - A sério? Ajudas-me? – perguntou o Pai Natal. - Sim, ajudo. Podes Chamar-me Carapaças. Começaram a voar no trenó. A Carapaças andava a atirar presentes do trenó para as chaminés. Quando acabaram, o Pai Natal foi levá-la a casa. - Obrigado pela ajuda! – agradeceu o Pai Natal. - De nada e Feliz Natal! – despediu-se ela. A Carapaças abriu a porta de casa e lembrou-se dos seus presentes. Virou-se mas o Pai Natal já estava muito longe. Ela entrou a dizer: - Não acredito que me tenha esquecido de mim! – não faz mal, os meninos estão contentes e isso é que importa – disse satisfeito. Ilustração de Ana Marta Deodato Pina, 4ºA - Escola Básica Pinhal de Frades


ONDE ESTÁ O NATAL?

Vencedor “Vou escrever um conto de Natal” Prémio Escola Básica Quinta dos Morgados

Rafael Sousa Alfar Roberto, 4ºA - Escola Básica Quinta dos Morgados Era uma vez um menino chamado João. Ele era pequeno, tinha 9 anos, cabelo castanho, pele ligeiramente acastanhada e uma cara simpática. O João e o seu pai tinham ido apanhar a sua árvore de Natal mas nenhuma lhes convinha. O João não desistiu até que encontrou a sua árvore e disse: - Pai, vem aqui depressa! Antes do seu pai chegar, correu para a árvore e caiu numa toca de um coelho. - Ahááááááááá….. Quando o pai chegou o João não estava lá. - João, onde é que tu estás? O João ainda a cair desesperado, pensava que ia falecer, quando começou a flutuar. Caiu em segurança, viu uma espécie de portal mágico e atravessou-o. Foi até um reino encantado onde existia uma princesa simpática chamada Natália que era a deusa do Natal. O seu mensageiro real disse: - Menino João, você é o único rapaz que pode salvar o Natal… - Como assim, eu um herói? Vou falar com a rainha. Quando chegou ao palácio disse: - Princesa Natália, porque acabou com o Natal? - Eu acabei com o Natal porque durante 2013 anos sempre dei presentes às crianças, mas nestes 2013 anos nunca me deram presentes a mim. - Mas todos os anos lhe dão presentes! - Ai dão? O quê? - Felicidade! A alegria que as pessoas têm pelo Natal é o melhor presente que lhe podem dar. - Tens razão! Durante 2013 anos não entendi que estava a receber o melhor presente de todos! Obrigada João! - Já posso voltar para casa? - Claro que sim. Usa este portal. E, assim, o Natal durou para sempre.

Ilustração de Ana Beatriz Pires, 4ºA - Pinhal de Frades


Vencedor “Vou escrever um conto de Natal” Prémio Escola Básica Pinhal de Frades

CONTO DE NATAL Rodrigo de Carvalho Proença de Castro, 4ºB - Escola Básica Pinhal de Frades Numa véspera de Natal, houve um problema com o Pai Natal: Uma rena constipou-se e assim ela não podia entregar os presentes aos meninos de todo o Mundo. No dia seguinte decidiu tentar encontrar uma rena substituta para a pobre rena constipada. Assim, o Pai Natal foi ao Alaska, mas não conseguiu encontrar nenhuma. Depois foi à Mongólia, mas também não conseguiu nada. Desiludido, o Pai Natal, no regresso, passou por Portugal e viu a rena perfeita no Jardim Zoológico de Lisboa. Então decidiu aterrar. Lá encontrou o diretor e pediu-lhe se podia levar uma das suas renas e este aceitou. O Pai Natal ficou muito grato pelo bom ato do diretor do Zoo. O Pai Natal disse-lhe: - Você vai ser recompensado no dia de Natal! – e lá seguiu para o Pólo Norte. Quando lá chegou eram vésperas de Natal e ele tinha de preparar tudo. Então aconteceu algo inesperado. A pequena rena trazida pelo Pai Natal era filha da rena constipada e o resto das renas eram suas primas!

Ilustração de Daniela Nunes, 4ºA - Fernão Ferro Nessa noite, o Pai Natal ficou atrasado, mas o reencontro entre mãe e filha foi tão bom para a pequena rena que ela correu pelo céu a toda a velocidade. O Pai Natal entregou os presentes a tempo e voltou para casa para beber um chocolate quente. No dia de Natal, o diretor do Zoológico recebeu um convite do Pai Natal para visitar a Lapónia com a sua família.


Ficha técnica 2ª edição do jornal: Supervisão, edição e revisão de texto: Andreia Fernandes; Ana Isabel Silva; Olinda Carvalho; Paulo Rodrigues; Colaboradores: Amélia Cabral; Amélia Costa; Ana Isabel Silva; Clube de Ilustração; Equipa PES 1º Ciclo; Flora Campião; Isabel Caldeira; Júlia Guerra; Manuel Gonçalves; Olinda Carva lho; Paulo Rodrigues; Paginação/Design Gráfico: Ana Isabel Silva e Clube de Ilustração; Propriedade: Agrupamento de escolas de Pinhal de Frades Av. 25 de abril – Pinhal de Frades 2840 - 286 Seixal. E-mail: jornal@aepinhalfrades.pt

O pinhão dezembro 2013  

NATAL SOLIDÁRIO Gala Solidária; A magia das estrelas; Uma turma, um Cabaz; Brigada Sulidarius colabora com o Banco Alimentar; Conhecer a cid...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you