Issuu on Google+

Escritos: Colaboração na imprensa local

Árula votiva de Quintela de Azurara,

Notícias da Beira, Mangualde, n.º 2357, de 26-05-2006, p. 8 Arqueologia * História Local * Património Cultural * Genealogia

Pedro Pina Nóbrega

Mangualde

Deve citar-se: NÓBREGA, Pedro Pina (2006) – Árula votiva de Quintela de Azurara, Mangualde. Notícias da Beira. [em linha] Mangualde. 2357, de 26-052006, [consultado em ??-??-????] p. 6. Disponível em www.pedropinanobrega.net


Árula votiva de Quintela de Azurara, Mangualde

Árula votiva de Quintela de Azurara, Mangualde Pedro Pina Nóbrega

Hoje damos aqui a conhecer mais um monumento epigráfico encontrado no concelho de Mangualde em 2003 e que foi primeiramente publicado no Ficheiro Epigráfico (Nóbrega, 2004).

Trata-se de uma árula que se encontrava na Igreja Paroquial de Quintela de Azurara , a servir de base a um vaso de flores na tribuna do orago. Segundo informações recolhidas a árula poderá ter vindo da zona da antiga capela da Sr.ª da Esperança. Trata-se de uma árula votiva de que apenas se conserva a parte superior, notando-se um profundo desgaste das faces laterais. Entre o frontão destruído e o fuste tem uma moldura de duplo listel. O campo epigráfico é rebaixado. Dimensões: 11/12x15/17x22cm. Campo epigráfico: 16cm de altura por 15cm de largura. Apresenta a seguinte inscrição: I(upiter vel ovi) O(ptimo) M(aximo) / ALCBI (vel ACBI) / NVS ... Que podemos traduzir por: A Júpiter Óptimo Máximo. Alcbino ou Acbino… No Ficheiro Epigráfico publicámos o nome do dedicante como ASBINVS em vez de ALCBI (vel ACBI) / NVS. A árula é dedicada a Júpiter com os epítetos Óptimo e Máximo. O nome do dedicante, qualquer que seja a versão, é desconhecido na região e nem Abascal Palazon (1994) nem Solin e Salomies (1994) o referem. Na terceira linha o nome do dedicante oferece algumas dúvidas, podendo um “L” em nexo com o “A” inicial, na versão que agora aqui adiantamos. Nos arredores de Quintela de Azurara têm aparecido inúmeros vestígios da presença romana como fragmentos cerâmicos, mós, pesos de tear, um deles epigrafado (Vasconcellos,

1

www.pedropinanobrega.net


Árula votiva de Quintela de Azurara, Mangualde

1910, p. 325-6), uma ara funerária (Coelho, 1957, p. 250-2) e uma outra dedicada a Júpiter Óptimo Máximo (Dias, 1986). Na região foi encontrada outra ara dedicada a Júpiter Óptimo Máximo (Gomes, 1986) em Passos a cerca de 3,5 km de Quintela de Azurara.

Referências Bibliográficas: ABASCAL PALAZÓN, Juan Manuel (1994) – Los nombres personales en las inscriptiones latinas de Hispânia. Murcia: Universidad Complutense. COELHO, José (1957) – Cinco inscrições latinas (de Viseu e imediações). In XXIII Congresso Luso-Espanhol para o Progresso das Ciências. Coimbra: Gráfica de Coimbra. DIAS, Maria Manuela Alves (1986) – Inscrição Votiva da Quintela de Azurara, Mangualde. Ficheiro Epigráfico. Coimbra. 20, n.º 90; GOMES, Luís Filipe C. (1986) – Árula Votiva de Passos. Ficheiro Epigráfico. Coimbra. 16, ficha 69 e foto 69; NÓBREGA, Pedro Pina (2004) - “Árula votiva de Quintela de Azurara, Mangualde”. Ficheiro Epigráfico. Coimbra. 77, n.º 348 (http://pedropinanobrega.no.sapo.pt/art17.html); SOLIN, Heikki e SALOMIES, Olli (1994) – Reportorium Nominum Gentilium et Cognominum. Hildesheim: Olms-Weidmann; VASCONCELLOS, José Leite de (1910) – Anacleta archeologica: 3. pondus de barro. O Archeologo Português. Lisboa. I Série, 9(11-12).

2

www.pedropinanobrega.net


Árula Votiva de Quintela de Azurara