Page 1

Teletrabalho: Abordagem teórica e sua dimensão atual e futura

Curso de Ciências e Tecnologias Disciplina de Aplicações Informáticas B Professora Orientadora: Fátima Santana Lancha

Trabalho realizado por: N. Graça P. Ramalho

Oeiras – 06-02-14


Índice Introdução ...................................................................................................................................... 2 Conceito de teletrabalho ............................................................................................................... 3 Condições e modalidades do teletrabalho ................................................................................... 4 Vantagens e desvantagens do teletrabalho ................................................................................. 6 Teletrabalho em Portugal e no mundo ......................................................................................... 8 Conclusão...................................................................................................................................... 10 Anexos ........................................................................................................................................... 11 Anexo I – Perfil do teletrabalhador .......................................................................................... 11 Anexo II – Aspetos positivos e negativos do teletrabalho (estatísticas) ............................... 12 Anexo III – Impacto do teletrabalho nas empresas ................................................................13 Anexo IV – Estatísticas sobre o número de teletrabalhadores .............................................. 14 Anexo V – Teletrabalho na União Europeia .............................................................................15 Referências bibliográficas ............................................................................................................ 16

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-Uso Não-Comercial-Partilha nos termos da mesma licença 4.0 Internacional.

1


Introdução

Este trabalho foi realizado no âmbito da disciplina Aplicações Informáticas B, sendo o seu tema o teletrabalho. Escolhemos este tema por acharmos que é algo inovador e que pode revolucionar o mercado de trabalho, estando já um pouco presente por todo o mundo. Assim, os objetivos do trabalho são perceber de que trata o teletrabalho, descobrir quais são as suas vantagens e desvantagens, compreender a sua dimensão atual e ficar a saber que importância poderá ter no futuro. O trabalho encontra-se divido em quatro partes essenciais, onde começamos por esclarecer o conceito de teletrabalho, analisamos as suas condições e modalidades, apuramos as vantagens e desvantagens, e por fim fazemos um balanço sobre o seu estado e importância na atualidade e no futuro. O teletrabalho é um fenómeno em crescimento, e é já uma realidade para muitas empresas. A necessidade de reduzir os custos com combustível e a emissão de gases poluentes, a melhoria dos meios de comunicação, a globalização, entre outros, são fatores que têm aumentado o interesse na possibilidade de trabalhar remotamente em casa ou noutro local. O teletrabalho surgiu da necessidade de melhorar as condições dos trabalhadores, permitindo uma flexibilidade de horários e de locais de trabalho e facilitando a conciliação entre vida profissional e vida familiar. Cada vez mais empresas têm vindo a apostar nesta nova vertente do trabalho, partilhando as suas vantagens com os seus funcionários, com impacto sobretudo em aspetos motivacionais, económicos, ambientais e sociais. O teletrabalho desenvolve-se em linha com a evolução dos meios tecnológicos e de comunicação e é, inexoravelmente, uma tendência do mundo no século XXI.

Figura 1 - O teletrabalho

2


Conceito de teletrabalho

O conceito atual de teletrabalho tem sido alvo de diversas discussões teóricas, variando a sua definição de autor para autor. Literalmente, teletrabalho, também conhecido por trabalho remoto, significa trabalho à distância. Mais especificamente, consiste no uso de tecnologias de informação e comunicação (TIC), tais como o telemóvel, fax, computador (envio de e-mails e realização de chamadas de videoconferência, por exemplo), entre outros, de modo a executar tarefas remotamente, ou seja, fora do local de trabalho habitual. O conceito de teletrabalho surgiu em 1973 por Jack Nilles, considerado por muitos como o “pai do teletrabalho”. Jack Nilles afirmava que as tecnologias de informação poderiam substituir as viagens desde casa até ao local de trabalho e vice-versa. Figura 2 - Jack Nilles

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o teletrabalho é designado como “todo o trabalho efetuado de um dado local ou longe dos escritórios ou de locais centrais, onde o trabalhador não tem um contacto pessoal com os seus colegas, mas pode comunicar com eles mediante a utilização de novas tecnologias”. (Sónia Barroso, citando Gbezo1)

1

Bernard E. Gbezo fez parte da OIT e publicou o artigo "Travailler autrement: Ia révolution du télétravail na revista da OIT, em 1995.

3


Condições e modalidades do teletrabalho O teletrabalho abrange um espaço ilimitado e não exige um horário de trabalho fixo durante o qual os trabalhadores realizam o seu trabalho. Por outro lado, existem tarefas que têm de ser concluídas durante um certo prazo de tempo, independente da carga horária de trabalho. Ser teletrabalhador não significa trabalhar todos os dias remotamente. Existem teletrabalhadores que o fazem, já outros apenas teletrabalham em alguns dias da semana (nos restantes dias trabalham no local de trabalho “habitual”). Existe também a possibilidade de o teletrabalho ser feito ocasionalmente, sem datas fixas. As tarefas executadas são principalmente funções de escritório, tais como processamento de dados ou de texto, programação, vendas, marketing, administração e secretariado. O teletrabalho é de carácter voluntário. Os teletrabalhadores têm os mesmos direitos que os restantes trabalhadores. É da responsabilidade da empresa fornecer o material necessário, sendo da responsabilidade do teletrabalhador o seu cuidado. Para não diminuir a produtividade do trabalho, o perfil de um teletrabalhador tem de corresponder a certos parâmetros2. São muito importantes a capacidade de autocontrolo e motivação, de organização do tempo, de concentração e de adaptação a novas tecnologias. O teletrabalho reduz o contacto com os outros, pelo que também se deve saber lidar com a sensação de isolamento e evitá-la ao máximo, havendo o risco de perda de motivação. O teletrabalho é, em geral, feito em casa (teletrabalho ao domicílio), em transportes (teletrabalho móvel) ou em centros de teletrabalho (consistem em escritórios satélite que podem não pertencer a nenhuma empresa, são locais alternativos para se trabalhar e servem principalmente para evitar o isolamento causado pelo teletrabalhado ao domicílio). Existe ainda o caso do teletrabalho nómada, Figura 3 - Teletrabalho móvel 2

Ver Anexo I – Perfil do teletrabalhador

4


realizado em qualquer local, e o teletrabalho transfronteiriço, no qual o teletrabalhador trabalha remotamente para países estrangeiros.

5


Vantagens e desvantagens do teletrabalho Existem vários argumentos a favor do teletrabalho, dos quais se destacam a redução do tempo de viagem para o local de trabalho, em relação estreita com a diminuição dos custos inerentes. Fatores como a flexibilidade de horários e aumento do tempo livre, bem como o acréscimo da satisfação, autonomia, motivação e criatividade, contribuem para a melhoria da qualidade de vida e consequente redução do stress. Uma outra virtude que o teletrabalho proporciona é o aumento das oportunidades de emprego, não só relacionado com as vantagens anteriormente referidas, como também faculta, a deficientes físicos ou a pessoas

com

pouca

mobilidade,

uma

oportunidade de poderem trabalhar de igual modo que os outros trabalhadores. Para o teletrabalho, não importa o sexo, raça, deficiência física ou o local onde o trabalhador Figura 4 - Teletrabalhador com deficiências físicas se encontra.

O teletrabalho tem também a particularidade de oferecer mudanças a nível socioeconómico. Dessas vantagens evidenciam-se a redução dos fluxos de tráfego urbano e consequente diminuição dos níveis de poluição, mercado de emprego mais vasto e regeneração da economia.

Contudo, os teletrabalhadores também enfrentam vários problemas. Contratação unicamente sazonal, tarefas complementares não remuneradas, situação de trabalhador independente, apoio técnico insuficiente, redução das oportunidades de progresso na carreira, isolamento social, condições ergonómicas desfavoráveis, problemas de distração, prolongamento do tempo de trabalho e invasão do espaço familiar pelo trabalho são as principais desvantagens que caracterizam o teletrabalho.

6


Nas desvantagens a nível socioeconómico destacam-se a redução da procura de imobiliário, infoexclusão e vulnerabilidade face à competição de potencial trabalho e mãode-obra estrangeira.3

Já a nível empresarial sobressai a diminuição dos custos de recrutamento, espaço e equipamento, flexibilidade organizacional e aumento da produtividade, resultante do menor absentismo, maior satisfação e otimização do tempo, que fornece posteriormente uma melhor qualidade de trabalho e de serviços prestados aos clientes. A externalização de atividades, consequência do teletrabalho a nível empresarial, leva ao surgimento e crescimento de novos negócios.

As desvantagens do teletrabalho para as empresas centram-se sobretudo nas dificuldades em controlar e supervisionar o trabalho à distância e inerentes conflitos na empresa, decorrente da ausência de contato pessoal com os colegas, o que conduz por sua vez à diminuição da coesão no seio da empresa. Além disso, o teletrabalho acarreta elevado investimento em equipamento tecnológico e pode pôr em causa a confidencialidade e segurança da informação empresarial.4

3 4

Ver Anexo II – Aspetos positivos e negativos do teletrabalho (estatísticas). Ver Anexo III – Impacto do teletrabalho nas empresas.

7


Teletrabalho em Portugal e no mundo De acordo com um estudo feito em 2011 pela agência Thomson Reuters5, 20% dos trabalhadores de todo o mundo, situados principalmente no Médio Oriente, América Latina e Ásia, teletrabalha frequentemente e cerca de 10% trabalha desde casa todos os dias. O estudo prevê ainda que o número de teletrabalhadores nos EUA aumente de 34 milhões em 2011 para 63 milhões em 20166. Já em Portugal, o teletrabalho não assume tal preponderância. Tem sido implementado em Portugal desde os finais dos anos 90, se bem que de forma lenta, pois poucas são as empresas portuguesas que têm adotado esta forma de trabalho. Num estudo elaborado pela European Working Conditions Surveys (EWCS)7 em 2005, Portugal surgia no antepenúltimo lugar num ranking que apurava a percentagem de trabalhadores que teletrabalhavam durante pelo menos um quarto do tempo total de trabalho. O ranking era apenas relativo aos 27 países que constituíam a União Europeia, sendo que Portugal tinha uma percentagem de 1,8%, um valor muito abaixo da média (7,0%). O estudo da EWCS mostra ainda que o número de teletrabalhadores na Europa tem vindo a aumentar. Prevê-se que o número continue a crescer, sendo esta uma tendência presente em todo o mundo. Um dos maiores obstáculos para a implementação do teletrabalho é a dificuldade em controlar e supervisionar os teletrabalhadores. As empresas apenas conseguem determinar se o teletrabalho está a ser rentável e produtivo após analisarem os seus resultados. Este facto constitui um risco para as empresas, reduzindo o seu interesse no teletrabalho. À semelhança daquilo que se verifica no resto do mundo, o teletrabalho em Portugal tem sido adotado para a realização de tarefas do sector dos serviços e atividades associadas à informática.

5

Agência de notícias norte-americana. Ver Anexo IV – Estatísticas sobre o número de teletrabalhadores. 7 Ver Anexo V – Teletrabalho na União Europeia. 6

8


A divulgação das vantagens do teletrabalho e a alteração dos modelos organizacionais existentes e das políticas de formação, educação e orientação profissional são fatores determinantes para o crescimento do teletrabalho em Portugal.

9


Conclusão

O teletrabalho, devido à evolução dos tempos, apresenta-se como uma excelente alternativa em relação ao trabalho “habitual”, oferecendo aos trabalhadores flexibilidade de horários e maior conforto. Verifica-se que as empresas estão a aderir cada vez mais ao teletrabalho, embora ainda haja algum receio neste tipo de trabalho. Ainda assim, trata-se de uma solução que é transversal às empresas em todo o mundo, especialmente as que suportam a sua atividade parcialmente ou totalmente em meios tecnológicos. Este modelo de trabalho traz diversas vantagens não só para as empresas como para os seus funcionários, sendo que as previsões apontam para um crescimento à escala mundial deste tipo de trabalho no futuro. Após termos realizado o trabalho, concluímos que alcançámos os objetivos definidos. Aprendemos bastante com a sua realização e percebemos a dimensão que o teletrabalho tem na atualidade e a importância que terá no futuro. Temos de referir que, no entanto, como este tipo de trabalho ainda é recente, as suas informações ainda são limitadas, especialmente no que diz respeito a dados estatísticos. O teletrabalho vai inovando de ano para ano, acompanhando os avanços tecnológicos, pelo que com o passar do tempo se ficará a saber mais sobre este tipo de trabalho e as suas vantagens e desvantagens.

10


Anexos Anexo I – Perfil do teletrabalhador

11


Anexo II – Aspetos positivos e negativos do teletrabalho (estatísticas)

12


Anexo III – Impacto do teletrabalho nas empresas

13


Anexo IV – Estatísticas sobre o número de teletrabalhadores

14


Anexo V – Teletrabalho na União Europeia

% teletrabalha pelo menos um quarto do tempo

% teletrabalha quase todo o tempo

Czech Republic (CZ)

15.2

9.0

Denmark (DK)

14.4

2.6

Belgium (BE)

13.0

2.2

Latvia (LV)

12.2

1.8

Netherlands (NL)

12.0

1.9

Estonia (EE)

11.8

1.4

Finland (FI)

10.6

1.6

Poland (PL)

10.3

2.3

Norway (NO)

9.7

1.3

Sweden (SE)

9.4

0.4

Austria (AT)

8.6

3.2

United Kingdom (UK)

8.1

2.5

Slovakia (SK)

7.2

3.4

Greece (EL)

7.2

1.4

Spain (ES)

6.9

1.5

Lithuania (LT)

6.8

0.7

Slovenia (SI)

6.7

1.9

Germany (DE)

6.7

1.2

France (FR)

5.7

1.6

Cyprus (CY)

5.7

0.0

Luxembourg (LU)

4.8

0.0

Ireland (IE)

4.2

0.5

Hungary (HU)

2.8

0.5

Romania (RO)

2.5

0.7

Italy (IT)

2.3

0.5

Portugal (PT)

1.8

0.4

Bulgaria (BG)

1.6

0.0

Malta (MT)

0.0

0.0

Média

7.0

1.7

15


Referências bibliográficas

BARROSO, Sónia Godinho – Qual o futuro do teletrabalho? [Em linha] 2005 [Consultado a 7 de Dezembro de 2013]. Disponível na Internet: <URL: http://hdl.handle.net/10362/1787>. BIZ3.0 – Is Telework the future? [Em linha] 2011 [Consultado a 7 de Dezembro de 2013]. Disponível na Internet: <URL: http://biz30.timedoctor.com/is-telework-the-future-check-outthis-infographic-from-staff-com/>. COUTO, Rute; SANTOS, Susana Ferreira dos – A Globalização e alguns dos seus efeitos nas relações jurídicas em Portugal [Em linha] 2011 [Consultado a 7 de Dezembro de 2013]. Disponível na Internet: <URL: http://hdl.handle.net/10198/6526>. ESTRADA, Manuel Martín Pino – Do teletrabalho ao trabalho em rede [Em linha] 8 de Julho de 2007 [Consultado a 7 de Dezembro de 2013]. Disponível na Internet: <URL: http://www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/Manuel_Pino_Estrada.pdf>. MATEUS, Cláudia – Teletrabalho ganha dinâmica em contexto de adversidade [Em linha] 19 de Maio de 2011 [Consultado a 6 de Dezembro de 2013]. Disponível na Internet: <URL: http://expressoemprego.pt/noticias/teletrabalho-ganha-dinamica-em-contexto-deadversidade/2496>. VAZ, Paulo Nuno B. Novo da Silva – A viabilidade da aplicação de práticas de teletrabalho no CEVAL – Proposta de um modelo de aplicação a associações empresariais [Em linha] 2010 [Consultado

a

7

de

Dezembro

de

2013].

Disponível

na

Internet:

<URL:

http://hdl.handle.net/10284/1753>. WELZ, Christian; WOLF, Felix – Telework in the European Union [Em linha] 11 de Janeiro de 2010

[Consultado

a

28

de Janeiro

de 2014]. Disponível

na Internet:

<URL:

http://www.eurofound.europa.eu/eiro/studies/tn0910050s/tn0910050s_3.htm>. WIKIPEDIA – Telecommuting [Em linha] 17 de Novembro de 2013 [Consultado a 7 de Dezembro

de

2013].

Disponível

na

Internet:

<URL:

http://en.wikipedia.org/wiki/Telecommuting>.

16


WIKIPEDIA â&#x20AC;&#x201C; Teletrabalho [Em linha] 3 de Novembro de 2013 [Consultado a 7 de Dezembro de 2013]. DisponĂ­vel na Internet: <URL: http://pt.wikipedia.org/wiki/Teletrabalho>.

17

Teletrabalho  

O teletrabalho é um fenómeno em crescimento, e é já uma realidade para muitas empresas. A necessidade de reduzir os custos com combustível e...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you