Page 1

Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

Análise da Campanha Nex Axe Anarchy1 Guilherme Augusto Bento LEITE2 Paulo Cesar de OLIVEIRA3 Centro Universitário Uninter, Curitiba, PR RESUMO Este artigo interdisciplinar tem como principal objetivo realizar uma analise crítica de uma campanha publicitária da Nex Axe Anarchy, fazendo um comparativo de duas imagens publicitárias, identificando as semelhanças e diferenças entre elas, esta análise foi feita a partir dos conhecimentos adquiridos nos estudos realizados nas disciplinas de redação publicitária, design, criação impressa e produção gráfica e semiótica. PALAVRAS-CHAVE: Interdisciplinar; Análise; Campanha Publicitária; Nex Axe; 1 INTRODUÇÃO Este trabalho teve como objetivos principais a aplicação dos conhecimentos adquiridos nas disciplinas da UTA impresso, bem como o desenvolvimento das habilidades de analise e crítica de produtos comunicáveis, desenvolvendo a redação de textos científicos. Para o desenvolvimento deste estudo foi necessário primeiramente selecionar as imagens de um anuncio publicitário, para que a partir dele pudéssemos analisar comparar e avaliar os produtos. No intuito de identificar as diferenças e semelhanças dos anuncios, bem como o porque dessas diferenças, e uma avaliação geral das propagandas buscou-se uma fundamentação teórica para responder a estes levantamentos. A metodologia utilizada para este estudo foi a pesquisa bibliográfica. Tal pesquisa abrangeu a leitura e análise de obras de autores como: Carrascoza (2003), Collaro (2007), Dondis (1997), Ferrara (2006), Santaella (2008) e Williams (2009). A pesquisa bibliográfica é fundamental em todo trabalho científico e influencia todas as etapas de uma pesquisa, pois é com os estudos e leituras de artigos e obras relacionados ao tema pesquisado que teremos o embasamento para discorrer sobre o assunto defendendo ideias a partir de outros autores. No intuito de melhor esclarecer sobre a organização do conteúdo deste trabalho, ele ficou subdividido da seguinte maneira: Redação, Design e Produção gráfica e Semiótica que se seguem.

Trabalho interdisciplinar do 3º período do curso de Comunicação Social: Publicidade e Propaganda – Uninter – Curitiba – PR – Orientado por Patrick Diener. 1

2

Estudante de Graduação 3º. período do Curso de Comunicação Social: Publicidade e propaganda do Centro Universitário Uninter – Curitiba-PR, email: guilhermebentoleite@gmail.com; 3

Estudante de Graduação 3º. período do Curso de Comunicação Social: Publicidade e propaganda do Centro Universitário Uninter – Curitiba-PR, email: paulo.cso14@gmail.com;

1


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

2 DESENVOLVIMENTO Anúncios Publicitários em questão. Antes de iniciar propriamente dito o estudo e análise de um anuncio publicitário, faz-se necessário um melhor entendimento do que seria publicidade e qual a sua finalidade, para isso compreendemos a partir de Carrascoza 2003, que quanto a esse assunto: Interessa-nos que ela utiliza um conjunto de técnicas de persuasão para divulgar produtos, serviços e ideias, que não são propriamente exclusivas de seu discurso. (Carrascoza, p. 148 2003)

Portanto trata-se de comunicação, que ainda segundo esse autor seria, “tornar algo que sabemos, sentimos ou pensamos comum a outros” p. 148, 2006. 2.1 REDAÇÃO Em se tratar de comunicação, seria errado pensar que apenas a fala e a escrita são elementos de comunicação. Na realidade vivida nos dias atuais, podemos observar que existem variáveis sistemas de comunicação utilizadas no cotidiano, sendo assim podemos ver a utilização de uma comunicação não verbal em sua maior parte, no anúncio em estudo. A leitura não-verbal é maneira peculiar de ler: visão/leitura, espécie de olhar tátil, multissensível, sinestésico. Não se ensina como ler o não-verbal. É mais um desempenho do que competência porque, sendo dinâmico, o não verbal exige uma leitura, se não desorganizada, pelo menos sem ordem preestabelecida, convencional ou sistematizada. (FERRARA, p.26, 2006)

Tendo isso como estudo pode-se observar nas imagens de ambos os anúncios publicitário dos produtos Nex Axes, em que a comunicação da-se na sua maioria através das imagens, na qual o elemento textual é utilizado para reforçar e explicar a imagem em questão. Sendo assim, fazendo uso do texto apenas como complemento de um entendimento geral da propaganda, pois nela texto e imagem conversam harmoniosamente. Além da leitura verbal apresentada, as imagens exigem de seus leitores uma leitura nãoverbal, que para Ferrara 2006, essa leitura aciona um processo de conhecimento adquirida a partir da experiência e o exercício cotidiano. Em estudos realizados a partir de Carrascoza 2003, quando tratamos da análise e criação de uma propaganda entende-se que quando temos muitas informações até mesmo complexas a se transmitir textos longos serão utilizadas, agora tratando de uma pequena informação, sendo ela simples, pequeno será o texto exposto nela ou ainda nenhum texto. A utilização do texto deve estar adequada à informação a ser divulgada em uma propaganda. Adequação, portanto é o que esta em jogo. Às vezes, um texto longo é o ideal; às vezes, a eficiência pode ser mais bem obtida com um texto curto. ( CARRASCOZA, p. 137, 2003)

2


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

Portanto, devido a esses e a outros fatores já citados, concluísse aqui que o texto utilizado neste anúncio tem sua utilidade, explicando a ideia principal colocada pelo anúncio. Texto utilizado no anúncio: New Axe Anarchy For Him + For Her Unleash The Chaos

Tradução do Texto: Novo Axe Anarquia Para eles + Para elas Desencadeando o caos

2.2 DESIGN E PRODUÇÃO GRÁFICA Imagens das peças criadas para o Nex Axe Anarchy, analisadas neste trabalho. Imagem 01

3


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

Imagem 02

Quando se trata de design e produção gráfica, vale lembrar que as duas coisas andam juntas e que uma complementa a outra, principalmente quando o material final irá ser impresso. O design trata de lidar com a proximidade, alinhamento, repetição e contraste que irão ser utilizados em uma composição visual. O design está presente em nosso mundo, está ao nosso redor, em tudo que vemos ou lemos por ai. Pode ser uma propaganda, uma embalagem ou qualquer objeto criado por um de nós, afinal tudo o que é feito pelo homem é pensado planejado e então aplicado. Em suma a função do design é tornar tudo mais útil, mais belo, mais fácil de ser lido e entendido pelo receptor. Enquanto que a produção gráfica aplica o design elaborado onde ele deve ser aplicado. A produção gráfica coloca no papel aquilo que já foi desenvolvido. Coloca tanto no papel, como também em: outdoors, banners, jornais, revistas, embalagens, tecidos, roupas, entre outras muitas coisas que são elaboradas através da produção gráfica. Atualmente, muita coisa vem sendo impressa e publicada, e o editor de anúncios, folhetos ou livros espera que seu material seja lido. Os editores e os leitores, principalmente, exigem que os itens importantes sejam claramente apresentados. Eles não se interessarão por um material difícil de ler, mas ficarão satisfeitos com o que tiver uma aparência clara e bem organizada, pois facilitará sua leitura. Por isso, a parte importante de ficar em destaque e aquela sem

4


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

importância deve ser abrandada[...] (TSCHICHOLD,1933 apud WILLIAMS, p.04, 2009). 2.2.1 Cores As cores, se bem utilizadas, sempre chamam a atenção e encantam àqueles que as contemplam, se esse for o objetivo. Cores podem ser usadas para expressar vários sentimentos, desde amor até mesmo o ódio, medo, rancor ou terror. Por isso, quando se trata de escolher um conjunto de cores que irão representar uma ideia dentro de uma campanha, que visa passar uma mensagem específica para um público específico e segmentado, não se pode simplesmente escolher por afinidade. Antes, é necessário um estudo sobre a mensagem a ser transmitida, sobre os receptores a serem atingidos, e então, definidos esses pré-requisitos, começa-se o estudo das cores, o qual deverá mostrar as cores certas para serem aplicadas em cada caso específico. As cores transmitem sensações que transcendem muito o mero reconhecimento de tons e matizes. Cada cor pode remeter, para cada grupo de pessoas, a eventos e situações diferentes, carregando-se de significados. Conhecer esses significados pode facilitar muito a vida de quem se propõe a utilizar as cores como instrumento de comunicação. (COLLARO, p.26 e 27, 2009).

Nas publicidades em questão, nota-se que as cores foram muito bem escolhidas. As duas imagens contém cores frias e quentes, como o azul e o vermelho, respectivamente, cores que se complementam e passam a sensação de equilíbrio e harmonia na imagem. Outro aspecto notório e de grande valor, que foi bem utilizado nas duas imagens é o contraste. Esse recurso é muito utilizado e funciona como um atrativo visual. Nas imagens analisadas, o contraste é causado pelo claro e o escuro, pela luz em contato com a sombra. O contraste foi bem aplicado nesse contexto, pois quando se trata de contraste, ele deve ser forte e bem notório como diz Williams (2009). O que visivelmente acontece no caso das imagens, já que o máximo de contraste possível é encontrado quando se usa o branco e o preto e/ou preto e branco, recurso que foi utilizado. O contraste é uma das maneiras mais eficazes de acrescentar algum atrativo visual a uma página (algo que realmente faça que o leitor queira olhar para ela), criando uma hierarquia organizacional entre diferentes elementos. A regra importante que deve ser lembrada é a de que para o contraste ser realmente eficaz, ele deve ser forte. Não seja tímido. (WILLIAMS, p.63, 2009).

2.2.2 Tipografia Tipografia é uma palavra que vem do grego: Typo = “forma” e graphein = “escrita”. Juntando as duas palavras tem-se: tipografia. Tipografia é uma arte e também o processo de criação e composição de um texto, seja de forma física ou digital. Cada tipografia pertence a uma família, que por usa vez tem seus determinados tipos e suas determinadas fontes. As fontes possuem milhares de traços de diferentes estilos, que sozinhas são apenas traços distintos, mas se aplicadas corretamente em palavras e frases podem mostrar um poder incrível de persuasão. Portanto vale dizer, que assim como as cores, a tipografia também

5


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

precisa ser estudada e analisada dentro de cada contexto específico, para o qual se pretende usa-la. Sendo assim, é preciso tomar cuidado antes de sair utilizando qualquer tipo por ai, pois talvez o estilo do tipo escolhido não esteja em harmonia com a mensagem a ser passada, e o efeito que se esperava alcançar com tal mensagem pode ter o efeito contrário. As letras falam. Metáfora comprobatória do poder desses símbolos responsáveis por guardar e transmitir toda a sabedoria humana. Quando se fala em letras, fala-se da humanidade. No dia em que o homem estabeleceu sinais para traduzir os sons que emitia, tudo mudou na humanidade; a criação da linguagem é o divisor de águas entre o ontem e o amanhã. A complexidade de se trabalhar com letras provém das características culturais de cada povo, mas é recompensada pela tradição de cultuarmos nossos fatos, mitos e expoentes por meio de livros. Mesmo com as novas mídias disponíveis no mundo moderno, a grande sacada do texto é transmitir sem deixar nenhuma dúvida o teor de suas mensagens, e nisso têm um enorme papel os desenhos das letras e sua disposição. O som deixa dúvidas, por ser momentâneo e disperso por nossa capacidade limitada de absorção sonora. As imagens podem provocar interpretações dúbias, conforme a tendência ou mesmo os parâmetros a que somos submetidos diante de seu conteúdo. O texto, por outro lado, é inquestionável em sua abrangência e profundidade, quando seu código é adequadamente utilizado e, mais ainda, quando se domina a retórica. Mas a maneira de utilizar as letras leva essa comunicação um passo adiante, construindo, reforçando ou alterando significados. (COLLARO, p.01, 2009).

Na publicidade do novo Axe, o tipo utilizado é simples e normal, o que não significa que não cumpre seu papel de passar a mensagem como deveria. Nas duas publicidades o tipo utilizado é o mesmo. Nesse anúncio optou-se por apenas um tipo, que pertence à família Helvética. Na chamada principal, parte superior da frase, temos a fonte em caixa alta e em negrito. Na parte inferior, no slogan, temos a mesma fonte em caixa baixa e sem negrito, e ainda em tamanho menor. Isso nas duas imagens. A tipografia está organizada de maneira à chamar atenção primeiro para o nome do produto, e depois para o slogan. Esse tipo da família Helvética é muito utilizado em vários anúncios e slogans de diferentes marcas. É simples, fácil de ser visualizado e lido, o que facilita na hora de passar a mensagem ao receptor, que basta passar o olho uma única vez e já irá saber do que se trata. 2.2.3 Composição A composição de peças criadas na atualidade é um fator bastante interessante, que desperta atenção de muitos olhares, que se perguntam como essas composições são realmente elaboras. Existem basicamente três itens presentes nos anúncios, banners, enfim nas mídias impressas, incluindo aqui a publicidade da Nex Axe. Essas três são: imagens(fotográficas), letras(tipografias), e ornamentos(ilustrações). Há composições de peças com cada um desses itens, mas a maioria delas é composta pelos três, como é o exemplo das publicidades em questão, tanto na imagem um quanto na imagem dois. Aqui, fica evidente que as imagens, letras e ilustrações utilizadas para essa peça foram tratadas,

6


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

modificadas, melhoradas e aplicadas através de softwares de edição e criação. Numa agência quem faz esse tipo de trabalho é conhecido como designer gráfico ou diretor de arte. Ambos trabalham na parte de criação. Quando nos indagamos sobre o que é composição em artes gráficas podemos observar a partir de Collaro 2009, que: É difícil obter para essa pergunta uma resposta que não seja tendenciosa. Afinal, estamos falando de códigos universais tão significativos que têm o poder de mudar o rumo de povos – como certas tábuas de leis, conjuntos de letras que foram capazes de orientar o mundo em que vivemos. Para os profissionais de editoração e da indústria gráfica, no entanto, composição é a reunião de imagens, letras e ornamentos de modo a compor o universo do grafismo de um impresso. Como está geralmente ligado à palavra e à comunicação, a composição tem como elemento fundamental as letras e suas formas, que evoluíram através dos tempos para se tornar uma das maiores conquistas da humanidade. (COLLARO, p.01 e 02, 2009).

2.3 SEMIÓTICA Segundo Santaella 2007, a semiótica é a ciências de toda e qualquer linguagem. Quando a autora trata em sua obra sobre semiótica, traz suas ramificações desta ciência, que trata do estudo dos signos, divido em: símbolos, ícones e índices de representação. Ao analisarmos as imagens do anuncio Nex axe Anarchy, percebemos as relações comunicativas existentes no anúncio, na qual as palavras, imagens, objetos e cores utilizadas estão relacionadas diretamente a mensagem a ser transmitida. A semiótica nos possibilita fazer uma análise mais significativa procurando assim enxergar os objetivos e suas significações na propaganda. A teoria semiótica nos habilita a penetrar no movimento interno das mensagens, o que nos dá a possibilidade de compreender os procedimentos e recursos empregados nas palavras, imagens, diagramas, sons e nas relações entre eles, permitindo a análise das mensagens em vários níveis. (SANTAELLA, p.48, 2008)

Sendo assim, identificamos alguns destes níveis no anúncio em questão, a primeira seria a mensagem em si mesma, pois, onde a mensagem aparece simples, é a primeira informação a ser interpretada e compreendida. O segundo nível é o referencial das mensagens onde toda mensagem se refere ou se aplica a algo além da mensagem escrita, ou seja uma mensagem maior do que a primeira compreendida, neste caso podemos colocar em análise os aspectos presentes na imagem em questão. Em ambas as imagens, temos um homem do lado esquerdo e uma mulher do lado direito. Eles estão se olhando fixamente nos olhos, há uma afinidade, uma paquera, pode-se dizer que eles estão flertando. A imagem nos mostra o momento que precede o caos, pois em ambas as imagens a figura feminina segura um combustível, na imagem 01 ela segura fogos de artificio, na imagem 02 ela segura um combustível de automóvel, podendo ser álcool ou gasolina. Ainda fazendo uma análise mais profunda, podemos dizer que os combustíveis segurados pela figura feminina está exatamente na mesma altura do órgão

7


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

genital feminino, fazendo-se aqui uma analogia ao sexo. Isso se repete na figura masculina. Na figura masculina o homem, tanto na imagem um como na imagem dois, está segurando o que pode ascender e desencadear uma explosão, se estiver em contato com os combustíveis segurados pela figura feminina. Na imagem um a figura masculina segura em suas mãos um maçarico aceso com um jato de fogo. Na imagem dois a figura masculina segura um cabo ligado a bateria, na extremidade do cabo corre eletricidade, que pela representação mostra uma alta voltagem. Outro fator importante para essa análise, que não poderia ser deixado de lado é que: as duas figuras masculinas seguram esses equipamentos na altura exata de seus órgãos genitais. O que pode ser entendido como uma representação fálica, representando o falo do homem. Isso também está presente nas figuras femininas, como já foi dito antes. Sobre as imagens, tudo nos leva a entender, que o próximo passo seria a fusão das duas coisas, do combustível e da combustão, a união do fogo e da pólvora. Isso levaria ao caos, o que está representado pelo homem e pela mulher presente na imagem. Devido a essa contexto, o texto presente na composição, cai como uma luva, pois possui apenas duas palavras que explicam o que a peça representa. O slogan escolhido foi: “Unleash the chaos” que quer dizer: Desencadeando ou Liberando o caos. A composição analisada cumpri seu papel, pois através da análise já estabelecida podemos notar que, há ainda uma outra analogia que não fora explora antes. Na qual o homem ou a mulher que possui o novo Nex Axe Anarchy, tem o poder de liberar ou causar o caos no sexo oposto, atraindo para si a atenção que deseja ter do parceiro(a) sexual, e que se ainda não tem um parceiro(a), como o novo Axe será fácil conseguir um.

3 CONCLUSÃO Com este estudo foi possível aprofundar o conhecimento e a relação entre todas as matérias trabalhadas na UTA impresso, que colaboraram para elaboração deste artigo, através da análise crítica dos anúncios publicitários do novo Axe Anarchy, desenvolvida com embasamento teórico em vários autores trabalhados e estudados em sala. Durante as análises realizadas pudemos observar as relações entre uma matéria e outra, de uma forma mais detalhada, e com foco na propaganda em questão. Colocamos em prática os conhecimentos teóricos, para analisar todos os detalhes do anúncio publicitário estudado. Consideramos que esse trabalho foi de grande importância e relevância para a formação acadêmica e profissional, pois com ele pudemos compreender de forma mais clara o processo por trás de um anúncio, sua ideologia e todas as mensagens que ele pode passar, seja ela de forma explicita ou implícita. REFERÊNCIAS CARRASCOZA, João Anzanello. Redação Publicitária: estudos sobre a retórica do consumo. São Paulo: ed. Futura 2003. COLLARO, Antonio Celso. Produção gráfica: artes e técnica da mídia impressa. São Paulo: ed. Pearson Prentice Hall 2007. DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: ed. Martins Fontes 1997. FERRARA, Lucrécia D’Aléssio. Leitura sem palavras. São Paulo: ed. Ática 2006.

8


Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Curitiba, PR –

SANTAELLA, Lúcia. Semiótica aplicada. São Paulo: ed. Cengage Learning 2008. SILVA Mary Aparecida Ferreira da. Métodos e Técnicas de Pesquisa. Curitiba: ed. IBPEX 2005. TSCHICHOLD apud WILLIAMS Robin. Design para quem não é designer: noções básicas de planejamento visual. São Paulo: ed. Callis 2009. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer: noções básicas de planejamento visual. São Paulo: ed. Callis 2009.

9

Artigo, análise da campanha AXE  

Esse artigo faz uma análise da campanha publicitária de um dos lançamentos da AXE.