Page 1


WA F B O OK S

AUTOBIOGRAFIAS

PI E R R E

D E LALANDE

Inclemente é o caminho da posteridade.

Safo


I. Pitágoras era filho de Hermes na sua primeira encarnação 2. Hermes = Matemática? 3. O estilo sumário faz sumir? 4. Os sutras antigos eram como fórmulas matemáticas 5. Pode-se dispensar os verbos? 6. Passar do Indistinto, ao Vazio-Tempo-Sopro — pela esfera? 7. Os números elementares são atractores? 8. A perfeição refere-se a sólidos matematizáveis e simples 9. A imperfeição é o que corrói, degrada, deforma. 10. A elipse joga e contrapõe-se à hipérbole — jogo barroco. 11. A elipse é uma forma de ser exibicionista para dentro 12. Tirar o mundo de um chapéu 13. Um mundo em forma de mama, de chupeta ou de limão 14. Argos, o cão de Ulisses, é o que recorda melhor, servo das Musas 15. Se Aletheia depende de Mnémosyne, a verdade é canina? 16. A melhor garantia da memória é o cheiro (ver Proust) 17. A metempsicose pede círculos


LA CASA DE ASTÉRION

Sé que me acusan de soberbia, y tal vez de misantropía, y tal vez de locura. Tales acusaciones (que yo castigaré a su debido tiempo) son irrisorias. Es verdad que no salgo de mi casa, pero también es verdad que sus puertas (cuyo número es infinito) están abiertas día y noche a los hombres y también a los animales. Que entre el que quiera. No hallará pompas mujeriles aquí ni el bizarro aparato de los palacios, pero sí la quietud y la soledad. Asimismo hallará una casa como no hay otra en la faz de la tierra. (Mienten los que declaran que en Egipto hay una parecida.) Hasta mis detractores admiten que no hay un solo mueble en la casa. Otra especie ridícula es que yo, Asterión, soy un prisionero. ¿Repetiré que no hay una puerta cerrada, añadiré que ho hay una cerradura? Por lo demás, algún atardecer he pisado la calle; si antes de la noche volví, lo hice por el temor que me infundieron las caras de la plebe, caras descoloridas y aplanadas, como la mano abierta. Ya se había puesto el sol, pero el desvalido llanto de un niño y las toscas plegarias de la grey dijeron que me habían reconocido. La gente oraba, huía, se prosternaba; unos se encaramaban al estilóbato del templo de las Hachas, otros juntaban piedras. Alguno, cro, se ocultó bajo el mar. No en vano fue una reina mi madra; no puedo confundirme con el vulgo, aunque mi modestia lo quiera.


El hecho es que soy único. No me interesa lo que un hombre pueda trasmitir a otros hombres; como el filósofo, pienso que nada es comunicable por el arte de la escritura. Loas enojosas y triviales minucias no tienen cabida en mi espíritu, que está capacitado para lo grande; jamás he retenido la diferencia entre una letra y otra. Cierta impaciencia generosa no ha consentido que yo aprndiera a leer. A veces lo deploro, porque las noches y los días son largos. Claro que no me faltan distacciones. Semejante al carnero que va a embestir, corro por las galerías de piedra hasta rodar al suel, mareado. Me agazapo a la sombra de un aljibe o a la vuelta de un corredor y juego a que me buscan. Hay azoteas desde las que me dejo caer, hasta ensangrentarme. A cualquier hora puedo jugar a estar dormido, con los ojos cerrados y la respiración poderosa. (A veces me duermo realmente, a veces ha cambiado el color del día cuando he abierto los ojos.) Pero de tantos juegos el que prefiero es el de otro Asterión. Finjo que viene a visitarme y que yo le muestro la casa. Con grandes reverencias le digo: Ahora volvemos a la encrucijada anterior o Ahora desembocamos en otro patio o Bien decía yo que te gustaría la canaleta o Ahora verás una cisterna que se llenó de arena o Ya verás cómo el sótano se bifurca. A veces me equivoco y nos reímos buenamente los dos.


No sólo he imaginado eso juegos, también he meditado sobre la casa. Todas las partes de la casa están muchas veces, cualquier lugar es otro lugar. No hay un aljibe, un patio, un abrevadero, un pesebre; son catorce [son infinitos] los pesebres, abrevaderos, patios, aljibes, la casa es del tamaño del mundo; mejor dicho, es el mundo. Sin embargo, a fuerza de fatigar patios con un aljibe y polvorientas galerías de piedra gris, he alcanzado la calle y he visto el templo de las Hachas y el mar. Eso no lo entendí hasta que una visión de la noche me reveló que también son catorce [son infinitos] los mares y los templos. Todo está muchas veces, catorce veces, pero dos cosas hay en el mundo que parecen estar una sola vez: arriba, el intrincado sol; abajo, Asterión. Quizá yo he creado las estrellas y el sol y la enorme casa, pero ya no me acuerdo.


Cada nueve años entran en la casa nueve hombres para que yo los libere de todo mal. Oigo sus pasos o su voz en el fondo de las galerías de piedra y corro alegremente a buscarlos. La ceremonia dura pocos minutos. Uno tras otro caen sin que yo me ensantgriente las manos. Donde cayeron, quedan, y los cadáveres ayudan a distinguir una galería de las otras. Ignoro quiénes son, pero sé que uno de ellos profetizó, en la hora de su muerte, que alguna vez llegaría mi redentor, Desde entonces no me duele la soledad, porque sé que vive mi redeentor y al fin se levantará sobre el polvo. Si mi oído alcanzara los rumores del mundo, yo percibiría sus pasos. Ojalá me lleve a un lugar con menos galerías y menos puertas. ¿Cómo será mi redentor?, me pregunto. ¿Será un toro o un hombre? ¿Será tal vez un toro con cara de hombre? ¿O será como yo? El sol de la mañana reverberó en la espada de bronce. Ya no quedaba ni un vestigio de sangre. -¿Lo creerás, Ariadna? -dijo Teseo-. El minotauro apenas se defendió.

Jorge Luis Borges


Calímaco Versos cheios de façanhas e a metro, odeio. Modas que o povo arrasta não me são repasto. Sexo fácil para sôfregos, cultos ou não, abomino. Em violências não molho o bico e p’ra andar no social não tenho estômago. Não és desses, Lysanias, e és tão belo e proporcionado! Mas no retorno do Echo oiço “és desses Lysanias…”, que desgraça!


1. O Laconismo é espartano e anti-lírico 2. A lírica grega é fuga à epopeia, à batalha? 3. A fusão do laconismo com o lírismo leva ao epigrama 4. O humor, a crueldade, a ironia, a caricatura e a paixão 5. O estilo portátil, fácil de fixar e transportar, que dispensa aedos 6. O haikú fixa o lirismo fora do eu 7. No haikú há novelos de partículas e erotismo 8. A lírica ímplica a nudez e a escrita que lambe 9. Em Calímaco a moral é a pedra pomes 10. Elitismo da poesia, esquisitismo de bibliotecários 11. Voltar as costas à vulgaridade para ser clássico 12. Traduzi da Antologia Grega para dar atenção às migalhas 13. A escolha do pormenor simula honestidades e ajustamen- tos 14. Ninguém vê o Uno, nem os deuses 15. Trabalho de alfaiates: ajustar palavras a um tema 16. É possível livrarmo-nos da possessão? 17. Melancolia do estilo curto, introvertido, despachado 18. Sombras de Calímaco sobre Propércio e Catulo (Pound) 19. Um estilo directo, mas esmiuçado 20. A gramática ainda à procura de diccionários


1. Com Marcial o epigrama sai à rua, cospe e tosse 2. Poesia com faca na mão a tentar esconder-se nas mangas 3. Poesia como calamidade pública 4. O estado de guerra moraliza? 5. Suspensão da glória e punch line 6. O elevado torna-se comichoso 7. Um tom para os salons do século XVIII 8. Desfrutar a imperfeição


PETRÓNIO

Por que se queixam de mim, Cambada de puritanos, E condenam a honestidade Dos meus mais recentes poemas? Sejam gratos por uma boa escrita Que faz rir em vez de chorar. O que as pessoas fazem, É para em língua franca falar. Conhecem alguém que não gosta De festas e deboche? Quem proibiu o meu membro de crescer escaldante Numa cama acolhedora? Foi o próprio pai Epicuro que mandou Que nos aprimorássemos nesta arte. E issistiu que essa É que era a vida dos deuses.


A mente comum imagina um eu Onde não hå absolutamente coisa alguma, E concebe estados emocionais – Felicidade, sofrimento e equanimidade.


Quer samsara quer nirvana sĂŁo vistos como sĂŁo; Vazios e insubstanciais, Nus e imutĂĄveis, Eternamente brilhantes e iluminados.


NAGARJUNA

1. A lógica como caminho para a vacuídade 2. Livrar-se da lógica através da lógica 3. O double-bind e os paradoxos são cortinas 4. Basta tirar as cortinas 5. Shuniata (vacuidade) é uma palabra negra 6. A vacuidade possibilita, sem vacuidade tudo é impossível 7. Uma verdade, duas verdades, nenhuma verdade 8. Aprender as garras da linguagem nas garras 9. A exercitação lógica como meditação 10. A brasa busca a sardinha 11. Comentários a olhar o abismo 12. Se tudo é combinação tudo é relativo? 13. A comichão que dissolve 14. O Eros obscuro no fundo do buda 15. Entre o Ser e o Não-Ser podes caminhar? 16. Caminhas com parênteses? 17. Fluxo de não-fluxo 18. A miragem que se sabe miragem 19. Nada para lá da miragem 20. A liberdade da não-identidade 21. A condição de viajante que será só caminho


22. O Bodhisattva é o que quer partilhar a alegria 23. Interdependência de tudo (júbilo de conexões) 24. Um nihilismo que não é nihilista (e que se parodia) 25. A fábula tagarela do inefável 26. Nagarjuna a fazer-se ao mito 27. O mundo não é metalinguagem nem meta-metalinguagem 28. Habituar-se à impermanência sem resistir 29. Agir pela calma e a alegria 30. O Bodhisattva não adia, prossegue e contagia 31. A dor do mundo é uma transmissão neuronal ilusória 32. Morremos todos os dias 33. Qualquer doutrina ou teoria é impermanente 34. Entretanto, o sabor


Ho! The atiyoga of natural perfection! Dzogchen Ati! The Great Perfection, in its unbiased inclusivity, actualizes the meaning of self-sprung awareness; as the lion overawes all other beasts with his roar, so the language of Great Perfection commands the gradual approaches; speaking a tongue of its own, it engenders its own ultimate meaning. The land of natural perfection is free of buddhas and sentient beings; the ground of natural perfection is free of good and bad; the path of natural perfection has no length; the fruition of natural perfection can neither be avoided nor attained; the body of natural perfection is neither existent nor nonexistent; the speech of natural perfection is neither sacred nor profane; and the mind of natural perfection has no substance nor attribute.


The space of natural perfection cannot be consumed nor voided; the status of natural perfection is neither high nor low; the praxis of natural perfection is neither developed nor neglected; the potency of natural perfection is neither fulfilled nor frustrated; the display of natural perfection is neither manifest nor latent; the actuality of natural perfection is neither cultivated nor ignored; and the gnosis of natural perfection is neither visible nor invisible. The hidden awareness of natural perfection is everywhere, its parameters beyond indication, its actuality incommunicable; the sovereign view of natural perfection is the here-and-now, naturally present without speech or books, irrespective of conceptual clarity or dullness, but as spontaneous joyful creativity its reality is nothing at all.

Longchempa Rabjampa


LA ROCHEFOUCAULD

1. A auto-estima como centro de gravidade e erro 2. Virtudes que são dissimulações de perversões 3. A intriga de corte aprimora a filosofia 4. A sociedade como jogo carnavalesco 5. Assumir papéis que se tem que criar 6. A honestidade como criticismo da auto-dissimulação 7. Querer ser amante contra as regras sociais 8. A auto-adulação coincide com a adulação do divino 9. Tendência erótica a confundirmo-nos com Deus


10. Flirtar com as ambições 11. O enlevo que leva à sinceridade 12. Os erros dos outros espelham o nosso fracasso 13. O criticismo é projectivo, e por vezes vingativo 14. A inveja que até aperfeiçoa, amarga-nos 15. A concorrência como estímulo à exercitação 16. A exibição do poder aborrece 17. A intensidade do cíume sobrepõe-se ao amor? 18. Coleccionar conquistas para ser venerado 19. Alugar a atenção dos outros 20. As infidelidades que nos cometemos por distração 21. A ética como motor de humilhações 22. Até que ponto amamos alguém sem vaidade? 23. O que quer dizer ser bom? 24. Se não rompemos com o que faz mal corrompemo-nos


DO ENTUSIASMO

1. O entusiasmo é um acolhimento delirante 2. Estando na base das religiões excede-as no tempo 3. Entre estremecimento e desregramento 4. Dionisos confundido com o Espírito Santo 5. E se o Anabaptismo se consolidasse como poder? 6. O espírito libertário é o humor 7. O insurrecional não é um estado permanente 8. O entusiasmo é a fuga ao sistema 9. Degenera-se em devoção e fanatismo 10. Canaliza-se para uma ordem, religiosa ou política 11. A insociabilidade de base do entusiasmo 12. Também o terrorista é um entusiasta 13. É a intiligência suficiente para derrotar o fanatismo? 14. Uma racionalidade melancólica e jocosa 15. É o humor uma forma superior de entusiasmo? 16. A forma do wit versus excrescências da desordem 17. As missivas adoçam seduzindo 18. Os ateus entusiastas (um paradoxo fértil)


LALANDISMO

1. No lalandismo a prudência, a doçura e a intiligência prática são determinantes 2. Desmistificação como mística, revisionismo e tolerância 4. Doce autocrítica & revisionismo espontâneo 5. Delalande é “quase” um palíndromo silábico 6. Modéstia honesta perante a desmesura do mundo 7. Acrescentar apropriadamente a este mundo 8. O século XVII e XVIII tentaram digererir o infinito 9. Melodismo pleno. Leçons anteriorres a Couperin 10. Em Michel-Richard a música é sobretudo canto bíblico

“un merveilleux tour de chant, un précieux choix d’harmonie, une noble expression, faisant toujours valoir les paroles qu’il avoit à traiter, en rendant le sens véritable, le majestueux & le saint enthousiasme du Prophète … Icy, savant et profond, là simple et naturel, il faisoit toute son étude et mettoit toute son application à toucher l’âme par la richesse de l’expression, et des vives peintures, et à délasser l’esprit par les agréments de la variété” (Colin de Blamont)


JOSEPH JÉRÔME LEFRANÇOIS DELALANDE astrónomo, desmistificador, tolerante, polimata, viajante, ateu declarado, provocador, feminista


O RACIONALISMO SORRIDENTE

1. O “Cabeça de courgette”, feio, mas feliz 2. O mundo astronómico é o sublime por um canudo 3. O espaço e o tempo dos astros riem-se de nós 4. Deu o nome a uma estrela e a uma cratera lunar 5. Elogiava os inimigos, mas não evitava polémicas 6. Teorizou a doçura como ética 7. Escreveu sobre diversos modos de tratar peles de animais e de fabricar papel e cartão 8. Uma volumosa e enciclopédica viajem a Itália 9. Um livro sobre canais de navegação, outro a propôr conhecer a zona do Niger 10. Astronomia, tabelas de logaritmos, tratatado de fluxos e refluxos do mar 11. Comia aranhas para desmistificar superstições 12. Escreveu 250 artigos para o Suplemento à Enciclopédia 13. Cria loja maçónica ligada à ciência, ondese inicia Voltaire 14. As mulheres são iguais aos homens no mundo da ciência 15. Ateu, escreve o suplemento e prefacia a segunda edição do diccionário dos ateus, o que lhe vale mais inimigos 16. Inspira Hergé na figura do ciêntista Hippolyte Calys, no ambum a Estrela Misteriosa


Study in general is one of the needs for humanity: when once one experiences this active and devouring curiosity which induces us to penetrate the wonders of nature, one does not ask any more what use is study, because the use is our happiness.


The spectacle of the sky appears to everyone a proof of the existence of God. I believed it for 19 years: today I see there only matter and movement. JĂŠrĂ´me Delalande


During his voyages, Lalande kept a journal in which he noted his impressions and observations with the probable intention of producing from these notes one or more volumes. The only trip published by him is the voyage to Italy in eight volumes with an atlas. It is a compendium, a little weighty, of everything that can be found in Italy: works of art and architectural monuments; visits to various academies; enumeration of the products of the country; discussion of distances, the state of the roads, the price of goods; in short, a conscientious guide composed like other handbooks of the same kind and in which we find only a few personal opinions. It is however tempting to imagine Lalande being received by Pope Clement XIII and pleading with him ‘to strike out of the Index the names of Copernicus and Galileo’. (...) Finally Lalande was also the traditional tourist. He explored historical and picturesque London with care. He described in detail the rooms of the Tower of ondon and he indicated the good restaurants and cafes which he liked. Thanks to him, we see an active city, alive, commercial, a middleclass and cultivated society which goes to the theatre, walks in carefully arranged and maintained gardens, travels by boat to accommodate the Venetian ambassadors or to admire some ecently built country house, and stands in the crowd to welcome the King or decry his ministers. H. Monod-Cassidy


Entre octobre 1941 et mai 1942, les lecteurs du journal Le soir suivent « les nouvelles aventures de Tintin et Milou ». Dans cette période de guerre, Hergé produit une histoire d’un genre nouveau, où il contourne soigneusement les références à l’actualité afin d’éviter toute censure2. Il en sort une aventure à part dans la série des albums de tintin où le fantastique et le surréalisme dominent. En se penchant sur la biographie de Jérôme Lalande, il est frappant de constater que de multiples détails ou anecdotes évoquent la construction du personnage du professeur Calys mais semblent aussi être à l’origine de l’ambiance assez angoissante mêlée d’hallucinations et de cauchemars tout au long de cet album. (Guillaume Prodel)


Na edição francesa da Enciclopedia Garzanti di filosofia, a entrada Lalande vem depois de Lakatos e antes de Lamaísmo.


MARCIAL LALANDA

1. A Arte da Prudência, de Grácian, é a biografia de Marcial 2. Matar de joelhos, como quem ora 3. Em Lalanda tourear não é risco, é sacrifício 4. Viver para desfrutar 5. Teseu ou Astérion? 6. Franquista, mas refinado e culto 7. Teatralidade? O que é que não é teatro? 8. Estilista 9. Auto-irónico


One author, however, has never been mentioned in this connection -- the only author whom I must gratefully recognize as an influence upon me at a time of writing this book; namely, the melancholic, extravagant, wise, witty, magical, and altogether delightful Pierre Delalande, whom I invented.


Quando perguntaram ao pensador francês Delalande no funeral duma determinada pessoa porque razão não se descobria (ne se découvre pás), ele respondeu: «Estou à espera que a morte o faça primeiro (qu’elle se découvre la premiére)». Há nisto uma falta de cavalheirismo metafísico, mas a morte não merece mais. O medo engendra o terror sagrado, o terror sagrado erige um altar de sacrifícios, o fumo ascende ao céu, aí assume a forma de asas, e o medo, prosternado, dirige-lhe uma oração. A religião tem a mesma relação com a condição celestial do homem que a matemática com a sua condição terrena: tanto uma como a outra são as regras do jogo. Fé em Deus e fé nos números: verdade local e verdade do lugar. Eu sei que a morte em si não tem relação com a topografia do além, pois uma porta é meramente a saída da casa e não uma das suas imediações, como uma árvore ou uma colina. Uma pessoa tem de sair de uma maneira ou doutra, «mas recuso-me a ver numa porta mais do que um buraco e um trabalho de carpinteiro» (Delalande, Discours sur les ombres, pag.45). E mais: a infeliz imagem da «estrada» a que o espírito humano se habituou (a vida é uma espécie de jornada) é uma ilusão estúpida: nós não vamos a lado nenhum, estamos sentados em casa.


O outro mundo rodeia-nos sempre e não é de modo nenhum o fim duma peregrinação. Na nossa casa terrestre, as janelas são substituídas por espelhos; a porta, até um dado momento, está fechada; mas o ar entra pelas frestas. «Para os nossos sentidos caseiros a imagem mais acessível da nossa futura compreensão dessas imediações que deverão revelar-se-nos com a desintegração do corpo é a libertação da alma das órbitas da carne e a nossa transformação num olho completo e livre que pode ver simultaneamente em todas as direcções, ou, noutros termos:


uma penetração hipersensorial do mundo acaompanhada da nossa participação interior.» (Ibid. p. 64) Mas tudo isto são simbolos, símbolos que se tornam um fardo para a alma assim que esta os examina de perto...

(«O dom» — pag. 350)


jacques roubaud


LU D W I G W I T T G E N S T E I N

Aut tace aut loquere meliora silentio

Salvatore Rosa


Não deixes o amor debaixo da porta. Acolhe os sussuros, resgata as esperanças, mesmo que andes sem base em laberintos de cuidados alheios. O que me interessa, minha amada, é ir debitando e debicando sobre estes tópicos feros, o tutano que nos faz ferver na disposição desta arte que põe em brasa a materna lingua. Porque esta se faz convidativa na sua ternura variada. Sentimos-lhe o pelo maternal e a saliva cálida, quase infinda. A poesia, sendo sua filha, nutre-a com o pródigo sustento que parece um desvario, porque vai ao invés do gosto comum, desse desalento palrador das multidões que a reformam, mas se olvidam do seu centro, dessa força corrupta e antiga que ora se acordoa ora se desvia das linguas mortas e dos arcaísmos sebentos. Bate-lhe o coração por essa via com grande fortaleza. Porque é uma dupla isca que tanto se acorrenta ao passado como se espaventa com o falar corriqueiro e lhe lança novos ventos e eventos. É com o paraíso no ventre que mudamos esse vagabundear moribundo da lingua oficial, que nada oficia para além dos funerais fatídicos de si mesma. Enrola todo o mundo em mortalidade bera & mais valera que se prestasse a enredos de Celestina apanhando as tais cem moedas para que se fizesse vibrátil nos cuidados e calendas da corrupção.


ÁLVARO LAPA

1. Toda a autobiografia é pictórica 2. A memória dos antigos, escorreita 3. O incómodo de ser contemporâneo 4. Desaprender a ser novo 5. Vergonha oficinal 6. Catulo, do passado não és chulo! 7. Pulverizar monólogos em barulheiras 8. O bife tenta cavalgar o ovo (mudança de posição) 9. A amizade retomada muito depois da morte 10. O museu refugiou-se no livro 11. As teorias alheias é que são minhas autoras 12. O espelho incita à cegueira 13. Roubam-nos sempre, e temos que nos habituar 14. A fuga ao museu como iniciativa frique 15. O artista colecciona escritores para os baralhar 16. Garantir o presente desviando-se da posteridade 17. Uma teoria como uma bengala edipiana (mamuda) 18. Paredes que me dão cabeçadas 19. Arte interdita a não-artistas 20. Ir ao lado de lá de cá 21. Um paraíso desconcertante com um jardim que é museu


22. Livra-te de balelas e faz-te à estrada 23. Concebo a política como extensão de teorias artísticas 24. O co-abuso 25. Uma homenagem a dar ao litro 26. Beija-se para saber o sabor dos outros 27. Cadernos com cadernos com cadernos 28. O deslumbramento como acidente na visita 29. Preferia venerar um deus falso 30. A plateia já apareceu — é clandestina 31. O mundo improvisa-nos 32. Se já pintaste a teoria, usa-a 33. A acumulação é inquietante 34. Vanguardas muito mais antigas e frescas 35. Há um partentesco entre a decoração e a revolução 36. Qualquer ambulação pode ser um Museu 37. O lírismo é evasão 38. Acorda-se num mundo estremunhado 39. Tirou a corda do pescoço e atou-a a um balde 40. A libertação ou é total ou não o é 41. Cheguei tarde às perguntas, mas cheguei 42. Dúvidas que anotam obras 43. Toda a personalidade é falsa 44. Uma enciclopédia que materializa 45. O rumor infiltra-se como cor


The book: artifice. Show them your notes.


O MOMENTO PERFEITO

(excerto)

JLB era perfeito, não no sentido de uma singularidade ou de um esforço, mas porque se cruzara, quer no seu tempo, quer no nosso tempo, com a perfeição dando disso frequentes testemunhos. A perfeição é possível no espaço e nos corpos – há uma evidente dificuldade em perceber como é que a perfeição, que nasce nos antros dos números e nas ternuras da geometria (de acordo com os pitagóricos, Platão e muitos outros), encarna poéticamente onde quer que seja. Essa tem sido a tarefa da física e de muitas outras nobres ciências que lhe são afins. No entanto algo nos tem escapado porque muito se fala, como se fosse uma evidência banal, incontornável, irónica ou mesmo trágica, do desaparecimento da arte, muito para além dos seus cenários e badalados fins. JLB testemunha-nos uma perfeição que garante a arte, talvez porque para JLB a perfeição seja algo inerente à morte. Para JLB é possivel que a morte da arte seja a arte nos momentos da sua morte, e consequentemente os momentos dourados e com sabor a pastéis de açafrão da eternidade.


Fui a cabeça que quis herdar dum vivo alguma sabedoria viva, alguma sabedoria insensata e insultuosa. Partilhei com os outros essa insensatez, mas não a documentei nem arquivei. E tu, partilhas os outros só contigo? O riso vai-se só contigo? O riso vai-se como igualdade. Ando a desigualar na igualdade. Desigualar os outros, sou eu. Ao ser outros, sou eu e não sou lá muito bem eu. Sou um pequeno-burguês que conduz a alta velocidade o túmulo ao corpo. O túmulo mascarado de corpo? Nada disso, nada de túmulos, só corpo. Isto não é lá um grande começo. Também não é um falhanço. É uma coisa ao lado dos falhanços. Um pontapé que ignora a baliza. É natural, mesmo que haja balizas na natureza. A natureza é injusta (como dizia, julgo que, Anaximandro)? A natureza é justa sendo injusta? Tanto melhor, pois acende o instinto. Fui acendendo o instinto nas coisas silvestres. Há algo de silvestre, espinhoso, à margem na modernidade. Sou moderno por acidente, sem ter que ter vontade. Há que ser moderno; mas num anfiteatro psiquíco cheio de curiosidades antigas e muita coisa silvestre.


Meu pai era médico em Avignon. Lembro-me de tijolos, fissuras e pavões. O pai acariciava-me e oferecia-me selos. Tinha um irmão mais velho fazia sempre batota nos jogos. Folheava albuns do tintin que sujos de compota. A mãe fazia tartes, engomava e traduzia do inglês. Lembro-me do cheiro a alecrim nos assados. Andar à porrada era a minha brincadeira favorita. O pai morreu num acidente de viação. Tinha o carro cheio de legumes. Pouco depois a mãe apaixonou-se por um irlandês barbudo. Era professor, mau poeta e um pouco bêbado.


Fomos viver para Dublin que cheirava a gasolina e mijo. Compravam-me chocolates que me deixavam sujo e enjoado. A cor dos autocarros mudou algumas vezes. Nesses anos os carros eram belos e coloridos. Habituei-me a essa lingua rápida mas não perdi a pronúncia. Havia demasiadas estantes de livros e baratas. Faziam-se poupanças e estufava-se carneiro. Nunca bebi cerveja. Não gosto. A poesia de Yeats irrita-me, mas traduzi-lhe 3 poemas. Joyce acaba sempre por ser tedioso. Não gosto de romances, prefiro aforismos e poemas curtos. Gosto do Oscar Wilde e da sua Decay of Lying.


Folheava para passar os dias. Eles passavam. Conheci muitas raparigas ruivas. Fazem-me pensar em leite. Tive uma namorada morena aos 15 que me humilhava. Havia uma sensação de que a carne era fofa. O meu interesse era por pêlos púbicos incipientes. Aprendi a gostar de irlandeses, mas demorou. Guardei intacta a minha razão, a elegância e a simplificação.


Cheguei muito tarde ao Egipto, como todos. Foi na infância. Vivi ali tempos e tempos graças a um livro de Marguerite Divin que se chamava Contes et Légendes de L’Égypte. Depois seguiu-se o Mistério da Grande Pirâmide de E. P. Jacobs: “por Hórus, detém-te!” O Egipto é o perfeito do perfeito, tal como o Japão é o perfeito do imperfeito. As terras do Ocidente de Burroughs serviram para Byars encenar a sua morte?


Partir, partir, partir — para onde vamos? Para outro aeroporto? Há três perfeições: a esférica, a cúbica e a piramidal. A perfeição é o pesadelo do caminhante. Cada instante é um legado dourado de perfeição. Aos instantes coleccionados chamamos memória. Para onde vai a nossa memória depois da morte?


Durante séculos o papel pareceu acolher-nos em íntimidade. Casas com papel e sombras, para alumiar e arder. A delicadeza na ponta do pincel é erótica e cruel. Enrolar e desenrolar como quem deita a língua de fora. Gosto do “deitar” na expressão anterior. O Japão fez da China um vasto palimpsesto. A China gosta. Há que saber dosear os modos de ensopar o papel em tinta. No Japão dorme-se em todo o sítio a qualquer hora. Aproveitar sempre as pausas como pausas. A vida é pausas. As japonesas mijam muito depressa nas estações de gazolina. Os urinóis nipónicos são muito visíveis, ao contrário da “retraites”. Há sempre alguém a sacudir. Todos os caminhos podem levar a um determinado sítio.


Comi teorias impraticáveis. Tenho teorias impraticáveis como sobras. Tenho um Deus cada vez mais políptico. Pratico-me cada vez mais políptico. Pratico um poli-ateísmo polposo. Uma soma de talvezes nesta confusão que luta numa maior confusão que luta com a paciência. A perfeição convida a uma perfeição que convida a mais dúvidas. Expus mais dúvidas. Expus emergências. Abotoo a emergências. Abotoo a futura debilidade. Evitas a futura debilidade? Evitas o lugar das perguntas porque tudo o que perguntas é Negação? Ficas vestido do que é Negação? Vestido de entrelaçante Interior? A resposta é a doxa do carrasco. A novidade é um carrasco. A novidade é um strip-tease visto pelas frestas. Expus os passos exagerados de Deus seguindo as pegadas do Diabo. Era um fã exagerado de Deus. Era uma vez um nada seguido de nada seguido de outros nadas. Um uno afinado em outros nadas. Um eu múltiplo é um eu múltiplo e é o não-lugar do não-lugar do mundo. Comi o mundo. Comi o Delalande para acabar em Delalande. Ascetismo como certa dúvida. Ascetismo de todos os actos numa anedota. Anedota que leva ao excesso. A liberdade entalada no excesso. A liberdade da natureza na natureza do lugar. Fins simultâneos. Quem os quer alugar?


As palavras incitam às palavras que incitam à desmesura de todas as desmesuras de todas as coisas a escrever graças às coisas, a escrever graças a uma obstinada inclinação pelo arbitrário, a fazer a inclinação pelo arbitrário, a fazer o luto do luto, do sucesso a desfazer-se da atenção, do sucesso a desfazer-se da atenção sistematicamente, a ocultar as notas sistematicamente, a ocultar as notas e a fazer desaparecer o fazer desaparecer, no livro em que aprendi a ser supérfluo esforçadamente. E cansei-me de ser supérfluo esforçadamente, cansei-me de me remisturar e de me remisturar com os parênteses entre parênteses e com as aspas que coloco por cima das aspas que coloco mentalmente. Têm-se degradado as profecias degradantes — as profecias são jogos de linguagem? O aleatório é linguagem? O aleatório é um Deus de um Deus que se sabe vender e se sabe revender como sacrifício? Há injustiças como preludio do sacrifício? As injustiças da natureza são da natureza ou são a felicidade a enganar a felicidade do santo? Múltlicidades a enxergarem o santo? Múltlicidades a enxergarem exuberâncias e afectos que emigraram para mais exuberâncias e afectos, que depois emigraram para países frios, para países frios mentalmente e cujos habitantes passam férias nos trópicos cheios de parábolas — passar férias nos trópicos é viver nas parábolas que são rasteiras.


Amei, mas não foi só isso. Amei, não só à primeira vista enamorado da primeira vista, mas a muitíssimas e muitíssimas mais vistas. Gosto de mais vistas. Gosto de conversas descontinuas sobre conversas descontinuas e de pessoas com o dom cortante das respostas evasivas. Há demasiadas respostas evasivas. Há demasiadas galáxias de ideias grávidas de galáxias de ideias com ideias e mais ideias mais excitantes.


Quando dei mais nas vistas foi quando tentei dissimular-me debaixo da fria pele do anonimato. As obras no anonimato escorregam-nos no sentido. As obras que os outros fazem por nós são as obras deles, são as obras que eu não quero fazer por eles. Devíamos ter um bocado da personalidade deles? Devíamos ter um sítio para guardar sítios. Sítios para guardar o que sobra às sobras das intuições. O erro das intuições excita. O erro tem uma taxa de sucesso surpreendente. Quero muito sucesso surpreendente.


Apesar de várias autobiografias a parodiar várias autobiografias ainda não disse nada de concreto sobre mim. Tagarelo numa corda bamba. A publicidade sobre mim é assim.


Ando a respigar o lixo da história. Ando a respigar nas tragédias da história algo que não é nem a dor nem os heroísmos, nem os hábitos, mas recorrentes sentidos altos. Respigo na história o que difere nas recorrências. Guardo a minha história num museu minúsculo. O deboche da história cabe num museu minúsculo?


Há uma demiurgia que é feita pela pontuação. Perguntas que vírgulam a pontuação. Perguntas que vírgulam a verdade. Tagarelice da verdade. Tagarelice em mangas de camisa sob a capa do anonimato. De que côr é a capa do anonimato? Uma relação de uma relação que prepara uma disseminação. Ritmo que prepara a disseminação. Involuntário animal rugindo em verde. Involuntário animal rugindo nas notas às notas ao estilo?


Exercitava-me em origens. Expus-me a namorar multiplicidades. Expus-me a namorar a elegância. A carne é a elegância. Carne de aldrabão a fazer bem às mentes alheias. Sarcasmos de mentes alheias. Sarcasmos de suicídio. Abortavam de suicídio. Abortavam escritos na sombra. Livros que escarnecem de livros que escarnecem de Pierre Delalande logo na capa. Iludir logo na capa. Iludir uma invisibilidade contornável. Um involuntário superlativo permanente. No cabeleireiro a angustia resolve-se em permanentes. No cabeleireiro a transformação procura a transformação que procura a elegância. É uma pulga de sarcófagos, essa elegância.


Gostaria de oferecer um clima que propicie pluriversos. O Ser propicia pluriversos? O Ser num sim putrefacto. Confundo o sim com algo putrefacto. Confundo as heteronomias do profano com as heteronomias do sagrado. Talvezes mascarando-me o sagrado. Talvezes mascarando-me profanador. Fera de involuntários academismos. Fera de involuntários clássicos. Torna-te os entusiasmos clássicos. Torna-te os entusiasmos imberbes. Uma complexidade que se nutre de calamidades. Fiz das calamidades um puré abatatado. Fiz do mundo a minha indisciplina. Estou noutros. A minha indisciplina é estar noutros. Qual é a flor dos libertários?


Devemos sublimar aquilo que desconhecemos? Cabemos nos livros que desconhecemos? Os livros dispersamme e desaprendem-me. Dispersa-me e desaprende-me a linguagem. É como um sedativo, isso da linguagem. É o sedativo da confissão como complot.


in Lapa Byars


1. FUNDAM QUANDO SE QUEREM EVIDENCIAR 2. A SOMBRA E A ESCURIDÃO GOSTAM DE FENOMENOLOGIA 3. EXCITAÇÕES DE ORÁCULOS A DESFRUTAR NAS ANATOMIAS A CONFUSÃO DAS SOMBRAS 4. AS PARTES NEGRAS NÃO ATRAÍEM O ESSÊNCIAL 5. NAS SOMBRAS AS PARTES SÃO CONFISSÕES 6. NÚMEROS QUE FECUNDAM VISLUMBRES 7. O RETORNAR DA LIMPEZA AMORAL DA IMORTALIDADE 8. A EFICÁCIA CHEGA EM LIVROS DE TREVA ENLAÇANDO-SE NA LIMPEZA AMORAL 9. A IMORTALIDADE É A EFICÁCIA DOS TEXTOS OBSCENOS 10. ACORDAVA PARA REFAZER BANALIDADES NA ESPONTANEIDADE ATEIA 11. CHEGAVA EM LIVROS OBSCENOS OU ACORDAVA PARA REFAZER MELHORAS. 12. MELHORAR O HABITAR É DESCONHECER OS DAIMONES 13. CLIMATIZAR EXCEPÇÕES DE SÚBDITAS AUTOBIO GRAFIAS (DESCALÇAS) 14. AUTOBIOGRAFIAS DO LABIRINTO 15. A ASCESE DESFAZIA POR FIM O LABIRINTO


sendo vários quais de mim amo? não sendo vários quais de mim amo? a escrita são movimentos do que em mim amo? a escrita são movimentos de mim a amar-me? a escrita são movimentos de palavras de escrita a movimentar-se em palavras a seguir palavras a seguir palavras a seguir outras a seguir às outras

estou interessado em ideias que são outras interessadas em ideias que se outram interessadas em ideias em que estou interessado e se desfazem de ideias e de hiatos que oiço dentro e que desfazem ideias que são hiatos que oiço dentro da insistência insistindo insistindo na insistência da insistência insistindo insistindo na insistência em que me oiço dentro

arte é o que traduzo contra para ser fiel com e contra para ser fiel à arte que traduzo contra ser fiel à arte que traduzo contra a arte para ser fiel ao mal-entendido que é a condição do mal-entendido que é a condição da interpretação do malentendido e a condição mal-entendida da interpretação que é a interpretação da condição da gramática que (se) desvia da interpretação


Mostrava-se no residual como esboço de plenitude. Rumores de limar livros. Humilhações obliquas a descascar alegrias. Pluralidades reciclando lágrimas lúdicas. Mostrava desistências. Pôs os capitúlos húmidos a secar. Mudou no residual os enredos. Rumores de desistências que mais pareciam desinências. Pôs aos capitulos as datas da sua vida. Datas húmidas a secar nas profundezas.


Os chineses fizeram do vazio algo de extraordinário. Há um deus dos bolos que surge de um sentimento ordinário. Há um deus com ouvidos de seda. Tem no coração um rodapé dourado. Precisas dos bolos com ouvidos de seda? Magnifico feito! Agradeço com visões de rodapé douradas. Precisas de mais autoconsciência? Ruminam números com a face debaixo do feito! Agradeço com visões simultâneas.


Enceno esta iconografia pessoal não se sabe porquê. Aqui está Kavafis, parecido com Pessoa. Não traduzi Kavafis, porque o Jorge de Sena já o fez em bom. Mas por causa dele traduzi Seferis, Ritsos e Élytis.

Não gosto de automóveis, mas houve uma época em que a beleza automobilística podia rivalizar com os templos gregos. Há algo de demente, mas também de trágico nestes automóveis que se preparam para matar ou encontrar a morte na próxima curva. Há nos automóveis uma propensão assassina e suícida.


Os Transatlânticos lembram-me Gombrowicsz


The “essential ingredients” of a pragmatic paradox are the following: “(1) A strong complementary relationship [superior and subordinate] (2) Within the frame of this relationship, an injunction is given that must be obeyed but must be disobeyed to be obeyed.... (3) The person occupying the one-down position in this relationship is unable to step outside the frame and thus dissolve the paradox by commenting on, that is, metacommunicating about, it (this would amount to ‘insubordination’)”


Este jogo é o seguinte — metacomuniquemos como se não metacomunicassemos. Que regras nos estão a surpreender? Algo está jogar e nós participamos no jogo. Nunca saberemos as regras do jogo do mundo. Jogamos por tentativa e erro.


O paradoxo é já insurreição. A lógica também pode ser afectos? A lógica como consolo. A lógica ilude a solidão: A excepção desfruta da sua liberdade. Não tenho a receita. Andamos a explorar o espaço com o nosso olhar? Andamos a provar.


Se tentas saber as regras do jogo ele explode. Se tentas substituir as regras do jogo pelas “tuas” regras do jogo será que algo vai mudar? Um jogo sem fim, sempre a reciclar regras e outras novas. Regras que se ajustam por algum tempo. Regras que falham. Constróis as tuas regras com o riso e post-paradoxal. Fazer uma cabana ou uma casa de tijolos. Aprender a ser nómada ou ser um vero sedentário?


Pode-se mudar de cenário? Se a tensão lógica te leva para o abismo amplia tu o cenário! Faz um zoom out! Pode-se fazer batota? Que rumores te afectarão? Podem permissas inconsistêntes levar a assumpções e acções válidas? Podem permissas mais consistentes levar à auto-destruição?


Todos os paradoxos são medusantes? E se são medusantes não é isso uma acção? Toda a linguagem é inadequada? A linguagem provoca um efeito específico. Há um lado animal na linguagem. A linguagem não nasceu como lógica, mas como aferição e troca. Paradoxos que fazem rir, que distendem.


O paradoxo inesperado espera-te para te surpreender. O messias virá para provar que já ninguém o espera e desfrutará desse momento com ironia e novos paradoxos. Pôs o andaime e tirou o prédio.


O poeta escreve escrevendo, tal como o filósofo escreve escrevendo. O que sente é a escrita e as imagens a que a vai associando. O pintor pinta para sentir o que pinta. Os vários feed-backs da obra sobre o criador. A velhice como feedback da obra sobre o artista.


As decisões (como se sabe) são tomadas menos em função de lógicas ou razões, mas mais por interesse e amor-próprio. Duas bolas procuramse dentro da grelha, mas ambas estão fora à beira de uma queda. Estarão mesmo interessadas uma na outra? Uma lógica para adoçar encontros.


Se alguém se acha imperfeito poderá tornar-se mais imperfeito ou mais perfeito? Em ambos os casos é um progresso. Um passo em frente, outro para trás… Andas a descobrir o teu lugar? A música encontrouo por momentos. Queria baralhar-se.


Como em Hegel, o que o demiurgo procura nos homens é reconhecimento: isto é servidão? Um deus que se auto-liberta só pode procurar nos homens emulação e convívio. Todo o sacrifício é um crédito que obriga a quem se sacrifica a proporcionar um acto. Todo o sacrifício sendo chantagem serve para quê. Deuses que se auto-sacrificam por puro exibicionismo. Ah!


O mártir é um adulador perverso, pois oferece ao seu deus, ao seu povo ou a si mesmo aquilo que de mais precioso foi outorgado para desfrutar. Aqui o mártir está a pensar que se quer alinhar por outra vocação. A heterologia é uma propriedade da heteronomia?


IMITAÇÕES DE JOAHANNES BAADER Sou um sem-lar e um sem-cosmogonias


A minha vida é a vida de Homero, refém da sua paródia. Se Je est un Autre, qualquer autobiografia é heterobiográfica. O estilismo leva à abreviatura. Encontrei no meu computador a fotobiografia de um político.


A educação revolucionária segundo Saint-Juste: “L’enfant, le citoyen, appartiennent à la patrie. La discipline de l’enfance est rigoureuse. On enléve les enfants dans l’amour du silence. Ils sont formés ao laconisme du langage. On doit leur interdire les jeux oú ils déclament, et les accoutumer à la vérité simple. Les enfants ne jouent que des jeux d’orgueil et d’intérêt: il ne leur faut que des exercices.”


Corre outra opinião parente muito chegada da primeira, isto é, que a perfeição é a causa constitutiva da beleza; e isto foi pensado para ir muito à frente dos objectos sensíveis. Mas, nestes, a perfeição considerada em si mesma está tão longe de ser a causa da beleza que, precisamente onde a beleza se encontra no mais alto grau, isto é, no sexo feminino, leva sempre consigo a ideia de fragilidade e de imperfeição. (Burke)


Uma beleza aflita é a mais comovente: o rubor tem um poder pouco menor; e, em geral, a modéstia, que é uma confissão tácita de imperfeição, é considerada uma causa amável e certamente exalta as outras similares. (Burke)


A linguagem clara salva-me da desorganização, por ora. Toda a arte com construção provoca tédio. O romance e a sinfonia são formas desmesuradas de fazer render o peixe. O melhor da literatura alemã são as parábolas de Kaf ka, que era judeu e checo.


De Nietszche agrada-me uma frase que julgo ter lido num livro que folheei: “A Natureza é um Carnaval Divino”. Comprei o livro e nunca mais encontrei esta frase. Nagarjuna torna-se um artista post-conceptual. Se defenires a arte perdes-lhe o sentido, a prática e a experiência. Se lhe ignorares a definição, serás devorado pelas dos outros.


A prática especulativa resvalou para a psicologia. Em Paris. Ego = Terror O Terror, o Sublime, é o verdadeiro nome do inconsciente. A revolução busca o terror para se dissolver em apocalipse.


Escrever notas romanescas é a minha honesta anamnése. Inventar o que fomos até isso coincidir com o que somos. É a montagem que inverte o filme. A redundância faz do absurdo plausível.


Elejo os meus antepassados baseando-me em preconceitos. Delalande nĂŁo ĂŠ um nome, mas um ornamento. Deixa que a clareza te devaste. Crio genealogias ao antecipar-me.


A memória do mundo está à espera de cozinheiros. Reescrever a filosofia em greguerias. Um romance que contém resumos de milhares de romances. Os desregramentos foram dormir a sesta.


JLB — insígnias de Borges e Byars. Levam ao Livro como súmula pitagórica. Byars oferece o livro-labirinto com um fio, que é um fio de sangue que leva ao palácio do diabo. Borges escreve em Asterion o Complexo do Minotauro.


O Minotauro é um bibliotecário que retém as fezes. Toda a leitura te abandonará. A perfeição é ouro e um velho sinónimo de merda. (Freud?) A esfínge é paralítica. Édipo defronta-se com o Egipto.


Remisturei-me com os outros e mesmo assim sou repetitivo. Recopio-me. Refuto-me. Baralho-me para pulverizar em aforismos o romanesco dado. A redundância torna-nos mais reais, mais banais, mais autobiogråficos.


Que arte é memorável? A arte vai caçar memorizadores? A interrogação como sacerdócio. Byars assume o papel maieutico da Esfinge-Sócrates. As esfinges fazem dos livros relevantes. Os mitos servem para que as respostas sejam insuficientes.


ATICISMO

1. O estilo aticista (twitter) é guerra ou/e publicidade 2. O aticismo leva ao fascismo e ao capitalismo 3. O comunismo, o fascismo e o capitalismo convergem? 4. O conciso, o prático, o despido, o minimal: licúrgicos! 5. Lacónico de laconismo 6. O slogan, o haiku, o provérbio, o tweet 7. Remisturando frases curtas chega-se a longas 8. Parágrafos grandes como falta de ar 9. Respira-se melhor ou pior depois do meu estilo? 10. Poemas-resumo da RTD 11. Palavras em apneia 12. O tweet é efeito, action writting, poesia concreta 13. One-word performance poems 14. O facebook é o escaparate dos afectos 15. Sentimentalismo, confusão, ressentimento, ironia (o face) 16. A escrita percursora de Duchamp e Byars 17. Estilo telegráfico, rápido, leve, súbtil 18. Autobiografias como velaturas de associações 19. As discussões parentais como influência 20. Laconismo do caderno e da missiva 21. A nota, a vacilação, a declinação, o apreço


22. O declinio do estilo ciceroniano em política 23. Condensar = Dichten = totalitarismo 24. O satori-style 25. Um aticismo contra as suas implicações 26. O old-style aticista de Batarda 27. Mise-en-abyme a saír para fora, a envolver 28. Aticismo polido versus espontâneo 29. Punch line sem nada antes 30. Que palavras são one-word poems? 31. Cada dicionário é criticismo de one-word poems 32. Sentidos que se desviam de interpretações e usos 33. Cada poema é um anti-epitáfio 34. Cada poema é uma declaração de guerra 35. Cada poema é uma declaração de amor 36. Cada poema é uma questão lírica inútil 37. Cada poema provoca a biografia no leitor 38. Cada poema é a ironia desse poema 39. Poltronas para Ezra Pound 40. A citação como estado nascente


Este Livro foi acabado de compĂ´r dia vinte e cinco de Fevereiro de dois mil e dezoito para os Waf Books por Pierre Delalande * todos os direitos de autor sĂŁo de Pierre Delalande e dos Waf Books


Autobiografias Pierre Delalande  

Biography, Pythagoras, Nagarjuna, La Rochefoucauld, Jérõme Delalande, Nabokov, Cage, Calimachus, Johannes Baader, Gertrude Stein

Autobiografias Pierre Delalande  

Biography, Pythagoras, Nagarjuna, La Rochefoucauld, Jérõme Delalande, Nabokov, Cage, Calimachus, Johannes Baader, Gertrude Stein

Advertisement