Issuu on Google+

EDIÇÃO #003 ▪ novembro 2013

PONTO DE FUGA MAGAZINE


PONTO DE FUGA MAGAZINE

02

EDITORIAL

Esta edição da Ponto de Fuga Magazine é também reflexo dos tempos que vivemos, da incontornável crise. Neste caso, a crise de tempo que nos assola a todos e que se junta ou é também consequência da crise que se sente nas nossas carteiras. Mas apesar da crise, acreditamos que há projectos que valem o nosso esforço e dedicação. Mesmo com menos conteúdos e um pouco atrasada, aqui vos trazemos mais uma edição da PdF Magazine... e até com algumas novidades!

SUMÁRIO EU SOU UM FUGA: ANTÓNIO LOPES

04

DESAFIOS PdF

08

Na secção “Eu Sou um Fuga”, fomos inquirir um dos membros mais antigos do PdF. António Lopes, mais conhecido por Tony para os amigos, é um verdadeiro fuga dos 7 oficíos e divide o seu tempo entre os computadores, a fotogafia e a música, entre outras coisas. Fiquem a conhecer o bom mais sobre o nosso Tony na entrevista que lhe fizémos. Os Desafios PdF são outro dos destaques desta edição. Além de anunciarmos o vencedor do desafio de capa para esta edição, com o tema “Outono”, tambám publicamos as fotos vendedoras dos desafios semanais do grupo. Os temas dos desafios publicados são Arquitectura, Retrato, Abstracto e Paisagens. Os parabéns da equipa PdF Magazine a todos os vencedores dos desafios, assim como a todos os participantes, dado que o principal objectivo destes desafios é incentivar todos os Fugas a pegarem na máquina e a saírem porta fora à procura dos melhores enquadramentos. As novidades introduzidas nesta edição são as secções “Fugas no Mundo” e “Sugerimos”. A primeira irá servir para divulgar a presença de elementos do PdF em exposições, concursos ou qualquer outro destaque que tenham tido fora do grupo. Por seu lado, a secção “Sugerimos” irá apresentar sugestões para livros, videos ou sites que tenham conteúdos de alta qualidade e que possam ajudar os Fugas a aperfeiçoar a sua visão e técnica fotográfica, sempre de forma complementar com os ensinamentos do nosso mentor Pedro Vilhena. Por fim, a equipa editorial está a procurar formas de melhorar o projecto e assegurar a sua sustentabilidade no tempo. Para tal, contamos também com o apoio de todos os Fugas, seja para partilharem informações e ideias connosco, produzirem conteúdos ou até mesmo fazer parte da equipa editorial deste projecto. De uma forma ou de outra, a PdF Magazine é de todos os Fugas, para todos os Fugas. A Equipa

FICHA TÉCNICA COORDENAÇÃO: Célia Ferro, João Barnabé, João Caeiro, Miguel Lemos, Florbela Vitorino, Pedro Vilhena PAGINAÇÃO: João Barnabé, Miguel Lemos

PONTO DE FUGA MAGAZINE Contacto: pontodefuga.news@gmail.com

REDAÇÃO: Célia Ferro, João Barnabé, Paula Serrão, Florbela Vitorino

© Ponto de Fuga, 2013 Todos os direitos reservados


PONTO DE FUGA MAGAZINE

04

EU SOU UM FUGA

ANTÓNIO LOPES

TONY Uma foto tirada pelo meu amigo Manuel Roque, durante um Rally em Portalegre. Como é que o homem António Lopes passa a ser o fotógrafo Tony? Antes de mais, importa definir o que é um fotógrafo.. É alguém que pega na máquina e tira fotografias? É alguém que ama verdadeiramente aquilo que faz? Que descobre um prazer imenso em cada click? Que ao estar diante de uma paisagem deslumbrante, consegue sentir (e não ver) a sua beleza, e só depois tenta registar um ínfimo momento dessa beleza para a posteridade? Há dias li um artigo de um fotógrafo que dizia que lhe mete impressão as pessoas que se designam por fotógrafos, como se o ser fotógrafo fosse o máximo a que aspirassem. Em primeiro lugar é necessário amares verdadeiramente o que fotografas, seja paisagem, retrato, moda, arquitectura, senão como é que te podes considerar um fotógrafo?… Tem que haver um verdadeiro amor a esta arte… Tens que conseguir transmitir algo com o fruto da tua dedicação… E de facto, é uma afirmação que faz sentido, pelo

menos para mim. O ser fotógrafo é apenas um rótulo que foi criado para que se pudesse fazer uma distinção, designar um trabalho… Mas respondendo á questão: poderia dizer que foi a partir do momento em que comecei a apreciar verdadeiramente a beleza em tudo o que vimos á nossa volta, seja uma pessoa, uma paisagem, uma folha…E a sentir-me inspirado pelos trabalhos de outras pessoas, sejam eles profissionais ou amadores. Quando se manifestou o amor e a dedicação à fotografia? O amor pela fotografia sempre esteve presente desde míudo, pois a fotografia é uma constante familiar (o meu pai fazia fotografia de casamentos e retratos, e o meu irmão também fotografa muito bem. Aliás, ainda temos duas máquinas analógicas guardadas religiosamente, e a funcionar). De uma forma mais efectiva, começou-se a manifestar há cerca de dois anos,


PONTO DE FUGA MAGAZINE

05

quando adquiri uma Bridge (Canon SX 30HS), e com a frequência de um primeiro workshop dado pelo Pedro Vilhena. Quem te inspira na fotografia e porquê? O meu pai e o meu irmão pelos motivos já citados. O Steve Mccurry é uma referência para qualquer fotógrafo, seja ele amador ou profissional. O Joel Santos, pelas paisagens maravilhosas, pela tranquilidade que inspiram, o Nanã Sousa Dias, para mim uma referência no preto e branco. Vejo neles uma qualidade de trabalho (não a perfeição porque isso não existe. Se uma foto estiver perfeita, é porque foi muito manipulada) verdadeiramente inspiradora. E tenho alguns amigos que são muito bons no que fazem, que também me inspiram… Qual a área da fotografia que mais te atrai? Porquê? Paisagem e Retrato. A paisagem pela profusão de cores que se poderá transmitir, o tentar captar a natureza na sua grandiosidade que pode ser bela e aterradoramente bela (por algum motivo tenho um gosto particular por fotografar relâmpagos), o retrato, pela tentativa de captar a essência da pessoa (as) fotografada (as). O que consideras importante para se ser um bom fotografo? Ao contrário do que se possa pensar, o equipamento é o menos importante nesta equação. As qualidades que eu aprecio num bom fotógrafo, são: persistência, humildade e disponibilidade para ajudar outros companheiros de profissão, ou simples amadores (nesse aspecto, o Joel Santos é um exemplo a seguir), pois ao ajudares outros também te ajudas a ti próprio. O que gostavas de fotografar? Porquê? Falando em locais, adoraria fotografar a Islândia, fazer um périplo pela América do Sul, África do sul, NeoZelândia, o Grand Canyon, a route 66, enfim, um número infindável de locais. Quando sais para fotografar o que levas contigo? O que nunca podes esquecer? O que levo sempre comigo: Mochila, Tripé, Monopé, máquina e 3 Objectivas (Grande Angular 17-70mm, Fixa 50mm , Teleobjectiva 150-500mm. O que nunca posso esquecer: Baterias extra, cartões extra, kit de limpeza, lanterna, e um carregador de baterias que dê para o isqueiro do carro. Como foi o teu caminho no mundo da fotografia? (como começaste, o que fizeste, o que compraste, etc etc)

O meu caminho ainda está a ser desbravado, e sê-lo-á sempre, mas essencialmente foi a partir do momento em que comprei a já citada Bridge, e o respectivo tripé, frequentei dois workshops (um básico e um avançado) dados pelo Pedro Vilhena, que me ensinou muito, corrigindo e elogiando quando tem de ser. Entretanto comecei a fazer fotografia para o município de Montemoro-Novo (onde trabalho como informático), a sair com os amigos para fotografar, a adquirir mais equipamento, e a partir deste ponto onde me encontro, não sei onde irei parar. Sei que é isto que quero, e que gosto de fazer. Consideras importante o companheirismo no mundo da fotografia ou preferes fotografar sozinho? Ou ambos? O companheirismo é de vital importância, pois permite trocar idéias enquanto estamos a fotografar (especificações técnicas que utilizamos no momento, por exemplo). No entanto, para mim torna-se primordial estar sozinho a fotografar, pois posso ter a liberdade para fotografar o que quero, quando quero, e como quero. Permite que me foque no que estou a tentar fotografar, e talvez o mais importante, é um escape á realidade do dia a dia. É nesses momentos em que consigo encontrar-me comigo próprio, colocar os pensamentos em ordem. Por vezes a minha família interroga-se sobre o porquê de não ter medo de ir fotografar sozinho… E a resposta é simples: porque preciso desses momentos. Vou enumerar uma serie de palavras e vais atribuir a cada uma a primeira coisa que te vier à cabeça: » » » » » » » » » » »

máquina - Coração Lente – Visão retrato - Alma Luz - Escuridão cenário - Beleza Preto e branco - Tristeza Cor - Amor ISO – Sensibilidade noite - Melancolia lua - Paixão pôr do sol - Romantismo

Se te desse 5000€ para investires em fotografia o que farias? A resposta é bastante simples: Canon 5D MKII (nem era necessário a 3), Canon 70-200 a 2.8, e se sobrasse algo: um kit de estúdio. O que diz a tua lente? A nossa viagem ainda agora começou…


PONTO DE FUGA MAGAZINE

06

NEVOEIRO Ficou com um ambiente bastante misterioso. Na barragem dos minutos.

MAN THINKING O olhar de dor, quase desespero deste senhor cativou-me.


PONTO DE FUGA MAGAZINE

07

THE GIFT Uma excelente banda


PONTO DE FUGA MAGAZINE

08

OUTONO

CONTRASTE Tito Concha


PONTO DE FUGA MAGAZINE

09

DESAFIO CAPA PdF MAGAZINE

OUTONO Paula Serrão

OUTONO Alexandre Gaspar

OUTONO José Rodrigues

QUERES SER O AUTOR DA CAPA DO PRÓXIMO MÊS? Para cada edição da PdF Magazine será lançado um desafio mensal subordinado a um tema. A equipa editorial irá seleccionar a foto que considera que representa melhor o tema proposto e que servirá de capa à edição seguinte. Outras fotos poderão ser também publicadas na secção Desafios. O tema do próximo desafio para a Capa da PdF Magazine é o “MACRO E ENFEITES DE NATAL”. Envia a tua foto para mdslemos@gmail.com, até às 24:00 do dia 30 de Novembro. Mais informações sobre este desafio serão disponibilizadas no grupo Ponto de Fuga. * As fotografias extra-concurso não são avaliadas para efeitos do desafio de capa.


PONTO DE FUGA MAGAZINE

10

DESAFIO DESAFIO #16

Arquitectura

PASSAGEM ABANDONADA Carla Fernandes


PONTO DE FUGA MAGAZINE

11

OS PdF

FORÇA DA IMAGINAÇÃO

RUA DE REGUENGOS

Breno Teixeira

Paula Serrão


PONTO DE FUGA MAGAZINE

12

DESAFIO DESAFIO #17

Retrato

CHILD Célia Ferro


PONTO DE FUGA MAGAZINE

13

OS PdF

METADE Jo達o Caeiro

1900 Carla Fernandes


PONTO DE FUGA MAGAZINE

14

DESAFIO DESAFIO #18

Abstracto

CACTO Joaquim Mendes


PONTO DE FUGA MAGAZINE

15

OS PdF

CONGELAÇÃO Isolina Lages

ENCARNADO Célia Ferro

DESCONECTADO Ricardo Carrão


PONTO DE FUGA MAGAZINE

14

DESAFIO DESAFIO #19

Paisagens

PELO CAIS Joaquim Mendes


PONTO DE FUGA MAGAZINE

17

OS PdF

PASSAGEM Ant贸nio Lopes

SOMEWHERE IN ALENTEJO C茅lia Ferro


PONTO DE FUGA MAGAZINE

16

FUGAS NO MUNDO Muitos são os membros do Ponto de Fuga, vulgo Fugas, que ganharam asas e fizeram-se ao mundo da fotografia participando em concursos fotográficos, em exposições individuais ou coletivas, vendo fotografias suas ser publicadas em livros e revistas, em papel ou virtuais, de temáticas diversas, sendo reporters de acontecimentos mais ou menos mediáticos. Muitos são também os que resolveram criar um espaço virtual pessoal para a divulgação do seu trabalho, através de blogs ou páginas em diversas aplicações. Pensou o PdF criar um espaço de divulgação desses acontecimentos de afirmação pessoal que muito orgulham o grupo e em particular o mentor deste projeto e responsável por nos encontrarmos todos aqui, o Pedro Vilhena. Exposição - António Lopes e Manuel Roque Exposição colectiva de fotografia Fotomanya intitulada “As Cores da Vida - Cores da Terra” que decorreu na Casa do Eléctrico em Sintra, de 3 de Agosto a 1 de Setembro de 2013. Com a participação de fotografias de António Lopes e Manuel Roque.

António Lopes

PÔR-DO-SOL NA BARRAGEM DOS MiNUTOS Manuel Roque


PONTO DE FUGA MAGAZINE

19

Revista - Célia Ferro, Paula Serrão e Vanessa Ni O site Flinpo é um lugar de desafios fotográficos em língua portuguesa, a partir de um tema dado. A Vanessa Ni, a Paula Serrão e a Célia Ferro mereceram destaque no FMagazine de novembro deste ano, com fotos vencedoras de desafios - http://issuu.com/flinponet/docs/fmag009/1 Vanessa Ni - desafio “Saúde”, página 19 Paula Serrão - desafio “Alfabeto M”, página 41; desafio “Folha de papel”, página 69 Célia Ferro - desafio “Quem me inspira”, página 111. Capa de livro - Paula Serrão Capa do livro “O Quebra-Montras” de Ana Luiz, da editora Pastelaria Studios, tem capa a partir de uma fotografia de Paula Serrão.

Lançamento de site oficial - Miguel Lemos Lançamento do site para exposição e partilha do trabalho fotográfico realizado por Miguel Lemos, disponível em www.miguellemos.net.


PONTO DE FUGA MAGAZINE

22

SABIAS

QUE

POR: PAULA SERRÃO

A primeira fotografia demorou 8 horas a fazer? A imagem produzida em 1826 pelo francês Joseph Nicéphore Niépce, numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo fotossensível chamado Betume da Judeia. A imagem foi produzida com uma câmera, sendo exigidas cerca de oito horas de exposição à luz solar. Nièpce chamou o processo de “heliografia”, gravura com a luz do Sol.

SUGERIMOS

POR: FLORBELA VITORINO

No workshop de iniciação que fiz com o Pedro Vilhena, era comum ouvir a pergunta, Pedro, como é que eu sei qual o melhor enquadramento quando tiro uma fotografia. As respostas são inúmeras e o Pedro lá as ía dando, dizendo-nos contudo que nenhuma era uma receita infalível. Aprender a fazer fotografia não passa só pela assimilação de técnicas para cada tipo de fotografia ou de aprender a usar a câmara fotográfica tirando partido de todas as suas potencialidades. O livro “O Olhar do Fotógrafo” de Michael Freeman, publicado pela primeira vez em Inglaterra em 2007 e editado em Portugal pela Dinalivro, fala exatamente do tema da composição e do enquadramento, destinando-se a profissionais e amadores de fotografia. São apresentadas as diversas técnicas tradicionais de composição assim como as potencialidades conferidas pela edição digital de fotografias. As técnicas são explicadas com trabalhos fotográficos e ilustrações esquemáticas comparando criticamente as várias hipóteses de composição e porque é que umas resultam e outras não. Como o Pedro dizia nas aulas, estas técnicas não são contudo a garantia de uma excelente fotografia. Quando fotografamos, raramente temos tempo para pensar se estamos a cumprir esta ou aquela regra e fotografamos por instinto o que na altura nos parece equilibrado. Essa noção de equilíbrio da imagem é-nos conferida por um processo de aprendizagem que o nosso olhar vai tendo ao longo da vida. É indispensável conhecer as técnicas tradicionais de composição e enquadramento, mas será sobretudo fundamental educar o olhar vendo fotografia, boa fotografia, os clássicos e os vanguardistas, ver e gostar de pintura, ver cinema, acrescento eu sobretudo cinema independente onde se exploram novas estéticas. Para mim, este é um livro de cabeceira. Foi-me recomendado por um amigo fotógrafo profissional. Também aqui o recomendo aos colegas do Ponto de Fuga. O OLHAR DO FOTÓGRAFO - Composição, enquadramento e design para obter as melhores fotografias digitais Michael Freeman Dinalivro 192 páginas Preço aproximado - € 23,00


Pdf magazine #03