Issuu on Google+

P

ortfolio

Arquitetura Paisagista Pedro Pinto


ÂŤA sure cure for seasickness is to sit under a treeÂť

Spike Milligan


Breve Curriculum Vitae Licenciado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, atualmente a frequentar mestrado. Ao longo da minha frequência universitária frequentei inúmeros seminários e conferências, a maior parte deles relacionados com a Arquitetura Paisagista.

Contactos Telemóvel 910166366 Email pmsp_pinto17@hotmail.com

Em Fevereiro de 2012, participei num Workshop, no âmbito do mestrado em Arquitetura Paisagista, que teve como tema «Fisgas do Ermelo Requalificaçãoda Paisagem e Oportunidades de Recreio em Áreas Protegidas». Desde Julho de 2012, que colaboro com gabinete de arquitetura.

Pedro Manuel da Silva Pinto Rua de Santa Iria | Vila Real


Í

ndice

Licenciatura Jardim de Moradia Unifamiliar

6|7 Requalificação de Loteamento

8|9 Jardim Nª Srª da Conceição

10|11

Mestrado Planeamento e Ordenamento

12|13 Integração Paisagística

14|15

Workshop de Arquitetura Paisagista 2012

16|17


Jardim de moradia unifamiliar

|6|

Este projeto para jardim de moradia unifamiliar tem como objetivos primordiais capacitar o espaço exterior para usos polivalentes, valorizar o enquadramento do edifício e criar conforto bioclimático. Para tal houve um esforço maior no desenho com vegetação, de forma a permitir tirar partido do exposição solar e ao mesmo tempo proteger os locais mais expostos. Legenda 1 - Estrato arbóreo 2- Relvado 3 - Estrato arbustivo 4 - Floreiras 5 - Bambu 6 - Deck 7 - Muro 8- Moradia

5 6

7

2

B

A

3

Pequena cascata valorização estética, melhoria bioclimática, espaço de e s t a r e contemplação .

8 1

Terraço espaço para refeições e recreio livre com boa exposição s o l a r e proteção de brisas a norte.

B

5

A

B

4

7

Âmbito: Projeto de Arquitetura Paisagista II Local: Loteamento junto à Av. Europa, Rua B, Vila Real Docente: Sofia Barrias


Jardim de moradia unifamiliar

|7|

Fotografias do modelo tridimensional Maqueta


Requalificação de loteamento

|8|

Localizado na freguesia de Nª Srª d Conceição, o projecto para o espaço aqui apresentado assenta em três ideias base: dar espaços de recreio às pessoas, limitar o acesso automóvel e proteger os espaços de factores incómodos (ruído, impacto dos edifícios). Foi encontrado um compromisso com a topografia do terreno e há grande rentabilização de vegetação já instalada, sendo estes factores muito importantes para a sustentabilidade e exequibilidade do projeto.

1 9 2

9 2 3

10

3

1

6

5 4

5

2 6

6 1

2

7

3 1

2 6

8

5

4

9 4

LEGENDA: 1- Edificado | 2- Vias Pedonais | 3- Vias automóveis | 4- Árvores | 5- Arbustos/Herbáceas | 6- Deck | 7- Muros | 8- Bancos | 9- Painéis em Aço Corten | 10 - Pérgolas em aço tencionado

Âmbito: Projeto de Arquitetura Paisagista III Local: Nossa Senhora da Conceição, Vila Real Docentes: Laura Costa, Luís Loures, Tiago Amaral


Requalificação de loteamento

|9|

A evolução sazonal Neste trabalho houve um estudo da evolução da vegetação ao longo das estações do ano - dinâmica sazonal. O factor tido em conta foi a cor predominante na vegetação. As cartas seguintes revelam o comportamento da dinâmica sazonal em todo o espaço e pertem perceber que a escolha de vegetação, em conjunto com aquela já existente, formam um todo harmonioso e em constante troca de tonalidades.

Outono

a

b a

Inverno a

b

a

b

b

Primavera

a

Verão


Jardim N.ª Sr.ª da Conceição

|10|

Este projeto tem como objetivo principal a requalificação e valorização do jardim já existente neste local. Pretende-se dotar a área de intervenção de múltiplos espaços para lazer e repouso. Todo o projeto visa criar aqui um espaço protegido dos fatores nefastos do ambiente urbano envolvente (ruído e impato visual dos edifícios) e assim criar um jardim para pleno usufruto ao ar livre. Todas as novas estruturas e espaços implementados permitirão a utilização deste jardim de uma forma muito dinâmica e durante todas as estações do ano. Com este projeto, o Jardim da Nº Srª da conceição fica acessível para todos e ganhará valor paisagístico graças ao valor estético natural da vegetação proposta.

a

d 4 c

1

2

3

Legenda 5

b Legenda Estrato arbóreo Edifício

Estrato arbustivo

Relvado

Parque infantil

Lago

Âmbito: Projeto de Arquitetura Paisagista IV Local: Nossa Senhora da Conceição, Vila Real Docentes: Laura Costa, Luís Loures, Tiago Amaral


Jardim N.ª Sr.ª da Conceição

a

b

3

1

Short stays area | Área de estadia multifacetada com grande utilidade para acompanhantes dos utilizadores do parque infantil. Possui passadiço em deck que permite conforto para os utilizadores. É protegido no verão e solarengo no inverno.

4

2

|11|

Longer stays area | Zona de estar composta por lago e deck enquadrado por magnólias. Espaço distinto de todo o jardim com grande impacto visual (floração) e apelo sensorial (som da água).

5

Atual

Proposto

Contemplation area | Área dedicada à estadia e contemplação, pois daqui há abertura visual para as serras do Marão e Alvão. O conforto dos utilizadores está assegurado pois é um local solarengo no Inverno e sombreado no Atual Verão.

Play & Stay Zone | Área multifacetada, permitindo estadia e «playscape», através das modelações relvadas. As formas e os bancos que surgem p o r e n t r e a s modelações, tornam e s t e e s p a ç o especialmente apelativo.

Cool area | área de estadia «sazonal» pois é criada para ser utilizada principalmente no verão, pois está envolta de vegetação e é sombreada pelo edificado.

Proposto

c

d


Planeamento e Ordenamento

|12|

Este trabalho começou por uma análise e caracterização bastante exaustiva da paisagem urbana, numa área consolidada mas com alguns problemas ao nível do planeamento e ordenamento. Neste sentido, a proposta final pretende valorizar este território, tendo como objetivos principais a arborização, requalificação da estrutura urbana (via automóvel, pedonal e estacionamentos), criação de locais de recreio, interligação das manchas verdes criadas com a Estrutura Ecológica Muncipal e dotar esta zona de Vila Real de equipamentos capazes de imprimir novas dinâmicas e desenvolvimento. Hipsometria (metros)

ANÁLISE Limite área intervenção 500-1410 480-500

Rede Viária e Volumetrias do Edificado

460-480 440-460 420-440 380-420 90-380

Declive (%)

Exposição solar

Limite área intervenção 0-4 4-9 9-15 15-20 20-25 >25

Limite área intervenção Exposição plena Norte

Limite área intervenção

Caminhos

Rede viária principal

Edificado com 4 a 6 pisos

Rede viária secundária

Edificado com 1 a 3 pisos

Este Sul Oeste

Âmbito: Planeamento e Ordenamento em Arquitetura Paisagista II Local: Área urbana de Vila Real Docente: Ângela Silva Trabalho de grupo, em colaboração com: Fábio Azevedo, Mónica Arnaldo e Miguel Monteiro


Planeamento e Ordenamento

|13|

ANÁLISE Usos do solo

PROPOSTA Limite área intervenção

Estrutura Ecológica

Edifício existentes

Jardins de proximidade Área verde de enquadramento

Edifício propostos Rede viária Ribeira de Toirinhas Ciclovia Avenida de Toirinhas

Limite área intervenção

Área Agrícola Horta Vinha Pomar Área Florestal Arvoredo denso Arvoredo esparso

Espaços verdes Edifício habiatacional Edifício industrial Área habitacional/serviços

Área habitacional Área industrial Equipamento Área expectante

Galeria ripícola Matos Espaços verdes Área verde de Área verde de Logradouro Praça/Largo

Equipamentos (PSP, farmácia, área comercial) Centro Tecnológico Estacionamento com Estacionamento do bairro integrado em jardim de proximidade


Metodologia

Integração Paisagística

|14|

Neste trabalho pretende-se a recuperação urbana de uma Avenida e dos seus espaços intersticiais. Para chegar à proposta foi necessário perceber-se quais os aspectos mais marcantes nesta artéria urbana bem como as oportunidades existentes. 0bjectivos: recuperação da paisagem (valorização estética; melhoria ambiental; requalificação da rua) e dinamização da área (criação de parque infantil no topo da área e circuitos pedestres).

Análise

Âmbito: Projeto de Recuperação da Paisagem e Impactes Ambientais Local: Avenida Aureliano Barrigas, Vila Real Docentes: Frederico Meireles, Rui Cortes e Edna Cabecinha Em colaboração com: Cátia Caetano e Rüta Turlaja


Integração Paisagística

|15| - Valorização de terrenos de aterro; - Criação de percurso rampeado com miradouros; - Implementação de um estrato vegetal; - Criação de parque infantil.

-Valorização estética e ambiental; -Criação de uma zona de recreio ativo (prado); -Plantações arbóreas e arbustivas; -Criação de percursos pedonais; -Proposta de zona de estadia.

- Valorização de terreno expectante; - Criação de percurso rampeado; - Implementação de estrato vegetal. - Valorização estética e visual (parede verde sem outdoors)


Requalificação da Paisagem e Oportunidades de Recreio em Áreas Protegidas

|16|

SÍNTESE Limite área de intervenção Aptidão plantação de resinosas Aptidão plantação de folhosas Aptidão plantação de arbustivas

ANÁLISE Hipsometria

Aptidão instalação de galeria ripícola Rio Olo

Aptidão para estacionamento Aptidão para miradouro Aptidão para zona de estadia

Usos do solo

Acessibilidades e ordenamento piscícola

Âmbito: 7º Workshop de Arquitetura Paisagista UTAD-RED 2012 Local: Fisgas do Ermelo, Parque Natural do Alvão Em colaboração com: Carlos Marinho (UTAD), Diana Cabeleira (UTAD), João Silva (UTAD), Jóni Teixeira (FCUP), Mariana Silva (UTAD) e Micaela Silva (UTAD).


Requalificação da Paisagem e Oportunidades de Recreio em Áreas Protegidas PLANO GERAL

Proposta de Miradouro <

|17|

A proposta recai fundamentalmente na conservação de áreas protegidas – Parques Naturais. O Parque Natural do Alvão (PNAl) possui uma enorme riqueza faunística e florística e elementos de grande valor cultural . A reflorestação é cruciail, no sentido de melhorar habitats, ecossistemas e qualidade visual da paisagem. É fundamental uma gestão eficaz do espaço, com condicionamento ao acesso dos visitantes e a sensibilização/educação ambiental no sentido de preservar o património existente. No intuito de aliar o recreio de fruição, contemplação e de estadia às questões de valorização paisagística, ecológica e ambiental propõe-se a valorização de pontos onde as vistas são privilegiadas, recorrendo a técnicas de compartimentação para que se direccionem as mesmas, criando “janelas” com vistas panorâmicas. A valorização de espécies ameaçadas é outra acção a implementar, melhorando habitats, que no caso da Maculinea alcon requerem turfeiras, zonas húmidas e altas. Foram ainda considerados edifícios existentes como a casa do guarda e o quartel, onde se pretendem estabelecem serviços de apoio, como casas de banho, serviço de restauração e centro de interpretação. Reflorestação da galeria ripícola < Proposta de plano de reflorestação <



Portfolio | Arquitetura Paisagista | Pedro Pinto