Issuu on Google+

“Servir, em liderança, significa atuar frente a uma equipe por meio da

Cuidado com os burros motivados A importância da correta motivação para liderar equipes. Recentemente tive a oportunidade de ler um artigo do médico e palestrante Roberto Shiniashyki e, no referido material, este comentava sobre o perigo dos "Burros Motivados": pessoas que sem a preparação adequada ou consciência do impacto de seus atos, julgam-se capazes de realizar as mais incríveis proezas.

Bom, como venho trabalhando diretamente com o desenvolvimento de pessoas e líderes, sei o quanto esta máxima pode ser verdadeira e potencialmente perigosa, especialmente no caso de líderes. Mas gosto de dizer também que, muito da burrice por vezes observada nas ações de liderança nas organizações se deve principalmente a motivação por traz destas. Olhando sob a ótica etimológica (do sentido da palavra), percebemos que a motivação é composta por outras duas palavras: motivo + ação. Ou seja, motivação é aquilo que gera um motivo para uma ação, ou como diria sua origem latina (motivus), aquilo que gera movimento. É precisamente aqui que começam os problemas de liderança nas organizações: na análise do motivo pelo qual se quer liderar.

Veja bem. Não estou aqui dizendo que a motivação egoísta é ruim, como costumamos interpretar a palavra egoísmo em língua portuguesa. Em nossa cultura muitas vezes o egoísmo é entendido e associado a coisa de gente malvada e inescrupulosa. Mas na prática não é bem assim. Afinal, pragmaticamente falando, segundo nosso bom amigo Sigmund Freud, muito do que fazemos visa em primeiro lugar o nossa satisfação e é, por este motivo, ego + ismo (ou seja, culto ao eu).

motivação altruísta, ou seja, ao dar para seus participantes uma causa, uma meta, um objetivo em que todos são vistos e contemplados. Significa respeitar a inteligência das pessoas que, a despeito do que se possa imaginar, sabem quando estão sendo manipuladas“.

Até aqui tudo bem, uma vez que um pouco de prioridade a si mesmo é bem saudável na selva do mundo corporativo. O problema começa quando esta motivação visa apenas o nosso bem. Por exemplo, experimente chegar para um subordinado seu e dizer o seguinte: - Fulano, eu gostaria que você estivesse muito motivado para trabalhar, para fazer horas extras e para superar as metas, por que este ano eu quero mais poder, melhorar meu salário, ser mais reconhecido e mandar mais em todo mundo, a começar por você. Você consegue imaginar o quão motivado ele deve estar depois de ouvir esta conversa para boi dormir? O problema é que, na prática, poucas pessoas (e líderes) são suficientemente incautas para falar coisas como esta. Mas as suas ações, super bem mascaradas pelo discurso do trabalho em equipe, traduzem esta idéia.

UM POUCO DE PSICOLOGIA Uma breve avaliação sobre a psicologia humana nos leva a entender quais são estes motivos que despertam a vontade de ocupar cargos de liderança entre as pessoas nas empresas e na sociedade. Dentre os principais observados, vale a pena destacar:

• Busca de maior poder; • Melhores salários e rendimentos; • Maior prestígio e reconhecimento (vaidade); • Menor subordinação; • Para trabalhar para o bem das pessoas; • Para ajudar a desenvolver equipes e organizações; • Por uma causa; Se o negrito dos primeiros quatro motivos lhe chamou a atenção, a razão é simples: estes estão dentro da categoria que chamamos de motivação egoísta. Já os últimos três apresentados nesta mesma lista pertencem a categoria chamada de motivação altruísta.

“A habilidade de liderar equipes, no lugar de chefiar, é uma questão que hoje diferencia o profissional no mercado. Afinal, a nova geração não se submete mais ao modelo do chefe tirano“.

E aí surge mais uma importante lição: líderes nunca são julgados pelo que dizem, mas sim pela forma como agem. Assim, se as palavras dos grandes líderes costumam durar a eternidade, é porque suas ações foram dignas de memória.

LIDERAR É SERVIR Por tudo isso, devido a distorção dos objetivos e do sentido do que é liderar, que poucas pessoas já entenderam e praticam o conceito de líder servidor: aquele que veio para servir e dar suporte para sua equipe. A grande maioria delas quer liderar apenas movida por motivação egoísta. Assim, quando ouvimos a expressão "liderar é servir", isso nos soa estranho, pois entendemos que o "servir" em questão refere-se a ser "capacho" da equipe, aquele que segue os caprichos de seus subordinados. Aqui vemos sem dúvida mais um grande erro de interpretação do conceito de líder servidor. Servir, em liderança, significa atuar frente a uma equipe por meio da motivação altruísta, ou seja, ao dar para seus participantes uma causa, uma meta, um objetivo em que todos são vistos e contemplados. Significa respeitar a inteligência das pessoas que, a despeito do que se possa imaginar, sabem quando estão sendo manipuladas. Fato: quando você inclui as pessoas de sua equipe no pódio da vitória, passa a ter a certeza que também estará lá, e ainda por cima será lembrado por eles como o maestro desta orquestra vitoriosa. Mas, se contrariamente a esta idéia, você apenas pensa nos benefícios que ganhará ao assumir uma função de liderança, certamente esta sua motivação não terá o menor poder de mobilizar sua equipe para lutar e superar os desafios que enfrentarão em seu dia a dia.

RECADO FINAL Lembre-se: Liderar é criar um motivo para a ação. Pessoas só se sentem motivadas quando são lembradas também na hora de colher os louros da vitória. Se você já entendeu tudo isso, deve ter percebebido que não é possível ser um bom líder sem uma disposição muito grande para servir ao próximo. Sendo assim, agora já posso concluir esta matéria com uma breve reflexão em forma de um trocadilho: "se para liderar uma pessoa não está disposta a servir, certamente não servirá para liderar"!

Eduardo Almeida Publicitário (PUC), especialista em Responsabilidade Social Corporativa e Dinâmica do Comunicação, Autor de livros, palestrante e superintendente do Grupo ECOM. eduardo.almeida@grupoecom.com.br - www.lidersamurai.com.br


Cuidado com os burros motivados