Page 1

01_CAPA_PT_final_V4:Layout 1 10/12/28 12:58 Page 1

Energia sem limites · Dezembro | Janeiro * 2010 /11 Nº20

BIODIVERSIDADE EDP na vanguarda mundial

BOLSA EDP com o melhor Reporte Financeiro do mundo

SPOTLIGHT Miguel Amaro em entrevista sobre os cinco anos após IPO no Brasil

QUEM É QUEM Directora de Criação do Cirque du Soleil fala sobre criatividade e satisfação no trabalho

ENSAIO FOTOGRÁFICO As fotos premiadas dos colaboradores da EDP Renováveis

EM DEBATE Aumento da competitividade económica passa pela energia


02_PUB FACTURA ELECTRONICA:Layout 1 10/12/28 13:00 Page 2


03_EDITORIAL_V1:Layout 1 10/12/28 13:01 Page 3

editorial

on

Para um mundo melhor

A

par das alterações climáticas, a biodiversidade é identificada como a área de mais urgente intervenção. A sua perda acelerou nos últimos 50 anos e os vários cenários, estudados pelo Millenium Ecosystem Assessment, apontam para que esta perda se mantenha ou mesmo acelere, à escala mundial. Consciente deste cenário, o Grupo EDP foi uma das primeiras empresas a assumir uma Política de Biodiversidade, em 2007, e desde então tem-se empenhado em contribuir para o objectivo mundial de reduzir a perda de biodiversidade. Os resultados estão à vista de todos. Foi a primeira empresa portuguesa líder mundial dos índices Dow Jones de Sustentabilidade (DJS), onde manteve uma posição notável (de 77 pontos, mais três pontos do que no ano anterior) na Dimensão Ambiental. Segundo o mesmo índice, a EDP evidencia a melhoria do alinhamento com as práticas do sector, em resultado dos esforços desenvolvidos, nos domínios da gestão ambiental, em particular no que respeita à biodiversidade e à estratégia de alterações climáticas. O DJS destacou ainda o Grupo com a pontuação máxima nos critérios Biodiversity e Climate Strategy. Um resultado de um compromisso assumido por mais de 12 mil colaboradores, distribuídos por 11 países. Em 2010, a EDP publicou o primeiro Relatório de Biodiversidade, onde relata o impacto da actividade na biodiversidade, como o minimizou e, se tal não foi possível, como o compensou. Este relatório incide na forma como a empresa encara e lida com o desafio da biodiversidade, nas parcerias criadas, nos projectos desenvolvidos e resultados obtidos. Mas biodiversidade é muito mais do que a variedade de ecossistemas e espécies para a EDP: é parte integrante da sua gestão. Sinal disso, é a estratégia de negócio que o Grupo tem vindo a apostar: o crescimento a partir de energias renováveis, em particular do vento e da água. Até 2020, pretende-se atingir mais 3,5 GW de potência instalada hídrica e mais 274 GW de potência instalada em energia eólica, justificando a importância da biodiversidade enquanto variável de gestão. Reduzir a perda de biodiversidade é da responsabilidade de todos. A UNESCO juntou-se à Convenção sobre Diversidade Biológica, e declarou este ano que agora termina, 2010, como o Ano Internacional da Biodiversidade (AIB) incentivando outros parceiros, ao nível global, a fazer do AIB um instrumento eficaz na promoção da conservação da biodiversidade, ao nível mundial. A EDP acredita que podemos contribuir para esse objectivo e, por isso, definiu internamente uma estratégia que se concretiza num conjunto de planos de acção que poderá seguir nas próximas páginas desta ON.

Paulo Campos Costa Director de Marca e Comunicação

Para a EDP, a biodiversidade é muito mais do que a variedade de ecossistemas e espécies: é parte integrante da sua gestão on 3


04_05_INDICE:Layout 1 10/12/29 15:47 Page 4

índice Dezembro | Janeiro Energia sem limites · Dezembro | Janeiro * 2010 /11 Nº20

BIODIVERSIDADE EDP na vanguarda mundial

BOLSA EDP com o melhor Reporte Financeiro do mundo

SPOTLIGHT Miguel Amaro em entrevista sobre os cinco anos após IPO no Brasil

QUEM É QUEM Directora de Criação do Cirque du Soleil fala sobre criatividade e satisfação no trabalho

ENSAIO FOTOGRÁFICO As fotos premiadas dos colaboradores da EDP Renováveis

EM DEBATE Aumento da competitividade económica passa pela energia

56

2010 foi o Ano Internacional da Biodiversidade. A meta de redução da sua perda, em todo o mundo, só será alcançada através do contributo activo de todos os sectores da sociedade. Descubra de que forma a EDP faz a sua parte

Ensaio Fotográfico A EDP Renováveis promoveu um concurso de fotografia entre os colaboradores. O resultado é surpreendente

On é uma edição bimestral Proprietário EDP – Energias de Portugal, SA Praça Marquês de Pombal, 12, 1250-162 Lisboa Tel: 210 012 680 Fax: 210 012 910 gmc@edp.pt Director Paulo Campos Costa

4 on

Editora Península Press SL Rua dos Correeiros 120, 4º esq , 1100-168 Lisboa Administrador executivo Stella Klauhs info@peninsula-press.com Redacção Eduardo Marino (editor), Joana Peres (redactora), Arte Marta Conceição, André Noivo Fotografia Hugo Gamboa, José Reis e Adelino Oliveira, iStockphoto, SXC Revisão Ana Godinho Coordenação EDP Margarida Glória Distribuição gratuita Portugal – 23.000 exemplares; Espanha – 2.000 exemplares; Brasil – 2.500 exemplares; América – 500 exemplares Heska Indústrias Tipográficas Campo Raso, 2710-139 Sintra – Portugal. Telf. +351 21 929 89 58 (Geral); Fax. +351 923 89 51 Isenta de registo na E.R.C., ao abrigo do decreto regulamentar 8/6, artigo 12º nº1-a


04_05_INDICE:Layout 1 10/12/28 13:03 Page 5

í n d i ce

46 Miguel Amaro, vice-presidente de Controlo de Gestão, Finanças e Relações com Investidores da EDP Energias do Brasil, fala das conquistas da empresa, dos desafios nesta área e dos objectivos para os próximos anos

6 fórum Perguntámos aos colaboradores EDP, de que forma contribuem, no ambiente de trabalho, para a redução da sua pegada ecológica?

7 bolsa 8/15 cultura edp Os Sistemas de Informação do Grupo, a segunda edição do Media Day e o projecto EDPro, no âmbito do programa EDP Way, são alguns dos temas em destaque

16/19 inovação Conheça as novidades apresentadas no Dia de Inovação, promovido pelo Grupo EDP

26 Tema de capa: Biodiversidade

20/23 mercado é Quem? 34 Quem Lyn Heward, Directora de Criação do Cirque

Encontro “A Experiência do Cliente EDP”, dinamizado pela Direcção de Relação com o Cliente

du Soleil

24/25 causas 40/41 a nossa energia As notícias que ligam os centros produtores às comunidades envolventes

42/45 capital humano Mais de 200 colaboradores celebraram as conquistas RH+

64 em destaque

Debate: 38 Em O secretário de Estado Carlos Zorrinho lança o tema “Competitividade com Energia”

Carlos Cavaleiro, director de Engenharia e Construção Térmica da EDP no Brasil on 5


06_FORUM:Layout 1 10/12/28 13:03 Page 6

fórum* I M PACTO S A M B I E N TA I S · A O n p e rg u n ta

Pegada Ecológica A expressão refere-se à quantidade de terra e água que seria necessária para sustentar as gerações actuais, tendo em conta todos os recursos materiais e energéticos gastos por uma determinada população. Para calcular essa pegada é necessário somar todos os componentes que podem causar impactos ambientais, em áreas como a terra, pastagens, floresta ou área urbanizada. Se pretende avaliar o impacto global do seu estilo de vida vá a: www.eco.edp.pt/pt/jovens/simular/mede-a-tua-pegada/simular

NO SEU AMBIENTE DE TRABALHO DE QUE FORMA CONTRIBUI PARA A REDUÇÃO DA SUA PEGADA ECOLÓGICA?

CO2

• Desligo as luzes antes de sair (176) • Reciclo papel. Utilizo um recipiente para separar o papel usado (142) • Não deixo os equipamentos em stand-by. Desligo-os no botão para não gastar energia desnecessariamente (90) • Imprimo só se não puder evitar, utilizando sempre o verso das folhas impressas para novas impressões em modo de rascunho ou para apontamentos (89) • Evito o uso do ar condicionado e outros sistemas de climatização (37) • Diminuo as viagens de trabalho. Tento, sempre que possível, substituí-las por teleconferências ou vídeo-conferências (26) • Aproveito toda a energia solar que puder (24) • Outras (22) • Diminuo a intensidade da iluminação do ecrã do portátil para que a bateria dure mais tempo (8)

COMENTÁRIOS/OUTROS COMPORTAMENTOS “Coloquei no meu posto de trabalho um ponto de recolha de pilhas descarregadas e transporto-as para a reciclagem, separando as pilhas alcalinas das de mercúrio e de lítio.(...) Promovo a recolha de tampas de garrafas plásticas que entrego no posto de Cruz Vermelha, em Setúbal, para a mesma adquirir e distribuir cadeiras de rodas pelos mais desfavorecidos. Promovo ainda o aproveitamento do papel de fotocópia usado para rascunhos”. PORTUGAL “Subo a mi despacho por la escalera”. ESPANHA “Além dos comportamentos citados, contribuo indo trabalhar caminhando, (distância de 1,2 km), evitando assim, a utilização do meu carro, que gera o gás CO2”. BRASIL 6 on

“Evito beber água de garrafa individual, utilizo copo de vidro e recolho água dos garrafões disponíveis nos andares”. PORTUGAL “Trabalho no escritório da EDP Escelsa em Cachoeiro de Itapemirim, e aqui adotamos a utilização de copos de vidro e xícaras individuais para os colaboradores, diminuindo assim o consumo de copos descartáveis”. BRASIL “Utilizamos pilas recargables para diferentes aparatos”. ESPANHA

economizar tinta em eventuais impressões”. PORTUGAL “Comprei um carro com oito lugares e por morar em Vila Velha venho sempre eu e mais sete colegas para o trabalho na EDP”. BRASIL “Recolho as garrafas e tampas das reuniões para reciclagem. Este Natal fiz a recolha de tinteiros e toners para doar à "Ajuda de Berço" sem custos para Empresa”. PORTUGAL

“Evito abrir a porta da geladeira muitas vezes ao dia”. BRASIL

“Sólo uso el ascensor para subir 4 ó más pisos; no uso el ascensor para bajar ni cuando tengo que subir 3, 2 ó 1 pisos”. ESPANHA

“Redução do fluxo de água, triagem do plástico e das cápsulas de café, evitar cores de fundo nos "ppt" e "pps" para

“Para diminuir a minha pegada ecológica separo os resíduos por tipo”. PORTUGAL

“Na verdade, tenho consciência de que podemos fazer muito mais, mas acredito que os pequenos gestos de cada um tornam-se grandes transformações. Exemplos que já pratico no dia-a-dia, no caso, no ambiente de trabalho como: no final de cada dia de expediente verifico se todos os equipamentos estão desligados como impressoras, computadores, ar, etc; procuro sempre informar ao serviço geral quando há vazamento no banheiro como torneiras descargas; em dias mais frescos procuramos deixar as janelas abertas; troquei copos descartáveis para água, por uma caneca individual (...)”. BRASIL “Fecho as janelas que outros colegas abriram, quando o sistema de climatização está a funcionar”. PORTUGAL


07_CORDOES DA BOLSA:Layout 1 10/12/28 13:05 Page 7

o s co rd õ e s d a b o l s a

EDP PORTUGAL 2,8 2,8

2,6

2,4

2,2 13/Set

20/Set

27/Set

04/Out

11/Out

18/Out

25/Out

01/Nov

08/Nov

15/Nov

22/Nov

29/Nov

06/Dez

EDP BRASIL 38

37,63

36

O melhor Reporte Financeiro do mundo

34

32 13/Set

20/Set

27/Set

04/Out

11/Out

18/Out

25/Out

01/Nov

08/Nov

15/Nov

22/Nov

29/Nov

06/Dez

EDP RENOVÁVEIS 5,00 4,50 4,00 0 4,47 3,50 3,00

Entre 503 empresas de 35 países, a EDP foi considerada a melhor empresa mundial no “2010 IR Global rankings”, em termos de reporte financeiro. Nesta categoria, o Grupo foi considerado um excelente exemplo a ser seguido, não só em termos de rigor, transparência e coerência mas também em termos da qualidade da informação disponibilizada. A EDP foi ainda reconhecida como uma das melhores empresas do sector em termos de "Corporate Governance". A avaliação é realizada por um comité independente que efectua testes aos resultados e avaliações desenvolvidos pelos analistas IR Global Rankings. Uma avaliação para obter a garantia suficiente de que os resultados são independentes.

2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 13/Set

20/Set

27/Set

04/Out

11/Out

18/Out

25/Out

01/Nov

08/Nov

15/Nov

22/Nov

29/Nov

06/Dez

on 7


08-11_CULTURA EDP:Layout 1 10/12/28 13:07 Page 8

cultura edp Os métodos mais eficientes e os valores que servem de exemplo

EDP como montra tecnológica para o mundo

A EDP foi recentemente visitada por três utilities com interesse nos seus sistemas de informação, nos sistemas e serviços partilhados e em processos específicos dos serviços partilhados. A prova de que a eléctrica portuguesa é já uma referência mundial nesta área Entre as alavancas de desenvolvimento dasutilitiesnos mercados energéticos cada vez mais liberalizados, os Sistemas de Informação (SI) e as estruturas de optimização de serviços de suporte tipo serviços partilhados constituem dois pólos de diferenciação. Não é, pois, de estranhar que estas áreas sejam procuradas por utilities através de benchmarks,casestudiese visitas para conhecer a vanguarda ao nível de implementações no sector. A EDP diferencia-se pela modernidade dos seus SI, factores de suporte a eficácia, eficiência e produtividade no Grupo ao serviço das empresas e dos desafios dos novos mercados energéticos. Uma das provas da anterior afirmação é a contínua solicitação de utilitiesde todo o mundo para conhecerem a nossa realidade e como a EDP resolve os seus desafios suportada em sistemas. Ao nível dos Sistemas, a utilityestatal da Grécia, a Public Power Corporation of Greece (DEI PCC) visitou-nos no dia 28 de Setembro com o intuito de conhecer o que a EDP tinha montado 8 on

em termos de Sistemas de Informação Geo referenciada e sistemas de controlo de incidentes na rede de distribuição. A EDP tem uma solução integrada e automatizada que suporta um conjunto de sistemas tais como o SIT RD, o Power On e o GME, que apoiam, respectivamente, o cadastro da nossa rede, a informação de incidentes e manutenções na rede e as equipas de manutenção e suporte técnico através da integração de tecnologias web, GIS e mobile technology. Também com interesse nos sistemas de informação e nos serviços partilhados montados pela EDP Valor, esteve com a DSI uma comitiva da State Grid Corporation of China – SGCC, empresa estatal chinesa, responsável em várias províncias pela Distribuição e Transporte de energia eléctrica. Trata-se de uma empresa com cerca de um milhão de colaboradores e está no 8º lugar entre as 500 maiores da Forbes. Esta comitiva esteve connosco no dia 27 de Setembro, tendo sido apresentada e discutida a forma como se

tem implementado os sistemas corporativos. Para tal, além da equipa da DSI, estiveram connosco Henrique Oliveira, do Projecto Lince e Ricardo Nunes, do Gabinete de Serviço ao Cliente, da EDP Valor. Visando a promoção do intercâmbio de conhecimentos no que se refere a boas práticas de compras entre empresas do mesmo ramo, a Direcção de Negociação e Compras (DNC) da EDP Valor recebeu a Vattenfall através dos seus representantes Johanna Hagelberg, CPO, e Gérard Jacquemin, director da empresa. A Vattenfall é o quinto maior produtor de electricidade da Europa operando nos mercados da Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Alemanha e Reino Unido, Polónia, Holanda e Suécia. Desta forma, a DNC visa aprofundar relações com as suas congéneres que operam em mercados internacionais, como também foi caso da visita aos escritórios da RWE Compras e Iberdrola Compras.


08-11_CULTURA EDP:Layout 1 10/12/28 13:07 Page 9

c u l t u ra e d p

Comunicação da EDP distinguida em Viena A EDP foi galardoada com três prémios na área da comunicação, pela FEIEA (Federation of European Business Communicators Associations). A cerimónia do Grand Prix 2010 teve lugar na Casa da Indústria em Viena. À edpOn, televisão corporativa, e ao portal Sou EDP, foi atribuído o segundo lugar, nas respectivas categorias, e a capa da revista ON17, sobre o projecto InovCity, arrecadou um terceiro lugar. Antes de chegarem a Viena, os vencedores do Grand Prix estiveram sujeitos a três rondas de avaliação. As candidaturas são, em primeiro lugar,

analisadas por um júri nacional e, em seguida, os três primeiros colocados, de cada categoria, são enviados a Bruxelas para serem julgados por um painel europeu.Depois desta segunda avaliação, é escolhido um dos participantes de cada área (um por país) para ir à final. Este ano, os sete juízes, provenientes de sete países, precisaram de três dias para julgar as candidaturas e fazer as escolhas finais. "Fiquei impressionado com a qualidade dos trabalhos, especialmente nas categorias "publicação multilingue" e "Revista Interna ou de Notícias", afirmou Henrik Vinther, o juiz dinamarquês.

Sistemas de Informação ajudam mobilidade EDP Para que os projectos e iniciativas de mobilidade do Grupo EDP tenham eficácia há que dotar os colaboradores e empresas com Sistemas de Informação que estejam alinhados com a mobilidade empresarial, funcional e geográfica. Eis alguns exemplos:

A

área de Distribuição da HC Energía e a equipa da DSI de Oviedo estão a terminar o desenvolvimento e implementação de uma nova funcionalidade enquadrada no projecto de mobilidade em curso na HC. A partir dos Blackberry dos colaboradores autorizados já é possível consultar o estado dos incidentes na rede eléctrica de média e baixa tensão. A operação de redes fica muito mais ágil e facilitada para as equipas que estão no terreno.

T

ambém na EDP Distribuição, em Portugal, está em produção o Sistema GME (Gestão e Mobilidade de Equipas) responsável pela gestão operacional do processo de despacho de ordens de trabalho (avarias, comerciais e manutenção) e colecção da informação gerada durante a execução das ordens de trabalho por parte das equipas no terreno, ou seja, os piquetes.

O

utro dos sistemas potenciadores da mobilidade dos colaboradores é o webmail, que possibilita ao

colaborador consultar o seu email, a agenda e a lista de tarefas em qualquer lugar, desde que tenha acesso à Internet nesse local.

A

o nível de mobilidade geográfica com desempenho de uma mesma função existe o sistema de gestão de fluxos financeiros, o Target EDP. Trata-se de uma plataforma única de gestão de tesouraria e fluxos financeiros, que possibilita um tempo zero de adaptação de colaboradores entre empresas e países, pois as funcionalidades foram unificadas para toda a empresa (Brasil e EUA em processo de adopção).

F

inalmente existe o Projecto Lince, referência na empresa para criação de uma única base de trabalho dentro do Grupo ao nível Administrativo e Financeiro e de Recursos Humanos. Com este sistema existe a possibilidade de mudar de empresa, país e tipo de negócio, trabalhando sempre com o mesmo sistema de base, com todos os ganhos de aprendizagem e eficiência que isso implica.

T

ambém a gestão de Armazéns ficou agilizada com a implementação de um sistema de gestão de materiais de armazém com recurso a leitores de código de barras. Agora a entrada de matérias, a sua saída, o seu abate por perca, a sua transferência entre armazéns está automatizada através da utilização de leitores de códigos de barras que emulam num ecrã portátil as funções do SAP. on 9


08-11_CULTURA EDP:Layout 1 10/12/29 15:48 Page 10

cultura edp

Pita de Abreu personalidade do ano O presidente da EDP no Brasil foi homenageado na presença do presidente Lula. Pita de Abreu recebeu o prémio de Personalidade do Ano, entregue pela Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

É

uma honra receber um prémio como este. Trabalho na EDP há 33 anos e a empresa é uma parte muito importante da minha vida”. Foi com essa mensagem que António Pita de Abreu, presidente da EDP no Brasil há três anos, recebeu o prémio de Personalidade do Ano, entregue pela Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil – São Paulo, no final de Novembro. Nesta 11ª edição do prémio Personalidade do Ano, a escolha do executivo António Pita de Abreu aconteceu através de uma eleição entre os 800 empresários associados à Câmara Portuguesa, que levaram em conta o esforço de investimento da EDP no Brasil nestes últimos anos. Durante o evento, Pita de Abreu fez parte da mesa oficial, composta pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva; pelos ministros Orlando Silva (Esportes) e Luiz Barreto (Turis-

mo); pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab; pelo senador Aloizio Mercadante; por Manuel Rodrigues Tavares de Almeida Filho, presidente da Câmara Portuguesa, João Salgueiro, embai-

xador de Portugal no Brasil e Luiz Ortiz Nascimento da Camargo Corrêa. Já o Presidente Lula, que durante o seu discurso lembrou o passado que une Brasil e Portugal, e as vantagens que esta parceria pode trazer para o futuro, recebeu o prémio Personalidade do Ano Especial, pelas suas iniciativas no campo económico e social destes últimos oito anos de governo.

TV On Brasil ganha prémio Aberje 2010

3.000 Vídeos produzidos

10 o n

A EDP On, televisão institucional do Grupo EDP, venceu o Prémio Aberje 2010 na categoria “Mídia Audiovisual”, região São Paulo, o prémio mais prestigiado da Comunicação Empresarial Brasileira. O Aberje tem como objectivo fortalecer a visão estratégica da comunicação de empresas e instituições por meio do estímulo, do reconhecimento e da divulgação de esforços e de iniciativas na área da comunicação e dos relacionamentos. Para Flávia Ramos, gestora executiva de Marca e Comunicação da EDP Brasil, mais do que um canal de comunicação, a EDP On integra com a mesma proporção todos os colaboradores em diferentes localidades do Grupo. “A produção brasileira alcançou resultados importantes para a integração dos profissionais, inserindo em cada

um a satisfação em trabalhar na empresa”, afirma. Desde 2008 já foram produzidos, mundialmente, mais de 3 mil vídeos e a EDP On no Brasil ocupa mais de 20% deste total. No Brasil, em um ano foram quase 200 entrevistas com diferentes profissionais, entre colaboradores, especialistas, sociedade, jornalistas, atletas, clientes, autoridades e executivos. Segundo Alexandre Taricano, consultor de Marca e Comunicação e responsável pela televisão, o prémio representa um reconhecimento do mercado e da boa prática da comunicação feita pelo Grupo. Já para a repórter Milene Pinheiro, o canal é uma forma dinâmica, estratégica de fazer comunicação corporativa que agrada todos os colaboradores e agora ganha reconhecimento do mercado.


08-11_CULTURA EDP:Layout 1 10/12/28 13:08 Page 11

cultura edp

Encontro entre jornalistas e Administração da EDP

Media Day 2010 Os jornalistas portugueses ficaram a saber mais sobre a EDP, na segunda edição do Media Day. Uma iniciativa que prova que a política de abertura e transparência faz parte do ADN do Grupo

P

elo segundo ano consecutivo a EDP organizou o Media Day, encontro entre a Administração do Grupo com jornalistas, com o objectivo de debater tendências do negócio e do mercado. A iniciativa, que se insere numa política de abertura e transparência, foi, uma vez mais, uma aposta ganha. Na edição deste ano, marcaram presença 22 jornalistas e directores dos principais órgãos de comunicação social nacionais, que tiveram a oportunidade de assistir a apresentações sobre temas relacionados com a actividade do Grupo EDP, para além da possibilidade de colocarem perguntas à administração. Um dia antes dos trabalhos começarem, os mesmos profissionais de comunicação foram convidados para uma prova de vinhos CARM. Para recebê-los nesta viagem (degustação) de sabores cheiros e sensações estava Filipe Vale, enólogo responsável por estes vinhos do Douro. Os jornalistas tiveram a oportunidade de provar vários vinhos portugueses de excelência. O Media Day constituise como um canal privilegiado para a partilha de

informação e conhecimento com a comunicação social e, consequentemente, com os clientes e a comunidade. Na opinião de Nuno Vinha, da Lusa, este encontro “é óptimo, porque facilitou-me imenso perceber como funciona o negócio da energia”. Para Fausto Coutinho, da Antena 1, os encontros “são importantes do ponto de vista do relacionamento, ganhamos conhecimento e num clima menos comprometido, mais informal” Ana Gonçalves, do Diário Económico, diz de forma peremptória: “É uma oportunidade única de ‘exercer pressão’ sobre os homens da EDP. A minha preocupação foi tentar descodificar alguns dos temas que são mais herméticos para os passar para o público em termos gerais.” Depois das apresentações sobre as várias áreas de negócio feitas pelos administradores da holding, João Manso Neto, António Martins da Costa e Jorge Cruz Morais, foi tempo de perguntas e respostas numa sessão de entrevistas "oneto-one" com António Mexia, nas quais os jornalistas tiveram a oportunidade de entrevistar individualmente o CEO do Grupo EDP.

No final do dia, cada jornalista teve a oportunidade de entrevistar o presidente executivo da EDP

o n 11


12_15_CULTURA EDP_EDPro:Layout 1 10/12/28 13:10 Page 12

c u l t u ra e d p e d p w a y

Atendendo à importância de consolidar os Negócios, criar valor e aumentar a execução do novo ciclo previsto pelo Plano Estratégico 2009-2012, a EDP lançou o Programa EDP Way, no qual se inclui o EDPro. Saiba mais sobre este projecto, que pretende gerir de forma efectiva os processos do Grupo e lançar uma abordagem sistemática à sua medição e optimização.

Visão O EDPro é um projecto integrado no Programa EDP Way que visa gerir de forma efectiva os processos do Grupo, através de: • Implementação de um modelo comum de governo para a gestão de processos em todos os Negócios e geografias do Grupo; • Lançamento de uma abordagem sistemática à medição e optimização da performance dos processos-chave.

12 o n


12_15_CULTURA EDP_EDPro:Layout 1 10/12/28 13:11 Page 13

e d p w a y c u l t u ra e d p

Linhas gerais do modelo comum de governo para a gestão de processos O Modelo de Governo tem como objectivo uniformizar conceitos e práticas de gestão de processos em todo o Grupo, definindo para este efeito: • O conceito de gestão de processos, focado na medição e na optimização, e considerando as várias possíveis dimensões (tais como performance, controlo, segurança, qualidade, sustentabilidade, etc.);

• O conceito e as metodologias associados à classificação dos processos e prioritização dos mesmos para efeitos da sua optimização; • Os papéis e as responsabilidades dos vários intervenientes no modelo (DDO, Unidades Organizativas de apoio à gestão de processos nos Negócios, Donos de Processo, etc.). • O quadro de classificação de processos da APQC como referencial para o desenho da

arquitectura de processos ao nível de cada Negócio; • A simbologia standard BMPN (Business Process Modeling Notation) como referencial para o desenho de fluxogramas de processos; • A ferramenta informática de suporte iBPMS, como instrumento preferencial de suporte à gestão de processos.

Principais implicações decorrentes da adopção do modelo de governo: • Implementação pelas UNs de um ciclo anual de planeamento da optimização dos respectivos processos-chave, a desenvolver em articulação com o ciclo anual de plano e orçamento. • Atribuição às Unidades Organizativas da consolidação de uma visão global (incluindo o SCIRF) dos processos dos respectivos Negócios, bem como dos projectos de optimização correspondentes.

• Atribuição à DDO (Direcção de Desenvolvimento Organizacional do Centro Corporativo) da definição de políticas, normas e procedimentos nesta área, bem como de um papel da orquestração geral e consolidação da gestão de processos a nível do Grupo EDP, adicionalmente ao seu papel de apoio à gestão dos processos-chave corporativos.

Identificar e documentar

• Responsabilização das entidades intervenientes, a todos os níveis do modelo de governo, pelo estabelecimento de indicadores e objectivos de melhoria de eficiência. • Responsabilização dos Donos de Processo pela performance e cumprimento de objectivos dos respectivos processos, com co-responsabilização dos restantes principais intervenientes operacionais.

Prioritizar

Mon ito riz a

An

a lis

ar

dir Me

en

ar

t

A gestão de processos constitui uma abordagem às actividades a desenvolver em torno da execução dos processos no dia-a-dia. Abrange a documentação dos processos apenas como passo instrumental, devendo estar antes focalizada na medição e na optimização dos processos visando a melhoria progressiva da sua performance.

em I m pl

Conceito de gestão de processos subjacente ao modelo de governo

r/

r

ecuta x E

O p ti m i z a r

o n 13


12_15_CULTURA EDP_EDPro:Layout 1 10/12/28 13:12 Page 14

c u l t u ra e d p e d p w a y

Principais contributos de uma gestão efectiva dos processos para os três pilares de criação de valor adoptados para o Grupo Com o estabelecimento do modelo comum de governo para a gestão de processos no Grupo foram criadas as bases para alinhar, facilitar e potenciar as iniciativas das Unidades de Negócio na vertente da gestão de processos. Após a realização de um conjunto de workshops de sensibilização e alinhamento, os vários Negócios da EDP têm vindo a trabalhar activamente na implementação do EDPro. Concretamente, essas actividades de implementação abrangem a identificação dos processos-chave, a nomeação dos donos de processo, a definição de KPIs, a implementação da ferramenta informática de suporte e, este ano pela primeira vez, a execução do ciclo de planeamento da optimização dos processoschave, através da caracterização (incluindo custos e benefícios) das iniciativas concretas de optimização de processos a desenvolver em 2011.

Risco Controlado

Eficiência Superior

Crescimento Orientado

• Maior controlo sobre a evolução das operações através do seguimento da performance dos processos-chave

• Maior conhecimento dos impactos da variabilidade dos processos nas operações • Apoio analítico à tomada de decisões operacionais

Vertente mais directamente impactada por uma gestão activa dos processos, nomeadamente através das actividades de: • Sistematização • Análise do desempenho

• Optimização dos processoschave • Uniformização através da identificação e disseminação de melhores práticas • Seguimento e controlo

• Libertação de recursos para sustentar o crescimento • Alocação de recursos aos processos (e logo às operações) alinhada e decorrente da estratégia

• Facilitação da integração efectiva das aquisições • Maior sensibilidade para as possibilidades e restrições operacionais

EDP Distribuição empreende iniciativa de alinhamento dos seus processos com necessidades do negócio No âmbito do EDPro, a EDP Distribuição empreendeu em 2009 uma iniciativa cujo principal objectivo foi garantir o alinhamento dos seus Processos e Estrutura Organizacional e dotar a Empresa de capacidades de actuação mais transversais através da disseminação do conhecimento e da partilha de boas práticas tendo em atenção os factores regulatórios do seu negócio. Foram identificados, representados e caracterizados os processos-chave prioritários e trabalhados os respectivos indicadores de modo a integrar a vertente da gestão da performance dos processos e fazer a convergência com o sistema de controlo interno (SCIRF). Toda esta actividade foi suportada pela ferramenta iBPMS seleccionada para o Grupo EDP.

14 o n


12_15_CULTURA EDP_EDPro:Layout 1 10/12/28 13:13 Page 15

cultura edp

EDP Renováveis: processos uniformes em qualquer parte do mundo Para além do desenho dos vários processos em BPMN, com a implementação do EDPro na EDP Renováveis foi também desenvolvido um conjunto de guidelines que permitem, a quem gere e a quem executa os processos, saber quais as regras específicas a usar, quer se trate de uma abordagem corporativa, de plataforma ou de unidade de negócio em qualquer parte do Mundo.

Gestão de processos como alavanca do desempenho da EDP Brasil A implementação do EDPro no Brasil abrange o desenho do fluxo dos Processos em BPMN, definição de KPIs, integração do controlo interno (SCIRF) e identificação de oportunidades de melhoria (quick-wins) nos processos de gestão da estratégia (nomeadamente ao nível do planeamento, arquitectura, integração e execução), facturação das distribuidoras, relação com investidores, processos das empresas de geração, recursos humanos e ciclo financeiro (incluindo tesouraria, contabilidade e tributações).

Principais benefícios esperados a prazo Uma gestão efectiva de processos deve ser um contributo importante e indispensável para a consolidação de uma cultura global no Grupo EDP, em conjunto com os restantes projectos englobados no Program Office EDP Way. Com a implementação do projecto EDPro, espera-se concretamente alcançar:

• Uma prática comum de gestão e optimização de processos bem oleada e apoiada em estruturas formais; • Processos claros e um framework para os replicar noutros Negócios/ geografias; • Mobilidade facilitada dentro do Grupo entre geografias e Negócios; • Processos rápidos e eficientes de inte-

Rui Ferin Cunha - Responsável do projecto EDPro

gração de novas plataformas; • Facilitação do benchmarking e da identificação e adopção global das melhores práticas existentes no Grupo; • Melhor gestão do conhecimento (desde a sua retenção à divulgação), enquanto activo verdadeiramente decisivo para sucesso da organização.

António Martins da Costa - Sponsor do projecto EDPro

Os processos são um valioso activo da EDP que importa gerir

O EDPro é um factor de liderança da EDP

O EDPro pretende harmonizar no Grupo o modo como se gerem e mantêm os processos, um dos mais importantes activos que a EDP dispõe e onde investe fortemente todos os anos. É por isso imperativo tomar conta deste activo e dominar a sua gestão. Os processos representam as actividades que na EDP é necessário executar para entregar e satisfazer os clientes. São eles que nos distinguem como empresa. Os processos são ainda a base comum de trabalho de muitos colegas que para além da performance, gerem as TI’s, o controlo interno, o risco, a qualidade, a segurança e o ambiente. A sua gestão cuidada já permitiu estabelecer o ciclo anual de planeamento da optimização de processos, que abrange as principais UNs do Grupo e que pressupõe o compromisso dos donos de processo e das próprias UNs em identificar os seus processos chave, para os medir e optimizar de forma

O EDPro é um dos projectos integrados no programa EDP Way que contribui para dar um maior sentido de alinhamento à cultura de Grupo. Uma gestão dos processos, comum a todo o Grupo e centrada na execução das actividades que são efectivamente chave, prioritárias e diferenciadoras perante os clientes, permite atingir níveis mais elevados de performance. O domínio destes processos, a sua medição sistemática e uma atenção constante às oportunidades de melhoria são vitais para sustentar a preferência dos clientes e a liderança da EDP nas negócios em que actua.

o n 15


16_19_INOVACAO:Layout 1 10/12/28 13:33 Page 16

inovação* Este foi o segundo dia, promovido pelo Grupo EDP, dedicado à Inovação. Este ano, o Pavilhão de Portugal recebeu colaboradores da empresa e abriu parcerias ao exterior. Deste encontro saltaram da caixa várias ideias. Sinal evidente de que a partilha de conhecimentos reforça uma cultura de inovação

Dia da Inovação: Think out of the box

16 o n

Muitos colaboradores do Grupo EDP estiveram sintonizados (2.105 acessos à transmissão online e uma média de 100 pessoas em simultâneo constantemente na transmissão), podendo também interagir com o evento através do chat online. Os que se encontravam no Pavilhão de Portugal tiveram a oportunidade de ficar a conhecer vários projectos do Grupo em que a inovação está patente a todos os níveis: mobilidade eléctrica, painéis

v

O Pavilhão de Portugal, em Lisboa, abriu portas, no dia 28 de Outubro, à Inovação Energética. Muitos foram os participantes que quiseram entrar nesta revolução de ideias (cerca de 250 pessoas, entre colaboradores, parceiros), mas este evento foi muito além do Parque das Nações, ultrapassando todas as barreiras físicas. O Dia da Inovação foi transmitido em directo pela edpON nos plasmas da empresa e através da emissão online.


16_19_INOVACAO:Layout 1 10/12/28 13:33 Page 17

i n ova ç ã o

2105

acessos à transmissão online

250

solares, projecto Windfloat, Energy Box, FabLab, entre outros. António Vidigal, presidente da EDP Inovação, foi o primeiro a abrir as portas, “estamos a fazer este tipo de encontro para demonstrar que a Inovação pode fazer parte do nosso dia-a-dia e que a partilha de ideias reforça uma cultura de inovação”.

Uma empresa aberta Segundo Cruz Morais, administrador do CAE, a inovação “é descobrir novas formas de abordar velhos ou novos problemas. E o sector eléctrico debate-se exactamente com isso. Todas as modificações no mercado dos combustíveis, petróleo e CO2, fazem com que o sector eléctrico esteja em fase de mudança que nos aponta dois caminhos: sermos altamente eficientes no consumo de energia e descarbonizar o sector da produção”. Sinal desta abertura, a EDP chamou ao palco Ricardo Mendes, da Tekever - Technologies for the Evernet, que veio falar sobre “Inteligência Colectiva”. Afinal, a inovação parte muito da troca de ideias entre pessoas e colaboração entre elas. “No caso particular da eficiência energética, é nossa crença de que só com a colaboração entre os consumidores é que vamos conseguir atingir um patamar superior em termos de inteligência colectiva”, afirmou. E exaltou o papel da EDP: “Tem um papel estruturante, porque é das poucas empresas em Portugal que tem a capacidade de fazer projectos de escala nacional. Em termos de estrutura, o Inovgrid é, por exemplo, um desses projectos que pode ser a base para se lançarem pro-

pessoas em sala

130

pessoas em simultâneo na altura em que ocorreu o primeiro chat

dutos que serão implementados primeiro em Portugal e que serão, seguramente, depois inovadores em termos mundiais”. Carlos Samora, da Arquiled, veio iluminar a plateia com a inovação, diferenciação e sustentabilidade que a tecnologia L.E.D. tem dado, e mostrar os processos internos da inovação na empresa. Para si, a inovação é um processo multidisciplinar, aberto, que congrega todas áreas. A conclusão é de que o paradigma mudou, e muito! O segredo já não é a alma do negócio. “É o contrário”, defende António Mexia, presidente do CAE da EDP. “Nós temos que debater e fazer melhor. Por vezes temos a ideia de que o conhecimento é só nosso e que é poder. Mas só é poder se for partilhado”. Algo que a empresa tem sabido fazer com os seus parceiros. Mas nem só de palestras viveu este dia. A plateia foi incentivada a sair da caixa! Como? Reinventar processos, métodos e soluções através de objectos tão simples como uma bola de ténis, um funil, um vaso e um cabide. Sim, leu bem! Muitas ideias brotaram das caixas de cada mesa de participantes. Afinal, é possível reinventar! A fechar este dia inovador veio a grande novidade: a apresentação do site Co-Creation, uma porta aberta para o mundo de recolha e divulgação de ideias.Segundo Tiago Antunes, da EDP Inovação, “este site tem como objectivo estimular a envolvente do Grupo EDP e incentivar todos a participar”. Alguns dos presentes lançaram as suas ideias e será possível vê-las em www.cocreation.edpinovacao.com.

o n 17


16_19_INOVACAO:Layout 1 10/12/28 13:34 Page 18

i n ova ç ã o

Plataforma flutuante com

1200 toneladas de aço Turbina

60 metros de altura e 2MW

Windfloat: Energia vinda do alto mar Já arrancou o projecto Windfloat, um dos mais ambiciosos em termos de desenvolvimento tecnológico em Portugal O projecto de demonstração de tecnologia de eólico offshore flutuante Windfloat inclui o desenvolvimento e instalação na Aguçadoura, norte de Portugal, de uma plataforma flutuante à escala real (dimensionada para o clima atlântico) dotada de uma turbina de 2 MWs. A plataforma tem uma forma triangular, é semi-submersível e tem cerca de 1.200 toneladas de aço. Já a turbina alcança os 60 metros de altura. Esta plataforma/turbina será testada durante 12 a 24 meses e, em função dos resultados dos testes, permitirá evoluir para fases pré-comerciais e comerciais baseadas nesta tecnologia e nos ensinamentos do projecto. A grande vantagem deste sistema é que permite explorar recurso eólico em águas profundas (mais de 40 metros), com vantagem

face às alternativas com fundações fixas. Tem também a vantagem de ser totalmente montada em terra (e depois rebocada), minimizando trabalhos no mar. Para que este projecto se tornasse uma realidade foram firmados contratos com a Principle Power (promotor norte-americano), para o desenvolvimento global do projecto, e com a Vestas (maior fabricante mundial de aerogeradores), para o fornecimento da turbina. A ASilvaMatos, empresa portuguesa de referência na área da metalomecânica é, juntamente com a EDP Inovação, outro dos parceiros no projecto, que tem um financiamento com forte participação nacional, nomeadamente, via fundos públicos de apoio à inovação na área de energia.

EDP Ventures: 1º investimento directo Em Outubro, a EDP Ventures - Fundo de Capital de Risco da EDP para as energias limpas - concluiu o seu primeiro investimento directo, em linha com a estratégia de negócio definida para o ano 2010, adquirindo uma participação accionista na Arquiled – Projectos de Iluminação, S.A., empresa fundada em 2005 impulsionada pelo desenvolvimento de soluções técnicas de iluminação 18 o n

para o Casino Lisboa. A sua actividade centra-se na área da iluminação arquitectural, com especial incidência na aplicação da tecnologia L.E.D.,com todas as suas potencialidades de evolução e inovação que a caracterizam. A Arquiled conta já com um vasto portfólio de projectos bem sucedidos, alguns deles emblemáticos, como o Casino Lisboa, o Museu do Oriente, o Ho-

tel Hilton, a Torre Galp, Igreja S. Roque, o Hotel Tróia Design e a Discoteca LUX. Recorde-se que no início da sua actividade, e no âmbito da estratégia de investimento em fundos de capital de risco, a EDP Ventures tinha já realizado os seus primeiros investimentos em dois fundos de Cleantech: a NGEN Partners, nos Estados Unidos, e a SIGMA Capital Group, no Reino Unido.


16_19_INOVACAO:Layout 1 10/12/28 13:34 Page 19

i n ova ç ã o

Antonio Laporta no Green Mobility O director de Estratégia de Inovação da EDP esteve na Alemanha para conferir as iniciativas de mobilidade sustentável durante o European Green Mobility Tour, que é apoiado pela EDP. O Tour percorreu as cidades de Berlim, Nuremberga, Munique, Freiburg e Stuttgart, onde Laporta pôde conhecer e vivenciar as soluções inovadoras em mobilidade sustentável e de transporte urbano adoptadas pelas cidades e pelas principais empresas alemãs. Depois da maratona, Laporta trouxe novos conhecimentos para o seu desenvolvimento no Grupo EDP, além de confirmar o alinhamento da empresa com os projectos mais inovadores do mundo.

EQUIPA DE INVESTIGAÇÃO MULTI-EMPRESAS Cinco empresas espanholas de electricidade, incluindo a HC Energía, que colaboram, desde 2008, num grupo que desenvolve projectos de automatização de subestações eléctricas de acordo com a norma IEC-61850, já apresentaram as suas conclusões, em Madrid aos prestadores destes sistemas. A missão do grupo de investigação é a de conciliar exigências do protocolo de comunicações da norma com os sistemas prestados pelos fornecedores, a fim de optimizar os métodos e reduzir os custos. A intenção é que as conclusões alcançadas se possam incorporar como requisito obrigatório em todas as licitações de automatização de subestações. Na realidade, a HC Energía já está a aplicar este acordo na licitação dos sistemas remotos das novas subestações de Romio, Silvota e Lloreda. O E3-61850 (grupo em que participam, em conjunto, a HC Energía, Endesa, REE, Iberdrola e UFGas Natural) é um bom exemplo de colaboração entre empresas em prol de um mesmo objectivo.

Waynergy vence Prémio EDP Richard Branson Em Janeiro de 2010, a EDP, a Visão e a Exame lançaram a segunda edição do Prémio Inovação EDP Richard Branson, um prémio monetário de 50 mil euros atribuído a um projecto inovador, ainda não implementado, no segmento das energias limpas. O grande vencedor este ano foi o Waynergy, um projecto de um pavimento sustentável que, através de uma combinação de sistemas inovadores que utilizam fontes energéticas alternativas e renováveis, permite produzir energia eléctrica em espaços interiores e exteriores. Este projecto, de Filipe Casimiro e Francisco Duarte, distingue-se de outros modelos existentes no mercado porque pode ser aplicado em espaços interiores ou exteriores, tais como centros comerciais, estações de transportes públicos ou espaços desportivos. Em segundo lugar ficou o projecto Ecowater, de José Meliço. Trata-se de um sistema que contribui para uma dupla poupança, de água e de energia,

em casas de habitação, ginásios, hotéis. Poupa água, porque recupera a parte que normalmente é desperdiçada na saída das torneiras enquanto se aguarda o seu aquecimento. E poupa energia, de forma indirecta, já que a captação, tratamento e distribuição de água é consumidora de energia, pelo que a poupança de uma se reflecte também na da outra. Estima-se que, enquanto se espera que a água do duche atinja a temperatura pretendida, sejam desperdiçados cerca de seis litros de água, o que equivale aproximadamente a 60 milhões de litros de água desaproveitados, diariamente, só em Portugal. Para a edição 2011, esperam-se grandes novidades, nomeadamente a possibilidade de os concorrentes pré-seleccionados poderem prototipar as suas invenções no FabLab EDP, um projecto que estará concluído até ao final de 2010 (mais informações em http://openspace.edp.pt/FablabEDP). o n 19


20_23_MERCADO_V2:Layout 1 10/12/28 13:35 Page 20

mercado Negócios da EDP

Resultados aproximam-se da meta Nos primeiros nove meses deste ano, os lucros registaram um crescimento de 4%, para 774 milhões de euros. Valor que se aproxima dos mil milhões esperados pela EDP para o final de 2010

N

um ano muito exigente, estamos mais uma vez a apresentar os melhores resultados”, comentou o presidente da EDP, António Mexia, sobre a subida de 4% do lucro dos primeiros nove meses do ano. Um lucro suportado pelo crescimento no Brasil e pelo aumento da actividade eólica. O EBITDA subiu 9,2% para os 2.651 milhões de euros, sendo que 86% do EBITDA teve origem em actividades reguladas e contratadas a longo prazo. Os resultados antes de amortizações e depreciações foram suportados pelo crescimento de 28% no Brasil, impulsionado pela apreciação do Real em 22% e pela retoma da procura e pelo impacto positivo dos ajustamentos tarifários anuais da Bandeirantes e Escelsa. "O peso dos resultados operacionais fora de Portugal subiu para 53%. A estratégia de globalização foi importante para esta subida", afirmou António Mexia. Já o aumento de 28% na actividade eólica,

foi suportada pela superior capacidade instalada e um preço médio de venda 2% mais alto, bem como um acréscimo de 12% nas redes reguladas, impulsionado pelas actividades reguladas de gás. Para o final deste ano, a EDP tem 29 TWh de vendas estimadas contratadas, representando um crescimento de 38%, face ao ano de 2009.

Para o próximo ano, a empresa já contratou mais 12 TWh de vendas de electricidade, ou cerca de 65% da produção esperada, com preço e margens em linha com os contratados para 2010. Nos primeiros nove meses do ano, a capacidade instalada consolidada da EDP cresceu 11%. António Mexia, presidente do Conselho de Administração Executivo da EDP, espera fechar 2010 com resultados recorde. Os resultados aproximam-se dessa expectativa. Em Setembro de 2010, a EDP detinha uma posição de liquidez muito confortável no valor de 3,9 mil milhões de euros, permitindo cobrir as necessidades de financiamento esperadas até 2012. Em Outubro de 2010, a Standard & Poor's manteve o rating da EDP acompanhando a decisão já tomada pelas outras duas empresas de rating (Moodys e Fitch) em Junho e Julho deste ano.

Resultados 3º trimestre

4% Resultado líquido

9%

2%

7%

EBITDA

Resultado operacional

Custos operacionais

9% Margem Bruta

16% Dívida líquida*

*Comparação com o montante no final do ano 2009

14% Actividades Liberalização (P. Ibérica) 24% Produção Contratada (P. Ibérica)

25% Redes Energia Regulada (P. Ibérica) 14% Actividades Liberalização (P. Ibérica)

25% Redes Energia Regulada (P. Ibérica)

18% Eólica

24% Produção Contratada (P. Ibérica) 18% Eólica 19% Brasil

19% Brasil 20 o n


20_23_MERCADO_V2:Layout 1 10/12/28 13:35 Page 21

m e rca d o

Naturgas Energía cada vez mais EDP Até 2012, a EDP irá adquirir 95% da Naturgas através da HC Energía de forma faseada. O acordo supõe a compra à EVE (Ente Vasco de la Energía) de 25,35% da companhia e 4,08% procedente do Ayuntamiento de Donostia-San Sebastián. Serão adquiridos 29,43%, por 617 milhões de euros. Após a operação, o Governo Basco manterá através da EVE 5% de participação e terá um representante no Conselho de Administração, assim como alguns direitos até 2016, tais como a manutenção da sede no País Basco

e o veto sobre possíveis desinvestimentos. A compra será executada em três fases. A primeira refere-se à compra de 9,43% do capital, avaliado em 197,7 milhões de euros ainda este ano; 10% das acções (209,65 milhões) no segundo semestre de 2011; e, por último, outros 10% das acções (209,65 milhões de euros) no segundo semestre de 2012. Com esta operação, o Governo Basco termina o processo de privatização, da operadora de gás, que iniciou em 2003 de acordo com os prazos anteriormente determinados.

Bergara-Irún O abastecedor estratégico A Naturgas Energía inaugurou, a 15 de Outubro, o desdobramento do gasoduto Bergara-Irún, a maior obra executada pela empresa até à data. Com 90 quilómetros de extensão, a obra representa um investimento de 70 milhões de euros, tendo sido realizada em cerca de três anos. A inauguração oficial da infra-estrutura coube ao conselheiro da Indústria, Inovação, Comércio e Turismo do Governo Basco, Bernabé Unda, numa cerimónia que contou com a presença do Secretário-Geral da Energia do Ministério da Indústria, Turismo e Comércio, Pedro Luís Marín, da Presidente da Comissão Nacional da Energia, María Teresa Costa, do Presidente da EDP

Gás, João Manso Neto, do Presidente da Naturgas Energía, Manuel Menéndez e do Director-Geral, Fernando Bergasa. Esta é uma infra-estrutura estratégica que assegura o abastecimento energético de Guipúzcoa, e reforça a rede de intercâmbio de gás entre a Península Ibérica e o resto da Europa, uma vez que constitui a segunda fase do gasoduto Euskadour, que ligará as redes espanholas da Naturgas Energía às francesas da TIGF (Total Infraestructures Gaz France). Nesta obra, a Naturgas Energía teve especial atenção à recuperação ambiental: 370.000 m2 foram reflorestados, o equivalente a mais de 60 campos de futebol.

o n 21


20_23_MERCADO_V2:Layout 1 10/12/28 13:36 Page 22

m e rca d o

Cliente: o centro de todas as atenções! Comercialização de Energia e Inovação nos Produtos e Serviços foram os grandes temas de reflexão e debate no encontro “A Experiência do Cliente EDP”, realizado no final de Setembro. Dinamizado pela DRE (Direcção de Relação com o Cliente), este encontro reuniu as Áreas e as Unidades de Negócio que têm o Cliente como o centro da sua actividade, criando espaço para o conhecimento e partilha de projectos e iniciativas que vão tornar mais positiva a Experiência do Cliente Inovar na relação com o Cliente

Novas realidades como a liberalização total do mercado, a relação online, o produtor-consumidor e as redes inteligentes, obrigam o Grupo EDP a inovar constantemente nos produtos e serviços ao cliente. Segundo Cruz Morais, administrador da EDP e Presidente da EDP Comercial, importa, por isso, actuar não só na variável “preço”, como também inovar continuamente na forma de relacionamento com os clientes (ex: SMS e Factura electrónica) de forma a garantir a fidelização e crescimento da actual carteira de clientes. Aflorou ainda a questão da necessidade premente de reduzir os níveis de emissão de GEE’s (Gases com Efeito de Estufa), com vista a fazer face à directivas de sequestro de carbono da atmosfera. Para esse desafio, a EDP actuará em diversas frentes, nomeada e principalmente através da promoção da Eficiência Energética. Esse esfor22 o n

ço será repartido, em igual medida, pelo segmento residencial, pelo segmento empresarial/ industrial e pelo sector dos transportes. “Estamos a apostar em quatro frentes: serviços para a geração distribuída com fotovoltaico, para microgeração e minigeração, serviços para certificação energética e auditorias para empresas, serviços técnicos de apoio quer à casa do cliente, quer às empresas e ainda contratos ESCO. Este ano, vamos também lançar um conjunto de serviços de posicionamento ao nível da mobilidade, de soluções para a oferta de carregamento de veículos eléctricos”, adiantou Filipe Santos, da EDP Serviços. A verdade é que o paradigma da energia está a mudar a passos largos e, dentro de pouco tempo, teremos cidades novas, capazes de utilizar energias mais limpas e de as gerir de forma mais inteligente. “É esse trabalho de fundo e de campo que estamos a fazer na

Inovcity. É uma plataforma que serve quase como laboratório ao longo dos próximos anos para irmos testando os produtos e serviços”, afirmou Miguel Stilwell d’Andrade, da EDP Distribuição. Mas a inovação não é exclusiva dos serviços. Passa também por uma relação online mais moderna e uma gestão dos contactos mais eficiente. Segundo Manuela Silva, da EDP Soluções Comerciais, “temos dois grandes objectivos: a redução de custos e o grande driver há-de ser todo este trabalho sobre a desmaterialização. As pessoas vão cada vez menos às lojas e aos agentes, cada vez têm menos tempo e precisam que a EDP tenha capacidade de ter com elas uma relação mais moderna, rápida e eficiente. Depois temos o tema da gestão de contactos, que tem que ver com o tratamento das reclamações e dos pedidos de informação dos clientes”.


20_23_MERCADO_V2:Layout 1 10/12/28 13:36 Page 23

m e rc a d o

1M de chamadas atendidas em 2009

HC Energía com o Melhor Centro de Atendimento ao Cliente O centro de atendimento ao cliente da HC Energía foi distinguido com o prémio “Experiência de Cliente 2010” no sector da energia, pelo sexto ano consecutivo. O galardão foi entregue pela Associação Espanhola de Especialistas em Centros de Contacto ao Cliente em colaboração com a Izo System. Um prémio que reconhece as empresas com

melhor atendimento ao cliente. O Centro de Atendimento ao Cliente da HC Energía registou, durante o ano passado, cerca de 1 milhão de chamadas atendidas. O prémio reconhece a aposta que a empresa tem vindo a desenvolver desde há 10 anos, com o objectivo de dar aos seus clientes um serviço de excelência.

EDP SERVIÇOS FORNECE POSTO DE TRANSFORMAÇÃO

O core do negócio

Quanto à comercialização de energia, os desafios são também enormes. Por isso, a partilha e a troca de experiências dentro do Grupo só traz mais-valias. “É muito importante sobretudo que se partilhem ideias entre todas as empresas do Grupo, se troquem experiências e, sobretudo, que se incorpore aquilo que são as preocupações e necessidades dos clientes”, corrobora João Aguiar, da EDP Serviço Universal. E o que espera o cliente? “Essencialmente que a EDP esteja onde e quando é preciso, que ofereça produtos e serviços adequados às suas necessidades, que tenha uma boa relação qualidade/preço, e, sobretudo, que inspire confiança. Esse é já hoje um activo da marca EDP”, reforça Paula Pinto da Fonseca. Uma outra mudança se avizinha a muito curto prazo: o fim das tarifas reguladas para venda de electricidade a clientes finais de muito alta tensão, alta, média e baixa tensão especial. É já a partir de Janeiro de 2011. Segundo Paulo Pinto de Almeida, da EDP Comercial, o fim das tarifas irá trazer mais estabilidade ao mercado, mais transparência e concorrência, incentivando os agentes a serem mais eficientes nos seus processos e mais inovadores na sua oferta. “Com o fim das tarifas num horizonte muito próximo, desenvolvemos uma nova operativa relativamente a clientes do segmento das pequenas

e médias empresas e devemos reforçar a proximidade e a relação com os clientes B2B, marketing one to one, customização de serviço e customização da oferta. Vai ser um ano preenchido de novos desafios. Na área do gás, em Portugal, o objectivo é, segundo Massimo Rossini, da EDP Gás, continuar a crescer, continuar a servir bem os clientes. “Nunca é demais lembrar que o cliente de gás da EDP é um cliente satisfeito. Devemos continuar a competir no mercado da indústria para poder, em primeiro lugar, melhorar o nosso posicionamento, continuando a proporcionar uma forma de energia e maior competitividade para a indústria nacional”, defende. Para António Mexia, presidente do CAE, “o que se está a passar no mercado é um conjunto de forças, de acontecimentos e de alterações que tornam muito mais importante ter este sentido da urgência com que a EDP tem de actuar para resolver aquilo que as pessoas procuram. Ou seja, é necessário pormo-nos no lugar dos nossos clientes - industriais, domésticos, em Portugal, em Espanha, no Brasil - adoptando uma companhia aberta”. E é nestas forças e alterações que a EDP está apostada e, sobretudo, atenta. Antevê-se, sem dúvida, um futuro desafiante para o Grupo a todos os níveis. Nada com que uma companhia sem barreiras, global e com visão estratégica não esteja já familiarizada.

A solução de Aumento do Nível de Tensão oferecida pela EDP Serviços tem como finalidade melhorar a qualidade de serviço e reduzir custos do fornecimento de energia eléctrica. A prestação deste serviço, implica a realização de um estudo prévio das condições técnicas da instalação eléctrica e é composto por diversas soluções como o Fornecimento de Postos de Transformação (PT’s) ou a construção de uma Subestação. O Cliente Lavandaria Araújo e Rosa Costa, de Armação de Pêra, pretendia contratar o serviço de aumento do nível de tensão, para passar do nível Baixa Tensão Especial (BTE) para o nível Média Tensão (MT). E encontrou na EDP Serviços a melhor oferta para fazer face às suas necessidades de poupança e de melhoria da qualidade do fornecimento. A solução disponibilizada pela EDP Serviços, através da sua rede de agentes, passou pelo fornecimento de uma Cabine em Betão MCBA-1T-42502P, pela execução das ligações eléctricas no interior (celas e transformador), bem como pela ligação entre a linha aérea de MT e o transformador de 400 kVA, trabalhos conduzidos pelo agente Olhelectro e realizados no espaço de uma semana em Junho, tendo o cliente ficado ligado em MT no dia 19 de Outubro. O cliente precisa, a EDP Serviços disponibiliza! o n 23


24_25_CAUSAS:Layout 1 10/12/28 13:37 Page 24

causasedp Capacidade económica e empenho social

Escolas Solidárias já estão no terreno!

O

projecto Energia com vida, da EDP Gás, arrancou em Setembro. Esta primeira edição destina-se às escolas dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, público ou privado, dos distritos de Porto, Braga e Viana do Castelo, com o objectivo de no futuro vir a crescer em termos de âmbito geográfico e níveis de ensino. Com o conceito "Através dos jovens, pelas escolas, com a comunidade”, a filosofia é ensinar e motivar os jovens a ajudar os que hoje precisam e dar-lhes a oportunidade única de chegarem à idade adulta com o sentimento de que conheceram os problemas e agiram. Nas escolas vai criar-se uma matriz pedagógico-solidária de continuidade, fazendo a ponte com a comunidade, com as instituições de apoio social existentes, gerando-se plataformas vivas de intercâmbio de conhecimento e intervenção local.

No fim do ano serão apuradas as Escolas Solidárias 2010/11. Vencem aquelas que tentem resolver ou minimizar os problemas encontrados na sua área de envolvência O projecto Energia com vida desafia a comunidade escolar e familiar a abraçar este compromisso de agir, com uma metodologia de intervenção sustentável que se adapta a cada realidade local, actuando sobre áreas como: “pobreza e fome”, “conviver com a diferença”, “doenças graves”, “desemprego”, “população sénior”, “analfabetismo”, “sustentabilidade ambiental” e “parceria global para o desenvolvimento humano”. As equipas escolares são interpeladas a identificar, ao longo do ano lectivo, os problemas reais da sua área de envolvência (que engloba a própria escola), de forma a resolver ou minimizar os problemas encontrados. No fim do ano, serão apuradas as Escolas Solidárias do ano lectivo 2010/11. Conheça e acompanhe este projecto no site www.energiacomvida.org 24 o n


24_25_CAUSAS:Layout 1 10/12/28 13:37 Page 25

causas

220 mil Euros

153 mil beneficiários

EDP Solidária Barragens apoia nove novos projectos Uma lavandaria solidária, com preocupações ambientais, que promoverá a inclusão social no concelho de Vila Velha de Ródão; ateliers terapêuticos para desenvolver as capacidades sensoriais de jovens portadores de deficiências mentais em Mirandela; um projecto de comércio solidário para combater a desertificação na região da Beira Interior. Estes são apenas três dos nove projectos seleccionados pelo programa EDP Solidária Barragens 2010, para os quais serão canalizados apoios na ordem dos 220 mil euros. Os vencedores foram anunciados numa cerimónia no dia 8 de Novembro, no Governo Civil de Vila Real. A esta segunda edição candidataram-se 46 projectos com a intenção de atingir mais de 153 mil beneficiários directos.

Energia solidária

Outubro Rosa A luta contra o cancro da mama tem mais um aliado no Brasil. A EDP aderiu à iniciativa Outubro Rosa, e as torres da EDP Escelsa e as facturas da EDP Bandeirante ganharam nova cor

A

EDP no Brasil aderiu, este ano, à campanha Outubro Rosa na luta contra o cancro da mama, organizada pela Femama - Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama. Nesse sentido, a EDP programou algumas acções, externas e internas, de forma a contribuir para a consciencialização e sensibilização da sociedade e dos seus colaboradores, principalmente do público feminino, para a importância do diagnóstico precoce do cancro da mama.

Mesmo em tempos de crise os colaboradores, da HC Energía, são solidários. Prova disso é a colaboração que têm prestado no projecto que o Grupo lançou em Benim, na república de África ocidental. Como? Ao cederem os salários de um dia de trabalho ou, alternativamente, o montante que consideram adequado, contribuem para a electrificação de uma vila no país. O abastecimento de energia eléctrica às populações com menos recursos é o grande objectivo desta acção solidária em que participam a HC Energía, Fundación HC Energía, Energía sin Fronteras…sem esquecer o empenho que os próprios habitantes colocam no projecto. A participação dos colaboradores nas acções de responsabilidade social, que o Grupo desenvolve, é fundamental. Na verdade, o êxito do projecto dependerá, em larga medida, da colaboração e generosidade dos colaboradores da empresa. A Fundación HC Energía tem aqui um papel preponderante pois duplicará o montante doado, por cada colaborador, para que este projecto se torne uma realidade.

Em alusão ao nome da campanha, as facturas de energia eléctrica da distribuidora EDP Bandeirante ganharam nova cor. Na EDP Escelsa, distribuidora do Espírito Santo, as torres da empresa, localizadas no Morro Jesus de Nazareth mudaram de cor e foram iluminadas de rosa. Além disso, o site da EDP, do Instituto EDP e das distribuidoras EDP Bandeirante e EDP Escelsa, e o Boletim On, também homenagearam a acção e colocaram o seu layout em cor-de-rosa. o n 25


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:38 Page 26

em foco Quanta vida diferente!

O ano de 2010 foi dedicado à biodiversidade. Na sua actividade, a EDP tem como compromisso reduzir a perda das espécies e seus habitats. Saiba como o Grupo tem cumprido a sua missão

26 on

e iv od

Bi

r


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:38 Page 27

em foco

O

e sidad

termo biodiversidade descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. Não se sabe quantas espécies vegetais e animais existem no mundo. As estimativas variam entre 10 e 50 milhões, mas até agora os cientistas classificaram e deram nome a apenas 1,5 milhões de espécies. A poluição, o uso excessivo dos recursos naturais, a expansão da fronteira agrícola em detrimento dos habitatsnaturais, a expansão urbana e industrial, está a colocar em risco de extinção muitas espécies vegetais e animais. A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou o ano de 2010 como Ano Internacional da Biodiversidade, com o propósito de aumentar a consciência sobre a importância da preservação da biodiversidade em todo o mundo. Esta iniciativa pretende realçar a importância da biodiversidade para nossa qualidade de vida, reflectir sobre os esforços já levados a cabo para salvaguardar a biodiversidade, promover e dinamizar todas as iniciativas de trabalho para reduzir a perda da biodiversidade. A protecção da biodiversidade requer um esforço por parte de todos. Através de actividades em todo o mundo, a comunidade global deverá trabalhar em conjunto para garantir um futuro sustentável para todos. A meta de redução da perda de biodiversidade, em todo o mundo, só será alcançada através do contributo activo de todos os sectores da sociedade, sector privado incluído, pelo que a degradação da biodiversidade com a consequente diminuição dos recursos e matérias-primas, não é o caminho a seguir. A pergunta que surge de imediato é: como conjugar, então, o desenvolvimento económico com a protecção dos ecossistemas? A resposta é fácil: através de uma perspectiva de desenvolvimento sustentável. O acesso à electricidade é, por exemplo, visto como fundamental para reduzir a pobreza. Hoje existem aproximadamente 1,6 mil milhões de pessoas sem acesso à electricidade. No futuro, uma larga percentagem dessas pessoas terão acesso à energia. Mas esse desenvolvimento terá directa ou indirectamente impactes na biodiversidade, como a ocupação ou degradação dos ecossistemas, enfraquecimento do solo ou a poluição da água. on 27


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:38 Page 28

em foco

Na EDP a biodiversidade constitui uma importante variável de gestão. A estratégia de negócio do Grupo tem vindo a privilegiar o crescimento a partir das energias renováveis, em particular do vento e da água. Até 2020, pretende-se atingir mais 3,5 GW de potência instalada hídrica e mais 274 GW de potência instalada em energia eólica. A variável de gestão decorre, essencialmente dos seguintes objectivos: - Controlo do risco operacional, resultante do crescente enquadramento legislativo e regulamentar em matéria da protecção da biodiversidade e da pressão social associada à construção de novos empreendimentos; - Posicionamento da empresa em mercados geograficamente localizados em zonas de extrema sensibilidade, nomeadamente no Brasil, onde a adopção de políticas e de iniciativas especificamente dirigidas à biodiversidade, no quadro da gestão ambiental dos projectos, assume particular importância; - Manutenção de uma reputação de confiança e credibilidade junto das principais partes interessadas, assumindo em matéria de protecção da biodiversidade, uma atitude liderante e proactiva.

Produção Hidroeléctrica A construção de novos aproveitamentos hidroeléctricos, principalmente com recurso a albufeira, leva à inundação de terrenos de vários tipos de uso. A supressão irreversível das galerias ripícolas de elevado valor ecológico, a consequente fragmentação dos habitats e a alteração dos regimes de caudais, são os impactos mais significativos. Na zona de albufeira os sistemas lóticos (águas correntes) são substituídos por sistemas lênticos (águas paradas), o que leva a um reajuste das espécies residente. Ao longo do troço do rio, onde foi construída a barragem, as espécies migradoras de peixes

são normalmente as mais afectadas. Neste sentido, a EDP promove uma série de medidas para um novo equilíbrio de ecossistemas, tirando partido das condições favoráveis a algumas espécies. Promove ainda um conjunto de medidas compensatórias, tais como, a recuperação de linhas de água degradadas, a melhoria da qualidade dos habitats vizinhos ou a desova artificial e a recuperação de linhas de água a jusante. A EDP tem escadas de peixes em muitos aproveitamentos e promove medidas compensatórias associadas às espécies migratórias.

Produção Termoelétrica Os impactos ambientais das centrais termoeléctricas afectam a biodiversidade de forma mais pontual ou indirecta. À escala global, o efeito das alterações climáticas é considerado um dos principais factores de ameaça à biodiversidade. Com cerca de oito mil MW de potência instalada de produção térmica (a carvão, fuel e gás natural), os impactos podem ser significativos na fase extracção de matérias-primas, pela degradação dos habitats, quer falemos nas emissões de gases acidificantes quer nas emissões de água de refrigeração para o meio

hídrico. A EDP assumiu o compromisso de reduzir as emissões de CO2 até 70% em 2020, face aos valores de 2005, o que se consegue através da redução dos consumos de electricidade a partir de combustíveis fósseis. Ao mesmo tempo, a EDP tem vindo a optar por combustíveis com menores concentrações de enxofre e a implementar sistemas de desnitrificação e dessulfuração das emissões. As torres de refrigeração, já existentes novas centrais de ciclo combinado, contribuem também para minorar os impactos.

Produção Eólica Na produção eólica, os impactos na biodiversidade são localizados e reduzidos. No entanto, é dada uma especial atenção, por parte da EDP, por ser uma actividade em grande expansão. A realização de análises de viabilidade e impacto ambiental e outros estudos específicos de avifauna, ruídos, etc, na fase inicial do projecto, permitem eleger a localização correcta dos parques eólicos e,

consequentemente, minimizar futuros danos ambientais. Os principais impactos directos advêm da colisão de aves e morcegos nas pás das turbinas. A EDP faz estudos de monitorização sobre a colisão de aves e morcegos com as pás dos aerogeradores e promove medidas compensatórias que passam por limitar os acessos indiscriminados que perturbam espécies e habitats sensíveis.

Distribuição de Electricidade A expansão da rede de distribuição de energia eléctrica está muito dependente do planeamento urbano. À medida que crescem as áreas de construção em zonas com estatuto de protecção da natureza, aumenta também o número de quilómetros de linhas que terão de ser construídas nessas regiões. Os principais 28 on

impactos resultam da colisão e da eletrocussão de aves, na Península Ibérica, alargando-se estes impactos a outras espécies de fauna, como o macaco Sagui-de-cara-branca, no Brasil. A necessidade de gestão do coberto vegetal nas faixas de protecção das linhas de distribuição

obriga a cortes periódicos da vegetação. A EDP promove medidas de minimização, como o desvio de traçados, recurso a cabos isolados, colocação de dispositivos de sinalização das linhas, entre outras. Promove ainda o isolamento das linhas aéreas de distribuição de energia eléctrica.


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:39 Page 29

em foco

CUSTOS E INVESTIMENTOS NA BIODIVERSIDADE Nos últimos anos, a EDP tem vindo a fazer um esforço de individualização das despesas com o ambiente, desagregados por categorias ambientais. Hoje é possível conhecer os custos e os investimentos anuais para protecção da Biodiversidade.

INVESTIMENTOS Portugal Espanha Brasil DESPESAS Portugal Espanha Brasil

2009 16.150 7.374 1.238 7.538 2.765 1.337 773 655

2008 20.555 14.923 915 4.717 1.394 352 812 230

2007 8.238 3.355 1.035 3.848 696 423 57 216

(Unidades: mil euros) Nota: Os custos com protecção da biodiversidade e paisagem nos EUA ainda não estão desagregados das restantes matérias ambientais

Fundo EDP para a biodiversidade O Fundo EDP Biodiversidade, criado em 2007, financia projectos associados à promoção e recuperação da biodiversidade, a um ritmo de 500 mil euros anuais até 2011. Podem candidatar-se entidades sem fins lucrativos, públicas ou privadas, e instituições de carácter científico ou universitário, que demonstrem competências técnicas no domínio da conservação da natureza. Com a constituição deste fundo, a EDP pretende contribuir para o aprofundamento do conhecimento científico sobre os diferentes aspectos da biodiversidade e optimização da conservação e melhoria da dinâmica

dos ecossistemas com especial incidência nos domínios mais relevantes para o desenvolvimento das suas actividades, privilegiando as regiões onde opera. O júri da edição de 2010 foi presidido por João Ferreira do Amaral, professor do ISEG e presidente do Conselho de Sustentabilidade e Ambiente do Grupo EDP e contou com Maria do Rosário Partidário, professora do IST e especialista em avaliação ambiental estratégica, Francisco Sánchez, em representação da Fundação EDP, Luís Filipe Manuel, administrador da EDP Inovação e António Neves

de Carvalho, director de Sustentabilidade e Ambiente da EDP. Nesta sua terceira edição foram contemplados quatro projectos de conservação: Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (estudo dos hábitos das aves migratórias), Instituto Superior de Agronomia (estudo das árvores ribeirinhas), Centro de Ciências do Mar do Algarve (estudo das florestas do fundo do mar) e Frauga-Associação Desenvolvimento Integrado de Picote (estudos dos usos e saberes associados às espécies do Parque Natural do Douro Internacional). As entidades promotoras vão partilhar 500 mil euros. on 29


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:39 Page 30

10+

em foco

Água • Milhares de milhões de pessoas, em especial nos países em desenvolvimento, vão buscar a água que bebem directamente aos rios, lagos, nascentes e pântanos.

Ricos em biocapacidade

60% da capacidade regenerativa do Planeta está por conta de apenas 10 países: Brasil, China, Estados Unidos da América, Rússia, Índia, Canadá, Austrália, Indonésia, Argentina e França.

• Em 1995, cerca de 1,8 mil milhões de pessoas viviam em áreas com stress hídrico severo.

SOS Planeta

• Estima-se que, em 2005, cerca de dois terços da população mundial – 5,5 mil milhões de pessoas – viverão em condições de stress hídrico moderado a severo.

Florestas • As florestas concentram 90% da biodiversidade terrestre, armazenam carbono, ajudam a regular o clima, diminuem os impactos das cheias e purificam a água. • A desflorestação é responsável por 15% dos gases com efeito de estufa emitidos por responsabilidade do Homem.

Portugal Gastamos quase quatro vezes mais recursos ambientais do que aqueles que temos disponíveis: • Pegada ecológica portuguesa: 4,5 hectares por pessoa. • Biocapacidade (medida da capacidade regenerativa, com a possibilidade de mitigar as emissões de CO2 ou de gerar recursos capazes de suprimir o consumo): 1,3 hectares por pessoa. • Ocupamos o 39º lugar na lista dos maiores destruidores do planeta.

30 on

• Em termos de biocapacidade Portugal encontra-se na 85ª posição entre 126 países, abaixo da média europeia. • Consumimos mais recursos ambientais do que aqueles que conseguimos produzir e somos os sexto país no mundo que mais água gasta per capita, com um consumo de mais de 6 mil litros por dia e por habitante.


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:39 Page 31

em foco

Mar • Cerca de 3 mil milhões de pessoas vão buscar ao peixe 15% das proteínas animais que ingerem. • Os stocks das dez espécies mais pescadas são super-explorados, pelo que é difícil recuperar as taxas de efectivos no futuro próximo. • Em 2007, 28% dos stocks marinhos monitorizados estavam sobre-explorados, esgotados ou a recuperar do esgotamento. • 70% do peixe comercial de mar está hoje ameaçado. • Os stocks de atum-rabilho, do Mediterrâneo, já estão à beira do colapso, tal como acontece com o bacalhau. • O Índice de Planeta Vivo Marinho diminuiu 24% de 1970 a 2007. Este índice é um indicador da evolução da vida marinha, a partir do seguimento de 2.023 populações de 636 espécies de peixes, aves marinhas, tartarugas e mamíferos marinhos.

População mundial • 3,5 mil milhões de pessoas vivem em áreas urbanas. • 6,3 mil milhões previsão para o número de habitantes das áreas urbanas, em 2050. Em 2050, a população mundial atingirá os 9 mil milhões. • 80% é a percentagem das emissões globais de CO2 produzidas nas cidades.

Os cinco mandamentos a cumprir por todos para a qualidade de vida crescer sem prejudicar a Terra. 1. Alterar os padrões de consumo. A forma como comemos e a energia que gastamos têm um impacto directo no carbono que emitimos. 2. Criar áreas protegidas, impedir a desflorestação, preservar os cursos de água, controlar as pescas. 3. Investir em edifícios com grande eficiência energética e transportes de baixo consumo. 4. Planear e gerir o solo racionalmente. 5. Partilhar os recursos: energia, água e alimentos. O falhanço da cimeira do clima de Copenhaga mostrou que é bastante mais fácil dizer do que fazer, sobretudo ao nível governamental. Num relatório da WWF estima-se que em 2030 a pressão sobre os recursos naturais equivalerá a dois planetas Terra. Em 2050, serão quase três.

on 31


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:40 Page 32

em foco

QUIZ EDP e a Biodiversidade PORTUGAL 1 - A EDP Gás estabeleceu uma parceria com a Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente ao abrigo do projecto Pronatura, com o objectivo da reflorestação de áreas ardidas com espécies autóctones, promovendo assim a biodiversidade na nossa floresta. Quantas árvores planeia plantar no município de Caminha? a) 500 b) 1.000 c) 2.000

3 - A construção do novo aproveitamento hidroeléctrico do Baixo Sabor, numa zona de elevada sensibilidade ecológica, foi precedida de um processo de Avaliação de Impacto Ambiental muito complexo. Com que organização a EDP estabeleceu voluntariamente uma parceria para assessoria científica a todo o processo, visando assegurar e maximizar a eficácia ecológica das medidas a implementar no terreno? a) Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) b) Instituto da Conservação da Natureza (ICN) c) Liga para a Protecção da Natureza (LPN) 4 - A EDP detém, desde 1996, na Central Térmica de Setúbal, 1.000 m2 de estufas, optimizadas para a produção de espécies autóctones e algumas com estatuto de protecção. Os resultados demonstraram que o aquecimento provocou um aumento da taxa de crescimento das plantas em 30%, face a estufa não aquecida. Quantas plantas/ano pode produzir esta estufa? a) 100.000 b) 50.000 c) 75.000

2 - A EDP mantém, desde 2003, uma parceria com a Quercus e com a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, que visa promover o equilíbrio entre a qualidade de serviço técnico e protecção das espécies, que colidem e/ou são electrocutadas nas linhas de distribuição de electricidade. Como é conhecida esta parceria? a) Corredores Ecológicos b) Protocolo Avifauna c) Operação Habitats Protegidos 32 on

5 - A EDP apoiou, através do seu Fundo para a Biodiversidade, várias iniciativas no âmbito do compromisso Business&Biodiversity, num total de 2,5 milhões de euros por um período de cinco anos. Entre estas faz parte o Plano de Recuperação de Emergência de três espécies de Aves Rupícolas no Parque Natural do Douro Internacional. Estamos a falar de que aves? a) Andorinhão Real,Gralha-de-BicoVermelho e Grifo b) Bufo Real, Falcão Peregrino e Britango c) Águia de Bonelli, Abutre do Egipto e Cegonha Preta

ESPANHA 6 - Cada novo cliente e cada nova factura electrónica da HC Energía traduz-se no compromisso da empresa para com o meio ambiente. Assim, os clientes e a Fundación HC Energía já conseguiram plantar mais de 30.000 árvores diferentes em distintos pontos do território asturiano. Como se chama esta iniciativa? a) “Un cliente, un árbol” b) “Viva la floresta” c) “Facturas ecológicas” 7 - A Naturgas Energía prevê plantar, nos próximos meses, mais de 13.000 árvores em Mendibil (Álava) e no Parque Natural de Aiako Harria (Gipuzkoa), em dois locais cedidos pelas delegações florestais. As árvores são espécies autóctones e serão escolhidas dependendo da sua melhor adaptação aos terrenos. Qual a dimensão dos locais? a) 4 hectares b) 7 hectares c) 10 hectares


26_33_CAPA:Layout 1 10/12/28 13:40 Page 33

em foco

14 - Qual a espécie de mamífero terrestre, endêmica do litoral do Rio Grande do Sul, que vive em tocas cavadas na areia e está a ser protegida durante as obras do Parque Eólico de Tramandaí? a) Cuíca-Lanosa (Caluromys philander) b) Tuco-Tuco-Branco (Ctenomys flamarioni) c) Tamanduá-Mirim (Tamandua tetradactyla)

RENOVÁVEIS 15 - A EDP Renováveis está a desenvolver um projecto de controlo e seguimento de aves de rapina diurnas na Catalunha. Para que espécie está orientado este projecto? a) Águia real b) Águia perdicera c) Pato mármore

10 - Para garantir a conservação da biodiversidade a HC Energía criou o primeiro ascensor fluvial da região das Astúrias. Uma forma levar os peixes, que passam pela central da empresa, a ultrapassarem o obstáculo e assim seguirem o curso natural do rio. Onde está instalado? a) Rio Taverga b) Rio Tejo c) Rio Huebra

11 - No âmbito do Econnosco, programa que tem como objectivo a preservação dos recursos humanos, que quantia foi investida, em 2010, na implantação de colectores para recolha selectiva de resíduos e pilhas, num evento para os filhos dos colaboradores com palestra de sobre resíduos, em material de consciencialização ambiental para o público interno e no desenvolvimento de projectos de sustentabilidade pelos embaixadores do Econnosco? a) 500 mil reais b) 20 mil reais c) 100 mil reais

12 - Como se chama a iniciativa inserida no Programa EDP nas Escolas, que teve como tema “Biodiversidade: quanta vida diferente!”, onde estudantes tiveram que elaborar um jornal, produzido em grupo? O concurso aconteceu nos estados de São Paulo, Espírito Santo, Tocantins, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e teve cerca de 7000 alunos envolvidos e 950 trabalhos foram criados. a) Arte com Energia b) Viva a Nossa Energia c) Ambiente é Vida

13 - O projecto de aproveitamento de água da chuva para irrigação de jardins e pomares, da regional sul da EDP Escelsa, foi realizado em que município? a) “Cachoeiro de Macaé” b) “Cachoeiro de Ubatuba” c) “Cachoeiro de Itapemirim"

17 - Centenas de milhares de exemplares de aves de rapina cruzam todos os anos a Europa e a África, tendo no Estreito de Gibraltar uma zona de concentração e passagem obrigatória. Poder contar com esta região como uma zona de aves migratórias abundantes proporciona informação de elevado valor para a gestão e conservação das aves de rapina migratórias. Que ferramenta é utilizada? a) Colocação de anilhas b) Publicação de um guia c) Instalação de um painel informativo

Soluções

9 - Que espécie animal da fauna asturiana e seu habitat têm sido defendidos pela Fundação HC Energía? a) Urso-pardo b) Veado c) Morcego

BRASIL

1-c, 2-b, 3-a, 4-a, 5-c, 6-a, 7-b, 8-b, 9-a, 10-a, 11-c, 12-a, 13-c, 14-b, 15-a, 16-c, 17-a

8 - O rio Nálon recebeu novos habitantes para repovoar as suas águas. A Fundação HC Energía soltou mais de 100.000 alvéolos, em colaboração com a Asociación de Pescadores y Amigos del Nalón. Os alunos do colégio público Elena Sánchez Tamargo, de Pola de Laviana, contribuíram para soltar os exemplares nas águas do rio. A finalidade desta acção é incutir entre os estudantes asturianos a preocupação pelo cuidado com o meio ambiente e a necessidade de proteger a biodiversidade. De que espécie de peixes falamos? a) Carpa b) Truta c) Achigã

16 - Na sua politica de compromissos, a EDPR North America valoriza a vida selvagem e o seus habitats. Nesse sentido, já gastou milhões de dólares em estudos para entender melhor e tentar reduzir os potenciais impactos dos parques eólicos. Quantos estudos foram lançados, em 11 estados, no ano de 2010? a) 7 b) 12 c) 18

on 33


34_37_QUEM E QUEM:Layout 1 10/12/28 13:41 Page 34

quem é quem Directora de Criação do Cirque du Soleil

LYN HEWARD L

yn Heward está no Cirque du Soleil há 18 anos e nunca sentiu a chama apagar. Nesta entrevista explica porquê e revela agumas dicas para que a criatividade e a satisfação no trabalho continue sempre em alta. Está há muitos anos no Cirque du Soleil. Como mantém a “chama” acesa?

Fazendo sempre coisas diferentes. Tive sorte com o Cirque. Deixaram-me progredir imenso. E este é o cenário ideal para qualquer pessoa: entrar para um cargo e a empresa permitir que o colaborador vá evoluindo, fazendo sempre coisas novas. De dois em dois anos, davam-me um trabalho diferente. Quando algumas pessoas (e isso aconteceu algumas vezes nos últimos anos) vêm ter comigo

essa missão social tenha tanto significado dentro da empresa, como para os nossos consumidores fora dela. Nós sabemos o que os espectadores esperam de nós. Mas para lhes darmos isso, temos de dar o mesmo aos nossos colaboradores, chamar as suas emoções, provocar os seus sentidos e evocar a sua imaginação. O nosso “mantra” tem que ver com crescimento e realização pessoal, apesar de fazermos parte de uma equipa e de falarmos sempre da equipa que queremos, temos de ter o nosso próprio espaço. O nosso “mantra” está também ligado ao nosso papel social, que é e sempre foi, trabalhar com jovens carenciados ou marginalizados. E isso tornou-se muito importante para o Cirque, ao ponto de alguns dos nossos treinadores trabalharem em projectos exteriores,

“Criatividade exige prática” O Museu da Electricidade acolheu, no dia 11 de Outubro, a Happy Conference 2010, iniciativa dirigida a mais de uma centena de quadros da Escola de Desenvolvimento de Directivos da Universidade EDP. Falou-se sobre criatividade, talento e inovação, considerados factores críticos no sucesso pessoal e profissional. Conclusão geral: foi muito inspirador poder ligar o Cirque du Soleil à EDP e dizem: “Estou tão satisfeito porque progredi na empresa, mas não sou feliz a fazer o meu trabalho”, e me perguntam o que devem fazer, eu respondo: “Vai fazer aquilo que gostas, mesmo que isso signifique ir ter com os artistas numa sexta-feira ao final da tarde. O teu trabalho é importante, mas deves sentir-te feliz e saudável a fazê-lo”. Quando me tornei presidente da divisão de conteúdos criativos sabe o que mais senti falta? De trabalhar com os artistas. Quais são os “mantras” da empresa?

O principal é evocar a imaginação, provocar os sentidos e chamar as emoções. Originalmente, isso estava escrito como o lema da empresa internamente. Era o que usávamos para motivar as pessoas da empresa. Depois, tornou-se na declaração da empresa para o exterior. A situação ideal, quando tudo é perfeito, é que 34 o n

que trazem muita inspiração para dentro da empresa. É algo que cada colaborador do Cirque tem de fazer: participar nessa missão social através de uma percentagem do seu ordenado para esse programa. Eles têm a sua missão na vida, mas também têm a sua missão aqui no Cirque. Como define criatividade?

Primeiro, criatividade distingue-se de inovação. Não falo muito de inovação, porque o que me faz vibrar é o facto de as pessoas se tornarem cada vez mais criativas nas suas vidas. Criatividade começa com inspiração, intuição, com a nossa capacidade de ver coisas antigas sob novas formas, e de transportar tudo isso para a forma como vivemos. Não é uma característica que só se encontra no escritório. Criatividade exige prática, assim como ler um livro ou fazer


34_37_QUEM E QUEM:Layout 1 10/12/28 13:41 Page 35

Directora de Criação do Cirque du Soleil quem é quem

Como é que se consegue manter como novo um produto antigo?

Nem sempre é tão fácil como pensamos. Uma coisa boa é que o nosso produto é um produto vivo. Não é como manteiga ou um automóvel. Com a manteiga temos sempre as mesmas expectativas (“será que vou engordar?”), com um automóvel, outras (“será que me vai transportar para o emprego?”). Mas quando lidamos com um produto vivo, é algo que está em mudança constante. Mesmo no mundo mais perfeito. Porque as pessoas mudam. Depois, no nosso caso, há outros factores, como o show ter de mudar de local, alguém que não pode actuar

porque fez uma lesão ou porque está doente, e de repente tem de entrar outra pessoa para o substituir. As mudanças produzem, à sua maneira, a sua própria energia. O espectáculo muda porque fazemos mudanças estratégicas, mas também muda porque as pessoas mudam. E sempre que trazemos uma pessoa nova para o show, de repente, o show fica diferente. Apesar de querermos que os nossos espectáculos sejam coerentes, temos, ao mesmo tempo, de lhes deixar espaço para crescerem… Como funciona o processo de recrutamento no Cirque?

No Cirque não fazemos recrutamento ou “identificação de talentos” da forma tradicional. O nosso departamento de casting, a agora divisão de sinergia criativa, tem dois mandamentos distintos: correr o mundo em

busca de ideias e inspirações, que se torna na força principal do nosso processo criativo; e “andar sempre com uma cana de pesca” para descobrir os talentos individuais que irão assegurar a riqueza criativa e artística, assim como a longevidade, dos nossos espectáculos. Os nossos caçadores de tesouros procuram as pérolas mais preciosas. O processo de casting é uma corrente de dois sentidos. A empresa tem as suas necessidades básicas, o candidato faz a sua oferta. Claro que, como em qualquer empresa, procuramos certas qualidades e competências para cada posição. Contudo, procuramos adicionar valor. Potencial. Um pouco de “loucura”, mas algo de extraordinário, que nos ajudará a puxar os limites daquilo que queremos realizar e fazer daquele indivíduo algo de único e verdadeiro para o nosso processo criativo. Mantemos uma base de v

cálculos. Temos de sair, procurá-la e praticá-la. Basicamente, ela surge através do que sentimos, das experiências que vivemos e do mundo à nossa volta.

o n 35


34_37_QUEM E QUEM:Layout 1 10/12/28 13:42 Page 36

quem é quem Directora de Criação do Cirque du Soleil

EDP HAPPY CONFERENCE 2010 O Museu da Electricidade acolheu, no dia 11 de Outubro, a Happy Conference 2010, um encontro em que se falou sobre criatividade, talento e inovação, considerados factores críticos no sucesso pessoal e profissional. O encontro, que reuniu cerca de 130 participantes, teve como oradora Lyn Heward, actual directora de criação do Cirque du Soleil, ex-presidente e COO da Divisão de Conteúdos Criativos durante grande parte da história da empresa. Ao longo da sua vida Lyn Heward desenvolveu um vasto conhecimento sobre talento, criatividade e inovação que tem estado na génese dos grandes espectáculos do Cirque du Soleil. Hoje, é uma especialista nesta área. Lyn Heward alicerça as apresentações na sua experiência para mostrar como a criatividade existe em cada um de nós e deve fazer parte de tudo o que fazemos. “Acredito que quando nascemos, nascemos para sermos criativos e inteligentes”, refere. As suas intervenções contêm uma série de conselhos práticos sobre o desenvolvimento do talento; criatividade; capacidade de arriscar; liderança; trabalho de equipa; e cultura empresarial forte, dinâmica e vencedora. Na Happy Conference,

36 o n

a oradora transportou os participantes para os bastidores de um dos maiores espectáculos do mundo para explorar a natureza da criatividade e da inovação. Também no livro que criou, e que foi distribuído aos participantes na Happy Conference, (“A Chama da Criatividade”), a autora convida os leitores a entrar no mundo e nas ideias do Cirque du Soleil através da história de um homem comum que procura um sentido no seu trabalho e na sua vida. Trata-se de uma história inspiradora, que conta episódios dos bastidores, envolvendo as pessoas mais criativas e inovadoras no mundo do espectáculo. De acordo com Lyn Heward, “A Chama da Criatividade” é um manual “que contém três grandes mensagens: todos temos um potencial criativo dentro de nós; todos temos um enorme potencial de trabalho em equipa (se estivermos inseridos numa equipa forte, evoluímos mais depressa, somos mais criativos e produtivos); e tudo o que precisamos para sermos mais criativos está à nossa volta, mesmo à nossa frente, basta estarmos atentos”. Como Lyn esclarece, “não há uma fórmula para o sucesso criativo – cada um de nós tem de rodar a chave do poder da sua imaginação à sua maneira”.


34_37_QUEM E QUEM:Layout 1 10/12/28 13:42 Page 37

Directora de Criação do Cirque du Soleil quem é quem

dados com mais de 20 mil pessoas, que actualizamos regularmente, e organizamos audições privadas, nunca audições em grupo. As audições privadas pretendem descobrir os talentos escondidos e a avaliar o potencial individual. Qual o segredo para manter os colaboradores motivados?

Oh boy!... De muitas maneiras. Penso que a coisa mais importante no Cirque é mantermos os nossos colaboradores muito próximos do produto. Temos um estúdio de treino maravi-lhoso, em Montreal, originalmente construído sob a forma de um navio, para nos lembrar que estamos constantemente a viajar pelo desconhecido. Foi também construído no meio de um desterro de lixo. É verdade. Comprámos este terreno de 3 milhões de metros quadrados à Câmara de Montreal, pois tinha ser muito barato. Desde 1996, reabilitámos o terreno, construímos este navio (que se parece com uma caravela portuguesa da época dos Descobrimentos). Este espaço cresceu exponencialmente nos últimos dez anos. E lembra-nos, a cada dia, que estamos numa viagem de descoberta de novos espectáculos, de novos temas, novas pessoas e a nossa responsabilidade é de cobrir o mundo inteiro. O que fazem nesse espaço?

Uma série de coisas diferentes como, por exemplo, nas sextas-feiras ao final da tarde conhecemos ali novos artistas que foram treinando algumas performances, para mostrar

chamamo-las directores e guias criativos. Quem tem as ideias é um visionário, que nos guia em qualquer direcção que formos com o novo show. Seja uma decisão estratégica (se vai ser um espectáculo de teatro, se vai ter tournées, se vai estar em arenas, se vamos para África do Sul ou vamos para a China); ou é um director criativo, no sentido do que será o conteúdo do espectáculo. Temos então pessoas que são guias e depois temos os maravilhosos vice-presidentes que estão lá para assegurar a estrutura organizacional que suporta o processo criativo e o processo de distribuição do nosso negócio. Há dois lados: criamos e mantemos os espectáculos vivos, por muito, muito tempo. Showscomo Mystere, estão em Las Vegas desde 1993. Isto implica ter um apoio enorme, uma grande estrutura. Sim, continuamos a apoiar os artistas em palco, mas quem vai vender os bilhetes, fazer o marketing do espectáculo, fornecer os técnicos, etc? Eu diria que é um equilíbrio saudável entre manter a vantagem criativa e manter a vantagem em termos de negócio. Qual é a importância de se ter uma perspectiva exterior ao processo?

Porque o nosso produto é um produto vivo, temos permanentemente uma perspectiva exterior. Isso significa que temos de estar sempre atentos, de observar e ouvir a audiência. Isso não quer dizer que tenhamos de fazer grandes alterações aos espectáculos. Mas temos de ter em atenção as diferentes sensibilidades culturais.

Uma coisa que funciona bem no Japão, pode não funcionar necessariamente bem no Canadá. Temos de ter essa consciência quando trabalhamos para diferentes mercados. Saber quais são as expectativas. Não fazendo alterações radicais, mas assumindo as mudanças que forem necessárias a um público de 18 mil pessoas. Por que fazemos isto? Para que as pessoas se sintam perto do produto. Em Montreal, apenas temos novos shows de dois em dois anos. E os nossos colaboradores têm de esperar esse tempo todo por um novo espectáculo. Mas eles próprios podem fazer parte do show, pela forma como dão o seu apoio. Podem ser as pessoas do figurino, terapeutas, treinadores, pode ser o contabilista… Todos eles contribuem, de alguma forma, para a evolução do produto. É, por isso, uma forma de lhes dizer obrigado pela sua colaboração. Qual é a importância dos chefes na liderança das ideias?

Nós não usamos o termo “chefe” (boss). Há com certeza pessoas que “mandam”, mas nós

Sete Portas Sete pistas, a que Lyn chama portas, essenciais para se ser bem sucedido: 1.ª porta Agarrar as oportunidades criativas que vão surgindo. 2.ª porta Despertar os sentidos e ousar experimentar. 3.ª porta Ver além do óbvio: a transformação criativa. 4.ª porta Ambiente propício à inovação. 5.ª porta Ver os obstáculos como desafios para chegar mais longe. 6.ª porta Correr riscos faz parte do processo criativo. 7.ª porta Estar atento às pessoas com quem trabalha: um líder criativo nunca perde de vista o potencial do pessoal com quem trabalha. Porque a criatividade e a inovação são reconhecidamente fundamentais para o sucesso nos negócios e em tantas outras facetas das nossas vidas, cabe a cada um de nós abrir as portas certas.

Uma coisa que funciona bem no Japão, pode não funcionar necessariamente bem no Canadá. Temos de ter essa consciência quando trabalhamos para diferentes mercados. Saber quais são as expectativas. Não fazendo alterações radicais, mas assumindo as mudanças que forem necessárias. Têm artistas portugueses no Cirque du Soleil?

Dois dos artistas que estão há mais tempo na companhia, desde a estreia de Saltimbanco, 1992, são os portugueses Lordor Brothers. Neste momento, estão no Mystere. A sua família pertence ao meio circense há longos anos. Mas temos também palhaços portugueses, e outras pessoas que cantam e dançam. o n 37


38-39_EM DEBATE:Layout 1 10/12/28 13:44 Page 38

em debate CARLOS ZORRINHO · Professor Universitário e Secretário de Estado da Energia e Inovação

Competitividade com Energia Portugal fez da energia uma das áreas estratégicas de aposta para o aumento da competitividade da sua economia. Mas até que ponto e de que forma?

P

ortugal fez da energia, uma das áreas estratégicas de aposta para o aumento da competitividade da sua economia, através da redução da dependência energética, da redução de importações de combustíveis fósseis e da criação de clusters industriais e de desenvolvimento e comercialização de soluções associadas às energias renováveis, à eficiência energética e às redes inteligentes. 38 on

Essa aposta tem sido bem sucedida. Portugal tem hoje uma das políticas energéticas mais inteligentes, verdes e inclusivas do mundo. No primeiro semestre de 2010 mais de 60% da electricidade (e cerca de 25% da energia total) consumida em Portugal foi proveniente de fontes endógenas e renováveis, gerando uma redução de importações de cerca de 500 milhões de euros.

O sucesso desta política decorre de uma escolha, transformada numa visão mobilizadora e numa estratégia partilhada. Só com empresas fortes, internacionalizadas e com elevados padrões de gestão será possível manter de forma sustentável a posição liderante do país nos domínios de fronteira tecnológica em que compete. É por isso com satisfação que constato a adopção por empresas de referência como a EDP de projectos de gestão avançada que permitem alinhar a dimensão estratégica, a flexibilidade estrutural e optimização dos processos. A competição empresarial faz-se cada vez mais num plano global e de forte agressividade, assumindo um papel chave os factores de diferenciação, designadamente a capacidade de colocar em rede talentos e competências, adequar respostas por medida de forma rápida, alocar de forma óptima os recursos financeiros e logísticos, motivar e mobilizar equipas em torno de objectivos partilhados. Sendo estes factores críticos para todas as empresas com ambição global, tornam-se ainda mais importantes para as empresas portuguesas, que partem para o mundo tendo por base um País de média dimensão e com recursos limitados, fazendo com que só a optimização e a flexibilidade das respostas, conjugadas com a inovação e a criatividade incorporada nas soluções, assegurem a diferença que conduz ao sucesso. Já foi assim aliás quando no passado desdobrámos recursos na gestão de um império geopolítico improvável mas que marcou uma transição na história da humanidade. Somos um país de pioneiros que vencemos quando ao engenho e à arte se junta a vontade, a determinação estratégica e as ferramentas adequadas. Como ferramenta de trabalho colaborativo, informação rápida e pertinente, articulação sistémica e optimização de esforços e recursos, acredito que o projecto de gestão de processos em curso na EDP será determinante para que esta empresa possa continuar de forma sustentável a concretizar os ambiciosos objectivos que estabeleceu e cuja importância para o país é reconhecida.


38-39_EM DEBATE:Layout 1 10/12/28 13:44 Page 39

em debate

As opiniões de diferentes personalidades

+

+

Rui Ferin Cunha

Carlos Motoki

Virgínia Andrade

· EDP-Energias de Portugal, S.A.

· Escelsa

· EDP Distribuição

As expectativas que o Sr. secretário de Estado da Energia e Inovação tem em relação ao projecto de gestão de processos na EDP, baptizado internamente por EDPro, são fundadas num conhecimento profundo desta matéria. Estamos perante alguém que dedicou uma parte substancial da sua carreira académica ao estudo destas matérias, tendo atingido o grau de professor catedrático em Gestão, e que actualmente, por força do cargo governativo para o qual foi designado, é profundamente conhecedor do sector da Energia. É assim evidente que, se quisermos concretizar os nossos objectivos no actual contexto económico mais adverso e também mais competitivo, teremos que estar cada vez mais bem organizados e sermos cada vez mais eficientes. Podemos ter uma abordagem intuitiva à gestão, mas isso significa entregarmos o nosso destino à sorte. Seguramente que ninguém enjeita um pouco de sorte, mas é indispensável dominar uma abordagem sistemática à gestão dos processos para apurarmos e replicarmos as nossas próprias fórmulas de sucesso.

A EDP Energias do Brasil tem vivenciado e se beneficiado da internacionalização do projeto de gestão avançado de processos da EDP (EDPro) citado pelo Sr. secretário de Estado da Energia, Carlos Zorrinho. O alinhamento estratégico referido no seu texto ocorre anualmente na EDP Energias do Brasil através do método Balanced Scorecard, que desdobra os três eixos estratégicos do Grupo EDP em objetivos, indicadores e metas e que permite uma eficaz priorização e otimização de processos críticos com vista ao alcance dos objetivos estabelecidos. O modelo de governo tem proporcionado um monitoramento mais eficaz dos processos comerciais através da gestão do fluxo de atividades, indicadores, metas e planos de ação em uma plataforma tecnológica de fácil utilização (ibpms). O reconhecimento da EDP Escelsa pelo segundo ano consecutivo no Prêmio de Qualidade do Espírito Santo com a medalha de Ouro (2009 e 2010) parece já refletir os benefícios deste projeto.

Considerando que as empresas são feitas de pessoas diferentes entre si, mas que se alinham em redor de objectivos comuns, torna-se essencial a compreensão e adopção de uma abordagem end-to-end dos processos, visando acrescentar valor, não só garantindo resultados ao nível do alinhamento estratégico e regulatório, mas também promovendo a integração numa óptica de grupo e a melhoria da eficiência e eficácia operacionais. Na EDP Distribuição tem vindo a ser desenvolvida uma estratégia consistente, no sentido de se atingir um desempenho superior através do desenho dos seus processos de negócio, medição da sua performance, controlo, melhoria e mudança. Papel preponderante é também dado à inovação dos processos, sem dúvida um factor de competitividade. Inovar nas actividades cruciais para o negócio, na procura de novas soluções, de acordo com a triangulação – pessoas, processos e sistemas - em linha com os novos contextos que nos são colocados, torna-se um desafio constante.

José Carlos das Dores Zorrinho, 51 anos, é o actual secretário de Estado da Energia e da Inovação. Doutorado em Gestão de Informação, é professor catedrático do Departamento de Gestão de Empresas da Universidade de Évora. Entre 2000 e 2002, foi secretário de Estado Adjunto da Administração Interna. Entre 2005 e 2009 desempenhou o cargo de coordenador nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico. Tem várias obras publicadas, entre as quais, “Gestão de Informação – condição para vencer” (1995), “Ordem, Caos e Utopia” (2001) e “Gerir em Complexidade” (2003).

“Portugal tem hoje uma das políticas energéticas mais inteligentes, verdes e inclusivas do mundo. No primeiro semestre de 2010 mais de 60% da electricidade (e cerca de 25% da energia total) consumida em Portugal foi proveniente de fontes endógenas e renováveis, gerando uma redução de importações de cerca de 500 milhões de euros”

on 39


40_41_A NOSSA ENERGI_v2:Layout 1 10/12/28 13:46 Page 40

(corresponde a uma produção média líquida de 79 GWh/ano)

En t

274 GWh

da ra

No dia 27 de Outubro deu-se início à construção do reforço de potência de Salamonde. Uma cerimónia onde estiveram presentes José Sócrates, primeiro-ministro, Carlos Zorrinho, secretário de Estado da Energia e Inovação, António de Almeida, presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, e os administradores da EDP Produção, António Ferreira da Costa e António Castro, entre outras personalidades. O director do projecto, José Lopes Alves, esclareceu as vicissitudes desta obra e, de imediato, procedeu-se à assinatura dos contratos de empreitada de construção civil que ficará a cargo do consórcio Teixeira Duarte/Epos/Seth.

Central Aberta Nos passados dias 3, 17 e 24 de Setembro, diversos colaboradores da EDP Produção tiveram a oportunidade de visitar o Carrapatelo, Ribatejo + Castelo do Bode e Alto Lindoso, respectivamente. Foram jornadas de aprofundamento de conhecimentos sobre a actividade da Produção e igualmente de fortalecimento do espírito de equipa e de pertença ao Grupo EDP.

No âmbito do programa Ciência Viva, os mais novos tiveram a oportunidade de visitar, durante as férias de Verão, alguns centros produtores da EDP - Castelo do Bode, Alto Lindoso e Centro de Produção Ribatejo. Mesmo sendo um público multifacetado, no final, a satisfação pelo acolhimento e pelas explicações recebidas foi notória.

40 on

2.º

semestre

Salamonde: 1ª pedra do reforço de potência

ENGENHARIA NO VERÃO

em funcionam e

o nt

de euros

207 MW

ão média br duç ut o r

a

200 milhões

á ia unit ria nom c n i tê

l na

Po

stimento Inve

P

a nossaenergia*

de 2005


40_41_A NOSSA ENERGI_v2:Layout 1 10/12/28 13:46 Page 41

a nossa energia

Empresários visitam Baixo Sabor Cerca de quatro dezenas de empresários deslocaram-se, em Setembro, às obras do Baixo Sabor em resultado de uma acção conjunta da EDP Produção e da Fundação EDP, no sentido de evidenciar junto das Associações Empresariais das áreas de influência dos novos aproveitamentos hidroeléctricos e das possibilidades de futuros negócios. Os empresários tiveram a oportunidade de verificar toda a envolvência e dinâmica deste grande projecto, e da forma como o Baixo Sabor pode funcionar como uma plataforma de desenvolvimento regional.

CA desloca-se a projectos em curso O Conselho de Administração da EDP Produção deslocou-se às obras em curso dos novos projectos hidroeléctricos. Uma visita que se iniciou em Picote e Bemposta (26 Agosto), seguindo-se o Baixo Sabor (1 de Setembro) e terminou no Alqueva (7 de Setembro). Percorreu-se as várias frentes de cada obra, tendo as equipas de projecto dado as explicações devidas. Em todas, foi bem evidente o frenesim e o ritmo acelerado com que os projectos avançam.

Rota com Energia chega a Sines e ao Alqueva O dia 29 de Setembro ficou marcado pela visita de cerca de 100 colaboradores à Central de Sines e à Barragem do Alqueva. Manuela Jorge, colaboradora do DRH-CC, foi uma das participantes e é com entusiasmo que conta a sua experiência. “Gostei imenso desta visita. É uma oportunidade de contactarmos com as diferentes actividade da EDP e de termos uma visão diferente do que é a empresa”. As Rotas com Energia integram o Programa Sou+EDP e têm como objectivo aproximar e dar a conhecer aos colaboradores as diferentes áreas de negócio do Grupo através de visitas aos centros de produção, distribuição e comercialização em Portugal. A próxima Rota está para breve. Para já sabe-se que o Grupo sairá do Porto rumo a uma estrutura de produção da zona Norte.

PROMOVER A EFICIÊNCIA

800.000 lâmpadas economizadoras a distribuir até Janeiro de 2011

20 milhões de euros custos energéticos evitados

Desde Setembro que a EDP está, de norte a sul, a levar a eficiência energética à população portuguesa, distribuindo lâmpadas economizadoras. Uma acção da EDP Serviço Universal, inserida no Programa ECO EDP, que tem como objectivo distribuir 800.000 lâmpadas fluorescentes compactas em Portugal Continental na troca de lâmpadas incandescentes. Além de consumirem menos 80% de energia que as lâmpadas incandescentes, podendo durar até oito vezes mais, ajudam as famílias a pouparem na factura energética. Esta acção permitirá poupar a energia equivalente à que é consumida por mais de 66.000 famílias portuguesas num ano inteiro, bem como evitar as emissões de CO2 equivalentes à pegada carbónica anual de mais de 9.000 portugueses. Os custos energéticos evitados com esta acção ascendem a mais de 20 milhões de euros. Conheça esta e outras acções do Programa ECO EDP em www.eco.edp.pt

o n 41


42_45_CAPITAL HUMANO:Layout 1 10/12/28 13:47 Page 42

capital humano

“É importante celebrarmos o que vamos conquistando” Portugal, Espanha e Brasil reuniram-se, no dia 23 de Setembro, para falar sobre o que de melhor se tem feito em matéria de Recursos Humanos. Ao todo, foram mais de 200 os colaboradores que celebraram as Conquistas RH +, num encontro onde a troca de experiências foi a tónica principal

O

dia teve início com uma reunião de reflexão estratégica com os gestores de RH e uma visita à Central Térmica do Ribatejo, esta última vista por todos como uma experiência muito interessante enquanto aproximação com uma das áreas do negócio (ver caixa). Já em sala, o programa prosseguiu com a apresentação de Maria João Martins, directora de Recursos Humanos da EDP, dos principais projectos desenvolvidos no último ano (as Conquistas RH+).

42 o n

“É importante celebrarmos o que vamos conquistando”, referiu Maria João Martins. “Conectar as equipas, fomentar a partilha de conhecimento, não apenas através de mecanismos de suporte mais eficientes mas, sobretudo, através da inteligência emocional e da certeza de que estar próximo, ser simples e actuar em parceria com o negócio, é o ciclo mais virtuoso que se pode estimular e está ao nível das melhores práticas mundiais”, acrescentou ainda. Não podendo estar presentes no encontro, por motivo de ausência do país, António Mexia

(presidente executivo da EDP) e Pita de Abreu (administrador da EDP com o Pelouro RH) enviaram mensagens de agradecimento a todos os presentes pela dedicação e empenho, e lembraram que “as pessoas são o mais importante activo da EDP e aquilo que verdadeiramente nos diferencia”. Todos diferentes, objectivo comum

Um dos temas em destaque foi a importância do trabalho em equipa como factor decisivo para se conseguirem bons resultados. A ideia


42_45_CAPITAL HUMANO:Layout 1 10/12/28 13:47 Page 43

capital humano

ficou explícita na frase: “Reunir-se é um começo, permanecer juntos é um progresso e trabalhar juntos é um sucesso”. Num dia que reuniu colaboradores de várias geografias foi importante ouvir contar histórias e experiências muito diferentes. Mas “mais interessante ainda foi verificar que, embora com realidades diversas, estamos todos alinhados”, referiu Maria João Martins. Na opinião de Adília Pereira, directora de RH da EDP Produção, “é preciso saber o que o Grupo quer em matéria de RH e depois olhar às especificidades e saber incorporá-las. Tem que haver um alinhamento estratégico naquilo que são as linhas directoras, um tronco comum. Mas o sucesso passa também por saber gerir a especificidade e a diversidade”. A ideia foi defendida por Elaine Ferreira, directora de RH da EDP Brasil. Para a responsável, “as diferenças culturais

(de cada geografia e empresa) são um desafio. Temos de ter um veio único, mantendo as nossas diferenças e, isso, a EDP faz com primor”. O encontro ficou ainda marcado pela entrega de menções honrosas aos melhores projectos desenvolvidos pelas várias empresas presentes. Na opinião de Maria João Martins, “todas as empresas têm mérito em matéria de recursos humanos. É preciso valorizá-lo”. O hino “Viva a nossa energia” foi a chave de ouro para fechar o dia. Para Elaine Ferreira “independentemente do sítio onde trabalhamos, todos temos sentido de unicidade. Isso é uma coisa tão forte que uma música como esta [hino EDP] faz com que uma recém-contratada se emocione ao ouvi-la pela primeira vez. É o sentimento de pertença, ninguém fica indiferente. Isso é a cara da EDP, o nosso jeitinho de Ser”.

Conquistas RH +

Uma visita à Central Maria Manuela Cardoso, da EDP Soluções Comerciais, foi uma das pessoas que visitou pela primeira vez uma Central, no Ribatejo. Além da surpresa com “a imensidão da estrutura”, a participante destaca o facto de este ser um ambiente completamente diferente daquele em que a maioria dos colaboradores trabalha. “Embora já tenha ouvido falar, em ocasiões diversas, a pessoa que está no escritório não tem a noção do que é uma central de produção até ao dia em que vai ao terreno”, comenta. “Esta troca de vivências é muito importante porque nos torna mais próximos e reforça a ideia de que, quando precisamos de tomar uma decisão, temos sempre de pensar no que é melhor para o Grupo”.

Rotas de Carreira: traçar o seu caminho No Brasil, os colaboradores já podem dar um ou vários rumos às suas carreiras. Já está disponível o Sistema Rotas de Carreira. Oriente-se e siga as coordenadas... O Programa Rotas de Carreira no Brasil foi lançado com objectivo de auxiliar os colaboradores a identificar oportunidades de desenvolvimento e aprendizagem no Grupo EDP. Um projecto idealizado pela gestão do capital humano. Com a pergunta “aonde você quer chegar?”, o Rotas de Carreira convida a todos para reflectir, sonhar e planear a carreira. Todos os colaboradores podem aceder ao novo sistema, disponível na intranet, onde podem simular caminhos e alternativas de carreira e consultar descrições e competências de cada função. Segundo Juliana Salles, gestora executiva de Desenvolvimento Humano, a ferramenta é uma base de informações para ajudar os colaboradores a planearem as suas carreiras. “Ela apresenta uma transparência e oferece uma maior mobilidade interna na empresa. O sistema oferece 50 rotas naturais e 535 rotas alternativas onde o colaborador pode ampliar a visão de carreira. O RH, em parceria com as áreas, identificou e pensou em soluções para oferecer novas possibilidades dentro do Grupo”, afirma.

o n 43


42_45_CAPITAL HUMANO:Layout 1 10/12/28 13:47 Page 44

capital humano

Uma cultura mais orientada para o cliente

J

á são conhecidos os vencedores da segunda edição de “A moment with Energy – PCAE”. A equipa constituída por Lorenzo Alvarez (Naturgas Energía), Luís Carlos Afonso Mendes (EDP Soluções Comerciais), Patrícia Susana Lopes Duarte (EDP Comercial) e Saulo Santana Coelho (Escelsa) conquistou o primeiro lugar com um trabalho sobre o tema "Developing a customer-oriented corporate culture". Como prémio, o grupo poderá

realizar um curso, na área de Estratégia, numa escola de gestão internacional de referência. “Increasing the overall satisfaction index and reinforcing EDP Group culture”, “Hedging Strategies” e “Improving communication within EDP Group as a strategic priority”, foram os outros três temas abordados na edição de 2009. “A moment with Energy – PCAE” é uma iniciativa corporativa anual através da qual

um grupo de profissionais, vindos das várias geografias da EDP, são convidados a trazer toda a sua energia e contribuir para fazer da EDP uma companhia cada vez mais global. Além da oportunidade para conhecer pessoalmente o presidente do Conselho Executivo da EDP, estes encontros têm como objectivos incentivar uma cultura de diversidade, reforçar a partilha de ideias, o networking interno e o conhecimento da companhia.

Novo desafio já está lançado Tomaram o pequeno-almoço com o Presidente Executivo da EDP, visitaram a Central Termoeléctrica do Ribatejo, o Centro de Despacho em Palhavã, reflectiram e trocaram ideias sobre "Cost management culture: challenges for creating a culture of

44 o n

cost-consciousness in EDP”, aceitando o novo desafio lançado por António Mexia. Foi assim o programa dos 12 colaboradores que, no dia 26 de Outubro, participaram no primeiro encontro da terceira edição de “A moment with Energy – PCAE”. Depois de

organizados em equipas "virtuais", os participantes vão desenvolver um trabalho de acordo com o tema abordado no pequenoalmoço com o presidente. Os próximos “momentos” desta edição estão previstos para os dois primeiros trimestres de 2011.


42_45_CAPITAL HUMANO:Layout 1 10/12/28 13:48 Page 45

capital humano

A experiência conta na EDP

A

EDP acredita que o conhecimento e experiência de cada um contribui para a valorização de todos. Por isso, criou um programa específico para fazer deste conceito uma prática no Grupo. Nasceu assim o “Valorizar a Experiência”. A iniciativa foi lançada no dia 7 de Outubro por Pita de Abreu (administrador com o pelouro de RH e sponsor do programa) e Maria João Martins (directora de Recursos Humanos do Centro Corporativo), com a apresentação do projecto a cerca de 100 hierarquias. O objectivo foi reforçar a ideia de que o sucesso do programa depende de todos. As hierarquias reconhecem a importância estratégica do “Valorizar a Experiência” na consolidação de uma cultura de empresa mais eficiente, e assumirão o papel de facilitadores no acesso dos seus colaboradores aos workshopse iniciativas daí resultantes. Para este programa foi criado um Comité Consultivo, composto por quatro Administradores com o pelouro RH de algumas Empresas e um director do Centro Corporativo, cuja missão é fazer passar a mensagem da forma mais clara a todos os intervenientes e acompanhar as diferentes fases do Programa. Mas o projecto é transversal e envolve os Conselhos de Administração, as DRH das empresas, a DRH-CC, as hierarquias e cada um dos colaboradores. Todos juntos para Valorizar a Experiência!

O conhecimento existe em cada um de nós e cresce com a experiência adquirida. Mas o verdadeiro valor do conhecimento nasce quando é partilhado e aplicado, transmitido às próximas gerações e potenciado ao serviço da EDP. Quem?

O programa destina-se a colaboradores com 30 ou mais anos de actividade na EDP, pertencentes a diferentes grupos profissionais, espalhados por todo o país. Pessoas com conhecimento e experiência relevante, com apetência para a comunicação e capazes de encontrar tempo disponível apto a ser valorizado. Quando? O Quê?

“Valorizar a Experiência” é um programa criado para realçar/relevar a experiência e conhecimento acumulados pelos colaboradores mais seniores da EDP e partilhá-los com os restantes colaboradores do Grupo.

O programa será aplicado a um grupo piloto de 300 colaboradores, divididos em dois sub-grupos. Numa primeira fase, que decorrerá até final de 2010, serão realizadas quatro sessões de sensibilização, sete workshopse será também definido um Roteiro de Iniciativas. Em 2011, o segundo sub-grupo passará pelo mesmo processo.

CAMPUS ONLINE GANHA FORMA Cerca de mil utilizadores poderão aceder ao Campus Online já a partir de Fevereiro de 2011. O Campus Online, da Universidade EDP, é uma plataforma avançada de gestão do conhecimento, a qual irá gerir a formação, possibilitar o acesso a conteúdos formativos, nomeadamente cursos de e-learning e salas de aulas virtuais, e apoiar a partilha de conhecimento entre os colaboradores do Grupo EDP. A implementação desta plataforma conta com o apoio, entre outras, da DSI, da DRHCC, da DFR (Valor) e da DMC, vai ser realizada em três fases e estará concluída em 2012, altura em que todos os colaboradores terão

acesso às suas funcionalidades, informou Rui Brandão, director do Campus Online e membro da equipa de direcção do projecto, na reunião de kick-off operacional do mesmo, que contou também com as intervenções de

Nuno de Brito, Director da Universidade EDP e sponsor do projecto, de António Vidigal, Presidente da EDP Inovação, de António Pereirinha Fernandes, da equipa de Direcção do projecto e de membros dos seus parceiros externos, Cornerstone e Novabase. António Mexia, Presidente do CAE da EDP, marcou presença no encerramento do kick-off e pediu o envolvimento de todos os stakeholders das diversas áreas de actividade do Grupo: “A Universidade EDP não pretende ser concorrente de qualquer universidade. Pretende sim, e sobretudo, partilhar o conhecimento que há dentro do Grupo EDP”.

O que traz de novo o Campus Online? • O utilizador do campus poderá consultar o seu histórico completo de formação a qualquer altura. • Será multilingue e o utilizador poderá escolher o seu idioma preferido.

• Possibilita a autoformação e revisitar formação já concluída de acordo com a disponibilidade do colaborador. • Permite participar ou visualizar eventos que, em virtude da distância ou do custo,

não seria possível participar fisicamente. • Suportará uma multiplicidade de conteúdos, nomeadamente vídeo e áudio. • Funcionará em ambiente Web e poderá ser acedido a partir de qualquer local.

o n 45


46_51-SPOTLIGHT_V3:Layout 1 10/12/28 13:48 Page 46

spotlight À conversa com...

MIGUEL AMARO

46 o n


46_51-SPOTLIGHT_V3:Layout 1 10/12/28 13:49 Page 47

EDP ENERGIAS DO BRASIL

As conquistas de uma equipa vencedora Nesta entrevista, o vice-presidente de Controlo de Gestão, Finanças e Relações com Investidores da EDP Energias do Brasil - que fez questão de responder às questões em conjunto com a sua equipa - fala das conquistas da empresa, dos desafios nesta área e dos objectivos para os próximos anos

MIGUEL AMARO Engenheiro Mecânico formado pelo ISEL (Instituto Superior de Engenharia de Lisboa), o executivo Miguel Amaro chega à EDP no Brasil com vasta experiência em Portugal, onde deixou o cargo de director de Auditoria Interna Corporativa da Portugal Telecom (PT), ocupado de Outubro de 2003 a Dezembro de 2007. Antes da PT, onde foi também assessor do presidente executivo Miguel Horta e Costa, em 2003, Amaro trabalhou como analista financeiro do sector de telecomunicações, no Espírito Santo B&M, em Madrid, de 2000 a 2002, e como adjunto da SETF (Secretaria de Estado do Tesouro e das Finanças), do Ministério das Finanças do governo de Portugal, entre Novembro de 1999 e Setembro de 2000.

o n 47


46_51-SPOTLIGHT_V3:Layout 1 10/12/28 13:49 Page 48

spotlight

A

abertura de capital, em 2005, foi o primeiro passo. De lá para cá muita coisa já foi feita. Cinco anos após o IPO (Oferta Pública Inicial), e sob o comando de Miguel Amaro, vice-presidente de Controlo de Gestão, Finanças e Relações com Investidores, o Grupo EDP Energias do Brasil está entre as Melhores Companhias para os Accionistas. O reconhecimento foi dado pela revista Capital Aberto, uma referência no sector. E não foi o único. A equipa de Amaro e o próprio já acumularam importantes prémios, que destacam operações bem sucedidas ou simplesmente o trabalho dos executivos. O mais recente – pelo menos até ao fecho da revista – atribuiu a Amaro o grau máximo entre os CFO’s no sector de energia eléctrica e outras utilities da América Latina, no ranking 2010, realizado pela revista Institutional Investor. O prémio, também, destacou outra pessoa da equipa: a gestora Maytê Alburquerque ficou 1

6

no Top 3 na área de Relação com Investidores. Participaram nesta pesquisa 400 profissionais de 200 instituições financeiras de vários sectores. Como a equipa vê, hoje, a importância do Grupo ter aberto o capital em 2005? Como imagina que a empresa estaria se não o tivesse feito?

A abertura de capital do Grupo foi realizada como resultado de um processo de reorganização societária que simplificou a estrutura organizacional e migrou accionistas minoritários de várias subsidiárias para a holding EDP Energias do Brasil. A referida reorganização, possibilitou a centralização de uma série de actividades corporativas, tornando mais eficiente a administração do Grupo como um todo, processo que foi continuamente aperfeiçoado ao longo dos últimos cinco anos. Neste período, o Grupo captou um total de 3,3 biliões de reais em ofertas

2

públicas no mercado de capitais, sendo 1,6 biliões de reais em acções (IPO em 2005 e follow on em 2009) e 1,7 biliões de reais em títulos de dívida corporativa (cinco emissões de obrigações e uma de commercial paper). O IPO, portanto, permitiu à EDP Energias do Brasil e às suas subsidiárias, inserirem-se no mercado de capitais brasileiro e internacional, diversificando a sua base de investidores e possibilitando o acesso a fontes de recursos fundamentais para garantir o crescimento auto-sustentável do Grupo no país. Que realizações destacariam nesses cinco anos?

O significativo crescimento na área de geração de energia representou a principal conquista do Grupo ao longo destes cinco anos pós-IPO, período no qual a capacidade instalada mais do que triplicou, atingindo actualmente 1.741 MW (era de 500 MW em 2005). Tivemos neste período a entrada em operação da hidroeléctri-

3

7

8

À MINHA EQUIPA, OBRIGADO! “Este reconhecimento é fruto do trabalho de toda a empresa, em particular das pessoas pertencentes às diferentes equipas e seus líderes que fazem parte da Vice -Presidência de Finanças que tenho o privilégio de dirigir e aos quais agradeço a dedicação, envolvimento e compromisso. Desde a área 48 o n

de RI, obviamente, uma vez que é o interlocutor principal da empresa com o Mercado e que é o Top 3 do Institutional Investor Ranking para a Latam, passando pela Estruturação FInanceira, Orçamentação e Controlo, Desenvolvimento de Negócios, Gestão Tributária, Operações e Serviços Financei-

ros e Consolidação e Contabilidade, mas também de Suprimentos, Infraestrutura e Tecnologia de Informação e Comunicação. Coloca-nos mais responsabilidade e mais desafios para o futuro, o qual teremos que saber enfrentar e superar com esforço, inovação e trabalho em equipa”.


46_51-SPOTLIGHT_V3:Layout 1 10/12/28 13:50 Page 49

spotlight

Como avaliam o desempenho das acções?

O retorno das acções da EDP Energias do Brasil para os accionistas, desde o IPO (até 4/11/2010), foi de 138%, 101% em valorização da acção e 37% em dividendos. O valor de dividendos distribuídos, desde o IPO até agora, foi de 1,1 biliões de reais. A EDP Energias do Brasil está, até essa data, com uma valorização acima do Ibovespa e do IEE - Índice de energia Elétrica da BM&FBOVESPA (Bolsa de Valores Brasileira). O que mudou no mercado accionista de lá para cá? O que ainda é preciso mudar (em termos de regulamentações, etc.)?

Há alguns anos, iniciou-se uma tendência mundial dos investidores procurarem empresas socialmente responsáveis, ambientalmente correctas, e obviamente rentáveis, para aplicar os seus recursos. Tais investimentos consi-

4

5

10

9

Legenda das Fotos 1-Secretária Executiva; 2-Orçamento e Controlo; 3-Estruturação Financeira; 4-Infraestrutura; 5-Aplicações de TI; 6-Gestão Tributária; 7-Operação Financeira; 8-Relações com Investidores; 9-Novos Negócios; 10-Infraestrutura; 11-Governança de TIC.

deram que empresas sustentáveis geram mais valor para o accionista a longo prazo, pois estão mais preparadas para enfrentar os riscos económicos, sociais e ambientais. Esta procura fortaleceu-se ao longo do tempo e deu origem a novos instrumentos nos mercados de capitais internacionais. No Brasil, a BM&FBOVESPA, em conjunto com várias instituições, criou um índice de acções com a intenção de ser referencial para os investimentos socialmente responsáveis o ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial). A EDP Energias do Brasil faz parte do ISE, desde 2006, o que exige um processo de melhoria contínua, pois em cada ano os seus parâmetros de avaliação são alterados para exigir dos participantes as iniciativas de vanguarda em sustentabilidade e governança corporativa e excluir itens que já foram implementados pela maior parte das empresas ou que se tornaram exigência legal. v

ca Peixe Angical (450 MW em sociedade com Furnas), e das mini-hídricas de São João e Santa Fé, além da quarta máquina da Usina de Mascarenhas. Tivemos, ainda, a participação bem sucedida no leilão de energia de 2007 com o projecto da termoeléctrica de Pecém (720 MW em sociedade com a MPX), a qual se encontra em estágio avançado de construção, com início de operações previsto para início de 2012. Além disso, a empresa executou com sucesso a permuta de activos com o Grupo Rede em 2008, por meio da qual adquirimos o controlo accionário da Usina Hidroeléctrica de Lajeado (900 MW em sociedade com a Eletrobrás). Formámos, ainda, uma joint venture com a EDP Renováveis, a partir da qual adquirimos, em 2008, um parque eólico em operação em Santa Catarina (14 MW), e estamos a finalizar a construção de um parque eólico no Rio Grande do Sul (70 MW).

A equipa de São Paulo representa todos os colaboradores que fazem parte da equipa do Espírito Santo, que também é homenageada nesta entrevista

11

o n 49


46_51-SPOTLIGHT_V3:Layout 1 10/12/28 13:51 Page 50

spotlight

12

13

14

17

18

19

Como avaliam a Governança Corporativa dentro do Grupo EDP?

Integrante do Novo Mercado da BM&F Bovespa, que é o segmento de mercado de empresas listadas que têm os mais altos padrões de governança, a EDP Energias do Brasil assumiu compromissos adicionais voluntários de transparência, prestação de contas e tratamento justo e igualitário a accionistas, colaboradores, clientes e fornecedores. Para assegurar essas condições, as demonstrações financeiras são elaboradas a partir de procedimentos e controlos internos preparados na metodologia Sistema de Controlo Interno do Reporte Financeiro (SCIRF), baseada na Lei Sarbanes-Oxley (SOX), mesmo que a companhia não negocie acções no mercado norteamericano onde essa é uma exigência legal. O nosso modelo de governança corporativa tem por base as práticas recomendadas pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), como: emissão de acções de uma única classe de acções, com igualdade de direitos; actuação de conselheiros com experiência em questões operacionais e financeiras e vedação ao acesso a informações e direito de voto a conselheiros em situações de conflito de interesse. A EDP Energias do Brasil, também mantém 50 o n

Há alguns anos, iniciou-se uma tendência mundial dos investidores procurarem empresas socialmente responsáveis, ambientalmente correctas, e obviamente rentáveis, para aplicar seus recursos um Comité de Auditoria, um Comité de Remuneração e um de Sustentabilidade e Governança Corporativa, que actuam em apoio ao Conselho de Administração, nas diferentes áreas de responsabilidade. Na recente revisão do regulamento do Novo Mercado da Bovespa, a EDP Energias do Brasil já atendia às novas exigências destacando-se as seguintes: 1) ter mais de 30% do seu Conselho constituído por administradores independentes (na realidade tem 50%); 2) ter constituído um Comité de Auditoria, o que é uma realidade desde o IPO; 3) separação dos cargos de presidente do Conselho de Administração (Chairman) e de director presidente (CEO), o que é igualmente uma realidade desde o IPO.

Recentemente, fomos premiados como uma das Melhores Companhias para os Accionistas pela revista Capital Aberto, com o segundo lugar entre as empresas com valor de mercado entre 5 biliões e 15 biliões de reais. Também conseguimos a segunda melhor classificação em governança corporativa, de acordo com a revista, atrás apenas da BM&F Bovespa. E a actuação da área de RI (Relação com Investidores)?

A área de RI da EDP Energias do Brasil tem vindo a consolidar-se como um interface entre o mercado de capitais e a empresa. Na construção do plano anual são analisadas e incorporadas as tendências e as necessidades de comunicação (one-on-one’s, road shows, conferências, etc.) dos diferentes tipos de investidores e accionistas, e naturalmente são desenhadas e implementadas as iniciativas a tomar para atender e comunicar de forma cada vez mais objectiva, útil e completa com estes stakeholders. A modernização das ferramentas de comunicação (novo site de RI e release de resultados), e utilização de novas formas de comunicar (twitter, slideshare, etc.) são outros exemplos da evolução que se tem verificado nesta área.


46_51-SPOTLIGHT_V3:Layout 1 10/12/28 13:51 Page 51

spotlight

15

16

20

Como reconhecimento deste trabalho, a área de RI da EDP Energias do Brasil, através da sua responsável Maytê Albuquerque, foi recentemente reconhecida, tanto pelos analistas do Buy Side como do Sell Side, como a terceira melhor, portanto Top 3, do sector de Electric & Other Utilities da América Latina, pela Revista Institutional Investor no seu 2010 Latin America Executive Team Ranking. Qual o perfil do accionista minoritário da EDP?

No final do terceiro trimestre de 2010, a composição dos accionistas do free float da EDP Energias do Brasil era de 29% nacionais e 71% estrangeiros; e 3% pessoa física e 97% investidor institucional. Na vossa opinião, que factores fizeram com que a EDP Energias do Brasil

21

estivesse no grupo As Melhores Companhias para os Accionistas, da revista Capital Aberto?

O já mencionado engajamento com práticas de sustentabilidade e governança corporativa; os esforços contínuos para aumentar a liquidez da empresa, incluindo o follow-on de acções realizado no fim de 2009; o compromisso da gestão da companhia em avaliar investimentos em novos projectos mantendo o patamar de rentabilidade do Grupo e o retorno aos investidores; a política de dividendos, com payout de 50% e distribuição crescente em reais/acção; e a postura pró-activa da área de RI, respondendo aos questionamentos do mercado, contactando os analistas e gerindo expectativas. Como imaginam a EDP daqui a cinco anos?

O percurso da EDP Energias do Brasil, desde a sua entrada no Brasil em 1996, tem sido marcado por uma actuação coerente, mantendo um foco de equilíbrio entre a qualidade da prestação do serviço aos seus clientes, uma saúde financeira sólida através de um perfil de dívida prudente, e um sentido de ambição para aproveitar as oportunidades de crescimento rentáveis, mantendo um perfil de risco no seu portfólio dentro de padrões claramente definidos. Neste sentido, imaginamos a EDP Energias do Brasil actuando com os mesmos princípios e valores que a têm regido até aqui, com um foco maior na inovação, dadas as alterações que o sector está a sofrer no mundo inteiro, e obviamente nas pessoas certas que poderão continuar, de forma sustentada, a manter o Grupo como uma referência no sector eléctrico brasileiro.

Legenda das Fotos 12-Consolidação e Contabilidade; 13-Infraestrutura e Telecom; 14-Suprimentos; 15-Infraestrutura; 16-Contabilidade Patrimonial e Custos; 17-Finanças, Tesouraria e Estruturação Financeira; 18-TIC; 19-Plataforma de Compras; 20-Serviços Financeiros; 21-Contabilidade Geral

o n 51


52_53_SUSTENTABILIDADE:Layout 1 10/12/28 13:52 Page 52

sustentabilidade R e s p o n s a b i l i d a d e p e lo m e i o a m b i e n t e

HC impulsiona mobilidade eléctrica A HC Energía organizou uma jornada sobre o veículo eléctrico e as suas implicações práticas para a empresa, nas Astúrias

N

o dia 29 de Outubro, Graciano Torre, conselheiro da indústria do Principado das Astúrias, María Luz Peláez, do ministério da Indústria, Turismo e Comércio e João Manso Neto, conselheiro-delegado da HC Energía, participaram numa jornada sobre o veículo eléctrico e as suas implicações práticas para a empresa, nas Astúrias. A companhia, que lançou na Feira de Muestras a proposta para os clientes domésticos, iniciou a implementação de pontos de recarga na via pública e nas suas instalações. Algumas dessas linhas de trabalho, que estão a ser elaboradas pela HC há mais de um ano, já são realidade. A empresa faz parte de dois dos três grupos de trabalho que materializaram o plano do Ministério da Indústria, Turismo e Comércio. A HC Energía está integrada no grupo de procura e promoção e no de infra-estruturas e gestão da procura. Apenas 52 o n

não intervém no grupo de Industrialização, do qual fazem parte os fabricantes de automóveis. Neste ano de trabalho, a HC Energía liderou nas Astúrias a implementação do plano apresentado pelo Governo. A companhia faz parte dos projectos Cityelec e Gijón Living Car. Em Janeiro de 2010, a HC tinha assinado um acordo com os fornecedores Temper e Gam para impulsionar o veículo eléctrico. Como exemplo do seu compromisso com a mobilidade, a HC já instalou oito pontos de recarga nos seus centros de trabalho. Há pontos para os colaboradores e para todos os utilizadores de veículos eléctricos. Além disso, já acordou com os municípios de Oviedo, Avilés, Siero, Langreo e Gijón a instalação de pontos de recarga. A mobilidade eléctrica, em Espanha, veio para ficar. Ligue-se à corrente e contribua para um mundo mais sustentável!

PONTOS DE CARREGAMENTO DISPONÍVEIS Oviedo Sede social (Parking de la Plaza de la Gesta) Oficinas de la Calle Paraíso (Aparcamiento Calle Paraíso) Subestación de Corredoria (Aparcamiento Almacén Corredoria) Gijón Oficinas de Roces (Aparcamiento Centro de Trabajo) Carreño C.T. Aboño (Aparcamiento Oficinas Central) Ribera de Arriba C.T.C.C. Soto-IV (Aparcamiento Oficinas Central) Langreo Valnalón – Langreo (Aparcamiento Centro de Trabajo) Avilés-Subestación de Trasona (Aparcamiento Centro de Trabajo)


52_53_SUSTENTABILIDADE:Layout 1 10/12/28 13:52 Page 53

s u st e n t a b i l i d a d e

Estafetas mais sustentáveis PORTUGAL ILUMINADO

A EDP Valor deu mais um passo no bom caminho da sustentabilidade. No dia 15 de Outubro, teve início a utilização de motorizadas eléctricas no serviço da estafetagem, em Lisboa. São três motorizadas eficientes, duas scooter e uma maxi-scooter, com zero emissões de CO2, um

custo médio de operação de 0,46€/100km e praticamente sem custos de manutenção. A estafetagem em Lisboa percorre diariamente cerca de 100 km. Passo-a-passo ( neste caso, quilómetro a quilómetro) a EDP contribui para um mundo melhor.

Com o objectivo de promover o consumo eficiente de energia, a edp5D, em parceria com a Sonae MC, distribuiu 850.000 lâmpadas economizadoras. A troca gratuita de uma lâmpada incandescente por duas lâmpadas economizadoras foi muito bem aceite pelo público, que se dirigiu a um hipermercado Continente ou Modelo. Com esta iniciativa, inserida no âmbito do Plano de Promoção de Eficiência no Consumo, pretendeu-se divulgar à população, em todas as regiões do país, medidas de eficiência energética, um dos pilares estratégicos da EDP e uma temática que faz parte da RSO da Sonae.

Ligações para um mundo melhor Decorreu no dia 21 de Outubro, o 4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade no Centro de Congressos de Lisboa, evento que juntou oradores especialistas de topo, nacionais e internacionais, de diferentes áreas e sectores e mais de 1.200 participantes. Um dia intenso de debate sobre as novas estratégias, políticas e soluções europeias e mundiais para um crescimento mais inteligente, sustentável e inclusivo. Este ano, o Fórum esteve centrado no tema Redes de Valor – Value Networks - e inscreve-se no Ano Europeu da Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social e no Ano Internacional

da Biodiversidade. “Act now, be connected” deu o mote para um dia intenso de debate sobre as novas estratégias para um crescimento mais inteligente, sustentável e inclusivo do mundo. Entre os oradores destacaram-se personalidades como Oded Grajew, empresário e empreendedor social que revolucionou as posturas empresariais no Brasil, presidente e fundador do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, referência em todo o mundo, ou Marc Kieburger, empreendedor social e fundador da Free the Children, organização que conta hoje com cerca de 650 escolas na Ásia, África e América Latina, onde é proporcionada educação a mais de 50 mil crianças, tendo já recebido

numerosos prémios pelo seu trabalho, incluindo o Prémio das Crianças do Mundo para os Direitos da Criança (também conhecido por Prémio Nobel das Crianças). A EDP marcou presença quer institucionalmente, como platinum suporter, quer através da participação de Neves de Carvalho, director de Sustentabilidade e Ambiente do Grupo, orador convidado na sessão “Sustainable Investment: Not a matter of ‘why’ but ‘when’”. A próxima edição já está marcada. Será no dia 25 de Outubro de 2012. Tome nota. Afinal, o desafio é de todos e apela a uma acção rápida – “Act Now Be Connected"! Saiba mais no site oficial do 4º fórum de RSO e Sustentabilidade http://www.forumrso.aip.pt/ o n 53


54-55_FUNDACAO:Layout 1 10/12/28 13:53 Page 54

fundação* Nesta edição, destaque para o espectáculo Cisne Negro, no Brasil, e para a exposição imperdível no Museu de Electricidade, em Lisboa, sob o tema "As Cidades de Vieira da Silva e Arpad Szenes"

Instituto EDP apoia Cisne Negro Com apoio da EDP Bandeirante e do Instituto EDP e direcção artística de Hulda Bittencourt, a Cisne Negro Companhia de Dança apresentou a coreografia Baobá, em Taubaté, no estado de São Paulo. O espectáculo é uma obra inovadora que reúne teatro, dança, música e literatura. Os bailarinos exibiram uma representação de movimentos inspirada na obra “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, onde cada quadro é único, com um olhar e uma simbologia particular. Além disso, Baobá transcreve em sua música e dança a importância da preservação do meio ambiente e da sustentabilidade.

54 on


54-55_FUNDACAO:Layout 1 10/12/28 13:54 Page 55

fundação edp

Parceria de sucesso O Instituto EDP e a EDP Renováveis firmaram uma parceria em Tramandaí, Rio Grande do Sul. O objetivo é levar informação, segurança, cultura e educação à comunidade que vive ao redor do Parque Eólico. Com essa proposta, a EDP Renováveis e o Instituto vêm, desde junho, tentando entender a dinâmica do município e iniciar um diálogo socioambiental cooperativo com as autoridades locais. E as ações já começaram. Além de participarem da reunião extraordinária do Consepro (Conselho Comunitário Pró Segurança Pública), também realizaram o “Diálogo com a Comunidade”, levaram o concurso Arte com Energia, com o tema Biodiversidade, entre outras ações.

Museu da Electricidade

“As Cidades de Vieira da Silva e Arpad Szenes”

v

Maria Helena VIEIRA DA SILVA A poesia está na rua II, 1975 cartaz

v

Arpad SZENES Auprès de Persépolis, c. 1964 óleo / tela 73 x 92 cm Col. Fundação Arpad SzenesVieira da Silva De Budapeste a Lisboa, de Paris ao Brasil. “As cidades de Vieira da Silva e Arpad Szenes” são o mote de uma exposição que decorre até 23 de Janeiro no Museu da Electricidade, na Sala Cinzeiro 8. Dezenas de obras retratam lugares biográficos dos dois artistas plásticos num percurso onde se cruzam também itinerários imaginários ou míticos.

Esta é a terceira exposição com obras dos dois autores, proporcionada pela relação privilegiada com a Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, da qual a Fundação EDP é mecenas, e que surge no âmbito da Trienal de Arquitectura dedicada ao tema “Vamos falar de Casas”, da qual o Museu é um dos anfitriões.

Uma volta virtual por Oviedo

Conhecer Oviedo de uma forma virtual e sustentável é o objectivo do novo espaço que a Fundação HC Energía criou no recém inaugurado Museu de La Ería. Este projecto coloca à disposição do visitante uma bicicleta eléctrica para percorrer alguns dos lugares mais emblemáticos da capital do Principado de forma virtual. Podem ser visitadas zonas como a cidade antiga, o monte Naranco ou até visitar a sede social da HC na Plaza de la Gesta. Também é possível percorrer a rota escolhida a dois, ou seja, juntamente com outra bicicleta. De acordo com a aposta na mobilidade eléctrica que a HC Energía desenvolve, este espaço oferece a quem o visita uma nova perspectiva que aborda a sustentabilidade energética numa visita turística pela cidade. Assim, o museu disponibiliza, para todos os públicos, bicicletas eléctricas. Oviedo é o primeiro passeio virtual da HC Energía, mas seguramente haverão mais passeios como este por Espanha. on 55


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:54 Page 56

ensaio fotográfico C o n c u rs o d e Fo to g ra f i a E D P R e n ov á ve i s

Maravilhas da Natureza A EDP Renováveis realizou um concurso de fotografia através da intranet, apelando à participação de todos os seus colaboradores das diferentes plataformas: Europa, Estados Unidos e Brasil. Separados geograficamente, mas unidos por uma mesma paixão - a fotografia -, muitos foram os que se atreveram a partilhar com toda a empresa os seus instantâneos mais representativos das diversas categorias abertas a concurso. Com o ojectivo de aproximar colaboradores, dinamizar a comunicação entre todos e fomentar as actividades extra-laborais, o concurso previa também a integração das fotografias submetidas no banco de imagens da EDP Renováveis. Nesta selecção, apresentam-se algumas das participações nas categorias "Parques Eólicos" e "Natureza".

56 o n


e n s a i o fo to g r รก f i co

Xxxx

Heath Herje Tripton, Oklahoma, E.U.A. o n 57


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:55 Page 58

e n s a i o fo to g r 谩 f i co

Alberto Borobia Parque E贸lico de Serra Voltorera Cabra del Camp, Tarragona, Espanha

Ashley Stultz Parque E贸lico de Rail Splitter Hopedale, IL, EUA

58 o n


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:55 Page 59

e n s a i o fo to g r á f i co

Ana Ruiz Lostao Lago Tekapo, Nova Zelândia

o n 59


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:56 Page 60

e n s a i o fo to g r 谩 f i co

Sarah Distelrath Lilongwa, Malawi

Stephanie Brandon Parque E贸lico de Lone Star, Abilene, Texas, EUA 60 o n


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:56 Page 61

e n s a i o fo to g r á f i co

Tomas Cid Parque Eólico de Zas, A Coruña, Espanha

o n 61


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:56 Page 62

e n s a i o fo to g r テ。 f i co

Justin Van Beusekom Parque Eテウlico Meridian Way Concordia, KS, EUA

Raquel Romero Lopez Pテ「ntano del Burguillo, テ」ila, Espanha

62 o n


56_63_ENSAIO FOTOGRAFIC_V2:Layout 1 10/12/28 13:57 Page 63

e n s a i o fo to g r รก f i co

Jaime Saban Chavez Durban, รfrica do Sul

o n 63


64_EM DESTAQUE:Layout 1 10/12/28 13:57 Page 64

em destaque CARLOS CAVALEIRO, Director de Engenheira e Construção Térmica da EDP no Brasil

Quando entrou no Grupo EDP?

Trabalho no Grupo EDP há 27 anos, entrei no dia 1 de Fevereiro de 1983.

A nossa equipa tem sido de uma dedicação e capacidade de superação muito além do imaginável

Até hoje, qual foi o seu maior desafio?

Tenho tido a rara felicidade de ao longo do meu percurso profissional na EDP, cada nova função em que estive envolvido ter representado sempre um desafio, eu não diria maior, mas um mais fascinante do que o outro. O projecto e a construção da Usina Termoelétrica do Porto Pecém, no Ceará, é extremamente desafiador, pois tem uma especificidade, complexidade e dimensão que transcende o que já fiz nesses 27 anos de EDP. Além disso, tenho a responsabilidade de implementar actividades de Operação e Manutenção e constituição de equipa, tudo com a colaboração da EDP Portugal. Qual a importância desse empreendimento para EDP e como é fazer parte dessa história?

Esse empreendimento é de importância vital para o Grupo EDP no Brasil e representa uma oportunidade única para o Grupo enquanto multinacional. Além disso, demonstra que os seus padrões estão consolidados independentes da geografia em que cada projecto esteja sendo desenvolvido. E, enquanto responsável pelo projecto, sinto orgulho imenso de fazer parte dessa história. Quais são os maiores desafios enfrentados até agora?

Penso que as dificuldades não devem ser mantidas em segredo. Só com um forte espírito de equipa é possível seguir em frente e é o que temos feito. A nossa equipa, com brasileiros e portugueses, tem sido de uma dedicação e capacidade de superação muito além do imaginável e, por este motivo, não equacionamos outra hipótese que não seja o cumprimento dos objectivos definidos. Como é o seu dia a dia?

O meu dia começa bastante cedo, cerca de 7 horas da manhã e termina tarde. 64 on

Como concilia a vida profissional com a pessoal?

Ao longo da minha vida tenho conseguido sempre conciliar a vida profissional com a pessoal, o que convenhamos nem sempre é fácil, mas tal só é possível quando se tem uma família como a minha. A minha mulher, o meu filho e a minha filha são simplesmente extraordinários. Só com uma família assim se consegue criar equilíbrio necessário para ter uma vida serena e feliz, aspectos que levados para a vida profissional nos permitem ter maior probabilidade de sucesso. Tem algum hobby? Gosto de jogar golfe. Qual o seu lema de vida?

Tentar ser feliz em cada momento

procurando contribuir de alguma forma para que aqueles que comigo interagem também sejam felizes. Como é viver no Nordeste do Brasil? Sente saudades de Portugal?

É muito agradável viver no Nordeste, embora para o imaginário de um português comum o Nordeste do Brasil é um lugar de férias e não de trabalho. Para mim, mesmo trabalhando, consigo usufruir das belezas que são uma constante desta região do Brasil. Outro aspecto muito bom do Nordeste são as pessoas, simpáticas e sempre disponíveis para ajudar sem pedir nada em troca, o que convenhamos, é uma característica que infelizmente não se vê muito por aí nos dias de hoje. Saudades de Portugal? Muitas!


65_PUB GAS NATURAL:Layout 1 10/12/28 13:58 Page 65


66_67_MOVE ON:Layout 1 10/12/28 13:59 Page 66

moveon P l a n e ta E D P

Po

v

Po r t u g a l

rt

Br

a

Po

Todos a Andar

World Bike Tour São Paulo

Caminhadas solidárias, cujas receitas revertem para a Liga Portuguesa contra o Cancro, em várias cidades do norte de Portugal

Pela 3ª vez consecutiva, a EDP no Brasil patrocina o passeio ciclístico World Bike Tour SP. Como de costume, o evento acontece no dia no aniversário da cidade de São Paulo.

-

SC

01

T

Scottish Renewables Offshore Wind Conference A EDP Renováveis vai estar presente na maior feira de todos os tempos, onde irá liderar o debate sobre questões fundamentais para dar forma ao crescimento da indústria. 01

02

66 on

25

Es

01

Energia com vida - Escolas Solidárias Acção em curso nas escolas até ao final do ano lectivo 2010/11

01

-

Br

p

rt

a

Apresentação resultados EDPR

SMS Inovação

Resultados Anuais da EDP Renováveis, vão ser apresentados em Madrid, Espanha.

A palestra ficará por conta de Lincoln Paiva, consultor e sócio diretor da Green Mobility, que, com a participação de Antonio Laporta, Diretor de Estratégia de Inovação da EDP, percorreu cinco cidades alemãs, em Setembro.

25

02

14

01


66_67_MOVE ON:Layout 1 10/12/28 13:59 Page 67

Po

rt

US

A

US

A

Programa Ágora

Company-Wide Employee Town Hall

AWEA Wind Power on Capitol Hill

Destinado à Alta Direcção e Macro Estrutura, promove uma reflexão que visa antecipar, debater e construir as ideias chave e grandes prioridades da EDP Produção. Local: Museu Electricidade.

Reuniões da Câmara Municipal, realizadas a cada trimestre para compartilhar os resultados trimestrais, perguntas e respostas dos funcionários e conhecer as respectivas opiniões.

Encontro American Wind Energy Association e Lobby Day, realiza-se em Washigton DC, nos EUA.

A EDP marca presença na World Future Energy Summit, em Abu Dhabi, onde promove as tecnologias, bens e serviços energéticos de carácter inovador que tem desenvolvido no âmbito das redes inteligentes. 17

01

rt

Prémio Inovação EDP 2020 Richard Branson Visão Pelo terceiro ano consecutivo, a EDP e a VISÃO abrem as candidaturas para o Prémio Inovação EDP 2020 Richard Branson Visão. 08

04

15

02

Po

rt

Apoio às ONG A partir de 3 de Janeiro de 2011, podem candidatar-se ao Mecanismo de Apoio as organizações que estabeleçam parceria com entidades públicas e privadas sem fins lucrativos. Mais informações em www.edp.pt. 03

01

moveon

Future Energy Summit

Po

01

O N Po r t u g a l

A

07

v

US

01

P l a n e ta E D P

07

on 67

EDP ON 20 - Biodivercidade  

..........

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you