Issuu on Google+

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

1

1


2

2

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


EDITORIAL Revista experimental e temática do curso de Jornalismo do Centro Universitário Módulo Edição #02 | Ano 2 | Março de 2012 Caraguatatuba | Litoral Norte de São Paulo Reitora: Profa. Dra. Sueli Cristina Marquesi Pró-reitora de Graduação: Profa. Dra. Iara Sanches Rosa Pró-reitor de Pós-Graduação e Extensão: Prof. Dr. José Carlos Victorino de Souza Coordenadora de Jornalismo Profa. Ms. Bruna Vieira Guimarães bruna.guimaraes@modulo.edu.br Campus Centro: Avenida Frei Pacífico Wagner, nº 653, Centro - CEP 11.660-903. Tel. (12) 3897.2000 Site: www.modulo.edu.br __________________________________ Conselho editorial: Profa. Ms. Bruna Vieira Guimarães; Profa. Ms. Giovana Flávia Oliveira; Profa. Dra. Iara Sanches Rosa; Prof. Dr. José Carlos Victorino de Souza; Prof. Esp. Nordan Manz; Prof. Ms. Paulo Rogério de Arruda e Profa. Ms. Sandra da Silva Mitherhofer Professor Responsável desta edição: Paulo Rogério de Arruda (MTB 36.577) paulo.arruda@modulo.edu.br Revisão: Bruna Vieira Guimarães e Sandra Mitherhofer Fotografia: Adriana Evangelista, Arnaldo Torres, Bruna Vieira, Mel Braga, alunos e professores de Jornalismo. Reportagem: Camila Creace, Cláudio Rodrigues, Cláudio Henrique Santana, Daniel Olivieri, Elísio Russo, Evelyn Graziele, Francisco Garcez, Jéssyca Biazini, Marcelo Souza, Mayara Peixoto, Mel Braga, Natasche Annunciato, Rafael Franco, Rebecca Bonanate, Tamires de Almeida, Thaís Matos e Vitória Barreto. Fale Conosco: Redação / Campus Martim de Sá Av. Pres. Castelo Branco, s/nº Jd. Casa Branca CEP: 11.662-700 - Tel. (12) 3897-2008 e-mail: revistabananaverde@gmail.com

www.issuu.com/universitariomodulo (Revista BananaVerde)

Capa: Reprodução do quadro do artista Euzébio do Carmo em exposição no Empório Arte & Luz em Caraguatatuba. Arte: Paulo Henrique Ferraz Tiragem: 2.000 exemplares Gráfica: Editora Mogiana Periodicidade: Semestral Projeto Gráfico: Prof. Paulo Arruda, Cléverton Santana (aluno do 3º semestre de Jornalismo) e Arte Final de Paulo Ferraz (aluno do 8º semestre de Jornalismo) Distribuição gratuita nos campi Centro e Martim de Sá. facebook.com/bananaverde @revbananaverde revistabananaverde.wordpress.com

J

A arte de ser caiçara

“Jogou sua rede / Oh, pescador! / Se encantou com a beleza / desse lindo mar”, a música Canto ao Pescador, do compositor Dorival Caymmi revela de forma singular a essência desse povo chamado Caiçara. Mistura do índio, do branco e do negro. Essa gente simples, com um rico ingrediente étnico-cultural, conhecedora dos segredos e dos mistérios da natureza, tem sua paixão materializada na imensidão do mar. A sabedoria adquirida na escola da vida revela-se nas mais diversas manifestações artísticas. Arte e cultura foram registradas nas páginas da segunda edição da Revista Banana Verde. Se há dúvidas da existência de caiçaras na região, nosso alunorepórter Rafael Franco mostra que, na nona praia mais bonita do mundo -o Bonete de Ilhabela- a cultura é passada para as novas gerações. O modo de vida rudimentar preserva os hábitos, muitos dos hábitos caiçaras. Mas não foi apenas no Bonete que nossos alunos-repórteres encontraram a preservação dessa cultura. Vitória Barreto desvendou o segredo do Azul-Marinho. Um dos pratos mais saborosos e típicos da culinária regional e descobriu o motivo de sua coloração azulada. Os repórteres Elísio Russo e Daniel Olivieri buscaram os contos e as lendas que estão enraizados na memória coletiva dos moradores do Litoral Norte Paulista. Por falar em história, Jéssyca Biazini, escreveu sobre a arqueologia da antiga fazenda de São Francisco, em São Sebastião e do Quilombo da Fazenda, em Ubatuba. A devoção do caiçara nos padroeiros e as curiosidades de cada festa são os temas abordados por Rebecca Bonanate, Mel Braga e Tamires Almeida. A narrativa do Teatro também se faz presente no texto de Natasche Annunciato. Assim como os movimentos da Dança são percebidos na matéria de Evelyn Graziele. Mas é na levada da Música que os cantores de Caraguá são apresentados por Mayara Peixoto. Já Thaís Matos mostra como os artistas do lápis e papel conseguem retratar pelas charges, alunos e professores que tiveram suas fotos publicadas na primeira edição desta revista. O Litoral Norte ganha fama nas lentes de grandes produtoras e emissoras de televisão. Na matéria de Cláudio Santana sabemos quais filmes, novelas e miniséries foram gravadas nas quatro cidades. E para quem gosta de apreciar cerâmicas, esculturas, pinturas e outras obras de artes feitas pelo povo que hoje habita o litoral, a matéria de Natália Notarnicola convida a visitar a "galeria" Arte Luz, em Caraguatatuba. Francisco Garcez e Camila Creace revelaram a razão cultural que levou Ubatuba a se tornar a Capital do Surf. Para finalizar Claudio Rodrigues entrevista o guardião do tempo Edivaldo Nascimento, dono de um dos maiores acervos fotográficos da cidade de São Sebastião. A segunda edição da Banana Verde está uma delícia. Ótima leitura!

Paulo Rogério de Arruda BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

3

3


4

26

4

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

um palco, bom som e mar

azul marinho

Há muito tempo...

12

32

o guardião do tempo

UM PARAÍSO CHAMADO BONETE

índice 29

região atrai olhares de grandes produtoras

ensaio fotográfico

índi 6

14

36


com lápis e papel...

vidas dedicadas à comunidade

transformação socialpela dança

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

44

encenações

arte luz

sob a proteção dos céus

18 20

como uma onda no mar

escombros de são francisco

ice 16

23

41 38

48

5

5


TURISMO

Um paraíso chamado

BONETE

NONA PRAIA MAIS LINDA DO MUNDO, BONETE DE ILHABELA MANTÉM HÁBITOS DA CULTURA REGIONAL

A

Rafael Franco | 5º semestre de Jornalismo

s casas não possuem luz elétrica. A energia vem de um gerador que suporta apenas alguns aparelhos ligados. O vilarejo é composto por vielas, alguns pequenos corredores e as casas. O som é o da cachoeira que desce o morro e dá vida ao rio Nema. Os moradores tem olhos claros, cabelos loiros e são descendentes de holandeses, espanhóis e portugueses, alguns até de piratas ingleses. Essa é a referência básica que se tem da praia do Bonete, no extremo sul de Ilhabela. Local que preserva características do caiçara, apesar das interferências da modernidade.

Uma praia única, que em 2009 foi eleita pelo tablóide inglês The Guardian como a nona praia mais bonita do mundo

6

6

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

Chegar ao Bonete não é tarefa fácil. A trilha que leva até a praia é cheia de surpresas e obstáculos que dificultam a caminhada. “A aventura é grande para os que gostam de natureza. O trajeto pode ser uma diversão”, revela o morador Ramon Miguez. Ele afirma que o grau de dificuldade do caminho são para garantir a preservação do meio ambiente e os hábitos da cultura caiçara. A principal atividade de sustento dos boneteiros é a pesca. Depois vem o artesanato que é vendido com apoio da Secretaria Municipal de Cultura. Os pescadores da comunidade utilizam formas artesanais de pesca e cultivo dos peixes. Com a chegada da energia elétrica, por gerador, as condições de armazenamento melhoraram segundo o pescador José Martins, que possui um bar na praia. “Produzimos gelo. Fica mais fácil conservar o peixe até a hora da venda”, relata. A rotina depende da época do ano e da fase da lua, por isso, os moradores do Bonete são grandes especialistas e conhecedores das marés e da localização exata dos pescados. Os meses de dezembro à abril, época mais quente do ano, grande quantidade de lula aparece nas costeiras do sul da ilha. Isto facilita a pesca e aquece a economia local. Ainda tem os turistas que compram o pescado fresco na praia. A agricultura é outro item considerado fundamental para a sobrevivência da população local. A dificuldade de sair constantemente da


Fotos: Bruna Vieira

Canoas de voga. Tradicionais desde o início do século, elas são moldadas com árvores de mais de 10 metros de altura

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

7

7


Foto: blog Veibras

No final da trilha que leva ao Bonete, o turista tem como prêmio um mar de águas límpidas.

praia faz com que os boneteiros cultivem no quintal das casas as principais verduras e legumes. Com ênfase, plantam mandioca e taioba, espécie de couve, bastante comum na ilha. Todos que frequentam o lugar são convidados a degustar um dos pratos mais comuns e saborosos do lugar: arroz, lula à dorê, salada de taioba e mandioca frita. Falando da beleza do Bonete, a praia foi eleita pelo tablóide inglês The Guardian, em 2009, a nona praia mais bonita do mundo. E motivos têm para isso. Já no começo da trilha constata-se que é um lugar quase intocado pelo Jovem morador do Bonete.

8

8

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


homem, onde o barulho do mar batendo nas pedras da baía que envolve a praia, proporciona a sensação de paz e de contato com a exuberante natureza.

ONDE FICAR E O QUE FAZER

Foto: Pousada Canto Bravo

A praia oferece instalações variadas, desde camping à uma boa pousada em estilo praiano que alia conforto e tranquilidade. Os preços variam de acordo com a época do ano e o dia de semana. As atividades de lazer se relacionam a natureza, tendo como pano de fundo as surpresas do local e as paisagens incríveis. A trilha para as praias de Enchovas e Indaiauba são passeios obrigatórios. O início da caminhada é no meio da vila, passando pela ponte da cachoeira do "pau oco". Após dois quilômetros de caminhada chega-se na praia de Enchovas, bem menor que o Bonete, com uma pequena faixa de areia. Um quilômetro a frente está a praia de Indaiauba com areia fina e branca, rodeada por coqueiros. Estas duas praias abrigam famílias tradicionais e proporcionam um gostoso descanso. À noite, o espetáculo fica por conta do céu estrelado e dos bares frequentados pelos caiçaras mais velhos contatando suas incríveis histórias de pescaria. E para circular durante a noite, não esqueça a lanterna. O último lembrete: respeite a comunidade local e seja bem vindo! Antes de planejar a viajem para o Bonete, informe-se sobre as condições da estrada com o Parque Estadual de Ilhabela (12)3896-2585. Se preferir ir de barco, verifique as previsões do tempo com os pescadores que fazem o trajeto da Vila, no Centro de Ilhabela, a comunidade. •

Acima, um caiçara em seu ambiente de trabalho, o rancho de pesca. Abaixo, a Capela do Bonete.

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

9

9


1010 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

1111


GASTRONOMIA

Azul Marinho Desvende os mistérios do peixe com banana verde

T

Vitória Barreto | 7º semestre de Jornalismo

Tipicamente caiçara e com resquícios da cultura indígena, o prato Azul Marinho é um dos mais procurados por aqueles que buscam saborear a culinária do Litoral Norte. Com uma diferença ou outra, seja no tempero ou no modo de preparo entre os chefs de cozinha das quatro cidades da região, a base do prato é sempre a mesma: o peixe suculento, cozido na panela de ferro com a banana nanica verde e muito tempero. Esta é a cara do famoso prato servido com porção de arroz. O pirão, feito com o próprio caldo do peixe e a verdadeira farinha de

mandioca é outra especialidade caiçara. Consagrado como patrimônio da culinária na região, o Azul Marinho está presente muito antes do que se imagina. A banana, tradicional alimento dos indígenas que aqui viveram, compõe o prato que possui um toque de nossos colonizadores, pois a do tipo nanica foi introduzida no país pelos portugueses. O peixe por sua vez, está ainda mais enraizado na cultura indígena, pois sustentava várias aldeias presentes nas costas litorâneas. Uma prova disso é a etimologia da palavra pirão.

Foto: Guia da Nutrição

1212 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

Prato típico da culinária caiçara tem como ingrediente especial a banana verde


O termo pirau em Tupi é uma junção da palavra pira que significa peixe e u que significa comida. Cultura deixada por antepassados indígenas e que as famílias caiçaras fazem questão de preservar. As bananas verdes que acompanham o cozimento do peixe são ricas em uma substância chamada tanino. Essa substância é a responsável pela adstringência, que provoca a sensação de “amarrar na boca” e pela pigmentação azulada que o prato ganha, e o denomina. O biólogo Camilo de Lellis Santos, pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), conta que este é um mecanismo que a planta usa para evitar o ataque de animais herbívoros, raios ultravioletas, calor e frio excessivo, além da escassez de água. De acordo com ele, ao ativar esse mecanismo, as moléculas de hidroxilas da banana (OH) acabam reagindo com as proteínas do peixe. “A banana ‘rouba’ as proteínas dos peixes. Na verdade são os taninos da fruta que precipitam as proteínas dos peixes, e com isso ela fica azul”, afirma. O chef de cozinha João Caiçara revela que há 25 anos segue a receita que aprendeu com sua mãe. Ele explica que a banana só fica escurecida se for feita na panela de ferro. "Posso preparar o prato em uma panela de ferro e em uma de alumínio ao lado, a tonalidade será diferente. Na de ferro a banana aquire um tom escuro, quase cinza”, aponta. Essa substância citada pelo o chef e pelo pesquisador, está presente na casca da banana, assim como em várias outras frutas no período de amadurecimento. Merece atenção, pois pode ser muito prejudicial a saúde quando consumida em excesso. “Lembra-se que os taninos precipitam as proteínas dos peixes? Então, nós também somos feitos de proteínas e dessa forma os taninos podem reagir com nossas proteínas, danificando o correto funcionamento das células”, explica Lellis. Segundo o pesquisador ainda não há estudo sobre o efeito do Azul Marinho em seres humanos, e, além disso, o prato oferece um balanço nutricional equilibrado. “O prato traz as proteínas saudáveis do peixe e os nutrientes da banana, riquíssima em potássio”, aponta a nutricionista Denise Paoli. “Tudo em excesso pode gerar efeitos adversos. Mas podemos degustar este rico prato da nossa culinária”, completa o pesquisador. •

Ingredientes 8 bananas nanicas verdes sem casca 1 corvina 2 tomates 1 cebola grande 4 dentes de alho amassado 3 colheres de óleo ou azeite cheiro verde, coentro, sal a gosto e pimentão Preparo Em uma panela de ferro coloque a cebola e o alho para dourar no azeite, e em seguida, o sal e os tomates picados sem pele. Depois de refogado, adicione as bananas e água até cobrir todos os ingredientes. Quando as bananas estiverem moles, coloque o peixe cortado em postas e espere até que este seja cozido perfeitamente e apague o fogo. Em outra panela, pegue alguns pedaços de bananas e esprema, adicionando a farinha de mandioca torrada e quantidade suficiente de caldo para que fique em ponto de pirão. O prato vai para a mesa acompanhado de um arroz branco soltinho e uma salada de agrião, além de uma bebida quente. Agora é só chamar toda a família para a mesa e saborear esta delícia típica da região. Eunice Paes Ferreira dos Santos conta que a diferença do seu pirão é uma receita própria e que precisou adaptar o prato original porque um dos seus filhos não gostava da banana no peixe, somente do pirão. Desta forma passou a amassar a banana e inserir o ingrediente no pirão sem que a criança percebesse. Assim, consumia todas as vitaminas da fruta. BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

1313


RIQUEZA IMATERIAL

Há muito tempo... Contos e lendas mantêm viva a cultura do povo do litoral Daniel Olivieri | 2º semestre de Jornalismo e Elísio Russo | 7º semestre de Jornalismo Ilustração: Francisco Garcez | 2º semestre de Jornalismo

O

repertório popular está repleto de contos e lendas que retratam de uma forma lúdica a cultura e a tradição de um povo. Causos são contados com uma riqueza de detalhes que até parece que estamos vivenciando cada uma dessas histórias. Tais relatos, inicialmente eram contados pelos moradores da zona rural e, com a urbanização, as lendas chegaram aos dias atuais. Pedro Paulo Teixeira Pinto, presidente da Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba (Fundart), explica que as lendas estão em qualquer lugar do mundo, inclusive no Litoral Norte. “Elas são passadas de geração em geração e assim mantidas vivas”. Segundo Pedro Paulo, a graça desses contos e lendas é que “quem conta sempre au-

1414 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

menta um pouco mais, dando a elas um toque especial e diferente do original”. Assim, as lendas são mantidas vivas no imaginário, sendo contadas de forma saborosa e divertida. Em Ubatuba, por exemplo, o grupo Guaruça Folclórico e Alegórico trabalha com o intuito de manter viva essas lendas e tradições. Segundo a coordenadora Mariza Taguada, o grupo começou em 2003, como Movimento Pirão Geral, organizado pelo teatrólogo e ator Bado Todão. “Ele reuniu os artistas da cidade e durante três anos fizemos apresentações. Foi onde surgiu a união do Bado Todão com o Julinho Mendes e a lenda do boi de conchas”, conta. Em 2005, Bado resolveu voltar pra São Paulo e o grupo passou a se chamar Guaruça. “Estamos dando continuidade ao trabalho, que além de ter um caráter idealista da cultura caiça-


ra, revela a importância de preservar a cultura”, afirma Taguada. A coordenadora mostra que o trabalho do grupo tem repercutido dentro das salas de aulas. “As professoras contam lendas como a do boi de conchas, que trata das coisas da nossa cidade e faz com que as crianças se identifiquem. Este é um estímulo para cultivar as lendas”, assegura. Certo mesmo é que o Litoral Norte tem um acervo muito rico e retrata a cultura do povo que mora em Caraguatatuba, São Sebastião, Ubatuba e Ilhabela.

Como surgem as lendas

Ecléa Bosi, no livro “O tempo vivo da memória”, confirma que os contos populares fazem parte do universo cultural que tem como suporte a tradição oral. “Pode existir no narrador oral um minuto em que ele intui a temporalidade. Ele percebe que é um ser que está envelhecendo e precisa passar suas experiências". São conhecimentos transformados em histórias que refletem os sentimentos da alma d e um povo, seus costumes, hábitos e vícios. Tudo é contexto para que os contos e lendas se iniciem. Em Ilhabela, por exemplo, existe a lenda da Pedra do Sino. Segundo registros do historiador Calixto, em 1647 o repicar dos sinos despertou a pacata população de Ilhabela, que viu passar defronte a praia um caixão com quatro

velas. Assustados, ajoelharam e começaram a rezar enquanto o caixão passava pelo canal, levado pela correnteza. Esta imagem do Bom Jesus que foi encontrada em Iguape e até hoje é venerada lá como Bom Jesus da Cana Verde. Segundo Calixto, a imagem estava no navio português que foi afundado pela embarcação de guerra Sigismundo Von Schkoppe. A imagem de Bom Jesus seria levada a uma igreja em Pernambuco, porém a correnteza a levou para Iguape. Há referências desta mesma lenda em outras versões no livro de Maria Cecília França, "Pequenos Centros Paulistas de Função Religiosa", e também em "Lendas do Litoral Paulista", de Hipólito do Rêgo. Já em Caraguatatuba, uma lenda conhecida é da Pedra da Freira, cartão postal da cidade. Trata-se da lenda de uma freira que veio catequizar os índios tamoios e morreu ao tentar apanhar uma flor na beira de um barranco. Pessoas dizem que Deus esculpiu no local uma pedra que lembra a imagem da freira. Tais estórias se transformam em contos clássicos que valorizam o caiçara e possibilitam a nova geração um contato com suas raízes culturais. •

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

1515


RIQUEZA MATERIAL

Escombros de

São Francisco Das ruínas mal assombradas surgiram um dos maiores achados arqueológicos do Brasil

N

Jéssyca Biazini | Jornalista formada pelo Módulo

o início da década de 1990, depois de ouvir a lenda do Joaquim Pedro, conhecida como “A lenda do diabo na garrafa”, o arqueólogo Wagner Bornal resolveu visitar o local que abriga tantas histórias. A antiga fazenda do século XIX, produtora de açúcar, café e farinha de mandioca, estava tomada pelo mato. Das suas ruínas só se via um paredão de pedras. O local estava abandonado. O motivo, não se sabe ao certo, seria uma revolta dos escravos ou a decadência econômica do Litoral Norte na época. Mas Bornal percebeu o potencial histórico cultural dos restos arquitetônicos e os achados ganharam novo significado. O projeto arqueológico, situado na Praia da Figueira, começou com 12m² escondido nas encostas da Serra do Mar, a 290 metros de altitude. Duzentos anos de história registrados em colunas, paredes, terraços com floreiras, escadarias em pedra, arcos sobre pequenos vales, oratórios e fornos, como também os fragmentos de porcelana, cerâmica artesanal, cachimbo, faiança (louça de barro, argila ou pó de pedra, envernizada ou esmaltada) e outros achados compõem hoje a área de 5,5 mil m², que somada a área do sítio arqueológico, chega a 1,2 milhão de m². Segundo Clayton Galdino, mestrando em arqueologia, o sítio possui um universo arqueológico composto por mais de 60 mil vestígios e foi inserido no Parque Estadual da Serra do Mar, em 2008, como

1616 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

área de forte representatividade da cultura africana. Os pesquisadores estudam a conexão entre as marcas encontradas nos fragmentos e a origem dos escravos africanos que passaram pela fazenda. As incisões nas panelas representam as escarificações -um tipo de registro- que eles tinham e reproduziam nas peças como uma assinatura. “Há muitos achados com a mesma marca, talvez por serem de pessoas da mesma origem, ou porque havia uma demanda específica para isso”, afirma Aline Mazza, historiadora do Sítio Arqueológico São Francisco. O ambiente apresenta vestígios de edificações, sistema de captação de água, estradas, bolsões de cultura agrícola, áreas de descarte de material, dentre outros. Todos estes recursos possibilitam ações pedagógicas, turísticas e de geração de renda com o apoio ao artesanato tradicional e das atividades ceramistas.

Potencial turístico e educacional

O complexo arquitetônico está disponível para visitação e faz parte do sistema municipal de ecoturismo. Foram credenciados 11 monitores que podem ser contratados para o passeio. “Estamos na etapa de disponibilização do acervo para a sociedade. Visitar o Sítio Arqueológico é uma forma de conhecer nosso passado e manter vivas as nossas memórias”, acrescenta Galdino. As atividades pedagógicas como o Progra-


O sítio possui um universo arqueológico composto por mais de 60 mil vestígios

Foto: Valéria Borges / Prefeitura de São Sebastião

ma Semana Escolar de Arqueologia, recebe as escolas de São Sebastião para visitar e participar das escavações. Durante a vivência os alunos aprendem os aspectos culturais do ambiente e a sinalizar, escavar, peneirar, descrever e analisar os materiais encontrados. “Eu achei uma peça de faiança quase toda montada, não esperava. Quando a gente conta para as pessoas elas não acreditam”, conta Janaete Salles, técnica de laboratório do sítio. De acordo com o professor de Geografia Edson Lima, que participou do projeto com a escola municipal Maria Francisca Santana de Moura Tavolaro, a realização do trabalho fez com que os alunos adquirissem segurança para falar sobre os aspéctos históricos e arqueológicos de São Sebastião. O próximo projeto será a instalação do Núcleo de Arqueologia Pública de São Sebastião. O Sítio possui acervo, espaço e proposta museográfica. O objetivo principal do museu é facilitar o acesso e difusão do patrimônio a sociedade.

das apagam os lampiões. No escuro e sem saber o que havia ocorrido resolvem acender as luzes e percebem que o corpo tinha desaparecido. Gargalhadas vindas de fora da casa fazem com que todos saiam correndo e acabam por ver o coisa ruim carregando o corpo de Joaquim Pedro. “Os mais antigos na cidade, como Sebastião Fortunato, acreditam que se alguém subir no Sítio Arqueológico à meia noite e gritar, no meio das trevas, o nome do Joaquim Pedro, ele aparecerá e apontará o seu tesouro escondido”, explica Aline Mazza. A crença no lugar mal assombrado manteve as pessoas afastadas e ajudou na preservação do espaço. •

A lenda do diabo na garrafa

A partir de documentos históricos foi comprovado que o proprietário do sítio Joaquim Pedro existiu. Registros de 1844 mostram que ele possuía 12 escravos e a maioria era usada na mão de obra da fazenda, capacitando-os antes da venda. Os caiçaras contam que Joaquim Pedro fez um pacto com o diabo para garantir vida longa e prosperidade. Casado com Ana Cunha, em 1831 vivia bem e se aproveitava da fazenda clandestina. O senhor de escravos saia cedo para negociar seus produtos no canal, enquanto sua esposa aproveitava o dia para limpar a casa. Certa vez, ao mexer em baixo da cama, Ana encontra uma garrafa. Curiosa, resolve ver o que tinha dentro. Ao abrir libertou o caramulhão. No mesmo instante Joaquim Pedro morre, e seus escravos levam seu corpo até a fazenda. Durante o velório ouve-se um alto barulho, as pessoas assusta-

Colunas, paredes e terraço com floreiras compõem o cenário do sítio arqueológico.

Mais Informações:

www.sitiosaofrancisco.org.br ou pelo telefone (012) 3862-2117

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

1717


RELIGIOSIDADE

Sob a proteção

dos céus

tradição católica presente nos rituais dos moradores do litoral Mel Braga e Rebecca Bonanate | Jornalistas formadas pelo Módulo Tamires Almeida | 5º semestre de Jornalismo

O

1818 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

Devoção Mariana Em Ilhabela, no dia 02 de fevereiro é comemorado o dia da padroeira, Nossa Senhora D’Ajuda e Bom Sucesso. A arqueóloga do Instituto Histórico, Geográfico e Arqueológico de Ilhabela (IHGAI), Cintia Bendazzoli afirma que a escolha da padroeira da cidade é por ela estar posicionada no universo marinho, em meio a rotas de comércio e navegação. Nesses trajetos circulavam navios mercantes vindos da Europa, com destino às diferentes localidades recém descobertas na América do Sul e Central. “Nossa Senhora D’Ajuda, assim como Nossa Senhora do Amparo (do convento de São Sebastião) são protetoras dos navegantes e aventureiros em no-

Foto: Reprodução

século XX trouxe uma pluralidade na fé. Apesar das diversas doutrinas, é nítida a presença dos cultos católicos no cotidiano do caiçara. Prova disso, são as comemorações dedicadas aos santos padroeiros das quatro cidades. Na tradição católica, santo é a pessoa que viveu exemplarmente na terra e a Igreja, por meio da canonização -processo que eleva uma pessoa a santidade- reconhece que estas pessoas tenham tido uma relação maior com Deus. A vida do santo, suas virtudes heróicas e seus milagres fazem com que os fiéis o invoque pedindo proteção e intercessão. No Brasil, grande parte das devoções surgidas no século XVI em Portugal, principalmente em homenagem a Nossa Senhora, chegaram às colônias com as expedições marítimas.


Protetor dos pescadores, São Pedro é o padroeiro de Ubatuba. Para os católicos, a festa começa com a novena e termina no dia 29 de junho com a procissão terrestre e marítima na baía do balneário. Com a imagem do santo a bordo de um dos barcos, padres fazem a benção dos anzóis, tradição dos pescadores, para que haja fartura na pesca durante o ano, principalmente na pesca da tainha. Iniciada em 1923, com o padre caiçara Francisco Limo dos Passos, atualmente a festa possui novos atrativos como o concurso da escolha da Rainha dos Pescadores, quermesse e danças típicas. Para Pedro Paulo Teixeira Pinto, presidente da Fundart, de Ubatuba, há anos a entidade promove a festa com o intuito dos jovens adquirirem esse conhecimento. Para incentivar a tradição, a Fundação realiza uma corrida de canoas entre os pescadores e interessados.

Casamenteiro

Protetor dos Pescadores

Foto: Mel Braga

vas empreitadas”, explica Cintia. Realizada pela Paróquia e Prefeitura, a tradicional quermesse movimenta a Vila, com barracas, sorteio de prendas e shows musicais. Fé, compaixão, paz, amor e muita oração são os ingredientes da festa. “Durante nove dias a paróquia recebe os fiéis para um momento especial, onde comemoraram o dia daquela que protege os caiçaras navegantes”, enfatiza o padre Daniel Inácio.

O casamento comunitário é realizado durante as festividades de Santo Antônio, em Caraguatatuba.

Apesar das diversas doutrinas é nítida a presença dos cultos católicos no cotidiano do caiçara

Rosa diz que o intuito é evangelizar e alimentar a alma dos fiéis com amor e solidariedade, princípios básicos de Santo Antônio considerado o casamenteiro e padroeiro dos pobres. Diferente dos outros santos, o período de oração para Santo Antônio é de treze dias. Coincide com o dia 13, data da celebração do santo. O calendário festivo conta com a peregrinação da imagem do santo na casa de fiéis da comunidade e a caminhada penitencial ao Morro homônimo, onde é celebrada uma missa em ação de graça. No dia 13 de junho, o atrativo da festa é o bolo distribuído aos fiéis. Para os casais que desejam regularizar a vida sacramental, a igreja oferece gratuitamente o casamento comunitário. Roberto Hermógenes e Fernanda Machado sacramentaram a união em 2000, numa cerimônia com outros setenta e nove casais. “Mesmo acreditando que alguns casais se deem bem sem uma união religiosa, eu que tenho berço católico, acho importante a cerimônia”, revela Roberto. Mais de 500 casais se uniram em dez anos de casamentos comunitários. •

Celebrada em junho, a Festa de Santo Antônio, padroeiro de Caraguatatuba, é mais do que uma festa social. O padre Marcos Vinícius BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

1919


Arte Luz ARTESANATO

Empório reúne as mais belas obras de arte regionais feitas em cerâmica, vidro, pintura e muito mais...

A

Natália Notarnicola | 2º semestre de Jornalismo

Foto: Bruna Vieira

2020 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

letra da música “Certas Canções”, de Milton Nascimento, sugere: “Certas canções que ouço... Cabem tão dentro de mim... Que perguntar carece... Como não fui eu que fiz...”. Podemos afirmar o mesmo de algumas obras de arte. A arte é a representação simbólica de diferentes olhares aos objetos do mundo e das inter-relações do homem. É uma possível aproximação com o eu do artista e com a sua origem. Os traços singelos e expressivos do caiçara, a leveza contemporânea de cada pincelada, são encontrados nas obras que permeiam o Empório Arte Luz, pensado, administrado e decorado pela design de interiores Suely dos Anjos Garcia. Entrar nesta galeria-empório é sentir uma mistura de sensações que remetem a retratos do povo que habita o litoral. O espaço artístico ajuda a compreender a riqueza de artistas e de suas visões perante as fases da história caiçara. Um convite aos moradores do Litoral Norte a visitar os detalhes da arte e das obras de artesãos de Caraguatatuba e região. Como afirma Suely: “As pessoas não têm noção do que é criado aqui, da energia que as peças representam, da história expressa em cada obra, da delicadeza que os artistas passam com harmonia nos diferentes olhares que fazem da mesma cultura”. A design de interiores Suely ainda destaca a importância das pessoas terem a arte em suas casas, de entender a arte não como algo distante, expostas sem poder pegá-las e usá-las, mas tê-las de forma a fazerem parte de outras histórias. “Todas as obras contam algo do ser caiçara. Quando alguém as adquire e leva para casa, a obra entra num novo ambiente e é ressignificada. Suscitam, novas formas de recontar, rever e reler cada arte”.


Duas mulheres O Empório Arte Luz está com uma exposição temática ao mês d’A Mulher. Um ambiente marcado pela presença feminina por meio de porta-retratos com imagens de mães com filhos, sapatos de salto alto nas prateleiras e com a apresentação das pintoras Sandra Mendes e Isabel Galvanese, esta última artesã de São Sebastião. Elas estarão no dia 30 de março, às 19h, no Empório Arte e Luz, participando da inauguração deste espaço e falando sobre a mulher em suas obras. Está feito o convite! Prestigie.

Artistas que têm obras no Empório: Anelie Schinaider Cerqueira; Arão Amaral; Angela Nunes; Ben-Hur Vernizzi; Carla Terra; Carlos Cury; Cláudia Canova; Daniela Tarracini; Edmundo Dantas Borbash; Elma Pal; Elzebi do Carmo; Fernando Humberto Martinez; Francisco de Paula Soares; Giana Parziale; Hosana S. Dantas; Licida Negro Vidal; Lílian Zucca; Marcia D` Amico; Maria Isabel Santos; Maria Pinheiro Zandoná; Paulo Forlim; Rafael M. Saloni; Rejane Costa Alves; Rogéria Amaral; Rogério Camello; Sandra Lucareti; Silvia Conceição; Sonia Meyre dos Santos; Thadeu Ornelas; Vânia Takahashi; Wadiglei de Jesus e Walquíria Ofir.

Fotos: Bruna Vieira

Serviço: Empório Arte Luz Rua Santa Branca, 443 Trevo do Sumaré em Caraguatatuba Tel.: (12) 38842568 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

2121


2222 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


TEATRO Foto: Mel Braga

Encenações O teatro como ferramenta do potencial artístico

O

Natasche Annunciato | 3º semestre de Jornalismo

artista sobe ao palco e empresta sua voz, seus movimentos, suas emoções para interpretar reis, rainhas, mendigos e palhaços. ele dá asas a imaginação para no final do espetáculo receber, como prêmio, os aplausos do público. A relação de cumplicidade existente entre atores e público permite uma intervenção artística que está acima das rotinas cotidianas. “O Teatro desperta na plateia a curiosidade necessária para promover a aprendizagem e o diálogo indispensável a fim de construir o conhecimento, de modo a formar a consciência crítica da realidade, tão importante para a construção da cidadania. Suas atividades proporcionam a trans-

cendência do mundo real para o mundo do sonho, da fantasia: um espaço produtivo para novas experiências”, contextualiza Fernanda Ramiro, diretora do Teatro Mário Covas, em Caraguatatuba. O reflexo dessa consciência pode ser percebido nos inúmeros grupos e companhias de teatro que surgiram no Litoral Norte nos últimos anos. Com a proposta não só de levar a arte ao alcance de todos, tornando-a mais acessível à sociedade, a comunidade conta com o apoio da Fundacc (Fundação Educacional e Cultural de Caraguatatuba). A instituição fomenta arte e cultura por meio de cursos gratuitos, inclusive de teatro, em Oficinas Culturais espalhadas pelos bairros de norte a sul da cidade, tais como Travessão, Barranco Alto, Morro do Algodão, Poiares, Ponte

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

2323


Foto: Bruna Vieira

O Teatro Mário Covas de Caraguá recebe produções o ano todo.

“Transformamos a vida dessas crianças. E pra eles é muito bom participar, ver como funcionam os festivais e, até onde são capazes de chegar”, declara Thiago. Outro grupo em destaque no cenário cultural de Caraguá é a Cia Popatapataio Jovem, que

Foto: Cia Popatapataio

Seca, Sumaré, Getuba, Massaguaçu e Indaiá. As aulas acontecem no Teatro Mário Covas. “Essas oficinas deveriam ser oferecidas em todas as cidades porque é uma espécie de celeiro de artistas, onde muita gente se descobre, faz despertar seu talento e tem seu primeiro contato com a arte. A população tem que aproveitar essas oportunidades”, afirma Adbailson Cuba, coordenador de teatro da Fundacc. O trabalho realizado pela Fundação já tem frutos colhidos. Muitos dos professores são ex-alunos de oficinas, como Thiago Ramos que hoje dá aulas e criou sua própria companhia, a Timbalaiê premiada no Festival Estudantil de Teatro de São José dos Campos com a peça “Contos de Areia”, que narra a história de uma comunidade de pescadores. Em julho do ano passado venceu o V Festeatro (Mostra Experimental Arteatro), em Paraibuna, nas categorias sonoplastia, direção, e o prêmio de terceiro melhor espetáculo da edição do evento, também com a mesma peça.

Peça Chapéuzinho Vermelho, da Cia Popatapataio.

2424 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


O sucesso das companhias de teatro de caraguá pode ser percebido nos inúmeros grupos que surgiram no Litoral Norte

desde 2010 oferece as crianças e adolescentes aulas gratuitas de teatro aos sábados na Praça Dr. Cândido Motta, Centro da cidade. No mês de janeiro, a Popatapataio realizou a 1ª Mostra Independente de Teatro (MIT), que contou com a participação de 11 grupos das quatro cidades da região e mais quatro grupos convidados. “Além de apresentações de espetáculos, tivemos também discussões com os temas que envolvem os grupos de teatro, a falta de incentivo, sustentabilidade e como sobrevivem”, explica Daniel Forjaz, organizador do evento. Forjaz acredita que o evento poderá ser expandido para cidades vizinhas nas próximas edições. Os grupos de teatro vêm se unindo com

um só objetivo, expandir a arte para todas as cidades da região, para não serem mais encarados como um acontecimento eventual nas pequenas cidades, mas tornando-se parte do cotidiano. “Aqui no litoral não dá para montar um espetáculo por dois meses, como nas cidades grandes. Montamos espetáculos para escolas e apresentarmos apenas quatro dias, mas eles não valorizam, eles dão muito mais valor quando os grupos vem de fora. Não temos espaço suficiente, às vezes as pessoas preferem pagar para ver um grupo de fora, do que prestigiar os artistas locais num espetáculo gratuito”, afirma Eulália Xavier, atriz e integrante da Associação Popatapataio de Arte e Cultura. A questão da profissionalização é um tema altamente debatido pelos artistas caiçaras. Neste sentido, o Teatro Mário Covas há 7 anos possibilita esse vínculo e contato do público com a arte. Neste período, seu palco recebeu inúmeros artistas nacionais e internacionais renomados e iniciantes, nas mais diversas áreas de atuação. Para a diretora Fernanda Ramiro, o Teatro Mário Covas se bare ao contato do público e isto fortalece a identidade cultural regional. •

Foto: Fundacc

Encenação da peça Contos de Areia, da Cia Timbalaiê. BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

2525


ENSAIO FOTOGRÁFICO

a pesca artesanal caiçara caiçar LUTA DIÁRIA Esforço, vontade e prazer são essenciais no trabalho dos homens do mar. A pesca, como meio de vida e sobrevivência, cultiva o cotidiano desses profissionais.

2626 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


ra a

Sociológa de formação e fotógrafa por paixão, Adriana Evangelista revela na exposição “A PESCA ARTESANAL CAIÇARA”, o retrato do cotidiano da gente do mar de Ilhabela. Para essas pessoas, o mar não é meramente espaço físico, mas lugar de trabalho, de sobrevivência e sobre o qual dispõem de grande conhecimento acumulado. É também o território onde desenvolvem práticas sociais e simbólicas. Neste sentido, o ensaio fotográfico tem por objetivo valorizar as comunidades tradicionais e seu modo de vida peculiar. Fotos: Adriana Evangelista

FRUTOS DO MAR Resultado de um trabalho árduo, o peixe é o tesouro preso na rede. Sustento de muitas famílias caiçaras que vivem do que o mar oferta. Salmões, tainhas e outras espécies, a pesca sempre generosa é uma retribuição daquele que cuida do mar.

A CANOA DE VOGA Companheira dos desafios no mar, as canoas de voga são ferramentas de trabalho dos pescadores. Feitas dos troncos de árvores que medem mais de 10 metros de altura, elas recebem nomes de mulheres que marcam a vida dos pescadores.

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

2727


a pesca artesanal caiçara

É DE PEQUENO As praias são os quintais nos quais as crianças caiçaras se divertem. Entre os brinquedos estão os barcos de voga. Desde de pequenas, elas são inseridas na cultura e aprendem a importância de manter a tradição.

AS MULHERES Não é somente aos homens que o mar encanta, muitas mulheres não medem esforços nos cuidados com os instrumentos de trabalho. Elas cuidam dos barcos, limpam os peixes, além de cuidar da casa e dos filhos.

2828 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


TV E CINEMA

Cenários Naturais do

LITORAL NORTE

Foto: Divulgação

atraem olhares de grandes produtoras

DESDE OS ANOS 70, A REGIÃO É RETRATADA NAS TELAS MUNDO AFORA Cláudio Henrique Santana | 7º semestre de Jornalismo BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

2929


DO TERROR AO INFANTIL

O

previsão de lançamento do filme. Mas não são apenas as produções com lendas da região que levaram o Litoral Norte às telas. Aqui também foi gravado em 2006, o filme infantil “A Ilha do Terrível Rapaterra”. Com direção de Ariane Porto e atuações de Lima Duarte, Tadeu Mello, Arlete Salles e Augusto Pompeu. A narrativa apresenta o vilão Rapaterra que está decidido a roubar as terras do litoral. Para conseguir seu feito, sequestra Dona Tude, uma mulher misteriosa que é a maior contadora de histórias do mundo. Um grupo de crianças decide se unir para salvá-la e evitar a destruição do local. “Uma Mulher para Sábado” é outro clássico do cinema nacional, rodado na região. O drama produzido em 1971, tem direção de Maurício Rittner e atuações de Adriana Prieto, Flávio Porto, Miguel Di Prieto, Inês Knaut e outros. O enredo retrata a história de amor de dois casais que desafiam as convenções sociais e vão viver numa praia, na qual dão vazão as suas vontades de forma intensa. Ao regressarem para a sociedade se separam e voltam as suas vidas.

POLÊMICA

O diretor John Stockwell utilizou as belas paisagens de Ubatuba como locação para o terror: “Turistas”, de 2006. Seu roteiro polêmico não teve uma boa repercussão no Brasil devido aos estereótipos que o filme apresentou sobre o país e seu povo. O filme trata da máfia de órgãos humanos e deu-se a entender que os brasileiros participavam desse tipo de crime.

O ator Eriberto Leão viverá João Baleia, na regravação "De o dia em que o Santo pecou", que narra uma lenda da cidade de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo.

3030 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

Foto: Divulgação

Litoral Norte Paulista chama a atenção de turistas de todo o país e do mundo por sua beleza natural, pelas histórias e cenários que remontam ao passado. Casarões antigos, fazendas, ruas e vielas espalhadas pelas quatro cidades compõem cenários que despertam o interesse não só de turistas, mas também de grandes produtoras nacionais e internacionais de cinema e televisão. São Sebastião, por exemplo, despertou o interesse desses produtores já na década de 1970. Em 1975, foi lançado o filme “O Dia em que o Santo Pecou”, com direção de Cláudio Cunha e roteiro de Benedito Ruy Barbosa. No elenco, atores aclamados pelo público na época: Maurício do Valle, Selma Egrei, Dionísio Azevedo, Sadi Cabral, Sérgio Hingst, Flora Geny, Elza Adão e Cavagnole Neto. Inspirada em uma lenda da cidade, a produção cinematográfica conta a história do pescador João Baleia que vive um relacionamento amoroso com uma muda, chamada pelos caiçaras de Feiticeira. No desenrolar da trama a mulher é violentada por três bandidos e para se vingar, Baleia mata os agressores e deixa um soldado cego. Nesse momento começa o mistério que envolve o filme. O pescador aparece morto na porta da igreja de São Sebastião, padroeiro da cidade e tido como santo valente. A partir daí, o povo começou a atribuir a morte de Baleia a imagem já que uma testemunha afirma tê-la visto descer do altar e punir o pescador pelos seus atos. A imagem do santo é processada, condenada e presa. O padre local lidera uma rebelião popular e consegue modificar a pena para prisão domiciliar, de onde ela só sai no dia da procissão em sua honra. Uma nova versão para o cinema está em estudo. O roteiro mais uma vez será assinado por Ruy Barbosa e o ator global Eriberto Leão, segundo informou sua assessoria, já aceitou o convite para atuar como a personagem principal da história. Em fase de captação de recursos, os produtores do filme garantem que as cenas serão rodadas nas cidades de São Sebastião e Ubatuba ainda no primeiro semestre de 2012. Não há


Foto: Divulgação

NA GLOBO

Cartaz do filme de terror "Turistas", gravado no ano de 2006, em Ubatuba.

Foto: Divulgação

Produtora de novelas, séries e filmes, a Rede Globo já realizou diversos projetos na região. As minisséries “A Muralha”, exibida no ano de 2000, em comemoração aos 500 anos do Descobrimento do Brasil e, recentemente reapresentada no canal pago “Viva”, da Globosat, e “A Casa das Sete Mulheres” utilizaram a belíssima Praia da Fazenda, localizada em Ubatuba como cenário das filmagens. ADAPTAÇÕES Assim como as minisséries foram adaptadas para o cinema a partir de obras homônimas, o livro “Desmundo” de Ana Miranda ganhou as telas sob a direção de Alain Fresnot. Ambientado em 1570, o filme mostra a vinda de meninas órfãs ao país para que casarem com os colonizadores. As tentativas eram minimizar o nascimento dos filhos com as índias e fazerem os portugueses terem casamentos cristãos. Essas órfãs viviam em conventos e muitas delas desejavam ser religiosas. Por fim, “Villa Lobos - Uma Vida de Paixão” rodado na aldeia cenográfica do Morro do Corcovado, em Ubatuba, mostra a vida do compositor carioca Heitor Villa-Lobos e seu contato com os índios. No início do século, ele kese escondeu do mundo na floresta amazônica. Caraguatatuba e Ilhabela não receberam grandes produções, mas foram cenários para inúmeras gravações de peças publicitárias. •

Cena do filme infantil "A Ilha do Terrível Rapaterra", de 2006. No filme o ator Tadeu Mello vive Guaiá.

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

3131


MÚSICA

Um palco, bom som e o mar Talvez você ainda não tenha visto esses nomes na TELEVISÃO, mas eles já são sucesso naquilo que se propuseram a fazer, com direito a agenda cheia, fã clube e música para todos os gostos

M

Milhares de fãs, sucesso, fama e reconhecimento. Esses são alguns dos objetivos de músicos e bandas espalhados pelo Brasil inteiro. Talentos escondidos pelos sertões, periferias, metrópoles e praias. O acesso à informação, a liberdade de expressão e a globalização nos dão a oportunidade de escolher o que ouvir entre uma gama de sons e estilos. Em Caraguatatuba, isso não poderia ser diferente.

Do pagode ao J Rock, a cidade possui grandes

nomes na música regional. Uns procuram atingir um público amplo, ultrapassando as fronteiras de

Mayara Peixoto | 5º Semestre de Jornalismo

outros países, outros estão realizados com o sucesso conquistado num grupo de fãs fiéis. Um exemplo dessa realização é a cantora Mara Amaral. Após apresentações em saraus da faculdade, ela decidiu montar um grupo para cantar em casamentos e festas, iniciando assim um trabalho profissional. Mara conta que as coisas aconteceram naturalmente e a cada apresentação eram realizados novos contatos e agendamento de shows. “Hoje escolhi trabalhar com isso, é o que amo fazer, estou deixando esse meu lado musical aparecer e posso me dedicar em tempo integral”, conta. Para ela, os dez anos de experiência no mundo da música

3232 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


primeiro era só Bossa Nova. Agora arrisco mais, por isso esse novo trabalho é Rock’n’roll e Blues”, revela a cantora cujo lançamento do CD ocorreu o ano passado.

O que não falta em Caraguá

são estilos mu-sicais. Na cidade é possível encontrar duplas sertanejas, cantores de rock, grupos de samba, músicos de vertentes pop e o que mais você quiser ouvir. Na pegada de divul-gação do CD “A Casa do Blues”, o segundo da carreira, a Banda Amplitude Valvulada ganhou espaço no segmento musical com seu estilo bem definido. Há oito anos, a proposta de mesclar as influências do rock, blues, rockabilly nas diversas faixas etárias. O longo tempo de estrada rendeu alguns momentos inesquecíveis como às apresentações em que acompanharam o cantor americano J.J. Jackson em Caraguatatuba, a Jam Session que fizeram com o guitarrista Lancaster em Ubatuba e o show no stand da Santo Angelo na Expomusic 2011.

Com influências do rock, blues, rockabilly e country a banda tem um público fiel que os acompanha durante seus shows Foto: Divulgação

e country fazem sucesso de público

Segundo CD chega no mês de agosto de 2012 Foto: Divulgação

Um som que é a sua cara

GAIJIN SENTAI - AMPLITUDE VALVÚLADA - MARA AMARAL

“Estou gravando o segundo CD. O

Foto: Divulgação

deram mais segurança e confiança.

Para Edu Souza, guitarrista e vocalista da banda, tocar blues no Brasil é trabalhoso, por isso é importante saber valorizar aqueles que dão espaço para apresentações e shows. “O blues tem crescido novamente

Com músicas dos seriados japoneses o grupo já viajou o mundo BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

3333


no país, não sei se com a mesma força do fim

trou na internet uma forte aliada para divulgação

da década de 1980 e começo de 1990, mas tenho

de ações, apresentações e projetos. “Nós fazemos

visto a criação de festivais e o espaço aberto nos

reuniões para definir estratégias de comunicação e

SESC (Serviços Sociais dos Comércios) ajudam

divulgação, além disso, gostamos muito de estar em

a fortalecer a cena”, ressalta.

contato com nossos fãs”, conta Amorim que explica

Souza diz que 2011 foi um ano especial para a

que por meio de chamadas de vídeos sempre bem

banda por conta das conquistas. “Temos recebido

humorados, criam uma empatia ainda maior com os

muitos elogios. A procura pelo nosso show aumen-

fãs de desenhos japoneses.

tou e proporcionalmente a divulgação do nosso

A batucada te pegou

novo CD também”, conta o vocalista.

Ampliar a área de atuação é um desafio

Após quatro anos tocando em bares e festas

para bandas em todo país, por isso é preciso ter

do Litoral Norte e Vale do Paraíba, um grupo

consciência do público que se quer atingir. “Es-

de pagodeiros resolveu subir a serra e tentar a

tamos cientes de que blues, rockabilly e country

sorte na cidade grande. Eles não imaginavam o

não são estilos com uma procura tão grande no

que estava por vir. “Em 2004 decidimos ir para

nosso país, por isso sempre ficamos muito felizes

São Paulo por se tratar de um lugar de gran-

e gratos quando oportunidades aparecem”. Sou-

de visibilidade para música. Acreditamos que

za é apaixonado pelo que faz, mas deixa claro a

teríamos mais oportunidades de mostrar nosso

importância da dedicação à profissão.

trabalho”, conta Lamir Arantes, cavaquinista

E foi exatamente o estudo e a disciplina com o

do grupo.

cronograma de ensaios que impulsionou a Gaijin

O grupo de pagode Sou Muleke completou dez

Sentai a encarar a carreira de forma mais profissio-

anos de estrada em 2011.“Nos dedicamos muito,

anime, a banda é destaque em diversos festivais de cultura pop e festas de cultura japonesa. O tecladista Jefferson Amorim, afirma que apesar de parecer algo segmentado, o estilo da banda costuma agradar a todos. “A banda é prioridade na vida dos integrantes. Estamos fazendo diversos shows e isto nos faz acreditar que estamos indo no caminho certo. No começo foi complicado”. O reconhecimento Gaijin Sentai pode ser medido pela quantidade de apresentações, em cidades da região e em eventos tradicionais de cultura Japonesa em São Paulo, além de shows em Brasília, Manaus, Salvador, Recife e em outros países como Portugal, Chile e Argentina. Com fã clube até no exterior, a banda encon-

3434 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

Foto: Divulgação

nal. Com estilo voltado para o J Rock e temas de


mas todo o conceito que tínhamos de profissionalismo mudou depois de encontrarmos pessoas que acreditaram e investiram no nosso trabalho. Hoje contamos com o apoio de algumas grandes rádios de São Paulo e do Brasil e sem isso nós não estaríamos colhendo tantos frutos”, ressalta. O grupo tem programação fechada em casas de shows da capital e apresentações marcadas em diversas cidades do país. A música “a batucada te pegou” está na boca da galera e em julho de 2011 gravaram o primeiro DVD da carreira. Recentemente o grupo esteve em Caraguatatuba para uma apresentação especial. “Qualquer profissão que você escolha na vida, é sempre gratificante e prazeroso poder voltar ao lugar de origem”, finalizou. A busca pelo sucesso e reconhecimento é algo em comum entre esses talentos heterogêneos que nasceram (ou se reconheceram) nas praias de Caraguá. Pessoas que, por meio da música, levam o nome da cidade para terras distantes. Aplausos a eles! • Sou Muleke deixou tem agenda cheia e shows em casas noturnas de São Paulo

Para viver de música

S

er músico profissional não é fácil. Para Jefferson Amorim, sócio proprietário da escola de música E-Brasil, de Caraguá, o segredo é ter seriedade. “É louvável alguém que aprende sozinho. Mas, por melhor que a pessoa seja, será limitada sem o estudo”, explica. Para Luana Mascari, professora de teclado, alguns músicos são confiantes por serem autodidatas, mas em algum momento a teoria fará falta. “A parte técnica é muito importante, o estudo abre os horizontes e a forma com que percebemos a profissão”, esclarece. A E-Brasil é licenciada da EM&T (Escola de Música e Tecnologia), uma das melhores escolas do segmento no estado de São Paulo e oferece cursos de violão, guitarra, contra baixo, bateria, teclado, piano, percussão, flauta, sax e canto. As aulas são individuais e ministradas por profissionais especializados, com salas estruturadas e informatizadas. Além do estudo individual com o instrumento, os alunos participam de aulas coletivas de Teoria, Apreciação Musical e Prática de Bandas. “Nas aulas coletivas importa a troca de informação, o debate. Precisamos aprender a ouvir música e conversar sobre isso. Devemos buscar conviver em harmonia e saber tocar em conjunto, pois o mundo da música pede isso dos profissionais”, finaliza Luana.

Serviço: E-Brasil Estúdio e Escola de Música Rua Major Ayres, 238, Centro Caraguatatuba / SP Informações: (12) 3881-2335

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

3535


ENTREVISTA

Guardião do

tempo

e

Fotógrafo mantém o maior acervo de imagens de são sebastião e resgata memória da cidade Cláudio Rodrigues | 7º semestre de Jornalismo Foto: Reprodução da foto de Edivaldo Nascimento

Capela de Maresias, na Costa Sul de São Sebastião

3636 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


R

esgatar a memória do município de São Sebastião, por meio da fotografia foi a maneira que Edivaldo José do Nascimento, de 61 anos, encontrou para manter viva a alma caiçara. Responsável por um rico acervo de imagens, nosso entrevistado iniciou a trajetória em 1967 quando criou o cinema amador. Fica aqui o registro de que foi ele quem primeiro desempenhou esse trabalho na região. Produziu alguns vídeos sem grande repercussão e fotografava as cenas para serem expostas em cartazes. Despertava aí sua paixão pela fotografia. A partir de então, começou a garimpar junto aos moradores de São Sebastião, imagens antigas e cenas do cotidiano da cidade. Hoje não é difícil encontrar as “marcas” de Edivaldo na cultura sebastianense, prova disso foi a exposição “Memória Fotográfica”. Nascimento também ministra palestras nas escolas para ensinar a cultura caiçara e tem seus filmes exibidos na videoteca da cidade junto a produções brasileiras e internacionais. Diante de toda dedicação podemos considerá-lo como guardião da cultura sebastianense. Como começou esse trabalho? Eu ia na casa das pessoas atrás de fotos antigas. Com isso fui montando o meu próprio arquivo. Também fui tirando as minhas próprias fotos. Até 1980 a cidade não tinha qualquer acervo ou patrimônio histórico e esse fato me ajudou no trabalho que pretendia desenvolver. E o projeto “Memória Fotográfica”, é ativo até hoje? Isso aconteceu no ano de 1987, quando fui convidado a trabalhar na Secretaria de Cultura lá pude desenvolver o projeto “Memória Fotográfica” que está ativo atualmente. Há 25 anos eu desenvolvo esse trabalho, resgatando as imagens e os arquivos culturais e históricos de São Sebastião e organizando exposições culturais. Nesses 25 anos existiu outro trabalho? Outro trabalho feito em 1989 foi o “São Sebastião tem alma”. Fui convidado pelas funcionárias da época, Tereza Aguiar e Ariane Porto, a participar do trabalho com o objetivo de filmar depoimentos de antigos caiçaras da região. O projeto durou até 1995 e consegui cerca de 300 depoimentos que estão até hoje no acervo histórico da prefeitura.

çaras. O legítimo caiçara já acabou. Caiçara não usa bermuda florida. O meu trabalho é desenvolver imagens da cultura caiçara, mas como? Não existe mais isso. Então, às vezes eu levo algumas pessoas a praia e as visto com as roupas que eram de antigamente; a calça, a camisa e o chapéu, a vestimenta que era do caiçara na época e faço as fotos. Faço com o maior prazer, eu gosto de manter viva a nossa cultura. E a cultura caiçara como anda? Falo sem pestanejar e com a maior sinceridade. É muito difícil as pessoas saberem como é a nossa cultura. Eu, graças à Deus, tive a oportunidade de ver diversos caiçaras. O jeito deles falarem. A "gritalhada” na pescaria. Antigamente, quando o pai chamava o filho para ir pescar, ele era obrigado a ir acompanhar. Por isso que a maioria das crianças não estudava, porque o pai queria que fossem pescadores. Então é isso, hoje, eu, Edivaldo Nascimento vivo assim, resgatando a memória e a cultura caiçara que existiu antigamente. •

Como é o seu trabalho atualmente? Hoje trabalho com a descoberta de imagens antigas, além de pesquisar para saber o ano e o lugar das fotos que chegam à Secretaria de Cultura e Prefeitura Municipal. Também faço fotos e imagens simulando a cultura caiçara do povo sebastianense. Foto: Cláudio Rodrigues

Ainda existem Caiçaras em São Sebastião? Com toda sinceridade, o verdadeiro caiçara já não existe mais. O que tem são pessoas que dizem ser cai-

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

3737


Fotos: Arnaldo J. G. Torres

DANÇA

Transformaçã

pela

Bailarinos se libertam dos medos e conq Evelyn Graziele | 7º semestre de Jornalismo

3838 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


M

ão social

dança

quistam novos horizontes

ovimentos rítmicos que revelam a essência do dançarino. Alegria, tristeza, revoltas e admiração, a dança tem o poder de transformar tudo o que está a sua volta. Na atualidade é bem aceita e procurada por apreciadores, mas na Idade Média a dança foi extinta e somente os nobres da corte podiam bailar. Por meio da dança é possível contextualizar histórias, resgatar a cultura e o modo de vida de um povo e principalmente ajudar as pessoas a se relacionarem de forma positiva com a diversidade cultural na qual estão inseridas. É um mecanismo de quebra de barreiras e de preconceitos. Além da importância cultural, a dança reflete muito no aspecto social e contribui para o desenvolvimento do caráter do dançarino favorecendo o desenvol-vimento da tríade: corpo, mente e alma. Para a dançarina Edilene Bordini, de Ubatuba, isso é visível nas mudanças que ocorrem nos jovens que se envolvem com a dança. “Vejo alunas e colegas que começaram acanhadas, com medo, com dificuldade de se socializar e até com sentimentos inferiores, mas que a dança ofereceu uma transformação na vida, e hoje são mais comunicativas, satisfeitas e felizes”, expõe. No Litoral Norte é perceptível a demanda de bailarinos que procuram os palcos. Isso devido aos inúmeros projetos que oferecem aulas de dança, teatro e música, além de dar uma ocupação às crianças. A transformação e o rendimento escolar das crianças são perceptíveis, como revela a professora Rafaela Fantinati, que dá aulas de balé clássico em Ilhabela. “Mães de alunos sempre chegam a agradecer, dizendo que seus filhos, após iniciarem as aulas [de dança] melhoraram a atenção e as notas na escola, além de serem mais obedientes em casa”. Outro exemplo positivo do papel social desenvolvido pela dança pode ser presenciado

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

3939


Mais incentivo Coordenadores de dança garantem que a demanda artística no Litoral Norte terá seu propósito alcançado com a vinda de companhias consagradas para incentivar e disseminar seus conhecimentos, junto aos bailarinos e aprendizes da região. “Por meio das oficinas oferecidas pelos profissionais novas técnicas são incorporadas pelos participantes”, explicam. De certa forma os fes-

nas apresentações do grupo “Pés no Chão”, primeiro aparelho cultural constituído no município de Ilhabela. Direcionado ao público infanto-juvenil que por meio dos cursos de dança e teatro permite ao aprendiz se tornar profissional. “Temos antigos alunos dançando em companhias profissionais, fazendo faculdade de dança e de artes circenses”, celebra a integrante do grupo Inês Bianchi. Ela revela que isto é possível devido ao incentivo que vem do programa do ProAC (Programa de Ação Cultural), da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, que reconhece a necessidade humana de arte e cultura.

alunas e colegas que começaram acanhadas, FORAM transformaDAS PELA DANÇA, E hoje são mais felizes

tivais anuais de dança realizados nas cidades de Caraguatatuba e São Sebastião cumprem esse papel, já que são bastante concorridos e tem a participação de muitas companhias de dança. Apesar do cenário otimista, profissionais da dança apontam que os incentivos ainda são pequenos diante do potencial artístico existente. Edilene Bordini acredita que no Brasil há pouco reconhecimento da profissão de dançarina. “Bailarinos, professores e coreógrafos vivem na luta diária para conquistar espaço”. A falta de incentivo não permite que tais profissionais se dediquem exclusivamente do ofício e o resultado é o jovem bailarino abandonar seu grupo de dança em busca de empregos remunerados. •

Fotos:JC Curtis/Fundacc

4040 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


TURISMO

Foto: Bruna Vieira

Vidas dedicadas à

comunidade A FORÇA QUILOMBOLA MANTÉM VIVA A CULTURA DESTE POVO

Jéssyca Biazini | Jornalista formada pelo Módulo

L

Luta e liberdade são palavras que movem as pessoas que vivem no Quilombo da Fazenda, localizado em Ubatuba, no bairro da Fazenda, no Núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar. Remanescentes de escravos como Laura de Jesus Braga e José Vieira, conhecido como Zé Pedro, trabalham diariamente para que as características culturais deste povo não desapareçam. “Terra de quilombo não é de ninguém. É de um coletivo, é da comunidade. A gente trabalha no coletivo, faz tudo no coletivo”, esclarece Braga. O Quilombo da Fazenda encontra-se há 40 km do Centro de Ubatuba, próximo da Rodovia Rio-Santos (BR 101) e, na divisa dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. O acesso é por meio de uma estrada de terra secundária de aproximadamente três quilômetros. Na antiga fazenda, onde está a Casa da Farinha, moram 50 famílias. Mais precisamente 182 pessoas compõem esta comunidade quilombola. No entorno do núcleo de preservação moram mais 22 famílias, o que totaliza 302 pessoas. “As famílias

das proximidades também são remanescentes de escravos e querem voltar para a comunidade. Eles já entraram com o pedido na justiça”, explica Laura Braga. Com hábitos simples, a maioria dos quilombolas mora em casas de alvenaria, algumas são construções de pau-a-pique (barro aplicado sobre um trançado de bambu) e vivem dos recursos naturais para produzir seus artesanatos, se alimentar e gerar renda. Cada família possui sua faixa de terra demarcada pelo Parque Estadual, e todos possuem uma área comum utilizada para diversas atividades. Na área comunitária, funcionava uma escola, atualmente fechada. As crianças estudam na Vila até a quinta série do Ensino Fundamental e depois continuam os estudos na escola do bairro Puruba até a oitava. Está ativa na comunidade da Fazenda, a Educação para Jovens e Adultos (EJA), mantida pelo governo do Estado. Com a chegada da energia elétrica, há três anos, o Centro Comunitário passou a abrigar novos BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

4141


projetos como o Telecentro implantado numa sala com 10 computadores e uma impressora. Há um ano a comunidade recebeu 12 computadores do Ministério da Cultura, mas ainda não foram instalados. Segundo Laura, depende da liberação do governo para a contratação de uma bolsista que trabalhará como monitora do laboratório. Ao lado do Telecentro, a biblioteca é do programa “Arcas das Letras”, do Ministério de Desenvolvimento Agrário e está em reforma. Os livros foram doados pelo projeto e pela Universidade São Judas Tadeu. No mesmo local serão colocadas três máquinas de costura para capacitação e geração de renda de moradoras da comunidade. Para atender a comunidade e os turistas, uma sala do Centro Comunitário está em reforma. O espaço será um escritório, para agendar visitas turísticas e organizar projetos e eventos. Picinguaba, em tupi-guarani, significa refúgio de peixes. O bairro, onde atualmente moram os qulombolas, foi reduto de muitos escravos que fugiam das fazendas de Paraty, no Rio de Janeiro e de outras cidades. Os moradores do Quilombo são remanescentes de três famílias: Conceição Braga, Assunção e Vieira.

Os remanescentes

Foto: Bruna Vieira

A migração de um quilombo para outro continua. Para ajudar a manter ativas as comunidades, quilombolas de outras regiões saem dos locais de origem, para ajudar no desenvolvimento e formar novas famílias. O líder comunitário José Vieira, conhecido

Fruta da agrofloresta da Comunidade Quilombola da Fazenda

4242 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

como Zé Pedro, mora no local há 58 anos. Nasceu em Cunha SP e foi para Paraty aos 13 anos. “Quando eu cheguei não tinha nada. A Casa de Farinha e da fazenda eram ruínas. Isso tudo fazia pinga, hoje a gente faz o melado de cana e a farinha”, conta Zé Pedro. O remanescente explica que, ainda no século passado a fazenda produzia muito café, cana e açúcar. Depois que a fazenda fechou, os negros tiveram que adaptar a roda para produzir farinha. “Tivemos que aprender a plantar mandioca. Ajudei a reconstruir esse moinho quando cheguei”, relata o líder comunitário. A história de vida de Zé Pedro está registrada em documentários e no livro “Eu tenho um sonho”, de Moacyr Pinto, que narra à história do líder quilombola. Ele também gosta de reunir-se com os visitantes perto da Casa da Farinha para contar as histórias da fazenda e suas aventuras como homem da mata. Laura de Jesus Braga, também líder comunitária, veio do Campinho, em Paraty, comunidade quilombola com título de terra há 11 anos. Ela explica que existia um intercâmbio de escravos entre a Fazenda Picinguaba e o senhor de engenho do Campinho. “Era tudo muito pertinho, pertencia tudo a mesma família, a mesma fazenda”, explica. Em 1987, Laura Braga já morava em Picinguaba, tinha sua casa e uma plantação para o consumo de sua família. Como a área pertencia ao Parque Estadual, e faz parte do SNUC (Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza), ela teve que abandonar o local por determinação imposta na época, e morou durante três anos com uma amiga. Passou a trabalhar como cozinheira em eventos do Núcleo Picinguaba e depois de três anos foi efetivada por concurso público como agente de recursos ambientais. É presidente e diretora social da Associação dos Remanescentes do Quilombo da Fazenda Picinguaba. Desenvolve projetos sociais e coordena eventos turísticos para divulgar a comunidade. Hoje mora numa casa cedida pelo Parque Estadual da Serra do Mar, na praia da Fazenda, local que integra a área da comunidade quilombola. “Antes eles eram meus inimigos número um, hoje o Parque é nosso parceiro”, explica. Muitos jovens que saíram da comunidade voltaram. Segundo a agente, eles precisam desenvolver projetos para a sustentabilidade das novas famílias. Com o reconhecimento como Comunidade Quilombola eles garantem o direito de moradia e podem plantar para o próprio consumo. Para


desenvolver projetos turísticos e comercializar produtos artesanais, precisam do título de domínio das terras, que está prestes a ser concedido pelo ITESP (Instituto de Terras de São Paulo). O Quilombo da Fazenda tem potencial turístico e pode gerar empregos para os jovens na área de educação e turismo. Para Laura estes jovens podem tornar-se guias das trilhas, que atualmente são feitas por monitores do Parque Estadual. “Nós temos vontade de montar uma cooperativa, capacitar nossos jovens para trabalhar com turismo de base comunitária”, afirma Braga.

Desenvolvimento Sustentável

tos estão no cardápio do restaurante comunitário. “Hoje atendemos grupos agendados, mas a ideia é funcionar como um restaurante mesmo”, afirma Laura. Além do restaurante, os remanescentes querem construir uma loja de pau-a-pique no espaço comunitário para comercializar seus artesanatos produzidos com taboa, cipó, madeiras, conchas e outros materiais. A fazenda possui quatro trilhas e muitos locais para visitação. Para que os turistas possam passear mais de um dia, a comunidade pretende conseguir verba para terminar de construir a pousada. Já tem um cômodo com banheiro construído com o apoio de quatro jovens que vieram da Espanha para aprender uma técnica de construção chamada Taipa (barro amassado e calcado em formas de madeira). “A modernidade chegou, mas a cultura não pode acabar”, afirma Zé Pedro.

A gente faz a lavoura no meio do mato, pensando nas plantas que Roteiro turístico Os visitantes podem conhecer a Casa da se adaptam Farinha e as ruínas da antiga fazenda. O turista com a sombra. também presencia o feitio da farinha de mandioPodem participar de uma roda de conversa Sem precisar ca. com Laura Braga e Zé Pedro, que contam as pederrubar ou culiaridades da fazenda e os causos populares. Dentro da comunidade tem duas cachoeiqueimar nada ras, do Tanque e da Fazenda. As duas possuem

Para gerar renda e manter os hábitos ligados à natureza e ao manejo sustentável do meio ambiente, a comunidade implantou o Projeto Juçara, que beneficia quatro famílias do grupo. Eles plantam o palmito, fazem a polpa da fruta e vendem. O IPEMA (Instituto de Permacultura da Mata Atlântica) é parceiro no projeto e incentiva a utilização da fruta, que é o açaí da Mata Atlântica, e não do palmito que está ameaçado de extinção. A própria semente extraída da fruta é lançada na mata para fazer o plantio. A partir do projeto, os moradores começaram a inventar pratos com a fruta do Juçara. “A gente faz tudo com Juçara, peixe com Juçara, doce. Ano passado a gente ficou sem polpa. A chuva atrapalhou a colheita e tivemos que pegar com o pessoal de São Luís do Paraitinga”, comenta Laura Braga. Dentro do Núcleo de Conservação somente a plantação de Juçara está autorizada para comercialização. Para o consumo, há seis anos o IPEMA capacitou os quilombolas para trabalhar com agroflorestas e não agredir a mata nativa. “A gente faz a lavoura no meio do mato, pensando nas plantas que se adaptam com a sombra. Sem precisar derrubar ou queimar nada”, explica Cirilo Conceição Braga, que desenvolve o projeto em suas terras. Dentro da agrofloresta de Cirilo tem pupunha, cambuci, araçá de morcego, urucum, abacate, cacau, jambo, café, milho, feijão e mandioca. Há projetos a serem desenvolvidos depois do título de domínio das terras sair para a comunidade, como a cozinha industrial. O restaurante servirá os pratos típicos dos quilombolas preparados com frutos da região, plantados na agrofloresta ou em hortas comunitárias. A salada quilombola, feita com o coração da banana, o bolinho e a própria taioba, a feijoada, a galinha caipira com banana verde e outros pra-

guias para auxiliar nas trilhas. O trajeto sai da Casa da Farinha e o acesso a ambas é fácil. Têm quatro trilhas implantadas, Jatobá, Rasa, Toca da Rasa e Corisco que termina em Paraty. Os turistas podem visitar a agrofloresta, o Projeto Juçara e apreciar a comida quilombola que é servida para grupos previamente agendados no Centro Comunitário. Tem o grupo de percussão “Tambores da Fazenda”, com manifestações artísticas ligadas a cultura afro-brasileira. Possuem um repertório de cultura popular com Afoxé, Coco, Jongo e algumas músicas e danças do fandango caiçara. Eles se apresentam em eventos e na Festa do Azul Marinho na Semana da Consciência Negra, em novembro. A entrada da comunidade está localizada no Km11 da Rodovia Rio-Santos (BR101). • Serviço: Interessados em conhecer o Quilombo da Fazenda, agendar com Laura Braga pelos telefones (12) 9777.4130, (12) 9218.4080 ou (12) 3832.1397

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

4343


CHARGE

Com lápis

e papel...

A arte de mostrar, com humor, a realidade por meio do desenho Thaís Matos | 3º semestre de Jornalismo

co-social da realidade. Souza esclarece que a charge tem força maior do que o editorial de um jornal, uma vez que para entendê-la não precisa ser uma pessoa culta. A facilidade visual de se entender a mensagem que o desenho quer passar atrai um público muito diverso, caso da adolescente Carolina Pinheiro, que aos 12 anos já é fã das charges. “Não consigo mais ler jornal sem procurar pela charge”, revelou. Por ser um trabalho divertido e proporcionar certa visibilidade, muitos jovens procuram aulas de desenho para aprender ou aprimorar seu conhecimento. A adolescente Tamiris Vieira, 15 anos, foi atrás das Oficinas Culturais de São Sebastião para aprender o ofício. “Sempre gostei de desenhar, quero

D

om, inspiração ou técnica? O que faz a arte dos cartunistas e chargistas ter tanto sucesso entre os leitores de jornais e revistas? Marcadas pelo humor, criatividade e, algumas vezes, crítica, as imagens que ilustram veículos impressos sempre chamam a atenção dos leitores. Com a finalidade de satirizar um acontecimento ou personagem, a charge abusa dos traços e evidencia características de fatos e personagens para torná-los cômicos. “Essa é a função da charge, fazer rir”, explica o jornalista Leandro Almir Diniz Souza, na monografia Charge Jornalística. Diferente do cartoon, que retrata situações corriqueiras, a charge faz uma crítica políti-

a charge abusa dos traços e evidência características de fatos e personagens para torná-los cômicos.

4444 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


Ilustração: Edson Macedo

Caricatura da aluna Vera Lúcia Stadie, do curso de Enfermagem do Centro Universitário Módulo, com foto publicada na primeira edição da revista.

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

4545


Foto: Thaís Matos

Inspiração, dom ou técnica?

aprimorar os conhecimentos”, contou. Junto com ela, outros jovens compõe a turma da oficina de desenho. Com trinta anos de carreira, o cartunista Edson Macedo deu os primeiros passos nessa arte também na adolescência. “Comecei com 13 anos. Fazia caricaturas no bar onde trabalhava”. Com mais ou menos 20 anos, Edson foi para a rua fazer retratos das pessoas que passavam. “Os primeiros desenhos agradaram o público e atingiram minhas expectativas”, desde então vive da arte. Para ele, o cartunista deve ser alguém observador e divertido, pois é isso que vai provocar as pessoas. Promover risos é o papel do cartunista, sem se esquecer, é claro, da pitadinha de ironia.

4646 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

Enquanto uns defendem a inspiração, outros a crucificam. Quando perguntado sobre o assunto, Macedo respondeu acreditar que “inevitavelmente o artista se inspirará em algo que curta ou alguém que admire”, apontou. As inspirações mais animadoras são as que transmitem valores e as que trazem a tona temas populares e polêmicos. “Sabe aqueles assuntos sobre os quais você deseja expressar sua opinião, que estouram nos noticiários são esses os mais divertidos”, confessou Edson. Mas, embora esse seja um fator importante, o profissional deve ter outros cuidados no momento da criação. Conhecer o tema sobre o qual vai trabalhar é o primeiro deles. Além disso, a ética e a


Ilustrações: Edson Macedo

moral precisam estar presentes, pois os cartuns são poderosos formadores de opiniões. Graças a esse fator, as charges ganharam força no jornalismo dos últimos anos. Além do papel jornalístico, elas entram em grandes vestibulares e testam o nível de conhecimento do cidadão. Outro assunto delicado é a questão de dom ou técnica. Muita gente que se interessa pelo trabalho, acaba desistindo devido à falta de habilidades com o lápis. Isso aconteceu com o jovem Moacir Camargo, 22 anos. “Sempre que vejo uma tirinha ou um cartoon fico fascinado, mas simplesmente não nasci para desenhar”, lamentou. O professor Alvamir Nascimento que estudou na Escola Panamericana de Arte, em São Paulo, e trabalhou na empresa Maurício de Sousa, autor do famoso gibi A Turma da Mônica, explica que o aprendiz do desenho precisa se dedicar. “Eles têm que ter uma visão diferenciada e entender as técnicas”. Portanto, dom, inspiração e técnica andam juntas.

Beto, Coordenador do Curso Engenharia de Produção.

Aline Ehrlich Aluna do curso de jornalismo.

Ossos do ofício

Por ser um recurso muito utilizado nas mídias que trabalham com o factual, o cartunista muitas vezes é pego de surpresa. O próprio Macedo contou que em algumas situações teve poucas horas para bolar uma arte. Diante disso deve-se agir com calma e tranquilidade. A dica do nosso ilustrador é partir para uma ideia mais rápida e com desenhos sem muitos detalhes. Com a modernização da arte, isso é totalmente possível. Em alguns casos, o conteúdo é tão bom que se pede um desenho exagerado. Uma das maiores dificuldades enfrentadas por esses profissionais no Litoral Norte é a falta de jornais diários, os que mais requisitam profissionais da caricatura. Além do mercado ser precário, o que se paga é muito aquém do merecido. Porém, ele espera uma mudança nesse quadro, já que a região tem recebido grandes investimentos e aponta crescimento iminente. •

Professor Pedro Norberto, Ministra aulas nos cursos de Enfermagem, Ciencias Biológicas e outros

Nordan Manz, também ganhou uma caricatura.

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

4747


Como uma onda

no mar...

Ubatuba reúne as melhores praias para a prática do surf Francisco Garcez e Camila Creace | 2º e 3º semestres de Jornalismo

C

ercada pela Mata Atlântica e com belas praias, Ubatuba é o cenário perfeito para o exercício de um esporte que quase foi extinto pelos puritanos euro-

peus nos séculos XIV e XVIII, mas que sobreviveu e se tornou uma terapia para os amantes do mar e principalmente das ondas: o surf.

Não é a toa que desde a década de 1960,

surfistas elegeram Ubatuba como um dos principais points para surfar. O motivo: suas águas, como explica o médico Eduardo Ferraz de Camargo, surfista local. “Ubatuba tem praias para qualquer “swell” (ondas boas para se surfar, com boa altura e que chegam bem definidas, sem ruídos)”. Desde então o balneário é considerado a “Capital do Surf”, porém somente em 12 de ju-

4848 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


lho de 1995,

prática do surf

pela lei muni-

nas escolas mu-

cipal nº 1454 é que

nicipais.

Reconhe-

o título foi concedido.

cido pelo seu trabalho,

Para Camargo surfar é mais

Jacob foi nomeado coor-

do que simplesmente pegar on-

denador para a escola da pre-

das, “é paz, entendimento, concor-

feitura e iniciou um trabalho de

dância dentro d’água, prazer e não

sociabilização das crianças sobre os

disputa”, filosofa. Essa comunhão entre

ensinamentos da prática do surf.

homem e mar é que impulsiona a cultura e

A escolinha começou se voltar para com-

faz aumentar a procura pelo esporte. “Nós não

petições e envolver as crianças em even-

surfamos para ninguém, surfamos pelo prazer

tos municipais e estaduais. Com o tempo os

próprio”, completa. Talvez esse simples contato

jovens que praticavam, começaram a ganhar

com a natureza tenha motivado a prática do surf,

campeonatos. Hoje são campeões brasileiros e

em Ubatuba, e formado surfistas de renome na-

mundiais. “Esses atletas fazem com que o nome

cional e internacional. “Temos as famílias Bettero,

da cidade de Ubatuba seja conhecido em todo

com grandes profissionais, e a família Toledo com

o mundo”, comemora Jacob, que tem entre seus

o Filipinho, conquistando vaga para o WCT (World

ex-alunos o campeão brasileiro de surf Renato

Championship Tour)”, revela.

Galvão. “Ele foi um atleta descoberto na escolinha de Ubatuba e lapidado com muito carinho e

Celeiro

apoio para que hoje se tornasse esse campeão”.

A reputação de celeiro estimulou a criação de

Outros se tornaram professores de educação físi-

inúmeras escolinhas de surf, dentre elas a de

ca e dão aulas no projeto.

José Alberto Jacob, uma das primeiras do Li-

Mas para Jacob, os verdadeiros campeões

toral Norte Paulista e do Brasil. “No Rio de

são as crianças atendidas gratuitamente pelo

Janeiro tinha a Rico de Surf, mas era algo

projeto. “Os jovens se sentem vencedores

totalmente diferente e nós não mantínha-

quando ficam em pé pela primeira vez na

-mos contato”, conta o coordenador do

prancha. A gratificação é ver o sorri-

projeto.

so no rosto das crianças”, e finaliza

Com experiência de competição,

enfatizando que investir no espor-

organização de eventos e juiz de

te fortalece uma sociedade, for-

surf, Jacob iníciou o projeto

mando cidadãos de bem. •

após a aprovação de lei municipal que incentiva a

BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

4949


Cultura Caiçara na mídia impressa regional

E

Por Bruna Vieira Guimarães¹

is que você leitor chega à última página ‘de conteúdo’ da 2ª edição da revista Banana Verde. Espero que a leitura tenha sido prazerosa! Que você tenha rido com a reportagem das charges, tenha se entretido com a reportagem das bandas e grupos musicais da região, que tenha aprendido novos conceitos e ampliado o seu repertório ao ler as reportagens do Bonete de Ilhabela, do Quilombo de Ubatuba, dos achados arqueológicos de São Sebastião e dos grupos teatrais de Caraguatatuba. Uma revista deve educar e entreter o leitor. É este o desejo dos alunos e professores de Jornalismo, que fazem esta revista acontecer. Esta edição mostrou as culturas presentes no Litoral Norte Paulista. E dentro deste enfoque, a Cultura Caiçara foi destaque. Procuramos abordar aspectos pouco divulgados na mídia regional. E sim, valorizamos a cultura mais autêntica da região. Não tivemos a pretensão de esgotar o assunto. Sabemos de outras ricas culturas presentes aqui no litoral, como a nordestina, a quilombola, a indígena, as colônias de japoneses, italianos e tantos outros países. É muita ‘cultura’ para uma única edição da revista. E neste artigo chamo a atenção para a cobertura jornalística sobre a cultura caiçara disseminada (difusa, propagada, vulgarizada) na mídia impressa regional. Esta é uma das inquietações da tese de doutorado em Comunicação que estou defendendo. Entendo caiçara² , primeiramente como aquele que nasce e vive em localidades do Litoral Sul e Sudeste brasileiro, que sobrevive da pesca, do artesanato e do turismo, e que preserva valores como o da partilha, igualdade, fraternidade, humildade, família unida e respeito ao meio ambiente. O caiçara de hoje é fruto da miscigenação genética e cultural do português com o indígena do litoral, somado ao negro africano. Trata-se de um dos últimos traços visíveis da criação do povo brasileiro. A cultura caiçara evoluiu e se transformou nas últimas cinco décadas, acompanhando o desenvolvimento econômico, social e cultural nas quatro cidades da região. E a mídia impressa tem construído imagens simbólicas do caiçara, uma delas o considera uma pessoa desocupada, o “vagabundo”, àquele que não tem ganância e não quer evoluir. Outra imagem, de que os pescadores caiçaras são uma espécie em extinção, pois a pesca já não rende o suficiente para o sustento da família. E mais, a imagem do caiçara atrelada apenas à profissão de pescador (e não a outras profissões). Tais imagens não condizem com os valores arraigados nesta cultura, como propõe os estudos do sociólogo Antônio Carlos Diegues, da USP (Universidade de São Paulo), que mantém um Núcleo sobre Populações em Áreas Úmidas Brasileiras, com mais de 50 dissertações e teses defendidas em diversas áreas do conhecimento e que abordam a cultura caiçara. Portanto, há estudos acadêmicos sobre a cultura caiçara, mas são poucas as análises com enfoques comunicacional e jornalístico. Tenho orgulho de dizer que publiquei com o jornalista Ricardo Hiar dois artigos acadêmicos sobre a comunicação na região. O primeiro sobre “A história da publicidade no Litoral Norte Paulista” em 2008 e o segundo sobre “A história dos jornais impressos no Litoral Norte Paulista”, em 2010. Que esta tese seja a terceira contribuição e que venham muitas outras. Viva a pesquisa! E viva a cultura caiçara na região! 1 - Professora e coordenadora de Jornalismo do Centro Universitário Módulo. Mestre e doutoranda em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. E-mail: brunajornalista@hotmail.com e/ou bruna.guimaraes@modulo.edu.br 2 - O termo caiçara tem origem no vocábulo tupi-guarani caá-içara, utilizado para denominar as estacas colocadas em torno das tabas ou aldeias, e o curral feito de galhos de árvores fincados na água para cercar o peixe. Com o passar do tempo, passou a ser o nome dado às palhoças construídas nas praias para abrigar canoas e apetrechos dos pescadores.

5050 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

O caiçara de hoje é fruto da miscigenação genética e cultural do português com o indígena do litoral, somado ao negro africano. Tratase de um dos últimos traços visíveis da criação do povo brasileiro

OPINIÃO


BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02

5151


Canção Caiçara De onde vens, patrício, camarada, amigo? Salta da canoa, vem pousar em paz. És dos Alcatrazes ou do Bom Abrigo? De uma das Queimadas ou das Sanzalás? Vens de Vila Bela, do Montão de Trigo? Vais a Cananéia, vais aos Caraguás? Venha de onde vieres, com prazer te sigo Vás para onde fores, tu comigo irás. É que em toda a costa, paulistanamente Há uma só família, de tão boa gente Que em qualquer momento teu irmão sou eu. Sem saber teu nome dou-te meu afeto E no comunismo do meu pobre teto A farinha é tua, todo o peixe é teu.

José Martins Fontes

5252 BANANA VERDE | MARÇO DE 2012 | Edição #02


Revista BananaVerde - #2 - Março2012