Page 1

Edição 185 - Outubro de 2011

Organomineral Uma nova forma de adubar “Aconselhei os fabricantes de matéria orgânica, a adicionarem um pouquinho do adubo mineral fosfatado. Venderam para cafeicultores. Agora só querem essa mistura. O fósforo ajuda na florada.”

Vânia Marques

N

o início de sua carreira, nos anos 40, o professor Edmar Kiehl recebeu como material de pesquisa um tema que não despertava nem um pouco, o interesse dos pesquisadores da época. A adubação orgânica. Hoje, setenta anos depois, o professor é um especialista no assunto, já escreveu seis livros, todos defendendo o uso da matéria orgãnica. Nem por isso, descarta o uso do adubo mineral. “Eliminar completamente o emprego de fertilizantes minerais é insensatez. Sem eles, seria impossível produzir alimentos para todos”, diz. Muito pelo contrário, fruto de seus estudos, há alguns anos, o professor vem propondo uma nova forma de adubação que

valoriza a união dos dois tipos de adubos. A receita é simples: substituir a metade do adubo mineral por matéria orgânica decomposta. Pesquisas realizadas ao longo de 10 anos, comprovaram que a mistura dos dois fertilizantes fornece à planta todos os nutrientes que ela precisa. A matéria orgânica potencializa o aproveitamento dos nutrientes pelas plantas, pois atrai e retém todos os minerais, explica o professor. “É uma mistura perfeita. Dá o mesmo resultado da adubação convencional”, diz. Ao reduzir pela metade, o uso do adubo mineral, o “organomineral”, como foi batizada a mistura, traz um benefício ambiental, pois utiliza resíduos para compostagem, substitui um produto que tem sua fonte esgotável e economia para o

Vânia Marques / Fotos: Otoniel Franco

U

m dos momentos de maior prazer para o criador do organomineral, é ver a sua idéia sendo adotada por algum produtor rural. Na fazenda Ponto Alegre, município de Cabo Verde, no sul de Minas, o professor Kiehl teve uma destas alegrias. Por um dia, o mestre se transformou em aluno e acompanhou atentamente, as explicações dos cafeicultores Renato e Eduardo,

que há seis anos, foram à Piracicaba buscar as primeiras orientações com o professor para implantar a adubação organomineral nas lavouras de café. Hoje, não só utilizam, como produzem o próprio fertilizante na propriedade. Para o composto, utilizam esterco animal. casca e folhas de café, pó de serra e todo o resíduo que encontram. O processo de compostagem é feito em um ano para ser usado na safra seguinte. Segundo Eduardo, utili-

O professor Kiehl esteve na Fazenda Ponto Alegre, em Cabo Verde, sul de Minas, para acompanhar a produção do fertilizante organomineral. Leia na página B4

bolso do produtor. O adubo orgânico custa cerca de dez vezes mais barato que o mineral. “Quimicamente falando, para a planta, tanto faz o nutriente vir do fertilizante mineral ou da matéria orgânica”, diz

Palha de café, folhas, pó de serra e esterco bovino se transformam em adubo orgânico para a mistura com o mineral: >>> zando a mistura de 1,5 de orgânico para 1 de mineral, eles vêm conseguindo uma economia de R$ 800,00 por hectare. Além disso, revela que jamais conseguiu um teor de fósforo tão elevado na análise das folhas do cafeeiro.

o professor, completando: “para o produtor o que importa é isso, olha”. (Esfrega o dedor polegar fazendo sinal de dinheiro). Até 1982, não existia no Brasil, uma legislação para a dubação orgânica.

1 - Compostagem A compostagem é o segredo da matéria orgânica. Só depois que ela se transforma em húmus, é que fornece os nutrientes às raízes. A decomposição gera um calor de 60°. É preciso remexer porque a parte externa não se aquece.

Dentro da lei: O grande marco para os fertilizantes orgânicos aconteceu em 1982, quando o professor Kiehl, acompanhado de um grupo de produtores, foi à Brasília pedir ao ministro da Agricultura a inclusão daquela nova categoria na legislação brasileira. A lei define que a mistura não pode ter menos de 50% de matéria orgânica e que cada nutriente tenha, no mínimo, o teor indicado, com tolerância de 1% na soma de N+P+K.

Preparo: O preparo do fertilizante organomineral tem sido feito quase que exclusivamente pelas indústrias. No Brasil, existem hoje cerca de 30 fábricas instaladas. Apenas três materiais são mais utilizados: turfa, linhito e cama de aviário. Entretanto, a mistura dos fertilizantes orgânicos com os minerais pode ser feita na propriedade agrícola, pelo próprio agricultor. Para o composto organico, o professor aconselha utilizar as fontes, de origem animal ou vegetal, mais fáceis de se encontrar como esterco, palha de café e lixo orgânico domiciliar. A fonte não importa, o importante mesmo, diz, é a decomposição. O húmus é que é o segredo da matéria orgânica. As vantagens proporcionadas pela mistura e pelas combinações químicas dos dos adubos, só acontecem quando eles são bem incorporados um ao outro, ou seja, bem misturados. ConƟnua na página B4. A visita à Fazenda Ponto Alegre e parte de uma entrevista com o “pai” do organomineral.

2 - Mistura Segundo o professor, colocar o ferƟlizante orgânico no sulco e por cima, o mineral, não produz o mesmo efeito. E é essencial misturar bem os dois. Pois do contrário, ao se fazer a adubação no campo, a distribuição será imperfeita. A mistura pode ser manual, da mesma maneira como os pedreiros batem a mistura de cal e areia para preparar argamassa, ou mecanicamente se a propriedade dispuser de uma betoneira ou outro Ɵpo de misturador.

3 - Refino Além da mistura bem feita, é importante que o ferƟlizante orgânico esteja finamente moído.

Adubação Organomineral - Folha Agrosul  

Adubação Organomineral - Folha Agrosul

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you