Page 1

BOLETIM DE MAIO/JUNHO

EDIÇÃO ESPECIAL VOLUME 7

Por volta dos anos 50 d.c, uma embarcação cruzou os mares a partir de terras Palestinas levando a bordo para fugir das perseguições de Roma aos primeiros cristãos, um grupo de personagens bíblicos: Maria Jacobina ou Jacobé, irmã de Maria, mãe de Jesus, Maria Salomé, mãe dos apóstolos Tiago e João, Maria Madalena, Marta, Lázaro, Maximinio e Sara, uma serva negra das mulheres santas. Eles foram atirados ao mar, numa barca sem remos e sem provisões. Desesperadas, as três Marias puseram-se a orar e a chorar. Aí então Sara retira o diklô (lenço) da cabeça, chama por Kristesko (Jesus Cristo) e promete que,se todos se salvassem,

ela seria escrava de Jesus, e jamais andaria com a cabeça descoberta em sinal de respeito. Milagrosamente, a barca sem rumo e à mercê de todas as intempéries, atravessou o oceano e aportou com todos salvos em Petit-Rhône, hoje a tão querida Saintes-Maries-de-LaMer. Sara cumpriu a promessa até o final dos seus dias. Então nasceu a tradição de toda mulher cigana casada usar um lenço que é a peça mais importante do seu vestuário: a prova disto é que quando se quer oferecer o mais belo presente a uma cigana se diz: Dalto chucar diklô (Te darei um bonito lenço).

Além de trazer saúde e prosperidade, Sara Kali é cultuada também pelas ciganas por ajudá-las diante da dificuldade de engravidar. Muitas que não conseguiam ter filhos faziam promessas , no sentido de que, se concebessem, iriam à cripta da Santa, em Saintes-Maries -de-La-Mer no sul da França, fariam uma noite de vigília e depositariam em seus pés como oferenda um diklô, o mais bonito que encontrassem. E lá existem centenas de lenços, como prova que muitas ciganas receberam esta graça.

Nesta edição:

História de Santa Sara

1

Dia da mãe

1

Trabalhos do dia da Mãe

2

Artes e ofícios

2

Artes e ofícios

3

Visita de estudo

4

Tradições e costumes do povo cigano

5

Romanó/caló e o português

5

Ida ao teatro!

6

Exposição

6

Remonta às comemorações primaveris da Grécia Antiga, em honra de Rhea, mulher de Cronos e Mãe dos Deuses. Em Roma, as festas do Dia da Mãe eram dedicadas a Cybele, a Mãe dos Deuses romanos, e as cerimónias em sua homenagem começaram por volta de 250 anos antes do nascimento de Cristo.

Exposição

7

Aniversário

7

Século XVII – Inglaterra- Celebrava-se no 4º Domingo de Quaresma um dia chamado “Domingo da Mãe”, que homenageava todas as mães inglesas.

Quadro de honra

7

Economia doméstica

8

Informática

8

In Santa Sara.Kit.net

DIA DA MAE Origem do Dia da Mãe

Estados Unidos- Em 1904, quando Anna Jarvis, perdeu a sua mãe ficou muito triste. As suas amigas decidiram organizar uma festa em memória à sua mãe e Anna quis que a festa fosse festejada para todas as mães, vivas ou mortas. Em 1914, a data foi oficializada pelo presidente Woodrow Wilson e passou e ser celebrada no primeiro domingo de Maio. www.calendarr.com/portugal/dia-da-mae/


TRABALHOS- DIA DA MÃE Nas aulas da professora Isabel , realizámos um trabalho para o Dia da Mãe. Para isso utilizámos material reciclado. Necessitámos de : garrafas de vidro, folhas de revistas, cápsulas de café , arame ,cola branca, guaches e alguns brilhantes. Cada uma de nós enfeitou as garrafas a seu gosto! No final, escrevemos também um poema .

ARTES E OFÍCIOS Ao longo deste período ,elaborámos diversos trabalhos ,nas aulas de artes e ofícios. A professora Ana Oliveira ensinou-nos a decorar pulseiras de madeira com diversos materiais. As nossas pulseiras ficaram muito bonitas !

Também aprendemos a pintar fraldas em tecido.

Em primeiro lugar, escolhemos um desenho , de seguida foi necessário aplicar o desenho na fralda com papel químico. Finalmente, pintámos o desenho com muito cuidado e com a ajuda da professora Ana! Página 2


O trabalho final ficou muito bonito! A professora Ana Oliveira escreveu em cada fralda o nome que cada uma de nós escolheu! Pintámos também uma placa de madeira com diversas cores!

PAINEL DE AZULEJOS

Painel de azulejos , desenhado e pintado no primeiro período nas aulas de artes e ofícios, pelas alunas e professora Anabela Diogo . Este painel foi montado e colado pela professora Ana Oliveira no 3º período.

VOLUME 7

Página 3


VISITA DE ESTUDO- “Zoo da Quinta de S. Inácio” No dia 25 de maio , fomos ao Zoo da Quinta de S. Inácio. Foi uma visita de estudo muito interessante , vimos vários animais que não conhecíamos! E até conseguimos tocar em alguns !

Uma estátua fantástica!

Depois de muito caminhar, um merecido descanso! Obrigado à Professora Isabel ,Dr.ª Mara e Dr.ª Sara Ramos que nos acompanharam nesta visita. Foi um dia inesquecível! As alunas da turma PIEF.

Página 4


TRADIÇÕES E COSTUMES DO POVO CIGANO

OS PRECONCEITOS Os ciganos não se esforçam por quebrar as barreiras que os separam dos demais povos, talvez por saberem que se abrirem os limites de seus acampamentos aos gadjês, ou não-ciganos, a mescla dos povos será inevitável, as tradições perderão sua pureza, os costumes, os hábitos, os princípios e os valores serão de tal maneira modificados, que paulatinamente acabariam por destruir e matar o povo cigano. O romanó é uma língua ágrafa, ou seja, uma língua ou idioma sem forma escrita. Portanto, para sua perpetuação o romanó conta somente com a transmissão oral de uma geração para outra, de pai para filho. Não existem livros ensinando uma linguagem, que não tem sequer uma apresentação gráfica definida, pois se os ciganos tivessem só originado na Índia teríamos os caracteres sânscritos, mas como encontramos ciganos em quase todas as partes do mundo, o romanó poderia ter os caracteres da escrita russa, ou egípcia, latina, grega, árabe ou outra qualquer. Assim como o idioma, todos os demais ensinamentos e conhecimentos da cultura e tradição ciganas dependem exclusivamente da transmissão oral. Os mais velhos ensinam aos mais jovens e às crianças os conhecimentos do passado, o pensamento e a maneira de viver herdados dos ancestrais. In www.portaldascuriosidades.

ROMANÓ /CALÓ E O PORTUGUÊS Algumas expressões e palavras utilizadas pelos ciganos. O Romanó é um idioma muito diferente do português e exclusivo deste povo, é um vocabulário que se originou pela mistura de muitos outros, resultado de suas andanças pelo mundo. É impossível vinculá-lo a um único idioma ou etnia. Me som Alexandra — Eu sou a Alexandra! Hery?- Verdade?

Bales: cabelos Baque: sorte, fortuna, felicidade Bato: pai Brichindin: chuva Cabén: comida Cabipe: mentira Cadéns: dinheiro Calin: cigana Calon: cigano Churdar: roubar Dai (ou Bata): mãe Dirachin: noite In estudoreligioso.wordpress.com/.../romanes-o-idioma-do-povo-ciganoBato: pai

VOLUME 7

Página 5


IDA AO TEATRO! No dia 12 de junho, fomos ao Centro Social de Olival assistir a uma peça de teatro a convite do projeto MaisJovem! Até os mais pequeninos foram e portaram-se muito bem!

EXPOSIÇÃO Nos dias 11 e 12 de junho, as professoras Ana Oliveira e Isabel Pinto organizaram uma exposição relacionada com os trabalhos realizados ao longo do ano nas várias disciplinas, no Centro Social de Olival. Convidámos a comunidade escolar da nossa escola e várias entidades para no dia 13 de junho visitarem a nossa exposição. A exposição correu muito bem e foi uma forma de divulgar os nossos trabalhos!

Página 6


ANIVERSÁRIO DA ANDREIA! No dia 14 de junho , Andreia Monteiro, festejou os seus 13 anos com a turma. Trouxe um bolo e sumo. A Andreia fez questão de convidar a professora Manuela Oliveira e os funcionários. Cantámos os parabéns à Andreia que até estava um pouco envergonhada! As alunas da turma PIEF.

Quadro de honra!

Sabia que A a lu na A nd re ia V a nessa Monteiro re So a re s cebeu um d iploma de q de honra uadro ,pelas not as obtida segundo per s no íodo!

Parabéns A

ndreia !

VOLUME 7

Página 7


ECONOMIA DOMÉSTICA Foram várias as actividades que fizemos em economia doméstica ao longo deste período lectivo. Começámos com uma sessão de sensibilização sobre os maus-tratos e a criação de laços azuis, o símbolo para esta campanha de prevenção. O tema da reciclagem foi também abordado. Passámos a conhecer os 3R’s (Reduzir - Reutilizar - Reciclar) e os diferentes materiais que podem ser reciclados. Depois, no âmbito da decoração da nossa casa, fizemos porta-retratos, os quais foram modelados em barro e posteriormente pintados. Terminámos o ano com bordados. Estivemos a aprender o ponto pé de flor e o ponto cheio. Esta foi uma actividade que as meninas pediram no início ao ano lectivo mas que acharam bastante difícil! Este período tivemos também a visita da Tânia, a dinamizadora comunitária do projecto de Espinho, Vivências Multiculturais. A Tânia é uma cigana casada, que se encontra a trabalhar, tem o 12º ano de escolaridade , carta de condução e carro próprio. Esteve ligada ao culto e é uma pessoa muito interessante e dinâmica. Ela esteve a conversar um pouco com as meninas da turma PIEF, partilhando as suas experiências e ensinando a fazer manicure. Foi uma tarde muito interessante. Ficou no ar o desafio de fazermos uma visita à Tânia em Espinho.

INFORMÁTICA Esta foi uma turma bastante trabalhosa, dado os diferentes níveis de aprendizagem em que se encontravam. Contudo, a evolução foi notória e no fim já todas foram capazes de elaborar cartazes em PowerPoint a divulgar a Feirinha da Escola EB 1 de São Miguel e convites em Word para visitarem a sua exposição de final de ano. Foi com satisfação que verifiquei que mesmo sem lhes pedir foram ao Google buscar imagens para enfeitar os seus trabalhos…

Ficha técnica: Organização/ textos: Prof.ª Isabel Pinto, alunas da turma PIEF.

Para que não se esqueçam de tudo o que aprenderam, aconselho-vos a continuar a praticar nos programas abordados!!! Ah! E boas férias a todas! 

Volume 7

Colaboração: Prof.ª Ana Oliveira Dr.ª Sara Ramos (Formação Vocacional), Prof.ª Paula Cruz (TIC), Dr.ª Mara Gomes (TIL), alunas da turma PIEF. Nota: As fotografias tiradas às alunas foram devidamente autorizadas pelos Encarregados de Educação.

Página 8

Boletim 07 - mai. e jun. 2012  

Boletim elaborado pela professora Isabel Pinto

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you