Issuu on Google+

Fotografos Concursos Penumbra   Chuva     Interiores  

   

Galeria Imagens  que  inspiram  

LOCAIS Sintra  

 

Grupos N.A.F.A  

  opiniao Resolução  de  imagem   Retrato     Macro  

Rui  David  Luís   J  Pedro  Mar6ns   Pedro  Moreira   Ricardo  Gonçalves  

Mestres Adams,  Robert  Hickman      

   


sumário   Editorial | 04 Galerias dos membros Imagens que inspiram | 05 opinião Exportar fotos |12 Macro | 13 Retrato | 14 Mestres da fotografia Adams, Robert Hickman

17

Locais Sintra | 18 Fotógrafos Pedro Moreira | 24 Rui David Luís | 31 J Pedro Martins | 39 Ricardo Gonçalves | 50 Grupos N.A.F.A | 57 Concursos Phocal Penumbra | 58 Chuva | 72 Interiores | 83

Phocal  Photovisions   Nº  03  Março    2012   92  Páginas   Revista  do  Grupo  FB  -­‐  Phocal  Photo  Visions   www.facebook.com/groups/phocalphotovisions/     Edição  e  Direção  da  Revista   Pedro  Sarmento   Jorge  Manur     Periodicidade:  Mensal   Distribuição  On-­‐line     Contatos:   phocal.photovisions@gmail.com   WEBSITE:  h]p://www.wix.com/phocalphotovisions/facebook          


editorial  

“Três   foi   a   conta   que   Deus   fez”,   diz   o   ditado   popular   e   em   “Maio   onde  se  comem  as  cerejas  ao  borralho”,  diz  outro  ditado.  Ora  aí  está,   em   Maio,   o   número   três   da   Revista   que   vos   mostra   Fotografia:   -­‐     a   “Phocal  Photovisions”.     A   vossa   Revista   de   Fotografia   transpira   qualidade,   desde   a   impressão,  aos  trabalhos  nela  publicados,  os  conteúdos...  Diz  quem  já   a  leu  que  está  ao  nível  do  melhor  que  por  aí  se  faz,  e  nós,  modés6a  à   parte,  concordamos.     É   um   gozo   enorme   pensar,   projetar,   elaborar   e   levar   até   todos  vocês  este  trabalho  editorial  na  área  da  Fotografia,  até  porque   para  o  fazer,  sabemos  que  contamos  com  todos.    Todos  os  meses  tentamos  trazer  até  vós,  para  além  daquilo   que  se  passa  no  Grupo,  mais  fotógrafos  com  qualidade,    mais  gente   de   quem   vale   apena   ouvir   falar   e   conhecer,   gente   que   se   dedica   a   esta  paixão  que  é  fotografar,  nas  diversas  áreas  em  que  a  fotografia     nos  concede  cria6vidade,  e  são  muitas  as  possibilidades.     Um   destes   dias   enquanto   fazia   uma   pesquisa   pela   internet   para   esta   Revista,   encontrei     as   seguintes   frases   das   quais   nem   me   dei   ao   trabalho   de   ver   aquilo   que   os   autores   (que   desconheço)   queriam  dizer,  mas  que  em  ficaram  na  memória:   Fotografe  uma  ideia  !!!   Fotografar  é  preciso!!!       Ora     fotografar   uma     ideia,   diz-­‐nos   bem   das   imensas   possibilidades   que   esta   arte   que   tanto   nos   apaixona   nos   oferece,   e   quando  algo  assim  acontece  e  nos  dá  tanto  como  a  fotografia  nos  dá,   realmente  Fotografar  é  preciso  pois  seria  um  crime  desperdiçar    tudo   aquilo  que  podemos  aprender  fotografando.   Duas   frases.................   dois   autores   dis6ntos   mas   que   se   complementam.     Boa  Revista  e  boas  fotos...............    


galerias  

IMAGENS QUE INSPIRAM

José  Alpedrinha  |  Cacilhas  III  |  Canon  7D  Canon  18-­‐135  |  Abri  2012  

António  Leão  de  Sousa  |”good  feeling”  |  Lisboa  |  Canon  7D  F9  1/250  sec  ISO  100    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  5  


IMAGENS QUE INSPIRAM

Fá6ma  Mendes  |    Pescarias  ao  poente  |  Costa  da  Caparica    |  Canon  Powershot  SX  20  IS  |  F/5.7    1/500  seg.  ISO  200  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  6  


IMAGENS QUE INSPIRAM

Graça  Quaresma|    Olhar  |  Porto|  Nikon  D80  Nikon  18-­‐70  |  F/4,5      1/2000  seg.  ISO  100  

João  Vaz  Rico|  Vidas|  Canon  EOS  60D|  Canon  18-­‐135  F  5,6|  1/50  F  5,6  ISO  100  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  7  


IMAGENS QUE INSPIRAM

ACPinho    Ao  anoitecer  do  dia,  vejo  o  luar|  Pentax  K10D  |    Pentax  16-­‐50    |F/2.8  1/180  seg.      ISO  100  

Etã  Sobal  Costa  |  Tarantula  Ibérica  |  Serra  da  Estrela  |  Nikon  D60  |  Macro  Nikkor  60mm  |  F2,8  ISO  100    1/200  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  8  


IMAGENS QUE INSPIRAM

Maria  Lázaro  |  Almada  |  Pentax  K200D  |  Pentax  18-­‐55  AL  |  F  5,6    1/20  ISO  100  

Rui  Fonseca  |  Serenity  |  Praia  de  Carcavelos  |  Nikon  D90  |    Nikon  10-­‐24  |  F7.1    1/200”  ISO  100    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  9  


IMAGENS QUE INSPIRAM

Maria  José    Lara    |  Nuvens  à  minha  altura  |  Açores-­‐Faial-­‐Caldeira  |  Nikon  D90  Nikkor  24-­‐70mm  |  F/8    1/320seg    ISO  200  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  10  


IMAGENS QUE INSPIRAM

Paulo  Fonseca  |  “Quinta  do  Pisão”  |  Pentax  K100D  -­‐  Pentax  DA  18-­‐55  AL  |  f13  1/45  ISO200    

Johnny  Santos  "Lusco  Fusco"  |  Mira  Douro  da  Graça  |  Canon  EOS  600  D  Canon  18-­‐55  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  |  11  


editorial   aprender  

EXPORTAR FOTOS

Dimensionamentos  e  tamanhos  de  impressão         Desde   sempre   a   fotografia   teve   várias   etapas   durante   a   sua   realização   sendo   a   impressão   a   etapa   final   do   processo   fotográfico.     Quando  se  pretende  imprimir  uma  fotografia  digital  convém   ter  presente  e  obedecer  a  alguns  conceitos  importantes  que   nos   permitam   transpor   para   o   papel,   com   qualidade,   aquilo  

    Obs.:   A   resolução   de   uma   imagem   é   definida   em   PPi   (pixel   per   inch).   Erradamente   usa-­‐se   o   termo   DPi,   que   serve,   em   rigor,  para  medir  a  resolução  de  impressoras  (dots  per  inch).       Daqui  resulta  que  existe,  portanto,  um  tamanho  máximo  até   ao   qual   uma   fotografia   pode   ser   impressa   com   qualidade,  

que  vemos  nos  nossos  monitores.   A   primeira   preocupação   que   devemos   ter   é   saber   qual   a   dimensão   ysica,   da   fotografia   que   pretendemos   imprimir   e   qual   o   seu   rácio   de   aspecto,   entendendo-­‐se   este   como   o   rácio  da  largura  pela  altura  da  imagem.   Existem  diversos  rácios  sendo  os  mais  comuns  os  :  3x2  ,  4x3  ,   16x9,     5x4   ,   1x1   etc.     Assim   se   a   nossa     fotografia   6ver   um   rácio  diferente  do  tamanho  de  papel  onde  vai  ser  impressa,   teremos   que   a   ajustar,   tendo   o   cuidado   de,   ao   fazer   esse   ajuste  (  através  de  um  crop),  em  que  permaneçam  dentro  da   imagem  e  da  forma  mais  equilibrada  possível,  os  elementos   que  queremos  manter.   Ajustada   a   imagem   ao   rácio   de   aspecto   que   pretendemos,   teremos   que   escolher   a   dimensão   a   que   a   pretendemos   imprimir,   tendo   em   atenção   que   uma   fotografia   para   ser  

sendo   esse   tamanho   função   da   dimensão   do   sensor   da   câmara  u6lizada.   Se   tomarmos,   por   exemplo,   uma   câmara   DSLR   com   um   sensor   de   10   megas   e   rácio   de   imagem   de   3x2,   o   tamanho   máximo   de   imagem   que   esse   sensor   comporta   será   3827X2551   pixeis.   Isso   permite   imprimir   fotografias   com   muito   boa   qualidade   (324   PPi)   na   dimensão   30X20,   com   uma   qualidade   ainda   razoável   na   dimensão   45X30   (216   PPi)   e   já   numa  qualidade  só  sofrível  na  dimensão  60X40  (162  PPi)   Concluindo  diria  que,  para  se  saber  qual  o  tamanho  máximo   em   cm,   que   a   minha   câmara   me   autoriza   imprimir   com   qualidade   fotográfica,   basta-­‐me   dividir   os   pixeis   da   altura   e   da   largura   máxima   do   sensor   por   300   e   em   seguida   mul6plicar  por  2,54.(uma  polegada  =  2,54  cm).   Quer   isto   significar   que   não   se   pode   ultrapassar   esta  

impressa   deve   apresentar   uma   resolução   entre   os   300   PPI   (   qualidade   fotográfica)   e   os   150   PPI(   qualidade   de   jornal),   entendendo-­‐se  PPI  como  pixeis  por  polegada  (inch  em  inglês)   e   que   este   valor   da   resolução   é   diretamente   influenciado     pelo  o  tamanho  final  da  impressão.   Exemplificando:   Se   se   desejar   que   uma   imagem   de   3000   pixeis   de   largura   por   2000   pixeis   de   altura   seja   impressa   numa   dimensão   respec6vamente   de   30   X   20   cm   isso   vai   resultar   numa   imagem   com   uma   resolução   de   254   PPi;   e   se   for  impressa  em  60  X  40  terá    somente  uma  resolução  de  127   Ppi  

limitação?  A  resposta  é  não  e  pode-­‐se  imprimir  em  tamanhos   maiores   do   que   os   autorizados   pelo   nosso   sensor,   recorrendo   a   programas   que   através   de   so•ware   geram   pixeis  circundantes  adicionais  até  à  dimensão  pretendida.  Em   contrapar6da   e   dependendo   da   qualidade   do   so•ware   u6lizado,   tal   operação   resulta   em   maior   ou   menor   grau   na   degradação   da   qualidade   da   imagem   pelo   que   deve   ser   usada  com  circunspecção  

Resolução  de  imagem    (PPI)            640    x        480  pixeis 1024    x        768  pixeis 1280    x        960  pixeis 1600    x    1200  pixeis 2048    x    1536  pixeis 2288    x    1712  pixeis 2560    x    1696  pixeis 2560    x    1920  pixeis 2816    x    2112  pixeis 3200     x    2400  pixeis  

                                             

                         

 Impressão      Altura  x  largura  150  dpi        10.84    x        8.13  cm  17.34    x    13.00  cm  21.67    x    16.26  cm  27.09    x    20.32  cm  34.68    x    26.01  cm  38.74    x    28.99  cm  43.35    x    28.72  cm  43.35    x    32.51  cm  47.68    x    35.76  cm  54.19    x    40.64  cm

                                             

Ar@go:  Afonso  Chaby     h]ps://www.facebook.com/afonso.chaby       PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  12      

                             

 Impressão      Altura  x  largura    300  dpi)                  5.42    x        4.06  cm          8.67    x        6.50  cm      10.84    x        8.13  cm      13.55    x    10.16  cm      17.34    x    13.00  cm      19.37    x    14.49  cm      21.67    x    14.36  cm      21.67    x    16.26  cm      23.84    x    17.88  cm      27.09    x    20.32  cm  


MACRO

A   Fotografia   MACRO   é   a   fotografia   de   pequenos   seres   e   objetos   ou   detalhes   que   normalmente   passam   despercebidos   no   nosso   dia-­‐a-­‐dia;   são   fotografados   no   seu   tamanho   natural   ou   levemente   aumentados   através   de   aproximação  da  câmera  ou  ainda  fazendo  uso  de  acessórios   des6nados   a   este   6po   de   fotografia;   as   macrofotografias   são   exibidas  em  tamanho  bastante  ampliado  para  maior  impacto   visual.   Classicamente,   o   campo   da   macro   fotografia   está   delimitado   pela   captura   de   imagens   em   escala   natural   ou   aumentada   em  até  cerca  de  dez  vezes  seu  tamanho  natural  (entre  1:1  e   10:1  de  ampliação),  mas  uma  definição  precisa  está  cada  vez   mais   diycil,   uma   vez   que   as   muitas   câmeras �� digitais   usam   sensores  diminutos.     Por   outro   lado,   muitas   fotos   são   ob6das   à   distância,   com   o   uso  de  teleobje6vas  para  captura  da  imagem,  e  nem  por  isso   a  foto  capturada  deixa  de  ser  uma  macrofotografia.     Técnicas  e  acessórios   A   maioria   das   câmeras   digitais   compactas   são   capazes   de   capturar   imagens   em   macro   por   simples   aproximação   da   câmera.  Em  algumas,  simplesmente  fixa-­‐se  o  zoom  no  limite   máximo  e  seleciona-­‐se  o  modo  macro  no  menu  de  modos  de   cena.   Já   as   câmeras   DSLR   herdaram   das   câmeras   35   mm   diversos   acessórios   específicos   para   macrofotografia   como   obje6vas   macro,   foles   e   tubos   de   extensão,   lentes  close-­‐up,  anéis  de  inversão,  etc     Cada  um  deles  com  suas  vantagens  e  desvantagens:   As  obje@vas  macro  são  obje6vas  projetadas  para  focalizar  a   distâncias   curtas   e   fixas,   em   escala   natural,   algumas   provocando  algum  aumento  no  tamanho  natural.     Os   foles   de   extensão   aproveitam   a   obje6va   normal   da   câmera   SLR   proporcionando   um   aumento   maior   que   as   obje6vas  macro,  até  cerca  de  8X.     Os   anéis   de   inversão   (ou   de   reversão)   são   disposi6vos   de   origem   artesanal   que   permitem   montar   a   obje6va   SLR   inver6da  para  obter  ganhos  significa6vos  no  campo  focal.     Lentes  close-­‐up  aumentam  o  tamanho  dos  objetos  em  duas,   quatro  ou  mais  vezes  e  focam  a  distâncias  fixas  do  objeto.   Os   flashes   circulares,   são   ideais   (quando   não   são   absolutamente   necessários)   para   iluminação   em   macrofotografia,   iluminam   suavemente   e   não   provocam   sombras  pronunciadas.              

Tripés   asseguram   ni6dez   nas   imagens,   evitando   tremores   de   câmera.     A   macrofotografia,   sendo   detalhista,   deve   procurar   privilegiar:     baixa  sensibilidade  do  filme  ou  sensor    pequenas  aberturas  de  diafragma    altas  velocidades  de  obturação     planos  chapados  de  topo,  lateral  ou  frontal.     Para   se   obter   boas   fotografias   macro   é   importante   estar   atento   a   um   grande   número   de   questões.   A   iluminação,   a   profundidade  de  campo  e  até  mesmo  a  existência  de  temas   secundários   deve   ser   mo6vo   de   preocupação   para   o   fotógrafo  que  se  dispor  a  fotografar  em  close-­‐up.   Para   ter   certeza   que   nada   vai   atrapalhar   a   visualização   da   sua   macro,   o   ideal   é   contar   com   um   fundo   bastante   desfocado,   que   irá   destacar   o   seu   tema   de   forma   surpreendente.   Para   obter   esse   efeito   de   fundo   borrado,   é   necessário  uma  câmera  que  permita  o  ajuste  de  abertura,  e   deixá-­‐la   no   menor   número   possível.   Caso   sua   câmera   não   permita   esse   ajuste,   não   tem   problema,   se   ela   6ver   um   modo  macro,  é  só  selecioná-­‐lo  que  essa  opção  deve  ser  feita   automa6camente  pelo  equipamento.   Como   a   câmera   estará   muito   próxima   ao   tema,   é   preciso   ter   cuidado   para   que   a   sombra   da   lente   –   ou   mesmo   do   fotógrafo   –   não   apareça   na   imagem,   pois   a   iluminação   é   bastante  crí6ca  para  6po  de  fotografia.  As  sombras  também   podem   atrapalhar   no   enquadramento   do   tema,   gerando   áreas  escuras  e  claras  que  destoam  do  obje6vo  da  foto  final.     O   MUNDO   MACRO   consegue   ser   tão   fascinante   e   tão   grandioso  em  termos  de  possibilidades  que  qualquer  pessoa   já   6rou   pelo   menos   uma   foto   de   um   inseto   que   encontrou   no   seu   jardim   ou   de   uma   qualquer   flor   colorida   num   passeio   de  sábado  à  tarde.   Mas  quando    equipado  convenientemente  podem  alcançar-­‐ se  resultados  ainda  mais  fascinantes.       Geralmente,   lentes   macro   têm   abertura   fixa   de   f/2.8   (às   vezes  f/2.5).       Existem  uma  variedade  enorme  de  Lentes  Macro  para  todas   as   marcas   de   equipamentos,   35MM   ,   50MM,   90MM,   100MM.  etc    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  13  


Retrato

Pessoas  e  retratos  são,  provavelmente,  o  mo6vo  fotográfico   mais   popular.   Uma   boa   iluminação   é   sem   dúvida   indispensável   para   qualquer   pessoa   obter   fotos   de   qualidade,  e  sendo  assim,  a  sua  correta  u6lização  dá  origem   à  obtenção  dos  efeitos  pretendidos.   Tentar  captar  uma  emoção  ou  estado  de  espírito  é  essencial   no  retrato,  mas  existem  muitos  factores  a  ter  em  conta.   Uma   objec6va   de   50mm   é   aconselhável   para   os   primeiros   planos   e   a   nível   técnico   ter   sempre   em   conta   o   modo   de   exposição,   recomendável   a   u6lização   de   prioridade   à   abertura.       Não   esquecer   também   a   escolha   da   sensibilidade   ISO   adequada.   100   ou   200   ISO   confere   maior   qualidade   e   evita   ruído  digital  no  registo.   Por   fim,   e   não   menos   importante,   o   ajuste   do   balanço   de   brancos,   sendo   a   escolha   indicada   o   balanço   de   brancos   automá6co,   uma   vez   que   pode   ser   modificado   no   computador  aquando  da  edição  da  imagem.                      

CONTROLE  DE  LUZ  EM  RETRATO  DE  INTERIORES       Existem  três  6pos  de  luzes:  A  direta,  difusa  e  a  reflec6da.       No   primeiro   caso   a   pessoa   fotografada   recebe   a   luz   diretamente,   o   que   pode   dar   origem   a   sombras   verdadeiramente   duras   e   perda   de   detalhes   em   diversas   zonas  do  retrato.  Além  deste  facto,  também  poderemos  ser   surpreendidos   por   brilhos   bastante   fortes.   É   pois   uma   iluminação   não   muito   aconselhável   devido   à   sua   complexidade.   Com   luz   difusa   os   efeitos   ob6dos   serão   naturalmente   diferentes.       A   u6lização   de   uma   tela   difusora   ou   outro   material   específico,   permite   a   obtenção   de   uma   iluminação   sem   sombras,   com   um   rosto   bem   mais   suave   e   com   detalhes   mais  visíveis.  

                         

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  14  


Retrato

Por  fim  resta-­‐nos   a   opção   da   luz   reflec6da.     Basta   colocar   a   pessoa   que   se   quer   fotografar   de  forma  a  que  a   luz   solar   não   i n c i d a   diretamente   no   seu   rosto   mas   que   se   aproveite   a   i l u m i n a ç ã o   v i n d a   d o   exterior.       A   escolha   da   m e l h o r   l u m i n o s i d a d e   para   o   retrato   é   s e m p r e   u m a   incógnita.   Cada   momento   d e v e   s e r   e x p l o r a d o   cuidadosamente   de   forma   a   obter   u m   c o n t r o l o   total   da   luz   e   a   par6r   daí   6rar   parte   das   suas   potencialidades.                                         Ar@go  e  Fotos:       José  Neves     h4ps://www.facebook.com/profile.php?id=1437743960    

   

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  15  


Retrato

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  16  


mestres   Adams,   Robert   Hickman   (1937   -­‐   )   fotógrafo   americano     de   natureza   e   paisagem       Depois  de  obter  um  doutorado  em  Inglês   e   se   tornar   um   professor   universitário,   Adams   decidiu   mudar   de   carreira   e  concentrar  se  no  seu  verdadeiro  amor,  a   fotografia,   em   1970.   Desde   então,   ele   criou   uma   carreira,   com   mais   de   20   livros,   principalmente   narrando   o   Oeste   americano,   sobretudo   a   paisagem   do   Colorado   e   em   torno   de   Denver.   Ele   atribui   a   sua   afinidade   com   a   paisagem   ocidental   pelas   aventuras   de   infância,   como   caminhadas,   ra•ing   e   camping.   As   suas   fotografias   em   preto   e   branco   de   paisagens,   trouxeram-­‐lhe   dois   Na6onal   Endowment   for   the   Arts   bolsas   de   Fotografia   (1973,   1978),   um   prêmio   Guggenheim   (1973),   e   uma   bolsa   MacArthur  (1994).   Paisagem   ...   parece   convidar-­‐nos   a   ter   in6midade  com  nós  mesmos,  como  que  a   despertar  em  nós,  prazeres,  memórias,  ou   esperanças   que   ainda   não   estão   aculturados.   O   significado   da   paisagem   está   indiscu6velmente   ligado   com   um   apelo  à  ilusão,  de  que  dentro  de  cada  um   de   nós,   existe   algo   compar6lhável   e   ainda   não   socializado.   Isto   é   em   parte   por   causa   da   sensação   ungrasped,   percebida   nos   alcances   distantes   da   terra   ao   ar   livre   e   e m   p a r t e   p o r q u e   a i n d a   a g r a d a   aos   americanos,   fantasiar   sobre   a   natureza,   não   como   cultura   e,   portanto,   não   como   uma   experiência   comunitária.   Claro   que   sabemos   muito   bem,   que   a   reserva   em   que   colocamos   as   nossas   idéias   sobre   a   natureza   é   uma   reserva   cultural.   Mas,   ainda   podemos   imaginar   o   nosso   contato   real   com   a   natureza   para   entender   o   passado,   com   reserva,   como   se  houvesse  uma  fronteira  que  ainda  não   havia   transgredido.   Um   fotógrafo   que,   conscientemente,   funciona   dentro   desse   c o n fl i t o   e n t r e   o   i m a g i n a d o   e   o   transgredido  é  Robert  Adams.              

Adams, Robert Hickman Da  estrada  perto  de  Colton,  Califórnia,  Adams  subiu  a  um  morro  erodido.  Com   fumaça,  neblina,  e  efluentes,  forma  graficamente  silhuetas  em  preto  e  branco,   tons   de   fotografias   como   este   e   outros   que   ele   fez   para   o   seu   livro   "Los   Angeles   Primavera".     Embora   os   efeitos   sejam   redundantes,   as   composições   são   individualmente   realizadas,   cada   uma   das   variantes   tem   uma   expansão   poé6ca.   O   que   procura   Adams   é   uma   poesia   de   depredação.   Numa   era   de   paisagem   a   cor,     permeia   as   cenas   de   uma   brutalidade   de   outra   forma   monótona.     Não   é   que   Adams   pareça   par6lhar   carinhosamente   destes   pontos   de   vista,   mas   quer   capturá-­‐los,   como   momentos   de   experiência   solitária   e   projetá-­‐los   de   volta   a   uma   tradição   da   paisagem   do   século   XIX   e   perceber   nos   seus   horizontes,   como   aparentemente   desertas   agora,   como   eram   então.   A   visão   de   Robert   Frank,   de   uma   América   dos   anos   cinquenta   combina   com   o   imaginário   da   pós-­‐Civil   War   Carleton   Watkins   Yosemite.   Adams   mostra   árvores   de   eucalipto   secas,   laranjais   abandonados   e   demolidos,   trechos   quebrados   de   terra.   Depois   de   ganhar   a   sua   atenção,   eles   permanecem   na   mente   como   formas   naturalizadas,   perdidas   para   um   processo   simbolizado   pelo  caminho  do  desenvolvimento.   Na   introdução   de   "O   Espaço   Americano:   Significado   do   século   XIX   na   Fotografia  de  Paisagem",  Adams  escreve:  "Fisicamente  grande  parte  da  terra   [o   Ocidente]   é   quase   tão   vazia   como   era   quando   Jackson   e   Timothy   O'Sullivan   6nham  fotografado  lá,  mas  a  beleza  do  espaço  no  sen6do  de  que  tudo  o  que   nele  está  vivo  e  valioso  é  ido.  "  Adams  considera  os  fotógrafos  do  século  XIX   privilegiados  porque  os  céus  limpos  que  viram,  poderiam  ilustrar  os  "versos  de   abertura   do   Gênesis   sobre   a   peça   luz   em   dar   forma   ao   vazio."   As   suas   câmeras,  poderiam  estar  repletas  de  cenas,  que  estão  agora  obscurecidas  ou   desbotadas,     por   uma   brancura   amorfa   contra   a   qual,   o   fotógrafo   lembra,   agora  tem  de  lutar  para  descrever  a  profundidade.     Por  Vitor  Rocha     h4ps://www.facebook.com/VitorManuelAbreuRocha   Excertos  re6rados  de  um  texto  sobre  a  obra  de  Robert  Adams,    Max  Kozloff,   "Lone  Visions,  Crowded  Frames".    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  17  


editorial   locais  

Sintra

Quando falamos de Sintra, lembramo-nos obrigatoriamente dos seus Palácios e Casas Senhoriais, do Castelo e da sua Vista deslumbrante, dos inúmeros Miradouros onde se pode disfrutar de magníficos Panoramas desde a Planície até ao Convento de Mafra, Ericeira, Guincho, Cascais e, de alguns pontos, até se avista a foz do Tejo e Lisboa... Declarada Património Mundial pela UNESCO, a

Ao longo de toda a costa é frequente a Pratica de modalidades desportivas, como o Surf e Bodyboard, sendo que a Praia Grande é por muitos considerada, uma das melhores Praias a nível Mundial para a estas modalidades, realizando-se anualmente o Campeonato do Mundo de Bodyboard. É usual vermos por estes lados muitos dos Grandes nomes do Surf e/ou Bodyboard a nível Nacional / Internacional. Nestes

misteriosa Sintra é única, e está repleta de locais dignos da sua visita. A serra de Sintra 'começa mesmo no centro da vila' e acaba no Oceano, no ponto mais ocidental da Europa continental - o Cabo da Roca. E como vamos fazer um passeio pelo litoral de Sintra, comecemos por este Emblemático Cabo. Aqui, respirase a custo, sentindo-se o peso do Continente nas costas, enquanto contemplamos o azul do mar e a vista soberba sobre a Praia da Ursa. Para além das mais conhecidas praias desta região, São Julião, Magoito, Maçãs, Grande e Adraga, existem neste Concelho verdadeiros paraísos a não perder, que nos convidam a belos passeios ao longo de todo o ano. Ao longo desta costa podemos ver inúmeros labirintos de grutas, cavernas e enormes fendas, que nos

últimos anos tem-se assistido à pratica de um cada vez maior numero de desportos náuticos nesta zona, sendo que este ano, esta será também palco do Campeonato do Mundo de Jetski. Situada a cerca de 10Kms da Vila de Sintra, a Praia das Maçãs é conhecida pelo seu Elétrico Centenário, restaurantes, cafés e bares. O Entardecer nesta Região, proporciona-nos diariamente espetáculos variados de luzes e contrastes. Nos dias em que o mar se encontra mais revolto, proporcionam-se verdadeiros momentos de cortar o folgo, na zona das arribas das Azenhas do Mar. As Azenhas caracterizam-se pelas casas construídas em cascata ao longo do declive da arriba até ao mar. Esta pequena praia tem a particularidade de ter uma Piscina Oceânica. Considerada por muitos, uma das mais Belas

proporcionam uma Paisagem única e arrepiante. Muitas são as Espécies Animais e Vegetais por aqui existentes.

Praias da zona, a Praia do Magoito tem um areal de grande extensão, com areias douradas e mar turquesa.

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  18  


editorial  

Sintra

Considerada a mais rica em iodo da Europa, esta proporciona-nos um dia Maravilhoso e sempre diferente, culminando com um Pôr-do-sol único! Diversas praias e enseadas passámos até chegarmos à Praia de São Julião onde desagua o Rio Falcão que divide a Praia em dois concelhos, localizando-se a maior extensão de areal no Concelho de Sintra.

Muito fica por dizer sobre Sintra e os seus Majestosos Monumentos e Jardins, Museus, Rios, Lagos e Cascatas... de onde cada visitante leva uma perspectiva diferente desta maravilhosa localidade.   Fotografias  e  texto  de:  Cris@na  Menezes  Alves   h4ps://www.facebook.com/crisMnamenezesalves?ref=ts    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  19  


editorial  

Sintra

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  20  


editorial  

Sintra

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  21  


editorial  

Sintra

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  22  


editorial  

Sintra

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  23  


editorial   fotógrafos  

Pedro Moreira

         

  e  é    um  fotógrafo  Português  autodidata.   Pedro  Moreira  nasceu  em  1971,  no  Porto     É  um  autor  premiado  em  diversos  concursos  de  fotografia  e  selecionado  para  várias  exposições  de     renome.       Já  teve  várias  capas  a  seu  cargo,  possui  fotografias  publicadas  em  livros,  cd’s,  revistas  consagradas     cartazes   publicitários,   blogues,   jornais   nacionais   e   regionais   de   fotografia   nacionais   e   internacionais,       e  mais  recentemente  foi  júri  em  2  concursos   de  fotografia.               inúmeras   exposições   cole6vas,   e     é   também   par6cipante   Efetuou   várias   exposições   individuais,       de   fotografia   de   Portugal,   onde   já   obteve   centenas   de   assíduo   de   alguns   dos   melhores   sites       destaques  fotográficos.             Pedro  Sarmento:  Pedro  tu  um  dia  acordaste  e  pensaste  vou   PS:  Neste  teu  caminho  em  fotografia  que  começa  em  inícios   ser   fotógrafo,   e   de   moda   .......   Como   é   que   decorreu   em   @   de   2004   portanto   8   anos   atrás,   como   vês   este   crescimento   todo  este  processo  de  começar  a  fotografar?   enorme  de  equipamentos  e  de  fotógrafos  que  nascem  todos   Pedro   Moreira:   Eu   diria   que   voltei   a   “acordar”   para   a   os  dias?   fotografia   com   o   formato   digital,   tal   como   muitos   de   nós,   mas   o   meu   “bichinho”   pela   fotografia   havia   nascido   na   minha   infância,   muitos   anos   antes,   impulsionado   pelo   gosto   dos   meus   pais   em   viajar   e   de   registar   esses   momentos   vividos.   Posteriormente,   em   finais   de   2003,   adquiri   a   minha   primeira   reflex   digital   e   até   agora,   7   máquinas   fotográficas   e   11   obje6vas  depois  cá  estou  para  mostrar  as  minhas  imagens.  

PM:  Curiosamente  na  tua  pergunta  mencionas  “os  fotógrafos   que   nascem   todos   os   dias”,   mas   deixa-­‐me   acrescentar   que   igualmente   existem   inúmeros   “fotógrafos”   que   “morrem”   diariamente  para  a  fotografia  quando  se  apercebem  que  não   têm  o  talento  nem  obtêm  os  proveitos  que  julgavam  obter.   Na   verdade   esses   “fotógrafos”   “morrem”   sempre   que   fotografam   a   ‡tulo   gratuito,   pois   ao   fazê-­‐lo   estão   a   dar   um  

    PS:   Tiveste   alguma   influência   em   casa,   vias   fotografar   com   alguma  regularidade  por  exemplo?   PM:   Tal   como   anteriormente   disse,   o   gosto   veio   de   família   aliado   ao   facto   da   minha   mulher   e   modelo   gostar   de   ser   fotografada.  Assim  consegui  aliar  o  ú6l  ao  agradável  e  deu-­‐me   no   início   os   conhecimentos   e   a   prá6ca   necessária   para   desenvolver  a  minha  fotografia.                                

6ro  no  próprio  pé  e  a  assumirem  que  não  são  suficientemente   bons  para  cobrarem  pelos  seus  trabalhos.   Felizmente  e  como  ainda  vão  exis6ndo  em  Portugal  fotógrafos   “sobreviventes”,  alguns  dos  quais  de  nível  internacional,  vejo   de   modo   muito   salutar   esta   “concorrência”.   Aprendo   muito   com  os  meus  colegas  fotógrafos,  tentado  no  entanto  seguir  a   minha  própria  via.    

     

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  24  


editorial  

Pedro Moreira

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  25  


editorial  

Pedro Moreira

PS:   Portanto   tu   em   2004   dás   os   primeiros   passos   com   uma   máquina,   e   quando   decides   que   era   a   Moda   que   querias   fazer?   PM:   A   fotografia   de   moda/beleza   veio   como   um   “bónus”   junto  com  a  minha  paixão  pela  fotografia.   Na   verdade   a   moda   é   apenas   uma   das   vertentes   da   minha   fotografia.   Gosto   de   me   assumir   como   um   fotógrafo   de   eventos,  quer  sejam  estes  de  moda,  espetáculo,  despor6vos,  

PS:   Qual   foi   o   teu   primeiro   desfile   a   sério,   assim   daqueles  

social,  etc.       PS:   Quando   tens   um   desfile   para   fotografar,   qual   é   o   teu   “caminho”,  ou  seja  tens  um  ritual  próprio  de  preparação  do   evento,   material   etc.   para   que   nada   falte   na   hora   de   começar  a  trabalhar?   PM:   Sim,   tenho   o   ritual   de   verificar   todo   o   material,   tal   como   um   piloto   faz   antes   de   levantar   voo.     Limpo   as   obje6vas,   o   sensor   e   os   corpos   das   máquinas,   verifico   as   credenciais,   os   horários   dos   eventos   e   não   esqueço   o   tripé,   esse   grande   aliado  do  fotógrafo  de  desfiles.  Apesar  do  glamour  envolvido,   são  inúmeros  os  momentos  maçadores  entre  desfiles,  onde  a   máquina  fotográfica  parece  começar  a  pesar  uma  tonelada.        

 

onde   o   media@smo   do   evento   é   tão   grande   que   a   responsabilidade  dispara  certamente  em  @?   PM:   O   meu   primeiro   desfile   a   sério   ocorreu   no   Portugal   Fashion   de   2005   e   veio   através   do   convite   que   me   foi   endereçado   pela   conceituada   Es6lista   Portuense   Ka]y   Xiomara.   PS:   Desse   teu   primeiro   desfile,   o   que   é   que   guardas   mais   para  @  que  possas  par@lhar  connosco?   PM:  Desse  desfile  tenho  a  boa  recordação  de  me  ter  iniciado   neste   mundo   mas   há   data   essa   boa   recordação   não   se   transmi6u  na  quan6dade  de  boas  fotos.     Infelizmente   e   por   estar   ainda   mal   preparado   o   número   de   fotos  de  boa  qualidade  não  foram  muitas.    Mas  felizmente  o   número   de   “keepers”   (usando   este   calão   fotográfico)   tem   aumentado   substancialmente   ao   ponto   de   hoje   em   dia   ser-­‐ me  diycil  escolher  as  melhores  fotografias  de  cada  desfile.      

                                     

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  26  


editorial  

Pedro Moreira

PS:   Equipamentos,   és   uma   pessoa   que   investe   muito,   gostas   de   “andar   na   moda”   ou   és   fiel   a   um   determinado   equipamento.   PM:   Tenho   consciência   que   invisto   mais   do   que   devia,   mas   tenho   de   o   fazer   para   poder   con6nuar   a   ser   compe66vo   no   atual  mercado.   No   entanto   existe   uma   teoria   que   diz   que   é   necessário   inves6r  o  dobro  para  se  obter  um  ganho  de  qualidade  de  10%   e   infelizmente   essa   teoria   aplica-­‐se   na   perfeição   rela6vamente   ao   material   fotográfico   e   lanço-­‐vos   o   desafio   de   conseguirem   detetar   entre   as   minhas   fotografias   quais   foram  ob6das  com  máquinas  APS-­‐C  de  8  mpixeis,  15  mpixeis   e  fullframe  de  21mpixeis.  É  quase  impossível,  não  é?       PS:  A  tua  primeira  máquina  fotográfica  ainda  a  usas,  ainda   a  guardas  acredito  que  já  não  seja  a  mesma.   PM:  Não,  infelizmente  nesta  “viagem  digital”  fui  vendendo  o   equipamento   anterior   para   poder   inves6r   no   novo,   por   isso   apenas   guardo   o   equipamento   analógico   que   me   iniciou   na   fotografia.    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  27  


editorial  

Pedro Moreira

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  28  


editorial  

Pedro Moreira

PS:   Formação,   és   uma   pessoa   interessada,   tens   feito   formação   ou   és   um   autodidata   muito   bem   realizado,   uma   vez  que  os  teus  trabalhos  são  de  reconhecida  qualidade  por   muitos  de  nós  que  acompanham  a  tua  carreira?   PM:   Na   verdade   nunca   6ve   qualquer   formação   em   termos   fotográficos,  sou  um  autodidata  que  infelizmente  ainda  hoje   passa   mais   tempo   a   ler   sobre   fotografia   e   equipamentos   fotográficos   do   que   a   fotografar,   mas   espero   inverter   cada  

E   porquê   em   JPEG   perguntas-­‐me?   Porque   me   permite   fornecer   o   resultado   no   mais   curto   espaço   de   tempo   ao   cliente,  que  muitas  vezes  tem  prazos  a  cumprir.       PS:  Voltando  à  Moda,  a  determinada  altura,  Fá@ma  Lopes,   Paris   etc.,   como   é   que   surgiu   essa   possibilidade,   que   acredito  seria  um  sonho  para  muitos  de  nós?   PM:   Foi   uma   verdadeira   sorte!   Marquei   férias   com   a   minha  

vez   mais   essa   situação   e   dedicar-­‐me   cada   vez   mais   à   minha   paixão  pela  fotografia.       PS:   Ainda   em   termos   tecnológicos,   és   um   fotógrafo   que   és   adepto   de   muito   Photoshop   ou   apenas   dás   aquele   toque   muito   pessoal   que   é   de   facto   necessário   para   quem   fotografa  em  RAW?   PM:  Sem  dúvida  que  sou  adepto  do  Photoshop,  tal  como  os   bons   fotógrafos   do   analógico   são   adeptos   das   diferentes   técnicas  de  revelação.     Para   mim   a   edição   é   um   passo   muito   importante   para   a   imagem  final,  tentado  no  entanto,  que  as  minhas  fotografias   pareçam  sempre  o  mais  naturais  possível.   Embora   seja   um   grande   defensor   de   fotografar   em   RAW,   curiosamente   muitas   das   imagens   que   mostro   nesta   edição  

mulher   para   Paris   e   no   dia   anterior   à   minha   viagem   fiquei   a   saber  que  o  meu  amigo,  fotógrafo  de  Moda  e  social  Ricardo   Costa,  também  ia  estar  em  Paris  na  mesma  altura.  Combinei   ligar-­‐lhe  quando  chegasse  para  estarmos  um  tempo  juntos  e   qual   o   meu   espanto   quanto   ele   me   disse   que   estavam   a   decorrer  vários  desfiles  de  moda,  e  que  ele  iria  estar  presente   para   os   fotografar!   Disse-­‐me   ainda   para   aparecer   pois   iria   tentar  junto  da  organização  arranjar-­‐me  convites  para  assis6r   ao  desfile!  Quando  chego  ao  local,  tomei  conhecimento  que   o   desfile   era   da   Fá6ma   Lopes,   iria   decorrer   na   Torre   Eiffel   e   que  era  organizado  pela  ANJE  (Associação  nacional  de  jovens   empresários),   no   âmbito   do   Portugal   Fashion!     Fui   de   férias   para   Paris   apenas   com   uma   máquina   fotográfica   e   uma   obje6va  e  passo  de  turista  a  fotógrafo  do  primeiro  desfile  de   moda   que   ocorreu   na   Torre   Eiffel   com   a   ajuda   de   uma  

foram  6radas  em  JPEG.                                      

obje6va  cedida  pelo  meu  amigo  fotógrafo!    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  29  


editorial  

Pedro Moreira

PS:  Essa  tua  experiência  em  Paris,  como  é  que  correu,  já  vi   algumas   imagens   fantás@cas,   mas   contado   na   primeira   pessoa  é  mais  interessante?   PM:   Foi   verdadeiramente   uma   experiência   fantás6ca!   Entramos   numa   sala   de   espetáculo   fechada   e   escura,   ouve-­‐

PM:   Sim,   já   6ve   o   prazer   de   fotografar   gente   lindíssima,   mas   curiosamente   quem   eu   mais   gostaria   de   fotografar   não   são   propriamente   modelos,   mas   sim   um   “crossover”   de   outras   áreas,   refiro-­‐me   à   Natalie   Portman   e   ao   David   Beckham,   que   tanto  furor  têm  feito  ul6mamente  em  campanhas  de  moda.  

se   uma   ba6da   forte   e   cadenciada,   as   primeiras   modelos   surgem   a   deslocarem-­‐se   como   se   levitassem   e   de   repente   abrem-­‐se   as   cor6nas   negras   das   enormes   janelas   panorâmicas   onde   se   pode   observar   Paris   do   alto   da   Torre   Eiffel,   com   uma   amplitude   de   180º   que   vai   desde   o   Sacre   Coeur  ao  Les  Invalides….Surreal  e  inesquecível!           PS:   Quando   vais   numa   viagem   dessas,   tens   tempo   para   visitar   a   cidade,   fazer   umas   fotos,   ou   realmente   não   te   resta  muito  tempo  livre.   PM:   Sim,   tento   reservar   sempre   tempo   para   junto   com   a   minha   mulher   poder   conhecer   belos   locais   e   de   usufruir   do   prazer  de  fotografar  e  de  escolher  livremente  os  assuntos  a   fotografar.   Aliás,   quem   vir   o   portefólio   fotográfico   vai   certamente  aperceber-­‐se  que  há  muito  mais  fotografia  para   além  daquela  que  faço  de  moda.       PS:   Por   exemplo   num   desfile   de   moda,   tu   gostas   de   fotografar  os  bas@dores,  a  azáfama  que  nenhum  de  nós  vê?   Já  @veste  essa  possibilidade?   PM:   Sim,   já   6ve   em   diversos   eventos   a   possibilidade   de   fotografar   o   chamado   backstage   e   é   curioso   verificar   que   o   glamour  das  passarelas  não  tem  contraponto  nos  bas6dores,   onde   por   vezes   é   bem   diycil   conseguir   “arrancar”   um   sorriso   dos   modelos   que   passam   horas   a   fio   entre   maquilhagem,   cabeleireiro  e  tempos  mortos.     PS:   Para   um   fotógrafo   como   tu,   qual   seria   o   topo   da   tua  

    PS:   Pedro   Moreira,   Portugal   parece-­‐me   que   deu   um   salto   qualita@vo   na   moda,   com   alguns   eventos   organizados   de   reconhecida   qualidade,   quer   em   termos   de   modelos,   quer   em   termos   dos   es@listas   Portugueses   |   Portugal   Fashion,   Moda  Lisboa  etc  ,  ainda  assim,  Portugal  con@nua  a  ser  um   País   pequeno   para   um   fotógrafo   de   moda?   Ir   lá   fora   é   fundamental?   PM:  Eu  penso  que  não,  apesar  da  crise  que  se  vive,  acho  que   vale   a   pena   relembrar   o   trabalho   notável   que   a   ANJE   tem   6do   na   organização   do   Portugal   Fashion,   que   já   vai   na   30ª   Edição  e  já  ultrapassou  as  “fronteiras”  do  Porto,  chegando  a   Lisboa,   S.   Paulo   e   Paris.   Eu   acho   que   é   possível   sermos   excelentes   em   Portugal,   basta   ver   os   trabalhos   dos   fotógrafos   de   moda   Mário   Príncipe   e   André   Brito   e   apercebemo-­‐nos  que  estão  ao  nível  do  que  melhor  se  faz  lá   fora!     Quanto   aos   modelos   e   es6listas   Portugueses   só   tenho   uma   palavra:  TOP!       PS:   Para   terminar   Pedro,   para   seguirmos   o   teu   trabalho,   onde  o  podemos  fazer?   PM:  Podem  seguir-­‐me  por  exemplo  em:   Facebook|    www.facebook.com/pedroxmoreira     Olhares|    www.olhares.com/pedroxm     Website  pessoal  |  www.pedroxmoreira.com    

carreira,   em   que   projeto   te   que   imaginarias   para   um   dia   dizeres  que  te  sentes  completamente  realizado?   PM:   Aqui   há   uns   anos   eu   pensava   que   ficaria   sa6sfeito   a   nível  fotográfico  quando  conseguisse  publicar  na  pres6giada   revista   Francesa   PHOTO.   Hoje,   duas   publicações   depois   nessa   pres6giada   revista,   uma   das   quais   em   destaque   de   página   inteira,   penso   que   ficaria   sa6sfeito   quando   fotografasse   um   catálogo   inteiro   de   moda   para   uma   marca   conceituada.     PS:   Certamente   já   fotografaste   gente   lindíssima,   mas   haverá  alguém  que  tu  darias  tudo  por  30  segundos  na  tua   frente?   Que   modelo   não   gostarias   de   perder   a   oportunidade  de  fotografar.          

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  30  


editorial   fotógrafos        

Rui David

Rui   David   é   fotógrafo   amador     desde   2007,   ano   em   que   adquiriu   a   sua   primeira   câmera   fotográfica   digital.   Desde   então     o   gosto   pela   fotografia   tem   sido   crescente,   tornando-­‐se   parte   muito   importante   na   sua     vida.     A   fotografia   de   paisagem   natural   é   uma   das   suas   paixões   sendo   que   no   seu   porŒólio   também   se   encontram   outros   es6los   e   abordagens     fotográficas.   A   sua   aprendizagem   e   conhecimento   fotográfico   resulta   maioritariamente    

    duma  abordagem  autodidata.         Rui   David   tem   visto   seus   trabalhos   serem   reconhecidos   por   inúmeras   revistas   da       especialidade.  Em  2010  foi  o  vencedor  da  VII  Meia  Maratona  Fotográfica  de  Setúbal  tendo       sido   p remiado   t ambém   n outros       concursos  fotográficos.   Rui   David   é   também   músico,       compositor,   produtor   e   membro   fundador   da   banda   portuguesa  Hands  On  Approach.           Jorge  Manur:    Quando  começaste  a  fotografar?  Foi  sempre   E   isto   aplico   a   todos   os   es6los   fotográficos   mas   normalmente   uma  paixão  ou  uma  vocação  tardia?   faço-­‐o   mais   na   fotografia   de   paisagem   que   con6nua   a   ser   o   Rui   David:   Comecei   a   fotografar   em   2007,   altura   em   que   meu  es6lo  preferencial.   comprei   a   minha   primeira   máquina   fotográfica   digital,   uma     Canon   400D.   Sempre   gostei   de   fotografia   mas   meramente   JM:     Como     decides   onde   ir   ou   o   que   fotografar?   É   um   pelo   seu   sen6do   prá6co,   quo6diano...   como   forma   de   processo   natural   ,   seguindo   oportunidades   que   surgem,   ou   registar   momentos   passados   com   os   amigos   ou   com   a   família   procuras   planear   as   tuas   saídas   fotográficas   com   um   ou   locais   que   visitava.   No   entanto   sempre   dei   importância   há   propósito  em  mente?   qualidade  da  imagem  e  por  isso  decidi  comprar  uma  máquina   RD:  As  minhas  saídas  fotográficas  normalmente  resultam  da   melhor.  A  par6r  daí  foi  uma  bola  de  neve...  mas  sim  foi  sem   dúvida   uma   vocação   tardia   (não   me   importava   nada   de   ter   começado  muito  mais  cedo  J  ).     JM:  Tens  alguma  formação  na  área?   RD:   Basicamente   sou   autodidata   tendo   feito   2   workshops   fotográficos.   As   maiores   lições,   contudo,   foram   apreendidas   no   terreno,   sozinho   ou   com   outros   fotógrafos   amigos   com   quem   tenho   realizado   vários   encontros   fotográficos   e   com   quem   ainda   con6nuo   a   par6lhar   muitas   experiências   e   conhecimentos.    

vontade  e  do  gosto  pela  fotografia.  Muitas  vezes  vou  sozinho,   outras   acompanhado   mas   o   objec6vo   é   sempre   o   mesmo,   ou   seja,   diver6r-­‐me   acima   de   tudo   e   fugir   da   azáfama   diária,   relaxar  um  pouco  e  manter  o  contacto  com  a  Natureza...    algo   tão   simples   e   tão   clichet   mas   se   não   fosse   a   fotografia   provavelmente  faria  muito  mais  raramente.     Vivemos  a  um  ritmo  louco,  condicionados  pelos  mais  diversos   factores   que   nos   obrigam   a   estar   cada   vez   mais   longe   da   Natureza.   Por   isso   sabe   sempre   muito   bem   juntar   o   ú6l   ao   agradável.     JM:   Como   é   habitualmente   o   processo   cria@vo   dos   teus  

JM:   Há   algum   fotógrafo   que   te   sirva   ou   tenha   servido   de   referência?   RD:   Existem   inúmeros   fotógrafos   que   me   influenciam.   Vejo   diariamente   dezenas   ou   até   centenas   de   fotos   de   grandes   fotógrafos   portugueses   e   estrangeiros   e   é   diycil   destacar   nomes...talvez   um   dos   que   sigo   há   mais   tempo   na   área   da   paisagem  natural  seja  o  Mark  Adamus  mas  há  muitos  outros  

trabalhos  fotográficos?    Vais  à  procura  de  uma  foto  ou  ela   encontra-­‐te  a  meio  do  caminho?   RD:  :  Gosto  de  ambas  as  abordagens.     Quando  conheço  bem  um  local  e  tenho  a  possibilidade  de  o   visitar  com  alguma  frequência  acabo  por  me  dar  ao  “luxo”  de   fazer  um  planeamento  porque  sei  qual  a  melhor  hora  do  dia,   altura   do   ano,   fase   da   maré,   etc.,   etc.,   para   o   poder  

de  grande  talento.     JM:     Que   temas   te   despertam   interesse   na   fotografia   e   porque  é  tão  importante  para  @  fotografar?   RD:   Gosto   dos   silêncios,   da   simplicidade,   das   sub6lezas,   da   temporalidade,   harmonia...   procuro   sempre   captar   o   lado   mais  belo,  mais  posi6vo,  mágico,  sublime.      

fotografar  como  quero  e  consoante  o  objec6vo  que  pretendo   a6ngir.   Mas   também   gosto   de   ir   à   descoberta   e   à   mercê   do   acaso...   por   vezes   acontecem   “coisas   mágicas”   que   nunca   iria   prever  por  muito  planeamento  que  fizesse.   Na  área  do  retrato  maioritariamente  opto  pelo  planeamento   prévio.   Enfim...depende   um   pouco   do   es6lo   e   do   objecto   fotográfico.        

     

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  31  


editorial  

Rui David

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  32  


editorial  

Rui David

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  33  


Rui David

JM:   :   Certamente   o   "instrumento"   mais   precioso   de   um   fotógrafo  é  o  olhar.  Existe  alguma  maneira  de  se  apurar  esse   olhar,  ou  esse  olhar  é  um  dom  que  nasce  com  a  pessoa?   RD:  O  olhar  é  o  mais  importante  instrumento  do  fotógrafo.  É   possível   treinar   o   olhar   e   torná-­‐lo   mais   apurado   e   há   quem   tenha   mais   facilidade   nesse   processo.   Essas   pessoas   são   as   que   têm   um   olhar   fotográfico   (mesmo   essas   necessitam   de   treino,   de   prá6ca,   de   experiência).   Mas   de   facto   tem   que  

Tento  que  a  captação  seja  o  mais  equilibrada  possível  e  mais   fiel   ao   que   vejo   no   momento.   Mais   tarde,   se   necessário   (e   quase   sempre   o   faço),   recorro   à   edição   para   ajustes   em   termos   de   ni6dez,   contraste,   saturação.   O   meu   objec6vo   no   fundo   é   obter   uma   imagem   que   seja   o   mais   fiel   possível   ao   que  vi  ou...  ao  que  imaginei.  Sim...nem  sempre  pretendo  que   a  foto  seja  realista...    

haver   de   alguma   forma   um   dom   natural   e   aliás,   é   esse   dom   que   em   minha   opinião   vai   alimentar   a   vontade,   duma   forma   inconsciente.   E   essa   vontade   empurra-­‐nos   para   um   processo   evolu6vo.   Toda   esta   sequência   pode   não   chegar   a   acontecer   ou  pelo  menos  não  ser  completada  se  a  pessoa  não  6ver  o  tal   dom  do  “olhar”.     JM:   Usas   a   luz   natural   como   fonte   para   o   resultado   final   das   tuas   fotografias,   ou   também   confias   o   resultado   final   ao   tratamento   digital   através   de   programas   de   edição   fotográfica?   RD:   Acima   de   tudo   a   luz   natural   pois   é   ela   que   define   tudo   na   foto,  é  a  fonte.        

JM:  Consideras-­‐te  mais  técnico  ou  arps@co?   RD:   Pegando   no   final   da   resposta   que   dei   na   pergunta   anterior...   por   vezes   o   que   vejo   quando   fotografo   não   é   exatamente   o   que   lá   está   mas   sim   o   que   deveria   ou   que   eu   gostava   que   lá   es6vesse.   Não   quero   dizer   com   isto   que   posteriormente   irei   re6rar   ou   colocar   elementos   que   não   façam  parte  dessa  paisagem...  nada  disso.  O  que  quero  dizer  é   que  provavelmente  irei  tentar  realçar  determinados  aspectos   que   compõe   a   paisagem   de   forma   a   aproximar-­‐se   mais   da   forma  como  a  vejo  e  não  da  forma  como  realmente  é.  E  esses   aspectos   são   as   tais   “sub6lezas”   que   para   mim   são   importantes.  E  nessa  perspec6va  considero-­‐me  mais  ar‡s6co   do  que  técnico.  

                             

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  34  


Rui David

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  35  


Rui David JM:   :   As   tuas   fotos   denotam   uma   grande   carga   emo@va   e   uma   sensibilidade   vincada.   Achas   que   tem   que   se   ter  

JM:   De   que   modo   interligas   a   tua   vocação   musical   à   fotográfica   e   vice   versa?   Conseguirias   viver     feliz   sem   uma  

sensibilidade  para  conseguir  passar  emoções  diversas  numa   foto,   ou   basta   ter   conhecimentos   técnicos   e   material  

das  duas?   RD:    Não.    

adequado?   RD:   Penso   que   são   necessárias   ambas   as   coisas   quando   se  

Ambas   con6nuam   a   ser   muito   importantes   na   minha   vida   e   tendem  até  a  fundir-­‐se.  

quer  passar  emoções  através  da  fotografia.  Ter  sensibilidade  

Há   um   paralelismo   muito   interessante   entre   elas   e   o   que  

é   determinante   mas   sem   técnica   e   equipamento   torna-­‐se   mais   diycil   pois   estes   elementos   são   a   forma   que   temos   de  

sinto  é  que  em  vez  de  compe6rem  uma  com  a  outra  tendem   a  reforçar-­‐se  mutuamente.  

materializar   essas   emoções   e   dão-­‐nos   a   capacidade   de  

 

sermos  mais  precisos  nesse  processo.      

JM:  Onde  podemos  apreciar    os  teus  trabalhos  fotográficos   online?  

JM:   como   se   desenvolve   o   ins@nto   para   saber   quando   se  

RD:   Ou   na   minha   página   pessoal   :   h]p://ruidavid.1x.com/     ou  

deve  apertar  o  botão?  

no  Facebook  :  Rui  David  Photography.  Tenho  também  algum  

RD:   Depende.   Quando   o   mo6vo   é   muito   forte   sentes-­‐te  

do  meu  portefólio  no  site  1X  e  no  FineArt  Portugal.  

impelido  a  pegar  na  máquina  com  a  mesma  velocidade  a  que  

 

o  Lucky  Lucke  pega  na  sua  pistola  e  começar  a  “disparar”  em  

JM:  Perspec@vas  futuras  no  que  concerne  a  fotografia?  Onde  

todas  as  direções.     Só  depois  de  o  fazeres  é  que  acalmas  e  realmente  começas  a  

te  vês  daqui  a  uns  anos?   RD:  Pegando  no  que  já  foi  falado...  irei  até  onde  o  meu  olhar  

fotografar.   No   meu   caso   é   um   bocado   assim...   muito  

me  levar.  

raramente   as   primeiras   fotos   que   6ro   dum   local   são   as   melhores.    

  JM:   Para   terminar,   que   conselhos   tens   para   dar   a   quem  

Outras   vezes   o   mo6vo   não   parece   muito   apetecível   mas   há   medida   que   o   vais   conhecendo   melhor   vais   descobrindo  

tenha  a  mesma    paixão  e  deseje  levá-­‐la  mais  a  sério?   RD:   Se   realmente   têm   paixão   por   estar   arte   então   estão   no  

pequenos  “submundos”  fotográficos  e  às  vezes  os  resultados  

bom   caminho.   Calmamente   invistam   em   algum   material   e  

são  surpreendentes.    

treinem   o   vosso   olhar   e   técnica,   fotografando   muito   e  

Claro   que   tudo   isto   acontece   mais   frequentemente   na  

regularmente.   Não   tenham   medo   de   errar   pois   é   o   erro   que  

fotografia   de   paisagem,   especialmente   em   locais   que   não   conheças  ou  que  não  6vesses  à  espera.    

mais  no  ensina.      

No  retrato  o  ins6nto  para  clicar  vive  muito  da  relação  com  o  

Rui  David  Luís:  

modelo,   da   forma   como   o   vês,   de   pequenos   instantes,   sincronismo,  diálogo,  interação.  

h]ps://www.facebook.com/pages/Rui-­‐David-­‐Photography/ 169340499792382        

  JM:  Já  deste  con@go  a  olhar  para  o    mundo  e  a  imaginares   como  ficaria  numa  fotografia?   RD:    Acho  que  iria  precisar  de  muito  Photoshop       JM:  Qual  o  Ipo  de  fotografia  que  nunca  farás?   RD:   Provavelmente   fotojornalismo   por   questões   que   se   prendem  com  a  minha  vida  pessoal  e  profissional,  ou  seja,  é   um   es6lo   fotográfico   que   iria   exigir   mais   da   minha   vida   do   que  aquilo  que  eu  posso  dar.  Tenho  um  enorme  respeito  por   essas  pessoas  que  o  fazem  mas  tenho  consciência  que  não  o   poderia  fazer...  talvez  noutra  vida.          

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  36  


Rui David

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  37  


Rui David

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  38  


editorial   fotógrafos  

J. pedro Martins

  J.  Pedro  Mar@ns  nasceu  em  1961  em  S.  João  da  Madeira  e  é  Professor  e  fotógrafo  amador.     O   convívio   desde   a   mais   tenra   idade   com   inúmero   material   fotográfico   pertença   de   seu   pai   –   um     apaixonado  pela  arte  –  bem  como  a  sua  influência  foram  mo6vos  determinantes  para  o  início  da  sua     a6vidade  como  fotógrafo-­‐amador  em  1981.    Desde  então  tem  par6cipado  em  variadas  exposições     individuais   e   colec6vas.     É   autor   premiado   e   editado   em   alguns   livros   da   especialidade.   Possui   ainda     trabalhos   publicados   em   revistas   de   fotografia   nacionais   e   estrangeiras,   cartazes   publicitários,     blogues  e  jornais.  Editou  em  2005  o  livro  de  fotografia  “O  Perfume  da  Tradição”  centrado  sobre  a     tradição  dos  Tapetes  de  Flores  em  Vila  do  Conde,  localidade  onde  reside  desde  1983.  Novos  e  vários     projetos  se  estão  e  irão  sequenciar...  É  fotógrafo  oficial  do  Teatro  Municipal  de  Vila  do  Conde  e  do     TFA  –  Teatro  de  Formas  Animadas.     Exposições  mais  recentes:       •  Mostra  de  Artes  Plás6cas  /  Imagem  /  Design  -­‐  "ELIPSE  DA  DURAÇÃO",    Porto,  Palacete  Pinto  Leite,  Fevereiro/Março  2011;       •   Exposição  individual  "CINCO  SENTIDOS",  com  textos  de  António  F.  Nabais,  Vila  do  Conde,    ESJRegio,  Fevereiro/Abril  2011;       •    Exposição   colec6va   de   fotografia,   vídeo   e   instalação   "FRAME",     com   Nelson   D’Aires,   Rui   Pinheiro,   Margarida   Ribeiro,   Rita                                                    Rocha,  Cesário  Alves  e  Ana  Pereira.Vila  do  Conde,  Espaço/Atelier  de  Isabel  Lhano,  Julho  2011;       •  Exposição  /  instalação  “PHARMACIA  –  A  Bo6ca  do  Zeca  no  século  passado”  S.  João  da  Madeira,  Biblioteca  Municipal,  Dezembro    2011  e  Janeiro  2012;       •  Exposição  individual  “THEATRUM”  Vila  do  Conde,  Teatro  Municipal,  A  par6r  de  Janeiro  2012;       •  Exposição  colec6va  –  II  Interna6onal  Exhibi6on  of  Photography  Irak,  Sulaymaniya,  Março  2012;       •  Exposição   /   Instalação   de   Fotografia   “MOVIMENTO”,     com   Rita   Rocha   e   Margarida   Ribeiro   (Instalações:   “The   Other   Side”   e    “3,2,1...Ac6on”)  Vila  do  Conde,  Teatro  Municipal,  Abril  e  Maio  de  2012    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  39  


editorial  

J. Pedro Martins

Pedro  Sarmento:  Pedro  tudo  têm  um  principio  na  vida.  Na   tua,  como  foi  esta  coisa  de  fotografar,  ver  o  mundo  de  uma   forma  diferente?  

Admiro  de  uma  forma  determinante  a  imaginação  associada   à   improvisação   na   música   de   Jazz,   a   luz   das   pinturas   dos   principais   ar6stas   da   Renascença,   a   cria6vidade   das  

J.  Pedro  MarIns:  Desde  a  mais  tenra  idade  que  vivi  e  convivi   com   máquinas   fotográficas   e   de   filmar.   O   meu   pai   era   um  

encenações,   coreografias   e   cenografias   ligadas   à   dança   (par6cularmente   moderna),   a   realista   representação   dos  

aficionado   do   Mundo   das   imagens   e   da   sua   captação.   Possuía   diversas   câmaras   e   constantemente   inves6a   na   atualização   desse   vasto   rol.   Mas,   além   de   as   possuir,   6rava   das   ditas   o   máximo   rendimento,   uma   vez   que   era   um   me6culoso   inves6gador   de   técnicas   associadas   à   imagem.   Das  imagens  “a  preto  e  branco”  cujo  tratamento  e  revelação   era  feito  por  ele,  principiando  pelo  uso  de  películas  de  vidro   e   posteriormente,   numa   segunda   fase   diversos   6pos   de   papel;   passou   naturalmente   para   a   fotografia   a   cores   e   posteriormente   para   os   diaposi6vos.   No   filme,   idên6ca   situação   se   repe6u.   Das   iniciais   gravações   em   “Normal”,   “saltou”   para   as   captações   em   “Super8”   e   destas   para   as   diversas   etapas   evolu6vas   do   vídeo.   Sendo   assim,   foram   muitos   os   momentos   familiares   (e   não   só...)   eternamente   registados   em   imagens   que   con6nuam   a   perdurar   no(s)   tempo(s).   Viver   envolto   nesta   realidade   permi6u,   de   uma   forma   natural,   que   mais   cedo   ou   mais   tarde,   um   jovem   (muito   novo)   quisesse   iniciar-­‐se   naquele   Mundo   (tão  

esbeltos   corpos   humanos   na   estatuária   clássica   grega   e   italiana   do   renascimento,   os   devaneios   cria6vos   de   certos   autores   surrealistas   e   de   alguns   projetos   arquitectónicos   e,   tantas  outras.     Assumo  que  existem  sempre  pequenos  elementos  esté6cos   que   me   ajudam   a   definir   um   dado   percurso   ou   a   criar   um   dado   trabalho   ou   mesmo   uma   série   de   trabalhos   fotográficos.   Acompanho   de   uma   forma   sistemá6ca   o   percurso   evolu6vo   de   diversos   fotógrafos   nacionais   e   estrangeiros.   Faço-­‐o   inves6ndo   inclusive,   desde   há   muitos   anos,  na  aquisição  das  suas  obras  bibliográficas  e  através  de   visitas   regulares   a   exposições   no   país   e   no   estrangeiro.   Há   exposições   imperdíveis   (mesmo)   “fora   de   portas”   que   jus6ficam  visita  atenta.  Para  mais  tarde  recordar.  Aliás,  para   recordar,  sempre!...   Possuo   uma   curiosidade   quase   infan6l   na   forma   calma   e   lenta  com  que  normalmente  desfolho  livros  de  arte  em  geral   e   de   fotografia   em   par6cular.   Usufruo   das   exposições   de  

próprio)   de   imagens   simples,   marcantes,   eternas,   porque   não  dizê-­‐lo,  mágicas.   E,   essa   tal   magia   iniciou-­‐se   com   registos   a   cores   u6lizando   rolos   100Asa   me6culosamente   colocados   (u6lizando   um   método   ensinado   pelo   progenitor   de   forma   a   que   os   rolos   Agfa   ou   Kodak   de   24   imagens   resultassem   em   26   ou   27   fotografias   finais)   em   máquinas   analógicas   Yashica,   Fuji   e   Rollei   pois   o   orçamento   familiar   não   permi6a   outros   inves6mentos.  E  depois  esperava-­‐se  um  mês  pela  revelação   dos   trabalhos.   A   espera   era   enervante.   Tudo   se   complicava   quando  se  registava  com  diaposi6vos.     Estes   6nham   que   “emigrar”   normalmente   para   França   o   que   aumentava   consideravelmente   o   tempo   de   espera.   Estávamos   por   altura   dos   anos   70   e   foi   assim   que   tudo   se   iniciou.   E  nunca  mais  parou...       PS:   Existe   algum   fotógrafo   que   considere   te   tenhas   inspirado   ou   apenas   te   tenha   influenciado   na   forma   como   fotografas?   JPM:  Influências  existem  sempre,  mais  ou  menos  marcantes.   As   mais   determinantes   influências   para   mim   não   são  

fotografia   com   uma   atenção   redobrada   não   só   sobre   o   conteúdo  mas  também  na  forma  como  o  material  é  exposto.   Manias  ...   Em  suma,  assim  se  vê.  Assim  se  aprende.     PS:  Numa  boa  fotografia,  qual  é  mérito  do  equipamento  e   qual  o  do  fotógrafo?  Consegues  quan@ficar  isto?   JPM:   A   resposta   começa   sempre   pela   tal   questão   básica   e   filosófica   –   Mas   afinal   o   que   é   uma   boa   fotografia?   Uma   boa   fotografia   para   quem?   Para   mim?!   Para   os   outros?!   Para   a   crí6ca  ?!  Para  o  comprador  ?!   E,   quais   os   “condimentos”   que   geram   a   tal   boa   fotografia  ?!...  Mas,  o  que  a  dis6ngue  das  restantes  ?!...     Será   que   é   possível   definir,   por   exemplo,   no   “Round   Midnight”  de  Theolonious  Monk  qual  será  o  mérito  do  piano   e  qual  o  do  executante/autor/compositor  ?   Será   que   é   possível   quan6ficar   o   mérito   dos   futebolistas   e   de,  por  exemplo  José  Mourinho  para  o  sucesso  final  de  uma   boa  equipa  de  futebol  ?  Dificilmente...   A  tal  boa  fotografia  é  sempre  confeccionada  como  corolário   de  uma  relação  muito  ín6ma  –  porque  não  in6mista,  entre  o   fotógrafo/humano   pensante   que   “ordena”   o   material  

propriamente   fotógrafos.     A   arte,   a   música,   a   literatura,   a   fotográfica  e  este  que  interpreta  e  responde  a  tal  solicitação,   pintura,   a   arquitetura,   a   dança,   o   design   são   mo6vos   e   num  dado  espaço  e  num  certo  tempo.     momentos  que  marcam  o  que  registo  e  a  sua  forma.     Temperado,  por  vezes,  com  o  incontornável  factor  aleatório.             PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  40      


editorial  

J. Pedro Martins

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  41  


J. Pedro Martins

PS:  És  um  fotografo  de  emoções.  Para  @  uma  história  numa   foto,  uma  pessoa  diz-­‐te  muito?  

Con6nuo   sem   conseguir   resolver   a   questão   que   ponho   diversas   vezes   a   mim   próprio.   Qual   a   área   que  

JPM:   Costumo   referir   que   a   fotografia   para   mim   é   uma   simbiose   de   emoção,   comoção,   criação,   comunicação,  

assumidamente  tenho  maior  preferência?     O   tempo   vai   passando   e   a   resposta   con6nua   a   não   surgir...  

inovação,  (auto)superação.     Em  suma,  PAIXÃO.  Naturalmente  que  um  registo  fotográfico  

Talvez  um  dia!...    

gera   um   dado   referencial   em   quem   capta   e   em   quem  

PS:   Tens   um   gosto   especial   pelas   artes   e   tens   trabalhado  

observa.   Cria   estórias.   Esta   relação   dinâmica   entre   observador   e   observado   pode   criar   também   diferentes  

em  vários  projetos  nomeadamente  no  teatro.  Queres  falar   sobre  isso?  

patamares  interpreta6vos.    

JPM:   Há   cerca   de   dois   anos   fui   convidado   (o   tal   desafio  

Tenho  pois  consciência  que  nem  todos  os  trabalhos  que  vou   fazendo   possam   ter   um   suporte   emo6vo.   Mas   vou  

versus   oportunidade   referido   na   questão   anterior)   pelo   Teatro   Municipal   de   Vila   do   Conde,   local   onde   resido,   para  

percebendo,   no   contacto   com   as   pessoas   que   vão   observando   os   meus   trabalhos   em   exposições,   em  

acompanhar   fotograficamente   o   dia   a   dia   deste   local   de   cultura   da   cidade.   Prontamente   aceitei,   tendo   na   altura   uma  

publicações,   nos   sites   que   os   mesmos   possuem   para   elas,  

experiência   completamente   nula   sobre   fotografia   de  

um  elemento  comum  –  Alma.     Tem  sido  um  termo  comummente  referido  e  que  muito  me  

espetáculo.     Foi   um   convite   que   jamais   esquecerei   e   que   eternamente  

apraz.  Acho  que  sou  mais  um  fotógrafo  com  (essa  dita)  alma.   O   escritor   Valter   Hugo   Mãe,   na   apresentação   de   uma   das  

agradecerei.   O   Teatro   Municipal   de   Vila   do   Conde   possui     pra6camente  

minhas   úl6mas   exposições   referia   que   o   meu   trabalho   é  

três   anos   e   é   hoje   uma   referência   no   meio   ar‡s6co  

marcado  por  um  certo  glamour.     Também   concordo   e   gosto.   Assim   sendo,   tento   que   o   ato   de  

apresentando  uma  programação  muito  variada  e  regular  nas   áreas  do  Cinema,  do  Teatro,  da  Dança,  e  da  Música.  Tem-­‐se  

criação   (comunica6va)   seja   envolto   numa   áurea   de   sensibilidade.   Não   é   fácil,   pois   obriga-­‐me   a   uma   crí6ca  

afirmado   como   um   polo   dinamizador   determinante   da   vida   cultural  da  cidade  e  do  litoral  norte  do  país.  

constante   do   que   vou   construindo   e   à   necessidade   de   uma  

Após   a   aceitação   da   tarefa   criei   em   mim   mesmo,   a  

procura/pesquisa  de  uma  permanente  inovação.      

necessidade   de   estudar/inves6gar   sobre   a   técnica   fotográfica  associada  a  esta  área  uma  vez  que  estaria  a  dar  

PS:  Ao  longo  deste  teu  caminho  na  fotografia,  foste  sempre   um   fotografo   que   te   dedicaste   a   várias   áreas,   apesar   de  

os  primeiros  passos.  Estes,  foram  muitos  complicados.     Os   espetáculos   com   a   normal   e   constante   variação   de  

umas  mais  do  que  outras.  Gostas  de  estar  preparado  para  

iluminação   criavam-­‐me   muitas   dificuldades   ao   qual   não  

novos   desafios   ou   apenas   gostas   de   experimentar   várias   oportunidades?  

estava  minimamente  habituado.     Depois   do   impacto   inicial   superado,   assumo   que   tem   sido  

JPM:   Interessante   questão!   Gosto,   antes   de   tudo,   de   me   testar  a  mim  próprio  e  de  conceber  soluções  personalizadas  

das   experiências   mais   gra6ficantes   sobre   o   ponto   de   vista   fotográfico.    

para  esses  novos  desafios  e/ou  oportunidades.    

Vivenciar   o   outro   lado   dos   espetáculos,   a   sua   construção   e  

A  abordagem  fotográfica  de  várias  vertentes  tem  permi6do   aumentar   consideravelmente   o   meu   potencial   técnico.  

realização   é   algo   único   e   ca6vante.   Ter   oportunidade   de   registar  o  outro  lado  da  cor6na  é  marcante  e  enriquecedor.  

Fotografar   desporto   cria   dificuldades   diferentes   de   registar   moda,   assim   como   fotografar   ambientes   urbanos   levantam  

E,  criam-­‐se  relações  de  amizade  com  gentes  do  palco  que  até   então   eram   ídolos   e   passam   a   ser   conhecidos   e   mesmo  

problemas   e   questões   completa   díspares   de   captar   o   ambiente   do(s)   espetáculo(s).   Mas   todos   eles   criam  

amigos.  ÚNICO...   Acompanhar   o   crescimento   do   Teatro   Municipal   de   Vila   do  

momentos   mágicos   que   atraem   a   minha   atenção.   Este  

Conde  tem  sido  uma  tarefa  mais  uma  menos  sistemá6ca  ao  

experimentalismo  tem-­‐se  tornado  muito  enriquecedor  e  tem   se   reflec6do   no   produto   final   que   vou   produzindo   nas  

longo  dos  úl6mos  anos  e  é  uma  súmula  desse  trabalho  que   está   a   ser   apresentado   graficamente   neste   número   desta  

diferentes  vertentes.  

NOSSA  revista.  

 

 

     

  PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  42        


J. Pedro Martins

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  43  


J. Pedro Martins

PS:        Qual  foi  o  trabalho  que  até  hoje  te  deu  mais  "gozo"   Isso   tem   acontecido   e   é   reconfortante.   E   para   tal,   há   que   fazer?   expor  o  que  vou  concebendo,  produzindo,  criando...   JPM:   Tenho   alguma   dificuldade   em   responder   a   esta       questão.   Gosto   par6cularmente   de   produzir   séries   de   PS:  Tens  também  inclusive  par@cipado  em  diversos  Júris  em   trabalhos.   Séries,   tendo   um   tema   central   e   em   que   os   também   diversos   concursos.   Tendo   em   conta   que   a   trabalhos   se   interligam   com   uma   linha   de   con6nuidade   Fotografia   é   uma   arte,   é   discil   avaliar   o   trabalho   de   minimamente  lógica.     terceiros?   Tenho   uma   série   com   trabalhos   a   “preto-­‐e-­‐branco”   que   se   JPM:  É  uma  experiência  diferente  mas  nada  fácil.  Analisar  a   encontra   em   fase   de   construção   à   cerca   de   5   anos   subje6vidade   interpreta6va   de   variados   fotógrafo   é   uma   denominada   “FÉ/FAITH”.   Uma   outra   focada   em   elementos   tarefa  árdua  mas  muito  enriquecedora.     de   arqueologia   industrial,   registada   em   diaposi6vos   à   espera   A   reunião   de   um   colec6vo   de   júris   é   momento   de   grande   de   uma   eventual   publicação,   centrada   sobre   a   construções   discussão,   de   defesa   de   pontos-­‐de-­‐vista,   de   interpretação   de  caravelas  e  naus  de  madeira  nos  estaleiros  navais  de  Vila   individual   e   colec6va   da   intencionalidade   dos   autores   e   de   do  Conde  em  pleno  século  XX  e  XXI.     argumentação   técnica   e   esté6ca.   São   horas   (repito   horas)   Se   houver   um   interessado   para   eventual   publicação   faça   o   para   uma   dada   decisão   que   na   maioria   das   vezes   não   é   favor   de   me   contactar.   Construí   recentemente   uma   série   unânime.   Momentos   únicos   e   inesquecíveis   de   paixão   pela   baseada  nos  “CINCO  SENTIDOS”  com  textos  do  Prof.  António   fotografia.   F.   Nabais,   já   exposta   e   uma   outra   denominada   “PHARMACIA         –  A  bo6ca  do  Zeca  no  século  passado”.  Esta,  uma  exposição/ PS:   Prémios,   também   já   és   um   colecionar   de   alguns   através   instalação   sobre   arqueologia   comercial   também   já   exibida,   dos   teus   trabalhos   fotográficos.   Como   vês   os   Concursos   centrada  no  percurso  visual  de  65  anos  de  vida  da  farmácia   fotográficos   em   Portugal?   Têm   qualidade,   vale   a   pena   dos   meus   falecidos   pais.   Uma   homenagem.   Encontram-­‐se   par@cipar?             em   fase   de   produção   mais   três   séries   de   trabalhos   mas   JPM:   A   ideia   dos   concursos   para   mim   é   um   tanto   idên6ca   ficarão,  para  já,  no  segredo  dos  deuses...   aquela   que   apontei   na   questão   anterior   sobre   a   exposição       do  meu(s)  trabalho(s).       PS:       Exposições   na   tu   vida   foram   já   várias,   mas   como   tudo   Na   realidade   se   possuímos   trabalhos,   há   que   os   dar   a   na   vida   há   sempre   um   primeira   vez,   ainda   te   lembras   da   conhecer.   Se   o   conhecimento   dos   mesmos   permi6r   ainda   a   primeira  exposição,  como  foi  a  azáfama  e  o  sen@mento  de   atribuição   de   um   ou   outro   prémio   ou   classificação,   porque   pela  primeira  vez  mostrares  os  teus  trabalhos  ao  publico?   não  tentar?   JPM:   A   primeira   com   cabeça,   tronco   e   membros   surgiu   em   Assim   sendo,   só   par6cipo   em   concursos   fotográficos   em   1992   conjuntamente   com   o   escultor   M.   Sousa   Pereira,   com   Portugal  e  no  estrangeiro  no  qual  exista  júri  de  reconhecido   quem  muito  aprendi.     mérito   e/ou   competência.   Recuso-­‐me   a   par6cipar   em   Chamou-­‐se   “2   Ar6stas   /   2   Percursos”.   O   verdadeiro   ar6sta   eventos   compe66vos   com   votações   na   internet   e/ou   redes   era   e   con6nua   a   ser,   ele.   Não   sei   como   concordei   com   o   sociais.     ‡tulo   da   exposição.   Lembro-­‐me   duma   quan6dade   Quer  em  Portugal  como  no  estrangeiro  existem  dezenas  de   assinalável   de   público   que   a   visitou,   do   balanço   muito   concursos.     posi6vo  e  de  algo  para  mim,  completamente  novo  –  vender   Os   fotógrafos   neste   momento   têm   a   capacidade   e/ou   quadros  com  fotografias.  E  foram  alguns.  Recordo-­‐me  que  os   possibilidade   de   optar   pelo   6po   de   concursos   a   que   devem   “escudos”   de   tal   exposição   permi6u   posteriormente   o   submeter   o   seu   trabalho.   Devem   ser   sele6vos   com   o   inves6mento   numa   fantás6ca   Nikon   F90   que   con6nua   a   trabalho  a  enviar  e  exigentes  consigo  próprios.     funcionar  impecavelmente.  Uma  bomba!   O  resultado  final  posteriormente,  se  verá.         PS:  Desde  aí  até  agora,  foi  um  nunca  mais  parar?  Ainda  te     dá  o  mesmo  gozo?     JPM:   Sim.   Os   trabalhos   que   vamos   concebendo   devem   ser       par6lhados.   Con6nuo   dentro   das   possibilidades   a   “despir-­‐ me”  das  minhas  imagens  e  dá-­‐las  a  conhecer  a  outros,  para     memória  futura  (ou  eterna).       É   muito   bom   ouvir   certos   espectadores   do   meu   trabalho   a   referirem-­‐se   ao   trabalho   X,   Y   ou   Z   porque   lhes   tocou   de   alguma  forma.   Como   refere   Bernardo   Pinto   de   Almeida,   “a   imagem   talvez   seja,   afinal,   apenas   a   expressão   da   coincidência   (da   simultaneidade)  da  ideia  com  a  sensação”.     Assumo   que,   me   toca   de   sobremaneira   o   facto   de   um   trabalho   meu   ter   deixado   uma   dada   sensação   num   observador   em   par6cular   e   o   mesmo,   se   referir   ao   mesmo   algum  tempo  depois.           PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  44      


J. Pedro Martins

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  45  


J. Pedro Martins

PS:   Tens   imensas   fotografias   publicadas   em   Revistas   da   especialidade,  e  um  livro,  é  um  dos  teus  projetos?   JPM:  Na  realidade,  em  2005  foi  editado,  numa  parceria  com  

JPM:   Para   mim,   tal   como   para   a   fotógrafa   Stephanie   Torbert   “a   fotografia   é   como   a   meditação:   um   momento   de   concentração.”   Mas,   por   vezes   sinto   necessidade   de   parar.  

a   Câmara   Municipal   de   Vila   do   Conde,   o   livro   de   fotografia   “O   Perfume   da   Tradição”   centrado   sobre   a   tradição   dos   Tapetes   de   Flores   em   Vila   do   Conde,   no   decurso   das   fes6vidades   do   Corpo   de   Deus.   São   96   páginas   com   119   fotografias   que   incluem   desde   o   processo   de   manufactura   das  formas  até  à  procissão  propriamente  dita,  passando  pela   concepção   e   construção   das   ditas   carpetes   de   flores.   Uma   obra  que  faltava  na  altura  em  foi  concebida  e  que  ainda  se   encontra  à  venda.  Por  outro  lado  e  numa  outra  perspec6va,   a  minha  tese  de  mestrado  naturalmente  teria  que  englobar   fotografia.  Editada  recentemente  pelas  Edições  Almedina    –   A   arte   e   os   jogos   gregos   na   An6guidade   –   compara   representações   de   a6vidades   ysico-­‐atlé6cas   na   cerâmica   clássica   grega   com   idên6cas   imagens   registadas   por   renomados   fotógrafos   despor6vos   da   contemporaneidade.   “Um  resultado  espantoso”  segundo  a  crí6ca  da  revista  Super   Foto  Digital  no  seu  número  143.      

Sinto  dificuldades  em  inovar,  em  criar  a  tal  “alma”,  referida   mais  atrás.       É   talvez   nessas   alturas   em   que   vou   registar   outras   coisas   e   mudo   completamente   de   temas   ou   de   áreas.   Necessito   de   por  vezes  me  libertar  de  um  certo  estereó6po  de  registo  que   se  torna  repe66vo.    Esta  paixão  tem  que  possuir  sempre  algo   de  novo,  de  cria6vo,  de  inovador,  de  apela6vo,  senão  como   refere   Pascal,   “as   paixões   quando   mandam   em   nós,   são   vícios.”         PS:   O   que   pensas   sobre   o   conflito   entre   imagem   digital   x   imagem  analógica?  A  fotografia  nunca  mais  foi  a  mesma  é   uma   realidade,   mas   achas   que   ganhou   ou   perdeu,   tendo   em   conta   que   no   analógico   o   trabalho   não   era   imediato,   havia  outro  glamour  na  espera  ou  nem  por  isso?   JPM:  Passei  por  ambas  as  etapas.  São  momentos  diferentes   e  marcantes  na  prospec6va  evolu6va  da  imagem.       A   imagem   não   ganhou,   nem   perdeu.   Tornou-­‐se   diferente,  

PS:  Cada  vez  que  pegas  na  máquina  começa  tudo  de  novo   para  @??  É  uma  paixão  que  não  a@nge  a  estagnação  apesar  

mais   funcional,   mais   prá6ca,   mais   aberta,   mais   generalizada,   mais  livre,  mais  democrá6ca.  

do  teu  já  vasto  curriculum?        

            PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  46      


J. Pedro Martins

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  47  


J. Pedro Martins

PS:    Como  vês  o  panorama  nacional  da  fotografia?  Portugal  está  bem  servido  de  fotógrafos  nas  diversas  áreas??   JPM:  A  fotografia  em  Portugal  está  viva,  intensamente  viva.  E  a  quan6dade  gera  uma  qualidade,  cada  vez  mais  restrita.  Existem   fotógrafos  de  al‡ssimo  nível  que  tal  como  no  passado,  dignificam  o  nome  desta  arte.  Existem  fotógrafos  com  “F”  maiúsculo  em   diversas  áreas  e  de  diferentes  gerações  que  ombreiam  com  o  melhor  que  se  faz  por  esse  Mundo  fora.         PS:    Para  seguirmos  o  teu  trabalho  onde  o  podemos  fazer?   JPM:  Os  trabalhos  apresentados  nesta  entrevista  fazem  parte  de  uma  exposição  muito  mais  vasta  que  se  encontra  (normalmente)   exposta   no   Teatro   Municipal   de   Vila   do   Conde,   denominada   “Theatrum”,   a   qual   faz   parte   do   espólio   do   mesmo   e   da   Câmara   Municipal  da  autarquia,  e  que  pode  ser  visitada.  Pretende-­‐se  com  esta  exposição  fazer  perdurar  no  tempo,  na  re6na  e  na  mente   dos   visitantes,   alguns   dos   momentos   que   têm   marcado   a   história   deste   neo-­‐Teatro.   A   mostra   contempla   diversas   vertentes   ar‡s6co-­‐culturais   que   têm   “percorrido”   o   Teatro,   bem   como   as   várias   localizações   em   que   as   a6vidades   se   têm   realizado   na   “geografia  interior”  do  espaço.   Além  desta  exposição,  os  meus  trabalhos  podem  ser  acompanhados  em:     Site  oficial:                                    Facebook:   hRp://www.jpedromarIns.com                                                                                                                                                                                    hRp://www.facebook.com/jpedro.marIns.5       Outros  sites:     hRp://1x.com/#!/arIst/69407     hRp://19730.por_olio.artlimited.net/     hRp://www.fineart-­‐portugal.com/author/259   hRp://olhares.aeiou.pt/jpedromarIns  |    hRp://www.zphoto.fr/jpfm1961/                

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  48  


editorial   fotógrafos        

Ricardo Gonçalves

Ricardo   Gonçalves   nasceu   a   11     de   Março   de   1980,   em   Faro,   cidade   que   32   anos   depois   con6nua  a  ser  a  sua  casa.  Acha-­‐se     também  100%  produto  nacional  e  com  muito  orgulho.   É     um   verdadeiro   “80s   kid”,   pois     o   ano   em   que   nasceu   teve   um   grande   impacto   naquilo   que   é   hoje,   o   ano   do   Heavy   Metal,     que   sempre   foi   e   sempre   será   a   sua   grande   paixão   e   influência   em   tudo   o   que   faz.     Neste   momento,   trabalha   numa   empresa   conhecida   pela  

    maior  parte  dos  fotógrafos  nacionais,   a  Niobo.         Ricardo  faz  também  algum  trabalho  par6cular  em  fotografia.  Deu  os  Seus  primeiros  passos       na   fotografia   em   2008,   encontrando   no   Heavy   Metal   e   nos   filmes   de   terror/horror   a   sua       grande  inspiração  para  fotografar.             Jorge  Manur:  Quem  ou  o  que  te  despertou  o  interesse  pela   JM:  És  mais  "técnico"  ou  arisIco?   fotografia?   Quando   sen@ste   ou   descobriste   que   a   fotografia   RG:   Sempre   fui   uma   pessoa   muito   teórica   e   muito   pouco   @nha  que  fazer  parte  da  tua  vida?   ar6sta.   Penso   que   em   todas   as   áreas   seja   necessário   seres   Ricardo   Gonçalves   :   Foi   uma   situação   bastante   curiosa.   Eu   bom   técnica   e   teoricamente   para   poderes   exprimir   aquilo   6ve   como   profissão,   encarregado   geral   da   limpeza   do   que  pretendes.     concelho  de  Faro,  pela  Fagar  e  uma  das  minhas  tarefas  era  a   “fiscalização”   da   limpeza,   onde   6nha   que   6rar   fotos   pela     cidade   para   poder   comprovar   os   relatórios   e   foi   a   par6r   daí   JM:   Consideras   ter   já   um   es@lo   próprio   que   te   dis@nga   de   que   comecei   a   ganhar   o   gosto   pela   fotografia.   Depois   foi   outros   fotógrafos   e   que   seja   iden@ficável   somente   pelo   comprar   a   primeira   máquina   compacta   (Canon,   hehehe)   e   ir   olhar?  Como  se  de  uma  assinatura  se  tratasse?   evoluindo.   RG:   Penso   que   para   quem   segue   o   meu   trabalho   de   início,     JM:    Há  alguém  que  te  tenha  servido  ou  sirva  de  influência?   seja  possível  iden6fica-­‐lo.  Mas  ainda  sou  apenas  mais  um  que   RG:   Uma   das   minhas   maiores   inspirações   no   início   da   6ra   fotografias.   Construindo   o   meu   caminho   sim,   mas   ainda   fotografia,   foi   um   projeto   que   conheci   no   Deviant   Art,   longe  de  me  considerar  fotógrafo.   chamado   Silent-­‐Order.   Ficava   completamente   vidrado   nas   fotos  deles.     JM:   Tens   alguma   formação   na   área   ou   és   totalmente   autodidata?   RG:   A   única   “formação”   que   tenho,   são   3   Workshops   (1   dia   cada),  2  feitos  na  Alfa  e  um  efectuado  com  o  fotógrafo  Carlos   Santos,   na   altura   o   fotógrafo   oficial   das   Suicide   Girls   em   Portugal.  O  resto,  são  horas  intermináveis  em  frente  ao  PC  a   ver  vídeos  sobre  fotografia.     JM:   "Uma   imagem   vale   mais   que   1000   palavras"   Concordas?   RG:   Nem   sempre.   Fazer   uma   imagem   que   valha   mais   que   1000  palavras,  não  é  para  todos.     JM:  Tens  algum  fotógrafo  preferido?   RG:   A   nível   nacional   existem   excelentes   fotógrafos,   neste   momento   sigo   par6cularmente   o   trabalho   de   1   que   acho   fantás6co:   Mário   Príncipe.   Como   fotógrafo   “LENDA”,   obviamente  o  Joel  Peter  Witkin.     JM:   Quando   fotografas   pessoas,   pretendes   captar   a   sua   beleza  ou  a  sua  alma?   RG:   Uma   coisa   implica   a   outra.   Se   não   conseguires   captar   a   alma  da  pessoa,  não  consegues  captar  a  sua  beleza.     JM:   O   que   pretendes   expressar   com   os   teus   trabalhos   fotográficos?   RG:   Não   existe   nenhuma   mensagem   específica   cá   para   fora.   O   que   sai   do   meu   trabalho,   é   apenas   aquilo   que   sinto   no   momento  em  que  estou  a  fotografar.     PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  49    


Ricardo Gonçalves

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  50  


Ricardo Gonçalves                          

                         

                    JM:     O   que   te   mo@va   a   fazer   o   @po   de   fotografia   que   nos   apresentas?   RG:   A   principal   razão   é   o   facto   de   fazer   aquilo   que   gosto   e   como   compensação   ser   diferente   do   que   se   vai   vendo   por   ai.   Hoje   em   dia,   em   cada   esquina   existem   1001   “fotógrafos”,   uns   cópias   dos   outros.   Eu   quero   ir   construindo   o   meu   porŒólio,   para   daqui   a   uns   bons   anos,   quando   me   considerar   fotógrafo,  ser  uma  referência  e  não  apenas  mais  um.  

                    Tal   como   an6gamente,   fotografar   era   uma   arte,   revelar   era   outra.     JM:   Qual   a   importância   da   edição   para   as   tuas   fotos?   O   fotógrafo   deve   ter   o   completo   controlo   de   todo   o   fluxo   da   sua   fotografia,   ou   pode   delegar   algumas   etapas   noutros   profissionais?   RG:   A   pós-­‐produção   nas   minhas   fotos   é   tão   importante  

  JM:   O   que   podemos   "ler"   de   @,   ao   visualizarmos   as   tuas   fotos?   RG:  Que  efe6vamente,  prefiro  a  sombra,  à  luz.     JM:   Em   geral,   numa   sessão,   quantas   fotografias   Iras   até   encontrares  aquela  que  consideras  "  a  certa"?   RG:  No  geral,  não  sou  uma  pessoa  que  6re  muitas  fotos  por   sessão,   disparo   cerca   de   300   fotos   por   sessão.   Mas   “a   fotografia”,   tanto   pode   ser   a   primeira,   como   a   úl6ma.   Isso   não   depende   apenas   de   mim,   mas   de   todos   os   que   estão   incluídos  na  sessão.  

quanto   a   pré-­‐produção   e   a   fotografia   em   si.   Penso   que   o   fotógrafo  deve  ter  controlo  total  da  sua  sessão,  desde  a  pré-­‐ produção  até  pós-­‐produção.  Estar  a  relegar  a  pós-­‐produção  a   outra   pessoa,   é   deixares   que   parte   da   magia   da   foto   seja   escolhida  por  outra  mente.   Se  me  deres  uma  foto  para  tratar  no  Photoshop,  eu  consigo   devolver-­‐te   4   ou   5   versões   com   ambientes   completamente   dis6ntos,  da  mesma  foto.     JM:   Gostas   de   ser   fotografado?   Ou   "em   casa   de   ferreiro   espeto  de  pau"  ?  :)   RG:  Odeio!     JM:  Achas  que  tens  ins@nto  para  a  fotografia,  ou  é  algo  que   tens  que  planear  atempadamente?   RG:   No   6po   de   fotografia   que   faço,   por   mais   ins6nto   que   tenhas,  se  não  planeares  as  coisas  atempadamente,  não  irás  

JM:    Photoshop:  sim  ou  não  e  porquê?   RG:   Claro.   A   fotografia   sempre   foi   manipulada,   na   altura   do   analógico,   com   químicos,   hoje   em   dia,   no   Photoshop.   Na   minha   visão,   o   Photoshop   é   uma   arte   que   complementa   a   fotografia.              

conseguir   bons   resultados.   Este   6po   de   sessão   envolve   sempre  várias  pessoas,  nunca  o  conseguirias  fazer  sozinho.  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  51  


Ricardo Gonçalves

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  52  


Ricardo Gonçalves JM:   O   que   dificulta   para   a   fotografia   ser   entendida   como   arte   ao   nível   da   pintura   ou   escultura?   Achas   que   em   Portugal  existe  um  bom  mercado  “Fineart"?   RG:  Penso  que  a  pouca  autoexigência,  que  existe  da  parte  de   quem  6ra  fotografias  contribui  para  que  isso  aconteça.  Hoje   em   dia   toda   a   gente   é   ar6sta.   Compras   uma   máquina   qualquer,   6ras   meia   dúzia   de   fotos   e   tens   um   grupo   de   amigos   que   acham   que   és   o   maior   da   tua   rua   e   pronto,   és   ar6sta.   Penso   que   a   nível   de   pintura   e   escultura   isso   é   bem   mais   diycil   acontecer,   pois   o   teu   trabalho   é   avaliado   por   profissionais  consagrados.  Se  não  fores  bom,  não  há  amigos   que  te  salvem.  

   

JM:  Há  alguma  fotografia  que  tenhas  @rado  da  qual  gostes   mais?   Uma   que   para   @   tenha   um   valor   sen@mental   ines@mável?   RG:  Aquelas  que  6rava  aos  15  ou  16  anos,  quando  passava  os   3  meses  de  férias  na  praia,  com  os  meus  amigos.  E  claro,  as   fotos  dos  meus  gatos.   JM:   O   que   achas   necessário   para   te   destacares   num   mercado  tão  compe@@vo  como  o  da  fotografia?   RG:   Não   faço   disso   uma   obsessão,   vou   construindo   o   meu   caminho,   fiel   aos   meus   princípios.   Penso   que   se   con6nuar,   algum  dia  me  irei  conseguir  destacar,  pelo  trabalho  que  faço   e  não  porque  sou  amigo  deste,  ou  daquele.   JM:  Há  momentos  em  que  todos  te  dizem  que  gostam  desta   ou  daquela  foto,  mas  tu  sentes  que  falta  qualquer  coisa?   RG:  Acontece  várias  vezes,  a  minha  foto  preferida  da  sessão   não  ser  a  que  tem  mais  sucesso  depois  de  publicada.     JM:   Quando   tens   a   certeza   que   a   foto   que   Iraste     é   realmente  uma  boa  foto?   R:  Não  tenho.     JM:   Antes   de   publicares   as   tuas   fotos,   pedes   a   opinião   a   alguém  ou  "vais  atrás  do  teu  coração"?   RG:  A  seleção  das  minhas  fotos  é  sempre  feita,  por  mim,  pela   minha   irmã   e   pela   minha   namorada.   Nunca   escolho   fotos,   sozinho.   JM:   Dá   um   exemplo   de   um   @po   de   fotografia   que   nunca   farás.  Porquê?   RG:   Pouco   tempo   depois   de   começar   a   fotografar,   dizia,   nunca  irei  fotografar  isto  ou  aquilo.  Hoje  em  dia,  não  tenho  a   mesma  opinião,  penso  que  em  tudo  o  que  fotografes,  ganhas   sempre   alguma   coisa,   nem   que   seja   a   certeza,   que   nunca   mais   queres   fotografar   tal   coisa.   Sem   passares   pela   experiência,  nunca  saberás.  

   

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  53  


Ricardo Gonçalves

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  54  


Ricardo Gonçalves

JM:  Achas  que  o  equipamento  que  se  usa  influi  no  @po  de  foto  que  se  faz?   RG:   Claramente.   Como   em   tudo.   Não   vais   ganhar   uma   corrida   da   Formula   1,   num   calhambeque,   nem   nunca   irás   correr   uma   maratona,  com  umas  All-­‐Star  calçadas.     JM  Quais  os  teus  projetos  atuais  e  o  que  podemos  esperar  daqui  para  a  frente?   RG:   De   momento   tenho   planeado   2   ou   3   novos   sets,   para   as   Suicide   Girls   e   mais   um   ou   outro   projeto   pessoal.   A   única   coisa   que   posso  prometer  é  con6nuar  a  fazer  as  maluquices  que  me  vierem  à  cabeça  :D.   JM:  "Sights  From  Beyond":  fala-­‐nos  um  pouco  desse  teu  projeto   RG:  Foi  um  projeto  que  se  iniciou  poupo  tempo  depois  de  eu  ter  começado  a  fotografar.   Penso  que  a  descrição  que  conseguimos  está  perfeita:    Fotografia,  moda  e  maquilhagem  são  as  três  vertentes  que  se  uniram  e   deram  origem  ao  grupo  “Sights  from  Beyond”.         Numa   visão   dominada   pelo   gó6co,   pela   temá6ca   do   terror,   fantasia   e   pelo   es6lo   que   é   caracterizado   por   muitos   como   sendo   alterna6vo,  o  grupo  apresenta  uma  colectânea  de  trabalhos  com  detalhes  que  primam  pela  diversidade.       Sights  from  Beyond”    é  composto  por  Ricardo  Gonçalves  como  fotógrafo  e  responsável  pela  pós-­‐produção,  por  Marisa  Amaro   como   responsável   de   moda   e   modelo   e   por   Joana   Gonçalves   como   responsável   de   moda,   maquilhagem   e   cabelos   e   pretende   transmi6r  as  suas  proporcionando  a  todos  um  espetáculo  onde  o  mundo  do  imaginário  ganha  vida,  e  as  personagens  que  nele   habitam  pretendem  surpreender  o  espectador.     Ricardo  Gonçalves  |    h4ps://www.facebook.com/ricardo.goncalves.100                                                                      |    h]ps://www.facebook.com/SightsFromBeyond        

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  55  


Ricardo Gonçalves

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  56  


grupos                 Memorizem  esta  sigla:  

N.A.F.A 1º  encontro  fotográfico    NAFA    

!

  N.A.F.A.  (Núcleo  de  Amigos  Fotógrafos  do  Algarve)       N.A.F.A.  é  epíteto  de  “carolice”,  empenho  e  perseverança;  de   a6tude,   bondade   e   par6lha;   de   inicia6va   e   sobretudo   paixão.   São   também   os   atributos   que   definem   a   personalidade   dos   seus  fundadores,  três  jovens  algarvios  que  um  dia  se  juntaram   à   mesa   de   um   café   e   quase   em   consonância,   afirmaram   a   necessidade  de  movimentar  o  gosto  pela  fotografia  para  além   da   fronteira   dos   seus   próprios   espaços,   preferências   e   conhecimentos.     João   Ribeiro,   Bruno   Lima   e   Ruben   Cavaco,   três   amigos   residentes   na   bela   cidade   de   Tavira,   nutrem   pela   fotografia   o   mesmo   sen6mento   e   empa6a   e   foi   nesse   sen6do   que   decidiram   criar   um   grupo   no   Facebook,   que   fosse   vocacionado   para   as   várias   vertentes   da   fotografia,   nomeadamente   um   grupo   que   promova   inicia6vas   fotográficas   no   Algarve,   pontualmente   na   zona   da   cidade   de   Tavira,   quer   através   de   encontros   fotográficos   com   os   membros   ou   em   eventos   municipais   ou   distritais   que   visem   o   apoio   solidário   e   divulguem   desta   zona   do   País   tão   rica   em   paisagens,   arquitetura,  gentes  e  fauna  diversificadas.     No   decorrer   do   caminho   têm-­‐se   deba6do   com   alguns   problemas  burocrá6cos  e  logís6cos  para  além  da  falta  de  apoio   material   sempre   necessário   quando   se   movimentam   dezenas   de   pessoas   em   torno   de   um   evento,   pelo   que   estudam   a   hipótese   de   o   grupo/núcleo   evolua   e   passe   a   ser   uma   associação,   mantendo   o   mesmo   espírito   que   o   viu   nascer.   Este   sen6mento   fica   vincado   nas   palavras   de   João   Ribeiro,   (fundador   do   grupo   e   um   dos   principais   dinamizadores   do   mesmo),  o  qual  passamos  a  citar:     “Quando   criamos   este   grupo   foi   com   o   objec6vo   de   unir   as   pessoas   que   têm   um   interesse   em   comum:   -­‐   o   gosto   pela   fotografia.  Existe  no  nosso  concelho  essa  lacuna,  alguma  coisa  

! 2º  encontro  fotográfico    NAFA    

que   nos   ensine   e   que   nos   mo6ve   para   aprendermos   mais   e   levarmos  o  nosso  interesse  mais  além.  Os  eventos  que  temos   organizado,   demonstram   que   existem   cada   vez   mais   apaixonados   pela   fotografia   e   cada   vez   mais   pessoas   que   querem  aprender  mais  sobre  o  assunto           PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  57    

!


n.a.f.a. No  fim  de  cada  evento  e  no  diálogo  que  fazemos  com  todos   as   pessoas   presentes,   fazem-­‐nos   chegar   que   querem   mais   eventos,  ou  explorar  outras  áreas  da  fotografia.  Pois  bem,  nós   mesmos   sen6mos   isso,   e   queremos   trazer   para   Tavira   as   mesmas   oportunidades   que   outros   concelhos   oferecem   dentro   da   área   da   fotografia.   Para   isso   e   para   fazermos   coisas   diferentes  como  workshops,  cursos,  exposições  colec6vas  ou   concursos,  precisamos  de  APOIOS.  Na  nossa  busca  de  apoios   para   o   Núcleo   Amigos   Fotógrafos   do   Algarve,   impõe-­‐se   um   entrave:   -­‐   "vocês   não   são   uma   associação   ou   uma   enMdade   legal,   por   isso   legalmente   não   podemos   apoiar."     Esta   é   a   resposta   que   ouvimos,   e   por   isso   antes   de   tomarmos   qualquer   decisão,   decidimos   ques6onar   os   membros   do   grupo,     (por   isso   somos   um   núcleo)   se   por   algum   acaso   do   des6no   decidíssemos   enveredar   pelo   caminho   do   associa6vismo   em   prol   da   fotografia   e   da   sociedade   Tavirense,   quem   estaria   connosco.   Os   princípios   do   grupo   estão   lá,   os   ideais   que   tanto   nos   movem   a   fazer   os   eventos   em  que  todos  par6cipam,  esses  estão  lá,  (…)  mas  entenda-­‐se   que   “virar”   uma   associação   tem   custos,   manter   uma   associação   tem   custos,   mas   o   retorno   que   cada   um   de   nós   irá   6rar   daí   é   muito   maior   que   qualquer   quan6a   insignificante   que   venha   a   ser   a   quota.     Só   o   facto   de   podermos   ter   uma  

este   evento   teve   ainda   como   obje6vo   principal   divulgar   a   candidatura   da   Ilha   de   Tavira   ao   concurso   "7   Maravilhas   de   Portugal   -­‐   Praias   de   Portugal",   e   o   mais   recente,   "Passeio   Noturno   Cidade   De   Tavira",   realizado   no   dia   14   de   Abril   de   2012.   Para   o   restante   ano   de   2012,   estão   já   planeados   diversos  eventos  que  com  certeza  enriquecerão  ainda  mais  o   interessante   "curriculum"   deste   grupo   cheio   de   inicia6va,   estando   já   a   decorrer   o   desafio   “Retratos   Tavirenses”,   durante  o  mês  de  Maio,  (dias  12,19  e  26  entre  as  09:00  e  as   11:30  horas)  e  que  tem  como  objec6vo  retratar  o  máximo  de   Tavirenses  possível  nesse  período  de  tempo.  A  meta  a  a6ngir   são   os   400   retratos,   que   irão   fazer   parte   integrante   de   um   evento  comemora6vo  do  Dia  da  Cidade  (24  de  Junho).                      

sede,   onde   nos   possamos   reunir,   fazer   tertúlias,   conversarmos   sobre   o   que   gostamos,   usufruir   da   vasta   biblioteca  sobre  fotografia  que  temos,  seja  em  digital  ou  em   livros   e   revistas,   só   isso   já   vale   a   pena.   Podemos   juntos   de   uma   forma   associa6va   fazer   mais   e   melhor   pela   fotografia.   Juntos   podemos   elevar   a   fasquia   da   fotografia;   juntos   podemos   mostrar   aos   jovens   e   menos   jovens   que   a   fotografia   faz-­‐nos   chegar   onde   quisermos,   faz-­‐nos   sonhar,   apreciar   a   natureza   e   apreciar   o   belo   constantemente   através   das   nossas   objec6vas.   Quero   apenas   que   todos   percebam   que   apenas   3   abraçaram   este   projeto   inicialmente   e   que   agora   com  as  mesmas  vontades,  gostos  e  sonhos  já  somos  230  em   apenas   3   meses   de   vida,   vamos   unir   esforços   e   levar   os   nossos   ideais   mais   além.   Contamos   convosco.”   Desde   o   seu   recente   nascimento   até   à   presente   data,   este   a6vo   grupo   passou  das  ideias  em  papel  para  a  prá6ca  e  o  resultado  está  à   vista:   de   meia   dúzia   de   membros,   o   grupo   cresceu   para   os   atuais  230  membros,  num  espaço  de  três  meses,  tendo  até  ao   momento   desenvolvido   e   posto   em   prá6ca,   (para   além   de   várias   intervenções),   três   encontros   fotográficos,   respec6vamente:   -­‐   "Passeio   Fotográfico   "Amendoeiras   em   flor"   TAVIRA,   realizado   no   pretérito   dia   19   de   Fevereiro   de   2012;   Passeio   Fotográfico   "Ilha   de   Tavira   -­‐   A   Maravilha   de   Portugal",   dia   18   de   Março   de   2012,   com   a   par6cularidade   de   dar  a  conhecer  a  Ilha  de  Tavira  e  proporcionar  aos  membros  e   amigos   do   Núcleo   mais   uma   experiência   enriquecedora   na   troca  de  conhecimentos  sobre  a  arte  da  fotografia,  sendo  que  

3º  encontro  fotográfico  Nafa  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  58  

!


n.a.f.a.

! Ficaremos   atentos   ao   crescimento   deste   núcleo   que   sonha   um   dia   tornar-­‐se   uma   associação,   até   lá   podemos   vê-­‐lo   aqui:   h]ps://www.facebook.com/groups/nafatavira/    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  59  


concursos  

Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Maria  João  Rijo  |  Cegueira  |  Casa  de  Camilo  Castelo  Branco  –  Seide  |  Mar  2009  –  FOTO  VENCEDORA  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  60  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Jorge  Manur  |  A  rainha  da  penumbra  |  Tavira  |  Nov  2011  

José  Alpedrinha  |  Abóboras  |  Alentejo  |  Dez  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  61  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Anita  Nunes  |A  tua  magia  |  Data-­‐-­‐10/12/2011  |  Local—Sintra    

João  Ribeiro  |  Titulo:  Torre  na  Penumbra  da  Lua  |  Tavira  |  Out  2011    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  62  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Ana  Luar  |  Quero  amigos    |  Loures  |  Jun  2007  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  63  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Maria  J.  Chaby    Lara  |Na  soleira  da  porta  |  Almoçageme  |Jan  2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  64  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Nuno  Nóbrega  |  Vasco  da  Gama  |  Lisboa  |  Fev  2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  65  


editorial  

Penumbra

Helena  Miguel  |  A  vigilante  da  penumbra  |  Belmonte  |  Ago  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS    |  66  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Dário  Lemos  |  Levantai  |  Caldas  da  Rainha    

Afonso  Chaby  Rosa  |  Homenagem  a  Eduardo  Gageiro  |  Minha  casa  |  2010  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  67  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Maria  Lázaro  |  Titulo  -­‐  J.  |  Local  –  Casa  |  Data  -­‐  Janeiro  2012  

Jorge  Fernandes  |    "Light  li•"  |  Ilha  do  Pico,  Açores  |  Jan2011  

António  Sousa  |  Na  penumbra  do  meu  escritório  |  Abr2012    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  68  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Paulo  Sarfaty  |  Luar  na  Ponte  |  Lisboa  |  Abr  2012    

Dominique  Abreu  |  Night  Light  |  Braga    |  Mar2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  69  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Manuel  Magalhães  |  Penumbra  |  Pateira  de  Fermentelos  |  Jan  2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  70  


Penumbra

Luís  Felício  |  Titulo:      Spooky"  |  Almada  |  Dez  2011  

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Fá6ma  Condeço  |  Solitária  |  Copenhaga  |  Ago2010  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  71  


Penumbra

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Pedro  Sarmento  |  Ilumina-­‐me  a  subida  |  Casa  Anderson  –  Porto  |  Out2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  72  


Penumbra

Graça  Quaresma  |  Penumbra  2  |  Ilha  das  Flores,  Açores  |  Jul  2011  

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Vítor  Rocha  |    "Dark  Tree"  |  Monção  |  Abr  2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  73  


concursos  

Chuva

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Afonso  Chaby  Rosa  |Homem  com  guarda-­‐chuva  |  Estocolmo  |2010  –  FOTO  VENCEDORA  

Antonio  Sousa  |  Gotas  de  Prata  |  Alcochete  |  Out  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  74  


Chuva

Mjoao  Rijo  |  Chuva  lá  for  a  |  Fradelos    |  Abr  2012  

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Jorge  Manur  |Velvet  Rain  |  Tavira  |  Abr  2007  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  75  


Chuva

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Fá6ma  Mendes  |    "Chuva  na  noite"  |  Seixal  |  Set  2010  

Fá6ma  Condeço  |  Ironmens    |  Regensburg  |  Ago  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  76  


Laura  Mexia|Miss  you  more  when  it's  raining  |Monchique  |  Abr  2001  

Dominique  Abreu  |  Reino  Molhado  |  Vila  Verde,  Braga  |  Abr  2012  

Chuva

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  77  


Chuva

Helena  Miguel  |  Uma  flor  à  chuva  |  Tavira  |  Nov  2011  

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Jose  Alpedrinha  |  Vinha  Virgem  |  Carcavelos  |  Jun  2009  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  78  


Chuva

Anita  Nunes  |  Storm  Days  |  S.Pedro  de  Moel  |  Mar  2012  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  79  


Chuva

Luis  Felício    |  Wet  Palace  |  Convento  de  Cristo  em  Tomar  |  Abr  2012  

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

Miguel  Quesada  |  A•er  Rain  |  Lisboa  |  Nov  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  80  


Chuva

Sónia  Cardoso  Sardinha  |  Pela  minha  janela  |  Lisboa  |  2012  

Victor  Rocha    |  “Chuva  no  Lago"  |  Monção  |  Abril/12  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  81  


Chuva

Pedro  Sarmento  |  Love  in  the  rain  |  Porto  |Nov  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  82  


concursos  

interiores

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Fá6ma  Condeço  |A  curva  |    Copenhaga  |  Ago  2010  |  FOTO  VENCEDORA  

Maria  José  Chaby  Lara  |Museu  do  Oriente  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  83  


interiores

Fá6ma  Mendes  |Estejam  à  vontade...!  |  Seixal  |  Mai  2012    

Luís  Felício  |  Living  Room  |  Queluz  |  Out  2011  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  84  


interiores

Afonso  Chaby  Rosa  |Conforto  Rús6co  |  Beira  -­‐  Serra  do  Açor  |  2010    

Jorge  Fernandes  |  Bem-­‐vindos  |  Angra  do  heroísmo  |  Out  2010  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  85  


Vítor  Rocha  |  Lago  Vigiado  |  Por6mão  |  Set  2011    

Maria  Lázaro  |Luxo  |  Queluz  |  Out  2011    

interiores

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho  

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  86  


interiores

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   José  Alpedrinha  |Luzes  da  noite  na  janela  |    Porto  Covo  |  Jun  2011  

António  Sousa  |  Palácio  de  Queluz  |  QUELUZ  |  Abr  2006    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  87  


interiores

Maria  João  Rijo  -­‐  À  boa  maneira  portuguesa  -­‐  Espinho   Pedro  Sarmento  |  Informa6on  Hall  |  Casa  da  Música|  Mar  2012    

M.  João  Rijo  Sem  6tulo  |  Riba  D’Ave  |  Abr  2011    

PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  88  


PHOCAL  PHOTO  VISIONS  -­‐  90  


Revista Phocal Photovisions Nº 03 - Maio 2012