Issuu on Google+

Batalha na Estrelol창ndia -1-


Batalha na Estrelol창ndia


História elaborada e ilustrada pela turma dos “Estrelinhas” Escola da Pegada Ano letivo 2013/2014


Batalha na Estrelolândia

Era uma vez…. - Estou farto de histórias que comecem por Era uma vez… Então… Numa galáxia muito distante, havia um planeta diferente de todos os outros. Era um planeta saudável, onde tudo era feito de legumes, frutas e bons alimentos. Por isso, era muito colorido e tinha um agradável cheiro a fresco. Aí todas as pessoas eram saudáveis e felizes.

-5-


Batalha na Estrelolândia

Sabem o nome do planeta? Era a Estrelolândia. Os seus habitantes chamavam-se Estrelolandeses. Na Estrelolândia, nas florestas, as árvores eram brócolos. Nas aldeias, porque não havia cidades, também não havia confusão, carros, poluição…

-6-


Batalha na Estrelolândia

As casas eram cogumelos gigantes, com telhados vermelhos, manchados por bolinhas brancas. Nos campos, as flores eram coloridas, mas havia longas planĂ­cies, todas brancas, por causa das couves-flor.

-7-


Batalha na Estrelol창ndia

No meio das montanhas, carregadinhas de verde do esparregado, serpenteavam brilhantes rios de sumo de frutas.

-8-


Batalha na Estrelolândia

No céu, muito azul, havia nuvens feitas de espuma de claras de ovo e brilhava um sol feito de abóbora. Sol??? Não se chamava sol. Era uma estrela e, por isso, chamava-se Estrelícia.

-9-


Batalha na Estrelolândia

À noite, no meio do escuro do céu, havia uma lua feita de queijo, muito redondinha e apetitosa. Lua??? Não se chamava lua. Era um planeta chamado Luolândia. Como o queijo, esta lua tinha buracos, as crateras, feitas por um rato muito guloso que não resistira a dar umas dentadas no saboroso queijo.

- 10 -


Batalha na Estrelolândia

Às vezes nevava grãos de arroz e o chão ficava branquinho.

- 11 -


Batalha na Estrelolândia

Não havia carros e as pessoas transportavam-se nos animais. Para longas distâncias, voavam às costas das águias. Em terra, usavam os cavalos, mas se quisessem andar mais rapidamente, preferiam as chitas. Aqui não havia animais selvagens. Davam-se todos muito bem

- 12 -


Batalha na Estrelolândia

Para andar na água…ou melhor, no sumo de frutas, o meio de transporte eram peixes gigantes. Tudo era um verdadeiro paraíso, com pássaros de mil cores a chilrear.

- 13 -


Batalha na Estrelolândia

Mas, um dia … Um dia, de uma outra galáxia, ainda mais distante, vindos em naves, que eram enormes rebuçados, carregadinhos de açúcar, apareceram uns estranhos seres, com cabelos de gomas, baba de caramelo e aspeto pegajoso. Estes estranhos seres, com ar doentio, vinham de um planeta onde nada era como na Estrelolândia. Esse planeta tinha o nome de Docelândia.

- 14 -


Batalha na Estrelolândia

Logo que chegaram, os Docelandeses, transformaram a Estrelolândia, num local muito doce, mas muito feio. Destruíram tudo o que havia e mudaram o planeta.

- 15 -


Batalha na Estrelolândia

As ĂĄrvores passaram a ser chupa-chupas. As casas feitas de chocolate.

- 16 -


Batalha na Estrelolândia

No céu, que deixou de ser azul, as nuvens mudaram para algodão-doce e quando nevava caíam pipocas.

- 17 -


Batalha na Estrelolândia

Os rios perderam o sumo e ficaram cheios de refrigerantes castanhos. No céu, a abóbora murchou e desapareceu, para dar lugar a um enorme bolo de chocolate e a lua passou a ser um crepe, que já nem os ratos podiam comer.

- 18 -


Batalha na Estrelolândia

E assim se esteve durante algum tempo. Nesse tempo, as pessoas

ficaram

doentes,

tristes

e

envelhecidas.

A

Estrelolândia perdera o brilho. AtÊ que, montada numa curgete gigante chegou a patrulha da Rodolândia, um planeta vizinho, com forma de roda dos alimentos.

- 19 -


Batalha na Estrelolândia

Os alimentos saudáveis saltaram da sua roda e combateram ferozmente os Docelandeses. A batalha foi longa e difícil, mas os bons ganham sempre. Nas outras histórias é assim e, nesta história, também venceram, porque nós gostamos de finais felizes.

- 20 -


Batalha na Estrelolândia

Tudo voltou, aos poucos a ser como dantes e os habitantes da Docelândia regressaram ao seu planeta com o rabo entre as pernas, ou antes, com os fios de ovos entre as pernas. E, como noutras histórias, há uma lição : a alimentação saudável deve vencer os doces e guloseimas, para sermos fortes e felizes.

- 21 -


Batalha na Estrelolândia

Vitória, vitória, acabou-se a história… Não, não, não…não gostamos destes finais… Então… A história não acaba aqui, cada um deve escrever o resto à sua maneira… Ainda não está acabado…continue quem está desse lado...

- 22 -


Batalha na Estrelolândia

Os nossos prémios

Coisas belas Há coisas tão belas…

A joaninha

O mar imenso

A imaginação

Com sua capa às pintinhas

Que nos acalma

À solta deixamos

Flores coloridas

Voa para a minha mão

Reflete o céu

Coisas fantásticas

Pétalas a brilhar

Fazendo-me coceguinhas

E enche a alma

Nós inventamos

Com lindas cores

Os animais

Um belo livro

O amor

Sabe bem cheirar

Alegram a natureza

Ajuda-me a saber

Que damos e recebemos

O arco-íris

Com seus sons e brincadeiras

Viajar e sonhar

Aquece o coração

Multicolor no céu

Dão ao mundo outra beleza

Coisas novas conhecer

Com ele crescemos

Tento tocar

O nascer do sol

A minha escola

Quero que seja meu

Traz um novo dia

Onde vou crescer

Tantas coisas belas

As borboletas

Tudo renasce

Fazer amigos

O mundo tem

Lá fora a voar

Com alegria

E muito aprender

Fazem-nos sorrir

Com lindas asas de encantar

E sabem tão bem!

No firmamento

Estrelas cintilantes

poema”

Dão luz e cor Mesmo distantes

- 23 -

prémio-

“Faça

um


Batalha na Estrelolândia

A cor das palavras

Frases

Se a minha alma

Na minha paleta

Com sentido

Alegre está

Há tantas palavras

Som a som

As ordenei

Pinto as palavras

Que uso

Letra a letra

Um texto fiz

De alegres cores

E volto a usar

Nasce a palavra

Hoje, o escrevi

Como as flores

Para a minha alma

Como magia

Amanhã, o lerei

Eu a dizia Eu a escrevia

Vos revelar Se a minha alma

Sou mágico

Triste se sente

Som a som

Das palavras

Pinto as palavras

Letra a letra

Aos poucos

Tudo posso fazer

De tons cinzentos

Cor a cor

Palavra a palavra

Mostro o que eu sinto

Como os lamentos

Faço um poema

Eu as juntei

O meu mundo pinto

Pinto um quadro

Eu as uni

Sou um poeta

E uma frase construí

Sou um pintor! 1º prémio- Concurso Regional de Poesia

- 24 -


Batalha na Estrelolândia

3º prémio mural “Liberdade é…” (baseado na canção “Somos livres”)

- 25 -


Batalha na Estrelol창ndia

- 26 -


A nossa turma do 2ยบano



Livro pegada final