Issuu on Google+

LEGALIZE JÁ! O debate polêmico sobre a legalização das drogas está colocado há algum tempo no país e no mundo. A ilegalidade permite a lavagem de dinheiro, a criminalização da pobreza, a militarização das favelas e todas as consequências nocivas do tráfico. Além disso, a política proibicionista dos governos impede o avanço nos estudos das finalidades terapêuticas de várias substâncias e a atenção necessária da dependência enquanto medida de Saúde Publica.

Estatização da grande produção e do comércio sob controle do Estado!

A legalização deve ser controlada pelo Estado. Legalizar as drogas deve ser uma tarefa do Estado, pois só assim se combaterá o crime organizado e se impedirá a especulação e lavagem de dinheiro, inerentes ao narcotráfico. Também precisamos de uma política democrática de nacionalização para todas as drogas: as atuais ilícitas, mas também o tabaco, os fármacos e o álcool. Essa medida é fundamental para que não haja publicidade nem grandes corporações por trás da legalização. O dinheiro arrecadado deve ser destinado a fundos de investimentos sociais, ao orçamento da Saúde e, inclusive, ao tratamento de dependentes.


“É O CAPITALISMO QUE VICIA E PROÍBE AS DROGAS” Henrique Carneiro Professor da USP Militante do PSTU

Quem vicia e adoece a humanidade é o capitalismo!

Declarar guerra às drogas é declarar guerra à juventude negra e pobre! A política dos governos federal e estadual, ao invés de responsabilizar o Estado pela falta de assistência, culpa as vítimas, as criminaliza e contribui para a limpeza social dos grandes centros urbanos, como ocorre com a Nova Luz em São Paulo e em todas as favelas pais afora. Além disso, 1/5 da população carcerária masculina e metade da feminina são de pequenos traficantes, o que não afeta o crime organizado e incha as prisões com jovens pobres e negros, enquanto os empresários do tráfico ficam impunes. A juventude negra e pobre é a que mais sofre nas periferias das cidades, seja pela criminalização da pobreza ou pela militarização das favelas. O ingresso de adolescentes no narcotráfico reflete a falta de opções sociais e econômicas. A guerra às drogas é baseada na utilização de recursos públicos em meios repressivos, em abusos de autoridade, discriminação, aumento da violência, principalmente a praticada pelo Estado.

O vício, consumo compulsivo de mercadorias de qualquer espécie, é uma característica do sistema capitalista, que visa apenas o aumento da produção para obter cada vez mais lucros, tornando as pessoas dependentes de diversos produtos e atividades. Portanto, não é uma consequência natural, seja das drogas em geral ou mesmo de qualquer outra mercadoria, o comportamento compulsivo. Proibir a publicidade de fármacos e drogas em geral é também uma forma de evitar uma incitação ao vício da maior parte da população.

O uso terapêutico e recreativo deve ser um Direito! O uso terapêutico é uma necessidade para a humanidade. Hoje, a quarta parte de todos os remédios da indústria farmacêutica são derivados do conhecimento fitoterápico dos povos ao longo da historia. Propriedades terapêuticas há muito cultivadas como as da Cannabis, por exemplo, estão em risco por sua proibição. Por outro lado, submeter todas as drogas a um mesmo regime de legalidade, sem publicidade, com controle de utilização a partir das diferentes substâncias e também com fiscalização do seu uso irresponsável, pode levar ao uso recreativo sem distúrbios sociais.

Procure-nos! Contra a injustiça social, tome partido! facebook.com/juventudedopstu


PSTU Marcha da Maconha 2012