Page 1


Novo livro de José Roberto Santos Neves resgata memória do rock capixaba O rock'n roll capixaba está recheado de histórias engraçadas, curiosas e até trágicas. A disputa entre metaleiros e punks, por exemplo, se deu entre garrafadas e o corte do cabelo longo de um amante do heavy metal. Para contar essas e outras histórias, José Roberto Santos Neves fez uma ampla pesquisa em jornais da época e mais de setenta entrevistas com os personagens dessa cena. Daí, nasce o livro “Rockrise: a história de uma geração que fez barulho no Espírito Santo”, a ser lançado no dia 19 de abril, na Estação Porto, no Centro de Vitória. O enredo começa na década de 60, com Mamíferos, The Bats e Les Enfants, percorre a década de 70 e foca a década de 80, com bandas como Thor, Pó de Anjo e The Rain. O Lordose pra Leão também entra na narrativa, que vai até a década de noventa. O nome Rockrise é uma homenagem à música homônima da banda Thor, primeira gravação de heavy metal feita no Espírito Santo, em 1986.

No lançamento, o público poderá relembrar ou conhecer sucessos do rock autoral capixaba. Uma banda-base coordenada por Alexandre Lima vai lembrar o som de conjuntos citados no livro, como Thor, Lordose pra Leão, Pó de Anjo, Combatentes da Cidade, Camisa de Força, The Rain e Urublues. Componentes de bandas “das antigas”, como Juca Magalhães, Fábio Boi e Anderson Bacana, já confirmaram uma canja e o autor, que acompanhou a cena roqueira da cidade como baterista nos anos 80 e 90, tocará em uma parte do show. A festa conta ainda com a participação do Siecrist, que se juntará depois de cinco anos para tocar duas músicas no lançamento, e do Lordose pra Leão, que fará um ensaio aberto, fechando a noite.


Nascido em Vitória (ES), em 1971, José Roberto Santos Neves é formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), com pósgraduação em Gestão em Assessoria de Comunicação pela Faesa. Trabalha no jornal A Gazeta desde 1994, onde exerce atualmente a função de editor do Caderno Pensar. Vindo de uma família de escritores, como os tios Reinaldo e Luiz Guilherme Santos Neves, cresceu cercado de livros e escreve desde pequeno. Chegou a cursar Administração antes de entrar no curso de Jornalismo. O gosto pela música vem da adolescência, época em que aprendeu a tocar bateria e fez parte de bandas como Seven, The Rain, Skelter e Hell. Desse gosto e da falta de espaço para a juventude nos jornais locais, surgiu a ideia da página Fanzine, que foi seu projeto de graduação na Universidade. Como baterista, gravou

os CDs "Hidden Melody" (1994), da banda The Rain, e "Todo dia é dia de blues" (2003), da Big Bat Blues Band. É autor dos livros "Maysa" (2004), a primeira biografia da cantora Maysa, e "A MPB de Conversa em Conversa" (2007), reunindo bastidores de 40 entrevistas com grandes nomes da música popular brasileira, publicadas originalmente entre 1995 e 2005, no jornal A Gazeta. Produziu, ainda, roteiros para as edições de 2010 e 2011 do espetáculo “Um canto Solidário”, o primeiro sobre Cazuza e o segundo sobre a Tropicália. Além destes, roteirizou os shows Viva Maysa (2008) e Essas Mulheres – Elis Regina (2011).


É rico o que traz José Roberto Santos Neves à cena jornalística e literária capixaba. Mais ainda quando ele fala de música, sua praia desde sempre. Depois de “Maysa” e “A MPB de conversa em conversa”, aterrissa “Rockrise – A história de uma geração que fez barulho no Espírito Santo”. Aterrissar é pouco. Na verdade, o livro é um convite à decolagem. Leva a gente aos anos 80, mas passeia também por outras décadas, sem compromisso com ordem de chegada. Desse caleidoscópio do tempo, vem à tona um envolvente apanhado da música que, naquelas últimas décadas do século passado, marcou época no ES. José Roberto, com quem trabalhei em A Gazeta lá pelos 1990 e tantos, compõe aqui uma viagem para além do universo de jornalista e escritor, áreas nas quais sempre foi um sujeito luminoso, cheio de predicados. Naquela época, ele era baterista da banda The Rain. E mantém a agilidade das mãos quando assume o teclado para escrever. A música mora nele, e a partir daí é que a narração da história flui feito em um bom arranjo. Enlaça. Em “Rockrise”, a ferveção musical capixaba

dos anos 80 surge focada na origem: o aprendizado pós-revolução cultural dos 70 (depois de tudo veio a era Jetsons, que começou nos 90). A história de uma geração abordada no livro situa roqueiros, punks, metaleiros, hardcores, populares, uma constelação imensa. É apurado o foco na atitude transgressora, que desembocou em tantas vertentes musicais, literárias e culturais. E aí surge outra cereja de “Rockrise”: a música compreendida como atitude. Que é o que ela é. Não espere cronologia, não é documentário. A sacada legal de José Roberto é a de trazer a teia cultural que, desde muito antes da internet, faz pontes entre os músicos capixabas e o mundo. Ele dá um mergulho de marreco nos tempos em que o idioma inglês atingiu no Brasil um nível avassalador de popularidade, épocas marcadas na cena roqueira por inesquecíveis versões de sucessos dos EUA cometidas por Rossini Pinto, entre outras pictchuras. Contextualizada no Espírito Santo, principalmente em Vitória e Vila Velha, a costura de “Rockrise – A história de uma geração que fez


barulho no Espírito Santo” é precisa. Faz mais que jus ao subtítulo. Você vai gostar de “interagir” (uma boa leitura pressupõe possuir e ser possuído pelo universo abordado) com personagens emblemáticos, queridos. Quais sejam? Algumas iscas são Rogério Coimbra e todos os sensacionais do antológico Os Mamíferos, Fabinho Boi, da Banda Thor; Alexandre Lima, Mahnimal; Juca Magalhães e Mário Gallerani Jr., da Pó de Anjo; o Combatentes da Cidade... Tem um monte. São todos perfis intensos na composição do fio que tece a história do rock capixaba. Dorock e do pós-rock, do heavy, do punk, de todos os rockockós possíveis.

Aproveite, pois há momentos em que ler José Roberto abre canais para alguma entidade levar você aonde quer que ele se refira. Quando criança, eu sentia isso lendo Monteiro Lobato. “Rockrise”, claro, passeia bem passeado por points que marcaram época em Vitória na composição do cenário do roquenrou contemporâneo. Aí vem vindo o velho e fantástico Saldanha, o Rock House, primeiro videobar de Vitória, em Santa Lúcia (foi fantástico, mas não durou nem um ano); o Dose Dupla, na Praia do Canto... E, claro, a Lama, o universo paralelo mais bemintegrado que poucos terão visto em vida. Ô abre alas no seu coração.

Em meio a tudo isso, também vem à tona um aspecto curioso de outros tempos: os fantásticos grandes donos de lojas de discos e posteriormente de CDs de Vitória, como o ícone Golias e os irmãos Tiussi, em Campo Grande. E o autor atenta, ainda, à transição entre o formato bolachão – o disco de vinil, que muita gente hoje não saberá do que se trata se não consultar o Google – para o CD, há tempos na rota do desgaste. Engrenagens do mundo musical.

Deleite-se. O rock convida. E o abraço de seus tentáculos é bom.

Chico Neto


“Rockrise: a história de uma geração que fez barulho no Espírito Santo” Quando: 19 de abril, 19h Onde: Estação Porto, Armazém 5 do Porto de Vitória, Centro. Preço do livro: R$ 30,00 no lançamento Quem toca: Banda-base coordenada por Alexandre Lima, Siecrist, Lordose pra Leão. Participação: Anderson Bacana, Cauby Figueiredo, Fábio Boi, Juca Magalhães, Lucio Manga.


Maysa – História da vida de uma das cantoras mais conhecidas da MPB.

MPB de conversa em conversa – Bastidores de entrevistas com quarenta grandes nomes da música nacional.


PatrocĂ­nio

Compras

www.jrsantosneves.com.br

Assessoria

27 3329 4000 / 3062 1987 contato@animacomunicacao.com


Rockcrise Presskit  

Material para imprensa sobre o lançamento do livro Rockcrise de José Roberto santos Neves

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you