Page 1

RELATÓRIO DE 2012

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MODELO ANEEL


Coelce é uma empresa do Grupo Enel. Enel é uma das principais empresas de energia do mundo. O Grupo produz, distribui e comercializa energia sustentável, respeitando as pessoas e o meio ambiente. A energia de Enel atende mais de 60 milhões de clientes residenciais e empresariais em 40 países e cria valor para 1,3 milhão de investidores.

2


Índice DIMENSÃO GERAL ............................................................................................................................................. 4 Mensagem da Administração ........................................................................................................................ 5 A Coelce ......................................................................................................................................................... 7 Estratégia e gestão ...................................................................................................................................... 10 Responsabilidade com as partes interessadas ............................................................................................ 16 DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA ...................................................................................................... 22 Governança corporativa .............................................................................................................................. 23 DIMENSÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA ............................................................................................................ 32 Desempenho operacional ........................................................................................................................... 33 Desempenho econômico-financeiro ........................................................................................................... 40 DIMENSÃO SOCIAL E SETORIAL ....................................................................................................................... 52 Pessoas ........................................................................................................................................................ 53 Clientes e consumidores.............................................................................................................................. 69 Fornecedores ............................................................................................................................................... 75 Comunidade ................................................................................................................................................ 78 Governo e sociedade ................................................................................................................................... 86 Indicadores do setor elétrico....................................................................................................................... 89 Eficiência energética .................................................................................................................................... 91 Pesquisa & desenvolvimento ...................................................................................................................... 96 DIMENSÃO AMBIENTAL................................................................................................................................. 102 Desempenho ambiental ............................................................................................................................ 103 RECONHECIMENTOS EXTERNOS....................................................................................................................115 BALANÇO SOCIAL IBASE................................................................................................................................. 117 INFORMAÇÕES CORPORATIVAS .................................................................................................................... 119

Nota: Os dados econômico-financeiros deste relatório estão de acordo com as normas contábeis aprovadas pela ANEEL, sem os ajustes de ativos fixos e regulatórios que fazem parte das demonstrações financeiras societárias, adequadas as normas internacionais IFRS – Internacional Financial Reporting Standards.

3


4


Mensagem da Administração A Coelce faz parte do Grupo Enel, uma das empresas de serviços públicos mais importantes do mundo. Presente em 40 países, gera, distribui e comercializa energia para mais de 60 milhões de clientes, respeitando as comunidades e o meio ambiente. Para nossa companhia, assim como para todo o grupo Endesa Brasil, 2012 foi um ano excepcional. Mesmo em um cenário adverso, com mudanças significativas na legislação do setor, conclusão do terceiro ciclo de revisão tarifária e estreitamento das margens financeiras, entre outros fatores, apresentamos resultados bastante positivos, como o aumento de 11% na demanda. Tal desempenho foi impulsionado pelo aumento no consumo, superior à média nacional, mais significativo na classe residencial, indicando que nossos clientes elevaram seu padrão de vida. Nossa receita líquida encerrou o exercício em R$ 2.517 milhões, representando acréscimo de 6,6% sobre o ano anterior. Expressa pelo EBITDA, a geração de caixa foi de R$ 479,7 milhões e o lucro líquido atingiu R$ 155,8 milhões. No período, iniciamos o Plano Estratégico Bem Coelce, com vigência de 2012 a 2015, que trouxe metas de desempenho sob as perspectivas de acionistas, sociedade, colaboradores e clientes. Já nos preparamos para o impacto que o novo ciclo de revisão tarifária terá sobre a rentabilidade da distribuidora, pela menor remuneração do capital investido e maiores demandas por ganhos de eficiência. Em virtude da necessidade de aprofundamento nas discussões sobre o terceiro ciclo de revisão tarifária, as novas tarifas somente entraram em vigor em 2012. A dedicação de todos esteve presente nos indicadores que demonstram melhora de qualidade na prestação do serviço. Orgulhamo-nos em receber premiações nacionais e internacionais, destacando-se o Prêmio Abradee de melhor distribuidora de energia do País, pela quarta vez consecutiva, e o Prêmio Cier, de melhor na América Latina. Conquistamos ainda a posição de distribuidora com os clientes mais satisfeitos do Brasil, obtendo nota 89,5% no Índice de Satisfação da Qualidade Percebida (ISQP), da Abradee. Outro destaque foi o reconhecimento máximo do Prêmio Iberoamericano de Qualidade, pela excelência de nossa gestão. Esses resultados reforçam nosso compromisso de oferecer índices sempre melhores de qualidade e atendimento. Nossos esforços com a melhoria da qualidade dos serviços levaram a Coelce a figurar entre as empresas com um dos melhores desempenho no Brasil em qualidade do serviço, de acordo o ranking estabelecido pela Aneel. Nosso índice de frequência de interrupção de fornecimento foi o segundo menor do país em 2012 (6,04 versus a média de 11,10 vezes por ano Brasil). Em duração da interrupção do fornecimento, ficamos na terceira posição (9,31 horas em comparação a 18,65 horas Brasil). Figuramos novamente nos rankings das melhores empresas para se trabalhar e iniciar a carreira. Pela sétima vez seguida, fomos listados como uma das 150 Melhores Empresas para Trabalhar do Guia-Exame– Você S/A e, pelo quinto ano consecutivo, no ranking do Instituto Great Place to Work como um dos 100 melhores lugares para se trabalhar. Isso é resultado do investimento na satisfação de nossos colaboradores e do alinhamento de práticas no grupo.

5


Outra importante conquista foi a permanência, pelo sétimo ano consecutivo, na relação das empresas que fazem parte da carteira de ações no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa). No decorrer de 2012, enfrentamos o desafio de um apagão, que interrompeu o fornecimento de energia na Região Nordeste por mais de quatro horas. Reforçando nossa eficiência e profundo respeito pelo cliente, fomos a primeira distribuidora a normalizar o fornecimento e, durante todo o período, mantivemos clientes e imprensa constantemente informados a respeito de cada etapa do religamento. O equilíbrio entre as partes interessadas é o segredo do nosso sucesso. Não basta apenas trabalharmos pensando na obtenção de resultados econômicos. Bons resultados dependem também da satisfação de nossos clientes, colaboradores e sociedade. Por essa razão, somos transparentes no compartilhamento de resultados, estimulamos o desenvolvimento contínuo das pessoas, oferecemos benefícios que priorizem o bem-estar e a qualidade de vida, valorizamos a inovação, além de investirmos na conscientização sobre a importância do comportamento seguro para a redução de riscos e de acidentes com nossos colaboradores e parceiros. Reforçamos também nossos compromissos com a sociedade, alinhados com o objetivo estratégico de ser líder em sustentabilidade no Ceará e uma referência no Brasil. Investimos R$ 23,6 milhões em projetos socioambientais durante o ano, em iniciativas que beneficiaram 2,5 milhões de cearenses. Destacam-se os projetos de eficiência energética, baseados em educação para o consumo consciente de energia, apoio a ações que valorizaram a arte e a cultura e desenvolvimento de projetos de geração de renda. A segurança de nossas equipes continua sendo um desafio e nosso maior objetivo. Mesmo tendo a segurança das pessoas como prioridade, ainda tivemos acidentes fatais em 2012 e, portanto, estamos incorporando cada vez mais ações de prevenção e cuidado nas decisões do cotidiano. Nossos colaboradores absorvem gradualmente esse comportamento, preservando a sua segurança e a das pessoas que estão ao seu redor. A preocupação com as pessoas, aliada ao foco no crescimento sustentável, está presente em nossa participação no Pacto Global, que subscrevemos internacionalmente, bem como nos Sete Compromissos para o Desenvolvimento Sustentável da Endesa. Embora nossos resultados em 2012 tenham sido bastante positivos, temos consciência de que não podemos nos acomodar. Ao contrário, para os próximos anos, relevantes desafios se impõem à nossa empresa, como suprir a demanda necessária às necessidades oriundas de grandes obras de infraestrutura decorrentes da Copa do Mundo e do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal; a adequação da empresa às alterações na legislação do setor elétrico brasileiro; e a redução de nossa rentabilidade por conta do terceiro ciclo de revisão tarifária, entre outros. Aliados aos desafios do setor elétrico, cabe-nos ainda crescer de maneira sustentável e estimular o desenvolvimento do Estado do Ceará, além de avançarmos em qualidade de serviço e relacionamento com nossos públicos, reafirmando nossa visão de gente e energia por um mundo melhor

6


A Coelce A Companhia Energética do Ceará (Coelce) é uma sociedade anônima de capital aberto, com sede em Fortaleza. Regulada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), é uma concessionária de distribuição de energia elétrica e atende 8,5 milhões de habitantes de 184 municípios do Estado do Ceará, em um território de 149 mil quilômetros quadrados. A distribuidora conta com uma central de atendimento emergencial, no bairro de Messejana, que provê toda a Região Metropolitana; sete unidades administrativas em diferentes pontos do Estado; e 201 lojas de atendimento, sendo duas unidades móveis. Terceira maior distribuidora da Região Nordeste em volume comercializado de energia, encerrou 2012 com 3,3 milhões de clientes, entre residenciais, comerciais, rurais, institucionais e industriais, foi reconhecida pela quarta vez como a melhor distribuidora de energia elétrica do Brasil, segundo o Prêmio Abradee 2012, e também a melhor da América Latina na satisfação do cliente em prêmio concedido pela Comissão de Integração Energética Regional (Cier) no referido ano. A companhia destacou-se ainda por sua contribuição socioambiental, com o projeto de eletrificação de Serra do Cafundó (CE), ressaltado pela presidente da República Dilma Rousseff como um exemplo do Programa Luz para Todos, e com o Programa Ecoelce – de troca de resíduos recicláveis por desconto em conta de energia –, reconhecido pela Secretaria Geral da Presidência da República como uma das melhores práticas para o desenvolvimento do País. O volume total de venda de energia na área de concessão durante o ano foi de 9.818 GWh. A receita líquida, de R$ 2.517 milhões, ficou 6,6% acima do valor de 2011. A geração de caixa, expressa pelo EBITDA, registrou desempenho inferior ao do exercício anterior, totalizando R$ 479,7 milhões, recuo de -25,5%. Já o lucro líquido totalizou R$ 155,8 milhões. Ao final do período, contava com equipe própria de 1.244 colaboradores, 5.903 profissionais de empresas parceiras, 223 estagiários e 26 jovens-aprendizes. Com ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), a Coelce é controlada pela Endesa Brasil S.A., por meio da holding Investluz S.A., que detém 56,6% do capital social total e 91,7% do capital social votante. Suas operações contam com apoio de fornecedores de materiais e serviços. A distribuição de energia elétrica realizada pela Coelce tem como seus maiores supridores a Companhia Central Geradora Térmica Fortaleza (CGTF), as Centrais Elétricas Furnas, Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) e a Companhia Paranaense de Energia (Copel). O processo de compra de energia é realizado por meio de leilões promovidos pelo governo federal e os contratos são formalizados por intermédio da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

7


Área de atuação Sede da administração central:  Fortaleza Unidades administrativas:  Canindé  Iguatu  Itapipoca  Juazeiro do Norte  Limoeiro do Norte  Messejana  Sobral

Perfil da Coelce Área de concessão (km2) Número de municípios Número de habitantes (1) Número de unidades consumidoras Linhas de distribuição (km) Linhas de transmissão (km) Número de subestações Volume de energia – 12 meses (GWh) Market share no Brasil – número de clientes (2) Market share no Brasil – volume de energia (2)

2012 148.921 184 8.448.055 3.338.163 129.829 4.628 102 9.818 4,65% 2,17%

(1) Fonte: Censo IBGE 2010. (2) O número de consumidores Brasil está estimado.

Endesa Uma das cinco maiores companhias privadas do setor elétrico no Brasil, a Endesa Brasil é uma holding, constituída como sociedade anônima de capital fechado, controlada pela empresa espanhola Endesa S.A., cujo capital é detido pela italiana Enel SpA. A Endesa Brasil atua em distribuição, geração e prestação de serviços, com operações em quatro Estados brasileiros – Ceará, Rio de Janeiro, Goiás e Rio Grande do Sul. Em distribuição, além da Coelce, controla a Ampla Energia e Serviços S.A., concessionária de distribuição de energia elétrica no Rio de Janeiro, que atende a 2,7 milhões de clientes residenciais, comerciais, industriais e públicos em 66 municípios, em uma área de 32.188 quilômetros quadrados, o equivalente a 73% do território do Estado. Em geração, conta com a hidrelétrica Endesa Cachoeira e a termelétrica Endesa Fortaleza. Ambas são responsáveis pela venda de energia para distribuidoras, comercializadoras e clientes livres de diferentes regiões do País. Tem ainda uma empresa de transmissão, a Endesa Cien, subordinada ao sistema brasileiro para integração energética Brasil-Argentina; e a Prátil, companhia de prestação de serviços com clientes pessoas físicas e jurídicas no Ceará e no Rio de Janeiro. 8


Visão, Missão e Valores A Coelce atua em sincronia com os Valores corporativos do grupo Endesa, que orientam seus colaboradores para a busca dos objetivos estabelecidos na Visão da empresa e que motivam o cumprimento de sua Missão.

Missão Coelce: gente e energia para um mundo melhor Energia orientada para o relacionamento próximo e transparente com nossos clientes, crescendo juntos com o Ceará e gerando valor para os acionistas, por meio da satisfação e do compromisso de todo o nosso time.

Visão Fazer a diferença por meio das nossas pessoas, nossos relacionamentos e nosso desempenho.

Valores Somos simples

Respeitamos a vida

Criamos valor

Por meio das atitudes:

Por meio das atitudes:

Por meio das atitudes:

· Simplicidade nas ações

· Segurança em tudo que fazemos

· Transparência e confiança nas relações

· Compromisso com a sociedade e o meio ambiente · Compromisso e profissionalismo · Respeito às pessoas

· Inovação em processos e negócios

· Parcerias sustentáveis

9


Estratégia e gestão Realizado por todas as empresas Endesa, o planejamento estratégico é desenhado para um horizonte de quatro anos, com revisões no segundo semestre de cada ano, e contando com a participação efetiva de representantes de todas as áreas da companhia. O plano de negócios da Coelce para o período de 2012 a 2015 – batizado Bem Coelce – traça metas de desempenho sob as perspectivas de acionistas, clientes, sociedade, colaboradores e clientes, e aponta o jeito de ser de uma empresa madura, experiente, ecológica, ética, humana e colaborativa. Os projetos que se relacionam aos objetivos estratégicos são desenvolvidos por equipes multidisciplinares. O propósito é integrar as pessoas, permitir que o plano estratégico alcance bons resultados e garantir que a Visão da companhia seja alcançada. As equipes reportam seu trabalho em reunião de Diretoria, oportunidade em que mostram a evolução dos projetos e os resultados obtidos, em um processo de melhoria contínua.

Acionista

Plano Estratégico Bem Coelce (2012-2015)

Garantir a Sustentabilidade da Coelce

Cliente

Ser líder em sustentabilidade no Ceará e uma referência no Brasil

Colaborador

Maximizar a eficiência e a qualidade nos processos

Reconhecer o Mérito

Promover a segurança das pessoas

Sociedade

Elevar a satisfação dos nossos clientes

Ter Orgulho de pertencer

Em 2012, o Bem Coelce atingiu 112% de avanço global. O melhor desempenho foi obtido nas perspectivas Sociedade (119%) e Cliente (117%). 10


Resultados do Ser Coelce em 2012 Avanço Global 2012 Perspectiva Colaborador

112% 108%

Perspectiva Sociedade

119%

Perspectiva Cliente Perspectiva Acionista

117% 109%

Companhia única Em 2012, o Grupo Enel deu um grande passo na construção de uma companhia única com a implementação do programa One Company na Endesa Brasil. Desenvolvido na sede do grupo, na Itália, em 2010, o projeto foi elaborado por uma equipe multidisciplinar e multinacional que selecionou, analisou e adaptou as melhores práticas de cada país para construir um novo processo, único e global, que funcione de modo homogêneo e harmônico em todas as empresas da holding. O objetivo foi criar um modelo de gestão com o mesmo escopo de trabalho, tecnologia, processos e padrões de relatórios com vistas a tornar as informações das empresas mais comparáveis, eliminando o retrabalho da adaptação de dados. Considerado eficiente na administração de multinacionais, o modelo único dá flexibilidade e rapidez às decisões entre as empresas do grupo e ganhos de custo na contratação de serviços e consultorias, assim como na aquisição de ferramentas de TI e de materiais. Apesar de definir um modelo global, o One Company fortalece a atuação de cada país e garante que o CEO local tenha autonomia para a condução do negócio, definindo sua própria linha de atuação. Dentro disso, a gestão das empresas Endesa Brasil, que já era estruturada em um modelo contínuo de aperfeiçoamento por meio de um sistema composto por reuniões em cascata, auditorias e diagnósticos da qualidade e participação no Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ), agora seguirá também um processo de adaptação ao One Company.

11


Modelo de gestão da Coelce

Colaboradores

Clientes

Sociedade

Fornecedores

Órgão regulador

Acionistas

Planejamento estratégico

Pessoas

Processos e sistemas

Projetos AP

Métodos de controle e verificação

CD

Ações corretivas e preventivas

Resultado

Ferramentas de gestão No ano de 2012, houve avanços nas ferramentas e metodologias adotadas pela companhia na gestão da rotina, criada para torná-la mais competitiva, por meio de ganho de eficiência, padronização e produtividade. Tiveram início dois novos projetos: Zenith e Base Zero. Projeto Zenith – Plano corporativo de excelência operacional, desenvolvido pela Enel para buscar eficiência e reduzir custos com a consolidação de sinergias. Tem como base sugestões de aprimoramento de processos propostas pelas próprias áreas. Projeto Base Zero – Desenhado em 2012 para começar a operar em 2013, o Base Zero consiste na montagem de um orçamento a partir do zero, em vez de basear-se no histórico do ano anterior. O projeto repensa quais são os elementos básicos e acessórios necessários para o desenvolvimento de determinada atividade, auxiliando na eliminação de deficiências e excessos do passado. Gestão da Rotina – Visa garantir a realização das atividades do cotidiano de modo padronizado, corrigir desvios e promover a melhoria contínua. Um dos ganhos é o fortalecimento da cultura de acompanhamento do resultado, aplicando o método PDCA. A metodologia segue as etapas de mapeamento de processos, identificação de atividades críticas, elaboração de procedimentos operacionais padrão, treinamento nos procedimentos, diagnóstico do trabalho operacional, definição de itens de controle, acompanhamento dos resultados, ações corretivas para os desvios e incorporação das melhorias nos padrões de trabalho. Projeto Lean – Criado para identificar e eliminar desperdícios, o projeto também promove a melhoria contínua, estimulando a perfeição e a execução dos processos de trabalho de maneira cada vez mais eficaz. 12


A Coelce o adota em áreas como Emergência, Obras, Corte e Religação, Perdas, Call Center, Novas Ligações e Leitura e Entrega. Projeto Produtividade – Utilizados em operações de Emergência, Corte e Religação, Perdas e Novas Ligações, busca maximizar a utilização dos recursos em campo, com foco na melhoria da produtividade. Está alinhado aos princípios do Projeto Lean, ao atuar na redução de desperdícios relacionados a tempos de espera e movimentos improdutivos na execução das atividades operacionais. Traz meritocracia na produtividade das operações de campo, reconhecendo os colaboradores mais produtivos. Gestão de Projetos – Metodologia aplicada para potencializar o alcance dos objetivos estratégicos, utilizando práticas internacionalmente reconhecidas e disseminadas pelo Project Management Institute (PMI). Estabelece um ciclo de vida para os projetos e padroniza a sequência do gerenciamento, considerando aspectos como escopo, custo, tempo, riscos, qualidade, comunicação, aquisições, recursos humanos e integração. Gestão pelas Diretrizes – Ferramenta com o objetivo de transformar as estratégias da organização em ações, por meio da definição de diretrizes que partem do presidente e são desdobradas nos demais níveis hierárquicos. Cada diretriz é composta por uma meta (resultado a ser atingido em determinado prazo) e por medidas (ações que garantam o cumprimento da meta). Sistema de Acompanhamento – Identifica desvios, e analisa e elimina causas de problemas. É um sistema composto por reuniões em cascata, auditorias e diagnósticos da qualidade e diagnóstico do trabalho operacional. O Modelo de Gestão como um todo passa pela avaliação da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), direcionando a melhoria das práticas de gestão rumo ao nível de Classe Mundial. Centro de Serviços Compartilhados (CSC) – Estrutura corporativa com objetivo obter ganhos de produtividade, agilidade e flexibilidade para enfrentar desafios de mercado, bem como prover a excelência operacional e a utilização de melhores práticas nos processos de suporte ao negócio. O modelo de gestão do CSC é amparado por Acordos de Nível de Serviços e Acordos de Nível de Serviços Reversos, Apuração e Repasse de Custos, e Relacionamento com Clientes. Práticas de Benchmarking – Suportam o planejamento de atividades da empresa a partir do conceito adotado por companhias de referência em determinado processo.

Macroprocessos A gestão das operações da Coelce envolve seis macroprocessos: Comunicação e Marketing – Fortalece a imagem positiva da companhia, desenvolve canais de comunicação estáveis e estabelece relacionamentos com as partes interessadas. Gestão de Operações Comerciais – Conjunto de processos referentes ao relacionamento com clientes desde atendimento, faturamento, arrecadação, controle da inadimplência, perdas comerciais e novas ligações. Gestão de Pessoas – Recrutamento e seleção de recursos humanos, treinamento e desenvolvimento, plano de carreira, sucessão, segurança, saúde e bem-estar dos colaboradores. 13


Gestão do Sistema de Distribuição de Energia Elétrica – Processos de planejamento e ampliação da infraestrutura da rede elétrica, projetos de obras de distribuição, manutenção e operação de rede para garantia da qualidade e da continuidade do fornecimento de energia elétrica aos clientes. Regulação – Interface com Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará (Arce) para cálculo das tarifas, gerenciamento de ativos, planejamento de compra de energia, acompanhamento da regulação do setor e elaboração de contratos de compra de energia. Suporte à Gestão – Garante recursos financeiros à execução do plano de investimento e custeio do sistema elétrico; fornece informações aos órgãos de fiscalização e controle aos auditores externos; audita processos internos; coordena o processo de planejamento estratégico; acompanha e controla o orçamento para a gestão da Coelce; planeja, coordena e controla os processos de aquisição e logística de distribuição de materiais, equipamentos e serviços; bem como formaliza os contratos negociados e assumidos com fornecedores; desenvolve e implementa os projetos socioambientais; presta serviços de Tecnologia da Informação e Telecomunicação; e presta serviços jurídicos.

Normas e padrões ISO 14001 – Desde 2006 a Coelce garante a certificação da norma de gestão ambiental ISO 14001. O escopo compreende construção, operação, manutenção do sistema de transmissão e distribuição de energia elétrica e suas atividades de apoio, abrangendo 100% dos processos da empresa. OHSAS 18001 – O Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional da Coelce é certificado desde 2006 pelo OHSAS 18001 (Occupacional Health and Safety Assesment Series), conjunto de procedimentos e controles que promovem e preservam a segurança nas atividades de trabalho. Em 2012, a certificação abrangeu 100% dos colaboradores inseridos no sistema de gestão. ISO 9001 – Desde 2004 a distribuidora mantém a certificação de processos pela norma ISO 9001. Atualmente, os seguintes processos estão certificados dentro dos macroprocessos: Gestão de Operações Comerciais: prestação de serviços de teleatendimento; prestação de serviços de análise e resposta a clientes Coelce; prestação de serviços em Atendimento ao cliente nas agências Coelce no Estado do Ceará; prestação de serviços de atendimento aos grandes clientes na agência de Fortaleza; faturamento do consumo de energia elétrica no Estado do Ceará; gerenciamento de serviços de ligação nova; e gerenciamento das reclamações. Gestão do Sistema de Distribuição de Energia Elétrica: o

Centros de Controles Regionais – processos de pré-operação, tempo real e pós-operação dos Centros de Controle Regionais.

o

Operação técnica – processos de pré-operação, tempo real, atendimento emergencial, pósoperação, sistemas de informação técnica e manutenção das proteções e automação da Coelce, incluindo coleta dos dados e de apuração dos indicadores individuais e coletivos estabelecidos nos Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional (Prodist). 14


o

Planejamento e engenharia de alta e média-tensão – processos de elaboração, divulgação e implantação dos documentos técnicos normativos; planejamento da expansão do sistema de distribuição de alta-tensão (AT) e média-tensão (MT); projetos e gestão de obras de linhas de distribuição AT e subestações de distribuição, planejamento e controle da manutenção de linhas AT e MT e de subestações de distribuição, incluindo a análise técnica de acesso de carga e geração e a homologação técnica de fabricantes, materiais e equipamentos para o sistema de distribuição de AT e MT.

o

Projetos e obras de baixa e média-tensão de Fortaleza e Região Metropolitana – gerenciamento das atividades de recebimento de solicitações, elaboração de projetos, gestão e encerramento contábil das obras da área de Projetos e Obras de Média e Baixa-Tensão de Fortaleza e Região Metropolitana.

15


Responsabilidade com as partes interessadas Sustentabilidade é a união de oportunidades ambientais e sociais em uma estratégia de negócio, de modo a contribuir para o alcance de objetivos corporativos, com foco na criação de valor em longo prazo a todos os públicos de interesse da Coelce. Assim, a companhia assume que os princípios derivados desse conceito devem integrar-se efetivamente à sua Visão, Missão e Valores. Esse ponto de vista está expresso nos Sete Compromissos para um Desenvolvimento Sustentável, que guiam a Política de Sustentabilidade da Endesa, e que, juntamente com os desafios assumidos em relação a mudanças climáticas e enraizamento local, cumpriram em 2012 seu período de vigência. Os compromissos foram elaborados com engajamento de públicos internos e externos e incorporados por todas as empresas da Endesa no mundo, guiando estratégias e atividades.

Sete Compromissos para um Desenvolvimento Sustentável INOVAÇÃO Compromisso com as tecnologias e ideias inovadoras para as atividades

CONDUTA Compromisso com a ética, a transparência, o diálogo e o respeito com todos os públicos

Oportunidades de enfrentar o desafio das mudanças climáticas

Desafi os 2008 -2012

DIMENSÃO AMBIENTAL MEIO AMBIENTE Compromisso com a gestão aliada à preservação ambiental e ao consumo consciente

PESSOAS Compromisso com a saúde, a segurança, a qualidade de vida e o desenvolvimento pessoal e profissional dos colaboradores

Reforçar o enraizamento local

DIMENSÃO ECONÔMICA

DIMENSÃO SOCIAL

ACIONISTAS Compromisso com a geração de valor e a rentabilidade baseada no crescimento sustentável

CLIENTES Compromisso com a satisfação dos clientes e a qualidade dos serviços

SOCIEDADE Compromisso com a construção de uma sociedade mais justa e igualitária, promovendo o crescimento das comunidades

16


Apoio a iniciativas externas Além dos Sete Compromissos para um Desenvolvimento Sustentável, iniciativas externas também balizam a atuação da Coelce: Pacto Global – Desde março de 2005, a empresa integra voluntariamente o pacto organizado pela Organização das Nações Unidas (ONU). O documento conta com mais de 5,3 mil empresas signatárias ao redor do mundo e dissemina valores relacionados a direitos humanos, combate à corrupção e preservação do meio ambiente. Objetivos do Milênio – Os Oito Objetivos do Milênio também são capitaneados pela ONU, tratando de educação, saúde e fim da miséria e da mortalidade infantil. São macrometas definidas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e que devem ser alcançadas pelos países-membros até 2015, por meio de ações concretas dos governos e da sociedade. Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção – Assinado desde 2007, o documento foi elaborado por Instituto Ethos, Comitê Brasileiro do Pacto Global, escritório das Nações Unidas contra Drogas e Crime (Unodoc), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), entre outras entidades, e aborda temas como corrupção de agentes públicos, crime organizado, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil – Promovido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), Instituto Ethos e ONG Repórter Brasil, o pacto defende a dignidade no ambiente de trabalho e o fim das atividades degradantes; e é assinado pela Coelce desde 2006. Todos os contratos de fornecedores e prestadores de serviços da distribuidora contam com cláusulas de proibição de trabalho escravo ou degradante. Combate ao trabalho infantil – O combate ao trabalho infantil é cláusula mandatória na contratação de prestadores de serviços e fornecedores. A Coelce designa recursos aos fundos estadual e municipal dos Direitos de Crianças e Adolescentes e é Empresa Amiga da Criança, título concedido pela Fundação Abrinq às empresas que têm a infância e a juventude entre suas preocupações. Empoderamento das Mulheres – Iniciativa da ONU e do Pacto Global que busca promover a participação das mulheres ao mercado de trabalho, em âmbito universal, por meio de sete princípios. Sete princípios de empoderamento da mulher 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.

Estabelecer uma liderança corporativa de alto nível para a igualdade entre gêneros. Tratar todos os homens e as mulheres de forma justa no trabalho – respeitar e apoiar os direitos humanos e não discriminação. Assegurar a saúde, a segurança e o bem-estar de todos os trabalhadores e trabalhadoras. Promover a educação, a formação e o desenvolvimento profissional das mulheres. Implementar o desenvolvimento empresarial e as práticas da cadeia de abastecimento e de marketing que empoderem as mulheres. Promover a igualdade por meio de iniciativas comunitárias e de defesa. Medir e publicar relatórios dos progressos para alcançar a igualdade entre gêneros.

17


Participação em entidades A Coelce participa de reuniões com órgãos reguladores, associações empresariais e setoriais e de entidades que defendam temas sociais ou de proteção ambiental, como Associação Brasileira das Sociedades de Capital Aberto (Abrasca), Associação Brasileira de Contadores de Empresas Elétricas (Abraconee), Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento no Mercado de Capitais (Apimec), Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa), Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental (Ciea), Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) e Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. A distribuidora também integra comissões constituídas em associações setoriais e/ou participa de encontros em que são debatidos temas relacionados à distribuição de energia elétrica.

Partes interessadas Acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores, sociedade, governo, entidades empresariais, parceiros de projetos socioculturais, organizações nacionais e internacionais e meios de comunicação são os públicos prioritários de relacionamento da Coelce. Eles foram definidos a partir de reflexão interna, análise da estratégia organizacional e compromissos assumidos na Política de Sustentabilidade da Endesa Brasil. A companhia preza pela qualidade e agilidade do diálogo, seja no contato presencial nas lojas, ambientes de trabalho e ações na comunidade, seja por meio de pesquisas e veículos impressos e on-line. A percepção de públicos internos e externos é analisada anualmente pela ferramenta institucional Índice de Líder de Opinião (ILO). O ILO Interno, único para todas as empresas do grupo, é levantado com base na opinião dos gestores, que avaliam desempenho, imagem e os meios de comunicação internos. Em 2012, 86% dos respondentes deram nota acima de 7 para a organização. No ILO Externo da Coelce, que reúne a avaliação de formadores de opinião sobre temas como qualidade dos serviços, investimentos em novas tecnologias e relação da companhia com seu entorno, atingiu a média de 8,8 pontos. Evolução - ILO Externo 8,70%

8,80%

8,41%

8,39% 8,28%

2008

2009

2010

2011

2012

18


A companhia também está envolvida com órgãos públicos, que são contatados durante o planejamento de obras de infraestrutura, como meio de garantir o gerenciamento adequado das questões ambientais. O relacionamento com as comunidades é estreitado por meio das Redes de Lideranças Comunitárias, que funcionam como canais de interação entre a Coelce e as comunidades, e a partir de parcerias com entidades do Terceiro Setor, viabilizadas pelo aporte de recursos para apoio ou desenvolvimento de projetos sociais. Além de contarem com as ferramentas de comunicação interna, os colaboradores da companhia têm ainda a possibilidade de manifestar suas opiniões nas pesquisas anuais de clima organizacional. Em 2012, até o fechamento desta edição, a Pesquisa de Clima Enel/Endesa apresentou resultados nos itens Comunicação, Eficiência e Excelência Operacional, Responsabilidade Social Corporativa e Diversidade e Inovação da distribuidora muito satisfatórios, com 81%, 81%, 81%e 79%, respectivamente.

Engajamento das partes interessadas

Colaboradores

Clientes

Acionistas e Investidores

Público

Descrição Acionistas preferenciais | Acionistas ordinários | Potenciais investidores | Analistas de mercado

Canais de comunicação Site | Portal de Relacionamento com Investidores | Relatório Anual de Sustentabilidade | Informações financeiras trimestrais

Canais para manifestações Área de Relações com Investidores | E-mail investor@coelce.com.br | Pesquisa Indicador de Líderes de Opinião (ILO) Externo | Reuniões do Conselho de Administração | Assembleia de Acionistas | Reuniões do Conselho Fiscal

3,3 milhões de clientes (residencial, comercial, industrial, rural, Poderes Públicos, iluminação pública, serviços públicos e revenda)

Site | Conta de energia | Campanhas na mídia | Email Marketing | Folhetos explicativos | TV, rádios, jornais, blogs, redes sociais e portais

201 lojas de atendimento | Agência Virtual | Canal Ético | Central de Relacionamento | Coelce nos Bairros | Conselho de Consumidores | Encontro | Executivos de Atendimento/Ouvidoria | Livro de Manifestações | Escreva para o Presidente | Ouvidoria na Comunidade | Pesquisa Abradee de Satisfação do Cliente Residencial | Pesquisa Índice Aneel de Satisfação do Consumidor (Iasc) | Pesquisas de satisfação com o serviço | Redes sociais | Terminais de autoatendimento | Totem de videoatendimento

1.244 empregados | 223 estagiários | 26 jovensaprendizes | 5.903 parceiros

Campanhas internas | Clipping Notícias do Dia | Contracheque | Email Marketing | Informativos Linha Direta, Dica Cultural, Dica Ambiental e Por Dentro do Bem Coelce | Intranet | Redes sociais | Revista Actualidad Endesa | Site

Apresentação de resultados Endesa Brasil | Café da Manhã dos 100 dias | Canal Ético | Reflexão Estratégica | Pesquisa de Clima Laboral | Pesquisa de Comunicação Interna | Programa Boas-Vindas | Reuniões com a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes | Reuniões com sindicatos | Reunião mensal do Bem Coelce | Reunião mensal de resultados Endesa Brasil | Ouvidoria interna | Pesquisa de satisfação do Programa Bem Viver | Time de trabalho para o objetivo estratégico Felicidade no trabalho

19


Governo Comunidade / Sociedade Fornecedores Entidades sem fins lucrativos e organizações socioambientais

Concorrentes Imprensa Associações empresariais e organizações nacionais e internacionais*

Órgãos da administração direta e indireta nos âmbitos federal, estadual e municipais

Site | Informações financeiras trimestrais | Relatório Anual de Sustentabilidade | Relatório Socioambiental da Aneel

Área de Regulação e Mercado | Área de Clientes Institucionais | Área de Coordenação e Acompanhamento Regulador Local | Canal Ético | Pesquisa Indicador de Líderes de Opinião (ILO) Externo | Reuniões de gestores com representantes governamentais

Mais de 8 milhões de habitantes do Estado Ceará

Site | Campanhas nos veículos de comunicação | Relatório Anual de Sustentabilidade | TV, rádios, jornais, blogs, redes socias e portais

Área de Sustentabilidade | Área de Meio Ambiente | Área de Inovação, P&D e Eficiência Energética | Coelce nos Bairros | Rede de Lideranças Comunitárias | Ouvidoria na Comunidade

94 supridores de energia | 219 fornecedores de materiais | 442 fornecedores de serviços

Site | Portal de Relacionamento com Fornecedores | Relatório Anual de Sustentabilidade

Área de Gestão de Contratistas | área de Aprovisionamentos | Encontros com empresas parceiras | Encontro anual para planejamento estratégico | Diálogos sobre segurança

Entidades parceiras em projetos sociais e de pesquisa e desenvolvimento | universidades | Entidades de classe | Institutos e fundações relacionados à área socioambiental

Site | Relatório Anual de Sustentabilidade

Área de Sustentabilidade | Área de Meio Ambiente | Pesquisa Indicador de Líderes de Opinião (ILO) Externo | Reuniões em órgãos ligados ao meio ambiente (Ibama, Semace, etc.)

Empresas nacionais de distribuição de energia elétrica

Site | Relatório Anual de Sustentabilidade | Publicações da Abradee

Congresso de Inovação Tecnológica em Energia Elétrica (Citenel) | Eventos, visitas e reuniões com gestores de empresas do segmento de distribuição de energia | Seminário Abradee de Melhores Práticas (Samp) | Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica (Sendi)

Rádios | Jornais | Revistas | Televisão | Portais de notícias na internet

Site | Coletivas de imprensa | Notas | comunicados | Redes sociais | Releases | Relatório Anual de Sustentabilidade

Comunicados e coletivas para a imprensa | Envio de releases/notas para a imprensa | Entrevistas | Relatório Anual de Sustentabilidade | Circuito de visitas a rádios e redações dos jornais de todo o Estado Ceará, visando à aproximação com os jornalistas

ONU, Abradee, Abrasca, BM&FBovespa, Abraconee, Apimec, Ibri, Ibef, Fiec, Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, Fundação Abrinq

Site | Relatório Anual de Sustentabilidade

Área de Comunicação | Área de Relações Institucionais e Comunicação | Reuniões | Grupos de Trabalhos | Eventos

* Organização das Nações Unidas (ONU); Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee); Associação Brasileira das Sociedades de Capital Aberto (Abrasca); Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBovespa); Associação Brasileira de Contadores de Empresas Elétricas (Abraconee);

20


Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento no Mercado de Capitais (Apimec); Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (Ibri); Instituto Brasileiro dos Executivos em Finanças (Ibef); Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).

Diariamente, a Coelce faz o acompanhamento e o controle de necessidades e expectativas de suas partes interessadas, tendo por base o clipping de notícias de rádio, jornal impresso, TV e web. No período, obtiveram destaque na mídia os seguintes temas: esclarecimentos sobre a revisão extraordinária da tarifa de energia, orientações sobre o uso seguro e eficiente da energia elétrica, atualização de cadastro para enquadramento na Tarifa Social de Energia Elétrica, informações sobre os canais de atendimentos e atendimentos especiais em feriados e finais de semana, investimentos para a melhoria da qualidade do serviço e expansão da rede, projetos sociais apoiados e desenvolvidos pela empresa, e ações de cidadania e voluntariado voltadas para a sociedade (Pedalada Contra a Corrupção, Voto Consciente e Rede do Bem). A partir das informações reunidas no clipping, a área de Comunicação gera mensalmente um relatório com análises qualitativa e quantitativa referentes a todas as inserções durante o período. Esse levantamento permite a elaboração de planos de ação específicos, conforme as oportunidades apontadas – um exemplo foi a campanha Escolha a Vida, promovida pela Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia (Abradee), que contava com uma sequência de peças publicitárias com informações sobre cuidados com instalação de antenas de TV, pipas, obras de construção civil e furto de energia, e que foram divulgadas nos perfis da Coelce nas redes sociais, no portal da companhia e nas lojas de atendimento. O relatório é apresentado em reuniões do Comitê Executivo e as avaliações permitem a definição de estratégias para a consolidação da imagem da distribuidora. A Coelce utiliza as redes sociais como parte de sua estratégia de comunicação institucional e relacionamento com seus públicos. Além de permitir o acompanhamento do interesse e a percepção de seus clientes sobre determinados assuntos, esses canais também são um ótimo meio de manter contato com o público, especialmente em momentos de crise. Exemplo dessa aplicação foi o apagão ocorrido em 2012, que atingiu a região Nordeste e teve duração média de quatro horas, causado por um curto-circuito na linha de transmissão Colinas (TO) – Imperatriz (MA), que interliga o sistema Norte/Nordeste ao Sul/Sudeste. Primeira companhia a restabelecer o fornecimento, a Coelce manteve seus clientes e a imprensa informados sobre o fato em tempo real por meio do Twitter e do Facebook, contando com o auxílio de seus seguidores para disseminar as informações. Em 2012, a companhia contava com 12.826 seguidores no Facebook e 1.727 no Twitter. A área de Comunicação monitora todas as publicações realizadas nessas redes e produz relatórios de acompanhamento do Twitter e do Facebook. No ano, foram postados 803 tweets pela empresa. No mesmo período, foram feitos 218 retweets, 27,15% do que foi publicado pela Coelce, e foram postados pelos seguidores 4.031 comentários espontâneos, dos quais 1.657 positivos e 2.374 negativos. No Facebook, foram 131 posts que tiveram um alcance total de 438.354. Foram postados na rede espontaneamente por seguidores e não seguidores, 3.240 posts. Desses, 1.008 foram positivos e 2.232, negativos.

21


DIMENSÃO GOVERNANÇA CORPORATIVA

22


Governança corporativa O compromisso da Coelce com conduta ética e as melhores práticas de governança foi reconhecido com a inclusão e manutenção de suas ações no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bovespa pelo sétimo ano consecutivo. Controlada por Endesa S.A. e Enel SpA, com ações negociadas na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), a Coelce cumpre os requerimentos da Lei Sarbanes-Oxley (SOX), mantendo padrões de excelência nos controles internos e na divulgação de relatórios financeiros. A estrutura de governança da Coelce é composta por órgãos que atuam em sinergia para o alcance de resultados econômicos, financeiros, sociais e ambientais, com base no planejamento estratégico corporativo. Algumas áreas de apoio são centralizadas na sede da Endesa Brasil, em Niterói (RJ), atendendo a todas as empresas que integram a holding brasileira. Essa estrutura permite que as áreas operacionais coloquem o foco em ganhos de eficiência e avanços dos negócios. Em reforço à sua estrutura organizacional, a Coelce mantém dez comitês e grupos de trabalho para auxiliar na execução e fiscalização de seu plano estratégico.

Conselho de Administração

Conselho Fiscal

Auditoria Interna Sylvia Medina

Ouvidoria Osvaldo Ferrer

Presidência Abel Rochinha

Planejamento e Controle Aurélio de Oliveira

Técnica José Távora Batista

Recursos Humanos Carlos Ewandro Moreira

Financeiro Comercial Olga Carranza

David Augusto de Abreu

Relações com Investidores Teobaldo José Cavalcante Leal

Jurídico Cristine de Magalhães Marconds

Assessoria Tributária Nelson Ribas Visconti

Regulação José Alves Mello Franco

Relações Instituc. e Comunicação José Nunes de Almeida Neto

Estrutura organizacional

23


Assembleia de acionistas É formada pelos acionistas da Coelce e tem como atribuições deliberar sobre as matérias de interesse da empresa e tomar as resoluções que julgar convenientes à sua manutenção e ao seu desenvolvimento. Uma vez por ano, com prazo até 30 de abril, os acionistas reúnem-se em caráter ordinário, quando se manifestam sobre a gestão da empresa, avaliam as demonstrações financeiras, o Relatório da Administração, a proposta de destinação do lucro líquido e pagamento de dividendos do exercício anterior. Além disso, a Assembleia Geral pode ser convocada sempre que o Conselho de Administração julgar conveniente, ou nos termos da lei.

Conselho de Administração Formado por 11 membros e até igual número de suplentes (dos quais um presidente e um vice-presidente), o órgão é responsável pela fiscalização da gestão da Coelce, orientação geral dos negócios e acompanhamento da execução dos programas adotados. Em 31 de dezembro de 2012, o Conselho era formado por 11 homens. Dentre os integrantes, nove são escolhidos pelo acionista controlador, um é escolhido pelos empregados e aposentados acionistas da companhia e um é eleito pelos acionistas minoritários. O presidente do Conselho de Administração da Coelce é contratado e desempenha a mesma função também nos Conselhos da holding Endesa Brasil e da distribuidora Ampla, sem exercer atividade executiva nas companhias. Dentre os membros do Conselho indicados pelo controlador, um é representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e um é representante da Câmara dos Diretores Lojistas (CDL). Um membro é independente, sem vínculos com o grupo empresarial, exceto eventual participação de capital inferior a 5% (conforme critério do regulamento do Novo Mercado da BM&FBovespa adotado pela distribuidora) e três são executivos da companhia. 24


Para integrar o Conselho, os profissionais devem unir qualificação técnica e experiência profissional adequadas, bem como visão estratégica do setor de energia elétrica para definir os rumos da organização segundo os princípios da sustentabilidade e os objetivos da empresa. Para tanto, o currículo e as competências dos candidatos a membro são analisados antes de sua eleição. O Conselho de Administração também deve zelar para que não haja conflito de interesses entre acionistas. Para tanto, observa o Estatuto Social da Coelce que, em conformidade com a Lei das Sociedades por Ações, determina que administradores não votem em assembleia de acionistas e não participem de operações que possam gerar conflitos de interesse. Todas as decisões são tomadas por maioria de votos, sem que caiba ao presidente o voto de desempate. A partir da adesão pela companhia às Normas Éticas da Endesa S.A., em dezembro de 2010, os membros do Conselho de Administração também passaram a estar sujeitos às referidas normas. Em 24 de outubro de 2012 foi aprovado um pacote complementar de normas éticas, que incluiu o Modelo de Prevenção de Riscos Penais; o Protocolo de Recebimento e Oferecimento de Presentes, Lembranças, Favores e Outros de Caráter Similar; e o Protocolo de Atuação no Relacionamento com Funcionários Públicos e Autoridades Públicas.

Conselho Fiscal O Conselho Fiscal é um órgão de funcionamento não permanente, conforme Estatuto Social, estando atualmente instalado. É composto por três membros efetivos e igual número de suplentes. O atual Conselho Fiscal possui dois membros indicados pelos acionistas controladores e um pelos acionistas preferenciais. Entre suas funções está fiscalizar os atos dos administradores, fornecer parecer sobre o relatório anual da administração, opinar sobre a proposta dos órgãos da administração e examinar as Demonstrações Financeiras. Em 2012, reuniu-se cinco vezes. Todos os integrantes recebem remuneração mensal, não vinculada ao desempenho dos negócios, definida em Assembleia Geral que os elege.

Diretoria-Executiva Responsável pela administração da Coelce, é formada pelo diretor-presidente e outros dez diretores, todos com mandatos de três anos. No mínimo trimestralmente, a Diretoria-Executiva encaminha ao Conselho de Administração os resultados do período anterior. Para embasar a análise, são adotados princípios de contabilidade aceitos no Brasil, normas internacionais de contabilidade e relatórios de gestão. O processo inclui ainda a discussão sobre riscos e oportunidades identificados como de maior relevância para o alcance dos resultados.

25


Comitês de apoio Em reforço à sua estrutura organizacional, a Coelce mantém dez comitês para auxiliar na execução e fiscalização de seu plano estratégico.

Nome do comitê

Atribuições

Auditoria interna local – Corporativo

Acompanha as auditorias realizadas nos processos; propõe e aprova planos de trabalho e acompanha planos de ação oriundos das recomendações, reunindo-se periodicamente com a alta administração.

Econômico

Analisa e prioriza os recursos orçamentários, em observância aos objetivos estratégicos.

Ética

Analisa e delibera assuntos propostos conforme princípios do Código de Ética.

Gestão da marca

Acompanha e analisa os projetos com impacto na imagem da companhia.

Gestão de crise

Acompanha, analisa e responde às ocorrências máximas no sistema elétrico e de apoio; avalia os reflexos e gerencia os procedimentos a serem adotados para minimizar os impactos ao público externo nesses casos.

Inovação

Define critérios, aprova e acompanha o desenvolvimento de projetos de inovação dos programas “Deu Certo” e “Pesquisa & Desenvolvimento”.

Riscos financeiros e patrimoniais

Acompanha e analisa o gerenciamento em conformidade com a Norma de Riscos Financeiros e Patrimoniais.

Segurança da informação

Acompanha e analisa o plano anual de segurança da informação; emite diretrizes para gestão da tecnologia da informação.

Segurança do trabalho

Define as estratégias das ações de saúde e segurança, acompanha o plano anual da Política da Segurança, coordena a implementação de ações em favor da segurança laboral e acompanha o programa corporativo Saber Viver.

Sustentabilidade

Acompanha e analisa os projetos associados às áreas de Sustentabilidade e Meio Ambiente e auxilia na coordenação do Sistema de Gestão Ambiental.

Remuneração No Conselho de Administração, apenas quatro conselheiros recebem remuneração. Tal remuneração é fixa para cada reunião de que participam, definida em Assembleia Geral Ordinária, sem vinculação com o desempenho da companhia. São eles: o representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o representante da Câmara dos Diretores Lojistas (CDL), o representante dos empregados e aposentados da companhia e o representante eleito pelos acionistas minoritários. A remuneração dos diretores é composta de uma parcela fixa e outra variável, relacionada ao comportamento de indicadores e metas estabelecidos para toda a empresa e para áreas específicas e de acordo com o plano estratégico Bem Coelce, que avalia desempenhos nas perspectivas de colaboradores, clientes, sociedade e acionistas. Na Assembleia Geral Ordinária, realizada em abril de 2012, foi aprovada a remuneração global anual dos administradores, entre valores fixos e variáveis, no montante máximo de R$ 8.887 mil. Os conselheiros não têm participação nos lucros da empresa.

26


Auditoria independente As demonstrações econômico-financeiras são auditadas pela Ernst & Young Terco, empresa sem vínculos adicionais com a Coelce, fato que garante o princípio da independência.

Relações com investidores Acionistas, investidores e mercado de capitais dispõem de área de relacionamento, na qual podem obter informações e esclarecer dúvidas com profissionais localizados tanto no Rio de Janeiro (RJ) quanto em Fortaleza (CE). O site http://www.coelce.com.br/ri.htm divulga periodicamente análises dos indicadores econômicos, financeiros e operacionais.

27


Gestão de riscos Profissionais especializados e rígidos processos de monitoramento auxiliam a Coelce na identificação e mitigação de riscos inerentes ao mercado de energia, à atividade de distribuição de energia elétrica e ao mercado financeiro.

Riscos do mercado de energia A Coelce, com o apoio de equipes especializadas, avalia continuamente o cenário de oferta e demanda de energia elétrica no Estado do Ceará, de modo a adequar os investimentos, sempre que necessário, e assegurar o abastecimento. Para isso, empregam modelos econométricos para determinar a quantidade ótima de contratação, com base em estimativas que incorporam variáveis setoriais e macroeconômicas capazes de afetar a evolução do consumo. Mercado – A evolução do consumo depende do comportamento da economia e das condições climáticas (comportamento das chuvas). No período, o consumo de energia elétrica no estado do Ceará em relação à demanda do Nordeste foi de 13,1% e, em relação à demanda nacional, foi de 2,2%. O mercado da Coelce em 2012 representou 10,1% de elevação sobre ao ano anterior. Em termos de consumo médio, a classe residencial encerrou o exercício com 115 kWh/cliente. Regulatórios – Por ser uma concessionária de serviço público, a distribuidora segue as exigências dos órgãos reguladores. A área de Regulação e Mercado acompanha os trâmites legais e participa de audiências públicas e reuniões setoriais, de modo a influenciar na evolução do marco regulatório do setor e orientar os processos para atendimento às novas regras. Envolve ainda o monitoramento de tarifas de fornecimento e da margem econômica de compra e venda de energia elétrica, além da construção de cenários econômicofinanceiros em virtude de mudanças no macroambiente, dando importante suporte à Diretoria na tomada de decisão sobre o controle orçamentário e projeções futuras de energia e demanda.

Riscos operacionais Riscos operacionais são aqueles que fazem parte do cotidiano de uma empresa. Para os riscos de segurança do trabalho, ambientais e sociais, a Coelce considera o Princípio de Precaução, que sustenta que a inexistência de certeza científica não deve postergar ações de prevenção à ameaça de danos sérios à saúde e à segurança humana. Riscos operacionais de distribuição – O processo de distribuição de energia é passível de interrupções por diversos fatores, dos quais muitos são imprevisíveis e acidentais, tais como por abalroamentos e efeitos de condições climáticas (chuvas, raios, salinidade, ventos, vegetação, etc.), sistemas ou pessoas. Existe ainda a possibilidade de furto de energia e de infraestrutura ou atos de vandalismo. Para mitigar tais riscos, a Coelce conta com sistemas de vigilância eletrônica e promove ações em parceria com órgãos de segurança pública no intuito de evitar furtos em suas instalações. Realiza ainda com manutenção preventiva em todas as unidades, como meio de coibir quebras inesperadas de equipamentos ou falhas de operação. Os impactos negativos dos riscos operacionais de distribuição podem estar relacionados à interrupção de 28


fornecimento de energia elétrica, com risco de queima de aparelhos eletroeletrônicos, falta de segurança dos indivíduos em razão da falta de iluminação pública, perda de produtividade da classe industrial, dentre outros.

Gestão para assegurar a disponibilidade do fornecimento de energia Formas de gestão de risco

Descrição das atividades

Equilíbrio da oferta e demanda

Elaboração de estudos anuais do sistema de distribuição de alta e média-tensão, com previsão de mercado entre cinco e dez anos; e avaliação de solicitações de atendimento de acréscimos e de novas cargas, de modo a conciliar aspecto econômico com critérios técnicos e ambientais.

Manutenção

Práticas de longo prazo: plano anual de inspeções, plano anual de termografia e monitoramento das condições do óleo isolante dos transformadores. Práticas de curto prazo: retirada de vazamentos em transformadores e atendimento de irregularidades nos equipamentos do sistema elétrico.

Combate ao furto de energia

Aplicação de sistemas de vigilância eletrônica e realização de ações em parceria com órgãos de segurança pública para evitar furtos em sua rede de distribuição

Gestão da carga de pico

Monitoramento do carregamento máximo em linhas de transmissão, transformadores de potência e alimentadores. A condição dos equipamentos é informada às áreas de Operação do Sistema, Planejamento de Sistema e Previsão de Mercado, para que estas realizem estudos e previsões necessários para a operação do sistema e o planejamento da expansão.

Investimentos

Estudos de previsão de mercado, oferta e demanda futura de energia.

O Centro de Controle de Sistema (CCS) da Coelce, responsável pela operação, comando, supervisão e pelo controle de todo o sistema elétrico do Ceará, acompanha a meteorologia e identifica com eficiência e agilidade as quedas de energia. O Manual para Ocorrência de Emergência Máxima é empregado em casos em que um elevado número de consumidores é – ou pode vir a ser – afetado pela suspensão do fornecimento. Nesses casos, é acionado Comitê Gestão de Crise, composto pelo Comitê Executivo da distribuidora e representantes das áreas Técnica, Comercial e Institucional, que sistematizará as ações nas áreas de Manutenção, Engenharia, Operação, Central de Relacionamento e Comunicação. Riscos de segurança no trabalho – O Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho (SGSST) é certificado pela norma OHSAS 18001, e tem o objetivo de reduzir os riscos de acidentes e doenças ocupacionais. A companhia conquistou a certificação em 2006, tendo sido recertificada pela última em 2012. Riscos ambientais – Consistem no descumprimento de normas legais ou na ocorrência de acidentes geradores de prejuízos ao meio ambiente. A Coelce conta com o Sistema de Gestão Ambiental (SGA), que controlar e monitorar as atividades, prestando orientações quanto à execução de processos operacionais, tendo por base os requisitos demandados pela certificação ambiental ISO 14001 e pelas normas técnicas ambientais vigentes.

29


Riscos sociais – São os riscos que impactam a saúde e a segurança e causam prejuízos financeiros ao usuário da energia elétrica. A Coelce opera de modo a garantir a máxima segurança para a sociedade, bem como monitora e averigua os acidentes envolvendo a população, com vistas a buscar soluções para que tais ocorrências não tornem a acontecer. O gerenciamento dos riscos é feito por meio de procedimentos comerciais (PCO), operacionais (POP), de execução (PEX) e de segurança do trabalho (PST), além de projetos e procedimentos que minimizam os impactos. Riscos relacionados ao não cumprimento de contratos pelas empresas parceiras – A distribuidora possui garantia financeira associada aos seus contratos com fornecedores de serviços mais relevantes, que pode ser usada para ressarcimento de perdas ocasionadas por descumprimento de contratos. Riscos patrimoniais – Englobam perdas ou comprometimentos de ativo operacional em decorrência de fenômenos naturais, falhas, omissões, incêndios, imperícia e imprudência, e acidentes relacionados à operação. A companhia possui política de contratação de seguros corporativos para ressarcimento de danos materiais, legais e de responsabilidade civil. Riscos de fraudes e erros em informações contábeis – A cada semestre, a Coelce, por meio de sua área de Auditoria Interna, promove a revisão dos processos contábeis. A companhia também contrata anualmente auditoria externa independente e faz o acompanhamento da Unidade de Controle Interno. Os controles internos e o processo de preparação e divulgação das informações contábeis seguem determinações da Lei Sarbanes-Oxley. Risco de crédito – Relacionados ao não recebimento de valores faturados aos clientes e/ou de aplicações de recursos em instituições financeiras. Riscos penais – Com base nas Diretrizes 231 italiana, na Lei 20.393 do Chile e no Código Penal espanhol, a Coelce mapeou os riscos penais existentes em suas diversas áreas e, como resultado, um sistema de controle foi desenhado para prevenir riscos que se concretizem em eventuais delitos dentro da empresa. Cada área conta com controles internos para mitigar riscos, os quais passaram a ser, em 2012, auditados pela área de Auditoria Interna. Risco de imagem – A Coelce monitora diariamente o Relatório de Clipping de Notícias, analisando as divulgações que tenham potencial de impactar negativamente sua imagem em jornais, rádios, revistas, televisão e web. Para acompanhar a imagem e definir a melhor estratégia junto às partes interessadas, realiza ainda pesquisas periódicas com os consumidores e formadores de opinião.

Riscos financeiros Desde 2005 a Coelce mantém sua Política de Gestão de Riscos Financeiros, que institui normas e procedimentos para o gerenciamento de risco e os limites aceitáveis para sua operação. Essa política oferece suporte à Norma Interna de Gestão de Riscos Financeiros, que define parâmetros de gestão dos riscos, resguardando a Coelce de possíveis perdas em suas transações e operações financeiras, bem como de falhas nos processos de registro, acompanhamento e avaliação.

30


Risco financeiro Gestão do risco

Liquidez

Manutenção de saldo projetado não inferior a R$ 20 milhões, para os 12 meses; e, caso as projeções de fluxo de caixa apontem risco superior a 25% de descumprimento da diretriz acima, a área de Finanças deverá apresentar ao Comitê Executivo opções de cobertura e proteção do fluxo de caixa.

Mercado

Minimizado pela contínua busca de vinculação do saldo ou do serviço da dívida aos índices que se reflitam nos ativos da empresa, tenham menor nível de instabilidade e que impliquem em menor custo financeiro.

Risco de crédito

Restrições às operações com instituições financeiras que não possuam classificação de risco Investment Grade; realização de operações de hedge somente em bolsas de valores e mercadorias que disponham de sistemas de garantias (Clearing Houses); e realização de aplicações financeiras apenas em títulos públicos federais ou em classificação de risco Investment Grade.

31


DIMENSÃO ECONÔMICOFINANCEIRA

32


Desempenho operacional Ao final de 2012, a Coelce contava com 3.338.163 unidades consumidoras, número 3,5% acima do registrado no ano anterior. Esse acréscimo representa 113 mil novos consumidores inseridos na base comercial da empresa. No ano, foram atendidos 43 clientes livres, indicando incremento de 19,4% em relação ao número de 2011 (36). Número de consumidores (unidades) 2011 Mercado Cativo

2012

Var. %

2.967.951

3.068.295

3,4%

Residencial – Convencional

1.237.172

1.214.709

-1,8%

Residencial – Baixa Renda

1.122.859

1.211.463

7,9%

Industrial

5.864

5.878

0,2%

Comercial

164.476

168.617

2,5%

Rural

396.100

424.885

7,3%

Setor Público

41.480

42.743

3,0%

Clientes Livres

36

43

19,4%

Industrial

28

35

25,0%

Comercial

8

8

-

2

2

-

3.068.340

3,4%

236

6,8%

269.587

5,2%

3.338.163

3,5%

Revenda Subtotal – Consumidores efetivos

2.967.990

Consumo próprio

221

Consumidores ativos sem fornecimento

256.167

Total – Número de consumidores

3.224.378

Número de consumidores 3.095

3.338

2.965

3.224

2.842

2008

2009

2010

2011

2012

Venda e transporte de energia Em 2012, o volume de venda e transporte de energia na área de concessão da Coelce foi de 9.818 GWh, dado que indica incremento de 10% em comparação a 2011, cujo total foi de 8.927 GWh. Essa variação é o efeito combinado de (i) um incremento observado no mercado cativo da Companhia de 9,2% (+727 GWh) 33


em 2012 com relação a 2011 (8.665 GWh versus 7.938 GWh), impulsionado ainda por (ii) um maior volume de energia transportado para os clientes livres, cujo montante em 2012, de 1.153 GWh, foi 16,6% superior ao registrado em 2011 (+164 GWh). Essa energia (transportada) gera uma receita para a Coelce pela Tarifa do Uso do Sistema de Distribuição (Tusd). Venda e transporte de energia (GWh) Mercado cativo Clientes livres Total – venda e transporte de energia

2011 7.938

2012 8.665

Var. % 9,2%

989

1.153

16,6%

8.927

9.818

10,0%

Venda e transporte de energia (GWh)

8.815 7.655

7.938

2008

2009

2010

8.927

9.818

2011

2012

O mercado cativo apresentou incremento de 9,2% no ano de 2012 quando comparado ao ano de 2011. As classes residencial baixa renda e industrial apresentaram retração no consumo, em decorrência, respectivamente, (i) da aplicação dos novos critérios para enquadramento dos clientes residenciais baixa renda e (ii) pela migração de clientes do mercado cativo para o mercado livre. A classe rural ampliou o consumo em 34,9% devido, principalmente, à maior necessidade do acionamento de equipamentos e sistemas de irrigação na região rural da Companhia (pela redução do volume de chuvas em 2012 ante 2011). Observa-se também elevado incremento na classe residencial convencional. Essa variação é o reflexo das alterações nos critérios de elegibilidade para enquadramento dos consumidores na Tarifa Social de Energia Elétrica. Os novos critérios causaram uma migração de aproximadamente 365 mil antigos clientes classificados como residencial baixa renda para a classe residencial convencional (na média anual), causando a variação acima mencionada. As classes residencial convencional e residencial baixa renda apresentaram, quando analisadas em conjunto, uma evolução na venda de energia de 8,8%. O transporte de energia para os clientes livres foi de 1.153 GWh, o que representa incremento de 16,6,5% em relação ao 2011, tendo em vista, basicamente, o crescimento de 19,4% do número de clientes livres. O

34


transporte de energia per capita aos clientes livres recusou 2,4% ano, influenciado pela retração de 6,4% em clientes industriais. Venda e transporte de energia per capita anual (KWh/consumidor) 2011 Mercado cativo 2.675

2012 2.824

Var. % 5,6%

Residencial - Convencional

1.255

1.663

32,5%

Residencial - Baixa Renda

1.326

1.065

-19,7%

Industrial

217.562

201.769

-7,3%

Comercial

10.160

10.829

6,6%

2.045

2.572

25,8%

27.459

29.245

6,5%

Mercado livre

27.472

26.814

-2,4%

Industrial

33.857

31.686

-6,4%

Comercial

5.125

5.500

7,3%

Rural Setor Público

Balanço energético Em 2012, a energia requerida pelo sistema da Coelce totalizou 11.300 GWh, indicando elevação de 11,0% sobre o total registrado em 2011, que foi de 10.183 GWh. A energia distribuída pelo sistema apresentou incremento de 10,1%, passando de 8.970 GWh para 9.878 GWh. Balanço de energia Demanda máxima de energia (MW)

2011 6.077

2012 6.714

Var. % 10,5%

Energia requerida (GWh)

10.183

11.300

11,0%

Energia distribuída (GWh)

8.970

9.878

10,1%

Residencial – Convencional

1.616

2.033

25,8%

Residencial – Baixa Renda

1.422

1.278

-10,1%

Industrial

1.278

1.187

-7,1%

Comercial

1.679

1.834

9,2%

816

1.105

35,4%

1.143

1.261

10,3%

989

1.153

16,6%

Revenda

14

14

-

Consumo próprio

13

13

-

Rural Setor Público Clientes Livres

Perdas na transmissão – Rede Básica (GWh) Perdas na distribuição – Sistema Coelce (GWh) Perdas na distribuição – Sistema Coelce (%)

206

223

8,3%

1.213

1.422

17,2%

11,92%

12,58%

0,66 pp

35


A demanda da Coelce encontra-se totalmente contratada para os próximos anos, garantindo uma posição confortável à companhia em relação ao atendimento à demanda por energia do seu mercado cativo. No ano, os contratos de compra de energia celebrados no Ambiente de Contratação Regulado (ACR), os contratos de energia distribuída, os contratos bilaterais e a liquidação das diferenças na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) contabilizaram 10,356 GWh, para atender à demanda do sistema da Coelce. Esse total indica acréscimo de 10,3% sobre 2011 (9.386 GWh). Compra de energia (GWh) Central Geradora Termelétrica Fortaleza (CGTF)

2011 2.690

2012 2.690

Var. % -

Centrais Elétricas (Furnas)

1.542

1.684

9,2%

Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf)

1.229

1.174

-4,5%

Companhia Energética de São Paulo (Cesp)

669

688

2,8%

Eletronorte

481

489

1,7%

Copel

424

481

13,5%

Cemig

363

374

3,0%

Proinfa

215

219

1,9%

Outros

2.281

2.676

17,3%

Total – Compra de energia sem CCEE

9.894

10.475

5,9%

Liquidação na CCEE

-533

-134

-74,9%

Total – compra de energia

9.361

10.315

10,2%

25

41

64,0%

9.386

10.356

10,3%

Energia distribuída Wobben e Energyworls Total – compra de energia com energia distribuída

Indicadores operacionais Os indicadores de qualidade de fornecimento de energia pela Coelce apresentaram importantes avanços em 2012. A Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (DEC), que reflete o tempo que clientes tiveram seu fornecimento interrompido, encerrou o ano em 8,06 horas (no caso, horas nos últimos 12 meses), 13% menos que no ano anterior. A Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), 4,62 vezes (no período de 12 meses), 23,5% inferior ao ano anterior. Esses resultados colocaram a Coelce entre as empresas com o melhor desempenho no país: segunda posição em FEC e terceira em DEC. A média do Brasil para esses dois indicadores foram, respectivamente, de 11,10 vezes e 18,65 horas, de acordo com estudo realizado pela Abradee. Ambos os índices foram impactados por questões climatológicas, em especial pelo apagão ocorrido em outubro de 2012, que afetou toda a Região Nordeste, deixando-a sem energia elétrica por pelo menos quatro horas.

36


Evolução da qualidade 9,31 8,18

6,78

7,67

7,54

5,91

5,61

8,06

6,04 4,62

2008

2009

2010

2011

DEC (horas)

2012

FEC (vezes)

Disciplina de mercado A Taxa Anual Móvel (TAM), que mensura as perdas de energia acumulada em 12 meses, totalizou 12,59% ao final do período, apontando aumento de 0,67 ponto percentual em comparação às perdas registradas em 2011 (11,92%). O índice de arrecadação TAM, que contabiliza os valores arrecadados sobre valores faturados em 12 meses, terminou 2012 em 99,48%, 0,71 p.p. superior ao final de 2011, que foi de 98,77%. Nos últimos 12 meses, a Coelce investiu R$ 38.967 milhões em prevenção e combate às perdas.

Evolução das perdas 12,59%

11,72%

17,75%

12,12%

1,61%

1,33%

1,68%

1,39%

1,86%

10,11%

10,24%

10,44%

10,53%

10,73%

2008

2009

2010

2011

2012

Perdas técnicas

11,92%

Perdas comerciais

Produtividade Os indicadores MWh/colaborador, que avaliam a produtividade da Coelce em termos de geração de valor pela força de trabalho, e MWh/consumidor, que reflete a geração de valor pela base comercial, encerraram 2012 com 7.627 (índice 9,9% superior ao obtido em 2011) e 2,98 (6 p.p. acima do período anterior), respectivamente.

37


Já o PMSO/consumidor, indicador que avalia a eficiência de custos pela base comercial da companhia, totalizou R$ 130,68/consumidor, apresentando aumento de 15,4 p.p. sobre o ano anterior, que encerrou em R$ 113,14/consumidor.

Desligamentos residenciais por falta de pagamento 2011

2012

Nº de clientes

Nº de clientes

Menos de 48 horas

213.350

229.038

48 horas a 1 semana

46.626

77.962

1 semana a 1 mês

37.277

52.932

1 mês a 1 ano

24.595

35.095

22

20

Nº de clientes

Nº de clientes

413.269

466.305

8.319

27.910

22

3.560

Tempo entre a desconexão e a regularização do pagamento

Mais de um ano Tempo entre o acerto do pagamento e a reconexão Menos de 24 horas Entre 24 horas e 1 semana Mais de uma semana

38


INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL E PRODUTIVIDADE Dados técnicos (insumos, capacidade de produção, vendas, perdas) Número de consumidores atendidos – Cativos Número de consumidores atendidos – Livres Número de localidades atendidas (municípios) Número de empregados terceirizados Número de empregados próprios Número de escritórios comerciais Energia gerada (GWh) Energia comprada (GWh) 1) Itaipu 2) Contratos Inicias 3) Contratos Bilaterais 3.1) Com terceiros 3.2) Com Parte relacionada - CGTF 4) Leilão 5) Proinfa 6) CCEAR (1) 7) Mecanismo de Comercialização de Sobras e Déficits – MCSD 8) Mecanismo de Realocação de Energia - MRE Perdas elétricas globais (GWh) Perdas elétricas – Total (%) sobre o requisito de energia Perdas técnicas – (%) sobre o requisito de energia Perdas não técnicas – (%) sobre o requisito de energia Energia Vendida (GWh) Residencial Industrial Comercial Rural Poder Público Iluminação Pública Serviço Público Consumo próprio Subestações Capacidade instalada (em unidades) – MVA Linhas de transmissão (em km) Rede de distribuição (em km) Transformadores de distribuição (em unidades) Energia vendida por empregado (MWh) Número de consumidores por empregado Valor adicionado (R$ mil) Valor adicionado / GWh vendido DEC FEC

2010

2011

2012

3.094.598 19 184 7.261 1.308 201 NA 9.536 2.723,85 34 2.690 210,18 6.362 239,36 1.221,02 12,12% 10,44% 1,68% 8.850

3.224.378 37 184 6.300 1.310 201 NA 9.894 2.714,95 25 2.690

3.338.163 43 184 5.903 1.244 201 NA 10.475 0 0 2.735,00 45 2.690 0 219,00 7.070 451 1.422,39 12,59% 10,73% 1,86% 9.878

2.963 2.170 1.687 882 464 393 264 13 98 2.298 4.351 122.427 120.745 6.814 2.184 1.955.781 219 7,54 5,61

214,50 6.982 (533,78) 1.213,40 11,92% 10,53% 1,39% 8.970

3.039 2.227 1.720 816 470 418 255 13 99 2.446 4.504 125.878 125.433 6.906 2.266 1.921.081 216 9,31 6,04

3.311 2.296 1.878 1.105 543 432 286 13 102 2.474 4.628 134.457 128.575 7.986 2.467 1.916.783 194 8,06 4,62 39


Desempenho econômico-financeiro Principais contas de resultado (R$ mil) e margens (%) 2011

2012

Var. %

Receita operacional bruta

3.428.622

3.647.354

6,38%

Deduções à receita operacional

1.068.033

1.130.646

5,86%

Receita operacional líquida

2.360.589

2.516.708

6,61%

Custos do serviço e despesas operacionais

1.876.797

2.179.475

16,13%

644.148

479.710

-25,53%

EBITDA

1

Margem EBITDA 2

EBIT

Margem EBIT Resultado financeiro Lucro líquido Margem líquida

27,29%

19,06%

8, 23 p.p.

483.792

337.233

18,10%

7,28%

-30,29% -10,82%

-56.413 377.585

-154.017 155.849

16,00%

6,19%

173,02% -58,72% - 9,8 p.p.

¹ EBITDA: Resultado do Serviço + Depreciações e Amortizações ² EBIT: Resultado do Serviço

Receita operacional bruta Em 2012, a receita operacional bruta da Coelce somou R$ 3.647 milhões, avanço de 6,4% em relação ao resultado anterior. As variações relevantes foram: Fornecimento de energia elétrica: aumento associado ao maior volume de energia vendida para o mercado cativo da Companhia (mais 9,2%), o qual foi parcialmente compensado pela aplicação do efeito combinado da revisão e do reajuste tarifário negativo de 7,61% aplicado entre 22 de abril e 26 de junho de 2012 e de -6,76%, aplicado a partir de 26 de junho de 2012. Subsídio baixa renda: incremento basicamente da contabilização de R$ 39 milhões em abril de 2012, tendo em vista a modificação da forma de custeio da tarifa Social de energia elétrica, instituída pela Resolução Aneel 472/12, a qual determinou que o subsídio passasse a ser custeado integralmente por meio da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Suprimento de energia elétrica: aumento associado principalmente a uma expressiva elevação no preço médio da energia no mercado de curto prazo (spot) de R$ 29,36 em 2011 para R$ 161,13 em 201.No período de agosto a dezembro de 2012, quando a Coelce realizou o maior montante de venda no curto prazo, o preço médio foi de R$ 245,20.

40


Receita operacional bruta (R$ mil)

2.696

2008

3.457

3.428

3.647

2010

2011

2012

2.984

2009

Deduções da receita Em comparação a 2011, as deduções da receita cresceram 5,9%, consequência de variações como:  Diminuição de 27,4% no consumo de combustíveis fósseis (CCC).  Aumento de 135,0% na conta de programa de eficiência energética e P&D.  Elevação média de 5,3% em PIS e de 2,7% em Cofins.  Incremento de 9,2% no tributo ICMS.

Custos e despesas operacionais Os custos e as despesas operacionais em 2012 alcançaram R$ 2.179 milhões, incremento de 16,1% em relação ao ano de 2011, de R$ 1.877 milhões (R$ 302 milhões), efeito das seguintes variações: Energia elétrica comprada para revenda: aumento deve-se (i) ao incremento de 5,6% no volume de energia comprada (+555 GWh), (ii) ao reajuste de preço dos contratos de compra de energia vigentes ocorridos entre os períodos, (iii) a uma maior tarifa média (mix) de compra de energia, devido à entrada de novos contratos, especialmente de térmicas, que possuem uma tarifa mais elevada e (iv) aumento do custo variável pago às térmicas despachadas para garantir o nível mínimo dos reservatórios. Encargo do Uso da Rede Elétrica/Encargo do Sistema (ESS): aumento decorre do reajuste contratual aplicado nos contratos de transmissão autorizado pela Resolução Homologatória nº 1.173, que reajustou as Receitas Anuais Permitidas das Transmissoras (RAPs) em média 4,5%, associado, ainda, ao incremento do volume de energia transportada sobre quais incidem os encargos e, também, ao maior despacho pelo ONS de usinas térmicas no período, tendo em vista a redução do nível dos reservatórios nacionais. Pessoal: elevação basicamente da aplicação do reajuste salarial anual em média 7%, das despesas do Plano de Aposentadoria Espontânea realizado em 2012 em R$ 8 milhões e do aumento de abono em razão do dissídio/acordo coletivo em R$ 2 milhões.

41


EBITDA O EBITDA da Coelce alcançou, em 2012, o total de R$ 479,7 milhões, apontando queda de -25,53% sobre o ano anterior, cujo montante foi de R$ 644 milhões. A margem EBITDA foi de 19,06%, ante 27,29% de 2011.

EBITDA (R$ milhões) 733 575

644

579

480

2008

2009

2010

2011

2012

Resultado financeiro O resultado financeiro da Coelce, no ano de 2012, ficou em R$ -154 milhões, queda de R$ 97 milhões em relação ao ano anterior, de -R$ 56 milhões. Esse incremento é o efeito líquido das seguintes variações: Receita do ativo indenizável: basicamente devido ao registro contábil de um maior ativo e receita financeira no montante de R$ 180 milhões, tendo em vista a mudança de metodologia de avaliação do ativo indenizável, após a promulgação da Lei 12.783 que tornou definitiva a Medida Provisória n° 579 de 11 de setembro de 2012. A nova metodologia passou a ter como base o Valor Novo de Reposição (VNR), adotando-se o banco de preços homologados pela Aneel. Multas – Arce, Aneel e outras: aumento de R$ 52 milhões, sendo as variações reflexo dos seguintes itens: (i) multas recebidas em 2012, de aproximadamente R$ 52 milhões, sendo R$ 31 milhões de multas diversas aplica pela Agência Reguladora do Estado do Ceará (Arce), R$ 6,8 milhões decorre de multa de auto de infração de ICMS e R$ 11,2 milhões refere-se a provisão de auto de infração emitido pela Aneel (não conformidade em processos detectados durante revisão tarifaria). As multas aplicadas pela Arce são decorrentes de autos de infrações recebidos pela Coelce oriundos de ações fiscalizadoras, como por exemplo, em relação à medição dos indicadores de qualidade do fornecimento e ao cumprimento das metas dos programas de universalização e Luz para Todos na área de concessão da Companhia. Esses autos estão em fase de defesa pela Companhia. Outras despesas financeiras: variações decorrentes basicamente de i) atualização financeira de passivo (diferimento de pagamento de compra de energia) no montante de R$ 16 milhões e ii) atualização financeira de processos regulatórios no valor de R$ 3,1 milhões.

42


Lucro líquido A Coelce obteve lucro líquido de R$ 156 milhões, valor inferior ao resultado conquistado no ano anterior, que foi de R$ 378 milhões, com margem líquida de 6,19%.

Lucro líquido (R$ milhões) 346

423

378

334

156

2008

2009

2010

2011

2012

Endividamento A dívida bruta da Coelce encerrou o ano de 2012 em R$ 972 milhões, redução de 13,5% em relação ao ano de 2011, que foi de R$ 1.124 milhões (-R$ 152 milhões). Esta redução está basicamente associada à amortização da 1ª parcela da 2º tranche da 2ª emissão de debêntures da Companhia em julho de 2012, no montante de R$ 60 milhões, e pela amortização dos empréstimos da companhia com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que totalizou R$ 77 milhões. Em dezembro de 2012, a agência classificadora de risco de crédito corporativo Standard & Poor’s procedeu com a elevação da perspectiva do rating corporativo da companhia de estável para positiva, refletindo a solidez creditícia atual e futura da Coelce. Assim, o rating da distribuidora passou de brAA+ com perspectiva estável para brAA+ com perspectiva positiva. Indicadores de endividamento Dívida bruta (R$ mil) (-) Dívida previdenciária – Balancete (R$ mil) (-) Caixa, equivalentes e aplicações financeiras (R$ mil) Dívida líquida (R$ mil) 1 Dívida bruta / EBITDA EBITDA / Encargos de dívida Dívida bruta / (Dívida bruta + PL) Dívida líquida / (Dívida líquida + PL)

2011 1.123.992 28.546 328.200 767.246 1,49 10,35 0,43 0,34

2012 971.918 18.147 215.030 738.741 1,48 8,36 0,38 0,32

Var. % -13,5% -36,4% -34,5% -3,7% -0,7% -19,2% -11,6% -5,9%

¹ EBITDA e Encargo de Dívida acumulado nos últimos 12 meses

43


Abertura da Dívida Bruta - Credor Posição Final em dez/12 Eletrobrás; 9%

BNB; 19%

União Fed.; 1% Previdenciária; 2% Banco do Brasil; 2%

BNDES; 10%

Debêntures; 57%

Abertura da Dívida Bruta - Indexadores Posição Final em dez/12 INPC; 3% IGP-M; 1% IPCA; 46%

TJLP; 11%

Pré; 40%

CDI; 0%

TR; n/r

Libor; n/r

Investimentos Os investimentos feitos pela Coelce no decorrer de 2012 somaram R$ 247 milhões, 17,1% menos do que no ano anterior, cujo total foi de R$ 298 milhões.

Investimentos (R$ mil) 2011

2012

Var. %

141.436

144.377

2,1%

Novas conexões

94.957

84.578

-10,9%

Atendimento à demanda

46.479

59.799

28,7%

Qualidade do Sistema Elétrico

40.820

31.481

-22,9%

Programa Luz para Todos (PLPT)

76.902

23.153

-69,9%

Combate às perdas

27.375

18.592

-32,1%

Outros

40.729

36.912

-9,4%

(-) Reversão de provisões

-29.000

-7.320

-74,8%

Total investido

298.262

247.195

-17,1%

Investimentos por demanda

44


Aportes / subsídios

-120.756

-64.346

-46,7%

Investimento líquido

177.506

182.849

3,0%

Investimentos (R$ milhões) 473 446 333

298 247

2008

2009

2010

2011

2012

Portfólio de Investimentos (R$ mil) Dados de 2012

Qualidade do Sistema; 12%

Luz para Todos; 9% Combate às Perdas; 7%

Atendimento à Demanda; 23%

Outros; 15%

Novas Conexões; 34%

45


Terceiro ciclo de revisão tarifária periódica O Contrato de Concessão nº 01/98, que regula a exploração dos serviços públicos de distribuição de energia elétrica na área de concessão da Coelce, define a data de 22 de abril de 2011 para a realização da terceira revisão tarifária periódica (3CRTP). Devido à extensão das discussões relativas às metodologias para o 3CRTP, não houve tempo hábil para se proceder com a revisão tarifária da Coelce na data definida no Contrato de Concessão. Em função da metodologia não ter sido definida em tempo hábil a Aneel prorrogou as tarifas vigentes em 21 de abril de 2011 até abril de 2012, não tendo o consumidor percebido qualquer movimentação tarifária naquela oportunidade. O modelo da revisão tarifária para o 3CRTP foi concluído apenas ao final de 2011. Embora processada em atraso, a revisão tarifária da Coelce tem vigência desde a data prevista no Contrato de Concessão. Com o objetivo de tornar neutro para distribuidora e consumidores a postergação da revisão tarifária, foi apurado um componente financeiro a partir da diferença entre as tarifas prorrogadas (que foram utilizadas para faturamento) e aquelas definidas na revisão tarifária (que deveriam ter sido utilizadas) que será compensado nos reajustes tarifários de 2013 e 2014. Em 18 de janeiro de 2012 foi concedida Liminar Judicial à Abradee cuja decisão obriga a Aneel a deixar de considerar, em prol da modicidade tarifária, a redução da WACC a ser aplicada sobre a base de remuneração, em decorrência do benefício fiscal auferido pelas distribuidoras que atuam nas regiões Norte e Nordeste que quando gozam do direito que lhes foi outorgado recolhem somente 15,25% a título de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), enquanto as distribuidoras que atuam nas demais regiões do País pagam 34%. Com a concessão desta Liminar, o efeito médio a ser percebido pelos consumidores da Coelce em razão da revisão tarifária era de -10,89%. No entanto, no dia 10 de abril de 2012, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu a referida Decisão Liminar. A partir dessa decisão, a Aneel volta a definir a WACC conforme metodologia aprovada pela Diretoria, o que significa dizer que os consumidores da Coelce teriam uma redução tarifária maior. Consequentemente, no dia 17 de abril de 2012, a agência reguladora aprovou de maneira definitiva o resultado da 3RTCP da Coelce. Aplicando-se a metodologia aprovada pela Aneel, o efeito médio para o consumidor que era de -10,89% passa a ser de -12,20%, aplicado a partir de 22 de abril de 2012. No dia 1 de junho de 2012, a liminar judicial voltou a vigorar por decisão do presidente do STF e, em 26 de junho de 2012, a Aneel aprovou o novo valor do 3º ciclo de revisão tarifária periódica da Coelce, passando de -12,20% para -10,89%, com aplicação imediata.

46


Mercado de capitais A Endesa Brasil detém 58,9% do capital social da Coelce, enquanto os demais 41,1% de suas ações estão em livre negociação na BM&FBovespa. Atualmente, a distribuidora possui três papéis em negociação na bolsa. O papel de maior liquidez é a ação preferencial A (COCE5), que em 2012 teve média de 206 negócios por dia, contra 207 em 2011, e volume financeiro diário médio de R$ 2.914 milhões, 56,4% mais que no ano anterior (R$ 1.863 milhões). De baixa liquidez, os outros dois papéis estão expostos a negociações que fogem à percepção média do mercado sobre a companhia, podendo ocasionar movimentos distorcidos no preço do ativo. A ação preferencial classe A (COCE5) teve valorização de 30,6% nos 12 meses até dezembro de 2012, ao passo que o Ibovespa e o Índice de Energia Elétrica (IEE) apresentaram desvalorização de 7,4% e 11,7%, respectivamente. No exercício, as ações preferenciais classe A da Coelce mantiveram-se, pelo sétimo ano consecutivo, no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa, índice que congrega as empresas listadas com as melhores práticas em sustentabilidade empresarial do país. Cotação de fechamento (R$/ação) 2011

2012

Var. %

Ordinárias – ON (COCE3)

31,75

44,91

41,4%

Preferenciais A – PNA (COCE5)

34,45

45,00

30,6%

Preferenciais B – PNB (COCE6)

30,01

35,00

16,6%

Indicadores de mercado 2011

2012

Var. % ²

34,45

45,00

30,6%

207

206

-0,5%

1.863.682

2.914.031

56,4%

Valor de Mercado (R$ milhões)

2.545

3.484

36,9%

Enterprise Value (EV) (R$ milhões)

3.313

4.223

27,5%

EV/EBITDA

4,39

6,43

46,5%

Preço da Ação PNA / Lucro por Ação (P/L)

5,69

46,5%

46,6%

12,40%

7,88%

-4,52%

1,73

2,23

28,9%

Informações sobre ação preferencial A (COCE5) Cotação (R$/ação) Média Diária de Negócios Média Diária de Volume Financeiro (R$)

Dividend Yield da Ação PNA Valor de Mercado/Patrimônio Líquido

47


Indicadores de Mercado - Variação 12 meses (%)* Dados até dez/12

36,9%

40,0% 30,6% 30,0% 20,0%

7,4%

10,0% 0,0% -10,0% -11,7%

-20,0% PNA (COCE5)

Valor de Mercado

IEE

Ibovespa

Média Diária de Negócios (Negócios) e Volume Médio Diário (R$)* Evolução 4T11 - 4T12 e 2011 - 2012 234 6.000.000

191

5.000.000

207

206

4.504.874

4.000.000 2.914.031

3.000.000 2.000.000

1.863.682

1.571.750

1.000.000 Volume

Evolução diária COCE5, IEE e IBOVESPA - base 1

Dados de 12 meses - até dez/12 1,5

Negócios

4T11

4T12

2011

2012

COCE5

IEE

IBOVESPA +44,1%

1,4 1,3 1,2

1,1

+7,4%

1 0,9

-11,7%

0,8 29/12/2011 20/1/2012 13/2/2012 6/3/2012 28/3/2012 19/4/2012 11/5/2012 4/6/2012 26/6/2012 18/7/2012 9/8/2012 31/8/2012 25/9/2012 17/10/2012 8/11/2012 30/11/2012 24/12/2012

Remuneração dos acionistas – Assembleia Geral Ordinária, de 25 de abril de 2012, aprovou a distribuição de R$ 276.014.919,77 em dividendos, um payout ratio de 75% sobre o lucro líquido passível de distribuição. Baseado na cotação média de fechamento do papel COCE5 no ano, de R$ 37,50, a deliberação indica 9,45% de dividend yield, cujo pagamento foi efetuado em 27 de dezembro de 2012. 48


As informações apresentadas orientam-se pelas normas da International Financial Reporting Standards (IFRS) e os dados constantes nos quadros a seguir seguem as normas da Aneel.

INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS – Detalhamento da DVA Geração de Riqueza (R$ mil) Receita operacional (receita bruta de vendas de energia e serviços) Fornecimento de energia

2011 R$ mil 3.672.389

%

3.139.736 100,0%

2012 %

Variação 4,7%

3.333.274 100,0%

944.033 387.228 783.406 436.296 183.356 81.961 124.717 211.673 -12.934 -94.691 9.297

-210.685 14.544

122,5% 56,4%

Subvenção baixa renda

188.281

257.554

36,8%

Energia de curto prazo

13.125

79.926

509,0%

131.970

118.559

-10,2%

41.190

54.182

31,5%

-11.844

-21.717

83,4%

255.325

218.864

-14,3%

Venda de serviços Provisão para créditos de liquidação duvidosa Receitas relativas à construção de ativos próprios

(1)

1.116.042 329.415 828.514 413.869 226.297 88.588 121.983 228.010 -19.444

6,2%

Residencial Residencial baixa renda Comercial Industrial Rural Iluminação pública Serviço público Poder público (-) Receita de ultrapassagem demanda e excedente de reativos Passivo regulatórios Fornecimento não faturado

Receita pelo uso da rede elétrica

30,1% 12,3% 25,0% 13,9% 5,8% 2,6% 4,0% 6,7% -0,4%

R$ mil 3.844.501

33,5% 9,9% 24,9% 12,4% 6,8% 2,7% 3,7% 6,8% -0,6%

Insumos adquiridos de terceiros

-1.760.603 100,0%

-1.960.183 100,0%

Compra de Energia e Encargos de uso da rede elétrica Material e serviços de terceiros Outras despesas operacionais ( = ) Valor adicionado bruto ( - ) Quotas de reintegração ( = ) Valor adicionado líquido + Valor Adicionado Transferido (receitas financeiras, resultado da equivalência patrimonial) ( = ) Valor adicionado a distribuir

-1.312.481 -427.287 -20.835 1.911.786 -160.356 1.751.430 169.651

-1.514.979 -416.520 -28.684 1.884.318 -142.477 1.741.841 174.941

Distribuição de riqueza por parte interessada Empregados Remuneração Encargos sociais (exceto INSS) Benefícios Governo Federal

74,5% 24,3% 1,2%

1.921.081

18,2% -14,9% 5,8% -5,1% 23,4% 8,1% -2,2% 7,7% 50,3%

11,3%

77,3% 21,2% 1,5%

15,4% -2,5% 37,7% -1,4% -11,1% -0,5% 3,1%

1.916.782

2011 R$ mil 135.149 93.575 13.348 28.226 1.174.909 453.934

-0,2%

2012 % 7,1% 4,9% 0,7% 1,5% 61,3% 23,7%

R$ mil 156.014 113.393 12.526 30.095 1.264.934 477.513

% 8,1% 5,9% 0,7% 1,6% 66,0% 24,9% 49


Estadual Municipal Financiadores Juros Outras despesas financeiras Aluguéis Acionistas Dividendos Reserva de Incentivo fiscal- ADENE Retenção de Lucros Prejuízos acumulados = Valor Adicionado Distribuído (total)

Distribuição de riqueza - governo e encargos sociais Tributos/taxas/contribuições ICMS PIS COFINS ISS Imposto de Renda Imposto de Renda diferido Incentivos fiscais CSSL CSSL diferido INSS Outros tributos Encargos setoriais Reserva Global de Reversão (RGR) Conta Consumo de Combustível (CCC) Conta de desenvolvimento energético (CDE) Taxa de fiscalização Aneel (TFSEE) Encargo Serviço de Sistema (ESS) Programa pesquisa e desenvolvimento e eficiência energética Proinfa Encargos ex-isolados Valor distribuído (total)

719.803 1.171 233.438 104.821 121.243 7.374 377.585 276.015 77.803 23.767 1.921.081

37,6% 0,1% 12,2% 5,5% 6,3% 0,4% 19,7% 14,4% 4,1% 1,2% 0,0% 100%

2011

785.931 41,0% 1.490 0,1% 339.986 17,7% 111.118 5,8% 217.841 11,4% 11.027 0,6% 155.849 8,1% 213.995 11,2% 33.636 1,8% 172.369 9,0% -264.151 -13,8% 1.916.783 100,0%

2012

R$ mil 966.010

% 82,2%

R$ mil 996.755

% 3,2%

719.779

75%

785.912

9,2%

31.452 146.337 710 101.879 -8.249 -77.803 36.766 -2.799 17.452 485 208.899 33.480 101.621 17.772 4.594 -651 9.628

3% 15% 0% 11% -1% -8% 4% 0% 2% 0% 18% 16% 49% 9% 2% 0% 5%

28.701 -8,7% 132.502 -9,5% 1.137 60,1% 64.675 -36,5% -20.080 143,4% -33.636 -56,8% 23.810 -35,2% -7.402 164,5% 20.764 19,0% 372 -23,5% 268.179 28,4% 43.055 28,6% 86.367 -15,0% 23.808 34,0% 4.561 -0,7% 38.001 -5937,3% 22.628 135,0%

35.200 7.255

17% 3%

43.223 6.536

22,8% -9,9%

1.174.909

100%

1.264.934

100%

Inadimplência setorial A Coelce não consta da base de inadimplentes da Aneel, no que se refere ao pagamento de valores relativos à compra de energia, assim como de tributos e encargos setoriais, contando inclusive com a emissão mensal e regular de seu Certificado de Adimplemento

50


Investimentos Expansão da distribuição/ transmissão (expansão reforço) Renovação da distribuição/ transmissão (qualidade) Subtransmissão

Outros indicadores Receita operacional bruta (R$ mil) Deduções da receita (R$ mil) Receita operacional líquida (R$ mil) Custos e despesas operacionais do serviço (R$ mil) Resultado operacional (R$ mil) 18 Receitas irrecuperáveis (R$ mil) Resultado do serviço (R$ mil) Resultado financeiro (R$ mil) IRPJ/ CSSL (R$ mil) Lucro líquido (R$ mil) Juros sobre o capital próprio (R$ mil) Dividendos distribuídos (R$ mil) Custos e despesas operacionais por MWh vendido (R$ mil) Riqueza (valor adicionado líquido) por empregado (R$ mil) Riqueza (valor a distribuir) por receita operacional (%) EBITDA ou Lajida (R$ mil) Margem do EBITDA ou Lajida (%) Liquidez corrente Liquidez geral Margem bruta (lucro líquido / receita operacional bruta) (%) Margem líquida (lucro líquido / receita operacional líquida) (%) Rentabilidade do patrimônio líquido (lucro líquido/ patrimônio líquido) (%) Estrutura de capital Capital próprio (%) Capital de terceiros oneroso (%) (empréstimos e financiamentos) Inadimplência de clientes (contas vencidas até 90 dias / Receita operacional bruta nos últimos 12 meses)

2011 R$ mil 257.442 40.820 NA

2012 R$ mil Variação (%) 209.002 -18,8% 30.377 -25,6% NA NA

2011 R$ mil

R$ mil

2012 Variação (%)

3.428.622 1.068.033 2.360.589 1.876.797 427.379 14.284

3.647.354 1.130.646 2.516.708 2.179.475 183.216 15.373

6,38% 5,86% 6,61% 16,13% -57,13% 7,62%

483.792 -56.413 -49.794 377.585 0 276.015 0,23 1.441 56,03% 644.148 27,29% 1,00 1,68 11,01% 17,90% 27,33%

337.233 -154.017 -27.368 155.849 0 213.995 0,25 1.400 52,55% 479.710 19,06% 1,06 1,61 4,27% 6,19% 13,88%

-30,29% 173,02% -45,04% -58,72% 0 -22,47% 6,78% -2,84% -6,21% -25,53% -30,15% 5,94% -3,91% -61,19% -65,40% -49,22%

55,77% 44,23% 2,30%

54,07% 45,93% 2,35%

-3,05% 3,85% 2,17%

51


DIMENSテグ SOCIAL E SETORIAL

52


Pessoas Tendo os colaboradores como seu principal ativo, o processo de seleção da Coelce emprega critérios que consideram competências técnicas específicas essenciais ao cargo e o perfil comportamental do candidato, alinhados aos valores e aos objetivos da empresa. As políticas de gestão de pessoas da companhia têm como um dos pilares garantir que os colaboradores estejam felizes e realizados. Para isso, há um constante estímulo ao trabalho em equipe e ao compartilhamento do conhecimento, principalmente por meio do diálogo. Há também incentivo para que os resultados sejam obtidos por meio da iniciativa e da criatividade, de modo que os colaboradores progridam nos âmbitos pessoal e profissional. Prova do sucesso dessas iniciativas está no fato de que, em 2012, a Coelce figurou novamente nos rankings do Great Place to Work – revista Época e do Guia Você S/A – Exame. O Plano Senda, iniciativa global da Endesa, norteia o Plano de Responsabilidade Social Corporativa da Coelce dirigido para Recursos Humanos. O Plano faz parte da dimensão Nossas Pessoas, da Política de Sustentabilidade da Endesa, e tem como principais objetivos: trabalhar e desenvolver a sustentabilidade interna; promover uma cultura de responsabilidade, inclusão e compromisso, baseada no respeito e desenvolvimento das pessoas, levando em consideração os impactos na comunidade em que as operações estão inseridas.

Emprego Em 31 de dezembro de 2012, a Coelce contava com quadro funcional composto por 1.244 colaboradores fixos, 223 estagiários e 26 jovens-aprendizes, além de 5.903 colaboradores terceirizados. A distribuidora tem por princípio a priorização do recrutamento interno, ação que contribui para a manutenção da cultura institucional, por conta do conhecimento e do vínculo já existentes. A empresa prioriza ainda a contratação local, como meio de estimular a economia e contribuir para o desenvolvimento das comunidades. A distribuidora tem por princípio a priorização do recrutamento interno, ação que contribui para a manutenção da cultura institucional, por conta do conhecimento e do vínculo já existentes. No período, Número de colaboradores 9.150 210

7.662

8.560

8.793

220

224

7.861 252

7.042

7.261

1.278

1.298

2008

2009

7.396 249

6.300

5.903

1.308

1.309

1.244

2010

2011

2012

53

Empregados

Parceiros

Estagiários e aprendizes


60% das posições abertas foram preenchidas por estagiários ou colaboradores de empresas parceiras. A empresa prioriza ainda a contratação local, como meio de estimular a economia e contribuir para o desenvolvimento das comunidades.

Empregados por gênero Mulheres 22,7%

Homens 77,3%

Empregados por faixa etária Até 30 12,8%

Mais de 50 25,9%

De 30 a 50 61,3%

Empregados por escolaridade Pósgraduação 4,9%

Ensino fundament al 3,7%

Ensino superior 53,3% Ensino médio 38,1%

Empregados por raça Indígena 0,1% Preta ou parda 28,6%

Amarela 0,1%

Branca 71,2%

Com o objetivo de formar um grande banco de candidatos para oportunidades externas, a companhia recebe currículos de estudantes e profissionais a partir de indicações dos colaboradores. A recomendação feita por um colega é considerada uma pré-seleção, já que vem referenciada por pessoas que praticam os valores e conhecem o negócio da Coelce. Isso contribui para a maior assertividade no processo seletivo e permite reduzir o tempo médio de seleção. Aspectos de diversidade como sexo e raça, por exemplo, não são considerados durante a fase de contratação, uma vez que o foco da Coelce está na busca de pessoas alinhadas aos seus valores. No entanto, tendo em vista que o setor elétrico brasileiro é predominantemente masculino, a companhia conta com 961 colaboradores do sexo masculino (77,2% do quadro). Para assegurar que essa relação seja ao menos mantida, a área de recursos humanos tem como meta preencher um mínimo de 29% das vagas abertas com mulheres. Em 2012, as contratações fecharam em 23%. Já nos cargos de chefia, 20% dos postos eram ocupados por mulheres. Parte do Plano Senda, e também com o objetivo de alavancar o compromisso com a diversidade e igualdade de oportunidades, a Coelce é uma das signatárias dos Princípios de Empoderamento das 54


Mulheres – uma iniciativa das Nações Unidas cujo objetivo é proporcionar a integração efetiva das mulheres ao mercado de trabalho, em âmbito universal. Direcionado aos colaboradores recém-contratados, o Programa Boas-Vindas, que tem duração de dois dias e é realizado a cada dois meses, oferece informações sobre a Coelce, a Endesa no Brasil e no mundo e a Enel; orientações sobre o setor elétrico, como dados sobre regulação, aspectos técnicos e comerciais; estratégia do negócio; relacionamento com os clientes e as empresas parceiras; ética; responsabilidade social; meio ambiente; benefícios e desenvolvimento de pessoas; além de reforçar o sentimento de pertencimento, incentivar a aprendizagem contínua, integrar a equipe e reforçar o intercâmbio de experiências.

Empregados por categoria profissional Homens Mulheres Categoria funcional Número Percentual Número Percentual Executivos e supervisores 79 6,4% 21 1,7% Técnicos Administrativos Profissionais Eletricistas

413 76 255 138

33,2% 6,1% 20,5% 11,1%

38 85 139 0

3,1% 6,8% 11,2% 0,0%

Total Número Percentual 100 8,0% 451 161 394 138

36,3% 12,9% 31,7% 11,1%

Remuneração e benefícios A Coelce busca o equilíbrio e a equivalência salarial de seus colaboradores. Para isso, conta com uma política de remuneração sustentada por um sistema baseado em resultados e na transparência das informações. Por meio de pesquisas externas, o sistema seleciona empresas com perfis de faturamento e número de funcionários semelhantes e, a partir da análise desses dados, traça um paralelo, verificando a média de remuneração praticada e se ela está em linha com o mercado. O sistema busca ainda disponibilizar aos colaboradores um pacote de recompensa compatível com a complexidade de suas funções, seu desempenho e a realidade do mercado, envolvendo salário-base, adicionais legais, remuneração variável e benefícios. A remuneração fixa engloba salário-base e adicionais legais, se cabível, e a remuneração variável compreende o comprometimento dos funcionários com as metas e os objetivos estratégicos da distribuidora. Além disso, há ainda reconhecimentos monetários, como viagens e prêmios em dinheiro, e não monetários, como elogios e homenagens públicas. Esses reconhecimentos ocorrem por conta do alcance de metas, de atitudes que demonstrem o grau de envolvimento e comprometimento com a companhia e seus valores, e, também, por ideias e sugestões que representem inovações com impacto positivo sobre os negócios. Todos os colaboradores possuem contratos regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e contam com uma série de benefícios. Os reajustes salariais ocorrem anualmente com base no Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e não estão atrelados ao valor do salário mínimo. 55


A política de benefícios visa constituir relações de médio e longo prazos com os colaboradores, oferecendo programas diferenciados em comparação ao mercado, destinados exclusivamente a empregados próprios com contrato de trabalho permanente.

Principais benefícios Previdência complementar

A Coelce é patrocinadora da Fundação Coelce de Seguridade Social (Faelce), entidade que administra dois planos de previdência complementar, sendo um na modalidade de benefício definido (Plano BD), que tem o objetivo principal de complementar os benefícios previdenciários dos colaboradores da distribuidora, e um de contribuição definida (Plano CD), que visa conceder benefício em razão da reserva acumulada em nome do participante. Para o Plano BD, a companhia contribui mensalmente com 4,45% da remuneração dos participantes. Para o Plano CD, contribui com o mesmo valor efetuado pelo participante (alíquotas de 2,5%, 4,0% e 9,0%). No ano, as contribuições da Coelce contabilizaram R$ 10.553 mil.

Benefício para filhos de empregados com necessidades especiais

Concedido para tratamento especializado em caso de deficiência mental, motora ou sensorial com participação financeira do empregado no valor correspondente a 1% do seu salário nominal.

Vale-alimentação

Conferido a todos os profissionais, independentemente de faixa salarial, bem como aos afastados por motivo de doença, acidente ou licença-gestante.

Seguro de vida em grupo

Destinado a empregados e cônjuges. A Coelce contribui com 50% do prêmio mensal para empregados e com 100% para estagiários e executivos.

Planos de assistência médica e odontológica

Benefício estendido aos dependentes legais dos empregados. A companhia patrocina de 50% e 90% do valor da mensalidade do plano.

Licença-maternidade

Além dos 120 dias contemplados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), desde 2008 a Coelce concede às empregadas 60 dias de licença adicionais.

Licençaacompanhante

Afastamento outorgado ao funcionário que precise acompanhar pai, mãe, cônjuge, companheiro(a) ou dependente legal.

Benefícios para o empregado acidentado do trabalho

Tratamento especial, patrocinado integralmente pela empresa, com acompanhamento social, hospitalar e residencial, incluindo medicamentos e equipamentos médicos e ortopédicos necessários ao tratamento. Concede também complementação salarial do benefício de auxílio acidente pago pelo INSS para que o colaborador não sofra perda salarial. Nos casos de óbito ou invalidez permanente, a Coelce paga indenização especial.

Complementação salarial do auxílioacidente

Concedida aos colaboradores afastados em virtude de acidente do trabalho ou de doenças laborais por mais de 15 dias, consiste na complementação salarial do benefício de auxílioacidente pago pelo INSS, até o limite do salário recebido quando o profissional estava trabalhando normalmente.

Indenização por morte ou incapacidade total e

Indenização reconhecida pelo INSS, decorrente de acidente no trabalho, no valor correspondente ao número de anos de serviço na companhia, multiplicado pelo valor do salário nominal da data do óbito ou do reconhecimento da invalidez pelo INSS, garantindo 56


permanente

ainda que a indenização não será inferior a dez salários nominais do empregado.

Auxílio-funeral

Cobertura de despesas funerárias de funcionários e seus dependentes legais de até R$ 3.199,80.

Incentivo à educação

Subsídio no valor de R$ 750,00 (vigente no final de 2012) para cada filho de colaborador que esteja cursando o ensino fundamental ou médio e tenha conseguido aprovação no ano letivo anterior com média geral anual igual ou superior a 7,5.

Auxílio-creche

A companhia disponibiliza esse benefício a todos os profissionais com filhos de 2 meses a 3 anos de idade, mediante reembolso de até R$ 770,08 das mensalidades pagas às instituições.

Creche especial

Benefício concedido aos colaboradores que residam em localidades que não possuam creche para os filhos com idades entre 2 meses e 3 anos. Reembolso de até R$ 351,98 por filho das mensalidades pagas às instituições.

Creche-escola

Benefício oferecido a todos os profissionais com filhos de 3 anos a 7 anos, mediante reembolso das mensalidades pagas às instituições. Reembolso de até R$ 385,00 das mensalidades pagas às instituições.

Auxílios eventuais

Em caso de necessidade do empregado, a Coelce eventualmente concede apoio financeiro, como adiantamento salarial com parcelamento em folha de pagamento, e acompanhamento social. Essas situações são coordenadas pelas áreas de Qualidade de Vida e Ouvidoria.

Empréstimo Especial de Férias

Oferecido no mês do retorno do funcionário de suas férias, correspondente a 25%, 50%, 75% ou 100% de um salário-base do mesmo. O empréstimo pode ser solicitado nos percentuais citados, condicionado à margem de consignação de 30% do salário-base, a ser descontado em até dez parcelas mensais, iguais, sucessivas, isentas de correção.

Assistência ao empregado portador de HIV e de doenças terminais

Acompanhamento médico, psicológico e social feito por equipe multiprofissional composta por médico, enfermeira e assistente social, podendo também haver encaminhamento para suporte e atendimentos externos durante o tratamento.

Visita domiciliar e hospitalar

Realizada por equipe multidisciplinar, formada por médico, enfermeira e assistente social, leva apoio aos colaboradores em casos de acidentes e de doenças clínicas que demandem internação ou afastamento. Na ocasião, fornece informações sobre os benefícios oferecidos pela Coelce e sobre questões previdenciárias, bem como auxilia no esclarecimento de dúvidas de natureza funcional, social e de saúde.

Cartão Presente

Concedido como presente de Natal no mês de dezembro a todos os funcionários, por meio de crédito em cartão magnético, com valor correspondente ao vale alimentação.

Programa de Readaptação Profissional

Acompanhamento médico e psicossocial necessário para o retorno do colaborador que esteve afastado do trabalho por doença ou acidente.

Treinamento e desenvolvimento Direcionado ao desenvolvimento continuado de seus funcionários, a Coelce promove uma série de iniciativas e projetos associados ao seu plano estratégico. Os cursos propostos visam preencher lacunas comportamentais e técnicas, auxiliando na sustentação do negócio. 57


A Coelce destinou R$ 3,3 milhões às ações de educação, capacitação e desenvolvimento, que contabilizaram 78.915 horas de treinamento, sendo uma média de 62,86 horas por colaborador. Uma das ações é a Oficina de Inteligência Emocional, que proporciona conhecimento acerca da influência das emoções no cotidiano, com abordagem teórica e vivencial, e enfoque nos pilares da inteligência emocional, como administração das emoções, autoconsciência, autoestima e sociabilidade. As oficinas são promovidas em ambientes que favoreçam a realização de exercícios psicofísicos, relaxamento e interação com a natureza. Em 2012, a companhia manteve seus investimentos na formação de lideranças médias e gerências, incentivando a participação em cursos de MBA e desenvolvimento. Promovida de maneira permanente, a educação corporativa orienta-se pelo princípio de que investir no desenvolvimento das pessoas é o que garante a sustentabilidade do negócio. Todos os programas são focados na aprendizagem contínua e apoiam a carreira e a preparação para a aposentadoria do empregado. Há apoio financeiro para capacitação ou formação externa, com cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação com incentivos financeiros da empresa. Programas de treinamento Desenvolvimento Programa de idiomas (inglês, espanhol)

Curso de Comunicação Interpessoal Participações em palestras, seminários, congressos, minicursos Junior Enel Training International (JET)

Semear Talentos

Programa de Desenvolvimento Internacional (PDI) Programa Sombra – Realidade Real

Boas-Vindas

Oficinas de carreira

Parceria Inglês Online / Espanhol professoras contratadas Parceiros reconhecidos no mercado Parceiros reconhecidos no mercado Empresas Endesa no mundo

Objetivo Oferecer as ferramentas necessárias para que os funcionários sejam capazes de compreender, ler e escrever nas línguas usadas pelas empresas Endesa no mundo. Proporcionar ferramentas para que as pessoas transmitam a sua ideia com clareza, segurança e credibilidade. Possibilitar ao funcionário aprofundamento e/ou atualização sobre temas que, direta ou indiretamente, impactam o negócio.

Reforçar o desenvolvimento de identidade multicultural e internacional da Enel e dar as bases para a compreensão das dinâmicas culturais, organizacionais e econômicas de uma empresa multinacional. É dedicado à retenção de profissionais da geração Y, que se caracterizam pelo uso intensivo de tecnologia, perfil irrequieto e interesse em aprendizado e relações humanas. Multiplicadores Formar futuros profissionais que atendam às metas de crescimento do internos negócio em médio e longo prazos. O programa coloca o estudante em contato com o mercado de trabalho e complementa sua formação acadêmica. Empresas Endesa Dar ao funcionário a oportunidade de conhecer outras empresas Endesa no mundo no mundo, sobretudo na Espanha e Itália, atuando em áreas afins à sua. A permanência no exterior varia de 3 a 18 meses. Multiplicadores Desenvolver nas pessoas uma visão global do negócio por meio da internos interface com outras áreas da empresa, além de estimulá-las a desenvolver novas competências. Consiste em um, dois ou três dias de visitas, segundo as necessidades de desenvolvimento do funcionário. Multiplicadores Ciclo de palestras para proporcionar conhecimento atualizado sobre as internos empresas, além de refletir sobre suas metas estratégicas e formas de funcionamento para o alcance dos objetivos. Multiplicadores Orientar o Plano de Desenvolvimento de Carreira dos funcionários. internos 58


Café da manhã com o presidente

Multiplicadores internos

Aproximar os funcionários da alta direção da empresa, em um encontro que visa informar a todos sobre Visão, Missão, Valores e o BSC das diferentes empresas da Endesa Brasil. Competências técnicas Parceria Objetivo Curso de informática Parceiros Capacitar funcionários em ferramentas de informática como Excel e reconhecidos no Power Point. mercado Técnicas de negociação Parceiros Desenvolver habilidade de argumentação para obter a adesão e a reconhecidos no cooperação das pessoas e assim atingir os objetivos esperados. mercado Finanças Parceiros Procura fazer com que o funcionário seja capaz de identificar reconhecidos no possibilidades de melhoria de suas operações por meio da análise de mercado indicadores financeiros gerenciais, dominando ferramentas de gestão de custos e orçamentos, aprendendo a executar análises de viabilidade econômica. Saiba mais sobre o setor Multiplicadores Oferecer conhecimentos básicos sobre energia e economia no Brasil e elétrico internos no mundo, energia elétrica e outras fontes de energia, oferta e consumo de energia elétrica, setor e sistema elétrico do Brasil, ambiente institucional do setor, contratação de energia, composição da tarifa, papel do órgão regulador (Aneel), etc. Gestão de Projetos Parceiros Capacitar funcionários em técnicas e ferramentas para gestão de reconhecidos no projetos, segundo boas práticas do Project Management Institute (PMI). mercado Negociação Parceiros Abordar os fundamentos e aspectos concentuais sobre as etapas de reconhecidos no negociação. Taticas, estratégias e manobras; Gerenciamento do tempo. mercado Habilidades e atitudes do negociador. Lideranças Parceria Objetivo Programa de Parceiros Fornecer ferramentas de desenvolvimento para que os novos Desenvolvimento de reconhecidos no responsáveis aprendam a obter resultados por intermédio das pessoas. Lideranças – Step 1 mercado Direcionado para líderes de equipes, considerando o modelo de pipeline de liderança; Programa de Parceiros Fornecer ferramentas de desenvolvimento os responsáveis líderes de Desenvolvimento de reconhecidos no líderes, capacitando-o para atuarem como coach, dentro do esperado no Lideranças – Step 2 mercado papel dentro do conceito de pipeline de liderança. (gestor de gestores) Programa Internacional Parceiros Prepara os responsáveis para os desafios futuros por meio do de Desenvolvimento de reconhecidos no intercâmbio de experiências com empresas conceituadas de todo o Liderança mercado mundo e do acesso a vasto conhecimento e ferramental. MBA em Gestão de Parceiros Ampliar e potencializar a visão do negócio, com estímulo ao surgimento Negócios reconhecidos no de ideias e alcance de melhores resultados para a empresa. A companhia mercado cobre 75% do custo. Encontro de Diretivos Parceiros Discutir, definir e alinhar o Plano Estratégico (BSC) das empresas Endesa, reconhecidos no com o apoio de instituições externas. mercado Comportamentais Parceria Objetivo Competências Parceiros Busca desenvolver o colaborador em sua totalidade, a partir de sua comportamentais reconhecidos no participação em oficinas de: comunicação; desenvolvimento de pessoas, mercado coordenação e trabalho em equipe; negociação e flexibilidade; orientação a resultados, planejamento e organização e tomada de decisão. Acadêmicos Parceria Objetivo Graduações, pósParceiros Diferentes oportunidades são oferecidas aos funcionários das várias graduações, MBAs reconhecidos no empresas Endesa, segundo as suas necessidades de desenvolvimento. A mercado empresa cobre 75% do custo. 59


Médio de horas de treinamento anual por empregado 2011 Categoria funcional Diretoria

2012

Nº de participantes 15

Nº total de horas 1.825

Horas por colaborador 121,67

Nº de participantes 12

Nº total de horas 1.602

Horas por colaborador 133,50

Gerentes e supervisores Nível técnico

63

9.879

156,81

84

10.637

126,63

580

46.956

80,96

590

22.243

37,70

Profissionais

421

55.579

132,02

397

38.205

96,23

Administrativo

238

13.253

55,68

161

5.508

34,21

2

70

35,00

-

1.319

127.562

97.45

1.244

78.195

62,86

Nível operacional Total

Os colaboradores passam por avaliações por meio da ferramenta Gestão de Rendimento, que mensura sete fatores fundamentais nos profissionais: se sente e atua como cidadão do grupo; atua com foco em resultados; dirige a mudança; prioriza a segurança; assume responsabilidades e riscos; domina seu trabalho; e desenvolve seus colaboradores (apenas para gestores). A avaliação leva em consideração também o alcance de metas pré-estabelecidas. Os resultados mostram a posição dos colaboradores na Matriz de Rendimento utilizada nos processos de reajuste por mérito, desenvolvimento, capacitação e movimentação. Para acompanhar o desenvolvimento de suas carreiras, 100% dos colaboradores receberam feedback de suas atividades. Outra ferramenta utilizada é a Gestão de Potencial (GP) que acontece a cada dois anos tem como objetivo o desenvolvimento de gestores e especialistas. Para ser considerado apto a se integrar ao programa, os colaboradores são avaliados, inicialmente, em dez competências comportamentais e quatro específicas para a liderança. Tais fatores são adicionados às avaliações individuais dos três últimos. A adoção da carreira em Y é outro modo de criar possibilidades de crescimento para os profissionais especialistas, em que o desempenho e a preferência do colaborador indicarão o seu crescimento, seja em uma carreira técnica, seja gerencial. Espaço de Desenvolvimento de Pessoas – No intuito de estimular o desenvolvimento de seus colaboradores, a Coelce mantém o Espaço de Desenvolvimento de Pessoas, conjunto de salas temáticas concebidas para alinhar o conceito de gestão de pessoas à formação de equipes de alto desempenho. Está à disposição de todos os colaboradores e conta com recursos voltados à aquisição de conhecimentos, como computadores conectados à internet, biblioteca e salas de treinamento e de atendimento individual.

Saúde e segurança A Coelce dá ênfase à saúde e à segurança de todos os colaboradores e o Programa Saber Viver é o que embasa todas as ações. O objetivo principal é promover o bem-estar físico e mental e a integração dos colaboradores por meio de ações diversificadas. Tais iniciativas abrangem desde espaços físicos dedicados 60


ao esporte e lazer, palestras, atendimentos de saúde e eventos comemorativos. Dessa forma, obtém-se o equilíbrio entre vida profissional e pessoal. O Saber Viver é formatado de acordo com as características locais. Entre seus pilares estão o incentivo às mudanças de comportamento para valorização da vida por meio de avaliação, disseminação e reforço da cultura de segurança. Há observação, ainda, de atitudes rotineiras e, quando necessário, são realizadas correções visando à adequação aos padrões de segurança desejados. As caravanas Saber Viver aproximam os responsáveis das atividades operacionais realizadas em campo e, ao disseminar a cultura de segurança, permitem o acompanhamento das inspeções do Índice de Prevenção de Acidentes Laborais (Ipal), que consiste na avaliação de equipamentos, materiais, ferramentas, condições de trabalho e veículos quanto às condições de segurança. Em outra frente, as equipes de segurança do trabalho das distribuidoras da Endesa na América Latina desenvolvem um projeto de intercâmbio para alinhar a metodologia das inspeções do Ipal. A iniciativa, batizada de Inspeções Cruzadas, permite observar as oportunidades de melhoria entre todos os países do grupo. O Sistema de Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho (SGSST), certificado pela norma OHSAS 18001, define as ações necessárias à organização nessa área, além de monitorar os indicadores de acidentes de trabalho e as iniciativas adequadas em casos de não conformidade. A cada dois anos, a área de Segurança do Trabalho, juntamente com as áreas Técnica e Comercial, fazem uma nova análise de riscos, com base nos critérios estabelecidos na legislação brasileira: Programas de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO). Como forma de intensificar os cuidados e reforçar a importância da segurança no trabalho, a Coelce também realiza o Rodeio de Eletricistas, no qual os participantes mostram suas habilidades com a simulação de atividades com a rede elétrica. As empresas de geração e distribuição também possuem certificação OHSAS 18001. O evento tem como objetivo reforçar a cultura de segurança e de respeito à vida, tendo como base os princípios do Saber Viver. O processo de gestão da segurança também é apoiado pelo Comitê Central de Segurança e pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa), que elaboram o plano anual de segurança, realizam inspeções e promovem a Semana Interna de Prevenção de Acidentes (Sipat). No ano, foi registrada redução do número de acidentes: de 15 em 2011 para 5 em 2012, com empregados próprios. Conforme as funções desempenhadas e os riscos gerenciados, colaboradores e parceiros recebem formação de saúde e segurança do trabalho (SST) e equipamentos de proteção individual (EPIs). As orientações são também estendidas aos visitantes. Os acompanhamentos acontecem por meio de inspeções, treinamentos e programas de SST. No período, 100% dos novos parceiros receberam treinamento. Mesmo com esse conjunto de iniciativas, foram registrados três acidentes fatais com trabalhadores parceiros, nas seguintes circunstâncias: choque elétrico e acidente de trânsito. Para cada uma das situações, a companhia promoveu momentos de reflexão com todos os colaboradores transmitidos em videoconferência para os polos da Coelce. Marcelo Llévenes, responsável da Endesa Brasil, ressaltou que o reconhecimento mais importante para o Grupo é colocar a vida em primeiro lugar. Os responsáveis 61


enfatizaram a todos colaboradores a importância da Análise Preliminar de Risco, a utilização adequada dos conjuntos de aterramento e a importância de filmar as atividades.

12 princípios do Saber Viver 1. Coloque a vida sempre em primeiro lugar. 2. Busque estar o tempo todo em seu melhor estado. 3. Busque a perfeição em tudo o que fizer e seja um profissional de respeito, que respeita os outros e se respeita. 4. Tenha em mente, em todos os momentos, que existe sempre alguém lhe esperando no final da sua jornada de trabalho. 5. Cuide de todos ao seu redor como alguém que ama e cuida da própria família. 6. Tenha sempre em mente que a produtividade não pode ser alcançada a qualquer custo, muito menos comprometendo a segurança. 7. Exerça e respeite o direito de recusa sempre que necessário. 8. Seja exemplo de profissional coerente: faça o que diz. 9. Seja um profissional completo, que sempre leva em conta o fator humano em tudo o que faz. Respeite seus limites e os limites dos outros. 10. Esteja sempre alerta e preparado para enfrentar os imprevistos que acontecem. 11. Trate todas as pessoas com justiça, educação e respeito e assegure que os outros façam o mesmo com você. 12. Seja exemplo de otimismo por onde passar.

Mais ações de segurança O Programa Saber Viver reúne uma série de iniciativas com o intuito de promover atitudes preventivas que priorizem o respeito à vida na execução das atividades operacionais e administrativas. Diálogo Semanal de Segurança – Realizada semanalmente, possibilita aos colaboradores esclarecerem suas dúvidas sobre procedimentos de segurança e conhecerem lições aprendidas. Reuniões com empresas parceiras – Apresentação dos planos de segurança, intercâmbio de experiências e monitoramento de resultados. Monitoramento do Índice de Prevenção de Acidentes Laborais (Ipal) – Avaliação de equipamentos, ferramentas, materiais, condições de trabalho e veículos quanto às condições de segurança. Caminhada de Segurança – Visitas de responsáveis em campo com o objetivo de sensibilizar para a importância de cuidado com a vida. Safety Week – Semana em que todos os colaboradores, independentemente da função, vão às ruas acompanhar as atividades de instalação e manutenção de redes e ficam encarregados de observar o comportamento seguro dos colegas. É uma iniciativa mundial promovida pela Endesa e pela Enel, que em 2012 aconteceu entre os dias 9 e 15 de abril. Na Coelce, constou de 56 Safety Walk e 1.964 inspeções em campo. 62


Saúde e qualidade de vida A Coelce acredita que investir em programas e iniciativas focadas na saúde e na qualidade de vida dos colaboradores é uma maneira positiva de contribuir para a construção de um ambiente de trabalho satisfatório e acolhedor. A partir desse conceito, a companhia desenvolve o programa de qualidade de vida Bem Viver, estruturado em cinco pilares: família, cidadania, esporte, saúde e cultura. Sua missão é promover o bem-estar físico e mental e a integração dos colaboradores por intermédio de ações diversificadas, que incluem desde espaços físicos dedicados ao esporte e lazer, até palestras, atendimentos à saúde e eventos comemorativos. Desde 2011, a distribuidora também promove o Coaching de Saúde. O programa consiste na realização de palestras motivacionais e atividades em grupos para funcionários que estejam em situação de sobrepeso ou obesidade e que queiram aderir voluntariamente. Uma equipe especializada monitora as atividades, de modo a contribuir para que todos percam peso com segurança, prezando sempre pela saúde. O acompanhamento é feito a cada três meses. A empresa realiza ainda exames médicos periódicos, de acordo com as características de cada cargo, bem como mantém grande variedade de ações para prevenção e combate dos riscos de doenças. O programa de qualidade de vida Bem-Viver complementa essas ações com o estímulo à pratica de esportes, à alimentação saudável, entre outras. Outra iniciativa diz respeito a programas específicos sobre Aids/DST/HIV e prevenção e tratamento ao uso de drogas e álcool. Atualmente, há quatro empregados dependentes químicos em tratamento e dois soropositivos, cujos custos com coquetel são arcados pelo governo federal. Os programas incluem ações de medicina preventiva com acompanhamento social. Os funcionários internados em hospitais recebem visitas, acompanhamento médico, de enfermagem, social, psicológico, bem como intervenção médica/social e relatórios de evolução do caso e necessidades do paciente para empresa. A Coelce também faz parte do Conselho Empresarial Estadual de Prevenção Aids/DSTS (CEE).

Programa de Qualidade de Vida Bem-Viver Atividades

Descrição

Beneficiados em 2012

Saúde e esporte Circuito da Saúde – Medicina preventiva

Exames de glicemia, colesterol e palestras educativas de saúde realizadas nas localidades do interior do Ceará.

615 participantes

Oficina de Ritmos

Aulas de dança sobre diversos ritmos, nas dependências da empresa, promovidas trimestralmente.

2 oficinas

Campanhas preventivas no período préCarnaval

Orientação, conscientização e educação acerca de HIV/Aids, doenças sexualmente transmissíveis, conscientização sobre drogas, alcoolismo e direção defensiva.

1605 participantes

63


Saúde da Mulher

Prevenção do câncer de colo e diagnóstico precoce do câncer de mama, com ênfase no autoexame das mamas.

482 participantes; 30 encaminhamentos

Saúde do Homem

Orientação e palestras sobre câncer de próstata e peniano, disfunção erétil, consulta preventiva com o médico do trabalho e encaminhamento ao urologista.

1852 participantes; 8 encaminhamentos

Vacinação contra gripe

Objetiva diminuir os casos de estados gripais, bem como os casos mais graves de infecções respiratórias, como sinusite, amigdalite e pneumonias.

1.475 colaboradores

Controle de colesterol

Orientação e controle do colesterol total dos empregados e convocação para consulta com o médico do trabalho.

210 colaboradores

Gestação Saúde

Complemento ao pré-natal e apoio aos futuros pais, podendo participar colaboradores e esposas de colaboradores. Aborda aspectos emocionais da gestante, aleitamento materno, orientação nutricional, atividade física na gestação, técnicas de relaxamento, tipos de parto, acolhimento e cuidado com o recém-nascido.

15 participantes; 7 palestras

Coaching de Saúde

Com uma programação de palestras motivacionais, acompanhamento do peso trimestral, objetiva a prevenção dos fatores de risco, como a obesidade, e a busca por hábitos saudáveis, as equipes do suaram para atingir suas metas.

107 Colaboradores. 7 Localidades.

Saúde em Linha

Orientação para a prevenção dos fatores de risco à saúde, como obesidade, hipertensão, diabetes e sedentarismo, além de incentivar a busca de hábitos saudáveis.

49 participantes

Check up de executivos

Realizado anualmente em hospital especializado, no intuito de acompanhar a saúde e prevenir doenças.

7 colaboradores

Campanhas em datas pontuais

Realização de campanhas com comunicados e palestras em datas como Dia Nacional de Combate ao Tabagismo, Dia de Combate à Hipertensão, Dia de Combate ao Colesterol, Dia Mundial do Coração e Dia Mundial da Luta contra a Aids.

913 beneficiados

Ginástica Laboral

Realizada diariamente nas áreas de trabalho, para minimizar e prevenir as lesões musculares.

Todos os colaboradores

Jogos Bem-Viver Brasil

Inspirados nas Olimpíadas, os jogos são abertos a empregados e parceiros de todas as empresas da Endesa Brasil. Realizados a cada dois anos, contam com oito modalidades de esportes.

59 colaboradores, entre próprios, parceiros e estagiários

Ambiente livre do tabaco

Programa que visa reduzir a prevalência de fumantes na empresa por meio de tratamento com medicação, acompanhamento médico individual, apoio psicológico e palestras motivacionais.

8 participantes

Acompanhamento de empregados afastados

Serviço social acompanha afastados por auxílio-doença e auxílio-doença acidentário.

47 acompanhados

Espaço Bem-Viver

Academia, salão de beleza e restaurante na sede da empresa, em Fortaleza, e aluguel de espaço, quadra e campo para integração e prática esportiva nas unidades do interior do Estado do Ceará.

Todos os colaboradores de Fortaleza, Russas, Messejana, Sobral, Limoeiro, Juazeiro, 64


Maracanaú, Canindé e Itapipoca Equipe de corrida e caminhada

Assessoria de treinos para estimular os hábitos de corrida e caminhada. Os integrantes da equipe participaram ao longo do ano de vários eventos esportivos em Fortaleza.

10 participantes; 4 corridas 50% financiadas

Passeio de bike

Passeios ciclísticos com o objetivo de estimular antissedentarismo e promover a integração família/empresa.

6 passeios; todos os colaboradores.

práticas

Família Incentivo à educação

Homenagem a filhos dos colaboradores que atingiram as melhores médias escolares no ano, com o objetivo de estimular o desenvolvimento e amor pelo saber.

60 premiados

Visita das Crianças

Filhos, sobrinhos e netos de colaboradores e parceiros conhecem um pouco mais do local de trabalho, realizam atividades dinâmicas, visita à Central Geradora Termelétrica e ao Centro de Controle do Sistema.

111 crianças

Festa das Conquistas

Evento que comemora os resultados e as premiações obtidas ao longo do ano.

Cerca de 3.300 participantes

Festa de Natal das Crianças

Um evento cheio de magia e diversão, com o objetivo de integrar a família do colaborador à empresa.

375 crianças em Fortaleza, Região Metropolitana e interior

Canal Você

Canal criado para apoiar e aconselhar empregados e dependentes em casos jurídicos, planejamento financeiro, psicológico e assistência social.

139 utilizações por empregados e dependentes

Kit Nascimento

Entrega do kit Nascimento a todos os colaboradores próprios que acabaram de papai ou mamãe. Presente para o recém-nascido.

16 colaboradores presenteados

Home Office

O Programa Home Office é direcionado aos empregados fixos que exercem atividades analíticas e administrativas (analistas, especialistas e responsáveis). Visa conciliar vida pessoal e profissional.

49 participantes

Orientando o Futuro

Programa de orientação vocacional realizado para filhos, enteados e sobrinhos de colaboradores e parceiros.

41 participantes

Oficina Musical – Coral das Luzes

Preparação vocal, corporal e musical, sob a regência de um maestro. Colaboradores realizam apresentações periódicas para a empresa e com

8 apresentações; 30 integrantes

Cine Bem Viver

Exibição de filmes votados pelos colaboradores, parceiros e estagiários. O título mais votado é exibido a cada 15 dias.

23 exibições; todos os colaboradores

Grupo de Interesse

Grupos de Interesses entre colaboradores, parceiros e estagiários. Interesses comuns, cursos rápidos sobre enologia, culinária, dança, etc.

15 participantes; 7 palestras

Voto consciente

Campanha de conscientização ao voto consciente.

388 participantes

Doação de sangue e medula óssea

Em parceria com o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), a Coelce promoveu campanha para incentivar a doação em todo o Estado e cadastro no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome).

123 colaboradores doadores de sangue e medula óssea

Campanha de Datas Pontuais

Campanha realizada durante o ano, em comemoração às datas pontuais. Dia Internacional da Mulher, Páscoa, Dia do Eletricista, Festa Junina, Dias das Mães e Dia dos Pais, Ato Ecumênico de Páscoa.

850 participantes

Cidadania

65


II Pedalada Contra a Corrupção

Em 09 de dezembro de 2012, a empresa promoveu passeio ciclístico com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para a importância do controle dos recursos públicos e do combate à corrupção.

350 participantes

Em 2012, a Coelce deu início ao projeto de Home Office. A iniciativa consiste na realização de jornadas de trabalho em casa, em dias e horários previamente acordados entre colaborador e empresa, e visa contribuir para a conciliação entre vida profissional, familiar e pessoal, e flexibilidade, ambas previstas no Plano Senda de Responsabilidade Social em Recursos Humanos das empresas Endesa. Além disso, o programa ajuda a fomentar um estilo de gestão sustentado na confiança e no compromisso. O projeto contou com a participação de 49 profissionais. A Coelce preocupa-se em preparação de seus colaboradores para a aposentadoria. Para isso, conta com convênio com a Universidade Sem Fronteiras (Unisf) para realização de programa que cria oportunidades, incentiva a autorrealização pessoal e profissional, eleva a autoestima e melhora a qualidade de vida, sendo aos aposentados de maneira optativa.

INDICADORES SOCIAIS INTERNOS Empregados/ empregabilidade/administradores a) Informações gerais Número total de empregados Empregados até 30 de idade (%) Empregados com idade entre 31 e 40 anos (%) Empregados com idade entre 41 e 50 anos (%) Empregados com idade superior a 50 anos (%) Número de mulheres em relação ao total de empregados (%) Mulheres em cargos gerenciais – em relação ao total de cargos gerenciais Empregados negros (pretos ou pardos) em relação ao total de empregados (%) Empregados negros (pretos e pardos) em cargos gerenciais em relação ao total de cargos gerenciais (%) Estagiários em relação ao total de empregados (%) Empregados do programa de contratação de aprendizes Empregados portadores de deficiência b) Remuneração, benefícios e carreira Remuneração Folha de pagamento bruta Encargos sociais compulsórios Benefícios Educação Alimentação Transporte Saúde Fundação Outros Cultura Segurança e saúde no trabalho

2010 1.308 16% 20% 44% 20% 23% 26% 26%

2011 1.309 18% 21% 39% 22% 23% 27% 27%

2012 1.244 16% 24% 35% 26% 23% 20% 29%

21%

21%

21%

15% 31 61 2010

17% 23 63 2011

18% 26 61 2012

98.036 28.144

114.754 34.112

166.508 33.290

571 6.175 270 8.076 8.958 12.235 90 491

878 7.489 259 8.388 6.071 16.730 117 1.625

507 8.096 196 9.693 5.739 15.335 133 203 66


Capacitação e desenvolvimento profissional Creches ou auxílio-creche Participação nos lucros ou resultados Outros - para Ibase c) Participação nos resultados Investimento total em programa de participação nos resultados da empresa (R$ mil) Valores distribuídos em relação à folha de pagamento bruta (%) Ações da empresa em poder dos empregados (%) Divisão da maior remuneração pela menor remuneração em espécie paga pela empresa (inclui participação nos resultados bônus) Divisão da menor remuneração da empresa pelo salário mínimo vigente (inclui participação nos resultados e programa de bônus) d) Perfil da remuneração - Identificar a percentagem de empregados em cada faixa de salário (R$) Até R$ 1.318,80 De R$ 1.318,81 a R$ 1.649,93 De R$ 1.649,84 a R$ 2.046,55 Acima de R$ 2.046,56 e) Saúde e segurança no trabalho Média de horas extras por empregado/ano Número total de acidentes de trabalho com empregados Número total de acidentes de trabalho com terceirizados/contratados Média de acidentes de trabalho por empregado/ano Média de acidentes com afastamento temporário de empregados e/ou de prestadores de serviço (%) Acidentes que resultaram em mutilação ou outros danos à integridade física de empregados e/ou de prestadores de serviço, com afastamento permanente do cargo (incluindo LER) (%) Acidentes que resultaram em morte de empregados e/ou de prestadores de serviço (%) Índice TF (taxa de frequência) total da empresa no período, para empregados Índice TF (taxa de frequência) total no período, para terceirizados/contratados Investimentos em programas específicos para portadores de HIV (R$ mil) Investimentos em programas de prevenção e tratamentos de dependência (drogas e álcool) (R$ mil) f) Desenvolvimento profissional Perfil da escolaridade – discriminar, em percentagem, em relação ao total dos empregados Ensino fundamental Ensino médio Ensino superior Pós-graduação (especialização, mestrado, doutorado) Analfabetos na força de trabalho (%) Valor investido em desenvolvimento profissional e educação/ Folha de Pagamento Bruta (%) Quantidade de horas de desenvolvimento profissional por empregado/ano

2.648 1.266 8.531 1.173 2010 8.531

2.194 1.547 10.817 0 2011 10.817

3.275 1.165 10.559 153 2012 10.559

8,70% 0% 17

9,43% 0% 17,83

6,34% 0% 49

1,6

1,62

2,78

2010

2011

2012

3,40% 7,40% 11,20% 78,10%

2,21% 3,89 10,38% 83,51%

1,52% 3,37% 12,20% 82,91%

2010 70,22 21 101 0,016 1,03%

2011 80 15 77 0,012 1,21%

2012 5 41 0,001 0,64%

1,14%

0,00%

6,52%

2,27%

0,00%

6,52%

2,31

2,69

0,76

4,6

3,50

1,81

4,3 0

23 27

2,00 0

2010

2011

2012

6,60% 49,10% 35,60% 8,70% 0,00% 2,7%

6,34% 48,43% 35,83% 8,63% 0,00% 1,9%

51 307 467 121 0 2,0%

81,74

97,45

62,86

82

67


g) Comportamento frente a demissões Número de empregados ao final do período Número de admissões durante o período Reclamações trabalhistas Reclamações trabalhistas iniciadas por total de demitidos no período Montante reivindicado em processos judiciais (R$ mil) Valor provisionado no passivo (R$ mil) Número de processos existentes Número de empregados vinculados nos processos h) Preparação para a aposentadoria Investimentos em previdência complementar (R$ mil) Número de beneficiados pelo programa de previdência complementar Número de beneficiados pelo programa de preparação para aposentadoria i) Trabalhadores terceirizados Números de trabalhadores terceirizados/contratados Custo total Trabalhadores terceirizados/contratados em relação ao total da força de trabalho (%) Perfil da remuneração – Identificar a percentagem de empregados terceirizados em cada faixa de salários (R$) Até 1.140 De 1.141 a 2.280 Acima de 2.280 Perfil da escolaridade – em relação ao total de terceirizados (em %) Ensino fundamental Ensino médio Ensino superior, Pós-graduação Índice TG (taxa de gravidade) da empresa no período, para empregados Índice TG (taxa de gravidade) da empresa no período, para terceirizados/contratados j) Administradores Remuneração e/ou honorários totais (R$ mil) (A) Número de diretores (B) Remuneração e/ou honorários médios A/B Honorários de conselheiros de Administração (R$ mil) (C) Número de conselheiros de Administração (D) Número de conselheiros de Administração remunerados (E) Honorários pagos aos conselheiros de Administração (F) Honorários médios pagos (F/E)

2010 1.308 64

2011 1.309 95

2012 1.244 54

39,70% 83.421 16.400 164 164 2010 8.958 3.369 30 2010 7.261 165.644 84,74%

31,56% 55.971 10.550 173 173 2011 6.071 3.430 39 2011 6.300 198.468 63,00%

42,27% 23.751 8.274 81 81 2012 10.533 1.177 62 2012 5.903 217.107 79,8%

96,0% 3,0% 1,0%

95,5% 3,5% 1,0%

87,1% 11,9% 1,0%

6,6% 49,1% 35,6% 4,0% 67 721

4,6% 42,0% 35,8% 4,5% 23 27

3,7% 38,1% 53,3% 4,9% 8 31

2010 ND 11 ND 206,4 11 4 75,3 18,8

2011 ND 11 ND 216,3 11 4 82,6 20,7

2012 4.128 10 413 234,98 11 4 112,24 28,06

68


Clientes e consumidores No período, a Coelce foi eleita pela, quarta vez consecutiva, a melhor distribuidora de energia do País pela Associação Brasileira de Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee). A companhia recebeu ainda, pelo quarto ano seguido, o prêmio de melhor distribuidora de energia da América Latina na categoria Satisfação do Cliente, título outorgado pela Comissão de Integração Energética Regional (Cier). A Pesquisa de Índice de Satisfação da Qualidade Percebida (ISQP) apontou nota de 89,5%, e no Índice Aneel Satisfação do Consumidor (Iasc) a Coelce obteve 62,2%.

Atendimento Para atender adequadamente aos anseios e às necessidades de seus clientes, a Coelce dispõe de diversos canais de atendimento, como Central de Relacionamento telefônica; lojas com atendimento presencial em todos os municípios da área de concessão; totens de autoatendimento; e agência virtual. Em 2012, foram feitos 6,2 milhões de atendimentos aos clientes, sendo 3,1 milhões de contatos telefônicos, 2,6 milhões em lojas e terminais de autoatendimento e 581 mil acessos pela internet (via portal). Desde 1998, a Coelce vem ampliando e modernizando sua central de atendimento telefônico em busca da melhoria contínua; também realiza o monitoramento das ligações por uma equipe especializada. Em 2008, como refinamento, passou a disponibilizar o atendimento exclusivo para deficientes auditivos e, dois anos mais tarde, ampliou a capacidade da Unidade de Resposta Audível (URA) para 60 canais de atendimento e agregou novos serviços automatizados, como aviso de interrupção de fornecimento de energia e informação de atendimento comercial. As lojas de atendimento disponibilizam ao cliente o autoatendimento, que consiste em terminais nos quais é possível solicitar serviço de 2ª via da fatura, fazer reclamações, dar sugestões e realizar consultas; e Ligue Coelce, que são cabines telefônicas dentro de algumas lojas de atendimento, conectadas diretamente ao call center. Proativamente, desde 2005, está em funcionamento o serviço de pré-atendimento ou ‘papafilas’, no qual um atendente aborda o cliente na entrada da loja, faz uma triagem e o direciona para o canal onde será mais rapidamente atendido. Em 2009, a distribuidora implantou o modelo de “atendimento lado a lado”, onde o cliente senta ao lado do atendente no momento de sua solicitação, proporcionando mais transparência e clareza. Um diferencial é o apoio de duas unidades móveis, munidas de posições de atendimento e conexão on-line com o sistema da Coelce, que visitam os bairros da periferia para prestar atendimento aos clientes diretamente nas comunidades. Durante o contato, realizado por meio do projeto “Coelce nos Bairros”, são divulgados avisos e campanhas, bem como captadas as principais demandas e encaminhadas manifestações ao call center, que fica disponível para prestar o pronto atendimento. Esses canais são constantemente monitorados, de modo a mensurar a qualidade do atendimento e das equipes técnicas, bem como o cumprimento de prazos, realização de serviços.

69


Desde 2008, a partir de um projeto piloto, a Coelce adotou como prática o acompanhamento do indicador Solução no 1º Contato. Ele visa solucionar as demandas na primeira interação do cliente com a empresa, independente do canal de contato. Em 2012, 94,81% dos contatos da Diretoria Comercial cumpriram com essa determinação, sendo que essas informações são discutidas e analisadas nas reuniões de coordenação, nas quais são elaborados planos de ação visando a melhoria dos processos. Ouvidoria – A Ouvidoria realizou 15 eventos na comunidade em 2012, com o objetivo de aproximar-se mais dos clientes, ouvir as dúvidas dos consumidores e prestar esclarecimentos sobre os serviços da companhia. É realizada trimestralmente uma pesquisa de satisfação com os clientes que geraram processo administrativo de Ouvidoria e deixaram telefone para contato. No acumulado de 2012, 98,5% dos clientes pesquisados conceituaram a imagem da Coelce em Bom e Excelente, após o atendimento da Ouvidoria. Inclusão – Como parte de suas ações de relacionamento e melhoria no atendimento aos clientes, a Coelce investe em ações inclusivas. Clientes com deficiência visual recebem contas em braile e as Centrais de Relacionamento oferecem serviço de atendimento telefônico gratuito com canais dedicados a clientes com deficiência auditiva. Várias lojas mantêm atendimento em inglês, assim como na Língua Brasileira dos Sinais (Libras), especial para portadores de deficiência auditiva. Em outras lojas, os clientes são direcionados ao back office da Central de Relacionamento, onde o atendimento em inglês é feito por telefone. Novas lojas e agências de atendimento possuem rampa de acesso e banheiros para pessoas com dificuldades de mobilidade, assim como as unidades já existentes são gradualmente reformadas para a instalação dessas facilidades. Há indicação de assento preferencial para idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais. Em algumas unidades, aparelhos telefônicos pelos quais o cliente pode fazer contato com a central telefônica são instalados de forma a que possam ser utilizados por cadeirantes. A Coelce mantém ainda dois programas, que asseguram o acesso à energia para serviços locais de saúde. Para os clientes eletrodependentes, há atualização diária do cadastro desses consumidores, bem como uma sinalização nos sistemas para atendimento em situações de emergência, a fim dar prioridade a essas unidades consumidoras. Também é dada prioridade na normalização de hospitais quando há uma falta de energia não programada. A pesquisa da Abradee de satisfação dos clientes residenciais com a qualidade dos serviços prestados (Índice de Satisfação da Qualidade Percebida – ISQP) apontou índice de 89,5% para a Coelce, o maior do Brasil, levando a distribuidora a ser eleita pelo quarto ano consecutivo a melhor do País. O índice de satisfação geral com a companhia foi de 90,1%. Na Pesquisa de Índice Aneel Satisfação do Consumidor (Iasc), o resultado apontado foi 62,2%, o que indicou sutil redução em relação ao ano anterior (63,2%).

70


Índice de Satisfação da Qualidade Percebida (ISQP) 92,7%

92,2% 89,5% 88,4%

84,3%

2008

2009

2010

2011

2012

A Coelce também recebeu o Prêmio Iberoamericano de Qualidade 2012, reconhecimento máximo concedido pela Fundación Iberoamericana para la Gestión de la Calidad (Fundibeq), pela excelência de sua gestão. A premiação visa reconhecer a excelência da gestão das organizações em contexto internacional, fomentar o desenvolvimento das empresas latinoamericanas, promover a satisfação da autoavaliação e de clientes, e difundir as melhores práticas das empresas premiadas. Com o objetivo de estar cada vez mais próxima dos clientes, a área de Grandes Clientes e Institucionais realizou, em 2012, a primeira edição do Boas-Vindas para receber 31 novos clientes. O evento contou com a participação do presidente da Companhia e com a apresentação da Orquestra de Sopro e Corda do Conjunto Vila Velha.

Uso seguro de energia Atenta às demandas da comunidade, a Coelce promove uma série de ações de orientação e conscientização quanto ao uso seguro da energia elétrica. A empresa acompanha os índices de acidentes com a população e, a partir dessa análise, desenvolve campanhas e materiais educativos, que serão veiculados em rádio, jornal e televisão; contas de luz; espaços no site; folhetos; e em portais, blogs e redes sociais. As campanhas ressaltam aspectos como o risco de soltar balões ou executar obras de construção civil, por exemplo, em regiões próximas às redes elétricas. A distribuidora também patrocina projetos culturais e esportivos alinhados a essa temática. A preocupação com o emprego adequado e seguro de energia permeia todas as fases do ciclo de vida dos serviços.

Ciclo de vida dos serviços Certificação

Processos de planejamento e engenharia, operação técnica e comercial, que possuem normas e procedimentos certificados pela certificação OHSAS 18001. 71


Disposição, reutilização ou reciclagem

Por meio da descontaminação das lâmpadas de prédios próprios e de iluminação pública, acondicionamento correto dos gases dos equipamentos de refrigeração de uso interno e dos refrigeradores trocados pelos projetos de eficiência energética.

Distribuição de energia

Inspeções e manutenções preventivas e corretivas para reduzir a duração e quantidade de interrupção, que podem afetar a saúde e a segurança da população. Busca-se identificar e evitar a ruptura de cabos elétricos, mas, caso ocorram, o sistema elétrico dispõe de mecanismos de automação que desenergizam a rede da área afetada. Para responder às eventuais ocorrências de interrupção de grande porte no sistema, conta com planos de emergência e de contingência.

Geração de energia

Para prevenir acidentes e responder a eventuais situações de emergência, seguemse diretrizes da norma ISO 14001, integradas às OHSAS 18001 e ISO 9001, utilizando procedimentos que auxiliam na prevenção e na redução dos impactos que envolvam explosão ou risco potencial de incêndios e vazamento de produtos químicos, de gases ou de óleos.

Marketing e promoção

Campanhas de comunicação e marketing orientam quanto ao uso seguro e consciente da energia elétrica.

Pesquisa e Desenvolvimento

Pesquisas de pré-testes de conceitos de campanha e sondagem para avaliar a percepção dos clientes em relação à segurança das equipes de campo.

Planejamento de recursos energéticos

Durante a elaboração de projetos de construção de linhas de transmissão e subestações são realizados estudos e, posteriormente, elaborado relatório de impacto ambiental, ambos apresentados ao órgão ambiental para análise e aprovação.

Transmissão de energia

Por meio de inspeções e manutenções preventivas e corretivas que visam à redução dos tempos e da quantidade de interrupção, que podem afetar a saúde e a segurança da população atendida. Para prevenir acidentes e responder a eventuais situações de emergência, seguem-se diretrizes da norma ISO 14001, integradas às OHSAS 18001 e ISO 9001, empregando procedimentos que auxiliam na prevenção e redução dos impactos que envolvam explosão ou risco potencial de incêndios e vazamento de produtos químicos, de gases ou de óleos.

Uso de energia

Iniciativas de orientação para o uso seguro da energia elétrica. São acompanhados os índices de acidentes com a população e, proativamente, elaboradas campanhas e materiais educativos sobre o uso seguro da energia. Incluem mensagens em veículos de comunicação, nas contas de luz, em folhetos disponíveis nas lojas de atendimento, em espaços no site e em redes sociais. Campanhas periódicas destacam aspectos como o risco de soltar pipas ou executar obras de construção civil, consertos de telhado, entre outros, nas proximidades das redes.

Comunicação Para garantir a transparência de seus processos, a Coelce, assim como as demais empresas da Endesa Brasil, segue as determinações do Código de Ética aplicado às empresas Endesa de todo o mundo. De acordo com o documento, os contratos e as comunicações com os clientes, inclusive em mensagens publicitárias, devem: ser claros e simples, formulados em uma linguagem o mais próxima possível dos interlocutores (sem o uso de termos ou cláusulas somente compreensíveis por especialistas, com a apresentação dos preços com impostos incluídos e discriminando claramente o custo de cada serviço ou produto); seguir os regulamentos existentes, sem recorrer a práticas enganosas ou erradas (que possam, 72


por exemplo, representar constrangimento para o consumidor); completas, de modo a não suprimir nenhum elemento relevante para a tomada de decisões por parte do cliente; e estar disponíveis nas páginas da empresa na internet. Todas as informações relativas a eventuais alterações de contratos ou mudanças nas condições econômicas e técnicas de prestação de serviços ou venda de produto, bem como resultados dos controles de conformidade realizados exigidos pelas autoridades reguladoras são comunicados em tempo hábil. Para coibir conflitos de interesses de ordem pessoal ou empresarial, o Código também normatiza a concessão de patrocínios, que devem seguir contratos específicos e apoiar iniciativas que se refiram a temas sociais, ambientais, esportivos, arte e espetáculos, divulgação científica e tecnológica e eventos que ofereçam garantia de qualidade, respondam a necessidades territoriais específicas e se alinhem aos interesses do negócio. A distribuidora publica na conta de energia diversas informações que seguem integralmente as determinações dos contratos de concessão dos serviços de distribuição de energia, conforme Resolução Normativa Aneel nº 414/2010. Além da identificação detalhada do cliente, incluem, por exemplo, data das leituras anterior e atual dos medidores, bem como da próxima leitura prevista; parcela referente a impostos incidentes sobre o faturamento realizado; valor total a pagar; indicadores referentes à qualidade do fornecimento, de acordo com a norma específica; e número de telefones para solicitações e/ou reclamações (da Central de Atendimento e da agência reguladora). As contas podem trazer ainda indicação de fatura vencida e não paga, informando o mês e o valor correspondente das seis faturas mais antigas, no mínimo, e percentual do reajuste tarifário autorizado, entre outros itens. E, no caso de cliente residencial baixa renda, deve ser discriminada a tarifa referente a cada bloco de consumo.

INDICADORES SOCIAIS EXTERNOS Clientes / Consumidores a) Excelência no atendimento Perfil de consumidores e clientes Venda de energia por classe tarifária (GWh): % Total Residencial Residencial baixa renda Comercial Industrial Rural Iluminação pública Serviço público Poder público Consumo próprio Satisfação do cliente Índices de satisfação obtidos pela Pesquisa Iasc /Aneel Índices de satisfação obtidos por pesquisas de outras entidades (Abradee, Vox Populi e outras) e/ou pesquisas próprias - ISQP Abradee Outros - Pesquisa Grandes Clientes (própria)

2010

2011

2012

17,28% 19,42% 20,44% 18,16% 10,86% 4,86% 3,25% 5,73% 0,14%

17,84% 16,46% 24,59% 19,06% 9,25% 5,25% 4,59% 2,82% 0,14%

23,60% 14,70% 20,90% 13,50% 12,80% 4,90% 3,20% 6,20% 0,10%

63,23% 92,20%

Não houve 88,40%

62,21% 89,5%

79,40%

81,80%

78,90% 73


Atendimento ao consumidor Total de ligações atendidas (call center) Número de atendimentos nos escritórios regionais Número de atendimentos por meio de internet Reclamações em relação ao total de ligações atendidas (call center) (%) Tempo médio de espera até o início de atendimento (min.) (call center) Tempo médio de atendimento (min.) (call center) Tempo médio de espera até o início de atendimento (min.) (lojas) Tempo médio de atendimento (min.) (lojas) Número de reclamações de consumidores encaminhadas À empresa À Aneel − agências estaduais / regionais Ao Procon À Justiça Reclamações − Principais motivos Reclamações referentes a prazos na execução de serviços (%) Reclamações referentes ao fornecimento de inadequado de energia (%) Reclamações referentes a interrupções (%) Reclamações referentes à emergência (%) Reclamações referentes ao consumo / leitura (%) Reclamações referentes ao corte indevido (%) Reclamações por conta não entregue (%) Reclamações referentes a serviço mal executado (%) Reclamações referentes a danos elétricos (%) Reclamações referentes a irregularidades na medição (fraude/desvio de energia) (%) Outros (especificar) (%) Problemas de instalação interna na unidade consumidora Tarifas e faturas Custo de Disponibilidade Valores Cobrados na Conta Outros Reclamações solucionadas Durante o atendimento (%) Até 30 dias (%) Entre 30 e 60 dias (%) Mais que 60 dias (%) Reclamações julgadas procedentes em relação ao total de reclamações recebidas (%) Reclamações solucionadas em relação ao numero de reclamações procedentes (%) Quantidade de inovações implantadas em razão da interferência do ouvidor e/ou do serviço de atendimento ao consumidor b) Qualidade técnica dos serviços prestados Duração Equivalente de Interrupção por unidade Consumidora (DEC) geral da empresa – Valor apurado Duração Equivalente de interrupção por unidade consumidora (DEC), geral da empresa – Limite Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), geral da empresa – Valor apurado

3.107.712 2.578.064 468.150 3,2% 0,19 04:26 02:57 04:33

3.277.987 2.797.550 596.931 4,2% 00:27 03:55 03:32 03:48

3.053.558 2.607.008 580.992 0,00% 00:12 03:33 02:50 3:34

382.438 1.056 268 954

814.026 1.439 450 1.201

709.538 2.217 511 946

0,11% 0,00% 92,85% 0,00% 0,12% 0,31% 2,03% 2,72% 1,15% 0,00%

0,43% 0,01% 89,53% 0,00% 0,32% 0,46% 0,63% 0,24% 1,33% 0,05%

1,20% 0,05% 88,70% 0,00% 0,10% 0,24% 0,62% 0,56% 1,18% 0,15%

0,46% 0,45% 0,01%

7,00% 5,10% 1,75% 0,10% 0,05% 0,00%

7,20% 6,04% 0,79% 0,04% 0,33% 0,00%

ND ND ND ND 97%

ND ND ND ND 96%

ND ND ND ND 91,33%

99%

100%

100%

7

4

0

7,54

9,31

4,62

16,73

14,98

5,51

5,61

6,04

8,06

74


Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora (FEC), geral da empresa – Limite c) Segurança no uso final de energia do consumidor Taxa de Gravidade (TG) de acidentes com terceiros por choque elétrico na rede concessionária Número de melhorias implementadas com o objetivo de oferecer produtos e serviços mais seguros

14,67

12,64

8,42

2.274

1.383

1.588

2

ND

ND

Fornecedores A Coelce busca estender os impactos positivos destinados ao seu público interno para toda a sua cadeia de negócio. Exige que as empresas parceiras e os fornecedores sigam as mesmas diretrizes e valores corporativos, de modo a agir com simplicidade e proximidade nas relações de trabalho, incentivar o desenvolvimento de competências e conquistar excelência no desempenho operacional e no atendimento aos clientes. Além disso, é exigido respeito e cumprimento a práticas de investimento e processos de compra, sem distinção em relação à origem ou localização dos fornecedores. As empresas fornecedoras são divididas em três grupos: fornecedores de energia, de serviços e de equipamentos e materiais. No final de 2012, eram mantidos 661 fornecedores, dos quais 442 de serviços e 219 de materiais, além de supridores de energia. Os principais supridores de energia foram as empresas Central Geradora Térmica Fortaleza (CGTF), Centrais Elétricas Furnas e Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), além dos volumes adquiridos em leilões regulados pela Aneel. No ano, a compra total foi de 9.296 GWh. O valor pago por insumos adquiridos de terceiros totalizou R$ 1.851 milhões (compra de energia elétrica, materiais e serviços). As demandas dos fornecedores de materiais e serviços são consideradas fundamentais para a construção do planejamento estratégico da cadeia de suprimentos. Gestores de contratos e proprietários das empresas parceiras analisam conjuntamente oportunidades de melhorias no relacionamento entre as partes e planos de ação são contemplados tanto no planejamento da contratante quanto da contratada. A Ouvidoria dos Fornecedores é o canal de comunicação responsável pelo recebimento de reclamações, sugestões ou comentários pelo e-mail fornecedores@endesabr.com.br. O monitoramento do desempenho dos prestadores de serviço estratégicos é realizado trimestralmente baseado em indicadores que compõem o Índice de Parceria (InPar). Os critérios consideram aspectos como satisfação dos clientes e dos trabalhadores, segurança, gestão empresarial e sustentabilidade. Com o InPar, a distribuidora tem obtido maior controle dos processos, com redução de custos e otimização das ações; melhor conhecimento das ações realizadas pelos parceiros; e elaboração de trabalhos conjuntos. Além disso, o reconhecimento das melhores práticas tem ajudado os parceiros a evoluir na gestão de seus negócios, de maneira mais sustentável. A empresa conjuga três cadastros para seleção e habilitação de fornecedores, sendo o sistema Aquiles, que, com auxílio de consultoria contratada, faz uma avaliação econômica, financeira e jurídica das empresas; o cadastro global da Enel, em processo de implantação no Brasil por meio da sistematização de 75


famílias de materiais, cujos fornecedores recebem habilitação válida em nível mundial; e o cadastro América Latina da Endesa, também em fase de adesão, pelo qual está sendo feita a especificação dos serviços homologados, para posterior registro de fornecedores. A homologação funciona como préqualificação, com validade de três anos, tornando o fornecedor automaticamente apto a participar das licitações da empresa, mas pode ser encerrada a qualquer momento, em caso de constatação de irregularidades. Em 2012, foi consolidado o Plano de Choque de Segurança para parceiros, em política global da Endesa. Empresas que prestam serviços de risco, como operações com energia ou trabalho em altura, passam por auditoria de segurança que avalia sua documentação e o grau de organização da segurança apresentado. A partir de 2013, só serão contratadas empresas que apresentarem essa qualificação. Também passou a ser exigido, nos processos de seleção, que as empresas que prestam serviços estratégicos sejam certificadas pelas normas ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 – as empresas que não têm a certificação precisam apresentar plano para implantação em 12 meses ou não podem participar do processo. A totalidade dos contratos inclui o Código de Ética da Endesa, os dez princípios do Pacto Global e o compromisso com a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Os contratos de investimentos considerados significativos se referem a obras de expansão e melhorias e têm valores que exigem a aprovação dos comitês de aprovisionamento da Endesa no Chile (acima de € 2 milhões) e na Espanha (mais de € 12 milhões). Em 2012, 100% desses contratos incluíram cláusulas de direitos humanos. Periodicamente, são realizadas inspeções nos fornecedores que realizam serviços estratégicos – 100% deles tiveram avaliações referentes a direitos humanos em 2012, e não foram identificadas irregularidades. A empresa não identifica em suas operações, nem nas de fornecedores, riscos significativos de ocorrência de trabalho infantil ou escravo ou ameaças à liberdade de associação. Em 2012, foram auditados 100% do total dos contratos firmados neste mesmo ano com parceiros, sendo que todos estavam com os processos em conformidade com o estabelecido. Além disso, os contratos possuem cláusulas que proíbem o trabalho infantil e forçado e, quando realizadas as inspeções em campo em 100% das empresas, ficou comprovada a não ocorrência dessas atividades. As empresas contratadas estão sujeitas a auditorias trabalhista, fiscal e financeira, que consistem na revisão do processamento, pagamento e adequação às obrigações referentes aos empregados.

Origem dos fornecedores Nº de fornecedores

Materiais Fornecedores locais Fornecedores nacionais Fornecedores globais Serviços Fornecedores locais Fornecedores nacionais Fornecedores globais

219 41

Volume – nº de contratos (%) 100% 20%

Total do valor (R$ / %) 100% 30%

Valor (R$ mil) 70.481 21.277

165

75%

64%

45.123

13

5%

6%

4.082

442 300

100% 50%

100% 94%

4.405.909 4.124.547

11

48%

6%

276.397

131

2%

0%

4.966

76


Reconhecimento Anualmente é promovida premiação nacional aos fornecedores que apresentaram melhor desempenho, por empresa e em diferentes categorias. Voluntariamente, a Endesa Brasil incentiva a participação de seus prestadores de serviço no ranking das 100 Melhores Empresas Para se Trabalhar, do Instituto Great Place to Work. A iniciativa procura contribuir para o desenvolvimento do ambiente de trabalho nas empresas e para seu melhor desempenho corporativo.

Prêmio Qualidade 2012 Categoria Serviços estratégicos Prestador de serviços Fornecedores de materiais Grupo I Grupo II Grupo III Destaques Destaque Brasil Destaque Responsabilidade Socioambiental Destaque Saber Viver

Empresa Ceneged Landis Gyr, Coppersteel, Romagnole Romagnole, Milano, KRJ Cooper, Skaiteks, Delmar Ceneged Bertranspe Proinco

INDICADORES SOCIAIS EXTERNOS Fornecedores 2010 2011 Quanto a trabalho infantil, trabalho forçado e condições de saúde e segurança no trabalho, etc. a) Seleção e avaliação de fornecedores

2012

Fornecedores inspecionados pela empresa/total de fornecedores (%) Fornecedores não qualificados (não conformidade com os critérios de responsabilidade social da empresa) /total de fornecedores (%) Fornecedores com certificação SA 8000 ou equivalente / total de fornecedores ativos (%) b) Capacitação de fornecedores Número de capacitações oferecidas aos fornecedores Número de horas de treinamento oferecidas aos fornecedores

100% 0%

100% 0%

100% 0%

ND

ND

ND

6.058 364.523

9.299 285.178

6.078 234.200

77


Comunidade As ações de Responsabilidade Social Corporativa da Coelce visam promover iniciativas autossustentáveis de educação, geração de renda, assistência social, preservação ambiental, incentivo ao esporte e valorização da cultura local. No ano de 2012, a companhia destinou R$ 23,6 milhões para ações socioambientais e beneficiou 2.612 mil pessoas.

Projetos socioambientais Área Cultura Desenvolvimento comunitário Educação Efic. Energética e desenv. socioeconômico Bem-estar social Total

R$ mil 11.821 158 930 10.660 26 23.595

Beneficiados 1.869.194 1.728 27.744 120.837 476 2.019.979

Os principais investimentos e projetos têm como foco as comunidades de baixa renda, que em 2012 representaram aproximadamente 50% das unidades de consumo existentes na área de concessão da empresa. As necessidades são levantadas por meio de reuniões com lideranças comunitárias, organizações não governamentais representantes da sociedade civil e entidades governamentais. Os investimentos ocorrem com serviços comerciais e atividades educativas, por meio do projeto Coelce nos Bairros, que realiza parcelamentos de débitos com taxas diferenciadas e orientação para enquadramento na tarifa baixa renda. Também é promovido em espécie e por atividades pro bono nos projetos Energia Social, Troca Eficiente, Ecoelce, Coelce nas Escolas, Coelce Cultural, Coelce Solidária e Rede de Lideranças 78


Comunitárias. Os principais impactos são o desenvolvimento social, por meio da geração de renda, educação e cultura. Pela natureza de seu negócio, a Coelce assume caráter social já em sua atividade cotidiana, o que atribui especial valor à atuação de seus colaboradores, diretamente responsáveis pelo fornecimento de eletricidade a milhares de pessoas. A companhia também está engajada em iniciativas relativas a aspectos como ética, direitos humanos e desenvolvimento sustentável, a exemplo do Pacto Global, dos Oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo e do Pacto Empresarial pela Integridade e Contra a Corrupção.

Fontes de recursos socioambientais e culturais Recursos próprios Incentivos fiscais Fundo Estadual da Cultura Sistema Estadual da Cultura Lei Rouanet Fundos para a Infância e Adolescência Lei de Incentivo ao Esporte Eficiência energética Total (R$ mil)

2010

2011

2012

834 14.386 3.949 5.446 3.374 783 834 16.100 31.320

329 13.665 5.805 4.043 2.680 680 457 18.645 32.639

283 11.821 2.915 7.746 1.110 50 0 11.491 23.494

Luz Solidária O projeto Luz Solidária foi criado em 2009 e consiste no incentivo à substituição de eletrodomésticos antigos e ineficientes por aparelhos reconhecidamente eficientes, com selo Procel-Inmetro, aos clientes residenciais, por meio de subsídios para a aquisição dos equipamentos, visando à redução do consumo de energia e retirada de demanda na ponta do sistema. Para ter direito ao subsídio o cliente deve entregar o equipamento antigo e fazer uma doação, cujo valor é definido por tipo de equipamento, para um projeto social, cuja carteira de projetos é definida pela Coelce. Em 2012 foi finalizado o terceiro ciclo do programa que beneficiou 12.152 clientes e 31 projetos sociais. A Coelce conta com diversas lojas cadastradas no Estado do Ceará que, no momento da compra, concede ao cliente um desconto na compra de um novo equipamento e este, por sua vez, seleciona um dos projetos sociais cadastrados no Luz Solidária para dividir o valor recebido. O cliente entrega o equipamento antigo, que é 100% reciclado pela Coelce.

Troca Eficiente O projeto Troca Eficiente visa combater o desperdício de energia elétrica nas residências dos consumidores de baixo poder aquisitivo, contribuindo para ampliar a consciência na mudança de hábitos e comportamento no uso racional, eficiente e seguro da energia elétrica. Inclui ações educacionais, troca de geladeiras e substituição de lâmpadas. Uma geladeira nova, por exemplo, pode consumir até 70% menos 79


que um equipamento antigo, menos ecoeficiente. Em 2012, foram investidos R$ 6.549 mil, uma redução de 48% em relação ao ano anterior, quando a companhia investiu R$ 12.499 mil. Em 2012, foram beneficiadas 79 comunidades cearenses e 41.966 clientes, com a doação de 5.956 geladeiras e a troca de 83.931 lâmpadas. No total, ação beneficiou 167.864 pessoas, entre clientes e familiares.

Coelce Cultural Consiste no apoio e patrocínio às várias iniciativas nas áreas de audiovisual, literatura, dança, música, circo, patrimônio imaterial, entre outras, que beneficiaram cerca de 1,8 milhão de pessoas em 2012. Os projetos são financiados com recursos renunciados pelos governos federal e estadual relativos ao imposto de renda, como Lei Rouanet, Lei do Esporte e Fundo para a Infância e Adolescência; e ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), como Mecenato Estadual e Fundo Estadual da Cultura (FEC), respectivamente.

Ecoelce O Programa Ecoelce nasceu em 2006 como um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento e, em 2007, foi inaugurado em Fortaleza o primeiro ponto fixo. Hoje, o Ecoelce faz parte do Programa de Eficiência Energética regulado pela Aneel e consiste na participação de clientes da empresa trocando resíduos recicláveis por descontos na conta de energia. De sua criação até dezembro de 2012, quase 50 GWh de energia foram economizados com a reciclagem de resíduos, 420 mil clientes cadastrados, mais de 13.700 toneladas recicladas e aproximadamente 1,6 milhão distribuídos em bônus nas contas de energia dos clientes. O programa estimula a troca de resíduos recicláveis por descontos na conta de energia elétrica e é a principal referência entre as iniciativas de desenvolvimento sustentável promovidas pela companhia. A bonificação tem grande impacto para os clientes de baixa renda, auxiliando na redução das despesas familiares. Em 2012, o programa foi reconhecido pela Secretaria Geral da Presidência da República entre as 51 melhores práticas para o desenvolvimento do País.

Coelce nas Escolas O projeto Coelce nas Escolas é uma aplicação do tema educação ambiental, conforme metodologia Procel nas Escolas, como forma básica de assimilação por parte de educadores, professores, alunos e de suas comunidades dos princípios e procedimentos para o combate ao desperdício de energia elétrica, ressaltando a importância de usar da melhor forma a energia, sem tirar o conforto, otimizando as condições para melhoria da qualidade de vida de todos que habitam em nossa comunidade. Em 2012 foi dada continuidade ao ciclo iniciado em 2011, tendo capacitado, ao final 808 professores de 100 escolas públicas do Ceará e beneficiado com à visita à Nave Coelce, equipamento de educação ambiental, 10.113 alunos.

80


Energia social Iniciativa visa favorecer a geração de renda em áreas com baixo Índice de Desenvolvimento Humano, por meio do melhoramento das técnicas artesanais, da criação de novos produtos e da inserção de jovens no mercado de trabalho. Em 2012, o programa capacitou e acompanhou o processo de incubação de dez comunidades; inaugurou a comercializadora Giro Social, incluindo site de vendas e espaço de exposição permanente; executou quatro cursos profissionalizantes; e implantou o grupo infantil de flauta doce dentro do projeto Energia em Movimento; realizou quatro bazares; viabilizou a participação dos grupos produtivos em seis feiras de economia solidária; e realizou duas oficinas de orientação para o mercado.

Iniciativa Troca Eficiente – Combate ao desperdício de energia elétrica nas residências dos consumidores de baixo poder aquisitivo, contribuindo para ampliar a consciência na mudança de hábitos e o comportamento de uso racional, eficiente e seguro da energia elétrica. Inclui ações educacionais, troca de geladeiras e substituição de lâmpadas incandescentes por lâmpadas compactas eficientes com selo do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel). Em 2012, foram beneficiadas 79 comunidades cearenses e 41.966 clientes, com a doação de 5.956 geladeiras e a troca de 83.931 lâmpadas. Ecoelce – Programa consiste na participação de clientes que trocam resíduos recicláveis por descontos na conta de energia. O Ecoelce nasceu em 2006, como um projeto de Pesquisa e Desenvolvimento, e, em 2007, foi inaugurado em Fortaleza o primeiro ponto fixo. Hoje, faz parte do Programa de Eficiência Energética regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Energia Social – Projeto busca favorecer a geração de renda em áreas com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), por meio do melhoramento das técnicas artesanais, da criação de novos produtos e da inserção de jovens no mercado de trabalho. Em 2012, capacitou e acompanhou o processo de incubação de dez

Benefícios para a sociedade • Redução do desperdício de energia elétrica nas residências dos clientes classificados como baixa renda. • Incentivo à mudança de hábitos e comportamentos no uso da energia elétrica.

•Ampliação da consciência ambiental e de atitudes cidadãs e éticas, com menos lixo enviado para aterros sanitários. • Economia de energia para extrair da natureza as matérias-primas e transformá-las nos produtos. • Redução de custo dos municípios no tratamento desses resíduos. • Possibilidade de o cliente liquidar as faturas de energia. • Economia de energia elétrica pela reciclagem. • Preservação dos recursos naturais. • Redução do descarte de resíduos sólidos nas vias urbanas. •Melhoria na qualidade de vida da população, com redução do lixo urbano. • Destinação correta dos resíduos recolhidos. Em 2012, o programa capacitou e acompanhou o processo de incubação de dez comunidades; facilitou o ingresso de 16 jovens no mercado de trabalho (totalizando 63 jovens acompanhados pelo programa); desenvolveu e produziu com as comunidades atendidas os

Nº de beneficiados 41.966 familias,

419.519clientes cadastrados e 33.871 clientes ativos

345 famílias em 2012, com impacto indireto para 1.313 pessoas

81


comunidades, inaugurou a comercializadora Giro Social (incluindo site de vendas e espaço de exposição permanente), executou quatro cursos profissionalizantes, criou um grupo infantil de flauta-doce como parte do projeto Energia em Movimento, realizou quatro bazares, viabilizou a participação dos grupos produtivos em seis feiras de economia solidária e realizou duas oficinas de orientação para o mercado. Coelce nos Bairros – Iniciativa dissemina informações comerciais sobre a empresa, uso seguro e consciente da energia elétrica, facilidade do atendimento e direitos do consumidor de energia elétrica. Em 2012, promoveu cinco ações sociais, levando serviços de saúde e cidadania às comunidades, e cinco apresentações de teatro de fantoches, que abordaram os riscos associados à brincadeira com pipa. Ocorreram 188 encontros com a comunidade, com foco em informações sobre o uso seguro e consciente da energia elétrica, tarifas, direitos e deveres do consumidor, divulgação dos canais de atendimentos e procedimentos comerciais com maior demanda por informação. Rede de Lideranças Comunitárias – Encontros com lideranças comunitárias buscam favorecer relação de parceria e proximidade entre os clientes de comunidades da periferia de Fortaleza e das regiões Metropolitana, Norte e CentroNorte, contribuindo para a redução de conflitos de interesses a partir da adoção de novas formas de relação cliente-empresa. No ano, foram realizados 48 encontros, quatro edições do curso Agente Coelce (que capacitou 73 líderes como multiplicadores de informações da companhia nas comunidades) e dois cursos de elaboração de projetos sociais (que capacitaram 46 integrantes das associações que compõem a rede). Com o apoio dos líderes, foi ainda implantado o projeto Energia Segura da Rede, com a realização de 32 palestras sobre segurança da população que atingiram 1.121 pessoas nas comunidades. Coelce Solidária – Arrecadação de recursos doados por clientes por meio da conta de energia e repasse para entidades que atendem públicos em estado de vulnerabilidade social, com foco para serviços de saúde pública e assistência a criança e adolescente. Em 2012, contou com 224.971 clientes doadores. Luz Solidária – O programa incentiva clientes residenciais a substituírem eletrodomésticos antigos por aparelhos reconhecidamente eficientes, por meio de subsídios para a aquisição dos equipamentos. Objetivos são a redução do

brindes corporativos utilizados pela empresa; executou a campanha União da Solidariedade, que presenteou 4.150 crianças com brinquedos artesanais, gerando, com essas, iniciativas mais de R$ 450 mil em renda para as famílias atendidas.

• 17.369 clientes tiveram acesso à educação para o consumo de energia elétrica, favorecendo uma melhoria na qualidade a partir da renda familiar disponível. • 5.891 famílias beneficiadas com a distribuição lâmpadas econômicas. • 8.502 pessoas beneficiados com serviços de saúde e cidadania oferecidos pela ação social. • 363 pessoas negociaram dividas com condições especiais e legalizaram sua situação com a companhia.

211.624 pessoas

• Acesso a conhecimentos a partir da troca de experiências, potencialidades e desafios comuns. • Formação para a gestão social, parcerias e captação de recursos. • Acompanhamento permanente de demandas da comunidade por meio do agente Coelce, a exemplo de encaminhamentos para o parcelamento de dívidas, enquadramento em tarifa social baixa renda, etc.)

73 líderes comunitários e 1.383 pessoas das comunidades atendidas

• Fonte adicional de receita para as entidades do terceiro setor participantes, o que permite ampliar seus atendimentos a comunidades de baixa renda, público-alvo das entidades parceiras.

497 mil pessoas atendidas pelas entidades beneficiadas

• Economia de energia elétrica. • Geração de renda pela execução de projetos sociais a partir das doações de clientes que compram eletrodomésticos nas lojas participantes.

-

82


consumo de energia e a retirada de demanda na ponta do sistema. Para ter direito ao subsídio o cliente deve entregar o equipamento antigo e fazer uma doação para um dos projetos sociais apoiados pela Coelce. O valor da doação é definido por tipo de equipamento. São beneficiados com o projeto todos os municípios da área de concessão da Coelce onde as redes de lojas varejistas credenciadas estão presentes. Em 2012 foi feito pagamento de despesas remanescentes do projeto, realizado em 2011. Coelce nas Escolas/Nave Coelce – Projeto de educação ambiental destinado a educadores, professores, alunos e comunidades. Com base na metodologia “A Natureza da Paisagem – Energia Recurso da Vida” do Procel nas Escolas, busca a assimilação de princípios e procedimentos para o combate ao desperdício de energia elétrica. Ressalta ainda a importância de usar a energia da melhor forma para a melhoria da qualidade de vida.Procura sensibilizar sobre a importância do envolvimento da escola para o sucesso do projeto e distribui gratuitamente material às escolas. Na execução do projeto são realizadas lúdicas da Nave Coelce - Planeta Futuro, que apresenta aos "passageiros" o caos ambiental que o mundo sofre e propõe como resolver ou amenizar tantos problemas, com jogos interativos e vídeos em 3D. Em 2012, foram capacitados 808 professores de 100 escolas e a Nave Coelce recebeu 10.113 visitantes. Número total de beneficiados indiretos chega a 40.400 alunos, por assimilação da metodologia aplicada em sala de aula. Apoio aos Direitos de Crianças e Adolescentes – Doação para projetos sociais aprovados pelos Conselhos dos Diretos da Criança e do Adolescente. As atividades visam garantir os direitos de crianças e adolescentes em situações de vulnerabilidade social, tais como dança, leitura, esporte etc. Coelce Cultural/FEC – Destina recursos para fomento à cultura cearense, viabilizando a manutenção de equipamentos culturais do Ceará realizada pela Secretaria de Cultura por meio de editais públicos. Abrange projetos de teatro, dança , audiovisual, literatura, música, circo, patrimônio imaterial etc. As iniciativas são executadas por entidades que têm seus projetos aprovados pela Secretaria de Cultura e executados por meio do Fundo Estadual de Cultura (FEC) . Secretaria calcula que projeto beneficia 1 milhão de pessoas. Coelce Cultural/Siec – Apoio ao desenvolvimento de projetos de entidades para fomento à cultura

• Envolvimento dos clientes no desenvolvimento das comunidades com vulnerabilidade socioeconômica. • Preservação ambiental pelo descarte correto dos resíduos dos eletrodomésticos entregues após a compra dos novos aparelhos. • O ciclo III desse programa, iniciado em 2011, beneficiou 12.156 clientes diretamente. • Educação e conscientização sobre consumo sustentável. • Orientações sobre o uso correto e seguro da energia elétrica • Orientação técnica para instalações residenciais.

808 professores e 10.113 alunos de escolas públicas

• Ampliação do acesso a projetos que resguardam os direitos de crianças e adolescentes em áreas de elevada vulnerabilidade social, tais com riscos de trabalho infantil, violência, etc.

2.500 crianças e adolescentes atendidas pelo projeto beneficiado

• Ampliação do acesso às várias manifestações culturais do Ceará • Democratização da produção cultural.

1 milhão de pessoas atendidas pela Secretaria de Cultura, beneficiária do recurso.

• Ampliação do acesso às várias manifestações culturais do Ceará

797.578 pessoas atendidas pelos 83


cearense, nas áreas de literatura, dança, música, patrimônio imaterial, entre outros. Os recursos são oriundos do Sistema Estadual de Cultura (2% do ICMS a recolher). Coelce Cultural/Rouanet – Programa de apoio e incentivo à cultura cearense de projetos culturais de entidades, a partir da destinação de 4% do Imposto de Renda devido. São apoiados projetos de literatura, dança, música, patrimônio imaterial, entre outros. Iniciativas beneficiaram diretamente 68.345 pessoas em 2012. Baú de Leitura – Projeto que tem como objetivo a inclusão social por meio da educação e estímulo ao exercício da cidadania. São doados livros novos a entidades e bibliotecas de comunidades de baixa renda. Além disso, são realizadas atividades de contação de histórias como meio de incentivo ao uso do acervo. Em 2012, foram entregues Baús para as entidades beneficiadas e apresentações para o público, com contação de histórias.

• Democratização da produção cultural.

projetos beneficiados

• Ampliação do acesso da população às várias manifestações culturais do Ceará.

68.345 pessoas atendidas pelos projetos beneficiados

• Contribuição para o desenvolvimento local por meio da educação e leitura.

14.525 alunos de escolas públicas

INDICADORES SOCIAIS EXTERNOS Comunidade a) Gerenciamento do impacto da empresa na comunidade de entorno Número de reclamações da comunidade - impactos causados pelas atividades da empresa Número de melhoras implantadas nos processos da empresa a partir das reclamações da comunidade b) Envolvimento da empresa em sinistros relacionados com terceiros Montante reivindicado em processo da empresa a partir das reclamações da comunidade (R$ mil) Valor provisionado no passivo (R$ mil) Número de processos judiciais existentes Número de pessoas vinculadas nos processos c) Tarifa de Baixa Renda Número de clientes/consumidores com tarifa de baixa renda Total de clientes/consumidores com tarifa de baixa renda em relação ao total de clientes/consumidores d) Envolvimento da empresa com ação social* Recursos aplicados em educação (R$ mil) Recursos aplicados em saúde e saneamento (R$ mil) Recursos aplicados em cultura (R$ mil) Outros recursos aplicados em ações sociais (R$ mil)

2010

2011

2012

25

71

142

ND

ND

ND

2010

2011

2012

2.972

14.525

9.055

14,7 183 183

17,9 189 189

643 112 112

2010 1.704.680 73%

2011 1.122.859 35%

2012 1.211.463 49,9%

2010 379 0 12.769 184.027

2011 300 0 12.528 113.326

2012 99 0 11.771 60.141 84


Valor destinado à ação social (não incluir obrigações legais, nem tributos, nem benefícios vinculados à condição de funcionários da empresa) Do total destinado à ação social, percentual correspondente a doações em produtos e serviços (%) Do total destinado à ação social, percentual correspondente a doações em espécie Do total destinado à ação social, percentual correspondente a investimentos em projetos social próprio Empregados que realizam trabalhos voluntários na comunidade externa à empresa / total de empregados (%) Quantidade de horas mensais doadas (liberadas do horário normal de trabalho) pela empresa para trabalho voluntário de funcionários Consumidores cadastrados no programa Bolsa Família/ Número de consumidores do segmento "baixa renda" (%) e) Envolvimento da empresa em projetos culturais, esportivos, etc. (Lei Rouanet)

834

329

283

98,00%

95,39%

95,94%

2,00%

4,61%

4,06%

92,73%

89,17%

83,57%

1,83%

5,05%

5,71%

ND

1.164

628

41,6%

100%

100%

2010

2011

2012

Montante de recursos destinados aos projetos (R$ mil) 3.374 Número de projetos beneficiados pelo patrocínio 21 Montante de recursos destinados ao maior projeto (R$ mil) Orquestra Filarmônica do Ceará 769 Cine Ceará Produção Cultural Audiovisual Cearense - Fase II *Dados extraídos dos Indicadores Sociais Externos- Balanço Social (modelo Ibase)

2.680 16

1.110 6

450 -

550

85


Governo e sociedade Desde 2011, todas as empresas Endesa Brasil atuam conforme as Normas Éticas da Endesa S.A, com base nos princípios do Pacto Global, acrescido, a partir de 2012, pelo Código de Ética, pelo Plano de Tolerância Zero à Corrupção e pelas Diretrizes 231. Administradores, colaboradores, parceiros e fornecedores têm suas responsabilidades e compromissos definidos no Código de Ética. A companhia tem como regra combater a corrupção em todos os níveis, como signatária e alinhada ao décimo princípio do Pacto Global. Para tanto, dispõe em quadros no local de trabalho, na intranet, no site corporativo e em anexos de contratos todos estes valores. O Plano de Tolerância Zero à Corrupção consiste no compromisso de lutar contra a corrupção, de acordo com princípios do Pacto Mundial e critérios recomendados pela organização não governamental Transparência Internacional. Já o decreto italiano 231/01 define as Diretrizes 231 e estabelece um programa de cumprimento com a identificação dos comportamentos esperados das partes relacionadas das subsidiárias não italianas da Enel. Além disso, as Normas de Ética observam os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos, das Declarações de Princípios da Organização Internacional do Trabalho (OIT), dos Princípios do Pacto Global e dos Objetivos do Milênio. Trabalho análogo à escravidão e exploração infantil são inaceitáveis tanto na empresa quanto em seus fornecedores. A área de Compliance, criada em 2010, está ligada administrativamente à holding Endesa Brasil e, de forma matricial, com dependência funcional à Endesa S.A., na Espanha. Fazem parte do escopo desta área a implantação e o monitoramento dos mecanismos de controle que dão cobertura aos requerimentos legislativos com relação à prevenção de delitos, à auditoria do Sistema de Controle Interno da Informação Financeira da Coelce e ao estabelecimento e operação de controles que previnam o risco de fraude, além da gestão do Canal Ético. A cada semestre, a área revisa o Modelo de Controles Internos e produz relatórios por processo com os principais riscos afetados, fraquezas identificadas, bem como recomendações e melhorias nos controles internos para minimizar os riscos envolvidos. Com base nessas recomendações, cada responsável pelo processo elabora um plano de ação cuja implantação é acompanhada pela direção e também pela Unidade de Controle Interno (UCI). Em cumprimento ao Código Penal da Espanha, Diretrizes 231 da Itália e a Lei 20.393 do Chile, em 2011 a área de Compliance realizou o mapeamento de riscos penais entre as áreas e, a partir de 1º de janeiro de 2012, as empresas Endesa Brasil passaram a aplicar o Modelo de Prevenção de Riscos Penais (MPRP). O MPRP é um sistema de controle desenhado para prevenir que se concretizem possíveis delitos (previstos na legislação comentada acima) dentro da empresa, que por sua vez possam acarretar consequências penais para Endesa e Enel.

86


Ações contra a corrupção A Coelce tem no Programa Boas-Vindas seu primeiro canal para difusão de seu ideário de combate à corrupção. Esses valores são repetidos em treinamentos específicos para gestores de contratos. No ano, 100% das unidades de negócios foram avaliadas por auditorias internas, que prevêem riscos de fraude e corrupção. Em caso de identificação de episódios de corrupção, colaboradores são desligados e fornecedores têm os contratos rescindidos, além de ficarem sujeitos à aplicação das medidas legais. Desde 2010, a distribuidora também possui parceria com a Controladoria Geral da União (CGU) – sede Ceará, cujo objetivo é discutir a temática do combate à corrupção entre os colaboradores. Em 2012 foi realizada a 2ª edição da Pedalada Contra a Corrupção. O evento, organizado pela companhia, ocorreu dia 09 de dezembro e contou com a parceria institucional do Ministério Público do Ceará e da Controladoria Geral da União – núcleo Ceará. Participaram do evento cerca de 400 pessoas, num percurso de 15 km em Fortaleza.

Ferramentas de controle A Coelce conta com o apoio de diferentes instâncias de avaliação e controle para que o correto encaminhamento seja dado às ações identificadas como antiéticas pela companhia. Auditoria Interna – A Coelce dispõe de equipe de auditoria interna cuja missão é prover o Conselho de Administração e a Diretoria-Executiva de uma segurança razoável de que os sistemas de controle interno estão bem-concebidos, efetivamente administrados e contribuem para a criação de valor. Para tanto, possui um programa anual de auditoria coordenado em nível corporativo que fiscaliza o cumprimento de normas e procedimentos, reforçando sua autonomia de atuação em relação à diretoria de cada empresa integrante da Endesa. A auditoria interna está ligada administrativamente à holding Endesa Brasil e, desde 1997, atua de modo matricial, com dependência funcional à Endesa S.A., na Espanha. Esse modelo assegura independência da área para o desenvolvimento de suas atividades e permite intercâmbio constante de práticas e conhecimentos. As auditorias internas são planejadas considerando, entre outros aspectos, risco de fraude e corrupção aos quais estão sujeitos os processos e, ao longo do tempo, abrangem todas as áreas da companhia. Em 2012, 100% das unidades de negócios foram avaliadas. Comitê de Ética – Composto pelo presidente, diretores, Auditoria e Ouvidoria Interna, reúne-se sempre que necessário, ou a cada semestre, para avaliar ocorrências que representem violação ao Código de Ética. Canal Ético – Atende às exigências da Lei Sarbanes-Oxley, dos Estados Unidos. Disponível na intranet e internet, recebe denúncias sobre práticas corporativas inadequadas referentes a contas e auditorias, confidencialidade, apropriação indevida, conflitos de interesses, meio ambiente, saúde e segurança e problemas com prestadores de serviços e fornecedores Unidade de Controle Interno – Criada para atender aos requisitos da seção 404 da Lei Sarbanes-Oxley e, posteriormente, da lei italiana 262/05, sua equipe – composta por uma comissão interna, formada por avaliadores (supervisores e analistas técnicos), legitimadores (gerentes) e certificadores (diretores) – utiliza 87


o sistema MIC para gerenciamento dos controles internos. Destina-se a auxiliar na avaliação, na validação e na certificação dos controles internos que geram as informações das demonstrações financeiras das empresas do grupo Endesa Brasil.

INDICADORES SOCIAIS EXTERNOS Governo e sociedade a) Gerenciamento do impacto da empresa na comunidade de entorno Recursos alocados em programas governamentais (não obrigados por lei) federais, estaduais e municipais (R$ mil) Número de iniciativas / eventos / campanhas institucionais para o desenvolvimento da cidadania Recursos publicitários destinados a campanhas institucionais para o desenvolvimento da cidadania (R$ mil) Recursos investidos nos programas que utilizam incentivos fiscais/ total de recursos destinados aos investimentos sociais (%)* *Dados extraídos dos Indicadores Sociais Externos- Balanço Social (modelo Ibase)

2010 0

2011 0

2012 0

48

40

38

1.313

3.190

924

7%

11%

16%

88


Indicadores do setor elétrico Estabelecido pela Lei Federal nº 12.212/2010 e regulamentado por meio da Resolução Aneel nº 414/2010, o direito a tarifa social (Baixa Renda) é dado às unidades consumidoras que possuam famílias com renda per capita de até meio salário mínimo inscritas nos programas sociais do governo federal; famílias que possuam benefício de prestação continuada do Ministério da Previdência Social; e residências com renda familiar de até três salários mínimos, cujo morador necessite de uso continuado de energia elétrica para sobrevivência, desde que também esteja inscrita em programa social do governo federal. Para ambas as condições de enquadramento, aqueles que se declaram indígenas e quilombolas possuem descontos de até 100% com consumo de até 50 kWh. Comunidades vulneráveis são definidas pela empresa como aquelas com baixa renda familiar, pois este aspecto pode gerar os impactos de inadimplência e furto de energia elétrica. Em parceria com as prefeituras do Estado do Ceará, a Coelce promove o cadastramento desses clientes, que também pode se buscar as lojas de atendimento. Os critérios de inclusão de consumidores na tarifa social foram alterados pelo órgão regulador em julho de 2010 – em razão da mudança, o número de clientes atendidos pela modalidade reduziu-se significativamente nos últimos anos. Em 2012, o programa beneficiou 1,2 milhão de clientes da Coelce, com subsídio total de R$ 234 milhões.

Baixa renda - clientes cadastrados (mil) 1.558

1.658

1.705

1.385 1.123

2007

2008

2009

2010

2011

1.211

2012

Os consumidores rurais de alta-tensão têm direito a tarifa social 10% menor do que a aplicada às demais classes (indústria e comércio) com a mesma tensão, podendo chegar até a 90% de desconto para atividades de irrigação e aquicultura, nos horários entre 21h30 e 6h. Para os consumidores rurais de baixa-tensão, a tarifa é cerca de 40% mais baixa do que a dos outros segmentos com o mesmo nível de tensão, podendo alcançar redução de 73% nas mesmas condições de irrigação e aquicultura já citadas. Além de democratizar o acesso ao insumo, criaram-se condições mais acessíveis para o pagamento da conta de energia. Por meio do Programa Nacional de Eletrificação Rural (Luz para Todos), que visa à universalização do acesso à energia elétrica com subvenção do governo federal, as empresas proporcionam o acesso a populações remotas sem conexão à rede. Em 2012, a Coelce atendeu 4.256 unidades consumidoras. O projeto é 89


coordenado pelo Ministério de Minas e Energia e Eletrobrás, com participação financeira dos governos estaduais, sendo 75% do governo federal (15% em Conta de Desenvolvimento Energético e 60% em Reserva Geral de Reversão), 15% governo estadual e 15% distribuidora. A companhia mantém ainda o Projeto Recuperação de Clientes, pelo qual propostas de parcelamento são entregues a clientes baixa renda que atendem ao perfil previsto no procedimento. As propostas são bastante diferenciadas das oferecidas nas lojas da distribuidora, chegando a 15% de entrada e o restante da dívida parcelada em até 36 meses sem juros.

INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO Universalização Metas de atendimento Atendimentos efetuados (n°) Cumprimento de metas (%) Total de municípios universalizados Municípios universalizados (%) Luz para Todos Metas de atendimento Número de atendimento efetuados (A) Cumprimento de metas (%) Origem dos recursos investidos (R$ mil) Governo federal Conta de Desenvolvimento Energético - CDE Reserva Global de Reversão - RGR Governo estadual Próprios Outros Total dos recursos aplicados (B) O&M Custo médio por atendimento (B/A) Tarifa Baixa Renda Número de domicílios atendidos como "baixa renda" Total de domicílios "baixa renda" do total de domicílios atendidos (clientes/consumidores residenciais) (%) Receita de faturamento na subclasse residencial "baixa renda" (R$ mil) Total da receita de faturamento na subclasse residencial "baixa renda" em relação ao total da receita de faturamento da classe residencial (%) Subsídio recebido (Eletrobrás) relativo aos consumidores "baixa renda" (R$ mil)

2010 NA NA

2011 NA NA

2012 NA NA

NA

NA

NA

184 100% 2010 31.436 16.865 53,65%

184 100% 2011 14.571 15.353 105%

66.607 53.286 13.321 27.404 82.433 0 176.444 ND 10,46 2010 1.704.680 73%

117.459 91.662 25.797 0 -39.906 0 77.553 ND 5,05 2011 1.122.859 48%

396.012

387.227

329.415

31,87%

29,07%

22,79%

233.026

201.738

206.816

184 100% 2012 4.621 4.256 92,10% 23.091 18.473 4.618 6.432 184 0 23.276 ND 5,47 2012 1.211.463 50%

90


Eficiência energética No ano foram investidos R$ 11,4 milhões em programas de eficiência energética. Esses recursos são aplicados de acordo com a legislação do setor brasileiro, que determina às concessionárias a destinação anual de 0,5% da receita operacional líquida a programas de eficiência energética. Os projetos disseminam conceitos sobre o consumo consciente de energia elétrica e demais recursos naturais associados ao equilíbrio do orçamento doméstico, pelo uso adequado de energia e a preservação do meio ambiente. Várias iniciativas e encontros em comunidades de baixa renda no Estado do Ceará disseminam o conceito e incluem a doação de geladeiras e lâmpadas eficientes, retirando-se equipamentos obsoletos e dispendiosos no consumo de energia. Uma geladeira nova, por exemplo, pode consumir até 70% menos que um equipamento antigo, menos ecoeficiente. Os equipamentos novos têm selo classe A do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), apresentando certificação de qualidade e tecnologia moderna que permite ao fabricante garantir menor consumo de energia. O conjunto de projetos proporcionou redução de 20.589 MWh/ano, equivalente a um custo de R$ 2,46 milhões. Foram beneficiados 41.996 clientes com a troca de 5.956 refrigeradores antigos por aparelhos novos e mais eficientes, substituição de 83.931 lâmpadas incandescentes por fluorescentes e reforma de instalações elétricas das residências. Os itens recolhidos recebem descarte ambientalmente correto. As iniciativas beneficiaram 167.864 pessoas. Nave Coelce – Plataforma móvel adaptada que percorre os municípios das áreas de concessão da Coelce, no Estado do Ceará, divulgando mensagens com foco em educação ambiental. Por meio de maquetes, as comunidades conhecem o processo de geração hidrelétrica e a distribuição da energia até a chegada nas residências. Integram recursos audiovisuais, jogos, atividades recreativas e peças de teatro. Os participantes assistem a palestras sobre consumo eficiente, meio ambiente e segurança e trocam lâmpadas comuns por eficientes. No período, foram capacitados 808 professores de 100 escolas e a Nave Coelce recebeu 10.113 visitantes. Número total de beneficiados indiretos chega a 40,4 mil alunos, por assimilação da metodologia aplicada em sala de aula. Destacam-se ainda os projetos Coelce nas Escolas, Ecoelce, Luz Solidária e Eficiência Energética em Entidades Públicas.

91


INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO Programa de Eficientização Energética (PEE) Origem dos recursos - por classe de consumidores (R$ mil) Residencial Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Recursos médios por consumidor (C/D) Residencial Baixa Renda Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) População atendida (n° habitantes total residencial + baixa renda) (E) Investimento médio por população atendida (custo total: residencial+baixa renda por hab.) (C/E) Comercial Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) Industrial Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) Rural Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D) Iluminação Pública Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos investimentos no segmento (C) Total de kW instalados (F) Investimento médio por kW instalado (C/F) Serviço Público Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D) Investimento médio por consumidor (C/D)

2010

2011

2012

7.114 7.114 106.370 0,07

4.466

4.111

4.466 75.907 0,06

4.111 44.619 0,09

8.576 8.576 10.592 0,81 116.962 0,07

17.413

6.549

12.264 26.191 0,47 102.098 0,12

6.549 41.966 0,156 86.585 0,0756

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

92


Poder Público 2.440

2.299

-

-

2.440

2.299

3

1

Investimento médio por consumidor (C/D) Origem dos recursos (R$ mil)

813

2.299

1 -

Tipo de projeto Gestão Energética Municipal Recursos investidos próprios Recursos investidos de terceiros Total dos recursos Educação - conservação e uso racional de energia Recursos investidos próprios Recursos investidos de terceiros Total dos recursos Aquecimento solar (para a substituição de chuveiros elétricos) Recursos investidos próprios Recursos investidos de terceiros Total dos recursos Rural Recursos investidos próprios Recursos investidos de terceiros Total dos recursos Total dos recursos em Projetos de Eficientização Energética (R$ mil) Sem ônus para o consumidor Com ônus para o consumidor Total dos recursos Participação relativa dos recursos em projetos de Eficientização Energética (R$ mil) Por classes de consumidores Recursos no segmento residencial sobre total investido no PEE (%) Recursos no segmento baixa renda sobre total investido no PEE (%) Recursos no segmento comercial sobre total investido no PEE (%) Recursos no segmento industrial sobre total investido no PEE Recursos no segmento rural sobre total investido no PEE (%) Recursos no segmento iluminação pública sobre total investido no PEE (%) Recursos no segmento serviço público sobre total investido no PEE (%) Recursos no segmento poder público sobre total investido no PEE (%) Por tipos de projetos Recursos no segmento gestão energética sobre total de recursos no PE (%) Recursos no segmento educação sobre total de recursos no PEE (%) Recursos no segmento aquecimento solar sobre total de recursos no PEE (%) Eficientização Energética Residencial Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Residencial baixa renda

2010

2011

2012

-

-

-

588 588

374

831,03

374

831,03

-

-

-

2010 18.718 18.718 2010

2011 19.403 19.403 2011

2012 11.491 11.491 2012

38,01% 45,82% 13,04%

23,02% 63,21% 11,85%

36% 57%

3,14% 2010

1,93% 2011

Sem ônus para o consumidor (A) Com ônus para consumidor (B) Total dos Recursos no segmento (C) Total de unidades atendidas no segmento (D)

20.305,11 16.464 4,5 4,2 3.589,54 2.745.243

7% 2012 13.961 1,0 1.277 93


Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Comercial Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Industrial Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Rural Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Iluminação pública Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Serviço público Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Poder público Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Aquecimento solar Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Eficientização interna (na empresa) Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada Total Energia economizada (em MWh) / ano Redução na demanda de ponta (em MW) Custo evitado com a energia economizada (R$ mil) PEEs destinados à formação da cultura em conservação e uso racional de energia Número de domicílios do segmento baixa renda atendidos pelo programa Percentual de domicílios do segmento baixa renda atendidos pelo programa sobre total de domicílios do segmento baixa renda Número de equipamentos eficientes doados Número de domicílios atendidos para adequação das instalações elétricas da habitação Número de profissionais eletricistas treinados pelo programa PEEs Aquecimento Solar Número de sistemas de aquecimento solar instalados

14.914,4 3.950,1 2.636,6

13.482 4,0 2.247.989

5.650 1,5 1.036

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

1.990 0,6 351.748

-

2.906,09 648,9 513,74

0 0 0

977,03 415,10 150,84

-

-

-

-

-

-

38.125 9,08 6.739,84 2010

29.946 8,7 5.344.980 2011

20.589 2,9 2.464 2012

31.324 2%

26.191 2%

41.966 3%

31.324 -

26.191 -

41.966 -

-

-

-

-

-

94


PEEs Gestão energética municipal Número de municípios atendidos pelo programa de gestão energética municipal Percentual de municípios atendidos sobre total de municípios da área de concessão

-

-

-

-

-

-

95


Pesquisa & desenvolvimento Projetos de aumento de eficiência operacional, saúde e segurança no trabalho, redução do impacto ao meio ambiente, responsabilidade social e desenvolvimento de novas tecnologias para combate a perdas técnicas e comerciais concentram as iniciativas de pesquisa e desenvolvimento. Os programas de P&D seguem as determinações da Aneel e suas iniciativas são estabelecidas a partir de avaliações internas e do contato com universidades, fabricantes e institutos de pesquisa. Um Comitê de Pesquisa e Desenvolvimento é responsável por avaliar o elemento estratégico e o risco associado a cada projeto. Dentre os projetos em desenvolvimento na Coelce em 2012, destacam-se o Climatizador Eficiente, para o desenvolvimento de um sistema de climatização robusto de expansão indireta com termoacumulação, com alta eficiência; o projeto Luminária OLED, com o objetivo de desenvolver uma solução para iluminação interna utilizando tecnologias de LEDs Orgânicos; o projeto Refrigerador Econômico, um dispositivo capaz de regular o consumo de energia de refrigeradores antigos; o Auto-Ecoelce, com o objetivo de construir uma máquina automática para coleta, separação e tratamento de resíduos recicláveis para o Programa Ecoelce; e o Programa Conta Verde, destinado à criação de um modelo de valoração da redução de emissões de gases de efeito estufa proporcionada pela atividade de reciclagem de resíduos não orgânicos do Ecoelce e a respectiva comparação com o consumo de energia elétrica residencial.

Deu Certo O programa “Deu Certo – gente que acredita e faz” premia, com recursos próprios, iniciativas voluntárias com resultados comprovadamente efetivos para a companhia. Na Coelce não basta ter ideia; é preciso provar que ela funciona e é viável. Assim, todos os funcionários que tiverem uma ideia devem convencer outras quatro pessoas, formar uma equipe, e desenvolver e colocar em prática o projeto em duas categorias: produtos ou processos. Ao ano são três ciclos de seleção e quatro projetos vencedores – dois de produto e dois de processo. As equipes vencedoras de cada ciclo recebem brindes e, no final do ano, concorrem a uma viagem internacional. Em 2012, gerou 53 projetos-pilotos testados, totalizando uma marca de mais de 270 projetos apresentados, desde 2008. No ano, os vencedores para produtos foram: instalador de ramal UC aéreo (ferramentas que apoiam a instalação a partir do solo, sem a necessidade de um caminhão Sky ou escada); e Baú da Construção (conjunto de ferramentas, na proporção 4:1, que melhoram os treinamentos das equipes). Para processos, os vencedores foram: responsabilidade compartilhada de alimentadores (metodologia que ranqueia as equipes, mostrando as melhores e piores, em desempenho, por focar na melhora); e localização de faltas no Google Earth (link entre os diagramas unifilares já mapeados no SAM, o georreferenciamento dos equipamentos e a utilização do Google Earth). www.deucertocoelce.com.br

96


Bolsa Coelce de Inovações Para levar a outras unidades as soluções encontradas pelos funcionários para suas áreas, a empresa criou a Bolsa Coelce de InovAções. Pode se inscrever qualquer equipe que tenha apresentado seu projeto no Deu Certo. Uma vez inscrita, o projeto passa a se valorizar por meio do aceite de sua implantação em outra unidade e dos “investimentos” dos colaboradores. Cada colaborador, ao se cadastrar no site da Bolsa, recebe C$ 1.000,00 (mil “coelces”), uma moeda virtual para aplicar nos projetos que desejar. Se a carteira na qual investiu lhe garantir ganho de valor, pode reinvestir o lucro ou comprar objetos. Dessa maneira, cada colaborador pode participar tendo uma ideia e lançando-a na Bolsa ou investindo nelas. Como resultado, em 2012 foram implantados 88 projetos em diferentes áreas, gerando ganhos de valor, tangíveis e intangíveis. Os projetos inscritos na Bolsa e selecionados na final também são premiados com viagem internacional. A unidade ou área que mais aceitar a adoção dos projetos também recebe prêmios. www.bolsacoelce.com.br

Projetos de P&D Projeto Desenvolvimento de coeficientes de ajustes das declarações de pesquisas de clientes para a estimativa e simulação do consumo por uso final dos consumidores Desenvolvimento de sistema de climatização robusto de expansão indireta com termoacumulação para produção abaixo de 10 TR, com alta eficiência Pesquisa e Desenvolvimento de Solução para Iluminação Interna Utilizando Tecnologias de LEDs Orgânicos (OLEDs) Módulo econômico para refrigeradores antigos

Cabeça de série para aplicação de óleos ecológicos oriundos da biomassa nordestina em transformadores de distribuição e força

Objetivo Sistema composto de modelo estatístico e coeficientes de ajustes de declaração para estimativas de curva de carga e software para simulação do consumo por uso final dos consumidores; e do mercado deslocado pela possível substituição tecnológica. Validação de conceito e desenvolvimento de protótipo para climatização, por expansão indireta, por meio do resfriamento de líquidos, tendo acoplamento direto de reservatório termoacumulador subterrâneo, para pequenos e médios comerciantes (abaixo de 10TR), com materiais de valor reduzido/eficiente. Dispositivo de iluminação para interiores baseado em tecnologia OLED, na faixa de potência de 16W a 32W, para substituição de luminárias eficientes padronizadas, aplicáveis em eficiência energética, composto de painel luminoso (OLED), fonte de alimentação e controle interno do dispositivo. Circuito eletrônico que promove um auto ajuste na temperatura interna e no perfil de operação e uso do refrigerador semi novo, proporcionando uma redução no seu consumo de energia elétrica durante os ciclos noturnos e de não abertura da porta, adaptando-se individualmente a cada refrigerador. Desenvolver a cadeia produtiva de Óleos Isolantes Ecológicos em escala piloto, envolvendo a produção para fins de certificação e adequação para uso em transformadores de distribuição e força. A produção piloto compreende um pré-tratamento físico, seguido de processo químico.

Entidade parceira PUC-Rio (FPLF)

Investimento total (R$ mil)

Iteva e UFC (Astef)

40,18

Eldorado

601,56

Cedec

133,87

Padetec (UFC)

177,67

118,61

97


Desenvolvimento de metodologia para produção de biomassa densificada tendo como base resíduos de podas de árvores in natura e rejeito de papelão Processador autônomo de picagem, compactação e enfardamento de podas de árvores

Máquina autônoma de coleta e tratamento de resíduos recicláveis para o Programa Ecoelce

Pesquisa e desenvolvimento do Programa Conta Verde composto de modelo de valoração de resíduos não orgânicos baseado no Programa de Reciclagem Ecoelce e de desenvolvimento de metodologia revisada para obtenção de créditos de carbono

Formulação polimérica para fabricação de postes, cruzetas e acessórios

Cabeça-de-série do protótipo de caixas para medidores de energia elétrica a base de fibra de coco

Desenvolvimento de sistema de amortecimento de impacto (defensas acopladas) em postes de distribuição de energia em regiões urbanas

O desenvolvimento de metodologia para processamento, por via úmida, de resíduos das podas de árvores e rejeito de papelão, na compactação em forma de blocos compactos, buscando elevado poder calorífico e redução de odores na queima, em substituição de combustível sólido como lenha e carvão vegetal. Máquina com capacidade de executar a picagem, a compactação e o enfardamento do resíduo vegetal de podas de árvores. É montada sobre plataforma móvel, projetada para operação em áreas urbanas, tendo custo reduzido e alta eficiência de processamento, com préprodução de biomassa para compostagem. Equipamento microcontrolado autônomo para coleta e processamento de resíduos do Programa Ecoelce, dotado de sistema de reconhecimento de recicláveis, separação automática, depósito acumulador, registro de bônus em tempo real e transmissão on-line de créditos para conta de energia dos clientes. O Programa Conta Verde visa ao estudo quanto à neutralização dos Gases de Efeito Estufa (GEE) emitidos a partir do consumo de energia elétrica, cuja emissão se dá desde a fase da geração. A partir dos resultados do estudo, a Coelce poderá intensificar as práticas no Ecoelce, pois o cliente poderá neutralizar suas emissões por meio da troca de resíduos no projeto. O processo produtivo da reciclagem emite menor quantidade de GEE, tanto no consumo de energia elétrica quanto nas emissões diretas, quando comparado ao processo de produção de um mesmo bem, e ainda evita a extração de matéria-prima. Assim, para cada tipo de resíduo reciclado teremos um percentual de emissão reduzido e o somatório dessa minimização poderá neutralizar o CO2 emitido pelo consumo de energia do cliente. Desenvolvimento de formulação polimérica (Blender) para fabricação de cruzetas, postes e acessórios mais leves e resistentes, utilizando-se resíduos de fibras vegetais da biodiversidade regional em substituição a estrutura metálica, madeira ou fibra vidro, mantendo suas características mecânicas. Caixas para uso em sistemas de distribuição de energia elétrica, visando substituir o Noryl pelo compósito de polipropileno (PP) reforçado com fibra de coco. O objetivo final é reduzir o custo de produção usando materiais naturais, bem como definir uma geometria mais moderna para o produto final. Defensa acoplada ao poste, com dimensão e formato permitido pelo código municipal. Feita de material reciclável e preenchida com água e raspa de pneu, de forma a que garanta o amortecimento das colisões, sem causar danos severos ao poste e preservando a vida de condutores e passageiros.

Kariris Ambiental

76,88

Facens (ACRTS)

97,44

Nunes e Neri e PC4

100,85

B&G e CGTI

210,04

Facti

3,82

UnifeI e Unifor

281,34

UFC (Astef)

-14,72

98


Cabeça-de-série do posto avançado de atendimento ao consumidor por videoconferência

Etiqueta RFID para operação em meio eletromagnético hostil

Antenas especialistas para sistemas de detecção de raios

Lote pioneiro do Indicador de Conformidade de Níveis de Tensão

Cabeça-de-série do Dispositivo de indicação de defeitos em células de banco reguladores de tensão, no segmento de 13,8kV, para informação e localização imediata da falta Sistema de verificação do uso de equipamentos de proteção individual em trabalhos de campo

Cabeça de série da chavefusível com religamento automático

Projeto de pesquisa e desenvolvimento para implantação de um piloto de redes inteligentes (SmartGrid) para automação do sistema elétrico Pesquisa e desenvolvimento de redes elétricas inteligentes entre as distribuidoras

Plataforma de atendimento, constituída de totens, postos de atendentes e centro de supervisão, no qual o consumidor tem interação direta com o atendente. Forma um ambiente integrado com videoconferência e documentação. Inclui novos processos, compromissos organizacionais e postura de atendimento. Desenvolvimento de etiqueta RFID especial, não disponível no mercado, para identificação de ativos em pontos de iluminação pública. A etiqueta terá capacidade de emitir uma onda eletromagnética suficiente para ser captada por um leitor operando em solo, sem sofrer interferências eletromagnéticas. Desenvolvimento de antenas de detecção de raios, de custo reduzido, capaz de descriminar os diferentes tipos de descargas atmosféricas. A antena operará em áreas hostis (subestações e linhas), para proporcionar financeiramente, a coleta de dados para as áreas de manutenções preditivas da Coelce. Equipamento integrado de medição, análise e sinalização local e/ou remota em tempo real da condição de fornecimento dos níveis de tensão em regime permanente aos clientes da concessionária, atendendo as exigências do PRODIST e desenvolvido como alternativa ao uso de medidores convencionais. Dispositivo eletromecânico para identificaçao on line de defeitos em células de banco de reguladores de tensao, visando agilizar a tomada de providências para restabelecimento do fornecimento dos níveis de tensao em 13,8kV conforme requisitos do Módulo 8 PRODIST.

Ferramenta de monitoração da utilização de equipamentos de proteção individual (EPIs) em trabalhos de campo, que através da tecnologia RFID informa ao usuário a ausência do uso de equipamento por meio de sinais de alerta. O dispositivo dispensa a necessidade de infraestrutura prévia no local. Chave-fusível com religamento automático para uso em sistemas aéreos de distribuição (15kV). Composta por dois porta-fusíveis dispostos em paralelo, um dos quais é acionado 30 segundos após a queima do primeiro, possibilitando o restabelecimento do sistema na ocorrência de faltas transitórias. O produto final compreende o desenvolvimento e implantação de um Piloto de Rede Inteligente com Sistema de Reposição automática (SRA) para rede de média-tensão em 13,8 kV e com um Sistema Inteligente para Mudança Automática de Ajuste do Sistema de Proteção (Siap) para a rede de alta-tensão em 69 kV. Elaboração de proposta de um plano nacional para a migração tecnológica do setor elétrico brasileiro do estágio atual para a adoção plena do conceito de rede inteligente em todo o País.

KNBS

387,29

FIT

231,51

USP

636,84

Control

462,01

Control

63,69

CPQD

88,23

IFCE (CPQT) e ACC Tecnologia

277,91

UFC (Astef) e Synapsis

386,22

Iabradee

49,26

99


Adesivos sinalizadores de sobrecarga de transformadores de distribuição Desenvolvimento de técnicas e ferramentas para determinação das caracteristicas de solos e avaliação de sistemas de aterramento Equipamento Autônomo para Limpeza de Cabos da Rede de Distribuição de Energia (Lica)

Equipamento de identificação de cabo ao solo de alta sensibilidade

Sistema integrado de software e hardware de medição, faturamento, controle de consumo, corte e religamento de energia para ligação provisória ou temporária – Siprepag Equipamento de Transferência de Energia Elétrica Monitorado Remotamente para Garantia de Vida aos Clientes Eletrodependentes da Coelce Maleta de inspeção para medidores de energia elétrica - cabeça de série e lote pioneiro

Desenvolvimento de cabeça de série do sistema de religamento e corte de unidades consumidoras com tecnologia bluetooth Projeto de Gestão do Programa de P&D (2012)

Adesivo (gel+filme) sinalizador e indicador de sobrecarga de transformadores de distribuição, por imagem térmica do equipamento, baseado em material orgânico (quitinquitosana) proveniente de refugo da indústria pesqueira e alimentícia, no caso a casca do camarão. Equipamento para identificação das características do solo e das condições físicas de aterramento, eletrodos e malha, composto de conversor eletrônico de potência para aplicação de 15kA de impulso, juntamente com um conjunto de sensores e um processamento numérico a base de algoritmos inteligentes. Equipamento autônomo para limpeza dos cabos da rede de distribuição de energia elétrica. Essa limpeza compreende na remoção de fios de arraias ou pipa, pedaços de galhos pequenos, objetos lançados na rede (tênis) e pontos de ligações clandestinas já identificados (gambiarras). Equipamento de proteção de sistemas elétricos, para montagem na parte superior de religadores de médiatensão (13.8KV), com elemento sensor TC toroidal de alta sensibilidade e ajuste de limiar de operação adaptativo, sendo possível a detecção da presença de cabo ao solo, com bloqueio de religamento. Solução integrada de hardware e software para medição, faturamento e controle em tempo real de consumidores provisórios, baseado em dispositivos móveis microprocessados acoplados a medidores eletrônicos convencionais, com comunicação GPRS ou 3G ao sistema online web de gestão de consumo. Equipamento de transferência de energia integrado ao atendimento emergencial, que emitirá alarmes remotamente ao centro de controle dos níveis de tensão, autonomia do banco de baterias, etc. e ainda informará o ramal de atendimento no qual o eletrodependente está localizado, usando sistema GPRS. Cabeça-de-série e lote pioneiro (50 unidades) da "maleta de inspeção" desenvolvida no projeto de P&D 0383009/2006. Especificações técnicas, projeto e softwares revisadas; engenharia do produto; projeto e fabricação de uma giga de testes para a maleta; manuais de operação e manutenção. Sistema computacional e dispositivo de comando, acoplado à rede de energia elétrica e instalado no poste da rede de distribuição, para realizar religamentos e cortes em múltiplas UC, com tecnologia bluetooth para transmissão e recepção de comandos a distância, usando equipamentos Palm ou Smartphone. Desenvolvimento das atividades de gestão e acompanhamento dos projetos e Programa de P&D

Nepen

354,63

Concema

602,22

Unifei

280,01

IFCE (CPQT)

158,76

Control

75,9

Control

385,88

UCP (FDC)

131,47

KNBS e identech

33,62

-

140,44

100


INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO Recursos aplicados em Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e Científico (R$ mil) Por temas de pesquisa (Manual de P&D – Aneel) 2010

2011

2012

433 Eficiência energética (A) 474 894 Fonte renovável ou alternativa (B) 1.212 Meio Ambiente (C) 2.203 948 2.149 Qualidade e confiabilidade (D) 545 1.767 Planejamento e operação (E) 88 1.448 Supervisão, controle e proteção (F) 1.810 2.109 743 Medição (G) 117 462 Transmissão de dados via rede elétrica (H) Novos materiais e componentes (I) 391 719 Desenvolvimento de tecnologia de combate a fraude e furto (J) 413 165 246 Outro (Projeto de Gestão do Programa de P&D) (K) 124 140 Recursos aplicados em eficiência energética (A) sobre total investido em 38,38% 35,06% 13,60% P&D (M) (%) Recursos aplicados em fonte renovável ou alternativa (B) sobre total 0,00% 0,00% 0,00% investido em P&D (M) (%) Recursos aplicados em meio ambiente (C) sobre o total investido em P&D 178,38% 98,15% 14,42% (M) (%) Recursos aplicados em qualidade e confiabilidade (D) sobre total investido 44,13% 173,97% 26,88% em P&D (M) (%) Recursos aplicados em planejamento e operação (E) sobre total investido 0,00% 0,00% 1,34% em P&D (M) (%) Recursos aplicados em supervisão,controle e proteção (F) sobre total 146,56% 117,28% 32,09% investido em P&D (M) (%) Recursos aplicados em medição (G) sobre o total investido em P&D (M) 9,47% 60,17% 7,03% Recursos aplicados em transmissão de dados via rede elétrica (H) sobre total 0,00% 0,00% 0,00% investido em P&D (M) (%) Recursos aplicados em novos materiais e componentes (I) sobre total 31,66% 0,00% 0,00% investido em P&D (M) (%) Recursos aplicados em desenvolvimento de tecnologia de combate à fraude 33,44% 58,25% 2,51% e furto (J) sobre total investido em P&D (M) Recursos aplicados em outros projetos (K) sobre total investido em P&D (M) 10,04% 19,95% 2,13%

P&D voltados ao meio ambiente

2010

2011

2012

Recursos aplicados (R$ mil) Número de patentes registradas no INPI

2.203 3

2.417

948 0

0

Meta 2013 445 342 2.750 801 1.214 534 43 7,26% 0,00% 5,58% 44,87% 13,07% 19,81% 8,71% 0,00% 0,00% 0,00% 0,70% Meta 2013 342 2

101


DIMENSテグ AMBIENTAL

102


Desempenho ambiental A Coelce conta com uma Política Ambiental que, alinhada aos Sete Compromissos para um Desenvolvimento Sustentável, da Endesa, é orientada por princípios como ética ambiental, compromisso com a legalidade, gestão de resíduos e educação ambiental. Desde 2006, a companhia dispõe do Sistema de Gestão Ambiental (SGA), certificado pela ISO 14001:2004, que a auxilia na execução da política. A fim de envolver seus diversos públicos de interesse no processo de gestão ambiental, a distribuidora comunica seus aspectos e impactos, além de disponibilizar canais de comunicação de fácil acesso – como site institucional, telefone 0800-285-0196, intranet e e-mail – para que tais públicos possam se manifestar em relação a reclamações, elogios e sugestões. A alta administração da Coelce realizada anualmente uma análise crítica de modo a identificar os principais pontos fortes e fracos do sistema e, para esses casos, as oportunidades de melhoria. Com vistas ao princípio ‘Educação Ambiental’, a Coelce desenvolve práticas educativas e de sensibilização a respeito do meio ambiente aos seus colaboradores, envolvendo desde capacitação em relação a procedimentos ambientais necessários à execução de atividades administrativas e operacionais até eventos de conscientização. Em 2012, destacaram-se as capacitações para formação de auditores internos e auditores líderes, nas quais se formaram 58 colaboradores; e o patrocínio do livro de fotografias “Caatinga, um novo olhar”, lançado durante a Rio+20 com o objetivo de sensibilizar a sociedade para a preservação da Caatinga, inserindo a discussão na agenda mundial do meio ambiente. Direcionada aos fornecedores de serviços estratégicos, a Coelce desenvolve o Programa de Responsabilidade Socioambiental – Parceiros Responsáveis, que promove treinamentos para formação de multiplicadores ambientais, incluindo noções de sensibilização sobre o tema, interpretação da norma ISO 14001:2004 e aplicação de procedimentos ambientais nas atividades operacionais e administrativas. Já para consumidores, clientes e sociedade em geral, a Coelce realiza palestras, além de programas de eficiência energética com abordagem ambiental e educativa sobre o tema, como Ecoelce, Luz Solidária e Troca Eficiente.

Projetos apoiados A companhia é apoiadora de projetos desenvolvidos por entidades do Terceiro Setor, cujo objetivo é conservar a biodiversidade na área de concessão da empresa, com foco nos biomas de Mata Atlântica e Caatinga. Entre eles, destacam-se:

Projetos ambientais apoiados Fossa biosséptica

Projeto de capacitação de pedreiros que trabalham na construção de fossas na região do Maciço de Baturité. Visa construir de canteiros biossépticos para o tratamento do esgoto doméstico, evitando a poluição dos lençóis freáticos. As medidas do canteiro foram desenvolvidas para atender a uma residência com seis pessoas. 103


Periquito-da-cara-suja

Projeto de apoio à organização não governamental Aquasis para a geração de renda para famílias que vivem na região do Maciço de Baturité, local que necessita da conscientização da população local e de práticas sustentáveis, visando à conservação dessa espécie de ave.

Produção e plantio de mudas nativas da caatinga

O projeto tem por objetivo a produção de mudas para reflorestamento e recuperação de árvores degradadas, bem como para arborização urbana.

Uso sustentável da caatinga

Projeto visa educar a população do sertão central cearense para o correto manejo da vegetação nativa do bioma Caatinga. Os beneficiados são capacitados para a escolha das sementes e do correto manejo florestal, evitando queimadas, erosão do solo, assoreamento dos rios e desertificação.

Investimentos ambientais

2010

2011

2012

Investimentos relacionados com a produção/operação da empresa

23.376

20.179

20.549

Investimentos em programas e/ou projetos externos

19.162

21.259

11.583

Total dos investimentos em meio ambiente

42.538

41.438

32.132

Mudanças climáticas Desafio abordado nos Sete Compromissos para um Desenvolvimento Sustentável da Endesa Brasil, as mudanças climáticas podem trazer ameaças e oportunidades ao setor elétrico. A Coelce adere a iniciativas globais na busca de soluções para diminuir e gerenciar o impacto das mudanças climáticas, o que inclui o uso e desenvolvimento de energias renováveis, novos combustíveis, tecnologias limpas e eficiência energética, incluindo esses temas em seus projetos e pesquisas. Entre os riscos apresentados estão dificuldades na prestação dos serviços em razão de prejuízos hidrológicos, novas exigências regulatórias e altos custos para adaptações tecnológicas. Entre as oportunidades, existe a possibilidade de diferenciar-se no mercado por meio da inovação, com opções mais avançadas no fornecimento de energia. Embora todos esses fatores sejam considerados pela alta direção e tenham impacto nos resultados, a empresa não contabiliza formalmente as possíveis implicações financeiras das mudanças climáticas. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Brasil é o campeão mundial de incidência de raios. Para minimizar a vulnerabilidade de suas redes ao excesso de descargas elétricas, a Coelce desenvolveu um Sistema de Monitoramento de Raios, que contribui para a identificação de locais de queda de raios na rede elétrica, previsão de tempestades e minimização do tempo de atendimento de eventuais ocorrências.

104


Emissões A atividade de distribuição não constitui fonte primária de emissões de gases de efeito estufa (GEE) e, devido a isso, não há emissões atmosféricas diretas significativas de CO2 (dióxido de carbono). Também não há emissão dos gases NOx (óxido nitroso), SOx (óxido de enxofre) e CH4 (metano) na operação da Coelce. Desde 2010 a Coelce realiza inventário de emissões seguindo a metodologia GHG Protocol Brasil e como forma compensatória de neutralização destas emissões, utiliza seu programa de eficiência energética que em 2012 evitou a emissão de 1.412 tCO2/MWh. Para o valor informado foi considerado o fator médio anual de 0,0686 ( tCO2/MWh) disponível no site do Ministério da Ciência e Tecnologia. Desde 2011, a Coelce desenvolve o Programa Conta Verde, destinado à criação de um modelo de valoração da redução de emissões de gases de efeito estufa proporcionada pela atividade de reciclagem de resíduos não orgânicos do Ecoelce e a respectiva comparação com o consumo de energia elétrica residencial. O processo produtivo da reciclagem emite menor quantidade de GEE, tanto no consumo de energia elétrica quanto nas emissões diretas, e ainda evita a extração de matéria-prima. Emissões de gases de efeito estufa (t CO2 equivalentes) Emissões Volume anual de gases do efeito estufa (CO2, CH4, N2O, HFC, PFC, SF6) Emissões diretas de GEE (relacionadas diretamente à produção de bens e serviços da empresa) – Escopo 1 Emissões indiretas de GEE (eletricidade importada – energia elétrica comprada) – Escopo 2 Outras emissões indiretas relevantes (resultantes do uso indireto de energia) – Escopo 3

2010

2011

2012

2.217,46

15.541,49

4.245,49

Variação (%) -72,7%

1.861,55

3.436,26

3.230,46

-6%

221,73

412,93

1.015,39

145,9%

134,18

743,18

437,64

-41,1%

Gestão de impactos ambientais Regeneração de óleo – Regenera, filtra, desgaseifica e desidrata o óleo mineral isolante usado em transformadores de potência e de corrente, sem gerar resíduo poluente e impactos ambientais, de modo a obter um óleo com todas as características de um novo, enquadrando-se nas mais rigorosas especificações técnicas internacionais. Em 2012, foram armazenados 10 mil litros de óleo, para posterior regeneração. Tratamento de resíduos de lâmpadas, geladeiras e outros passivos ambientais – As lâmpadas do projeto Troca Eficiente e de iluminação pública são armazenadas em local apropriado para posterior descontaminação. No ano, a companhia realizou a descontaminação de 17.110 lâmpadas. Tubos de imagem de aparelhos de televisão queimados 21.066 unidades) e 5.956 geladeiras velhas entregues no programa Troca Eficiente passaram pelo processo de manufatura reversa. O gás recolhido dos aparelhos foi enviado para uma central de regeneração dos gases refrigerantes e o óleo do motor do equipamento foi retirado e enviado para o regeneração.

105


Iniciativas de mitigação de impactos ambientais significativos Atividade Uso de materiais (ex.: materiais não renováveis, com alto consumo de energia e materiais tóxicos)

Atividades administrativas e operacionais

Uso da água (ex.: volumes usados durante a produção e/ou uso)

Não relevante

Emissões (ex.: emissões de GEE, tóxicas, destruidoras da camada de ozônio)

Uso de veículos

Efluentes (ex.: qualidade da água usada durante a produção e/ou uso)

Não relevante

Ruído

Aspecto (causa) Consumo de água e energia

Consumo de papel

-

Emissão de GEE

-

Impacto (efeito)

Diminuição da oferta de recursos

-

Alteração da qualidade do ar

-

Construção e manutenção de subestações, linhas de transmissão e redes de distribuição

Poluição sonora

Perturbação da comunidade

Atividades administrativas e operacionais

Geração de resíduos (madeira, papel, lâmpadas, óleo, etc.)

Alteração da qualidade do solo

Possibilidade de vazamento de óleo

Alteração da qualidade do solo e da água

Resíduos (ex.: não recuperáveis, materiais/ compostos tóxicos) Construção e manutenção de subestações, linhas de transmissão e redes de distribuição

Poda de árvores (geração de resíduos – galhos e folhas) Geração de resíduos (construção civil, fios, cabos, etc.) Supressão de vegetação para instalação de subestações e

Ações de mitigação Ações de consumo consciente; instalação de coletores de captação de água dos aparelhos de arcondicionado e da chuva. Monitoramento e medição; utilização de combustível menos poluente. Monitoramento de Fumaça Preta. Medição e monitoramento do ruído nas subestações. Todas as instalações estão dentro dos padrões exigidos, de forma a não perturbar a comunidade nem interferir no ciclo natural do meio ambiente. Treinamentos das equipes operacionais em procedimentos específicos; fiscalização nos prestadores de serviço. Ações de consumo consciente

Alteração da qualidade do solo

Treinamentos das equipes operacionais em procedimentos específicos; fiscalização nos prestadores de serviço. Inspeção periódica dos equipamentos que contêm óleo

Alteração da qualidade do solo e da água; danos à flora

Observação das determinações legais; fiscalização nos prestadores de

Alteração da qualidade do solo

106


linhas de transmissão.

Possibilidade de vazamento de SF6

serviço, treinamento para parceiros.

Emissão de gases de efeito estufa

Inspeção mensal nos equipamentos que contêm esse produto.

Biodiversidade O Ceará possui 11 unidades de conservação administradas pelo governo federal, 20 pelo governo estadual, 11 por prefeituras e 14 pela iniciativa privada – das quais nove são reconhecidas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e cinco pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente do Ceará (Semace). Nessas unidades de conservação, a Coelce possui instaladas cinco subestações. Os principais impactos sobre a biodiversidade envolvem principalmente a supressão vegetal na instalação e manutenção das linhas de distribuição, e/ou na utilização e descarte de equipamentos com óleo mineral isolante, que oferecem riscos de vazamento. As podas de árvores realizadas para evitar o toque da vegetação na rede elétrica compõem o Plano Anual de Inspeção da empresa e seguem procedimentos do sistema de gestão ambiental, certificado pela ISO 14001:2004 e sistema de gestão da qualidade dos processos, certificado pela norma ISO 9001:2006. Desde 2010, a empresa vem utilizando máquinas que trituram o resíduo das podas de árvores de modo a reduzir o seu volume, minimizar os impactos da emissão de fumaça preta no transporte da poda. Em 2011 a empresa iniciou P&D para minimizar os ruídos emitidos no processo de trituração das podas. Todas as etapas do licenciamento ambiental na construção e manutenção de linhas e subestações observam os requisitos da Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) e, no caso das instalações situadas na capital cearense, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Controle Urbano (Semam). Em áreas de subestações, o controle de vegetação é feito manualmente, para evitar o uso de pesticidas ou agrotóxicos, minimizando o impacto sobre fauna e flora. Na expansão das redes de distribuição, a Coelce escolhe estradas já abertas para colocar os postes, a fim de evitar o corte de árvores em mata fechada. Além disso, quando não é possível desviar de árvores nativas, é utilizada a cruzeta beco que dispõe os cabos somente no lado oposto ao da vegetação, de forma a evitar a supressão vegetal.

Propriedades em áreas protegidas 2 Área ocupada pela Coelce (km ) Localização Tipo de operação Valor da biodiversidade Estado de conservação

Instalações dentro das áreas 4,0947 Guaramiranga Subestações Ecossistemas terrestres Reservas e parques estaduais e municipais

107


Consumo de recursos Água A Coelce realiza o acompanhamento mensal do consumo de todas as unidades administrativas e subestações, e atua junto aos gestores das unidades para identificar os pontos passíveis de melhoria e, assim, auxiliar na redução do consumo. Para minimizar o uso dos recursos, a companhia também realiza campanhas de educação para o consumo consciente, com abordagens ambientais, palestras e inclusão do tema nos treinamentos ambientais oferecidos aos colaboradores. Em 2012, o consumo de água totalizou 37.475 metros cúbicos, em comparação a 43.390 metros cúbicos no exercício anterior. Consumo de água (m³/ano) 2009 578 37.107 37.685

Água subterrânea (poços artesianos) Abastecimento municipal de água Total

2010 621 42.906 43.527

2011 317 43.073 43.390

2012 275 37.200 37.475

Energia No exercício, o consumo de energia indireta na Coelce chegou a 46.534 GJ, acréscimo de 3,4% em relação aos 45.013 GJ registrados em 2011. Já o consumo de energia direta foi de 35.906.134 GJ, incluindo energia adquirida (combustíveis) e energia contratada para posterior distribuição. As fontes de suprimento de energia elétrica seguem a matriz energética brasileira. De acordo com o Balanço Energético Nacional de 2012, a matriz teve 88,7% de participação de fontes renováveis, com predominância de energia hidrelétrica (81,7%).

Consumo de Energia Indireta (GJ) 46.534 45.270

45.013

2010

2011

41.323 39.644

2008

2009

2012

108


Materiais Todo o processo de compra da Coelce passa pela avaliação da área de Responsabilidade Social e Meio Ambiente, que orienta e aprova a aquisição de materiais inofensivos ao meio ambiente e, preferencialmente, que sejam oriundos de materiais renováveis.

Materiais diretos (presentes no produto final) 3 Cabos e fios (kg/m ) Postes de concretos (unid.) Cruzetas de concreto (unid.) Cruzetas de madeira (unid.) Conectores (unid.) Disjuntores (unid.) Isoladores (unid.) Medidores (unid.) Seccionadores (unid.) Transformadores (unid.) Abraçadeiras (unid.) Caixas Capacitores Elos-fusíveis Materiais de iluminação pública Para-raios Religadores Materiais não renováveis (1) Óleo mineral para transformadores

2011 421.173 15.929 9.608 1.050 607.159 13.515 162.419 173.072 3.788 1.886 490.000 95.118 70 211.961 372.840 841 28

2012 9.220.162,8 16.439,0 34.745,0 0,0 652.729,0 23.972,0 320.657,0 235.826,0 4.788,0 841,0 493.195,0 119.376,0 116,0 191.868,0 180.904,0 399,0 34,0

0

0

(1) A Coelce não utiliza óleo PCB (ascarel) e todo o óleo mineral passa por processo interno de regeneração

Gestão de resíduos

Resíduos recicláveis

Orgânico

Tipo

Resíduo gerado

Detalhamento

Unidade

Quantidade destinada

Destinação

Orgânico

Restos de alimentos, papel higiênico usado, guardanapo usado, adesivos, bituca de cigarro, embalagens metalizadas usadas, vasilhames e utensílios descartáveis usados, papéis de fax, plastificado, carbono e/ou celofane.

Kg

186.196

Destinado para aterro licenciado

Plástico

Sacolas plásticas, embalagens e demais materiais plásticos, exceto aqueles contaminados com material perigoso.

Kg

1.341

Papel

Papel branco ou colorido não plastificado e não contaminado.

Kg

6.310

Destinado ao Projeto Ecoelce. Todo bônus gerado é doado para instituições cadastradas. Destinado ao Projeto Ecoelce. Todo bônus gerado é doado para instituições 109


Sucata elétrica reciclável Perigosos

Papelão

Papelão não plastificado e não contaminado.

Kg

3.154

Metal

Latas de metal e outras embalagens e materiais de metal, exceto aqueles contaminados com material perigoso.

Kg

526

Madeira

Paletes, bobinas e outras embalagens e materiais de madeira.

Kg

20

Vidro

Garrafas de vidros, outras embalagens e cacos de vidros.

Kg

642

Sucata de Concreto

Sucata de postes, cruzetas e entulhos de construção

Kg

4.235.308

Sucata de alumínio

Cabo de Alumínio Isolado e Multiplexado diversas bitolas; Cabo de Alumínio nu sem alma aço diversas bitolas.

Kg

128.650

Sucata de cobre

Cobre limpo e isolado (chapa, tubos e cabos diversos) e outros materiais de cobre.

Kg

28.120

Sucata de transformadore s

Transformadores avariados com óleo.

Kg

48.968

Sucata de outros

Matérias de ferro, chapas diversas, TP’s e TCs, carcaça de medidores, sucata de reatores, porcelana, vidros, lacres (selos).

Kg

224.720

Lâmpadas

Lâmpadas de descarga queimadas, inteiras ou quebradas.

Unidade

17.110

Pilhas e baterias

Pilhas

Kg

46

cadastradas. Destinado ao Projeto Ecoelce. Todo bônus gerado é doado para instituições cadastradas. Destinado ao Projeto Ecoelce. Todo bônus gerado é doado para instituições cadastradas. Destinado para empresas de fabricação de móveis. Destinado ao Projeto Ecoelce. Todo bônus gerado é doado para instituições cadastradas. O concreto está sendo reutilizado para aterramento do Centro Logístico da Coelce. O ferro é encaminhado para recicladora devidamente licenciada. Enviados para recicladora devidamente licenciada. Enviados para recicladora devidamente licenciada. Enviados para recicladora devidamente licenciada. Enviados para recicladora devidamente licenciada. As lâmpadas geradas internamente foram descontaminadas por uma empresa devidamente licenciada. Armazenados e identificados em recipientes 110


Baterias

Kg

90

Óleo usado

Óleo mineral isolante usado em transformador

L

-

Cartuchos e tonners

Cartuchos de impressoras ou tonners provenientes de impressoras jato de tinta ou laser e máquinas de reprografia.

Unidade

538

Outros materiais contaminados

Trapo, estopas, brita, areia e outros materiais contaminados com produto perigoso e material com amianto ou outras substâncias nocivos à saúde.

Kg

3.350

adequados para posterior destinação final. São destinadas à empresa, devidamente licenciada, para reciclagem. Não houve regeneração de óleo em 2012. Recolhidos pelo fornecedor, que providencia reutilização. Caso isso não seja possível, são incinerados. São coletados e transportados por empresa licenciada e têm como destinação final a incineração ou o coprocessamento.

INDICADORES AMBIENTAIS Recuperação de áreas degradadas Área preservada e/ou recuperada por manejo sustentável de vegetação sob as linhas de transmissão e distribuição (em ha). Área preservada / total da área preservada na área de concessão exigida por lei (%) Contribuição para o aumento de áreas verdes nos municípios pelo Programa de Arborização Urbana (em ha) Gastos com gerenciamento do impacto ambiental (arborização,manejo sustentável,com equipamentos e redes (1) protegidas). (R$ Mil) (2) Quantidade de acidentes por violação de normas ambientais Quantidade de acidentes por violação de normas ambientais

(2)

Valor incorrido em autuações e/ou multas por violação de normas ambientais. (R$ Mil) Geração e tratamento de resíduos Emissão Volume anual de gases do efeito estufa (CO2, CH4, N2O, HFC, PFC, SF6), emitidos na atmosfera (em toneladas de CO2 equivalentes) Volume anual de emissões destruidoras de ozônio (em toneladas de CFC equivalentes) Efluentes (3) Volume total de efluentes (m³/ano) Volume total de efluentes com tratamento (m³/ano) Percentual de efluentes tratados (%) Sólidos

2010 0

2011 0

2012 0

Meta2013 ND

0

0

0

ND

0

0

0

ND

42.538

41.438

32.132

ND

0

0

0

0

0

0

0

0

0

61

0

0

2010

2011

2012

Meta2013

2.083,28

15.541,49

4.245,49

ND

0

0

0

ND

43.527

43.073

37.475

ND

0 0

0 0

0 0

ND ND 111


Quantidade anual (em toneladas) de resíduos sólidos gerados (lixo, dejetos, entulho etc.). Percentual de resíduos encaminhados para reciclagem sem vínculo com a empresa. Percentual de resíduos reciclados por unidade ou entidade vinculada à empresa (projeto específico). Gastos com reciclagem dos resíduos (R$ mil) Percentual de material de consumo reutilizado (matériasprimas, equipamentos, fios e cabos elétricos) Gastos com destinação final de resíduos não perigosos (R$ mil) Percentual de equipamentos substituídos por óleo mineral isolante sem PCB (ascarel). Percentual de lâmpadas descontaminadas em relação ao total substituído na empresa. Percentual de lâmpadas descontaminadas em relação ao total substituído nas unidades consumidoras. Gastos com tratamento e destinação de resíduos tóxicos (incineração, aterro, biotratamento, etc.) (R$ mil) Consumo total de energia por fonte - hidrelétrica (KWh) - combustíveis fósseis - fontes alternativas (gás.energia eólica,energia solar etc.) Consumo total de energia (em KWh) Consumo de energia por KWh distribuído (vendido) Consumo total de combustíveis fósseis pela frota de veículos da empresa por quilômetro rodado: Diesel (litros) Gasolina (litros) Álcool (litros) 3

Gás natural (m ) Consumo total de água por fonte (em m³): Abastecimento (rede pública) Fonte subterrânea (poço) Captação superficial (cursos d'água) Consumo total de água (em m³) Consumo de água por empregado (em m³) Redução de custos obtida pela redução do consumo de energia, água e material de consumo (R$ mil) Origem dos materiais Percentual do material adquirido em conformidade com os critérios ambientais verificados pela empresa / total de material adquirido Percentual do material adquirido com Selo Verde ou outros Procel, Inmetro, etc.) Percentual do material adquirido com certificação florestal (Imaflora, FSC e outros) Educação e conscientização ambiental Educação ambiental – Na organização Número de empregados treinados nos programas de educação ambiental.

3.884

3.996

2.327

ND

0%

0%

0%

ND

100%

100%

100%

ND

0 ND

0 ND

0 ND

0 ND

ND 100%

186,0 100%

19,3 100%

ND ND

100%

100%

100%

ND

-

-

-

ND

44

8

55

ND

7.520.136 4.737.326 330.043 12.587.506 0,0014

7.327.604 4.874.871 301.269 12.503.744 0,0014

7.564.303 5.036.480 325.428 12.926.211 0,0013

ND ND ND ND ND

0,06

0,04

0,042

ND

0,12

0,08

0,085

ND

0

0

0

0

0

0

0

0

42.906 621 43.527 33,3 NA

43.073 317 0 43.390 33,1 NA

37.200 275 0 37.475 30,1 183,8

ND ND ND ND ND ND ND

2010 100%

2011 100%

ND

ND

ND

ND

ND

ND

ND

ND

2010

2011

0

1.860

955

2012 Meta 2013 100% 100%

2012 Meta 2013 1.400

ND 112


Percentual de empregados treinados nos programas de educação ambiental / total de empregados. Número de horas de treinamento ambiental / total de horas de treinamento. Recursos aplicados (R$ Mil) Educação ambiental – Comunidade Número de unidades de ensino fundamental e médio atendidas Percentual de escolas atendidas / nº total de alunos da rede escolar da área de concessão Número de alunos atendidos Percentual de alunos atendidos / número total de alunos das escolas da área de concessão Número de professores capacitados Número de unidades de ensino técnico e superior atendidas Percentual de escolas atendidas / número total de alunos da rede da área de concessão Número de alunos atendidos Percentual de alunos atendidos /Número total de alunos da rede escolar da área de concessão. Recursos aplicados (R$ mil)

73%

142%

19%

ND

ND

ND

ND

0,75%

37,00

28,00

21,41

ND

5

92 0,5%

100

100

ND

ND

18.945 ND

10.113

27.360

ND

ND

0 0 ND

808 4

500 0

ND

ND

0 0

100

ND

ND

ND

42,5

831,0

1.500

0,3% 577 ND 0 1 ND 100 ND 1,0

(1) Investimentos relacionados com a produção/ operação da empresa demonstrado no Balanço Social – Ibase (2) Acidentes significativos (3) O efluente da Coelce é lançado no sistema de saneamento público, pois é caracterizado, conforme avaliação laboratorial, efluente doméstico.

Indicadores de desempenho Supressão vegetal (m² de área suprimida por trimestre) (*) Poda (Volume de resíduos gerado em m³ por mês) Incidências de queimadas (Número de ocorrências e área degradada por queimadas por ano) Vazamento de óleo (pontos de vazamento por mês) Uso de fontes de energia alternativa em áreas protegidas ambientalmente

2010

2011

2012

ND

1.250.000

219.840

681,0

125,7

5.688

0

0

0

9,3

5,8

22,4

A Coelce não possui projetos Processador autônomo de picagem, compactação e enfardamento de podas de árvores.

Ações de Pesquisa e desenvolvimento (P&D) que favoreçam a prevenção da poluição (cronograma físico/financeiro do andamento do projeto)

ND

Pesquisa e Desenvolvimento do programa Conta Verde composto de modelo de valoração de resíduos não orgânicos baseado no programa Ecoelce.

Pesquisa e Desenvolvimento do programa Conta Verde composto de modelo de valoração de resíduos não orgânicos baseado no programa Ecoelce. Formulação polimérica para fabricação de postes, cruzetas e acessórios. Cabeça de série do protótipo de caixas para medidores de energia elétrica a base de fibra de coco.

113


Vazamento de óleo (pontos de vazamento por mês) Uso de fontes de energia alternativa em áreas protegidas ambientalmente

9,3

Máquina autônoma de coleta e tratamento de resíduos recicláveis para o programa Ecoelce.

Cabeça de série para aplicação de óleos ecológicos oriundos da biomassa nordestina em transformadores de distribuição e força

5,8

22,4

A Coelce não possui projetos

(*) O valor se refere à relação de toneladas para m3/mês de poda triturada.

114


Reconhecimentos externos Great Place to Work – Pelo quinto ano consecutivo, a Coelce figura no ranking nacional das 100 melhores empresas para se trabalhar, promovido pela revista Época em parceria com o Instituto Great Place to Work (GPTW). Guia Você S/A - Exame – Classificada pela sétima vez consecutiva entre as 150 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil, no Guia Você S/A. A Coelce foi ainda considerada uma das melhores empresas para se começar a carreira no Brasil, segundo o guia. Prêmio Iberoamericano de Qualidade – A Coelce recebeu o reconhecimento máximo da Fundación Iberoamericana para la Gestión de la Calidad (Fundibeq), pela excelência de sua gestão. O prêmio tem como objetivo reconhecer as organizações e fomentar o desenvolvimento das empresas latinoamericanas, incentivando as melhores práticas. Prêmio Pesquisa Cier – A companhia recebeu, pelo quarto ano consecutivo, o prêmio de melhor distribuidora de energia da América Latina na categoria Satisfação do Cliente. Trata-se de um reconhecimento internacional outorgado pela Comissão de Integração Energética Regional (Cier). A companhia também recebeu menção honrosa por seu desempenho em Responsabilidade Social. Prêmio Abradee 2012 – Pela quarta vez consecutiva, a Coelce foi premiada como a Melhor Distribuidora de Energia Elétrica do Brasil no reconhecimento promovido pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee). A empresa obteve o primeiro lugar nas categorias Avaliação do Cliente, Responsabilidade Social e Qualidade da Gestão; e, pela sétima vez consecutiva, foi eleita a Melhor Distribuidora do Nordeste. Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE 2012) – A Coelce foi considerada, pelo sétimo ano consecutivo, uma das ações mais confiáveis para se investir no Brasil, de acordo com o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), que analisa o desempenho das empresas listadas na BM&FBovespa. Prêmio Nacional de Qualidade de Vida (PNQV) – O Programa Bem Viver conquistou no presente ano a categoria Ouro no XVI Prêmio Nacional de Qualidade de Vida da Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV). O reconhecimento demonstra o compromisso da holding Endesa Brasil com o bem estar de todos os colaboradores da empresas do Grupo. O sucesso das ações de qualidade de vida pode ser comprovado pelo resultado da última pesquisa de satisfação do Bem Viver, cuja média geral - 93% - aumentou 3% em relação a 2011. Prêmio Medalha Eloy Chaves 2012 – Anualmente, o prêmio é concedido pela Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica (ABCE) às empresas do setor elétrico que apresentam os menores índices de acidentes no trabalho. Em 2012, a Coelce foi reconhecida na categoria Segurança do Trabalho, conquistando o terceiro lugar.

115


Prêmio Sesi de Qualidade no Trabalho (PQST) – A Coelce foi destaque do PSQT, que premia práticas de gestão. A companhia recebeu o reconhecimento na categoria Desenvolvimento Socioambiental, pelo projeto Auto Ecoelce. Prêmio Aberje 2012 – Concedido pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), prêmio destacou a Coelce como primeiro lugar na categoria “Comunicação de programas, projetos e ações culturais” da Regional Norte/Nordeste com o caso de sucesso “Luz nas Artes”. Prêmio QualiESCO – Eficiência Energética Destaque 2012 – As áreas de Eficiência Energética e Pesquisa e Desenvolvimento da Coelce receberam reconhecimento por suas práticas bem-sucedidas, conquistando a premiação promovida pela Associação Brasileira de Serviços de Conservação de Energia (Abesco). Prêmio Empresário Melhor Amigo do Esporte – Pela terceira vez consecutiva, a Coelce foi reconhecida em primeiro lugar com o “Prêmio Melhor Amigo do Esporte no Estado”. A distribuidora recebeu a premiação, patrocinada pelo Ministério do Esporte, por seus aportes na área por meio de Lei de Incentivo, que contribuíram para a promoção do esporte, com foco no desenvolvimento e inclusão social de jovens. Best Innovator – Revista Época – A Coelce conquistou o 14º lugar no ranking das empresas brasileiras com melhores resultados na área de inovação. A empresa foi a única da região Nordeste e a mais bem qualificada no ranking entre as concessionárias de energia elétrica do Brasil. A premiação reconheceu os programas de Gestão de Inovação, destacando os projetos Deu Certo e Bolsa Coelce de Inovações. Prêmio Fiec por Desempenho Ambiental – A Coelce foi uma das empresas destacadas no Prêmio Fiec, concedido pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará, que reconhece as empresas cujas práticas contribuem para a conservação do meio ambiente. A companhia foi premiada na categoria Educação Ambiental, por seu trabalho de desenvolvimento das comunidades com o projeto Nave Coelce. Certificado IBEF de Sustentabilidade – Concedido à Coelce pelo segundo ano consecutivo pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças, com certificação de Excelência em Sustentabilidade. Reconhecimento governamental – O Programa Ecoelce foi reconhecido pela Secretaria Geral da Presidência da República entre as 51 melhores práticas para o desenvolvimento do País. Empresa Amiga da Criança – A Fundação Abrinq – Save the Children reconheceu a Coelce como uma Empresa Amiga da Criança pelos compromissos assumidos na defesa dos direitos das crianças e adolescentes. Prêmio Delmiro Gouveia – Realizado pela Fundação Demócrito Rocha e pelo Grupo de Comunicação O Povo, o prêmio contou com a participação de quase 300 organizações e homenageou as maiores e melhores empresas do Estado. Além do destaque em contratação de pessoas com deficiência, a Coelce conquistou o 2º lugar entre as maiores empresas do Ceará e a 3ª colocação na categoria Desempenho Social para as empresas com faturamento acima de R$ 90 milhões.

116


Balanço social Ibase Balanço Social Anual / 2012 Companhia Energética do Ceará - COELCE 1 - Base de Cálculo

2012 Valor (Mil reais)

Receita líquida (RL)(1) Resultado operacional (RO)(1) Folha de pagamento bruta (FPB)(1) 2 - Indicadores Sociais Internos

Valor ( m il)

% sobre FPB

2011 Valor (Mil reais) 2.516.708

2.360.591

183.216

427.379

166.508 % sobre RL

Valor ( m il)

% sobre FPB

114.754 % sobre RL

Alimentação

8.096

4,86%

0,32%

7.489

6,53%

0,32%

Encargos sociais compulsórios

33.290

19,99%

1,32%

34.112

29,73%

1,45%

Previdência privada

5.739

3,45%

0,23%

6.071

5,29%

0,26%

Saúde

9.693

5,82%

0,39%

8.388

7,31%

0,36%

Segurança e saúde no trabalho

203

0,12%

0,01%

1.625

1,42%

0,07%

Educação

507

0,30%

0,02%

878

0,77%

0,04%

Cultura

133

0,08%

0,01%

117

0,10%

0,00%

Capacitação e desenvolvimento profissional

3.275

1,97%

0,13%

2.194

1,91%

0,09%

Creches ou auxílio-creche

1.165

0,70%

0,05%

1.547

1,35%

0,07%

10.559

6,34%

0,42%

10.817

9,43%

0,46%

349

0,21%

0,01%

259

0,23%

0,01%

73.009

43,85% % sobre RO

2,90% % sobre RL

73.497

64,05% % sobre RO

3,11% % sobre RL

Participação nos lucros ou resultados Outros (1) Total - Indicadores sociais internos 3 - Indicadores Sociais Externos Educação

Valor ( m il)

Valor ( m il)

99

0,05%

0,00%

300

0,07%

0,01%

Cultura

11.771

6,42%

0,47%

12.528

2,93%

0,53%

Esporte

0

0,00%

0,00%

457

0,11%

0,02%

Outros

60.141

32,83%

2,39%

112.869

26,41%

4,78%

Total das contribuições para a sociedade

72.011

39,30%

2,86%

126.154

29,52%

5,34%

1.238.495

675,98%

49,21%

1.184.462

277,15%

50,18%

1.310.506 Valor ( m il)

754,58% % sobre RO

54,93% % sobre RL

1.436.769 Valor ( m il)

336,18% % sobre RO

60,86% % sobre RL

20.549

11,22%

0,82%

20.179

4,72%

0,85%

Tributos (excluídos encargos sociais) Total - Indicadores sociais externos 4 - Indicadores Ambientais Investimentos relacionados com a produção/ operação da empresa Investimentos em programas e/ou projetos externos

11.583

6,32%

0,46%

21.259

4,97%

0,90%

Total dos investimentos em meio ambiente

32.132

17,54%

1,28%

41.438

9,70%

1,76%

Outros indicadores ambientais

2012

2011

( ) não po ssui metas ( ) cumpre de 51a 75% ( ) cumpre de 0 a 50% ( x ) cumpre de 76 a 100%

( ) não po ssui metas ( ) cumpre de 51a 75% ( ) cumpre de 0 a 50% ( x ) cumpre de 76 a 100%

5 - Indicadores do Corpo Funcional

2012

2011

Nº de empregados(as) ao final do período

1.244

1.309

Quanto ao estabelec imento de “ metas anuais” para minimizar resíduos, o c onsumo em geral na produç ão/ operaç ão e aumentar a efic ác ia na utilizaç ão de rec ursos naturais, a empresa:

Nº de admissões durante o período

54

95

5.903

6.300

Nº de estagiários(as)

223

229

Nº de empregados acima de 45 anos

675

692

Nº de mulheres que trabalham na empresa

283

297

% de cargos de chefia ocupados por mulheres

20%

27%

Nº de empregados(as) terceirizados(as)

Nº de negros(as) que trabalham na empresa

355

358

% de cargos de chefia ocupados por negros(as) Nº de portadores(as) de deficiência ou necessidades especiais

21%

21%

61

63

117


6 - Informações relevantes quanto ao exercício da cidadania empresarial Relação entre a maior e a menor remuneração na empresa Número total de acidentes de trabalho Os projetos sociais e ambientais desenvolvidos pela empresa foram definidos por: Os padrões de segurança e salubridade no ambiente de trabalho foram definidos por: Quanto à liberdade sindical, ao direito de negociação coletiva e à representação interna dos(as) trabalhadores(as), a empresa:

2012

Meta 2013

49,00

ND

5 ( ) direção

( ) to do s(as) empregado s(as)

( ) direção e gerências

( ) to do s(as) empregado s(as)

( ) não se envo lve

A previdência privada contempla:

( ) direção

A participação dos lucros ou resultados contempla:

( ) direção

( ) direção

( ) direção e gerências

(x ) to do s(as) empregado s(as)

( x ) to do s(as) + Cipa

( ) direção e gerências

( ) to do s(as) empregado s(as)

( x ) to do s(as) + Cipa

( ) segue as no rmas da OIT

( x ) incentiva e segue a OIT

( ) não se envo lverá

( ) seguirá as no rmas da OIT

(x ) incentivará e seguirá a OIT

( ) direção e gerências ( ) direção e gerências

( x ) to do s(as) empregado s(as) ( x ) to do s(as) empregado s(as)

( ) direção e gerências ( ) direção e gerências

( x ) to do s(as) empregado s(as) (x ) to do s(as) empregado s(as)

Na seleção dos fornecedores, os mesmos padrões éticos e ( ) não são ( ) são sugerido s de responsabilidade social e ambiental adotados pela co nsiderado s empresa: Quanto à participação de empregados(as) em programas ( ) não se envo lve ( ) apó ia de trabalho voluntário, a empresa: Número total de reclamações e críticas de na empresa: no P ro co n: 511 709.538 consumidores(as): % de reclamações e críticas atendidas ou solucionadas:

ND

(x ) direção e gerências

na empresa: 91,13%

Valor adicionado total a distribuir (em mil R$): 66% go verno

Distribuição do Valor Adicionado (DVA):

no P ro co n: 82,6% Em 2012: 1.916.783 8% pesso al

( ) direção ( ) direção

( x ) são exigido s

( ) não serão co nsiderado s

( ) serão sugerido s

( x ) serão exigido s

( x ) o rganiza e incentiva

( ) não se envo lverá

( ) apo iará

( x ) o rganizará e incentivará

na Justiça : 926

na empresa: 762.285

no P ro co n: 562

na Justiça: 926

na Justiça : 69,11%

na empresa: 95%

no P ro co n: 80% Em 2011: 1.921.081

18% terceiro s

8% acio nista

61% go verno

7% pesso al

na Justiça: 70% 12% terceiro s

20% acio nista

7 - Outras informações 1) Dados de 2011 ajustados. CNPJ: 07.047.251/0001-70

Setor Econômico: Energético- categoria Distribuição

UF da sede da empresa: Ceará

Para esclarecimentos sobre as informações declaradas: Cláudio Roberto de Azevedo Ferreira, (21) 3607-9525, crferreira@endesabr.com.br " Esta empresa não utiliza mão-de-obra infantil ou trabalho escravo, não tem envolvimento com prostituição ou exploração sexual da criança ou adolescente e não está envolvida em corrupção." "Nossa empresa valoriza e respeita a diversidade interna e externamente."

118


Informações corporativas Conselho de Administração Membros efetivos Mário Fernando de Melo Santos Presidente Marcelo Andres Llévenes Rebolledo Vice-presidente Nelson Ribas Visconti Gonzalo Manuel Vial Vial José Alves de Mello Franco Aurélio Ricardo Bustilho de Oliveira Jorge Parente Frota Júnior Conselheiro Independente Francisco Honório Pinheiro Alves Conselheiro independente Cristián Eduardo Fierro Montes Fernando Antônio de Moura Avelino Conselheiro Independente eleito por empregados Renato Soares Sacramento Conselheiro independente eleito por minoritários

Conselho Fiscal Membros efetivos Raimundo Francisco Padilha Sampaio Antônio Cleber Uchoa Cunha Sérgio Queiroz Lyra Representante dos minoritários Diretoria-Executiva Membros Abel Alves Rochinha Teobaldo José Cavalcante Leal David Augusto de Abreu Aurélio Ricardo Bustilho de Oliveira José Alves de Mello Franco José Nunes de Almeida Neto Carlos Ewandro Naegele Moreira José Távora Batista Olga Jovanna Carranza Salazar Cristine de Magalhães Marcondes Nelson Ribas Visconti

Membros suplentes Antonio Basílio Pires e Albuquerque Luciano Alberto Galasso Samaria

Teobaldo José Cavalcante Leal José Caminha Alencar Araripe Júnior

José Nunes de Almeida Neto José Távora Batista Juarez Ferreira de Paula Vládia Viana Régis

Membros suplentes Aldemir Ferreira de Paula Augusto José Aldro Luiz de Oliveira Luciana Menegassi Leocadio Silvestrini

Diretor-presidente Diretor de Relações com Investidores Diretor Financeiro Diretor de Planejamento e Controle Diretor de Regulação Diretor de Relações Institucionais e Comunicação Diretor de Recursos Humanos Diretor Técnico Diretora Comercial Diretora Jurídica Diretor de Assessoria Tributária 119


Relações com Investidores Abel Alves Rochinha | Diretor-presidente Teobaldo José Cavalcante Leal | Diretor de Relações com Investidores Isabel Alcântara | Responsável por Relações com Investidores www.coelce.com.br/ri.htm investor@coelce.com.br Telefones: (55) (85) 3453-4995 / (55) (85) 3453-4082 / (55) (21) 2613-7773 Instituição depositária das ações Banco Itaú S.A. Avenida Engenheiro Armando de Arruda, 707 – 9º andar – Jabaquara CEP 04344-902 – São Paulo – São Paulo – Brasil E-mail: marcio.conde-souza@itau-unibanco.com.br Bolsas de Valores Códigos de negociação na BM&FBovespa Coelce ON (COCE3) Coelce PNA (COCE5) Coelce PNB (COCE6) Auditores independentes Ernst & Young Terco Auditores Independentes S.S. Sites No site www.coelce.com.br/ri.htm estão disponíveis informações sobre o desempenho financeiro da companhia, indicadores de mercado, governança corporativa, relatórios, atos societários, balanços anuais e trimestrais, apresentações institucionais, entre outros. Em www.coelcesites.com.br/sustentabilidade podem ser encontrados dados referente aos projetos desenvolvidos e apoiados, notícias, sistema de gestão ambiental, dentre outros. Companhia Energética do Ceará (Coelce) Rua Padre Valdevino, 150 – Bairro Joaquim Távora CEP 60135-040 – Fortaleza – Ceará – Brasil Telefone: (55) (85) 3453-4800 CNPJ/MF: 07.047.251/0001-70 Registro na CVM: 01486-9 Inscrição Estadual: 06.105.848-3 Inscrição Municipal: 112.188-0 www.coelce.com.br

120

Relatório Anual Coelce 2012  
Relatório Anual Coelce 2012  
Advertisement